SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Texto
Arte na Grécia
6º. Ano

Professora Elisa Herrera
2

(6ª.Ano) Texto -A ARTE NA GRÉCIA
Aproximadamente no séc. X AC., o povo da Grécia continental e das ilhas do Mar Egeu,
formavam pequenos grupos, ficavam distantes umas das outras e falavam vários
dialetos.
A arte grega se divide em 2 períodos históricos:
Período arcaico: vai de meados dos séc. VII AC, até a época do começo das
guerras Pérsicas, no séc. V AC., começa então,
Período Clássico: vai até o fim da guerra do Peloponeso, no séc. IV AC,
denominado o “século de Péricles”, pois foi à época do esplendor da cultura
grega, em relação às atividades culturais e intelectuais.
Na Escultura
Aproximadamente a final do séc.VII AC os gregos começam a esculpir grandes figuras
masculinas em mármore.
Para os gregos, a arte não tinha um caráter religioso, como era no Egito. Para
diferenciar as figuras estáticas e rígidas do Egito, o artista grego procurou dar a
impressão de movimento nas suas esculturas, como é o caso de Discóbolo, de Miron
da imagem abaixo:

Na arquitetura:
É as grandes construções dos templos o maior destaque na arquitetura grega. Hoje os
templos são construídos para práticas religiosas. Os gregos construíam seus templos
para proteger suas esculturas dedicadas aos seus deuses e deusas, do sol e das chuvas.
A construção dos templos obedece a 3 modelos:
O da ordem dórica: como exemplo o templo Parthenon, construído em
homenagem a deusa Atena. Cujas características são: o corpo das colunas é
grosso, se apoiam diretamente no chão, a grande viga que sustenta o teto,
sobre ela havia retângulos com linhas verticais e retângulos que podiam ser
lisos ou com desenhos.
A ordem dórica foi a primeira e a mais simples das ordens
Arquitetônicas. O estilo dórico vem em primeiro lugar por uma razão muito
simples: o dórico foi um dos primeiros povos que dominaram a Grécia. Os
mais importantes templos da antiga Grécia foram os da ordem dórica.
3
Sendo o Parthenon o mais importante. Esses templos eram em geral baixos
e maciços. As grossas colunas que lhes davam sustentação não dispunham
de base, e o fuste (haste) tinha forma acanelada. O capitel, muito simples,
terminava numa moldura convexa a um entablamento (sistema de cornijas)
formado por uma arquitrave (parte inferior) e um friso de tríglifos
(decoração acanelada) entrados por métopas (Intervalo quadrado entre os
tríglifos do friso dórico. = ditríglifo).

A ordem jônica, o templo Erecteion. As colunas são mais finas, não se
apoiam diretamente no último degrau (são três, as colunas se apoiam no
degrau superior), a base da coluna é decorada. A arquitrave dividida em
três faixas horizontais.
O que o dórico tem de sóbrio, o jônico tem de gracioso. O capitel jônico é
parecido com o tipo de penteado feminino então em moda na época,
existindo também certa semelhança entre a linha da coluna jônica e um
traje de mulher, o quintão.
A Ordem Jônica - representava a graça e o feminino. A coluna apresentava
o fuste mais delgado e não se firmava diretamente sobre o estilóba, mas
sobre uma base decorada. O capitel era formado por duas espirais unidas
por duas curvas. A ordem dórica traduz a forma do homem e a ordem
jônica traduz a forma da mulher.

A ordemcoríntia,pouco utilizado pelosarquitetos gregos, caracterizava-se
pelo excesso de detalhes. Os capitéis das colunas, geralmente decorados
com folhas.
A ordem coríntia apareceu no século IV a.C. e se caracterizou sobretudo
pela forma do capitel. Há uma lenda que explica a origem desse estilo. Diz a
lenda que certa vez, uma bela jovem coríntia fora enterrada em campo
aberto; sua ama colocara sobre o túmulo um cesto coberto de telhas,
contendo objetos que a jovem mais queria. Na primavera seguinte,
brotaram no lugar alguns pés de acanto,
( planta espinhosa), encontrando os obstáculos das telhas, as folhas
dobraram-se, formando volutas incompletas (Ornato em espiral de um
capitel de coluna) . Inspirado nesse motivo - continua a lenda -, um
arquiteto grego chamado Calímaco teria criado a nova ordem. Na verdade,
porém, o estilo coríntio parece ter sido importado do Egito, onde já
existiam templos cujos capitéis eram decorados com motivos florais.
4

