SlideShare uma empresa Scribd logo

Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts

aulas de microbiologia

1 de 42
Baixar para ler offline
Doenças
microbianas do
sistema reprodutivo
(DSTs)
Idineide Lidiane Silva
Ivete Marcelino Campos
Ovidio Angelino dos Santos Segundo
O sistema reprodutivo
• Mantém uma abertura
ao ambiente externo,
sendo então suscetível à
infecções;
• Os micróbios que
causam infecções do SR
normalmente são muito
sensíveis ao estresse
ambiental e requerem
contato íntimo para a
transmissão.
DSTs ou ISTs
• As doenças do sistema
reprodutivo transmitidas
pela atividade sexual têm
sido denominadas doenças
sexualmente transmissíveis
(DSTs) ou ISTs – Infecções
sexualmente transmissíveis.
• No Brasil, as estimativas da Organização Mundial
de Saúde (OMS) de infecções de transmissão
sexual na população sexualmente ativa, a cada
ano, são:
 Sífilis: 937.000
 Gonorreia: 1.541.800
 Clamídia: 1.967.200
 Herpes genital: 640.900
 HPV: 685.400
Prevenção
• Camisinha!!!
• A camisinha é
impermeável;
• Se utilizada
corretamente, o risco de
transmissão cai para 5%.
Tratamento
• O tratamento das DSTs
melhora a qualidade de vida
do paciente e interrompe a
cadeia de transmissão dessas
doenças.

Recomendados

Dst telma, mafalda, teresa e mariana
Dst  telma, mafalda, teresa e marianaDst  telma, mafalda, teresa e mariana
Dst telma, mafalda, teresa e marianaBESL
 
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa GobbiDoenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa GobbiEduarda Gobbi
 
Aula de enterobius vermicularis
Aula de  enterobius vermicularisAula de  enterobius vermicularis
Aula de enterobius vermicularisRossana Martins
 
Herpes labial e genital
Herpes labial e genitalHerpes labial e genital
Herpes labial e genitalPedro Oliveira
 
Clamídia apresentação
Clamídia apresentaçãoClamídia apresentação
Clamídia apresentaçãoClaudineSMR
 
Biologia - Herpes Genitais
Biologia -  Herpes GenitaisBiologia -  Herpes Genitais
Biologia - Herpes GenitaisAmanda Sbcs
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

4. protozoa do TGI
4. protozoa do TGI4. protozoa do TGI
4. protozoa do TGI
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
Doenças sexualmente transmissivel
Doenças sexualmente transmissivelDoenças sexualmente transmissivel
Doenças sexualmente transmissivel
 
Plasmodium,malaria
Plasmodium,malaria Plasmodium,malaria
Plasmodium,malaria
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Simão 9ºb nº21 herpes genital
Simão 9ºb nº21   herpes genitalSimão 9ºb nº21   herpes genital
Simão 9ºb nº21 herpes genital
 
Aula toxoplasmose
Aula toxoplasmoseAula toxoplasmose
Aula toxoplasmose
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis - Dst
Doenças Sexualmente Transmissíveis - DstDoenças Sexualmente Transmissíveis - Dst
Doenças Sexualmente Transmissíveis - Dst
 
Hepatites a, b e c
Hepatites a, b e cHepatites a, b e c
Hepatites a, b e c
 
Strongyloides stercoralis
Strongyloides stercoralisStrongyloides stercoralis
Strongyloides stercoralis
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
 
Palestra de Dengue
Palestra de DenguePalestra de Dengue
Palestra de Dengue
 
As ist´s e as suas consequências
As ist´s e as suas consequênciasAs ist´s e as suas consequências
As ist´s e as suas consequências
 
Aula n° 2
Aula n° 2  Aula n° 2
Aula n° 2
 
Herpes simples travbalho slide modificado
Herpes simples travbalho slide modificadoHerpes simples travbalho slide modificado
Herpes simples travbalho slide modificado
 

Destaque

Doenças que afetam o sistema genital masculino e feminino
Doenças que afetam o sistema genital masculino e femininoDoenças que afetam o sistema genital masculino e feminino
Doenças que afetam o sistema genital masculino e femininoDanna Petri
 
Sistema Reprodutor Daniela
Sistema Reprodutor DanielaSistema Reprodutor Daniela
Sistema Reprodutor Danielaluzacosta
 
