DST

2.481 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.481
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
61
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

DST

  1. 1. SERV-FOR-0006, rev. 0 DSTDoenças Sexualmente Transmissíveis dezembro de 2012
  2. 2. SUMÁRIOCancro moleClamídia e gonorreiaCondiloma acuminado (HPV)Doença Inflamatória Pélvica (DIP)DonovanoseHepatites viraisHerpesInfecção pelo vírus T (HTLV)Linfogranuloma venéreoSífilisTriconomíase
  3. 3. Cancro mole
  4. 4. Cancro mole 4O que éO cancro mole pode ser chamado de cancro venéreo, mas seu nome mais popular é“cavalo”. Provocado pela bactéria Haemophilus ducreyi, é mais frequente nas regiõestropicais, como o Brasil.Formas de contágioA transmissão ocorre pela relação sexual com uma pessoa infectada, sendo o uso dacamisinha a melhor forma de prevenção.
  5. 5. Cancro mole 5Sinais e sintomas•Dor de cabeça, febre e fraqueza (5 a 15 dias após contagio).•Surgimento de pequenas feridas, dolorosas, com presença de pus nos órgãos genitaisque gradativamente aumentam de tamanho e profundidade.•Aparecimento de novas lesões em volta da primeira.•Aparecimento de íngua na virilha (caroço doloroso e avermelhado).•Sensação de dor na relação sexual e ao evacuar.Nos homens, as feridas aparecem na cabeça do pênis (glande)Nas mulheres as feridas aparecem na vagina e/ou no ânus.TratamentoNa presença de qualquer sinal ou sintoma dessa DST, é recomendado procurar umprofissional de saúde, para o diagnóstico correto e indicação do tratamento comantibiótico adequado.
  6. 6. Clamídia egonorreia
  7. 7. Clamídia e gonorreia 7O que são?Clamídia e gonorreia são infecções causadas por bactérias que podem atingir osórgãos genitais masculinos e femininos. A clamídia é muito comum entre osadolescentes e adultos jovens, podendo causar graves problemas à saúde. A gonorreiapode infectar o pênis, o colo do útero, o reto (canal anal), a garganta e os olhos.Quando não tratadas, essas doenças podem causar infertilidade (dificuldade para terfilhos), dor durante as relações sexuais, gravidez nas trompas, entre outros danos àsaúde.
  8. 8. Clamídia e gonorreia 8Sinais e sintomas•Dor ao urinar ou no baixo ventre (pé da barriga).•Aumento de corrimento.•Sangramento fora da época da menstruação, dor ou sangramento durante a relaçãosexual.•Sensação de ardor e esquentamento ao urinar, podendo causar corrimento ou pus.Dor nos testículos. É possível que não haja sintomas e se transmita a doença sem saber. Para evitar, énecessário o uso da camisinha em todas as relações sexuais.DiagnósticoPor meio da consulta com um profissional de saúde, exame clínico específico e coletade secreções genitais
  9. 9. Clamídia e gonorreia 9TratamentoNa presença de qualquer sinal ou sintoma dessas DST, é recomendado procurar umprofissional de saúde, para o diagnóstico correto e indicação do tratamento adequado,com o uso de antibióticos específicos.Oftalmia NeonatalÉ uma conjuntivite do recém-nascido após contaminação durante o nascimento, comsecreções genitais da mãe infectada por clamídia e gonorreia, que não foram tratadas.Surge no primeiro mês de vida e pode levar à cegueira, se não prevenida ou tratadaadequadamente.Sinais e sintomas - Vermelhidão e inchaço das pálpebras e/ou presença de secreção(pus) nos olhos.
  10. 10. Condilomaacuminado (HPV)
  11. 11. Condiloma acuminado (HPV) 11O que éO condiloma acuminado, conhecido também como verruga genital, crista de galo,figueira ou cavalo de crista, é uma DST causada pelo Papilomavírus humano (HPV).Pode causar câncer, principalmente no colo do útero e do ânus. O exame de prevenção do câncer ginecológico, o Papanicolau, pode detectaralterações precoces no colo do útero e deve ser feita de rotina por todas asmulheres.Não se conhece o tempo em que o HPV pode permanecer sem sintomas e quais sãoos fatores responsáveis pelo desenvolvimento de lesões. Por esse motivo, érecomendável procurar serviços de saúde para consultas periodicamente.
