SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
Avaliação de Desempenho do Corpo Clínico
Usando o MV como base para o GPS.2iM
POR QUE AVALIAR O DESEMPENHO
DO CORPO CLÍNICO?
Governança Clínica
Alguns Princípios:
• Entrega de VALOR
• Cultura de QUALIDADE
• TRANSPARÊNCIA
Engajamento do Médico na Agenda da Qualidade
• A melhora dos indicadores de qualidade do hospital
• Fator de Qualidade (RN 364 de 11/Dez/2014)
Acreditação
NORMA SQE.11 (JCI)
• Monitoramento e avaliação contínuos de todos os médicos do corpo
clínico
• Comparações internas e externas
• Análises: Comportamento, Crescimento Profissional e Resultados
Clínicos
• Revisão Anual
• Documentação das ações em função das análises de desempenho
Programas de Relacionamento com o Corpo Clínico
• Políticas de Incentivos
• Programas de Fidelidade
• Modelos de Pagamento por Performance
COMO AVALIAR O DESEMPENHO
DO CORPO CLÍNICO?
O Modelo GPS.2iM©
+60 programas implantados
+30 mil médicos avaliados
+400 indicadores de
desempenho
+3 milhões de dados calculadosGPS.2iM©
O que é a Solução GPS.2iM©
É uma metodologia, baseada em
evidências, que busca compor
indicadores de desempenho para
monitorar e avaliar a qualidade da
assistência à saúde de um
determinado avaliado.
Define o Avaliado
Médicos e Equipes
médicas do Corpo
Clínico
Unidades de
Internação
Seleciona Indicadores para as dimensões da qualidade
ESTRUTURA
EFICIÊNCIA
EFETIVIDADE
EXPERIÊNCIA DO
PACIENTE
Ponderação
A soma das
dimensões = 100
Dentro de cada
dimensão pode
haver indicadores
específicos por
especialidade ou
grupo avaliado
Soma destes
indicadores = peso
da dimensão
Parâmetros
MBE
Histórico
(referencial interno)
Referencial externo
Metas
Metodologia
utilizada = Bandas
Ideais
Calcula Score
Correlaciona o valor
encontrado do
indicador com o
Benchmark e define
um score por
indicador
A soma dos scores de
cada indicador dá o
Índice de
Performance
ÍNDICE DE
PERFORMANCE
•Medida que
traduz o
desempenho
do Avaliado
com relação à
qualidade da
assistência
O MODELO COM BASE NO MV
Vantagens obtidas
• Modelagem predefinida
• Integração direta com o MV
• Rápida implantação
• Apoio nas análises e ajustes
• Referenciais externos
César Abicalaffe MD MSc
CEO
2iM S/A
cesar.Abicalaffe@2im.com.br
41-99926 0806

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)marcelaenf
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaFatianeSantos
 
Saude Mental.pdf
Saude Mental.pdfSaude Mental.pdf
Saude Mental.pdfAdriana ROC
 
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasilHistória da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasiljudicleia silva
 
Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.
Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.
Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.Samira Rahaamid Paz
 
Segurança no Período Perioperatório: 10 Passos para Anestesia Segura
Segurança no Período Perioperatório: 10 Passos para Anestesia SeguraSegurança no Período Perioperatório: 10 Passos para Anestesia Segura
Segurança no Período Perioperatório: 10 Passos para Anestesia SeguraSMA - Serviços Médicos de Anestesia
 
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Lucas Fontes
 
Acolhimento e Classificação de Risco
Acolhimento e Classificação de RiscoAcolhimento e Classificação de Risco
Acolhimento e Classificação de RiscoAndressa Macena
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxEnfermagemUniavan
 
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzImplementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzProqualis
 
Atendimento ao politraumatizado
Atendimento ao politraumatizadoAtendimento ao politraumatizado
Atendimento ao politraumatizadoAndré Cipriano
 
Acreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarDenise Selegato
 
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemPaciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemBruna Guimarães
 

Mais procurados (20)

Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
Aula consulta de enfermagem-UFF (Monitora Marcela)
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
 
Saude Mental.pdf
Saude Mental.pdfSaude Mental.pdf
Saude Mental.pdf
 
História da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasilHistória da unidade de terapia intensiva no brasil
História da unidade de terapia intensiva no brasil
 
Apresentacao accr -_enf._maria_teresa_g._franco
Apresentacao accr -_enf._maria_teresa_g._francoApresentacao accr -_enf._maria_teresa_g._franco
Apresentacao accr -_enf._maria_teresa_g._franco
 
Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.
Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.
Aula 09 Administração de Recursos físicos e ambientais.
 
