SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
GONORREIA
Trabalho realizado por acadêmicos do 4 º período de Enfermagem da
Faculdade MULTIVIX- Nova Venécia 20152 1
GONORREIA
Agente etiológico - Neisseria gonorrhoeae,
diplococo gran negativo.
Reservatório - O homem.
Modo de transmissão - Contato sexual.
Período de incubação - Entre 2 e 5 dias.
Período de transmissão - Meses ou anos, se o
paciente não for tratado. O tratamento eficaz
interrompe rapidamente a transmissão.
2
GONORREIA
Gonorreia é uma doença sexualmente transmissível (DST)
comum, que afeta homens e mulheres, causada pela
bactéria Neisseria gonorrhoeae, também conhecida como
gonococo.
Qualquer indivíduo que tenha qualquer prática sexual
pode contrair a gonorreia. A infecção pode ser
transmitida por contato oral, vaginal ou anal que são
áreas quentes e úmidas do corpo onde a bactéria se
prolifera com facilidade.
A bactéria também pode crescer na boca, garganta, olhos
, ânus e uretra em homens e mulheres e existe, ainda, a
transmissão de mãe para filho durante o parto ou quando
este ainda está dentro do útero.
3
GONORREIA
Neisseria gonorrhoeae ou Gonococo é uma bactéria
da família Neisseriaceae. É uma bactéria diplococo
gram- negativo , de morfologia esférica ovoide, que
apresenta duas faces, não flagelado, não formador
de esporos, não hemolítico, aeróbio ou
facultativamente anaeróbio.
 Morfologia e citologia
4
GONORREIA
A Neisseria gonorrhoeae invade células epiteliais
não-ciliadas, multiplica-se em vacúolos
intracelulares, levando à inflamação e consequente
destruição tecidular. Se a infecção não for tratada,
vai persistir e levar à inflamação crônica que se
manifesta como fibrose. Esta fibrose pode levar
à esterilidade, à destruição articular e à cegueira.
 Ação bacteriana
5
Gonorreia
Diagnostico – clínico, epidemiológico e
laboratorial.
No exame laboratorial é feito o isolamento
do agente, ou pela coloração com gram ou
pelos métodos de cultivo. No exame
bacterioscópio devem ser observados cocos
gram negativos, arranjados aos pares. A
cultura também e util.
6
GONORREIA
Em bebês existe a transmissão de mãe para
filho durante o parto ou quando este ainda
está dentro do útero, a gonorreia costuma
se manifestar principalmente nos olhos, na
forma de conjuntivite grave, podendo haver
infecção disseminada.
 Sinais e sintomas
GONORREIA
Nos homens os sintomas, que podem levar até 30 dias
depois da infecção para aparecer, No pênis, os sinais
mais comuns da gonorreia são:
• Dor e ardência ao urinar
• Secreção abundante de pus pela uretra
• Dor ou inchaço em um dos testículos.
Complicações: esterilidade; quadros sistemicos e
complicação cardíacas e nervosas.
 Sinais e sintomas
8
GONORREIA
Nas mulheres ate 70% dos casos são assintomáticos porem
sofrem o risco de desenvolver complicações sérias
independentemente da presença ou severidade dos
sintomas. Os sintomas são:
Aumento no corrimento vaginal, que passa a ter cor
amarelada e odor desagradável
Dor e ardência ao urinar
Sangramento fora do período menstrual
Dores abdominais
Dor pélvica.
• Complicações: infertilidade, Gonorreia disseminada 2% dos
casos, endocardite e meningite.
 Sinais e sintomas
9
GONORREIA
Mas a gonorreia também pode surgir em outras partes
do corpo:
Reto: os sintomas comuns da gonorreia na região anal
são coceira, secreção de pus e sangramentos
Olhos: dor, sensibilidade à luz e secreção de pus em
um ou nos dois olhos
Garganta: dor e dificuldade em engolir, presença de
placas amareladas na garganta
Articulações: se a bactéria afetar alguma articulação
do corpo, esta poderá ficar quente, vermelha, inchada
e muito dolorida.
 Sinais e sintomas
10
GONORREIA
Ofloxacina, 400mg, VO, dose única.
Penicilina G procaína, 4.800.000 UI, IM + 1g de probenecid,
VO.
Tetraciclina, 500mg, VO, 6/6 horas, por 7 dias;
Doxiciclina, 100mg , VO, 12/12 horas, 7 dias;
Tianfenicol granulado, 2,5g, VO;
Ciprofloxacina, 500mg, VO;
Ceftriaxona, 250mg, IM;
Cefotaxima, 1g, IM;
Espectinomicina, 2mg, IM.
Atenção:
Estar atento ao aumento gradual
da resistência da Neisseria
gonorrhea ás penicilinas e se há
resistência desse agente a
antibióticoterapia convencional.
 Tratamento
11
GONORREIA
É importante tomar todo medicamento prescrevido
para curar a gonorreia.
Embora a medicação interrompa a infecção, não irá
reparar qualquer dano permanente ocasionado pela
doença.
Pessoas que tiveram infectadas e foram tratadas
podem ter a doença de novo se tiverem contato com
pessoas infectadas.
Se os sintomas persistirem mesmo depois de receber
tratamento, deve-se voltar ao médico para
reavaliação.
 Tratamento
12
GONORREIA
Em caso de bebês, rotineiramente os pediatras aplicam
um medicamento imediatamente após o parto nos olhos
do recém-nascido para evitar infecção. Se ainda assim o
bebê desenvolver a infecção, poderá ser tratado com
antibióticos também.
Tratamento
13
GONORREIA
Use preservativo em todo e qualquer tipo de contato
sexual, seja ele vaginal, anal ou oral.
Evite ter relações sexuais com pessoas diagnosticadas
com gonorreia até que estejam completamente
tratadas.
Para evitar futuras transmissões da infecção, é
importante também que todos os parceiros ou
parceiras sexuais sejam tratados. A doença pode
voltar caso não tenha recebido tratamento adequado.
 Prevenção
14
GONORREIA
A forma mais segura de prevenir doenças sexualmente
transmissíveis é abster-se de intercursos sexuais, ou
ter uma relação monogâmica de longo prazo com um
parceiro testado e que você sabe não estar infectado.
Prevenção
15
GONORREIA
Ao aparecimento de qualquer sintoma que possa indicar
gonorreia, deve-se parar de ter relações sexuais e procurar
um médico imediatamente.
A pessoa diagnosticada com gonorreia, deve informar seus
parceiros sexuais recentes para que eles procurem um
médico e possam ser tratados.
Uma visita de acompanhamento após o tratamento é
importante, principalmente em caso de dor nas articulações,
erupções cutâneas ou dores mais fortes na região pélvica ou
abdominal. Também devem ser realizados exames para
garantir que a infecção tenha sido curada.
 Atenção:
16
GONORREIA
Objetivos – Interromper a cadeia de transmissão
através da detecção precoce dos casos e seus
parceiros (fontes de infecção). Realizar a prevenção
por educação em saúde.
Notificação – Não compulsória.
Vigilância Epidemiológica
17
Avenilda Briske
Giza Carla Nitz
Jessica Sandre
Jefferson Abrão Aguiar
Rariely dos Santos
Trabalhorealizadoporalunosdo 4ºperíododeEnfermagemda
FaculdadeMULTIVIX-NovaVenécia 20152
18
GONORREIA
Trabalho realizado por acadêmicos do 4 º período de Enfermagem da
Faculdade MULTIVIX- Nova Venécia 20152 19

