SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Primeira geração do
romantismo
Português
Equipe: Daynara,Jakeliny,
Nayara ,Mateus Paes
Cibelly,Hellen, Beatriz.
ROMANTISMO
O que sabemos
sobre este estilo
literário?
CRONOLOGIA DO ROMANTISMO
NO BRASIL
Período: século XIX
• Início:1836
- Suspiros poéticos e saudades, de Domingos
José Gonçalves de Magalhães.
• Término: 1881
- Publicação de “Memórias Póstumas de Brás
Cubas”, de Machado de Assis, em 1881, que
inaugura o realismo.
CARACTERÍSTICAS
• Subjetivismo
• Sentimentalismo
• Idealização
• Evasão
• Natureza
• Liberdade
• Nacionalismo
Romantismo: assume e exprime a ideologia
burguesa.
POESIA ROMÂNTICA
Primeira Geração
Traços: nacionalismo, indianismo e cor local.
Autores: Gonçalves Dias e Gonçalves de
Magalhães.
Segunda Geração -Ultrarromantismo
Traços: mal do século, excessos do
Subjetivismo e do emocionalismo romântico,
culto da morte e pessimismo.
Autores: Álvares de Azevedo, Casimiro de
Abreu, Junqueira Freire e Fagundes Varela.
Terceira Geração
Pré-Realismo - Condoreirismo
Traços: Aprofundamento do nacionalismo,
temas sociais e políticos, tom retórico e
exaltado e desejo de liberdade.
Autores: Castro Alves e Sousândrade.
Assim como Victor Hugo havia
feito com a águia, o condor, ave
da Cordilheira dos Andes capaz
de voar em altitudes bem altas, é
escolhido como símbolo da
liberdade, daí a origem da
denominação Condoreirismo.
GONÇALVES DIAS: UM
INDIANISTA AMOROSO
Principal representante da primeira geração,
Antônio Gonçalves Dias nasceu no Maranhão,
no ano de 1823.
Em 1846 publicou seu primeiro livro de poesia Primeiros
Cantos. Aos Primeiros Cantos logo seguirão os Segundos
Cantos e As Sextilhas de Frei Antão (1848). Os Últimos
Cantos serão publicados em 1851.
Em sua poesia Gonçalves Dias abordou os três temas
românticos fundamentais: Natureza – Pátria – Religião.
CANÇÃO DO
EXÍLIO
MINHA TERRA TEM PALMEIRAS,
ONDE CANTA O SABIÁ;
AS AVES, QUE AQUI GORJEIAM,
NÃO GORJEIAM COMO LÁ.
NOSSO CÉU TEM MAIS ESTRELAS,
NOSSAS VÁRZEAS TÊM MAIS FLORES,
NOSSOS BOSQUES TÊM MAIS VIDA,
NOSSA VIDA MAIS AMORES.
EM CISMAR, SOZINHO, À NOITE,
MAIS PRAZER ENCONTRO EU LÁ;
MINHA TERRA TEM PALMEIRAS,
ONDE CANTA O SABIÁ.
MINHA TERRA TEM PRIMORES,
QUE TAIS NÃO ENCONTRO EU CÁ;
EM CISMAR — SOZINHO, À NOITE —
MAIS PRAZER ENCONTRO EU LÁ;
MINHA TERRA TEM PALMEIRAS,
ONDE CANTA O SABIÁ.
NÃO PERMITA DEUS QUE EU MORRA,
SEM QUE EU VOLTE PARA LÁ;
SEM QUE DESFRUTE OS PRIMORES
QUE NÃO ENCONTRO POR CÁ;
SEM QU'INDA AVISTE AS PALMEIRAS,
ONDE CANTA O SABIÁ.
GONÇALVES DIAS .COIMBRA - JULHO 1843.
ÁLVARES DE AZEVEDO
A TEMÁTICA DO AMOR E DA MORTE
Expressão máxima da segunda geração romântica
brasileira.
Não publicou, contudo, nenhum de seus livros em
vida. Aos 21 anos (1852), foi surpreendido pela
morte, cuja causa é, ainda hoje, um mistério.
PRINCIPAIS OBRAS
Lira dos Vinte Anos (1853) – poemas que
mostram um Álvares de Azevedo adolescente,
piegas, meigo, cantor de virgens pálidas e um
Álvares de Azevedo mórbido, macabro e satânico.
É o principal poeta representante do “mal do
século” ou “ultra-romantismo”.
Noite na Taverna (1855) – série de contos
fantásticos narrados por um grupo de amigos
reunidos em torno de uma mesa de bar (taberna).
São narrativas sobre corrupção, incesto, necrofilia,
traição, antropofagia, satanismo, assassinatos por
