SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
DOENÇAS SEXUALMENTE
TRANSMISSÍVEIS (DST)
Docente: Paulo
Discente: Deiziane, Eliana, Elisangela, Jessica, M° Ivete, M° de Jesus, Michele, Terezinha, Verionilce,
.
O QUE É ?
São doenças transmitidas por meio da
relação sexual, seja homem com mulher, homem com
homem ou mulher com mulher. Em geral a pessoa fica
infectada transmite a DST para seus parceiros,
principalmente no ato da penetração.
As DST’s são doenças graves que podem
causar esterilidade, aborto, problemas de saúde,
alguns tipos cânceres, deficiência físico-mental.
Como Surgiu?
• Em 1494 houve surto de sífilis na Europa, a doença se espalhou rapidamente pelo
continente , matando mais de cinco milhões de pessoas.
• Antes de serem inventados os medicamentos as doenças eram consideradas
incuráveis, e o tratamento se limitava a diminuir sintomas.
• Todavia no século xx surgiu antibióticos que se mostraram eficientes.
• Em 1980 a herpes genital e a AIDS surgiram na sociedade como doenças incuráveis que
por sua vez tomou pandemias.
SINAIS E SINTOMAS
 Os principais sinais das DST’s são: Aparecimento de ulceras nos órgãos genitais ou ainda
em qualquer outra extremidade do corpo, podendo causar dor ou não.
 Presença de corrimento vaginal ou peniano, cor esbranquiçada, amarelada ou esverdeada,
no aspecto de pus e pode ter mau cheiro. Nas mulheres, quando o corrimento é pouco, só
é possível um diagnostico através da consulta médica, por isso a cada seis meses, a
mulher deve procurar um ginecologista.
 Verrugas: São como caroços, muitas vezes como um pé de couve-flor quando a doença
está em estagio avançado. Não a presença de dor, mais muita coceiras e irritações.
PRINCIPAIS SINTOMAS
 Coceira;
 Ardor ao urinar e nas relações sexuais;
 Dor e mal estar ( principalmente na região abaixo do
umbigo), ao urinar, ao evacuar.
AIDS
Síndrome da imunodeficiência adquirida (SIDA). Tem como agente
causador o vírus (retrovírus) da família lentiviridade HIV. E sua forma de
transmissão são via sexual, sanguínea e vertical, como sangue contaminado, uso
de drogas injetáveis, transmissão transplacentária , através do leite materno.
Atividade sexual desprotegida é a principal forma de contaminação e entre casais
heterossexuais que são alta viremia, imunodeficiência, relação sexual anal,
relação sexual durante período de menstrual.
SINTOMAS E DIAGNÓSTICOS
Os sintomas presentes são febre constante, falência
do sistema imunológico com aparecimento de infecções
oportunistas, diarreias, perda da coordenação motora, da
consciência e morte.
Diagnósticos é realizado através de teste
sorológicos para a detecção do anticorpo. Os exames são :
• ELISA, que é mais utilizado devido aos custos e a alta
sensibilidade e especifidade.
• Western blot, que é considerado exame padrão, porém é um
exame de custo elevado e com maior especifidade.
CANCRO DURO (SÍFILIS)
Doença infectocontagiosa sistêmica (acomete todo o organismo),
que evolui de forma crônica (lenta) e que tem períodos de acutização
(manifesta-se agudamente) e períodos de latência (sem
manifestações). Pode comprometer múltiplos órgãos (pele, olhos,
ossos, sistema cardiovascular, sistema nervoso). De acordo com
algumas características de sua evolução a sífilis divide-se em Primária,
Secundária, Latente e Terciária ou Tardia. Quando transmitida da mãe
para o feto é chamada de Sífilis Congênita.
SÍFILIS PRIMÁRIA
trata-se de uma lesão ulcerada (cancro) não dolorosa (ou pouco dolorosa), em
geral única, com a base endurecida, lisa, brilhante, com presença de secreção serosa
(líquida, transparente) escassa e que pode ocorrer nos grandes lábios, vagina, clitóris,
períneo e colo do útero na mulher e na glande e prepúcio no homem, mas que pode também
ser encontrada nos dedos, lábios, mamilos e conjuntivas. É frequente também a adenopatia
inguinal (íngua na virilha) que, em geral passa desapercebida. O cancro usualmente
desaparece em 3 a 4 semanas, sem deixar cicatrizes. Entre a segunda e quarta semanas do
aparecimento do cancro, as reações sorológicas (exames realizados no sangue) para sífilis
tornam-se positivas.
SÍFILIS SECUNDÁRIA
É caracterizada pela disseminação dos treponemas pelo organismo e
ocorre de 4 a 8 semanas do aparecimento do cancro. As manifestações nesta fase