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
Cristina0910
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
lipe98
 

Mais procurados (20)

Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Dst/aids
Dst/aidsDst/aids
Dst/aids
 
Gonorréia e Clamídia
Gonorréia e ClamídiaGonorréia e Clamídia
Gonorréia e Clamídia
 
Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
 
IST - Gonorreia
IST - GonorreiaIST - Gonorreia
IST - Gonorreia
 
Infecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente TransmissíveisInfecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente Transmissíveis
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa GobbiDoenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
 
As ist´s e as suas consequências
As ist´s e as suas consequênciasAs ist´s e as suas consequências
As ist´s e as suas consequências
 
Tricomoníase
TricomoníaseTricomoníase
Tricomoníase
 
Infecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveisInfecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveis
 
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatite
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Doenças sexualmente transmissíveis (dst’s)
Doenças sexualmente  transmissíveis (dst’s)Doenças sexualmente  transmissíveis (dst’s)
Doenças sexualmente transmissíveis (dst’s)
 
Sarampo e catapora
Sarampo e cataporaSarampo e catapora
Sarampo e catapora
 
Aids
AidsAids
Aids
 
Donovanose slide
Donovanose slideDonovanose slide
Donovanose slide
 
Clamídia apresentação
Clamídia apresentaçãoClamídia apresentação
Clamídia apresentação
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 

Destaque (15)

Gonorreia e sífilis
Gonorreia e sífilisGonorreia e sífilis
Gonorreia e sífilis
 
7C - DST e outras doenças
7C - DST e outras doenças7C - DST e outras doenças
7C - DST e outras doenças
 
Clamídia
ClamídiaClamídia
Clamídia
 
DST-SÍFILIS
DST-SÍFILISDST-SÍFILIS
DST-SÍFILIS
 
Andrcludiorui 120207111311-phpapp02
Andrcludiorui 120207111311-phpapp02Andrcludiorui 120207111311-phpapp02
Andrcludiorui 120207111311-phpapp02
 
