SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
SÉRIE ESTUDOS EM 
Anestesiolo 
gia
SIMULADORES EM ANESTESIA 
Marcelo Antunes 
Médico Assistente 
Anestesiologia HCFMRP-USP
CONCEITOS 
Treinamento 
Capacitação 
Entendimento 
Realidade Simulador 
Elementos 
fidedignos
EXPERIÊNCIA 
Simuladores de vôo 
Treinamento militar 
(guerras) 
Vôo espacial 
Catástrofes nucleares
DEFINIÇÃO 
A simulação “é uma ferramenta genérica poderosa para 
lidar com questões de performance humana 
(treinamento, teste e pesquisa) para investigar as 
interações homem-máquina, e para o projeto (design) e 
certificação de equipamentos.”
Center for Patient Safety and Simulation, University Hospital, Tubingen, Germany
1. Propósito: melhorias na área de educação, 
treinamento (clínico), avaliar a performance e 
competência, realizar ensaios clínicos, pesquisar 
a ergonomia 
2. Participação: pessoas envolvidas – capacitar as 
habilidades individuais, em grupos (“crews”) da 
mesma especialidade e “teams” nas diversas 
especialidades
3. Nível de experiência: estudantes, residentes, “refresher 
training” 
4. “Domain” no qual a simulação é aplicada: cirurgia, CTI, 
anestesiologia, UE 
5. Disciplinas não médicas: enfermeiras, técnicos, diretores, 
legisladores, etc. 
6. Tipo de conhecimento, habilidade, atitude e comportamento 
7. Idade do paciente 
8. Tecnologia aplicada ou requerida para simulação 
9. Local: em casa ou “learning center” 
10.Grau de envolvimento: aprendizado/participação em tempo 
real, webinar 
11.Método de interação: “feedback” 
12.Nível de imersão: raramente ou pouco utilizada, comum ou
Treinamento em Anestesia Regional e Acesso Vascular
Treinamento em Via Aérea
WWW.THORACICANESTHESIA.COM 
Treinamento em broncoscopia (intubação seletiva)
SIMULADORES EM EDUCAÇÃO
SIMULADORES DE PACIENTES 
TIPOS 
 “Real” (manequim) 
 Computador 
 Realidade virtual (3D) 
Os modelos atuais estão em uso há mais de 20 anos
FATORES LIMITANTES PARA SIMULAÇÃO 
 Um dos fatores limitantes para implementação de um treinamento 
baseado em simuladores é o preparo adequado (certificação) dos 
instrutores. 
 Outros: tempo para realizar as atividades e o custo do equipamento
HEMORRAGIA OBSTÉTRICA - SIMULAÇÃO
 Pré-teste e pós-teste: 372 participantes 
 5 estações: ao vivo x Web 
 Maior acurácia na estimativa da perda sanguínea em 34%

Mais conteúdo relacionado

Destaque (11)

Princípios de neuroanatomia
Princípios de neuroanatomiaPrincípios de neuroanatomia
Princípios de neuroanatomia
 
SedaçãO, Analgesia E SequêNcia RáPida De IntubaçãO Reduzido
SedaçãO, Analgesia E SequêNcia RáPida De IntubaçãO ReduzidoSedaçãO, Analgesia E SequêNcia RáPida De IntubaçãO Reduzido
SedaçãO, Analgesia E SequêNcia RáPida De IntubaçãO Reduzido
 
Anestesias
AnestesiasAnestesias
Anestesias
 
Ansiolitico, hipnotico e sedativos
Ansiolitico, hipnotico e sedativosAnsiolitico, hipnotico e sedativos
Ansiolitico, hipnotico e sedativos
 
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e NeurofisiologiaIntrodução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
 
Aula de reanimação pediatrica
Aula de reanimação pediatricaAula de reanimação pediatrica
Aula de reanimação pediatrica
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
 
Exame fisico abdome
Exame fisico abdomeExame fisico abdome
Exame fisico abdome
 
Aula de Revisão - Neuroanatomia
Aula de Revisão - NeuroanatomiaAula de Revisão - Neuroanatomia
Aula de Revisão - Neuroanatomia
 
Aula De Drogas Vasoativas
Aula De Drogas VasoativasAula De Drogas Vasoativas
Aula De Drogas Vasoativas
 
Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1
 

Semelhante a Webanest 2: Simuladores em Anestesia

Modelo para implementação de sistema de gestão em segurança do trabalho
Modelo para implementação de sistema de gestão em segurança do trabalhoModelo para implementação de sistema de gestão em segurança do trabalho
Modelo para implementação de sistema de gestão em segurança do trabalho
João Luiz Lellis da Silva
 
