SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 70
MANEJO DA VIA AÉREA
ANYTIME EVERYWHERE
Pablo Braga Gusman
@i4pain
@anestesiador
@medconhecimento_
Ausência de Conflito de Interesses
sobre o tema proposto
Médico pela Faculdade de Medicina de Juiz de Fora, MG
Anestesiologia, Dor e Medicina Intensiva
Research Fellowship Hôpital Pitié Salpêtrière, Paris, França
Mestre e Doutor em Anestesiologia, Botucatu, UNESP
Professor FAME (2001-3), UFJF(2002-3), FAMINAS (2004-6), MULTIVIX (2009)
Coordenador da RM em Anestesiologia
Médico do Comitê de Qualidade Meridional Cariacica, ES
Podcaster Medicina do Conhecimento e SBA Podcast
http://lattes.cnpq.br/9978239780840499
Criação de Eva, 1510 / Michelangelo, Capela Sixtina, Vaticano
Ether Dome, 16 de outubro de 1846, Boston, EUA
ASA Claims
Other claims
IOT difícil
Int esofágica
Inadequada
vent/oxigenação
Droga ou dose
errada78,5%
6,4%
4,5%
7% 4%
18,5%
Oxímetro de pulso /
capnografia
Aspiração
Hipoventilação
Hipoxemia
Manejo das
Vias aéreas
• Anamnese
• Exame físico
• Material e Técnicas
• Drogas
• Problemas em anestesias prévias (dor mandibular,
rouquidão, lesão dentária) algo que sugira
dificuldade de intubação.
• Foi informado por um médico que sua IOT ou
ventilação sob máscara foram difíceis.
• Uso de próteses, apnéia do sono, problemas ATM,
cirurgia prévia em vias aéreas e queimaduras
• História de tumores ou infecções na cabeça e
pescoço, radioterapia.
Anamnese e Exame Clínico
• Exame geral
– Patologias congênitas
Síndromes: Pierre-Robin, Treacher Collins, Trissomia do 21,
acondroplasia, atresia de coana, traqueomalacia, fissura palatina/
lábio leporino.
– Patologias endócrinas
Obesidade, diabetes melitus, acromegalia, síndrome Cushing
– Processos inflamatórios
Espondilite anquilosante, artrite reumatóide
Anamnese e Exame Clínico
• Exame geral
– Condições fisiológicas
Gestação
– Infecção
Epiglotite, amigdalite, hiperreatividade brônquica, IVAS
– Corpo estranho
– Radioterapia ou cirurgia em cabeça e pescoço
– Ronco e apnéia
– TRAUMA
Anamnese e Exame Clínico
• Exame cardiovascular e pulmonar
• Exame de boca e cavidade oral
• Extensão e simetria de abertura oral
• Procurar por dentes ausentes ou
quebrados
• Adornos e piercings
Anamnese e Exame Clínico
• Exame geral
– Obeso mórbido?
– Hipognata ou dentes protusos?
– Cicatrizes de cirurgias cabeça, pescoço e tórax?
– Palidez ou cianose?
Anamnese e Exame Clínico
• Exame do queixo
• Tamanho da língua
• Exame da faringe
Anamnese e Exame Clínico
Mallampati, 1985
Abertura Bucal
Via Aérea
Classificação de Mallampatti
Can Anaesth Soc J. 1985 Jul;32(4):429-34.
Posicionamento
Posicionamento
Laringoscopia
Laringoscopia
21 43
Oxigênio é essencial para a vida!
Mas também não permita hipercarbia!
Airway: abrir vias aéreas
Breathing: ventilação com pressão positiva
Circulation: compressões torácicas
Disability: acesso a lesões neurológicas
PROCEDIMENTO
DISPOSITIVO
FLUXO de O2
L / min
CONCENTRAÇÃO
DE OXIGENIO
Sem oxigênio suplementar
Boca a boca N/A 16%
Boca - máscara N/A 16%
Bolsa /
válvula / máscara
N/A 16%
PROCEDIMENTO
DISPOSITIVO
FLUXO de O2
L / min
CONCENTRAÇÃO
DE OXIGENIO
Com oxigênio suplementar
Cánula nasal 1-6 24-30%
Boca – máscara 10 50%
Máscara facial
simples
8-10 40-60%
AMBU
sem reservatório
8-10 40-60%
Máscara simples
com reservatório
6 60%
PROCEDIMENTO
DISPOSITIVO
FLUXO de O2
L / min
CONCENTRAÇÃO
DE OXIGENIO
Com oxigênio suplementar
AMBU com
reservatório
10-15 90-100%
Máscara com
reservatório
sem recirculação
10-15 90-100%
Com válvula
de demanda
De acordo
com a fonte
90-100%
Organização prática do controle
Intra-Hospitalar das Vias Aéreas
• Conhecer os princípios de funcionamento do PS/CC
• Saber diagnosticar uma VA díficil
• Saber por em prática o algorritmo de VA difícil
• Ter equipe capacitada para o evento
• Conhecer a problemática de gestão de material
Organização prática do controle
Intra-Hospitalar das Vias Aéreas
• Conhecer os princípios de funcionamento
Papel de fatores humanos e organizacionais
implicados nas mortes ligadas a vias aéreas:
- organização;
- ausência de protocolo;
- fatores individuais (51%)
- fatores de grupo (62%)
Lienhart A. - Survey of anesthesia-related mortality in France. Anesth, 2006
Organização prática do controle
Intra-Hospitalar das Vias Aéreas
• Saber diagnosticar uma VA díficil
