SlideShare uma empresa Scribd logo
DAYSE AMARÍLIO
HEMOCENTRO 2016
Sífilis primária: Cancro duro (PI: 21 dias)
Infecção crônica causada pelo T. pallidum, uma Espiroqueta- Treponema Pallidum;
Transmissão sexual, por contato com lesões infecciosas, transfusional, vertical;
Bacteremia secundária em meses com lesões cutaneomucosas generalizadas seguido por um
período de latência de anos – Roséolas (6 a 8 semanas);
As lesões das fases primária e secundária são altamente infectantes (uso de luvas).
SÍFILIS LATENTE (RECENTE E TARDIA):
não se observam sinais e sintomas clínicos -Diagnóstico por meio de testes sorológicos
SÍNDROME DA ÚLCERA GENITAL: SÍFILIS
SÍFILIS TERCIÁRIA
Os sinas aparecem de 3 a 12 anos ou mais após o início da infecção:
Lesões cutâneo-mucosas (tubérculos ou gomas);
neurológicas (tabes dorsalis, demência, goma cerebral); cardiovasculares
(aneurisma aórtico) e osteo-articulares (gomas, artropatia de Charcot).
Obs: Não se observam, usualmente, treponemas nas lesões da fase terciária; e as
sorologias com títulos baixos.
SÍFILIS
Classificação e tratamento
Sífilis Primária
Cancro duro
Lesão única, indolor e de bordas
endurecidas, geralmente na vagina e
colo uterino.
penicilina benzatina 2,4
milhões UI, via IM, em
dose única (1,2 milhões, IM, em
cada glúteo);
4,8 milões UI IM
Divididas em 2 doses de 2,4
milhões com intervalo de 7 dias
7,2 milões UI IM
Divididas em 3 doses de 2,4
milhões com intervalo de 7 dias
cada
Sífilis Secundária Erupções cutâneas generalizadas
(Roséolas sifilíticas), lesões
palmoplantares, alopécia.
Sífilis Terciária Gomas sifilíticas em pele, ossos e
cérebro.
Diagnóstico: Microscopia de Campo Escuro; Sorologias não treponêmicas: VDRL e RPR;
Sorologias treponêmicas: FTA-ABS e TPHA.
SOROLOGIA PARA SÍFILIS (VDRL)
Clínica
PI: 1 a 26 dias;
Primeiro episódio: sintomas gerais, febre, cefaleia e dores pelo corpo e locais, prurido,
disúria, corrimento vaginal e uretral e sensibilidade nos LND;
Lesões extensas e espaçadas em várias fases, eritema, vesículas e úlceras;
Em mulheres pode ocorrer lesões no colo do útero e uretra;
Recidivas: HSV 1 90% e HSV 2 55%;
Lesões retais, perianais, uretrite, prostatite, endometrite e salpingite;
Diagnóstico
Clínico/epidemiológico;
Isolamento viral por cultura de tecidos;
ELISA, WB, sorologia p/HSV 1 e 2;
HERPES GENITAL
evidência ou história de vesículas agrupadas em “cacho”, sobre base
eritematosa, cujo aparecimento foi precedido de aumento de
sensibilidade, ardência, prurido ou sintomas uretrais, especialmente com
história de recorrência das lesões.
Tratamento:
Aciclovir 400 mg, VO, 8/8 horas por 7 dias, ou aciclovir 200mg, VO, 4/4
horas por 7 dias
Manifestações severas: Aciclovir 5 a 10 mg por kg de peso, IV, de 8/8
horas, por 5 a 7 dias ou até resolução clínica do caso.
DIAGNÓSTICO CLÍNICO
Corrimento uretral: que pode ter cor branca, amarelada ou
esverdeada e odor fétido;
Prurido;
Estrangúria;
Polaciúria;
Notificação SINAN – 2011 – Síndrome Corrimento Uretral masculino.
CORRIMENTO URETRAL
Uretrite Gonocócica (UG) Uretrites Não Gonocócicas (UNG)
• Neisseria gonorrheae, bactéria Gram (-) não
esporulado que cresce aos pares(diplococos);
• Cosmopolita;
• Transmissão sexual;
• PI: 2 a 7 dias;
• Corrimento mucopurulento abundante,
inicialmente mucoide;
• Disúria sem urgência;
• Clamídia Tracomatis responsável por 20%
a 40%;
• Ureaplasma, Tricomona Vaginalis,
Mycoplasma Genitalium e HSV 2, também
respondem por casos;
Diagnóstico
Microscopia com coloração de Gram, diplococos gram
(-) intracelulares;
Cultura em meio de Thayer-Martin modificado.
Microscopia: Gram;
Cultura da secreção uretral
CORRIMENTO URETRAL – PRINCIPAIS CAUSAS
Principais síndromes em IST
Síndrome Sintomas mais comuns Sinais mais comuns Etiologias mais comuns
Corrimento Vaginal
Corrimento Vaginal
prurido
Dor à micção
Dispareunia
Odor fétido
Edema de vulva
HiperemiaCorrimento
vaginal e /ou cervical
Vulvovaginite Infecciosa:
Tricomoníase
Vaginose bacteriana
Gonorréia
Clamídia
Corrimento uretral
Corrimento uretral
Prurido
Estrangúria
Odor fétido
Corrimento uretral
(ordenhar uretra)
Gonorréia
Clamídia
Tricomoníase
Micoplasma
Ureoplasma
Úlcera genital Úlcera genital
Ferida e aumento dos
linfonodos
Sífilis 1
Cancro mole
Herpes genital
Donovanose
Desconforto ou Dor
Pélvica na mulher
Dor e desconforto pélvico
Dispareunia
Corrimento cervical
Dor à palpação abd
Dor à mobilização do colo
Temperatura ≥37,5
Gonorréia
Clamídia
Gernes anaeróbios
Corrimento uretral: que pode ter cor branca,
amarelada ou esverdeada e odor fétido;
Prurido;
Estrangúria;
Polaciúria;
Notificação SINAN – 2011 – Síndrome Corrimento
Uretral masculino.
CORRIMENTO URETRAL
Tratamento clamídia e gonorreia
Agente 1 opção 2 opção Outras
situações
Clamídia AZT 1g VO
dose única;
Doxicilina
100mg VO
12/12h por 7
dias
Eritromicina
500mg VO
6/6h por 7
dias
Tetraciclina
500 mg 4x
dia por 7 dias
Ofloxacina
400 mg
2x/dia por 7
dias
Menores de
18 anos não
usar
ofloxacina
agente 1 opção 2 opção
Outras
situações
Gonorreia
Ciprofloxaci
na 500 mg
vo dose
única
Ceftriaxona
250 mg IM
dose única
Cefixima
400 mg VO
dose única
Ofloxacina
400 mg VO
dose única
Em
menores de
18 anos não
fazer
ciprofloxaci
na e
ofloxacina
Feridas dolorosas ou não;
Prurido;
Ardência;
Aumento de linfonodos inguinais
SÍNDROME DA ÚLCERA GENITAL
Cancro Mole (Cancróide)
Causa: Haemophilus Ducreyi - Coco bacilo Gram (-)
Comum nos países em desenvolvimento;
Transmissão predominantemente hetero sexual;
Infiltrado perivascular e intersticial de macrófagos e linfócitos TCD4+ e
TCD8+,
Transmissão pela ruptura da pele por pequenos traumas nas relações
sexuais;
PI: 4 a 7 dias;
SÍNDROME DA ÚLCERA GENITAL
Cancro Mole (Cancróide)
Inicia com pápula e eritema entre o 2/3 dias e pústula que ulcera sem
enduração. É dolorosa e sangra com facilidade;
Sensibilidade nos LND inguinais que podem flutuar e romper espontaneamente;
Diagnóstico: clínico/epidemiológico;
Laboratório: Coloração Gram de swab da lesão e cultura da secreção da lesão e
aspirado do LND;
SÍNDROME DA ÚLCERA GENITAL
Atenção para dica:
SÍNDROME DA ÚLCERA GENITAL
Quadro Comparativo – Cancro Mole x Cancro Duro (Sífilis 1ª)
Cancro Mole Cancro Duro
Agente Haemophilus ducreyi Treponema pallidum
Transmissão Exclusivamente sexual Predominantemente
sexual
PI 4 a 7 dias 1 a 3 semanas (21dias)
Características lesão
Feridas múltiplas, bordas
irregulares, dolorosas, sangra com
facilidade, com exudado e lesão em
espelho.
Única, bordas regulares, fundo brilhante,
sem secreção, indolor.
Tratamento Azitromicina Penicilina Benzatina
Notificação
Investigação
Só Notifica Investigar: SINAN gestante e criança.
Azitromicina 1g VO dose única (DU);
Ceftriaxona 250mg IM DU;
Ciprofloxacina 500mg VO 12/12h por 3 dias;
Eritromicina 500mg VO 8/8h por 7 dias;
Pacientes HIV + devem ter as doses
aumentadas.
Gestante: eritromicina ou ceftriaxona
TRATAMENTO
SÍFILIS
Sífilis
Sífilis primária: Cancro duro (PI: 21 dias)
Infeccão crônica causada pelo T. pallidun, uma Espiroqueta-
Treponema Pallidun;
Transmissão sexual, por contato com lesões infecciosas,
transfusional, vertical;
Bacteremia secundária em meses com lesões cutaneomucosas
generalizadas seguido por um período de latência de anos –
Roséolas (6 a 8 semanas);
SÍNDROME DA ÚLCERA GENITAL
As lesões das fases primária e secundária são altamente infectantes
(uso de luvas).
SÍFILIS LATENTE (RECENTE E TARDIA):
não se observam sinais e sintomas clínicos -Diagnóstico por meio de testes
sorológicos
SÍFILIS
SÍFILIS TERCIÁRIA
Os sinas aparecem de 3 a 12 anos ou mais após o início
da infecção:
Lesões cutâneo-mucosas (tubérculos ou gomas);
neurológicas (tabes dorsalis, demência, goma cerebral);
cardiovasculares (aneurisma aórtico) e osteo-articulares (gomas,
artropatia de Charcot).
Obs: Não se observam, usualmente, treponemas nas
lesões da fase terciária; e as sorologias com títulos
baixos.
SÍFILIS
Classificação e tratamento
Sífilis Primária
Cancro duro
Lesão única, indolor e de bordas
endurecidas, geralmente na
vagina e colo uterino.
penicilina benzatina 2,4
milhões UI, via IM, em
dose única (1,2 milhões,
IM, em cada glúteo);
4,8 milões UI IM
Divididas em 2 doses de
2,4 milhões com intervalo
de 7 dias
7,2 milões UI IM
Divididas em 3 doses de
2,4 milhões com intervalo
de 7 dias cada
Sífilis
Secundária
Erupções cutâneas generalizadas
(Roséolas sifilíticas), lesões
palmoplantares, alopécia.
Sífilis Terciária Gomas sifilíticas em pele, ossos
e cérebro.
Diagnóstico: Microscopia de Campo Escuro;Sorologias não treponêmicas: VDRL e RPR;
Sorologias treponêmicas: FTA-ABS e TPHA.
SOROLOGIA PARA SÍFILIS (VDRL)
Solicitar VDRL durante todo pré-natal;
Solicitar confirmatório se primo-infecção;
Tratar com Penicilina benzatina;
TRATAMENTO INADEQUADO DA SÍFILIS MATERNA
1. Todo aquele realizado com qualquer medicamento que não seja
penicilina.
2. Tratamento incompleto, mesmo tendo sido realizado com penicilina.
3. Tratamento realizado ou finalizado no período menor que 30 dias
antes do parto.
4. Quando o parceiro não foi tratado, ou foi tratado inadequadamente, e
manteve
contato sexual com a gestante após seu tratamento, sem usar o
preservativo
(masculino ou feminino).
