SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 48
Baixar para ler offline
ETI / EI, 1o
Ano
UC: Análise Matemática II
Caderno 1 : Integrais Duplos e Integrais de Linha
(Duplos, Volumes, Mudança de Coordenadas, Integrais de Linha)
Elaborado de: Diana Aldea Mendes e Rosário Laureano
Departamento de Métodos Quantitativos
Fevereiro de 2011
Capítulo 1
Integrais Duplos
1.1 Integrais duplos - definição e interpretação
A definição de integral duplo (multiplo) é uma generalização da de integral a uma só
variável. Em particular, o Teorema de Fubini, permite relacionar um integral definido
em Rn (integral multiplo) com o integral em R. Nomeadamente, um integral multiplo
pode ser calculado por integrações sucessivas numa variável considerando as restantes
fixas (constantes). O integral duplo (multiplo) quando explicitado por intermédio de dois
(vários) integrais simples designa-se por integral iterado.
Seja f uma função de duas variáveis, z = f(x, y), que seja contínua numa certa região
limitada e fechada D do xOy-plano. Tem-se D ⊂ Df ⊂ R2. Na prática, para calcular um
integral duplo
RR
D f(x, y)dxdy, temos que seguir os seguintes passos:
1. Representar graficamente o domínio de integração D
2. Estudar a regularidade do domínio de integração D e determinar a ordem de inte-
gração (dxdy ou dydx)
3. Explicitar os limites de integração e escrever o integral duplo na forma iterada
4. Calcular o integral duplo respeitando a ordem de integração
A principal dificuldade nos integrais duplos, consiste em, dado um domínio de inte-
gração D, determinar os limites de integração em cada um dos integrais simples envolvidos.
1
2 Integrais Duplos
Definição 1.1.1 O domínio D ⊂ R2 diz-se regular segundo o eixo dos yy (no sentido do
eixo dos yy) se
1. Qualquer vertical que passe por um ponto interior de D intersecta a sua fronteira
em apenas dois pontos
2. D é limitado pelas curvas y = g1(x) e y = g2 (x) e pelas rectas x = a e x = b, sendo
g1(x) ≤ g2 (x) e a ≤ b.
Se o domínio de integração D é regular no sentido do eixo dos yy (ou segundo o eixo
dos yy), então a ordem de integração é dydx e o integral duplo explicita-se (calcula-se)
por
ZZ
D
f(x, y)dxdy =
Z b
a
ÃZ g2(x)
g1(x)
f(x, y)dy
!
dx =
Z b
a
dx
Z g2(x)
g1(x)
f (x, y) dy.
Graficamente, temos um domínio de integração regular no sentido do eixo dos yy, em cada
uma das seguintes situações:
x x
y y
a b
y=g1(x)
y=g2(x)
D
D
a b
y=g1(x)
y=g2(x)
x x
y y
a b
y=g1(x)=d
y=g2(x)=c
a b
y=g1(x)
y=g2(x)
D D
Deve ficar claro que o cálculo de um integral duplo requer o cálculo de 2 integrais
simples pela ordem indicada: primeiro o integral de f(x, y) em relação à variável y (con-
1.1. INTEGRAIS DUPLOS - DEFINIÇÃO E INTERPRETAÇÃO 3
siderando x como constante) desde y = g1(x) (a fronteira inferior do domínio de integração
D) até y = g2(x) (a fronteira superior de D); depois o integral da expressão obtida em
relação à variável x no intervalo [a, b] ,isto é, do extremo esquerdo do domínio de integração
D até ao extremo direito de D.
Definição 1.1.2 O domínio D ⊂ R2 diz-se regular segundo o eixo dos xx (no sentido do
eixo dos xx) se
1. Qualquer horizontal que passe por um ponto interior de D intersecta a sua fronteira
em apenas dois pontos
2. D é limitado pelas curvas x = h1(y) e x = h2 (y) e pelas rectas y = c e y = d, sendo
h1(y) ≤ h2 (y) e c ≤ d.
Se o domínio de integração D é regular no sentido do eixo dos xx (ou segundo o eixo
dos xx), então a ordem de integração é dxdy e o integral duplo explicita-se (calcula-se)
por
ZZ
D
f(x, y)dxdy =
Z d
c
ÃZ h2(y)
h1(y)
f(x, y)dx
!
dy =
Z d
c
dy
Z h2(y)
h1(y)
f (x, y) dx.
Graficamente, temos um domínio de integração regular no sentido do eixo dos xx, em
cada uma das seguintes situações:
x x
y y
a b
x=h1(y) x=h2(y)
y=c
y=d
c
d
c
d y=d
y=c
x=h1(y)
x=h2(y)
D
D
4 Integrais Duplos
x x
y y
a b
x=h1(y)=a x=h2(y)=b
D D
y=c
y=d
c
d
c
d y=d
y=c
x=h1(y)
x=h2(y)
Neste caso, calcula-se primeiro o integral de f(x, y) em relação à variável x (con-
siderando y como constante) desde x = h1(y) (a fronteira esquerda do domínio de inte-
gração D) até x = h2(y) (a fronteira direita de D); depois o integral da expressão obtida em
relação à variável y no intervalo [c, d] ,isto é, do extremo inferior do domínio de integração
D até ao extremo superior de D.
Tem-se sempre que
Z b
a
ÃZ g2(x)
g1(x)
f(x, y)dy
!
dx =
ZZ
D
f(x, y)dxdy =
Z d
c
ÃZ h2(y)
h1(y)
f(x, y)dx
!
dy,
ou seja, indiferente da ordem de integração utilizada, o valor do integral duplo é o mesmo.
Propriedades
Caso existam os integrais duplos são válidas as seguintes propriedades operacionais:
ZZ
D
[f(x, y) ± g(x, y)] dxdy =
ZZ
D
f(x, y)dxdy ±
ZZ
D
g(x, y)dxdy;
ZZ
D
cf(x, y)dxdy = c
ZZ
D
f(x, y)dxdy, para c ∈ R;
ZZ
D
h(x)f(x, y)dxdy =
Z b
a
h(x)
Z g2(x)
g1(x)
f(x, y)dydx;
ZZ
D
g(y)f(x, y)dxdy =
Z d
c
g(y)
Z h2(x)
h1(x)
f(x, y)dxdy.
Uma outra propriedade de grande utilidade em domínios de integração não regulares é a
seguinte: ZZ
D
f(x, y)dxdy =
ZZ
D1
f(x, y)dxdy +
ZZ
D2
f(x, y)dxdy,
1.2. EXEMPLOS 5
se D = D1 ∪ D2, int(D1) ∩ int(D2) = ∅, e D1 e D2 são regulares no mesmo sentido.
O integral duplo sobre o domínio de integração D da função constante f (x, y) = 1
define a área de D, isto é
Z Z
D
1 dxdy = A (D) .
A passagem duma ordem de integração para outra num integral duplo, caso é possível,
designa-se por inversão da ordem de integração do integral duplo. Se o domínio
for regular no sentido do eixo dos yy ou seja
1.2 Exemplos
Exemplo 1. Calcule o valor dos seguintes integrais duplos
a).
R 2
1 dx
R 1
0 (x − cos y) dy =
R 2
1 (xy − sin y)|1
0 dx =
R 2
1 (x − sin 1) dx =
³
x2
2 − x sin 1
´¯
¯
¯
2
1
=
3
2 − sin 1
b).
R 5
0 dy
R y
0 (2xy) dx =
R 5
0
¡
yx2
¯
¯y
0
¢
dy =
R 5
0
¡
y3
¢
dy = y4
4
¯
¯
¯
5
0
= 625
4
Exemplo 2. Determine o valor do integral duplo
ZZ
D
(x + 2y) dxdy
onde o domínio de integração é limitado pelas parábolas de equação y = 2x2 e y = 1 + x2.
x
y
y
D
y=1+x2
y=2x2
x=-1 x=1
-1 10
6 Integrais Duplos
Os pontos de intersecção das duas parábolas obtem-se iqualando as equações corespon-
dentes, isto é
2x2
= 1 + x2
⇒ x = ±1
sendo x = ±1 as equações das rectas verticais que limitam o domínio de integração.
Conclui-se que D é regular no sentido do eixo dos yy, logo pode ser escrito como
D =
©
−1 ≤ x ≤ 1, 2x2
≤ y ≤ 1 + x2
ª
deduzindo (também do gráfico) que y = g1 (x) = 2x2 é a função inferior e y = g2 (x) =
1 + x2 é a função superior que limitam o domínio de integração.
Da regularidade de D segundo o eixo dos yy obtem-se a ordem de integração dydx,
logo o integral duplo escreve-se como
ZZ
D
(x + 2y) dxdy =
Z 1
−1
dx
Z 1+x2
2x2
(x + 2y) dy =
Z 1
−1
¡
xy + y2
¢
¯
¯
¯
¯
1+x2
2x2
dx =
=
Z 1
−1
³
x
¡
1 + x2
¢
+
¡
1 + x2
¢2
− x
¡
2x2
¢
−
¡
2x2
¢2
´
dx =
=
Z 1
−1
¡
−3x4
− x3
+ 2x2
+ x + 1
¢
dx =
=
µ
−3
x5
5
−
x4
4
+ 2
x3
3
+
x2
2
+ x
¶¯
¯
¯
¯
1
−1
=
32
15
.
Portanto o valor do integral duplo é 32/15.
Exemplo 3. Calcule do integral duplo da função f(x, y) = x + y no domínio de
integração D definido por
D ≡
©
y = 2x, y = x2
, 0 ≤ x ≤ 2
ª
.
A representação gráfica do domínio de integração é ilustrada na Figura abaixo.
1.2. EXEMPLOS 7
x
y
2
4
0
y=2x
y=x2
Domínio de integração D
x
y
2
4
0
x= 0 x= 2
y= 2x
y= x2
D regular segundo yy
y
2
4
0
y=4
y=0
x=y/2
x=y1/2
D regular segundo xx
Como D é regular no sentido do eixo dos yy, ou seja pode ser limitado por: x = a = 0,
x = b = 2, y = g1(x) = x2 e y = g2(x) = 2x, com 0 ≤ x ≤ 2 e x2 ≤ y ≤ 2x, o integral
duplo escreve-se como
Z Z
D
(x + y) dxdy =
Z 2
0
µZ 2x
x2
(x + y)dy
¶
dx =
Z 2
0
µ
xy +
y2
2
¶¯
¯
¯
¯
2x
x2
dx =
=
Z 2
0
µ
4x2
− x3
−
x4
2
¶
dx =
µ
4
x3
3
−
x4
4
−
x5
10
¶¯
¯
¯
¯
2
0
=
52
15
O mesmo integral duplo pode ser calculado pelo outro integral iterado (obtido invertendo
a ordem de integração), ou seja por
Z Z
D
(x + y) dxdy =
Z 4
0
ÃZ √
y
y/2
(x + y)dx
!
dy =
52
15
.
Tem-se c = 0, d = 4, x = h1(y) = y
2 e x = h2(y) =
√
y, segundo a notação indicada no
desenvolvimento.
Exemplo 4. Considere-se agora o mesmo integral duplo, mas com o domínio de
integração dado por
D ≡
©
y = 2x, y = x2
, 0 ≤ x ≤ 1
ª
.
Então o domínio D é regular no sentido do eixo dos yy e portanto o integral duplo é:
Z Z
D
(x + y) dxdy =
Z 1
0
µZ 2x
x2
(x + y)dy
¶
dx =
Z 1
0
µ
xy +
y2
2
¶¯
¯
¯
¯
2x
x2
dx =
=
Z 1
0
µ
4x2
− x3
−
x4
2
¶
dx =
µ
4
x3
3
−
x4
4
−
x5
10
¶¯
¯
¯
¯
1
0
=
118
120
8 Integrais Duplos
Se optarmos pela outra ordem de integração o mesmo integral duplo terá de ser calculado
como segue:
x
y
0
y=2x
y=x2
1
2
x=0 x=1
x
y
0 1
2
y=0
y=1
y=2
x=y/2
x=y1/21
Z Z
D
(x + y) dxdy =
Z 1
0
ÃZ √
y
y/2
(x + y)dx
!
dy +
Z 2
1
ÃZ 1
y/2
(x + y)dx
!
dy
dado que é necessário considerar 2 sub-regiões D1 e D2 separadas pela recta y = 1 tais
que D1 ∪ D2 = D. De facto, atendendo a que a recta vertical x = 1 intersecta a parábola
y = x2 quando y toma o valor 1 e intersecta a recta y = 2x quando y toma o valor 2
(atenda à figura anterior e complete-a) estas duas sub-regiões serão as seguintes
D1 ≡
©
y = 2x, y = x2
, 0 ≤ x ≤ 1, y ≤ 1
ª
D2 ≡
©
y = 2x, y = x2
, 0 ≤ x ≤ 1, 1 ≤ y ≤ 2
ª
.
Por vezes é forçoso inverter a ordem de integração face à função f(x, y) a primitivar.
Exemplo 5. Calcule o seguinte integral duplo
Z 1
0
dy
Z 3
3y
ex2
dx.
Este integral duplo não pode ser calculado de forma fácil directamente pela ordem de inte-
gração estabelecida (dxdy), visto que a primitiva
R
ex2
dx não é uma primitiva elementar.
O domínio de integração deste integral duplo é limitado pelas rectas x = 3y, x = 3, y = 0
e y = 1. Para estabelecer o outra ordem de integração (dydx) — isto é, para efectuar in-
versão da ordem de integração do integral duplo — é útil representar graficamente
este domínio de integração
1.2. EXEMPLOS 9
x
y
0
1
3
y=0
y=1
x=3
x=3y ou y=x/3
x=0
e, a partir dessa representação, escrever o novo integral iterado
Z 1
0
dy
Z 3
3y
ex2
dx =
Z 3
0
dx
Z x
3
0
ex2
dy =
Z 3
0
³
ex2
y
´¯
¯
¯
¯
x
3
0
dx =
=
Z 3
0
ex2 x
3
dx =
1
6
³
ex2
´¯
¯
¯
¯
3
0
=
1
6
¡
e9
− 1
¢
.
Exemplo 6. Pretende-se calcular o integral duplo
RR
D f(x, y)dxdy para f(x, y) = x2
e D definido por
D ≡ {xy = 16, y = x, y = 0, x = 8} .
Para tal represente-se graficamente este domínio
xy=16
y=x
x
y
4
x=8
y=4
4
y=2
x=4
e estabeleça-se as 2 ordens de integração:
ZZ
D
x2
dxdy =
Z 2
0
dy
Z 8
y
x2
dx +
Z 4
2
dy
Z 16/y
y
x2
dx
10 Integrais Duplos
ZZ
D
x2
dxdy =
Z 4
0
dx
Z x
0
x2
dy +
Z 8
4
dx
Z 16/x
0
x2
dy
Verifica-se através da figura que, qualquer que seja a ordem de integração escolhida, é
necessário separar o domínio de integração em 2 sub-regiões, a saber: D1 e D2 separadas
pela recta y = 2 quando a opção é
R ¡R
f(x, y)dx
¢
dy, D0
1 e D0
2 separadas pela recta x = 4
quando a opção é
R ¡R
f(x, y)dy
¢
dx. O cálculo de qualquer um destes integrais iterados
conduz ao valor 448 para o integral duplo.
Exemplo 7. Determine o valor do integral duplo
RR
D (xy) dxdy onde o domínio de
integração D é limitado pelas curvas de equação y = x − 1 e y2 = 2x + 6.
A parábola de equação y2 = 2x+6 tem a forma equivalente y = ±
√
2x + 6 vista como
função y de variável x e tem a forma x = y2
2 − 3 vista como função x de variável y. Os
pontos de intersecção entre a parábola e a recta calculam-se de 2x + 6 = (x − 1)2
, o que
implica x2 − 4x − 5 = 0, de onde x = −1 e x = 5.
x
y
y=4
-3 1
0
-1
0
D
x=y+1
(-1,-2)
(5,4)
-1
y=-2
x=(y2/2)-3
Consideramos a regularidade segundo o eixo dos xx (sendo mais fácil neste caso).
Então o domínio de integração D é limitado pelas rectas horizontais de equação y = −2
e y = 4 (calculados como as imagens dos pontos de intersecção x = −1 e x = 5), e pelas
curvas: á esquerda x = h1 (y) = y2
2 − 3 e á direita x = h2 (y) = y + 1, logo, a ordem de
1.2. EXEMPLOS 11
integração dxdy determina o seguinte integral iterado
ZZ
D
(xy) dxdy =
Z 4
−2
dy
Z y+1
y2
2
−3
xydx =
Z 4
−2
µ
x2
2
y
¶¯
¯
¯
¯
y+1
y2
2
−3
dy
=
1
2
Z 4
−2
y
Ã
(y + 1)2
−
µ
1
2
y2
− 3
¶2
!
dy =
=
1
2
Z 4
−2
µ
−
y5
4
+ 4y3
+ 2y2
− 8y
¶
dy
=
1
2
µ
−
y6
24
+ y4
+ 2
y3
3
− 4y2
¶¯
¯
¯
¯
4
−2
= 36.
Estudando a regularidade de D segundo o eixo dos yy, ou seja, fazendo uma inversão da
ordem de integração de dxdy para dydx, obtem-se uma divisão de D em dois sub-domínios
de integração separados pela recta vertical de equação x = −1.
x
y
y=(2x+6)1/2
y2=2x+6
x=5
-3 1
0
-1
0
D
y=-(2x+6)1/2
y=x-1
(-1,-2)
(5,4)
-1
x=-3 x=-1
Tem-se então o sub-domínio de integração D1 (regular no sentido do eixo dos yy)
limitado pelas rectas verticais de equação x = −3 e x = −1 e pelas curvas horizontais
y = g1 (x) = −
√
2x + 6 (curva inferior) e y = g2 (x) =
√
2x + 6 (curva superior) e o sub-
domínio D2 (regular o sentido do eixo dos yy) limitado pelas rectas verticais x = −1 e
x = 5 e pelas curvas horizontais y = g3 (x) = x−1 (curva inferior) e y = g4 (x) =
√
2x + 6
(curva superior).
12 Integrais Duplos
Então a ordem de integração é dydx e o integral iterado á calcular é dado por
ZZ
D
(xy) dxdy =
ZZ
D1
(xy) dxdy +
ZZ
D2
(xy) dxdy
=
Z −1
−3
dx
Z √
2x+6
−
√
2x+6
xydy +
Z 5
−1
dx
Z √
2x+6
x−1
xydy = 36.
Exemplo 9. Explicita o integral duplo
RR
D (xy) dxdy, sendo D definido como na
figura seguinte:
x
y
D
0
y=-1
y=1+x2
x=y2
x=1x=-1
y=2
Regularidade segundo o eixo dos yy =⇒ ordem de integração dydx
ZZ
D
(xy) dxdy =
ZZ
D1
(xy) dxdy +
ZZ
D2
(xy) dxdy +
ZZ
D3
(xy) dxdy =
=
Z 0
−1
dx
Z 1+x2
−1
f (x, y) dy +
Z 1
0
dx
Z 1+x2
√
x
f (x, y) dy +
Z 1
0
dx
Z −
√
x
−1
f (x, y) dy.
Regularidade segundo o eixo dos xx =⇒ ordem de integração dxdy
ZZ
D
(xy) dxdy =
ZZ
D1
(xy) dxdy +
ZZ
D2
(xy) dxdy +
ZZ
D3
(xy) dxdy =
=
Z 1
−1
dy
Z y2
−1
f (x, y) dx +
Z 2
1
dy
Z −
√
y−1
−1
f (x, y) dx +
Z 2
1
dy
Z 1
√
y−1
f (x, y) dx.
1.3 Mudança de variável: coordenadas polares
Quando se utilizam coordenadas rectangulares (x, y) o sistema de referência é dado por
um par de rectas perpendiculares (os bem conhecidos eixos dos xx e dos yy). Para definir
1.3. MUDANÇA DE VARIÁVEL: COORDENADAS POLARES 13
as coordenadas polares é utilizado um sistema de referência que consta de um ponto O
chamado pólo e de um raio que se inicia no ponto O designado por eixo polar.
θ
θ +π
O Eixo polar
Raio θ
Raio θ +π
Concretamente, um ponto P é dado pelas coordenadas polares (r, θ) se está posicionado
a uma distância r do pólo O tal que semi-recta OP determina um ângulo de amplitude θ
radianos (medido no sentido positivo) com o semi-eixo positivo dos xx.
Contrariamente ao que acontece com as coordenadas rectângulares, as coordenadas
polares não estão univocamente determinadas. De facto, geometricamente não existe
distinção entre os pontos cujos ângulos diferam por um múltiplo de 2π, isto é (r, θ) =
(r, θ + 2nπ) , n ∈ Z+. É, no entanto, usual considerar θ a amplitude do menor dos ângulos.
Tem-se então r ∈ R+
0 e θ ∈ [0, 2π[.
A relação entre as coordenadas polares (r, θ) e as coordenadas rectangulares (x, y) é
dada por
½
x = r cos θ
y = r sin θ
14 Integrais Duplos
visto que cos θ =
x
r
e sin θ =
y
r
(ver figura abaixo),
h
θ
(x,y)
O x
y
r
o que implica que ⎧
⎨
⎩
tan θ =
y
x
, ou seja θ = arctan
y
x
r2 = x2 + y2
.
1.3.1 Exemplos
1. Determine as coordenadas rectangulares do ponto P dado pelas seguintes coordenadas
polares (r, θ) = (2, π/3) .
Atendendo as relações x = r cos θ e y = r sin θ obtem-se x = 2 cos (π/3) = 21
2 = 1
e y = 2 sin (π/3) = 2
√
3
2 =
√
3. Portanto o ponto P tem as coordenadas rectangulares
¡
1,
√
3
¢
.
2. Encontre as coordenadas polares para o ponto P definido pelas seguintes coorde-
nadas rectangulares (x, y) =
¡
−2, 2
√
3
¢
.
Trata-se de um ponto do segundo quadrante. Sabemos que r cos θ = −2 e r sin θ = 2
√
3.
Encontra-se o seginte valor para o raio r fazendo r2 = x2 + y2 = (r cos θ)2
+ (r sin θ)2
=
(−2)2
+
¡
2
√
3
¢2
= 16. Logo r = 4. Considerando r = 4 obtem-se
x = r cos θ = 4 cos θ = −2 =⇒ cos θ = −1
2
y = r sin θ = 4 sin θ = 2
√
3 =⇒ sin θ =
√
3
2
.
Tem-se então θ = arcsin
√
3
2 = arccos
¡
−1
2
¢
= 2
3π. Então as coordenadas polares de P são
¡
4, 2
3π
¢
.
1.3. MUDANÇA DE VARIÁVEL: COORDENADAS POLARES 15
3. Em coordenadas rectangulares (x, y) a circunferência de centro C (0, 0) e raio a tem
por equação x2 + y2 = a2. A mesma circunferência, em coordenadas polares (r, θ), tem
por equação r = a. O interior da circunferência é definido por 0 < r < a e o exterior por
r > a.
4. Em coordenadas rectangulares (x, y) a recta que passa pela origem e faz um ângulo
α com o eixo dos xx tem por equação y = mx onde m = tan α. Em coordenadas polares
(r, θ), a mesma recta, tem por equação θ = α.
A recta vertical x = a tem por equação polar r cos θ = a e a recta horizontal y = b tem
por equação polar r sin θ = b. Mais geral, uma recta de equação cartesiana Ax+By+C = 0
pode ser escrita em coordenadas polares (atendendo as relações x = r cos θ e r = sin θ)
como
Ar cos θ + B sin θ + C = r (A cos θ + B sin θ) + C = 0.
5. Encontre uma equação em coordenadas polares para a hipérbole de equação x2 −
y2 = a2.
Substituindo x = r cos θ e r = sin θ na equação da hipérbole obtem-se
x2
− y2
= r2
cos2
θ − r2
sin2
θ = r2
¡
cos2
θ − sin2
θ
¢
=
= r2
cos (2θ) = a2
Portanto a equação r2 cos (2θ) = a2 representa, em coordenadas polares, a hipérbole dada.
Dado o integral duplo
Z Z
D
f(x, y)dxdy,
sempre que o domínio de integração D é dado por uma região circular ou quando a função
integranda f(x, y) contém uma expressão de tipo x2+y2, pode ser útil o uso de coordenadas
polares para calcular o valor do integral duplo.
Relembramos que as coordenadas polares (r, θ) de um ponto P estão relacionadas com
as coordenadas rectangulares (x, y) por meio das seguintes equações
½
x = r cos θ
y = r sin θ
e
(
r2 = x2 + y2
θ = arctan
³y
x
´
16 Integrais Duplos
Apresenta-se em seguida a metodologia de cálculo dos integrais duplos
Z Z
D
f (x, y) dxdy
utilizando as coordenadas polares (r, θ) . O primeiro passo consta em transformar o domínio