- Antecedentes de VA difícil;
- Mallampatti >2;
- Distância tireomentoneana < 6 cm
- Abertura da boca < 35 mm;
- Mobilidade mandibular
- Mobilidade cervical
- IMC > 35 Kg/m²
Diemunsch P. Ann. Fr. Anesth. Réanim.,2008
Organização prática do controle
Intra-Hospitalar das Vias Aéreas
• Ventilação sob máscara díficil
- Idade > 55 anos;
- IMC > 26 Kg/m²;
- Ausência de dentes;
- Limitação da protrusão mandibular;
- Roncos, apnéia noturna;
- Barba.
Diemunsch P. Ann. Fr. Anesth. Réanim.,2008
Organização prática do controle
Intra-Hospitalar das Vias Aéreas
• Saber por em prática o algoritmo de VA difícil
Todo PS / CC que atenda
urgência deve ter seu
algorritmo para via aérea difícil!
Organização prática do controle
intra-hospitalar das Vias Aéreas
• Ter equipe capacitada para o evento
Aprendizado em pacientes
anestesiados
- Ventilação sob máscara: sucesso
inferior a 50 % após dez tentativas
- IOT: sucesso de 90 % após 57
tentativas. 18 % necessitam de
ajuda após a 80ª tentativa
-ML: sucesso 94 % na 1ª tentativa e
97 % na segunda em pacientes pós
PCR.
Aprendizado em pacientes
anestesiados
- Mínimo de 20 tentativas para
máscara laríngea Fastrach®.
-IT por fibroscopia:
- 10 tentativas para uma IOT em
menos de 2 minutos em 90 %
dos casos.
- 18 tentativas para IOT em
menos de 1 minuto entre 70 à 80
% dos casos.
45 intubações com fibroscopia = expert
(Recommandé par la Soc Française Anésthésie Réanimation)
Lista de equipamentos para intubação dificil
Lista mínima Lista completa
- Laringoscópio - Laringoscópio
- Guias maleáveis - Guias maleáveis
- Mascara laríngea - Guia luminoso
- Oxigenação transtraqueal - Máscara laríngea
- Fastrach
- Oxigenação transtraqueal
- Fibroscopia bronquica
Monitorização
Oximetria de pulso
Princípios:
• Possibilidade de despertar ou anular a
intervenção
• Condutas lógicas, adaptadas a cada
situação
• Prever as condições de segurança do
paciente
Dispositivos
supraglóticos
Combitube
VJTT
Broncoscópio
Dispositivos
supraglóticos
Novos
dispositivos
Broncoscópio
A Comparison of Seal in Seven Supraglottic Airway Devices
Using a Cadaver Model of Elevated Esophageal Pressure
Anesth Analg 2008;106:445–8
A Comparison of Seal in Seven Supraglottic Airway Devices Using a
Cadaver Model of Elevated Esophageal Pressure
Anesth Analg 2008;106:445–8
Técnicas de controle das vias aéreas
• Qual dispositivo usar?
• Estilete móvel
• Estilete luminoso
• Laringoscópicos não convencionais
• Videolaringoscópicos
• Fibroscópio
Máscara Laringea
Videolaringoscópio
Intubação por Fibroscopia
Passos para intubação oral
Preparo
Pré-oxigenação
Pré-medicação
Paralisia
Passagem do tubo (Intubação)
Pós-intubação
Passos para intubação oral
• Preparo
–Diagnóstico de intubação difícil
–Paciente hipotenso:
• Acesso venoso calibroso
• Vasopressores disponíveis
Y BAG PEOPLE
Reynolds, CHEST 2005
Passos para intubação oral
• Preparo
–Posicionamento da cabeça
–Esvaziamento gástrico por CNG
–Prevenção medicamentosa
• Facilitadores de esvaziamento gástrico
Conteúdo gástrico e Ultrassom
Vazio
Líquidos
claros
Leite Alimentos
Rev Assoc Med Bras 2017; 63(2):134-141
Passos para intubação oral
• Pré-oxigenação
–100% FIO2 3 a 5 min ou
– 4 inspirações profundas
– Sem ventilação com pressão positiva,
exceto se Sat O2 < 90%
– Se VPP, manobra de Sellick
Passos para intubação oral
• Pré-medicação
– Opióides (pequenas doses)
– Lidocaína (2 mg/Kg)
– Esmolol (2 mg/Kg)
– Rocurônio (0,06 mg/Kg)
– Dexmedetomidina
• Paralisia (Indução):
Midazolan
Propofol
Etomidato
Ketamin S+
Succinilcolina
Rocurônio
Alfentanil
Fentanil
Sufentanil
Passos para intubação oral
Can Succinylcholine Be Abandoned?
Cook, D. Ryan MD Volume 90(5S) Supplement, May 2000, pp S24-S28
Nonneuromuscular Blocking Effects:
Dysrhythmias
Pulmonary Edema and Hemorrhage
Intragastric Pressure
Intraocular Pressure
Hyperkalemia and Myoglobinemia
Hyperkalemic Cardiac Arrest and Occult Myopathies
Malignant Hyperthermia and Masseter Spasm
• Manobra de Sellick
Mito ou realidade?
Brian A Sellick
(1918-1996)
Sellick B.A. - Cricoid pressure to control regurgitation of stomach contents during
induction of anaesthesia. Lancet, 1961 ; 2 : 404.
Cricotireoidotomia por Punção
• Confirmar posição do tubo
Ausculta mineira
ETCO2
• FIO2 100%
• Finalizar Manobra de Sellick
• Fixação do tubo
Pós-intubação (cuidados)
OBRIGADO!
@medconhecimento_