Diagnósticos Diferenciais das monoartrites
Diagnósticos Diferenciais das monoartritesDiagnósticos Diferenciais das monoartrites
Diagnósticos Diferenciais das monoartrites
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e TratamentosSífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
 
Dst - Clamídia
 Dst - Clamídia Dst - Clamídia
Dst - Clamídia
 
Sifilis
SifilisSifilis
Sifilis
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Chlamydia trachomatis
Chlamydia trachomatisChlamydia trachomatis
Chlamydia trachomatis
 
Chlamydia
ChlamydiaChlamydia
Chlamydia
 
Clamidia
ClamidiaClamidia
Clamidia
 

Semelhante a Gonorreia

Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveisTrabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
R C
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Adilson P Motta Motta
 

Semelhante a Gonorreia (20)

Doenças sexualmente transmissíveis nathalia[
Doenças sexualmente transmissíveis nathalia[Doenças sexualmente transmissíveis nathalia[
Doenças sexualmente transmissíveis nathalia[
 
gonorreia-161128211854.pdf
gonorreia-161128211854.pdfgonorreia-161128211854.pdf
gonorreia-161128211854.pdf
 
ISTs gonorréia.pptx
ISTs gonorréia.pptxISTs gonorréia.pptx
ISTs gonorréia.pptx
 
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveisTrabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
 
Dts e métodos contracetivos
Dts e métodos contracetivosDts e métodos contracetivos
Dts e métodos contracetivos
 
Dst
DstDst
Dst
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
DSTs
DSTsDSTs
DSTs
 
Cancro Mole
Cancro MoleCancro Mole
Cancro Mole
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Trabalho de gonorreia
Trabalho de gonorreiaTrabalho de gonorreia
Trabalho de gonorreia
 
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptxapresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
 
apresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptx
apresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptxapresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptx
apresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptx
 
Aids
AidsAids
Aids
 
DST
DSTDST
DST
 
DST
DSTDST
DST
 
DST- em construção.pptx
DST- em construção.pptxDST- em construção.pptx
DST- em construção.pptx
 
Ist (1)
Ist (1)Ist (1)
Ist (1)
 

Último (6)

Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
 
Saúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptx
Saúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptxSaúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptx
Saúde da Pessoa Negra e o papel da Psicologia.pptx
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
 

