SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 62
Baixar para ler offline
OFICINA PARA A PREVENÇÃO DE CASOS DE
SÍFILIS CONGÊNITA
COORDENADORIA REGIONAL SAÚDE OESTE
Introdução e histórico
Doença Milenar: 2.637 a.C. – médicos chineses descrevem cancros genitais e manifestações
cutâneas do secundarismo e terciarismo. O mercúrio já era conhecido como medicação efetiva.
Origem:
Teoria Unitária: microrganismo já existiria no território europeu e com o passar do tempo adquiriu
características que aumentaram sua virulência e permitiram o desencadeamento de epidemias.
Teoria do Novo Mundo: originária da América e introduzida na Europa pelos marinheiros de
Colombo.
Histórico:
Final do século XV a Europa foi assolada por uma epidemia muito grave de sífilis, até então uma
doença desconhecida. No início doença de grande virulência da doença, tanto pela agressividade
das lesões, como pela rapidez com que o quadro clínico, causa de intenso sofrimento e muitas
mortes.
1494/1495 - Campanha militar do rei da França, Carlos VIII, que reivindicava o reino de Nápoles.
Forçada sua retirada para o norte da Itália: 1º documento sobre a doença, relato clínico pelos
médicos venezianos Cumano e Benedetto.
1945 - Dissolução do exército - aparece em cidades da Itália e do sul da França.
1496 - Chega a Paris e Alemanha.
1497 - Chega a Inglaterra e na Escócia. Em menos de 10 anos a epidemia já tinha se manifestado
em todo o continente.
Etimologia
 Recebeu dos franceses o nome de Mal de Nápoles enquanto que os italianos a chamaram
de Mal Francês, ou Mal Gálico. Mal Polonês, Mal Germânico, Mal Espanhol, Mal Cristão.
 Jacques de Béthencourt, francês, rejeitando a denominação de mal gálico, chamou-a de
morbus venereus, do latim, relativo a Venus, deusa do amor e da fertilidade. O caráter
venéreo da doença foi logo identificado e ela passou a ser percebida como consequência de
punição divina.
 1530 - O nome sífilis surgiu em um poema escrito pelo médico Girolamo Fracastoro, de
Verona, que escreveu o poema “Syphilis sive morbus gallicus”, em que conta as desventura
de um criador de porcos, Syphilus. O nome do personagem vem do grego sialos ‘porco’
y philos ‘amigo’.
Fracastoro publicou um ensaio em 1546 - Sobre o contagio e as enfermedades
contagiosas – em que descreve a enfermidade, que nomeia mal de Syphilus. Passou a ser
conhecida por este nome apenas no sec. XIX, quando se descobriu a existência dos
microorganismos.
 1579 - O termo lues, do latim, significa peste, praga e foi idealizado pelo medico Jean
Fernel.
Histórico
 Início epidemia - grande virulência da doença, tanto pela agressividade das lesões, como
pela rapidez com que o quadro clínico se desenvolvia, causa de intenso sofrimento e
muitas mortes.
 Segregação dos sifilíticos.
 O mercúrio foi o primeiro tratamento específico da sífilis e foi utilizado por cerca de 450
anos, até meados do século XX.
 Sec XVII - abrandamento das manifestações clínicas, que se tornaram semelhantes atuais.
Vários dos autores da época atestaram essa atenuação da virulência e chegaram a
vaticinar a erradicação da sífilis.
 Menos otimista, o francês Jean Fernel, astrônomo, matemático, e um dos mais
importantes médicos do século XVI, profeticamente, assegurou que se Deus, por Sua
clemência, não destruísse a doença venérea, ela ficaria para sempre na companhia da raça
humana.
Epidemiologia
 1905 – Identificação do agente etiológico da sífilis em serosidade de
cancro duro por Schaudim. Hoffman denomina o agente etiológico da
sífilis de Treponema pallidum.
 Advento da Penicilina na década de 40 – diminuição abrupta de casos.
 Incidência voltou a crescer na década de 60 e principalmente 80.
 Maioria dos casos: homens e mulheres entre 15 a 50 anos
 Atualmente observa-se tendência mundial no reaparecimento da sífilis
entre a população em geral e, particularmente, da Sífilis Congênita,
tornando-a um desafio para a Saúde Pública.
Epidemiologia
• Estudo sentinela realizado em 2004 em amostra
representativa de parturientes de 15 a 49 anos de todas as
regiões do Brasil observou taxa de prevalência de 1,6%.
• Destes dados estimaram-se 50 mil parturientes e a 12 mil
nascidos vivos com sífilis (taxa de transmissão vertical de
25%).
Notificação
Sífilis Congênita: notificação compulsória desde 1986
Sífilis em gestante: notificação compulsória desde 2005: (Portaria
nº 33, de julho de 2005)
Sífilis em adulto: notificação compulsória desde 2010 (Portaria nº
104, de janeiro de 2010)
O Ministério da Saúde lançou, em 1993, o Projeto de Eliminação da
SC com o objetivo de reduzir sua incidência .
O Pacto pela Saúde: meta de incidência de SC de 0,5 /1000 nascidos
vivos até 2015, para considerar a eliminação deste agravo.
• Doença infecciosa, bacteriana, de transmissão 95% sexual,
produzida pela bactéria Treponema pallidum, não cultivável in
vitro
• Patógeno exclusivo do ser humano
• Evolução crônica e sistêmica. Pode ser transmitida também por
contato com lesões infectantes ativas e
• Por via transplacentária para o feto, em todos os períodos da
gestação e qualquer fase da doença. Também pelo canal do parto.
Etiologia e transmissão
 Recente: menos de um ano de evolução
Primária
Secundária
Latente precoce
 Tardia: mais de um ano de evolução
Latente tardia
Terciária
Classificação
 Surge no local de inoculação em média 3 semanas após o contágio
 Lesão erosada ou ulcerada, em geral única, bordas duras, fundo liso
e brilhante, recoberta por secreção serosa
 Indolor, pode não ser percebido
 Após uma a duas semanas aparece adenopatia regional bilateral
 Regride espontaneamente dentro de 4 a 5 semanas
 Embora não existam manifestações sistêmicas, já ocorre
disseminação hematogênica nesta fase e a chance de transmissão
vertical é de 100%
Fase Primária: cancro duro
Homem
- sulco bálano-prepucial
- glande
- perianal
- boca
Fase Primária: cancro duro
Desaparece espontaneamente em 1 a 2 meses, sem
deixar cicatrizes
Mulher
• pequenos lábios
• grandes lábios
• parede vaginal
• colo uterino
• perianal
• boca
80-90% das mulheres não
percebem a lesão
Fase Primária: cancro duro
Outros locais de Inoculação
Fase Primária: cancro duro
Fase Secundária
Ocorre 6 a 8 semanas após a fase primária
 febre, apatia, mal estar, artralgias e rash cutâneo
 linfadenopatia generalizada, indolor
 alopécia e amarose
 máculas de cor eritematosa (roséola sifilítica)
 lesões papulosas, de superfície plana, recobertas por discretas escamas,
sendo ricas em treponemas e altamente contagiosas (placas mucosas e
condiloma plano)
 chance de transmissão vertical de 90%
Lesões Maculosas (roséolas sifilíticas)
 Arredondadas, ovaladas
 Não pruriginosas
 Não descamativas
 Local: tronco e raízes dos membros
Fase Secundária
Alopécia e amarose
Fase Secundária
Fase Secundária: lesões papulosas
eritematosa
acneiformes lenticular
descamativa
lenticular
Fase Secundária: lesões papulosas
eritematosa descamativa descamativa
lenticular
