SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
Baixar para ler offline
CIVILIZAÇÃO
ROMANA
Trabalho: Rafael Santos – nº 21350 – 7º A
Professora: Ana Cristina da Conceição Gomes / História 1
LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA
A civilização romana desenvolveu-se a partir da cidade de
Roma, localizada na Península Itálica. Esta fica localizada no
Sul da Europa, na região central do Mediterrâneo.
2
Aquando da sua formação, no séc.
VIII a.C., Roma seria apenas uma
aldeia de pastores, mas os Romanos
atribuíam a fundação da sua cidade a
Rómulo e Remo, dois gémeos filhos
do deus Marte.
Entre os povos que influenciaram o
crescimento dos Romanos, contam-
se os Latinos e os Etruscos.
3
A FORMAÇÃO DO IMPéRIO
Com o tempo, a importância de Roma foi crescendo gradualmente
até que, no séc. VI a.C., já dominava todas as aldeias vizinhas.
O passo seguinte foi a conquista de toda a Península Itálica e,
depois, de um vasto Império.
4
MOTIVAÇÕES DAS CONQUISTAS ROMANAS
•Necessidade de segurança face a vizinhos mais poderosos
(1ª fase).
•Procura de novas zonas agrícolas.
•Procura de novos mercados.
•Procura de mão-de-obra escrava.
•Ambição dos generais romanos, que queriam glória e
riqueza.
5
CONQUISTAS DE ROMA
1ª fase
Os Romanos conquistaram a Península Itálica. Depois de derrotarem
Cartago, passaram a dominar várias regiões em África, as costas
mediterrânicas da Península Ibérica, a Sardenha, Córsega e Sicília.
2ª fase
Roma conquistou o Mediterrâneo Oriental (Grécia, a Macedónia, parte da
Ásia Menor, a Síria, a Judeia).
3ª fase
Roma conquistou várias regiões da Europa (Gália, Península Ibérica,
Britânia, Dácia), para além de outras regiões.
6
Após as conquistas, os Romanos passaram a chamar ao
Mediterrâneo “mare nostrum”, pois todas as regiões do
Império (com excepção da Grã-Bretanha) ficavam nas suas
margens.
7
A INTEGRAÇÃO DOS POVOS
DOMINADOS
À medida que o Império ia sendo conquistado, os Romanos
procuravam conservar os territórios e integrar os povos dominados
na sua civilização. Para tal, usaram vários meios de integração.
Exército romano – era permanente e
profissional; em muitos casos, contava com a
participação das populações conquistadas. Além
de conquistar os territórios, mantinha a paz
romana (pax romana).
8
Língua – o latim, língua oficial dos
romanos, passou a ser utilizado pela
maior parte das populações urbanas do
Império.
Rede de estradas - uma rede de
estradas construídas com lajes de pedra,
interligadas por pontes, também de pedra,
facilitava o contacto entre todo o Império e
a sua capital («Todas as estradas vão dar
a Roma»).
9
Construção de obras públicas –
construíram-se templos, aquedutos, termas,
teatros, o que aproximou o modo de vida
das populações dos hábitos romanos.
Direito Romano – todas as populações do Império ficaram sujeitas
às leis romanas.
Poder centralizado do imperador – a quem era também prestado
culto.
Extensão do direito de cidadania - isto dava às pessoas
protecção legal, bem como o direito de eleger e poder ser eleito.
10
ECONOMIA ROMANA
A economia romana era urbana, pois toda a
produção era feita em função das cidades.
As cidades eram o centro da vida no Império
Romano.
A economia romana era comercial,
devido à importância do comércio.
Através do Mediterrâneo, dos rios e
das estradas romanas circulavam
produtos de todo o Império.
