Redução de Danos

2.125 visualizações

Publicada em

Drogas

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.125
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
113
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Redução de Danos

  1. 1. Redução de Danos Ética Profissional em Psicologia Prof° Juliana Correa Grupo: Blenda Pereira João Bastista Poliana Silva Tamires Fialho
  2. 2. A prevenção do uso indevido de drogas pode ser dividida em prevenção primária, secundária e terciária. A primária pode ser definida pelo conjunto de ações que procuram evitar a ocorrência de novos casos de uso abusivo de psicotrópicos ou, segundo outra visão, evitar o primeiro contato com o produto. Prevenção secundária é o conjunto de ações que procuram evitar complicações para as pessoas que fazem uso de uma substância, mas que apresentam níveis relativamente baixos de problemas associados a esse uso. A prevenção terciária, por sua vez, é constituída pelo conjunto de ações que, a partir da existência de uma dependência, procura evitar prejuízos adicionais e/ou reintegrar na sociedade os indivíduos com problemas mais graves. Também busca melhorar a qualidade de vida dos usuários na família, no trabalho e na comunidade de forma geral.
  3. 3. Redução de Danos É uma estratégia da Saúde Pública que busca minimizar as consequências adversas do consumo de drogas do ponto de vista da saúde e dos seus aspectos sociais e econômicos sem, necessariamente, reduzir esse consumo.
  4. 4. Surgimento Redução de Danos (RD) 1989 RD Foi adotada como estratégia de saúde pública pela primeira vez no Brasil no município de Santos-SP . 1998 É sancionada, no estado de São Paulo, a primeira lei estadual que legaliza a troca de seringas. 1980 a 1990 O tráfico de drogas, sobretudo de cocaína, ganha projeção tanto no mercado nacional quanto no mercado internacional (Batista, 1998, 2001).
  5. 5. Qual a função da RD? • A RD age no sentido de transformar a realidade do usuário de drogas de uma situação de margem, marcada por estigmas sociais que o prendem a um lugar de aberrância, de desviante, sujo, doente e criminoso para um lugar de cidadão com direitos, considerando-o em sua singularidade e valorizando suas escolhas.
  6. 6. Estratégias
  7. 7. RD não tem o objetivo de retirar a Droga do Sujeito. vídeo
  8. 8. Qual a posição do CRP? • A Psicologia aparece como uma importante personagem, seja na promoção da qualidade de vida da população, na redução dos estigmas sociais com que sofrem os usuários ou no seu tratamento. • O Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro se insere nessa discussão e acredita que é preciso descriminalizar e despatologizar o uso de drogas, trabalhando com os próprios usuários formas de acompanhamento e cuidado.
  9. 9. Justiça Terapêutica • A Justiça Terapêutica (JT) é uma pena alternativa de tratamento direcionada aos sujeitos apreendidos por porte/uso de substâncias classificadas como ilícitas. Ela não encarcera o sujeito, mas restringe seus direitos, constituindo-se em tratamento compulsório, por tempo determinado por juiz em sentença judicial. Fernanda Ribeiro Mendes Lage
  10. 10. Entrevista
  11. 11. Redução de Danos Ética Profissional em Psicologia Prof° Juliana Correa Grupo: Blenda, Geiseane, João Bastista, Poliana, Tamires.

×