Segurança no Período Perioperatório: 10 Passos para Anestesia Segura
Segurança no Período Perioperatório: 10 Passos para Anestesia SeguraSegurança no Período Perioperatório: 10 Passos para Anestesia Segura
Segurança no Período Perioperatório: 10 Passos para Anestesia Segura
 
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
 
1 aula enfermagem em oncologia
1 aula enfermagem em oncologia1 aula enfermagem em oncologia
1 aula enfermagem em oncologia
 
ONCOLOGIA
ONCOLOGIAONCOLOGIA
ONCOLOGIA
 
Acolhimento e Classificação de Risco
Acolhimento e Classificação de RiscoAcolhimento e Classificação de Risco
Acolhimento e Classificação de Risco
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
 
Aula gineco
Aula ginecoAula gineco
Aula gineco
 
Processo de Enfermagem
Processo de Enfermagem Processo de Enfermagem
Processo de Enfermagem
 
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzImplementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
 
Atendimento ao politraumatizado
Atendimento ao politraumatizadoAtendimento ao politraumatizado
Atendimento ao politraumatizado
 
Segurança do Paciente.pptx
Segurança do Paciente.pptxSegurança do Paciente.pptx
Segurança do Paciente.pptx
 
Acreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
Acreditação Hospitalar
 
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemPaciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
 
Acreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalarAcreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalar
 

Destaque

#MEF2017 | Palestra: Como ampliar o lucro nos hospitais
#MEF2017 | Palestra: Como ampliar o lucro nos hospitais#MEF2017 | Palestra: Como ampliar o lucro nos hospitais
#MEF2017 | Palestra: Como ampliar o lucro nos hospitaisMV
 
#MEF2017 | Palestra: Transformação digital na Saúde
#MEF2017 | Palestra: Transformação digital na Saúde#MEF2017 | Palestra: Transformação digital na Saúde
#MEF2017 | Palestra: Transformação digital na SaúdeMV
 
GESTÃO EM SAÚDE: Valor, Processos e Desperdícios
GESTÃO EM SAÚDE:  Valor, Processos e DesperdíciosGESTÃO EM SAÚDE:  Valor, Processos e Desperdícios
GESTÃO EM SAÚDE: Valor, Processos e DesperdíciosRafael Paim
 
Saúde do trabalhador em unidades de informação
Saúde do trabalhador em unidades de informaçãoSaúde do trabalhador em unidades de informação
Saúde do trabalhador em unidades de informaçãoDandara Lima
 
Apresentação WSI GESTÃO SAÚDE
Apresentação WSI GESTÃO SAÚDEApresentação WSI GESTÃO SAÚDE
Apresentação WSI GESTÃO SAÚDEPriscila Grecco
 
#MEF2017 | Palestra: Como se tornar um Hospital Digital
#MEF2017 | Palestra: Como se tornar um Hospital Digital#MEF2017 | Palestra: Como se tornar um Hospital Digital
#MEF2017 | Palestra: Como se tornar um Hospital DigitalMV
 

Destaque (8)

#MEF2017 | Palestra: Como ampliar o lucro nos hospitais
#MEF2017 | Palestra: Como ampliar o lucro nos hospitais#MEF2017 | Palestra: Como ampliar o lucro nos hospitais
#MEF2017 | Palestra: Como ampliar o lucro nos hospitais
 
Reciclagem de Papel
Reciclagem de PapelReciclagem de Papel
Reciclagem de Papel
 
#MEF2017 | Palestra: Transformação digital na Saúde
#MEF2017 | Palestra: Transformação digital na Saúde#MEF2017 | Palestra: Transformação digital na Saúde
#MEF2017 | Palestra: Transformação digital na Saúde
 
