SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
Capítulo 4
Funções de duas variáveis
4.1 Funções de varias variáveis - Definição e exemplos
Definição 1: Chamamos de função real com n variáveis a uma função do tipo
f : D → R com D ⊂ Rn
= R × · · · × R.
Ou seja, uma função cujo domínio D (ou D(f)) é um subconjunto de Rn
e seu contra-
domínio é R.
Exemplo:
1. f : R2
→ R, (x, y) → 2x + 3y
D = R, é uma função real de duas variáveis (é também uma função linear).
2. f : R3
→ R, (x, y, z) → x2
+ 3y + z
D = R3
, é uma função real de três variáveis (é também uma função polinomial)
3. f : R3
− {(0, 0, 0)} → R, (x, y, z) →
2x
x2 + y2 + z2
D = R3
−{(0, 0, 0)} ⊂ R3
é uma função real de três variáveis (é também uma função
racional, isto é, quociente de duas funções polinomiais).
Usamos, também, a notação ( mais resumida) para representar funções reais de n variáveis;
y = f(x1, · · · , xn)
Neste caso D(f) é o conjunto D(f) = {(x1, · · · , xn) ∈ Rn
; f(x1, · · · , xn) ∈ R}
40
4.2 Domínio - Representação Gráfica
Exemplo : Determine e represente geometricamente os domínios das funções
1. f(x, y) = 3x2
+ 1
D(f) = R2
O x
y
Representação gráfica
Figura 1
2. f(x, y) =
3x2
− 1
x2 + y2 + 1
x2
+ y2
+ 1 = 0, não tem solução, logo D(f) = R2
.
Representação gráfica: Figura 1
3. f(x, y) =
3x2
+ y
x2 + y2
x2
+ y2
= 0. Como x2
≥ 0 e y2
≥ 0 então
x2
+ y2
= 0 ⇔ x2
= 0 e y2
= 0
⇔ x = 0 e y = 0.
Logo D(f) = R2
− {(0, 0)}.
x
y
O
Representação gráfica
4. f(x, y) =
x3
x − y
D(f) = {(x, y) ∈ R2
; x − y = 0},
ou seja, todo o plano exceto a 1a
bissetriz.
x
y
O
Representação gráfica
y
=
x
Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 41
5. f(x, y) =
2x + y
√
x2 − y
D(f) = {(x, y) ∈ R2
; x2
> y}
x
y
O
Representação gráfica
y=x2
6. f(x, y) = ln
x − y
y − 1
D(f) = (x, y) ∈ R2
;
x − y
y − 1
> 0
equivalente a x − y > 0 e y − 1 > 0
ou x − y < 0 ou y − 1 < 0.
x
y
O
Representação gráfica
y
=
x
y = 1
7. f(x, y) = arcsec(x2
+ y2
)
D(f) = {(x, y) ∈ R2
; x2
+y2
≤ −1 ou x2
+y2
≥ 1},
ou melhor, como x2
+ y2
≤ −1 não ocorre para
nenhum (x, y) ∈ R2
,
D(f) = {(x, y) ∈ R2
; x2
+ y2
≥ 1}.
x
y
O
Representação gráfica
8. f(x, y) = arccos x2
+
y2
4
D(f) = {(x, y) ∈ R2
; −1 ≤ x2
+
y2
4
≤ 1}, ou
melhor, como −1 ≤ x2
+
y2
4
para todo (x, y) ∈ R2
D(f) = {(x, y) ∈ R2
; x2
+
y2
4
≤ 1}
x
y
Representação gráfica
Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 42
4.3 Construção de gráficos e curvas de nível
Gráfico
Definição: Dado uma função f : D → B seu gráfico é o conjunto {(a, f(a); a ∈ D}.
No caso de funções reais de uma variável temos:
f : D → R; D ⊂ R seu gráfico é uma curva do R2
.
Para uma função de duas variáveis
f : D → R, D ⊂ R2
(x, y) → f(x, y)
O gráfico da função f é uma superfície de R3
.
Exemplo: A esfera x2
+ y2
+ z2
= 1 é uma superfície de R3
que não é gráfico de função
z = f(x, y).
Da equação da esfera tem-se,
z = ± 1 − x2 − y2
Sejam as funções f(x, y) =
√
1 − x2 − y2 e
g(x, y) = −
√
1 − x2 − y2
D(f) = D(g) = {(x, y) ∈ R2
; x2
+ y2
≤ 1}
(O círculo x2
+ y2
= 1 e seu interior)
O gráfico de f é a semi-esfera superior (z ≥ 0)
e o gráfico de g é a semi-esfera inferior (z ≤ 0).
Curvas de nível
Um recurso auxiliar para esboçar gráficos são as curvas de nível da função.
Definição: Dados uma função z = f(x, y) e k ∈ R, a curva de nível de f em z = k é o
conjunto {(x, y) ∈ R2
; f(x, y) = k}. Ou seja, é o conjunto dos elementos do domínio de
f que possuem imagens igual a k. É também a intersecção do gráfico de f com o plano
(paralelo a XOY ) de equação z = k
Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 43
Exemplo 1: Determine e esboce a curva de nível de f(x, y) =
y
x
em z = 2.
A curva de nível é o conjunto dos pontos (x, y) ∈ R2
que satisfazem a
2 =
y
x
⇔ y = 2x com x = 0. Ou seja, trata-se da reta
de equação y = 2x exceto o ponto (0, 0) x
y
Representação gráfica
Exemplo 2: Dada a função
f(x, y) =
x
y2 − 1
determine e represente seu domínio e as suas curvas de nível.
D(f) = {(x, y) ∈ R2
; y = −1 e y = 1} (ou seja, todo
o plano exceto as retas y = 1 e y = −1).
x
y
Representação gráfica
Curvas de nível
Seja a equação
x
y2 − 1
= k que é equivalente a x = k(y2
− 1) com y = 1 e y = −1.
Para k = 0, temos a parábola x = k(y2
− 1) com exceção dos pontos (0, −1) e (0, 1)
Para k = 0 temos x = 0 com y = 1 e y = −1, ou seja, o eixo OY exceto os pontos
(0, 1) e (0, −1).
x
y
Representação gráfica
k ≥ 0
x
y
k < 0
Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 44
Exemplo 3:
I) Determine e represente graficamente.
i) Domínio de f.
ii) Curvas de nível.
iii) Interseções com os planos coordenados.
II) Esboce o gráfico de f usando os itens de I).
Exemplo 3.1 f(x, y) = x2
+ y2
i) D(f) = R2
O x
y
Representação gráfica
Figura 1
ii) Curvas de nível
Seja a equação x2
+ y2
= k. Como x2
≥ 0 e y2
≥ 0 então
– se k < 0 a equação não tem solução. Ou seja, para qualquer k < 0 (abaixo do
plano XOY ) a curva de nível correspondente é o ∅.
– Fazendo k = 0 (intersecção com o plano XOY ), a equação x2
+ y2
= 0 tem
solução x = 0 e y = 0. A curva de nível em z = 0 é (0, 0).
– Fazendo k > 0, a equação x2
+ y2
= k pode ser escrita como
x2
+ y2
= (
√
k)2
Portanto para qualquer k > 0 a curva de nível correspondente é um círculo de
raio
√
k e centro na origem do R2
.
Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 45
x
y
√
kk
k > 0
Representação gráfica das curvas de nível
Como todas as curvas de nível são círculos com centros em (0, 0) concluí-
mos que o gráfico de f(x, y) é uma superfície de revolução em torno de
OZ.
iii) Interseções com os planos coordenados.
–
Ì
XOY : Já foi obtido, corresponde à curva no nível z = 0.
–
Ì
XOZ : Fazendo y = 0 na equação z = x2
+ y2
. obtém-se z = x2
, equação de
uma parábola
–
Ì
Y OZ : Fazendo x = 0 na equação z = x2
+ y2
. obtém-se z = y2
, a parábola
obtida em XOZ.
Concluímos que o gráfico é um parabolóide de revolução
II) Gráfico de f
Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 46
Exemplo 1.2 f(x, y) = 1 − y2
i) D(f) = R2
Representação gráfica de D(f) : Figura 1
ii) Curvas de nível
Seja a equação 1 − y2
= k. Extraindo o valor de y temos y = ±
√
1 − k
– Logo, para k > 1 (isto é, 1 − k < 0 ) a curva de nível correspondente é o vazio.
– Para k = 1 temos y = 0 e x é qualquer. Então a curva de nível é o eixo OX.
– Para k < 1, y assume os dois valores de (∗) e x é qualquer. Então a curva de
nível é constituída das duas retas paralelas a OX, y = −
√
1 − k e y =
√
1 − k.
x
y
√
1 − k
−
√
1 − k
Representação gráfica das curvas de nível
iii) Intersecções com os eixos coordenados
–
Ì
XOY : z = 0 ⇒ 1 − y2
= 0 ⇒ y = ±1. Ou seja, as duas retas y = 1 e
y = −1.
–
Ì
XOZ : y = 0 ⇒ 1 − 02
= z ⇒ z = 1. Ou seja, a reta z = 1.
–
Ì
Y OZ : x = 0 ⇒ 1−y2
= z. Neste caso, no plano Y OZ, temos uma parábola.
II) Gráfico: Trata-se de uma superfície cilíndrica de geratrizes paralelas ao eixo OX
tal que a parábola do plano Y OZ de equação z = 1 − y2
é uma diretriz (é o que
acontece com funções que independem de uma das variáveis x ou y )
Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 47
Exemplo 1.3 f(x, y) = y2
− x2
i) D(f) = R2
Representação gráfica : Figura 1
ii) Curvas de nível
Seja a equação y2
− x2
= k.(∗)
– Se k = 0, temos x2
= y2
⇒ x = y ou x = −y, ou seja, as retas 1a
e 2a
bissetrizes.
– Se k > 0, podemos escrever a equação (∗) como
y2
(
√
k)2
−
x2
(
√
k)2
= 1
Neste caso temos uma hipérbole com focos sobre o eixo OY
– Se k < 0 então −k > 0, podemos escrever a equação (∗) como
x2
(
√
−k)2
−
y2
(
√
−k)2
= 1
Neste caso temos também uma hipérbole com focos sobre o eixo OX
Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 48
x
y
√
k
−
√
k
k > 0
k > 0
√
−k−
√
−k
k < 0k < 0
Representação gráfica das curvas de nível
iii) Intersecções com os planos coordenados
–
Ì
XOY : Já foi obtido, corresponde à curva no nível z = 0.
–
Ì
XOZ : Fazendo y = 0 na equação z = y2
− x2
. obtém-se z = −x2
, equação
de uma parábola
–
Ì
Y OZ : Fazendo x = 0 na equação z = y2
− x2
. obtém-se z = y2
, equação de
uma parábola
II) Gráfico: Trata-se do parabolóide hiperbólico
Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 49
Exemplo 1. 4 f(x, y) = ln
x2
9
+ y2
i) D(f) = {(x, y) ∈ R2
;
x2
9
+ y2
> 0} =
R2
− {(0, 0)}.
O x
y
Representação gráfica
Figura 1
ii) Curvas de nível
Seja a equação
ln
x2
9
+ y2
⇔
x2
9
+ y2
= ek
Como ek
é maior que zero para todo k, então a curva de nível em z = k é a elipse
de equação
x2
(3ek/2)2
+
y2
(ek/2)2
= 1
cujo semi-eixo no eixo OX é sempre três vezes maior que e o semi-eixo no eixo OY .
Representação gráfica
(Ou seja, "quase"uma superfície de revolução)
iii) Intersecções com os planos coordenados
–
Ì
XOY : Significa a curva de nível em z = 0, ou seja a elipse de equação
x2
(3)2
+ y2
= 1
Representação gráfica: Veja figura anterior
–
Ì
XOZ : Fazendo y = 0 na equação z = ln
x2
9
+ y2
= 1
obtém-se z = ln
x2
9
= 2ln |x| − ln 9
Representação gráfica
Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 50
–
Ì
Y OZ : Fazendo x = 0 na equação z = ln
x2
9
+ y2
= 1
obtém-se z = ln (y2
) = 2ln |y|
Representação gráfica
II) Gráfico
OBS: Dada a função z = f(x1, · · · , xn) a superfície de nível de f em z = k é definida de
modo análogo às curvas de nível para n = 2.
Exemplo : Determine e represente graficamente as superfícies de nível da função
f(x, y, z) = x2
+ y2
+ z2
Seja a equação
x2
+ y2
+ z2
= k
• Se k > 0 então temos
x2
+ y2
+ z2
= (
√
k)2
a equação de uma esfera de centro em (0, 0, 0) e raio
√
k.
• Se k = 0 então temos o ponto (0, 0, 0).
• Para Se k < 0 a superfície de nível é o vazio.
Representação gráfica das superfícies de nível
Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 51
4.3.1 Exercícios
[1] Determine o domínio de cada uma das funções abaixo e represente-o graficamente:
(1.1) f(x, y) =
1
x2 − 1
+ y − x2 (1.2) f(x, y) =
√
y2 − 4 ln (x − y)
(1.3) f(x, y) = ln (x2
− y2
) (1.4) f(x, y) = ln
å
x2
+ y2
− 1
x
è
(1.5) f(x, y) = arccos(x − y) (1.6) f(x, y) = arcsec
x2
4
+ y2
[2] Determine o domínio; determine e trace as interseções do gráfico com os planos coor-
denados; determine e trace as curvas de nível; e esboce o gráfico das funções:
(2.1) f(x, y) = 16 − x2
− y2
(2.2) f(x, y) = 9x2
+ 4y2
(2.3) f(x, y) = x2
(2.4) f(x, y) =
1
1 + y2
(2.5) f(x, y) = 8 − 2x − 4y (2.6) f(x, y) =
4
x2 + 4y2
(2.7) f(x, y) = 4
√
x2 + y2
[3] Descreva as curvas/superfícies de nível da cada função:
(3.1) f(x, y) = e−4x2−y2
(3.2) F(x, y, z) = 2x + 3y + 6z
(3.3) F(x, y, z) = x2
− y2
+ z2
Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 52

