SlideShare uma empresa Scribd logo

Á procura dos culpados da crise (draft) prof doutor Rui Teixeira Santos (2012)

Sobre as causas da crise económica portuguesa/ capitulo de livro em revisão

1 de 32
Baixar para ler offline
 
	
  

À	
  procura	
  dos	
  culpado	
  
A	
  Grande	
  Crise	
  Financeira	
  e	
  Portugal	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  

Rui	
  Teixeira	
  Santos	
  

"Give	
  me	
  control	
  over	
  a	
  nation’s	
  currency	
  and	
  I	
  don’t	
  
care	
  who	
  makes	
  the	
  laws”	
  	
  
(Mayer	
  Amschel	
  Rothschild)	
  
	
  

	
  
	
  
Resumo	
  
	
  
A	
  crise	
  das	
  dividas	
  soberanas	
  transformou-­‐se	
  numa	
  crise	
  do	
  Euro	
  e	
  coloca	
  em	
  causa	
  a	
  
sobrevivência	
  da	
  própria	
  União	
  Política,	
  que	
  garantiu	
  a	
  paz	
  na	
  Europa	
  nos	
  últimos	
  60	
  
anos.	
  
Como	
  se	
  chegou	
  aqui?	
  Primeiro	
  pela	
  resposta	
  dada	
  globalmente	
  pelos	
  bancos	
  centrais	
  
na	
  sequencia	
  do	
  11	
  de	
  setembro,	
  emitindo	
  moeda.	
  Depois	
  com	
  a	
  flexibilização	
  do	
  
pacto	
  de	
  estabilidade	
  e	
  finalmente	
  com	
  a	
  ortodoxia	
  franco-­‐alemã	
  a	
  empurrarem	
  a	
  
Europa	
  para	
  uma	
  espiral	
  deflacionária	
  para	
  a	
  qual	
  não	
  se	
  conhece	
  solução,	
  que	
  não	
  
seja	
  mais	
  empobrecimento	
  e	
  injustiça.	
  
Nos	
  países	
  periféricos	
  a	
  União	
  Económica	
  e	
  Monetária	
  implicava	
  a	
  transferência	
  de	
  
recursos	
  dos	
  países	
  mais	
  ricos	
  para	
  garantir	
  a	
  coesão,	
  como	
  contrapartida	
  da	
  abertura	
  
dos	
  mercados.	
  Porém,	
  depois	
  dos	
  referendos	
  francês	
  e	
  holandês	
  terem	
  inviabilizado	
  a	
  
uma	
  Constituição	
  Europeia,	
  	
  a	
  Alemanha	
  ficava	
  livre	
  para	
  abandonar	
  a	
  integração	
  
federal	
  e	
  apostar	
  nos	
  seus	
  próprios	
  interesses	
  (os	
  interesses	
  primários	
  dos	
  aforradores	
  
bávaros)	
  no	
  âmbito	
  de	
  uma	
  cooperação	
  intergovernamental	
  acordada	
  no	
  Tratado	
  de	
  
Lisboa.	
  
No	
  caso	
  português	
  contudo,	
  o	
  eleitoralismo	
  socialista	
  fez	
  o	
  resto,	
  aproveitando	
  a	
  
flexibilidade	
  do	
  PEC	
  para	
  aumentar	
  em	
  quase	
  40%	
  o	
  endividamento	
  externo	
  do	
  Estado,	
  
para	
  financiar	
  obras	
  publicas	
  que	
  verdadeiramente	
  não	
  eram	
  reprodutivas	
  e	
  que	
  não	
  
alteraram	
  a	
  letargia	
  em	
  que	
  a	
  economia	
  portuguesa	
  vivia	
  desde	
  a	
  adesão	
  ao	
  Euro	
  e	
  
agravando	
  a	
  quebra	
  de	
  competitividade	
  da	
  economia	
  que	
  sustentadamente	
  vem	
  
caindo	
  desde	
  o	
  fim	
  do	
  Império	
  colonial.	
  
Porém,	
  o	
  problema	
  é	
  europeu	
  e	
  de	
  filosofia	
  económica	
  e	
  política.	
  Pretender	
  que	
  todos	
  
os	
  estados	
  tenham	
  superavit	
  primários	
  para	
  pagarem	
  juros	
  e	
  amortizarem	
  dívida	
  é	
  
uma	
  impossibilidade,	
  a	
  não	
  ser	
  que	
  se	
  volte	
  aos	
  esquemas	
  de	
  rapina	
  do	
  século	
  XIX.	
  
Para	
  uns	
  exportarem	
  e	
  terem	
  excedentes	
  nas	
  balanças	
  comerciais,	
  outros	
  terão	
  que	
  
importar	
  e	
  ter	
  deficits.	
  Por	
  outro	
  lado,	
  a	
  união	
  monetária	
  e	
  fiscal	
  implica	
  politicas	
  de	
  
coesão	
  e	
  	
  transferências	
  para	
  evitar	
  que	
  todos	
  os	
  recursos	
  afluam	
  ao	
  centro	
  e	
  deixem	
  a	
  
	
  

1	
  
periferia	
  desertificada.	
  E	
  aqui	
  não	
  se	
  trata	
  de	
  um	
  problema	
  moral,	
  mas	
  de	
  puro	
  
pragmatismo,	
  afinal	
  o	
  cimento	
  de	
  qualquer	
  união	
  política	
  e	
  económica.	
  
	
  
	
  
Introdução	
  
A	
  zona	
  do	
  euro	
  caiu	
  numa	
  espiral	
  de	
  downgrads,	
  queda	
  da	
  produção	
  económica,	
  
aumento	
  da	
  dívida,	
  novas	
  reduções	
  dos	
  ratings	
  e	
  saídas	
  do	
  Eurozona.	
  A	
  recessão	
  já	
  
começou.	
  E	
  mais	
  uma	
  vez	
  os	
  Estados	
  e	
  os	
  governos	
  são	
  os	
  culpados.	
  Por	
  omissão	
  e	
  
negação,	
  agravando	
  de	
  tal	
  modo	
  os	
  problemas	
  com	
  soluções	
  que	
  lhes	
  dão	
  novas	
  
dimensões.	
  
O	
  agravamento	
  da	
  crise	
  económica	
  internacional	
  depois	
  do	
  «grande	
  crash	
  de	
  2008»	
  
teve	
  profundas	
  repercussões	
  em	
  Portugal,	
  sobretudo	
  devido	
  à	
  escassez	
  de	
  crédito	
  à	
  
economia	
  e	
  da	
  crise	
  da	
  dívida	
  soberana	
  portuguesa.	
  A	
  evolução	
  da	
  crise	
  da	
  divida	
  
soberana	
  na	
  Eurozona	
  levou	
  Portugal	
  a	
  negociar	
  um	
  resgate	
  financeiro	
  de	
  78	
  mil	
  
milhões	
  de	
  euros,	
  e	
  implicou	
  um	
  programa	
  de	
  consolidação	
  e	
  reformas	
  estruturais	
  
negociado	
  com	
  a	
  Troika1	
  que	
  arrastou	
  o	
  país	
  para	
  uma	
  previsível	
  recessão	
  de	
  3,1%	
  
para	
  20122	
  e	
  a	
  estagnação	
  económica	
  em	
  2013	
  (se	
  a	
  recessão	
  internacional	
  não	
  
agravar	
  tudo,	
  já	
  que	
  o	
  motor	
  da	
  economia	
  são	
  as	
  exportações)3.	
  De	
  qualquer	
  modo,	
  
será	
  uma	
  première	
  conseguir	
  resolver	
  o	
  problema	
  da	
  dívida	
  com	
  austeridade,	
  com	
  
lembra	
  Stiglitz4.	
  
Mas	
  em	
  Portugal	
  a	
  crise	
  já	
  vinha	
  desde	
  a	
  adesão	
  à	
  moeda	
  única	
  devido	
  à	
  excessiva	
  
valorização	
  dos	
  ativos	
  por	
  via	
  monetária	
  e	
  por	
  causa	
  do	
  aumento	
  do	
  custo	
  dos	
  factores	
  
de	
  produções,	
  em	
  particular	
  dos	
  salários.	
  	
  
A	
  economia	
  portuguesa,	
  perdedora	
  da	
  globalização5,	
  privilegiando	
  a	
  economia	
  de	
  
bens	
  não	
  transacionáveis,	
  fortemente	
  dependente	
  do	
  crédito	
  externo	
  e	
  afetada	
  pela	
  
redução	
  do	
  emprego	
  com	
  a	
  deslocalização	
  da	
  industria	
  -­‐	
  primeiro	
  para	
  a	
  China	
  e	
  
depois,	
  para	
  o	
  leste	
  europeu,	
  recentemente	
  integrado	
  na	
  União	
  Europeia	
  -­‐	
  tornou-­‐se	
  
no	
  espelho	
  da	
  racionalidade	
  de	
  uma	
  súbita	
  redução	
  da	
  taxa	
  de	
  juros	
  e	
  de	
  incentivos	
  e	
  
politicas	
  de	
  fomento	
  e	
  investimentos	
  públicos	
  ineficientes.	
  Estes	
  investimentos	
  foram	
  
promovidos	
  pelos	
  governos	
  que	
  controlaram	
  o	
  país	
  desde	
  1995	
  (os	
  socialistas	
  
governam	
  Portugal	
  de	
  1996	
  a	
  2011,	
  com	
  a	
  exceção	
  do	
  governo	
  de	
  José	
  Manuel	
  Durão	
  
Barroso	
  entre	
  2002	
  e	
  2004),	
  e	
  decorrem	
  evidentemente	
  das	
  prioridades	
  definidas	
  nas	
  
diretivas	
  de	
  Bruxelas,	
  sobretudo	
  em	
  matéria	
  de	
  infraestruturas,	
  concorrência	
  e	
  
agricultura.	
  

	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
   	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  
1	
  Banco	
  Central	
  Europeu,	
  Fundo	
  Monetário	
  Internacional	
  e	
  Comissão	
  Europeia	
  
2	
  Previsão	
  de	
  Inverno	
  (Janeiro	
  de	
  2012)	
  do	
  Banco	
  de	
  Portugal.	
  
3	
  Esta	
  situação	
  repete-­‐se	
  de	
  um	
  modo	
  geral	
  em	
  todos	
  os	
  estados	
  membro	
  da	
  UE	
  que	
  estão	
  a	
  implementar	
  

programas	
  de	
  austeridade.	
  No	
  caso	
  espanhol	
  a	
  economia	
  deverá	
  contrair	
  ainda	
  mais	
  depressa	
  que	
  a	
  
portuguesa	
  pois	
  o	
  problema	
  da	
  bolha	
  imobiliária	
  que	
  assolou	
  toda	
  a	
  área	
  mediterrânica	
  teve	
  mais	
  intensidade	
  
em	
  Espanha.	
  
4	
  Entrevista	
  ao	
  Jornal	
  de	
  Negócios	
  em	
  20	
  de	
  Janeiro	
  de	
  2012.	
  	
  
5	
  É	
  certo	
  que	
  na	
  ultima	
  década,	
  com	
  a	
  globalização	
  e	
  a	
  emergência	
  dos	
  BRICS,	
  o	
  paradigma	
  do	
  crescimento	
  
económico	
  mudou:	
  os	
  produtos	
  manufacturados	
  que	
  Portugal	
  fabrica	
  e	
  exporta	
  ficaram	
  mais	
  baratos,	
  
enquanto	
  as	
  matérias	
  primas	
  e	
  a	
  energia	
  que	
  Portugal	
  importa	
  ficaram	
  mais	
  caras.	
  E	
  este	
  paradigma	
  veio	
  para	
  
ficar.	
  Por	
  isso	
  as	
  economias	
  desenvolvidas	
  se	
  estão	
  a	
  desindustrializar	
  e	
  sem	
  o	
  retorno	
  a	
  uma	
  "economia	
  da	
  
pilhagem"	
  (carvão,	
  ouro,	
  prata,	
  urânio,	
  gás	
  e	
  petróleo	
  existem	
  em	
  quantidades	
  relevantes	
  em	
  Portugal	
  e	
  na	
  sua	
  
plataforma	
  marítima)	
  não	
  haverá	
  razão	
  económica	
  para	
  a	
  existência	
  de	
  Portugal.	
  
	
  

	
  

2	
  
O	
  País	
  esteve	
  estagnado	
  na	
  última	
  década,	
  tendo	
  os	
  níveis	
  de	
  pobreza	
  estabilizado	
  
devido	
  ao	
  aumento	
  do	
  «salário	
  mínimo»	
  e	
  à	
  introdução	
  do	
  «rendimento	
  de	
  inserção	
  
social».	
  
Enfim,	
  a	
  crise	
  da	
  divida	
  soberana	
  obrigou	
  ao	
  receituário	
  necessário.	
  Uma	
  receita	
  tão	
  
simples	
  como	
  difícil	
  de	
  pôr	
  em	
  prática:	
  aumento	
  das	
  receitas,	
  diminuição	
  das	
  
despesas	
  e	
  	
  reformas	
  estruturais.	
  