DIAGNÓSTICO PRECOCE DE SIFILIS MATERNA
NO PRÉ-NATAL
Todo tratamento inadequado de sífilis materna resulta
em caso de sífilis congênita.
Realizar o controle de cura mensal por meio do VDRL,
considerando resposta adequada ao tratamento o
declínio dos títulos duas titulações em até 6 meses.
Reiniciar o tratamento em caso de interrupção, ou se
houver quadruplicação dos títulos (ex.: de 1:2 para
1:8);
DIAGNÓSTICO PRECOCE DE SIFILIS MATERNA
NO PRÉ-NATAL
Herpes Genital
HSV vírus DNA
Cosmopolita;
Transmissão por contato de secreção com o vírus sobre pele ou mucosa
esfoliada;
Replicação inicial na epiderme e derme;
Resposta do hospedeiro influencia no curso e gravidade da infecção;
Transmissão pode ocorrer sem lesão;
Lesão (ões) mais freqüente no início da infeccão;
Acontece em contatos pessoais (beijos e utensílios)
SÍNDROME DA ÚLCERA GENITAL
Herpes Genital
HSV vírus DNA
Cosmopolita;
Transmissão por contato de secreção com o vírus sobre pele ou mucosa esfoliada;
Replicação inicial na epiderme e derme;
Resposta do hospedeiro influencia no curso e gravidade da infecção;
Transmissão pode ocorrer sem lesão;
Lesão (ões) mais freqüente no início da infeccão;
Acontece em contatos pessoais (beijos e utensílios)
SÍNDROME DA ÚLCERA GENITAL
evidência ou história de vesículas agrupadas em
“cacho”, sobre base eritematosa, cujo aparecimento foi
precedido de aumento de sensibilidade, ardência,
prurido ou sintomas uretrais, especialmente com história
de recorrência das lesões.
Tratamento:
Aciclovir 400 mg, VO, 8/8 horas por 7 dias, ou aciclovir
200mg, VO, 4/4 horas por 7 dias
Manifestações severas: Aciclovir 5 a 10 mg por kg de
peso, IV, de 8/8 horas, por 5 a 7 dias ou até resolução
clínica do caso.
DIAGNÓSTICO CLÍNICO
Prevenção e controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
VUNESP / IBATÉ – SP /
2019
Para responder à questão, considere o relato a seguir.
Em 20.07.2019, M.C., 37 anos, IIgesta, Ipara, parto normal há dez anos, compareceu
à unidade básica de saúde para consulta de enfermagem de pré-natal. Durante o
atendimento, informou que vinha seguindo as orientações recebidas anteriormente e
se sentindo bem, porém com sensação de cansaço e peso nas pernas. Ao analisar os
dados existentes no prontuário, o enfermeiro constatou que a última menstruação de
M.C. ocorrera em 29.01.2019 e que seus ciclos menstruais eram regulares, com
intervalo de 28 dias. Entre outros exames realizados há 30 dias, observou: glicemia
em jejum = 92 mg/dL; VDRL = 1:2; FTA-Abs = não reagente. Questionada, a
gestante informou que ela e o atual companheiro já haviam sido tratados para sífilis,
no início do relacionamento, há três anos, e que, a partir daí, “todos os exames
realizados davam esse resultado”.
Prevenção e controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
Relatou ainda que, há cinco anos, também havia sido tratada para hanseníase, evoluindo
para a cura. Ao exame físico, o enfermeiro constatou a formação de pequenas varizes
em membros inferiores, sendo estas as únicas alterações observadas.
Quanto aos resultados obtidos nos exames de VDRL e FTA-Abs, é correto afirmar que:
A ( ) o tratamento para sífilis realizado anteriormente não foi efetivo, e a gestante deve
ser retratada para sífilis latente tardia com ceftriaxona 1g, IM, 1x/dia, por 8 a 10 dias.
B ( ) o tratamento para sífilis realizado anteriormente não foi efetivo, a gestante deve
ser encaminhada a pré-natal de alto risco para avaliação, tratamento e acompanhamento.
VUNESP / IBATÉ – SP /
2019
Prevenção e controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
C ( ) o resultado positivo para VDRL se trata de cicatriz sorológica da sífilis ou de
resultado falso-positivo devido à hanseníase.
D ( ) o tratamento para sífilis realizado anteriormente não foi efetivo, e o casal deve
ser retratado para sífilis latente tardia com penicilina benzatina 2400000 UI,
intramuscular, semanal, por 3 semanas.
E ( ) se trata de um caso de reinfecção pelo treponema, e o companheiro deve ser
investigado e iniciado o tratamento para sífilis primária com a aplicação da primeira
dose de penicilina benzatina, 1200000 UI, IM.
VUNESP / IBATE – SP /
2019
Prevenção e controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
VUNESP / IBATÉ – SP / 2019
Com base nas diretrizes do Ministério da Saúde, no que diz respeito à gestante, frente aos
resultados obtidos nos exames sorológicos para sífilis, o enfermeiro deve considerar que se
trata de:
A ( ) situação de falso-positivo para sífilis devendo, conforme protocolo, solicitar a
repetição dos exames no início terceiro trimestre da gestação.
B ( ) sífilis recente, devendo iniciar imediatamente o tratamento com Penicilina G
benzatina 2,4 milhões UI, IM, em dose única, aplicando 1,2 milhões UI em cada glúteo.
Prevenção e controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
C ( ) sífilis secundária, devendo iniciar imediatamente o tratamento com Penicilina G
benzatina 2,4 milhões UI, IM, aplicando a primeira dose de 1,2 milhões UI no momento e a
segunda dose em sete dias.
D ( ) sífilis tardia, iniciando o tratamento imediatamente com Penicilina G benzatina 2,4
milhões UI, por 3 semanas consecutivas, totalizando 7,2 milhões UI.
E ( ) caso suspeito de sífilis, devendo solicitar a repetição dos exames para confirmação
dos resultados e início do tratamento, se necessário.
VUNESP / IBATÉ – SP /
2019
Prevenção e controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
VUNESP / TJ– SP / 2019
Face a uma realidade global de índices elevados de infecções transmissíveis por via sexual
(IST), torna-se fundamental que os profissionais de saúde aproveitem todas as oportunidades
para orientar sobre a importância de se pensar em opção contraceptiva que proporcione uma
dupla proteção exemplificada pelo uso combinado
A ( ) da camisinha feminina e do anticoncepcional oral.
B ( ) do diafragma e do dispositivo intrauterino.
C ( ) do anticoncepcional injetável e do diafragma.
D ( ) do gel espermicida e do anticoncepcional oral.
E ( ) da camisinha masculina e da camisinha feminina.
Prevenção e Controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
Prevenção e Controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
( IBFC / EBSERH / 2016 )
O Herpes Genital é uma infecção causada pelo vírus herpes simples (HSV). São
sinais e sintomas dessa doença:
A ( ) Corrimento amarelo-esverdeado, bolhoso e fétido e escoriações
B ( ) Corrimento mucopurulento escasso, prurido uretral e dor pélvica
C ( ) Secreção branco acinzentada com mal cheiro, sem prurido e irritação
D ( ) Disúria, mal estar, febre, corrimento vaginal intenso e sangramento
vaginal, sensação de ardor,prurido, queimação, formigamento e dor
E ( ) Prurido, disúria eventual, dispareunia, corrimento branco em grumos
Prevenção e Controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
( IBFC / EBSERH / 2016 )
A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima 1 milhão de casos de sífilis por
ano entre as gestantes e preconiza a detecção e o tratamento oportunos
destas e de seus parceiros sexuais portadores de sífilis, considerando que a
infecção pode ser transmitida ao feto, com graves implicações. Assinale a
alternativa correta.
A ( ) A sifilis é causada por bactérias que integram o complexo
Mycobacterium sifiolosis
B ( ) A sífilis é uma doença infecciosa sistêmica de evolução crônica, cujo
agente etiológico é o treponema pallidum, uma bactéria gram negativa, do
espiroquetas, de alta patogenicidade
C ( ) A sífilis é uma doença sexualmente transmissível (DST) considerada um
grande problema de saúde pública pela OMS, a transmissão horizontal é a
preocupação da OMS
Prevenção e Controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
D ( ) O modo de transmissão predominante é a aerossol. A transmissão
ocorre de forma mais eficiente nas fases primária e secundária da doença
E ( ) A bactéria causadora de sífilis quando presente na circulação sanguínea
da gestante, não consegue atravessar a barreira placentária evitando a
Prevenção e Controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
( IBFC / EBSERH / 2016 )
Sobre a Sífilis, assinale a alternativa correta.
A ( ) A Sífilis Adquirida não é uma doença de notificação compulsória
B ( ) A Sífilis Congênita é uma doença de notificação compulsória com
periodicidade de notificação semanal
C ( ) A Sífilis em gestante é uma doença de notificação compulsória imediata
(com periodicidade de notificação menor que 24 horas)
D ( ) O tratamento da Sífilis primária é realizado com Penicilina G benzatina,
4.800.000UI, IM, 1 vez por semana, 2 semanas (dose total de 9.600.000UI)
E ( ) O tratamento da Sífilis tardia (latente e terciária) é realizado com
Penicilina G benzatina, 2.400.000UI, IM, dose única
Prevenção e Controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
( IBFC / SES-PR / 2016 )
Segundo o Manual de Doenças Sexualmente Transmissíveis do Ministério da
Saúde, as DST’s estão entre os problemas de saúde pública mais comuns em
todo o mundo. Em 1999, a Organização Mundial de Saúde (OMS) estimou um
total de 340 milhões de casos novos por ano de DST curáveis em todo o