GESTÃO EM SAÚDE: Valor, Processos e Desperdícios
GESTÃO EM SAÚDE:  Valor, Processos e DesperdíciosGESTÃO EM SAÚDE:  Valor, Processos e Desperdícios
GESTÃO EM SAÚDE: Valor, Processos e Desperdícios
 
Saúde do trabalhador em unidades de informação
Saúde do trabalhador em unidades de informaçãoSaúde do trabalhador em unidades de informação
Saúde do trabalhador em unidades de informação
 
Apresentação WSI GESTÃO SAÚDE
Apresentação WSI GESTÃO SAÚDEApresentação WSI GESTÃO SAÚDE
Apresentação WSI GESTÃO SAÚDE
 
Unimed - Estratégias
Unimed - EstratégiasUnimed - Estratégias
Unimed - Estratégias
 
#MEF2017 | Palestra: Como se tornar um Hospital Digital
#MEF2017 | Palestra: Como se tornar um Hospital Digital#MEF2017 | Palestra: Como se tornar um Hospital Digital
#MEF2017 | Palestra: Como se tornar um Hospital Digital
 

Semelhante a Avaliação de Desempenho Clínico com o Modelo GPS.2iM

Hospital das clínicas de niterói escolha de acreditação - caso de ensino - ...
Hospital das clínicas de niterói   escolha de acreditação - caso de ensino - ...Hospital das clínicas de niterói   escolha de acreditação - caso de ensino - ...
Hospital das clínicas de niterói escolha de acreditação - caso de ensino - ...Nikiforos Junior
 
Métricas de Controle de Processo
Métricas de Controle de ProcessoMétricas de Controle de Processo
Métricas de Controle de ProcessoFernando Berlitz
 
Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)Cesar Gonçalves
 
Modelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeModelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeSandra Silva
 
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIV
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIVControle de Qualidade dos Laboratórios de FIV
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIVCamila Pompeu
 
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...JlioAlmeida21
 
Curso iso 9001 para colaboradores - Pão de Tapioca Indústria de Alimentos
Curso iso 9001 para colaboradores - Pão de Tapioca Indústria de AlimentosCurso iso 9001 para colaboradores - Pão de Tapioca Indústria de Alimentos
Curso iso 9001 para colaboradores - Pão de Tapioca Indústria de AlimentosFelipe Girão
 
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001Adriano Pereira
 
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...Lecom Tecnologia
 
SGS - Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001
SGS - Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001 SGS - Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001
SGS - Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001 SGS Portugal
 
Apresentação - Indicadores de desempenho analítico - Congresso SBPC 2010
Apresentação - Indicadores de desempenho analítico - Congresso SBPC 2010Apresentação - Indicadores de desempenho analítico - Congresso SBPC 2010
Apresentação - Indicadores de desempenho analítico - Congresso SBPC 2010Fernando Berlitz
 
Gestão da Qualidade em Clínicas de Reprodução Assistida - 2013
Gestão da Qualidade em Clínicas de Reprodução Assistida - 2013Gestão da Qualidade em Clínicas de Reprodução Assistida - 2013
Gestão da Qualidade em Clínicas de Reprodução Assistida - 2013Fabiola Bento
 

Semelhante a Avaliação de Desempenho Clínico com o Modelo GPS.2iM (20)

Hospital das clínicas de niterói escolha de acreditação - caso de ensino - ...
Hospital das clínicas de niterói   escolha de acreditação - caso de ensino - ...Hospital das clínicas de niterói   escolha de acreditação - caso de ensino - ...
Hospital das clínicas de niterói escolha de acreditação - caso de ensino - ...
 