de integração D (dado em coordenadas cartesianas) no domínio equivalente, Ω, em coor-
denadas polares (r, θ) .
Admitindo que a função f (x, y) é contínua em D, a função composta
F (r, θ) = f (r cos θ, r sin θ)
também vai ser contínua em todos os pontos do seu domínio Ω. Considerando a mudança
de variáveis para coordenadas polares, tem-se então que
Z Z
D
f (x, y) dxdy =
Z Z
Ω
f (r cos θ, r sin θ) r drdθ =
Z Z
Ω
F (r, θ) r drdθ
visto que r é o valor do determinante da matriz jacobiana
∂ (x, y)
∂(r, θ)
e r ≥ 0.
Se o conjunto Ω é definido por
Ω = {(r, θ) | α ≤ θ ≤ β, g1 (θ) ≤ r ≤ g2 (θ)}
para 0 ≤ β − α ≤ 2π, então a ordem de integração em coordenadas polares será drdθ (o
domínio Ω sendo regular segundo r) e então o integral duplo escreve-se como
Z Z
D
f (x, y) dxdy =
Z Z
Ω
F (r, θ) r drdθ =
Z β
α
dθ
Z g2(θ)
g1(θ)
F (r, θ) r dr
y
xO Eixo polar
D θ = α
θ = β
r = g1(θ)
r = g2(θ)
1.3. MUDANÇA DE VARIÁVEL: COORDENADAS POLARES 17
Este caso obtem-se quando o domínio D provém da intersecção de duas rectas que
passam pela origem e de declive α e β e mais outras duas curvas quisquer (veja figura
acima).
Se o conjunto Ω tem a forma
Ω = {(r, θ) | a ≤ r ≤ b, h1 (r) ≤ θ ≤ h2 (r)} ,
então a ordem de integração em coordenadas polares será dθdr (o domínio Ω sendo regular
segundo θ) e então o integral duplo escreve-se como
Z Z
D
f (x, y) dxdy =
Z Z
Ω
F (r, θ) r drdθ =
Z b
a
dr
Z h2(r)
h1(r)
F (r, θ) r dθ.
Este caso resulte quando o domínio D provém da intersecção de duas circunferências com
centro na origem e de raio a e b e mais outras duas curvas.
Caso em qual o domínio D é o resultado da intersecção de duas circunferências com
centro na origem e duas rectas que passam pela origem, então o domínio em coordenadas
polares, Ω, sera regular nos dois sentidos permitidos e a ordem de integração é aleatória.
Como caso particular pode afirmar-se que a área do domínio de integração D pode ser
calculada em termos de coordenadas polares utilizando a seguinte fórmula
Área de D =
Z β
α
dθ
Z g2(θ)
g1(θ)
r dr =
1
2
Z β
α
¡
g2
2 (θ) − g2
1 (θ)
¢
dθ
considerando f(x, y) = 1.
Exemplo 1. Utilize coordenadas polares para calcular o valor do integral duplo
Z Z
D
xy dxdy
onde D é definido por
©
x2 + y2 ≤ 1, x ≥ 0, y ≥ 0
ª
.
Representação gráfica do domínio de integração D em coordenadas rectangulares:
Cálculo do novo domínio de integração Ω e sua representação gráfica:
0 ≤ x2
+ y2
= r2
cos2
θ + r2
sin2
θ = r2
¡
cos2
θ + sin2
θ
¢
= r2
≤ 1
de onde 0 < r2 ≤ 1 implica 0 < r ≤ 1 ou seja g1 (θ) = 0 e g2 (θ) = 1. (Ou ainda, atendendo
um dos exemplos da secção anterior, sabe-se que x2 + y2 = 1 tem por equação polar r = 1
e o seu interior é dado por 0 < r < 1).
18 Integrais Duplos
x
y
1
0
D
r
θ
0
r = 1
θ = π/2
Ω
Figura 1.1:
A equação x = 0 tem a forma polar r cos θ = 0 ⇒ cos θ = 0. A equação y = 0 tem a
forma polar r sin θ = 0 ⇒ sin θ = 0. A equação sin θ = 0 ⇒ θ = 0 representa o limite
inferior de θ e o limte superior de θ é dado pelo valor π/2 visto que cos θ = 0. Tem-se
então
Ω =
n
(r, θ) : 0 < θ <
π
2
e 0 < r < 1
o
.
O domínio Ω é regular nos dois sentidos (o seu gráfico é um rectângulo), logo são permitidas
as duas ordens de integração.
A função f (x, y) = xy em coordenadas polares vem
f (r cos θ, r sin θ) = F (r, θ) = (r cos θ) (r sin θ) = r2
sin θ cos θ.
Então, escolhendo a ordem de integração drdθ, tem-se que
Z Z
D
xy dxdy =
Z Z
Ω
r2
sin θ cos θ r drdθ =
Z π/2
0
dθ
Z 1
0
r3
sin θ cos θ dr =
=
Z π/2
0
µ
r4
4
sin θ cos θ
¶¯
¯
¯
¯
1
0
dθ =
Z π/2
0
µ
1
4
sin θ cos θ
¶
dθ =
=
1
8
Z π/2
0
(sin 2θ) dθ =
µ
−
1
16
cos 2θ
¶¯
¯
¯
¯
π/2
0
=
1
8
.
Exemplo 2. Calcule Z Z
D
y
x +
p
x2 + y2
dxdy,
sendo D limitado pelas rectas y = ±x e pelas circunfêrencias (x − 1)2
+y2 = 1 e (x − 2)2
+
y2 = 4.
1.3. MUDANÇA DE VARIÁVEL: COORDENADAS POLARES 19
y
x
r
4
2
0 0 θ
r = 4 cos θ
r = 2 cos θ
Ω
D
1 2 4
y = x
y = - x
Figura 1.2:
O transformado de D (veja a sua representação gráfica) em coordenadas polares, o
conjunto Ω, é dado pelas relações
(x − 1)2
+ y2
≥ 1 ⇒ r ≥ 2 cos θ e (x − 2)2
+ y2
≤ 4 ⇒ r ≤ 4 cos θ
−x ≤ y ≤ x ⇒ −r cos θ ≤ r sin θ ≤ r cos θ
⇒ −1 ≤ tan θ ≤ 1 ⇒ −
π
4
≤ θ ≤
π
4
ou seja
Ω =
n
(r, θ) : −
π
4
≤ θ ≤
π
4
, 2 cos θ ≤ r ≤ 4 cos θ
o
.
Nota-se que a ordem de integração permitida é drdθ (o domínio Ω é regular no sentido do
eixo dos rr) e o integral duplo escreve-se em coordenadas polares como sendo
ZZ
D
y
x +
p
x2 + y2
dxdy =
ZZ
Ω
sin θ
cos θ + 1
r drdθ =
Z π/4
−π/4
dθ
Z 4 cos θ
2 cos θ
sin θ
cos θ + 1
r dr
=
Z π/4
−π/4
sin θ
cos θ + 1
µ
r2
2
¶¯
¯
¯
¯
4 cos θ
2 cos θ
dθ = 6
Z π/4
−π/4
sin θ
cos θ + 1
cos2
θ dθ
= 0
(o valor do itegral é nulo porque a função integranda é impar e os limites de integração
simétricos, logo A = A1 − A1 = 0).
20 Integrais Duplos
1.4 Integrais duplos - Exercícios propostos
1. Determine as expressões gerais das primitivas para as funções:
(a) f(x, y) = x3 + 6y2 − 5xy2 − 10x2y3
(b) f(x, y) =
¡
x2 + y
¢4
x
(c) f(x, y) =
y
x + y2
(d) f(x, y) =
10y
x2 − 9
(e) f(x, y) =
x3 + y2
x2 + y2
(f) f(x, y) =
1
q
4 − (x + y)2
(g) f(x, y) =
10
3x + y2
(h) f(x, y) = 20
¡
x2 − y2
¢−1
(i) f(x, y) = ln x + y
(j) f(x, y) = ln
³
2x +
y
3
´
(k) f(x, y) =
10
x2 − y2
(l) f(x, y) =
x
(x2 + y)4
(m) f(x, y) =
2y
x2 − 16
(n) f(x, y) =
p
4x − y2
(o) f(x, y) = arctan (x + y)
(p) f(x, y) = sin2
(3x + y)
2. Mostre que
Z 2
1
ÃZ 2x2
x
(x3
+ 2y)dy
!
dx =
559
15
.
1.4. INTEGRAIS DUPLOS - EXERCÍCIOS PROPOSTOS 21
3. Calcule o valor do integral duplo
Z Z
D
(x3
+ 2y)dxdy
sendo D a região do plano limitada pelas curvas x = 1, x = 2, y = 2x2 e y −
x = 0 e para cada uma das possíveis ordens de integração,
R ¡R
f(x, y)dx
¢
dy e
R ¡R
f(x, y)dy
¢
dx.
4. Determine
R R
D f(x, y)dxdy considerando f(x, y) = xy2 e
D =
©
(x, y) ∈ R2
: x 6 0, y > 0, x2
+ y2
6 1
ª
Averígue se pode retirar algumas conclusões acerca do valor e sinal do mesmo integral
para outros domínios de integração como sejam
D1 =
©
(x, y) ∈ R2
: x ≥ 0, y > 0, x2
+ y2
6 1
ª
D2 =
©
(x, y) ∈ R2
: x ≥ 0, x2
+ y2
6 1
ª
D3 =
©
(x, y) ∈ R2
: x ≥ y, y ≥ −x, x2
+ y2
6 1
ª
5. Mostre que Z Z
D
xy2
dxdy =
212
3
sendo D o paralelogramo limitado pelas rectas x = 3, x = 5, 3x + 2y − 4 = 0 e
2y + 3x = 1.
6. Determine o valor do integral duplo
Z Z
D
ey2
dxdy
sendo D =
n
(x, y) ∈ R2 : x ≥ 0 ∧
x
2
≤ y ≤ 3
o
.
7. Calcule e nos casos possíveis inverte a ordem de integração para os seguintes integrais
duplos
(a)
1Z
0
1Z
√
x
sin
µ
y3 + 1
2
¶
dydx
22 Integrais Duplos
(b)
0Z
−1
√
y+1Z
−
√
y+1
x2dxdy
(c)
1Z
0
1Z
x2
Ã
x3
p
x4 + y2
!
dydx
(d)
2Z
1
log xZ
0
e−xdxdy
(e)
1Z
0
1Z
y
ey/xdxdy
(f)
1Z
0
1Z
x
x2ey4
dxdy
8. Considere o integral duplo
Z 1
0
dx
Z 1−x
−
√
1−x2
f(x, y) dy.
Estabeleça a outra ordem de integração e calcule o valor do integral para f(x, y) =
√
2x.
9. Inverta a ordem de integração no seguinte integral duplo
Z 1
0
dy
Z √
y
0
f(x, y)dx +
Z 2
1
dy
Z 2−y
0
f(x, y)dx.
10. Considere o integral duplo
Z 1
0
dy
Z − ln y
−1+
√
y
f(x, y)dx.
Inverta a ordem de integração e mostre que tem o valor
10
63
para o caso de f(x, y) = y2.
11. Determine o valor do integral duplo
Z 1
4
0
dy
Z 1
2
+ 1−4y
4
1
2
− 1−4y
4
f(x, y) dx
para f(x, y) = e
y
x
+x
.
1.4. INTEGRAIS DUPLOS - EXERCÍCIOS PROPOSTOS 23
12. Verifique que o valor do integral duplo
Z ∞
1
dx
Z 1
x4
0
xex2√
y
dy = 1.
13. Mostre, usando cada uma das possíveis ordens de integração, que 2/5 é o valor do
integral duplo Z Z
D
xy2
dxdy
para D =
©
(x, y) ∈ R2 : 0 ≤ y ≤ x ∧ xy ≤ 1
ª
.
14. Considere o integral duplo
Z 0
−1
dy
Z 2
1+
√
−y
f(x, y) dx +
Z 1
0
dy
Z 2
2−
√
1−y2
f(x, y) dx.
(a) Inverta a ordem de integração.
(b) Calcule o valor do integral para f(x, y) = y.
15. Verifique que Z Z
D
¡
2x3
y + xy2
¢
dxdy = 4
para D definido pelas condições y = x2 + 1, y = x2, xy = 3 e xy = 1.
16. Passar às coordenadas polares (r, θ) , no integral duplo
R R
D f (x, y) dxdy e encontrar
os limites de integração onde
(a) D =
©
x2 + y2 ≤ 4
ª
(b) D =
©
x2 + y2 ≤ 9x
ª
(c) D =
©
x2 + y2 = 4x, x2 + y2 = 8x, y = x, y = 2x
ª
(d) D =
©
1 ≤ x2 + y2 ≤ 9
ª
17. Utilizando dois metodos diferentes calcule as áreas dos domínios de integração que
se indicam
(a) D = {x = 0, y = 0, x + y = 1}
24 Integrais Duplos
(b) D = {y = x, y = 5x, x = 1}
(c) D = {y =
√
x, y = 2
√
x, x = 4}
18. Passando aos coordenadas polares calcule os seguintes integrais duplos
(a)
1Z
−1
√
1−y2
Z
0
p
x2 + y2dxdy
(b)
2Z
0
√
4−x2
Z
0
p
x2 + y2dydx
(c)
1Z
0
√
1−x2
Z
0
ex2+y2
dydx
(d)
1Z
1/2
√
1−x2
Z
0
¡
x2 + y2
¢3/2
dydx
(e)
1/2Z
0
√
1−x2
Z
0
xy
p
x2 + y2dydx
(f)
1Z
−1
√
1−y2
Z
−
√
1−y2
e−(x2+y2
)dxdy
(g)
2Z
0
√
4−y2
Z
−
√
4−y2
x2y2dxdy
19. Utilizando as coordenadas polares, calcule os seguintes integrais duplos:
(a)
R R
D
¡
3x + 4y2
¢
dxdy, onde D =
©
x2 + y2 ≥ 1, x2 + y2 ≤ 4, y ≥ 0
ª
(b)
R R
D xdxdy, onde D =
©
x2 + y2 ≤ 25
ª
(c)
R R
D ydxdy, onde D é a região do plano real limitada por x2 + y2 = 9, y = 0
e y = x.
1.5. CÁLCULO DE VOLUMES 25
(d)
R R
D xydxdy, onde D é a região do 1o quadrante do plano real limitada por
x2 + y2 = 4. e x2 + y2 = 25.
(e)
R R
D e−x2−y2
dxdy, onde D é a região do plano real limitada por x =
p
4 − y2
e x = 0.
20. Calcule o integral duplo
Z Z
D
1
(1 + x2 + y2)3/2
dxdy
onde D é o triangulo de vertices (0, 0) , (1, 0) e (1, 1) .
21. Calcule o integral duplo
Z Z
D
p
x2 + y2dxdy
onde D é o triangulo de vertices (0, 0) , (1, 0) e
¡
1,
√
3
¢
.
22. Calcule
Z Z
D
ln
¡
1 + x2 + y2
¢
p
x2 + y2
dxdy
sabendo que o domínio de integração D é
D =
©
1 ≤ x2
+ y2
≤ 4, 0 ≤ x ≤ y ≤ 2x
ª
.
23. Calcule
R R
D
¡
x2 + y2
¢
dxdy sendo D limitado pelas curvas de equação y = x, y = x2
e y = 2x2.
1.5 Cálculo de Volumes
• Os integrais duplos podem ser utilizados no cálculo:
— de áreas, sendo
A (D) =
Z Z
D
1 dxdy
26 Integrais Duplos
— de volumes, sendo
V (S) =
Z Z
D
(q (x, y) − p (x, y)) dxdy
o volume do sólido S compreendido entre os gráficos das funções q (x, y) (limita
o sólido superiormente) e p (x, y) (limita o sólido inferiormente), no domínio
D ⊂ R2.
D
R
y
z
0
z = q (x, y)
z = p (x, y)
x
x = b
x = a
y = h (x)
y = g (x)
Exemplo 1. Calcule o volume da região do espaço limitada pelas superfícies z + x2 +
y2 = b2, z = 0, |x| = a e |y| = a (0 < a < b).
A superfície z +x2 +y2 = b2 corresponde a um parabolóide que se desenvolve ao longo
do z-eixo com vértice (0, 0, b2).
A condição |x| = a caracteriza os planos paralelos ao yz-plano de equações x = a e
x = −a.
A condição |y| = a caracteriza os planos paralelos ao xz-plano de equações y = a e
y = −a.
A condição z = 0 define o xy-plano.
Uma maior secção plana D desta região do espaço R é o quadrado no xy-plano de
vértices (a, a), (−a, a), (a, −a) e (−a, −a), isto é,
D =
©
(x, y) ∈ R2
: −a ≤ x ≤ a ∧ −a ≤ y ≤ a
ª
1.5. CÁLCULO DE VOLUMES 27
R =
©
(x, y, z) ∈ R3
: (x, y) ∈ D ∧ 0 ≤ z ≤ b2
− x2
− y2
ª
.
O volume pedido pode ser calculado por:
V =
ZZ
D
¡
b2
− x2
− y2
¢
dxdy
=
Z a
−a
µZ a
−a
¡
b2
− x2
− y2
¢
dy
¶
dx =
Z a
−a
b2
y − x2
y −
y3
3
¯
¯y=a
y=−a dx
=
Z a
−a
2b2
a − 2ax2
− 2
a3
3
dx = 2b2
ax − 2a
x3
3
− 2
a3
3
x
¯
¯x=a
x=−a
= 4b2
a2
− 8
a4
3
.
Exemplo 2. Calcule o volume da região do espaço situada no 1o octante limitado
pelas superfícies x = 1, z = x + y e x =
√
4 − y.
As superfícies x = 1 e z = x + y são planos.
A superfície x =
√
4 − y é um cilindro parabólico que se desenvolve ao longo do z-eixo
dado que temos a equivalência
x =
p
4 − y ⇔ x2
= 4 − y ∧ x ≥ 0.
Uma maior secção plana D desta região do espaço R é, no xy-plano,isto é, temos
D =
©
(x, y) ∈ R2
| 0 ≤ x ≤ 1 ∧ 0 ≤ y ≤ 4 − x2
ª
R =
©
(x, y, z) ∈ R3
| (x, y) ∈ D ∧ 0 ≤ z ≤ x + y
ª
.
O volume pedido pode ser calculado por:
V =
ZZ
D
(x + y)dxdy ==
Z 1
0
ÃZ 4−x2
0
(x + y) dy
!
dx
=
Z 1
0
∙
xy +
y2
2
¸y=4−x2
y=0
dx =
Z 1
0
x
¡
4 − x2
¢
+
¡
4 − x2
¢2
2
dx
=
Z 1
0
4x − x3
+
16 + x4 − 8x2
2
dx
=
1
2
Z 1
0
¡
8x − 2x3
+ 16 + x4
− 8x2
¢
dx
=
1
2
∙
4x2
−
x4
2
+ 16x +
x5
5
− 8
x3
3
¸x=1
x=0
dx
=
1
2
∙
4 −
1
2
+ 16 +
1
5
−
8
3
¸
.
28 Integrais Duplos
Exemplo 3. Calcule o volume da região do espaço limitada pelas superfícies
x2
a2
+
y2
b2
=
1, z + y = 2a e z = 0 (0 < b < 2a).
A superfície
x2
a2
+
y2
b2
= 1 corresponde a um cilindro elíptico que se desenvolve ao longo
do z-eixo.
A superfície z + y = 2a é um plano paralelo ao x-eixo.
A superfície z = 0 é o xy-plano.
Uma maior secção plana D desta região do espaço R é a elipse no xy-plano de equação
x2
a2
+
y2
b2
= 1. Temos
D =
½
(x, y) ∈ R2
|
x2
a2
+
y2
b2
= 1
¾
R =
©
(x, y, z) ∈ R3
| (x, y) ∈ D ∧ 0 ≤ z ≤ 2a − y
ª
.
O volume pedido pode ser calculado por:
V =
ZZ
D
(2a − y)dxdy
e, aplicando a mudança de variáveis
⎧
⎨
⎩
x
a
= X
y
b
= Y
a que corresponde o jacobiano
¯
¯
¯
¯
∂ (x, y)
∂(X, Y )
¯
¯
¯
¯ =
ab, temos
V =
ZZ
D0
(2a − bY )ab dXdY.
Aplicando coordenadas polares, temos
V =
Z 2π
0
µZ 1
0
(2a − br sin θ) abr dr
¶
dθ = ab
Z 2π
0
∙
2a
r2
2
− b
r3
3
sin θ
¸r=1
r=0
dθ
= ab
Z 2π
0
µ
a − b
1
3
sin θ
¶
dθ = ab
∙
aθ + b
1
3
cos θ
¸θ=2π
θ=0
= ab
µ
a2π + b
1
3
− b
1
3
¶
= 2πa2
b.
Exemplo 4. Calcule o volume da região do espaço limitada pelas superfícies z =
x2 + y2, y = x2, xy = 1, x = 2, y = 0 e z = 0.
A superfície z = x2 + y2 corresponde a um parabolóide que se desenvolve ao longo do
z-eixo de vértice (0, 0, 0) com todos os pontos de cota positiva.
1.5. CÁLCULO DE VOLUMES 29
A superfície y = x2 é um cilindro parabólico que se desenvolve ao longo do z-eixo.
A superfície xy = 1 corresponde a um cilindro hiperbólico que se desenvolve ao longo
do z-eixo.
A superfície x = 2 é um plano paralelo ao yz-plano.
As superfícies y = 0 e z = 0 são, respectivamente, o xz-plano e o xy-plano.
Uma maior secção plana D desta região do espaço R é, no xy-plano, isto é, temos
D =
©
(x, y) ∈ R2
| 0 ≤ x ≤ 1 ∧ 0 ≤ y ≤ x2
ª
∪
½
(x, y) ∈ R2
| 1 ≤ x ≤ 2 ∧ 0 ≤ y ≤
1
x
¾
R =
©
(x, y, z) ∈ R3
| (x, y) ∈ D ∧ 0 ≤ z ≤ x2
+ y2
ª
.
O volume pedido pode ser calculado por:
V =
ZZ
D
(x2
+ y2
)dxdy
=
Z 1
0
ÃZ x2
0
(x2
+ y2
)dy
!
dx +
Z 2
1
ÃZ 1
x
0
(x2
+ y2
)dy
!
dx
=
Z 1
0
∙
x2
y +
y3
3
¸y=x2
y=0
dx +
Z 2
1
∙
x2
y +
y3
3
¸y= 1
x
y=0
dx
=
Z 1
0
µ
x4
+
x6
3
¶
dx +
Z 2
1
µ
x +
1
3x3
¶
dx =
=
∙
x5
5
+
x7
21
¸x=1
x=0
+
∙
x2
2
−
1
6x2
¸x=2
x=1
=
1573
840
.
Exemplo 5. Calcule o volume limitado pelas superfícies x2 + y2 = 4, x + y + z = 2 e
z = 0.
A superfície x2 + y2 = 4 corresponde a um cilindro circular que se desenvolve ao longo
do z-eixo.
A superfície x + y + z = 2 é um plano que intersecta os eixos coordenados em x = 2,
y = 2 e z = 2.
A superfície z = 0 é o xy-plano.
O volume pedido pode ser calculado por
V =
ZZ
D
(2 − x − y)dxdy.
30 Integrais Duplos
Pode aplicar-se coordenadas polares a uma parte do domínio D:
V =
Z 2π
π
2
µZ 2
0
(2 − r cos θ − r sin θ)r dr
¶
dθ +
Z 2
0
µZ 2−x
0
(2 − x − y)dy
¶
dx
=
Z 2π
π
2
∙
r2
−
r3
3
cos θ −
r3
3
sin θ
¸r=2
r=0
dθ +
Z 2
0
∙
2y − xy −
y2
2
¸y=2−x
y=0
dx
=
Z 2π
π
2
(4 −
8
3
cos θ −
8
3
sin θ)dθ +
Z 2
0
(4 − 2x − 2x + x2
−
4 − 4x + x2
2
)dx
=
Z 2π
π
2
(4 −
8
3
cos θ −
8
3
sin θ)dθ +
Z 2
0
(4 − 6x +
3
2
x2
)dx
=
∙
4θ −
8
3
sin θ +
8
3
cos θ
¸θ=2π
θ=π
2
+
∙
4x − 3x2
+
1
2
x3
¸x=2
x=0
= 8π +
8
3
− 2π +
8
3
+ 8 − 12 + 4 = 6π +
16
3
.
1.6 Cálculo de volumes - Exercícios Propostos
1. Calcule o volume limitado pelas superfícies x2 + y2 + z − 8 = 0 e x2 + 3y2 − z = 0.
2. Calcule o volume limitado pelas superfícies x2 + y = 4, x2 − y + 2 = 0, z = 2 e
z = −1.
3. Calcule o volume limitado pelas superfícies x2 +y2 −1 = 0, y = −1 e x2 −y2 +z2 = 0.
4. Calcule o volume da região do espaço definida pelas condições x2 + y2 + z2 ≤ 4 e
z ≤
p
3x2 + 3y2.
5. Utilizando os integrais duplos calcule os volumes dos sólidos limitados pelas seguintes
superfícies
(a)
½
x2 = 4y
2y − x − 4 = 0
(b)
⎧
⎨
⎩
x2 + y2 = 1
z = 0
x + z = 1
1.6. CÁLCULO DE VOLUMES - EXERCÍCIOS PROPOSTOS 31
(c)
⎧
⎨
⎩
z = 1 − y2
2x + 3y + z + 10 = 0
x2 + y2 = z
(d)
½
z = 4 − x2 − y2
z = 2 + y2
(e)
½
z = 2 − x2 − y2
z = x2 + y2
(f)
⎧
⎨
⎩
x = 4
y = 4
z = x2 + y2 + 1
(g)
½
x + y = 1
z = x2 + y2
(h)
⎧
⎪⎪⎨
⎪⎪⎩
y2 = x
y2 = 4x
z = 0
x + z = 6
(i)
⎧
⎪⎨
⎪⎩
z = 0
2y2 = x
x
4
+
y
2
+
z
4
= 1
(j)
⎧
⎪⎪⎨
⎪⎪⎩
z = 1
z = 12 − 3x − 4y
x2
4
+ y2 = 1
(k)
⎧
⎨
⎩
x = 3
z = 0
z = x2 − y2
(l)
⎧
⎪⎪⎨
⎪⎪⎩
z = 0
y = 1
y = x2
z = x2 + y2
(m)
⎧
⎨
⎩
z = 0
z = x + y + 10
x2 + y2 = 4
(n)
⎧
⎨
⎩
2x − z = 0
4x − z = 0
x2 + y2 = 2x
6. Encontra o volume do sólido limitado superiormente pela superfície de equação z =
x + y e limitado inferiormente do triângulo de vertices (0, 0, 0) , (0, 1, 0) , (1, 0, 0) .
32 Integrais Duplos
7. Calcule o volume do sólido limitado superiormente pelo plano z = y+b, inferiormente
pelo plano xy e lateral pelo cilindro circular x2 + y2 = b2, sendo b um número real.
8. Encontra o volume do elipsóido de equação
x2
4
+
y2
4
+
z2
3
= 1.
9. Encontra o volume do sólido limitado superiormente pelo plano z = 2x e limitado
inferiormente pelo círculo (x − 1)2
+ y2 ≤ 1.
10. Encontra o volume do sólido limitado superiormente pelo parabolóide z = x2 + y2 e
limitado inferiormente pela região D que está dentro da curva x2 + y2 = 2ax.
11. Encontra o volume do sólido situado dentro da esfera x2 + y2 + z2 = 16 e fora do
cilindro x2 + y2 = 4.
12. Calcule o volume do sólido limitado pelo parabolóido z = 10−3x2 −3y2 e pelo plano
z = 4.
13. Calcule o volume do sólido limitado pelos parabolóidos z = 3x2+3y2 e z = 4−x2−y2.
14. Calcule o volume do sólido situado no interior do cilindro x2 + y2 = 4 e do elipsóido
4x2 + 4y2 + z2 = 64.
Capítulo 2
Integrais de Linha
2.1 Exercícios propostos
1. Calcule o valor do integral de linha
Z
C
−
y
x2 + y2
dx +
x
x2 + y2
dy
ao longo da curva plana C definida pela equação x2 +y2 = a2 e percorrida no sentido
positivo.
2. Verifique que é igual a zero o valor do integral curvilíneo do campo de vectores
−→
F (x, y) = x−→e1 + xy−→e2
ao longo de qualquer circunferência de centro (0, 0), mas que
−→
F não é um campo
