SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Profª. Ms. Daniele Onodera
Obra inaugural do
Naturalismo universal foi
Germinal de Émile Zola
Pontos importantes do Naturalismo:
Patologia Social
Desprezo análise de
de fatos históricos casos individuais
Pontos importantes do Naturalismo:
Caráter reformista
Documentar, analisar a sociedade através
do científico propondo soluções
Características centrais:
QUANTO À FORMA:
Linguagem simples
• Clareza e equilíbrio formal
• Preocupação com as
minúcias
• Palavras regionais
•Descrição e narrativas
lentas
• Impessoalidade
QUANTO AO CONTEÚDO:
• Determinismo
•Objetivismo científico
• Despreocupação com a
moral
• Ser humano descrito
sob a ótica do
animalesco e do sensual
• Patologia social
O Naturalismo foi cultivado no Brasil
por:
 Aluísio Azevedo
 Júlio Ribeiro
 Adolfo Caminha
 Domingos Olímpio
 Inglês de Sousa
 Manuel de Oliveira Paiva
A narrativa naturalista é marcada pela
vigorosa análise social a partir de
grupos humanos marginalizados
valorizando-se o coletivo.
No Brasil, a prosa naturalista foi muito
influenciada por Eça de Queirós,
basicamente com as obra O crime do
Padre Amaro e O primo Basílio.
Obra inaugural no Brasil (1881):
Conta história de Raimundo, um jovem
mulato, rejeitado pela família branca do pai,
que se apaixona por Ana Rosa sua prima
branca. Ela engravida e ele acaba sendo
assassinado por Dias pretendente da moça.
O Cortiço,
Aluísio Azevedo
Natureza/Instinto/Violência
Natureza/Instinto/Violência
•João Romão (proprietário do Cortiço)
•Bertoleza (escrava fugida)
•Rita Baiana (mulata) que se amiga com Jerônimo (português
que trabalha na pedreira de João Romão)
•Piedade (mulher traída de Jerônimo)
•Firmo (malandro – luta com Jerônimo por ciúmes e acaba
sendo morto pelo português)
•Lavadeiras
Esse conjunto resolve seus
conflitos ao nível do instinto e da
natureza impondo a violência
como solução para os impasses.
ANTROPOFÁGICO
Entre dois elementos em conflito (A e B)
a única solução é a eliminação de um
deles.
Exemplos:
a) Relação Bruno/Leocádia: quando Bruno
descobre que Leocádia encontra-se com
Henriquinho, a solução que encontra é a
destruição de sua casa e a expulsão da
mulher sob ameaça de morte.
b) Relação Jerônimo/Firmo: a rivalidade
por causa da mulata Rita configura-se por
uma briga de porrete versus navalha, e
num outro ponto da narrativa pelo
assassinato de Firmo.
c) Relação Romão/Bertoleza: ao se ver
traída por Romão, Bertoleza cometa
violência contra si mesma e rasga a
barriga derramando vísceras no chão da
cozinha.
d) Relação Rita/Piedade: reduplicando o
conflito Firmo/Jerônimo,
brasileiro/português, branco/mulato
xingando-se as personagens com os mais
diferentes nomes de animais, reafirmando
o primitivismo de seu conjunto.
Regras definidas culturalmente
Relação de troca
Regras definidas culturalmente
Miranda
Estela (mulher que o trai com Henrique)
Botelho (velho parasita – AGREGADO – que mora na
casa dos Miranda e ajuda João Romão a se casar com
Zulmira – filha da família rica)
Soluciona os conflitos
efetivando trocas de objetos e
dons.
O romance se esforça por cumprir os
preceitos naturalistas ressaltando sempre
o aspecto físico/objetivo das relações.
a) Relação Estela/Miranda: Apontada
desde o princípio da narrativa como uma
associação de interesses onde a mulher
entrava com o capital e o homem com a
sua gerência, destaca-se a função do
dote, na formação dessa sociedade
econômico-sentimental.
CONFLITO ENTRE OS
CORTIÇOS
Ainda na comparação do primitivismo
desses dois conjuntos importa ressaltar
as características tribais.
Estamos entre um torneio medieval e uma
festa tribal. Se agrupam totemicamente,
tomando como símbolos animais que
sintetizam as características de ambos:
Carapicus (peixe) --- Cabeça de Gato (gato)
Carapicus -------------- Cabeça de Gato
(vermelha) (amarela)
ROMANCE SOCIAL
Todas as existências se entrelaçam e
repercutem umas nas outras. O cortiço é
o núcleo gerador de tudo e foi feito à
imagem de seu proprietário, cresce, se
desenvolve e se transforma com João
Romão.
CRÍTICA AO CAPITALISMO
SELVAGEM
O tema é a ambição e a exploração do
homem pelo próprio homem.
De um lado João Romão, que aspira à
riqueza, e Miranda, já rico, que aspira à
nobreza. Do outro, “a gentalha”,
caracterizada como um conjunto de
animais, movidos pelo instinto e pela
fome.
A redução das criaturas ao nível
animal (zoomorfização) é
característica do Naturalismo e revela
a influência das teorias da Biologia
do século XIX (darwinismo e
lamarquismo) e o Determinismo
(raça, meio, momento).
A FORÇA DO SEXO
O sexo é, em O Cortiço, a força mais
degradante que a ambição e a cobiça.
A supervalorização do sexo, típica do determinismo
biológico e do naturalismo, conduz Aluísio a
focalizar diversas formas de “patologia” sexual:
“acanalhamento” das relações matrimoniais,
adultério, prostituição, lesbianismo etc.
A SITUAÇÃO DA MULHER
As mulheres são reduzidas a três condições:
• de objeto, usadas e aviltadas pelo homem:
Bertoleza e Piedade;
• de objeto e sujeito, simultaneamente:
Rita Baiana;
• de sujeito, são as que independem do
homem prostituindo-se: Leonie e
Pombinha.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de AzevedoPORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
BlogSJuniinho
 