Condiloma plano •Placas mucosas
Não apresenta sintomas ou sinais clínicos, mas causa danos nos orgãos
internos.
• É dividida em relação ao tempo decorrido da infecção:
Sífilis latente recente: menos de 1 ano
Sífilis latente tardia: mais de 1 ano
• Diagnóstico feito por meio de testes sorológicos
• Títulos são menores que na fase secundária
• Chance de transmissão vertical de 30%
A maioria dos casos encontram-se nesta fase (86%)
Sífilis Latente
Sífilis Terciária
Após 3 a 12 anos de infecção
Desenvolve-se em 1/3 dos pacientes não tratados
A característica das lesões terciárias é a formação de granulomas destrutivos (gomas)
e ausência quase total de treponemas.
Manifestações clínicas:
• lesões cutâneo-mucosas (tubérculos ou gomas)
• lesões articulares
• osteossífilis
• sífilis cardiovascular (principalmente aorta)
• neurossífilis
Os títulos sorológicos são baixos ou não reagentes
Sífilis Terciária
Sífilis Terciária
2 a 40 anos
21 dias (10 – 90 dias)
Sífilis
Secundária
Latente Recente
Latente Tardia
Chance de
Transmissão
Vertical de 90%
Chance de Transmissão Vertical
de 30%
Lesões cutâneas, mucosas
generalizadas (roséolas sifilíticas),
sifilides papulosas, condiloma
plano, alopecia, poliadenopatia,
etc
Cancro duro que poderá passar
desaparecido na mulher quando
localizado nas paredes vaginais ou
no colo do útero
Lesões cutâneo mucosas,
neurossífilis, alterações
cardiovasculares, alterações
articulares
75%
VDRL+
100%
VDRL+
Baixos Títulos
VDRL
Baixos Títulos
ou VDRL -
< 1 ano
> 1 ano
Chance de
Transmissão Vertical
de 100%
Sífilis
Primária
Exposição Sexual ao T pallidum
Diagnóstico Laboratorial
da Sífilis
PROVAS DIRETAS: Imunofluorescência direta / PCR
o Demonstram a presença do T. pallidum - são definitivas
o Indicadas na sífilis primária e secundária
Diagnóstico Laboratorial
Diagnóstico Laboratorial
Exames Sorológicos
Teste não treponêmico:
• VDRL
Testes treponêmicos
• ELISA
• TPHA
VDRL (Veneral Disease Research Laboratory)
•Teste qualitativo e quantitativo
•Sensibilidade de 90%
•Possibilidade de titulação, permitindo acompanhar o
tratamento
Teste não Treponêmico
VDRL
• Reativo na 2ª semana depois do cancro (em 75% nos casos de
Sífilis Primária
• Títulos elevados na fase secundária (>1:16)
• Na sífilis latente tardia e terciária os títulos são baixos. Mesmo
em casos não tratados, pode ser não reagentes em 1/3 dos
pacientes)
Teste não Treponêmico
VDRL (Veneral Disease Research Laboratory)
Limitações:
• reações falso-positivas: malária, gravidez, viroses, tuberculose,
hanseníase e doenças auto-imunes.
• reações falso-negativas sífilis secundária. (1% a 2%):→
decorrem do excesso de anticorpos - efeito prozona
(necessidade de efetuar diluição).
• Técnica Manual e de interpretação subjetiva.
Teste não Treponêmico
VDRL
Diluição
do soro 1:1 1:2 1:4 1:8 1:16 1:32 1:64 1:128
Leitura R R R R R R FR NR
Resultado Reativo na diluição de 1:32
Teste não Treponêmico
VDRL
Controle mensal com VDRLControle mensal com VDRL
A elevação de 2 títulos do VDRL (ex: de 1/2 para 1/8)
justifica um novo tratamento.
Teste não Treponêmico: Controle
VDRL
Após tratamento correto, podem permanecer com títulos
baixos por longos períodos ou por toda a vida (cicatriz
sorológica). O teste pode ser reativo mesmo sem infecção.
3 títulos sucessivos ≤ ¼ após tratamento: possível cicatriz
sorológica.
Teste não Treponêmico: Cicatriz Sorológica
A cicatriz sorológica deve ser considerada somente após
confirmação de tratamento da gestante e parceiro
corretamente realizado.
Se o tratamento não tiver sido administrado corretamente,
for desconhecido ou sem registro, iniciar imediatamente o
esquema terapêutico da gestante e parceiro.
Teste não Treponêmico: Cicatriz Sorológica
Testes Treponêmicos:
• ELISA
• TPHA
Importantes para o diagnóstico da doença.
Aparecem mais precocemente, a partir de 15 dias da infecção.
Podem permanecer no soro por toda a vida  não servem para
seguimento.
Diagnóstico Laboratorial
ELISA – Imunoensaio enzimático quimioluminescência
Vantagens:
• Automatizado
• Apresenta leitura objetiva dos resultados
• Alta sensibilidade
Testes Treponêmicos
TPHA ( Treponema pallidum hemaglutination)
• Maior especificidade e sensibilidade.
• Utiliza-se para confirmação diagnóstica, permite a exclusão dos
resultados falso-positivos.
• Não serve para acompanhamento, pois não permite diferenciar
infecção recente de infecção passada. Os anticorpos treponêmicos
podem persistir por toda a vida.
• Na criança deve ser realizado após os 18 meses, quando os
anticorpos adquiridos passivamente da mãe não são mais
detectados.
Testes Treponêmicos
Algoritmo de testes laboratoriais - sAlgoritmo de testes laboratoriais - síífilisfilis
Portaria CCDPortaria CCD –– 24/09/2010:24/09/2010:
Recomenda o uso do algoritmo convencional de testes laboratoriais
para o imunodiagnóstico da sífilis em laboratórios com baixa
demanda de exames para sífilis.
Recomenda a introdução de um algoritmo alternativo de testes
laboratoriais para o imunodiagnóstico da sífilis em laboratórios
com elevada demanda de exames para sífilis.
Revoga a Nota Técnica CCD - 04/2007 -Nº238, Seção I, p.50,
publicada no D.O. em 19/12/2007
ElisaElisa
VDRLVDRL
TPHATPHA
Algoritmo AlternativoAlgoritmo Alternativo
• É um teste treponêmico
• Só pode ser realizado por profissionais capacitados e certificados
para a execução, leitura e interpretação dos resultados
• Usado como triagem nas unidades de saúde
• Amostra de sangue para o teste convencional deverá ser colhida no
mesmo dia, para fins de diagnóstico e controle
Teste Rápido
ELISA VDRL TPHA INTERPRETAÇÃO
NEGATIVO NÃO REALIZADO NÃO REALIZADO
AMOSTRA NÃO REAGENTE
Em caso de suspeita clínica e/ou
epidemiológica de infecção pelo
Treponema pallidum, solicitar nova
coleta em até 21 dias.
POSITIVO NEGATIVO NEGATIVO AMOSTRA NÃO REAGENTE:
AUSENCIA DE INFECÇÃO OU PERÍODO DE
INCUBAÇÃO ?
Em caso de suspeita clínica e/ou
epidemiológica de infecção pelo
treponema pallidum, solicitar nova
coleta de amostra após 21 dias
POSITIVO NEGATIVO POSITIVO OU
INDETERMINADO
SIFILIS PRIMÁRIA OU PREVIAMENTE
TRATADA OU LATENTE TARDIA NÃO
TRATADA
Pode se tratar de sífilis recente ou
latente tardia, onde o VDRL pode estar
indetectável . Investigar história de
tratamento anterior, pois também pode
indicar infecção anterior.
POSITIVO POSITIVO NÃO REALIZADO SÍFILIS (TRATAR)
Fase Primária: tratamento
Penicilina Benzatina: 2,4 milhões UI intramuscular
Dose Única (1,2 milhões UI em cada glúteo)
Obs: sífilis primária é a lesão de cancro duro, portanto
essa dose de penicilina só deve ser indicada em
presença desta lesão.
Fase secundária: tratamento
Penicilina Benzatina: 4,8 milhões UI
IM profundo, sendo 1.200.000 UI em cada glúteo
(duas doses semanais de 2,4 milhões)
 Obs: a sífilis secundária apresenta lesões de pele, portanto
esta dosagem de penicilina só deve ser indicada em presença
de tais lesões.
 Se a gestante se apresentar nesta fase a primeira dose do