gradiente ou conservativo (ou com potencial).
3. Calcule o valor do integral de linha
Z
C
xzdx + xdy − yzdz
sendo C a curva no espaço constituída pela porção de circunferência de centro
O (0, 0, 0) que une o ponto A (0, 0, 1) ao ponto B (1, 0, 0) seguido de um segmento de
recta que une B (1, 0, 0) ao ponto D (0, 1, 0) e de outro segmento de recta que une
D (0, 1, 0) ao ponto E (0, 1, 1) .
33
34 CAPÍTULO 2. INTEGRAIS DE LINHA
4. Dada a curva no espaço definida parametricamente por
−→r ≡
⎧
⎨
⎩
x = x
y = x2
z = 0
compreendida entre os pontos A (−1, 1, 0) e B (2, 4, 0) , e sendo f(x, y, z) = xyz +
x2 − y3, mostre que Z
C
f(x, y, z)dx = −
108
7
.
5. Sendo C o arco de circunferência x2 + y2 = 1 compreendido entre A (0, 1, 0) e
B(1, 0, 0), verifique a igualdade
Z
C
¡
x2
y
¢
dy = −
1
4
.
6. Mostre que 4ab2/3 é o valor do integral de linha
Z
C
y2
dx + x2
dy
sendo C a porção da elipse entre os vértices (a, 0) e (−a, 0) passando pelo vértice
(0, b) , com orientação positiva (a, b > 0).
7. Mostre que πa4/2 é o valor do trabalho do campo de vectores
−→
F (x, y) =
¡
−x2
y, xy2
¢
ao longo da circunferência x2 + y2 = a2, percorrida no sentido positivo.
8. Utilize os processos indicados em cada uma das alíneas para calcular o trabalho de
campo de vectores
−→
F (x, y) =
³
2
¡
x2
+ y2
¢
, (x + y)2
´
ao longo da curva plana C sendo esta o contorno do triângulo de vértices A(1, 1),
B(2, 2) e C(1, 3) percorrido no sentido positivo.
(a) directamente pelas parametrizações;
(b) usando o teorema de Green.
2.1. EXERCÍCIOS PROPOSTOS 35
9. Determine, usando integrais de linha, a área do círculo.
10. Prove, utilizando integrais de linha, que πab é a área delimitada pela elipse de
equação
x2
a2
+
y2
b2
= 1.
11. Utilize o teorema de Green para mostrar que o trabalho realizado pelo campo de
vectores
−→
F (x, y) = (y + 3x) −→e1 + (2y − x) −→e2,
quando o ponto de aplicação da força dá uma volta no sentido positivo em torno da
elipse de equação 4x2 + y2 = 4, é de −4π.
12. Calcule o valor do integral de linha
I
C
(2x − y + 4) dx + (5x + 3y − 6) dy
sendo C cada uma das seguintes curvas planas:
(a) o contorno do triângulo de vértices O(0, 0), A(3, 0) e B(3, 2);
(b) a circunferência de centro (0, 0) e raio 4.
13. Mostre que é 3πa2/8 o valor da área da hipocicloide de equação x
2
3 + y
2
3 = a
2
3 cuja
parametrização é
−→r ≡
⎧
⎨
⎩
x = a cos3 θ
y = a sin3
θ
, para 0 ≤ θ < 2π.
14. Verifique que o campo de vectores
−→
F (x, y) = (y + 2x exp y) −→e1 +
¡
x − 2y + x2
exp y
¢ −→e2
é conservativo ou gradiente (ou com potencial) e determine a respectiva função po-
tencial associada. Calcule ainda o valor do trabalho do campo de vectores
−→
F no
deslocamento de uma partícula entre os pontos (1, 1) e (2, 4) da parábola de equação
y = x2.
36 CAPÍTULO 2. INTEGRAIS DE LINHA
15. Considere o integral de linha
Z
C
x2
ydx +
x3
3
dy.
(a) Calcule o valor do integral de linha sendo C a curva plana definida por y = x2
com 0 ≤ x ≤ 1;
(b) Prove que existe uma função f(x, y) tal que
df = x2
ydx +
x3
3
dy;
(c) Determine a função f tal que
−−−→
gradf =
µ
x2
y,
x3
3
¶
;
(d) Calcule o valor do integral de linha anterior usando a alínea b.
16. Calcule o valor do integral de linha
Z
C
¡
2xy − y4
+ 3
¢
dx +
¡
x2
− 4xy3
¢
dy
ao longo da curva plana C definida parametricamente por
−→r (θ) = (sin θ, arcsin θ)
entre A(1, 0) e B(0, 1).
17. Calcule o comprimento da curva plana definida por x2 + y2 = a2.
18. Mostre que πa (2b + a) é o valor do integral de linha
Z
C
zdx + xdy + ydz
ao longo da espira de hélice de equações paramétricas x(t) = a cos t, y(t) = a sin t,
z(t) = bt, para t ∈ [0, 2π] .
19. Mostre que Z (P2)
(P1)
(z + y) dx + (x + z) dy + (x + y) dz = 280
ao longo da curva C no espaço parametrizada por −→r (t) =
¡
t2, t3, t − 2
¢
sabendo que
P1 (1, 1, −1) e P2 (9, 27, 1) .
2.2. INTEGRAIS DE LINHA - PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO 37
20. Mostre a igualdade I
ABCA
xdx + zdy + ydz = 0
sendo A (1, 0, 0) , B(0, 1, 0) e C(0, 0, 1).
21. Use a fórmula
R (P1)
(P0) f(x, y, z)d−→r =
R t1
t0
f (x(t), y(t), z(t)) · k(x0(t), y0(t), z0(t))k dt
para provar que
(a) com −→r (t) =
¡
t, t2, t3
¢
, P0(1, 1, 1), P1(2, 4, 8), e f(x, y, z) = xyz2 se tem
Z (P1)
(P0)
f(x, y, z)d−→r =
Z 2
1
t9
p
1 + 4t2 + 9t4dt;
(b) com −→r (θ) = (4 cos θ, 4 sin θ, 2θ) , P0(4, 0, 0), P1(4, 0, 4π), e f(x, y, z) = z2 se tem
Z (P1)
(P0)
f(x, y, z)d−→r =
64
√
5
3
π3
.
22. Calcule o trabalho do campo de vectores
−→
F (x, y, z) = (xy2
, 1, z)
ao longo da curva C no espaço definida por
(a) y = 2 ∧ z = −2t + 5 entre os pontos (1, 2, 3) e (2, 2, 1);
(b)
x2
16
+
y2
9
= 1 ∧ x ≤ 0 ∧ z = 0.
2.2 Integrais de linha - Propostas de resolução
Exercise 1 Mostre que πa4/2 é o valor do trabalho do campo de vectores
−→
F (x, y) =
¡
−x2
y, xy2
¢
ao longo da circunferência x2 + y2 = a2, percorrida no sentido positivo.
38 CAPÍTULO 2. INTEGRAIS DE LINHA
O trabalho pedido pode ser calculado por
W =
I
C
−→
F |d−→r =
I
C
¡
−x2
y, xy2
¢
|d−→r
=
Z 2π
0
¡
−a2
cos2
θa sin θ, a cos θa2
sin2
θ
¢
|(−a sin θ, a cos θ) dθ
considerando a curva C parametrizada por
−→r (θ) ≡
½
x(θ) = a cos θ
y(θ) = a sin θ
para θ ∈ [0, 2π[.
Notemos que a expressão geral do vector tangente é
d−→r
dθ
= (−a sin θ, a cos θ). Temos então
W =
Z 2π
0
¡
a4
cos2
θ sin2
θ + a4
cos2
θ sin2
θ
¢
dθ = 2a4
Z 2π
0
cos2
θ sin2
θ dθ
= 2a4
Z 2π
0
1 + cos(2θ)
2
.
1 − cos(2θ)
2
dθ =
2a4
4
Z 2π
0
(1 − cos2
(2θ))dθ
=
a4
2
Z 2π
0
(1 −
1 + cos(4θ)
2
)dθ =
a4
2
∙
θ −
θ
2
+
sin(4θ)
8
¸θ=2π
θ=0
=
a4π
2
.
Exercise 2 Calcule o trabalho do campo de vectores
−→
F (x, y) =
³
2
¡
x2
+ y2
¢
, (x + y)2
´
ao longo da curva plana C sendo esta o contorno do triângulo de vértices A(1, 1), B(2, 2)
e C(1, 3) percorrido no sentido positivo.
A curva C é seccionalmente regular (represente a curva) sendo união de três arcos
regulares C1, C2 e C3 que são, respectivamente, os segmentos de recta [AB], [BC] e [CA].
O trabalho pedido pode ser calculado por
W =
I
C
−→
F |d−→r =
I
C1
−→
F |d−→r +
I
C2
−→
F |d−→r +
I
C3
−→
F |d−→r .
Uma parametrização do arco C1, contido na recta y = x, é
−→r (t) ≡
½
x(t) = t
y(t) = t
para t ∈ [1, 2]
a que corresponde a expressão geral do vector tangente
d−→r
dt
= (1, 1). Uma parametrização
do arco C2, contido na recta y = −x + 4, é
−→r (t) ≡
½
x(t) = 4 − t
y(t) = t
para t ∈ [2, 3].
2.2. INTEGRAIS DE LINHA - PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO 39
a que corresponde a expressão geral do vector tangente
d−→r
dt
= (−1, 1). Uma parametriza-
ção do arco C3, contido na recta x = 1, é
−→r (t) ≡
½
x(t) = 1
y(t) = −t
para t ∈ [−3, −2]
a que corresponde a expressão geral do vector tangente
d−→r
dt
= (0, −1). Temos então
W =
I
C1
(2
¡
x2
+ y2
¢
, (x + y)2
) |d−→r +
I
C2
(2
¡
x2
+ y2
¢
, (x + y)2
) |d−→r
+
I
C3
(2
¡
x2
+ y2
¢
, (x + y)2
) |d−→r
=
Z 2
1
(4t2
, 4t2
) |(1, 1) +
Z 3
2
(2((4 − t)2
+ t2
), 16) |(−1, 1)
+
Z −2
−3
(2(1 + t2
), (1 − t)2
) |(0, −1)
=
Z 2
1
8t2
dt +
Z 3
2
(−16 + 16t − t2
)dt +
Z −2
−3
(−1 + 2t − t2
)dt
= 8
∙
t3
3
¸2
1
+
∙
−16t + 8t2
−
t3
3
¸3
2
+
∙
−t + t2
−
t3
3
¸−2
−3
= −
4
3
.
Exercise 3 Calcule o trabalho do campo de vectores
−→
F (x, y, z) = (xy2
, 1, z)
ao longo da curva C no espaço definida por (a) y = 2 ∧ z = −2t + 5 entre os pontos
(1, 2, 3) e (2, 2, 1); (b)
x2
16
+
y2
9
= 1 ∧ x ≤ 0 ∧ z = 0.
(a) O trabalho pedido pode ser calculado por
W =
I
C
−→
F |d−→r =
I
C
(xy2
, 1, z) |d−→r
Uma parametrização de C é
−→r (t) ≡
⎧
⎨
⎩
x(t) = t
y(t) = 2
z(t) = −2t + 5
para t ∈ [1, 2]
a que corresponde a expressão geral do vector tangente
d−→r
dt
= (1, 0, −2). Temos então
W =
I
C
(xy2
, 1, z) |d−→r =
Z 2
1
(4t, 1, −2t + 5) |(1, 0, −2) =
Z 2
1
(4t + 4t − 10)dt
=
£
4t2
− 10t
¤2
1
= 16 − 20 − 4 + 10 = 2.
2.2. INTEGRAIS DE LINHA - PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO 41
Exercise 5 Calcule o valor do integral de linha
Z
C
xzdx + xdy − yzdz
sendo C a curva no espaço constituída pela porção de circunferência de centro O (0, 0, 0)
que une o ponto A (0, 0, 1) ao ponto B (1, 0, 0) , seguido de um segmento de recta que une
B (1, 0, 0) ao ponto D (0, 1, 0) e de outro segmento de recta que une D (0, 1, 0) ao ponto
E (0, 1, 1) .
A curva C é seccionalmente regular (represente a curva) sendo união de três arcos
regulares C1, C2 e C3 que são, respectivamente, os arcos [AB], [BD] e [DE]. O trabalho
pedido pode ser calculado por
W =
I
C
−→
F |d−→r =
I
C1
−→
F |d−→r +
I
C2
−→
F |d−→r +
I
C3
−→
F |d−→r .
Uma parametrização do arco C1, contido na circunferência de equação x2 + y2 = 1, é
−→r (θ) ≡
⎧
⎨
⎩
x(θ) = sin θ
y(θ) = 0
z(θ) = cos θ
para θ ∈ [0,
π
2
]
a que corresponde a expressão geral do vector tangente
d−→r
dθ
= (cos θ, 0, − sin θ). Uma
parametrização do arco C2, contido na recta y = −x + 1 ∧ z = 0, é
−→r (t) ≡
⎧
⎨
⎩
x(t) = 1 − t
y(t) = t
z(t) = 0
para t ∈ [0, 1].
a que corresponde a expressão geral do vector tangente
d−→r
dt
= (−1, 1, 0). Uma parame-
trização do arco C3, contido na resta x = 0 ∧ y = 1, é
−→r (t) ≡
⎧
⎨
⎩
x(t) = 0
y(t) = 1
z(t) = t
para t ∈ [0, 1]
42 CAPÍTULO 2. INTEGRAIS DE LINHA
a que corresponde a expressão geral do vector tangente
d−→r
dt
= (0, 0, 1). Temos então
W =
I
C1
(xz, x, −yz) |d−→r +
I
C2
(xz, x, −yz) |d−→r +
I
C3
(xz, x, −yz) |d−→r
=
Z π
2
0
(sin θ cos θ, sin θ, 0) |(cos θ, 0, − sin θ) dθ
+
Z 1
0
(0, 1 − t, 0) |(−1, 1, 0) dt +
Z 1
0
(0, 0, −t) |(0, 0, 1) dt
=
Z π
2
0
sin θ cos2
θdθ +
Z 1
0
(1 − t)dt +
Z 1
0
−t dt
=
∙
−
cos3 θ
3
¸π
2
0
+
∙
t −
t2
2
¸1
0
−
∙
t2
2
¸1
0
=
1
3
.
Exercise 6 Mostre que πa (2b + a) é o valor do integral de linha
Z
C
zdx + xdy + ydz
ao longo da espira de hélice de equações paramétricas x(t) = a cos t, y(t) = a sin t, z(t) =
bt, para t ∈ [0, 2π] .
Uma parametrização de C é
−→r (t) ≡
⎧
⎨
⎩
x(t) = a cos t
y(t) = a sin t
z(t) = bt
para t ∈ [0, 2π]
a que corresponde a expressão geral do vector tangente
d−→r
dt
= (−a sin t, a cos t, b). Temos
então
Z
C
zdx + xdy + ydz =
Z 2π
0
bt (−a sin t) dt + a cos t (a cos t) dt + a sin t · bdt
=
Z 2π
0
−abt sin tdt + a2
cos2
tdt + ab sin tdt
= [abt cos t]2π
0 − ab
Z 2π
0
cos tdt + a2
Z 2π
0
1 + cos (2t)
2
dt
+ab
Z 2π
0
sin tdt
= [abt cos t]2π
0 − ab [sin t]2π
0 + a2
∙
t
2
+
1
4
sin(2t)
¸2π
0
+ab [− cos t]2π
0 = aπ (2b + a) .
2.2. INTEGRAIS DE LINHA - PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO 43
Exercise 7 Verifique que
−→
F (x, y) = (y + 2x exp y) −→e1 +
¡
x − 2y + x2
exp y
¢ −→e2
é um campo conservativo ou gradiente (ou com potencial) e determine a respectiva função
potencial associada. Calcule ainda o valor do trabalho do campo de vectores
−→
F no deslo-
camento de uma partícula entre os pontos (1, 1) e (2, 4) da parábola de equação y = x2.
Trata-se de verificar se existe uma função f(x, y) tal que
∂f
dx
dx +
∂f
dy
dy = (y + 2x exp y) dx +
¡
x − 2y + x2
exp y
¢
dy.
Para que tal aconteça, a função terá de verificar o teorema de Schwarz, ou seja, terá de se
verificar
∂ (y + 2x exp y)
∂y
=
∂
¡
x − 2y + x2 exp y
¢
∂x
.
De facto ambas as derivadas têm por expressão 1 + 2x exp y. Podemos assim concluir que
o campo de vectores
−→
F é um campo conservativo. Quanto à determinação da função
potencial f atenda-se a que ela verifica as igualdades
∂f
dx
= y + 2x exp y
∂f
dy
= x − 2y + x2
exp y.
Como tal,
f(x, y) =
Z
(y + 2x exp y) dx = yx + x2
exp y + C(y).
Dada a igualdade
∂f
dy
= x − 2y + x2 exp y, sabemos ainda que
∂
¡
yx + x2 exp y + C(y)
¢
dy
= x − 2y + x2
exp y
⇔ x + x2
exp y + C0
(y) = x − 2y + x2
exp y
⇒ C0
(y) = 2y ⇒ C(y) = y2
+ C
Podemos então concluir que
f(x, y) = yx + x2
exp y + y2
.
44 CAPÍTULO 2. INTEGRAIS DE LINHA
O trabalho pedido pode ser calculado por
W =
I
C
−→
F |d−→r =
I
C
(y + 2x exp y, x − 2y + x2
exp y) |(dx, dy)
=
I
C
(y + 2x exp y) dx +
¡
x − 2y + x2
exp y
¢
dy
=
I
C
df = [f(x, y)]
(2,4)
(1,1) = f(2, 4) − f(1, 1)
= 6 + 4e4
+ 16 − (1 + e + 1) = 20 + 4e4
− e.
2.3 Com o Teorema de Green - Exercícios propostos
Exercise 8 Utilize o teorema de Green para calcular o trabalho de campo de vectores
−→
F (x, y) = (2
¡
x2
+ y2
¢
, (x + y)2
)
ao longo da curva plana C sendo esta o contorno do triângulo de vértices A(1, 1), B(2, 2)
e C(1, 3), percorrido no sentido positivo.
Exercise 9 Calcule o valor do integral de linha
I
C
¡
1 + 10xy + y2
¢
dx +
¡
6xy + 5x2
¢
dy
ao longo do contorno de um quadrado de lado a orientado positivamente.
Exercise 10 Calcule o valor do integral de linha
I
C
¡
2xy3
− y2
cos x
¢
dx +
¡
1 − 2y sin x + 3x2
y2
¢
dy
ao longo do contorno do paralelogramo de vértices (0, 0), (3, 0), (5, 2) e (2, 2).
Exercise 11 Use o teorema de Green para calcular a área da elipse de equação
x2
a2
+
y2
b2
= 1.
Exercise 12 Utilize o teorema de Green para calcular o trabalho de campo de vectores
−→
F (x, y) = (y + 3x)−→e1 + (2y − x)−→e2
quando o ponto de aplicação da força dá uma volta no sentido positivo em torno da elipse
C de equação 4x2 + y2 = 4.
2.3. COM O TEOREMA DE GREEN - EXERCÍCIOS PROPOSTOS 45
2.3.1 Propostas de resolução
Exercise 13 Utilize o teorema de Green para calcular o trabalho de campo de vectores
−→
F (x, y) = (2
¡
x2
+ y2
¢
, (x + y)2
)
ao longo da curva plana C sendo esta o contorno do triângulo de vértices A(1, 1), B(2, 2)
e C(1, 3) percorrido no sentido positivo.
O trabalho pedido pode ser calculado por
W =
I
C
−→
F |d−→r =
I
C
(2
¡
x2
+ y2
¢
, (x + y)2
) |(dx, dy)
=
I
C
2
¡
x2
+ y2
¢
dx + (x + y)2
dy
T.Green
=
ZZ
D
Ã
∂ (x + y)2
∂x
−
∂2
¡
x2 + y2
¢
∂y
!
dxdy
=
ZZ
D
(2(x + y) − 4y) dxdy =
ZZ
D
(2x − 2y) dxdy
sendo D o triângulo de vértices A(1, 1), B(2, 2) e C(1, 3) (faça o esboço da curva) e dado
que C é uma curva fechada seccionalmente regular com orientação positiva. Temos então
W = 2
ZZ
D
(x − y) dxdy = 2
Z 2
1
µZ 4−x
x
(x − y) dy
¶
dx
= 2
Z 2
1
∙
xy −
y2
2
¸y=4−x
y=x
dx = 2
Z 2
1
Ã
x (4 − x) −
(4 − x)2
2
− x2
+
x2
2
!
dx
= 2
Z 2
1
¡
8x − 2x2
− 8
¢
dx = 4
∙
2x2
−
x3
3
− 4x
¸2
1
= −
4
3
.
Exercise 14 Calcule o valor do integral de linha
I
C
¡
1 + 10xy + y2
¢
dx +
¡
6xy + 5x2
¢
dy
ao longo do contorno de um quadrado de lado a orientado positivamente.
Consideremos o contorno do quadrado de vértices (0, 0), (a, 0), (a, a) e (0, a). Trata-se
de uma curva fechada seccionalmente regular orientada positivamente. Pelo teorema de
46 CAPÍTULO 2. INTEGRAIS DE LINHA
Green, temos
I
C
¡
1 + 10xy + y2
¢
dx +
¡
6xy + 5x2
¢
dy
=
ZZ
D
Ã
∂
¡
6xy + 5x2
¢
∂x
−
∂
¡
1 + 10xy + y2
¢
∂y
!
dxdy
=
ZZ
D
(6y + 10x − 10x − 2y) dxdy =
ZZ
D
4y dxdy
sendo D o quadrado de vértices (0, 0), (a, 0), (a, a) e (0, a). Temos então
I
C
¡
1 + 10xy + y2
¢
dx +
¡
6xy + 5x2
¢
dy
=
Z a
0
µZ a
0
4y dy
¶
dx = 4
Z a
0
∙
y2
2
¸y=a
y=0
dx = 4
Z a
0
a2
2
dx = 4
a2
2
[x]a
0 = 2a3
.
Exercise 15 Calcule o valor do integral de linha
I
C
¡
2xy3
− y2
cos x
¢
dx +
¡
1 − 2y sin x + 3x2
y2
¢
dy
ao longo do contorno do paralelogramo de vértices (0, 0), (3, 0), (5, 2) e (2, 2).
Trata-se de uma curva fechada seccionalmente regular com orientação positiva. Pelo
teorema de Green, temos
I
C
¡
2xy3
− y2
cos x
¢
dx +
¡
1 − 2y sin x + 3x2
y2
¢
dy
=
ZZ
D
Ã
∂
¡
1 − 2y sin x + 3x2y2
¢
∂x
−
∂
¡
2xy3 − y2 cos x
¢
∂y
!
dxdy
=
ZZ
D
¡
−2y cos x + 6xy2
− 6xy2
+ 2y cos x
¢
dxdy =
ZZ
D
0 dxdy = 0
sendo D o paralelogramo de vértices (0, 0), (3, 0), (5, 2) e (2, 2).
Exercise 16 Use o teorema de Green para calcular a área da elipse de equação
x2
a2
+
y2
b2
= 1.
Considerando a elipse com orientação positiva, podemos aplicar a fórmula
área =
1
2
I
C
xdy − ydx
2.3. COM O TEOREMA DE GREEN - EXERCÍCIOS PROPOSTOS 47
obtida por aplicação do teorema de Green. Temos então
área =
1
2
I
C
xdy − ydx =
1
2
Z 2π
0
a cos t(b cos t)dt − b sin t(−a sin t)dt
=
1
2
Z 2π
0
ab dt =
1
2
ab [t]2π
0 = πab
considerando a elipse parametrizada por
−→r (t) ≡
½
x(t) = a cos t
y(t) = b sin t
para t ∈ [0, 2π].
Exercise 17 Utilize o teorema de Green para calcular o trabalho de campo de vectores
−→
F (x, y) = (y + 3x)−→e1 + (2y − x)−→e2
quando o ponto de aplicação da força dá uma volta no sentido positivo em torno da elipse
C de equação 4x2 + y2 = 4.
O trabalho pedido pode ser calculado por
W =
I
C
−→
F |d−→r =
I
C
(y + 3x, 2y − x) |(dx, dy)
=
I
C
(y + 3x) dx + (2y − x) dy
T.Green
=
ZZ
D
µ
∂ (2y − x)
∂x
−
∂ (y + 3x)
∂y
¶
dxdy
=
ZZ
D
(−1 − 1) dxdy = −2
ZZ
D
dxdy
sendo D a elipse de equação 4x2 + y2 = 4 unida com o seu interior e atendendo a que
esta é uma curva fechada regular. Atendendo à fórmula conhecida para a área da elipse,
e dado que nesta o semi-eixo maior mede 4 e o semi-eixo menor mede 2, temos
W = −2
ZZ
D
dxdy = −2 · área de D = −2 · π · 2 · 1 = −4π.
2.3. COM O TEOREMA DE GREEN - EXERCÍCIOS PROPOSTOS 47
obtida por aplicação do teorema de Green. Temos então
área =
1
2
I
C
xdy − ydx =
1
2
Z 2π
0
a cos t(b cos t)dt − b sin t(−a sin t)dt
=
1
2
Z 2π
0
ab dt =
1
2
ab [t]2π
0 = πab
considerando a elipse parametrizada por
−→r (t) ≡
½
x(t) = a cos t
y(t) = b sin t
para t ∈ [0, 2π].
Exercise 17 Utilize o teorema de Green para calcular o trabalho de campo de vectores
−→
F (x, y) = (y + 3x)−→e1 + (2y − x)−→e2
quando o ponto de aplicação da força dá uma volta no sentido positivo em torno da elipse
C de equação 4x2 + y2 = 4.
O trabalho pedido pode ser calculado por
W =
I
C
−→
F |d−→r =
I
C
(y + 3x, 2y − x) |(dx, dy)
=
I
C
(y + 3x) dx + (2y − x) dy
T.Green
=
ZZ
D
µ
∂ (2y − x)
∂x
−
∂ (y + 3x)
∂y
¶
dxdy
=
ZZ
D
(−1 − 1) dxdy = −2
ZZ
D
dxdy
sendo D a elipse de equação 4x2 + y2 = 4 unida com o seu interior e atendendo a que
esta é uma curva fechada regular. Atendendo à fórmula conhecida para a área da elipse,
e dado que nesta o semi-eixo maior mede 4 e o semi-eixo menor mede 2, temos
W = −2
ZZ
D
dxdy = −2 · área de D = −2 · π · 2 · 1 = −4π.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Integral Indefinida E Definida
Integral Indefinida E DefinidaIntegral Indefinida E Definida
Integral Indefinida E Definida
educacao f
 
