SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Baixar para ler offline
TERCEIRA GERAÇÃO DO
ROMANTISMO
CONDOREIRISMOCONDOREIRISMO
Profª Ms. Daniele Onodera
Os poetas condoreiros foram
influenciados diretamente
pela poesia social de Vitor Hugo
Um de seus símbolos mais frequentes é a
imagem do condor dos Andes, pássaro
que representa a liberdade da América.
O Condoreirismo foi um movimento
caracterizado por:
• uma poesia retórica, repleta de
hipérboles e antíteseshipérboles e antíteses
• temas sociais e políticos, ( abolição da
escravatura e a apologia da república)
Antônio Frederico de Castro Alves
(Bahia 1847-1871)
Patrono da Cadeira nº 7 da Academia
Brasileira de Letras
POEMA “MOCIDADE E MORTE”
Oh! eu quero viver, beber perfumes
Na flor silvestre, que embalsama os ares;
Ver minh'alma adejar pelo infinito,
Qual branca vela n'amplidão dos mares.
No seio da mulher há tanto aroma...
Nos seus beijos de fogo há tanta vida...Nos seus beijos de fogo há tanta vida...
- Árabe errante, vou dormir à tarde
A sombra fresca da palmeira erguida.
Mas uma voz responde-me sombria:
Terás o sono sob a lájea fria.
[...] Eu sinto em mim o borbulhar do gênio,
Vejo além um futuro radiante:
Avante! - brada-me o talento n'alma
E o eco ao longe me repete - avante! -
O futuro... o futuro... no seu seio...
Entre louros e bênçãos dorme a glória!Entre louros e bênçãos dorme a glória!
Após - um nome do universo n’alma,
Um nome escrito no Panteon da história.
E a mesma voz repete funerária:
Teu Panteon - a pedra mortuária!
Morrer - é ver extinto dentre as névoas
O fanal, que nos guia na tormenta:
Condenado - escutar dobres de sino,
- Voz da morte, que a morte lhe lamenta -- Voz da morte, que a morte lhe lamenta -
Ai! morrer - é trocar astros por círios,
Leito macio por esquife imundo,
Trocar os beijos da mulher - no visco
Da larva errante no sepulcro fundo,
E eu sei que vou morrer... dentro em meu
peito
Um mal terrível me devora a vida:
[...]
Resta-me agora por futuro - a terra,
Por glória - nada, por amor - a campa.Por glória - nada, por amor - a campa.
Adeus... arrasta-me uma voz sombria,
Já me foge a razão na noite fria! ...
Duas vertentes se distinguem na
poesia de Castro Alves:
- a lírico-amorosa- a lírico-amorosa
- a social e humanitária
Um de seus símbolos mais frequentes é a
imagem do condor dos Andes, pássaro
que representa a liberdade da América.
POESIA SOCIAL
Retórica Oratória
INFLUÊNCIA DAS IDEIAS
REVOLUCIONÁRIAS E
LIBERAIS DO SÉC. XIX
Anunciador da Abolição e da República
“POETA DOS ESCRAVOS”
TEATRO : “Gonzaga”
Visão do escravo como realidade
presente.
CASTRO ALVES
Drama mais amplo e abstrato:
o do próprio destino humano
presa dos desajustamentos da história.
O negro, escravizado, misturado à vida
cotidiana em posição de inferioridade,
não se podia elevar a objeto estético.
O Condoreirismo foi um movimento
caracterizado por:
• uma poesia retórica, repleta de
hipérboles e antíteseshipérboles e antíteses
• temas sociais e políticos, ( abolição da
escravatura e a apologia da república)
OUTROS AUTORES
consciência literária como problema
social - o abolicionismo era visto
apenas como sentimento humanitário
CASTRO ALVES
o negro como herói, como ser
integralmente humano.
POEMA MAIS FAMOSO
O Navio Negreiro – Tragédia no Mar (1868).
REAÇÃO
Lei Eusébio de Queirós, que proibiu o tráfico
de escravos, de 4 de setembro de 1850.
Era um sonho dantesco... o tombadilho
Que das luzernas avermelha o brilho.
Em sangue a se banhar.
Tinir de ferros... estalar de açoite...
Legiões de homens negros como a noite,
Horrendos a dançar...
Negras mulheres, suspendendo às tetasNegras mulheres, suspendendo às tetas
Magras crianças, cujas bocas pretas
Rega o sangue das mães:
Outras moças, mas nuas e espantadas,
No turbilhão de espectros arrastadas,
Em ânsia e mágoa vãs!
E ri-se a orquestra irônica, estridente...
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais ...
Se o velho arqueja, se no chão resvala,
Ouvem-se gritos... o chicote estala.
E voam mais e mais...
Presa nos elos de uma só cadeia,
A multidão faminta cambaleia,
E chora e dança ali!
Um de raiva delira, outro enlouquece,
Outro, que martírios embrutece,
Cantando, geme e ri!
Castro Alves se empenha na
denúncia da miséria a que
eram submetidos os africanos
na cruel travessia oceânica.
Em média, menos da metadeEm média, menos da metade
dos escravos embarcados nos
navios negreiros completavam
a viagem com vida.
Interior do navio negreiro
E o que são na verdade estes meus
cantos?...
Como as espumas, que nascem do
mar e do céu, da vaga e do vento,
eles são filhos da musa— este
sopro do alto: do coração - estesopro do alto: do coração - este
pélago (mar profundo) da alma.
E como as espumas são, às vezes, a
flora sombria da tempestade, eles
por vezes rebentaram ao estalar
fatídico do látego (chicote) da
desgraça
E como também o aljofre (gotas de
água) dourado das espumas reflete
as opalas, rutilantes do arco-íris,
eles por acaso refletiram o prisma
fantástico da ventura ou do
entusiasmo— estes signosentusiasmo— estes signos
brilhantes da aliança de Deus com
a juventude!
Mas, como as espumas flutuantes
levam, boiando nas solidões
marinhas, a lágrima saudosa do
marujo... possam eles, ó meus
amigos!—efêmeros filhos de
minh'ahna — levar uma lembrança
de mim às vossas plagas (país/de mim às vossas plagas (país/
região) !
CASTRO ALVES IN: Prefácio de Espumas Flutuantes
Castro Alves