são essencialmente dermatológicas e as reações sorológicas continuam positivas.
SÍFILIS LATENTE
Nesta fase não existem manifestações visíveis mas as reações sorológicas continuam
positivas.
SÍFILIS ADQUIDIRATARDIA
É considerada tardia após o primeiro ano de evolução em pacientes não tratados ou
inadequadamente tratados. Apresentam-se após um período variável de latência sob a forma
cutânea, óssea, cardiovascular, nervosa etc. As reações sorológicas continuam positivas
também nesta fase.
SÍFILIS CONGÊNITA
É devida a infecção do feto pelo Treponema por via transplacentária, a partir do quarto mes
da gestação. As manifestações da doença, na maioria dos casos, estão presentes já nos
primeiros dias de vida e podem assumir formas graves, inclusive podendo levar ao óbito da
criança.
DIAGNÓSTICO
 Na sífilis primária, quando aparece o cancro duro, ainda não houve tempo do
organismo produzir anticorpos contra o Treponema pallidum, por isso, os
exames de sangue costumam estar negativos nesta fase. A confirmação
laboratorial pode ser feita após coleta de material da úlcera para visualização
direta da bactéria em microscópio.
 Sífilis secundária, terciária ou primária, já em fase mais tardia, é feito através
de dois exames sorológicos: VDRL e FTA-ABS (ou TPHA).
TRATAMENTO
O tratamento da sífilis é diferente dependendo do estágio da doença:
 Sífilis primária, secundária ou latente precoce = Penicilina benzatina,(Benzetacil) em dose única.
 Sífilis com mais de 1 ano de evolução ou de tempo indeterminado = Penicilina benzatina (Benzetacil)
em 3 doses, com uma semana de intervalo entre cada.
 Os casos de sífilis com acometimento do sistema neurológico (neurossífilis) não devem ser tratados
com penicilina benzatina, mas sim com penicilina G cristalina ou penicilina G procaína.
 Doentes alérgico a penicilina podem ser tratados com doxiciclina (100mg 2x por dia por 14 dias) ou
azitromicina (dose única de 2g), mas eles não são tão eficazes quanto a penicilina.
CANCRO MOLE
O cancro mole é uma doença sexualmente transmissível, cujo agente causador é a
bactéria Haemophilus ducreyi, que apesar do nome sugerir não é um câncer e também é
conhecido por úlcera mole venérea, cancroide ou cavalo.
O cancro mole é caracterizado por feridas na região genital, de formato irregular, que
surgem de 3 a 13 dias após a relação desprotegida. O cancro mole tem cura, no entanto, o
cancro mole não cura sozinho, sendo necessário tomar o antibiótico até a data informada
pelo médico.
SINTOMAS
• Inicialmente surgem: dor de cabeça, febre e fraqueza e logo a seguir surgem
feridas dolorosas na região genital com borda e fundo irregular, com secreção
amarelo-esverdeada e purulenta;
• Gânglios linfáticos inguinais podem ficar inchados, doloridos ou até mesmo
vazar apresentando pus e sangue.
TRATAMENTO
Para o tratamento do cancro mole recomenda-se a ingestão de antibióticos, segundo a orientação médica.
O esquema terapêutico pode ser uma das seguintes opções:
• Azitromicina (1 g dose única) Via Oral (comprimido);
• Ceftriaxona (1 g dose única) Intra Muscular (injeção);
• Tianfenicol (5 g dose única) Via Oral (comprimido);
• Ciprofloxacina por 3 dias;
• Tetraciclina por 15 dias;
• Sulfametoxazol e trimetropim ​por 10 dias;
• Eritromicina por 7 dias.
INFECÇÃO PELA CLAMÍDIA
Doença sexualmente transmissível, causada por uma bactéria chamada Chlamydia
trachomatis. Nem todas as pessoas contaminadas com clamídia apresentam sintomas,
podendo ção passar despercebida por muitos anos.
Mulheres
• Corrimento vaginal
• Sangramento vaginal.
• Dor abdominal.
• Dor durante o sexo.
• Ardência ou dor ao urinar
Homens
• Saída de corrimento purulento pela uretra.
• Ardência ou dor ao urinar.
• Dor nos testículos
• Inchaço do saco escrotal.
• Proctite (inflamação do ânus que ocorre em homens homossexuais passivos).
TRATAMENTO
O tratamento da clamídia é simples, sendo feito com administração
de antibióticos. A Azitromicina em dose única de 1g é o antibiótico mais
prescrito.
O paciente infectado deve ficar por pelo menos 7 dias sem atividade
sexual após o início do tratamento.
CANDIDÍASE
É uma infecção fúngica causada pelo crescimento excessivo de um tipo de
fungo denominado Candida, geralmente Candida albicans. Esse fungo é
normalmente encontrado em pequenas quantidades no corpo humano, não
