11 sismologia

749 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
749
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

11 sismologia

  1. 1. Os Sismos e o Interior da Terra
  2. 2. 1. Sismologia – estudo dos fenómenos relacionados com a ocorrência de sismos.
  3. 3. Foco, Epicentro e Falha
  4. 4. Sismos 1. O que é um sismo? • Foco é o ponto dentro da Terra onde o sismo se inicia. • Epicentro é o local à superfície situado na vertical do foco.  Um sismo é uma vibração da Terra produzida pela rápida libertação de energia  Foco/Hipocentro e Epicentro • Falhas são as fraturas na Terra onde o movimento ocorreu.  Falhas
  5. 5. Foco, Epicentro e Falha Sismos superficiais – hipocentro até 70 Km Sismos intermédios Sismos profundos – hipo a mais de 300km
  6. 6. Deslizamento ao longo da Falha
  7. 7. Hipótese do Ressalto Elástico
  8. 8. Causas dos sismos Como se origina um sismo?  Hipótese do Ressalto Elástico • A maioria dos sismos são produzidos pela rápida libertação de energia elástica armazenada nas rochas que estiveram sujeitas a enormes tensões. • Quando a resistência da rocha é ultrapassada, ela rompe-se bruscamente, originando as vibrações do sismo.
  9. 9. 1. O que é um sismo? • Um abalo premonitório é um pequeno sismo que precede o sismo principal. • Uma réplica é um pequeno sismo que se segue ao sismo principal.  Abalos premonitórios e Réplicas Guatemala, 5/mar/09
  10. 10. ondas sísmicas a energia elástica acumulada liberta-se sob a forma de calor e de ondas sísmicas. ondas de volume ondas de superfície
  11. 11. Ondas Sísmicas longitudinais transversais compressão/rarefação deformações/distorções velocidade elevada velocidade inferior a P primárias secundárias ondas sísmicas de volume atravessam sólidos, líquidos e gasosos atravessam só sólidos
  12. 12. ondas sísmicas de superfície • originam-se a partir das ondas P e S ao chegarem à superfície • velocidade inferior às ondas de volume • de maior amplitude • causam maior destruição L - longas a partícula move-se numa elítica em sentido contrário aos ponteiros do relógio a partícula move-se perpendicularmente ao sentido da onda e paralelamente à superfície
  13. 13. Medindo os sismos  Sismógrafos são instrumentos que registam as ondas sísmicas.  Sismograma é o registo gráfico feito pelo sismógrafo dos movimentos do solo ampliados e eletronicamente registados.  os sismogramas registam as ondas P, S e L Instituto Geofísico de Coimbra, 1864
  14. 14. Sismógrafo
  15. 15. Sismograma
  16. 16. Sismograma
  17. 17. Sismograma Estação sismográfica
  18. 18. porque a Marisa perguntou quem tinha feito o 1º sismógrafo O Sismocóspio de Chang Heng (China, 132). Este aparelho consistia numa bola de bronze sustentada por oito dragões, que a seguravam com a boca. Quando ocorria um tremor de terra, por menor que fosse, a boca do dragão abria e a bola caía na boca aberta de um dos oito sapos de metal que se encontravam em baixo.
  19. 19. Localizando um Sismo quanto maior a diferença entre a chegada das ondas P e S, maior a distância ao epicentro
  20. 20. Localizando um Sismo as circunferências intersetam-se num ponto/zona
  21. 21. Medindo sismos Medindo Sismos  Historicamente, os cientistas têm usado dois diferentes tipos de medições para descrever a dimensão de um sismo — intensidade e magnitude.  Escala de intensidades de Mercalli modificada Baseia-se em parâmetros qualitativos que correspondem aos efeitos produzidos e sentidos num determinado local à superfície.
  22. 22. Medindo Sismos Escala de Mercalli modificada
  23. 23. Medindo Sismos
  24. 24. Medindo Sismos
  25. 25. Isossistas- Linhas que delimitam, em redor do epicentro, as zonas onde a intensidade registada apresenta igual valor.
  26. 26. sismo de Benavente Pg 153 Falha do Vale Inferior do Tejo
  27. 27. Medindo Sismos  Escala de Richter • Não permite avaliar adequadamente a dimensão de sismos muito grandes. • Baseada na amplitude da maior onda sísmica. • Cada unidade de magnitude de Richter equivale a um aumento de energia de cerca de 32x face à unidade anterior.
  28. 28. É uma escala logarítmica: a magnitude de Richter corresponde ao logaritmo da medida da amplitude das ondas sísmicas de tipo P e S a 100 km do epicentro. A fórmula utilizada é ML = logA - logA0 A = amplitude máxima medida no sismógrafo A0 = uma amplitude de referência. Pg 154
  29. 29. Magnitude dos sismos
  30. 30. Alguns sismos memoráveis
  31. 31. Sismos e Tectónica de Placas Ocorrências sísmicas mostradas segundo a profundidade da localização do foco. Legenda: amarelo (superficiais) = profundidade do foco até 25 Km vermelho (intermédios) = profundidade do foco entre 26 e 75 Km negro (profundos) = profundidade do foco entre 76 e 660 Km
  32. 32. Sismos e Tectónica de Placas Distribuição dos sismos em África, ocorridos entre 1977 e 1997, função da profundidade do foco.