  12. 12. Condiloma acuminado (HPV) 12Sinais e Sintomas•Aparecimento de verrugas de tamanhos variáveis.•No homem, é mais comum na cabeça do pênis (glande) e na região do ânus.•Na mulher, os sintomas mais comuns surgem na vagina, vulva, região do ânus ecolo do útero.As lesões também podem aparecer na boca e na garganta. Tanto o homem quanto amulher podem estar infectados pelo vírus sem apresentar sintomas.Formas de contágioA principal forma de transmissão desse vírus é pela via sexual. Para ocorrer ocontágio, a pessoa infectada não precisa apresentar sintomas. Mas, quando averruga é visível, o risco de transmissão é muito maior. O uso da camisinha durantea relação sexual geralmente impede a transmissão do vírus, que também pode sertransmitido para o bebê durante o parto.
  13. 13. Condiloma acuminado (HPV) 13TratamentoNa presença de qualquer sinal ou sintoma dessa DST, é recomendado procurar umprofissional de saúde, para o diagnóstico correto e indicação do tratamentoadequado.VacinaEm 2006 foi aprovada pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autilização da Vacina Quadrivalente produzida pelo Laboratório Merck Sharp &Dohme contra os tipos 6,11,16 e 18 do HPV, para meninas e mulheres de 9 a 26anos que não tenham a infecção. Esta vacina confere proteção contra os víruscitados acima, os quais são responsáveis por 70% dos casos de câncer do colo doútero (tipos 16 e 18) e 90% dos casos de verrugas (condilomas) genitais (tipos 6 e11).
  14. 14. Doença Inflamatória Pélvica (DIP)
  15. 15. Doença Inflamatória Pélvica (DIP) 15O que éA doença inflamatória pélvica (DIP) pode ser causada por várias bactérias queatingem os órgãos sexuais internos da mulher, como útero, trompas e ovários,causando inflamações.Formas de contágioEssa infecção pode ocorrer por meio de contato com as bactérias após a relaçãosexual desprotegida. A maioria dos casos ocorre em mulheres que tem outra DST,principalmente gonorreia e clamídia não tratadas. Entretanto também pode ocorrerapós algum procedimento médico local (inserção de DIU - Dispositivo Intra-Uterino,biópsia na parte interna do útero, curetagem).
  16. 16. 16 Doença Inflamatória Pélvica (DIP)Sinais e sintomas•Dor na parte baixa do abdômen (no “pé da barriga” ou baixo ventre).•Pode haver secreção vaginal (do colo do útero).•Dor durante a relação sexual.•Febre•Desconforto abdominal, fadiga, dor nas costas e vômitos.TratamentoNa presença de qualquer sinal ou sintoma dessa DST, é recomendado procurarimediatamente um profissional de saúde, para o diagnóstico correto e indicação dotratamento adequado.
  17. 17. Donovanose
  18. 18. Donovanose 18O que éÉ uma infecção causada pela bactéria Klebsiella granulomatis, que afeta a pele emucosas das regiões da genitália, da virilha e do ânus. Causa úlceras e destrói apele infectada. É mais frequente no Norte do Brasil e em pessoas com baixo nívelsocioeconômico e higiênico.
  19. 19. Donovanose 19Sinais e sintomas•Caroços e feridas vermelhas e sangramento fácil.•Lesão nos órgãos genitais que lentamente se transforma em úlcera ou caroçovermelho.A ferida pode atingir grandes áreas, danificar a pele em volta e facilitar a infecção poroutras bactérias. Como as feridas não causam dor, a procura pelo tratamento podeocorrer tardiamente, aumentando o risco de complicações.TratamentoO tratamento, com uso de antibióticos, deve ser prescrito pelo profissional de saúdeapós avaliação cuidadosa. Deve haver retorno após término do tratamento paraavaliação de cura da infecção. É necessário evitar contato sexual até que ossintomas tenham desaparecidos e o tratamento finalizado.
  20. 20. Hepatite
  21. 21. Hepatite 21O que éInfecção das células hepáticas pelo HBV (Hepatitis B Virus), comumente chamada,inflamação do fígado. Podem apresentar tanto formas agudas, quanto crônicas deinfecção, quando a doença persiste no organismo por mais de seis meses.
  22. 22. Hepatite 22Sinais e sintomas•Falta de apetite.•Febre.•Náuseas.•Vômitos.•Astenia, diarréia, dores articulares, icterícia (amarelamento da pele e mucosas).Pode evoluir para: Hepatite crônica, Cirrose hepática, Câncer do fígado(Hepatocarcinoma), além de formas agudas severas com coma hepático e óbito.DiagnósticoÉ feito através de exames realizados no sangue do paciente.
