Espiritualidade e epistemologia

1.259 visualizações

Publicada em

Discuto algumas noções relacionadas a uma leitura bastante peculiar da espiritualidade, a partir de contribuições da ciência e da filosofia contemporâneas.

Publicada em: Espiritual, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.259
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Espiritualidade e epistemologia

  1. 1. Prof. Dr. Caio Vassão EPI escritório de pesquisa independente Espiritualidade e Teoria do Conhecimento: Epistemologias Alternativas para a vida espiritual. http://caiovassao.com.br/
  2. 2. Espiritualidade – o que se entende por isso? "vida psíquica” "transcendência” "vida cultural” "subjetividade” "ética integrativa”
  3. 3. Espiritualidade – o que se entende por isso? - "vida psíquica" - visão contemporânea - inquietudes, sensação de pertença e destino, contatos culturais/sociais/emocionais - visão laica, mas que guarda relações de louvor e respeito em relação às religiões tradicionais - ponto de contato com a filosofia e algumas ciências (física quântica, psicologia, etc.)
  4. 4. Espiritualidade – o que se entende por isso? - "transcendência" - visão tradicional - origem e destino da alma - alma indestrutível - força criadora primordial É transcendental - religiões e seitas tradicionais - ou ambos seriam objetivos (visão científica contemporânea) - e também o “oculto”, o “Mistério”... “ conhecimentos proibidos”...
  5. 5. Espiritualidade – o que se entende por isso? - "vida cultural" - "espírito" como o "conjunto de conhecimento", ou "de pensamento", de uma pessoa ou de uma comunidade/povo - "simbologia" = transcendência - "sobreviver à morte" seria "converter-se em símbolo”: ser lembrado pelo que disse, pelo nome, pelos feitos (simbolizados), etc... "ser lembrado”
  6. 6. Espiritualidade – o que se entende por isso? - "subjetividade" - noção do EU, em frente ao MUNDO - o pensamento seria subjetivo e o mundo seria objetivo (Descartes) - ou ambos seriam subjetivos (visão tradicional animística) - ou ambos seriam objetivos (visão científica contemporânea) - dualidades... corpo/alma matéria/mente mundo/espírito objetivo/subjetivo ...
  7. 7. Espiritualidade – o que se entende por isso? - "ética integrativa" - ligada à ecologia e à sustentabilidade. - percepção profunda de pertença ao cosmos. - procura por uma integração mais direta com outras pessoas, a sociedade e o meio-ambiente. - origem em algumas percepções muito profundas a partir de produção intelectual contemporânea: - Arne Naess (noruega, ecologia profunda) - Gregory Bateson (inglaterra, cibernética cultural, ecologia da mente) - David Bohm (eua, modelo holográfico da física) - Karl Pribram (austria, modelo holográfico da neurologia) - Stanislav Grof (tchecoslováquia, modelo holotrópico da psicologia)
  8. 8. Epistemologia – teoria do conhecimento - estruturas e limites - filosofia clássica X filosofia contemporânea - ciências ≠ artes ≠ cultura cotidiana ≠ religiosidade ≠ espiritualidade (mundo contemporâneo) - o que pode ser conhecido? e de que modo? - incompatibilidade entre ESPIRITUALIDADE e vida cotidiana, e trabalho, e ciência, e teoria do conhecimento, etc... ("não se fala nisso"... tabú) - assunto legado aos fóruns "oficiais" = RELIGIÕES oficiais, reconhecidas...
  9. 9. Minha posição... - a-religioso, criação atéia, contato tangencial com diversas formas de espiritualidade, e uma coisa rara no contexto brasileiro: espiritualidade não pautada pelo catolicismo... - sensibilidade "estranha" para: ambiente, pessoas, relações... composições/correlações/contextos/gestalts/etc. fluxo do tempo (memória do futuro, déjà vus "encaixadas") relações múltiplas entre áreas de conhecimento e ação tradicioalmente distintas
  10. 10. Minha posição... - dificuldade de aceitar: especializações e campos distintos (áreas de conhecimento isoladas) (oposições muito simples e binárias) posições muito estáticas (consensos e unanimidades) dados isolados (informações que se dizem "sozinhas") conhecimento "inútil" (todo conhecimento é "útil"!) - igual interesse por exatas e humanas, artes e ciências, teoria e prática... - insistência em uma visão “panorâmica” ponto de vista generalista integração de múltiplas formas de conhecimento - imaginário pautado por: - imagética "transcendental" de qualquer religião, mas dificuldade ética e estética com o estudo delas... - manifestações arcaicas, primitivismo profundo... - imagética science fiction (incluindo "transterrena", "extraterrestre", "espacial”, etc...)