vingança e por amor.
Se eu morresse amanhã
Se eu morresse amanhã, viria ao menos
Fechar meus olhos minha triste irmã;
Minha mãe de saudades morreria
Se eu morresse amanhã!
Quanta glória pressinto em meu futuro!
Que aurora de porvir e que manhã!
Eu perdera chorando essas coroas
Se eu morresse amanhã!
Que sol! que céu azul! que doce n'alva
Acorda a natureza mais louçã!
Não me batera tanto amor no peito
Se eu morresse amanhã!
Mas essa dor da vida que devora
A ânsia de glória, o dolorido afã...
A dor no peito emudecera ao menos
Se eu morresse amanhã!
TERCEIRA GERAÇÃO: CONDOREIRA
Castro Alves – o cantor dos escravos
• Poesia sobre os escravos – campanha
Abolicionista.
Obra: Navio negreiro, Tragédia no lar e A
canção do africano.
• Poesia Lírica – erotização feminina, sensualidade
explícita e a mulher real, lasciva e sedutora.
Obra: O “adeus” de Teresa
O NAVIO NEGREIRO
“O Navio Negreiro” é um longo poema que em um navio.
IV
Era um sonho dantesco... o tombadilho
Que das luzernas avermelha o brilho.
Em sangue a se banhar.
Tinir de ferros... estalar de açoite...
Legiões de homens negros como a noite,
Horrendos a dançar...
Negras mulheres, suspendendo às tetas
Magras crianças, cujas bocas pretas
Rega o sangue das mães:
Outras moças, mas nuas e espantadas,
No turbilhão de espectros arrastadas,
Em ânsia e mágoa vãs!
FONTE
Considerações finais
O que afirma o historiador literário Afrânio Coutinho
acerca da diferença entre o pensamento neoclássico
(arcadismo) e o romântico:
“O estado de alma ou temperamento romântico é uma
constante universal, oposta à atitude clássica, por meio
das quais a humanidade exprime sua artística apreensão
do real. Enquanto o temperamento clássico se
caracteriza pelo primado da razão, do decoro, da
contenção, o romântico é exaltado, entusiasta,
emocional e apaixonado (...) O romântico procura
a realidade, e não reproduzi-la.”
CONTEXTO HISTÓRICO E CULTURAL DO
ROMANTISMO NO BRASIL
Transferência da família real para o Rio de
Janeiro (1808);
 A elevação do Brasil à categoria de reino
(1816);
 A independência (1822);
 Economia baseada no latifúndio, na
monocultura e na mão de obra escrava;
Afirmação da identidade nacional;
 A formação de público leitor ainda era
precária.
SEGUNDA GERAÇÃO (ULTRARROMANTISMO)
A TEMÁTICA DO AMOR E DA MORTE
Já sinto da geada dos sepulcros
O pavoroso frio enregelar-me...
A campa vejo aberta, e lá do fundo
Um esqueleto em pé vejo a acenar-me...
Entremos. Deve haver nestes lugares
Mudança grave na mundana sorte;
Quem sempre a morte achou no lar da vida,
Deve a vida encontrar no lar da morte.
Laurindo Rabelo. Adeus ao Mundo
Os versos de Laurindo Rabelo nos levam facilmente a identificar o tema que fascinou
os escritores da segunda geração romântica brasileira: a morte.
POEMA: A MÃE DO CATIVO
Poema da 3ª geração Romântica
Neste poema, o eu lírico revela à mãe de um futuro escravo o
sofrimento que aguarda seu filho.
Ó mãe do cativo! que alegre balanças
A rede que ataste nos galhos da selva!
Melhor tu farias se à pobre criança
Cavasses a cova por baixo da relva.
Ó mãe do cativo! que fias à noite
As roupas do filho na choça da palha!
Melhor tu farias se ao pobre pequeno
Tecesses o pano da branca mortalha.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a português%20trabalho.pptx

ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMODiego
 
Literatura romantismo
Literatura romantismoLiteratura romantismo
Literatura romantismoMara Medeiros
 
Arcadismo.ppt
Arcadismo.pptArcadismo.ppt
Arcadismo.pptAndrPlez1
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeAdriana Masson
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilJosi Motta
 
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaTim Bagatelas
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”Thalita Dias
 
O Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IIO Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IICicero Luciano
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014CrisBiagio
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na TavernaKauan_ts
 
Romantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia PoéticaRomantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia PoéticaVinicius Soco
 
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro Barbara Falcão
 

Semelhante a português%20trabalho.pptx (20)

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
Literatura romantismo
Literatura romantismoLiteratura romantismo
Literatura romantismo
 
Arcadismo.ppt
Arcadismo.pptArcadismo.ppt
Arcadismo.ppt
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
 
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosaRomantismo Brasileiro - poesia e prosa
Romantismo Brasileiro - poesia e prosa
 
webnode3
webnode3webnode3
webnode3
 
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
“O Romantismo olha o mundo de forma apaixonada e ideal”
 
O Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil IIO Romantismo no Brasil II
O Romantismo no Brasil II
 
Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
 
Romantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia PoéticaRomantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia Poética
 
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
 

Último

GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfGuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfLeandroDoValle2
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.pptAula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.pptAugustoCsar653220
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfVctorJuliao
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humanajosecavalcante88019
 

Último (14)

GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfGuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.pptAula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
 