Cadastro de servico_de_radiodiagnostico1
Cadastro de servico_de_radiodiagnostico1Cadastro de servico_de_radiodiagnostico1
Cadastro de servico_de_radiodiagnostico1
Anderson Oliveira
 
I forum urologia[1]
I forum urologia[1]I forum urologia[1]
I forum urologia[1]
Urovideo.org
 
Contribuições da integração do Design baseado em Evidências e Experiências pa...
Contribuições da integração do Design baseado em Evidências e Experiências pa...Contribuições da integração do Design baseado em Evidências e Experiências pa...
Contribuições da integração do Design baseado em Evidências e Experiências pa...
design4socialinnovation
 
Aspectos positivos e negativos da simulacao clinica
Aspectos positivos e negativos da simulacao clinicaAspectos positivos e negativos da simulacao clinica
Aspectos positivos e negativos da simulacao clinica
MariaErcilia1
 

Semelhante a Webanest 2: Simuladores em Anestesia (20)

04 sobecc v19n1
04 sobecc v19n104 sobecc v19n1
04 sobecc v19n1
 
Nuno Freitas - be IN Coimbra
Nuno Freitas - be IN CoimbraNuno Freitas - be IN Coimbra
Nuno Freitas - be IN Coimbra
 
Uso da realidade aumentada como ferramenta para análise de diagnósticos médic...
Uso da realidade aumentada como ferramenta para análise de diagnósticos médic...Uso da realidade aumentada como ferramenta para análise de diagnósticos médic...
Uso da realidade aumentada como ferramenta para análise de diagnósticos médic...
 
celestino_ms_me_bauru_sub.pdf
celestino_ms_me_bauru_sub.pdfcelestino_ms_me_bauru_sub.pdf
celestino_ms_me_bauru_sub.pdf
 
AllViXM - Initial presentation
AllViXM - Initial presentationAllViXM - Initial presentation
AllViXM - Initial presentation
 
Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018
Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018
Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018
 
Modelo para implementação de sistema de gestão em segurança do trabalho
Modelo para implementação de sistema de gestão em segurança do trabalhoModelo para implementação de sistema de gestão em segurança do trabalho
Modelo para implementação de sistema de gestão em segurança do trabalho
 
Cadastro de servico_de_radiodiagnostico1
Cadastro de servico_de_radiodiagnostico1Cadastro de servico_de_radiodiagnostico1
Cadastro de servico_de_radiodiagnostico1
 
Seminário FUABC 2012 - Apresentação Dra. Catherine Moura
Seminário FUABC 2012 - Apresentação Dra. Catherine MouraSeminário FUABC 2012 - Apresentação Dra. Catherine Moura
Seminário FUABC 2012 - Apresentação Dra. Catherine Moura
 
I forum urologia[1]
I forum urologia[1]I forum urologia[1]
I forum urologia[1]
 
I Forum de residência médica em urologia
I Forum de residência médica em urologiaI Forum de residência médica em urologia
I Forum de residência médica em urologia
 
SLIDES PARA APRESENTAÇÃO DIA 14 PDF.pdf
SLIDES PARA APRESENTAÇÃO DIA 14 PDF.pdfSLIDES PARA APRESENTAÇÃO DIA 14 PDF.pdf
SLIDES PARA APRESENTAÇÃO DIA 14 PDF.pdf
 
Contribuições da integração do Design baseado em Evidências e Experiências pa...
Contribuições da integração do Design baseado em Evidências e Experiências pa...Contribuições da integração do Design baseado em Evidências e Experiências pa...
Contribuições da integração do Design baseado em Evidências e Experiências pa...
 
Elena bohomol
Elena bohomolElena bohomol
Elena bohomol
 
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
 
acolhimento e classificação de risco.ppt
acolhimento e classificação de risco.pptacolhimento e classificação de risco.ppt
acolhimento e classificação de risco.ppt
 
Aspectos positivos e negativos da simulacao clinica
Aspectos positivos e negativos da simulacao clinicaAspectos positivos e negativos da simulacao clinica
Aspectos positivos e negativos da simulacao clinica
 
Realidade virtual na saúde
Realidade virtual na saúdeRealidade virtual na saúde
Realidade virtual na saúde
 
Duarte et al 2015
Duarte et al 2015Duarte et al 2015
Duarte et al 2015
 

Mais de Anestesiador

Raquianestesia alta para cirurgia plástica
Raquianestesia alta para cirurgia plásticaRaquianestesia alta para cirurgia plástica
Raquianestesia alta para cirurgia plástica
Anestesiador
 

