1       UNEB - Universidade do Estado da Bahia       Departamento de Educação - Campus VII       Curso: Pedagogia         ...
2            RENATA DIAS RIBEIRO  PEDAGOGIA EM TEMPOS DE INCERTEZAS:ENFRENTANDO DESAFIOS NA EDUCAÇÃO E NA              SOC...
3                      Renata Dias Ribeiro      PEDAGOGIA EM TEMPOS DE INCERTEZAS:    ENFRENTANDO DESAFIOS NA EDUCAÇÃO E N...
4    A todos aqueles que estiveram, de alguma forma, presentes em todos osmomentos deste trabalho, e durante a minha gradu...
5                            AGRADECIMENTOS      Muito foram as pessoas que, de diferentes formas, colaboraram epossibilit...
6“A pessoa conscientizada tem uma compreensão diferente da história e de seu     papel nela. Recusa acomodar-se, mobiliza-...
7                                     RESUMOEsta pesquisa tem como foco principal as políticas públicas educacionaiscontem...
8                                                  SUMÁRIOIntrodução.........................................................
9                             LISTAS DE SIGLASANFOPE: Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da EducaçãoANPED...
10                                   LISTAS DE GRÁFICOSGráfico . 01: Município...............................................
11                                 INTRODUÇÃO       O anseio de pesquisar sobre as políticas educacionais na formação dedo...
12para a educação. Em seguida, fizemos uma breve descrição políticaeducacional de cunho neoliberal e suas prováveis modifi...
13                                 CAPITULO I                 CONTEXTUALIZANDO A PESQUISA      A sociedade atual se vê con...
14sociedade, cumprindo assim sua função transformadora e idealizadora deconhecimentos.      Nesse processo a prática pedag...
15mesmo tempo, que tem várias abordagens conceituais, tem distintas formasreducionistas de sua especificidade e de sua pos...
16associações comitês e movimentos (ANFOPE, ANPED, CEDES etc.) quetinham como principal preocupação a definição da identid...
17      Ao avaliar as políticas educacionais proposta pelo mesmo nota-se, umaconcepção de política baseada no desenvolvime...
18      A elaboração do Documento das Diretrizes Curriculares do Curso dePedagogia foi feita em um amplo processo de discu...
19      Mediante ao exposto percebe - se um extenso horizonte para aformação e atuação profissional dos pedagogos e essa d...
20                      diversificação das atividades educativas, levando, por conseqüência,                      a uma di...
21      Podemos notar isso principalmente na década de 90 que foi um marcoimportante para a educação e principalmente para...
22•     Detectar as expectativas dos alunos do Curso de Pedagogia em relaçãoao curso e suas perspectivas de vida profissio...
23                                CAPITULO II AS ABORDAGENS TEÓRICAS QUE SUSTENTAM A PESQUISA.      A educação e as políti...
24          Nesta perspectiva, além das considerações sobre esse o perfil que sepretende configurar para o profissional de...
25Rousseau, Herbart, Dewey que abordaram varias concepções como: a de quea educação é a garantia da formação do homem para...
26desenvolvimento das competências direcionadas às novas indigências domundo moderno. Libâneo (2001):                     ...
27“Desde logo busca fundamentar-se em uma teoria pedagógica capaz deorientar a pratica cotidiana de professores e conseque...
28       Cabe ao pedagogo desempenhar a direção do sistema educacional, sejana gestão do ensino, na supervisão ou na coord...
29      Essa faculdade apontava para formação de bacharéis. Libâneo (2001)“prevê a formação de bacharel em Pedagogia o con...
30de especialistas para as atividades técnicas (administração, supervisão entreoutros).      Esse parecer teve extrema rel...
31      Nos anos 80 com houve grandes movimentos liderados pelasassociações como a Anfope. MEC (1987) “O Encontro Nacional...
32capaz de afiançar a eficácia de sua ação docente e apontando a necessidadeda formação em nível superior para o profissio...
33      Nessa perspectiva foram implementados em nosso país políticaspublicas para adaptar o curso a essa nova fase dentre...
34com a colaboração do Senador Marco Maciel, seria a lei a ser implementadaassim originando o projeto da atual LDB nº. 9.3...
35                           Art. 63. Os institutos superiores de educação manterão:    I-                     cursos form...
36                     grande pressão de todos esses segmentos junto à SESU e à                     Secretaria de Ensino F...
37                     Art.. 4. º A formação do pedagogo se dará em cursos de pedagogia                     organizados na...
38                     I - o planejamento, execução e avaliação de atividades educativas;                     II - a aplic...
392.4. A SOCIEDADE PEDAGÓGICA      Ao longo do nosso processo histórico desde inicio da evolução até osdias atuais, homem ...
40         Para acompanhar essas modificações, os educadores e profissionais daeducação se empenham na reconstrução de uma...
41                      turismo, mapas, vídeos, revistas; na criação e elaboração de jogos,                      brinquedo...
42                                  CAPITULO III                     3.0 APORTES METODOLÓGICOS3.1. PARADIGMA         Tendo...
43        A pesquisa foi feita por meio das abordagens qualitativas que assume diferentes significados e compreende um con...
443.4. LOCAL DA PESQUISA      A pesquisa foi realizada na Universidade do Estado da Bahia,Departamento de Ciências Humanas...
45      O desenvolvimento da pesquisa ocorreu em algumas etapas. Em umprimeiro momento dirigiu-se a universidade do Estado...
46                                    CAPITULO IV        APRESENTAÇÃO ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS                      RES...
47Fonte: questionário fechado aplicado aos sujeitos.            Ao que se refere ao município que os sujeitos residem 93% ...
48rendimentos, se tornou maciça nas escolas normais. Esse fenômeno foiregistrado em todas as Províncias do Brasil.     Par...
49o ingresso em uma profissão, mas sim professores com mais de trinta anos,que já exercem a profissão docente.4.1.5 NÍVEL ...
504.1.6 INSTITUIÇÃO QUE CONCLUIU O ENSINO MÉDIO                               100%                    Pública             ...
51Gráfico 6Fonte: questionário fechado aplicado aos sujeitos       Como já esperado por conta as estrutura de sua formação...
52                            100%            Concursado          Contratado     Professor SubstitutoGráfico 8Fonte: quest...
53        Mesmo sabendo que os professores tem um salário base e importantefazer uma analise ,pois estamos fazendo não som...
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Monografia Renata Pedagogia 2008
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Monografia Renata Pedagogia 2008

6.331 visualizações

Publicada em

Pedagogia 2008

  • Seja o primeiro a comentar

Monografia Renata Pedagogia 2008

  1. 1. 1 UNEB - Universidade do Estado da Bahia Departamento de Educação - Campus VII Curso: Pedagogia RENATA DIAS RIBEIRO PEDAGOGIA EM TEMPOS DE INCERTEZAS:ENFRENTANDO DESAFIOS NA EDUCAÇÃO E NA SOCIEDADE Senhor do Bonfim Outubro 2008
  2. 2. 2 RENATA DIAS RIBEIRO PEDAGOGIA EM TEMPOS DE INCERTEZAS:ENFRENTANDO DESAFIOS NA EDUCAÇÃO E NA SOCIEDADE O perfil do profissional de pedagogo da REDE UNEB 2000 do município de Jacobina frente às políticas educacionais e suas implicações na sociedade Trabalho monográfico apresentado como pré- requisito para conclusão do curso de Licenciatura em Pedagogia, Habilitação em Educação Infantil e Séries Iniciais do Ensino Fundamental, pelo Departamento de Educação do Campus VII, Senhor do Bonfim. Professor orientador Joanita Moura Senhor do Bonfim Outubro 2008
  3. 3. 3 Renata Dias Ribeiro PEDAGOGIA EM TEMPOS DE INCERTEZAS: ENFRENTANDO DESAFIOS NA EDUCAÇÃO E NA SOCIEDADE APROVADA____DE____________DE 2008 Orientador: Joanita Moura_______________________ _____________________ BANCA EXAMINADORA BANCA EXAMINADORA ______________________________________________ PROFESSOR: JOANITA MOURA ORIENTADOR
  4. 4. 4 A todos aqueles que estiveram, de alguma forma, presentes em todos osmomentos deste trabalho, e durante a minha graduação colaborando, mesmo que compreendendo minha ausência e me inspirando nos momentos de conclusão.
  5. 5. 5 AGRADECIMENTOS Muito foram as pessoas que, de diferentes formas, colaboraram epossibilitaram a realização desse trabalho, algumas mais presentes,incentivando cada etapa, outras de maneira mais discreta, mas não menosimportante. De alguma forma agradeço por meu processo de amadurecimentopessoal e profissional. Assim agradeço ao meu pai, minha mãe e meu irmão, que estiveramcomigo em todos os momentos com forte presença, apoio constante e amorincondicional e sem quais eu não estaria escrevendo uma letra sequer. Ao João Henrique, meu amor, que esteve comigo no fim desse percursomesmo perto ou distante, pelo apoio, por torcer para que eu vencesse maisessa etapa. Aos meus colegas de turma e minhas amigas Ariane, Joângela,Polianne e Verônica com quem dividi melhores momentos dessa jornada, emnossas trocas de amizade, cumplicidade e força mútua. À Professora Joanita Moura pela disponibilidade, confiança e incentivopara orientação. Seu discernimento, sua capacidade de análise, seusconhecimentos foram fundamentais para a produção deste trabalho. À Universidade do Estado da Bahia Departamento de Educação -Campus VII que me proporcionou espaço e condições para a realização deminha graduação e dessa pesquisa. Aos professores do curso de Pedagogia que contribuíram de forma,significativa ao meu processo de formação. Muito obrigado
  6. 6. 6“A pessoa conscientizada tem uma compreensão diferente da história e de seu papel nela. Recusa acomodar-se, mobiliza-se, organiza-se para mudar o mundo.” (Paulo Freire)
  7. 7. 7 RESUMOEsta pesquisa tem como foco principal as políticas públicas educacionaiscontemporâneas e suas implicações na sociedade tendo como principalobjetivo compreender o perfil do profissional de Pedagogia, explicitado a partirdas novas políticas de formação docente. Para uma melhor compreensão dasinfluencias dessas políticas no referido curso é necessário reportar-se asquestões concernentes ao mesmo numa perspectiva histórica atéconteporaniadade. No que diz respeito às políticas educacionais foi possívelperceber nas analises dos diversos documentos sua intencionalidefundamentado nos aspectos neoliberais que visa o desenvolvimento de umaformação profissional propicia para atender as novas exigências da sociedade.Nesse sentido definiu-se o objetivo primordial dessa pesquisa uma reflexão assobre as políticas educacionais a partir da década de 90 e suas implicações nasociedade no processo de formação. Adotou-se como metodologia uma abordagemqualitativa realizada através de análise do questionário fechado e semi - estruturado noqual foram analisados as compreensões dos graduandos do curso de Pedagogia, osresultados apontaram que o perfil desse profissional concebe a Pedagogia comocurso com técnicas inovadoras para a sua pratica educativa que os habilitapara ser professores de educação infantil e series iniciais.Conceitos chaves: Pedagogia, Pedagogo, Políticas Públicas Educacionais,Sociedade Pedagógica.