O cortiço trabalho de português
O cortiço   trabalho de portuguêsO cortiço   trabalho de português
O cortiço trabalho de português
Luuh Kamimura
 
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Slide realismo  naturalismo 09 ago 13Slide realismo  naturalismo 09 ago 13
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Ajudar Pessoas
 

Mais procurados (20)

PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de AzevedoPORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
PORTUGUÊS: O cortiço, Aluísio de Azevedo
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
O Cortiço - Aluísio Azevedo
O Cortiço - Aluísio AzevedoO Cortiço - Aluísio Azevedo
O Cortiço - Aluísio Azevedo
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
O cortiço trabalho de português
O cortiço   trabalho de portuguêsO cortiço   trabalho de português
O cortiço trabalho de português
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
O cortiço-Aluísio de Azevedo
O cortiço-Aluísio de AzevedoO cortiço-Aluísio de Azevedo
O cortiço-Aluísio de Azevedo
 
Livro: O cortiço - 2º ano CIC
Livro: O cortiço - 2º ano CICLivro: O cortiço - 2º ano CIC
Livro: O cortiço - 2º ano CIC
 
Vidas secas
Vidas secas Vidas secas
Vidas secas
 
O cortiço
O cortiço O cortiço
O cortiço
 
O cortiço 3ª b - 2013
O cortiço   3ª b - 2013O cortiço   3ª b - 2013
O cortiço 3ª b - 2013
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Simbolismo no brasil
Simbolismo no brasilSimbolismo no brasil
Simbolismo no brasil
 
Trabalho de portugues - O CORTIÇO
Trabalho de portugues - O CORTIÇOTrabalho de portugues - O CORTIÇO
Trabalho de portugues - O CORTIÇO
 
Lima Barreto
Lima BarretoLima Barreto
Lima Barreto
 
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Slide realismo  naturalismo 09 ago 13Slide realismo  naturalismo 09 ago 13
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 

Destaque

Supervisor mobilisation certicate 2
Supervisor mobilisation certicate 2Supervisor mobilisation certicate 2
Supervisor mobilisation certicate 2
Mark Shuttleworth
 
Фотоотчет, г. Москва, Ленинский просп., д. 123
Фотоотчет, г. Москва, Ленинский просп., д. 123Фотоотчет, г. Москва, Ленинский просп., д. 123
Фотоотчет, г. Москва, Ленинский просп., д. 123
Mayer
 
Teoryang Pampanitikan
Teoryang PampanitikanTeoryang Pampanitikan
Teoryang Pampanitikan
guestaa5c2e6
 
Pokus sa Pagsusuri ng mga Akdang Pampanitikan
Pokus sa Pagsusuri ng mga Akdang PampanitikanPokus sa Pagsusuri ng mga Akdang Pampanitikan
Pokus sa Pagsusuri ng mga Akdang Pampanitikan
Joseph Argel Galang
 