português%20trabalho.pptx

  • 1. Primeira geração do romantismo Português Equipe: Daynara,Jakeliny, Nayara ,Mateus Paes Cibelly,Hellen, Beatriz.
  • 2. ROMANTISMO O que sabemos sobre este estilo literário?
  • 3. CRONOLOGIA DO ROMANTISMO NO BRASIL Período: século XIX • Início:1836 - Suspiros poéticos e saudades, de Domingos José Gonçalves de Magalhães. • Término: 1881 - Publicação de “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis, em 1881, que inaugura o realismo.
  • 4.
  • 5.
  • 6. CARACTERÍSTICAS • Subjetivismo • Sentimentalismo • Idealização • Evasão • Natureza • Liberdade • Nacionalismo Romantismo: assume e exprime a ideologia burguesa.
  • 7.
  • 8. POESIA ROMÂNTICA Primeira Geração Traços: nacionalismo, indianismo e cor local. Autores: Gonçalves Dias e Gonçalves de Magalhães. Segunda Geração -Ultrarromantismo Traços: mal do século, excessos do Subjetivismo e do emocionalismo romântico, culto da morte e pessimismo. Autores: Álvares de Azevedo, Casimiro de Abreu, Junqueira Freire e Fagundes Varela.
  • 9. Terceira Geração Pré-Realismo - Condoreirismo Traços: Aprofundamento do nacionalismo, temas sociais e políticos, tom retórico e exaltado e desejo de liberdade. Autores: Castro Alves e Sousândrade. Assim como Victor Hugo havia feito com a águia, o condor, ave da Cordilheira dos Andes capaz de voar em altitudes bem altas, é escolhido como símbolo da liberdade, daí a origem da denominação Condoreirismo.
  • 10. GONÇALVES DIAS: UM INDIANISTA AMOROSO Principal representante da primeira geração, Antônio Gonçalves Dias nasceu no Maranhão, no ano de 1823. Em 1846 publicou seu primeiro livro de poesia Primeiros Cantos. Aos Primeiros Cantos logo seguirão os Segundos Cantos e As Sextilhas de Frei Antão (1848). Os Últimos Cantos serão publicados em 1851. Em sua poesia Gonçalves Dias abordou os três temas românticos fundamentais: Natureza – Pátria – Religião.
  • 11. CANÇÃO DO EXÍLIO MINHA TERRA TEM PALMEIRAS, ONDE CANTA O SABIÁ; AS AVES, QUE AQUI GORJEIAM, NÃO GORJEIAM COMO LÁ. NOSSO CÉU TEM MAIS ESTRELAS, NOSSAS VÁRZEAS TÊM MAIS FLORES, NOSSOS BOSQUES TÊM MAIS VIDA, NOSSA VIDA MAIS AMORES. EM CISMAR, SOZINHO, À NOITE, MAIS PRAZER ENCONTRO EU LÁ; MINHA TERRA TEM PALMEIRAS, ONDE CANTA O SABIÁ. MINHA TERRA TEM PRIMORES, QUE TAIS NÃO ENCONTRO EU CÁ; EM CISMAR — SOZINHO, À NOITE — MAIS PRAZER ENCONTRO EU LÁ; MINHA TERRA TEM PALMEIRAS, ONDE CANTA O SABIÁ. NÃO PERMITA DEUS QUE EU MORRA, SEM QUE EU VOLTE PARA LÁ; SEM QUE DESFRUTE OS PRIMORES QUE NÃO ENCONTRO POR CÁ; SEM QU'INDA AVISTE AS PALMEIRAS, ONDE CANTA O SABIÁ. GONÇALVES DIAS .COIMBRA - JULHO 1843.
  • 12. ÁLVARES DE AZEVEDO A TEMÁTICA DO AMOR E DA MORTE Expressão máxima da segunda geração romântica brasileira. Não publicou, contudo, nenhum de seus livros em vida. Aos 21 anos (1852), foi surpreendido pela morte, cuja causa é, ainda hoje, um mistério.
  • 13. PRINCIPAIS OBRAS Lira dos Vinte Anos (1853) – poemas que mostram um Álvares de Azevedo adolescente, piegas, meigo, cantor de virgens pálidas e um Álvares de Azevedo mórbido, macabro e satânico. É o principal poeta representante do “mal do século” ou “ultra-romantismo”. Noite na Taverna (1855) – série de contos fantásticos narrados por um grupo de amigos reunidos em torno de uma mesa de bar (taberna). São narrativas sobre corrupção, incesto, necrofilia, traição, antropofagia, satanismo, assassinatos por vingança e por amor.
  • 14. Se eu morresse amanhã Se eu morresse amanhã, viria ao menos Fechar meus olhos minha triste irmã; Minha mãe de saudades morreria Se eu morresse amanhã! Quanta glória pressinto em meu futuro! Que aurora de porvir e que manhã! Eu perdera chorando essas coroas Se eu morresse amanhã! Que sol! que céu azul! que doce n'alva Acorda a natureza mais louçã! Não me batera tanto amor no peito Se eu morresse amanhã! Mas essa dor da vida que devora A ânsia de glória, o dolorido afã... A dor no peito emudecera ao menos Se eu morresse amanhã!
  • 15. TERCEIRA GERAÇÃO: CONDOREIRA Castro Alves – o cantor dos escravos • Poesia sobre os escravos – campanha Abolicionista. Obra: Navio negreiro, Tragédia no lar e A canção do africano. • Poesia Lírica – erotização feminina, sensualidade explícita e a mulher real, lasciva e sedutora. Obra: O “adeus” de Teresa
  • 16. O NAVIO NEGREIRO “O Navio Negreiro” é um longo poema que em um navio. IV Era um sonho dantesco... o tombadilho Que das luzernas avermelha o brilho. Em sangue a se banhar. Tinir de ferros... estalar de açoite... Legiões de homens negros como a noite, Horrendos a dançar... Negras mulheres, suspendendo às tetas Magras crianças, cujas bocas pretas Rega o sangue das mães: Outras moças, mas nuas e espantadas, No turbilhão de espectros arrastadas, Em ânsia e mágoa vãs!
  • 17. FONTE
  • 18. Considerações finais O que afirma o historiador literário Afrânio Coutinho acerca da diferença entre o pensamento neoclássico (arcadismo) e o romântico: “O estado de alma ou temperamento romântico é uma constante universal, oposta à atitude clássica, por meio das quais a humanidade exprime sua artística apreensão do real. Enquanto o temperamento clássico se caracteriza pelo primado da razão, do decoro, da contenção, o romântico é exaltado, entusiasta, emocional e apaixonado (...) O romântico procura a realidade, e não reproduzi-la.”
  • 19.
  • 20. CONTEXTO HISTÓRICO E CULTURAL DO ROMANTISMO NO BRASIL Transferência da família real para o Rio de Janeiro (1808);  A elevação do Brasil à categoria de reino (1816);  A independência (1822);  Economia baseada no latifúndio, na monocultura e na mão de obra escrava; Afirmação da identidade nacional;  A formação de público leitor ainda era precária.
  • 21. SEGUNDA GERAÇÃO (ULTRARROMANTISMO) A TEMÁTICA DO AMOR E DA MORTE Já sinto da geada dos sepulcros O pavoroso frio enregelar-me... A campa vejo aberta, e lá do fundo Um esqueleto em pé vejo a acenar-me... Entremos. Deve haver nestes lugares Mudança grave na mundana sorte; Quem sempre a morte achou no lar da vida, Deve a vida encontrar no lar da morte. Laurindo Rabelo. Adeus ao Mundo Os versos de Laurindo Rabelo nos levam facilmente a identificar o tema que fascinou os escritores da segunda geração romântica brasileira: a morte.
  • 22. POEMA: A MÃE DO CATIVO Poema da 3ª geração Romântica Neste poema, o eu lírico revela à mãe de um futuro escravo o sofrimento que aguarda seu filho. Ó mãe do cativo! que alegre balanças A rede que ataste nos galhos da selva! Melhor tu farias se à pobre criança Cavasses a cova por baixo da relva. Ó mãe do cativo! que fias à noite As roupas do filho na choça da palha! Melhor tu farias se ao pobre pequeno Tecesses o pano da branca mortalha.