  8. 8. 8 SUMÁRIOIntrodução....................................................................................................... 111.0 Contextualizando a Pesquisa................................................................. 132.0 As abordagens teóricas que sustentam a pesquisa............................ 232.1 Um conceito amplo de Pedagogia.............................................................. 242.2 Profissão Pedagogo................................................................................... 272.2.1 Breve histórico..........................................................................................282.3 Políticas Educacionais e a Pedagogia........................................................332.4 Sociedade Pedagógica...............................................................................383.0 Aportes Metodológicos............................................................................423.1 Paradigma...................................................................................................423.2 Tipo de Pesquisa .......................................................................................423.3 Instrumento de coleta de dados.................................................................433.4 Local de Pesquisa .....................................................................................443.5 Sujeitos de Pesquisa..................................................................................443.6 Desenvolvimento da Pesquisa...................................................................444.0 Apresentação de Análises de Dados......................................................464.1 Resultado do questionário fechado............................................................464.1.2 Município.................................................................................................474.1.3 Gênero....................................................................................................474.1.4 Faixa Etária.............................................................................................484.1.5 Nível de Escolaridade.............................................................................494.1.6 Instituição que concluiu o Ensino Médio.................................................494.1.7 Área de Atuação.....................................................................................504.1.8 Tempo de Atuação..................................................................................514.1.9 Vinculo Empregatício..............................................................................514.1.10 Renda Familiar.....................................................................................524.2 Resultado Semi – estruturado...................................................................534.2.1 Pedagogia em tempo de Incertezas.......................................................534.2.2 Políticas públicas e a Pedagogia............................................................564.2.3 O curso de Pedagogia e suas Implicações na Sociedade......................59Considerações finais.....................................................................................62Referências.....................................................................................................63Anexos............................................................................................................68
  9. 9. 9 LISTAS DE SIGLASANFOPE: Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da EducaçãoANPED: Associação Nacional de Pós – Graduação e Pesquisa em EducaçãoBID: Banco Interamericano de DesenvolvimentoCEDES: Centro de Estudos e SociedadeCFE: Conselho Federal de EducaçãoCP: Conselho PlenoDCN: Diretrizes Curriculares Nacionais de EducaçãoFMI: Fundo Monetário InternacionalIBGE: Instituto Brasileiro de Geografia e EstatísticaIES: Instituto de Ensino SuperiorLDB: Lei de Diretrizes e Bases da EducaçãoMEC: Ministério da Educação e CulturaONU: Organização das Nações UnidasSESU: Secretaria Superior de Educação
  10. 10. 10 LISTAS DE GRÁFICOSGráfico . 01: Município.............................................................................46Gráfico 02: Gênero...................................................................................47Gráfico. 03: Faixa Etária..........................................................................48Gráfico. 04: Nível de Escolaridade...........................................................49Gráfico. 05: Instituição que concluiu o Ensino Médio..............................49Gráfico. 06: Área de Atuação...................................................................50Gráfico. 07: Tempo de atuação na educação..........................................51Gráfico. 08: Vinculo empregatício............................................................51Gráfico. 09: Renda Familiar.....................................................................52
  11. 11. 11 INTRODUÇÃO O anseio de pesquisar sobre as políticas educacionais na formação dedocentes vem perpassando à trajetória enquanto discente no curso dePedagogia o que preocupa, principalmente, é o que delimita as políticaspúblicas, no processo de construção de seu perfil/ identidade econseqüentemente da sua atuação na sociedade em vários âmbitos e nãoapenas em espaços escolares. Esta pesquisa buscou analisar quais as transformações que a LDB - Leide Diretrizes e Bases da Educação e as Diretrizes Curriculares Nacionais estãotrazendo ao curso de Pedagogia, perceber os elementos de suas experiênciase de seu desenvolvimento profissional, buscando compreender como esteselementos estarão colaborando na constituição de seu perfil/identidadeprofissional. A pesquisa tem seu relato disposto num texto que faz uma analise sobreas políticas educacionais traçando o perfil do pedagogo faz um breve relatohistórico das legislações oficiais e uma breve explanação em correntespedagógicas através dos séculos ate a atualidade. Percorre o caminho da história da Pedagogia e do pedagogo no Brasildesde sua criação em 1939 até as atuais mudanças políticas que estãoocorrendo, perpassadas pelas novas abordagens teóricas que amparam aexistência de uma sociedade pedagógica, em outras palavras à atuação dopedagogo em vários espaços sem ser necessariamente o escolar. O capitulo I procuramos contextualizar de forma sucinta tema depesquisa começando explanar sobre as exigências da sociedade e em seguidaponderando sobre as leis que a regem e alteração que as mesmas vêmprovocando nessa nova sociedade, como exemplo as exigências de novas leis
  12. 12. 12para a educação. Em seguida, fizemos uma breve descrição políticaeducacional de cunho neoliberal e suas prováveis modificações no campo deformação da pedagogia e de sua atuação na sociedade não só escolar, mastambém na extra escolar, tudo isso mediante as minhas inquietações eangustias ocorridos durante o meu processo de formação. O capitulo II enfoca as abordagens teóricas que sustentaram a pesquisa,tais abordagens compõem uma nova perspectiva de se refletir a práticaprofissional, assinalando para a melhor qualidade na formação do educador naacepção de acolher aos desafios da contemporaneidade. A análise é feita à luzde teóricos que vêm tratando dessas questões, dentre os quais foramdestacados: José Carlos Libâneo, Selma Garrido Pimenta, Dermeval Saviani,Dalila Oliveira entre outros. O capitulo III faz uma descrição dos aportes metodológicos da pesquisa,focalizando o lócus, os sujeitos e a metodologia utilizada para o seudesenvolvimento. O capitulo IV faz uma caracterização dos sujeitos da pesquisa a partir doestudo inicial realizado, traçando o perfil através do questionário fechadoenfocando os seguintes aspectos: faixa etária média do grupo, formaçãoanterior, tempo de experiência no magistério, renda familiar, vinculoempregatício entre outros e também através do questionário semi – estruturadoque mostra o perfil do pedagogo mediante os objetivos e questão de pesquisaanalisando suas percepções sobre seu curso e sua atuação na sociedade. Finalmente, são apresentadas algumas conclusões elaboradas a partirda pesquisa, buscando responder os objetivos e questões inicialmentecolocadas.
  13. 13. 13 CAPITULO I CONTEXTUALIZANDO A PESQUISA A sociedade atual se vê confrontada com o desenvolvimento aceleradoque ocorre em sua volta, onde o desenvolvimento e as descobertas ocorremem frações de segundos, ocasionando certo desgaste, atravessando por umaimensa revolução em todos seus aspectos, vivencia transformações,tecnológicas, inversão de valores, pobreza desumanização, avanços e atrasoseconômicos, gerando assim nos sujeitos dessa sociedade, dúvidas medos,angustias e incertezas. Nessa perspectiva a educação e os profissionais que atuam nessa áreasão vistos como grandes colaboradores para sanar essas incertezas e prepará-los para esse desenvolvimento acelerado que ocorre. Libâneo (2001) afirma: Numa concepção emancipatória de educação seria o grande fator de humanização, já que ela prepararia os indivíduos para participar na reestruturação da propia civilização tendo em vista o desenvolvimento de toda humanidade. (p.150) Desta forma as acentuadas alterações sofridas por nossa sociedade notranscorrer dos anos, têm refletido, sobretudo nas atuações do contextoescolar, o que tem se tornado umas das dificuldades encontradas por agentesescolares derivando o comprometimento do processo ensino-aprendizagem. A escola tem de rever seu papel e sua prática educativa, adaptar suapostura pedagógica a conjuntura atual e colocar-se na posição de organizaçãoprincipal e mais importante na evolução dos princípios fundamentais de uma
  14. 14. 14sociedade, cumprindo assim sua função transformadora e idealizadora deconhecimentos. Nesse processo a prática pedagógica dos agentes educacionais, tem anecessidade de uma reformulação que priorize uma prática formadora para odesenvolvimento e se torne uma fonte de concretização de seu conhecimentoque o causará aos mesmos uma real participação no desenvolvimento social,não como receptor de informações, mas como idealizador de práticas quefavoreçam esse processo. Neste contexto configura-se o papel do educador que tem um papelfundamental na construção e na socialização do saber. Muito se espera doprofessor, pois o mesmo convive processo de modernidade, com uso de novastecnologias, questões de valores éticos e sociais e culturais. Contudo, diante desses novos paradigmas, novos desafios há anecessidade cada vez maior em se reavaliar a sua prática pedagógica e suaatitude profissional. Por isso no decorrer dos anos esses profissionaispassaram por diversas modificações tanto no campo pedagógico, social,profissional e de identidade. Nesse âmbito vale destacar a figura doprofissional de Pedagogia. O pedagogo é um agente fundamental na educação, pois é profissionalque pode atuar em vários espaços. Libanêo (2001) “o curso de pedagogia deveformar o pedagogo stricto sensu, isto é, um profissional qualificado para atuarem vários campos educativos para atender as demandas sócio educativas”.(p.31), porém o curso de Pedagogia historicamente desde o ano de sua criaçãoPimenta (2001) “Instituído no Brasil em 1939” (p.07) passou por diversasmodificações tanto no seu campo cientifico, na sua legislação, no seu processode formação e principalmente a sua identidade profissional. De acordo com a história a Pedagogia esteve sendo teorizada pordistintas óticas científicas (Sociologia, Filosofia, Psicologia entre outras), ao