Gráfico (seno e cosseno)
Gráfico (seno e cosseno)Gráfico (seno e cosseno)
Gráfico (seno e cosseno)
neliosnahum
 
22 exercícios - inequação produto e quociente (1)
22   exercícios - inequação produto e quociente (1)22   exercícios - inequação produto e quociente (1)
22 exercícios - inequação produto e quociente (1)
Kualo Kala
 

Mais procurados (20)

Exercícios Resolvidos: Taxa relacionada
Exercícios Resolvidos: Taxa relacionadaExercícios Resolvidos: Taxa relacionada
Exercícios Resolvidos: Taxa relacionada
 
Problemas resolvidos e propostos
Problemas resolvidos e propostosProblemas resolvidos e propostos
Problemas resolvidos e propostos
 
Exercícios Resolvidos: Equação da reta tangente
Exercícios Resolvidos: Equação da reta tangenteExercícios Resolvidos: Equação da reta tangente
Exercícios Resolvidos: Equação da reta tangente
 
Exercícios resolvidos de física222
Exercícios resolvidos de física222Exercícios resolvidos de física222
Exercícios resolvidos de física222
 
Integral Indefinida E Definida
Integral Indefinida E DefinidaIntegral Indefinida E Definida
Integral Indefinida E Definida
 
Exercícios Resolvidos: Regra da cadeia
Exercícios Resolvidos: Regra da cadeia Exercícios Resolvidos: Regra da cadeia
Exercícios Resolvidos: Regra da cadeia
 
Tabela completa de derivadas e integrais
Tabela completa de derivadas e integraisTabela completa de derivadas e integrais
Tabela completa de derivadas e integrais
 
Exercícios resolvidos
Exercícios resolvidosExercícios resolvidos
Exercícios resolvidos
 
Geometria de massas momento estático
Geometria de massas   momento estáticoGeometria de massas   momento estático
Geometria de massas momento estático
 
Juro simples e compostos - definições e exercícios - AP 09
Juro simples e compostos - definições e exercícios - AP 09Juro simples e compostos - definições e exercícios - AP 09
Juro simples e compostos - definições e exercícios - AP 09
 
MATEMÁTICA- FUNÇÕES - AULA 1
MATEMÁTICA-   FUNÇÕES - AULA 1MATEMÁTICA-   FUNÇÕES - AULA 1
MATEMÁTICA- FUNÇÕES - AULA 1
 
I lista de exercícios frações algébricas para publicação
I lista de exercícios   frações algébricas para publicaçãoI lista de exercícios   frações algébricas para publicação
I lista de exercícios frações algébricas para publicação
 
Resistência dos Materiais II
Resistência dos Materiais IIResistência dos Materiais II
Resistência dos Materiais II
 
Gráfico (seno e cosseno)
Gráfico (seno e cosseno)Gráfico (seno e cosseno)
Gráfico (seno e cosseno)
 
Exercícios (arranjo simples)
Exercícios (arranjo simples)Exercícios (arranjo simples)
Exercícios (arranjo simples)
 
22 exercícios - inequação produto e quociente (1)
22   exercícios - inequação produto e quociente (1)22   exercícios - inequação produto e quociente (1)
22 exercícios - inequação produto e quociente (1)
 
Exercícios Resolvidos: Máximo e minimo absoluto
Exercícios Resolvidos: Máximo e minimo absolutoExercícios Resolvidos: Máximo e minimo absoluto
Exercícios Resolvidos: Máximo e minimo absoluto
 
Tabela derivadas e integrais
Tabela derivadas e integraisTabela derivadas e integrais
Tabela derivadas e integrais
 
Mecânica dos fluidos çengel
Mecânica dos fluidos   çengelMecânica dos fluidos   çengel
Mecânica dos fluidos çengel
 
19 convolução em sinais contínuos
19 convolução em sinais contínuos19 convolução em sinais contínuos
19 convolução em sinais contínuos
 

Destaque

Funções de duas variáveis reais e curvas de nível
Funções de duas variáveis reais e curvas de nívelFunções de duas variáveis reais e curvas de nível
Funções de duas variáveis reais e curvas de nível
Fran Cristina
 
Funcoes de varias variaveis calculo 2
Funcoes de varias variaveis  calculo 2Funcoes de varias variaveis  calculo 2
Funcoes de varias variaveis calculo 2
Kassiane Campelo
 
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 8
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 8Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 8
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 8
Bowman Guimaraes
 
Calculo lista integrais 2012 1
Calculo lista integrais 2012 1Calculo lista integrais 2012 1
Calculo lista integrais 2012 1
brunakvasconcelos
 
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis unid iii
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis   unid iiiCálculo diferencial e integral de várias variáveis   unid iii
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis unid iii
Bruno Luz
 
Resolucao dos exercicios_integrais
Resolucao dos exercicios_integraisResolucao dos exercicios_integrais
Resolucao dos exercicios_integrais
Wilson Kushima
 
Calculo vetorial
Calculo vetorialCalculo vetorial
Calculo vetorial
tooonks
 

Destaque (12)

Integrais multiplas
Integrais multiplasIntegrais multiplas
Integrais multiplas
 
Funções de duas variáveis reais e curvas de nível
Funções de duas variáveis reais e curvas de nívelFunções de duas variáveis reais e curvas de nível
Funções de duas variáveis reais e curvas de nível
 
Funcoes de varias variaveis calculo 2
Funcoes de varias variaveis  calculo 2Funcoes de varias variaveis  calculo 2
Funcoes de varias variaveis calculo 2
 
Função de duas variáveis, domínios e imagem
Função de duas variáveis, domínios e imagemFunção de duas variáveis, domínios e imagem
Função de duas variáveis, domínios e imagem
 
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 8
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 8Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 8
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 8
 
Calculo lista integrais 2012 1
Calculo lista integrais 2012 1Calculo lista integrais 2012 1
Calculo lista integrais 2012 1
 
Integração cálculo 4
Integração cálculo 4Integração cálculo 4
Integração cálculo 4
 
Apostila - Integral duplas
Apostila - Integral duplasApostila - Integral duplas
Apostila - Integral duplas
 
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis unid iii
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis   unid iiiCálculo diferencial e integral de várias variáveis   unid iii
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis unid iii
 