causando qualquer sintoma.
A candidíase afeta:
• Pele, Unhas, Órgãos genitais, Garganta, Boca, Corrente sanguínea.
Tipos de Candidíase: Candidíase oral, vaginal, Intertrigo, Paroníquia, disseminada.
TRATAMENTO
O tratamento da candidíase irá depender do local em que ela está se
manifestando. No geral, a candidíase é tratada com medicamentos antibióticos e
pomadas antifúngicas – ambas de uso local. Caso o sintoma persista, pode ser
que o médico prescreva um medicamento de uso oral por tempo prolongado, de
forma a evitar que a candidíase retorne.
• Fluconazol.
HERPES SIMPLES
O herpes labial e o herpes genital são doenças infecciosas e contagiosas causadas
por um dos subtipos de vírus da família do Herpesvírus humano.
A primeira aparição costuma ser a mais sintomática, pois neste momento ainda não
temos anticorpos formados. Em geral, o quadro é de múltiplas vesículas (pequenas bolhas)
agrupadas, com áreas de inflamação na base e ao redor. As lesões são muito dolorosas e
podem vir acompanhadas de mal estar, linfonodos (gânglios) aumentados e febre, Dor,
formigamento ou prurido (comichão) local costumam surgir algumas horas antes das
vesículas.
TRATAMENTO
O tratamento com antivirais, como o aciclovir, serve pra reduzir o tempo de
doença. Quanto mais precocemente forem iniciados, melhor a resposta.
• Na herpes labial pode-se usar pomadas e no genital comprimidos.
• Não há cura para o herpes.
Também ainda não existe vacina eficaz contra o herpes vírus.
GONORREIA
Gonorréia é uma doença sexualmente transmissível, causada pela Neisseria
gonorrhoeae, uma bactéria que cresce e multiplica-se facilmente em áreas quentes
e úmidas do trato reprodutivo como cérvix, útero e tubos de falópio na mulher; e
uretra em homens e mulheres. A bactéria também pode crescer na boca, garganta,
olhos e ânus. Homens
Os sintomas, que podem levar até 30 dias
depois da infecção para aparecer, incluem
sensação de queimação ao urinar; ou uma
descamação amarela ou verde no pênis.
Algumas vezes homens com gonorreia ficam
com testículos doloridos.
Mulheres
os sintomas da gonorreia são geralmente moderados, porém a
maioria das infectadas não apresenta sintomas. Os sinais e
sintomas iniciais incluem sensação de queimação ao urinar e
aumento do escoamento vaginal ou sangramento vaginal, entre os
períodos menstruais. Mulheres com gonorreia sofrem o risco de
desenvolver complicações sérias independentemente da presença
ou severidade dos sintomas.
TRATAMENTO
O tratamento é através de antibióticos prescritos pelos médicos e
podem curar com sucesso a gonorreia em adolescentes e adultos. Porém,
variedades resistente de gonorreia estão aumentando em várias partes do
mundo e o tratamento está ficando mais difícil.
CONDILONOMA ACUMINADA HPV
O HPV é um condiloma acuminado, conhecido também como verruga
genital, crista de galo, figueira ou cavalo de crista, é uma doença sexualmente
transmissível (DST) causada pelo Papilomavírus humano (HPV).
O exame de prevenção do câncer ginecológico, o Papanicolau, pode
detectar alterações precoces no colo do útero e deve ser feito rotineiramente por
todas as mulheres.
AINFECÇÃO PELO HPV NORMALMENTE CAUSAVERRUGAS DE TAMANHOS
VARIÁVEIS.
Mulher
Surgem na vagina, vulva, região do
ânus e colo do útero. As lesões do
HPV também podem aparecer na
boca e na garganta tanto no homem,
quanto na mulher.
Homem
É mais comum na cabeça do pênis (glande)
e na região do ânus
TRATAMENTO
O tratamento para condiloma acuminado inclui uso de medicações que se
passam na região afetada e cauterização elétrica (isto é, "queimar" as lesões).
SEXO SEGURO
REFERÊNCIAS
 http://www.laboratoriocentral.com.br/wp/2013/02/dst-cancro-duro-sifilis/
 http://www.mdsaude.com/2009/01/dst-sifilis.html
 http://www.tuasaude.com/cancro-mole/
 http://www.mdsaude.com/2012/07/clamidia.html
 https://www.google.com.br/search?q=sexo+seguro&espv=2&biw=1360&bih=623&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0CAcQ_AUoA
moVChMI1sHZkJ6JyAIVhR2QCh2ILg9E#tbm=isch&q=camisinha+feminina+embalagem&imgrc=kvzmx5zNvtdXIM%3A
 9° Edição saberás e práticas (guia para ensino e aprendizado de enfermagem). Pag; 307 á 317.
 Manual de bolso, controle das doenças sexualmente transmissíveis DST.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Dst palestra
Dst palestraDst palestra
Dst palestra
 