Aparelho Reprodutor Masculino e Feminino
Aparelho Reprodutor Masculino e FemininoAparelho Reprodutor Masculino e Feminino
Aparelho Reprodutor Masculino e FemininoMariana Dziekanski
 
O sistema reprodutor Masculino e Feminino
O sistema reprodutor Masculino e FemininoO sistema reprodutor Masculino e Feminino
O sistema reprodutor Masculino e FemininoAndreane Motta
 
Sistema Reprodutor Masculino
Sistema Reprodutor MasculinoSistema Reprodutor Masculino
Sistema Reprodutor MasculinoAdriana Mércia
 
Aparelho reprodutor feminino
Aparelho   reprodutor femininoAparelho   reprodutor feminino
Aparelho reprodutor femininowelkley
 
Trabalho sistema urinário
Trabalho sistema urinário Trabalho sistema urinário
Trabalho sistema urinário Rayanne Leão
 
Módulo 5 – prevenção contra doenças e gravidez indesejada
Módulo 5 – prevenção contra doenças e gravidez indesejada Módulo 5 – prevenção contra doenças e gravidez indesejada
Módulo 5 – prevenção contra doenças e gravidez indesejada Alpha Colégio e Vestibulares
 
Alteração hematológica
Alteração hematológica  Alteração hematológica
Alteração hematológica dapab
 
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRiasDiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRiaschirlei ferreira
 
Sistema genital feminino
Sistema genital femininoSistema genital feminino
Sistema genital femininoandreepinto
 
A clamídia e o desafio do diagnóstico laboratorial
A clamídia e o desafio do diagnóstico laboratorialA clamídia e o desafio do diagnóstico laboratorial
A clamídia e o desafio do diagnóstico laboratorialPublicações Weinmann
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias Nic K
 
Seminário sobre chlamidya, treponema e neisseria.
Seminário sobre chlamidya, treponema e neisseria.Seminário sobre chlamidya, treponema e neisseria.
Seminário sobre chlamidya, treponema e neisseria.Lucas Fontes
 
Higiene e profilaxia ii
Higiene e profilaxia iiHigiene e profilaxia ii
Higiene e profilaxia iiAdriana Silva
 

Destaque (20)

Doenças que afetam o sistema genital masculino e feminino
Doenças que afetam o sistema genital masculino e femininoDoenças que afetam o sistema genital masculino e feminino
Doenças que afetam o sistema genital masculino e feminino
 
Sistema Reprodutor Daniela
Sistema Reprodutor DanielaSistema Reprodutor Daniela
Sistema Reprodutor Daniela
 
Sistema Reprodutor
Sistema ReprodutorSistema Reprodutor
Sistema Reprodutor
 
Aparelho Reprodutor Masculino e Feminino
Aparelho Reprodutor Masculino e FemininoAparelho Reprodutor Masculino e Feminino
Aparelho Reprodutor Masculino e Feminino
 
O sistema reprodutor Masculino e Feminino
O sistema reprodutor Masculino e FemininoO sistema reprodutor Masculino e Feminino
O sistema reprodutor Masculino e Feminino
 
Sistema reprodutor
Sistema reprodutorSistema reprodutor
Sistema reprodutor
 
Sistema Reprodutor Masculino
Sistema Reprodutor MasculinoSistema Reprodutor Masculino
Sistema Reprodutor Masculino
 
Aparelho reprodutor feminino
Aparelho   reprodutor femininoAparelho   reprodutor feminino
Aparelho reprodutor feminino
 
Trabalho sistema urinário
Trabalho sistema urinário Trabalho sistema urinário
Trabalho sistema urinário
 
Módulo 5 – prevenção contra doenças e gravidez indesejada
Módulo 5 – prevenção contra doenças e gravidez indesejada Módulo 5 – prevenção contra doenças e gravidez indesejada
Módulo 5 – prevenção contra doenças e gravidez indesejada
 
Sistema Urinario
Sistema UrinarioSistema Urinario
Sistema Urinario
 
Alteração hematológica
Alteração hematológica  Alteração hematológica
Alteração hematológica
 
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRiasDiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
DiagnóStico E Tratamento Das InfecçõEs Genito UrináRias
 
Farmacología ginecólogica
Farmacología ginecólogica Farmacología ginecólogica
Farmacología ginecólogica
 
Sistema genital feminino
Sistema genital femininoSistema genital feminino
Sistema genital feminino
 
A clamídia e o desafio do diagnóstico laboratorial
A clamídia e o desafio do diagnóstico laboratorialA clamídia e o desafio do diagnóstico laboratorial
A clamídia e o desafio do diagnóstico laboratorial
 
Sistema Tegumentar
Sistema TegumentarSistema Tegumentar
Sistema Tegumentar
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Seminário sobre chlamidya, treponema e neisseria.
Seminário sobre chlamidya, treponema e neisseria.Seminário sobre chlamidya, treponema e neisseria.
Seminário sobre chlamidya, treponema e neisseria.
 