O	
  forte	
  investimento	
  público	
  em	
  2009,	
  permitido	
  pela	
  flexibilização	
  do	
  Pacto	
  de	
  
Estabilidade	
  e	
  Crescimento	
  (2005)	
  e	
  a	
  pretexto	
  da	
  crise	
  bancária	
  na	
  sequencia	
  do	
  
“Grande	
  Crash	
  de	
  2008”	
  e	
  por	
  causa	
  das	
  eleições	
  legislativas	
  e	
  sobretudo,	
  em	
  2010,	
  
por	
  receio	
  de	
  uma	
  nova	
  crise	
  política,	
  permitiu	
  adiar	
  os	
  principais	
  impactos	
  da	
  crise	
  e	
  
da	
  recessão	
  para	
  2011,	
  o	
  que	
  custou	
  um	
  forte	
  aumento	
  do	
  défice	
  publico,	
  um	
  forte	
  
aumento	
  do	
  custo	
  do	
  trabalho,	
  uma	
  crise	
  de	
  confiança	
  na	
  dívida	
  soberana	
  portuguesa	
  
(naturalmente	
  por	
  contágio	
  também	
  da	
  Grécia)	
  e	
  um	
  agravamento	
  acelerado	
  das	
  
principais	
  variáveis	
  macroeconómicas.	
  	
  
	
  O	
  programa	
  negociado	
  com	
  a	
  Troika	
  (Banco	
  Central	
  Europeu,	
  Comissão	
  Europeia	
  e	
  
Fundo	
  Monetário	
  Internacional)	
  aprofunda	
  a	
  recessão	
  em	
  2012	
  e	
  provavelmente	
  em	
  
2013,	
  dado	
  o	
  aumento	
  dos	
  impostos	
  devido	
  à	
  urgência	
  de	
  consolidação	
  e	
  em	
  
detrimento	
  da	
  contenção	
  da	
  	
  despesa	
  publica	
  e	
  da	
  redefinição	
  das	
  funções	
  do	
  Estado	
  
–	
  opção	
  política	
  mais	
  demorada.	
  
As	
  consequências	
  eram	
  previsíveis:	
  o	
  aumento	
  da	
  emigração	
  -­‐	
  com	
  cerca	
  de	
  um	
  
milhão	
  de	
  novos	
  emigrantes	
  a	
  abandonar	
  Portugal	
  em	
  quatro	
  anos	
  (2007/2011),	
  
sobretudo	
  jovens	
  quadros	
  licenciados	
  -­‐	
  e	
  o	
  aumento	
  de	
  desemprego.	
  
Como	
  chegamos	
  aqui?	
  Onde	
  estão	
  os	
  culpados?	
  Serão	
  os	
  portugueses	
  culpados	
  da	
  
situação?	
  
Certamente	
  que	
  a	
  nossa	
  sociedade	
  é	
  o	
  produto	
  de	
  crenças	
  simbólicas	
  que	
  não	
  têm	
  
nenhum	
  fundamento	
  racional	
  e	
  portanto,	
  muitas	
  das	
  explicações	
  acabam	
  por	
  não	
  
incluir	
  toda	
  a	
  realidade.	
  
Certamente	
  que	
  culpas	
  se	
  encontrarão	
  nos	
  comportamentos	
  do	
  Estado	
  e	
  dos	
  seus	
  
dirigentes	
  e	
  nos	
  modelos	
  ideológicos	
  dominantes,	
  mais	
  que	
  nos	
  aspetos	
  culturais	
  ou	
  
nas	
  idiossincrasias	
  das	
  populações.	
  	
  
O	
  fracasso	
  do	
  socialismo	
  nas	
  suas	
  formulas	
  europeias	
  ou	
  sociais-­‐democratas	
  (que	
  
parte	
  do	
  princípio	
  impossível	
  que	
  o	
  conhecimento	
  humano	
  pode	
  ser	
  substituído	
  de	
  
maneira	
  eficiente	
  pela	
  decisão	
  de	
  uma	
  organização	
  centralizada	
  ou	
  por	
  um	
  comando	
  
central	
  único)	
  para	
  resolver	
  crises	
  parece	
  evidente.	
  	
  
Pegar	
  em	
  enormes	
  recursos	
  para	
  produzir	
  bens	
  centralmente	
  para	
  a	
  sociedade	
  é	
  um	
  
absurdo.	
  Mas,	
  em	
  2009,	
  fez-­‐se	
  mais:	
  aumentou-­‐se	
  o	
  IVA	
  e	
  os	
  impostos	
  sobre	
  o	
  
trabalho	
  para	
  financiar	
  obras	
  publicas	
  não	
  reprodutivas,	
  num	
  excesso	
  delirante	
  de	
  
autismo	
  keynesiano	
  e	
  irresponsabilidade	
  política.	
  
É	
  mais	
  racional,	
  e	
  aí	
  estamos	
  com	
  Hayek	
  e	
  Mises,	
  que	
  o	
  lucro	
  diga	
  a	
  cada	
  um	
  o	
  que	
  
deve	
  produzir	
  para	
  a	
  sociedade.	
  Há	
  um	
  problema	
  de	
  informação	
  e	
  de	
  qualidade	
  da	
  
decisão	
  política	
  dos	
  governos.	
  	
  
E	
  há	
  também,	
  um	
  problema	
  de	
  valores:	
  Para	
  os	
  socialistas	
  prevalece	
  o	
  valor	
  da	
  
distribuição,	
  não	
  percebendo	
  que	
  é	
  simplesmente	
  impossível	
  e	
  muito	
  arrogante	
  
pretender	
  distribuir	
  iluminadamente	
  sem	
  conhecer	
  todos	
  os	
  factos,	
  sem	
  ter	
  toda	
  a	
  
informação.	
  	
  
Mas	
  não	
  podemos	
  deixar	
  de	
  procurar	
  as	
  origens	
  desta	
  situação	
  de	
  desconfiança	
  nos	
  
mercados	
  financeiros	
  internacionais	
  nas	
  facilidades	
  quantitativas	
  (QE)	
  da	
  FED	
  que	
  se	
  
	
  

3	
  
 

seguiu	
  ao	
  11	
  de	
  Setembro.	
  Foi	
  injetando	
  dinheiro	
  na	
  economia	
  que	
  se	
  adiou	
  os	
  
problema.	
  E	
  foi	
  esse	
  excesso	
  de	
  liquidez	
  que	
  levou	
  a	
  que	
  o	
  crédito	
  público	
  
“embriagasse”	
  os	
  Estados	
  que,	
  sem	
  qualquer	
  constrangimento	
  político	
  e	
  económico	
  
interno,	
  se	
  endividaram	
  externamente	
  –	
  o	
  endividamento	
  externo	
  evita	
  a	
  consciência	
  
política	
  de	
  que	
  o	
  endividamento	
  público	
  de	
  hoje	
  tem	
  que	
  ser	
  pago	
  com	
  impostos	
  
amanhã.	
  
Finalmente,	
  podendo	
  os	
  governos	
  e	
  os	
  partidos	
  fazer	
  despesa	
  publica	
  para	
  conquistar	
  
votos,	
  foi	
  mais	
  fácil	
  que	
  grupos	
  de	
  interesses	
  sequestrarem	
  as	
  politicas	
  públicas,	
  
mantendo	
  artificialmente	
  empregos	
  ineficientes	
  e	
  investimentos	
  públicos	
  não	
  
reprodutivos,	
  provando	
  os	
  limites	
  dos	
  efeitos	
  multiplicador	
  e	
  propulsor	
  da	
  
intervenção	
  pública.	
  
Finalmente,	
  teremos	
  que	
  encontrar	
  ainda	
  razões	
  no	
  ciclo	
  de	
  acontecimentos	
  que	
  se	
  
iniciou	
  com	
  a	
  queda	
  das	
  ditaduras	
  de	
  direita	
  (nos	
  anos	
  70	
  e	
  80	
  do	
  século	
  XX)	
  	
  e	
  
socialistas	
  (estas	
  desde	
  a	
  queda	
  do	
  Muro	
  de	
  Berlim	
  em	
  1989)	
  que	
  induziram,	
  nos	
  
anos	
  noventa,	
  um	
  segundo	
  ciclo	
  de	
  privatizações	
  a	
  crédito	
  e	
  que	
  aproximaram	
  os	
  
negócios	
  da	
  decisão	
  política,	
  criando	
  as	
  bases	
  de	
  um	
  Estado	
  quase-­‐mafioso	
  muito	
  
ineficiente.6	
  
Agora	
  a	
  receita	
  para	
  as	
  economias	
  endividadas	
  é	
  a	
  redução	
  do	
  endividamento	
  público	
  
e	
  privado,	
  pelo	
  simples	
  facto	
  que	
  ninguém	
  lhes	
  empresta	
  e	
  que	
  as	
  receitas	
  do	
  Troika	
  
acabam	
  por	
  provocar	
  recessão	
  e	
  sobretudo	
  deflação.	
  	
  
Um	
  drama	
  novo,	
  para	
  o	
  qual	
  não	
  há	
  modelo	
  económico	
  que	
  resolva,	
  o	
  que	
  gera	
  
tensões	
  sociais	
  e	
  ameaça	
  os	
  sistemas	
  políticos	
  e	
  a	
  paz7.	
  
Que	
  fazer	
  diante	
  deste	
  drama	
  deflacionário	
  e	
  da	
  emergência	
  eventual	
  do	
  populismo	
  
neo-­‐mercantilista?	
  Provavelmente	
  seguir	
  os	
  americanos	
  injetando	
  moeda	
  na	
  
economia,	
  conscientes	
  que	
  apenas	
  estamos	
  a	
  adiar	
  o	
  problema	
  e	
  provavelmente	
  a	
  
destruir	
  as	
  poupanças	
  e	
  a	
  reduzir	
  o	
  poder	
  de	
  compra	
  dos	
  salários.	
  Só	
  que	
  cedo	
  
aprendemos	
  a	
  lidar	
  com	
  a	
  inflação,	
  e	
  não	
  sabemos	
  como	
  agir	
  em	
  deflação.	
  E	
  esse,	
  
para	
  além	
  da	
  guerra	
  pode	
  ser	
  um	
  novo	
  ponto	
  de	
  partida...	
  	
  
A	
  situação	
  atual	
  
O	
  Banco	
  de	
  Portugal	
  (BdP)	
  previu	
  no	
  seu	
  Boletim	
  Económico	
  de	
  Inverno	
  que	
  depois	
  
de	
  uma	
  recessão	
  mais	
  controlada	
  do	
  que	
  o	
  previsto	
  no	
  ano	
  passado	
  (-­‐1,6%	
  em	
  vez	
  de	
  
1,9%,	
  segundo	
  o	
  BdP),	
  a	
  economia	
  portuguesa	
  deverá	
  sofrer	
  “uma	
  contração	
  sem	
  
precedente	
  da	
  atividade	
  económica	
  e	
  da	
  procura	
  interna”	
  em	
  2012.	
  	
  No	
  Boletim	
  
Económico	
  de	
  Outubro,	
  o	
  BdP	
  estava	
  a	
  antecipar	
  uma	
  quebra	
  de	
  2,2%	
  na	
  economia.	
  
Agora,	
  o	
  PIB	
  deverá	
  recuar	
  3,1%,	
  ligeiramente	
  acima	
  do	
  previsto	
  pela	
  Troika	
  (-­‐3%)	
  e	
  

	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
   	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  
6	
  O	
  crescimento	
  do	
  Estado	
  no	
  século	
  XX	
  teve	
  basicamente	
  três	
  modelos	
  :	
  

1.

2.

3.

O	
  Modelo	
  Totalitário-­‐Socialista:	
  baseado	
  numa	
  falsa	
  ideia	
  de	
  justiça	
  social	
  (sobre	
  a	
  qual	
  não	
  existe	
  
unanimidade,	
  até	
  porque	
  as	
  categorias	
  morais	
  não	
  são	
  coletivas,	
  mas	
  pessoais)	
  imposta	
  pela	
  burocracia	
  
dominante	
  (Critica	
  de	
  Mises	
  e	
  Keynes	
  –	
  o	
  erro	
  do	
  socialismo).	
  A	
  ideia	
  de	
  justiça	
  social	
  leva	
  a	
  alocar	
  recursos	
  de	
  
modo	
  ineficiente	
  e	
  a	
  aumentar	
  a	
  presença	
  do	
  Estada	
  no	
  economia	
  por	
  via	
  do	
  aumento	
  da	
  despesa.	
  
O	
  Modelo	
  Democrático-­‐Keynesiano:	
  em	
  momentos	
  de	
  crises	
  utilizando	
  a	
  moeda/inflação	
  para	
  promover	
  o	
  
crescimento/consumo	
  e	
  investimentos	
  públicos.	
  (Crítica	
  de	
  Hayek	
  –	
  trata-­‐se	
  de	
  um	
  erro.	
  Como	
  demonstrou	
  a	
  
estagflação	
  dos	
  anos	
  setenta	
  do	
  século	
  XX).	
  Os	
  Estados	
  emitem	
  moeda	
  aumentando	
  as	
  assimetrias	
  entre	
  ricos	
  e	
  
pobres,	
  
Modelo	
  Democrático-­‐Interesses	
  particulares:	
  o	
  Estado	
  é	
  sequestrado	
  pelos	
  lobbies	
  e	
  pequenos	
  grupos	
  de	
  
interesses	
  que	
  definem	
  os	
  subsídios	
  e	
  condicionam	
  os	
  incentivos	
  públicos	
  aos	
  seus	
  interesses,	
  provocando	
  o	
  
crescimento	
  da	
  despesa	
  publica	
  
7	
  É	
  certo	
  que	
  não	
  é	
  possível	
  continuar	
  a	
  ter	
  taxas	
  de	
  desemprego	
  de	
  7%	
  na	
  Alemanha	
  e	
  de	
  25%	
  em	
  Espanha	
  e	
  
continuarmos	
  a	
  acreditar	
  que	
  a	
  UE	
  tem	
  futuro	
  como	
  união	
  política	
  

	
  

4	
  
também	
  dos	
  2,8%	
  inscritos	
  no	
  Orçamento	
  do	
  Estado	
  (OE)	
  de	
  2012,	
  embora	
  o	
  Governo	
  
tenha	
  já	
  admitido	
  que	
  a	
  recessão	
  deverá	
  ficar	
  em	
  linha	
  com	
  as	
  previsões	
  da	
  Comissão	
  
Europeia	
  e	
  do	
  FMI.	
  Só	
  a	
  Organização	
  para	
  a	
  Cooperação	
  e	
  o	
  Desenvolvimento	
  
Económico	
  (OCDE)	
  antecipa	
  uma	
  quebra	
  maior	
  –	
  3,2%.	
  	
