Doenças Transmissíveis: DSTs
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Disciplina: Saúde Coletiva
Doenças transmissíveis
Infecciosas
Contagiosas
?
Infecção: penetração e desenvolvimento e/ou multiplicação de
um agente infeccioso no organismo do hospedeiro.
Infestação: ...
Doença causada por um agente infeccioso ou seus produtos tóxicos
originada através da transmissão do agente ou seus produt...
Impacto da DT na sociedade
59,80%
31,10%
9,10%
0%
10%
20%
30%
40%
50%
60%
70%
Doenças não
transmissíveis
Doenças transmissíveis,
condições Maternas e...
Transmissão Direta Imediata
Transmissão por contato físico, sem que o bioagente
patogênico faça passagem pelo meio ambient...
Um bioagente patogênico é capaz de infectar qualquer
indivíduo?
Quais são os principais fatores que determinam
se o indiví...
Fatores Epidemiológicos
Inerentes ao meio ambiente: físicos, biológicos, sócio econômicos.
Inerentes ao hospedeiro: espéci...
2. Doenças transmitidas por via aérea
1. Doenças sexualmente transmissíveis
4. Doenças adquiridas por ingestão
3. Doenças ...
Doenças Sexualmente
Transmissíveis
(DST)
Como definir DST?
Doenças Sexualmente transmissíveis
Expressão usada para denominar as infecções transmitidas:
• por contato sexual
• de mãe...
• Gonorréia
• Sífilis
• Cancro mole
• Herpes genital
• Donovanose
• Hepatite B
• Tricomoníase
• Candidíase
• HPV;
• HTLV;
...
Gonorréia
1) Agente etiológico: bactéria Neisseria gonorrhoeae. Possui pili que facilitam a
adesão a células da uretra.
2)...
Sífilis
cancro duro, avariose, doença-do-mundo, mal-de-franga, mal-de-nápoles, mal-de-
santa-eufêmia e pudendagra.
1) Agen...
Cancro mole
1) Agente etiológico: bactéria Haemophilus ducreyi
2) Inicia-se como uma lesão que evolui para pústula, e fina...
Herpes
1) Agente etiológico: Herpes simplex 1 e 2
2) Sintomas: feridas remissivas e complicações neurológicas.
3) Na maior...
Donovanose
É uma infecção causada pela bactéria Klebsiella granulomatis, que afeta a pele e
mucosas das regiões da genitál...
Hepatite B
1) Agente etiológico = vírus da hepatite B - HBV
2) O período de incubação da doença vai de 4-12 semanas, enqua...
Tricomoníase
1) Agente etiológico: protozoário Trichomonas vaginalis
2) Sintoma e progressão: secreção espumosa de cor ver...
Candidíase
1) Agente etiológico: fungo - Candida albicans.
2) Sintomas e progressão: comichão, vermelhidão e irritação da ...
HPV
1) Agente etiológico: vírus do papiloma humano, infecta queratinócitos da pele ou
mucosa, possui mais de 200 variações...
HTLV-1
1) Agente etiológico vírus linfotrópico humano é um retrovírus
2) Sintomas: assintomática apenas 3% desenvolvem o l...
HIV
1) Vírus da imunodeficiência humana. O alvo principal são os linfócitos T CD4+
2) diagnóstico: Sorologia
3) Tratamento...
Comportamento (sexual e preconceito)
Baixa expressividade de campanhas educativas
Manifesta X Inaparente
Automedicação
Seq...
Mesmo entre as DSTs que possuem tratamento e cura
• Infertilidade feminina e masculina
• Perdas gestacionais e doenças con...
Em 1999 OMS estimou 340 milhões de novos casos anuais de
DSTs curáveis, sendo10-12 milhões no Brasil.
Apenas em 1987 com o...
Medidas de prevenção
•Campanhas educativas
• Rastreamento e diagnóstico precoce
• Planejamento para monitoração acoplado a...
Vigilância epidemiológica das DST
Implantada desde 1996
As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), até meados de 2005, e...