Uma característica dos templos gregos é a simetria dos pórticos de entrada e saída,
são aparentemente iguais, na parte central do templo era colocada a escultura da
divindade como se pode ver na imagem abaixo:
Pórtico de entrada

Pórtico de saída

No centro era colocada a escultura do deus ou deusa
5

Ordem dórica - O Parthenon, na Acrópole de Atenas.
dórica

Ordem jônica- Templo Erecteion de Atenas

detalhe Ordem

detalhe da ordem jônica

Detalhe da ordem coríntia

Pintura em cerâmica
Os vasos gregos são famosos pela sua beleza, forma, a harmonia dos desenhos, cores e
espaço utilizados para ornamentação dos mesmos, pois aproveitavam a parte côncava
do vaso para colocar as figuras inclinadas para frente acompanhando o formato dos
mesmos. Os desenhos eram representados pelas figuras da mitologia grega ou de
pessoas nas suas atividades do cotidiano.
6

A escultura do período helenístico
A escultura do período helenístico traz características diferentes dos períodos
anteriores, pois uma delas consiste em expressar sob forma humana, ideias e
sentimentos, como é a paz, o amor, a liberdade, a vitoria.. etc. Outra característica é o
começo de esculpir figuras do nu feminino, pois nos períodos arcaico e clássico, as
esculturas femininas estavam sempre vestidas.
A grande inovação da escultura deste período foi, entretanto a representação de
grupos de pessoas em lugar de uma só. Todo o conjunto devia dar a impressão de
movimento, fazendo que o observador fosse obrigado a dar voltas em torno da
escultura para apreciar a leveza e observação de todos seus ângulos, como é a imagem
à seguir:
O soldado gálata e sua mulher, o original grego
data do séc. III a.C., mede: 2.11 m – Museu
Nacional Romano, Roma
Este conjunto era parte de um monumento de
guerra na Ásia Menor. O original grego se perdeu
e hoje só existe a cópia romana. Esta escultura
representa o momento em que um soldado grego
mata sua mulher para não entrega-la ao inimigo e
se prepara para o suicídio. A cena carrega uma
forte dramaticidade , obriga o espectador andar
em volta do conjunto para apreciar toda sua
dramática beleza.

Afrodite de Melos (séc. II
a.C.), altura 2,04 m.Museu do Louvre, Paris
É a deusa do amor. Tem sido
apreciada e copiada com
variações. Nesta escultura
vemos uma nudez parcial.
7

Afrodite de Cápua,
de Lisipo. O original
é do século IV a.C.,
mede: 2.10 m –
Museu Arqueológico
de Nápoles.

Afrodite de Cápua, deusa do amor, foi muito apreciada e copiada com variações
durante séculos. Assim, no século II a.C. aparece a célebre Afrodite de Melos ou Vênus
de Milo, na designação romana. Nessa escultura veem-se combinados a nudez parcial
de Afrodite de Cápua é o princípio de Policleto (escultor).

Vitória de Samotrácia (c. 180
a.C.) altura: 2,75 m –Museu do
Louvre, Paris
Supõe-se que essa escultura
estivesse pressa à proa de um
navio. De fato, as formas que o
artista deu à figura de uma mulher
com asas abertas afastadas para
trás. A túnica, as ondulações e
dobras do tecido transparente
colado ao corpo parecem sugerir o
sentimento de vitória.
Observa-se uma forte impressão
de movimento.
8

O TEATRO NA GRÉCIA ANTIGA
Um dos aspectos mais significativos da
cultura grega antiga foi o teatro. Os gregos
o desenvolveram de tal forma que até os
dias atuais, artistas, dramaturgos e demais
envolvidos nas artes cênicas sofrem a
influência suas influências. Diversas peças
teatrais criadas na Grécia Antiga são até
hoje encenadas.

Teatro grego, Atenas.

Máscaras teatrais naGrécia antiga.

Na arte de representar, as máscaras foram
largamente aproveitadas. Os gregos foram
os primeiros a usar máscaras no teatro.
Eram confeccionadas em barro, madeira e
cortiça e adornadas com pinturas e
cabeleiras. Foram aperfeiçoadas e a sua
execução passou a ser confiada a escultores.