Ists
IstsIsts
Ists
 
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
 
Doenças sexualmente transmissíveis (dst’s)
Doenças sexualmente  transmissíveis (dst’s)Doenças sexualmente  transmissíveis (dst’s)
Doenças sexualmente transmissíveis (dst’s)
 
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveisDst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Infecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveisInfecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveis
 
Ist (1)
Ist (1)Ist (1)
Ist (1)
 
Aids[1]
Aids[1]Aids[1]
Aids[1]
 
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
 
Adolescência e puberdade
Adolescência e puberdadeAdolescência e puberdade
Adolescência e puberdade
 
Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
 
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa GobbiDoenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
DST
DSTDST
DST
 
HIV vs. AIDS
HIV vs. AIDSHIV vs. AIDS
HIV vs. AIDS
 
DST
DSTDST
DST
 
Ist inês e carla
Ist inês e carlaIst inês e carla
Ist inês e carla
 

Destaque

Gravidez na-adolescncia
Gravidez na-adolescnciaGravidez na-adolescncia
Gravidez na-adolescnciaDEIZYSOUZA
 
Trabalho de SÍNDROME DE OVÁRIOS POLICÍSTICO
Trabalho de SÍNDROME DE OVÁRIOS POLICÍSTICOTrabalho de SÍNDROME DE OVÁRIOS POLICÍSTICO
Trabalho de SÍNDROME DE OVÁRIOS POLICÍSTICODEIZYSOUZA
 
Síndrome+dos+ovários+policísticos2
Síndrome+dos+ovários+policísticos2Síndrome+dos+ovários+policísticos2
Síndrome+dos+ovários+policísticos2DEIZYSOUZA
 
Lessons in Persuasive Language from The Game of Thrones
Lessons in Persuasive Language from The Game of ThronesLessons in Persuasive Language from The Game of Thrones
Lessons in Persuasive Language from The Game of ThronesThe Hoffman Agency
 
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShareSlideShare
 
What to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareWhat to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareSlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareSlideShare
 

Destaque (7)

Gravidez na-adolescncia
Gravidez na-adolescnciaGravidez na-adolescncia
Gravidez na-adolescncia
 
Trabalho de SÍNDROME DE OVÁRIOS POLICÍSTICO
Trabalho de SÍNDROME DE OVÁRIOS POLICÍSTICOTrabalho de SÍNDROME DE OVÁRIOS POLICÍSTICO
Trabalho de SÍNDROME DE OVÁRIOS POLICÍSTICO
 
Síndrome+dos+ovários+policísticos2
Síndrome+dos+ovários+policísticos2Síndrome+dos+ovários+policísticos2
Síndrome+dos+ovários+policísticos2
 
Lessons in Persuasive Language from The Game of Thrones
Lessons in Persuasive Language from The Game of ThronesLessons in Persuasive Language from The Game of Thrones
Lessons in Persuasive Language from The Game of Thrones
 