  23. 23. Hepatite 23TratamentoNão há medicamento para combater diretamente o agente da doença,tratam-se apenas os sintomas e as complicações.PrevençãoVacina, obtida por engenharia genética, com grande eficácia nodesenvolvimento de níveis protetores de anticorpos (3 doses). Recomenda-se os mesmo cuidados descritos na prevenção da AIDS, ou seja, sexoseguro e cuidados com a manipulação do sangue.
  24. 24. Herpes
  25. 25. Herpes 25O que éÉ uma doença causada por um vírus que, apesar de não ter cura, temtratamento. Seus sintomas são geralmente pequenas bolhas agrupadasque se rompem e se transformam em feridas. Depois que a pessoa tevecontato com o vírus, os sintomas podem reaparecer dependendo de fatorescomo estresse, cansaço, esforço exagerado, febre, exposição ao sol,traumatismo, uso prolongado de antibióticos e menstruação. Em homens emulheres, os sintomas geralmente aparecem na região genital (pênis, ânus,vagina, colo do útero).
  26. 26. Herpes 26Formas de contágioO herpes genital é transmitido por meio de relação sexual (oral, anal ou vaginal) semcamisinha com uma pessoa infectada. Em mulheres, durante o parto, o vírus pode sertransmitido para o bebê se a gestante apresentar lesões por herpes. Por ser muitocontagiosa, a primeira orientação dada a quem tem herpes é uma maior atenção aoscuidados de higiene: lavar bem as mãos, evitar contato direto das bolhas e feridascom outras pessoas e não furar as bolhas.Sinais e sintomas•Surgimento de pequenas bolhas na região genital (parte externa da vagina e naponta do pênis), que se rompem formando feridas e desaparecem espontaneamente.•Formigamento, ardor e coceira no local, além de febre e mal-estar.TratamentoNa presença de qualquer sinal ou sintoma dessa DST, é recomendado procurar umprofissional de saúde, para o diagnóstico correto e indicação do tratamento adequado.Não furar as bolhas e não aplicar pomadas no local sem recomendação profissional.
  27. 27. HTLV
  28. 28. HTLV 28O que éA doença é causada pelo vírus T-linfotrópico humano (HTLV), que infecta as células dedefesa do organismo, os linfócitos T. O HTLV foi o primeiro retrovírus humano isolado (noinício da década de 1980) e é classificado em dois grupos: HTLV-I e HTLV-II.Formas de contágioA transmissão desse vírus se dá pelo sexo sem camisinha com uma pessoa infectada,compartilhamento de seringas e agulhas durante o uso de drogas e da mãe infectada para orecém-nascido (também chamado de transmissão vertical), principalmente pelo aleitamentomaterno. Evitar a doença não é difícil. Basta usar camisinha em todas as relações sexuais enão compartilhar seringa, agulha e outro objeto cortante com ninguém. O preservativo estádisponível gratuitamente na rede pública de saúde. Caso não saiba onde retirar acamisinha, ligue para o Disque Saúde (136).
  29. 29. HTLV 29Sinais e sintomasA maioria dos indivíduos infectados pelo HTLV não apresentam sintomas durante todaa vida. Mas um pequeno grupo dos infectados pode desenvolver manifestaçõesclínicas graves, como alguns tipos de câncer, além de problemas musculares(polimiosite), nas articulações (artropatias), nos pulmões (pneumonite linfocítica), napele (dermatites diversas), na região ocular (uveíte), além da síndrome de Sjögren,doença autoimune que destrói as glandulas que produzem lágrima e saliva.TratamentoComo o risco do desenvolvimento da doença associado ao HTLV é muito baixo, nãohá tratamento específico para a infecção. O paciente deve ser acompanhado emserviço de saúde especializado, para diagnosticar e tratar precocemente doenças quepodem estar associadas.
  30. 30. Linfogranuloma venéreo
  31. 31. Linfogranuloma venéreo 31O que éÉ uma infecção crônica causada pela bactéria Chlamydia trachomatis, que atinge osgenitais e os gânglios da virilha.Formas de contágioA transmissão do linfogranuloma venéreo ocorre pelo sexo desprotegido com umapessoa infectada. Por isso, é preciso usar camisinha sempre e cuidar da higieneíntima após a relação sexual.