  	
  	
  
A	
  justificar	
  a	
  revisão	
  em	
  baixa	
  das	
  previsões	
  estão	
  “as	
  medidas	
  de	
  consolidação	
  
incluídas	
  no	
  OE	
  2012	
  e	
  da	
  reavaliação	
  da	
  queda	
  da	
  procura	
  interna”,	
  a	
  que	
  se	
  junta	
  
ainda	
  “a	
  revisão	
  em	
  baixa	
  do	
  crescimento	
  económico	
  mundial”,	
  que	
  “implicou	
  uma	
  
revisão	
  não	
  negligenciável	
  das	
  exportações”.	
  	
  Segundo	
  as	
  projeções	
  do	
  BdP,	
  o	
  
consumo	
  privado	
  irá	
  cair	
  6%	
  em	
  2012,	
  em	
  vez	
  dos	
  3,6%	
  inicialmente	
  previstos.	
  Isso	
  
provocará,	
  também,	
  uma	
  quebra	
  das	
  importações	
  superior	
  (-­‐6,3%,	
  em	
  vez	
  de	
  -­‐2,8%).	
  
Já	
  o	
  consumo	
  público	
  deverá	
  cair	
  menos	
  (2,9%	
  em	
  vez	
  de	
  4,1%)	
  e	
  as	
  exportações	
  vão	
  
crescer	
  4,1%,	
  ligeiramente	
  abaixo	
  do	
  inicialmente	
  previsto	
  (4,8%).	
  De	
  acordo	
  com	
  o	
  
BdP,	
  estas	
  projeções	
  já	
  têm	
  “subjacente	
  um	
  abrandamento	
  do	
  crescimento	
  
económico	
  mundial	
  em	
  2012,	
  em	
  particular	
  na	
  área	
  do	
  euro,	
  num	
  contexto	
  de	
  
recrudescimento	
  das	
  tensões	
  internacionais”.	
  	
  
Contudo,	
  há	
  riscos	
  no	
  horizonte.	
  	
  O	
  Banco	
  de	
  Portugal	
  admite	
  que	
  “os	
  riscos	
  em	
  torno	
  
de	
  atual	
  projeção	
  para	
  a	
  atividade	
  económica	
  são	
  claramente	
  em	
  baixa,	
  traduzindo	
  o	
  
impacto	
  sobre	
  as	
  exportações	
  de	
  um	
  crescimento	
  da	
  economia	
  mundial	
  menos	
  
dinâmico	
  do	
  que	
  o	
  considerado	
  e	
  o	
  impacto	
  sobre	
  a	
  procura	
  interna	
  de	
  eventuais	
  
medidas	
  adicionais	
  de	
  consolidação	
  orçamental	
  com	
  impacto	
  direto	
  sobre	
  o	
  
rendimento	
  das	
  famílias”	
  e	
  evidenciam	
  os	
  problemas	
  normais	
  de	
  uma	
  pequena	
  
economia	
  aberta	
  (embora	
  não	
  tão	
  aberta	
  como	
  outras	
  economias	
  pequenas	
  como	
  a	
  
grega	
  ou	
  a	
  belga,	
  o	
  que	
  aliás	
  justifica	
  alguma	
  capacidade	
  de	
  manobra	
  que	
  ainda	
  existe	
  
em	
  Lisboa)	
  e	
  a	
  ausência	
  de	
  politicas	
  de	
  coesão	
  de	
  uma	
  grande	
  economia	
  fechada	
  que	
  
poderia	
  ser	
  a	
  União	
  Europeia.	
  
A	
  crise	
  financeira	
  iniciada	
  em	
  2007/8	
  teve	
  impacto	
  sobretudo	
  em	
  duas	
  vertentes	
  
económicas:	
  na	
  desvalorização	
  de	
  ativos	
  financeiros	
  e	
  patrimoniais	
  das	
  instituições	
  e	
  
segundo,	
  no	
  aumento	
  das	
  populações	
  necessitadas	
  devido	
  ao	
  aumento	
  do	
  
desemprego	
  e	
  da	
  pobreza	
  no	
  país,	
  com	
  naturais	
  reflexos	
  na	
  sociedade	
  
O	
  sistema	
  financeiro	
  português	
  não	
  estava	
  exposto	
  ao	
  «subprime»,	
  mas	
  tomou	
  
praticamente	
  a	
  totalidade	
  do	
  crédito	
  público	
  que	
  financiou	
  o	
  investimento	
  público,	
  
feito	
  na	
  sequência	
  da	
  crise	
  económica,	
  gerada	
  pelo	
  aperto	
  do	
  crédito	
  aos	
  países	
  
periféricos	
  da	
  Europa	
  e	
  pela	
  falta	
  de	
  confiança	
  geral	
  dos	
  mercados	
  da	
  dívida	
  soberana	
  
europeia.	
  
A	
  banca	
  de	
  um	
  modo	
  geral	
  travou	
  o	
  crédito	
  à	
  economia	
  demasiado	
  cedo	
  e	
  colocou	
  os	
  
seus	
  ativos	
  em	
  divida	
  soberana	
  nacional	
  mas	
  também	
  espanhola	
  italiana	
  e	
  grega,	
  
provocando,	
  por	
  um	
  lado,	
  o	
  colapso	
  antecipado	
  do	
  sector	
  privado	
  e,	
  por	
  outro,	
  a	
  
necessidade	
  abrupta	
  de	
  elevados	
  níveis	
  de	
  capital	
  adicional	
  para	
  cumprir	
  os	
  rácios	
  de	
  
solvabilidade	
  estabelecidos	
  antes	
  da	
  European	
  Banking	
  Authority	
  (EBA)8,	
  pela	
  Toika,	
  
no	
  âmbito	
  do	
  resgate	
  financeiro	
  do	
  País.	
  
No	
  caso	
  português,	
  mesmo	
  sem	
  a	
  quase-­‐bolha	
  imobiliária	
  na	
  primeira	
  década	
  do	
  
século	
  XXI	
  e	
  apesar	
  da	
  quase	
  estagnação	
  do	
  crescimento	
  económico	
  dos	
  últimos	
  dez	
  
anos,	
  os	
  bancos,	
  cujo	
  financiamento	
  hoje	
  depende	
  quase	
  exclusivamente	
  das	
  
facilidades	
  do	
  Banco	
  Central	
  Europeu,	
  estão	
  perigosamente	
  expostos	
  aos	
  riscos	
  da	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
   	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  
8	
  A	
  EBA	
  tem	
  por	
  objectivo	
  proteger	
  o	
  interesse	
  público	
  contribuindo	
  para	
  a	
  estabilidade	
  e	
  eficácia	
  do	
  sistema	
  

financeiro	
  a	
  curto,	
  médio	
  e	
  longo	
  prazos,	
  em	
  benefício	
  da	
  economia	
  da	
  União	
  e	
  dos	
  respectivos	
  cidadãos	
  e	
  
empresas	
  (cfr.	
  n.º	
  5	
  do	
  artigo	
  1.º	
  do	
  Regulamento	
  (UE)	
  n.º	
  1093/2010)	
  

	
  

5	
  
recessão	
  interna	
  em	
  2011/12,	
  devido	
  às	
  medidas	
  pró-­‐cíclicas	
  e	
  deflacionárias,	
  
implementadas	
  desde	
  2010,	
  e	
  aos	
  termos	
  da	
  carta	
  de	
  intenções	
  negociada	
  com	
  a	
  
Troika,	
  e	
  pelas	
  dificuldades	
  de	
  crédito	
  decorrentes	
  do	
  aumento	
  do	
  risco	
  de	
  
incumprimentos	
  e	
  do	
  contágio	
  de	
  um	
  eventual	
  incumprimento	
  grego9.	
  
Os	
  desequilíbrios	
  externos	
  (que	
  terão	
  um	
  impacto	
  de	
  pelo	
  menos	
  27%	
  na	
  balança	
  de	
  
transações	
  correntes	
  nos	
  próximos	
  três	
  anos)	
  vêm	
  de	
  traz,	
  mas	
  foi	
  o	
  agravamento	
  das	
  
condições	
  de	
  sustentabilidade	
  das	
  Finanças	
  Públicas	
  devido	
  ao	
  défice	
  orçamental	
  de	
  
10,3%	
  em	
  2009	
  e	
  8,2%	
  em	
  2010	
  que	
  veio	
  facilitar	
  o	
  ataque	
  aos	
  países	
  e	
  devedores	
  
membros	
  da	
  União	
  económica	
  e	
  Monetária,	
  prejudicados	
  pela	
  ortodoxia	
  germânica	
  
no	
  Conselho	
  Europeu	
  e	
  a	
  demora	
  de	
  medidas	
  na	
  intervenção	
  do	
  BCE.	
  
	
  

	
  
	
  
Até	
  porque	
  esse	
  investimento	
  público	
  de	
  2009	
  não	
  teve	
  efeito	
  multiplicador	
  por	
  que	
  
não	
  foi	
  acompanhado	
  por	
  uma	
  política	
  distributiva,	
  que	
  garantiria	
  que	
  as	
  classes	
  
médias	
  fossem	
  as	
  principais	
  beneficiárias	
  desse	
  investimento.	
  Bem	
  pelo	
  contrário,	
  por	
  
causa	
  da	
  «corrupção»	
  e	
  do	
  desalinhamento	
  de	
  objectivos,	
  o	
  investimento	
  público	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
   	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  
9	
  O	
  crescimento	
  da	
  poupança	
  dos	
  portugueses	
  parece	
  ter	
  estabilizado	
  nos	
  8%	
  atingindo	
  o	
  seu	
  patamar	
  máximo	
  

nesta	
  conjuntura.	
  O	
  indicador	
  de	
  poupança	
  da	
  APFIPP	
  e	
  da	
  Universidade	
  Católica	
  situou-­‐se	
  em	
  99,8	
  em	
  
Dezembro	
  de	
  2011,	
  um	
  recuo	
  ligeiro	
  face	
  aos	
  100,1	
  verificados	
  em	
  Novembro,	
  mas	
  que	
  contraria	
  a	
  tendência	
  
de	
  crescimento	
  que	
  se	
  verificava	
  desde	
  Fevereiro	
  do	
  ano	
  passado	
  até	
  Outubro.	
  
Este	
  comportamento	
  leva	
  a	
  APFIPP	
  e	
  Universidade	
  Católica	
  a	
  concluir	
  que	
  a	
  tendência	
  crescente	
  da	
  taxa	
  de	
  
poupança	
  verificada	
  no	
  ano	
  passado	
  “terá	
  chegado	
  ao	
  fim”.	
  O	
  indicador	
  atingiu	
  em	
  Outubro	
  o	
  máximo	
  do	
  ano	
  
nos	
  102,9,	
  tendo	
  descido	
  em	
  Novembro	
  para	
  100,1	
  e	
  registado	
  nova	
  quebra	
  no	
  mês	
  passado.	
  
Um	
  valor	
  de	
  100	
  neste	
  indicador	
  de	
  poupança	
  aponta	
  para	
  uma	
  taxa	
  de	
  poupança	
  equivalente	
  a	
  8%	
  do	
  PIB,	
  
sendo	
  que	
  cada	
  12,5	
  pontos	
  de	
  indicador	
  representa	
  cerca	
  de	
  1%	
  do	
  PIB.	
  
Acrescentam	
  também	
  que	
  o	
  indicador	
  “aponta	
  para	
  uma	
  estabilização	
  da	
  taxa	
  de	
  poupança	
  entre	
  os	
  terceiro	
  e	
  
quarto	
  trimestres”.	
  	
  
A	
  travagem	
  no	
  crescimento	
  da	
  poupança	
  das	
  famílias	
  portuguesas	
  surge	
  num	
  contexto	
  de	
  descida	
  do	
  
rendimento	
  disponível,	
  reflexo	
  das	
  medidas	
  de	
  austeridade	
  implementadas	
  pelo	
  Governo,	
  como	
  o	
  aumento	
  de	
  
impostos	
  e	
  o	
  corte	
  nos	
  subsídios	
  de	
  Natal.	
  