Higiene e profilaxia ii
Higiene e profilaxia iiHigiene e profilaxia ii
Higiene e profilaxia ii
 

Semelhante a Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts

Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Marcelo Henrique
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisAlexandre Mold
 
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)DEIZYSOUZA
 
aids-120503054146-phpapp02 (1).pdf
aids-120503054146-phpapp02 (1).pdfaids-120503054146-phpapp02 (1).pdf
aids-120503054146-phpapp02 (1).pdfTiagoSantos74563
 
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfModulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfHilderlanArajo
 
Doença sexualmente transmissível HPV, Clamídia, Gonorreia e Linfogranuloma ve...
Doença sexualmente transmissível HPV, Clamídia, Gonorreia e Linfogranuloma ve...Doença sexualmente transmissível HPV, Clamídia, Gonorreia e Linfogranuloma ve...
Doença sexualmente transmissível HPV, Clamídia, Gonorreia e Linfogranuloma ve...Janielson Lima
 
Dsts
DstsDsts
DstsURCA
 
Doenças da actualidade e toxicodependências.
Doenças da actualidade e toxicodependências.Doenças da actualidade e toxicodependências.
Doenças da actualidade e toxicodependências.Mariana Canastra
 
Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3Pelo Siro
 
DoençAs S[1]..
DoençAs S[1]..DoençAs S[1]..
DoençAs S[1]..tiafer96
 
Doenças sexualmente transmissíveis 1.ppsx
Doenças sexualmente transmissíveis 1.ppsxDoenças sexualmente transmissíveis 1.ppsx
Doenças sexualmente transmissíveis 1.ppsxmariafernandes
 

Semelhante a Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts (20)

Aids
AidsAids
Aids
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2
 
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
 
DST
DSTDST
DST
 
Dst/aids
Dst/aidsDst/aids
Dst/aids
 
DST/AIDS NAS MULHERES
DST/AIDS NAS MULHERESDST/AIDS NAS MULHERES
DST/AIDS NAS MULHERES
 
aids-120503054146-phpapp02 (1).pdf
aids-120503054146-phpapp02 (1).pdfaids-120503054146-phpapp02 (1).pdf
aids-120503054146-phpapp02 (1).pdf
 
Aula dst
Aula dstAula dst
Aula dst
 
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfModulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
 
Doença sexualmente transmissível HPV, Clamídia, Gonorreia e Linfogranuloma ve...
Doença sexualmente transmissível HPV, Clamídia, Gonorreia e Linfogranuloma ve...Doença sexualmente transmissível HPV, Clamídia, Gonorreia e Linfogranuloma ve...
Doença sexualmente transmissível HPV, Clamídia, Gonorreia e Linfogranuloma ve...
 
ISTS
ISTSISTS
ISTS
 
Dsts
DstsDsts
Dsts
 
Doenças da actualidade e toxicodependências.
Doenças da actualidade e toxicodependências.Doenças da actualidade e toxicodependências.
Doenças da actualidade e toxicodependências.
 
Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3Doenas s1-1198788038494860-3
Doenas s1-1198788038494860-3
 
DoençAs S[1]..
DoençAs S[1]..DoençAs S[1]..
DoençAs S[1]..
 