Com as Seções de Controle das DST/Aids - Secretaria de
Saúde do Estado outros dados se tornaram possíveis
Campanhas Educativas
Saúde Coletiva - 3. doenças sexualmente transmissíveis
Saúde Coletiva - 3. doenças sexualmente transmissíveis
Saúde Coletiva - 3. doenças sexualmente transmissíveis
Saúde Coletiva - 3. doenças sexualmente transmissíveis
Saúde Coletiva - 3. doenças sexualmente transmissíveis
Saúde Coletiva - 3. doenças sexualmente transmissíveis
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Saúde Coletiva - 3. doenças sexualmente transmissíveis

1.818 visualizações

Publicada em

3a aula de Saúde Coletiva do curso noturno de Farmácia UFRJ (2014.2). Aula ministrada e preparada pela professora Lívia Liporagi.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.818
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
89
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Saúde Coletiva - 3. doenças sexualmente transmissíveis

  1. 1. Doenças Transmissíveis: DSTs Universidade Federal do Rio de Janeiro Disciplina: Saúde Coletiva
  2. 2. Doenças transmissíveis Infecciosas Contagiosas ?
  3. 3. Infecção: penetração e desenvolvimento e/ou multiplicação de um agente infeccioso no organismo do hospedeiro. Infestação: desenvolvimento e/ou multiplicação de um agente etiológico na superfície do corpo. Doença contagiosa: doença infecciosa cujo agente etiológico atinge um indivíduo sadio através do contato com os indivíduos infectados.
  4. 4. Doença causada por um agente infeccioso ou seus produtos tóxicos originada através da transmissão do agente ou seus produtos para um hospedeiro susceptível. Doença transmissível = Doença infecciosa Agente infeccioso = Bioagente patogênico Doença Infecciosa Classificação das Doenças Segundo a Etiologia Doença infecciosa (transmissível) Doença não-infecciosa (não transmissível)
  5. 5. Impacto da DT na sociedade
  6. 6. 59,80% 31,10% 9,10% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% Doenças não transmissíveis Doenças transmissíveis, condições Maternas e perinatais e deficiências nutricionais Causas externas %deinternaçãohospitalar Ainda representa um problema de saúde pública
  7. 7. Transmissão Direta Imediata Transmissão por contato físico, sem que o bioagente patogênico faça passagem pelo meio ambiente. Transmissão Direta Mediata Transmissão por contato de fluidos biológicos eliminados no ambiente por um indivíduo infectado. Transmissão Indireta Transmissão que depende de vetores para que o bioagente patogênico “percorra a distância” entre o indivíduo infectado e o susceptível. Transmissão
  8. 8. Um bioagente patogênico é capaz de infectar qualquer indivíduo? Quais são os principais fatores que determinam se o indivíduo infectado pode desenvolver a doença? O que determina a capacidade da doença se espalhar na sociedade? ?
  9. 9. Fatores Epidemiológicos Inerentes ao meio ambiente: físicos, biológicos, sócio econômicos. Inerentes ao hospedeiro: espécie, sexo, idade, estado fisiológico, resistência (natural e imunidade). Inerentes ao bioagente patogênico: infectividade, patogenicidade, virulência, imunogenicidade.
  10. 10. 2. Doenças transmitidas por via aérea 1. Doenças sexualmente transmissíveis 4. Doenças adquiridas por ingestão 3. Doenças transmitidas por vetores Modos de Infecção
  11. 11. Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST)
  12. 12. Como definir DST?
  13. 13. Doenças Sexualmente transmissíveis Expressão usada para denominar as infecções transmitidas: • por contato sexual • de mãe para filho, antes ou durante o parto • por transfusão de sangue contaminado Doença transmissível exclusivamente por contato sexual Transmissíveis freqüentemente por contágio sexual Doença transmitida eventualmente por contato sexual
  14. 14. • Gonorréia • Sífilis • Cancro mole • Herpes genital • Donovanose • Hepatite B • Tricomoníase • Candidíase • HPV; • HTLV; • SIDA http://www.aids.gov.br/assistencia/manualdst/item03.htm
  15. 15. Gonorréia 1) Agente etiológico: bactéria Neisseria gonorrhoeae. Possui pili que facilitam a adesão a células da uretra. 2) Sintomas e progressão: incubação de 2 a 4 dias / em casos extremamente raros pode chegar a 30 dias. Início: uretrite (corrimento purulento amarelado) Complicação: DIP – Doença inflamatória pélvica, prostatite e epididimite – Infertilidade. Em alguns casos raros não tratados o gonococo pode se disseminar através da circulação, afetando principalmente a pele, articulações, cérebro, coração, faringe e olhos. 3) Diagnóstico :cultura de secreção uretral 4) Tratamento: Ampicilina em dose única de 3,5g + 1g de Probenecida, devendo fazer teste após 7 semanas p/ homens e 10 p/ mulheres.