tratamento deverá ser realizada em ambiente hospitalar ,
devido à possibilidade de desenvolver reação de Jarish-
Herxheimer (febre, calafrios, mialgia, cefaléia, hipotensão,
etc.) e risco de abortamento
Sífilis Latente: tratamento
Sífilis Latente Precoce:Sífilis Latente Precoce:
Penicilina Benzatina: 4,8 milhões UI
IM profundo, 1.200.000 UI em cada glúteo
(duas doses semanais de 2,4 milhões)
Sífilis Latente tardia:Sífilis Latente tardia:
Penicilina Benzatina: 7,2 milhões UI
IM profundo, 1.200.000 UI em cada glúteo
(três doses semanais de 2,4 milhões)
Obs: como na sífilis latente não há sinais/sintomas; se não for
possível identificar se a infecção tem menos ou mais de 1 ano -
tratar como latente tardia, isto é 7.200.000 UI.
Sífilis Terciária: tratamento
Penicilina Benzatina: 7,2 milhões UI
IM profundo, 1.200.000 UI em cada glúteo
(três doses semanais de 2,4 milhões)
Neurosífilis: tratamento
Penicilina G Cristalina aquosa: 18 a 24 milhões de
UI/dia
Intravenosa (IV) 4/4 hs
10 a 14 dias
A aplicação da penicilina G benzatina é um procedimento seguro e
deverá ser realizada em todas as unidades básicas de saúde,
conforme Portaria nº 3.161, de 27 de dezembro de 2011.
A ocorrência de alergia à penicilina é em sua maioria benigna.
As reações graves ocorrem entre 10 a 40 por 100.000 tratamentos.
Gestantes com histórico comprovado de alergia com reação grave à
penicilina , deverão ser encaminhadas para serviço de referência
para serem dessensibilizadas e tratadas com penicilina. A
dessensibilização deverá acontecer em ambiente hospitalar.
Tratamento
A terapêutica da gestante com penicilina no primeiro trimestre
costuma evitar a infecção fetal.
Após esta fase, trata o concepto também.
Se houver alergia materna à penicilina, o uso de drogas alternativas
não tratará a infecção fetal.
Gestantes comprovadamente alérgicas à penicilina deverão ser
dessensibilizadas.
Tratamento
Os parceiros sexuais das gestantes devem ser tratados
presumivelmente.
O parceiro deve ser tratado concomitantemente.
Considera-se tratamento concomitante do parceiro sexual aquele que
ocorrer entre a data de início de tratamento da gestante até a data
da de aplicação da última dose de tratamento da gestante.
Recomendar o uso de preservativo no período durante e após o
tratamento.
Tratamento
SÍFILIS PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA:
Doxiciclina: 100 mg VO, 2x/dia, 15 dias (exceto gestantes)
Ceftriaxona: 1g IV ou IM. 1x/dia, 8 a 10 dias
SÍFILIS LATENTE OU TERCIÁRIA :
Doxiciclina: 100 mg VO, 2x/dia, 30 dias (exceto gestantes)
Ceftriaxona: 1g IV ou IM. 1x/dia, 8 a 10 dias
NEUROSSIFILIS:
Ceftriaxona: 2g IV ou IM. 1x/dia, 10 a 14 dias
Opções terapêuticas
Sífilis Congênita
Criança, natimorto ou aborto cuja mãe tenha diagnóstico de
sífilis realizado no pré natal ou parto e que não tenha sido
tratada ou tenha recebido tratamento inadequado.
Tratamento adequado:
É o tratamento completo, adequado à fase clínica da doença,
feito com penicilina e finalizado pelo menos 30 dias antes do
parto, realizado concomitante aoparceiro.
Sífilis Congênita
Criança com menos de 13 anos de idade com as seguintes
evidências sorológicas:
Titulações ascendentes
Testes não treponêmicos reagentes após seis meses de idade
(exceto em situação de seguimento)
Títulos em teste não treponêmico maiores que os da mãe
Testes treponêmicos após 18 meses de idade
Sífilis Congênita
Evidência de infecção pelo T. pallidum na placenta, cordão
umbilical ou amostras da lesão, produto de aborto ou
natimorto, por meio de exames microbiológicos.
Sífilis Congênita
Algorítmo para condutas frente a gestante com sífilis
Adequadament
e tratada
RX ossos, punção
lombar e hemograma
RX ossos, punção
lombar e hemograma
LCR
alterado
(neurosífilis)
Exames
alterados LCR
normal
Exames
normais e
VDRL
negativo
negativo
Tratar A1
(crist/proc)
Exames
normais LCR
normal
Tratar A2
(cristalina)
Não tratada ou
inadequadamente
tratada
RN assintomático
RN sintomático RN assintomático
Mãe com sífilis
> materno< materno
Seguimento
ou tratar A1
(benzatina)
VDRL
LCR
normal
Tratar A3
(benzatina)
RN sintomático
RX ossos, punção lombar
e hemograma
Tratar A1
(crist/proc)
Tratar A2
(crist)
Tratar A3
(benzatina)
LCR
alterado
(neurosífilis)
LCR
alterado
(neurosífilis)
LCR
normal
Tratar A1
(crist/proc) Tratar A2
(cristalina)
Sífilis Congênita: Tratamento
 A 1 Penicilina G cristalina, na dose de 50.000 UI/Kg/dose, por via
endovenosa, a cada 12 horas (nos primeiros 7 dias de vida) e a cada 8
horas (após 7 dias de vida), 10 dias; ou penicilina G procaína 50.000
UI/Kg, dose única diária, IM,10 dias
 A 2 (se houver alteração liquórica): Penicilina G cristalina, na dose de
50.000 UI/Kg/dose, por via endovenosa, a cada 12 horas (nos
primeiros 7 dias de vida) e a cada 8 horas (após 7 dias de vida), 10 dias
 A 3 Penicilina G benzatina 7 por via intramuscular na dose única de
50.000 UI/Kg. O acompanhamento da criança é obrigatório; sendo
impossível garantir o acompanhamento - esquema A1.
Sífilis Congênita: Tratamento alternativo
Ceftriaxona: 25 a 50 mg/kg de peso
IV ou IM. 1x/dia, 10 a 14 dias
Sífilis Congênita: Tratamento
 A 1 Penicilina G cristalina, na dose de 50.000 UI/Kg/dose, por via
endovenosa, a cada 12 horas (nos primeiros 7 dias de vida) e a cada 8
horas (após 7 dias de vida), 10 dias; ou penicilina G procaína 50.000
UI/Kg, dose única diária, IM,10 dias
 A 2 (se houver alteração liquórica): Penicilina G cristalina, na dose de
50.000 UI/Kg/dose, por via endovenosa, a cada 12 horas (nos
primeiros 7 dias de vida) e a cada 8 horas (após 7 dias de vida), 10 dias
 A 3 Penicilina G benzatina 7 por via intramuscular na dose única de
50.000 UI/Kg. O acompanhamento da criança é obrigatório; sendo
impossível garantir o acompanhamento - esquema A1.
Sífilis Congênita: seguimento
 Consultas mensais até 6º mês e bimensais do 6º ao 12º mês.
 VDRL: 1, 3, 6, 12 e 18 meses. Interromper se 2 exames negativos.
 TPHA ou FTA-Abs após 18 meses para confirmação de caso.
 Se ↑ títulos ou não negativação até os 18 meses, reinvestigar o paciente e
proceder tratamento.
 Acompanhamento oftalmológico, neurológico e audiológico semestral por 2
anos.
 Se LCR mostrou-se alterado, realizar reavaliação liquórica 6/ 6 meses até
normalização do mesmo. Alterações persistentes indicam avaliação clínico-
laboratorial completa e retratamento.
 Casos de RN tratado de forma inadequada (na dose e/ou tempo preconizado)
deve-se convocar a criança para reavaliação clínico-laboratorial e reiniciar
tratamento, obedecendo esquemas descritos.
Ana Lucia OrsiAna Lucia Orsi
Fone: 3071 2669Fone: 3071 2669
aorsi@prefeitura.sp.gov.br
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diagnosticando a Sífilis - Interpretação de Exames Laboratoriais
Diagnosticando a Sífilis - Interpretação de Exames Laboratoriais Diagnosticando a Sífilis - Interpretação de Exames Laboratoriais
Diagnosticando a Sífilis - Interpretação de Exames Laboratoriais Enfº Ícaro Araújo
 