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez Simões
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez SimõesEstratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez Simões
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez SimõesSMA - Serviços Médicos de Anestesia
 
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não InvasivaVentilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não InvasivaFábio Falcão
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificilAnestesiador
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânicaresenfe2013
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânicaFábio Falcão
 
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...Aroldo Gavioli
 
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula BarretoSemiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barretolabap
 
Histórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratórioHistórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratórioresenfe2013
 
Insuficiência respiratoria
Insuficiência respiratoriaInsuficiência respiratoria
Insuficiência respiratoriaAnestesiador
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterialresenfe2013
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmãoresenfe2013
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoresenfe2013
 
Parada Cardiorrespiratória - Suporte Básico
Parada  Cardiorrespiratória - Suporte BásicoParada  Cardiorrespiratória - Suporte Básico
Parada Cardiorrespiratória - Suporte Básiconuiashrl
 
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)Iapes Ensino
 

Mais procurados (20)

Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
 
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez Simões
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez SimõesEstratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez Simões
Estratificação de Risco Cirúrgico e Anestésico - Dra. Cláudia Marquez Simões
 
Aula anestesia local
Aula   anestesia localAula   anestesia local
Aula anestesia local
 
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não InvasivaVentilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não Invasiva
 
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânicaInterpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
Interpretação de curvas e loops em ventilação mecânica
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
 
Oxigenoterapia
Oxigenoterapia Oxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificil
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
Hipertensão intracraniana
Hipertensão intracranianaHipertensão intracraniana
Hipertensão intracraniana
 
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
Atendimento na parada cardiorrespiratória em adultos pela equipe multidiscipl...
 