  15. 15. 15mesmo tempo, que tem várias abordagens conceituais, tem distintas formasreducionistas de sua especificidade e de sua possibilidade como ciência daeducação. Essa conjuntura foi, gradativamente, causando um entrelaçamentoepistemológico no que se refere à edificação do conhecimento pedagógico, oque foi descaracterizando seu status de ciência da educação, dando aentender a sua desnecessidade, enquanto espaço científico fundamentador dapráxis educativa. Pimenta (2001) afirma: O debate sobre a natureza da Pedagogia ou da Educação — como se tem preferido denominar - raramente considera que se possa estabelecer uma ciência autônoma que examinaria as práticas educativas, tem-se considerado que a Pedagogia é um conjunto de enunciados baseado em outras ciências ou em uma filosofia. (p.13) Nesse todo surgem outras constantes preocupações que é a construçãoda identidade do profissional de Pedagogia e as políticas educacionais queamparam a sua formação, no qual o Pedagogo enfrenta desafios e conflitosque desestabilizam o seu desempenho profissional que se configuram, durantetodo o processo de sua formação e no seu desempenho na sua práticapedagógica. Desde a década de 60 a uma tentativa de se especificar o perfil doPedagogo mediante as pareceres (CFE 251/62, CFE 292/62, CFE 262/69) queregulamentavam as licenciaturas de outras áreas e determinava que, Pimenta(2001) “formar bacharéis e licenciados” (p.07) e logo depois determinou outrotipo de formação que no qual, Pimenta (2001) : Foi abolida a distinção entre bacharelado e licenciatura em Pedagogia e instituída a idéia de formar especialista em administração escolar, supervisão pedagógica e orientação educacional (p.08). Nos anos seguintes não houve uma mudança efetiva só novas tentativasde redefinir o curso de pedagogia mediante aos indicativos aos pareceresanteriores aqui já citados. Na década de 80 se destaca - se o surgimento das
  16. 16. 16associações comitês e movimentos (ANFOPE, ANPED, CEDES etc.) quetinham como principal preocupação a definição da identidade do curso depedagogia para tanto os mesmos promoviam seminários congressosconferências. Libâneo (2001) diz: A partir do I Seminário de Educação Brasileira realizado na Unicamp (Campinas – Sp) são realizados encontros e seminários sobre a reformulação do curso de Pedagogia e das licenciaturas, amplia-se a produção de dissertações e teses e surgem revistas para a divulgação de estudos e pesquisas sobre o assunto. (p.121) Somente na década de 90 começam surgir políticas mais efetivas com areforma do estado e conseqüentemente implementação das políticasneoliberais que gerou significativas mudanças, como a revolução tecnológicaque concebeu alterações expressivas nos meios de produção e sociais eeducacionais e ainda acaba proclamando o neoliberalismo como a únicaprobabilidade de adequação e de sobrevivência aos novos desafios dasociedade. No que diz respeito à área educacional, a concepção neoliberal não sedistinguir muito dos seus objetivos econômicos e ideológicos: como expandir omercado, a diminuição da responsabilidade do governo pelas necessidadessociais, entre outros. Em suma, as políticas neoliberais para a educação têm uma relaçãoentre a oferta e a busca do serviço educativo e a demanda da sociedade, noqual ação do Estado se restringir a garantir, apenas, uma educação básica enão favorece as políticas democráticas e compromisso com a realidade social. Nessa perspectiva surgem organismos educacionais como o BancoMundial, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e agências daOrganização das Nações Unidas (ONU). Dentre essas instituições valedestacar a atuação do Banco Mundial que é o maior articulador no processo dereestruturação e abertura das economias e da estrutura social e educacional.
  17. 17. 17 Ao avaliar as políticas educacionais proposta pelo mesmo nota-se, umaconcepção de política baseada no desenvolvimento de habilidade básica deaprendizagens necessárias às exigências do mercado de trabalho, naproeminência à avaliação e à eficiência, no implemento de programascompensatórios, na habilitação de professores em programas de formaçãoentre outros. Desta forma o Banco Mundial implementa, sobretudo a partir dedezembro de 1996 com o estabelecimento da Lei 9.394/96 a LDB - Lei deDiretrizes e Bases da Educação é a primeira lei educacional a fornecer umconceito de educação e traz a educação num sentido que engloba, além doprocesso de escolarização, a formação que ocorre na família, na escola, notrabalho e na convivência em geral. Saviani (2006) afirma: Vamos constatar que se trata de um documento legal que esta em sintonia com a orientação política dominante hoje em dia e que vem sendo adotada pelo governo atual em termos gerais e especificamente no campo educacional. (p.169) Desta maneira o curso de Pedagogia configurou - se dentre os temasmais polêmicos a serem regulamentados pela legislação. Dos conflitos iniciaisapareceram algumas especulações, dentre elas, a que se referia àprobabilidade da extinção gradativa do curso de pedagogia no Brasil. Uma,rápida, análise das leis indicadas acima permitiu que se fizesse a previsão deque, com o tempo, o curso perderia suas antigas funções. Perante esses conflitos e na tentativa de construir uma identidade econseqüentemente a preservação dessa identidade e logo após da publicaçãoda LDB Lei de diretrizes e Bases da Educação a Secretaria de Ensino Superiordo Ministério de Educação – Sesu / MEC –, através do Edital n.4, de 4 dedezembro de 1997, deu início ao processo de alteração curricular requerendoàs instituições de ensino superior (IES) que enviassem propostas para aelaboração das diretrizes curriculares para os cursos de graduação.
  18. 18. 18 A elaboração do Documento das Diretrizes Curriculares do Curso dePedagogia foi feita em um amplo processo de discussão, ouvindo variasentidades desde as associações de profissionais como aos dos alunos emformação e pelo próprio Ministério da Educação e Cultura - MEC. Este documento corresponde a uma perspectiva histórica dos docentesde instalar uma política de formação e definir uma identidade e um princípioarticulado e interligado de formação dos profissionais da educação,contemplando todas as modalidades e todos os níveis. Porém, por muito tempo essas tentativas de reformulação para aformação docente e ao curso de pedagogia causaram mais contratempos doque orientações positivas, como o crescimento desordenado do ensinosuperior privados como a grande expansão dos cursos normais superiores e dopróprio curso de pedagogia principalmente em formato de vídeo conferência asEads, sem compromisso anterior com a formação em quaisquer de seus níveise modalidades. Mesmo assim as Diretrizes Curriculares do Curso de Pedagogia nospareceres de CNE/CP n. 05/2005, e na Resolução. CNE/CP n. 01/2006,demarcam novo tempo e traz novos debates no curso de pedagogia, tentandoconsolidar a sua identidade, sendo assim as DCN - Pedagogia define a suadestinação, sua aplicação e a abrangência da formação a ser desenvolvida nocurso. Aplica-se Parecer (CNE/CP n. 05/2005) a) à formação inicial para o exercício da docência na educação infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental; b) aos cursos de ensino médio de modalidade normal e em cursos de educação profissional; c) na área de serviços e apoio escolar; d) em outras áreas nas quais sejam previstos conhecimentos pedagógicos. A formação assim definida abrangerá integradamente à docência, a participação da gestão e avaliação de sistemas e instituições de ensino em geral, a elaboração, a execução, o acompanhamento de programas e as atividades educativas.
  19. 19. 19 Mediante ao exposto percebe - se um extenso horizonte para aformação e atuação profissional dos pedagogos e essa definição foi ratificadacom a Resolução. CNE/CP n. 01/2006 de uma forma mais clara no seu Art. 4º: O curso de Licenciatura em pedagogia destina-se à formação de professores para exercer funções de magistério na Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental, nos cursos de Ensino Médio, na modalidade Normal, de Educação Profissional, na área de serviços e apoio escolar e em outras áreas nas quais sejam previstos conhecimentos pedagógicos. Diante as definições dos documentos acima citados nota-se que aformação no curso de pedagogia tem a obrigação assegurar a articulação entrea docência, a gestão e a produção do conhecimento no campo educacional. Com essa explicitação, afasta a probabilidade de redução do cursoa uma formação limitada à docência das séries iniciais do ensino fundamental.Nessa perspectiva nota-se um conceito amplo de docência como afirma oParecer (CNE/CP n. 05/2005). “O sentido da docência é ampliado uma vez quese articula à idéia de trabalho pedagógico, a ser desenvolvido em espaçosescolares e não-escolares.” Por essa ótica a docência sugerem umaarticulação com o contexto mais amplo, com os procedimentos e os espaçospedagógicos da sua realidade, desta forma o trabalho docente será definido erealizado pelas relações socioculturais, políticas e econômicas da sociedadeque os mesmos estão inseridos. Nessa perspectiva são cada vez mais comuns às várias atribuições docurso de pedagogia e de sua abrangência nas diversas esferas da sociedadeatualmente é destaque o discurso da performance profissional do pedagogo,para além da atmosfera escolar, com o aparecimento de novas necessidadesformativas, de novos âmbitos educativos, com a ascensão de novos papéis efunções desse profissional e de ambientes criados pela emergência das novasquestões educativas na sociedade. Libâneo (2001) afirma: Um dos fenômenos mais significativos dos processos sociais contemporâneos é a ampliação do conceito de educação e a
  20. 20. 20 diversificação das atividades educativas, levando, por conseqüência, a uma diversificação da ação pedagógica na sociedade. (p 01) Assim, e nítido a presença deste profissional nas empresas, nodesenvolvimento de competências profissionais requeridas pelos processos dereestruturação do trabalho e da produção. A presença do pedagogo nos meios de comunicação, operando naformulação de materiais de caráter educativo, a participação do profissional dapedagogia, na assessoria educativa nos movimentos sociais, organizações nãogovernamentais, instituições públicas, etc. Mais recentemente, a emergência de experiências educativas emmodalidades não presenciais. Libâneo (2001) afirma que esses profissionaissão ”Formadores ocasionais que ocupam partem do seu tempo em atividadespedagógicas em órgãos públicos estatais e não estatais e empresas referentesà trans missão de saberes técnicas ligadas à outra atividade profissional”. p.52 O campo da pedagogia extra - escolar e amplo e está em todos osâmbitos da sociedade. Libâneo (2001) ratifica assegurar que a pedagogia esta“em várias esferas da prática social, mediante as modalidades de educaçãoinformais, não-formais e formais,” (p.01). É nítido o aumento da produção e dadifusão de conhecimentos. Ao analisar a trajetória do curso de pedagogia de suas políticaseducacionais da década de 90 (LDB e DCNS) e da atuação dessesprofissionais na sociedade percebemos que o profissional de Pedagogiaatravés dos anos vem sofrendo com a falta de políticas publicas mais efetivas epela falta de uma identidade mais definida e especifica Com isso a diversificação dos espaços educativos, em razão das novasnecessidades formativas impostas pelo quadro de transformações que marca asociedade contemporânea, passa a requerer, necessariamente, novas basesde formação para o exercício do trabalho pedagógico.