Destaque (19)

Realismo e naturalismo resumo
Realismo e naturalismo   resumoRealismo e naturalismo   resumo
Realismo e naturalismo resumo
 
Supervisor mobilisation certicate 2
Supervisor mobilisation certicate 2Supervisor mobilisation certicate 2
Supervisor mobilisation certicate 2
 
Фотоотчет, г. Москва, Ленинский просп., д. 123
Фотоотчет, г. Москва, Ленинский просп., д. 123Фотоотчет, г. Москва, Ленинский просп., д. 123
Фотоотчет, г. Москва, Ленинский просп., д. 123
 
Dans les rues de Paris
Dans les rues de Paris Dans les rues de Paris
Dans les rues de Paris
 
Social media
Social mediaSocial media
Social media
 
QA Fest 2015. Юрий Малый. Monthly Operations Review
QA Fest 2015. Юрий Малый. Monthly Operations ReviewQA Fest 2015. Юрий Малый. Monthly Operations Review
QA Fest 2015. Юрий Малый. Monthly Operations Review
 
Classicismo 2. revisado
Classicismo 2. revisadoClassicismo 2. revisado
Classicismo 2. revisado
 
Tech Talk #5 : KIF-iOS Integration Testing Framework - Nguyễn Hiệp
Tech Talk #5 : KIF-iOS Integration Testing Framework - Nguyễn HiệpTech Talk #5 : KIF-iOS Integration Testing Framework - Nguyễn Hiệp
Tech Talk #5 : KIF-iOS Integration Testing Framework - Nguyễn Hiệp
 
Ang Teoryang Naturalismo ni Dante Menor Teodoro Jr.
Ang Teoryang Naturalismo ni Dante Menor Teodoro Jr.Ang Teoryang Naturalismo ni Dante Menor Teodoro Jr.
Ang Teoryang Naturalismo ni Dante Menor Teodoro Jr.
 
Designing an integrated campaign that generates action and gets results - Pam...
Designing an integrated campaign that generates action and gets results - Pam...Designing an integrated campaign that generates action and gets results - Pam...
Designing an integrated campaign that generates action and gets results - Pam...
 
Аудит команды тестирования в сложном проекте
Аудит команды тестирования в сложном проектеАудит команды тестирования в сложном проекте
Аудит команды тестирования в сложном проекте
 
Как тестировщику выжить в стартапе
Как тестировщику выжить в стартапе Как тестировщику выжить в стартапе
Как тестировщику выжить в стартапе
 
Teoryang Pampanitikan
Teoryang PampanitikanTeoryang Pampanitikan
Teoryang Pampanitikan
 
Pokus sa Pagsusuri ng mga Akdang Pampanitikan
Pokus sa Pagsusuri ng mga Akdang PampanitikanPokus sa Pagsusuri ng mga Akdang Pampanitikan
Pokus sa Pagsusuri ng mga Akdang Pampanitikan
 
orthodontic Wire bending principles / orthodontic courses /certified fixed or...
orthodontic Wire bending principles / orthodontic courses /certified fixed or...orthodontic Wire bending principles / orthodontic courses /certified fixed or...
orthodontic Wire bending principles / orthodontic courses /certified fixed or...
 
Teoryang pampanitikan
Teoryang pampanitikanTeoryang pampanitikan
Teoryang pampanitikan
 
Mga Teoryang Pampanitikan
Mga Teoryang PampanitikanMga Teoryang Pampanitikan
Mga Teoryang Pampanitikan
 
Teoryang Pampanitikan
Teoryang PampanitikanTeoryang Pampanitikan
Teoryang Pampanitikan
 
Pagsusuri ng akdang pampanitikan
Pagsusuri ng akdang pampanitikanPagsusuri ng akdang pampanitikan
Pagsusuri ng akdang pampanitikan
 

Semelhante a O cortiço - Naturalismo

O CORTIÇO
O CORTIÇO O CORTIÇO
O CORTIÇO
NexusLanhouse1
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
adenicio
 
Ativ2 apreaula-ivonilde
Ativ2 apreaula-ivonildeAtiv2 apreaula-ivonilde
Ativ2 apreaula-ivonilde
ivocar21
 

Semelhante a O cortiço - Naturalismo (20)