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula BarretoSemiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
Semiologia do Sistema Respiratório - Dra. Ana Paula Barreto
 
Histórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratórioHistórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratório
 
Insuficiência respiratoria
Insuficiência respiratoriaInsuficiência respiratoria
Insuficiência respiratoria
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
 
Parada Cardiorrespiratória - Suporte Básico
Parada  Cardiorrespiratória - Suporte BásicoParada  Cardiorrespiratória - Suporte Básico
Parada Cardiorrespiratória - Suporte Básico
 
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
 

Semelhante a Manejo da via aérea

Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificilAnestesiador
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificilAnestesiador
 
SedaçãO, Analgesia E SequêNcia RáPida De IntubaçãO Reduzido
SedaçãO, Analgesia E SequêNcia RáPida De IntubaçãO ReduzidoSedaçãO, Analgesia E SequêNcia RáPida De IntubaçãO Reduzido
SedaçãO, Analgesia E SequêNcia RáPida De IntubaçãO Reduzidogalegoo
 
Manejo da via aerea - Fisioterapeuta
Manejo da via aerea - FisioterapeutaManejo da via aerea - Fisioterapeuta
Manejo da via aerea - FisioterapeutaJanderson Physios
 
Aula endoscopia - Atualidade
Aula endoscopia - AtualidadeAula endoscopia - Atualidade
Aula endoscopia - AtualidadeVictorAndrade121
 
Insuficiência Respiratória e Manejo das Vias Aéreas
Insuficiência Respiratória e Manejo das Vias Aéreas  Insuficiência Respiratória e Manejo das Vias Aéreas
Insuficiência Respiratória e Manejo das Vias Aéreas Leandro de Carvalho
 
Airway management ligami 04 04-13
Airway management   ligami 04 04-13Airway management   ligami 04 04-13
Airway management ligami 04 04-13fabianonagel
 
Aula Sequencia Rápida de Intubação Faculdade Pombal.pptx
Aula Sequencia Rápida de Intubação Faculdade Pombal.pptxAula Sequencia Rápida de Intubação Faculdade Pombal.pptx
Aula Sequencia Rápida de Intubação Faculdade Pombal.pptxAtenobsica16
 
Projeto muilticentrico em humanos com sitracc
Projeto muilticentrico em humanos com sitraccProjeto muilticentrico em humanos com sitracc
Projeto muilticentrico em humanos com sitraccUrovideo.org
 
Projeto Brasileiro Multiinstitucional - Cirurgias endoscópicas transumbelicai...
Projeto Brasileiro Multiinstitucional - Cirurgias endoscópicas transumbelicai...Projeto Brasileiro Multiinstitucional - Cirurgias endoscópicas transumbelicai...
Projeto Brasileiro Multiinstitucional - Cirurgias endoscópicas transumbelicai...Urovideo.org
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasBruno Cavalcante Costa
 
INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL NA SALA DE EMERGEN
INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL NA SALA DE EMERGENINTUBAÇÃO OROTRAQUEAL NA SALA DE EMERGEN
INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL NA SALA DE EMERGENarymurilo123
 
Desmame Da VentilaçãO MecâNica
Desmame Da VentilaçãO MecâNicaDesmame Da VentilaçãO MecâNica
Desmame Da VentilaçãO MecâNicagalegoo
 
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdfJotaBSN
 
Acesso Venosos Em CriançAs E Adultos
Acesso Venosos Em CriançAs E AdultosAcesso Venosos Em CriançAs E Adultos
Acesso Venosos Em CriançAs E AdultosRenato Bach
 

Semelhante a Manejo da via aérea (20)

Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificil
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificil
 
SedaçãO, Analgesia E SequêNcia RáPida De IntubaçãO Reduzido
SedaçãO, Analgesia E SequêNcia RáPida De IntubaçãO ReduzidoSedaçãO, Analgesia E SequêNcia RáPida De IntubaçãO Reduzido
SedaçãO, Analgesia E SequêNcia RáPida De IntubaçãO Reduzido
 
Simpósio de Plantonista Veterinário
Simpósio de Plantonista VeterinárioSimpósio de Plantonista Veterinário
Simpósio de Plantonista Veterinário
 
NOTES
NOTES NOTES
NOTES
 
Manejo da via aerea - Fisioterapeuta
Manejo da via aerea - FisioterapeutaManejo da via aerea - Fisioterapeuta
Manejo da via aerea - Fisioterapeuta
 
Aula endoscopia - Atualidade
Aula endoscopia - AtualidadeAula endoscopia - Atualidade
Aula endoscopia - Atualidade
 