  21. 21. 21 Podemos notar isso principalmente na década de 90 que foi um marcoimportante para a educação e principalmente para o curso de Pedagogia com apromulgação das Leis e Diretrizes e Bases (LDB) no qual se geraram diversascontrovérsias que cogita até a extinção do curso, com a criação do cursoNormal Superior. Mediante as essa polêmicas surgem as Diretrizes Curriculares Nacionais(DCN) que especifica o perfil/identidade do profissional de pedagogia que tinhacomo base a docência e estariam habilitados para ensinar na educação infantile nas series iniciais do ensino fundamental e para atuar em outras áreas essesdocentes deveriam ter o nível de Pós – Graduação. Mas atualmente a nossa sociedade vem passando por diversastransformações no qual o pedagógico está inserido em todos os espaços dasociedade não apenas os escolares, mas também nos extra – escolares(empresas, ongs, televisão entre outros) e a sociedade pedagógica que vemocasionando novos desafios para esses profissionais. Mas hoje em diasabemos que muitos profissionais de Pedagogia em nível de graduaçãoassumem esses papeis mesmo sem estar habilitados para assumir tal cargo. Ante as leituras e discussões ocorridas durante o processo de formaçãoda pesquisadora no curso de Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia– UNEB, pela historia do curso de Pedagogia e por uma preocupação poradquirir uma formação de qualidade tendo como pano de fundo e considerandoa importância da formação do profissional de Pedagogia. Definir como tema depesquisa “O perfil do pedagogo frente às políticas educacionais em suasimplicações na sociedade contemporânea” tendo como principalquestionamento: Em que medida os pedagogos assume os papeis nasociedade mediante as políticas educacionais contemporâneas? Tendo como objetivos:
  22. 22. 22• Detectar as expectativas dos alunos do Curso de Pedagogia em relaçãoao curso e suas perspectivas de vida profissional e pessoal após o mesmo.• Compreender o perfil do profissional de Pedagogia, explicitado a partirdas novas políticas de formação docente. Em face dessas questões, e das inquietações percebidas durante aminha formação e explicitado neste texto, que vem apresentando algunspontos relevantes, que sinaliza para a necessidade de se considerar, adiscussão acerca das políticas educacionais que norteiam o curso dePedagogia e suas conseqüência na formação desses profissionaisprincipalmente dos alunos da Rede UNEB 2000 da cidade Jacobina e suastransformações na sociedade. Tais transformações, que questionam o padrão que tem amparado àorganização das práticas educativas estabelecidas, assinalam não só para anecessidade de se repensar as formas de se conceber o trabalho pedagógicoescolar, como também indicam o surgimento de novas formas e modalidadesde educação e formação.
  23. 23. 23 CAPITULO II AS ABORDAGENS TEÓRICAS QUE SUSTENTAM A PESQUISA. A educação e as políticas educacionais têm procurado promover, naúltima década, a universalização do ingresso ao ensino em todos os seusníveis, com amplo investimento na melhoria da qualidade do ensino. Estamosem uma época de intensa discussão das demandas educacionais, em paralelo,a sociedade com um processo acelerado de mudanças, aumento edisseminação de novas tecnologias, globalização, passamos por umaredefinição dos conceitos, valores, educação entre outros. Desta forma a uma urgência de novas posturas diante da formação dosprofissionais da educação principalmente os profissionais de Pedagogia. Tendoem vista a possibilidade de compreenderem estas transformações e tornarem-se agentes transformadores da realidade em que se inserem, requerendoespaços de construção do conhecimento e uso de novas tecnologias, deassimilação de teorias educacionais e procedimentos de trabalho emconcordância com a legislação em vigor. Ao pesquisar sobre o perfil do profissional de Pedagogia mediante aspolíticas educacionais na atualidade, encontramos-nos diversos estudos quese desenvolvem sobre o conhecimento, a sua identidade, o saber docente esua formação, a imperiosa necessidade de procurar novas vicissitudes queviabilizem a transformação da prática do educador. Nesse esboço um novo método profissional vem sendo constituído,apontando para a melhor qualidade na formação do professor no sentido deconsentir aos desafios da sociedade contemporânea.
  24. 24. 24 Nesta perspectiva, além das considerações sobre esse o perfil que sepretende configurar para o profissional de Pedagogia, percebemos umanecessidade de penetrar mais a fundo nos estudos sobre essa profissão, tendocomo palavras chaves Pedagogia, pedagogo, políticas educacionais,sociedade pedagógica. Tendo como principais norteadores da pesquisa,trabalhos, livros, teses e dissertações de autores como José Carlos Libâneo,Dermaval Saviani, Selma Garrido Pimenta, Pedro Demo, Íris Brzezinski, DalilaOliveira e Carlos Rodrigues Brandão e também através de pareceres eresoluções e leis disponibilizadas pelo Ministério da Educação e Cultura - MEC.2.1.UM CONCEITO AMPLO DE PEDAGOGIA O primeiro conceito chave que norteiam a pesquisa o termo Pedagogiaque tem suas origens na Grécia antiga. Aqueles que os gregos antigoschamavam de “pedagogo” era o escravo que conduzia a criança para aaprendizagem, não era somente um instrutor, ao contrário, era um condutor,era responsável pelo progresso do comportamento do estudante, moral eintelectual. Brandão (1981) afirma “O pedagogo era o educador por cujas mãosa criança grega atravessa os anos a caminho da escola, por caminhos da vida”(p.43). Em suma o escravo pedagogo tinha como regra para a boa educação,se, por acaso, necessitasse de especialistas para a instrução conduzia acriança até espaços específicos. Mas no decorrer dos anos a Pedagogiadeixou de ser uma doutrina da educação pra finalmente se firmar comodisciplina Libâneo e Pimenta (2007) diz: A Pedagogia, que do ponto de vista etimológico significa arte de condução de crianças, tornou-se durante muito tempo arte e doutrina da educação, até se consolidar como disciplina na universidade no final do século XVIII, graças, em boa parte, à contribuição de Herbart. (p.01) Durante muitos séculos, a Pedagogia passou por diversastransformações com ideais de Pedagogos e estudiosos como Comênius,
  25. 25. 25Rousseau, Herbart, Dewey que abordaram varias concepções como: a de quea educação é a garantia da formação do homem para a humanidade, que aescola é uma verdadeira oficina do homem. A pedagogia realista de Ratke, Comênius e Locke trazem pra aeducação que conhecimento vem da experiência, a Pedagogia científicaexperimental, portanto, deve começar pelo estudo da natureza, peloconhecimento das coisas. Libâneo e Pimenta (2007) afirmam: A Pedagogia científica experimental, desenvolvida especialmente na França na segunda metade do século XIX, baseada em boa parte na Psicologia, Elementos para a formulação de diretrizes... Restringe a investigação da educação àqueles problemas que podem ser tratados com métodos empírico-racionais, retraindo a reflexão em torno da autonomia da Pedagogia. (p.01,02) Mas vale ressaltar que o século XIX foi considerado o século daPedagogia, um século marcado por conflitos ideológico e pela revolução socialpolítica e cultural e pela lutas de classes. Segundo Cambi (1999) relata que: isso produziu também umaideologização mais radical (em relação ao passado) da Pedagogia e daeducação, que se afirmaram como setores – chaves do controle social e,portanto, do projeto político e da própria gestão do poder (social e político). Historicamente a Pedagogia só começou a se destacar em nosso paíscom o movimento escolanovista que iniciou uma series de transformações e demodernização do ensino tanto na escola quanto em seus aspectospedagógicos e em seu papel social. A Escola Nova embutia uma pedagogia pela qual a obtenção daautodisciplina seria alcançada pela organização do espaço pedagógico demodo a instigar o desenvolvimento das habilidades. Para isso, os espaçosescolares deveriam ser racionalmente organizados, de modo a alcançar omáximo de eficiência nos seus resultados: autodisciplina, autocontrole,
  26. 26. 26desenvolvimento das competências direcionadas às novas indigências domundo moderno. Libâneo (2001): Desenvolve-se um amplo movimento de renovação escolar de conotação liberal, reunindo nomes como Anísio Teixeira, Fernando de Azevedo, Lourenço Filho, Paschoal Lemme e outros, em torno da idéia de reconstrução educacional para o desenvolvimento social e econômico do país. Esses intelectuais lançam em 1932 O “Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova”, em que formalizam suas propostas teóricas e operacionais. (p.113) Com decorrer dos anos surge um novo tipo de Pedagogia a Tecnicistano qual o sujeito passou a ser a técnica, esta condução procedeu dasmodificações educacionais sofridas em função de alterações no contexto sócio-econômico e político. Libâneo (2001): Essa tendência deixará sua marca nos aspectos formais da organização escolar e didática e menos em termos de concepção de ensino, mas irá influenciar boa parte dos projetos governamentais e dos estudos da área de educação. (p.118) Período crítico-reprodutivista no qual a escola da maior parte reduz-secompletamente à inculcação da ideologia dominante, enquanto as elites seapropriam do saber universal nas escolas privadas de boa qualidade,reproduzindo, assim, as incoerências essenciais e necessárias ao capitalismo.Libâneo (2001) afirma: “As teorias critico – reprodutivistas contribuíram para aanálise dos vínculos da educação com a sociedade, especialmente comoinstância de reprodução das relações sociais capitalistas”. (p.122.) É claro que houve um resultado positivo, na medida em que ocorreu decerta forma, um avanço da consciência ingênua dos docentes para uma visãomais crítica da educação escolar. Tendência crítica no qual o professor, ao propiciar a relação do alunocom os conteúdos do ensino, deverá fazê-lo de forma dinâmica e sempre quepossível relacionar a experiência do aluno com os conteúdos trabalhados,tentando, sistematicamente, evidenciar a relevância de uma adequadaformação escolar como utensílio para o seu dia - a - dia. Libâneo (2001)
  27. 27. 27“Desde logo busca fundamentar-se em uma teoria pedagógica capaz deorientar a pratica cotidiana de professores e consequentemente dos seusalunos” (p.125) Atualmente o conceito comum de Pedagogia não se defere totalmente,afirmando que a mesma se refere à arte, ciência e profissão de ensinar e decuidar de crianças. Libâneo (2001) afirma que “trata-se de uma idéia simplistae reducionista” (p.21), pois a pedagogia é o campo de conhecimento no qualabriga os saberes da área da educação, como a filosofia da educação, adidática, a educação e esta atenta às questões decorrentes da diversidadecultural e histórica que caracteriza nossa sociedade. Este tem a capacidade de: compreender a educação como fenômenocultural, social e claro a própria atribuições indicadas a Pedagogia. Segundo Libâneo (2001) assegura que a pedagogia é um campo deconhecimentos sobre a problemática educativa na sua totalidade ehistoricidade e, ao mesmo tempo, uma diretriz orientadora da ação educativa.2.2. PROFISSÃO PEDAGOGO (A) Desde sua origem, o pedagogo é aquele que ensina, aquele aplica apedagogia, aquele que saiba como movimentar os diversos campos doconhecimento, para praticar a educação com qualidade, aquele que éhabilitado pelo completo desenvolvimento das potencialidades do educando. Seu elemento de atuação é o papel docente, nos aspecto dascompetências básicas do educador, na operacionalização do projeto político-pedagógico da instituição escolar. Libâneo (2001) afirma: É certo que o pedagogo deve ser um profissional competente e compromissado com seu trabalho, como visão de um conjunto do processo de trabalho escolar. Deseja-se um profissional capaz de pensar, planejar e executar o seu trabalho e não apenas um sujeito habilidoso para executar o que os outros concebem. (p.54)
  28. 28. 28 Cabe ao pedagogo desempenhar a direção do sistema educacional, sejana gestão do ensino, na supervisão ou na coordenação pedagógica. Libâneo(2001) diz: “São profissionais que se ocupam de domínios e problemas daprática educativa em suas várias manifestações e modalidades.” (p.14) Para isso, ele precisa sair da universidade apto de concretizar o trabalhocoletivo na escola, sabendo promover a conexão das competências de todos,colaborando para o crescimento e a profissionalização dos docentes,despertando, em cada profissional, o anseio de atuar de forma distinta,edificando uma equipe de trabalho competente. O pedagogo também é visto como um agente de mudanças tanto naescola como na sociedade atual, mas não é fácil caracterizar o pedagogoexistente em nossos estabelecimentos educativos como agente de mudança. As mudanças, atualmente, são tão aceleradas que a grande tarefa daeducação é assumir o desafio de acelerar o ato de aprender e atender ànecessidade da renovação do aprendido logo em seguida·. Desta forma o Pedagogo em seu contexto, deve buscar seus próprioscaminhos para concretizar sua proposta de trabalho, a fim de originar oaperfeiçoamento da pratica docente e as transformações significativas naescola.2.2.1 BREVE HISTÓRICO O curso de pedagogia foi criado no Brasil como decorrência dapreocupação com a formação de educadores para a escola média, passou aexistir junto com as licenciaturas, estabelecida pela antiga Faculdade Nacionalde Filosofia, da Universidade do Brasil, pelo Decreto-lei nº. 1190 de 1939.Libâneo (2001) afirma: “a primeira regulamentação do curso de Pedagogia noBrasil foi em 1939” (p.38.).