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
2015 Upload Campaigns Calendar - SlideShare
 
What to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShareWhat to Upload to SlideShare
What to Upload to SlideShare
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
 

Semelhante a DST: Doenças sexualmente transmissíveis

Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)
Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)
Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)Alina del Carmen Cowen
 
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds tsDoenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds tsIvete Campos
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisAlexandre Mold
 
Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3Pelo Siro
 
Dst apresentacao [salvo automaticamente]
Dst apresentacao [salvo automaticamente]Dst apresentacao [salvo automaticamente]
Dst apresentacao [salvo automaticamente]paulinhavelten
 
TREINAMENTO DST.pdf
TREINAMENTO DST.pdfTREINAMENTO DST.pdf
TREINAMENTO DST.pdfThiagoLevy7
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRNASMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRNASMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRNASMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRNASMISSÍVEISconbetcursos
 
aids-120503054146-phpapp02 (1).pdf
aids-120503054146-phpapp02 (1).pdfaids-120503054146-phpapp02 (1).pdf
aids-120503054146-phpapp02 (1).pdfTiagoSantos74563
 
Doenças da actualidade e toxicodependências.
Doenças da actualidade e toxicodependências.Doenças da actualidade e toxicodependências.
Doenças da actualidade e toxicodependências.Mariana Canastra
 
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveisTrabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveisR C
 

Semelhante a DST: Doenças sexualmente transmissíveis (20)

Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)
Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)
Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)
 
DST – Doenças Sexualmente Transmisíveis
DST – Doenças Sexualmente TransmisíveisDST – Doenças Sexualmente Transmisíveis
DST – Doenças Sexualmente Transmisíveis
 
Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2
 
Aids
AidsAids
Aids
 
IST ESCS
IST ESCSIST ESCS
IST ESCS
 
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds tsDoenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts
 
Dst’s
Dst’s Dst’s
Dst’s
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3
 
Dst apresentacao [salvo automaticamente]
Dst apresentacao [salvo automaticamente]Dst apresentacao [salvo automaticamente]
Dst apresentacao [salvo automaticamente]
 
TREINAMENTO DST.pdf
TREINAMENTO DST.pdfTREINAMENTO DST.pdf
TREINAMENTO DST.pdf
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRNASMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRNASMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRNASMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRNASMISSÍVEIS
 
DST
DSTDST
DST
 
DSTs
DSTsDSTs
DSTs
 
aids-120503054146-phpapp02 (1).pdf
aids-120503054146-phpapp02 (1).pdfaids-120503054146-phpapp02 (1).pdf
aids-120503054146-phpapp02 (1).pdf
 
Ds ts
Ds tsDs ts
Ds ts
 
Doenças da actualidade e toxicodependências.
Doenças da actualidade e toxicodependências.Doenças da actualidade e toxicodependências.
Doenças da actualidade e toxicodependências.
 
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveisTrabalho  dsp doenças sexualmente transmissíveis
Trabalho dsp doenças sexualmente transmissíveis
 