Mais de Anestesiador (20)

Anestesia robótica para graduação
Anestesia robótica para graduaçãoAnestesia robótica para graduação
Anestesia robótica para graduação
 
Manejo da via aérea
Manejo da via aéreaManejo da via aérea
Manejo da via aérea
 
Desafios na Anestesia Cardíaca
Desafios na Anestesia CardíacaDesafios na Anestesia Cardíaca
Desafios na Anestesia Cardíaca
 
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
 
Analgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácicaAnalgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácica
 
Profilaxia de TEV
Profilaxia de TEVProfilaxia de TEV
Profilaxia de TEV
 
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadexNáuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
 
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICAMANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
 
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
 
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
 
Webinar2
Webinar2Webinar2
Webinar2
 
Anestesia e gestante dependente de crack
Anestesia e gestante dependente de crackAnestesia e gestante dependente de crack
Anestesia e gestante dependente de crack
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificil
 
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificil
 
Monitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonarMonitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonar
 
Fisiopatologia ventilacao perfusão
Fisiopatologia ventilacao perfusãoFisiopatologia ventilacao perfusão
Fisiopatologia ventilacao perfusão
 
Raquianestesia alta para cirurgia plástica
Raquianestesia alta para cirurgia plásticaRaquianestesia alta para cirurgia plástica
Raquianestesia alta para cirurgia plástica
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Recrutamento alveolar em anestesia
Recrutamento alveolar em anestesiaRecrutamento alveolar em anestesia
Recrutamento alveolar em anestesia
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (7)

Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 

Webanest 2: Simuladores em Anestesia

  • 1. SÉRIE ESTUDOS EM Anestesiolo gia
  • 2. SIMULADORES EM ANESTESIA Marcelo Antunes Médico Assistente Anestesiologia HCFMRP-USP
  • 3. CONCEITOS Treinamento Capacitação Entendimento Realidade Simulador Elementos fidedignos
  • 4. EXPERIÊNCIA Simuladores de vôo Treinamento militar (guerras) Vôo espacial Catástrofes nucleares
  • 5. DEFINIÇÃO A simulação “é uma ferramenta genérica poderosa para lidar com questões de performance humana (treinamento, teste e pesquisa) para investigar as interações homem-máquina, e para o projeto (design) e certificação de equipamentos.”
  • 6.
  • 7. Center for Patient Safety and Simulation, University Hospital, Tubingen, Germany
  • 8. 1. Propósito: melhorias na área de educação, treinamento (clínico), avaliar a performance e competência, realizar ensaios clínicos, pesquisar a ergonomia 2. Participação: pessoas envolvidas – capacitar as habilidades individuais, em grupos (“crews”) da mesma especialidade e “teams” nas diversas especialidades
  • 9. 3. Nível de experiência: estudantes, residentes, “refresher training” 4. “Domain” no qual a simulação é aplicada: cirurgia, CTI, anestesiologia, UE 5. Disciplinas não médicas: enfermeiras, técnicos, diretores, legisladores, etc. 6. Tipo de conhecimento, habilidade, atitude e comportamento 7. Idade do paciente 8. Tecnologia aplicada ou requerida para simulação 9. Local: em casa ou “learning center” 10.Grau de envolvimento: aprendizado/participação em tempo real, webinar 11.Método de interação: “feedback” 12.Nível de imersão: raramente ou pouco utilizada, comum ou
  • 10. Treinamento em Anestesia Regional e Acesso Vascular
  • 12. WWW.THORACICANESTHESIA.COM Treinamento em broncoscopia (intubação seletiva)
  • 14. SIMULADORES DE PACIENTES TIPOS  “Real” (manequim)  Computador  Realidade virtual (3D) Os modelos atuais estão em uso há mais de 20 anos
  • 15. FATORES LIMITANTES PARA SIMULAÇÃO  Um dos fatores limitantes para implementação de um treinamento baseado em simuladores é o preparo adequado (certificação) dos instrutores.  Outros: tempo para realizar as atividades e o custo do equipamento
  • 17.  Pré-teste e pós-teste: 372 participantes  5 estações: ao vivo x Web  Maior acurácia na estimativa da perda sanguínea em 34%

Notas do Editor

  1. Réplica artificial de uma situação clínica, de um ambiente cirúrgico por exemplo, com “elementos suficientes de um domínio” do mundo real para se atingir uma meta
  2. Discrepância