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Função.quadratica
Função.quadraticaFunção.quadratica
Função.quadratica
 
18 series de taylor e de maclaurin
18 series de taylor e de maclaurin18 series de taylor e de maclaurin
18 series de taylor e de maclaurin
 
Ga retas
Ga retasGa retas
Ga retas
 
Equação da reta
Equação da retaEquação da reta
Equação da reta
 
Aula de LOGARITMOS
Aula de LOGARITMOSAula de LOGARITMOS
Aula de LOGARITMOS
 
Função de 1º Grau
Função de 1º GrauFunção de 1º Grau
Função de 1º Grau
 
01 relatório de laboratório nº 02 movimento uniforme (protected) (1)
01 relatório de laboratório nº 02   movimento uniforme (protected) (1)01 relatório de laboratório nº 02   movimento uniforme (protected) (1)
01 relatório de laboratório nº 02 movimento uniforme (protected) (1)
 
Gases perfeitos questões resolvidas - termologia
Gases perfeitos   questões resolvidas - termologiaGases perfeitos   questões resolvidas - termologia
Gases perfeitos questões resolvidas - termologia
 
Impulso e Quantidade de Movimento
Impulso e Quantidade de MovimentoImpulso e Quantidade de Movimento
Impulso e Quantidade de Movimento
 
Energia potencial gravitacional.pptx
Energia potencial gravitacional.pptxEnergia potencial gravitacional.pptx
Energia potencial gravitacional.pptx
 
Curvas de nível
Curvas de nívelCurvas de nível
Curvas de nível
 
lista-de-exercicios-funcao-exponencial
lista-de-exercicios-funcao-exponenciallista-de-exercicios-funcao-exponencial
lista-de-exercicios-funcao-exponencial
 
Aula 30 testes de hipóteses
Aula 30   testes de hipótesesAula 30   testes de hipóteses
Aula 30 testes de hipóteses
 
Medidas de tendencia central
Medidas de tendencia centralMedidas de tendencia central
Medidas de tendencia central
 
Equação do 2º grau
Equação do 2º grauEquação do 2º grau
Equação do 2º grau
 
Capítulo 1 transferência de calor
Capítulo 1 transferência de calorCapítulo 1 transferência de calor
Capítulo 1 transferência de calor
 
TERMOLOGIA
TERMOLOGIATERMOLOGIA
TERMOLOGIA
 
Funções
FunçõesFunções
Funções
 
Matrizes
MatrizesMatrizes
Matrizes
 
3 Circuitos elétricos - resistores
3 Circuitos elétricos - resistores3 Circuitos elétricos - resistores
3 Circuitos elétricos - resistores
 

Semelhante a Funções de Duas Variáveis

ApostilaCalcIII.pdf
ApostilaCalcIII.pdfApostilaCalcIII.pdf
ApostilaCalcIII.pdfdaniel167907
 
Amii a complexa_2011
Amii a complexa_2011Amii a complexa_2011
Amii a complexa_2011Diogo Freire
 
www.AulasDeMatematicaApoio.com - Matemática - Função Afim
www.AulasDeMatematicaApoio.com  - Matemática - Função Afimwww.AulasDeMatematicaApoio.com  - Matemática - Função Afim
www.AulasDeMatematicaApoio.com - Matemática - Função AfimAulas De Matemática Apoio
 
Função do 2º Grau
Função do 2º GrauFunção do 2º Grau
Função do 2º Grauprofmribeiro
 
www.aulaparticularonline.net.br - Matemática - Função Afim
www.aulaparticularonline.net.br - Matemática -  Função Afimwww.aulaparticularonline.net.br - Matemática -  Função Afim
www.aulaparticularonline.net.br - Matemática - Função AfimLucia Silveira
 
www.AulasDeMatematicanoRJ.Com.Br -Matemática - Função Afim
 www.AulasDeMatematicanoRJ.Com.Br  -Matemática -  Função Afim www.AulasDeMatematicanoRJ.Com.Br  -Matemática -  Função Afim
www.AulasDeMatematicanoRJ.Com.Br -Matemática - Função AfimClarice Leclaire
 
www.AulasDeMatematicaApoio.com.br - Matemática - Função Afim
 www.AulasDeMatematicaApoio.com.br  - Matemática - Função Afim www.AulasDeMatematicaApoio.com.br  - Matemática - Função Afim
www.AulasDeMatematicaApoio.com.br - Matemática - Função AfimBeatriz Góes
 
Aplicações da integração
Aplicações da integraçãoAplicações da integração
Aplicações da integraçãoCarlos Campani
 
FunçãO Do 1º E 2º Grau Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
FunçãO Do 1º  E 2º Grau Autor Antonio Carlos Carneiro BarrosoFunçãO Do 1º  E 2º Grau Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
FunçãO Do 1º E 2º Grau Autor Antonio Carlos Carneiro BarrosoAntonio Carneiro
 
Lista de exercícios 7 - Mat Elem
Lista de exercícios 7 - Mat ElemLista de exercícios 7 - Mat Elem
Lista de exercícios 7 - Mat ElemCarlos Campani
 
ANÁLISE COMPLETA DE UMA FUNÇÃO
ANÁLISE COMPLETA DE UMA FUNÇÃOANÁLISE COMPLETA DE UMA FUNÇÃO
ANÁLISE COMPLETA DE UMA FUNÇÃOCarlos Campani
 
matematica e midias
matematica e midiasmatematica e midias
matematica e midiasiraciva
 

Semelhante a Funções de Duas Variáveis (20)

SLIDEScal2 (3).pdf
SLIDEScal2 (3).pdfSLIDEScal2 (3).pdf
SLIDEScal2 (3).pdf
 
ApostilaCalcIII.pdf
ApostilaCalcIII.pdfApostilaCalcIII.pdf
ApostilaCalcIII.pdf
 
Apostila calciii
Apostila calciiiApostila calciii
Apostila calciii
 
Amii a complexa_2011
Amii a complexa_2011Amii a complexa_2011
Amii a complexa_2011
 
