Mundo romano

14.421 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
12 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.421
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
27
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
12
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mundo romano

  1. 1. Escola EB 2,3 D. António Ferreira Gomes Disciplina de História, 7º anoTEMA B2 - O MUNDO ROMANO NO APOGEU DO IMPÉRIO 1) Localiza no espaço e no tempo o Império Romano.Localização espacial: (mapa p.42)Roma – cidade junto ao rio Tibre na Península Itálica.Península Itálica – banhada por três mares: Mar Adriático, Mar Tirreno e Mar Mediterrâneo.Cronologia: (cronologia p. 40 e 41) 2) Descreve as etapas de formação do Império Romano.  1º milénio a.C. – P. Itálica habitada por povos, como os Sabinos e Latinos, sob um regime monárquico. Latinos fundaram Roma, uma pequena aldeia, com terras muitos férteis.  753 a.C. - Fundação de Roma. Início da Monarquia (Lenda de Rómulo e Reno)  Século VI a.C. - Roma foi anexada pelos Etruscos, que a tornaram numa grande cidade.  509 a.C. - uma revolução liderada por famílias romanas pôs fim à Monarquia e implantou uma República. Foi nesta fase que se iniciou o processo de expansão territorial. Factores que motivaram a expansão romana: - Conquista de novas terras, procura de novos mercados, produtos e mão-de-obra; - Os ataques de povos vizinhos levaram à criação de um bom exército e a maiores preocupações com a segurança. - Desejo de obter prestígio. 4 etapas da expansão do Império Romano: (mapa p. 45) - Conquista da Pen. Itálica: 500 a.C. a 270 a.C. - Conquista de Cartago, Península Ibérica e Grécia: 270 a.C. a 100 a.C. Guerras Púnicas. Roma conquista Cartago e passa a controlar o comércio no Mediterrâneo, que passaram a designar por Mare Nostrum. - Costa Mediterrânica do Norte de África e Gália: 100 a.C. e 20 d.C - Britânia, Dácia e parte da Ásia Menor: 20 d.C. a 220 d.C.  27 a.C. – Início do período Imperial. 3) Identifica os factores de integração dos povos dominados (p. 46 a 48) Romanização – processo lento de influência da cultura romana sobre as diversas províncias do Império, com o objectivo de integrar e transformar os habitantes dessas províncias em cidadãos romanos.Ano lectivo 2010/11 Prof. Teresa Maia 1
  2. 2. Escola EB 2,3 D. António Ferreira Gomes Disciplina de História, 7º ano 4 agentes: 1) legiões; 2) funcionários administrativos; 3) colonos; 4) mercadores Elementos de união do Império: 1) rede de estradas; 2) língua; 3) direito romano; 4) administração local; 5) urbanismo e arquitectura – os romanos davam grande atenção à planificação das suas cidades e construíram grandes obras públicas; 6) moeda – as moedas romanas difundiram-se em todo o império. 4) Explica o significado de uma economia urbana, comercial e monetária.Século I e II grande prosperidade e desenvolvimento económico Economia urbana, comercial e monetária (texto de autor p. 52) Economia urbana, porque era uma economia ligada às cidades, que sendo grandes centros de consumo, dinamizavam a produção agrícola e artesanal e por consequência levaram ao desenvolvimento do comércio (economia comercial). As crescentes trocas comerciais implicaram uma grande circulação de moeda, por isso a economia romana era também monetária.A necessidade da manutenção do Império obrigou ao desenvolvimento do comércio mas também de outrossectores como a agricultura, a extracção mineira e a produção artesanal. 5) Localiza no mapa as principais rotas comerciais. (mapa sobre o Mundo Romano do Atlas)Ano lectivo 2010/11 Prof. Teresa Maia 2