	
  

6	
  

Recomendados

A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)
A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)
A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)A. Rui Teixeira Santos
 
Trabalho sistema financeiro completo
Trabalho sistema financeiro completoTrabalho sistema financeiro completo
Trabalho sistema financeiro completoftrajano
 
A crise econômica na uniao europeia
A crise econômica na uniao europeiaA crise econômica na uniao europeia
A crise econômica na uniao europeiaLamartine Biao Oberg
 
Paises desenvolvidos do norte ii (europa)
Paises desenvolvidos do norte ii (europa)Paises desenvolvidos do norte ii (europa)
Paises desenvolvidos do norte ii (europa)Wander barreto
 
A não solução com um novo escudo
A não solução com um novo escudoA não solução com um novo escudo
A não solução com um novo escudoGRAZIA TANTA
 
1606 centro e periferias na europa 2- - portugal, um desastre periférico
1606   centro e periferias na europa  2- - portugal, um desastre periférico1606   centro e periferias na europa  2- - portugal, um desastre periférico
1606 centro e periferias na europa 2- - portugal, um desastre periféricoGRAZIA TANTA
 
As crises da economia capitalista em portugal
As crises da economia capitalista em portugalAs crises da economia capitalista em portugal
As crises da economia capitalista em portugalPedro Abreu Peixoto
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As narrativas sobre as origens da crise e suas implicações - Ricardo Paes Mamede
As narrativas sobre as origens da crise e suas implicações - Ricardo Paes MamedeAs narrativas sobre as origens da crise e suas implicações - Ricardo Paes Mamede
As narrativas sobre as origens da crise e suas implicações - Ricardo Paes MamedeCriativas
 
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...Pedro Tomé
 
Crise Financeira em Portugal
Crise Financeira em PortugalCrise Financeira em Portugal
Crise Financeira em PortugalMarta Mota
 
Rendimentos familiares e desigualdades na europa
Rendimentos familiares e desigualdades na europaRendimentos familiares e desigualdades na europa
Rendimentos familiares e desigualdades na europaGRAZIA TANTA
 
Trabalho de direito
Trabalho de direitoTrabalho de direito
Trabalho de direitoAna Tomás
 
Artigo opiniao - O Caminho Europeu (Rui Moreira)
Artigo opiniao - O Caminho Europeu (Rui Moreira)Artigo opiniao - O Caminho Europeu (Rui Moreira)
Artigo opiniao - O Caminho Europeu (Rui Moreira)Ana Leite
 
O sistema financeiro, o primeiro ditador global 2
O sistema financeiro, o primeiro ditador global   2O sistema financeiro, o primeiro ditador global   2
O sistema financeiro, o primeiro ditador global 2GRAZIA TANTA
 
Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal
Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em PortugalAnexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal
Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em PortugalCláudio Carneiro
 
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012Elisio Estanque
 
Europa, periferias e desastres periféricos
Europa, periferias e desastres periféricosEuropa, periferias e desastres periféricos
Europa, periferias e desastres periféricosGRAZIA TANTA
 
Tainá, camila e catarina! favor não mexer
Tainá, camila e catarina! favor não mexerTainá, camila e catarina! favor não mexer
Tainá, camila e catarina! favor não mexerAlberto Santiago
 
Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da Europa
Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da EuropaAlemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da Europa
Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da EuropaAEP | INTERNACIONAL
 
A obra suja do passos
A obra suja do passosA obra suja do passos
A obra suja do passosGRAZIA TANTA
 
Não à recessão e ao desemprego no brasil
Não à recessão e ao desemprego no brasilNão à recessão e ao desemprego no brasil
Não à recessão e ao desemprego no brasilFernando Alcoforado
 
Trabalho de direito
Trabalho de direitoTrabalho de direito
Trabalho de direitoAna Tomás
 
Portugal Profile 2 - Convergencia
Portugal Profile 2 - ConvergenciaPortugal Profile 2 - Convergencia
Portugal Profile 2 - ConvergenciaAntónio Alvarenga
 
Relatorio de fundamentacao_orc
Relatorio de fundamentacao_orcRelatorio de fundamentacao_orc
Relatorio de fundamentacao_orcNsedam
 

Mais procurados (20)

As narrativas sobre as origens da crise e suas implicações - Ricardo Paes Mamede
As narrativas sobre as origens da crise e suas implicações - Ricardo Paes MamedeAs narrativas sobre as origens da crise e suas implicações - Ricardo Paes Mamede
As narrativas sobre as origens da crise e suas implicações - Ricardo Paes Mamede
 
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...
 
Crise Financeira em Portugal
Crise Financeira em PortugalCrise Financeira em Portugal
Crise Financeira em Portugal
 
Rendimentos familiares e desigualdades na europa
Rendimentos familiares e desigualdades na europaRendimentos familiares e desigualdades na europa
Rendimentos familiares e desigualdades na europa
 
Trabalho de direito
Trabalho de direitoTrabalho de direito
Trabalho de direito
 
05.DPP_Insights-Timeline
05.DPP_Insights-Timeline05.DPP_Insights-Timeline
05.DPP_Insights-Timeline
 
Artigo opiniao - O Caminho Europeu (Rui Moreira)
Artigo opiniao - O Caminho Europeu (Rui Moreira)Artigo opiniao - O Caminho Europeu (Rui Moreira)
Artigo opiniao - O Caminho Europeu (Rui Moreira)
 
O sistema financeiro, o primeiro ditador global 2
O sistema financeiro, o primeiro ditador global   2O sistema financeiro, o primeiro ditador global   2
O sistema financeiro, o primeiro ditador global 2
 
Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal
Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em PortugalAnexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal
Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal
 
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012
Público 11 passos inseguros ee_3.09.2012
 
Europa, periferias e desastres periféricos
Europa, periferias e desastres periféricosEuropa, periferias e desastres periféricos
Europa, periferias e desastres periféricos
 
Tainá, camila e catarina! favor não mexer
Tainá, camila e catarina! favor não mexerTainá, camila e catarina! favor não mexer
Tainá, camila e catarina! favor não mexer
 
Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da Europa
Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da EuropaAlemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da Europa
Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da Europa
 
A obra suja do passos
A obra suja do passosA obra suja do passos
A obra suja do passos
 
Não à recessão e ao desemprego no brasil
Não à recessão e ao desemprego no brasilNão à recessão e ao desemprego no brasil
Não à recessão e ao desemprego no brasil
 
Trabalho de direito
Trabalho de direitoTrabalho de direito
Trabalho de direito
 
Portugal Profile 2 - Convergencia
Portugal Profile 2 - ConvergenciaPortugal Profile 2 - Convergencia
Portugal Profile 2 - Convergencia
 
Crise na grécia
Crise na gréciaCrise na grécia
Crise na grécia
 
Relatorio de fundamentacao_orc
Relatorio de fundamentacao_orcRelatorio de fundamentacao_orc
Relatorio de fundamentacao_orc
 
2corsi12a19
2corsi12a192corsi12a19
2corsi12a19
 

Destaque

Social Inovation - Misericordia de Lisboa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (...
Social Inovation - Misericordia de Lisboa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (...Social Inovation - Misericordia de Lisboa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (...
Social Inovation - Misericordia de Lisboa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (...A. Rui Teixeira Santos
 
Introdução a Informática (material de apoio)
Introdução a Informática (material de apoio)Introdução a Informática (material de apoio)
Introdução a Informática (material de apoio)André Silva
 
Declaracao contratualizacao da_avaliacao
Declaracao contratualizacao da_avaliacaoDeclaracao contratualizacao da_avaliacao
Declaracao contratualizacao da_avaliacaoAndré Silva
 
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...A. Rui Teixeira Santos
 
Diapositivos bloco 2
Diapositivos bloco 2Diapositivos bloco 2
Diapositivos bloco 2André Silva
 
Pós-Graduação em administração publica e direito publico económico ISG 2014
Pós-Graduação em administração publica e direito publico económico ISG 2014Pós-Graduação em administração publica e direito publico económico ISG 2014
Pós-Graduação em administração publica e direito publico económico ISG 2014A. Rui Teixeira Santos
 
The principles of morality and transparency in the third sector by rui teixei...
The principles of morality and transparency in the third sector by rui teixei...The principles of morality and transparency in the third sector by rui teixei...
The principles of morality and transparency in the third sector by rui teixei...A. Rui Teixeira Santos
 
Sobre a eventual inconstitucionalidade das taxas pagas às Entidades Regulador...
Sobre a eventual inconstitucionalidade das taxas pagas às Entidades Regulador...Sobre a eventual inconstitucionalidade das taxas pagas às Entidades Regulador...
Sobre a eventual inconstitucionalidade das taxas pagas às Entidades Regulador...A. Rui Teixeira Santos
 
Curso de regulação e concorrência_ marketing e nova lei da concorrência ISG 2014
Curso de regulação e concorrência_ marketing e nova lei da concorrência ISG 2014Curso de regulação e concorrência_ marketing e nova lei da concorrência ISG 2014
Curso de regulação e concorrência_ marketing e nova lei da concorrência ISG 2014A. Rui Teixeira Santos
 
Exercicio1 (folha de calculo)
Exercicio1 (folha de calculo)Exercicio1 (folha de calculo)
Exercicio1 (folha de calculo)André Silva
 
Master social administration_10 (Escola de Administração de Lisboa, ULHT, 2010)
Master social administration_10 (Escola de Administração de Lisboa, ULHT, 2010)Master social administration_10 (Escola de Administração de Lisboa, ULHT, 2010)
Master social administration_10 (Escola de Administração de Lisboa, ULHT, 2010)A. Rui Teixeira Santos
 
Doc orient para_trabalhos_academicos
Doc orient para_trabalhos_academicosDoc orient para_trabalhos_academicos
Doc orient para_trabalhos_academicosAndré Silva
 
Diapositivos bloco 1
Diapositivos  bloco 1Diapositivos  bloco 1
Diapositivos bloco 1André Silva
 
Diapositivos bloco 3
Diapositivos bloco 3Diapositivos bloco 3
Diapositivos bloco 3André Silva
 

Destaque (20)

Carta social
Carta socialCarta social
Carta social
 
Social Inovation - Misericordia de Lisboa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (...
Social Inovation - Misericordia de Lisboa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (...Social Inovation - Misericordia de Lisboa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (...
Social Inovation - Misericordia de Lisboa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (...
 
Rar64 a 2001
Rar64 a 2001Rar64 a 2001
Rar64 a 2001
 
Introdução a Informática (material de apoio)
Introdução a Informática (material de apoio)Introdução a Informática (material de apoio)
Introdução a Informática (material de apoio)
 
Lex uriserv.do
Lex uriserv.doLex uriserv.do
Lex uriserv.do
 
Declaracao contratualizacao da_avaliacao
Declaracao contratualizacao da_avaliacaoDeclaracao contratualizacao da_avaliacao
Declaracao contratualizacao da_avaliacao
 
Exercicio c
Exercicio cExercicio c
Exercicio c
 
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
Lições de Introdução ao estudo do Direito 2012/13 profesor Doutor Rui Teixeir...
 
Exercicio a
Exercicio aExercicio a
Exercicio a
 
Diapositivos bloco 2
Diapositivos bloco 2Diapositivos bloco 2
Diapositivos bloco 2
 
Exercicio b
Exercicio bExercicio b
Exercicio b
 
Pós-Graduação em administração publica e direito publico económico ISG 2014
Pós-Graduação em administração publica e direito publico económico ISG 2014Pós-Graduação em administração publica e direito publico económico ISG 2014
Pós-Graduação em administração publica e direito publico económico ISG 2014
 
The principles of morality and transparency in the third sector by rui teixei...
The principles of morality and transparency in the third sector by rui teixei...The principles of morality and transparency in the third sector by rui teixei...
The principles of morality and transparency in the third sector by rui teixei...
 
Sobre a eventual inconstitucionalidade das taxas pagas às Entidades Regulador...
Sobre a eventual inconstitucionalidade das taxas pagas às Entidades Regulador...Sobre a eventual inconstitucionalidade das taxas pagas às Entidades Regulador...
Sobre a eventual inconstitucionalidade das taxas pagas às Entidades Regulador...
 