Apostila de cálculo 3
Apostila de cálculo 3Apostila de cálculo 3
Apostila de cálculo 3
 
Resolucao dos exercicios_integrais
Resolucao dos exercicios_integraisResolucao dos exercicios_integrais
Resolucao dos exercicios_integrais
 
Calculo vetorial
Calculo vetorialCalculo vetorial
Calculo vetorial
 

Semelhante a Cadeno 1 integrais duplos e intregrais de linha

Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 1
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 1Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 1
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 1
Bowman Guimaraes
 
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 7
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 7Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 7
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 7
Bowman Guimaraes
 
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 2
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 2Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 2
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 2
Bowman Guimaraes
 
Www.math.ist.utl.pt ~jmourao cii_exercicios_aula12. integ. de linha de um cam...
Www.math.ist.utl.pt ~jmourao cii_exercicios_aula12. integ. de linha de um cam...Www.math.ist.utl.pt ~jmourao cii_exercicios_aula12. integ. de linha de um cam...
Www.math.ist.utl.pt ~jmourao cii_exercicios_aula12. integ. de linha de um cam...
Bowman Guimaraes
 
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 4
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 4Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 4
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 4
Bowman Guimaraes
 

Semelhante a Cadeno 1 integrais duplos e intregrais de linha (20)

Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 1
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 1Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 1
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 1
 
Lista1
Lista1Lista1
Lista1
 
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 7
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 7Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 7
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 7
 
Amii a complexa_2011
Amii a complexa_2011Amii a complexa_2011
Amii a complexa_2011
 
Lista de exercícios 13
Lista de exercícios 13Lista de exercícios 13
Lista de exercícios 13
 
Doc calculo _525277083
Doc calculo _525277083Doc calculo _525277083
Doc calculo _525277083
 
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 2
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 2Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 2
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 2
 
Função
FunçãoFunção
Função
 
Tecnica de integracao resumo
Tecnica de integracao   resumoTecnica de integracao   resumo
Tecnica de integracao resumo
 
Lista1 cálculo c
Lista1   cálculo cLista1   cálculo c
Lista1 cálculo c
 
Lista de exercícios 7 - Mat Elem
Lista de exercícios 7 - Mat ElemLista de exercícios 7 - Mat Elem
Lista de exercícios 7 - Mat Elem
 
Esboço - Gráfico de Função
Esboço - Gráfico de FunçãoEsboço - Gráfico de Função
Esboço - Gráfico de Função
 
SLIDEScal2 (3).pdf
SLIDEScal2 (3).pdfSLIDEScal2 (3).pdf
SLIDEScal2 (3).pdf
 
Cap1 _ Funções_Multivariavel.pdf
Cap1 _ Funções_Multivariavel.pdfCap1 _ Funções_Multivariavel.pdf
Cap1 _ Funções_Multivariavel.pdf
 
Double Triple Integrals (integrais duplas e triplas)
Double Triple Integrals (integrais duplas e triplas)Double Triple Integrals (integrais duplas e triplas)
Double Triple Integrals (integrais duplas e triplas)
 
Matematica2 7
Matematica2 7Matematica2 7
Matematica2 7
 
Www.math.ist.utl.pt ~jmourao cii_exercicios_aula12. integ. de linha de um cam...
Www.math.ist.utl.pt ~jmourao cii_exercicios_aula12. integ. de linha de um cam...Www.math.ist.utl.pt ~jmourao cii_exercicios_aula12. integ. de linha de um cam...
Www.math.ist.utl.pt ~jmourao cii_exercicios_aula12. integ. de linha de um cam...
 
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 4
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 4Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 4
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 4
 
Cfvv 1 funcoes variasvariaveis
Cfvv   1 funcoes variasvariaveisCfvv   1 funcoes variasvariaveis
Cfvv 1 funcoes variasvariaveis
 
cálculo 3 Integrais sobre regiões planas
cálculo 3 Integrais sobre regiões planascálculo 3 Integrais sobre regiões planas
cálculo 3 Integrais sobre regiões planas
 

Mais de Bowman Guimaraes

1. elementos básicos dos fluidos
1. elementos básicos dos fluidos1. elementos básicos dos fluidos
1. elementos básicos dos fluidos
Bowman Guimaraes
 
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civilEconomia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
Bowman Guimaraes
 
Economia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civilEconomia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civil
Bowman Guimaraes
 
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civilEconomia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
Bowman Guimaraes
 
Livro+topografia+aplicada+à+engenharia+civil+ +iran+carlos+stalliviere+corrêa
Livro+topografia+aplicada+à+engenharia+civil+ +iran+carlos+stalliviere+corrêaLivro+topografia+aplicada+à+engenharia+civil+ +iran+carlos+stalliviere+corrêa
Livro+topografia+aplicada+à+engenharia+civil+ +iran+carlos+stalliviere+corrêa
Bowman Guimaraes
 
Economia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civilEconomia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civil
Bowman Guimaraes
 
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 5
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 5Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 5
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 5
Bowman Guimaraes
 
Materiais de construção básico
Materiais de construção básicoMateriais de construção básico
Materiais de construção básico
Bowman Guimaraes
 
Projeto estruturaldeedifícios j. s. giongo-eesc-turma2-2008
Projeto estruturaldeedifícios j. s. giongo-eesc-turma2-2008Projeto estruturaldeedifícios j. s. giongo-eesc-turma2-2008
Projeto estruturaldeedifícios j. s. giongo-eesc-turma2-2008
Bowman Guimaraes
 
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civilEconomia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
Bowman Guimaraes
 
Pessoal.utfpr.edu.br heidemann arquivos_apostilade_precalculodiferencialeinte...
Pessoal.utfpr.edu.br heidemann arquivos_apostilade_precalculodiferencialeinte...Pessoal.utfpr.edu.br heidemann arquivos_apostilade_precalculodiferencialeinte...
Pessoal.utfpr.edu.br heidemann arquivos_apostilade_precalculodiferencialeinte...
Bowman Guimaraes
 
Tecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil iTecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil i
Bowman Guimaraes
 

Mais de Bowman Guimaraes (20)

Cammpos vetoriais disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3
Cammpos vetoriais  disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3Cammpos vetoriais  disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3
Cammpos vetoriais disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3
 
1. elementos básicos dos fluidos
1. elementos básicos dos fluidos1. elementos básicos dos fluidos
1. elementos básicos dos fluidos
 
Economia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civilEconomia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civil
 
1 ciclo rankine (1)
1  ciclo rankine (1)1  ciclo rankine (1)
1 ciclo rankine (1)
 
Livro+topografia+aplicada+à+engenharia+civil+ +iran+carlos+stalliviere+corrêa
Livro+topografia+aplicada+à+engenharia+civil+ +iran+carlos+stalliviere+corrêaLivro+topografia+aplicada+à+engenharia+civil+ +iran+carlos+stalliviere+corrêa
Livro+topografia+aplicada+à+engenharia+civil+ +iran+carlos+stalliviere+corrêa
 
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civilEconomia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
 
Economia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civilEconomia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civil
 
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civilEconomia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
 
1 ciclo rankine
1  ciclo rankine1  ciclo rankine
1 ciclo rankine
 
Livro de topográfia
Livro de topográfiaLivro de topográfia
Livro de topográfia
 
Livro+topografia+aplicada+à+engenharia+civil+ +iran+carlos+stalliviere+corrêa
Livro+topografia+aplicada+à+engenharia+civil+ +iran+carlos+stalliviere+corrêaLivro+topografia+aplicada+à+engenharia+civil+ +iran+carlos+stalliviere+corrêa
Livro+topografia+aplicada+à+engenharia+civil+ +iran+carlos+stalliviere+corrêa
 
Economia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civilEconomia aplicada a eng. civil
Economia aplicada a eng. civil
 
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 5
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 5Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 5
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 5
 
Materiais de construção básico
Materiais de construção básicoMateriais de construção básico
Materiais de construção básico
 
Livro de topográfia
Livro de topográfiaLivro de topográfia
Livro de topográfia
 
Projeto estruturaldeedifícios j. s. giongo-eesc-turma2-2008
Projeto estruturaldeedifícios j. s. giongo-eesc-turma2-2008Projeto estruturaldeedifícios j. s. giongo-eesc-turma2-2008
Projeto estruturaldeedifícios j. s. giongo-eesc-turma2-2008
 
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civilEconomia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
Economia aplicada (distribuição de renda) a eng. civil. civil
 
Pessoal.utfpr.edu.br heidemann arquivos_apostilade_precalculodiferencialeinte...
Pessoal.utfpr.edu.br heidemann arquivos_apostilade_precalculodiferencialeinte...Pessoal.utfpr.edu.br heidemann arquivos_apostilade_precalculodiferencialeinte...
Pessoal.utfpr.edu.br heidemann arquivos_apostilade_precalculodiferencialeinte...
 
Tecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil iTecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil i
 