Gonorreia

  • 1. GONORREIA Trabalho realizado por acadêmicos do 4 º período de Enfermagem da Faculdade MULTIVIX- Nova Venécia 20152 1
  • 2. GONORREIA Agente etiológico - Neisseria gonorrhoeae, diplococo gran negativo. Reservatório - O homem. Modo de transmissão - Contato sexual. Período de incubação - Entre 2 e 5 dias. Período de transmissão - Meses ou anos, se o paciente não for tratado. O tratamento eficaz interrompe rapidamente a transmissão. 2
  • 3. GONORREIA Gonorreia é uma doença sexualmente transmissível (DST) comum, que afeta homens e mulheres, causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, também conhecida como gonococo. Qualquer indivíduo que tenha qualquer prática sexual pode contrair a gonorreia. A infecção pode ser transmitida por contato oral, vaginal ou anal que são áreas quentes e úmidas do corpo onde a bactéria se prolifera com facilidade. A bactéria também pode crescer na boca, garganta, olhos , ânus e uretra em homens e mulheres e existe, ainda, a transmissão de mãe para filho durante o parto ou quando este ainda está dentro do útero. 3
  • 4. GONORREIA Neisseria gonorrhoeae ou Gonococo é uma bactéria da família Neisseriaceae. É uma bactéria diplococo gram- negativo , de morfologia esférica ovoide, que apresenta duas faces, não flagelado, não formador de esporos, não hemolítico, aeróbio ou facultativamente anaeróbio.  Morfologia e citologia 4
  • 5. GONORREIA A Neisseria gonorrhoeae invade células epiteliais não-ciliadas, multiplica-se em vacúolos intracelulares, levando à inflamação e consequente destruição tecidular. Se a infecção não for tratada, vai persistir e levar à inflamação crônica que se manifesta como fibrose. Esta fibrose pode levar à esterilidade, à destruição articular e à cegueira.  Ação bacteriana 5
  • 6. Gonorreia Diagnostico – clínico, epidemiológico e laboratorial. No exame laboratorial é feito o isolamento do agente, ou pela coloração com gram ou pelos métodos de cultivo. No exame bacterioscópio devem ser observados cocos gram negativos, arranjados aos pares. A cultura também e util. 6
  • 7. GONORREIA Em bebês existe a transmissão de mãe para filho durante o parto ou quando este ainda está dentro do útero, a gonorreia costuma se manifestar principalmente nos olhos, na forma de conjuntivite grave, podendo haver infecção disseminada.  Sinais e sintomas
  • 8. GONORREIA Nos homens os sintomas, que podem levar até 30 dias depois da infecção para aparecer, No pênis, os sinais mais comuns da gonorreia são: • Dor e ardência ao urinar • Secreção abundante de pus pela uretra • Dor ou inchaço em um dos testículos. Complicações: esterilidade; quadros sistemicos e complicação cardíacas e nervosas.  Sinais e sintomas 8
  • 9. GONORREIA Nas mulheres ate 70% dos casos são assintomáticos porem sofrem o risco de desenvolver complicações sérias independentemente da presença ou severidade dos sintomas. Os sintomas são: Aumento no corrimento vaginal, que passa a ter cor amarelada e odor desagradável Dor e ardência ao urinar Sangramento fora do período menstrual Dores abdominais Dor pélvica. • Complicações: infertilidade, Gonorreia disseminada 2% dos casos, endocardite e meningite.  Sinais e sintomas 9
  • 10. GONORREIA Mas a gonorreia também pode surgir em outras partes do corpo: Reto: os sintomas comuns da gonorreia na região anal são coceira, secreção de pus e sangramentos Olhos: dor, sensibilidade à luz e secreção de pus em um ou nos dois olhos Garganta: dor e dificuldade em engolir, presença de placas amareladas na garganta Articulações: se a bactéria afetar alguma articulação do corpo, esta poderá ficar quente, vermelha, inchada e muito dolorida.  Sinais e sintomas 10
  • 11. GONORREIA Ofloxacina, 400mg, VO, dose única. Penicilina G procaína, 4.800.000 UI, IM + 1g de probenecid, VO. Tetraciclina, 500mg, VO, 6/6 horas, por 7 dias; Doxiciclina, 100mg , VO, 12/12 horas, 7 dias; Tianfenicol granulado, 2,5g, VO; Ciprofloxacina, 500mg, VO; Ceftriaxona, 250mg, IM; Cefotaxima, 1g, IM; Espectinomicina, 2mg, IM. Atenção: Estar atento ao aumento gradual da resistência da Neisseria gonorrhea ás penicilinas e se há resistência desse agente a antibióticoterapia convencional.  Tratamento 11
  • 12. GONORREIA É importante tomar todo medicamento prescrevido para curar a gonorreia. Embora a medicação interrompa a infecção, não irá reparar qualquer dano permanente ocasionado pela doença. Pessoas que tiveram infectadas e foram tratadas podem ter a doença de novo se tiverem contato com pessoas infectadas. Se os sintomas persistirem mesmo depois de receber tratamento, deve-se voltar ao médico para reavaliação.  Tratamento 12
  • 13. GONORREIA Em caso de bebês, rotineiramente os pediatras aplicam um medicamento imediatamente após o parto nos olhos do recém-nascido para evitar infecção. Se ainda assim o bebê desenvolver a infecção, poderá ser tratado com antibióticos também. Tratamento 13
  • 14. GONORREIA Use preservativo em todo e qualquer tipo de contato sexual, seja ele vaginal, anal ou oral. Evite ter relações sexuais com pessoas diagnosticadas com gonorreia até que estejam completamente tratadas. Para evitar futuras transmissões da infecção, é importante também que todos os parceiros ou parceiras sexuais sejam tratados. A doença pode voltar caso não tenha recebido tratamento adequado.  Prevenção 14
  • 15. GONORREIA A forma mais segura de prevenir doenças sexualmente transmissíveis é abster-se de intercursos sexuais, ou ter uma relação monogâmica de longo prazo com um parceiro testado e que você sabe não estar infectado. Prevenção 15
  • 16. GONORREIA Ao aparecimento de qualquer sintoma que possa indicar gonorreia, deve-se parar de ter relações sexuais e procurar um médico imediatamente. A pessoa diagnosticada com gonorreia, deve informar seus parceiros sexuais recentes para que eles procurem um médico e possam ser tratados. Uma visita de acompanhamento após o tratamento é importante, principalmente em caso de dor nas articulações, erupções cutâneas ou dores mais fortes na região pélvica ou abdominal. Também devem ser realizados exames para garantir que a infecção tenha sido curada.  Atenção: 16
  • 17. GONORREIA Objetivos – Interromper a cadeia de transmissão através da detecção precoce dos casos e seus parceiros (fontes de infecção). Realizar a prevenção por educação em saúde. Notificação – Não compulsória. Vigilância Epidemiológica 17
  • 18. Avenilda Briske Giza Carla Nitz Jessica Sandre Jefferson Abrão Aguiar Rariely dos Santos Trabalhorealizadoporalunosdo 4ºperíododeEnfermagemda FaculdadeMULTIVIX-NovaVenécia 20152 18
  • 19. GONORREIA Trabalho realizado por acadêmicos do 4 º período de Enfermagem da Faculdade MULTIVIX- Nova Venécia 20152 19