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e TratamentosSífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e TratamentosEduarda Medeiros
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínicojaninemagalhaes
 
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Caroline Reis Gonçalves
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)João Marcos
 
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúdeComo abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúdePatricia de Rossi
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tannerblogped1
 
Assistência de Enfermagem Sífilis
Assistência de Enfermagem SífilisAssistência de Enfermagem Sífilis
Assistência de Enfermagem Sífilisluzienne moraes
 
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'AlverneSífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'AlverneRodrigo Mont'Alverne
 
Apresentação1 vaginite
Apresentação1 vaginiteApresentação1 vaginite
Apresentação1 vaginiteCláudia Sofia
 
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Davyson Sampaio
 
Corrimento vaginal -_trabalho_pet
Corrimento vaginal -_trabalho_petCorrimento vaginal -_trabalho_pet
Corrimento vaginal -_trabalho_petTharles Muller
 

Mais procurados (20)

Diagnosticando a Sífilis - Interpretação de Exames Laboratoriais
Diagnosticando a Sífilis - Interpretação de Exames Laboratoriais Diagnosticando a Sífilis - Interpretação de Exames Laboratoriais
Diagnosticando a Sífilis - Interpretação de Exames Laboratoriais
 
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e TratamentosSífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
 
Hpv
HpvHpv
Hpv
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
Aula 3 - GINECOLOGIA - doenças sexualmente transmissíveis, infecções genitour...
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
 
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúdeComo abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Assistência de Enfermagem Sífilis
Assistência de Enfermagem SífilisAssistência de Enfermagem Sífilis
Assistência de Enfermagem Sífilis
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Fimose
FimoseFimose
Fimose
 
Hemorragia pós-parto
Hemorragia pós-partoHemorragia pós-parto
Hemorragia pós-parto
 
Hepatite B Caso Clinico
Hepatite B Caso ClinicoHepatite B Caso Clinico
Hepatite B Caso Clinico
 
Itu de re..
Itu de re..Itu de re..
Itu de re..
 
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'AlverneSífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
 
Apresentação1 vaginite
Apresentação1 vaginiteApresentação1 vaginite
Apresentação1 vaginite
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
 
Corrimento vaginal -_trabalho_pet
Corrimento vaginal -_trabalho_petCorrimento vaginal -_trabalho_pet
Corrimento vaginal -_trabalho_pet
 
HPV: prevenção, diagnóstico e abordagem
HPV: prevenção, diagnóstico e abordagemHPV: prevenção, diagnóstico e abordagem
HPV: prevenção, diagnóstico e abordagem
 

Destaque (11)

Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APS
 
SIFILIS NO PSF
SIFILIS NO PSFSIFILIS NO PSF
SIFILIS NO PSF
 
Apresentação dst
Apresentação dstApresentação dst
Apresentação dst
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Sífilis
SífilisSífilis
Sífilis
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Sifilis
SifilisSifilis
Sifilis
 
Gonorreia e sífilis
Gonorreia e sífilisGonorreia e sífilis
Gonorreia e sífilis
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 

Semelhante a Prevenção SC oficina regional saúde oeste

Dsts
DstsDsts
DstsURCA
 
Sífilis - Infecção Bacteriana
Sífilis - Infecção Bacteriana Sífilis - Infecção Bacteriana
Sífilis - Infecção Bacteriana DidaticaMPCO
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisIsmael Costa
 
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds tsDoenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds tsIvete Campos
 
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)DEIZYSOUZA
 
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptx
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptxManifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptx
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptxPsiclogoClinicoclini
 
Saúde integral da mulher aula 6
Saúde integral da mulher aula 6Saúde integral da mulher aula 6
Saúde integral da mulher aula 6martins1977
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISUrovideo.org
 
Prevençao em saude item 11
Prevençao em saude  item 11Prevençao em saude  item 11
Prevençao em saude item 11' Paan
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novobhbiohorrores
 
Parasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariaParasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariapHrOzEn HeLL
 

Semelhante a Prevenção SC oficina regional saúde oeste (20)

Dsts
DstsDsts
Dsts
 
Sífilis - Infecção Bacteriana
Sífilis - Infecção Bacteriana Sífilis - Infecção Bacteriana
Sífilis - Infecção Bacteriana
 
Sífilis.ppt
Sífilis.pptSífilis.ppt
Sífilis.ppt
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Dst 8o ano
Dst 8o anoDst 8o ano
Dst 8o ano
 