Prova de literatura
Prova de literaturaProva de literatura
Prova de literatura
 
O Cortiço.ppt
O Cortiço.pptO Cortiço.ppt
O Cortiço.ppt
 
O CORTIÇO
O CORTIÇO O CORTIÇO
O CORTIÇO
 
Naturalismo
Naturalismo Naturalismo
Naturalismo
 
Trabalho de Lingua Portuguesa
Trabalho de Lingua PortuguesaTrabalho de Lingua Portuguesa
Trabalho de Lingua Portuguesa
 
O Cortiço.ppt
O Cortiço.pptO Cortiço.ppt
O Cortiço.ppt
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
 
Literatura e Fome
Literatura e FomeLiteratura e Fome
Literatura e Fome
 
Realismo Vs Naturalismo
Realismo Vs NaturalismoRealismo Vs Naturalismo
Realismo Vs Naturalismo
 
Revisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismoRevisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismo
 
Ativ2 apreaula-ivonilde
Ativ2 apreaula-ivonildeAtiv2 apreaula-ivonilde
Ativ2 apreaula-ivonilde
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Literatura 1 Luiz Claudio
Literatura 1 Luiz ClaudioLiteratura 1 Luiz Claudio
Literatura 1 Luiz Claudio
 
Naturalismo pdf.pdf
Naturalismo pdf.pdfNaturalismo pdf.pdf
Naturalismo pdf.pdf
 
Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
 
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdfocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
ocortio-150628201435-lva1-app6891 (2).pdf
 
naturalismo.ppt
naturalismo.pptnaturalismo.ppt
naturalismo.ppt
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
 
Realismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileirosRealismo-naturalismo brasileiros
Realismo-naturalismo brasileiros
 

Mais de Daniele dos Santos Souza Onodera

Mais de Daniele dos Santos Souza Onodera (20)

Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
 
Biquimafi quizz
Biquimafi quizzBiquimafi quizz
Biquimafi quizz
 
Paralelismos
ParalelismosParalelismos
Paralelismos
 
Vidas Secas
Vidas SecasVidas Secas
Vidas Secas
 
Vanguardas
VanguardasVanguardas
Vanguardas
 
Simbolismo/Decadentismo
Simbolismo/DecadentismoSimbolismo/Decadentismo
Simbolismo/Decadentismo
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
 
Realismo Machado de Assis
Realismo   Machado de AssisRealismo   Machado de Assis
Realismo Machado de Assis
 
Questão coimbrã
Questão coimbrãQuestão coimbrã
Questão coimbrã
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
O primo Basílio
O primo BasílioO primo Basílio
O primo Basílio
 
O Guarani
O GuaraniO Guarani
O Guarani
 
Murilo Mendes
Murilo MendesMurilo Mendes
Murilo Mendes
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Marília de Dirceu
Marília de DirceuMarília de Dirceu
Marília de Dirceu
 
Manuel Barbosa du Bocage
Manuel Barbosa du BocageManuel Barbosa du Bocage
Manuel Barbosa du Bocage
 
Manuel Bandeira
Manuel BandeiraManuel Bandeira
Manuel Bandeira
 
Macunaíma
MacunaímaMacunaíma
Macunaíma
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
Parnasianismo
 Parnasianismo Parnasianismo
Parnasianismo
 

Último

Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 

Último (20)

Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 

O cortiço - Naturalismo

  • 2. Obra inaugural do Naturalismo universal foi Germinal de Émile Zola
  • 3. Pontos importantes do Naturalismo: Patologia Social Desprezo análise de de fatos históricos casos individuais
  • 4. Pontos importantes do Naturalismo: Caráter reformista Documentar, analisar a sociedade através do científico propondo soluções
  • 5. Características centrais: QUANTO À FORMA: Linguagem simples • Clareza e equilíbrio formal • Preocupação com as minúcias • Palavras regionais •Descrição e narrativas lentas • Impessoalidade QUANTO AO CONTEÚDO: • Determinismo •Objetivismo científico • Despreocupação com a moral • Ser humano descrito sob a ótica do animalesco e do sensual • Patologia social
  • 6. O Naturalismo foi cultivado no Brasil por:  Aluísio Azevedo  Júlio Ribeiro  Adolfo Caminha  Domingos Olímpio  Inglês de Sousa  Manuel de Oliveira Paiva
  • 7. A narrativa naturalista é marcada pela vigorosa análise social a partir de grupos humanos marginalizados valorizando-se o coletivo.
  • 8. No Brasil, a prosa naturalista foi muito influenciada por Eça de Queirós, basicamente com as obra O crime do Padre Amaro e O primo Basílio.
  • 9. Obra inaugural no Brasil (1881): Conta história de Raimundo, um jovem mulato, rejeitado pela família branca do pai, que se apaixona por Ana Rosa sua prima branca. Ela engravida e ele acaba sendo assassinado por Dias pretendente da moça.
  • 12. Natureza/Instinto/Violência •João Romão (proprietário do Cortiço) •Bertoleza (escrava fugida) •Rita Baiana (mulata) que se amiga com Jerônimo (português que trabalha na pedreira de João Romão) •Piedade (mulher traída de Jerônimo) •Firmo (malandro – luta com Jerônimo por ciúmes e acaba sendo morto pelo português) •Lavadeiras
  • 13. Esse conjunto resolve seus conflitos ao nível do instinto e da natureza impondo a violência como solução para os impasses. ANTROPOFÁGICO Entre dois elementos em conflito (A e B) a única solução é a eliminação de um deles. Exemplos:
  • 14. a) Relação Bruno/Leocádia: quando Bruno descobre que Leocádia encontra-se com Henriquinho, a solução que encontra é a destruição de sua casa e a expulsão da mulher sob ameaça de morte.
  • 15. b) Relação Jerônimo/Firmo: a rivalidade por causa da mulata Rita configura-se por uma briga de porrete versus navalha, e num outro ponto da narrativa pelo assassinato de Firmo.
  • 16. c) Relação Romão/Bertoleza: ao se ver traída por Romão, Bertoleza cometa violência contra si mesma e rasga a barriga derramando vísceras no chão da cozinha.
  • 17. d) Relação Rita/Piedade: reduplicando o conflito Firmo/Jerônimo, brasileiro/português, branco/mulato xingando-se as personagens com os mais diferentes nomes de animais, reafirmando o primitivismo de seu conjunto.
  • 19. Regras definidas culturalmente Miranda Estela (mulher que o trai com Henrique) Botelho (velho parasita – AGREGADO – que mora na casa dos Miranda e ajuda João Romão a se casar com Zulmira – filha da família rica)
  • 20. Soluciona os conflitos efetivando trocas de objetos e dons. O romance se esforça por cumprir os preceitos naturalistas ressaltando sempre o aspecto físico/objetivo das relações.
  • 21. a) Relação Estela/Miranda: Apontada desde o princípio da narrativa como uma associação de interesses onde a mulher entrava com o capital e o homem com a sua gerência, destaca-se a função do dote, na formação dessa sociedade econômico-sentimental.
  • 22. CONFLITO ENTRE OS CORTIÇOS Ainda na comparação do primitivismo desses dois conjuntos importa ressaltar as características tribais. Estamos entre um torneio medieval e uma festa tribal. Se agrupam totemicamente, tomando como símbolos animais que sintetizam as características de ambos:
  • 23. Carapicus (peixe) --- Cabeça de Gato (gato) Carapicus -------------- Cabeça de Gato (vermelha) (amarela)
  • 24. ROMANCE SOCIAL Todas as existências se entrelaçam e repercutem umas nas outras. O cortiço é o núcleo gerador de tudo e foi feito à imagem de seu proprietário, cresce, se desenvolve e se transforma com João Romão.
  • 25. CRÍTICA AO CAPITALISMO SELVAGEM O tema é a ambição e a exploração do homem pelo próprio homem. De um lado João Romão, que aspira à riqueza, e Miranda, já rico, que aspira à nobreza. Do outro, “a gentalha”, caracterizada como um conjunto de animais, movidos pelo instinto e pela fome.
  • 26. A redução das criaturas ao nível animal (zoomorfização) é característica do Naturalismo e revela a influência das teorias da Biologia do século XIX (darwinismo e lamarquismo) e o Determinismo (raça, meio, momento).
  • 27. A FORÇA DO SEXO O sexo é, em O Cortiço, a força mais degradante que a ambição e a cobiça. A supervalorização do sexo, típica do determinismo biológico e do naturalismo, conduz Aluísio a focalizar diversas formas de “patologia” sexual: “acanalhamento” das relações matrimoniais, adultério, prostituição, lesbianismo etc.
  • 28. A SITUAÇÃO DA MULHER As mulheres são reduzidas a três condições: • de objeto, usadas e aviltadas pelo homem: Bertoleza e Piedade; • de objeto e sujeito, simultaneamente: Rita Baiana; • de sujeito, são as que independem do homem prostituindo-se: Leonie e Pombinha.