  29. 29. 29 Essa faculdade apontava para formação de bacharéis. Libâneo (2001)“prevê a formação de bacharel em Pedagogia o conhecido como técnico emeducação” (p.38) e licenciados para várias áreas, como a área pedagógica,adotando a fórmula conhecida como “3+1”, onde as disciplinas pedagógicastinham duração um ano e as outras disciplinas de outros conteúdos, tinham aduração de três anos. Formava-se então o bacharel nos primeiros três anos do curso e, emseguida, depois de concluído o curso de didática, o graduando recebia odiploma de licenciado. Ministério da Educação (1987) afirma: Em três anos seria formado o bacharel em pedagogia, indivíduo habilitado a preencher os cargos de "técnicos de educação". Não fica claro, então, o que seria esse técnico de educação, qual sua função e especificidade em relação aos profissionais formados nas várias licenciaturas e nos outros bacharelados. A definição desse técnico de educação permanece bastante fluida.com mais um ano - curso de didática - se formava então o licenciado em pedagogia, para o exercício do magistério nos cursos normais. A licenciatura consistia, pois, na sobreposição do curso de didática, praticamente isolado, ao bacharelado. (p.09) Apesar de alguns remanejamentos feitos na sua estrutura estaregulamentação do Curso de Pedagogia vigorou até 1962 e persistiu até 1969,quando este foi reorganizado, sendo então abolida a distinção entrebacharelado e licenciatura, e criadas as “habilitações”, cumprindo o queacabava de determinar a lei nº. 5540/68. Libâneo (2001): A legislação posterior, em atendimento a Lei n º 4.024/61 mantém o curso de bacharelado para a formação do pedagogo (Parecer CFE 251/62) e regulamenta as licenciaturas (Parecer CFE 251/62). O Parecer CFE 252/69 – a ultima regulamentação existente – abole a distinção entre bacharelado e licenciatura, mas mantém a formação de especialista nas varias habilitações, no mesmo espírito do Parecer CFE 251/62. (p.38) Logo em seguida foi aprovado o Parecer CFE 252/69 de autoria deValnir Chagas ensejou uma nova regulamentação definido a duração do cursode Pedagogia, na formação de educadores para o ensino normal, a formação
  30. 30. 30de especialistas para as atividades técnicas (administração, supervisão entreoutros). Esse parecer teve extrema relevância para a definição para o perfil doprofissional de pedagogia. Libâneo (2001) “O Parecer CFE 252/69 promoveefetivamente, um avanço na definição da identidade do curso de Pedagogia aofixar com mais clareza os estudos teóricos necessário à formação do pedagogoe a explicitação das habilitações profissionais”. (p.119) Este mesmo autor (Valnir Chagas) também idealizador e relator de umconjunto de indicações do CFE atribuíam a ele a autoria de um novo sistemade formação de educadores que deveria acabar com o sistema 3+1, no qual omesmo não teve êxito, mas aprovou um pacote pedagógico que promoviavarias modificação estruturais nas licenciaturas e pedia a extinção do curso dePedagogia. Libâneo (2001) ”No final da década de 1970 faltou pouco para ocurso de pedagogia fosse extinto e com ele a profissão de Pedagogo” (p.121) O percurso ate aqui apresentado é importante para apreender o debateque se aprofundou nas décadas seguintes a respeito da identidade dopedagogo no nosso país, identidade esta fragmentada por um currículo e poruma profissionalização insatisfatórios para alcançar uma tarefa efetivamenteeducativa. No início dos anos oitenta, o Ministério da Educação reativou os estudossobre a formação de Recursos Humanos para a educação com o objetivo desubsidiar o Conselho Federal de Educação na reformulação dos cursos deformação docente principalmente o de Pedagogia. Foram realizadas váriasreuniões, seminários e encontros em todo o país Libâneo (2001): Com esse propósito, realiza-se na Unicamp (Campinas – SP, 1978) o I Seminário de Educação Brasileira. Surgem os Comitês Pró Reformulação dos Cursos de Pedagogia (Goiânia – GO, 1980), depois a Comissão Nacional dos Cursos de Formação do Educador (Belo Horizonte MG, 1983), transformada (1990) em Anfope. (p.42)
  31. 31. 31 Nos anos 80 com houve grandes movimentos liderados pelasassociações como a Anfope. MEC (1987) “O Encontro Nacional para aReformulação dos Cursos de Preparação dos Recursos Humanos para aEducação, realizado em Belo Horizonte em 1983” (p.27) e um maior interessepelo Ministério da Educação pela formação e a construção da identidade doprofissional de Pedagogia. Em 1986, o Parecer CFE 161/86 determina a Reformulação do Curso dePedagogia no qual há indicação de que estes cursos devem ter como principaldesígnio a melhoria da qualidade da formação docente. Este parecer tambémindica a necessidade de formação de especialistas nas diversos espaçoseducativos, sugerindo discussões em relação ao momento apropriado para oapresto dos mesmos. Por fim, sugere novos currículos e duração mínima para as licenciaturas;o estímulo de novas experiências pedagógicas com o objetivo de melhoria naqualidade na formação dos pedagogos, trazendo novas propostas em relaçãoà formação dos especialistas. Contudo mesmo com todo incentivo dado às faculdades e institutos deformação para a realização dessas novas experiências pedagógicas, grandeparte dos cursos de Pedagogia continuaram nos moldes do Parecer 252/69.Brzezinski (1999): Também, ainda, no Parecer no 161/86, intitulado “Reformulação do curso de pedagogia”, além de fazer um histórico do curso e das regulamentações feitas pelo CFE, à conselheira Eurides Brito da Silva aponta os projetos de reformulação apresentados para análise no Conselho e sugere que devem ser estimuladas experiências de formação, como por exemplo, a ênfase na docência para as séries iniciais do Ensino Fundamental, às quais o CFE não pretendia obster. (p.92) O final dos anos oitenta e início dos anos noventa foram marcados porum enorme movimento internacional de profissionalização do ensino,assinalando como imprescindível à necessidade de se formar um educador
  32. 32. 32capaz de afiançar a eficácia de sua ação docente e apontando a necessidadeda formação em nível superior para o profissional que atua nos períodosiniciais da escolarização. Isso aconteceu a partir de acordos firmados na Conferência de Jomtien(Tailândia, 1990), Oliveira (2003) “Os anos 1990 inauguraram um movimentode reformas destacando - se a Conferência Mundial sobre a Educação paraTodos realizada em Jomtien, Tailândia, em março de 1990.” (p.22)Organizados de acordo as exigências do Banco Mundial tendo como principaldestaque as políticas para formação de professores da educação básica,procurando elevar o nível de aprendizagem, por meio das modificações naescola básica e no campo de formação de educadores. Desta forma Oliveira(2003) afirma que: As reformas educacionais a que a América latina assistiu na década de 1990 tiveram como foco central a expansão da educação básica. Contudo essa educação básica, de acordo com os compromissos firmados em Jomtien, não significava um atendimento amplo, como aquele previsto na legislação brasileira, mas uma educação mínima. Entretanto é possível observar nessas reformas um reforço na educação formal sinônimo de educação geral e escolarização, em consonância com as exigências dos novos modelos de organização e gestão de trabalho que apontam para a formação mais sólida e geral dos trabalhadores, a partir do desenvolvimento de competências e habilidades compatíveis com a dinâmica atual dos processos produtivos. (p.22) Mediante a o exposto na última década, diversas propostas para aformação de educadores para as series iniciais e ensino fundamental estãosendo apresentadas em vários países principalmente nos da América Latina,fundamentados em concepções políticas e perspectivas diferentes. Estes novos projetos para a formação de educadores têm apontado umainquietação em atender às novas demandas da sociedade e formar umeducador capaz de atuar como um bom profissional diante a essas mudanças.Com isso essas transformações de paradigma afetaram principalmente o cursode Pedagogia que sofreu diversas alterações em suas legislação econseqüentemente na sua pratica, no seu perfil e na sua identidade.