IST ESCS
IST ESCSIST ESCS
IST ESCS
 
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds tsDoenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
 
05 sífilis
05 sífilis05 sífilis
05 sífilis
 
Dst
DstDst
Dst
 
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
 
Doenças emergentes
Doenças emergentesDoenças emergentes
Doenças emergentes
 
Aula 2 virus
Aula 2   virusAula 2   virus
Aula 2 virus
 
Peste Negra
Peste NegraPeste Negra
Peste Negra
 
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptx
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptxManifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptx
Manifestações das doenças sistémicas nas doenças da cabeça e pescoço.pptx
 
Condições de saúde, doenças e agravos
Condições de saúde, doenças e agravosCondições de saúde, doenças e agravos
Condições de saúde, doenças e agravos
 
Saúde integral da mulher aula 6
Saúde integral da mulher aula 6Saúde integral da mulher aula 6
Saúde integral da mulher aula 6
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
 
Prevençao em saude item 11
Prevençao em saude  item 11Prevençao em saude  item 11
Prevençao em saude item 11
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
 
Parasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariaParasitologia - Malaria
Parasitologia - Malaria
 

Mais de Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS

Mais de Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS (20)

Procedimentos em atenção primária a saúde
Procedimentos em atenção primária a saúdeProcedimentos em atenção primária a saúde
Procedimentos em atenção primária a saúde
 
Urgências e Emergências na Atenção Básica - SCA e AVC
Urgências e Emergências na Atenção Básica - SCA e AVC Urgências e Emergências na Atenção Básica - SCA e AVC
Urgências e Emergências na Atenção Básica - SCA e AVC
 
Nomes Populares de Doenças e Sintomas
Nomes Populares de Doenças e SintomasNomes Populares de Doenças e Sintomas
Nomes Populares de Doenças e Sintomas
 
Módulo de Acolhimento e Avaliação - Língua Portuguesa
Módulo de Acolhimento e Avaliação - Língua Portuguesa Módulo de Acolhimento e Avaliação - Língua Portuguesa
Módulo de Acolhimento e Avaliação - Língua Portuguesa
 
Registro em APS
Registro em APSRegistro em APS
Registro em APS
 
Projeto Terapêutico Singular
Projeto Terapêutico SingularProjeto Terapêutico Singular
Projeto Terapêutico Singular
 
Atenção Primária à Saúde
Atenção Primária à SaúdeAtenção Primária à Saúde
Atenção Primária à Saúde
 
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
 
Prevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
Prevenção Quaternária - SobrediagnósticoPrevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
Prevenção Quaternária - Sobrediagnóstico
 
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAPMétodo Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
 
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFCMedicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
Medicina Baseada em Evidências - Diagnóstico na Prática do MFC
 
Comunicação e Interação Médico-Paciente
Comunicação e Interação Médico-PacienteComunicação e Interação Médico-Paciente
Comunicação e Interação Médico-Paciente
 
Regionalização, Pactos Interfederativos e regulação das redes de atenção à sa...
Regionalização, Pactos Interfederativos e regulação das redes de atenção à sa...Regionalização, Pactos Interfederativos e regulação das redes de atenção à sa...
Regionalização, Pactos Interfederativos e regulação das redes de atenção à sa...
 
Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...
Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...
Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...
 
Impactos da Violência no Município de São Paulo
Impactos da Violência no Município de São PauloImpactos da Violência no Município de São Paulo
Impactos da Violência no Município de São Paulo
 
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Projeto Toca Aí
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Projeto Toca AíDESAFIO Mais Saúde na Cidade - Projeto Toca Aí
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Projeto Toca Aí
 
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Desenvolvimento do Protagonismo Juvenil como M...
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Desenvolvimento do Protagonismo Juvenil como M...DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Desenvolvimento do Protagonismo Juvenil como M...
DESAFIO Mais Saúde na Cidade - Desenvolvimento do Protagonismo Juvenil como M...
 
Apresentação - "MelhorAndo" na UBS: Utilização do Número de Passos como Estra...
Apresentação - "MelhorAndo" na UBS: Utilização do Número de Passos como Estra...Apresentação - "MelhorAndo" na UBS: Utilização do Número de Passos como Estra...
Apresentação - "MelhorAndo" na UBS: Utilização do Número de Passos como Estra...
 
Apresentação - Aedes aegypti: Desafios, estratégias e experiências de uma UBS...
Apresentação - Aedes aegypti: Desafios, estratégias e experiências de uma UBS...Apresentação - Aedes aegypti: Desafios, estratégias e experiências de uma UBS...
Apresentação - Aedes aegypti: Desafios, estratégias e experiências de uma UBS...
 
Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...
Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...
Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...
 