11
A economia romana era monetária, devido à
importância da moeda. A moeda servia para o
comércio, mas também para o pagamento dos
exércitos, para as obras públicas e para distribuir
pelos muitos cidadãos desocupados, que viviam
à custa do Estado.
A economia romana era ainda esclavagista,
pois a maior parte do trabalho era
assegurado pelos escravos.
12
SOCIEDADE ROMANA
Ordem senatorial
Ordem equestre
Plebe
Libertos
Escravos
13
VIDA QUOTIDIANA – A ALIMENTAÇÃO
Embora a maioria da população romana tivesse uma alimentação
simples, composta por alimentos como pão, azeitonas, queijo, entre
outros, os mais ricos deliciavam-se com iguarias que vinham de todo
o Império.
Era habitual a realização de grandes banquetes, com muitos pratos
exóticos, em que os convivas comiam deitados ou reclinados.
14
Exemplo de alguns pratos romanos:
Entradas:
•Rodelas de miolos, cozidas em leite e ovos
•Cogumelos cozidos com molho picante e gordura de peixe
•Ouriços do mar com especiarias, mel, molho de azeite e ovos
Pratos principais:
•Avestruz cozida com molho doce
•Rola cozida com penas
•Papagaio assado
•Leirões (rato dos pomares) recheados com porco e pombos
Sobremesas:
•Fricassé de rosas com bolos
•Tâmaras descaroçadas, recheadas de nozes e pinhões e fritas em mel
15
ORGANIZAÇÃO Política EM ROMA
Ao longo da sua história, Roma passou por vários regimes
políticos:
Monarquia – vigorou entre o séc. VIII a.C. e 509 a.C., altura
em que foi expulso o último rei etrusco.
16
República - (do latim respublica, 'coisa do povo'); vigorou
entre 509 a.C. e 27 a.C.
Órgãos políticos da República
Senado
▪Apreciação das propostas de lei;
▪Geria as finanças públicas;
▪Fiscalizava os magistrados;
▪Dirigia a política externa;
▪Nomeava os governadores das
províncias.
Assembleias ou Comícios
▪Formadas pelo conjunto dos cidadãos
▪Elegiam os magistrados
▪Votavam as leis
Magistrados
▪Poder executivo.
▪Podiam ser cônsules, pretores, questores, edil, tribuno, censor, governador.
Os cônsules comandavam o exército, convocavam o Senado, presidiam aos
cultos públicos.
17
Império - Em 27 a.C., Octávio César Augusto recebeu o título
de Augusto e declarou o fim das guerras civis. Surgiu assim
um novo regime político na história de Roma, conhecido pelo
nome de Império.
18
PODERES DO IMPERADOR
•Dirigia a política externa;
•Comandava o exército;
•Dirigia as finanças;
•Controlava a administração pública;
•Nomeava os senadores.
•Era o chefe da religião (era o supremo sacerdote e era-lhe
prestado culto).
19
O DIREITO ROMANO
Regulamentava todos os aspectos da vida dos cidadãos e
dividia-se em:
- D
Di
ir
re
ei
it
to
o P
Pr
ri
iv
va
ad
do
o: leis relacionadas com aspectos da vida
privada: casamentos, divórcios, contratos, testamentos, …
- D
Di
ir
re
ei
it
to
o P
Pú
úb
bl
li
ic
co
o: leis relacionadas com a organização e
funcionamento do Estado.
- D
Di
ir
re
ei
it
to
o I
In
nt
te
er
rn
na
ac
ci
io
on
na
al
l: leis que definiam as relações entre os
vários povos do Império.
20
O URBANISMO ROMANO
As cidades romanas eram construídas segundo planos rigorosos, com
ruas traçadas perpendicularmente e com sistemas de esgotos.
O centro da cidade era sempre o Forum, onde se localizavam edifícios
relacionados com a administração da cidade (Cúria e Basílica); templos
(Panteão).
Coliseu
Templo
Forum
Colunas
Panorama da cidade de Roma
21
Na cidade existiam ainda…