  33. 33. 33 Nessa perspectiva foram implementados em nosso país políticaspublicas para adaptar o curso a essa nova fase dentre elas a LDB – lei deDiretrizes e Bases Educação Lei. Nº. 9.394/96 e as Diretrizes Curriculares parao curso de Pedagogia nos seus diversos pareceres e resoluções. Brzezinski(1999) afirma que: Não são poucas também as intervenções do mundo do sistema nas políticas de formação de profissionais da educação, haja vista a quantidade de pareceres, resoluções, portarias ministeriais e decretos presidenciais sobre o assunto. (p.94). No tópico seguinte, serão discutidos os documentos produzidos peloConselho Nacional de Educação a partir de 1996, os quais sintetizam, de certaforma, as mudanças pretendidas em relação à concepção de formação dospedagogos (a) no contexto dessa nova política.2.3. POLÍTICAS EDUCACIONAIS E A PEDAGOGIA A conjuntura das políticas educacionais no Brasil ainda esta integradocom as políticas Neoliberais sobre a sociedade e pelas intervenções demecanismos internacionais como o FMI e o Banco Mundial, que reflete demodo determinante sobre a educação. A tática neoliberal persistir na mesma:colocar a educação como prioridade, apresentando-a como alternativa deascensão social, mas por outro lado, a escola continua sendo um espaço comgrande potencial de reflexão crítica da realidade, com incidência sobre acultura das pessoas. Diante ao exposto surgem em nosso país diversas políticaseducacionais fundamentadas pelo neoliberalismo dentre elas a Lei deDiretrizes e Bases da Educação – LDB Lei nº. 9.394/96 e as DiretrizesCurriculares Nacionais de Pedagogia as Dcns. A Constituição de 1988 determinou uma nova lei para a educação, noqual foi estabelecido que o substitutivo de autoria do Senador Darcy Ribeiro,
  34. 34. 34com a colaboração do Senador Marco Maciel, seria a lei a ser implementadaassim originando o projeto da atual LDB nº. 9.394/96. Saviani (2006) Sua inclusão foi uma inovação do Projeto de Lei da Câmara dos Deputados, que o Substitutivo do Senador Darcy Ribeiro manteve e foi aprovado pelo Relatório do Deputado José Jorge. Já no primeiro artigo da LDB surge a educação num sentido abrangente, que engloba, além do processo de escolarização, a formação que ocorre na família, na escola, no trabalho e na convivência em geral. (p.70) Mas Demo (1996) afirma que: A nova LDB na verdade, não é inovadora, em termos do que seriam os desafios modernos da educação. Introduz componentes interessantes, alguns atualizados, mas, no todo predomina a visão tradicional, para não dizer tradicionalista. A Lei reflete, ai, nada mais do que a letargia nacional nesse campo, que impede de perceber o quanto às oportunidades de desenvolvimento dependem da qualidade educativa da população. E difícil fugir da constatação de que para elite interessa, pelo menos em certa medida a ignorância da população, como tática de manutenção do status quo. (p.67) A Lei 9.394/96 avaliada como uma inovação na educação brasileira queprocura implantar o pleno desenvolvimento humano e um projeto para aeducação, que tende a mobilizar toda a sociedade brasileira seguida de umintenso anseio político de mudar a sociedade. No projeto de lei no Senado, atése chegar aos 91 artigos aprovados, defendeu-se ardorosamente ofortalecimento da descentralização e a democratização da escola. Em relação ao curso de Pedagogia LDB cita no capitulo VI intituladocomo “Dos Profissionais da Educação” que traz nos seus artigos, 62, 63,64regulamentações para o curso e para a formação dos pedagogos. Os mesmosestão regulamentados da seguinte foma: LDB (1996): Art. 62. A formação de docentes para atuar na educação básica far- se-á em nível superior, em curso de licenciatura, de graduação plena, em universidades e institutos superiores de educação, admitida, como formação mínima para o exercício do magistério na educação infantil e nas quatro primeiras séries do ensino fundamental, a oferecida em nível médio, na modalidade Normal.
  35. 35. 35 Art. 63. Os institutos superiores de educação manterão: I- cursos formadores de profissionais para a educação básica, inclusive o curso normal superior, destinado à formação de docentes para a educação infantil e para as primeiras séries do ensino fundamental; II - programas de formação pedagógica para portadores de diplomas de educação superior que queiram se dedicar à educação básica; III - programas de educação continuada para os profissionais de educação dos diversos níveis. Art. 64. A formação de profissionais de educação para administração, planejamento, inspeção, supervisão e orientação educacional para a educação básica, serão feitos em cursos de graduação em pedagogia ou em nível de pós-graduação, a critério da instituição de ensino, garantida, nesta formação, a base comum nacional. Estas regulamentações causaram uma imensa insatisfação em todosprofissionais que atuam na área de Pedagogia, pois os mesmos alegaram umadesconstrução do perfil/identidade uma desvalorização profissional dosmesmos temendo até a própria extinção do curso Anfope (2004) destaca: Com o estabelecimento da LDB/96, o Curso de Pedagogia configurou-se como um dos temas mais polêmicos a ser regulamentado pela legislação complementar. Curso básico da formação acadêmico-científica do campo educacional passou a ter sua existência ameaçada no Brasil. Esta extinção (assim entendida por quem a pensou), gradativa, apresenta-se como uma forte possibilidade no contexto das novas definições que propugnam um dualismo formador entre os profissionais da educação. (p.05) Desta forma foi mediante a polemicas e discussões, se fez necessáriocriar uma nova política educacional que amparasse o curso de Pedagogia e ospedagogos (as) por conta da nova legislação em vigor Anfope (2004): O movimento de discussão e elaboração das Diretrizes da Pedagogia tem um marco importante em 1999, quando a Comissão de Especialista de Pedagogia, instituída para elaborar as diretrizes do curso, desencadeou amplo processo de discussão, em nível nacional, ouvindo as IES, suas coordenações de curso e as entidades da área – ANFOPE, FORUMDIR, ANPAE, ANPED, CEDES, Executiva Nacional dos Estudantes de Pedagogia. O resultado desse processo foi à elaboração do Documento das Diretrizes e seu encaminhamento ao CNE, em 1999, após uma
  36. 36. 36 grande pressão de todos esses segmentos junto à SESU e à Secretaria de Ensino Fundamental, que resistiam em enviá-las ao CNE, na tentativa de construir as diretrizes para o Curso Normal Superior, criado pela LDB e prestes a ser regulamentado. (p.01) Mesmo com essas iniciativas durante algum tempo, enquanto a Dcnsnão foram criadas, ou melhor, aprovadas o MEC através de Pareceres eresoluções para o curso de Pedagogia que ocasionou mais confusões do queorientações, que atualmente, por conta da sua heterogeneidade estrutural,obriga o poder público ter um acompanhamento cauteloso e rigoroso nosprocedimentos de avaliação da formação, de modo a resguardar e constituirmetas para o aperfeiçoamento da qualidade dos cursos. Em faces dos problemas encontrados finalmente a Dcns para o curso dePedagogia foi implementada em 2004 tendo como principais regulamentaçõesos seus 4 primeiros artigos. CNE/CP n. 06/2004: Art.1º As Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Pedagogos, em nível superior, em curso integrado de graduação plena, constituem-se em um conjunto de princípios, fundamentos e procedimentos a serem observados na organização institucional e curricular de cada instituição de ensino superior. Art.. 2º A preparação do profissional de pedagogia se dará numa dimensão integrada e indissociável para o exercício da docência e para a gestão dos processos educativos escolares e não-escolares assim como para a produção e difusão do conhecimento do campo educacional. Art.. 3º. Constituem-se em dimensões integradas e indissociáveis à formação profissional do Pedagogo: - Docência na Educação Infantil, nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, nas Disciplinas Pedagógicas para a Formação de professores e em outras áreas emergentes no campo educacional. - Gestão Educacional entendida como a organização do trabalho pedagógico em termos de planejamento, coordenação, acompanhamento e avaliação dos processos educativos escolares e não escolares e dos sistemas de ensino, como também o estudo e a participação na formulação de políticas públicas na área de educação.
  37. 37. 37 Art.. 4. º A formação do pedagogo se dará em cursos de pedagogia organizados nas seguintes áreas: - Docência na Educação Infantil e Gestão Educacional; - Docência nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental e Gestão Educacional. Os docentes e as entidades acompanharam e este movimento eestiveram sempre presente na elaboração do documento, através, reuniões,documentos, esta formulação corresponde a uma perspectiva histórica dosprofessores e Pedagogos de edificar uma política nacional de formação e, umsistema interligado de formação dos profissionais da educação, considerandotodas as modalidades e níveis. Mesmo superando algumas iniqüidades históricas e dando um rumo naprofissionalização e na identidade docente em no ano de 2005 foi lançando oparecer CNE/CP 5/2005 que no ano de 2006 foi reexaminado. Que eraregulamentado da seguinte forma: Art. 1º A presente Resolução institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Pedagogia, Licenciatura, definindo princípios, condições de ensino e de aprendizagem, procedimentos a serem observados em seu planejamento e avaliação, pelos órgãos dos sistemas de ensino e pelas instituições de educação superior do país, nos termos explicitados no Parecer CNE/CP nº. /2005. Art. 2º As Diretrizes Curriculares para o Curso de Pedagogia aplicam-se à formação inicial para o exercício da docência na Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental, nos cursos de Ensino Médio, na modalidade Normal, e em cursos de Educação Profissional na área de serviços e apoio escolar, bem como em outras áreas nas quais sejam previstos conhecimentos pedagógicos. § 1º Compreende-se a docência como ação educativa e processo pedagógico metódico e intencional, construído em relações sociais, étnico-raciais e produtivas, as quais influenciam conceitos, princípios e objetivos da Pedagogia, desenvolvendo-se na articulação entre conhecimentos científicos e culturais, valores éticos e estéticos inerentes a processos de aprendizagem, de socialização e de construção do conhecimento, no âmbito do diálogo entre diferentes visões de mundo. § 2º O curso de Pedagogia, por meio de estudos teórico-práticos, investigação e reflexão crítica, propiciará:
  38. 38. 38 I - o planejamento, execução e avaliação de atividades educativas; II - a aplicação ao campo da educação, de contribuições, entre outras, de conhecimentos como o filosófico, o histórico, o antropológico, o ambiental-ecológico, o psicológico, o lingüístico, o sociológico, o político, o econômico, o cultural. Art. 3º O estudante de Pedagogia trabalhará com um repertório de informações e habilidades composto por pluralidade de conhecimentos teóricos e práticos, cuja consolidação será proporcionada no exercício da profissão, fundamentando-se em princípios de interdisciplinaridade, contextualização, democratização, pertinência e relevância social, ética e sensibilidade afetiva e estética. Mediante ao exposto percebemos que esse novo parecer traz maisinovações para o curso de Pedagogia ainda tendo uma formação para asseries iniciais e ensino fundamental e na modalidade formal tendo a docênciacomo base do curso e trazendo como inovação a sua atuação no ensinoprofissional e no ensino médio e ampliando a sua área de conhecimento emoutras áreas e vários âmbitos da sociedade. Mesmo assim em 2006 foi lançada mais uma resolução CNE/CP nº. 105/2006 que exatamente igual a anterior com apenas uma modificação no seuartigo 14 que está disposto da seguinte forma: resolução CNE/CP nº. 105/2006 Art. 14. A formação dos demais profissionais de educação, nos termos do art. 64 da Lei nº. 9.394/96, será realizada em cursos de pós-graduação, especialmente estruturados para este fim, abertos a todos os licenciados. Nesse contexto podemos afirmar que o perfil do profissional dePedagogia mediante as políticas publicas educacionais da atualidade habilita oPedagogo para uma formação integrada para atuar na docência nos AnosIniciais do Ensino Fundamental, na Educação Infantil e nas disciplinaspedagógicas dos cursos de formação de professores e na gestão dosprocessos educativos escolares e não-escolares, mas perante ao curso de posgraduação .