1 ciclo rankine
1  ciclo rankine1  ciclo rankine
1 ciclo rankine
 

Cadeno 1 integrais duplos e intregrais de linha

  • 1. ETI / EI, 1o Ano UC: Análise Matemática II Caderno 1 : Integrais Duplos e Integrais de Linha (Duplos, Volumes, Mudança de Coordenadas, Integrais de Linha) Elaborado de: Diana Aldea Mendes e Rosário Laureano Departamento de Métodos Quantitativos Fevereiro de 2011
  • 2. Capítulo 1 Integrais Duplos 1.1 Integrais duplos - definição e interpretação A definição de integral duplo (multiplo) é uma generalização da de integral a uma só variável. Em particular, o Teorema de Fubini, permite relacionar um integral definido em Rn (integral multiplo) com o integral em R. Nomeadamente, um integral multiplo pode ser calculado por integrações sucessivas numa variável considerando as restantes fixas (constantes). O integral duplo (multiplo) quando explicitado por intermédio de dois (vários) integrais simples designa-se por integral iterado. Seja f uma função de duas variáveis, z = f(x, y), que seja contínua numa certa região limitada e fechada D do xOy-plano. Tem-se D ⊂ Df ⊂ R2. Na prática, para calcular um integral duplo RR D f(x, y)dxdy, temos que seguir os seguintes passos: 1. Representar graficamente o domínio de integração D 2. Estudar a regularidade do domínio de integração D e determinar a ordem de inte- gração (dxdy ou dydx) 3. Explicitar os limites de integração e escrever o integral duplo na forma iterada 4. Calcular o integral duplo respeitando a ordem de integração A principal dificuldade nos integrais duplos, consiste em, dado um domínio de inte- gração D, determinar os limites de integração em cada um dos integrais simples envolvidos. 1
  • 3. 2 Integrais Duplos Definição 1.1.1 O domínio D ⊂ R2 diz-se regular segundo o eixo dos yy (no sentido do eixo dos yy) se 1. Qualquer vertical que passe por um ponto interior de D intersecta a sua fronteira em apenas dois pontos 2. D é limitado pelas curvas y = g1(x) e y = g2 (x) e pelas rectas x = a e x = b, sendo g1(x) ≤ g2 (x) e a ≤ b. Se o domínio de integração D é regular no sentido do eixo dos yy (ou segundo o eixo dos yy), então a ordem de integração é dydx e o integral duplo explicita-se (calcula-se) por ZZ D f(x, y)dxdy = Z b a ÃZ g2(x) g1(x) f(x, y)dy ! dx = Z b a dx Z g2(x) g1(x) f (x, y) dy. Graficamente, temos um domínio de integração regular no sentido do eixo dos yy, em cada uma das seguintes situações: x x y y a b y=g1(x) y=g2(x) D D a b y=g1(x) y=g2(x) x x y y a b y=g1(x)=d y=g2(x)=c a b y=g1(x) y=g2(x) D D Deve ficar claro que o cálculo de um integral duplo requer o cálculo de 2 integrais simples pela ordem indicada: primeiro o integral de f(x, y) em relação à variável y (con-
  • 4. 1.1. INTEGRAIS DUPLOS - DEFINIÇÃO E INTERPRETAÇÃO 3 siderando x como constante) desde y = g1(x) (a fronteira inferior do domínio de integração D) até y = g2(x) (a fronteira superior de D); depois o integral da expressão obtida em relação à variável x no intervalo [a, b] ,isto é, do extremo esquerdo do domínio de integração D até ao extremo direito de D. Definição 1.1.2 O domínio D ⊂ R2 diz-se regular segundo o eixo dos xx (no sentido do eixo dos xx) se 1. Qualquer horizontal que passe por um ponto interior de D intersecta a sua fronteira em apenas dois pontos 2. D é limitado pelas curvas x = h1(y) e x = h2 (y) e pelas rectas y = c e y = d, sendo h1(y) ≤ h2 (y) e c ≤ d. Se o domínio de integração D é regular no sentido do eixo dos xx (ou segundo o eixo dos xx), então a ordem de integração é dxdy e o integral duplo explicita-se (calcula-se) por ZZ D f(x, y)dxdy = Z d c ÃZ h2(y) h1(y) f(x, y)dx ! dy = Z d c dy Z h2(y) h1(y) f (x, y) dx. Graficamente, temos um domínio de integração regular no sentido do eixo dos xx, em cada uma das seguintes situações: x x y y a b x=h1(y) x=h2(y) y=c y=d c d c d y=d y=c x=h1(y) x=h2(y) D D
  • 5. 4 Integrais Duplos x x y y a b x=h1(y)=a x=h2(y)=b D D y=c y=d c d c d y=d y=c x=h1(y) x=h2(y) Neste caso, calcula-se primeiro o integral de f(x, y) em relação à variável x (con- siderando y como constante) desde x = h1(y) (a fronteira esquerda do domínio de inte- gração D) até x = h2(y) (a fronteira direita de D); depois o integral da expressão obtida em relação à variável y no intervalo [c, d] ,isto é, do extremo inferior do domínio de integração D até ao extremo superior de D. Tem-se sempre que Z b a ÃZ g2(x) g1(x) f(x, y)dy ! dx = ZZ D f(x, y)dxdy = Z d c ÃZ h2(y) h1(y) f(x, y)dx ! dy, ou seja, indiferente da ordem de integração utilizada, o valor do integral duplo é o mesmo. Propriedades Caso existam os integrais duplos são válidas as seguintes propriedades operacionais: ZZ D [f(x, y) ± g(x, y)] dxdy = ZZ D f(x, y)dxdy ± ZZ D g(x, y)dxdy; ZZ D cf(x, y)dxdy = c ZZ D f(x, y)dxdy, para c ∈ R; ZZ D h(x)f(x, y)dxdy = Z b a h(x) Z g2(x) g1(x) f(x, y)dydx; ZZ D g(y)f(x, y)dxdy = Z d c g(y) Z h2(x) h1(x) f(x, y)dxdy. Uma outra propriedade de grande utilidade em domínios de integração não regulares é a seguinte: ZZ D f(x, y)dxdy = ZZ D1 f(x, y)dxdy + ZZ D2 f(x, y)dxdy,
  • 6. 1.2. EXEMPLOS 5 se D = D1 ∪ D2, int(D1) ∩ int(D2) = ∅, e D1 e D2 são regulares no mesmo sentido. O integral duplo sobre o domínio de integração D da função constante f (x, y) = 1 define a área de D, isto é Z Z D 1 dxdy = A (D) . A passagem duma ordem de integração para outra num integral duplo, caso é possível, designa-se por inversão da ordem de integração do integral duplo. Se o domínio for regular no sentido do eixo dos yy ou seja 1.2 Exemplos Exemplo 1. Calcule o valor dos seguintes integrais duplos a). R 2 1 dx R 1 0 (x − cos y) dy = R 2 1 (xy − sin y)|1 0 dx = R 2 1 (x − sin 1) dx = ³ x2 2 − x sin 1 ´¯ ¯ ¯ 2 1 = 3 2 − sin 1 b). R 5 0 dy R y 0 (2xy) dx = R 5 0 ¡ yx2 ¯ ¯y 0 ¢ dy = R 5 0 ¡ y3 ¢ dy = y4 4 ¯ ¯ ¯ 5 0 = 625 4 Exemplo 2. Determine o valor do integral duplo ZZ D (x + 2y) dxdy onde o domínio de integração é limitado pelas parábolas de equação y = 2x2 e y = 1 + x2. x y y D y=1+x2 y=2x2 x=-1 x=1 -1 10
  • 7. 6 Integrais Duplos Os pontos de intersecção das duas parábolas obtem-se iqualando as equações corespon- dentes, isto é 2x2 = 1 + x2 ⇒ x = ±1 sendo x = ±1 as equações das rectas verticais que limitam o domínio de integração. Conclui-se que D é regular no sentido do eixo dos yy, logo pode ser escrito como D = © −1 ≤ x ≤ 1, 2x2 ≤ y ≤ 1 + x2 ª deduzindo (também do gráfico) que y = g1 (x) = 2x2 é a função inferior e y = g2 (x) = 1 + x2 é a função superior que limitam o domínio de integração. Da regularidade de D segundo o eixo dos yy obtem-se a ordem de integração dydx, logo o integral duplo escreve-se como ZZ D (x + 2y) dxdy = Z 1 −1 dx Z 1+x2 2x2 (x + 2y) dy = Z 1 −1 ¡ xy + y2 ¢ ¯ ¯ ¯ ¯ 1+x2 2x2 dx = = Z 1 −1 ³ x ¡ 1 + x2 ¢ + ¡ 1 + x2 ¢2 − x ¡ 2x2 ¢ − ¡ 2x2 ¢2 ´ dx = = Z 1 −1 ¡ −3x4 − x3 + 2x2 + x + 1 ¢ dx = = µ −3 x5 5 − x4 4 + 2 x3 3 + x2 2 + x ¶¯ ¯ ¯ ¯ 1 −1 = 32 15 . Portanto o valor do integral duplo é 32/15. Exemplo 3. Calcule do integral duplo da função f(x, y) = x + y no domínio de integração D definido por D ≡ © y = 2x, y = x2 , 0 ≤ x ≤ 2 ª . A representação gráfica do domínio de integração é ilustrada na Figura abaixo.
  • 8. 1.2. EXEMPLOS 7 x y 2 4 0 y=2x y=x2 Domínio de integração D x y 2 4 0 x= 0 x= 2 y= 2x y= x2 D regular segundo yy y 2 4 0 y=4 y=0 x=y/2 x=y1/2 D regular segundo xx Como D é regular no sentido do eixo dos yy, ou seja pode ser limitado por: x = a = 0, x = b = 2, y = g1(x) = x2 e y = g2(x) = 2x, com 0 ≤ x ≤ 2 e x2 ≤ y ≤ 2x, o integral duplo escreve-se como Z Z D (x + y) dxdy = Z 2 0 µZ 2x x2 (x + y)dy ¶ dx = Z 2 0 µ xy + y2 2 ¶¯ ¯ ¯ ¯ 2x x2 dx = = Z 2 0 µ 4x2 − x3 − x4 2 ¶ dx = µ 4 x3 3 − x4 4 − x5 10 ¶¯ ¯ ¯ ¯ 2 0 = 52 15 O mesmo integral duplo pode ser calculado pelo outro integral iterado (obtido invertendo a ordem de integração), ou seja por Z Z D (x + y) dxdy = Z 4 0 ÃZ √ y y/2 (x + y)dx ! dy = 52 15 . Tem-se c = 0, d = 4, x = h1(y) = y 2 e x = h2(y) = √ y, segundo a notação indicada no desenvolvimento. Exemplo 4. Considere-se agora o mesmo integral duplo, mas com o domínio de integração dado por D ≡ © y = 2x, y = x2 , 0 ≤ x ≤ 1 ª . Então o domínio D é regular no sentido do eixo dos yy e portanto o integral duplo é: Z Z D (x + y) dxdy = Z 1 0 µZ 2x x2 (x + y)dy ¶ dx = Z 1 0 µ xy + y2 2 ¶¯ ¯ ¯ ¯ 2x x2 dx = = Z 1 0 µ 4x2 − x3 − x4 2 ¶ dx = µ 4 x3 3 − x4 4 − x5 10 ¶¯ ¯ ¯ ¯ 1 0 = 118 120
  • 9. 8 Integrais Duplos Se optarmos pela outra ordem de integração o mesmo integral duplo terá de ser calculado como segue: x y 0 y=2x y=x2 1 2 x=0 x=1 x y 0 1 2 y=0 y=1 y=2 x=y/2 x=y1/21 Z Z D (x + y) dxdy = Z 1 0 ÃZ √ y y/2 (x + y)dx ! dy + Z 2 1 ÃZ 1 y/2 (x + y)dx ! dy dado que é necessário considerar 2 sub-regiões D1 e D2 separadas pela recta y = 1 tais que D1 ∪ D2 = D. De facto, atendendo a que a recta vertical x = 1 intersecta a parábola y = x2 quando y toma o valor 1 e intersecta a recta y = 2x quando y toma o valor 2 (atenda à figura anterior e complete-a) estas duas sub-regiões serão as seguintes D1 ≡ © y = 2x, y = x2 , 0 ≤ x ≤ 1, y ≤ 1 ª D2 ≡ © y = 2x, y = x2 , 0 ≤ x ≤ 1, 1 ≤ y ≤ 2 ª . Por vezes é forçoso inverter a ordem de integração face à função f(x, y) a primitivar. Exemplo 5. Calcule o seguinte integral duplo Z 1 0 dy Z 3 3y ex2 dx. Este integral duplo não pode ser calculado de forma fácil directamente pela ordem de inte- gração estabelecida (dxdy), visto que a primitiva R ex2 dx não é uma primitiva elementar. O domínio de integração deste integral duplo é limitado pelas rectas x = 3y, x = 3, y = 0 e y = 1. Para estabelecer o outra ordem de integração (dydx) — isto é, para efectuar in- versão da ordem de integração do integral duplo — é útil representar graficamente este domínio de integração
  • 10. 1.2. EXEMPLOS 9 x y 0 1 3 y=0 y=1 x=3 x=3y ou y=x/3 x=0 e, a partir dessa representação, escrever o novo integral iterado Z 1 0 dy Z 3 3y ex2 dx = Z 3 0 dx Z x 3 0 ex2 dy = Z 3 0 ³ ex2 y ´¯ ¯ ¯ ¯ x 3 0 dx = = Z 3 0 ex2 x 3 dx = 1 6 ³ ex2 ´¯ ¯ ¯ ¯ 3 0 = 1 6 ¡ e9 − 1 ¢ . Exemplo 6. Pretende-se calcular o integral duplo RR D f(x, y)dxdy para f(x, y) = x2 e D definido por D ≡ {xy = 16, y = x, y = 0, x = 8} . Para tal represente-se graficamente este domínio xy=16 y=x x y 4 x=8 y=4 4 y=2 x=4 e estabeleça-se as 2 ordens de integração: ZZ D x2 dxdy = Z 2 0 dy Z 8 y x2 dx + Z 4 2 dy Z 16/y y x2 dx
  • 11. 10 Integrais Duplos ZZ D x2 dxdy = Z 4 0 dx Z x 0 x2 dy + Z 8 4 dx Z 16/x 0 x2 dy Verifica-se através da figura que, qualquer que seja a ordem de integração escolhida, é necessário separar o domínio de integração em 2 sub-regiões, a saber: D1 e D2 separadas pela recta y = 2 quando a opção é R ¡R f(x, y)dx ¢ dy, D0 1 e D0 2 separadas pela recta x = 4 quando a opção é R ¡R f(x, y)dy ¢ dx. O cálculo de qualquer um destes integrais iterados conduz ao valor 448 para o integral duplo. Exemplo 7. Determine o valor do integral duplo RR D (xy) dxdy onde o domínio de integração D é limitado pelas curvas de equação y = x − 1 e y2 = 2x + 6. A parábola de equação y2 = 2x+6 tem a forma equivalente y = ± √ 2x + 6 vista como função y de variável x e tem a forma x = y2 2 − 3 vista como função x de variável y. Os pontos de intersecção entre a parábola e a recta calculam-se de 2x + 6 = (x − 1)2 , o que implica x2 − 4x − 5 = 0, de onde x = −1 e x = 5. x y y=4 -3 1 0 -1 0 D x=y+1 (-1,-2) (5,4) -1 y=-2 x=(y2/2)-3 Consideramos a regularidade segundo o eixo dos xx (sendo mais fácil neste caso). Então o domínio de integração D é limitado pelas rectas horizontais de equação y = −2 e y = 4 (calculados como as imagens dos pontos de intersecção x = −1 e x = 5), e pelas curvas: á esquerda x = h1 (y) = y2 2 − 3 e á direita x = h2 (y) = y + 1, logo, a ordem de
  • 12. 1.2. EXEMPLOS 11 integração dxdy determina o seguinte integral iterado ZZ D (xy) dxdy = Z 4 −2 dy Z y+1 y2 2 −3 xydx = Z 4 −2 µ x2 2 y ¶¯ ¯ ¯ ¯ y+1 y2 2 −3 dy = 1 2 Z 4 −2 y à (y + 1)2 − µ 1 2 y2 − 3 ¶2 ! dy = = 1 2 Z 4 −2 µ − y5 4 + 4y3 + 2y2 − 8y ¶ dy = 1 2 µ − y6 24 + y4 + 2 y3 3 − 4y2 ¶¯ ¯ ¯ ¯ 4 −2 = 36. Estudando a regularidade de D segundo o eixo dos yy, ou seja, fazendo uma inversão da ordem de integração de dxdy para dydx, obtem-se uma divisão de D em dois sub-domínios de integração separados pela recta vertical de equação x = −1. x y y=(2x+6)1/2 y2=2x+6 x=5 -3 1 0 -1 0 D y=-(2x+6)1/2 y=x-1 (-1,-2) (5,4) -1 x=-3 x=-1 Tem-se então o sub-domínio de integração D1 (regular no sentido do eixo dos yy) limitado pelas rectas verticais de equação x = −3 e x = −1 e pelas curvas horizontais y = g1 (x) = − √ 2x + 6 (curva inferior) e y = g2 (x) = √ 2x + 6 (curva superior) e o sub- domínio D2 (regular o sentido do eixo dos yy) limitado pelas rectas verticais x = −1 e x = 5 e pelas curvas horizontais y = g3 (x) = x−1 (curva inferior) e y = g4 (x) = √ 2x + 6 (curva superior).
  • 13. 12 Integrais Duplos Então a ordem de integração é dydx e o integral iterado á calcular é dado por ZZ D (xy) dxdy = ZZ D1 (xy) dxdy + ZZ D2 (xy) dxdy = Z −1 −3 dx Z √ 2x+6 − √ 2x+6 xydy + Z 5 −1 dx Z √ 2x+6 x−1 xydy = 36. Exemplo 9. Explicita o integral duplo RR D (xy) dxdy, sendo D definido como na figura seguinte: x y D 0 y=-1 y=1+x2 x=y2 x=1x=-1 y=2 Regularidade segundo o eixo dos yy =⇒ ordem de integração dydx ZZ D (xy) dxdy = ZZ D1 (xy) dxdy + ZZ D2 (xy) dxdy + ZZ D3 (xy) dxdy = = Z 0 −1 dx Z 1+x2 −1 f (x, y) dy + Z 1 0 dx Z 1+x2 √ x f (x, y) dy + Z 1 0 dx Z − √ x −1 f (x, y) dy. Regularidade segundo o eixo dos xx =⇒ ordem de integração dxdy ZZ D (xy) dxdy = ZZ D1 (xy) dxdy + ZZ D2 (xy) dxdy + ZZ D3 (xy) dxdy = = Z 1 −1 dy Z y2 −1 f (x, y) dx + Z 2 1 dy Z − √ y−1 −1 f (x, y) dx + Z 2 1 dy Z 1 √ y−1 f (x, y) dx. 1.3 Mudança de variável: coordenadas polares Quando se utilizam coordenadas rectangulares (x, y) o sistema de referência é dado por um par de rectas perpendiculares (os bem conhecidos eixos dos xx e dos yy). Para definir
  • 14. 1.3. MUDANÇA DE VARIÁVEL: COORDENADAS POLARES 13 as coordenadas polares é utilizado um sistema de referência que consta de um ponto O chamado pólo e de um raio que se inicia no ponto O designado por eixo polar. θ θ +π O Eixo polar Raio θ Raio θ +π Concretamente, um ponto P é dado pelas coordenadas polares (r, θ) se está posicionado a uma distância r do pólo O tal que semi-recta OP determina um ângulo de amplitude θ radianos (medido no sentido positivo) com o semi-eixo positivo dos xx. Contrariamente ao que acontece com as coordenadas rectângulares, as coordenadas polares não estão univocamente determinadas. De facto, geometricamente não existe distinção entre os pontos cujos ângulos diferam por um múltiplo de 2π, isto é (r, θ) = (r, θ + 2nπ) , n ∈ Z+. É, no entanto, usual considerar θ a amplitude do menor dos ângulos. Tem-se então r ∈ R+ 0 e θ ∈ [0, 2π[. A relação entre as coordenadas polares (r, θ) e as coordenadas rectangulares (x, y) é dada por ½ x = r cos θ y = r sin θ
  • 15. 14 Integrais Duplos visto que cos θ = x r e sin θ = y r (ver figura abaixo), h θ (x,y) O x y r o que implica que ⎧ ⎨ ⎩ tan θ = y x , ou seja θ = arctan y x r2 = x2 + y2 . 1.3.1 Exemplos 1. Determine as coordenadas rectangulares do ponto P dado pelas seguintes coordenadas polares (r, θ) = (2, π/3) . Atendendo as relações x = r cos θ e y = r sin θ obtem-se x = 2 cos (π/3) = 21 2 = 1 e y = 2 sin (π/3) = 2 √ 3 2 = √ 3. Portanto o ponto P tem as coordenadas rectangulares ¡ 1, √ 3 ¢ . 2. Encontre as coordenadas polares para o ponto P definido pelas seguintes coorde- nadas rectangulares (x, y) = ¡ −2, 2 √ 3 ¢ . Trata-se de um ponto do segundo quadrante. Sabemos que r cos θ = −2 e r sin θ = 2 √ 3. Encontra-se o seginte valor para o raio r fazendo r2 = x2 + y2 = (r cos θ)2 + (r sin θ)2 = (−2)2 + ¡ 2 √ 3 ¢2 = 16. Logo r = 4. Considerando r = 4 obtem-se x = r cos θ = 4 cos θ = −2 =⇒ cos θ = −1 2 y = r sin θ = 4 sin θ = 2 √ 3 =⇒ sin θ = √ 3 2 . Tem-se então θ = arcsin √ 3 2 = arccos ¡ −1 2 ¢ = 2 3π. Então as coordenadas polares de P são ¡ 4, 2 3π ¢ .
  • 16. 1.3. MUDANÇA DE VARIÁVEL: COORDENADAS POLARES 15 3. Em coordenadas rectangulares (x, y) a circunferência de centro C (0, 0) e raio a tem por equação x2 + y2 = a2. A mesma circunferência, em coordenadas polares (r, θ), tem por equação r = a. O interior da circunferência é definido por 0 < r < a e o exterior por r > a. 4. Em coordenadas rectangulares (x, y) a recta que passa pela origem e faz um ângulo α com o eixo dos xx tem por equação y = mx onde m = tan α. Em coordenadas polares (r, θ), a mesma recta, tem por equação θ = α. A recta vertical x = a tem por equação polar r cos θ = a e a recta horizontal y = b tem por equação polar r sin θ = b. Mais geral, uma recta de equação cartesiana Ax+By+C = 0 pode ser escrita em coordenadas polares (atendendo as relações x = r cos θ e r = sin θ) como Ar cos θ + B sin θ + C = r (A cos θ + B sin θ) + C = 0. 5. Encontre uma equação em coordenadas polares para a hipérbole de equação x2 − y2 = a2. Substituindo x = r cos θ e r = sin θ na equação da hipérbole obtem-se x2 − y2 = r2 cos2 θ − r2 sin2 θ = r2 ¡ cos2 θ − sin2 θ ¢ = = r2 cos (2θ) = a2 Portanto a equação r2 cos (2θ) = a2 representa, em coordenadas polares, a hipérbole dada. Dado o integral duplo Z Z D f(x, y)dxdy, sempre que o domínio de integração D é dado por uma região circular ou quando a função integranda f(x, y) contém uma expressão de tipo x2+y2, pode ser útil o uso de coordenadas polares para calcular o valor do integral duplo. Relembramos que as coordenadas polares (r, θ) de um ponto P estão relacionadas com as coordenadas rectangulares (x, y) por meio das seguintes equações ½ x = r cos θ y = r sin θ e ( r2 = x2 + y2 θ = arctan ³y x ´