- ESCULTURA: OS DEUSES GREGOS

•
•
•
•
•
•
•

•

Os gregos acreditavam em vários deuses que eram importantes na vida e na
morte.
Os deuses eram considerados como seres humanos: se casavam, tinham filhos,
sentiam amor, ciúme e se vingavam quando necessário.
Através das lendas os deuses ensinaram o que os agradavam e os enfureciam.
Os deuses principais eram os doze do Olímpio (a mais alta montanha da
Grécia), que se acreditava viverem no Monte Olímpio.
Eles foram governados por Zeus, Deus dos Deuses.
Os templos foram construídos para servirem de casa para os deuses na Terra.
Por exemplo, o Pártenon em Atenas foi dedicado à deusa Atena. Dentro havia
uma estátua de Atena feita em ouro e marfim e estava a uma altura de
quarenta pés.
Eram dadas oferendas, joias, cerâmicas e esculturas no templo.
9
•
•
•

Animais e pássaros também eram oferecidos aos profetas para sacrifícios.
Festivais eram organizados para cada um dos deuses, para convencê-los a
serem generosos.
Além dos 12 deuses do Olímpio há outros principais como Hades (deus do
mundo dos mortos) e Posêidon (deus dos mares).

•

Os 12 deuses do Olímpio são:

•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•

Zeus - Deus do céu e Senhor do Olímpio Estátua de Posêidon
Hermes - Mensageiro dos deuses
Deméter - Deusa da agricultura
Hera - Deusa do casamento
Héstia - Deusa do Lar
Ares - Deus da guerra
Atena - Deusa da inteligência e da sabedoria
Afrodite - Deusa do amor e da beleza
Dioniso - Deus do vinho, do prazer e da aventura.
Apolo - Deus do Sol, das artes e da razão.
Ártemis - Deusa da Lua, da caça e da fecundidade animal.
Hefesto - Deus do fogo

Zeus
Deus do céu e Senhor do Olimpo
10

Visitar: WWW.slideshare.net/arteselisa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
Arte grega texto para atividade
Arte grega texto para atividadeArte grega texto para atividade
Arte grega texto para atividade
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
 
Arte Egípcia
Arte Egípcia Arte Egípcia
Arte Egípcia
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Prova arte grega
Prova arte gregaProva arte grega
Prova arte grega
 
Aula 03 arte clássica grécia antiga
Aula 03 arte clássica   grécia antigaAula 03 arte clássica   grécia antiga
Aula 03 arte clássica grécia antiga
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Mapa mental arte romana
Mapa mental   arte romanaMapa mental   arte romana
Mapa mental arte romana
 
Linha do tempo história da arte
Linha do tempo história da arteLinha do tempo história da arte
Linha do tempo história da arte
 
A arte na Grécia
A arte na GréciaA arte na Grécia
A arte na Grécia
 
ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4
 
A arte grega parte 1
A arte grega parte 1A arte grega parte 1
A arte grega parte 1
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Egito história da arte 7º ano
Egito história da arte 7º anoEgito história da arte 7º ano
Egito história da arte 7º ano
 
História da Arte - Arte egipcia
História da Arte - Arte egipciaHistória da Arte - Arte egipcia
História da Arte - Arte egipcia
 
Arte romana 2019
Arte romana 2019Arte romana 2019
Arte romana 2019
 
Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
 

Destaque

6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na gréciaArtesElisa
 
3 arte grega- escultura - os deuses gregos
3  arte grega- escultura - os deuses gregos3  arte grega- escultura - os deuses gregos
3 arte grega- escultura - os deuses gregosArtesElisa
 
8o. ano século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
8o. ano  século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo8o. ano  século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
8o. ano século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismoArtesElisa
 
7o. ano renascimento na alemanha e nos países baixos
7o. ano  renascimento na alemanha e nos países baixos7o. ano  renascimento na alemanha e nos países baixos
7o. ano renascimento na alemanha e nos países baixosArtesElisa
 
Ensino médio texto- análise de uma obra de arte-
Ensino médio  texto- análise de uma obra de arte-Ensino médio  texto- análise de uma obra de arte-
Ensino médio texto- análise de uma obra de arte-ArtesElisa
 
Pintura na grécia antiga
Pintura na grécia antigaPintura na grécia antiga
Pintura na grécia antigaMarisaPinto97
 
História da arte grega e romana
História da arte grega e romanaHistória da arte grega e romana
História da arte grega e romanaRicardo Staiger
 