Insuficiência Respiratória e Manejo das Vias Aéreas
Insuficiência Respiratória e Manejo das Vias Aéreas  Insuficiência Respiratória e Manejo das Vias Aéreas
Insuficiência Respiratória e Manejo das Vias Aéreas
 
Airway management ligami 04 04-13
Airway management   ligami 04 04-13Airway management   ligami 04 04-13
Airway management ligami 04 04-13
 
Aula Sequencia Rápida de Intubação Faculdade Pombal.pptx
Aula Sequencia Rápida de Intubação Faculdade Pombal.pptxAula Sequencia Rápida de Intubação Faculdade Pombal.pptx
Aula Sequencia Rápida de Intubação Faculdade Pombal.pptx
 
Projeto muilticentrico em humanos com sitracc
Projeto muilticentrico em humanos com sitraccProjeto muilticentrico em humanos com sitracc
Projeto muilticentrico em humanos com sitracc
 
Projeto Brasileiro Multiinstitucional - Cirurgias endoscópicas transumbelicai...
Projeto Brasileiro Multiinstitucional - Cirurgias endoscópicas transumbelicai...Projeto Brasileiro Multiinstitucional - Cirurgias endoscópicas transumbelicai...
Projeto Brasileiro Multiinstitucional - Cirurgias endoscópicas transumbelicai...
 
Manejo Conservador do Prolapso Genital
Manejo Conservador do Prolapso GenitalManejo Conservador do Prolapso Genital
Manejo Conservador do Prolapso Genital
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
 
INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL NA SALA DE EMERGEN
INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL NA SALA DE EMERGENINTUBAÇÃO OROTRAQUEAL NA SALA DE EMERGEN
INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL NA SALA DE EMERGEN
 
Apendicite
Apendicite Apendicite
Apendicite
 
Desmame Da VentilaçãO MecâNica
Desmame Da VentilaçãO MecâNicaDesmame Da VentilaçãO MecâNica
Desmame Da VentilaçãO MecâNica
 
Apendicite
ApendiciteApendicite
Apendicite
 
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
1. APH MR - VVAA e Av. Primária.pdf
 
Acesso Venosos Em CriançAs E Adultos
Acesso Venosos Em CriançAs E AdultosAcesso Venosos Em CriançAs E Adultos
Acesso Venosos Em CriançAs E Adultos
 

Mais de Anestesiador

Anestesia robótica para graduação
Anestesia robótica para graduaçãoAnestesia robótica para graduação
Anestesia robótica para graduaçãoAnestesiador
 
Desafios na Anestesia Cardíaca
Desafios na Anestesia CardíacaDesafios na Anestesia Cardíaca
Desafios na Anestesia CardíacaAnestesiador
 
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...Anestesiador
 
Analgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácicaAnalgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácicaAnestesiador
 
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadexNáuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadexAnestesiador
 
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICAMANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICAAnestesiador
 
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...Anestesiador
 
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...Anestesiador
 
Webanest 2: Simuladores em Anestesia
Webanest 2: Simuladores em AnestesiaWebanest 2: Simuladores em Anestesia
Webanest 2: Simuladores em AnestesiaAnestesiador
 
Anestesia e gestante dependente de crack
Anestesia e gestante dependente de crackAnestesia e gestante dependente de crack
Anestesia e gestante dependente de crackAnestesiador
 
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual Anestesiador
 
Monitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonarMonitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonarAnestesiador
 
Fisiopatologia ventilacao perfusão
Fisiopatologia ventilacao perfusãoFisiopatologia ventilacao perfusão
Fisiopatologia ventilacao perfusãoAnestesiador
 
Raquianestesia alta para cirurgia plástica
Raquianestesia alta para cirurgia plásticaRaquianestesia alta para cirurgia plástica
Raquianestesia alta para cirurgia plásticaAnestesiador
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidadeAnestesiador
 
Recrutamento alveolar em anestesia
Recrutamento alveolar em anestesiaRecrutamento alveolar em anestesia
Recrutamento alveolar em anestesiaAnestesiador
 
capacitação em serviço dengue
capacitação em serviço denguecapacitação em serviço dengue
capacitação em serviço dengueAnestesiador
 
Custos de anestesia
Custos de anestesiaCustos de anestesia
Custos de anestesiaAnestesiador
 

Mais de Anestesiador (20)

Anestesia robótica para graduação
Anestesia robótica para graduaçãoAnestesia robótica para graduação
Anestesia robótica para graduação
 
Desafios na Anestesia Cardíaca
Desafios na Anestesia CardíacaDesafios na Anestesia Cardíaca
Desafios na Anestesia Cardíaca
 
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
Fatores de Risco para Complicações Perioperatórias em Cirurgias Endoscópicas ...
 
Analgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácicaAnalgesia para cirurgia torácica
Analgesia para cirurgia torácica
 
Profilaxia de TEV
Profilaxia de TEVProfilaxia de TEV
Profilaxia de TEV
 
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadexNáuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
Náuseas e vômitos pós-operatórios: neostigmina x sugamadex
 
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICAMANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
MANUSEIO DA HEMORRAGIA OBSTÉTRICA
 
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
Relação Interpessoal no Centro Cirúrgico: Qual a Importância Para o Bem-Estar...
 
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
Importância da Comunicação Entre os Membros da Equipe Cirúrgica Para o Melhor...
 
Webanest 2: Simuladores em Anestesia
Webanest 2: Simuladores em AnestesiaWebanest 2: Simuladores em Anestesia
Webanest 2: Simuladores em Anestesia
 
Webinar2
Webinar2Webinar2
Webinar2
 
Anestesia e gestante dependente de crack
Anestesia e gestante dependente de crackAnestesia e gestante dependente de crack
Anestesia e gestante dependente de crack
 
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
Mídias sociais: Difusão do Conhecimento no meio virtual
 
Monitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonarMonitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonar
 
Fisiopatologia ventilacao perfusão
Fisiopatologia ventilacao perfusãoFisiopatologia ventilacao perfusão
Fisiopatologia ventilacao perfusão
 
Raquianestesia alta para cirurgia plástica
Raquianestesia alta para cirurgia plásticaRaquianestesia alta para cirurgia plástica
Raquianestesia alta para cirurgia plástica
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Recrutamento alveolar em anestesia
Recrutamento alveolar em anestesiaRecrutamento alveolar em anestesia
Recrutamento alveolar em anestesia
 
capacitação em serviço dengue
capacitação em serviço denguecapacitação em serviço dengue
capacitação em serviço dengue
 