Métricas de Controle de Processo
Métricas de Controle de ProcessoMétricas de Controle de Processo
Métricas de Controle de Processo
 
Health services - Intervention proposal
Health services - Intervention proposalHealth services - Intervention proposal
Health services - Intervention proposal
 
Implanta sgq0hemocentro
Implanta sgq0hemocentroImplanta sgq0hemocentro
Implanta sgq0hemocentro
 
Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)
 
Modelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeModelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidade
 
O Que São KPIs e Quais os Principais em Clínicas Odontológicas.pdf
O Que São KPIs e Quais os Principais em Clínicas Odontológicas.pdfO Que São KPIs e Quais os Principais em Clínicas Odontológicas.pdf
O Que São KPIs e Quais os Principais em Clínicas Odontológicas.pdf
 
AULA 1 GESTÃO.ppt
AULA 1 GESTÃO.pptAULA 1 GESTÃO.ppt
AULA 1 GESTÃO.ppt
 
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIV
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIVControle de Qualidade dos Laboratórios de FIV
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIV
 
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
 
Curso iso 9001 para colaboradores - Pão de Tapioca Indústria de Alimentos
Curso iso 9001 para colaboradores - Pão de Tapioca Indústria de AlimentosCurso iso 9001 para colaboradores - Pão de Tapioca Indústria de Alimentos
Curso iso 9001 para colaboradores - Pão de Tapioca Indústria de Alimentos
 
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
BENEFÍCIOS ORGANIZACIONAIS ATRAVÉS DA ISO 9001
 
ISO9001
ISO9001ISO9001
ISO9001
 
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...
BPM Day SP - 2016 - Conhecimento sobre bpm gerando evolução na gestão por pro...
 
SGS - Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001
SGS - Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001 SGS - Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001
SGS - Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001
 
Trabalho da marlene
Trabalho da marleneTrabalho da marlene
Trabalho da marlene
 
Apresentação - Indicadores de desempenho analítico - Congresso SBPC 2010
Apresentação - Indicadores de desempenho analítico - Congresso SBPC 2010Apresentação - Indicadores de desempenho analítico - Congresso SBPC 2010
Apresentação - Indicadores de desempenho analítico - Congresso SBPC 2010
 
Gestão da Qualidade em Clínicas de Reprodução Assistida - 2013
Gestão da Qualidade em Clínicas de Reprodução Assistida - 2013Gestão da Qualidade em Clínicas de Reprodução Assistida - 2013
Gestão da Qualidade em Clínicas de Reprodução Assistida - 2013
 
O que a Acreditação nos trouxe? - Bradesco Saude-
O que a Acreditação nos trouxe? - Bradesco Saude-O que a Acreditação nos trouxe? - Bradesco Saude-
O que a Acreditação nos trouxe? - Bradesco Saude-
 
Acreditações Hospitalares
Acreditações HospitalaresAcreditações Hospitalares
Acreditações Hospitalares
 

Mais de MV

#MEF2017 | Palestra: Construindo uma ponte entre a teoria e a prática
#MEF2017 | Palestra: Construindo uma ponte entre a teoria e a prática#MEF2017 | Palestra: Construindo uma ponte entre a teoria e a prática
#MEF2017 | Palestra: Construindo uma ponte entre a teoria e a práticaMV
 
#MEF2017 | Palestra: 3 Fatores importantes para a integração do PEP com RIS/PACS
#MEF2017 | Palestra: 3 Fatores importantes para a integração do PEP com RIS/PACS#MEF2017 | Palestra: 3 Fatores importantes para a integração do PEP com RIS/PACS
#MEF2017 | Palestra: 3 Fatores importantes para a integração do PEP com RIS/PACSMV
 
#MEF2017 | Palestra: Os desafios e ganhos da farmácia clínica
#MEF2017 | Palestra: Os desafios e ganhos da farmácia clínica#MEF2017 | Palestra: Os desafios e ganhos da farmácia clínica
#MEF2017 | Palestra: Os desafios e ganhos da farmácia clínicaMV
 
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...MV
 
#MEF2017 | Em busca do Hospital Digital
#MEF2017 | Em busca do Hospital Digital#MEF2017 | Em busca do Hospital Digital
#MEF2017 | Em busca do Hospital DigitalMV
 
#MEF2017 | Palestra: Data center próprio x solução em cloud: por que mudar?
#MEF2017 | Palestra: Data center próprio x solução em cloud: por que mudar?#MEF2017 | Palestra: Data center próprio x solução em cloud: por que mudar?
#MEF2017 | Palestra: Data center próprio x solução em cloud: por que mudar?MV
 