Curso de regulação e concorrência_ marketing e nova lei da concorrência ISG 2014
Curso de regulação e concorrência_ marketing e nova lei da concorrência ISG 2014Curso de regulação e concorrência_ marketing e nova lei da concorrência ISG 2014
Curso de regulação e concorrência_ marketing e nova lei da concorrência ISG 2014
 
Exercicio1 (folha de calculo)
Exercicio1 (folha de calculo)Exercicio1 (folha de calculo)
Exercicio1 (folha de calculo)
 
Master social administration_10 (Escola de Administração de Lisboa, ULHT, 2010)
Master social administration_10 (Escola de Administração de Lisboa, ULHT, 2010)Master social administration_10 (Escola de Administração de Lisboa, ULHT, 2010)
Master social administration_10 (Escola de Administração de Lisboa, ULHT, 2010)
 
Doc orient para_trabalhos_academicos
Doc orient para_trabalhos_academicosDoc orient para_trabalhos_academicos
Doc orient para_trabalhos_academicos
 
Diapositivos bloco 1
Diapositivos  bloco 1Diapositivos  bloco 1
Diapositivos bloco 1
 
Diapositivos bloco 3
Diapositivos bloco 3Diapositivos bloco 3
Diapositivos bloco 3
 

Semelhante a Á procura dos culpados da crise (draft) prof doutor Rui Teixeira Santos (2012)

Crise econômica internacional: começou o segundo capítulo?
Crise econômica internacional: começou o segundo capítulo?Crise econômica internacional: começou o segundo capítulo?
Crise econômica internacional: começou o segundo capítulo?Alessandro de Moura
 
Portugal e o alargamento da ue
Portugal e o alargamento da uePortugal e o alargamento da ue
Portugal e o alargamento da ueJosé Paulo Neves
 
Solução única de Cristina Casalinho
Solução única de Cristina CasalinhoSolução única de Cristina Casalinho
Solução única de Cristina Casalinhopr_afsalbergaria
 
Países desenvolvidos do norte - Europa
Países desenvolvidos do norte - EuropaPaíses desenvolvidos do norte - Europa
Países desenvolvidos do norte - EuropaWander barreto
 
A Época de Ouro da Economia Portuguesa_EPM PL_Jan 2022(1).pdf
A Época de Ouro da Economia Portuguesa_EPM PL_Jan 2022(1).pdfA Época de Ouro da Economia Portuguesa_EPM PL_Jan 2022(1).pdf
A Época de Ouro da Economia Portuguesa_EPM PL_Jan 2022(1).pdfssuserc463f3
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeiapdforti
 
O sobressalto pandémico
O sobressalto pandémicoO sobressalto pandémico
O sobressalto pandémicoCarlos Brás
 
Cidadania Europeia
Cidadania EuropeiaCidadania Europeia
Cidadania EuropeiaTony Abreu
 
Direitos adquiridos ou a confiança na estabilidade, Prof. Doutor Rui Teixeira...
Direitos adquiridos ou a confiança na estabilidade, Prof. Doutor Rui Teixeira...Direitos adquiridos ou a confiança na estabilidade, Prof. Doutor Rui Teixeira...
Direitos adquiridos ou a confiança na estabilidade, Prof. Doutor Rui Teixeira...A. Rui Teixeira Santos
 
O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)
O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)
O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)GRAZIA TANTA
 
Portugal deve sair do euro. Sim ou não (2)
Portugal deve sair do euro. Sim ou não (2)Portugal deve sair do euro. Sim ou não (2)
Portugal deve sair do euro. Sim ou não (2)GRAZIA TANTA
 
Portugal 8º
Portugal 8ºPortugal 8º
Portugal 8ºcattonia
 
A resposta capitalista que estão a preparar para a crise
A resposta capitalista que estão a preparar para a criseA resposta capitalista que estão a preparar para a crise
A resposta capitalista que estão a preparar para a criseGRAZIA TANTA
 

Semelhante a Á procura dos culpados da crise (draft) prof doutor Rui Teixeira Santos (2012) (20)

Crise econômica internacional: começou o segundo capítulo?
Crise econômica internacional: começou o segundo capítulo?Crise econômica internacional: começou o segundo capítulo?
Crise econômica internacional: começou o segundo capítulo?
 
Capitalismo e a crise na europa
Capitalismo e a crise na europaCapitalismo e a crise na europa
Capitalismo e a crise na europa
 
Portugal e o alargamento da ue
Portugal e o alargamento da uePortugal e o alargamento da ue
Portugal e o alargamento da ue
 
Solução única de Cristina Casalinho
Solução única de Cristina CasalinhoSolução única de Cristina Casalinho
Solução única de Cristina Casalinho
 
Países desenvolvidos do norte - Europa
Países desenvolvidos do norte - EuropaPaíses desenvolvidos do norte - Europa
Países desenvolvidos do norte - Europa
 
A Época de Ouro da Economia Portuguesa_EPM PL_Jan 2022(1).pdf
A Época de Ouro da Economia Portuguesa_EPM PL_Jan 2022(1).pdfA Época de Ouro da Economia Portuguesa_EPM PL_Jan 2022(1).pdf
A Época de Ouro da Economia Portuguesa_EPM PL_Jan 2022(1).pdf
 
Crise na grécia
Crise na gréciaCrise na grécia
Crise na grécia
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
 
O sobressalto pandémico
O sobressalto pandémicoO sobressalto pandémico
O sobressalto pandémico
 
Politica internacional
Politica internacionalPolitica internacional
Politica internacional
 
Cidadania Europeia
Cidadania EuropeiaCidadania Europeia
Cidadania Europeia
 
Direitos adquiridos ou a confiança na estabilidade, Prof. Doutor Rui Teixeira...
Direitos adquiridos ou a confiança na estabilidade, Prof. Doutor Rui Teixeira...Direitos adquiridos ou a confiança na estabilidade, Prof. Doutor Rui Teixeira...
Direitos adquiridos ou a confiança na estabilidade, Prof. Doutor Rui Teixeira...
 
O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)
O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)
O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)
 
OE 2010 - O Corolário de 5 Anos Perdidos
OE 2010 - O Corolário de 5 Anos PerdidosOE 2010 - O Corolário de 5 Anos Perdidos
OE 2010 - O Corolário de 5 Anos Perdidos
 
Portugal deve sair do euro. Sim ou não (2)
Portugal deve sair do euro. Sim ou não (2)Portugal deve sair do euro. Sim ou não (2)
Portugal deve sair do euro. Sim ou não (2)
 
Euro, a moeda europeia
Euro, a moeda europeiaEuro, a moeda europeia
Euro, a moeda europeia
 
184 portugal grecia2
184 portugal grecia2184 portugal grecia2
184 portugal grecia2
 
Dados economicos genari
Dados economicos genariDados economicos genari
Dados economicos genari
 
Portugal 8º
Portugal 8ºPortugal 8º
Portugal 8º
 
A resposta capitalista que estão a preparar para a crise
A resposta capitalista que estão a preparar para a criseA resposta capitalista que estão a preparar para a crise
A resposta capitalista que estão a preparar para a crise
 

Mais de A. Rui Teixeira Santos

DIREITO DA SUSTENTABILIDADE (2023) Professor Doutor Rui Teixeira Santos ISG L...
DIREITO DA SUSTENTABILIDADE (2023) Professor Doutor Rui Teixeira Santos ISG L...DIREITO DA SUSTENTABILIDADE (2023) Professor Doutor Rui Teixeira Santos ISG L...
DIREITO DA SUSTENTABILIDADE (2023) Professor Doutor Rui Teixeira Santos ISG L...A. Rui Teixeira Santos
 
Direito da Segurança Social 2021 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos.pptx
Direito da Segurança Social 2021 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos.pptxDireito da Segurança Social 2021 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos.pptx
Direito da Segurança Social 2021 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos.pptxA. Rui Teixeira Santos
 
ERGONOMIA EMOCIONAL 2022, Professor Doutor Rui Teixeira Santos , ISG .pdf
ERGONOMIA EMOCIONAL 2022, Professor Doutor Rui Teixeira Santos , ISG .pdfERGONOMIA EMOCIONAL 2022, Professor Doutor Rui Teixeira Santos , ISG .pdf
ERGONOMIA EMOCIONAL 2022, Professor Doutor Rui Teixeira Santos , ISG .pdfA. Rui Teixeira Santos
 
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS  PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS  PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....A. Rui Teixeira Santos
 
Caracterização das organizações da economia social em Portugal - Prof. Do...
Caracterização das organizações da economia social em Portugal - Prof. Do...Caracterização das organizações da economia social em Portugal - Prof. Do...
Caracterização das organizações da economia social em Portugal - Prof. Do...A. Rui Teixeira Santos
 
Associativismo Desportivo Prof. Doutor Rui Teixeira Santos ULHT Faculdade de ...
Associativismo Desportivo Prof. Doutor Rui Teixeira Santos ULHT Faculdade de ...Associativismo Desportivo Prof. Doutor Rui Teixeira Santos ULHT Faculdade de ...
Associativismo Desportivo Prof. Doutor Rui Teixeira Santos ULHT Faculdade de ...A. Rui Teixeira Santos
 
Organização pública e privada do desporto (Nov 2021) 2ª Parte - prof. doutor ...
Organização pública e privada do desporto (Nov 2021) 2ª Parte - prof. doutor ...Organização pública e privada do desporto (Nov 2021) 2ª Parte - prof. doutor ...
Organização pública e privada do desporto (Nov 2021) 2ª Parte - prof. doutor ...A. Rui Teixeira Santos
 
Organização pública e privada do desporto 1 parte (30OUT2021) PROFESSOR DOU...
Organização pública e privada do desporto 1 parte (30OUT2021) PROFESSOR DOU...Organização pública e privada do desporto 1 parte (30OUT2021) PROFESSOR DOU...
Organização pública e privada do desporto 1 parte (30OUT2021) PROFESSOR DOU...A. Rui Teixeira Santos
 
Sport finance, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, Lisboa, 2021)
Sport finance, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, Lisboa, 2021)Sport finance, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, Lisboa, 2021)
Sport finance, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, Lisboa, 2021)A. Rui Teixeira Santos
 
Direito Comercial PPTX 2019 Prof. Doutor Rui Teixera Santos ISG LISBOA
Direito Comercial PPTX 2019 Prof. Doutor Rui Teixera Santos ISG LISBOADireito Comercial PPTX 2019 Prof. Doutor Rui Teixera Santos ISG LISBOA
Direito Comercial PPTX 2019 Prof. Doutor Rui Teixera Santos ISG LISBOAA. Rui Teixeira Santos
 
Fashion Law - propriedade industrial e direito da publicidade, prof doutor Ru...
Fashion Law - propriedade industrial e direito da publicidade, prof doutor Ru...Fashion Law - propriedade industrial e direito da publicidade, prof doutor Ru...
Fashion Law - propriedade industrial e direito da publicidade, prof doutor Ru...A. Rui Teixeira Santos
 
The Principles of Morality and Transparency in the Third Sector presentation ...
The Principles of Morality and Transparency in the Third Sector presentation ...The Principles of Morality and Transparency in the Third Sector presentation ...
The Principles of Morality and Transparency in the Third Sector presentation ...A. Rui Teixeira Santos
 
Direito empresarial 2019 3 parte - dos contratos - Prof. Rui Teixeira Santo...
Direito empresarial 2019  3 parte  - dos contratos - Prof. Rui Teixeira Santo...Direito empresarial 2019  3 parte  - dos contratos - Prof. Rui Teixeira Santo...
Direito empresarial 2019 3 parte - dos contratos - Prof. Rui Teixeira Santo...A. Rui Teixeira Santos
 
Direito empresarial 2019 1 Parte Geral Comerciante Prof. Doutor Rui Teixeira ...
Direito empresarial 2019 1 Parte Geral Comerciante Prof. Doutor Rui Teixeira ...Direito empresarial 2019 1 Parte Geral Comerciante Prof. Doutor Rui Teixeira ...
Direito empresarial 2019 1 Parte Geral Comerciante Prof. Doutor Rui Teixeira ...A. Rui Teixeira Santos
 
Direito empresarial 2019 2 parte sociedades comerciais Prof Doutor Rui Teixei...
Direito empresarial 2019 2 parte sociedades comerciais Prof Doutor Rui Teixei...Direito empresarial 2019 2 parte sociedades comerciais Prof Doutor Rui Teixei...
Direito empresarial 2019 2 parte sociedades comerciais Prof Doutor Rui Teixei...A. Rui Teixeira Santos
 
"O PSD tem que mudar" - artigo de Rui Teixeira Santos publicado em 2019.06.01...
"O PSD tem que mudar" - artigo de Rui Teixeira Santos publicado em 2019.06.01..."O PSD tem que mudar" - artigo de Rui Teixeira Santos publicado em 2019.06.01...
"O PSD tem que mudar" - artigo de Rui Teixeira Santos publicado em 2019.06.01...A. Rui Teixeira Santos
 
Direito dos contratos (2019) Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
Direito dos contratos (2019) Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INPDireito dos contratos (2019) Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
Direito dos contratos (2019) Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INPA. Rui Teixeira Santos
 
Direito da comunicação 2019 I PARTE Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
Direito da comunicação 2019 I PARTE Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INPDireito da comunicação 2019 I PARTE Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
Direito da comunicação 2019 I PARTE Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INPA. Rui Teixeira Santos
 
Direito da Comunicação 2019 II PARTE Dto da Publicidade ANEXOS Prof. Doutor R...
Direito da Comunicação 2019 II PARTE Dto da Publicidade ANEXOS Prof. Doutor R...Direito da Comunicação 2019 II PARTE Dto da Publicidade ANEXOS Prof. Doutor R...
Direito da Comunicação 2019 II PARTE Dto da Publicidade ANEXOS Prof. Doutor R...A. Rui Teixeira Santos
 

Mais de A. Rui Teixeira Santos (20)

DIREITO DA SUSTENTABILIDADE (2023) Professor Doutor Rui Teixeira Santos ISG L...
DIREITO DA SUSTENTABILIDADE (2023) Professor Doutor Rui Teixeira Santos ISG L...DIREITO DA SUSTENTABILIDADE (2023) Professor Doutor Rui Teixeira Santos ISG L...
DIREITO DA SUSTENTABILIDADE (2023) Professor Doutor Rui Teixeira Santos ISG L...
 