Doenças sexualmente transmissíveis 1.ppsx
Doenças sexualmente transmissíveis 1.ppsxDoenças sexualmente transmissíveis 1.ppsx
Doenças sexualmente transmissíveis 1.ppsx
 
PALESTRA SOBRE DST.pdf
PALESTRA SOBRE DST.pdfPALESTRA SOBRE DST.pdf
PALESTRA SOBRE DST.pdf
 
Dst
DstDst
Dst
 

Último

08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...assessoriaff01
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...azulassessoriaacadem3
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...azulassessoriaacadem3
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...azulassessoriaacadem3
 
QUESTÃO 2 Com base nas informações sobre Matheus (Perfil 1), calcule a carga ...
QUESTÃO 2 Com base nas informações sobre Matheus (Perfil 1), calcule a carga ...QUESTÃO 2 Com base nas informações sobre Matheus (Perfil 1), calcule a carga ...
QUESTÃO 2 Com base nas informações sobre Matheus (Perfil 1), calcule a carga ...azulassessoriaacadem3
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...apoioacademicoead
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 

Último (20)

08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...
QUESTÃO 3 Considerando as especificações, o nível de experiência, assim como ...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
QUESTÃO 2 Com base nas informações sobre Matheus (Perfil 1), calcule a carga ...
QUESTÃO 2 Com base nas informações sobre Matheus (Perfil 1), calcule a carga ...QUESTÃO 2 Com base nas informações sobre Matheus (Perfil 1), calcule a carga ...
QUESTÃO 2 Com base nas informações sobre Matheus (Perfil 1), calcule a carga ...
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 