#MEF2017 | Palestra: SOUL MV na nuvem: implantação, benefícios e resultados
#MEF2017 | Palestra: SOUL MV na nuvem: implantação, benefícios e resultados#MEF2017 | Palestra: SOUL MV na nuvem: implantação, benefícios e resultados
#MEF2017 | Palestra: SOUL MV na nuvem: implantação, benefícios e resultadosMV
 
#MEF2017 | Palestra: Evolução do BA: a construção de painéis como pilares da ...
#MEF2017 | Palestra: Evolução do BA: a construção de painéis como pilares da ...#MEF2017 | Palestra: Evolução do BA: a construção de painéis como pilares da ...
#MEF2017 | Palestra: Evolução do BA: a construção de painéis como pilares da ...MV
 
#MEF2017 | Palestra: Big data e analytics: aliados na gestão hospitalar
#MEF2017 | Palestra: Big data e analytics: aliados na gestão hospitalar#MEF2017 | Palestra: Big data e analytics: aliados na gestão hospitalar
#MEF2017 | Palestra: Big data e analytics: aliados na gestão hospitalarMV
 
#MEF2017 | Palestra: Migração de plataformas: a trajetória para a gestão efic...
#MEF2017 | Palestra: Migração de plataformas: a trajetória para a gestão efic...#MEF2017 | Palestra: Migração de plataformas: a trajetória para a gestão efic...
#MEF2017 | Palestra: Migração de plataformas: a trajetória para a gestão efic...MV
 
#MEF2017 | Palestra: Migração para o SOUL MV e os benefícios obtidos para a g...
#MEF2017 | Palestra: Migração para o SOUL MV e os benefícios obtidos para a g...#MEF2017 | Palestra: Migração para o SOUL MV e os benefícios obtidos para a g...
#MEF2017 | Palestra: Migração para o SOUL MV e os benefícios obtidos para a g...MV
 

Mais de MV (11)

#MEF2017 | Palestra: Construindo uma ponte entre a teoria e a prática
#MEF2017 | Palestra: Construindo uma ponte entre a teoria e a prática#MEF2017 | Palestra: Construindo uma ponte entre a teoria e a prática
#MEF2017 | Palestra: Construindo uma ponte entre a teoria e a prática
 
#MEF2017 | Palestra: 3 Fatores importantes para a integração do PEP com RIS/PACS
#MEF2017 | Palestra: 3 Fatores importantes para a integração do PEP com RIS/PACS#MEF2017 | Palestra: 3 Fatores importantes para a integração do PEP com RIS/PACS
#MEF2017 | Palestra: 3 Fatores importantes para a integração do PEP com RIS/PACS
 
#MEF2017 | Palestra: Os desafios e ganhos da farmácia clínica
#MEF2017 | Palestra: Os desafios e ganhos da farmácia clínica#MEF2017 | Palestra: Os desafios e ganhos da farmácia clínica
#MEF2017 | Palestra: Os desafios e ganhos da farmácia clínica
 
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...
 
#MEF2017 | Em busca do Hospital Digital
#MEF2017 | Em busca do Hospital Digital#MEF2017 | Em busca do Hospital Digital
#MEF2017 | Em busca do Hospital Digital
 
#MEF2017 | Palestra: Data center próprio x solução em cloud: por que mudar?
#MEF2017 | Palestra: Data center próprio x solução em cloud: por que mudar?#MEF2017 | Palestra: Data center próprio x solução em cloud: por que mudar?
#MEF2017 | Palestra: Data center próprio x solução em cloud: por que mudar?
 
#MEF2017 | Palestra: SOUL MV na nuvem: implantação, benefícios e resultados
#MEF2017 | Palestra: SOUL MV na nuvem: implantação, benefícios e resultados#MEF2017 | Palestra: SOUL MV na nuvem: implantação, benefícios e resultados
#MEF2017 | Palestra: SOUL MV na nuvem: implantação, benefícios e resultados
 
#MEF2017 | Palestra: Evolução do BA: a construção de painéis como pilares da ...
#MEF2017 | Palestra: Evolução do BA: a construção de painéis como pilares da ...#MEF2017 | Palestra: Evolução do BA: a construção de painéis como pilares da ...
#MEF2017 | Palestra: Evolução do BA: a construção de painéis como pilares da ...
 