Lista 1 fvv1
Lista 1 fvv1Lista 1 fvv1
Lista 1 fvv1
 
Derivadas
DerivadasDerivadas
Derivadas
 
www.AulasDeMatematicaApoio.com - Matemática - Função Afim
www.AulasDeMatematicaApoio.com  - Matemática - Função Afimwww.AulasDeMatematicaApoio.com  - Matemática - Função Afim
www.AulasDeMatematicaApoio.com - Matemática - Função Afim
 
Função do 2º Grau
Função do 2º GrauFunção do 2º Grau
Função do 2º Grau
 
www.aulaparticularonline.net.br - Matemática - Função Afim
www.aulaparticularonline.net.br - Matemática -  Função Afimwww.aulaparticularonline.net.br - Matemática -  Função Afim
www.aulaparticularonline.net.br - Matemática - Função Afim
 
www.AulasDeMatematicanoRJ.Com.Br -Matemática - Função Afim
 www.AulasDeMatematicanoRJ.Com.Br  -Matemática -  Função Afim www.AulasDeMatematicanoRJ.Com.Br  -Matemática -  Função Afim
www.AulasDeMatematicanoRJ.Com.Br -Matemática - Função Afim
 
www.AulasDeMatematicaApoio.com.br - Matemática - Função Afim
 www.AulasDeMatematicaApoio.com.br  - Matemática - Função Afim www.AulasDeMatematicaApoio.com.br  - Matemática - Função Afim
www.AulasDeMatematicaApoio.com.br - Matemática - Função Afim
 
Aplicações da integração
Aplicações da integraçãoAplicações da integração
Aplicações da integração
 
FunçãO Do 1º E 2º Grau Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
FunçãO Do 1º  E 2º Grau Autor Antonio Carlos Carneiro BarrosoFunçãO Do 1º  E 2º Grau Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
FunçãO Do 1º E 2º Grau Autor Antonio Carlos Carneiro Barroso
 
Lista de exercícios 7 - Mat Elem
Lista de exercícios 7 - Mat ElemLista de exercícios 7 - Mat Elem
Lista de exercícios 7 - Mat Elem
 
ANÁLISE COMPLETA DE UMA FUNÇÃO
ANÁLISE COMPLETA DE UMA FUNÇÃOANÁLISE COMPLETA DE UMA FUNÇÃO
ANÁLISE COMPLETA DE UMA FUNÇÃO
 
Derivadas
DerivadasDerivadas
Derivadas
 
Apostila de cálculo 3
Apostila de cálculo 3Apostila de cálculo 3
Apostila de cálculo 3
 
matematica e midias
matematica e midiasmatematica e midias
matematica e midias
 
Funções.saa
Funções.saaFunções.saa
Funções.saa
 
Função do 1º grau
Função do 1º grauFunção do 1º grau
Função do 1º grau
 

Mais de Mércia Regina da Silva

Mercia regina portfólio-interdisciplinar-individual - analise-de-sistemas-1º-...
Mercia regina portfólio-interdisciplinar-individual - analise-de-sistemas-1º-...Mercia regina portfólio-interdisciplinar-individual - analise-de-sistemas-1º-...
Mercia regina portfólio-interdisciplinar-individual - analise-de-sistemas-1º-...Mércia Regina da Silva
 
Confira manual escrever bom texto dissertativo argumentativo.
Confira manual escrever bom texto dissertativo argumentativo.Confira manual escrever bom texto dissertativo argumentativo.
Confira manual escrever bom texto dissertativo argumentativo.Mércia Regina da Silva
 
Separamos 5 aplicativos para melhorar a escrita.
Separamos 5 aplicativos para melhorar a escrita.Separamos 5 aplicativos para melhorar a escrita.
Separamos 5 aplicativos para melhorar a escrita.Mércia Regina da Silva
 

Mais de Mércia Regina da Silva (20)

Vicmetro
VicmetroVicmetro
Vicmetro
 
Revista piclistbr maio2009
Revista piclistbr maio2009Revista piclistbr maio2009
Revista piclistbr maio2009
 
Revista piclistbr dez2009
Revista piclistbr dez2009Revista piclistbr dez2009
Revista piclistbr dez2009
 
Histerese e indut ncia m-tua
Histerese e indut ncia m-tuaHisterese e indut ncia m-tua
Histerese e indut ncia m-tua
 
Geogebra
GeogebraGeogebra
Geogebra
 
WEG Transformadores.
WEG Transformadores.WEG Transformadores.
WEG Transformadores.
 
Circuitos Resistivos
Circuitos ResistivosCircuitos Resistivos
Circuitos Resistivos
 
Fontes de corrente
Fontes de correnteFontes de corrente
Fontes de corrente
 
Estatística Descritiva
Estatística DescritivaEstatística Descritiva
Estatística Descritiva
 
Mercia regina portfólio-interdisciplinar-individual - analise-de-sistemas-1º-...
Mercia regina portfólio-interdisciplinar-individual - analise-de-sistemas-1º-...Mercia regina portfólio-interdisciplinar-individual - analise-de-sistemas-1º-...
Mercia regina portfólio-interdisciplinar-individual - analise-de-sistemas-1º-...
 