SEBENTA DE DIREITO DA ECONOMIA.pdf
SEBENTA DE DIREITO DA ECONOMIA.pdfSEBENTA DE DIREITO DA ECONOMIA.pdf
SEBENTA DE DIREITO DA ECONOMIA.pdf
 
Direito da Segurança Social 2021 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos.pptx
Direito da Segurança Social 2021 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos.pptxDireito da Segurança Social 2021 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos.pptx
Direito da Segurança Social 2021 Prof. Doutor Rui Teixeira Santos.pptx
 
ERGONOMIA EMOCIONAL 2022, Professor Doutor Rui Teixeira Santos , ISG .pdf
ERGONOMIA EMOCIONAL 2022, Professor Doutor Rui Teixeira Santos , ISG .pdfERGONOMIA EMOCIONAL 2022, Professor Doutor Rui Teixeira Santos , ISG .pdf
ERGONOMIA EMOCIONAL 2022, Professor Doutor Rui Teixeira Santos , ISG .pdf
 
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS  PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS  PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....
I CONFERENCIA INTERNACIONAL SOBRE POLITICAS PUBLICAS E REFORMA DA AP - Prof....
 
Caracterização das organizações da economia social em Portugal - Prof. Do...
Caracterização das organizações da economia social em Portugal - Prof. Do...Caracterização das organizações da economia social em Portugal - Prof. Do...
Caracterização das organizações da economia social em Portugal - Prof. Do...
 
Associativismo Desportivo Prof. Doutor Rui Teixeira Santos ULHT Faculdade de ...
Associativismo Desportivo Prof. Doutor Rui Teixeira Santos ULHT Faculdade de ...Associativismo Desportivo Prof. Doutor Rui Teixeira Santos ULHT Faculdade de ...
Associativismo Desportivo Prof. Doutor Rui Teixeira Santos ULHT Faculdade de ...
 
Organização pública e privada do desporto (Nov 2021) 2ª Parte - prof. doutor ...
Organização pública e privada do desporto (Nov 2021) 2ª Parte - prof. doutor ...Organização pública e privada do desporto (Nov 2021) 2ª Parte - prof. doutor ...
Organização pública e privada do desporto (Nov 2021) 2ª Parte - prof. doutor ...
 
Organização pública e privada do desporto 1 parte (30OUT2021) PROFESSOR DOU...
Organização pública e privada do desporto 1 parte (30OUT2021) PROFESSOR DOU...Organização pública e privada do desporto 1 parte (30OUT2021) PROFESSOR DOU...
Organização pública e privada do desporto 1 parte (30OUT2021) PROFESSOR DOU...
 
Sport finance, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, Lisboa, 2021)
Sport finance, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, Lisboa, 2021)Sport finance, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, Lisboa, 2021)
Sport finance, prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, Lisboa, 2021)
 
Direito Comercial PPTX 2019 Prof. Doutor Rui Teixera Santos ISG LISBOA
Direito Comercial PPTX 2019 Prof. Doutor Rui Teixera Santos ISG LISBOADireito Comercial PPTX 2019 Prof. Doutor Rui Teixera Santos ISG LISBOA
Direito Comercial PPTX 2019 Prof. Doutor Rui Teixera Santos ISG LISBOA
 
Fashion Law - propriedade industrial e direito da publicidade, prof doutor Ru...
Fashion Law - propriedade industrial e direito da publicidade, prof doutor Ru...Fashion Law - propriedade industrial e direito da publicidade, prof doutor Ru...
Fashion Law - propriedade industrial e direito da publicidade, prof doutor Ru...
 
The Principles of Morality and Transparency in the Third Sector presentation ...
The Principles of Morality and Transparency in the Third Sector presentation ...The Principles of Morality and Transparency in the Third Sector presentation ...
The Principles of Morality and Transparency in the Third Sector presentation ...
 
Direito empresarial 2019 3 parte - dos contratos - Prof. Rui Teixeira Santo...
Direito empresarial 2019  3 parte  - dos contratos - Prof. Rui Teixeira Santo...Direito empresarial 2019  3 parte  - dos contratos - Prof. Rui Teixeira Santo...
Direito empresarial 2019 3 parte - dos contratos - Prof. Rui Teixeira Santo...
 
Direito empresarial 2019 1 Parte Geral Comerciante Prof. Doutor Rui Teixeira ...
Direito empresarial 2019 1 Parte Geral Comerciante Prof. Doutor Rui Teixeira ...Direito empresarial 2019 1 Parte Geral Comerciante Prof. Doutor Rui Teixeira ...
Direito empresarial 2019 1 Parte Geral Comerciante Prof. Doutor Rui Teixeira ...
 
Direito empresarial 2019 2 parte sociedades comerciais Prof Doutor Rui Teixei...
Direito empresarial 2019 2 parte sociedades comerciais Prof Doutor Rui Teixei...Direito empresarial 2019 2 parte sociedades comerciais Prof Doutor Rui Teixei...
Direito empresarial 2019 2 parte sociedades comerciais Prof Doutor Rui Teixei...
 
"O PSD tem que mudar" - artigo de Rui Teixeira Santos publicado em 2019.06.01...
"O PSD tem que mudar" - artigo de Rui Teixeira Santos publicado em 2019.06.01..."O PSD tem que mudar" - artigo de Rui Teixeira Santos publicado em 2019.06.01...
"O PSD tem que mudar" - artigo de Rui Teixeira Santos publicado em 2019.06.01...
 
Direito dos contratos (2019) Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
Direito dos contratos (2019) Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INPDireito dos contratos (2019) Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
Direito dos contratos (2019) Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
 
Direito da comunicação 2019 I PARTE Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
Direito da comunicação 2019 I PARTE Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INPDireito da comunicação 2019 I PARTE Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
Direito da comunicação 2019 I PARTE Prof. Doutor Rui Teixeira Santos Lisboa:INP
 
Direito da Comunicação 2019 II PARTE Dto da Publicidade ANEXOS Prof. Doutor R...
Direito da Comunicação 2019 II PARTE Dto da Publicidade ANEXOS Prof. Doutor R...Direito da Comunicação 2019 II PARTE Dto da Publicidade ANEXOS Prof. Doutor R...
Direito da Comunicação 2019 II PARTE Dto da Publicidade ANEXOS Prof. Doutor R...
 

Último

a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...azulassessoriaacadem3
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...apoioacademicoead
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...apoioacademicoead
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...excellenceeducaciona
 
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...Prime Assessoria
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...azulassessoriaacadem3
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoMariaJoão Agualuza
 
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...excellenceeducaciona
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMHisrelBlog
 
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...Prime Assessoria
 

Último (20)

Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher
 
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
 
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º anoReprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
Reprodução nos Animais - 2.º ciclo 5.º ano
 
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
 
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
 
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
 

Á procura dos culpados da crise (draft) prof doutor Rui Teixeira Santos (2012)