  39. 39. 392.4. A SOCIEDADE PEDAGÓGICA Ao longo do nosso processo histórico desde inicio da evolução até osdias atuais, homem vem sofrendo um rápido processo de transformações, comisso ocorreu uma intensificação das relações humanas, o homem começouviver com sistemas de padrões de comportamento característicos de umasociedade, modos de pensar, sentir, agir, valores, crenças, costumes,conceitos expressões culturais estrutura social: infra-estrutura (modos deprodução) e super-estrutura (idéias e instituições) e a partir disso aumentou-sea necessidade de adquirir mais conhecimentos nesse contexto surge umaforma de educação através do modo de vida social na forma em que todosensinam e aprendem no sistema de trocas de forma livre . Brandão (1981)afirma: Ninguém escapa da educação. Em casa na rua, na igreja ou na escola, de um modo ou de muitos todos nós envolvemos pedaços da vida com ela: para aprender, para ensinar, para aprender e ensinar. Para saber, pra fazer, para ser ou para conviver, todos os dias misturamos a vida com a educação. (p.07) Mediante ao exposto percebe-se que nas sociedades antigas aeducação era feita através das relações inter - pessoais e ocorriam em váriosâmbitos que com decorrer dos anos as sociedades sofreram diversasmodificações que ocorreu o surgimento da escola com vários tipos de oficio ecom varias categorias de educadores com suas diversas formas de métodospedagógicos e era responsável pela difusão do saber. Na nossa sociedade contemporânea não tem sido muito diferente temsido distinguidas por rápidas transformações que se refletem visivelmente naárea educacional. Libâneo (2001): Um dos fenômenos mais significativos dos processos sociais contemporâneos é a ampliação do conceito de educação e a diversificação das atividades educativas, levando, por conseqüência, a uma diversificação da ação pedagógica na sociedade. (p. 01)
  40. 40. 40 Para acompanhar essas modificações, os educadores e profissionais daeducação se empenham na reconstrução de uma nova práxis educativa diantedas novas concepções de educação e no entendimento das mesmas na suateoria e na sua pratica. Através desse contorno contemporâneo dado à educação e àssucessivas mudanças em seu conceito, deixa de ser reservada a atuação deensino-aprendizagem somente em espaços escolares formais. Libâneo (2001): Em várias esferas da prática social, mediante as modalidades de educação informais não-formais e formais, é ampliada a produção e disseminação de saberes e modos de ação (conhecimentos, conceitos, habilidades, hábitos, procedimentos, crenças, atitudes), levando a prática pedagógica. (p.01) Dessa forma a educação atravessa os muros da escola, para e diversosesferas como: Ongs, família, trabalho, lazer, igreja, sindicatos, clubes, etc.Faculta-se atualmente devido às mudanças ocorridas um novo cenário para aeducação, dando uma cartografia significante à educação não formal. Libâneo(2001): que “estamos diante de uma sociedade genuinamente pedagógica”p.01 Neste contexto existe uma diversidade de praticas educativas nasociedade e em todas elas está presente à ação pedagógica é a sociedadepedagógica, revelando amplos campos de atuação pedagógica, ou melhor, apresença do profissional de Pedagogia em vários âmbitos, desta maneira podedefinir que para o pedagogo existem dois campo de ação educativa a escolar ea extra escolar que de acordo Libâneo (2001): se configuram da seguinteforma: Está se acentuando o poder pedagógico dos meios de comunicação: TV, imprensa, escrita, rádio, revistas, quadrinhos. A mídia se especializa em fazer cabeças, não apenas no campo econômico, político; especialmente no campo moral, vemos diariamente a veiculação de mensagens educativas, a disseminação de saberes e modos de agir através de programas, vinhetas e chamadas sobre educação ambiental, AIDS, drogas, saúde. Há práticas pedagógicas nos jornais, nas rádios, na produção de material informativo, tais como livros didáticos e paradidáticos, enciclopédias, guias de
  41. 41. 41 turismo, mapas, vídeos, revistas; na criação e elaboração de jogos, brinquedos; nas empresas, há atividades de supervisão do trabalho, orientação de estagiários, formação profissional em serviço. Há uma prática pedagógica nas academias de educação física, nos consultórios clínicos. Na esfera dos serviços públicos estatais, são disseminadas várias práticas pedagógicas de assistentes sociais, agentes de saúde, agentes de promoção social nas comunidades etc. São práticas tipicamente pedagógicas. Os programas sociais de medicina preventiva, informação sanitária, orientação sexual, recreação, cultivo do corpo, assim como práticas pedagógicas em presídios, hospitais, projetos culturais. (p.02) Em suma pedagogo, na sociedade em que passa a atuar comoeducador social desenvolvendo ultimamente, um novo painel de atuação desteprofissional, que ao atravessar a divisória da instituição escolar, invalidapreconceitos e idéias de que o pedagogo está apto para desempenhar suasfunções apenas na sala de aula. Hoje o lema é de que onde existir uma prática educativa, se instala umaação pedagógica. O processo de ensino-aprendizagem é vivenciado nãoapenas dentro da escola, mas é uma ação que ocorre em todo e qualquer setorda sociedade, que se distinguir como a sociedade do conhecimento, porque aeducação formal e a não formal caminham paralelamente e tornam a educaçãoo principal instrumento contra a desigualdade social. Portanto, diante dos conceitos explicitados neste texto percebemos quea pedagogia e conseqüentemente os pedagogos vem sofrendo inúmerasmodificações tanto na sua ação pedagógica, no seu perfil/identidade nas suasconcepções teóricas na sua formação e em suas legislação, gerando assimuma desvalarozição profissional do curso e até uma possível extinção domesmo, temidas por muitos profissionais da área.
  42. 42. 42 CAPITULO III 3.0 APORTES METODOLÓGICOS3.1. PARADIGMA Tendo como objeto de análise os alunos do curso de Pedagogia maisespecificamente, as transformações que este curso está trazendo à suaatuação profissional, tendo como tema O perfil do profissional de Pedagogiafrente às políticas educacionais e suas implicações na sociedadecontemporânea.3.2. TIPO DE PESQUISA Pesquisa, no sentido mais amplo, é um conjunto de atividadesorientadas para a busca de um determinado conhecimento. Segundo André eLudke (1986) a expressão pesquisa atualmente se tornou uma pratica tãonotória que muitas vezes compromete o verdadeiro sentindo da mesma ”pode-se notar esse fenômeno em varias instancias da vida social” (p.01) A pesquisa científica se distingue de outra modalidade qualquer depesquisa pelo método, pelas técnicas, por estar voltada para a realidadeempírica e pela forma de comunicar o conhecimento obtido. Segundo André e Ludke (1986) para desempenhar uma pesquisa épreciso promover a confrontação entre os documentos, as evidências, oselementos coletados sobre determinado contexto e o conhecimento teóricoacumulado a respeito dele.
  43. 43. 43 A pesquisa foi feita por meio das abordagens qualitativas que assume diferentes significados e compreende um conjunto de diferentes técnicas que visam descrever elementos de um sistema intricado, em suma a pesquisa de cunho qualitativo trata-se de reduzir a distância entre o pesquisador e os sujeitos de pesquisa, entre teoria e dados, entre contexto e ação. Ludke e André (1986) afirmam: A pesquisa qualitativa tem o ambiente natural como sua fonte direta de dados e o pesquisador como principal instrumento. A pesquisa qualitativa supõe o contato direto e prolongado do pesquisador com o ambiente e a situação que esta sendo investigada, via de regra de trabalho intensivo de campo. (p.11) O desenvolvimento de uma pesquisa qualitativa supõe um corte temporal- espacial de determinado fenômeno por parte do pesquisador. Este corte definecampo e a dimensão que o trabalho se desenvolve, isto é, o território a sermapeado. O trabalho de descrição tem caráter fundamental em um estudoqualitativo, pois é por meio deles que os dão são coletados. 3.3. INSTRUMENTOS DE COLETA DE DADOS Na pesquisa foram utilizados instrumentos de abordagem qualitativa, pois o mesmo considera a existência de uma relação dinâmica entre mundo real e sujeito sendo eficaz para obter informações relevantes dado pelos futuros profissionais de Pedagogia sobre o seu perfil mediante as políticas educacionais da atualidade. Utilizou-se na primeira etapa o questionário fechado, com diversas opções para obter informações e delinear o perfil dos sujeitos da pesquisa Goldenberg (2000) “as respostas estão limitadas às alternativas, são padronizadas, facilmente aplicáveis, analisáveis de maneira rápida e pouco dispendiosa” (p.08). Na segunda etapa foi utilizado um questionário semi – estruturado com questões pertinentes e relevantes ao estudo proposto o mesmo permitem o sujeito responder livremente, usando linguagem própria e emitindo opiniões.