mundo, entre 15 e 49 anos, 10 a 12 milhões destes casos no Brasil. Assinale a
alternativa que contenha somente exemplos de DST causadas por vírus.
A ( ) HIV, Sífilis e Gonorreia.
B ( ) Herpes, Clamídia e Candidíase.
C ( )Tricomoníase, Cancro Mole e Condiloma.
D ( ) Herpes, Condiloma e HIV.
.
Prevenção e Controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
( IBFC / EBSERH / 2016 )
A sífilis é uma doença infectocontagiosa sistêmica, de evolução crônica,
causada pelo Treponema pallidum. Sobre esta doença, analise as afirmativas
abaixo, de valores Verdadeiro (V) ou Falso (F) e assinale a alternativa que
apresenta a sequência correta de cima para baixo.
( ) O homem é o único reservatório.
( ) O modo de transmissão pode ser sexual, vertical ou sanguíneo.
( ) A suscetibilidade à doença é universal e os anticorpos produzidos em
são protetores. Portando, o indivíduo não vai adquirir sífilis se exposto ao T.
novamente.
Prevenção e Controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
( ) Em gestantes, a sífilis pode ser transmitida para o concepto por via
qualquer fase da gestação: média de 100% na fase primária, 90% na fase
na fase latente.
A ( ) V,V,F,V.
B ( ) V,V,V,V.
C ( ) F,V,V,F.
D ( ) V,V,V,F.
E ( ) V,V,F,F.
Prevenção de controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
CESPE / EBSERH / 2018
Acerca do controle das doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), cujas
incidências têm tornado esse controle uma prioridade para os órgãos de vigilância
epidemiológica brasileiros, julgue o item subsequente.
No Brasil, são de notificação compulsória a sífilis congênita, a sífilis em gestante e
a sífilis adquirida.
( ) Certo
( ) Errado
Prevenção de controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
CESPE / EBSERH / 2018
Acerca do controle das doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), cujas
incidências têm tornado esse controle uma prioridade para os órgãos de vigilância
epidemiológica brasileiros, julgue o item subsequente.
Quando forem indicados para a confirmação diagnóstica de DST, os exames
laboratoriais deverão ser agendados para sete dias após a primeira consulta, com o
objetivo de minimizar as chances de resultados falsos-negativos decorrentes de
possíveis janelas imunológicas.
( ) Certo
( ) Errado
Prevenção de controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
CESPE / EBSERH / 2018
Acerca do controle das doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), cujas
incidências têm tornado esse controle uma prioridade para os órgãos de vigilância
epidemiológica brasileiros, julgue o item subsequente.
Ao oferecer preservativos masculinos, o técnico de enfermagem deve orientar o
paciente a utilizar lubrificantes oleosos, como vaselina, que reduzem o atrito,
protegendo a integridade do látex.
( ) Certo
( ) Errado
Prevenção de controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
CESPE / EBSERH / 2018
Acerca do controle das doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), cujas
incidências têm tornado esse controle uma prioridade para os órgãos de vigilância
epidemiológica brasileiros, julgue o item subsequente.
A conjuntivite do recém-nascido causada pela clamídia tende a ser mais severa
que a causada pela Neisseria gonohrroeae e de início mais precoce.
( ) Certo
( ) Errado
Prevenção de controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
CESPE / HUB / 2018
Os casos de sífilis, uma infecção bacteriana sistêmica de evolução crônica causada
pelo Treponema pallidum, têm aumentado quando comparados a outras infecções
sexualmente transmissíveis. Acerca dessa infecção, julgue o item subsequente.
Entre 2010 e o primeiro semestre de 2016 foram notificados, no Sistema de
Informação de Agravos de Notificação, milhares de casos de sífilis adquirida em
todo o Brasil, com proeminência para as regiões Sudeste e Sul.
( ) Certo
( ) Errado
Prevenção de controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
CESPE / HUB / 2018
Os casos de sífilis, uma infecção bacteriana sistêmica de evolução crônica causada
pelo Treponema pallidum, têm aumentado quando comparados a outras infecções
sexualmente transmissíveis. Acerca dessa infecção, julgue o item subsequente.
A penicilina e a benzatina são as únicas drogas eficazes no tratamento das sífilis
primária, secundária e terciária, consequência da resistência bacteriana a outros
antimicrobianos.
( ) Certo
( ) Errado
Prevenção de controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
CESPE / HUB / 2018
Os casos de sífilis, uma infecção bacteriana sistêmica de evolução crônica causada
pelo Treponema pallidum, têm aumentado quando comparados a outras infecções
sexualmente transmissíveis. Acerca dessa infecção, julgue o item subsequente.
A sífilis é uma doença de notificação compulsória regular, que deve ser registrada
no Sistema de Informação de Agravos de Notificação mediante o preenchimento
e envio da ficha de notificação/investigação da sífilis adquirida e da ficha de
investigação da sífilis em gestantes.
( ) Certo
( ) Errado
Prevenção de controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
CESPE / TRE-BA / 2017
A infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) bem como a
manifestação clínica em fase avançada da síndrome da imunodeficiência adquirida
(AIDS) constituem importantes preocupações para a saúde pública. Com relação
à AIDS e aos múltiplos aspectos a ela relacionados, julgue os itens a seguir.
I O HIV-1 e o HIV-2 são adenovírus da família Lentiviridae.
II O ser humano é o único hospedeiro tanto do vírus HIV-1 quanto do HIV-2.
III O vírus HIV pode ser transmitido por via sexual (esperma e secreção vaginal),
pelo sangue (via parenteral e de mãe para filho) e pelo leite materno.
Prevenção de controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
IV O tratamento da AIDS com medicação antirretroviral (TARV) reduz a carga
viral e reativa o sistema imunológico, levando à cura da doença.
Estão certos apenas os itens
A ( ) I e II.
B ( ) I e III.
C ( ) I e IV.
D ( ) II e III.
E ( ) III e IV.
Prevenção de controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
CESPE / TRE-BA / 2017
Clinicamente, a sífilis desenvolve-se em três estágios, caracterizados por diferentes
sintomas. Na fase latente da doença, o paciente apresenta
A ( ) proliferação de treponemas nas lesões, o que justifica a titulação elevada
nos exames sorológicos realizados nesta fase.
B ( ) uma ou mais erupções indolores na pele e na mucosa, denominadas
cancros duros, com secreção serosa escassa e de curta duração.
C ( ) sinais subclínicos da doença, que, nesse estágio, é diagnosticada por meio
de testes sorológicos, tais como o de imunofluorescência indireta.
D ( ) múltiplas lesões ulceradas, que provocam dor prolongada e intensa e
apresentam base endurecida e fundo liso e brilhante.
E ( ) alta carga bacteriana no sangue, comprovável em exames sorológicos do
tipo ELISA (enzyme-linked immunosorbent assay).
Prevenção de controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
CESPE / TRE-BA / 2017
As doenças sexualmente transmissíveis (DSTs)
A ( ) apresentam-se sempre de maneira sintomática na mulher, o que diminui o
risco de complicações graves.
B ( ) são assim denominadas por transmitirem-se exclusivamente por via sexual,
como é o caso do papilomavírus humano (HPV).
C ( ) são insuscetíveis de transmissão da mãe infectada ao feto, tanto durante a
gestação quanto no parto.
D ( ) podem, em alguns casos, evoluir para complicações graves e levar à morte,
caso não sejam diagnosticadas e tratadas a tempo.
E ( ) devem ser prevenidas, primariamente, por meio do uso de preservativos
durante as relações sexuais extraconjugais.
Prevenção de controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
CESPE / SEDF / 2017
As doenças sexualmente transmissíveis (DST) estão entre os problemas de saúde
pública mais comuns no Brasil e em todo o mundo, sendo, atualmente,
consideradas o principal fator facilitador da transmissão sexual do HIV. Algumas
DST, se não diagnosticadas e tratadas a tempo, podem evoluir para complicações
graves e até mesmo para o óbito. Acerca das DST e do HIV, julgue o item que se
segue.
Os serviços de atenção básica à saúde devem realizar uma abordagem centralizada
nos pacientes, deixando as ações de promoção, prevenção e assistência a seus
familiares e à comunidade
( ) Certo
( ) Errado
Prevenção de controle -DT
Prof. Dayse Amarilio
CESPE / SEDF / 2017
As doenças sexualmente transmissíveis (DST) estão entre os problemas de saúde
pública mais comuns no Brasil e em todo o mundo, sendo, atualmente,
consideradas o principal fator facilitador da transmissão sexual do HIV. Algumas
DST, se não diagnosticadas e tratadas a tempo, podem evoluir para complicações
graves e até mesmo para o óbito. Acerca das DST e do HIV, julgue o item que se
segue.
As unidades básicas de saúde (UBS) são resolutivas e de fácil acesso, e são capazes
de promover um forte impacto na epidemia do HIV/AIDS e na incidência das
DST no Brasil.
( ) Certo
( ) Errado
Prevenção e controle -DT
Prof. Dayse Amarilio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
Centro Universitário Ages
 
Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.
Tuanny Sampaio - Estética Avançada
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
UEA - Universidade do Estado do Amazonas
 
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No BrasilHistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
Eduardo Gomes da Silva
 
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúdeComo abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Patricia de Rossi
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infância
Rúben Freitas
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
Alinebrauna Brauna
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
chirlei ferreira
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Isabel Lopes
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
Fernando de Oliveira Dutra
 
Sistema Geniturinário
Sistema GeniturinárioSistema Geniturinário
Sistema Geniturinário
Will Nunes
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Ravenny Caminha
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Jesiele Spindler
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
guest692575
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em Pediatria
Laped Ufrn
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
Cintia da Cruz Silva
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
Fernando Dias
 

Mais procurados (20)

Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 
Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
 
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No BrasilHistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
 
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúdeComo abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
Como abordar o corrimento de repetição na rede de atenção básica de saúde
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infância
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
 
Sistema Geniturinário
Sistema GeniturinárioSistema Geniturinário
Sistema Geniturinário
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em Pediatria
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 

Semelhante a IST ESCS

Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
DEIZYSOUZA
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
Urovideo.org
 
13 exame proctológico e dst em proctologia
13  exame proctológico e dst em proctologia13  exame proctológico e dst em proctologia
13 exame proctológico e dst em proctologia
itsufpr
 
13 exame proctológico e dst em proctologia
13  exame proctológico e dst em proctologia13  exame proctológico e dst em proctologia
13 exame proctológico e dst em proctologia
itsufpr
 
Dst
DstDst
Dst
dapab
 
Slide de biologia pneumonia, sífilis e tétano
Slide de biologia pneumonia, sífilis e tétanoSlide de biologia pneumonia, sífilis e tétano
Slide de biologia pneumonia, sífilis e tétano
lucas_12
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
Ismael Costa
 
Apresentação sobre Infeções Genitourinarias
Apresentação sobre Infeções GenitourinariasApresentação sobre Infeções Genitourinarias
Apresentação sobre Infeções Genitourinarias
BlackPhoenix12
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Gustavo Henrique
 
Doenassexualmentetransmi 1231076518790527 1
Doenassexualmentetransmi 1231076518790527 1Doenassexualmentetransmi 1231076518790527 1
Doenassexualmentetransmi 1231076518790527 1
ronildosena
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Professor Robson
 
Dst 8o ano
Dst 8o anoDst 8o ano
Dst 8o ano
suamarael
 
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
DST
DSTDST
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis CongênitaOficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Aula+26+ +dst
Aula+26+ +dstAula+26+ +dst
Aula+26+ +dst
upload718
 
Aula+26+ +dst
Aula+26+ +dstAula+26+ +dst
Aula+26+ +dst
upload718
 
Aula+26+ +dst
Aula+26+ +dstAula+26+ +dst
Aula+26+ +dst
ufsmrs
 
Espiroq
EspiroqEspiroq
Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2
'Alice Tinoco
 

Semelhante a IST ESCS (20)

Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
 
13 exame proctológico e dst em proctologia
13  exame proctológico e dst em proctologia13  exame proctológico e dst em proctologia
13 exame proctológico e dst em proctologia
 
13 exame proctológico e dst em proctologia
13  exame proctológico e dst em proctologia13  exame proctológico e dst em proctologia
13 exame proctológico e dst em proctologia
 
Dst
DstDst
Dst
 
Slide de biologia pneumonia, sífilis e tétano
Slide de biologia pneumonia, sífilis e tétanoSlide de biologia pneumonia, sífilis e tétano
Slide de biologia pneumonia, sífilis e tétano
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Apresentação sobre Infeções Genitourinarias
Apresentação sobre Infeções GenitourinariasApresentação sobre Infeções Genitourinarias
Apresentação sobre Infeções Genitourinarias
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
 