Dst
DstDst
Dst
 
DST
DSTDST
DST
 

Último

Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 

DST: Doenças sexualmente transmissíveis

  • 1. DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) Docente: Paulo Discente: Deiziane, Eliana, Elisangela, Jessica, M° Ivete, M° de Jesus, Michele, Terezinha, Verionilce, .
  • 2. O QUE É ? São doenças transmitidas por meio da relação sexual, seja homem com mulher, homem com homem ou mulher com mulher. Em geral a pessoa fica infectada transmite a DST para seus parceiros, principalmente no ato da penetração. As DST’s são doenças graves que podem causar esterilidade, aborto, problemas de saúde, alguns tipos cânceres, deficiência físico-mental.
  • 3. Como Surgiu? • Em 1494 houve surto de sífilis na Europa, a doença se espalhou rapidamente pelo continente , matando mais de cinco milhões de pessoas. • Antes de serem inventados os medicamentos as doenças eram consideradas incuráveis, e o tratamento se limitava a diminuir sintomas. • Todavia no século xx surgiu antibióticos que se mostraram eficientes. • Em 1980 a herpes genital e a AIDS surgiram na sociedade como doenças incuráveis que por sua vez tomou pandemias.
  • 4. SINAIS E SINTOMAS  Os principais sinais das DST’s são: Aparecimento de ulceras nos órgãos genitais ou ainda em qualquer outra extremidade do corpo, podendo causar dor ou não.  Presença de corrimento vaginal ou peniano, cor esbranquiçada, amarelada ou esverdeada, no aspecto de pus e pode ter mau cheiro. Nas mulheres, quando o corrimento é pouco, só é possível um diagnostico através da consulta médica, por isso a cada seis meses, a mulher deve procurar um ginecologista.  Verrugas: São como caroços, muitas vezes como um pé de couve-flor quando a doença está em estagio avançado. Não a presença de dor, mais muita coceiras e irritações.
  • 5. PRINCIPAIS SINTOMAS  Coceira;  Ardor ao urinar e nas relações sexuais;  Dor e mal estar ( principalmente na região abaixo do umbigo), ao urinar, ao evacuar.
  • 6. AIDS Síndrome da imunodeficiência adquirida (SIDA). Tem como agente causador o vírus (retrovírus) da família lentiviridade HIV. E sua forma de transmissão são via sexual, sanguínea e vertical, como sangue contaminado, uso de drogas injetáveis, transmissão transplacentária , através do leite materno. Atividade sexual desprotegida é a principal forma de contaminação e entre casais heterossexuais que são alta viremia, imunodeficiência, relação sexual anal, relação sexual durante período de menstrual.
  • 7. SINTOMAS E DIAGNÓSTICOS Os sintomas presentes são febre constante, falência do sistema imunológico com aparecimento de infecções oportunistas, diarreias, perda da coordenação motora, da consciência e morte. Diagnósticos é realizado através de teste sorológicos para a detecção do anticorpo. Os exames são : • ELISA, que é mais utilizado devido aos custos e a alta sensibilidade e especifidade. • Western blot, que é considerado exame padrão, porém é um exame de custo elevado e com maior especifidade.
  • 8. CANCRO DURO (SÍFILIS) Doença infectocontagiosa sistêmica (acomete todo o organismo), que evolui de forma crônica (lenta) e que tem períodos de acutização (manifesta-se agudamente) e períodos de latência (sem manifestações). Pode comprometer múltiplos órgãos (pele, olhos, ossos, sistema cardiovascular, sistema nervoso). De acordo com algumas características de sua evolução a sífilis divide-se em Primária, Secundária, Latente e Terciária ou Tardia. Quando transmitida da mãe para o feto é chamada de Sífilis Congênita.
  • 9. SÍFILIS PRIMÁRIA trata-se de uma lesão ulcerada (cancro) não dolorosa (ou pouco dolorosa), em geral única, com a base endurecida, lisa, brilhante, com presença de secreção serosa (líquida, transparente) escassa e que pode ocorrer nos grandes lábios, vagina, clitóris, períneo e colo do útero na mulher e na glande e prepúcio no homem, mas que pode também ser encontrada nos dedos, lábios, mamilos e conjuntivas. É frequente também a adenopatia inguinal (íngua na virilha) que, em geral passa desapercebida. O cancro usualmente desaparece em 3 a 4 semanas, sem deixar cicatrizes. Entre a segunda e quarta semanas do aparecimento do cancro, as reações sorológicas (exames realizados no sangue) para sífilis tornam-se positivas.