Teatros
Anfiteatros
24
Hipódromos, como o Circus
Maximus
Termas e banhos públicos
25
Latrinas públicas
Aquedutos, pontes e estradas
27
Existiam também zonas residenciais, com dois tipos de casas.
Insulae (blocos de
apartamentos com vários
andares)
Domus, casa particular pertencente
aos romanos mais ricos
28
ARTE ROMANA ARQUITECTURA
- Recebeu influências gregas (plantas dos templos e teatros e as
ordens dos capitéis).
31
- Recebeu influências dos Etruscos (o uso do arco de volta perfeita,
da abóbada de berço e da cúpula).
32
- Recebeu as influências do Oriente (a técnica do fabrico do
mosaico).
33
As construções tinham um carácter marcadamente utilitário (tudo
servia para alguma coisa) e grandioso (pois serviam para mostrar a
grandeza do Império).
Circus Maximus
Ponte de Chaves
Anfiteatro -
Coliseu
Teatro de Aspendos
Termas de Beirute
Templo de
Hércules
34
ESCULTURA
Os romanos produziram estátuas e relevos com grande realismo.
Representavam imperadores e outros chefes políticos, deuses,
membros de famílias importantes, cenas de batalhas.
Estátua de Octávio
César Augusto
Busto - retrato
Relevo – coluna de
Trajano
35
PINTURA
Feita a fresco nas paredes (sobre estuque fresco), representava,
entre outros temas, paisagens, cenas mitológico-religiosas e cenas
do quotidiano.
Paisagem Casal
36
PRODUÇÃO LITERÁRIA
São de destacar os seguintes nomes:
Poesia
Lírica (Horácio e Ovídio);
Épica (Virgílio - “Eneida”)
Teatro
Plauto e Terêncio (autores de comédias).
História
Tito Lívio (“História de Roma”) e Tácito.
Oratória
37
ROMANIZAÇÃO DA PENíNSULA
IBéRICA
A conquista da Península Ibérica não foi muito fácil. Em
grande parte, isso deveu-se à resistência de alguns povos,
como os Lusitanos, que viviam na região entre os rios Douro e
Tejo, chefiados por Viriato.
Viriato
Pormenor da estátua de
Viriato (Viseu)
38
MUDANÇAS
INTRODUZIDAS
Agricultura:
• Desenvolvimento de várias culturas: vinha, cereais, oliveira,
entre outras.
39
Extracção mineira:
• Exploração de minas de cobre e ouro.
Poço romano nas minas de Aljustrel
40
Indústria:
• Salga de peixe (produção de garum).
Indústria da salga -
reconstituição
Tanques usados para a
produção de garum
(ruínas romanas de
Tróia)
41
Comércio:
• Intensificação do comércio e da circulação da moeda.
Língua:
• Divulgação do latim.
Religião:
• Introdução dos deuses romanos e, depois, do cristianismo.
42
Urbanismo:
• Desenvolvimento de cidades, com edifícios semelhantes aos
de Roma.
Panorâmica geral de Conímbriga
Teatro de Mérida
43
RELIGIÃO ROMANA
À semelhança dos gregos, os romanos eram politeístas. Adoravam
muitos deuses e praticavam várias formas de culto.
Culto doméstico ou familiar
Era praticado no altar da casa e dirigido pelo chefe de família (pater
familias). Era dedicado aos deuses protectores da casa (Lares e
Penates) e ao espírito dos antepassados (Manes).
44
Culto público
Era praticado nos templos das cidades e dirigido por sacerdotes. Os
romanos adoptaram os deuses gregos, dando-lhes outros nomes.
Júpiter – deus dos céus
e tempestades
Juno – deusa
do casamento
Apolo – deus do sol
e das artes
Marte –
deus da
guerra
Neptuno –
deus dos
mares
Diana –
deusa da
caça e da Lua
Minerva – deusa
da sabedoria e da
guerra
Vénus – deusa
do amor e da
beleza
45
Culto imperial
Era dedicado ao imperador, o qual tinha o título de Augusto,
que significa divino.
46