Prevenção SC oficina regional saúde oeste

  • 1. OFICINA PARA A PREVENÇÃO DE CASOS DE SÍFILIS CONGÊNITA COORDENADORIA REGIONAL SAÚDE OESTE
  • 2. Introdução e histórico Doença Milenar: 2.637 a.C. – médicos chineses descrevem cancros genitais e manifestações cutâneas do secundarismo e terciarismo. O mercúrio já era conhecido como medicação efetiva. Origem: Teoria Unitária: microrganismo já existiria no território europeu e com o passar do tempo adquiriu características que aumentaram sua virulência e permitiram o desencadeamento de epidemias. Teoria do Novo Mundo: originária da América e introduzida na Europa pelos marinheiros de Colombo. Histórico: Final do século XV a Europa foi assolada por uma epidemia muito grave de sífilis, até então uma doença desconhecida. No início doença de grande virulência da doença, tanto pela agressividade das lesões, como pela rapidez com que o quadro clínico, causa de intenso sofrimento e muitas mortes. 1494/1495 - Campanha militar do rei da França, Carlos VIII, que reivindicava o reino de Nápoles. Forçada sua retirada para o norte da Itália: 1º documento sobre a doença, relato clínico pelos médicos venezianos Cumano e Benedetto. 1945 - Dissolução do exército - aparece em cidades da Itália e do sul da França. 1496 - Chega a Paris e Alemanha. 1497 - Chega a Inglaterra e na Escócia. Em menos de 10 anos a epidemia já tinha se manifestado em todo o continente.
  • 3. Etimologia  Recebeu dos franceses o nome de Mal de Nápoles enquanto que os italianos a chamaram de Mal Francês, ou Mal Gálico. Mal Polonês, Mal Germânico, Mal Espanhol, Mal Cristão.  Jacques de Béthencourt, francês, rejeitando a denominação de mal gálico, chamou-a de morbus venereus, do latim, relativo a Venus, deusa do amor e da fertilidade. O caráter venéreo da doença foi logo identificado e ela passou a ser percebida como consequência de punição divina.  1530 - O nome sífilis surgiu em um poema escrito pelo médico Girolamo Fracastoro, de Verona, que escreveu o poema “Syphilis sive morbus gallicus”, em que conta as desventura de um criador de porcos, Syphilus. O nome do personagem vem do grego sialos ‘porco’ y philos ‘amigo’. Fracastoro publicou um ensaio em 1546 - Sobre o contagio e as enfermedades contagiosas – em que descreve a enfermidade, que nomeia mal de Syphilus. Passou a ser conhecida por este nome apenas no sec. XIX, quando se descobriu a existência dos microorganismos.  1579 - O termo lues, do latim, significa peste, praga e foi idealizado pelo medico Jean Fernel.
  • 4. Histórico  Início epidemia - grande virulência da doença, tanto pela agressividade das lesões, como pela rapidez com que o quadro clínico se desenvolvia, causa de intenso sofrimento e muitas mortes.  Segregação dos sifilíticos.  O mercúrio foi o primeiro tratamento específico da sífilis e foi utilizado por cerca de 450 anos, até meados do século XX.  Sec XVII - abrandamento das manifestações clínicas, que se tornaram semelhantes atuais. Vários dos autores da época atestaram essa atenuação da virulência e chegaram a vaticinar a erradicação da sífilis.  Menos otimista, o francês Jean Fernel, astrônomo, matemático, e um dos mais importantes médicos do século XVI, profeticamente, assegurou que se Deus, por Sua clemência, não destruísse a doença venérea, ela ficaria para sempre na companhia da raça humana.
  • 5. Epidemiologia  1905 – Identificação do agente etiológico da sífilis em serosidade de cancro duro por Schaudim. Hoffman denomina o agente etiológico da sífilis de Treponema pallidum.  Advento da Penicilina na década de 40 – diminuição abrupta de casos.  Incidência voltou a crescer na década de 60 e principalmente 80.  Maioria dos casos: homens e mulheres entre 15 a 50 anos  Atualmente observa-se tendência mundial no reaparecimento da sífilis entre a população em geral e, particularmente, da Sífilis Congênita, tornando-a um desafio para a Saúde Pública.
  • 6. Epidemiologia • Estudo sentinela realizado em 2004 em amostra representativa de parturientes de 15 a 49 anos de todas as regiões do Brasil observou taxa de prevalência de 1,6%. • Destes dados estimaram-se 50 mil parturientes e a 12 mil nascidos vivos com sífilis (taxa de transmissão vertical de 25%).
  • 7. Notificação Sífilis Congênita: notificação compulsória desde 1986 Sífilis em gestante: notificação compulsória desde 2005: (Portaria nº 33, de julho de 2005) Sífilis em adulto: notificação compulsória desde 2010 (Portaria nº 104, de janeiro de 2010) O Ministério da Saúde lançou, em 1993, o Projeto de Eliminação da SC com o objetivo de reduzir sua incidência . O Pacto pela Saúde: meta de incidência de SC de 0,5 /1000 nascidos vivos até 2015, para considerar a eliminação deste agravo.
  • 8. • Doença infecciosa, bacteriana, de transmissão 95% sexual, produzida pela bactéria Treponema pallidum, não cultivável in vitro • Patógeno exclusivo do ser humano • Evolução crônica e sistêmica. Pode ser transmitida também por contato com lesões infectantes ativas e • Por via transplacentária para o feto, em todos os períodos da gestação e qualquer fase da doença. Também pelo canal do parto. Etiologia e transmissão
  • 9.  Recente: menos de um ano de evolução Primária Secundária Latente precoce  Tardia: mais de um ano de evolução Latente tardia Terciária Classificação
  • 10.  Surge no local de inoculação em média 3 semanas após o contágio  Lesão erosada ou ulcerada, em geral única, bordas duras, fundo liso e brilhante, recoberta por secreção serosa  Indolor, pode não ser percebido  Após uma a duas semanas aparece adenopatia regional bilateral  Regride espontaneamente dentro de 4 a 5 semanas  Embora não existam manifestações sistêmicas, já ocorre disseminação hematogênica nesta fase e a chance de transmissão vertical é de 100% Fase Primária: cancro duro
  • 11. Homem - sulco bálano-prepucial - glande - perianal - boca Fase Primária: cancro duro Desaparece espontaneamente em 1 a 2 meses, sem deixar cicatrizes
  • 12. Mulher • pequenos lábios • grandes lábios • parede vaginal • colo uterino • perianal • boca 80-90% das mulheres não percebem a lesão Fase Primária: cancro duro
  • 13. Outros locais de Inoculação Fase Primária: cancro duro
  • 14. Fase Secundária Ocorre 6 a 8 semanas após a fase primária  febre, apatia, mal estar, artralgias e rash cutâneo  linfadenopatia generalizada, indolor  alopécia e amarose  máculas de cor eritematosa (roséola sifilítica)  lesões papulosas, de superfície plana, recobertas por discretas escamas, sendo ricas em treponemas e altamente contagiosas (placas mucosas e condiloma plano)  chance de transmissão vertical de 90%
  • 15. Lesões Maculosas (roséolas sifilíticas)  Arredondadas, ovaladas  Não pruriginosas  Não descamativas  Local: tronco e raízes dos membros Fase Secundária
  • 17. Fase Secundária: lesões papulosas eritematosa acneiformes lenticular descamativa lenticular
  • 18. Fase Secundária: lesões papulosas eritematosa descamativa descamativa lenticular Condiloma plano •Placas mucosas