  • 1.     À  procura  dos  culpado   A  Grande  Crise  Financeira  e  Portugal             Rui  Teixeira  Santos   "Give  me  control  over  a  nation’s  currency  and  I  don’t   care  who  makes  the  laws”     (Mayer  Amschel  Rothschild)         Resumo     A  crise  das  dividas  soberanas  transformou-­‐se  numa  crise  do  Euro  e  coloca  em  causa  a   sobrevivência  da  própria  União  Política,  que  garantiu  a  paz  na  Europa  nos  últimos  60   anos.   Como  se  chegou  aqui?  Primeiro  pela  resposta  dada  globalmente  pelos  bancos  centrais   na  sequencia  do  11  de  setembro,  emitindo  moeda.  Depois  com  a  flexibilização  do   pacto  de  estabilidade  e  finalmente  com  a  ortodoxia  franco-­‐alemã  a  empurrarem  a   Europa  para  uma  espiral  deflacionária  para  a  qual  não  se  conhece  solução,  que  não   seja  mais  empobrecimento  e  injustiça.   Nos  países  periféricos  a  União  Económica  e  Monetária  implicava  a  transferência  de   recursos  dos  países  mais  ricos  para  garantir  a  coesão,  como  contrapartida  da  abertura   dos  mercados.  Porém,  depois  dos  referendos  francês  e  holandês  terem  inviabilizado  a   uma  Constituição  Europeia,    a  Alemanha  ficava  livre  para  abandonar  a  integração   federal  e  apostar  nos  seus  próprios  interesses  (os  interesses  primários  dos  aforradores   bávaros)  no  âmbito  de  uma  cooperação  intergovernamental  acordada  no  Tratado  de   Lisboa.   No  caso  português  contudo,  o  eleitoralismo  socialista  fez  o  resto,  aproveitando  a   flexibilidade  do  PEC  para  aumentar  em  quase  40%  o  endividamento  externo  do  Estado,   para  financiar  obras  publicas  que  verdadeiramente  não  eram  reprodutivas  e  que  não   alteraram  a  letargia  em  que  a  economia  portuguesa  vivia  desde  a  adesão  ao  Euro  e   agravando  a  quebra  de  competitividade  da  economia  que  sustentadamente  vem   caindo  desde  o  fim  do  Império  colonial.   Porém,  o  problema  é  europeu  e  de  filosofia  económica  e  política.  Pretender  que  todos   os  estados  tenham  superavit  primários  para  pagarem  juros  e  amortizarem  dívida  é   uma  impossibilidade,  a  não  ser  que  se  volte  aos  esquemas  de  rapina  do  século  XIX.   Para  uns  exportarem  e  terem  excedentes  nas  balanças  comerciais,  outros  terão  que   importar  e  ter  deficits.  Por  outro  lado,  a  união  monetária  e  fiscal  implica  politicas  de   coesão  e    transferências  para  evitar  que  todos  os  recursos  afluam  ao  centro  e  deixem  a     1  
  • 2. periferia  desertificada.  E  aqui  não  se  trata  de  um  problema  moral,  mas  de  puro   pragmatismo,  afinal  o  cimento  de  qualquer  união  política  e  económica.       Introdução   A  zona  do  euro  caiu  numa  espiral  de  downgrads,  queda  da  produção  económica,   aumento  da  dívida,  novas  reduções  dos  ratings  e  saídas  do  Eurozona.  A  recessão  já   começou.  E  mais  uma  vez  os  Estados  e  os  governos  são  os  culpados.  Por  omissão  e   negação,  agravando  de  tal  modo  os  problemas  com  soluções  que  lhes  dão  novas   dimensões.   O  agravamento  da  crise  económica  internacional  depois  do  «grande  crash  de  2008»   teve  profundas  repercussões  em  Portugal,  sobretudo  devido  à  escassez  de  crédito  à   economia  e  da  crise  da  dívida  soberana  portuguesa.  A  evolução  da  crise  da  divida   soberana  na  Eurozona  levou  Portugal  a  negociar  um  resgate  financeiro  de  78  mil   milhões  de  euros,  e  implicou  um  programa  de  consolidação  e  reformas  estruturais   negociado  com  a  Troika1  que  arrastou  o  país  para  uma  previsível  recessão  de  3,1%   para  20122  e  a  estagnação  económica  em  2013  (se  a  recessão  internacional  não   agravar  tudo,  já  que  o  motor  da  economia  são  as  exportações)3.  De  qualquer  modo,   será  uma  première  conseguir  resolver  o  problema  da  dívida  com  austeridade,  com   lembra  Stiglitz4.   Mas  em  Portugal  a  crise  já  vinha  desde  a  adesão  à  moeda  única  devido  à  excessiva   valorização  dos  ativos  por  via  monetária  e  por  causa  do  aumento  do  custo  dos  factores   de  produções,  em  particular  dos  salários.     A  economia  portuguesa,  perdedora  da  globalização5,  privilegiando  a  economia  de   bens  não  transacionáveis,  fortemente  dependente  do  crédito  externo  e  afetada  pela   redução  do  emprego  com  a  deslocalização  da  industria  -­‐  primeiro  para  a  China  e   depois,  para  o  leste  europeu,  recentemente  integrado  na  União  Europeia  -­‐  tornou-­‐se   no  espelho  da  racionalidade  de  uma  súbita  redução  da  taxa  de  juros  e  de  incentivos  e   politicas  de  fomento  e  investimentos  públicos  ineficientes.  Estes  investimentos  foram   promovidos  pelos  governos  que  controlaram  o  país  desde  1995  (os  socialistas   governam  Portugal  de  1996  a  2011,  com  a  exceção  do  governo  de  José  Manuel  Durão   Barroso  entre  2002  e  2004),  e  decorrem  evidentemente  das  prioridades  definidas  nas   diretivas  de  Bruxelas,  sobretudo  em  matéria  de  infraestruturas,  concorrência  e   agricultura.                                                                                                                           1  Banco  Central  Europeu,  Fundo  Monetário  Internacional  e  Comissão  Europeia   2  Previsão  de  Inverno  (Janeiro  de  2012)  do  Banco  de  Portugal.   3  Esta  situação  repete-­‐se  de  um  modo  geral  em  todos  os  estados  membro  da  UE  que  estão  a  implementar   programas  de  austeridade.  No  caso  espanhol  a  economia  deverá  contrair  ainda  mais  depressa  que  a   portuguesa  pois  o  problema  da  bolha  imobiliária  que  assolou  toda  a  área  mediterrânica  teve  mais  intensidade   em  Espanha.   4  Entrevista  ao  Jornal  de  Negócios  em  20  de  Janeiro  de  2012.     5  É  certo  que  na  ultima  década,  com  a  globalização  e  a  emergência  dos  BRICS,  o  paradigma  do  crescimento   económico  mudou:  os  produtos  manufacturados  que  Portugal  fabrica  e  exporta  ficaram  mais  baratos,   enquanto  as  matérias  primas  e  a  energia  que  Portugal  importa  ficaram  mais  caras.  E  este  paradigma  veio  para   ficar.  Por  isso  as  economias  desenvolvidas  se  estão  a  desindustrializar  e  sem  o  retorno  a  uma  "economia  da   pilhagem"  (carvão,  ouro,  prata,  urânio,  gás  e  petróleo  existem  em  quantidades  relevantes  em  Portugal  e  na  sua   plataforma  marítima)  não  haverá  razão  económica  para  a  existência  de  Portugal.       2  
  • 3. O  País  esteve  estagnado  na  última  década,  tendo  os  níveis  de  pobreza  estabilizado   devido  ao  aumento  do  «salário  mínimo»  e  à  introdução  do  «rendimento  de  inserção   social».   Enfim,  a  crise  da  divida  soberana  obrigou  ao  receituário  necessário.  Uma  receita  tão   simples  como  difícil  de  pôr  em  prática:  aumento  das  receitas,  diminuição  das   despesas  e    reformas  estruturais.   O  forte  investimento  público  em  2009,  permitido  pela  flexibilização  do  Pacto  de   Estabilidade  e  Crescimento  (2005)  e  a  pretexto  da  crise  bancária  na  sequencia  do   “Grande  Crash  de  2008”  e  por  causa  das  eleições  legislativas  e  sobretudo,  em  2010,   por  receio  de  uma  nova  crise  política,  permitiu  adiar  os  principais  impactos  da  crise  e   da  recessão  para  2011,  o  que  custou  um  forte  aumento  do  défice  publico,  um  forte   aumento  do  custo  do  trabalho,  uma  crise  de  confiança  na  dívida  soberana  portuguesa   (naturalmente  por  contágio  também  da  Grécia)  e  um  agravamento  acelerado  das   principais  variáveis  macroeconómicas.      O  programa  negociado  com  a  Troika  (Banco  Central  Europeu,  Comissão  Europeia  e   Fundo  Monetário  Internacional)  aprofunda  a  recessão  em  2012  e  provavelmente  em   2013,  dado  o  aumento  dos  impostos  devido  à  urgência  de  consolidação  e  em   detrimento  da  contenção  da    despesa  publica  e  da  redefinição  das  funções  do  Estado   –  opção  política  mais  demorada.   As  consequências  eram  previsíveis:  o  aumento  da  emigração  -­‐  com  cerca  de  um   milhão  de  novos  emigrantes  a  abandonar  Portugal  em  quatro  anos  (2007/2011),   sobretudo  jovens  quadros  licenciados  -­‐  e  o  aumento  de  desemprego.   Como  chegamos  aqui?  Onde  estão  os  culpados?  Serão  os  portugueses  culpados  da   situação?   Certamente  que  a  nossa  sociedade  é  o  produto  de  crenças  simbólicas  que  não  têm   nenhum  fundamento  racional  e  portanto,  muitas  das  explicações  acabam  por  não   incluir  toda  a  realidade.   Certamente  que  culpas  se  encontrarão  nos  comportamentos  do  Estado  e  dos  seus   dirigentes  e  nos  modelos  ideológicos  dominantes,  mais  que  nos  aspetos  culturais  ou   nas  idiossincrasias  das  populações.     O  fracasso  do  socialismo  nas  suas  formulas  europeias  ou  sociais-­‐democratas  (que   parte  do  princípio  impossível  que  o  conhecimento  humano  pode  ser  substituído  de   maneira  eficiente  pela  decisão  de  uma  organização  centralizada  ou  por  um  comando   central  único)  para  resolver  crises  parece  evidente.     Pegar  em  enormes  recursos  para  produzir  bens  centralmente  para  a  sociedade  é  um   absurdo.  Mas,  em  2009,  fez-­‐se  mais:  aumentou-­‐se  o  IVA  e  os  impostos  sobre  o   trabalho  para  financiar  obras  publicas  não  reprodutivas,  num  excesso  delirante  de   autismo  keynesiano  e  irresponsabilidade  política.   É  mais  racional,  e  aí  estamos  com  Hayek  e  Mises,  que  o  lucro  diga  a  cada  um  o  que   deve  produzir  para  a  sociedade.  Há  um  problema  de  informação  e  de  qualidade  da   decisão  política  dos  governos.     E  há  também,  um  problema  de  valores:  Para  os  socialistas  prevalece  o  valor  da   distribuição,  não  percebendo  que  é  simplesmente  impossível  e  muito  arrogante   pretender  distribuir  iluminadamente  sem  conhecer  todos  os  factos,  sem  ter  toda  a   informação.     Mas  não  podemos  deixar  de  procurar  as  origens  desta  situação  de  desconfiança  nos   mercados  financeiros  internacionais  nas  facilidades  quantitativas  (QE)  da  FED  que  se     3  
  • 4.   seguiu  ao  11  de  Setembro.  Foi  injetando  dinheiro  na  economia  que  se  adiou  os   problema.  E  foi  esse  excesso  de  liquidez  que  levou  a  que  o  crédito  público   “embriagasse”  os  Estados  que,  sem  qualquer  constrangimento  político  e  económico   interno,  se  endividaram  externamente  –  o  endividamento  externo  evita  a  consciência   política  de  que  o  endividamento  público  de  hoje  tem  que  ser  pago  com  impostos   amanhã.   Finalmente,  podendo  os  governos  e  os  partidos  fazer  despesa  publica  para  conquistar   votos,  foi  mais  fácil  que  grupos  de  interesses  sequestrarem  as  politicas  públicas,   mantendo  artificialmente  empregos  ineficientes  e  investimentos  públicos  não   reprodutivos,  provando  os  limites  dos  efeitos  multiplicador  e  propulsor  da   intervenção  pública.   Finalmente,  teremos  que  encontrar  ainda  razões  no  ciclo  de  acontecimentos  que  se   iniciou  com  a  queda  das  ditaduras  de  direita  (nos  anos  70  e  80  do  século  XX)    e   socialistas  (estas  desde  a  queda  do  Muro  de  Berlim  em  1989)  que  induziram,  nos   anos  noventa,  um  segundo  ciclo  de  privatizações  a  crédito  e  que  aproximaram  os   negócios  da  decisão  política,  criando  as  bases  de  um  Estado  quase-­‐mafioso  muito   ineficiente.6   Agora  a  receita  para  as  economias  endividadas  é  a  redução  do  endividamento  público   e  privado,  pelo  simples  facto  que  ninguém  lhes  empresta  e  que  as  receitas  do  Troika   acabam  por  provocar  recessão  e  sobretudo  deflação.     Um  drama  novo,  para  o  qual  não  há  modelo  económico  que  resolva,  o  que  gera   tensões  sociais  e  ameaça  os  sistemas  políticos  e  a  paz7.   Que  fazer  diante  deste  drama  deflacionário  e  da  emergência  eventual  do  populismo   neo-­‐mercantilista?  Provavelmente  seguir  os  americanos  injetando  moeda  na   economia,  conscientes  que  apenas  estamos  a  adiar  o  problema  e  provavelmente  a   destruir  as  poupanças  e  a  reduzir  o  poder  de  compra  dos  salários.  Só  que  cedo   aprendemos  a  lidar  com  a  inflação,  e  não  sabemos  como  agir  em  deflação.  E  esse,   para  além  da  guerra  pode  ser  um  novo  ponto  de  partida...     A  situação  atual   O  Banco  de  Portugal  (BdP)  previu  no  seu  Boletim  Económico  de  Inverno  que  depois   de  uma  recessão  mais  controlada  do  que  o  previsto  no  ano  passado  (-­‐1,6%  em  vez  de   1,9%,  segundo  o  BdP),  a  economia  portuguesa  deverá  sofrer  “uma  contração  sem   precedente  da  atividade  económica  e  da  procura  interna”  em  2012.    No  Boletim   Económico  de  Outubro,  o  BdP  estava  a  antecipar  uma  quebra  de  2,2%  na  economia.   Agora,  o  PIB  deverá  recuar  3,1%,  ligeiramente  acima  do  previsto  pela  Troika  (-­‐3%)  e                                                                                                                           6  O  crescimento  do  Estado  no  século  XX  teve  basicamente  três  modelos  :   1. 2. 3. O  Modelo  Totalitário-­‐Socialista:  baseado  numa  falsa  ideia  de  justiça  social  (sobre  a  qual  não  existe   unanimidade,  até  porque  as  categorias  morais  não  são  coletivas,  mas  pessoais)  imposta  pela  burocracia   dominante  (Critica  de  Mises  e  Keynes  –  o  erro  do  socialismo).  A  ideia  de  justiça  social  leva  a  alocar  recursos  de   modo  ineficiente  e  a  aumentar  a  presença  do  Estada  no  economia  por  via  do  aumento  da  despesa.   O  Modelo  Democrático-­‐Keynesiano:  em  momentos  de  crises  utilizando  a  moeda/inflação  para  promover  o   crescimento/consumo  e  investimentos  públicos.  (Crítica  de  Hayek  –  trata-­‐se  de  um  erro.  Como  demonstrou  a   estagflação  dos  anos  setenta  do  século  XX).  Os  Estados  emitem  moeda  aumentando  as  assimetrias  entre  ricos  e   pobres,   Modelo  Democrático-­‐Interesses  particulares:  o  Estado  é  sequestrado  pelos  lobbies  e  pequenos  grupos  de   interesses  que  definem  os  subsídios  e  condicionam  os  incentivos  públicos  aos  seus  interesses,  provocando  o   crescimento  da  despesa  publica   7  É  certo  que  não  é  possível  continuar  a  ter  taxas  de  desemprego  de  7%  na  Alemanha  e  de  25%  em  Espanha  e   continuarmos  a  acreditar  que  a  UE  tem  futuro  como  união  política     4  