Html manual
Html manualHtml manual
Html manual
 
Apostila html1
Apostila html1Apostila html1
Apostila html1
 
Apresentando o HTML
Apresentando o HTMLApresentando o HTML
Apresentando o HTML
 
Confira manual escrever bom texto dissertativo argumentativo.
Confira manual escrever bom texto dissertativo argumentativo.Confira manual escrever bom texto dissertativo argumentativo.
Confira manual escrever bom texto dissertativo argumentativo.
 
Aplicativos para Escrita.
Aplicativos para Escrita.Aplicativos para Escrita.
Aplicativos para Escrita.
 
Separamos 5 aplicativos para melhorar a escrita.
Separamos 5 aplicativos para melhorar a escrita.Separamos 5 aplicativos para melhorar a escrita.
Separamos 5 aplicativos para melhorar a escrita.
 
Redes
RedesRedes
Redes
 
Redes industriais - Marcelo
Redes industriais - MarceloRedes industriais - Marcelo
Redes industriais - Marcelo
 
Aula pid analogico_interfaces_processo
Aula pid analogico_interfaces_processoAula pid analogico_interfaces_processo
Aula pid analogico_interfaces_processo
 
Controladores - PID
Controladores - PIDControladores - PID
Controladores - PID
 

Último

Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfSamuel Ramos
 
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.pptA EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.pptssuserb964fe
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralFranciscaArrudadaSil
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individualpablocastilho3
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 

Último (7)

Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
 
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.pptA EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
A EXTENSÃO RURAL NO BRASIL Sociologia e Extensão 1 2014.ppt
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 