Doenças microbianas-do-sistema-reprodutivo-ds ts

  • 1. Doenças microbianas do sistema reprodutivo (DSTs) Idineide Lidiane Silva Ivete Marcelino Campos Ovidio Angelino dos Santos Segundo
  • 2. O sistema reprodutivo • Mantém uma abertura ao ambiente externo, sendo então suscetível à infecções; • Os micróbios que causam infecções do SR normalmente são muito sensíveis ao estresse ambiental e requerem contato íntimo para a transmissão.
  • 3. DSTs ou ISTs • As doenças do sistema reprodutivo transmitidas pela atividade sexual têm sido denominadas doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) ou ISTs – Infecções sexualmente transmissíveis.
  • 4. • No Brasil, as estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS) de infecções de transmissão sexual na população sexualmente ativa, a cada ano, são:  Sífilis: 937.000  Gonorreia: 1.541.800  Clamídia: 1.967.200  Herpes genital: 640.900  HPV: 685.400
  • 5. Prevenção • Camisinha!!! • A camisinha é impermeável; • Se utilizada corretamente, o risco de transmissão cai para 5%.
  • 6. Tratamento • O tratamento das DSTs melhora a qualidade de vida do paciente e interrompe a cadeia de transmissão dessas doenças.
  • 8. Gonorreia • Causada pelo diplococo gram- negativo Neisseria gonorrhoeae; • Para infectar, o gonococo precisa se ligar por meio das fímbrias às células mucosas da parede epitelial (área orofaríngea, olhos, reto, uretra, abertura da cérvice...).
  • 9. Sintomas • Homens: dor ao urinar, descargas de pus proveniente da uretra; • Mulheres: mais insidiosa, somente a cérvice é infectada. Posteriormente, no curso da doença, pode ocorrer dor abdominal de complicações como a doença inflamatória pélvica.
  • 10. Complicações • Podem envolver as articulações, o coração (endocardite gonorreica), as meninges (meningite gonorreica), os olhos, a faringe e outras partes do corpo; • A artrite gonorreica, que é causada pelo crescimento do gonococo nos fluidos das articulações, ocorre em aproximadamente 1% dos casos de gonorreia. As articulações comumente afetas são as do pulso, do joelho e do tornozelo.
  • 11. Diagnóstico e tratamento • Homens: os gonococos são encontrados em esfregaços de pus da uretra; • Mulheres: normalmente uma cultura é coletada da cérvice e cultivada em meios especiais; • O gonococo é muito sensível às influências ambientais adversas (dessecação e temperatura) e sobrevive com dificuldade fora do corpo; • Tratamento: cefalosporinas, como a ceftriaxona ou o cefixime.
  • 12. Clamídia • Uretrite não gonocócica (UNG); • O patógeno mais comum associado à UNG é a Chlamydia trachomatis, um coco gram negativo; • Ureaplasma urealyticum e Mycoplasma hominis; • Estima-se que seja a doença sexualmente transmissível mais comum no mundo.
  • 13. Sintomas • A infecção pala Clamídia apresenta basicamente o mesmo quadro clínico da gonorreia, porém, com sintomas menos intensos; • As mulheres normalmente são assintomáticas; • Muitos casos de UNG permanecem não tratados.
  • 14. Complicações • Os homens podem desenvolver inflamação do epidídimo; • Em mulheres, a inflamação das tubas uterinas pode causar cicatrizes e esterilidade por fibrose; • Estima-se que cerca de 50% dos homens e 70% das mulheres não estão conscientes de suas infecções clamidiais.
  • 15. Diagnóstico e tratamento • A cultura é o método mais confiável. Atualmente, existem testes que amplificam e detectam as sequências de DNA e RNA do micro-organismo; • C. trachomatis é sensível aos antibióticos tipo tetraciclina, como a doxiciclina, ou do tipo macrolídeo, como a azitromicina.
  • 16. Sifilis • Causada pela espiroqueta gram- negativa Treponema pallidum; • A sífilis é transmitida por contato sexual de quaisquer tipos ou através do parto; • O período médio de incubação é de três semanas, mas pode variar até muitos meses. • A doença progride em estágios.
  • 17. Estágios e sintomas • Estágio primário: o sinal inicial é um cancro pequeno e de base endurecida, que aparece de 10 a 90 dias pós-exposição. O cancro é indolor, e um fluido seroso altamente infeccioso se forma no centro; • Durante esse estágio, as bactérias entram na corrente sanguínea e no sistema linfático.
  • 18. Estágios e sintomas • Estágio secundário: marcado por erupções cutâneas de aparência variável, distribuídas pela pele e pelas membranas mucosas, sendo especialmente visíveis nas regiões palmar e plantar; • Outros sintomas frequentemente observados são perda de tufos de cabelo, mal-estar e febre leve.
  • 19. Estágios e sintomas • Latência: os sintomas da sífilis secundária normalmente regridem após algumas semanas. Durante esse período, não há sintomas. • Após 2 a 4 anos de latência, a doença normalmente é não infecciosa, exceto pela transmissão materno-fetal. • A maioria dos casos não progride além do estágio latente, mesmo sem tratamento.
  • 20. Estágios e sintomas • Estágio terciário: pode ser classificado pelos tecidos afetados e pelo tipo de lesão; • A sífilis gomosa é caracterizada por lesões gomosas no tecido em vários órgãos (mais comumente na pele, nas membranas mucosas e nos ossos) após cerca de 15 anos; • Causam destruição dos tecidos, mas normalmente não causam incapacitação ou morte.
  • 21. Complicações • Sífilis congênita: é transmitida através da placenta para o feto. O prejuízo do desenvolvimento mental e outros sintomas neurológicos estão entre as consequências mais graves; • Ocorre durante o período latente da doença; • O tratamento da mãe com antibióticos durante os dois primeiros trimestres irá prevenir a transmissão congênita.