  32. 32. Linfogranuloma venéreo 32Sinais e sintomas•Surgimento de ferida ou caroço muito pequeno que pode ser no pênis, vagina, boca,colo do útero e ânus (07 a 30 dias após o contágio) que dura, em média, de três acinco dias.•Lesão passageira e de difícil identificação.•Dor nas articulações.•Febre e mal estarEntre duas a seis semanas após a ferida, surge um inchaço doloroso dos gânglios davirilha. Se esse inchaço não for tratado rápido, pode piorar e formar feridas com saídade secreção purulenta, além de deformidade localTratamentoNa presença de qualquer sinal ou sintoma dessa DST, é recomendado procurar umprofissional de saúde, para o diagnóstico correto e indicação do tratamento adequado,que consiste em uso de antibióticos por tempo determinado.
  33. 33. Sífilis
  34. 34. Sífilis 34O que éÉ uma doença infecciosa causada pela bactéria Treponema pallidum. Podem semanifestar em três estágios. Os maiores sintomas ocorrem nas duas primeiras fases,período em que a doença é mais contagiosa. O terceiro estágio pode não apresentarsintoma e, por isso, dá a falsa impressão de cura da doença.Todas as pessoas sexualmente ativas devem realizar o teste para diagnosticar asífilis, principalmente as gestantes, pois a sífilis congênita pode causar aborto, máformação do feto e/ou morte ao nascer. O teste deve ser feito na 1ª consulta do pré-natal, no 3º trimestre da gestação e no momento do parto (independentemente deexames anteriores). O cuidado também deve ser especial durante o parto para evitarsequelas no bebê, como cegueira, surdez e deficiência mental.
  35. 35. Sífilis 35Formas de contágioA sífilis pode ser transmitida de uma pessoa para outra durante o sexo sem camisinha comalguém infectado, por transfusão de sangue contaminado ou da mãe infectada para o bebêdurante a gestação ou o parto. O uso da camisinha em todas as relações sexuais e ocorreto acompanhamento durante a gravidez são meios simples, confiáveis e baratos deprevenir-se contra a sífilis.DiagnósticoQuando não há evidencia de sinais e ou sintomas, é necessário fazer um testelaboratorial. Mas, como o exame busca por anticorpos contra a bactéria, só pode serfeito a partir da primeira à terceira semana após o contágio.
  36. 36. Sífilis 36Sinais e sintomasSurgimento de pequenas feridas nos órgãos sexuais e caroços nas virilhas (ínguas),que surgem entre a 7 e 20 dias após o Contágio (primeiros sintomas).A ferida e as ínguas não doem, não coçam, não ardem e não apresentam pus. Mesmosem tratamento, essas feridas podem desaparecer sem deixar cicatriz. Mas a pessoacontinua doente e a doença se desenvolve. Ao alcançar um certo estágio, podemsurgir manchas em várias partes do corpo (inclusive mãos e pés) e queda doscabelos.Após algum tempo, que varia de pessoa para pessoa, as manchas tambémdesaparecem, dando a ideia de melhora. A doença pode ficar estacionada por mesesou anos, até o momento em que surgem complicações graves como cegueira,paralisia, doença cerebral e problemas cardíacos, podendo, inclusive, levar à morte.TratamentoRecomenda-se procurar um profissional de saúde, pois só ele pode fazer odiagnóstico correto e indicar o tratamento mais adequado, dependendo de cadaestágio. É importante seguir as orientações médicas para curar a doença.
  37. 37. Tricomoníase
  38. 38. Tricomoníase 38O que éÉ uma infecção causada pelo protozoário Trichomonas vaginalis. Nas mulheres,ataca o colo do útero, a vagina e a uretra, e nos homens, o pênis.Formas de contágioA doença pode ser transmitida pelo sexo sem camisinha com uma pessoainfectada. Para evitá-la, é necessário usar camisinha em todas as relaçõessexuais (vaginais, orais ou anais). É a forma mais simples e eficaz de evitar umadoença sexualmente transmissível.
  39. 39. Tricomoníase 39Sinais e Sintomas•Corrimento abundante, amarelo ou amarelo-esverdeado, bolhoso e com forteodor fétido.•Dor durante a relação sexual.•Ardência e dificuldade para urinar.•Coceira nos órgãos sexuais.As pessoas infectadas podem não sentir alterações no organismo.TratamentoNa presença de qualquer sinal ou sintoma dessa DST, é recomendado procurarum profissional de saúde, para o diagnóstico correto e indicação do tratamentoadequado. Os parceiros também precisam de tratamento, para que não hajanova contaminação da doença.
  40. 40. 40

×