  16. 16. Sífilis cancro duro, avariose, doença-do-mundo, mal-de-franga, mal-de-nápoles, mal-de- santa-eufêmia e pudendagra. 1) Agente etiológico: bactéria Treponema pallidum 2) Evolução Sífilis primária: incubação variável de 10 a 90 dias, pequena ferida ou ulceração firme e dura, geralmente no pênis, vagina, reto ou boca. Esta lesão permanece por 4 a 6 semanas, desaparecendo espontaneamente. Sífilis secundária: aparece de 1 a 6 meses após a lesão primária ter desaparecido. Sinais mais específicos ocorrem nas seguintes frequências: exantemas (88%-100%), linfodenopatia (85%-89%), cancro primário residual (25%-43%), hepatomegalia (23%), placas mucosas (7%-12%). Manifestações raras incluem meningite aguda, que acontece em aproximadamente 2% de pacientes, hepatite, doença renal, gastrite, artrite, neurite do nervo óptico. Sífilis terciária:A sífilis terciária acontece já um ano depois da infecção inicial mas pode levar dez anos para se manifestar. Esta fase é caracterizada por formação de gomas sifilíticas, tumorações amolecidas que podem evoluir para a neurossífilis e a sífilis cardiovascular 3) Diagnóstico: sorologia - cardiolipina 4) Tratamento: Penicilina G ou tetraciclina
  17. 17. Cancro mole 1) Agente etiológico: bactéria Haemophilus ducreyi 2) Inicia-se como uma lesão que evolui para pústula, e finalmente para úlcera, muitas vezes purulenta, e borda bem definida na vagina, pênis e anus. 3) Diagnóstico: recolhe-se o exudato purulento para microscopia, o qual é submetido ao exame microscópico (coloração de Gram). Posteriormente é feito cultura. 4) Tratamento: azitromicina em dose única As lesões apresentam fundo de aspecto "sujo", a parte central purulenta, amarelada, e as bordas nítidas e irregulares
  18. 18. Herpes 1) Agente etiológico: Herpes simplex 1 e 2 2) Sintomas: feridas remissivas e complicações neurológicas. 3) Na maior parte dos casos o simples exame clínico permite ao médico diagnosticar o herpes 4) Não há vacina nem tratamento definitivo
  19. 19. Donovanose É uma infecção causada pela bactéria Klebsiella granulomatis, que afeta a pele e mucosas das regiões da genitália, da virilha e do ânus. Causa úlceras e destrói a pele infectada. É mais frequente no Norte do Brasil e em pessoas com baixo nível socioeconômico e higiênico. Sinais e sintomas Os sintomas incluem caroços e feridas vermelhas e sangramento fácil. As feridas não causam dor, a procura pelo tratamento pode ocorrer tardiamente, aumentando o risco de complicações. .
  20. 20. Hepatite B 1) Agente etiológico = vírus da hepatite B - HBV 2) O período de incubação da doença vai de 4-12 semanas, enquanto que o período da infecção vai de 2-12 meses. Cirrose hepática ou hepatocarcinoma Agulhas contaminadas. 3) Diagnóstico = marcadores sorológicos anticorpos contra HBV 4) Não há tratamento específico – prevenção –vacina /Cura apenas na fase aguda Hepatite C?????