Doenassexualmentetransmi 1231076518790527 1
Doenassexualmentetransmi 1231076518790527 1Doenassexualmentetransmi 1231076518790527 1
Doenassexualmentetransmi 1231076518790527 1
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Dst 8o ano
Dst 8o anoDst 8o ano
Dst 8o ano
 
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
Infecção do Trato Urinário (Davyson Sampaio Braga)
 
DST
DSTDST
DST
 
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis CongênitaOficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
 
Aula+26+ +dst
Aula+26+ +dstAula+26+ +dst
Aula+26+ +dst
 
Aula+26+ +dst
Aula+26+ +dstAula+26+ +dst
Aula+26+ +dst
 
Aula+26+ +dst
Aula+26+ +dstAula+26+ +dst
Aula+26+ +dst
 
Espiroq
EspiroqEspiroq
Espiroq
 
Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2
 

Mais de Felipe Ribeiro

Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Felipe Ribeiro
 
Encurso IST
Encurso ISTEncurso IST
Encurso IST
Felipe Ribeiro
 
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptxIST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
Felipe Ribeiro
 
Aula 25 - CC e CME III (Slide).pptx
Aula 25 - CC e CME III (Slide).pptxAula 25 - CC e CME III (Slide).pptx
Aula 25 - CC e CME III (Slide).pptx
Felipe Ribeiro
 
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptxAula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Felipe Ribeiro
 
Aula 26 - CC e CME IV (Slide).pptx
Aula 26 - CC e CME IV (Slide).pptxAula 26 - CC e CME IV (Slide).pptx
Aula 26 - CC e CME IV (Slide).pptx
Felipe Ribeiro
 
Aula 23 - CC e CME (Slide).pptx
Aula 23 - CC e CME (Slide).pptxAula 23 - CC e CME (Slide).pptx
Aula 23 - CC e CME (Slide).pptx
Felipe Ribeiro
 
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptxAula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
Felipe Ribeiro
 
Fisiologia reprodutora humana
Fisiologia reprodutora humanaFisiologia reprodutora humana
Fisiologia reprodutora humana
Felipe Ribeiro
 

Mais de Felipe Ribeiro (9)

Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Encurso IST
Encurso ISTEncurso IST
Encurso IST
 
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptxIST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
 
Aula 25 - CC e CME III (Slide).pptx
Aula 25 - CC e CME III (Slide).pptxAula 25 - CC e CME III (Slide).pptx
Aula 25 - CC e CME III (Slide).pptx
 
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptxAula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
 
Aula 26 - CC e CME IV (Slide).pptx
Aula 26 - CC e CME IV (Slide).pptxAula 26 - CC e CME IV (Slide).pptx
Aula 26 - CC e CME IV (Slide).pptx
 
Aula 23 - CC e CME (Slide).pptx
Aula 23 - CC e CME (Slide).pptxAula 23 - CC e CME (Slide).pptx
Aula 23 - CC e CME (Slide).pptx
 
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptxAula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
 
Fisiologia reprodutora humana
Fisiologia reprodutora humanaFisiologia reprodutora humana
Fisiologia reprodutora humana
 

Último

8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptxTreinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Ruan130129
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
WilberthLincoln1
 

Último (8)

8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
 
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptxTreinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
 