  • 17. 16 Integrais Duplos Apresenta-se em seguida a metodologia de cálculo dos integrais duplos Z Z D f (x, y) dxdy utilizando as coordenadas polares (r, θ) . O primeiro passo consta em transformar o domínio de integração D (dado em coordenadas cartesianas) no domínio equivalente, Ω, em coor- denadas polares (r, θ) . Admitindo que a função f (x, y) é contínua em D, a função composta F (r, θ) = f (r cos θ, r sin θ) também vai ser contínua em todos os pontos do seu domínio Ω. Considerando a mudança de variáveis para coordenadas polares, tem-se então que Z Z D f (x, y) dxdy = Z Z Ω f (r cos θ, r sin θ) r drdθ = Z Z Ω F (r, θ) r drdθ visto que r é o valor do determinante da matriz jacobiana ∂ (x, y) ∂(r, θ) e r ≥ 0. Se o conjunto Ω é definido por Ω = {(r, θ) | α ≤ θ ≤ β, g1 (θ) ≤ r ≤ g2 (θ)} para 0 ≤ β − α ≤ 2π, então a ordem de integração em coordenadas polares será drdθ (o domínio Ω sendo regular segundo r) e então o integral duplo escreve-se como Z Z D f (x, y) dxdy = Z Z Ω F (r, θ) r drdθ = Z β α dθ Z g2(θ) g1(θ) F (r, θ) r dr y xO Eixo polar D θ = α θ = β r = g1(θ) r = g2(θ)
  • 18. 1.3. MUDANÇA DE VARIÁVEL: COORDENADAS POLARES 17 Este caso obtem-se quando o domínio D provém da intersecção de duas rectas que passam pela origem e de declive α e β e mais outras duas curvas quisquer (veja figura acima). Se o conjunto Ω tem a forma Ω = {(r, θ) | a ≤ r ≤ b, h1 (r) ≤ θ ≤ h2 (r)} , então a ordem de integração em coordenadas polares será dθdr (o domínio Ω sendo regular segundo θ) e então o integral duplo escreve-se como Z Z D f (x, y) dxdy = Z Z Ω F (r, θ) r drdθ = Z b a dr Z h2(r) h1(r) F (r, θ) r dθ. Este caso resulte quando o domínio D provém da intersecção de duas circunferências com centro na origem e de raio a e b e mais outras duas curvas. Caso em qual o domínio D é o resultado da intersecção de duas circunferências com centro na origem e duas rectas que passam pela origem, então o domínio em coordenadas polares, Ω, sera regular nos dois sentidos permitidos e a ordem de integração é aleatória. Como caso particular pode afirmar-se que a área do domínio de integração D pode ser calculada em termos de coordenadas polares utilizando a seguinte fórmula Área de D = Z β α dθ Z g2(θ) g1(θ) r dr = 1 2 Z β α ¡ g2 2 (θ) − g2 1 (θ) ¢ dθ considerando f(x, y) = 1. Exemplo 1. Utilize coordenadas polares para calcular o valor do integral duplo Z Z D xy dxdy onde D é definido por © x2 + y2 ≤ 1, x ≥ 0, y ≥ 0 ª . Representação gráfica do domínio de integração D em coordenadas rectangulares: Cálculo do novo domínio de integração Ω e sua representação gráfica: 0 ≤ x2 + y2 = r2 cos2 θ + r2 sin2 θ = r2 ¡ cos2 θ + sin2 θ ¢ = r2 ≤ 1 de onde 0 < r2 ≤ 1 implica 0 < r ≤ 1 ou seja g1 (θ) = 0 e g2 (θ) = 1. (Ou ainda, atendendo um dos exemplos da secção anterior, sabe-se que x2 + y2 = 1 tem por equação polar r = 1 e o seu interior é dado por 0 < r < 1).
  • 19. 18 Integrais Duplos x y 1 0 D r θ 0 r = 1 θ = π/2 Ω Figura 1.1: A equação x = 0 tem a forma polar r cos θ = 0 ⇒ cos θ = 0. A equação y = 0 tem a forma polar r sin θ = 0 ⇒ sin θ = 0. A equação sin θ = 0 ⇒ θ = 0 representa o limite inferior de θ e o limte superior de θ é dado pelo valor π/2 visto que cos θ = 0. Tem-se então Ω = n (r, θ) : 0 < θ < π 2 e 0 < r < 1 o . O domínio Ω é regular nos dois sentidos (o seu gráfico é um rectângulo), logo são permitidas as duas ordens de integração. A função f (x, y) = xy em coordenadas polares vem f (r cos θ, r sin θ) = F (r, θ) = (r cos θ) (r sin θ) = r2 sin θ cos θ. Então, escolhendo a ordem de integração drdθ, tem-se que Z Z D xy dxdy = Z Z Ω r2 sin θ cos θ r drdθ = Z π/2 0 dθ Z 1 0 r3 sin θ cos θ dr = = Z π/2 0 µ r4 4 sin θ cos θ ¶¯ ¯ ¯ ¯ 1 0 dθ = Z π/2 0 µ 1 4 sin θ cos θ ¶ dθ = = 1 8 Z π/2 0 (sin 2θ) dθ = µ − 1 16 cos 2θ ¶¯ ¯ ¯ ¯ π/2 0 = 1 8 . Exemplo 2. Calcule Z Z D y x + p x2 + y2 dxdy, sendo D limitado pelas rectas y = ±x e pelas circunfêrencias (x − 1)2 +y2 = 1 e (x − 2)2 + y2 = 4.
  • 20. 1.3. MUDANÇA DE VARIÁVEL: COORDENADAS POLARES 19 y x r 4 2 0 0 θ r = 4 cos θ r = 2 cos θ Ω D 1 2 4 y = x y = - x Figura 1.2: O transformado de D (veja a sua representação gráfica) em coordenadas polares, o conjunto Ω, é dado pelas relações (x − 1)2 + y2 ≥ 1 ⇒ r ≥ 2 cos θ e (x − 2)2 + y2 ≤ 4 ⇒ r ≤ 4 cos θ −x ≤ y ≤ x ⇒ −r cos θ ≤ r sin θ ≤ r cos θ ⇒ −1 ≤ tan θ ≤ 1 ⇒ − π 4 ≤ θ ≤ π 4 ou seja Ω = n (r, θ) : − π 4 ≤ θ ≤ π 4 , 2 cos θ ≤ r ≤ 4 cos θ o . Nota-se que a ordem de integração permitida é drdθ (o domínio Ω é regular no sentido do eixo dos rr) e o integral duplo escreve-se em coordenadas polares como sendo ZZ D y x + p x2 + y2 dxdy = ZZ Ω sin θ cos θ + 1 r drdθ = Z π/4 −π/4 dθ Z 4 cos θ 2 cos θ sin θ cos θ + 1 r dr = Z π/4 −π/4 sin θ cos θ + 1 µ r2 2 ¶¯ ¯ ¯ ¯ 4 cos θ 2 cos θ dθ = 6 Z π/4 −π/4 sin θ cos θ + 1 cos2 θ dθ = 0 (o valor do itegral é nulo porque a função integranda é impar e os limites de integração simétricos, logo A = A1 − A1 = 0).
  • 21. 20 Integrais Duplos 1.4 Integrais duplos - Exercícios propostos 1. Determine as expressões gerais das primitivas para as funções: (a) f(x, y) = x3 + 6y2 − 5xy2 − 10x2y3 (b) f(x, y) = ¡ x2 + y ¢4 x (c) f(x, y) = y x + y2 (d) f(x, y) = 10y x2 − 9 (e) f(x, y) = x3 + y2 x2 + y2 (f) f(x, y) = 1 q 4 − (x + y)2 (g) f(x, y) = 10 3x + y2 (h) f(x, y) = 20 ¡ x2 − y2 ¢−1 (i) f(x, y) = ln x + y (j) f(x, y) = ln ³ 2x + y 3 ´ (k) f(x, y) = 10 x2 − y2 (l) f(x, y) = x (x2 + y)4 (m) f(x, y) = 2y x2 − 16 (n) f(x, y) = p 4x − y2 (o) f(x, y) = arctan (x + y) (p) f(x, y) = sin2 (3x + y) 2. Mostre que Z 2 1 ÃZ 2x2 x (x3 + 2y)dy ! dx = 559 15 .
  • 22. 1.4. INTEGRAIS DUPLOS - EXERCÍCIOS PROPOSTOS 21 3. Calcule o valor do integral duplo Z Z D (x3 + 2y)dxdy sendo D a região do plano limitada pelas curvas x = 1, x = 2, y = 2x2 e y − x = 0 e para cada uma das possíveis ordens de integração, R ¡R f(x, y)dx ¢ dy e R ¡R f(x, y)dy ¢ dx. 4. Determine R R D f(x, y)dxdy considerando f(x, y) = xy2 e D = © (x, y) ∈ R2 : x 6 0, y > 0, x2 + y2 6 1 ª Averígue se pode retirar algumas conclusões acerca do valor e sinal do mesmo integral para outros domínios de integração como sejam D1 = © (x, y) ∈ R2 : x ≥ 0, y > 0, x2 + y2 6 1 ª D2 = © (x, y) ∈ R2 : x ≥ 0, x2 + y2 6 1 ª D3 = © (x, y) ∈ R2 : x ≥ y, y ≥ −x, x2 + y2 6 1 ª 5. Mostre que Z Z D xy2 dxdy = 212 3 sendo D o paralelogramo limitado pelas rectas x = 3, x = 5, 3x + 2y − 4 = 0 e 2y + 3x = 1. 6. Determine o valor do integral duplo Z Z D ey2 dxdy sendo D = n (x, y) ∈ R2 : x ≥ 0 ∧ x 2 ≤ y ≤ 3 o . 7. Calcule e nos casos possíveis inverte a ordem de integração para os seguintes integrais duplos (a) 1Z 0 1Z √ x sin µ y3 + 1 2 ¶ dydx
  • 23. 22 Integrais Duplos (b) 0Z −1 √ y+1Z − √ y+1 x2dxdy (c) 1Z 0 1Z x2 Ã x3 p x4 + y2 ! dydx (d) 2Z 1 log xZ 0 e−xdxdy (e) 1Z 0 1Z y ey/xdxdy (f) 1Z 0 1Z x x2ey4 dxdy 8. Considere o integral duplo Z 1 0 dx Z 1−x − √ 1−x2 f(x, y) dy. Estabeleça a outra ordem de integração e calcule o valor do integral para f(x, y) = √ 2x. 9. Inverta a ordem de integração no seguinte integral duplo Z 1 0 dy Z √ y 0 f(x, y)dx + Z 2 1 dy Z 2−y 0 f(x, y)dx. 10. Considere o integral duplo Z 1 0 dy Z − ln y −1+ √ y f(x, y)dx. Inverta a ordem de integração e mostre que tem o valor 10 63 para o caso de f(x, y) = y2. 11. Determine o valor do integral duplo Z 1 4 0 dy Z 1 2 + 1−4y 4 1 2 − 1−4y 4 f(x, y) dx para f(x, y) = e y x +x .
  • 24. 1.4. INTEGRAIS DUPLOS - EXERCÍCIOS PROPOSTOS 23 12. Verifique que o valor do integral duplo Z ∞ 1 dx Z 1 x4 0 xex2√ y dy = 1. 13. Mostre, usando cada uma das possíveis ordens de integração, que 2/5 é o valor do integral duplo Z Z D xy2 dxdy para D = © (x, y) ∈ R2 : 0 ≤ y ≤ x ∧ xy ≤ 1 ª . 14. Considere o integral duplo Z 0 −1 dy Z 2 1+ √ −y f(x, y) dx + Z 1 0 dy Z 2 2− √ 1−y2 f(x, y) dx. (a) Inverta a ordem de integração. (b) Calcule o valor do integral para f(x, y) = y. 15. Verifique que Z Z D ¡ 2x3 y + xy2 ¢ dxdy = 4 para D definido pelas condições y = x2 + 1, y = x2, xy = 3 e xy = 1. 16. Passar às coordenadas polares (r, θ) , no integral duplo R R D f (x, y) dxdy e encontrar os limites de integração onde (a) D = © x2 + y2 ≤ 4 ª (b) D = © x2 + y2 ≤ 9x ª (c) D = © x2 + y2 = 4x, x2 + y2 = 8x, y = x, y = 2x ª (d) D = © 1 ≤ x2 + y2 ≤ 9 ª 17. Utilizando dois metodos diferentes calcule as áreas dos domínios de integração que se indicam (a) D = {x = 0, y = 0, x + y = 1}
  • 25. 24 Integrais Duplos (b) D = {y = x, y = 5x, x = 1} (c) D = {y = √ x, y = 2 √ x, x = 4} 18. Passando aos coordenadas polares calcule os seguintes integrais duplos (a) 1Z −1 √ 1−y2 Z 0 p x2 + y2dxdy (b) 2Z 0 √ 4−x2 Z 0 p x2 + y2dydx (c) 1Z 0 √ 1−x2 Z 0 ex2+y2 dydx (d) 1Z 1/2 √ 1−x2 Z 0 ¡ x2 + y2 ¢3/2 dydx (e) 1/2Z 0 √ 1−x2 Z 0 xy p x2 + y2dydx (f) 1Z −1 √ 1−y2 Z − √ 1−y2 e−(x2+y2 )dxdy (g) 2Z 0 √ 4−y2 Z − √ 4−y2 x2y2dxdy 19. Utilizando as coordenadas polares, calcule os seguintes integrais duplos: (a) R R D ¡ 3x + 4y2 ¢ dxdy, onde D = © x2 + y2 ≥ 1, x2 + y2 ≤ 4, y ≥ 0 ª (b) R R D xdxdy, onde D = © x2 + y2 ≤ 25 ª (c) R R D ydxdy, onde D é a região do plano real limitada por x2 + y2 = 9, y = 0 e y = x.
  • 26. 1.5. CÁLCULO DE VOLUMES 25 (d) R R D xydxdy, onde D é a região do 1o quadrante do plano real limitada por x2 + y2 = 4. e x2 + y2 = 25. (e) R R D e−x2−y2 dxdy, onde D é a região do plano real limitada por x = p 4 − y2 e x = 0. 20. Calcule o integral duplo Z Z D 1 (1 + x2 + y2)3/2 dxdy onde D é o triangulo de vertices (0, 0) , (1, 0) e (1, 1) . 21. Calcule o integral duplo Z Z D p x2 + y2dxdy onde D é o triangulo de vertices (0, 0) , (1, 0) e ¡ 1, √ 3 ¢ . 22. Calcule Z Z D ln ¡ 1 + x2 + y2 ¢ p x2 + y2 dxdy sabendo que o domínio de integração D é D = © 1 ≤ x2 + y2 ≤ 4, 0 ≤ x ≤ y ≤ 2x ª . 23. Calcule R R D ¡ x2 + y2 ¢ dxdy sendo D limitado pelas curvas de equação y = x, y = x2 e y = 2x2. 1.5 Cálculo de Volumes • Os integrais duplos podem ser utilizados no cálculo: — de áreas, sendo A (D) = Z Z D 1 dxdy
  • 27. 26 Integrais Duplos — de volumes, sendo V (S) = Z Z D (q (x, y) − p (x, y)) dxdy o volume do sólido S compreendido entre os gráficos das funções q (x, y) (limita o sólido superiormente) e p (x, y) (limita o sólido inferiormente), no domínio D ⊂ R2. D R y z 0 z = q (x, y) z = p (x, y) x x = b x = a y = h (x) y = g (x) Exemplo 1. Calcule o volume da região do espaço limitada pelas superfícies z + x2 + y2 = b2, z = 0, |x| = a e |y| = a (0 < a < b). A superfície z +x2 +y2 = b2 corresponde a um parabolóide que se desenvolve ao longo do z-eixo com vértice (0, 0, b2). A condição |x| = a caracteriza os planos paralelos ao yz-plano de equações x = a e x = −a. A condição |y| = a caracteriza os planos paralelos ao xz-plano de equações y = a e y = −a. A condição z = 0 define o xy-plano. Uma maior secção plana D desta região do espaço R é o quadrado no xy-plano de vértices (a, a), (−a, a), (a, −a) e (−a, −a), isto é, D = © (x, y) ∈ R2 : −a ≤ x ≤ a ∧ −a ≤ y ≤ a ª
  • 28. 1.5. CÁLCULO DE VOLUMES 27 R = © (x, y, z) ∈ R3 : (x, y) ∈ D ∧ 0 ≤ z ≤ b2 − x2 − y2 ª . O volume pedido pode ser calculado por: V = ZZ D ¡ b2 − x2 − y2 ¢ dxdy = Z a −a µZ a −a ¡ b2 − x2 − y2 ¢ dy ¶ dx = Z a −a b2 y − x2 y − y3 3 ¯ ¯y=a y=−a dx = Z a −a 2b2 a − 2ax2 − 2 a3 3 dx = 2b2 ax − 2a x3 3 − 2 a3 3 x ¯ ¯x=a x=−a = 4b2 a2 − 8 a4 3 . Exemplo 2. Calcule o volume da região do espaço situada no 1o octante limitado pelas superfícies x = 1, z = x + y e x = √ 4 − y. As superfícies x = 1 e z = x + y são planos. A superfície x = √ 4 − y é um cilindro parabólico que se desenvolve ao longo do z-eixo dado que temos a equivalência x = p 4 − y ⇔ x2 = 4 − y ∧ x ≥ 0. Uma maior secção plana D desta região do espaço R é, no xy-plano,isto é, temos D = © (x, y) ∈ R2 | 0 ≤ x ≤ 1 ∧ 0 ≤ y ≤ 4 − x2 ª R = © (x, y, z) ∈ R3 | (x, y) ∈ D ∧ 0 ≤ z ≤ x + y ª . O volume pedido pode ser calculado por: V = ZZ D (x + y)dxdy == Z 1 0 ÃZ 4−x2 0 (x + y) dy ! dx = Z 1 0 ∙ xy + y2 2 ¸y=4−x2 y=0 dx = Z 1 0 x ¡ 4 − x2 ¢ + ¡ 4 − x2 ¢2 2 dx = Z 1 0 4x − x3 + 16 + x4 − 8x2 2 dx = 1 2 Z 1 0 ¡ 8x − 2x3 + 16 + x4 − 8x2 ¢ dx = 1 2 ∙ 4x2 − x4 2 + 16x + x5 5 − 8 x3 3 ¸x=1 x=0 dx = 1 2 ∙ 4 − 1 2 + 16 + 1 5 − 8 3 ¸ .
  • 29. 28 Integrais Duplos Exemplo 3. Calcule o volume da região do espaço limitada pelas superfícies x2 a2 + y2 b2 = 1, z + y = 2a e z = 0 (0 < b < 2a). A superfície x2 a2 + y2 b2 = 1 corresponde a um cilindro elíptico que se desenvolve ao longo do z-eixo. A superfície z + y = 2a é um plano paralelo ao x-eixo. A superfície z = 0 é o xy-plano. Uma maior secção plana D desta região do espaço R é a elipse no xy-plano de equação x2 a2 + y2 b2 = 1. Temos D = ½ (x, y) ∈ R2 | x2 a2 + y2 b2 = 1 ¾ R = © (x, y, z) ∈ R3 | (x, y) ∈ D ∧ 0 ≤ z ≤ 2a − y ª . O volume pedido pode ser calculado por: V = ZZ D (2a − y)dxdy e, aplicando a mudança de variáveis ⎧ ⎨ ⎩ x a = X y b = Y a que corresponde o jacobiano ¯ ¯ ¯ ¯ ∂ (x, y) ∂(X, Y ) ¯ ¯ ¯ ¯ = ab, temos V = ZZ D0 (2a − bY )ab dXdY. Aplicando coordenadas polares, temos V = Z 2π 0 µZ 1 0 (2a − br sin θ) abr dr ¶ dθ = ab Z 2π 0 ∙ 2a r2 2 − b r3 3 sin θ ¸r=1 r=0 dθ = ab Z 2π 0 µ a − b 1 3 sin θ ¶ dθ = ab ∙ aθ + b 1 3 cos θ ¸θ=2π θ=0 = ab µ a2π + b 1 3 − b 1 3 ¶ = 2πa2 b. Exemplo 4. Calcule o volume da região do espaço limitada pelas superfícies z = x2 + y2, y = x2, xy = 1, x = 2, y = 0 e z = 0. A superfície z = x2 + y2 corresponde a um parabolóide que se desenvolve ao longo do z-eixo de vértice (0, 0, 0) com todos os pontos de cota positiva.
  • 30. 1.5. CÁLCULO DE VOLUMES 29 A superfície y = x2 é um cilindro parabólico que se desenvolve ao longo do z-eixo. A superfície xy = 1 corresponde a um cilindro hiperbólico que se desenvolve ao longo do z-eixo. A superfície x = 2 é um plano paralelo ao yz-plano. As superfícies y = 0 e z = 0 são, respectivamente, o xz-plano e o xy-plano. Uma maior secção plana D desta região do espaço R é, no xy-plano, isto é, temos D = © (x, y) ∈ R2 | 0 ≤ x ≤ 1 ∧ 0 ≤ y ≤ x2 ª ∪ ½ (x, y) ∈ R2 | 1 ≤ x ≤ 2 ∧ 0 ≤ y ≤ 1 x ¾ R = © (x, y, z) ∈ R3 | (x, y) ∈ D ∧ 0 ≤ z ≤ x2 + y2 ª . O volume pedido pode ser calculado por: V = ZZ D (x2 + y2 )dxdy = Z 1 0 ÃZ x2 0 (x2 + y2 )dy ! dx + Z 2 1 ÃZ 1 x 0 (x2 + y2 )dy ! dx = Z 1 0 ∙ x2 y + y3 3 ¸y=x2 y=0 dx + Z 2 1 ∙ x2 y + y3 3 ¸y= 1 x y=0 dx = Z 1 0 µ x4 + x6 3 ¶ dx + Z 2 1 µ x + 1 3x3 ¶ dx = = ∙ x5 5 + x7 21 ¸x=1 x=0 + ∙ x2 2 − 1 6x2 ¸x=2 x=1 = 1573 840 . Exemplo 5. Calcule o volume limitado pelas superfícies x2 + y2 = 4, x + y + z = 2 e z = 0. A superfície x2 + y2 = 4 corresponde a um cilindro circular que se desenvolve ao longo do z-eixo. A superfície x + y + z = 2 é um plano que intersecta os eixos coordenados em x = 2, y = 2 e z = 2. A superfície z = 0 é o xy-plano. O volume pedido pode ser calculado por V = ZZ D (2 − x − y)dxdy.
  • 31. 30 Integrais Duplos Pode aplicar-se coordenadas polares a uma parte do domínio D: V = Z 2π π 2 µZ 2 0 (2 − r cos θ − r sin θ)r dr ¶ dθ + Z 2 0 µZ 2−x 0 (2 − x − y)dy ¶ dx = Z 2π π 2 ∙ r2 − r3 3 cos θ − r3 3 sin θ ¸r=2 r=0 dθ + Z 2 0 ∙ 2y − xy − y2 2 ¸y=2−x y=0 dx = Z 2π π 2 (4 − 8 3 cos θ − 8 3 sin θ)dθ + Z 2 0 (4 − 2x − 2x + x2 − 4 − 4x + x2 2 )dx = Z 2π π 2 (4 − 8 3 cos θ − 8 3 sin θ)dθ + Z 2 0 (4 − 6x + 3 2 x2 )dx = ∙ 4θ − 8 3 sin θ + 8 3 cos θ ¸θ=2π θ=π 2 + ∙ 4x − 3x2 + 1 2 x3 ¸x=2 x=0 = 8π + 8 3 − 2π + 8 3 + 8 − 12 + 4 = 6π + 16 3 . 1.6 Cálculo de volumes - Exercícios Propostos 1. Calcule o volume limitado pelas superfícies x2 + y2 + z − 8 = 0 e x2 + 3y2 − z = 0. 2. Calcule o volume limitado pelas superfícies x2 + y = 4, x2 − y + 2 = 0, z = 2 e z = −1. 3. Calcule o volume limitado pelas superfícies x2 +y2 −1 = 0, y = −1 e x2 −y2 +z2 = 0. 4. Calcule o volume da região do espaço definida pelas condições x2 + y2 + z2 ≤ 4 e z ≤ p 3x2 + 3y2. 5. Utilizando os integrais duplos calcule os volumes dos sólidos limitados pelas seguintes superfícies (a) ½ x2 = 4y 2y − x − 4 = 0 (b) ⎧ ⎨ ⎩ x2 + y2 = 1 z = 0 x + z = 1
  • 32. 1.6. CÁLCULO DE VOLUMES - EXERCÍCIOS PROPOSTOS 31 (c) ⎧ ⎨ ⎩ z = 1 − y2 2x + 3y + z + 10 = 0 x2 + y2 = z (d) ½ z = 4 − x2 − y2 z = 2 + y2 (e) ½ z = 2 − x2 − y2 z = x2 + y2 (f) ⎧ ⎨ ⎩ x = 4 y = 4 z = x2 + y2 + 1 (g) ½ x + y = 1 z = x2 + y2 (h) ⎧ ⎪⎪⎨ ⎪⎪⎩ y2 = x y2 = 4x z = 0 x + z = 6 (i) ⎧ ⎪⎨ ⎪⎩ z = 0 2y2 = x x 4 + y 2 + z 4 = 1 (j) ⎧ ⎪⎪⎨ ⎪⎪⎩ z = 1 z = 12 − 3x − 4y x2 4 + y2 = 1 (k) ⎧ ⎨ ⎩ x = 3 z = 0 z = x2 − y2 (l) ⎧ ⎪⎪⎨ ⎪⎪⎩ z = 0 y = 1 y = x2 z = x2 + y2 (m) ⎧ ⎨ ⎩ z = 0 z = x + y + 10 x2 + y2 = 4 (n) ⎧ ⎨ ⎩ 2x − z = 0 4x − z = 0 x2 + y2 = 2x 6. Encontra o volume do sólido limitado superiormente pela superfície de equação z = x + y e limitado inferiormente do triângulo de vertices (0, 0, 0) , (0, 1, 0) , (1, 0, 0) .
  • 33. 32 Integrais Duplos 7. Calcule o volume do sólido limitado superiormente pelo plano z = y+b, inferiormente pelo plano xy e lateral pelo cilindro circular x2 + y2 = b2, sendo b um número real. 8. Encontra o volume do elipsóido de equação x2 4 + y2 4 + z2 3 = 1. 9. Encontra o volume do sólido limitado superiormente pelo plano z = 2x e limitado inferiormente pelo círculo (x − 1)2 + y2 ≤ 1. 10. Encontra o volume do sólido limitado superiormente pelo parabolóide z = x2 + y2 e limitado inferiormente pela região D que está dentro da curva x2 + y2 = 2ax. 11. Encontra o volume do sólido situado dentro da esfera x2 + y2 + z2 = 16 e fora do cilindro x2 + y2 = 4. 12. Calcule o volume do sólido limitado pelo parabolóido z = 10−3x2 −3y2 e pelo plano z = 4. 13. Calcule o volume do sólido limitado pelos parabolóidos z = 3x2+3y2 e z = 4−x2−y2. 14. Calcule o volume do sólido situado no interior do cilindro x2 + y2 = 4 e do elipsóido 4x2 + 4y2 + z2 = 64.