#MEF2017 | Palestra: Big data e analytics: aliados na gestão hospitalar
#MEF2017 | Palestra: Big data e analytics: aliados na gestão hospitalar#MEF2017 | Palestra: Big data e analytics: aliados na gestão hospitalar
#MEF2017 | Palestra: Big data e analytics: aliados na gestão hospitalar
 
#MEF2017 | Palestra: Migração de plataformas: a trajetória para a gestão efic...
#MEF2017 | Palestra: Migração de plataformas: a trajetória para a gestão efic...#MEF2017 | Palestra: Migração de plataformas: a trajetória para a gestão efic...
#MEF2017 | Palestra: Migração de plataformas: a trajetória para a gestão efic...
 
#MEF2017 | Palestra: Migração para o SOUL MV e os benefícios obtidos para a g...
#MEF2017 | Palestra: Migração para o SOUL MV e os benefícios obtidos para a g...#MEF2017 | Palestra: Migração para o SOUL MV e os benefícios obtidos para a g...
#MEF2017 | Palestra: Migração para o SOUL MV e os benefícios obtidos para a g...
 

Avaliação de Desempenho Clínico com o Modelo GPS.2iM

  • 1. Avaliação de Desempenho do Corpo Clínico Usando o MV como base para o GPS.2iM
  • 2. POR QUE AVALIAR O DESEMPENHO DO CORPO CLÍNICO?
  • 3. Governança Clínica Alguns Princípios: • Entrega de VALOR • Cultura de QUALIDADE • TRANSPARÊNCIA
  • 4. Engajamento do Médico na Agenda da Qualidade • A melhora dos indicadores de qualidade do hospital • Fator de Qualidade (RN 364 de 11/Dez/2014)
  • 5. Acreditação NORMA SQE.11 (JCI) • Monitoramento e avaliação contínuos de todos os médicos do corpo clínico • Comparações internas e externas • Análises: Comportamento, Crescimento Profissional e Resultados Clínicos • Revisão Anual • Documentação das ações em função das análises de desempenho
  • 6. Programas de Relacionamento com o Corpo Clínico • Políticas de Incentivos • Programas de Fidelidade • Modelos de Pagamento por Performance
  • 7. COMO AVALIAR O DESEMPENHO DO CORPO CLÍNICO? O Modelo GPS.2iM©
  • 8. +60 programas implantados +30 mil médicos avaliados +400 indicadores de desempenho +3 milhões de dados calculadosGPS.2iM©
  • 9. O que é a Solução GPS.2iM© É uma metodologia, baseada em evidências, que busca compor indicadores de desempenho para monitorar e avaliar a qualidade da assistência à saúde de um determinado avaliado.
  • 10. Define o Avaliado Médicos e Equipes médicas do Corpo Clínico Unidades de Internação Seleciona Indicadores para as dimensões da qualidade ESTRUTURA EFICIÊNCIA EFETIVIDADE EXPERIÊNCIA DO PACIENTE Ponderação A soma das dimensões = 100 Dentro de cada dimensão pode haver indicadores específicos por especialidade ou grupo avaliado Soma destes indicadores = peso da dimensão Parâmetros MBE Histórico (referencial interno) Referencial externo Metas Metodologia utilizada = Bandas Ideais Calcula Score Correlaciona o valor encontrado do indicador com o Benchmark e define um score por indicador A soma dos scores de cada indicador dá o Índice de Performance ÍNDICE DE PERFORMANCE •Medida que traduz o desempenho do Avaliado com relação à qualidade da assistência
  • 11. O MODELO COM BASE NO MV
  • 12.
  • 13. Vantagens obtidas • Modelagem predefinida • Integração direta com o MV • Rápida implantação • Apoio nas análises e ajustes • Referenciais externos
  • 14. César Abicalaffe MD MSc CEO 2iM S/A cesar.Abicalaffe@2im.com.br 41-99926 0806