  44. 44. 443.4. LOCAL DA PESQUISA A pesquisa foi realizada na Universidade do Estado da Bahia,Departamento de Ciências Humanas - Campus IV no município de Jacobina,Estado da Bahia, situada na região noroeste do estado, no extremo norte daChapada Diamantina, a 330 km da capital, Salvador, município este que temuma população aproximadamente 78.842 habitantes (IBGE 2008). Possui umaárea geográfica de 2.319,825 km, altitude 470,443m acima do nível do mar.Seu clima é semi-árido, tendo suas atividades econômicas baseadas nocomercio, agricultura, mineração, fabrica no setor de calçados, turismo entreoutros.3.5. SUJEITOS DA PESQUISA A Pesquisa foi realizada com 20 alunos da Rede Uneb 2000 do cursode Pedagogia da Universidade do Estado da Bahia, Departamento de CiênciasHumanas - Campus IV na cidade de Jacobina – Bahia.3.6.DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA Tendo como tema central o perfil do profissional de Pedagogia frente apolíticas educacionais, e suas implicações na sociedade contemporânea.Buscou-se nos questionários a serem aplicados nos graduandos, identificar osaspectos relevantes de sua trajetória acadêmica e como um futuro profissional,no sentido de apreender suas expectativas em relação ao curso de Pedagogia,bem como as influências que o curso vem exercendo em sua vida pessoal eprofissional e mediante a isso se os mesmos se sentem habilitados de assumirnovos papéis na sociedade contemporânea e não apenas escolar, mastambém o extra – escolar.
  45. 45. 45 O desenvolvimento da pesquisa ocorreu em algumas etapas. Em umprimeiro momento dirigiu-se a universidade do Estado da Bahia – Campus IVcom a finalidade de apresentar a pesquisa e os objetivos bem como coletar osdados com os alunos da Rede Uneb 2000 de Pedagogia. Em segundomomento dirigir ao Suporte pré – vestibular (Antiga Escola Paroquial deJacobina) no qual se manteve com contatos com os 20 sujeitos, entregandoaos mesmos questionários previamente elaborados, tendo se estipulado umprazo de oito dias úteis para entrega dos mesmos. Destes 20 sujeitos somente 14 devolveram questionários a partir dissopode-se dar início a a analise de dados com a seleção de dados com umexame minucioso, a fim de detectar falhas ou erros, evitando informaçõesconfusas, distorcidas, incompletas, que podem prejudicar o resultado dapesquisa. Depois é utilizada a etapa de codificação É a técnica operacionalutilizada para categorizar os dados que se relacionam. Mediante a codificação,os dados são transformados em símbolos, podendo ser tabelados e contados.Na seqüência ocorre a etapa de interpretação que procura dar um significadomais amplo às respostas, vinculando-as a outros conhecimentos, ou seja, ainterpretação significa a exposição do verdadeiro significado do materialapresentado, em relação aos objetivos propostos e ao tema.
  46. 46. 46 CAPITULO IV APRESENTAÇÃO ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS Mediante as necessidades de entender algumas compreensões sobre aos graduandos de curso de Pedagogia da Rede UNEB 2000 da Universidadedo Estado da Bahia – Campus IV do município de Jacobina, apresentamosagora os resultados de pesquisa, mediante aos instrumentos de coletas dedados utilizados questionário fechado, questionário semi - estruturado. Valeressaltar que a proposta de discutir o tema da educação no quadro daspolíticas públicas contemporâneas nos conduz a recuperar não apenasquestões ligadas à definição, manutenção e direcionamento das políticas emcurso, mas também as modificações e conseqüências no curso de Pedagogiae conseqüentemente a atuações dos educadores na educação e na sociedade.Apresentaremos nesse momento, o perfil dos sujeitos pesquisados, através doquestionário fechado. 4.1 RESULTADO DO QUESTIONÁRIO FECHADO: O PERFIL DOS SUJEITOS4.1.2 MUNICÍPIO 7% 93% Jacobina OutrosGráfico 1
  47. 47. 47Fonte: questionário fechado aplicado aos sujeitos. Ao que se refere ao município que os sujeitos residem 93% são domunicípio de Jacobina e apenas 7% moram em cidades da microrregião deJacobina.4.1.3 GÊNERO 7% 93% Feminino MasculinoGráfico 2Fonte: questionário fechado aplicado aos sujeitos Apenas um entre os 14 sujeitos pesquisados são homens, fato já captadopelo senso comum o curso de Pedagogia vem sendo uma profissãobasicamente feminina. Santos (2008) afirma que: A um antigo discurso “natural” a inclinação das mulheres para docência. Afirmava-se que elas tinham aptidão para a profissão docente, pois essa passava a ser vista como uma extensão do lar. Assim, a profissão passa a adquirir características marcadamente femininas, tais como, fragilidade, afetividade, paciência, doação, etc. (p.01) Inicialmente, eram os homens que freqüentavam em grande maioria omagistério. Mas, aos poucos essa situação ia mudando em decorrência desalários diminutos e a presença de mulheres que aceitavam esses parcos
  48. 48. 48rendimentos, se tornou maciça nas escolas normais. Esse fenômeno foiregistrado em todas as Províncias do Brasil. Para justificar a saída dos homens do magistério, começaram a aparecerdiscursos que procuravam tornar “natural” a inclinação das mulheres paradocência. Afirmava-se que elas tinham aptidão para a profissão docente, poisessa passava a ser vista como uma extensão do lar. Assim, a profissão passaa adquirir características marcadamente femininas, tais como, fragilidade,afetividade, paciência, doação, etc.4.1.4 FAIXA ETÁRIA 0% 14% 14% 72% 20-25 anos 26-30 anos 31-35 anos Acima de 36 anosGráfico 3Fonte: questionário fechado aplicado aos sujeitos No grupo de professores, 72% apresentam idade superior a 36 anos.Dos outros 14% tem idade entre 31 e 35 anos e os outros 14% tem entre 26 e30 anos. Não evidenciando sujeitos entre 20 a 25 anos. Esses dados relativos à faixa etária evidenciam que o Curso dePedagogia não tem como clientela, jovens que buscam o ensino superior para
  49. 49. 49o ingresso em uma profissão, mas sim professores com mais de trinta anos,que já exercem a profissão docente.4.1.5 NÍVEL DE ESCOLARIDADE 100% Magistério Científico Nível Superior Licenciatura OutrosGráfico 4Fonte: questionário fechado aplicado aos sujeitos Como era esperado, 100% dos alunos são egressos de Cursos Normaisde nível médio o conhecido magistério, isso já era esperado, pois graduaçãodos mesmos é feita através do programa Rede UNEB 2000. Mororó (2005)afirma “É um Programa de Formação de Professores Rede UNEB 2000,desenvolvido pela Universidade Estadual da Bahia junto a professores dasRedes Públicas de Ensino de prefeituras municipais de diversas cidadesbaianas”. (p.01) em suma são professores já concusados que atua na área deeducação infantil e series iniciais. Esse fato se dá porque a legislação impõe essa formação como umadas alternativas para o professor atuar na Educação Infantil e nas SériesIniciais do Ensino Fundamental. A outra seria uma habilitação do curso deNormal superior.
  50. 50. 504.1.6 INSTITUIÇÃO QUE CONCLUIU O ENSINO MÉDIO 100% Pública PrivadaGráfico 5Fonte: questionário fechado aplicado aos sujeitos De acordo com as informações do gráfico 100% dos sujeitos analisadossão oriundos da escola pública.4.1.7 ÁREA DE ATUAÇÃO 100% Professor Coordenador Diretor Outros
  51. 51. 51Gráfico 6Fonte: questionário fechado aplicado aos sujeitos Como já esperado por conta as estrutura de sua formação a RedeUNEB 2000 todos são professores de series iniciais.4.1.8 TEMPO DE ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO 100% 1 ano 2 anos 3-4 anos mais de 5 anosGráfico 7Fonte: questionário fechado aplicado aos sujeitos Mediante as informações do gráfico os graduandos de Pedagogia temuma experiência considerável na pratica educativa que possibilita um melhorconhecimento na sua práxis. Segundo Pimenta (20--), também sabem sobre o ser professor atravésda experiência socialmente acumulada, as mudanças históricas da profissão, oexercício profissional em diferentes escolas, a não valorização social efinanceira dos professores, as dificuldades de estar diante de escolasprecárias, sabem um pouco sobre as representações e os estereótipos que asociedade tem dos professores.4.1.9 VINCULO EMPREGATÍCIO
  52. 52. 52 100% Concursado Contratado Professor SubstitutoGráfico 8Fonte: questionário fechado aplicado aos sujeitos Como podemos observar no gráfico 100 % dos graduandos sãoprofessores concusados do município de Jacobina, fato já esperado, pois unsitens para pleitear e estudar nos cursos da Rede UNEB 2000.4.1.10 RENDA FAMILIAR 14% 86% 1 a 2 Salários Mínimos 2 a 4 Salários Mínimos 4 a 6 Salários Mínimos 6 a 8 Salários MínimosGráfico 19Fonte: questionário fechado aplicado aos sujeitos
  53. 53. 53 Mesmo sabendo que os professores tem um salário base e importantefazer uma analise ,pois estamos fazendo não somente a sua renda mastambém a familiar . Mediante as observações percebemos que 86% dos sujeitos tem arenda familiar situada na faixa de 2 a 4 salários mínimos e os outros 14% tem arenda na faixa de 1 a 2 salários mínimos, confirmando – se o baixo salário dosdocentes na educação brasileira .4.2 RESULTADOS DO QUESTIONÁRIO SEMI - ESTRUTURADO Segundo Silva (1999) a analise do discurso dos sujeitos dosprofissionais da educação permite muitas vezes, tecer comentários a cerca dascompreensões que os mesmos têm acerca de sua atuação profissional e dosproblemas que enfrenta a educação como todo. A partir do da analise do questionário semi - estruturado aplicado com osgraduandos do curso de Pedagogia, consegui-se compreender o perfil dopedagogo frente às políticas educacionais contemporâneas e suas implicaçõesna sociedade. Para melhor compreensão, a análise é precedida de um estudo sobrealguns aspectos sócio-econômicos em que vivem esses graduandos, a luz dasconcepções teóricas sustentada na análise das políticas educacionais recentese das reflexões de alguns autores especialistas no assunto sobre o curso dePedagogia.4.2.1 PEDAGOGIA EM TEMPOS DE INCERTEZAS E sua atuação na sociedade mediante as suas perspectivas sobre a vidaprofissional, pois as rápidas mudanças ocorridas nas últimas décadas e

×