  • 19. Não apresenta sintomas ou sinais clínicos, mas causa danos nos orgãos internos. • É dividida em relação ao tempo decorrido da infecção: Sífilis latente recente: menos de 1 ano Sífilis latente tardia: mais de 1 ano • Diagnóstico feito por meio de testes sorológicos • Títulos são menores que na fase secundária • Chance de transmissão vertical de 30% A maioria dos casos encontram-se nesta fase (86%) Sífilis Latente
  • 20. Sífilis Terciária Após 3 a 12 anos de infecção Desenvolve-se em 1/3 dos pacientes não tratados A característica das lesões terciárias é a formação de granulomas destrutivos (gomas) e ausência quase total de treponemas. Manifestações clínicas: • lesões cutâneo-mucosas (tubérculos ou gomas) • lesões articulares • osteossífilis • sífilis cardiovascular (principalmente aorta) • neurossífilis Os títulos sorológicos são baixos ou não reagentes
  • 22. Sífilis Terciária 2 a 40 anos 21 dias (10 – 90 dias) Sífilis Secundária Latente Recente Latente Tardia Chance de Transmissão Vertical de 90% Chance de Transmissão Vertical de 30% Lesões cutâneas, mucosas generalizadas (roséolas sifilíticas), sifilides papulosas, condiloma plano, alopecia, poliadenopatia, etc Cancro duro que poderá passar desaparecido na mulher quando localizado nas paredes vaginais ou no colo do útero Lesões cutâneo mucosas, neurossífilis, alterações cardiovasculares, alterações articulares 75% VDRL+ 100% VDRL+ Baixos Títulos VDRL Baixos Títulos ou VDRL - < 1 ano > 1 ano Chance de Transmissão Vertical de 100% Sífilis Primária Exposição Sexual ao T pallidum
  • 24. PROVAS DIRETAS: Imunofluorescência direta / PCR o Demonstram a presença do T. pallidum - são definitivas o Indicadas na sífilis primária e secundária Diagnóstico Laboratorial
  • 25. Diagnóstico Laboratorial Exames Sorológicos Teste não treponêmico: • VDRL Testes treponêmicos • ELISA • TPHA
  • 26. VDRL (Veneral Disease Research Laboratory) •Teste qualitativo e quantitativo •Sensibilidade de 90% •Possibilidade de titulação, permitindo acompanhar o tratamento Teste não Treponêmico
  • 27. VDRL • Reativo na 2ª semana depois do cancro (em 75% nos casos de Sífilis Primária • Títulos elevados na fase secundária (>1:16) • Na sífilis latente tardia e terciária os títulos são baixos. Mesmo em casos não tratados, pode ser não reagentes em 1/3 dos pacientes) Teste não Treponêmico
  • 28. VDRL (Veneral Disease Research Laboratory) Limitações: • reações falso-positivas: malária, gravidez, viroses, tuberculose, hanseníase e doenças auto-imunes. • reações falso-negativas sífilis secundária. (1% a 2%):→ decorrem do excesso de anticorpos - efeito prozona (necessidade de efetuar diluição). • Técnica Manual e de interpretação subjetiva. Teste não Treponêmico
  • 29. VDRL Diluição do soro 1:1 1:2 1:4 1:8 1:16 1:32 1:64 1:128 Leitura R R R R R R FR NR Resultado Reativo na diluição de 1:32 Teste não Treponêmico
  • 30. VDRL Controle mensal com VDRLControle mensal com VDRL A elevação de 2 títulos do VDRL (ex: de 1/2 para 1/8) justifica um novo tratamento. Teste não Treponêmico: Controle
  • 31. VDRL Após tratamento correto, podem permanecer com títulos baixos por longos períodos ou por toda a vida (cicatriz sorológica). O teste pode ser reativo mesmo sem infecção. 3 títulos sucessivos ≤ ¼ após tratamento: possível cicatriz sorológica. Teste não Treponêmico: Cicatriz Sorológica
  • 32. A cicatriz sorológica deve ser considerada somente após confirmação de tratamento da gestante e parceiro corretamente realizado. Se o tratamento não tiver sido administrado corretamente, for desconhecido ou sem registro, iniciar imediatamente o esquema terapêutico da gestante e parceiro. Teste não Treponêmico: Cicatriz Sorológica
  • 33. Testes Treponêmicos: • ELISA • TPHA Importantes para o diagnóstico da doença. Aparecem mais precocemente, a partir de 15 dias da infecção. Podem permanecer no soro por toda a vida  não servem para seguimento. Diagnóstico Laboratorial
  • 34. ELISA – Imunoensaio enzimático quimioluminescência Vantagens: • Automatizado • Apresenta leitura objetiva dos resultados • Alta sensibilidade Testes Treponêmicos
  • 35. TPHA ( Treponema pallidum hemaglutination) • Maior especificidade e sensibilidade. • Utiliza-se para confirmação diagnóstica, permite a exclusão dos resultados falso-positivos. • Não serve para acompanhamento, pois não permite diferenciar infecção recente de infecção passada. Os anticorpos treponêmicos podem persistir por toda a vida. • Na criança deve ser realizado após os 18 meses, quando os anticorpos adquiridos passivamente da mãe não são mais detectados. Testes Treponêmicos
  • 36. Algoritmo de testes laboratoriais - sAlgoritmo de testes laboratoriais - síífilisfilis Portaria CCDPortaria CCD –– 24/09/2010:24/09/2010: Recomenda o uso do algoritmo convencional de testes laboratoriais para o imunodiagnóstico da sífilis em laboratórios com baixa demanda de exames para sífilis. Recomenda a introdução de um algoritmo alternativo de testes laboratoriais para o imunodiagnóstico da sífilis em laboratórios com elevada demanda de exames para sífilis. Revoga a Nota Técnica CCD - 04/2007 -Nº238, Seção I, p.50, publicada no D.O. em 19/12/2007
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42. • É um teste treponêmico • Só pode ser realizado por profissionais capacitados e certificados para a execução, leitura e interpretação dos resultados • Usado como triagem nas unidades de saúde • Amostra de sangue para o teste convencional deverá ser colhida no mesmo dia, para fins de diagnóstico e controle Teste Rápido
  • 43. ELISA VDRL TPHA INTERPRETAÇÃO NEGATIVO NÃO REALIZADO NÃO REALIZADO AMOSTRA NÃO REAGENTE Em caso de suspeita clínica e/ou epidemiológica de infecção pelo Treponema pallidum, solicitar nova coleta em até 21 dias. POSITIVO NEGATIVO NEGATIVO AMOSTRA NÃO REAGENTE: AUSENCIA DE INFECÇÃO OU PERÍODO DE INCUBAÇÃO ? Em caso de suspeita clínica e/ou epidemiológica de infecção pelo treponema pallidum, solicitar nova coleta de amostra após 21 dias POSITIVO NEGATIVO POSITIVO OU INDETERMINADO SIFILIS PRIMÁRIA OU PREVIAMENTE TRATADA OU LATENTE TARDIA NÃO TRATADA Pode se tratar de sífilis recente ou latente tardia, onde o VDRL pode estar indetectável . Investigar história de tratamento anterior, pois também pode indicar infecção anterior. POSITIVO POSITIVO NÃO REALIZADO SÍFILIS (TRATAR)
  • 44. Fase Primária: tratamento Penicilina Benzatina: 2,4 milhões UI intramuscular Dose Única (1,2 milhões UI em cada glúteo) Obs: sífilis primária é a lesão de cancro duro, portanto essa dose de penicilina só deve ser indicada em presença desta lesão.
  • 45. Fase secundária: tratamento Penicilina Benzatina: 4,8 milhões UI IM profundo, sendo 1.200.000 UI em cada glúteo (duas doses semanais de 2,4 milhões)  Obs: a sífilis secundária apresenta lesões de pele, portanto esta dosagem de penicilina só deve ser indicada em presença de tais lesões.  Se a gestante se apresentar nesta fase a primeira dose do tratamento deverá ser realizada em ambiente hospitalar , devido à possibilidade de desenvolver reação de Jarish- Herxheimer (febre, calafrios, mialgia, cefaléia, hipotensão, etc.) e risco de abortamento