Custos de anestesia
Custos de anestesiaCustos de anestesia
Custos de anestesia
 

Manejo da via aérea

  • 1. MANEJO DA VIA AÉREA ANYTIME EVERYWHERE Pablo Braga Gusman @i4pain @anestesiador @medconhecimento_
  • 2. Ausência de Conflito de Interesses sobre o tema proposto Médico pela Faculdade de Medicina de Juiz de Fora, MG Anestesiologia, Dor e Medicina Intensiva Research Fellowship Hôpital Pitié Salpêtrière, Paris, França Mestre e Doutor em Anestesiologia, Botucatu, UNESP Professor FAME (2001-3), UFJF(2002-3), FAMINAS (2004-6), MULTIVIX (2009) Coordenador da RM em Anestesiologia Médico do Comitê de Qualidade Meridional Cariacica, ES Podcaster Medicina do Conhecimento e SBA Podcast http://lattes.cnpq.br/9978239780840499
  • 3. Criação de Eva, 1510 / Michelangelo, Capela Sixtina, Vaticano
  • 4. Ether Dome, 16 de outubro de 1846, Boston, EUA
  • 5. ASA Claims Other claims IOT difícil Int esofágica Inadequada vent/oxigenação Droga ou dose errada78,5% 6,4% 4,5% 7% 4% 18,5%
  • 6. Oxímetro de pulso / capnografia
  • 9. • Anamnese • Exame físico • Material e Técnicas • Drogas
  • 10. • Problemas em anestesias prévias (dor mandibular, rouquidão, lesão dentária) algo que sugira dificuldade de intubação. • Foi informado por um médico que sua IOT ou ventilação sob máscara foram difíceis. • Uso de próteses, apnéia do sono, problemas ATM, cirurgia prévia em vias aéreas e queimaduras • História de tumores ou infecções na cabeça e pescoço, radioterapia. Anamnese e Exame Clínico
  • 11. • Exame geral – Patologias congênitas Síndromes: Pierre-Robin, Treacher Collins, Trissomia do 21, acondroplasia, atresia de coana, traqueomalacia, fissura palatina/ lábio leporino. – Patologias endócrinas Obesidade, diabetes melitus, acromegalia, síndrome Cushing – Processos inflamatórios Espondilite anquilosante, artrite reumatóide Anamnese e Exame Clínico
  • 12. • Exame geral – Condições fisiológicas Gestação – Infecção Epiglotite, amigdalite, hiperreatividade brônquica, IVAS – Corpo estranho – Radioterapia ou cirurgia em cabeça e pescoço – Ronco e apnéia – TRAUMA Anamnese e Exame Clínico
  • 13. • Exame cardiovascular e pulmonar • Exame de boca e cavidade oral • Extensão e simetria de abertura oral • Procurar por dentes ausentes ou quebrados • Adornos e piercings Anamnese e Exame Clínico
  • 14.
  • 15.
  • 16. • Exame geral – Obeso mórbido? – Hipognata ou dentes protusos? – Cicatrizes de cirurgias cabeça, pescoço e tórax? – Palidez ou cianose? Anamnese e Exame Clínico
  • 17. • Exame do queixo • Tamanho da língua • Exame da faringe Anamnese e Exame Clínico Mallampati, 1985
  • 19.
  • 21. Classificação de Mallampatti Can Anaesth Soc J. 1985 Jul;32(4):429-34.
  • 26. 21 43
  • 27. Oxigênio é essencial para a vida! Mas também não permita hipercarbia! Airway: abrir vias aéreas Breathing: ventilação com pressão positiva Circulation: compressões torácicas Disability: acesso a lesões neurológicas
  • 28. PROCEDIMENTO DISPOSITIVO FLUXO de O2 L / min CONCENTRAÇÃO DE OXIGENIO Sem oxigênio suplementar Boca a boca N/A 16% Boca - máscara N/A 16% Bolsa / válvula / máscara N/A 16%
  • 29. PROCEDIMENTO DISPOSITIVO FLUXO de O2 L / min CONCENTRAÇÃO DE OXIGENIO Com oxigênio suplementar Cánula nasal 1-6 24-30% Boca – máscara 10 50% Máscara facial simples 8-10 40-60% AMBU sem reservatório 8-10 40-60% Máscara simples com reservatório 6 60%
  • 30. PROCEDIMENTO DISPOSITIVO FLUXO de O2 L / min CONCENTRAÇÃO DE OXIGENIO Com oxigênio suplementar AMBU com reservatório 10-15 90-100% Máscara com reservatório sem recirculação 10-15 90-100% Com válvula de demanda De acordo com a fonte 90-100%
  • 31. Organização prática do controle Intra-Hospitalar das Vias Aéreas • Conhecer os princípios de funcionamento do PS/CC • Saber diagnosticar uma VA díficil • Saber por em prática o algorritmo de VA difícil • Ter equipe capacitada para o evento • Conhecer a problemática de gestão de material
  • 32. Organização prática do controle Intra-Hospitalar das Vias Aéreas • Conhecer os princípios de funcionamento Papel de fatores humanos e organizacionais implicados nas mortes ligadas a vias aéreas: - organização; - ausência de protocolo; - fatores individuais (51%) - fatores de grupo (62%) Lienhart A. - Survey of anesthesia-related mortality in France. Anesth, 2006