  • 10. SÍFILIS SECUNDÁRIA É caracterizada pela disseminação dos treponemas pelo organismo e ocorre de 4 a 8 semanas do aparecimento do cancro. As manifestações nesta fase são essencialmente dermatológicas e as reações sorológicas continuam positivas. SÍFILIS LATENTE Nesta fase não existem manifestações visíveis mas as reações sorológicas continuam positivas.
  • 11. SÍFILIS ADQUIDIRATARDIA É considerada tardia após o primeiro ano de evolução em pacientes não tratados ou inadequadamente tratados. Apresentam-se após um período variável de latência sob a forma cutânea, óssea, cardiovascular, nervosa etc. As reações sorológicas continuam positivas também nesta fase. SÍFILIS CONGÊNITA É devida a infecção do feto pelo Treponema por via transplacentária, a partir do quarto mes da gestação. As manifestações da doença, na maioria dos casos, estão presentes já nos primeiros dias de vida e podem assumir formas graves, inclusive podendo levar ao óbito da criança.
  • 12. DIAGNÓSTICO  Na sífilis primária, quando aparece o cancro duro, ainda não houve tempo do organismo produzir anticorpos contra o Treponema pallidum, por isso, os exames de sangue costumam estar negativos nesta fase. A confirmação laboratorial pode ser feita após coleta de material da úlcera para visualização direta da bactéria em microscópio.  Sífilis secundária, terciária ou primária, já em fase mais tardia, é feito através de dois exames sorológicos: VDRL e FTA-ABS (ou TPHA).
  • 13. TRATAMENTO O tratamento da sífilis é diferente dependendo do estágio da doença:  Sífilis primária, secundária ou latente precoce = Penicilina benzatina,(Benzetacil) em dose única.  Sífilis com mais de 1 ano de evolução ou de tempo indeterminado = Penicilina benzatina (Benzetacil) em 3 doses, com uma semana de intervalo entre cada.  Os casos de sífilis com acometimento do sistema neurológico (neurossífilis) não devem ser tratados com penicilina benzatina, mas sim com penicilina G cristalina ou penicilina G procaína.  Doentes alérgico a penicilina podem ser tratados com doxiciclina (100mg 2x por dia por 14 dias) ou azitromicina (dose única de 2g), mas eles não são tão eficazes quanto a penicilina.
  • 14. CANCRO MOLE O cancro mole é uma doença sexualmente transmissível, cujo agente causador é a bactéria Haemophilus ducreyi, que apesar do nome sugerir não é um câncer e também é conhecido por úlcera mole venérea, cancroide ou cavalo. O cancro mole é caracterizado por feridas na região genital, de formato irregular, que surgem de 3 a 13 dias após a relação desprotegida. O cancro mole tem cura, no entanto, o cancro mole não cura sozinho, sendo necessário tomar o antibiótico até a data informada pelo médico.
  • 15. SINTOMAS • Inicialmente surgem: dor de cabeça, febre e fraqueza e logo a seguir surgem feridas dolorosas na região genital com borda e fundo irregular, com secreção amarelo-esverdeada e purulenta; • Gânglios linfáticos inguinais podem ficar inchados, doloridos ou até mesmo vazar apresentando pus e sangue.
  • 16. TRATAMENTO Para o tratamento do cancro mole recomenda-se a ingestão de antibióticos, segundo a orientação médica. O esquema terapêutico pode ser uma das seguintes opções: • Azitromicina (1 g dose única) Via Oral (comprimido); • Ceftriaxona (1 g dose única) Intra Muscular (injeção); • Tianfenicol (5 g dose única) Via Oral (comprimido); • Ciprofloxacina por 3 dias; • Tetraciclina por 15 dias; • Sulfametoxazol e trimetropim ​por 10 dias; • Eritromicina por 7 dias.
  • 17. INFECÇÃO PELA CLAMÍDIA Doença sexualmente transmissível, causada por uma bactéria chamada Chlamydia trachomatis. Nem todas as pessoas contaminadas com clamídia apresentam sintomas, podendo ção passar despercebida por muitos anos. Mulheres • Corrimento vaginal • Sangramento vaginal. • Dor abdominal. • Dor durante o sexo. • Ardência ou dor ao urinar Homens • Saída de corrimento purulento pela uretra. • Ardência ou dor ao urinar. • Dor nos testículos • Inchaço do saco escrotal. • Proctite (inflamação do ânus que ocorre em homens homossexuais passivos).
  • 18. TRATAMENTO O tratamento da clamídia é simples, sendo feito com administração de antibióticos. A Azitromicina em dose única de 1g é o antibiótico mais prescrito. O paciente infectado deve ficar por pelo menos 7 dias sem atividade sexual após o início do tratamento.