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia PortuguesaO 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
Ana Isabel Falé
 
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Dilmara Faria
 
A poesia de castro alves
A poesia de castro alvesA poesia de castro alves
A poesia de castro alves
ma.no.el.ne.ves
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
Kauan_ts
 
Questões sobre navio negreiro
Questões sobre navio negreiroQuestões sobre navio negreiro
Questões sobre navio negreiro
ma.no.el.ne.ves
 
Questões sobre canção do africano
Questões sobre canção do africanoQuestões sobre canção do africano
Questões sobre canção do africano
ma.no.el.ne.ves
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
GabrielaLimaPereira
 
Noite na taverna
Noite na tavernaNoite na taverna
Noite na taverna
Má Bartzen
 

Mais procurados (19)

Navio Negreiro Castro Alves
Navio Negreiro   Castro AlvesNavio Negreiro   Castro Alves
Navio Negreiro Castro Alves
 
Navios Negreiros - Castro Alves
Navios Negreiros - Castro AlvesNavios Negreiros - Castro Alves
Navios Negreiros - Castro Alves
 
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia PortuguesaO 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
 
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
Panorama da literatura ii   a partir do romantismoPanorama da literatura ii   a partir do romantismo
Panorama da literatura ii a partir do romantismo
 
O Romantismo
O RomantismoO Romantismo
O Romantismo
 
Romantismo 2a geracao
Romantismo 2a geracaoRomantismo 2a geracao
Romantismo 2a geracao
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
A poesia de castro alves
A poesia de castro alvesA poesia de castro alves
A poesia de castro alves
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
 
Prosagtica
ProsagticaProsagtica
Prosagtica
 
Questões sobre navio negreiro
Questões sobre navio negreiroQuestões sobre navio negreiro
Questões sobre navio negreiro
 
Questões sobre canção do africano
Questões sobre canção do africanoQuestões sobre canção do africano
Questões sobre canção do africano
 
Antologia poética drummond
Antologia poética drummondAntologia poética drummond
Antologia poética drummond
 
Romantismo slide
Romantismo   slideRomantismo   slide
Romantismo slide
 
Romantismo no Brasil - Segunda geração
Romantismo no Brasil - Segunda geraçãoRomantismo no Brasil - Segunda geração
Romantismo no Brasil - Segunda geração
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
 