IST ESCS

  • 2. Sífilis primária: Cancro duro (PI: 21 dias) Infecção crônica causada pelo T. pallidum, uma Espiroqueta- Treponema Pallidum; Transmissão sexual, por contato com lesões infecciosas, transfusional, vertical; Bacteremia secundária em meses com lesões cutaneomucosas generalizadas seguido por um período de latência de anos – Roséolas (6 a 8 semanas); As lesões das fases primária e secundária são altamente infectantes (uso de luvas). SÍFILIS LATENTE (RECENTE E TARDIA): não se observam sinais e sintomas clínicos -Diagnóstico por meio de testes sorológicos SÍNDROME DA ÚLCERA GENITAL: SÍFILIS
  • 3. SÍFILIS TERCIÁRIA Os sinas aparecem de 3 a 12 anos ou mais após o início da infecção: Lesões cutâneo-mucosas (tubérculos ou gomas); neurológicas (tabes dorsalis, demência, goma cerebral); cardiovasculares (aneurisma aórtico) e osteo-articulares (gomas, artropatia de Charcot). Obs: Não se observam, usualmente, treponemas nas lesões da fase terciária; e as sorologias com títulos baixos. SÍFILIS
  • 4. Classificação e tratamento Sífilis Primária Cancro duro Lesão única, indolor e de bordas endurecidas, geralmente na vagina e colo uterino. penicilina benzatina 2,4 milhões UI, via IM, em dose única (1,2 milhões, IM, em cada glúteo); 4,8 milões UI IM Divididas em 2 doses de 2,4 milhões com intervalo de 7 dias 7,2 milões UI IM Divididas em 3 doses de 2,4 milhões com intervalo de 7 dias cada Sífilis Secundária Erupções cutâneas generalizadas (Roséolas sifilíticas), lesões palmoplantares, alopécia. Sífilis Terciária Gomas sifilíticas em pele, ossos e cérebro. Diagnóstico: Microscopia de Campo Escuro; Sorologias não treponêmicas: VDRL e RPR; Sorologias treponêmicas: FTA-ABS e TPHA. SOROLOGIA PARA SÍFILIS (VDRL)
  • 5. Clínica PI: 1 a 26 dias; Primeiro episódio: sintomas gerais, febre, cefaleia e dores pelo corpo e locais, prurido, disúria, corrimento vaginal e uretral e sensibilidade nos LND; Lesões extensas e espaçadas em várias fases, eritema, vesículas e úlceras; Em mulheres pode ocorrer lesões no colo do útero e uretra; Recidivas: HSV 1 90% e HSV 2 55%; Lesões retais, perianais, uretrite, prostatite, endometrite e salpingite; Diagnóstico Clínico/epidemiológico; Isolamento viral por cultura de tecidos; ELISA, WB, sorologia p/HSV 1 e 2; HERPES GENITAL
  • 6. evidência ou história de vesículas agrupadas em “cacho”, sobre base eritematosa, cujo aparecimento foi precedido de aumento de sensibilidade, ardência, prurido ou sintomas uretrais, especialmente com história de recorrência das lesões. Tratamento: Aciclovir 400 mg, VO, 8/8 horas por 7 dias, ou aciclovir 200mg, VO, 4/4 horas por 7 dias Manifestações severas: Aciclovir 5 a 10 mg por kg de peso, IV, de 8/8 horas, por 5 a 7 dias ou até resolução clínica do caso. DIAGNÓSTICO CLÍNICO
  • 7.
  • 8. Corrimento uretral: que pode ter cor branca, amarelada ou esverdeada e odor fétido; Prurido; Estrangúria; Polaciúria; Notificação SINAN – 2011 – Síndrome Corrimento Uretral masculino. CORRIMENTO URETRAL
  • 9. Uretrite Gonocócica (UG) Uretrites Não Gonocócicas (UNG) • Neisseria gonorrheae, bactéria Gram (-) não esporulado que cresce aos pares(diplococos); • Cosmopolita; • Transmissão sexual; • PI: 2 a 7 dias; • Corrimento mucopurulento abundante, inicialmente mucoide; • Disúria sem urgência; • Clamídia Tracomatis responsável por 20% a 40%; • Ureaplasma, Tricomona Vaginalis, Mycoplasma Genitalium e HSV 2, também respondem por casos; Diagnóstico Microscopia com coloração de Gram, diplococos gram (-) intracelulares; Cultura em meio de Thayer-Martin modificado. Microscopia: Gram; Cultura da secreção uretral CORRIMENTO URETRAL – PRINCIPAIS CAUSAS
  • 10. Principais síndromes em IST Síndrome Sintomas mais comuns Sinais mais comuns Etiologias mais comuns Corrimento Vaginal Corrimento Vaginal prurido Dor à micção Dispareunia Odor fétido Edema de vulva HiperemiaCorrimento vaginal e /ou cervical Vulvovaginite Infecciosa: Tricomoníase Vaginose bacteriana Gonorréia Clamídia Corrimento uretral Corrimento uretral Prurido Estrangúria Odor fétido Corrimento uretral (ordenhar uretra) Gonorréia Clamídia Tricomoníase Micoplasma Ureoplasma Úlcera genital Úlcera genital Ferida e aumento dos linfonodos Sífilis 1 Cancro mole Herpes genital Donovanose Desconforto ou Dor Pélvica na mulher Dor e desconforto pélvico Dispareunia Corrimento cervical Dor à palpação abd Dor à mobilização do colo Temperatura ≥37,5 Gonorréia Clamídia Gernes anaeróbios
  • 11. Corrimento uretral: que pode ter cor branca, amarelada ou esverdeada e odor fétido; Prurido; Estrangúria; Polaciúria; Notificação SINAN – 2011 – Síndrome Corrimento Uretral masculino. CORRIMENTO URETRAL
  • 12.
  • 13. Tratamento clamídia e gonorreia Agente 1 opção 2 opção Outras situações Clamídia AZT 1g VO dose única; Doxicilina 100mg VO 12/12h por 7 dias Eritromicina 500mg VO 6/6h por 7 dias Tetraciclina 500 mg 4x dia por 7 dias Ofloxacina 400 mg 2x/dia por 7 dias Menores de 18 anos não usar ofloxacina agente 1 opção 2 opção Outras situações Gonorreia Ciprofloxaci na 500 mg vo dose única Ceftriaxona 250 mg IM dose única Cefixima 400 mg VO dose única Ofloxacina 400 mg VO dose única Em menores de 18 anos não fazer ciprofloxaci na e ofloxacina
  • 14.
  • 15.
  • 16. Feridas dolorosas ou não; Prurido; Ardência; Aumento de linfonodos inguinais SÍNDROME DA ÚLCERA GENITAL
  • 17. Cancro Mole (Cancróide) Causa: Haemophilus Ducreyi - Coco bacilo Gram (-) Comum nos países em desenvolvimento; Transmissão predominantemente hetero sexual; Infiltrado perivascular e intersticial de macrófagos e linfócitos TCD4+ e TCD8+, Transmissão pela ruptura da pele por pequenos traumas nas relações sexuais; PI: 4 a 7 dias; SÍNDROME DA ÚLCERA GENITAL
  • 18. Cancro Mole (Cancróide) Inicia com pápula e eritema entre o 2/3 dias e pústula que ulcera sem enduração. É dolorosa e sangra com facilidade; Sensibilidade nos LND inguinais que podem flutuar e romper espontaneamente; Diagnóstico: clínico/epidemiológico; Laboratório: Coloração Gram de swab da lesão e cultura da secreção da lesão e aspirado do LND; SÍNDROME DA ÚLCERA GENITAL
  • 19. Atenção para dica: SÍNDROME DA ÚLCERA GENITAL Quadro Comparativo – Cancro Mole x Cancro Duro (Sífilis 1ª) Cancro Mole Cancro Duro Agente Haemophilus ducreyi Treponema pallidum Transmissão Exclusivamente sexual Predominantemente sexual PI 4 a 7 dias 1 a 3 semanas (21dias) Características lesão Feridas múltiplas, bordas irregulares, dolorosas, sangra com facilidade, com exudado e lesão em espelho. Única, bordas regulares, fundo brilhante, sem secreção, indolor. Tratamento Azitromicina Penicilina Benzatina Notificação Investigação Só Notifica Investigar: SINAN gestante e criança.
  • 20.
  • 21. Azitromicina 1g VO dose única (DU); Ceftriaxona 250mg IM DU; Ciprofloxacina 500mg VO 12/12h por 3 dias; Eritromicina 500mg VO 8/8h por 7 dias; Pacientes HIV + devem ter as doses aumentadas. Gestante: eritromicina ou ceftriaxona TRATAMENTO
  • 23. Sífilis Sífilis primária: Cancro duro (PI: 21 dias) Infeccão crônica causada pelo T. pallidun, uma Espiroqueta- Treponema Pallidun; Transmissão sexual, por contato com lesões infecciosas, transfusional, vertical; Bacteremia secundária em meses com lesões cutaneomucosas generalizadas seguido por um período de latência de anos – Roséolas (6 a 8 semanas); SÍNDROME DA ÚLCERA GENITAL
  • 24. As lesões das fases primária e secundária são altamente infectantes (uso de luvas). SÍFILIS LATENTE (RECENTE E TARDIA): não se observam sinais e sintomas clínicos -Diagnóstico por meio de testes sorológicos SÍFILIS
  • 25. SÍFILIS TERCIÁRIA Os sinas aparecem de 3 a 12 anos ou mais após o início da infecção: Lesões cutâneo-mucosas (tubérculos ou gomas); neurológicas (tabes dorsalis, demência, goma cerebral); cardiovasculares (aneurisma aórtico) e osteo-articulares (gomas, artropatia de Charcot). Obs: Não se observam, usualmente, treponemas nas lesões da fase terciária; e as sorologias com títulos baixos. SÍFILIS
  • 26. Classificação e tratamento Sífilis Primária Cancro duro Lesão única, indolor e de bordas endurecidas, geralmente na vagina e colo uterino. penicilina benzatina 2,4 milhões UI, via IM, em dose única (1,2 milhões, IM, em cada glúteo); 4,8 milões UI IM Divididas em 2 doses de 2,4 milhões com intervalo de 7 dias 7,2 milões UI IM Divididas em 3 doses de 2,4 milhões com intervalo de 7 dias cada Sífilis Secundária Erupções cutâneas generalizadas (Roséolas sifilíticas), lesões palmoplantares, alopécia. Sífilis Terciária Gomas sifilíticas em pele, ossos e cérebro. Diagnóstico: Microscopia de Campo Escuro;Sorologias não treponêmicas: VDRL e RPR; Sorologias treponêmicas: FTA-ABS e TPHA. SOROLOGIA PARA SÍFILIS (VDRL)
  • 27. Solicitar VDRL durante todo pré-natal; Solicitar confirmatório se primo-infecção; Tratar com Penicilina benzatina; TRATAMENTO INADEQUADO DA SÍFILIS MATERNA 1. Todo aquele realizado com qualquer medicamento que não seja penicilina. 2. Tratamento incompleto, mesmo tendo sido realizado com penicilina. 3. Tratamento realizado ou finalizado no período menor que 30 dias antes do parto. 4. Quando o parceiro não foi tratado, ou foi tratado inadequadamente, e manteve contato sexual com a gestante após seu tratamento, sem usar o preservativo (masculino ou feminino). DIAGNÓSTICO PRECOCE DE SIFILIS MATERNA NO PRÉ-NATAL