  11. 11. Disposições Contra-Sensuais (≠Consensuais) (sensações, processos e percepções incompatíveis com o establishment tecno-científico, mas recorrentes em grande parte da sociedade) - Déjà Vu ("já vi isso antes", memória do futuro) - Sincronicidade (eventos sincrônicos semanticamente correlacionados,"isso é um sinal") - Volições ("(des)gostar disso ou daquilo") - Identificações Profundas ("bater o santo") ... - E, por mais incrível que pareça, a INTUIÇÃO!! ("sabemos o que fazer a cada momento, apesar das dúvidas e confusões..." -- andar, comer, escolher, tudo isso é intuitivo; e, no entanto, negamos a intuição como se ela fosse apenas uma representação incompleta da racionalidade).
  12. 12. Ciência Padrão (Ciência Régia) A "Ciência Padrão" virou um discurso ideológico desligado de sua própria base histórica e funcional. Recorre-se à "ciência" como a um "talismã", como a um "antídoto” contra a mistificação, contra as tradições constrigentes, contra a irracionalidade. Ao mesmo tempo que a própria ciência se tornou uma mística, uma tradição limitadora e, muitas vezes, irracional. Isso se aplica ao campo social de crenças e visões do que se entende por "conhecimento válido" -- e não para todo o processo científico.
  13. 13. Subjetividade Humana, Subjetividade do Mundo Dicotomia entre Subjetividade (interno) e Objetividade (externo) = Mundo desprovido de significado Ciência Contemporânea (régia) e Teoria da Informação Simbolização do mundo, como “doação de significado” ou = Mundo prenhe de significado Fenomenologia e Pós-Estruturalismo (ciência nômade) Espírito da floresta, da madeira, da música, etc. Epistemologia estritamente Positivista nega subjetividade ao mundo. Ciência "oficial": todo significado é projeção humana...
  14. 14. Oposições fundamentais transcendência a priori estático perene imanência a posteriori dinâmico mutável/mortal X a questão mais profunda é: formal informal X é a forma no sentido platônico é um campo de significados no sentido pós-estruturalista, ou pós-moderno decalque, mais ou menos fiel à “ forma original” processo dinâmico, difuso e aberto à interpretação Liberdade como cumprimento de um destino. Liberdade como diálogo com princípios formadores abertos.
  15. 15. Não há Dicotomia entre Materialidade e Psique Se o mundo é prenhe de significados é porque não há dicotomia entre o "eu" e o "mundo", mas sim uma "continuidade dotada de fronteiras” (diferenciações e inviduações), ou mesmo gradientes, que são mais ou menos contrastados, de acordo com o estado de consciência do indivíduo, e/ou, reflexivamente, do "estado psíquico do ambiente"...! Ambi -- Ente (Entorno) -- (Ser Individual)
  16. 16. Totalidade e Diferenciação noção muito antiga, hinduísta, retomada diversas vezes, talvez a mais recente seja em Hegel. mas... noção que pode cair em um simplismo... Holos, o Todo, como imagem contemporânea mais coerente e recorrente de DEIDADE. decorrente dessa noção de individuações e diferenciações, O Paradigma Holográfico é um novo paradigma científico que contempla essas relações sem cair no simplismo das oposições objeto/todo Estado Hiletrópico de Consciência Estado Holotrópico de Consciência
  17. 17. Concepção de Transcendência (como fundamental para a Espiritualidade) como TRANSCENDÊNCIA AUTO-CRIADORA como SÍMBOLO como EMERGÊNCIA como COMPLEXIDADE INTEGRADA
  18. 18. Concepção de Transcendência (como fundamental para a Espiritualidade) como TRANSCENDÊNCIA AUTO-CRIADORA (tradicional, ancestral, tribal e animista, judaico-cristã primitiva e fundamental) (top-down) espírito que dá forma (misticismo e religiosidade antigos) como SÍMBOLO (judaico-cristã, científica e cultural, "espiritualidade que o cético aceita", conflituosa mas diplomática, incerta) (bottom-up/top-down) padrões duradouros na matéria (religiosidades monoteístas e ciência iluminista-positivista)
  19. 19. Concepção de Transcendência (como fundamental para a Espiritualidade) como EMERGÊNCIA (cibernética, complexidade, ecológica, cognitiva, computacional, anti-subjetiva: EXCLUI o "EU") (bottom-up) meta-seres e coletividades complexas (espiritualidades complexas e ciência do caos e da complexidade) como COMPLEXIDADE INTEGRADA (aceita e integra as outras: há subjetividade em tudo, mas ela pode ser manipulada) (bottom-up/top-down) subjetividade compreendedora (espírito que compreende e que abrange, que acolhe, "ama")