  3. 3. Escola EB 2,3 D. António Ferreira Gomes Disciplina de História, 7º ano 6) Caracteriza a sociedade romana (texto de autor p. 54 e 56) A diferenciação social baseava-se na liberdade, na cidadania e na fortuna. Era uma sociedade hierarquizada, mas possibilitava a mobilidade social. Era uma sociedade dominada por homens (as mulheres tinham o estatuto social dos seus pais e, depois casarem, dos seus maridos). Era uma sociedade esclavagista, porque dependia do trabalho da mão-de-obra escrava. IMPER ADOR ORDEM SENATORIAL: Senadores ORDEM EQUESTRE Cavaleiros Comerciantes e administradores do império PLEBE LIBERTOS ESCRAVOSImperador  Era o primeiro dos cidadãos;  Como governante absoluto de Roma e do seu império possuía riqueza, poder e privilégios;  Em companhia da sua família vivia uma vida luxuosa, mas constantemente sujeito à intriga política.Ordem Senatorial (Senadores) • Nomeados pelo imperador; • Eram uma minoria; • Eram grandes proprietários rurais;Ano lectivo 2010/11 Prof. Teresa Maia 3
  4. 4. Escola EB 2,3 D. António Ferreira Gomes Disciplina de História, 7º ano • Com uma fortuna avaliada em 1 milhão de sestércios; • Exerciam altas funções no Império (senadores, magistrados, governadores de províncias).Ordem Equestre (Cavaleiros) • Com uma fortuna avaliada em cerca de 400 sestércios; • Ocupavam cargos na administração; • Dedicavam-se ao comércio e aos negócios; • Prestavam serviço militar a cavalo; • Ingressava-se nesta ordem por mérito pessoal; • O seu poder foi aumentando ao longo do tempo. Plebe • Camponeses, artesãos, comerciantes, armadores e empreiteiros; • Grupo social numeroso; • Muitos viviam com dificuldades, por isso tornavam-se dependentes (clientes) dos mais ricos (patronos); • Tinham pouco poder individual, mas juntos podiam tornar-se perigosos; por isso alguns imperadores, conscientes deste risco, procuraram manter os plebeus mais pobres razoavelmente bem alimentados e entretidos para que não se revoltassem. Este tipo de política ficou conhecida com a expressão"pão e circo". Libertos • Antigos escravos que se tornaram livres, por compra ou por vontade dos seus dos seus senhores; • Os seus filhos passavam a ser cidadãos romanos de pleno direito. Escravos • A escravidão não se baseava na raça; • Eram prisioneiros de guerra, marinheiros capturados e vendidos por piratas, ou escravos comprados fora do território romano; • Chegaram a atingir 40% da população em certas zonas do império; • Trabalhavam, sobretudo, nas lides domésticas, no campo, nas minas e nas obras públicas; • Os mais cultos, normalmente de origem grega, tornavam-se mestres e pedagogos dos jovens romanos; • Alguns eram muito maltratados e utilizados em espectáculos como gladiadores.Ano lectivo 2010/11 Prof. Teresa Maia 4
  5. 5. Escola EB 2,3 D. António Ferreira Gomes Disciplina de História, 7º ano 7) Descreve aspectos da vida quotidiana dos Romanos. Vida Quotidiana em RomaOs ricos: Os pobres:  Viviam nas domus urbanas e/ou nas villae  Se vivia no campo, dedicava-se aos trabalhos rurais. agrícolas.  Ocupavam os seus dias com a política e os  Na cidade, vivia em blocos de apartamentos - negócios. as insulae -, prédios com 4 a 5 andares,  Frequentavam as termas, o teatro e outros construídos em tijolo e madeira, onde o risco de espectáculos. incêndio era constante.  À noite participavam, por vezes, em banquetes (  Alimentavam-se com refeições simples nos quais eram servidos muitos pratos de carne constituídas por uma espécie de sopa de feijão, de caça, aves ou peixes acompanhados com lentilhas e cebola, acompanhada de pão e fruta. vinho de várias qualidades, misturado com água,  Havia muitos desempregados , alimentados mel e ervas aromáticas). pelo Imperador e pelos mais poderosos com  Tinham ao seu serviço numerosos escravos “pão e circo” . 