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a civilização romana.pdf

Semelhante a civilização romana.pdf (20)

A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império Romano
 
ROMANOS.pptx
ROMANOS.pptxROMANOS.pptx
ROMANOS.pptx
 
Os romanos
Os romanosOs romanos
Os romanos
 
O Império Romano
O Império RomanoO Império Romano
O Império Romano
 
A Romanização
A RomanizaçãoA Romanização
A Romanização
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Roma, cidade imperial
Roma, cidade imperialRoma, cidade imperial
Roma, cidade imperial
 
Mundo romano
Mundo romanoMundo romano
Mundo romano
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
1 a civilizacao-romana
1 a civilizacao-romana1 a civilizacao-romana
1 a civilizacao-romana
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
 
O mundo romano - tetyana
O mundo romano -  tetyanaO mundo romano -  tetyana
O mundo romano - tetyana
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
 
Os Romanos
Os RomanosOs Romanos
Os Romanos
 
O império romano
O império romanoO império romano
O império romano
 
_ROMA ANTIGA (1).ppt
_ROMA ANTIGA (1).ppt_ROMA ANTIGA (1).ppt
_ROMA ANTIGA (1).ppt
 
Roma Aspecto Culturais
Roma Aspecto CulturaisRoma Aspecto Culturais
Roma Aspecto Culturais
 
Roma antiga fundação e monarquia
Roma antiga   fundação e monarquiaRoma antiga   fundação e monarquia
Roma antiga fundação e monarquia
 

Último

Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxMarceloMonteiro213738
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 

Último (20)

Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 

civilização romana.pdf

  • 1. CIVILIZAÇÃO ROMANA Trabalho: Rafael Santos – nº 21350 – 7º A Professora: Ana Cristina da Conceição Gomes / História 1
  • 2. LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA A civilização romana desenvolveu-se a partir da cidade de Roma, localizada na Península Itálica. Esta fica localizada no Sul da Europa, na região central do Mediterrâneo. 2
  • 3. Aquando da sua formação, no séc. VIII a.C., Roma seria apenas uma aldeia de pastores, mas os Romanos atribuíam a fundação da sua cidade a Rómulo e Remo, dois gémeos filhos do deus Marte. Entre os povos que influenciaram o crescimento dos Romanos, contam- se os Latinos e os Etruscos. 3
  • 4. A FORMAÇÃO DO IMPéRIO Com o tempo, a importância de Roma foi crescendo gradualmente até que, no séc. VI a.C., já dominava todas as aldeias vizinhas. O passo seguinte foi a conquista de toda a Península Itálica e, depois, de um vasto Império. 4
  • 5. MOTIVAÇÕES DAS CONQUISTAS ROMANAS •Necessidade de segurança face a vizinhos mais poderosos (1ª fase). •Procura de novas zonas agrícolas. •Procura de novos mercados. •Procura de mão-de-obra escrava. •Ambição dos generais romanos, que queriam glória e riqueza. 5
  • 6. CONQUISTAS DE ROMA 1ª fase Os Romanos conquistaram a Península Itálica. Depois de derrotarem Cartago, passaram a dominar várias regiões em África, as costas mediterrânicas da Península Ibérica, a Sardenha, Córsega e Sicília. 2ª fase Roma conquistou o Mediterrâneo Oriental (Grécia, a Macedónia, parte da Ásia Menor, a Síria, a Judeia). 3ª fase Roma conquistou várias regiões da Europa (Gália, Península Ibérica, Britânia, Dácia), para além de outras regiões. 6
  • 7. Após as conquistas, os Romanos passaram a chamar ao Mediterrâneo “mare nostrum”, pois todas as regiões do Império (com excepção da Grã-Bretanha) ficavam nas suas margens. 7
  • 8. A INTEGRAÇÃO DOS POVOS DOMINADOS À medida que o Império ia sendo conquistado, os Romanos procuravam conservar os territórios e integrar os povos dominados na sua civilização. Para tal, usaram vários meios de integração. Exército romano – era permanente e profissional; em muitos casos, contava com a participação das populações conquistadas. Além de conquistar os territórios, mantinha a paz romana (pax romana). 8
  • 9. Língua – o latim, língua oficial dos romanos, passou a ser utilizado pela maior parte das populações urbanas do Império. Rede de estradas - uma rede de estradas construídas com lajes de pedra, interligadas por pontes, também de pedra, facilitava o contacto entre todo o Império e a sua capital («Todas as estradas vão dar a Roma»). 9
  • 10. Construção de obras públicas – construíram-se templos, aquedutos, termas, teatros, o que aproximou o modo de vida das populações dos hábitos romanos. Direito Romano – todas as populações do Império ficaram sujeitas às leis romanas. Poder centralizado do imperador – a quem era também prestado culto. Extensão do direito de cidadania - isto dava às pessoas protecção legal, bem como o direito de eleger e poder ser eleito. 10
  • 11. ECONOMIA ROMANA A economia romana era urbana, pois toda a produção era feita em função das cidades. As cidades eram o centro da vida no Império Romano. A economia romana era comercial, devido à importância do comércio. Através do Mediterrâneo, dos rios e das estradas romanas circulavam produtos de todo o Império. 11
  • 12. A economia romana era monetária, devido à importância da moeda. A moeda servia para o comércio, mas também para o pagamento dos exércitos, para as obras públicas e para distribuir pelos muitos cidadãos desocupados, que viviam à custa do Estado. A economia romana era ainda esclavagista, pois a maior parte do trabalho era assegurado pelos escravos. 12
  • 13. SOCIEDADE ROMANA Ordem senatorial Ordem equestre Plebe Libertos Escravos 13
  • 14. VIDA QUOTIDIANA – A ALIMENTAÇÃO Embora a maioria da população romana tivesse uma alimentação simples, composta por alimentos como pão, azeitonas, queijo, entre outros, os mais ricos deliciavam-se com iguarias que vinham de todo o Império. Era habitual a realização de grandes banquetes, com muitos pratos exóticos, em que os convivas comiam deitados ou reclinados. 14
  • 15. Exemplo de alguns pratos romanos: Entradas: •Rodelas de miolos, cozidas em leite e ovos •Cogumelos cozidos com molho picante e gordura de peixe •Ouriços do mar com especiarias, mel, molho de azeite e ovos Pratos principais: •Avestruz cozida com molho doce •Rola cozida com penas •Papagaio assado •Leirões (rato dos pomares) recheados com porco e pombos Sobremesas: •Fricassé de rosas com bolos •Tâmaras descaroçadas, recheadas de nozes e pinhões e fritas em mel 15
  • 16. ORGANIZAÇÃO Política EM ROMA Ao longo da sua história, Roma passou por vários regimes políticos: Monarquia – vigorou entre o séc. VIII a.C. e 509 a.C., altura em que foi expulso o último rei etrusco. 16