  20. 20. CORPO Noções tradicionais de espiritualidade: corpo é conseqüência Noções contemporâneas de espiritualidade (Kardecismo, p.ex.): corpo é PARTE da alma = diversos "corpos" sobrepostos compôem o "ser integral". Corpo na filosofia contemporânea: 1 - posição positivista reprisa a noção tradicional religiosa, disfarçando-a de "materialidade vazia": "corpo é suporte para informação", nada mais é do que religiosidade transcendentalista mal-disfarçada 2 - posição fenomenológica coloca o CORPO no centro das considerações quanto à ontologia: "eu não tenho um corpo, eu SOU meu corpo" (Merleau-Ponty) Seria estranho que as espiritualidades tradicionais explorem o corpo para atingir o crescimento espiritual, e as religiosidades monoteístas neguem o corpo para o crescimento espiritual??
  21. 21. Uma Espiritualidade Não-Religiosa 1 - não atrelada a instituições religiosas, mas a processos culturais imanentes/emergentes 2 - não transcendental, e sim imanente 3 - não dogmática, mas sempre aberta a interpretações 4 - não unívoca, mas sim polívoca 5 - que não tem no SER sua principal sede e essência, mas sim no DEVIR sua noção de Existência Dinâmica. (esse item se reflete em todos os anteriores).
  22. 22. Ovo (Ovo Cósmico, ovo biológico, origem) origem, forma primordial, interioridade, proteção, acolhimento, vida, potência contida, pronta para explodir,...
  23. 23. Espiral (Hundertwasser, Spiral of Consciousness, ...) sinônimo da evolução da vida... Crescimento, seqüência de Fibonacci, proporção áurea, formas de vida, movimento acelerado, fluxo de energia, ...
  24. 24. Corpo "descorpóreo": como que se desfazendo... (corpo espiritual...) corpo como ressonância, como padrão, como conjunto imaterial - ou imanente – de relações, como forma que se agrega, cuja identidade transcende a materialidade, não é um símbolo ou forma semiótica, mas também não é objeto, subjetividade que constrói mundos...
  25. 25. Mão (ou pé: presença ou toque humano...) aquilo que porta, que traz, que entrega, que contêm, dá e toma, esconde e revela, da ação humana, da arte, articulação, artimanha, também apoio, segurança, força, presença de algo familiar...
  26. 26. Casa (e casa dentro da casa) provavelmente, a imagem mais tradicional seja a da cabana de acampamento: sensação de segurança em proximidade com a natureza) (ou seja, a cidade seria uma casa distante da natureza: estaríamos tentando afastar a natureza... acampamento e catedral de são Paulo Vaticano... trouxe"...
  27. 27. Planeta (reaparição do Ovo?) Ovo cósmico redescoberto pela ciência renascentista, tornada tema dos mais recorrente da confluência entre espiritualidade ingênua e cientificismo moderno, imagem fundamental para a noção de energência imanente...
  28. 28. Árvore (planta, vegetação) força vital que nos engloba, acolhe, mas também pode ameaçar, força vital que nos transcende em força e permanência, mas à qual podemos nos aliar, e reconhecer parte de nossa essência corpórea...
  29. 29. Rizoma (deleuze e Guattari – identificadores) força vital desagregadora, liberalizadora, mas potencialmente mortal, que obriga à morte de dimensões do EGO, obrigando a uma renovação profunda do espírito, de desapego a estruturas obsessivas e neuróticas...
  30. 30. Mar (imensidão exterior, ou interior, mas alheia à consciência de si, ao ego, inconsciente...) Espaço Sideral da ciência contemporânea seria uma reaparição dessa mesma imagem, Sagan força vital desformalizada, que regurgita formas constantemente, de maneira múltipla e multiplicadora... "o mar trouxe", "o espaço trouxe"...
  31. 31. Dois Arquétipos Profundos OVO - primordial - nômade - família - casa – sociedade "tudo o que te protege te limita" ícone de uma existência em Mutação, e não em Estado. ESTRADA - corpóreo/tecnológico - sedentário - vias – caminhos dutos - veias/artérias - controle e direcionamento "Todo potencial é uma limitação/direcionamento” "tudo o que te leva longe limita teus caminhos” limitar para direcionar ícone do "caminho já trilhado", ao qual se retorna continuamente. Como "obrigação de fé”.
  32. 32. Dois Arquétipos Profundos Vivemos em uma cidade de "Dutos" (estradas) e "Cápsulas" (ovos) a estrada sedentária seqüestrou o ovo nômade: o arquétipo da cidade sedentária (mover-se sem nunca sair do mesmo ambiente, estradas, estradas e mais estradas) capturou o espaço de clausura e proteção necessário à vida, e o reduziu a segregação, muitas vezes abandonando sua dimensão protetora/acolhedora. O oposto complementar do OVO não é a ESTRADA, é o PLANO INFINITO... de certa forma, um OVO dentro de Outro.... Imagem do Oceano Infinito como forma cósmica contentora, no qual múltiplos ovos se desenvolvem...

×