  21. 21. Tricomoníase 1) Agente etiológico: protozoário Trichomonas vaginalis 2) Sintoma e progressão: secreção espumosa de cor verde-amarelada e odor desagradável, vaginite, disúria e dor abdominal. 3) Diagnóstico: Através da coleta de urina de primeiro jato e análise por microsopia (o parasita tem aspecto e motilidade característicos) ou em preparações coradas. Pode ser feita a cultura. 4) Tratamento: quimioterápicos nitroimidazólicos (metronidazol ou tinidazol), administrados em dose oral única
  22. 22. Candidíase 1) Agente etiológico: fungo - Candida albicans. 2) Sintomas e progressão: comichão, vermelhidão e irritação da zona exterior da vagina, secreção branca e espessa no caso das mulheres e o inchaço e vermelhidão do pênis e prepúcio no caso dos homens. 3) Diagnóstico: A presença de hifas e leveduras observadas ao microscópio 4) Tratamento: infecções sistêmicas - derivados de azol (fluconazol) infecções superficiais antimicóticos tópicos (nistatina, clotrimazol e miconazol). Secreção branca e grumosa aderentes às paredes da vagina com candidíase Eritema e placas grumosas brancas
  23. 23. HPV 1) Agente etiológico: vírus do papiloma humano, infecta queratinócitos da pele ou mucosa, possui mais de 200 variações 2) Sintomas e progressão: Verrugas HPV-1 e HPV-2 (mãos, pés e face), HPV-6 a 11: verrugas na vulva e pênis Câncer HPV16, 18, 31 e 45 (do colo uterino, do ânus, da vulva, do pênis e da cabeça e pescoço) 3) Diagnóstico: Colposcopia, peniscopia, biopsia, hibridização 4) Tratamento: cirúrgico (vacina e imunomoduladores)
  24. 24. HTLV-1 1) Agente etiológico vírus linfotrópico humano é um retrovírus 2) Sintomas: assintomática apenas 3% desenvolvem o linfoma de células T ou a paraparesia espástica tropical 3) Diagnóstico: sorológico paraparesia espástica tropical
  25. 25. HIV 1) Vírus da imunodeficiência humana. O alvo principal são os linfócitos T CD4+ 2) diagnóstico: Sorologia 3) Tratamento: análogos de nucleotídeos: AZT, ABC Inibidores da protease que cliva as proteínas do vírus após transcrição: saquinavir, indinavir e outros. Inibidores da enzima integrase, que faz com que o material genético do vírus entre no núcleo da célula: raltegravir Inibidores do CCR5, impedindo um dos passos de ligação do HIV à célula alvo: maravirc Inibidores de fusão, impedindo que o vírus funda seu envelope à membrana plasmática da célula alvo: enfuvirtina
  26. 26. Comportamento (sexual e preconceito) Baixa expressividade de campanhas educativas Manifesta X Inaparente Automedicação Seqüelas DSTs: problema de Saúde Pública
  27. 27. Mesmo entre as DSTs que possuem tratamento e cura • Infertilidade feminina e masculina • Perdas gestacionais e doenças congênitas • Aumento do risco para infecção pelo HIV Entre mulheres com infecções não tratadas por gonorréia 40% desenvolve DIP, mais de 25% de tornam inférteis. Vários estudos em diferentes países mostram que pessoas com outras DSTs apresentam risco aumentado em 10-18 vezes de contrair Aids Em 1999 OMS estimou 340 milhões de novos casos anuais de DSTs curáveis, sendo10-12 milhões no Brasil. Apenas em 1987 com o Programa Nacional de Controle da Aids as DSTs voltaram a adquirir importância como problema de saúde pública DSTs problema de Saúde Pública
  28. 28. Em 1999 OMS estimou 340 milhões de novos casos anuais de DSTs curáveis, sendo10-12 milhões no Brasil. Apenas em 1987 com o Programa Nacional de Controle da Aids as DSTs voltaram a adquirir importância como problema de saúde pública No Brasil Apenas HIV, AIDS, Sífilis e hepatites virais são de notificação compulsória Falta de dados dificulta a visibilidade do problema DSTs problema de Saúde Pública
  29. 29. Medidas de prevenção •Campanhas educativas • Rastreamento e diagnóstico precoce • Planejamento para monitoração acoplado ao Programa Nacional de Controle da Aids
  30. 30. Vigilância epidemiológica das DST Implantada desde 1996 As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), até meados de 2005, eram notificadas exclusivamente através do SINAN. Limitação sub-notificação (estimada) - Decisão do Ministério da Saúde de liberar os Estados para que organizassem sistemas próprios de avaliação epidemiológica das DST. Seção de Controle das DST/Aids - Secretaria de Saúde do Estado 100% das notificações dos casos atendidos nos serviços de referência de DST/Aids (SR DST/Aids) representa apenas uma parcela dos casos (reais) nos estados, grande parcela de indivíduos procuram tratamento direto nas farmácias Mesmo assim, a regularidade do recebimento das notificações nessas unidades, permite avaliar a tendência desses agravos além de outros indicadores epidemiológicos e operacionais das DST.
  31. 31. Com as Seções de Controle das DST/Aids - Secretaria de Saúde do Estado outros dados se tornaram possíveis
  32. 32. Campanhas Educativas

×