  33. 33. Sismos e Tectónica de Placas
  34. 34. Tsunamis Destruição pelos sismos  Causa dos Tsunamis • Um tsunami desencadeado por um sismo ocorre quando um bloco do fundo oceânico é deslocado verticalmente ao longo da falha. • Um tsunami também pode ocorrer quando a vibração de um tremor origina um deslizamento de terras subaquático. • Tsunami é a palavra japonesa para “onda marinha de origem sísmica.”
  35. 35. Movimento de um Tsunami
  36. 36. Tsunamis Destruição pelos Sismos • Os grandes tremores de terra são reportados ao Hawaii a partir das estações sismográficas do Pacíficos.  Sistema Detecção de Tsunamis no Pacífico • Embora os tsunamis se desloquem rapidamente, há tempo suficiente para evacuar toda a área, excepto a mais próxima do epicentro.
  37. 37. diapiro
  38. 38. Prevenção sísmica
  39. 39. - distância ao epicentro - intensidade/magnitude - duração do abalo - tipo de solo - material de construção - desenho da estrutura Destruição sísmica
  40. 40. Existem outros perigos: Destruição sísmica  Deslizamentos de terra  Fogo
  41. 41. Previsão dos Sismos Destruição sísmica • Até hoje nenhum método foi eficaz para prever um sismo a curto prazo, apesar de acontecerem vários fenómenos antes dos sismos (pequenos abalos, fracturas, variações no nível das águas nos poços, anomalias no comportamento dos animais, mas nem sempre assim acontece…) .  Previsões a curto prazo
  42. 42. Previsão dos Sismos Destruição sísmica . pequenos abalos, . fraturas, . variações no nível das águas nos poços, . anomalias no comportamento dos animais, . mas nem sempre assim acontece…  Previsões a curto prazo
  43. 43.  Previsão a longo prazo • Os cientistas ainda não têm conhecimentos suficientes para prever a ocorrência e o local de abalo sísmico. falha de St André
  44. 44. Medidas a ter em consideração: 1-Antes de um Sismo 2-Durante a ocorrência de um Sismo 3-Depois de um Sismo Comportamento durante um sismo
  45. 45. 1- Medidas a tomar antes de um Sismo: -Organizar um Kit de Emergência: lanterna, um rádio portátil e pilhas de reserva para ambos, um extintor e um estojo de primeiros socorros. Armazenar água em recipientes de plástico e alimentos enlatados para vários dias. - Fixar as estantes às paredes e colocar os objetos pesados, ou de grandes volumes, no chão ou nas estantes mais baixas.
  46. 46. - Ter em conta os locais mais seguros e os mais perigosos: - Os mais Seguros: - Vão de portas interiores. - Cantos de paredes mestras. - Debaixo de mesas e de camas. - Os mais Perigosos: - Junto de janelas, espelhos candeeiros, móveis e outros objetos que possam cair ou estilhaçar. - Elevadores e saídas para a rua, evitar também as escadas. Organizar um Plano de Emergência.
  47. 47. 2- Medidas a tomar Durante a Ocorrência de um Sismo: Permanecer calmo. Não deve sair de casa. Prestar atenção a objetos, tijolos, prateleiras ou outras estruturas ou objetos que possam cair. Manter a distância de janelas, vidros, varandas ou chaminés. Não
  48. 48. Procurar abrigo rapidamente num local seguro, por exemplo, no vão de uma porta interior firmemente alicerçada, debaixo de uma mesa pesada ou de uma secretária, em caso de não existir mobiliário sólido, procurar uma parede interior ou um canto e proteger a cabeça e o pescoço.
  49. 49. - Se se encontrar num edifício alto, não procure sair imediatamente pois as escadas podem estar cheias de pessoas em pânico e/ou haver troços de escada que ruíram. - Não utilizar o elevador pois a eletricidade pode faltar e provocar a sua paragem. -Num local amplo com muitas pessoas ou numa sala de espetáculos não se dirija para a saída pois essa é a reação inicial da maior parte das pessoas.
  50. 50. - Se estiver a conduzir um automóvel, pare no lugar mais seguro possível, de preferência numa área aberta, afastada de edifícios, muros, taludes, torres ou postes. Não vá para pontes, viadutos ou passagens subterrâneas. - Permanecer dentro da viatura até que o sismo termine. - Afastar-se de torres, postes, candeeiros de iluminação pública, cabos de eletricidade ou de estruturas que possam desabar, como muros ou taludes; não correr nem vaguear pelas ruas. Na rua:
  51. 51. 3- Medidas a tomar Após a Ocorrência de um Sismo: - Permanecer calmo. - Cortar a eletricidade, a água e o gás. - Se estiver na rua não vá para casa. -Não use o telefone, exceto em casa de extrema emergência. -Ouça as notícias da rádio e siga as instruções. - Afaste-se das praias.
  52. 52. - Ligar o rádio e cumprir as recomendações que forem fornecidas. - Não utilizar o telefone, exceto em caso de extrema urgência, como feridos graves, fugas de gás ou incêndios. - Não circular pelas ruas com o simples objetivo de observar o sucedido, pois as ruas têm de estar livres para viaturas de socorro.

×