8) Identifica as principais instituições romanas (quadro p. 59) Imperador (1º imperador romano Octávio César Augusto) Senado Magistrados Comícios 9) Menciona os poderes do Imperador  Comandante supremo do exército  Chefe religioso supremo – Pontifex Maximus  Direito de veto e de decisão no Senado  Controla a administração pública  Nomeia os governadores das províncias  Autoriza a cunhagem de moeda 10) Identifica aspectos essenciais da civilização romana (língua, literatura, direito e urbanismo). ( p. 60 a 68) Direito Toda a administração do Império funcionava com base num conjunto de leis que regiam as relações entre os cidadãos e a acção governativa. O direito romano inspirou a organização jurídica dos países europeus e revela o espírito prático dos romanos. (doc. 26 p. 60) Urbanismo Desenhavam as cidades tendo em conta as necessidades daqueles que nela habitavam. O plano urbanístico obedecia a um traçado geométrico, no qual as ruas eram largas e conduziam ao centro da cidade – o fórum.Ano lectivo 2010/11 Prof. Teresa Maia 5
  6. 6. Escola EB 2,3 D. António Ferreira Gomes Disciplina de História, 7º ano Língua e Literatura A língua utilizada na escrita era o latim, mas também o grego. Os principais autores foram: Cícero, desenvolveu a prosa latina e a oratória Poesia: Virgílio (“Eneida”), Ovídeo (“Metamorfoses”) e Horácio (“Odes”) Teatro: comédias, tragédias e pantominas (os actores representam através de gestos) História: Tito Lívio 11) Menciona os principais edifícios públicos. Aquedutos, pontes, teatros, circos, recintos desportivos, termas, habitações (domus, villae, insulae) 12) Identifica a influência dos Gregos na arte romana. Literatura: Sofreu influências gregas afastando-se, no entanto, das temáticas tratadas pelos autores helenísticos. Os escritores mais eruditos utilizavam também o grego, como língua dos seus escritos. Arquitectura: (docs.34 , 35 e 36 p. 65) Com influências gregas, mas com aspectos inovadores: (texto de autor p. 64 e 65)  Sentido prático e utilitário dos edifícios;  Inventaram uma espécie de cimento (argamassa, água, cascalho e cinza vulcânica)  Acrescentaram aos edifícios os arcos de volta perfeita, as abóbadas e as cúpulas. Escultura: (docs.38 e 39 p. 66)  Representavam os indivíduos como eram na realidade, não a beleza ideal, como os gregos;  Esculpiam estátuas de grandes dimensões, altos e baixos relevos e bustos Pintura: (doc. 40 p. 67)  Caracteriza-se, também, pelo realismo.  Era muito utilizada na decoração interior das dómus romanas (os frescos)  Representavam paisagens, edifícios, motivos históricos ou mitológicos, figuras humanas, animais e flores. Artes Decorativas: (doc. 42 p. 67)  Destaca-se o mosaico  Representavam cenas muito variadasAno lectivo 2010/11 Prof. Teresa Maia 6
  7. 7. Escola EB 2,3 D. António Ferreira Gomes Disciplina de História, 7º ano 13) Refere os principais deuses romanos Os Romanos eram politeístas e adoptaram os deuses gregos e de outros povos conquistados, mas mudaram-lhe o nome. (Ex: Ísis –deusa egípcia e Mitra – deusa persa)Deuses Gregos Deuses Romanos AtribuiçõesApolo Apolo Sol e artesAres Marte GuerraHera Juno Irmã e esposa de ZeusAfrodite Vénus Beleza e amorDeméter Ceres ColheitasHéstia Vesta LarAtena Minerva SabedoriaÁrtemis Diana caçaHefesto Vulcano FogoHemes Mercúrio Comunicações e comércioPoseídon Neptuno MarHades Plutão Reino dos mortos e infernoDionísio Baco VinhoZeus Júpiter Céu e tempestades Tipos de culto praticados no Império: (texto de autor p. 70)  Culto familiar  Culto público  Culto imperial 14) Mostra a influência da presença romana na Península Ibérica. (p.49 a 51) 218 a 19 a.C. – Conquista da Pen. Ibérica pelos romanos. A partir do século I a.C. as populações vão adoptando progressivamente os usos e costumes romanos:  Agricultura: introdução de novas técnicas e produtos (trigo, vinha, oliveira e árvores de fruto)  Actividades artesanais: exploração mineira; actividades ligadas ao aproveitamento de recursos marinhos (sal, peixe e salmoura); olaria.  Urbanismo: fundação de muitas cidades (ex: Braga – Bracara Augusta)  Obras públicas: construção de aquedutos, fontes, cisternas, rede de estradas, pontes, termas, edifícios de espectáculos.  Cultura: o latim deu origem ao português  Direito romano.Ano lectivo 2010/11 Prof. Teresa Maia 7

×