  • 33. Organização prática do controle Intra-Hospitalar das Vias Aéreas • Saber diagnosticar uma VA díficil - Antecedentes de VA difícil; - Mallampatti >2; - Distância tireomentoneana < 6 cm - Abertura da boca < 35 mm; - Mobilidade mandibular - Mobilidade cervical - IMC > 35 Kg/m² Diemunsch P. Ann. Fr. Anesth. Réanim.,2008
  • 34. Organização prática do controle Intra-Hospitalar das Vias Aéreas • Ventilação sob máscara díficil - Idade > 55 anos; - IMC > 26 Kg/m²; - Ausência de dentes; - Limitação da protrusão mandibular; - Roncos, apnéia noturna; - Barba. Diemunsch P. Ann. Fr. Anesth. Réanim.,2008
  • 35. Organização prática do controle Intra-Hospitalar das Vias Aéreas • Saber por em prática o algoritmo de VA difícil Todo PS / CC que atenda urgência deve ter seu algorritmo para via aérea difícil!
  • 36. Organização prática do controle intra-hospitalar das Vias Aéreas • Ter equipe capacitada para o evento
  • 37. Aprendizado em pacientes anestesiados - Ventilação sob máscara: sucesso inferior a 50 % após dez tentativas - IOT: sucesso de 90 % após 57 tentativas. 18 % necessitam de ajuda após a 80ª tentativa -ML: sucesso 94 % na 1ª tentativa e 97 % na segunda em pacientes pós PCR.
  • 38. Aprendizado em pacientes anestesiados - Mínimo de 20 tentativas para máscara laríngea Fastrach®. -IT por fibroscopia: - 10 tentativas para uma IOT em menos de 2 minutos em 90 % dos casos. - 18 tentativas para IOT em menos de 1 minuto entre 70 à 80 % dos casos. 45 intubações com fibroscopia = expert
  • 39. (Recommandé par la Soc Française Anésthésie Réanimation) Lista de equipamentos para intubação dificil Lista mínima Lista completa - Laringoscópio - Laringoscópio - Guias maleáveis - Guias maleáveis - Mascara laríngea - Guia luminoso - Oxigenação transtraqueal - Máscara laríngea - Fastrach - Oxigenação transtraqueal - Fibroscopia bronquica
  • 41. Princípios: • Possibilidade de despertar ou anular a intervenção • Condutas lógicas, adaptadas a cada situação • Prever as condições de segurança do paciente
  • 44. A Comparison of Seal in Seven Supraglottic Airway Devices Using a Cadaver Model of Elevated Esophageal Pressure Anesth Analg 2008;106:445–8
  • 45. A Comparison of Seal in Seven Supraglottic Airway Devices Using a Cadaver Model of Elevated Esophageal Pressure Anesth Analg 2008;106:445–8
  • 46. Técnicas de controle das vias aéreas • Qual dispositivo usar? • Estilete móvel • Estilete luminoso • Laringoscópicos não convencionais • Videolaringoscópicos • Fibroscópio
  • 47.
  • 51. Passos para intubação oral Preparo Pré-oxigenação Pré-medicação Paralisia Passagem do tubo (Intubação) Pós-intubação
  • 52. Passos para intubação oral • Preparo –Diagnóstico de intubação difícil –Paciente hipotenso: • Acesso venoso calibroso • Vasopressores disponíveis Y BAG PEOPLE
  • 54. Passos para intubação oral • Preparo –Posicionamento da cabeça –Esvaziamento gástrico por CNG –Prevenção medicamentosa • Facilitadores de esvaziamento gástrico
  • 55. Conteúdo gástrico e Ultrassom Vazio Líquidos claros Leite Alimentos Rev Assoc Med Bras 2017; 63(2):134-141
  • 56. Passos para intubação oral • Pré-oxigenação –100% FIO2 3 a 5 min ou – 4 inspirações profundas – Sem ventilação com pressão positiva, exceto se Sat O2 < 90% – Se VPP, manobra de Sellick
  • 57. Passos para intubação oral • Pré-medicação – Opióides (pequenas doses) – Lidocaína (2 mg/Kg) – Esmolol (2 mg/Kg) – Rocurônio (0,06 mg/Kg) – Dexmedetomidina
  • 58. • Paralisia (Indução): Midazolan Propofol Etomidato Ketamin S+ Succinilcolina Rocurônio Alfentanil Fentanil Sufentanil Passos para intubação oral
  • 59. Can Succinylcholine Be Abandoned? Cook, D. Ryan MD Volume 90(5S) Supplement, May 2000, pp S24-S28 Nonneuromuscular Blocking Effects: Dysrhythmias Pulmonary Edema and Hemorrhage Intragastric Pressure Intraocular Pressure Hyperkalemia and Myoglobinemia Hyperkalemic Cardiac Arrest and Occult Myopathies Malignant Hyperthermia and Masseter Spasm
  • 60.
  • 61.
  • 62.
  • 63.
  • 64. • Manobra de Sellick Mito ou realidade? Brian A Sellick (1918-1996) Sellick B.A. - Cricoid pressure to control regurgitation of stomach contents during induction of anaesthesia. Lancet, 1961 ; 2 : 404.
  • 66. • Confirmar posição do tubo Ausculta mineira ETCO2 • FIO2 100% • Finalizar Manobra de Sellick • Fixação do tubo Pós-intubação (cuidados)
  • 67.
  • 68.
  • 69.