O slideshow foi denunciado.

A Europa e o mundo no limiar do século xx

1.105 visualizações

Publicada em

A Europa e o mundo no limiar do século XX

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

A Europa e o mundo no limiar do século xx

  1. 1. A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉCULO XX Apogeu e declínio da influência europeia
  2. 2. 1. Conhecer e compreender o imperialismo do século XIX 1.1 Identificar as principais potências coloniais do século XIX, salientando a supremacia europeia. 1.2 Relacionar o imperialismo do século XIX com os processos de industrialização. 1.3 Explicar a importância da conferência de Berlim (1885) no processo de partilha do continente africano. 1.4 Caracterizar as formas de domínio sobre os territórios não autónomos no século XIX. 1.5 Relacionar os princípios de ocupação definidos na conferência de Berlim com o projeto português do «Mapa Cor-de-Rosa» e o Ultimato Inglês.
  3. 3. 1. Conhecer e compreender o imperialismo do século XIX O crescimento industrial, em meados do século XIX, conduziu a uma política expansionista das potências europeias, devido à necessidade de: ● procurar matérias- primas; ● explorar novos produtos; ● criar novos mercados; ● investimento de capitais; ● colocação de excedentes populacionais; ● “missão civilizadora”. Ler Doc.4, p.12Fonte: http://image.slidesharecdn.com/imperialismo-e-colonialismo-1223395009006945-8/95/imperialismo-e-colonialismo-12-728.jpg?cb=1223369897
  4. 4. As exigências do crescimento industrial e a corrida à áreas de influência levaram ao colonismo e ao imperialismo (definições p.13) - ver documento 1, p.14 Racismo (definição p.14) Nacionalismos (definição p.19) Fonte:https://core1220spring2012tr3.files.wordpress.c om/2013/04/french-propaganda.jpg A teoria das raças do século XIX Fonte:http://coelhobranco.portablogs.com/wp- content/uploads/2009/03/racaracas.jpg
  5. 5. O crescimento dos EUA e do Japão Os EUA, detentores de muitas matérias-primas, de inovadores processos de produção e ricos em mão-de-obra (fruto da emigração europeia), depressa concorrem com a Europa em termos industriais. Impõem a sua hegemonia sobretudo na América Central e do Sul O Japão copia as práticas industriais e comerciais dos países mais desenvolvidos da Europa e emprega mão-de-obra disciplinada e barata. Gradualmente vai assumir-se como a grande potência industrial da Ásia. Disputa territórios na Ásia com as principais potências europeias "Meiji tenno1" by Artist: Eduardo Chiossone (1833–98) O imperador Meiji (1852-1912) foi o grande responsável pela industrialização do país. Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/2/2d/Meiji_t enno1.jpg/800px-Meiji_tenno1.jpg Fonte: http://rickmanhchs.files.wordpress.co m/2012/01/photo.jpg
  6. 6. A corrida ao continente africano No final do século XIX, vários países europeus começaram a enviar missões de exploração ao continente africano: ● Reino Unido (David Livingstone e Henri Morton Stanley) ● França (Pierre Savorgnan de Brazza) ● Portugal (Alexandre de Serpa Pinto, Hermenegildo C. de Brito Capelo e Roberto Ivens) Hermenegildo Capelo e Roberto Ivens Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/68/Cap Encontro entre David Livingstone e Henry Morton Stanley ocorrido em Ujiji, na atual Tanzânia, entre outubro e novembro de 1871. Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/f3/Rencontre_de_Livingstone _-_How_I_found_Livingstone_%28fr%29.png
  7. 7. Conferência de Berlim A disputa pela posse de territórios em África levou à realização da Conferência de Berlim entre 1884 e 1885, que teve como principal objetivo estabelecer as condições de posse e ocupação dos territórios africanos. O acordo alcançado privilegiou a ocupação efetiva, em detrimento do direito histórico, prejudicando países como Portugal. Esta conferência impôs a definição das fronteiras das colónias. (ver vídeo sobre a conferência de Berlim) Fonte:http://www.crewsailors.com/Pictures/General%20Pictures/berlinconfe rence.jpg Fonte: http://2012books.lardbucket.org/books/re gional-geography-of-the-world- globalization-people-and- places/section_10/30bed3ac4ade857d5d 5b423020450093.jpg
  8. 8. O “Mapa Cor-de-Rosa” Em 1887, a Sociedade de Geografia de Lisboa publicou um mapa de África, onde se assinalava, a cor-de-rosa, a pretensão portuguesa de ocupar a região entre Angola e Moçambique. Esta intenção colidia com os interesses ingleses na região. A Grã-Bretanha prendia ligar o Cairo ao Cabo através de uma linha de ferrovia.(Doc.1, p.16) Em 1890, a Grã-Bretanha envia um Ultimato ao governo português, exigindo que Portugal que desista das suas pretensões de unir Angola a Moçambique. (Doc.2, p.16) Portugal acabou por ceder à exigência britânica. Fonte: http://image.slidesharecdn.com/colonialismoeimperialismo-111018132906- phpapp02/95/colonialismo-e-imperialismo-26-728.jpg?cb=1318944611 Fonte: http://www.porto24.pt/wp- content/uploads/2014/02/Ultimatumpontii2.jpg

×