  • 19. CANDIDÍASE É uma infecção fúngica causada pelo crescimento excessivo de um tipo de fungo denominado Candida, geralmente Candida albicans. Esse fungo é normalmente encontrado em pequenas quantidades no corpo humano, não causando qualquer sintoma. A candidíase afeta: • Pele, Unhas, Órgãos genitais, Garganta, Boca, Corrente sanguínea. Tipos de Candidíase: Candidíase oral, vaginal, Intertrigo, Paroníquia, disseminada.
  • 20. TRATAMENTO O tratamento da candidíase irá depender do local em que ela está se manifestando. No geral, a candidíase é tratada com medicamentos antibióticos e pomadas antifúngicas – ambas de uso local. Caso o sintoma persista, pode ser que o médico prescreva um medicamento de uso oral por tempo prolongado, de forma a evitar que a candidíase retorne. • Fluconazol.
  • 21. HERPES SIMPLES O herpes labial e o herpes genital são doenças infecciosas e contagiosas causadas por um dos subtipos de vírus da família do Herpesvírus humano. A primeira aparição costuma ser a mais sintomática, pois neste momento ainda não temos anticorpos formados. Em geral, o quadro é de múltiplas vesículas (pequenas bolhas) agrupadas, com áreas de inflamação na base e ao redor. As lesões são muito dolorosas e podem vir acompanhadas de mal estar, linfonodos (gânglios) aumentados e febre, Dor, formigamento ou prurido (comichão) local costumam surgir algumas horas antes das vesículas.
  • 22. TRATAMENTO O tratamento com antivirais, como o aciclovir, serve pra reduzir o tempo de doença. Quanto mais precocemente forem iniciados, melhor a resposta. • Na herpes labial pode-se usar pomadas e no genital comprimidos. • Não há cura para o herpes. Também ainda não existe vacina eficaz contra o herpes vírus.
  • 23. GONORREIA Gonorréia é uma doença sexualmente transmissível, causada pela Neisseria gonorrhoeae, uma bactéria que cresce e multiplica-se facilmente em áreas quentes e úmidas do trato reprodutivo como cérvix, útero e tubos de falópio na mulher; e uretra em homens e mulheres. A bactéria também pode crescer na boca, garganta, olhos e ânus. Homens Os sintomas, que podem levar até 30 dias depois da infecção para aparecer, incluem sensação de queimação ao urinar; ou uma descamação amarela ou verde no pênis. Algumas vezes homens com gonorreia ficam com testículos doloridos. Mulheres os sintomas da gonorreia são geralmente moderados, porém a maioria das infectadas não apresenta sintomas. Os sinais e sintomas iniciais incluem sensação de queimação ao urinar e aumento do escoamento vaginal ou sangramento vaginal, entre os períodos menstruais. Mulheres com gonorreia sofrem o risco de desenvolver complicações sérias independentemente da presença ou severidade dos sintomas.
  • 24. TRATAMENTO O tratamento é através de antibióticos prescritos pelos médicos e podem curar com sucesso a gonorreia em adolescentes e adultos. Porém, variedades resistente de gonorreia estão aumentando em várias partes do mundo e o tratamento está ficando mais difícil.
  • 25. CONDILONOMA ACUMINADA HPV O HPV é um condiloma acuminado, conhecido também como verruga genital, crista de galo, figueira ou cavalo de crista, é uma doença sexualmente transmissível (DST) causada pelo Papilomavírus humano (HPV). O exame de prevenção do câncer ginecológico, o Papanicolau, pode detectar alterações precoces no colo do útero e deve ser feito rotineiramente por todas as mulheres.
  • 26. AINFECÇÃO PELO HPV NORMALMENTE CAUSAVERRUGAS DE TAMANHOS VARIÁVEIS. Mulher Surgem na vagina, vulva, região do ânus e colo do útero. As lesões do HPV também podem aparecer na boca e na garganta tanto no homem, quanto na mulher. Homem É mais comum na cabeça do pênis (glande) e na região do ânus
  • 27. TRATAMENTO O tratamento para condiloma acuminado inclui uso de medicações que se passam na região afetada e cauterização elétrica (isto é, "queimar" as lesões).
  • 29. REFERÊNCIAS  http://www.laboratoriocentral.com.br/wp/2013/02/dst-cancro-duro-sifilis/  http://www.mdsaude.com/2009/01/dst-sifilis.html  http://www.tuasaude.com/cancro-mole/  http://www.mdsaude.com/2012/07/clamidia.html  https://www.google.com.br/search?q=sexo+seguro&espv=2&biw=1360&bih=623&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0CAcQ_AUoA moVChMI1sHZkJ6JyAIVhR2QCh2ILg9E#tbm=isch&q=camisinha+feminina+embalagem&imgrc=kvzmx5zNvtdXIM%3A  9° Edição saberás e práticas (guia para ensino e aprendizado de enfermagem). Pag; 307 á 317.  Manual de bolso, controle das doenças sexualmente transmissíveis DST.
  • 30. FIM