Funções de Duas Variáveis

  • 1. Capítulo 4 Funções de duas variáveis 4.1 Funções de varias variáveis - Definição e exemplos Definição 1: Chamamos de função real com n variáveis a uma função do tipo f : D → R com D ⊂ Rn = R × · · · × R. Ou seja, uma função cujo domínio D (ou D(f)) é um subconjunto de Rn e seu contra- domínio é R. Exemplo: 1. f : R2 → R, (x, y) → 2x + 3y D = R, é uma função real de duas variáveis (é também uma função linear). 2. f : R3 → R, (x, y, z) → x2 + 3y + z D = R3 , é uma função real de três variáveis (é também uma função polinomial) 3. f : R3 − {(0, 0, 0)} → R, (x, y, z) → 2x x2 + y2 + z2 D = R3 −{(0, 0, 0)} ⊂ R3 é uma função real de três variáveis (é também uma função racional, isto é, quociente de duas funções polinomiais). Usamos, também, a notação ( mais resumida) para representar funções reais de n variáveis; y = f(x1, · · · , xn) Neste caso D(f) é o conjunto D(f) = {(x1, · · · , xn) ∈ Rn ; f(x1, · · · , xn) ∈ R} 40
  • 2. 4.2 Domínio - Representação Gráfica Exemplo : Determine e represente geometricamente os domínios das funções 1. f(x, y) = 3x2 + 1 D(f) = R2 O x y Representação gráfica Figura 1 2. f(x, y) = 3x2 − 1 x2 + y2 + 1 x2 + y2 + 1 = 0, não tem solução, logo D(f) = R2 . Representação gráfica: Figura 1 3. f(x, y) = 3x2 + y x2 + y2 x2 + y2 = 0. Como x2 ≥ 0 e y2 ≥ 0 então x2 + y2 = 0 ⇔ x2 = 0 e y2 = 0 ⇔ x = 0 e y = 0. Logo D(f) = R2 − {(0, 0)}. x y O Representação gráfica 4. f(x, y) = x3 x − y D(f) = {(x, y) ∈ R2 ; x − y = 0}, ou seja, todo o plano exceto a 1a bissetriz. x y O Representação gráfica y = x Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 41
  • 3. 5. f(x, y) = 2x + y √ x2 − y D(f) = {(x, y) ∈ R2 ; x2 > y} x y O Representação gráfica y=x2 6. f(x, y) = ln x − y y − 1 D(f) = (x, y) ∈ R2 ; x − y y − 1 > 0 equivalente a x − y > 0 e y − 1 > 0 ou x − y < 0 ou y − 1 < 0. x y O Representação gráfica y = x y = 1 7. f(x, y) = arcsec(x2 + y2 ) D(f) = {(x, y) ∈ R2 ; x2 +y2 ≤ −1 ou x2 +y2 ≥ 1}, ou melhor, como x2 + y2 ≤ −1 não ocorre para nenhum (x, y) ∈ R2 , D(f) = {(x, y) ∈ R2 ; x2 + y2 ≥ 1}. x y O Representação gráfica 8. f(x, y) = arccos x2 + y2 4 D(f) = {(x, y) ∈ R2 ; −1 ≤ x2 + y2 4 ≤ 1}, ou melhor, como −1 ≤ x2 + y2 4 para todo (x, y) ∈ R2 D(f) = {(x, y) ∈ R2 ; x2 + y2 4 ≤ 1} x y Representação gráfica Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 42
  • 4. 4.3 Construção de gráficos e curvas de nível Gráfico Definição: Dado uma função f : D → B seu gráfico é o conjunto {(a, f(a); a ∈ D}. No caso de funções reais de uma variável temos: f : D → R; D ⊂ R seu gráfico é uma curva do R2 . Para uma função de duas variáveis f : D → R, D ⊂ R2 (x, y) → f(x, y) O gráfico da função f é uma superfície de R3 . Exemplo: A esfera x2 + y2 + z2 = 1 é uma superfície de R3 que não é gráfico de função z = f(x, y). Da equação da esfera tem-se, z = ± 1 − x2 − y2 Sejam as funções f(x, y) = √ 1 − x2 − y2 e g(x, y) = − √ 1 − x2 − y2 D(f) = D(g) = {(x, y) ∈ R2 ; x2 + y2 ≤ 1} (O círculo x2 + y2 = 1 e seu interior) O gráfico de f é a semi-esfera superior (z ≥ 0) e o gráfico de g é a semi-esfera inferior (z ≤ 0). Curvas de nível Um recurso auxiliar para esboçar gráficos são as curvas de nível da função. Definição: Dados uma função z = f(x, y) e k ∈ R, a curva de nível de f em z = k é o conjunto {(x, y) ∈ R2 ; f(x, y) = k}. Ou seja, é o conjunto dos elementos do domínio de f que possuem imagens igual a k. É também a intersecção do gráfico de f com o plano (paralelo a XOY ) de equação z = k Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 43
  • 5. Exemplo 1: Determine e esboce a curva de nível de f(x, y) = y x em z = 2. A curva de nível é o conjunto dos pontos (x, y) ∈ R2 que satisfazem a 2 = y x ⇔ y = 2x com x = 0. Ou seja, trata-se da reta de equação y = 2x exceto o ponto (0, 0) x y Representação gráfica Exemplo 2: Dada a função f(x, y) = x y2 − 1 determine e represente seu domínio e as suas curvas de nível. D(f) = {(x, y) ∈ R2 ; y = −1 e y = 1} (ou seja, todo o plano exceto as retas y = 1 e y = −1). x y Representação gráfica Curvas de nível Seja a equação x y2 − 1 = k que é equivalente a x = k(y2 − 1) com y = 1 e y = −1. Para k = 0, temos a parábola x = k(y2 − 1) com exceção dos pontos (0, −1) e (0, 1) Para k = 0 temos x = 0 com y = 1 e y = −1, ou seja, o eixo OY exceto os pontos (0, 1) e (0, −1). x y Representação gráfica k ≥ 0 x y k < 0 Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 44
  • 6. Exemplo 3: I) Determine e represente graficamente. i) Domínio de f. ii) Curvas de nível. iii) Interseções com os planos coordenados. II) Esboce o gráfico de f usando os itens de I). Exemplo 3.1 f(x, y) = x2 + y2 i) D(f) = R2 O x y Representação gráfica Figura 1 ii) Curvas de nível Seja a equação x2 + y2 = k. Como x2 ≥ 0 e y2 ≥ 0 então – se k < 0 a equação não tem solução. Ou seja, para qualquer k < 0 (abaixo do plano XOY ) a curva de nível correspondente é o ∅. – Fazendo k = 0 (intersecção com o plano XOY ), a equação x2 + y2 = 0 tem solução x = 0 e y = 0. A curva de nível em z = 0 é (0, 0). – Fazendo k > 0, a equação x2 + y2 = k pode ser escrita como x2 + y2 = ( √ k)2 Portanto para qualquer k > 0 a curva de nível correspondente é um círculo de raio √ k e centro na origem do R2 . Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 45