Noite na taverna
Noite na tavernaNoite na taverna
Noite na taverna
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 

Semelhante a Castro Alves

slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
GANHADODINHEIRO
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
aldair55
 
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- UltrarromantismoSlide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Richard Lincont
 
Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)
FACETEG - UPE
 

Semelhante a Castro Alves (20)

Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
 
Simulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 okSimulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 ok
 
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptxCASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Aula 11 gerações românticas no brasil
Aula 11   gerações românticas no brasilAula 11   gerações românticas no brasil
Aula 11 gerações românticas no brasil
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
 
Espumas flutuantes
Espumas flutuantesEspumas flutuantes
Espumas flutuantes
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
 
Romantismo poesia - 2ª geração
Romantismo   poesia -  2ª geraçãoRomantismo   poesia -  2ª geração
Romantismo poesia - 2ª geração
 
português%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptxportuguês%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptx
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- UltrarromantismoSlide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
 
Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 

Mais de Daniele dos Santos Souza Onodera

Mais de Daniele dos Santos Souza Onodera (20)

Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
 
Biquimafi quizz
Biquimafi quizzBiquimafi quizz
Biquimafi quizz
 
Paralelismos
ParalelismosParalelismos
Paralelismos
 
Vidas Secas
Vidas SecasVidas Secas
Vidas Secas
 
Vanguardas
VanguardasVanguardas
Vanguardas
 
Simbolismo/Decadentismo
Simbolismo/DecadentismoSimbolismo/Decadentismo
Simbolismo/Decadentismo
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
 
Realismo Machado de Assis
Realismo   Machado de AssisRealismo   Machado de Assis
Realismo Machado de Assis
 
Questão coimbrã
Questão coimbrãQuestão coimbrã
Questão coimbrã
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
O primo Basílio
O primo BasílioO primo Basílio
O primo Basílio
 
O Guarani
O GuaraniO Guarani
O Guarani
 
O cortiço - Naturalismo
O cortiço - NaturalismoO cortiço - Naturalismo
O cortiço - Naturalismo
 
Murilo Mendes
Murilo MendesMurilo Mendes
Murilo Mendes
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Marília de Dirceu
Marília de DirceuMarília de Dirceu
Marília de Dirceu
 
Manuel Barbosa du Bocage
Manuel Barbosa du BocageManuel Barbosa du Bocage
Manuel Barbosa du Bocage
 
Manuel Bandeira
Manuel BandeiraManuel Bandeira
Manuel Bandeira
 
Macunaíma
MacunaímaMacunaíma
Macunaíma
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 