  • 28. Todo tratamento inadequado de sífilis materna resulta em caso de sífilis congênita. Realizar o controle de cura mensal por meio do VDRL, considerando resposta adequada ao tratamento o declínio dos títulos duas titulações em até 6 meses. Reiniciar o tratamento em caso de interrupção, ou se houver quadruplicação dos títulos (ex.: de 1:2 para 1:8); DIAGNÓSTICO PRECOCE DE SIFILIS MATERNA NO PRÉ-NATAL
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35. Herpes Genital HSV vírus DNA Cosmopolita; Transmissão por contato de secreção com o vírus sobre pele ou mucosa esfoliada; Replicação inicial na epiderme e derme; Resposta do hospedeiro influencia no curso e gravidade da infecção; Transmissão pode ocorrer sem lesão; Lesão (ões) mais freqüente no início da infeccão; Acontece em contatos pessoais (beijos e utensílios) SÍNDROME DA ÚLCERA GENITAL
  • 36. Herpes Genital HSV vírus DNA Cosmopolita; Transmissão por contato de secreção com o vírus sobre pele ou mucosa esfoliada; Replicação inicial na epiderme e derme; Resposta do hospedeiro influencia no curso e gravidade da infecção; Transmissão pode ocorrer sem lesão; Lesão (ões) mais freqüente no início da infeccão; Acontece em contatos pessoais (beijos e utensílios) SÍNDROME DA ÚLCERA GENITAL
  • 37. evidência ou história de vesículas agrupadas em “cacho”, sobre base eritematosa, cujo aparecimento foi precedido de aumento de sensibilidade, ardência, prurido ou sintomas uretrais, especialmente com história de recorrência das lesões. Tratamento: Aciclovir 400 mg, VO, 8/8 horas por 7 dias, ou aciclovir 200mg, VO, 4/4 horas por 7 dias Manifestações severas: Aciclovir 5 a 10 mg por kg de peso, IV, de 8/8 horas, por 5 a 7 dias ou até resolução clínica do caso. DIAGNÓSTICO CLÍNICO
  • 38.
  • 39.
  • 40. Prevenção e controle -DT Prof. Dayse Amarilio VUNESP / IBATÉ – SP / 2019 Para responder à questão, considere o relato a seguir. Em 20.07.2019, M.C., 37 anos, IIgesta, Ipara, parto normal há dez anos, compareceu à unidade básica de saúde para consulta de enfermagem de pré-natal. Durante o atendimento, informou que vinha seguindo as orientações recebidas anteriormente e se sentindo bem, porém com sensação de cansaço e peso nas pernas. Ao analisar os dados existentes no prontuário, o enfermeiro constatou que a última menstruação de M.C. ocorrera em 29.01.2019 e que seus ciclos menstruais eram regulares, com intervalo de 28 dias. Entre outros exames realizados há 30 dias, observou: glicemia em jejum = 92 mg/dL; VDRL = 1:2; FTA-Abs = não reagente. Questionada, a gestante informou que ela e o atual companheiro já haviam sido tratados para sífilis, no início do relacionamento, há três anos, e que, a partir daí, “todos os exames realizados davam esse resultado”.
  • 41. Prevenção e controle -DT Prof. Dayse Amarilio Relatou ainda que, há cinco anos, também havia sido tratada para hanseníase, evoluindo para a cura. Ao exame físico, o enfermeiro constatou a formação de pequenas varizes em membros inferiores, sendo estas as únicas alterações observadas. Quanto aos resultados obtidos nos exames de VDRL e FTA-Abs, é correto afirmar que: A ( ) o tratamento para sífilis realizado anteriormente não foi efetivo, e a gestante deve ser retratada para sífilis latente tardia com ceftriaxona 1g, IM, 1x/dia, por 8 a 10 dias. B ( ) o tratamento para sífilis realizado anteriormente não foi efetivo, a gestante deve ser encaminhada a pré-natal de alto risco para avaliação, tratamento e acompanhamento. VUNESP / IBATÉ – SP / 2019
  • 42. Prevenção e controle -DT Prof. Dayse Amarilio C ( ) o resultado positivo para VDRL se trata de cicatriz sorológica da sífilis ou de resultado falso-positivo devido à hanseníase. D ( ) o tratamento para sífilis realizado anteriormente não foi efetivo, e o casal deve ser retratado para sífilis latente tardia com penicilina benzatina 2400000 UI, intramuscular, semanal, por 3 semanas. E ( ) se trata de um caso de reinfecção pelo treponema, e o companheiro deve ser investigado e iniciado o tratamento para sífilis primária com a aplicação da primeira dose de penicilina benzatina, 1200000 UI, IM. VUNESP / IBATE – SP / 2019
  • 43. Prevenção e controle -DT Prof. Dayse Amarilio VUNESP / IBATÉ – SP / 2019 Com base nas diretrizes do Ministério da Saúde, no que diz respeito à gestante, frente aos resultados obtidos nos exames sorológicos para sífilis, o enfermeiro deve considerar que se trata de: A ( ) situação de falso-positivo para sífilis devendo, conforme protocolo, solicitar a repetição dos exames no início terceiro trimestre da gestação. B ( ) sífilis recente, devendo iniciar imediatamente o tratamento com Penicilina G benzatina 2,4 milhões UI, IM, em dose única, aplicando 1,2 milhões UI em cada glúteo.
  • 44. Prevenção e controle -DT Prof. Dayse Amarilio C ( ) sífilis secundária, devendo iniciar imediatamente o tratamento com Penicilina G benzatina 2,4 milhões UI, IM, aplicando a primeira dose de 1,2 milhões UI no momento e a segunda dose em sete dias. D ( ) sífilis tardia, iniciando o tratamento imediatamente com Penicilina G benzatina 2,4 milhões UI, por 3 semanas consecutivas, totalizando 7,2 milhões UI. E ( ) caso suspeito de sífilis, devendo solicitar a repetição dos exames para confirmação dos resultados e início do tratamento, se necessário. VUNESP / IBATÉ – SP / 2019
  • 45. Prevenção e controle -DT Prof. Dayse Amarilio VUNESP / TJ– SP / 2019 Face a uma realidade global de índices elevados de infecções transmissíveis por via sexual (IST), torna-se fundamental que os profissionais de saúde aproveitem todas as oportunidades para orientar sobre a importância de se pensar em opção contraceptiva que proporcione uma dupla proteção exemplificada pelo uso combinado A ( ) da camisinha feminina e do anticoncepcional oral. B ( ) do diafragma e do dispositivo intrauterino. C ( ) do anticoncepcional injetável e do diafragma. D ( ) do gel espermicida e do anticoncepcional oral. E ( ) da camisinha masculina e da camisinha feminina.
  • 46. Prevenção e Controle -DT Prof. Dayse Amarilio
  • 47. Prevenção e Controle -DT Prof. Dayse Amarilio ( IBFC / EBSERH / 2016 ) O Herpes Genital é uma infecção causada pelo vírus herpes simples (HSV). São sinais e sintomas dessa doença: A ( ) Corrimento amarelo-esverdeado, bolhoso e fétido e escoriações B ( ) Corrimento mucopurulento escasso, prurido uretral e dor pélvica C ( ) Secreção branco acinzentada com mal cheiro, sem prurido e irritação D ( ) Disúria, mal estar, febre, corrimento vaginal intenso e sangramento vaginal, sensação de ardor,prurido, queimação, formigamento e dor E ( ) Prurido, disúria eventual, dispareunia, corrimento branco em grumos
  • 48. Prevenção e Controle -DT Prof. Dayse Amarilio ( IBFC / EBSERH / 2016 ) A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima 1 milhão de casos de sífilis por ano entre as gestantes e preconiza a detecção e o tratamento oportunos destas e de seus parceiros sexuais portadores de sífilis, considerando que a infecção pode ser transmitida ao feto, com graves implicações. Assinale a alternativa correta. A ( ) A sifilis é causada por bactérias que integram o complexo Mycobacterium sifiolosis B ( ) A sífilis é uma doença infecciosa sistêmica de evolução crônica, cujo agente etiológico é o treponema pallidum, uma bactéria gram negativa, do espiroquetas, de alta patogenicidade C ( ) A sífilis é uma doença sexualmente transmissível (DST) considerada um grande problema de saúde pública pela OMS, a transmissão horizontal é a preocupação da OMS
  • 49. Prevenção e Controle -DT Prof. Dayse Amarilio D ( ) O modo de transmissão predominante é a aerossol. A transmissão ocorre de forma mais eficiente nas fases primária e secundária da doença E ( ) A bactéria causadora de sífilis quando presente na circulação sanguínea da gestante, não consegue atravessar a barreira placentária evitando a
  • 50. Prevenção e Controle -DT Prof. Dayse Amarilio ( IBFC / EBSERH / 2016 ) Sobre a Sífilis, assinale a alternativa correta. A ( ) A Sífilis Adquirida não é uma doença de notificação compulsória B ( ) A Sífilis Congênita é uma doença de notificação compulsória com periodicidade de notificação semanal C ( ) A Sífilis em gestante é uma doença de notificação compulsória imediata (com periodicidade de notificação menor que 24 horas) D ( ) O tratamento da Sífilis primária é realizado com Penicilina G benzatina, 4.800.000UI, IM, 1 vez por semana, 2 semanas (dose total de 9.600.000UI) E ( ) O tratamento da Sífilis tardia (latente e terciária) é realizado com Penicilina G benzatina, 2.400.000UI, IM, dose única