  • 17. República - (do latim respublica, 'coisa do povo'); vigorou entre 509 a.C. e 27 a.C. Órgãos políticos da República Senado ▪Apreciação das propostas de lei; ▪Geria as finanças públicas; ▪Fiscalizava os magistrados; ▪Dirigia a política externa; ▪Nomeava os governadores das províncias. Assembleias ou Comícios ▪Formadas pelo conjunto dos cidadãos ▪Elegiam os magistrados ▪Votavam as leis Magistrados ▪Poder executivo. ▪Podiam ser cônsules, pretores, questores, edil, tribuno, censor, governador. Os cônsules comandavam o exército, convocavam o Senado, presidiam aos cultos públicos. 17
  • 18. Império - Em 27 a.C., Octávio César Augusto recebeu o título de Augusto e declarou o fim das guerras civis. Surgiu assim um novo regime político na história de Roma, conhecido pelo nome de Império. 18
  • 19. PODERES DO IMPERADOR •Dirigia a política externa; •Comandava o exército; •Dirigia as finanças; •Controlava a administração pública; •Nomeava os senadores. •Era o chefe da religião (era o supremo sacerdote e era-lhe prestado culto). 19
  • 20. O DIREITO ROMANO Regulamentava todos os aspectos da vida dos cidadãos e dividia-se em: - D Di ir re ei it to o P Pr ri iv va ad do o: leis relacionadas com aspectos da vida privada: casamentos, divórcios, contratos, testamentos, … - D Di ir re ei it to o P Pú úb bl li ic co o: leis relacionadas com a organização e funcionamento do Estado. - D Di ir re ei it to o I In nt te er rn na ac ci io on na al l: leis que definiam as relações entre os vários povos do Império. 20
  • 21. O URBANISMO ROMANO As cidades romanas eram construídas segundo planos rigorosos, com ruas traçadas perpendicularmente e com sistemas de esgotos. O centro da cidade era sempre o Forum, onde se localizavam edifícios relacionados com a administração da cidade (Cúria e Basílica); templos (Panteão). Coliseu Templo Forum Colunas Panorama da cidade de Roma 21
  • 22. Na cidade existiam ainda… Teatros Anfiteatros 24
  • 23. Hipódromos, como o Circus Maximus Termas e banhos públicos 25
  • 25. Existiam também zonas residenciais, com dois tipos de casas. Insulae (blocos de apartamentos com vários andares) Domus, casa particular pertencente aos romanos mais ricos 28
  • 26. ARTE ROMANA ARQUITECTURA - Recebeu influências gregas (plantas dos templos e teatros e as ordens dos capitéis). 31
  • 27. - Recebeu influências dos Etruscos (o uso do arco de volta perfeita, da abóbada de berço e da cúpula). 32
  • 28. - Recebeu as influências do Oriente (a técnica do fabrico do mosaico). 33
  • 29. As construções tinham um carácter marcadamente utilitário (tudo servia para alguma coisa) e grandioso (pois serviam para mostrar a grandeza do Império). Circus Maximus Ponte de Chaves Anfiteatro - Coliseu Teatro de Aspendos Termas de Beirute Templo de Hércules 34
  • 30. ESCULTURA Os romanos produziram estátuas e relevos com grande realismo. Representavam imperadores e outros chefes políticos, deuses, membros de famílias importantes, cenas de batalhas. Estátua de Octávio César Augusto Busto - retrato Relevo – coluna de Trajano 35
  • 31. PINTURA Feita a fresco nas paredes (sobre estuque fresco), representava, entre outros temas, paisagens, cenas mitológico-religiosas e cenas do quotidiano. Paisagem Casal 36
  • 32. PRODUÇÃO LITERÁRIA São de destacar os seguintes nomes: Poesia Lírica (Horácio e Ovídio); Épica (Virgílio - “Eneida”) Teatro Plauto e Terêncio (autores de comédias). História Tito Lívio (“História de Roma”) e Tácito. Oratória 37
  • 33. ROMANIZAÇÃO DA PENíNSULA IBéRICA A conquista da Península Ibérica não foi muito fácil. Em grande parte, isso deveu-se à resistência de alguns povos, como os Lusitanos, que viviam na região entre os rios Douro e Tejo, chefiados por Viriato. Viriato Pormenor da estátua de Viriato (Viseu) 38
  • 34. MUDANÇAS INTRODUZIDAS Agricultura: • Desenvolvimento de várias culturas: vinha, cereais, oliveira, entre outras. 39
  • 35. Extracção mineira: • Exploração de minas de cobre e ouro. Poço romano nas minas de Aljustrel 40
  • 36. Indústria: • Salga de peixe (produção de garum). Indústria da salga - reconstituição Tanques usados para a produção de garum (ruínas romanas de Tróia) 41
  • 37. Comércio: • Intensificação do comércio e da circulação da moeda. Língua: • Divulgação do latim. Religião: • Introdução dos deuses romanos e, depois, do cristianismo. 42
  • 38. Urbanismo: • Desenvolvimento de cidades, com edifícios semelhantes aos de Roma. Panorâmica geral de Conímbriga Teatro de Mérida 43
  • 39. RELIGIÃO ROMANA À semelhança dos gregos, os romanos eram politeístas. Adoravam muitos deuses e praticavam várias formas de culto. Culto doméstico ou familiar Era praticado no altar da casa e dirigido pelo chefe de família (pater familias). Era dedicado aos deuses protectores da casa (Lares e Penates) e ao espírito dos antepassados (Manes). 44
  • 40. Culto público Era praticado nos templos das cidades e dirigido por sacerdotes. Os romanos adoptaram os deuses gregos, dando-lhes outros nomes. Júpiter – deus dos céus e tempestades Juno – deusa do casamento Apolo – deus do sol e das artes Marte – deus da guerra Neptuno – deus dos mares Diana – deusa da caça e da Lua Minerva – deusa da sabedoria e da guerra Vénus – deusa do amor e da beleza 45
  • 41. Culto imperial Era dedicado ao imperador, o qual tinha o título de Augusto, que significa divino. 46