Castro Alves

  • 2. Os poetas condoreiros foram influenciados diretamente pela poesia social de Vitor Hugo
  • 3. Um de seus símbolos mais frequentes é a imagem do condor dos Andes, pássaro que representa a liberdade da América.
  • 4. O Condoreirismo foi um movimento caracterizado por: • uma poesia retórica, repleta de hipérboles e antíteseshipérboles e antíteses • temas sociais e políticos, ( abolição da escravatura e a apologia da república)
  • 5. Antônio Frederico de Castro Alves (Bahia 1847-1871) Patrono da Cadeira nº 7 da Academia Brasileira de Letras
  • 7. Oh! eu quero viver, beber perfumes Na flor silvestre, que embalsama os ares; Ver minh'alma adejar pelo infinito, Qual branca vela n'amplidão dos mares. No seio da mulher há tanto aroma... Nos seus beijos de fogo há tanta vida...Nos seus beijos de fogo há tanta vida... - Árabe errante, vou dormir à tarde A sombra fresca da palmeira erguida. Mas uma voz responde-me sombria: Terás o sono sob a lájea fria.
  • 8. [...] Eu sinto em mim o borbulhar do gênio, Vejo além um futuro radiante: Avante! - brada-me o talento n'alma E o eco ao longe me repete - avante! - O futuro... o futuro... no seu seio... Entre louros e bênçãos dorme a glória!Entre louros e bênçãos dorme a glória! Após - um nome do universo n’alma, Um nome escrito no Panteon da história.
  • 9. E a mesma voz repete funerária: Teu Panteon - a pedra mortuária! Morrer - é ver extinto dentre as névoas O fanal, que nos guia na tormenta: Condenado - escutar dobres de sino, - Voz da morte, que a morte lhe lamenta -- Voz da morte, que a morte lhe lamenta - Ai! morrer - é trocar astros por círios, Leito macio por esquife imundo, Trocar os beijos da mulher - no visco Da larva errante no sepulcro fundo,
  • 10. E eu sei que vou morrer... dentro em meu peito Um mal terrível me devora a vida: [...] Resta-me agora por futuro - a terra, Por glória - nada, por amor - a campa.Por glória - nada, por amor - a campa. Adeus... arrasta-me uma voz sombria, Já me foge a razão na noite fria! ...
  • 11. Duas vertentes se distinguem na poesia de Castro Alves: - a lírico-amorosa- a lírico-amorosa - a social e humanitária
  • 12. Um de seus símbolos mais frequentes é a imagem do condor dos Andes, pássaro que representa a liberdade da América.
  • 13.
  • 14. POESIA SOCIAL Retórica Oratória INFLUÊNCIA DAS IDEIAS REVOLUCIONÁRIAS E LIBERAIS DO SÉC. XIX Anunciador da Abolição e da República “POETA DOS ESCRAVOS” TEATRO : “Gonzaga”
  • 15. Visão do escravo como realidade presente. CASTRO ALVES Drama mais amplo e abstrato: o do próprio destino humano presa dos desajustamentos da história.
  • 16. O negro, escravizado, misturado à vida cotidiana em posição de inferioridade, não se podia elevar a objeto estético.
  • 17.
  • 18.
  • 19. O Condoreirismo foi um movimento caracterizado por: • uma poesia retórica, repleta de hipérboles e antíteseshipérboles e antíteses • temas sociais e políticos, ( abolição da escravatura e a apologia da república)
  • 20. OUTROS AUTORES consciência literária como problema social - o abolicionismo era visto apenas como sentimento humanitário CASTRO ALVES o negro como herói, como ser integralmente humano.
  • 21. POEMA MAIS FAMOSO O Navio Negreiro – Tragédia no Mar (1868). REAÇÃO Lei Eusébio de Queirós, que proibiu o tráfico de escravos, de 4 de setembro de 1850.
  • 22. Era um sonho dantesco... o tombadilho Que das luzernas avermelha o brilho. Em sangue a se banhar. Tinir de ferros... estalar de açoite... Legiões de homens negros como a noite, Horrendos a dançar... Negras mulheres, suspendendo às tetasNegras mulheres, suspendendo às tetas Magras crianças, cujas bocas pretas Rega o sangue das mães: Outras moças, mas nuas e espantadas, No turbilhão de espectros arrastadas, Em ânsia e mágoa vãs!
  • 23. E ri-se a orquestra irônica, estridente... E da ronda fantástica a serpente Faz doudas espirais ... Se o velho arqueja, se no chão resvala, Ouvem-se gritos... o chicote estala. E voam mais e mais... Presa nos elos de uma só cadeia, A multidão faminta cambaleia, E chora e dança ali! Um de raiva delira, outro enlouquece, Outro, que martírios embrutece, Cantando, geme e ri!
  • 24. Castro Alves se empenha na denúncia da miséria a que eram submetidos os africanos na cruel travessia oceânica. Em média, menos da metadeEm média, menos da metade dos escravos embarcados nos navios negreiros completavam a viagem com vida.
  • 25. Interior do navio negreiro
  • 26. E o que são na verdade estes meus cantos?... Como as espumas, que nascem do mar e do céu, da vaga e do vento, eles são filhos da musa— este sopro do alto: do coração - estesopro do alto: do coração - este pélago (mar profundo) da alma.
  • 27. E como as espumas são, às vezes, a flora sombria da tempestade, eles por vezes rebentaram ao estalar fatídico do látego (chicote) da desgraça
  • 28. E como também o aljofre (gotas de água) dourado das espumas reflete as opalas, rutilantes do arco-íris, eles por acaso refletiram o prisma fantástico da ventura ou do entusiasmo— estes signosentusiasmo— estes signos brilhantes da aliança de Deus com a juventude!
  • 29. Mas, como as espumas flutuantes levam, boiando nas solidões marinhas, a lágrima saudosa do marujo... possam eles, ó meus amigos!—efêmeros filhos de minh'ahna — levar uma lembrança de mim às vossas plagas (país/de mim às vossas plagas (país/ região) ! CASTRO ALVES IN: Prefácio de Espumas Flutuantes