A arte grega
A arte gregaA arte grega
A arte gregacattonia
 
Slide De Cubismo
Slide De CubismoSlide De Cubismo
Slide De Cubismobabelisa
 
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembroAvaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembroMoesio Alves
 
Prova Artes 6° ano
Prova Artes 6° anoProva Artes 6° ano
Prova Artes 6° anoGeo Honório
 

Destaque (19)

ARTE GREGA
ARTE  GREGAARTE  GREGA
ARTE GREGA
 
Releitura Fotográfica com Brinquedos
Releitura Fotográfica com BrinquedosReleitura Fotográfica com Brinquedos
Releitura Fotográfica com Brinquedos
 
6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia
 
3 arte grega- escultura - os deuses gregos
3  arte grega- escultura - os deuses gregos3  arte grega- escultura - os deuses gregos
3 arte grega- escultura - os deuses gregos
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
8o. ano século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
8o. ano  século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo8o. ano  século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
8o. ano século xix na europa- as inovações na arte- neoclassicismo
 
7o. ano renascimento na alemanha e nos países baixos
7o. ano  renascimento na alemanha e nos países baixos7o. ano  renascimento na alemanha e nos países baixos
7o. ano renascimento na alemanha e nos países baixos
 
Arte grega: história da escultura
Arte grega: história da esculturaArte grega: história da escultura
Arte grega: história da escultura
 
Ensino médio texto- análise de uma obra de arte-
Ensino médio  texto- análise de uma obra de arte-Ensino médio  texto- análise de uma obra de arte-
Ensino médio texto- análise de uma obra de arte-
 
Pintura na grécia antiga
Pintura na grécia antigaPintura na grécia antiga
Pintura na grécia antiga
 
História da arte grega e romana
História da arte grega e romanaHistória da arte grega e romana
História da arte grega e romana
 
Prova artes
Prova artes Prova artes
Prova artes
 
A arte grega
A arte gregaA arte grega
A arte grega
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Slide De Cubismo
Slide De CubismoSlide De Cubismo
Slide De Cubismo
 
Arte moderna slide
Arte moderna slideArte moderna slide
Arte moderna slide
 
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembroAvaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
 
Prova Artes 6° ano
Prova Artes 6° anoProva Artes 6° ano
Prova Artes 6° ano
 
Curso de historia da arte
Curso de historia da arteCurso de historia da arte
Curso de historia da arte
 

Semelhante a 6o. ano texto -Arte na Grécia- 2- (20)

A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
 
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
História da Arte (PaleoLítico, Mesolítico, Neolítico, Arte Egípsia, Arte Greg...
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
 
Apostila 2°bimestre do 1°ano
Apostila 2°bimestre do 1°anoApostila 2°bimestre do 1°ano
Apostila 2°bimestre do 1°ano
 
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - ClaretianoArte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
 
Portefólio de Historia
Portefólio de HistoriaPortefólio de Historia
Portefólio de Historia
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
 
A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
 
GréCia Antiga Arte
GréCia  Antiga ArteGréCia  Antiga Arte
GréCia Antiga Arte
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)Revisão de História da Arte (01)
Revisão de História da Arte (01)
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte grega 2017
Arte grega 2017Arte grega 2017
Arte grega 2017
 
Grécia 03
Grécia 03Grécia 03
Grécia 03
 

Mais de ArtesElisa

6o. ano -A Arte no Egito- do livro Descobrindo a História da Arte de Graça P...
6o. ano  -A Arte no Egito- do livro Descobrindo a História da Arte de Graça P...6o. ano  -A Arte no Egito- do livro Descobrindo a História da Arte de Graça P...
6o. ano -A Arte no Egito- do livro Descobrindo a História da Arte de Graça P...ArtesElisa
 
6o. ano texto- arte na grécia -1-
6o. ano  texto- arte na grécia -1-6o. ano  texto- arte na grécia -1-
6o. ano texto- arte na grécia -1-ArtesElisa
 
Ensino Médio- Academimismo v ersus. Modernismo
Ensino Médio- Academimismo v ersus. ModernismoEnsino Médio- Academimismo v ersus. Modernismo
Ensino Médio- Academimismo v ersus. ModernismoArtesElisa
 
texto Ensino Médio- Gravura, litografia, xilogravura, serigrafia ou silkscreen
texto Ensino Médio- Gravura, litografia, xilogravura, serigrafia ou silkscreentexto Ensino Médio- Gravura, litografia, xilogravura, serigrafia ou silkscreen
texto Ensino Médio- Gravura, litografia, xilogravura, serigrafia ou silkscreenArtesElisa
 
Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
 Ensino Médio-   As muitas linguagens da arte contemporânea Ensino Médio-   As muitas linguagens da arte contemporânea
Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporâneaArtesElisa
 
Ensino Médio- Marina abramovic performance- texto
Ensino Médio- Marina abramovic  performance- textoEnsino Médio- Marina abramovic  performance- texto
Ensino Médio- Marina abramovic performance- textoArtesElisa
 
Ensino Médio -3 pop arte -roy lichtentein-antonio dias-rubens gerchman- z
Ensino Médio -3  pop arte -roy lichtentein-antonio dias-rubens gerchman- zEnsino Médio -3  pop arte -roy lichtentein-antonio dias-rubens gerchman- z
Ensino Médio -3 pop arte -roy lichtentein-antonio dias-rubens gerchman- zArtesElisa
 
Ensino Médio - pop art- andy warhol - -23 slides-
Ensino Médio -  pop art-   andy warhol -     -23 slides-Ensino Médio -  pop art-   andy warhol -     -23 slides-
Ensino Médio - pop art- andy warhol - -23 slides-ArtesElisa
 
Ensino Médio- A segunda metade do século XX - (3o. bimestre)
Ensino Médio- A segunda metade do século XX - (3o. bimestre)Ensino Médio- A segunda metade do século XX - (3o. bimestre)
Ensino Médio- A segunda metade do século XX - (3o. bimestre)ArtesElisa
 
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...ArtesElisa
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
ExpressionismoArtesElisa
 
Ensino Médio- A arte do cubismo
Ensino Médio- A arte do cubismoEnsino Médio- A arte do cubismo
Ensino Médio- A arte do cubismoArtesElisa
 
7o. ano renascimento na itália
7o. ano  renascimento na itália7o. ano  renascimento na itália
7o. ano renascimento na itáliaArtesElisa
 
2- Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
 2- Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea 2- Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
2- Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporâneaArtesElisa
 
Ensino médio dadaísmo marcel duchamp
Ensino médio  dadaísmo marcel duchampEnsino médio  dadaísmo marcel duchamp
Ensino médio dadaísmo marcel duchampArtesElisa
 
6o. ano a arte romana
6o. ano   a arte romana6o. ano   a arte romana
6o. ano a arte romanaArtesElisa
 
9o. ano final do século xix na europa
9o. ano  final do século xix na europa9o. ano  final do século xix na europa
9o. ano final do século xix na europaArtesElisa
 
6º ano continuação arte na pré-história
6º ano  continuação arte na pré-história6º ano  continuação arte na pré-história
6º ano continuação arte na pré-históriaArtesElisa
 
6o. ano - 1)-arte paleolítica ou arte rupestre na europa
6o. ano - 1)-arte paleolítica ou arte rupestre na europa6o. ano - 1)-arte paleolítica ou arte rupestre na europa
6o. ano - 1)-arte paleolítica ou arte rupestre na europaArtesElisa
 
Ensino médio pop art- andy warhol-
Ensino médio  pop art-  andy warhol-Ensino médio  pop art-  andy warhol-
Ensino médio pop art- andy warhol-ArtesElisa
 

Mais de ArtesElisa (20)

6o. ano -A Arte no Egito- do livro Descobrindo a História da Arte de Graça P...
6o. ano  -A Arte no Egito- do livro Descobrindo a História da Arte de Graça P...6o. ano  -A Arte no Egito- do livro Descobrindo a História da Arte de Graça P...
6o. ano -A Arte no Egito- do livro Descobrindo a História da Arte de Graça P...
 
6o. ano texto- arte na grécia -1-
6o. ano  texto- arte na grécia -1-6o. ano  texto- arte na grécia -1-
6o. ano texto- arte na grécia -1-
 
Ensino Médio- Academimismo v ersus. Modernismo
Ensino Médio- Academimismo v ersus. ModernismoEnsino Médio- Academimismo v ersus. Modernismo
Ensino Médio- Academimismo v ersus. Modernismo
 
texto Ensino Médio- Gravura, litografia, xilogravura, serigrafia ou silkscreen
texto Ensino Médio- Gravura, litografia, xilogravura, serigrafia ou silkscreentexto Ensino Médio- Gravura, litografia, xilogravura, serigrafia ou silkscreen
texto Ensino Médio- Gravura, litografia, xilogravura, serigrafia ou silkscreen
 
Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
 Ensino Médio-   As muitas linguagens da arte contemporânea Ensino Médio-   As muitas linguagens da arte contemporânea
Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
 
Ensino Médio- Marina abramovic performance- texto
Ensino Médio- Marina abramovic  performance- textoEnsino Médio- Marina abramovic  performance- texto
Ensino Médio- Marina abramovic performance- texto
 
Ensino Médio -3 pop arte -roy lichtentein-antonio dias-rubens gerchman- z
Ensino Médio -3  pop arte -roy lichtentein-antonio dias-rubens gerchman- zEnsino Médio -3  pop arte -roy lichtentein-antonio dias-rubens gerchman- z
Ensino Médio -3 pop arte -roy lichtentein-antonio dias-rubens gerchman- z
 
Ensino Médio - pop art- andy warhol - -23 slides-
Ensino Médio -  pop art-   andy warhol -     -23 slides-Ensino Médio -  pop art-   andy warhol -     -23 slides-
Ensino Médio - pop art- andy warhol - -23 slides-
 
Ensino Médio- A segunda metade do século XX - (3o. bimestre)
Ensino Médio- A segunda metade do século XX - (3o. bimestre)Ensino Médio- A segunda metade do século XX - (3o. bimestre)
Ensino Médio- A segunda metade do século XX - (3o. bimestre)
 
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
Ensino Médio- A arte do cubismo
Ensino Médio- A arte do cubismoEnsino Médio- A arte do cubismo
Ensino Médio- A arte do cubismo
 
7o. ano renascimento na itália
7o. ano  renascimento na itália7o. ano  renascimento na itália
7o. ano renascimento na itália
 
2- Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
 2- Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea 2- Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
2- Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
 
Ensino médio dadaísmo marcel duchamp
Ensino médio  dadaísmo marcel duchampEnsino médio  dadaísmo marcel duchamp
Ensino médio dadaísmo marcel duchamp
 
6o. ano a arte romana
6o. ano   a arte romana6o. ano   a arte romana
6o. ano a arte romana
 
9o. ano final do século xix na europa
9o. ano  final do século xix na europa9o. ano  final do século xix na europa
9o. ano final do século xix na europa
 
6º ano continuação arte na pré-história
6º ano  continuação arte na pré-história6º ano  continuação arte na pré-história
6º ano continuação arte na pré-história
 
6o. ano - 1)-arte paleolítica ou arte rupestre na europa
6o. ano - 1)-arte paleolítica ou arte rupestre na europa6o. ano - 1)-arte paleolítica ou arte rupestre na europa
6o. ano - 1)-arte paleolítica ou arte rupestre na europa
 
Ensino médio pop art- andy warhol-
Ensino médio  pop art-  andy warhol-Ensino médio  pop art-  andy warhol-
Ensino médio pop art- andy warhol-
 

Último

Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 

Último (20)

Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 

6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-

  • 1. Texto Arte na Grécia 6º. Ano Professora Elisa Herrera
  • 2. 2 (6ª.Ano) Texto -A ARTE NA GRÉCIA Aproximadamente no séc. X AC., o povo da Grécia continental e das ilhas do Mar Egeu, formavam pequenos grupos, ficavam distantes umas das outras e falavam vários dialetos. A arte grega se divide em 2 períodos históricos: Período arcaico: vai de meados dos séc. VII AC, até a época do começo das guerras Pérsicas, no séc. V AC., começa então, Período Clássico: vai até o fim da guerra do Peloponeso, no séc. IV AC, denominado o “século de Péricles”, pois foi à época do esplendor da cultura grega, em relação às atividades culturais e intelectuais. Na Escultura Aproximadamente a final do séc.VII AC os gregos começam a esculpir grandes figuras masculinas em mármore. Para os gregos, a arte não tinha um caráter religioso, como era no Egito. Para diferenciar as figuras estáticas e rígidas do Egito, o artista grego procurou dar a impressão de movimento nas suas esculturas, como é o caso de Discóbolo, de Miron da imagem abaixo: Na arquitetura: É as grandes construções dos templos o maior destaque na arquitetura grega. Hoje os templos são construídos para práticas religiosas. Os gregos construíam seus templos para proteger suas esculturas dedicadas aos seus deuses e deusas, do sol e das chuvas. A construção dos templos obedece a 3 modelos: O da ordem dórica: como exemplo o templo Parthenon, construído em homenagem a deusa Atena. Cujas características são: o corpo das colunas é grosso, se apoiam diretamente no chão, a grande viga que sustenta o teto, sobre ela havia retângulos com linhas verticais e retângulos que podiam ser lisos ou com desenhos. A ordem dórica foi a primeira e a mais simples das ordens Arquitetônicas. O estilo dórico vem em primeiro lugar por uma razão muito simples: o dórico foi um dos primeiros povos que dominaram a Grécia. Os mais importantes templos da antiga Grécia foram os da ordem dórica.
  • 3. 3 Sendo o Parthenon o mais importante. Esses templos eram em geral baixos e maciços. As grossas colunas que lhes davam sustentação não dispunham de base, e o fuste (haste) tinha forma acanelada. O capitel, muito simples, terminava numa moldura convexa a um entablamento (sistema de cornijas) formado por uma arquitrave (parte inferior) e um friso de tríglifos (decoração acanelada) entrados por métopas (Intervalo quadrado entre os tríglifos do friso dórico. = ditríglifo). A ordem jônica, o templo Erecteion. As colunas são mais finas, não se apoiam diretamente no último degrau (são três, as colunas se apoiam no degrau superior), a base da coluna é decorada. A arquitrave dividida em três faixas horizontais. O que o dórico tem de sóbrio, o jônico tem de gracioso. O capitel jônico é parecido com o tipo de penteado feminino então em moda na época, existindo também certa semelhança entre a linha da coluna jônica e um traje de mulher, o quintão. A Ordem Jônica - representava a graça e o feminino. A coluna apresentava o fuste mais delgado e não se firmava diretamente sobre o estilóba, mas sobre uma base decorada. O capitel era formado por duas espirais unidas por duas curvas. A ordem dórica traduz a forma do homem e a ordem jônica traduz a forma da mulher. A ordemcoríntia,pouco utilizado pelosarquitetos gregos, caracterizava-se pelo excesso de detalhes. Os capitéis das colunas, geralmente decorados com folhas. A ordem coríntia apareceu no século IV a.C. e se caracterizou sobretudo pela forma do capitel. Há uma lenda que explica a origem desse estilo. Diz a lenda que certa vez, uma bela jovem coríntia fora enterrada em campo aberto; sua ama colocara sobre o túmulo um cesto coberto de telhas, contendo objetos que a jovem mais queria. Na primavera seguinte, brotaram no lugar alguns pés de acanto, ( planta espinhosa), encontrando os obstáculos das telhas, as folhas dobraram-se, formando volutas incompletas (Ornato em espiral de um capitel de coluna) . Inspirado nesse motivo - continua a lenda -, um arquiteto grego chamado Calímaco teria criado a nova ordem. Na verdade, porém, o estilo coríntio parece ter sido importado do Egito, onde já existiam templos cujos capitéis eram decorados com motivos florais.
  • 4. 4 Uma característica dos templos gregos é a simetria dos pórticos de entrada e saída, são aparentemente iguais, na parte central do templo era colocada a escultura da divindade como se pode ver na imagem abaixo: Pórtico de entrada Pórtico de saída No centro era colocada a escultura do deus ou deusa