  • 7. x y √ kk k > 0 Representação gráfica das curvas de nível Como todas as curvas de nível são círculos com centros em (0, 0) concluí- mos que o gráfico de f(x, y) é uma superfície de revolução em torno de OZ. iii) Interseções com os planos coordenados. – Ì XOY : Já foi obtido, corresponde à curva no nível z = 0. – Ì XOZ : Fazendo y = 0 na equação z = x2 + y2 . obtém-se z = x2 , equação de uma parábola – Ì Y OZ : Fazendo x = 0 na equação z = x2 + y2 . obtém-se z = y2 , a parábola obtida em XOZ. Concluímos que o gráfico é um parabolóide de revolução II) Gráfico de f Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 46
  • 8. Exemplo 1.2 f(x, y) = 1 − y2 i) D(f) = R2 Representação gráfica de D(f) : Figura 1 ii) Curvas de nível Seja a equação 1 − y2 = k. Extraindo o valor de y temos y = ± √ 1 − k – Logo, para k > 1 (isto é, 1 − k < 0 ) a curva de nível correspondente é o vazio. – Para k = 1 temos y = 0 e x é qualquer. Então a curva de nível é o eixo OX. – Para k < 1, y assume os dois valores de (∗) e x é qualquer. Então a curva de nível é constituída das duas retas paralelas a OX, y = − √ 1 − k e y = √ 1 − k. x y √ 1 − k − √ 1 − k Representação gráfica das curvas de nível iii) Intersecções com os eixos coordenados – Ì XOY : z = 0 ⇒ 1 − y2 = 0 ⇒ y = ±1. Ou seja, as duas retas y = 1 e y = −1. – Ì XOZ : y = 0 ⇒ 1 − 02 = z ⇒ z = 1. Ou seja, a reta z = 1. – Ì Y OZ : x = 0 ⇒ 1−y2 = z. Neste caso, no plano Y OZ, temos uma parábola. II) Gráfico: Trata-se de uma superfície cilíndrica de geratrizes paralelas ao eixo OX tal que a parábola do plano Y OZ de equação z = 1 − y2 é uma diretriz (é o que acontece com funções que independem de uma das variáveis x ou y ) Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 47
  • 9. Exemplo 1.3 f(x, y) = y2 − x2 i) D(f) = R2 Representação gráfica : Figura 1 ii) Curvas de nível Seja a equação y2 − x2 = k.(∗) – Se k = 0, temos x2 = y2 ⇒ x = y ou x = −y, ou seja, as retas 1a e 2a bissetrizes. – Se k > 0, podemos escrever a equação (∗) como y2 ( √ k)2 − x2 ( √ k)2 = 1 Neste caso temos uma hipérbole com focos sobre o eixo OY – Se k < 0 então −k > 0, podemos escrever a equação (∗) como x2 ( √ −k)2 − y2 ( √ −k)2 = 1 Neste caso temos também uma hipérbole com focos sobre o eixo OX Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 48
  • 10. x y √ k − √ k k > 0 k > 0 √ −k− √ −k k < 0k < 0 Representação gráfica das curvas de nível iii) Intersecções com os planos coordenados – Ì XOY : Já foi obtido, corresponde à curva no nível z = 0. – Ì XOZ : Fazendo y = 0 na equação z = y2 − x2 . obtém-se z = −x2 , equação de uma parábola – Ì Y OZ : Fazendo x = 0 na equação z = y2 − x2 . obtém-se z = y2 , equação de uma parábola II) Gráfico: Trata-se do parabolóide hiperbólico Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 49
  • 11. Exemplo 1. 4 f(x, y) = ln x2 9 + y2 i) D(f) = {(x, y) ∈ R2 ; x2 9 + y2 > 0} = R2 − {(0, 0)}. O x y Representação gráfica Figura 1 ii) Curvas de nível Seja a equação ln x2 9 + y2 ⇔ x2 9 + y2 = ek Como ek é maior que zero para todo k, então a curva de nível em z = k é a elipse de equação x2 (3ek/2)2 + y2 (ek/2)2 = 1 cujo semi-eixo no eixo OX é sempre três vezes maior que e o semi-eixo no eixo OY . Representação gráfica (Ou seja, "quase"uma superfície de revolução) iii) Intersecções com os planos coordenados – Ì XOY : Significa a curva de nível em z = 0, ou seja a elipse de equação x2 (3)2 + y2 = 1 Representação gráfica: Veja figura anterior – Ì XOZ : Fazendo y = 0 na equação z = ln x2 9 + y2 = 1 obtém-se z = ln x2 9 = 2ln |x| − ln 9 Representação gráfica Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 50
  • 12. – Ì Y OZ : Fazendo x = 0 na equação z = ln x2 9 + y2 = 1 obtém-se z = ln (y2 ) = 2ln |y| Representação gráfica II) Gráfico OBS: Dada a função z = f(x1, · · · , xn) a superfície de nível de f em z = k é definida de modo análogo às curvas de nível para n = 2. Exemplo : Determine e represente graficamente as superfícies de nível da função f(x, y, z) = x2 + y2 + z2 Seja a equação x2 + y2 + z2 = k • Se k > 0 então temos x2 + y2 + z2 = ( √ k)2 a equação de uma esfera de centro em (0, 0, 0) e raio √ k. • Se k = 0 então temos o ponto (0, 0, 0). • Para Se k < 0 a superfície de nível é o vazio. Representação gráfica das superfícies de nível Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 51
  • 13. 4.3.1 Exercícios [1] Determine o domínio de cada uma das funções abaixo e represente-o graficamente: (1.1) f(x, y) = 1 x2 − 1 + y − x2 (1.2) f(x, y) = √ y2 − 4 ln (x − y) (1.3) f(x, y) = ln (x2 − y2 ) (1.4) f(x, y) = ln å x2 + y2 − 1 x è (1.5) f(x, y) = arccos(x − y) (1.6) f(x, y) = arcsec x2 4 + y2 [2] Determine o domínio; determine e trace as interseções do gráfico com os planos coor- denados; determine e trace as curvas de nível; e esboce o gráfico das funções: (2.1) f(x, y) = 16 − x2 − y2 (2.2) f(x, y) = 9x2 + 4y2 (2.3) f(x, y) = x2 (2.4) f(x, y) = 1 1 + y2 (2.5) f(x, y) = 8 − 2x − 4y (2.6) f(x, y) = 4 x2 + 4y2 (2.7) f(x, y) = 4 √ x2 + y2 [3] Descreva as curvas/superfícies de nível da cada função: (3.1) f(x, y) = e−4x2−y2 (3.2) F(x, y, z) = 2x + 3y + 6z (3.3) F(x, y, z) = x2 − y2 + z2 Eliana Prates, Ivana Matos, Joseph Yartey e Silvia Velloso 52