  • 22. Diagnóstico e tratamento • Teste laboratorial, quando não há evidência de sintomas; • Testes treponêmicos possibilitam a determinação visual qualitativa da presença de anticorpos IgG e IgM anti-Treponema pallidum em amostras de sangue coletadas a partir de punção digital; • A penicilina benzatina é utilizada para o tratamento. Azitromicina, doxiciclina e a tetraciclina são administradas em pessoas sensíveis à penicilina.
  • 24. Herpes genital • Causada pelo vírus herpes simples tipo 2 (HSV-2); • As vesículas características da doença contêm fluidos infecciosos, mas muitas vezes a doença é transmitida quando não há sintoma ou lesão aparente; • O sêmen contém o vírus. O contágio pode ocorrer mesmo com o uso do preservativo.
  • 25. Sintomas • As lesões aparecem após um período de incubação de no máximo uma semana e causam uma sensação de queimação. A seguir, aparecem as vesículas; • Tanto em homens quanto em mulheres, a micção pode ser dolorosa; • Normalmente, as vesículas cicatrizam em algumas semanas.
  • 26. Complicações • Possibilidade de recorrência: como em outras infecções herpéticas, como o herpes labial ou o herpes zoster, o vírus entra em estado latente nas células nervosas; • A reativação parece ser desencadeada por vários fatores, incluindo menstruação, estresse emocional ou doença, e talvez mesmo o ato de coçar/arranhar a área afetada.
  • 27. Diagnóstico e tratamento • O diagnóstico de herpes genital pode ser feito pelo isolamento do vírus a partir das vesículas, por teste de PCR e testagem sorológica, se não há lesões; • Não há cura para o herpes genital! • Atualmente as drogas antivirais aciclovir, fanciclovir e valaciclovir são recomendadas para o tratamento.
  • 28. Condiloma acuminado (HPV) • Causada pelo Papilomavírus humano (HPV); • A principal forma de transmissão desse vírus é pela via sexual, podendo haver infecção na ausência de penetração vaginal ou anal; • O uso da camisinha durante a relação sexual geralmente impede a transmissão do vírus, que também pode ser transmitido para o bebê durante o parto.
  • 29. Sintomas • Causa verrugas de tamanhos variáveis. No homem, é mais comum na cabeça do pênis e na região do ânus. Na mulher, os sintomas mais comuns surgem na vagina, vulva, região do ânus e colo do útero; • As lesões também podem aparecer na boca e na garganta. Tanto o homem quanto a mulher podem estar infectados pelo vírus sem apresentar sintomas.
  • 30. Complicações e câncer • Pelo menos 13 tipos de HPV são considerados oncogênicos; • Nos casos nos quais a infecção persiste e, especialmente, é causada por um tipo viral oncogênico, pode ocorrer o desenvolvimento de lesões precursoras, que se não forem identificadas e tratadas podem progredir para o câncer, principalmente no colo do útero, mas também na vagina, vulva, ânus, pênis, orofaringe e boca.
  • 31. Diagnóstico • Diagnóstico feito por meio de exames de biologia molecular, que mostram a presença do DNA do vírus; • O diagnóstico das verrugas ano-genitais pode ser feito em homens e em mulheres por meio do exame clínico. • Exame Papanicolau.
  • 32. Tratamento e vacina • Uma vez feito o diagnóstico o tratamento pode ser clínico (medicamentos) ou cirúrgico, nos casos de câncer; • Duas vacinas: uma quadrivalente, prevenindo contra os HPVs 16, 18, 6 e 11, e outra bivalente, prevenindo apenas contra os HPVs 16 e 18.
  • 34. Candidíase • O patógeno mais comum é um fungo leveduriforme, chamado Candida albicans; • Estimativa de que metade das mulheres terá tido pelo menos um episódio até os 25 anos; • A C. albicans frequentemente cresce sobre as membranas mucosas da boca, do trato intestinal e do trato geniturinário.
  • 35. Sintomas • As lesões produzem irritação, coceira intensa, uma descarga espessa, coalhada e amarela, com cheiro fermentado ou sem odor; • A candidíase é muito menos comum em meninas antes da puberdade ou em mulheres após a menopausa. O diabetes não controlado, hormônios e a antibioticoterapia podem ser fatores predisponentes para a vaginite por C. albicans.
  • 36. Diagnóstico e tratamento • Diagnosticada pela identificação microscópica do fungo em raspados das lesões e por isolamento do fungo em cultura; • O tratamento normalmente consiste em aplicação de drogas antifúngicas de venda livre, como clotrimazol e miconazol. Um tratamento alternativo é uma dose única, por via oral, de fluconazol ou outro antifúngico azólico.
  • 38. Tricomoníase • Causada pelo protozoário anaeróbico Trichomonas vaginalis; • Frequentemente é um habitante normal da vagina em mulheres e da uretra em muitos homens. É transmitido por via sexual; • Se a acidez normal da vagina for alterada, o protozoário pode suplantar o crescimento da população microbiana normal da mucosa genital e causar tricomoníase.
  • 39. Sintomas • Cerca da metade dos casos são assintomáticos; • O corpo acumula leucócitos no local da infecção em resposta à infecção pelo protozoário. A descarga resultante é profusa, amarelo-esverdeada e caracterizada por um odor desagradável, sendo acompanhada por irritação e coceira.
  • 40. Diagnóstico e tratamento • O diagnóstico normalmente é feito pela identificação dos organismos na descarga. O patógeno pode ser encontrado no sêmen ou urina de homens portadores; • O tratamento é feito por via oral com metronidazol, administrado a ambos os parceiros sexuais, o que facilmente cura a infecção.
  • 41. Obrigado (a)! E usem camisinha!
  • 42. Referências bibliográficas • TORTORA, G. J.; FUNKE, B. R.; CASE, C.L. Microbiologia. 10. Ed. Porto Alegre: ArtMed, 2012 • DST, AIDS e Hepatites Virais. Disponível em http://www.aids.gov.br/. Acesso em 17 fev. 2015. • HPV e câncer. Disponível em http://www1.inca.gov.br/conteudo_view.asp?id=2687. Acesso em 17 fev. 2015.