  • 5. 5 Ordem dórica - O Parthenon, na Acrópole de Atenas. dórica Ordem jônica- Templo Erecteion de Atenas detalhe Ordem detalhe da ordem jônica Detalhe da ordem coríntia Pintura em cerâmica Os vasos gregos são famosos pela sua beleza, forma, a harmonia dos desenhos, cores e espaço utilizados para ornamentação dos mesmos, pois aproveitavam a parte côncava do vaso para colocar as figuras inclinadas para frente acompanhando o formato dos mesmos. Os desenhos eram representados pelas figuras da mitologia grega ou de pessoas nas suas atividades do cotidiano.
  • 6. 6 A escultura do período helenístico A escultura do período helenístico traz características diferentes dos períodos anteriores, pois uma delas consiste em expressar sob forma humana, ideias e sentimentos, como é a paz, o amor, a liberdade, a vitoria.. etc. Outra característica é o começo de esculpir figuras do nu feminino, pois nos períodos arcaico e clássico, as esculturas femininas estavam sempre vestidas. A grande inovação da escultura deste período foi, entretanto a representação de grupos de pessoas em lugar de uma só. Todo o conjunto devia dar a impressão de movimento, fazendo que o observador fosse obrigado a dar voltas em torno da escultura para apreciar a leveza e observação de todos seus ângulos, como é a imagem à seguir: O soldado gálata e sua mulher, o original grego data do séc. III a.C., mede: 2.11 m – Museu Nacional Romano, Roma Este conjunto era parte de um monumento de guerra na Ásia Menor. O original grego se perdeu e hoje só existe a cópia romana. Esta escultura representa o momento em que um soldado grego mata sua mulher para não entrega-la ao inimigo e se prepara para o suicídio. A cena carrega uma forte dramaticidade , obriga o espectador andar em volta do conjunto para apreciar toda sua dramática beleza. Afrodite de Melos (séc. II a.C.), altura 2,04 m.Museu do Louvre, Paris É a deusa do amor. Tem sido apreciada e copiada com variações. Nesta escultura vemos uma nudez parcial.
  • 7. 7 Afrodite de Cápua, de Lisipo. O original é do século IV a.C., mede: 2.10 m – Museu Arqueológico de Nápoles. Afrodite de Cápua, deusa do amor, foi muito apreciada e copiada com variações durante séculos. Assim, no século II a.C. aparece a célebre Afrodite de Melos ou Vênus de Milo, na designação romana. Nessa escultura veem-se combinados a nudez parcial de Afrodite de Cápua é o princípio de Policleto (escultor). Vitória de Samotrácia (c. 180 a.C.) altura: 2,75 m –Museu do Louvre, Paris Supõe-se que essa escultura estivesse pressa à proa de um navio. De fato, as formas que o artista deu à figura de uma mulher com asas abertas afastadas para trás. A túnica, as ondulações e dobras do tecido transparente colado ao corpo parecem sugerir o sentimento de vitória. Observa-se uma forte impressão de movimento.
  • 8. 8 O TEATRO NA GRÉCIA ANTIGA Um dos aspectos mais significativos da cultura grega antiga foi o teatro. Os gregos o desenvolveram de tal forma que até os dias atuais, artistas, dramaturgos e demais envolvidos nas artes cênicas sofrem a influência suas influências. Diversas peças teatrais criadas na Grécia Antiga são até hoje encenadas. Teatro grego, Atenas. Máscaras teatrais naGrécia antiga. Na arte de representar, as máscaras foram largamente aproveitadas. Os gregos foram os primeiros a usar máscaras no teatro. Eram confeccionadas em barro, madeira e cortiça e adornadas com pinturas e cabeleiras. Foram aperfeiçoadas e a sua execução passou a ser confiada a escultores. - ESCULTURA: OS DEUSES GREGOS • • • • • • • • Os gregos acreditavam em vários deuses que eram importantes na vida e na morte. Os deuses eram considerados como seres humanos: se casavam, tinham filhos, sentiam amor, ciúme e se vingavam quando necessário. Através das lendas os deuses ensinaram o que os agradavam e os enfureciam. Os deuses principais eram os doze do Olímpio (a mais alta montanha da Grécia), que se acreditava viverem no Monte Olímpio. Eles foram governados por Zeus, Deus dos Deuses. Os templos foram construídos para servirem de casa para os deuses na Terra. Por exemplo, o Pártenon em Atenas foi dedicado à deusa Atena. Dentro havia uma estátua de Atena feita em ouro e marfim e estava a uma altura de quarenta pés. Eram dadas oferendas, joias, cerâmicas e esculturas no templo.
  • 9. 9 • • • Animais e pássaros também eram oferecidos aos profetas para sacrifícios. Festivais eram organizados para cada um dos deuses, para convencê-los a serem generosos. Além dos 12 deuses do Olímpio há outros principais como Hades (deus do mundo dos mortos) e Posêidon (deus dos mares). • Os 12 deuses do Olímpio são: • • • • • • • • • • • • Zeus - Deus do céu e Senhor do Olímpio Estátua de Posêidon Hermes - Mensageiro dos deuses Deméter - Deusa da agricultura Hera - Deusa do casamento Héstia - Deusa do Lar Ares - Deus da guerra Atena - Deusa da inteligência e da sabedoria Afrodite - Deusa do amor e da beleza Dioniso - Deus do vinho, do prazer e da aventura. Apolo - Deus do Sol, das artes e da razão. Ártemis - Deusa da Lua, da caça e da fecundidade animal. Hefesto - Deus do fogo Zeus Deus do céu e Senhor do Olimpo