  • 34. Capítulo 2 Integrais de Linha 2.1 Exercícios propostos 1. Calcule o valor do integral de linha Z C − y x2 + y2 dx + x x2 + y2 dy ao longo da curva plana C definida pela equação x2 +y2 = a2 e percorrida no sentido positivo. 2. Verifique que é igual a zero o valor do integral curvilíneo do campo de vectores −→ F (x, y) = x−→e1 + xy−→e2 ao longo de qualquer circunferência de centro (0, 0), mas que −→ F não é um campo gradiente ou conservativo (ou com potencial). 3. Calcule o valor do integral de linha Z C xzdx + xdy − yzdz sendo C a curva no espaço constituída pela porção de circunferência de centro O (0, 0, 0) que une o ponto A (0, 0, 1) ao ponto B (1, 0, 0) seguido de um segmento de recta que une B (1, 0, 0) ao ponto D (0, 1, 0) e de outro segmento de recta que une D (0, 1, 0) ao ponto E (0, 1, 1) . 33
  • 35. 34 CAPÍTULO 2. INTEGRAIS DE LINHA 4. Dada a curva no espaço definida parametricamente por −→r ≡ ⎧ ⎨ ⎩ x = x y = x2 z = 0 compreendida entre os pontos A (−1, 1, 0) e B (2, 4, 0) , e sendo f(x, y, z) = xyz + x2 − y3, mostre que Z C f(x, y, z)dx = − 108 7 . 5. Sendo C o arco de circunferência x2 + y2 = 1 compreendido entre A (0, 1, 0) e B(1, 0, 0), verifique a igualdade Z C ¡ x2 y ¢ dy = − 1 4 . 6. Mostre que 4ab2/3 é o valor do integral de linha Z C y2 dx + x2 dy sendo C a porção da elipse entre os vértices (a, 0) e (−a, 0) passando pelo vértice (0, b) , com orientação positiva (a, b > 0). 7. Mostre que πa4/2 é o valor do trabalho do campo de vectores −→ F (x, y) = ¡ −x2 y, xy2 ¢ ao longo da circunferência x2 + y2 = a2, percorrida no sentido positivo. 8. Utilize os processos indicados em cada uma das alíneas para calcular o trabalho de campo de vectores −→ F (x, y) = ³ 2 ¡ x2 + y2 ¢ , (x + y)2 ´ ao longo da curva plana C sendo esta o contorno do triângulo de vértices A(1, 1), B(2, 2) e C(1, 3) percorrido no sentido positivo. (a) directamente pelas parametrizações; (b) usando o teorema de Green.
  • 36. 2.1. EXERCÍCIOS PROPOSTOS 35 9. Determine, usando integrais de linha, a área do círculo. 10. Prove, utilizando integrais de linha, que πab é a área delimitada pela elipse de equação x2 a2 + y2 b2 = 1. 11. Utilize o teorema de Green para mostrar que o trabalho realizado pelo campo de vectores −→ F (x, y) = (y + 3x) −→e1 + (2y − x) −→e2, quando o ponto de aplicação da força dá uma volta no sentido positivo em torno da elipse de equação 4x2 + y2 = 4, é de −4π. 12. Calcule o valor do integral de linha I C (2x − y + 4) dx + (5x + 3y − 6) dy sendo C cada uma das seguintes curvas planas: (a) o contorno do triângulo de vértices O(0, 0), A(3, 0) e B(3, 2); (b) a circunferência de centro (0, 0) e raio 4. 13. Mostre que é 3πa2/8 o valor da área da hipocicloide de equação x 2 3 + y 2 3 = a 2 3 cuja parametrização é −→r ≡ ⎧ ⎨ ⎩ x = a cos3 θ y = a sin3 θ , para 0 ≤ θ < 2π. 14. Verifique que o campo de vectores −→ F (x, y) = (y + 2x exp y) −→e1 + ¡ x − 2y + x2 exp y ¢ −→e2 é conservativo ou gradiente (ou com potencial) e determine a respectiva função po- tencial associada. Calcule ainda o valor do trabalho do campo de vectores −→ F no deslocamento de uma partícula entre os pontos (1, 1) e (2, 4) da parábola de equação y = x2.
  • 37. 36 CAPÍTULO 2. INTEGRAIS DE LINHA 15. Considere o integral de linha Z C x2 ydx + x3 3 dy. (a) Calcule o valor do integral de linha sendo C a curva plana definida por y = x2 com 0 ≤ x ≤ 1; (b) Prove que existe uma função f(x, y) tal que df = x2 ydx + x3 3 dy; (c) Determine a função f tal que −−−→ gradf = µ x2 y, x3 3 ¶ ; (d) Calcule o valor do integral de linha anterior usando a alínea b. 16. Calcule o valor do integral de linha Z C ¡ 2xy − y4 + 3 ¢ dx + ¡ x2 − 4xy3 ¢ dy ao longo da curva plana C definida parametricamente por −→r (θ) = (sin θ, arcsin θ) entre A(1, 0) e B(0, 1). 17. Calcule o comprimento da curva plana definida por x2 + y2 = a2. 18. Mostre que πa (2b + a) é o valor do integral de linha Z C zdx + xdy + ydz ao longo da espira de hélice de equações paramétricas x(t) = a cos t, y(t) = a sin t, z(t) = bt, para t ∈ [0, 2π] . 19. Mostre que Z (P2) (P1) (z + y) dx + (x + z) dy + (x + y) dz = 280 ao longo da curva C no espaço parametrizada por −→r (t) = ¡ t2, t3, t − 2 ¢ sabendo que P1 (1, 1, −1) e P2 (9, 27, 1) .
  • 38. 2.2. INTEGRAIS DE LINHA - PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO 37 20. Mostre a igualdade I ABCA xdx + zdy + ydz = 0 sendo A (1, 0, 0) , B(0, 1, 0) e C(0, 0, 1). 21. Use a fórmula R (P1) (P0) f(x, y, z)d−→r = R t1 t0 f (x(t), y(t), z(t)) · k(x0(t), y0(t), z0(t))k dt para provar que (a) com −→r (t) = ¡ t, t2, t3 ¢ , P0(1, 1, 1), P1(2, 4, 8), e f(x, y, z) = xyz2 se tem Z (P1) (P0) f(x, y, z)d−→r = Z 2 1 t9 p 1 + 4t2 + 9t4dt; (b) com −→r (θ) = (4 cos θ, 4 sin θ, 2θ) , P0(4, 0, 0), P1(4, 0, 4π), e f(x, y, z) = z2 se tem Z (P1) (P0) f(x, y, z)d−→r = 64 √ 5 3 π3 . 22. Calcule o trabalho do campo de vectores −→ F (x, y, z) = (xy2 , 1, z) ao longo da curva C no espaço definida por (a) y = 2 ∧ z = −2t + 5 entre os pontos (1, 2, 3) e (2, 2, 1); (b) x2 16 + y2 9 = 1 ∧ x ≤ 0 ∧ z = 0. 2.2 Integrais de linha - Propostas de resolução Exercise 1 Mostre que πa4/2 é o valor do trabalho do campo de vectores −→ F (x, y) = ¡ −x2 y, xy2 ¢ ao longo da circunferência x2 + y2 = a2, percorrida no sentido positivo.
  • 39. 38 CAPÍTULO 2. INTEGRAIS DE LINHA O trabalho pedido pode ser calculado por W = I C −→ F |d−→r = I C ¡ −x2 y, xy2 ¢ |d−→r = Z 2π 0 ¡ −a2 cos2 θa sin θ, a cos θa2 sin2 θ ¢ |(−a sin θ, a cos θ) dθ considerando a curva C parametrizada por −→r (θ) ≡ ½ x(θ) = a cos θ y(θ) = a sin θ para θ ∈ [0, 2π[. Notemos que a expressão geral do vector tangente é d−→r dθ = (−a sin θ, a cos θ). Temos então W = Z 2π 0 ¡ a4 cos2 θ sin2 θ + a4 cos2 θ sin2 θ ¢ dθ = 2a4 Z 2π 0 cos2 θ sin2 θ dθ = 2a4 Z 2π 0 1 + cos(2θ) 2 . 1 − cos(2θ) 2 dθ = 2a4 4 Z 2π 0 (1 − cos2 (2θ))dθ = a4 2 Z 2π 0 (1 − 1 + cos(4θ) 2 )dθ = a4 2 ∙ θ − θ 2 + sin(4θ) 8 ¸θ=2π θ=0 = a4π 2 . Exercise 2 Calcule o trabalho do campo de vectores −→ F (x, y) = ³ 2 ¡ x2 + y2 ¢ , (x + y)2 ´ ao longo da curva plana C sendo esta o contorno do triângulo de vértices A(1, 1), B(2, 2) e C(1, 3) percorrido no sentido positivo. A curva C é seccionalmente regular (represente a curva) sendo união de três arcos regulares C1, C2 e C3 que são, respectivamente, os segmentos de recta [AB], [BC] e [CA]. O trabalho pedido pode ser calculado por W = I C −→ F |d−→r = I C1 −→ F |d−→r + I C2 −→ F |d−→r + I C3 −→ F |d−→r . Uma parametrização do arco C1, contido na recta y = x, é −→r (t) ≡ ½ x(t) = t y(t) = t para t ∈ [1, 2] a que corresponde a expressão geral do vector tangente d−→r dt = (1, 1). Uma parametrização do arco C2, contido na recta y = −x + 4, é −→r (t) ≡ ½ x(t) = 4 − t y(t) = t para t ∈ [2, 3].
  • 40. 2.2. INTEGRAIS DE LINHA - PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO 39 a que corresponde a expressão geral do vector tangente d−→r dt = (−1, 1). Uma parametriza- ção do arco C3, contido na recta x = 1, é −→r (t) ≡ ½ x(t) = 1 y(t) = −t para t ∈ [−3, −2] a que corresponde a expressão geral do vector tangente d−→r dt = (0, −1). Temos então W = I C1 (2 ¡ x2 + y2 ¢ , (x + y)2 ) |d−→r + I C2 (2 ¡ x2 + y2 ¢ , (x + y)2 ) |d−→r + I C3 (2 ¡ x2 + y2 ¢ , (x + y)2 ) |d−→r = Z 2 1 (4t2 , 4t2 ) |(1, 1) + Z 3 2 (2((4 − t)2 + t2 ), 16) |(−1, 1) + Z −2 −3 (2(1 + t2 ), (1 − t)2 ) |(0, −1) = Z 2 1 8t2 dt + Z 3 2 (−16 + 16t − t2 )dt + Z −2 −3 (−1 + 2t − t2 )dt = 8 ∙ t3 3 ¸2 1 + ∙ −16t + 8t2 − t3 3 ¸3 2 + ∙ −t + t2 − t3 3 ¸−2 −3 = − 4 3 . Exercise 3 Calcule o trabalho do campo de vectores −→ F (x, y, z) = (xy2 , 1, z) ao longo da curva C no espaço definida por (a) y = 2 ∧ z = −2t + 5 entre os pontos (1, 2, 3) e (2, 2, 1); (b) x2 16 + y2 9 = 1 ∧ x ≤ 0 ∧ z = 0. (a) O trabalho pedido pode ser calculado por W = I C −→ F |d−→r = I C (xy2 , 1, z) |d−→r Uma parametrização de C é −→r (t) ≡ ⎧ ⎨ ⎩ x(t) = t y(t) = 2 z(t) = −2t + 5 para t ∈ [1, 2] a que corresponde a expressão geral do vector tangente d−→r dt = (1, 0, −2). Temos então W = I C (xy2 , 1, z) |d−→r = Z 2 1 (4t, 1, −2t + 5) |(1, 0, −2) = Z 2 1 (4t + 4t − 10)dt = £ 4t2 − 10t ¤2 1 = 16 − 20 − 4 + 10 = 2.
  • 41. 2.2. INTEGRAIS DE LINHA - PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO 41 Exercise 5 Calcule o valor do integral de linha Z C xzdx + xdy − yzdz sendo C a curva no espaço constituída pela porção de circunferência de centro O (0, 0, 0) que une o ponto A (0, 0, 1) ao ponto B (1, 0, 0) , seguido de um segmento de recta que une B (1, 0, 0) ao ponto D (0, 1, 0) e de outro segmento de recta que une D (0, 1, 0) ao ponto E (0, 1, 1) . A curva C é seccionalmente regular (represente a curva) sendo união de três arcos regulares C1, C2 e C3 que são, respectivamente, os arcos [AB], [BD] e [DE]. O trabalho pedido pode ser calculado por W = I C −→ F |d−→r = I C1 −→ F |d−→r + I C2 −→ F |d−→r + I C3 −→ F |d−→r . Uma parametrização do arco C1, contido na circunferência de equação x2 + y2 = 1, é −→r (θ) ≡ ⎧ ⎨ ⎩ x(θ) = sin θ y(θ) = 0 z(θ) = cos θ para θ ∈ [0, π 2 ] a que corresponde a expressão geral do vector tangente d−→r dθ = (cos θ, 0, − sin θ). Uma parametrização do arco C2, contido na recta y = −x + 1 ∧ z = 0, é −→r (t) ≡ ⎧ ⎨ ⎩ x(t) = 1 − t y(t) = t z(t) = 0 para t ∈ [0, 1]. a que corresponde a expressão geral do vector tangente d−→r dt = (−1, 1, 0). Uma parame- trização do arco C3, contido na resta x = 0 ∧ y = 1, é −→r (t) ≡ ⎧ ⎨ ⎩ x(t) = 0 y(t) = 1 z(t) = t para t ∈ [0, 1]
  • 42. 42 CAPÍTULO 2. INTEGRAIS DE LINHA a que corresponde a expressão geral do vector tangente d−→r dt = (0, 0, 1). Temos então W = I C1 (xz, x, −yz) |d−→r + I C2 (xz, x, −yz) |d−→r + I C3 (xz, x, −yz) |d−→r = Z π 2 0 (sin θ cos θ, sin θ, 0) |(cos θ, 0, − sin θ) dθ + Z 1 0 (0, 1 − t, 0) |(−1, 1, 0) dt + Z 1 0 (0, 0, −t) |(0, 0, 1) dt = Z π 2 0 sin θ cos2 θdθ + Z 1 0 (1 − t)dt + Z 1 0 −t dt = ∙ − cos3 θ 3 ¸π 2 0 + ∙ t − t2 2 ¸1 0 − ∙ t2 2 ¸1 0 = 1 3 . Exercise 6 Mostre que πa (2b + a) é o valor do integral de linha Z C zdx + xdy + ydz ao longo da espira de hélice de equações paramétricas x(t) = a cos t, y(t) = a sin t, z(t) = bt, para t ∈ [0, 2π] . Uma parametrização de C é −→r (t) ≡ ⎧ ⎨ ⎩ x(t) = a cos t y(t) = a sin t z(t) = bt para t ∈ [0, 2π] a que corresponde a expressão geral do vector tangente d−→r dt = (−a sin t, a cos t, b). Temos então Z C zdx + xdy + ydz = Z 2π 0 bt (−a sin t) dt + a cos t (a cos t) dt + a sin t · bdt = Z 2π 0 −abt sin tdt + a2 cos2 tdt + ab sin tdt = [abt cos t]2π 0 − ab Z 2π 0 cos tdt + a2 Z 2π 0 1 + cos (2t) 2 dt +ab Z 2π 0 sin tdt = [abt cos t]2π 0 − ab [sin t]2π 0 + a2 ∙ t 2 + 1 4 sin(2t) ¸2π 0 +ab [− cos t]2π 0 = aπ (2b + a) .
  • 43. 2.2. INTEGRAIS DE LINHA - PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO 43 Exercise 7 Verifique que −→ F (x, y) = (y + 2x exp y) −→e1 + ¡ x − 2y + x2 exp y ¢ −→e2 é um campo conservativo ou gradiente (ou com potencial) e determine a respectiva função potencial associada. Calcule ainda o valor do trabalho do campo de vectores −→ F no deslo- camento de uma partícula entre os pontos (1, 1) e (2, 4) da parábola de equação y = x2. Trata-se de verificar se existe uma função f(x, y) tal que ∂f dx dx + ∂f dy dy = (y + 2x exp y) dx + ¡ x − 2y + x2 exp y ¢ dy. Para que tal aconteça, a função terá de verificar o teorema de Schwarz, ou seja, terá de se verificar ∂ (y + 2x exp y) ∂y = ∂ ¡ x − 2y + x2 exp y ¢ ∂x . De facto ambas as derivadas têm por expressão 1 + 2x exp y. Podemos assim concluir que o campo de vectores −→ F é um campo conservativo. Quanto à determinação da função potencial f atenda-se a que ela verifica as igualdades ∂f dx = y + 2x exp y ∂f dy = x − 2y + x2 exp y. Como tal, f(x, y) = Z (y + 2x exp y) dx = yx + x2 exp y + C(y). Dada a igualdade ∂f dy = x − 2y + x2 exp y, sabemos ainda que ∂ ¡ yx + x2 exp y + C(y) ¢ dy = x − 2y + x2 exp y ⇔ x + x2 exp y + C0 (y) = x − 2y + x2 exp y ⇒ C0 (y) = 2y ⇒ C(y) = y2 + C Podemos então concluir que f(x, y) = yx + x2 exp y + y2 .
  • 44. 44 CAPÍTULO 2. INTEGRAIS DE LINHA O trabalho pedido pode ser calculado por W = I C −→ F |d−→r = I C (y + 2x exp y, x − 2y + x2 exp y) |(dx, dy) = I C (y + 2x exp y) dx + ¡ x − 2y + x2 exp y ¢ dy = I C df = [f(x, y)] (2,4) (1,1) = f(2, 4) − f(1, 1) = 6 + 4e4 + 16 − (1 + e + 1) = 20 + 4e4 − e. 2.3 Com o Teorema de Green - Exercícios propostos Exercise 8 Utilize o teorema de Green para calcular o trabalho de campo de vectores −→ F (x, y) = (2 ¡ x2 + y2 ¢ , (x + y)2 ) ao longo da curva plana C sendo esta o contorno do triângulo de vértices A(1, 1), B(2, 2) e C(1, 3), percorrido no sentido positivo. Exercise 9 Calcule o valor do integral de linha I C ¡ 1 + 10xy + y2 ¢ dx + ¡ 6xy + 5x2 ¢ dy ao longo do contorno de um quadrado de lado a orientado positivamente. Exercise 10 Calcule o valor do integral de linha I C ¡ 2xy3 − y2 cos x ¢ dx + ¡ 1 − 2y sin x + 3x2 y2 ¢ dy ao longo do contorno do paralelogramo de vértices (0, 0), (3, 0), (5, 2) e (2, 2). Exercise 11 Use o teorema de Green para calcular a área da elipse de equação x2 a2 + y2 b2 = 1. Exercise 12 Utilize o teorema de Green para calcular o trabalho de campo de vectores −→ F (x, y) = (y + 3x)−→e1 + (2y − x)−→e2 quando o ponto de aplicação da força dá uma volta no sentido positivo em torno da elipse C de equação 4x2 + y2 = 4.
  • 45. 2.3. COM O TEOREMA DE GREEN - EXERCÍCIOS PROPOSTOS 45 2.3.1 Propostas de resolução Exercise 13 Utilize o teorema de Green para calcular o trabalho de campo de vectores −→ F (x, y) = (2 ¡ x2 + y2 ¢ , (x + y)2 ) ao longo da curva plana C sendo esta o contorno do triângulo de vértices A(1, 1), B(2, 2) e C(1, 3) percorrido no sentido positivo. O trabalho pedido pode ser calculado por W = I C −→ F |d−→r = I C (2 ¡ x2 + y2 ¢ , (x + y)2 ) |(dx, dy) = I C 2 ¡ x2 + y2 ¢ dx + (x + y)2 dy T.Green = ZZ D Ã ∂ (x + y)2 ∂x − ∂2 ¡ x2 + y2 ¢ ∂y ! dxdy = ZZ D (2(x + y) − 4y) dxdy = ZZ D (2x − 2y) dxdy sendo D o triângulo de vértices A(1, 1), B(2, 2) e C(1, 3) (faça o esboço da curva) e dado que C é uma curva fechada seccionalmente regular com orientação positiva. Temos então W = 2 ZZ D (x − y) dxdy = 2 Z 2 1 µZ 4−x x (x − y) dy ¶ dx = 2 Z 2 1 ∙ xy − y2 2 ¸y=4−x y=x dx = 2 Z 2 1 Ã x (4 − x) − (4 − x)2 2 − x2 + x2 2 ! dx = 2 Z 2 1 ¡ 8x − 2x2 − 8 ¢ dx = 4 ∙ 2x2 − x3 3 − 4x ¸2 1 = − 4 3 . Exercise 14 Calcule o valor do integral de linha I C ¡ 1 + 10xy + y2 ¢ dx + ¡ 6xy + 5x2 ¢ dy ao longo do contorno de um quadrado de lado a orientado positivamente. Consideremos o contorno do quadrado de vértices (0, 0), (a, 0), (a, a) e (0, a). Trata-se de uma curva fechada seccionalmente regular orientada positivamente. Pelo teorema de
  • 46. 46 CAPÍTULO 2. INTEGRAIS DE LINHA Green, temos I C ¡ 1 + 10xy + y2 ¢ dx + ¡ 6xy + 5x2 ¢ dy = ZZ D Ã ∂ ¡ 6xy + 5x2 ¢ ∂x − ∂ ¡ 1 + 10xy + y2 ¢ ∂y ! dxdy = ZZ D (6y + 10x − 10x − 2y) dxdy = ZZ D 4y dxdy sendo D o quadrado de vértices (0, 0), (a, 0), (a, a) e (0, a). Temos então I C ¡ 1 + 10xy + y2 ¢ dx + ¡ 6xy + 5x2 ¢ dy = Z a 0 µZ a 0 4y dy ¶ dx = 4 Z a 0 ∙ y2 2 ¸y=a y=0 dx = 4 Z a 0 a2 2 dx = 4 a2 2 [x]a 0 = 2a3 . Exercise 15 Calcule o valor do integral de linha I C ¡ 2xy3 − y2 cos x ¢ dx + ¡ 1 − 2y sin x + 3x2 y2 ¢ dy ao longo do contorno do paralelogramo de vértices (0, 0), (3, 0), (5, 2) e (2, 2). Trata-se de uma curva fechada seccionalmente regular com orientação positiva. Pelo teorema de Green, temos I C ¡ 2xy3 − y2 cos x ¢ dx + ¡ 1 − 2y sin x + 3x2 y2 ¢ dy = ZZ D Ã ∂ ¡ 1 − 2y sin x + 3x2y2 ¢ ∂x − ∂ ¡ 2xy3 − y2 cos x ¢ ∂y ! dxdy = ZZ D ¡ −2y cos x + 6xy2 − 6xy2 + 2y cos x ¢ dxdy = ZZ D 0 dxdy = 0 sendo D o paralelogramo de vértices (0, 0), (3, 0), (5, 2) e (2, 2). Exercise 16 Use o teorema de Green para calcular a área da elipse de equação x2 a2 + y2 b2 = 1. Considerando a elipse com orientação positiva, podemos aplicar a fórmula área = 1 2 I C xdy − ydx
  • 47. 2.3. COM O TEOREMA DE GREEN - EXERCÍCIOS PROPOSTOS 47 obtida por aplicação do teorema de Green. Temos então área = 1 2 I C xdy − ydx = 1 2 Z 2π 0 a cos t(b cos t)dt − b sin t(−a sin t)dt = 1 2 Z 2π 0 ab dt = 1 2 ab [t]2π 0 = πab considerando a elipse parametrizada por −→r (t) ≡ ½ x(t) = a cos t y(t) = b sin t para t ∈ [0, 2π]. Exercise 17 Utilize o teorema de Green para calcular o trabalho de campo de vectores −→ F (x, y) = (y + 3x)−→e1 + (2y − x)−→e2 quando o ponto de aplicação da força dá uma volta no sentido positivo em torno da elipse C de equação 4x2 + y2 = 4. O trabalho pedido pode ser calculado por W = I C −→ F |d−→r = I C (y + 3x, 2y − x) |(dx, dy) = I C (y + 3x) dx + (2y − x) dy T.Green = ZZ D µ ∂ (2y − x) ∂x − ∂ (y + 3x) ∂y ¶ dxdy = ZZ D (−1 − 1) dxdy = −2 ZZ D dxdy sendo D a elipse de equação 4x2 + y2 = 4 unida com o seu interior e atendendo a que esta é uma curva fechada regular. Atendendo à fórmula conhecida para a área da elipse, e dado que nesta o semi-eixo maior mede 4 e o semi-eixo menor mede 2, temos W = −2 ZZ D dxdy = −2 · área de D = −2 · π · 2 · 1 = −4π.
  • 48. 2.3. COM O TEOREMA DE GREEN - EXERCÍCIOS PROPOSTOS 47 obtida por aplicação do teorema de Green. Temos então área = 1 2 I C xdy − ydx = 1 2 Z 2π 0 a cos t(b cos t)dt − b sin t(−a sin t)dt = 1 2 Z 2π 0 ab dt = 1 2 ab [t]2π 0 = πab considerando a elipse parametrizada por −→r (t) ≡ ½ x(t) = a cos t y(t) = b sin t para t ∈ [0, 2π]. Exercise 17 Utilize o teorema de Green para calcular o trabalho de campo de vectores −→ F (x, y) = (y + 3x)−→e1 + (2y − x)−→e2 quando o ponto de aplicação da força dá uma volta no sentido positivo em torno da elipse C de equação 4x2 + y2 = 4. O trabalho pedido pode ser calculado por W = I C −→ F |d−→r = I C (y + 3x, 2y − x) |(dx, dy) = I C (y + 3x) dx + (2y − x) dy T.Green = ZZ D µ ∂ (2y − x) ∂x − ∂ (y + 3x) ∂y ¶ dxdy = ZZ D (−1 − 1) dxdy = −2 ZZ D dxdy sendo D a elipse de equação 4x2 + y2 = 4 unida com o seu interior e atendendo a que esta é uma curva fechada regular. Atendendo à fórmula conhecida para a área da elipse, e dado que nesta o semi-eixo maior mede 4 e o semi-eixo menor mede 2, temos W = −2 ZZ D dxdy = −2 · área de D = −2 · π · 2 · 1 = −4π.