  • 51. Prevenção e Controle -DT Prof. Dayse Amarilio ( IBFC / SES-PR / 2016 ) Segundo o Manual de Doenças Sexualmente Transmissíveis do Ministério da Saúde, as DST’s estão entre os problemas de saúde pública mais comuns em todo o mundo. Em 1999, a Organização Mundial de Saúde (OMS) estimou um total de 340 milhões de casos novos por ano de DST curáveis em todo o mundo, entre 15 e 49 anos, 10 a 12 milhões destes casos no Brasil. Assinale a alternativa que contenha somente exemplos de DST causadas por vírus. A ( ) HIV, Sífilis e Gonorreia. B ( ) Herpes, Clamídia e Candidíase. C ( )Tricomoníase, Cancro Mole e Condiloma. D ( ) Herpes, Condiloma e HIV. .
  • 52. Prevenção e Controle -DT Prof. Dayse Amarilio ( IBFC / EBSERH / 2016 ) A sífilis é uma doença infectocontagiosa sistêmica, de evolução crônica, causada pelo Treponema pallidum. Sobre esta doença, analise as afirmativas abaixo, de valores Verdadeiro (V) ou Falso (F) e assinale a alternativa que apresenta a sequência correta de cima para baixo. ( ) O homem é o único reservatório. ( ) O modo de transmissão pode ser sexual, vertical ou sanguíneo. ( ) A suscetibilidade à doença é universal e os anticorpos produzidos em são protetores. Portando, o indivíduo não vai adquirir sífilis se exposto ao T. novamente.
  • 53. Prevenção e Controle -DT Prof. Dayse Amarilio ( ) Em gestantes, a sífilis pode ser transmitida para o concepto por via qualquer fase da gestação: média de 100% na fase primária, 90% na fase na fase latente. A ( ) V,V,F,V. B ( ) V,V,V,V. C ( ) F,V,V,F. D ( ) V,V,V,F. E ( ) V,V,F,F.
  • 54. Prevenção de controle -DT Prof. Dayse Amarilio CESPE / EBSERH / 2018 Acerca do controle das doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), cujas incidências têm tornado esse controle uma prioridade para os órgãos de vigilância epidemiológica brasileiros, julgue o item subsequente. No Brasil, são de notificação compulsória a sífilis congênita, a sífilis em gestante e a sífilis adquirida. ( ) Certo ( ) Errado
  • 55. Prevenção de controle -DT Prof. Dayse Amarilio CESPE / EBSERH / 2018 Acerca do controle das doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), cujas incidências têm tornado esse controle uma prioridade para os órgãos de vigilância epidemiológica brasileiros, julgue o item subsequente. Quando forem indicados para a confirmação diagnóstica de DST, os exames laboratoriais deverão ser agendados para sete dias após a primeira consulta, com o objetivo de minimizar as chances de resultados falsos-negativos decorrentes de possíveis janelas imunológicas. ( ) Certo ( ) Errado
  • 56. Prevenção de controle -DT Prof. Dayse Amarilio CESPE / EBSERH / 2018 Acerca do controle das doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), cujas incidências têm tornado esse controle uma prioridade para os órgãos de vigilância epidemiológica brasileiros, julgue o item subsequente. Ao oferecer preservativos masculinos, o técnico de enfermagem deve orientar o paciente a utilizar lubrificantes oleosos, como vaselina, que reduzem o atrito, protegendo a integridade do látex. ( ) Certo ( ) Errado
  • 57. Prevenção de controle -DT Prof. Dayse Amarilio CESPE / EBSERH / 2018 Acerca do controle das doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), cujas incidências têm tornado esse controle uma prioridade para os órgãos de vigilância epidemiológica brasileiros, julgue o item subsequente. A conjuntivite do recém-nascido causada pela clamídia tende a ser mais severa que a causada pela Neisseria gonohrroeae e de início mais precoce. ( ) Certo ( ) Errado
  • 58. Prevenção de controle -DT Prof. Dayse Amarilio CESPE / HUB / 2018 Os casos de sífilis, uma infecção bacteriana sistêmica de evolução crônica causada pelo Treponema pallidum, têm aumentado quando comparados a outras infecções sexualmente transmissíveis. Acerca dessa infecção, julgue o item subsequente. Entre 2010 e o primeiro semestre de 2016 foram notificados, no Sistema de Informação de Agravos de Notificação, milhares de casos de sífilis adquirida em todo o Brasil, com proeminência para as regiões Sudeste e Sul. ( ) Certo ( ) Errado
  • 59. Prevenção de controle -DT Prof. Dayse Amarilio CESPE / HUB / 2018 Os casos de sífilis, uma infecção bacteriana sistêmica de evolução crônica causada pelo Treponema pallidum, têm aumentado quando comparados a outras infecções sexualmente transmissíveis. Acerca dessa infecção, julgue o item subsequente. A penicilina e a benzatina são as únicas drogas eficazes no tratamento das sífilis primária, secundária e terciária, consequência da resistência bacteriana a outros antimicrobianos. ( ) Certo ( ) Errado
  • 60. Prevenção de controle -DT Prof. Dayse Amarilio CESPE / HUB / 2018 Os casos de sífilis, uma infecção bacteriana sistêmica de evolução crônica causada pelo Treponema pallidum, têm aumentado quando comparados a outras infecções sexualmente transmissíveis. Acerca dessa infecção, julgue o item subsequente. A sífilis é uma doença de notificação compulsória regular, que deve ser registrada no Sistema de Informação de Agravos de Notificação mediante o preenchimento e envio da ficha de notificação/investigação da sífilis adquirida e da ficha de investigação da sífilis em gestantes. ( ) Certo ( ) Errado
  • 61. Prevenção de controle -DT Prof. Dayse Amarilio CESPE / TRE-BA / 2017 A infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) bem como a manifestação clínica em fase avançada da síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) constituem importantes preocupações para a saúde pública. Com relação à AIDS e aos múltiplos aspectos a ela relacionados, julgue os itens a seguir. I O HIV-1 e o HIV-2 são adenovírus da família Lentiviridae. II O ser humano é o único hospedeiro tanto do vírus HIV-1 quanto do HIV-2. III O vírus HIV pode ser transmitido por via sexual (esperma e secreção vaginal), pelo sangue (via parenteral e de mãe para filho) e pelo leite materno.
  • 62. Prevenção de controle -DT Prof. Dayse Amarilio IV O tratamento da AIDS com medicação antirretroviral (TARV) reduz a carga viral e reativa o sistema imunológico, levando à cura da doença. Estão certos apenas os itens A ( ) I e II. B ( ) I e III. C ( ) I e IV. D ( ) II e III. E ( ) III e IV.
  • 63. Prevenção de controle -DT Prof. Dayse Amarilio CESPE / TRE-BA / 2017 Clinicamente, a sífilis desenvolve-se em três estágios, caracterizados por diferentes sintomas. Na fase latente da doença, o paciente apresenta A ( ) proliferação de treponemas nas lesões, o que justifica a titulação elevada nos exames sorológicos realizados nesta fase. B ( ) uma ou mais erupções indolores na pele e na mucosa, denominadas cancros duros, com secreção serosa escassa e de curta duração. C ( ) sinais subclínicos da doença, que, nesse estágio, é diagnosticada por meio de testes sorológicos, tais como o de imunofluorescência indireta. D ( ) múltiplas lesões ulceradas, que provocam dor prolongada e intensa e apresentam base endurecida e fundo liso e brilhante. E ( ) alta carga bacteriana no sangue, comprovável em exames sorológicos do tipo ELISA (enzyme-linked immunosorbent assay).
  • 64. Prevenção de controle -DT Prof. Dayse Amarilio CESPE / TRE-BA / 2017 As doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) A ( ) apresentam-se sempre de maneira sintomática na mulher, o que diminui o risco de complicações graves. B ( ) são assim denominadas por transmitirem-se exclusivamente por via sexual, como é o caso do papilomavírus humano (HPV). C ( ) são insuscetíveis de transmissão da mãe infectada ao feto, tanto durante a gestação quanto no parto. D ( ) podem, em alguns casos, evoluir para complicações graves e levar à morte, caso não sejam diagnosticadas e tratadas a tempo. E ( ) devem ser prevenidas, primariamente, por meio do uso de preservativos durante as relações sexuais extraconjugais.
  • 65. Prevenção de controle -DT Prof. Dayse Amarilio CESPE / SEDF / 2017 As doenças sexualmente transmissíveis (DST) estão entre os problemas de saúde pública mais comuns no Brasil e em todo o mundo, sendo, atualmente, consideradas o principal fator facilitador da transmissão sexual do HIV. Algumas DST, se não diagnosticadas e tratadas a tempo, podem evoluir para complicações graves e até mesmo para o óbito. Acerca das DST e do HIV, julgue o item que se segue. Os serviços de atenção básica à saúde devem realizar uma abordagem centralizada nos pacientes, deixando as ações de promoção, prevenção e assistência a seus familiares e à comunidade ( ) Certo ( ) Errado
  • 66. Prevenção de controle -DT Prof. Dayse Amarilio CESPE / SEDF / 2017 As doenças sexualmente transmissíveis (DST) estão entre os problemas de saúde pública mais comuns no Brasil e em todo o mundo, sendo, atualmente, consideradas o principal fator facilitador da transmissão sexual do HIV. Algumas DST, se não diagnosticadas e tratadas a tempo, podem evoluir para complicações graves e até mesmo para o óbito. Acerca das DST e do HIV, julgue o item que se segue. As unidades básicas de saúde (UBS) são resolutivas e de fácil acesso, e são capazes de promover um forte impacto na epidemia do HIV/AIDS e na incidência das DST no Brasil. ( ) Certo ( ) Errado
  • 67. Prevenção e controle -DT Prof. Dayse Amarilio