  • 46. Sífilis Latente: tratamento Sífilis Latente Precoce:Sífilis Latente Precoce: Penicilina Benzatina: 4,8 milhões UI IM profundo, 1.200.000 UI em cada glúteo (duas doses semanais de 2,4 milhões) Sífilis Latente tardia:Sífilis Latente tardia: Penicilina Benzatina: 7,2 milhões UI IM profundo, 1.200.000 UI em cada glúteo (três doses semanais de 2,4 milhões) Obs: como na sífilis latente não há sinais/sintomas; se não for possível identificar se a infecção tem menos ou mais de 1 ano - tratar como latente tardia, isto é 7.200.000 UI.
  • 47. Sífilis Terciária: tratamento Penicilina Benzatina: 7,2 milhões UI IM profundo, 1.200.000 UI em cada glúteo (três doses semanais de 2,4 milhões)
  • 48. Neurosífilis: tratamento Penicilina G Cristalina aquosa: 18 a 24 milhões de UI/dia Intravenosa (IV) 4/4 hs 10 a 14 dias
  • 49. A aplicação da penicilina G benzatina é um procedimento seguro e deverá ser realizada em todas as unidades básicas de saúde, conforme Portaria nº 3.161, de 27 de dezembro de 2011. A ocorrência de alergia à penicilina é em sua maioria benigna. As reações graves ocorrem entre 10 a 40 por 100.000 tratamentos. Gestantes com histórico comprovado de alergia com reação grave à penicilina , deverão ser encaminhadas para serviço de referência para serem dessensibilizadas e tratadas com penicilina. A dessensibilização deverá acontecer em ambiente hospitalar. Tratamento
  • 50. A terapêutica da gestante com penicilina no primeiro trimestre costuma evitar a infecção fetal. Após esta fase, trata o concepto também. Se houver alergia materna à penicilina, o uso de drogas alternativas não tratará a infecção fetal. Gestantes comprovadamente alérgicas à penicilina deverão ser dessensibilizadas. Tratamento
  • 51. Os parceiros sexuais das gestantes devem ser tratados presumivelmente. O parceiro deve ser tratado concomitantemente. Considera-se tratamento concomitante do parceiro sexual aquele que ocorrer entre a data de início de tratamento da gestante até a data da de aplicação da última dose de tratamento da gestante. Recomendar o uso de preservativo no período durante e após o tratamento. Tratamento
  • 52. SÍFILIS PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA: Doxiciclina: 100 mg VO, 2x/dia, 15 dias (exceto gestantes) Ceftriaxona: 1g IV ou IM. 1x/dia, 8 a 10 dias SÍFILIS LATENTE OU TERCIÁRIA : Doxiciclina: 100 mg VO, 2x/dia, 30 dias (exceto gestantes) Ceftriaxona: 1g IV ou IM. 1x/dia, 8 a 10 dias NEUROSSIFILIS: Ceftriaxona: 2g IV ou IM. 1x/dia, 10 a 14 dias Opções terapêuticas
  • 54. Criança, natimorto ou aborto cuja mãe tenha diagnóstico de sífilis realizado no pré natal ou parto e que não tenha sido tratada ou tenha recebido tratamento inadequado. Tratamento adequado: É o tratamento completo, adequado à fase clínica da doença, feito com penicilina e finalizado pelo menos 30 dias antes do parto, realizado concomitante aoparceiro. Sífilis Congênita
  • 55. Criança com menos de 13 anos de idade com as seguintes evidências sorológicas: Titulações ascendentes Testes não treponêmicos reagentes após seis meses de idade (exceto em situação de seguimento) Títulos em teste não treponêmico maiores que os da mãe Testes treponêmicos após 18 meses de idade Sífilis Congênita
  • 56. Evidência de infecção pelo T. pallidum na placenta, cordão umbilical ou amostras da lesão, produto de aborto ou natimorto, por meio de exames microbiológicos. Sífilis Congênita
  • 57. Algorítmo para condutas frente a gestante com sífilis Adequadament e tratada RX ossos, punção lombar e hemograma RX ossos, punção lombar e hemograma LCR alterado (neurosífilis) Exames alterados LCR normal Exames normais e VDRL negativo negativo Tratar A1 (crist/proc) Exames normais LCR normal Tratar A2 (cristalina) Não tratada ou inadequadamente tratada RN assintomático RN sintomático RN assintomático Mãe com sífilis > materno< materno Seguimento ou tratar A1 (benzatina) VDRL LCR normal Tratar A3 (benzatina) RN sintomático RX ossos, punção lombar e hemograma Tratar A1 (crist/proc) Tratar A2 (crist) Tratar A3 (benzatina) LCR alterado (neurosífilis) LCR alterado (neurosífilis) LCR normal Tratar A1 (crist/proc) Tratar A2 (cristalina)
  • 58. Sífilis Congênita: Tratamento  A 1 Penicilina G cristalina, na dose de 50.000 UI/Kg/dose, por via endovenosa, a cada 12 horas (nos primeiros 7 dias de vida) e a cada 8 horas (após 7 dias de vida), 10 dias; ou penicilina G procaína 50.000 UI/Kg, dose única diária, IM,10 dias  A 2 (se houver alteração liquórica): Penicilina G cristalina, na dose de 50.000 UI/Kg/dose, por via endovenosa, a cada 12 horas (nos primeiros 7 dias de vida) e a cada 8 horas (após 7 dias de vida), 10 dias  A 3 Penicilina G benzatina 7 por via intramuscular na dose única de 50.000 UI/Kg. O acompanhamento da criança é obrigatório; sendo impossível garantir o acompanhamento - esquema A1.
  • 59. Sífilis Congênita: Tratamento alternativo Ceftriaxona: 25 a 50 mg/kg de peso IV ou IM. 1x/dia, 10 a 14 dias
  • 60. Sífilis Congênita: Tratamento  A 1 Penicilina G cristalina, na dose de 50.000 UI/Kg/dose, por via endovenosa, a cada 12 horas (nos primeiros 7 dias de vida) e a cada 8 horas (após 7 dias de vida), 10 dias; ou penicilina G procaína 50.000 UI/Kg, dose única diária, IM,10 dias  A 2 (se houver alteração liquórica): Penicilina G cristalina, na dose de 50.000 UI/Kg/dose, por via endovenosa, a cada 12 horas (nos primeiros 7 dias de vida) e a cada 8 horas (após 7 dias de vida), 10 dias  A 3 Penicilina G benzatina 7 por via intramuscular na dose única de 50.000 UI/Kg. O acompanhamento da criança é obrigatório; sendo impossível garantir o acompanhamento - esquema A1.
  • 61. Sífilis Congênita: seguimento  Consultas mensais até 6º mês e bimensais do 6º ao 12º mês.  VDRL: 1, 3, 6, 12 e 18 meses. Interromper se 2 exames negativos.  TPHA ou FTA-Abs após 18 meses para confirmação de caso.  Se ↑ títulos ou não negativação até os 18 meses, reinvestigar o paciente e proceder tratamento.  Acompanhamento oftalmológico, neurológico e audiológico semestral por 2 anos.  Se LCR mostrou-se alterado, realizar reavaliação liquórica 6/ 6 meses até normalização do mesmo. Alterações persistentes indicam avaliação clínico- laboratorial completa e retratamento.  Casos de RN tratado de forma inadequada (na dose e/ou tempo preconizado) deve-se convocar a criança para reavaliação clínico-laboratorial e reiniciar tratamento, obedecendo esquemas descritos.
  • 62. Ana Lucia OrsiAna Lucia Orsi Fone: 3071 2669Fone: 3071 2669 aorsi@prefeitura.sp.gov.br Obrigada!

Notas do Editor

  1. Sifílides Papulosas - Lesões infiltradas, vermelho acobreada e polimórficas (lenticulares, acneiformes, psoriasiformes, pustulosas, liquenóides, vegetantes) Não são pruriginosas Local predominante: anogenitais, palmoplantares, áreas flexoras
  2. Sifílides Papulosas - Lesões infiltradas, vermelho acobreada e polimórficas (lenticulares, acneiformes, psoriasiformes, pustulosas, liquenóides, vegetantes) Não são pruriginosas Local predominante: anogenitais, palmoplantares, áreas flexoras
  3. Testes treponêmicos (Específicos) utilizam o T. pallidum como antígeno Testes não treponêmicos utilizam como antígeno a cardiolipina, que tem uma fração antigênica análoga ao treponema, cuja reação é denominada reagina – semelhante ao anticorpo