  • 5. também  dos  2,8%  inscritos  no  Orçamento  do  Estado  (OE)  de  2012,  embora  o  Governo   tenha  já  admitido  que  a  recessão  deverá  ficar  em  linha  com  as  previsões  da  Comissão   Europeia  e  do  FMI.  Só  a  Organização  para  a  Cooperação  e  o  Desenvolvimento   Económico  (OCDE)  antecipa  uma  quebra  maior  –  3,2%.         A  justificar  a  revisão  em  baixa  das  previsões  estão  “as  medidas  de  consolidação   incluídas  no  OE  2012  e  da  reavaliação  da  queda  da  procura  interna”,  a  que  se  junta   ainda  “a  revisão  em  baixa  do  crescimento  económico  mundial”,  que  “implicou  uma   revisão  não  negligenciável  das  exportações”.    Segundo  as  projeções  do  BdP,  o   consumo  privado  irá  cair  6%  em  2012,  em  vez  dos  3,6%  inicialmente  previstos.  Isso   provocará,  também,  uma  quebra  das  importações  superior  (-­‐6,3%,  em  vez  de  -­‐2,8%).   Já  o  consumo  público  deverá  cair  menos  (2,9%  em  vez  de  4,1%)  e  as  exportações  vão   crescer  4,1%,  ligeiramente  abaixo  do  inicialmente  previsto  (4,8%).  De  acordo  com  o   BdP,  estas  projeções  já  têm  “subjacente  um  abrandamento  do  crescimento   económico  mundial  em  2012,  em  particular  na  área  do  euro,  num  contexto  de   recrudescimento  das  tensões  internacionais”.     Contudo,  há  riscos  no  horizonte.    O  Banco  de  Portugal  admite  que  “os  riscos  em  torno   de  atual  projeção  para  a  atividade  económica  são  claramente  em  baixa,  traduzindo  o   impacto  sobre  as  exportações  de  um  crescimento  da  economia  mundial  menos   dinâmico  do  que  o  considerado  e  o  impacto  sobre  a  procura  interna  de  eventuais   medidas  adicionais  de  consolidação  orçamental  com  impacto  direto  sobre  o   rendimento  das  famílias”  e  evidenciam  os  problemas  normais  de  uma  pequena   economia  aberta  (embora  não  tão  aberta  como  outras  economias  pequenas  como  a   grega  ou  a  belga,  o  que  aliás  justifica  alguma  capacidade  de  manobra  que  ainda  existe   em  Lisboa)  e  a  ausência  de  politicas  de  coesão  de  uma  grande  economia  fechada  que   poderia  ser  a  União  Europeia.   A  crise  financeira  iniciada  em  2007/8  teve  impacto  sobretudo  em  duas  vertentes   económicas:  na  desvalorização  de  ativos  financeiros  e  patrimoniais  das  instituições  e   segundo,  no  aumento  das  populações  necessitadas  devido  ao  aumento  do   desemprego  e  da  pobreza  no  país,  com  naturais  reflexos  na  sociedade   O  sistema  financeiro  português  não  estava  exposto  ao  «subprime»,  mas  tomou   praticamente  a  totalidade  do  crédito  público  que  financiou  o  investimento  público,   feito  na  sequência  da  crise  económica,  gerada  pelo  aperto  do  crédito  aos  países   periféricos  da  Europa  e  pela  falta  de  confiança  geral  dos  mercados  da  dívida  soberana   europeia.   A  banca  de  um  modo  geral  travou  o  crédito  à  economia  demasiado  cedo  e  colocou  os   seus  ativos  em  divida  soberana  nacional  mas  também  espanhola  italiana  e  grega,   provocando,  por  um  lado,  o  colapso  antecipado  do  sector  privado  e,  por  outro,  a   necessidade  abrupta  de  elevados  níveis  de  capital  adicional  para  cumprir  os  rácios  de   solvabilidade  estabelecidos  antes  da  European  Banking  Authority  (EBA)8,  pela  Toika,   no  âmbito  do  resgate  financeiro  do  País.   No  caso  português,  mesmo  sem  a  quase-­‐bolha  imobiliária  na  primeira  década  do   século  XXI  e  apesar  da  quase  estagnação  do  crescimento  económico  dos  últimos  dez   anos,  os  bancos,  cujo  financiamento  hoje  depende  quase  exclusivamente  das   facilidades  do  Banco  Central  Europeu,  estão  perigosamente  expostos  aos  riscos  da                                                                                                                           8  A  EBA  tem  por  objectivo  proteger  o  interesse  público  contribuindo  para  a  estabilidade  e  eficácia  do  sistema   financeiro  a  curto,  médio  e  longo  prazos,  em  benefício  da  economia  da  União  e  dos  respectivos  cidadãos  e   empresas  (cfr.  n.º  5  do  artigo  1.º  do  Regulamento  (UE)  n.º  1093/2010)     5  
  • 6. recessão  interna  em  2011/12,  devido  às  medidas  pró-­‐cíclicas  e  deflacionárias,   implementadas  desde  2010,  e  aos  termos  da  carta  de  intenções  negociada  com  a   Troika,  e  pelas  dificuldades  de  crédito  decorrentes  do  aumento  do  risco  de   incumprimentos  e  do  contágio  de  um  eventual  incumprimento  grego9.   Os  desequilíbrios  externos  (que  terão  um  impacto  de  pelo  menos  27%  na  balança  de   transações  correntes  nos  próximos  três  anos)  vêm  de  traz,  mas  foi  o  agravamento  das   condições  de  sustentabilidade  das  Finanças  Públicas  devido  ao  défice  orçamental  de   10,3%  em  2009  e  8,2%  em  2010  que  veio  facilitar  o  ataque  aos  países  e  devedores   membros  da  União  económica  e  Monetária,  prejudicados  pela  ortodoxia  germânica   no  Conselho  Europeu  e  a  demora  de  medidas  na  intervenção  do  BCE.         Até  porque  esse  investimento  público  de  2009  não  teve  efeito  multiplicador  por  que   não  foi  acompanhado  por  uma  política  distributiva,  que  garantiria  que  as  classes   médias  fossem  as  principais  beneficiárias  desse  investimento.  Bem  pelo  contrário,  por   causa  da  «corrupção»  e  do  desalinhamento  de  objectivos,  o  investimento  público                                                                                                                           9  O  crescimento  da  poupança  dos  portugueses  parece  ter  estabilizado  nos  8%  atingindo  o  seu  patamar  máximo   nesta  conjuntura.  O  indicador  de  poupança  da  APFIPP  e  da  Universidade  Católica  situou-­‐se  em  99,8  em   Dezembro  de  2011,  um  recuo  ligeiro  face  aos  100,1  verificados  em  Novembro,  mas  que  contraria  a  tendência   de  crescimento  que  se  verificava  desde  Fevereiro  do  ano  passado  até  Outubro.   Este  comportamento  leva  a  APFIPP  e  Universidade  Católica  a  concluir  que  a  tendência  crescente  da  taxa  de   poupança  verificada  no  ano  passado  “terá  chegado  ao  fim”.  O  indicador  atingiu  em  Outubro  o  máximo  do  ano   nos  102,9,  tendo  descido  em  Novembro  para  100,1  e  registado  nova  quebra  no  mês  passado.   Um  valor  de  100  neste  indicador  de  poupança  aponta  para  uma  taxa  de  poupança  equivalente  a  8%  do  PIB,   sendo  que  cada  12,5  pontos  de  indicador  representa  cerca  de  1%  do  PIB.   Acrescentam  também  que  o  indicador  “aponta  para  uma  estabilização  da  taxa  de  poupança  entre  os  terceiro  e   quarto  trimestres”.     A  travagem  no  crescimento  da  poupança  das  famílias  portuguesas  surge  num  contexto  de  descida  do   rendimento  disponível,  reflexo  das  medidas  de  austeridade  implementadas  pelo  Governo,  como  o  aumento  de   impostos  e  o  corte  nos  subsídios  de  Natal.     6  
  • 7. serviu  principalmente  para  beneficiar  instituições  financeiras  e  empresas  de  obras   (neste  caso  generalizou-­‐se  o  regime  de  exceção  que  permitiu  que  empreitadas  de   grande  valor  não  ficassem  sujeitas  a  concurso  público  nem  fiscalização  preventiva  do   Tribunal  de  Contas,  justificado  para  que  não  se  atrasasse  o  dito  investimento  em   obras  públicas  -­‐  a  clássica  receita  keynesiana  para  a  retoma  da  economia)  que,  dada  a   contenção  salarial,  não  o  passaram  para  os  trabalhadores  e  para  a  sociedade  mas  foi   transformado  em  lucros,  desviado  para  aplicações  financeiras  no  estrangeiro  e   aquisição  de  imóveis  e  empresas  nos  EUA,  Angola  e  Brasil.  Portugal  tornar-­‐se-­‐ia  no   primeiro  investidor  estrangeiro  em  Moçambique,  segundo  em  Angola  e  um  dos  mais   relevantes  no  Brasil.  E  acrescentemos  que  nenhum  destes  investimentos  se  mostrou   reprodutivo,  à  exceção  da  Vivo  no  Brasil  –  um  negocio  feito  pela  Portugal  Telecom.   Por  outro  lado,  para  além  do  endividamento  público,  financiado  a  taxas  de  exceção,   ao  ponto  de  colocarem  em  causa  a  solvabilidade  do  País,  o  endividamento  privado   (registado  enquanto  tal)  acelerou  por  causa  do  crédito  das  empresas  públicas,  já  que   o  crédito  às  empresas  privadas  efetivamente  diminuiu  e  o  crédito  à  habitação  teve   um  comportamento  estável.     Em  2011  e  2012,  o  crédito  ao  sector  privado  serviu  quase  exclusivamente  para   financiar  as  empresas  publicas  dos  transportes  e  os  investimentos  públicos  já  em   curso  ou  em  fase  de  conclusão  -­‐  tendo  sido  praticamente  interrompido  ao  sector   privado  -­‐  o  que  acelerou  o  estrangulamento  do  emprego  e  colocou  em  causa  a   continuidade  de  empresas  relevantes,  mesmo  exportadoras.     Neste  particular,  os  programas  públicos  e  as  linhas  de  apoio  ou  garantia  ao   investimento  da  PME  apenas  têm  servido  para  refinanciar  anteriores  operações   bancárias,  passando  para  o  Estado  o  risco  contra  aumento  do  prazo  e  mesmo  neste   caso,  os  bancos  sequestram  a  descida  da  taxa  de  juros  decida  pelo  BCE  a  partir  do   ultimo  semestre  de  2011  ou  anulando-­‐a  por  via  do  aumento  das  comissões  bancárias,   não  a  fazendo  repercutir  nos  encargos  totais  pagos  pelas  empresas.           7  
  • 8.   Ou  seja,  na  procura  de  garantias  adicionais  e  margens  elevadas  (o  sistema  bancário   português  financia-­‐se  quase  exclusivamente  no  Banco  Central  Europeu  desde  2009,   não  existindo  mercado  interbancário  para  os  bancos  portugueses)  e  devido  à  relação   próxima  entre  a  banca  e  o  governo,  a  função  de  preferência  dos  bancos  foi  pelo   financiamento  público,  que  subiu  ao  ponto  de  tornar  eventualmente  necessária  a   renegociação  da  divida  externa,  já  que  a  saída  descontrolada  do  Euro  estará  fora  de   causa  nesta  fase  (implicaria  um  perdão  parcial  da  dívida  externa  face  à  pressões   financeiras  sobre  Portugal  depois  de  um  eventual  incumprimento  grego  ou  irlandês,   solução  impossível,  sem  uma  envolvente  política,  face  à  subscrição  de  CDS  que   implicam  sempre  menores  perdas  para  os  credores  com  o  incumprimento  que  com  a   renegociação  da  divida  soberana  portuguesa).  E  além  disso  existe  a  questão  política   de  não  haver  no  País  consenso  para  avançar  para  uma  solução  dessas,  mesmo  a   seguir  a  um  “default”  grego  ou  irlandês10.   Será  sempre  mais  provável  um  nível  de  resposta  política  de  negação,  eventualmente   com  substituição  do  governo  de  direita  de  Passos  Coelho  por  uma  solução  de  Grande   Coligação  de  salvação  nacional  ou  de  Bloco  Central  (com  representação  parlamentar   de  80%)  eventualmente  incluindo  militares,  para  garantir  a  ordem  interna  evitando   que  Portugal  replique  o  que  está  a  suceder  na  Grécia.   Os  problemas  económicos  portugueses  não  são  de  agora  nem  são  apenas  o  seu   agravamento  em  2009,  pelo  eleitoralismo  socialista.   A  Economia  Portuguesa,  ao  contrário  do  resto  da  Europa,  vive  anémica  desde  a   entrada  no  euro,  devido  ao  câmbio  irrealista  fixado  na  conversão  à  data  de  integração   monetária.  Estimámos  então  e  reafirmamos  agora,  em  cerca  de  25  a  30%  a   valorização  artificial  do  Escudo  e  portanto,  na  data  da  conversão  dos  escudos  em   euros,  os  ativos  valorizaram  em  25  a  30%  o  que  naturalmente  criou  uma  súbita   sensação  de  riqueza  nas  classes  médias,  mas  que  anulou  qualquer  possibilidade  de   crescimento  adicional  (devido  à  artificial  inflação  dos  factores)  e  que  impediu  durante   a  ultima  década  a  bolha  imobiliária  que  se  verificou  em  quase  todas  as  economias   desenvolvidas,  em  particular,  nos  EUA  e  em  Espanha11.                                                                                                                             10  The  problem  is  this:  restructuring  any  one  of  these  sovereigns  will  prove  larger  and  far  more  complicated   than  the  previous  record-­‐holders,  Argentina  ($82.2bn  of  debt  defaulted,  2001)  and  Russia  ($72.7bn,  1998),   combined.  Greece’s  outstanding  debt  sits  at  circa  $430bn,  Ireland  comes  in  at  $145bn,  Portugal  at  $289bn.   There  are  all  sorts  of  additional  tail  risks  attached  (included  war,  famine  or  energetic  crisis).   11  Em  Portugal  não  houve  o  efeito  de  um  dumping  fiscal  nem  de  um  excessivo  risco  bancário,  nem  de  uma   verdadeira  bolha  imobiliária  que  explica  muito  do  crescimento  dos  seus  correntes  em  análise.     8  
  • 9.   Enquanto  esta  valorização  artificial  não  for  absorvida  pelo  mercado  o  País  crescerá   sempre  abaixo  da  média  da  zona  euro.  Ao  ritmo  desta  década,  com  uma  divergência   anual  de  cerca  de  1  a  1,5%  no  crescimento  do  PIB  relativamente  à  média  europeia,  o   País  deverá  crescer  abaixo  da  média  europeia  pelo  menos  até  2020,  mesmo  com  o   choque  neo-­‐schumpeteriano  da  Troika  (  que  longe  de  criar  um  “Estado  Mínimo”  do   liberalismo,  mais  depressa  levará  Portugal  ao  Socialismo,  curiosamente  e  num   primeiro  momento  a  pedido  dos  próprios  banqueiros,  por  causa  da  deflação  e  ao   colapso  da  economia,  conduzindo  depois,  à  inevitável  nacionalização  do  sistema   financeiro,  ou  seja,  ao  aumento  ainda  maior  da  socialização  da  economia  e  do  peso   da  decisão  burocrática  na  Economia,  curiosamente  o  que  Joseph  Schumpeter  havia   previsto).   É  absolutamente  evidente  que  o  PIB  per  capita  relativamente  à  média  dos  países   desenvolvidos  começou  a  decrescer  com  a  introdução  da  moeda  única,  denunciando   irresponsabilidade  do  negocio  político  da  União  económica  e  Monetária  que  sem   coesão  levaria  necessariamente  à  desertificação  das  periferias.     9  
  • 10.     E  a  este  fenómeno,  justificado  apenas  pela  facilidade  proporcionada  pela  União   Económica  e  Monetária,  foi  ainda  agravado  pelo  gestão  irregular  da  contabilidade   pública  que  não  expressou  com  rigor  a  situação  das  finanças  publicas  portuguesas.     Como  disse,  o  eleitoralismo  do  governo  acossado  pelas  eleições  gerais,  assim  como  a   recessão  económica  vivida  em  2009,  bem  como  as  medidas  anti-­‐crise  adoptadas   nesse  mesmo  ano,  tiveram  um  efeito  negativo  sobre  o  saldo  das  contas  públicas  em   Portugal.  A  política  orçamental  assumiu  um  carácter  expansionista  e  contra-­‐cíclico   nesse  ano,  situação  que  só  se  começou  a  corrigir12  em  finais  de  2010,  mas  sobretudo   na  segunda  metade  de  2011  com  o  regime  de  protetorado  financeiro  imposto  pela   Troika.  De  acordo  com  a  decisão  do  Conselho  Europeu  tomada  em  Dezembro  de   2009,  a  situação  de  défice  excessivo  de  Portugal  deveria  ser  revertida,  o  mais  tardar,   até  2013,  o  que  viria  a  ser  alargado  para  2014,  depois,  na  carta  de  intenções  acordada   com  a  Troika  em  Maio  de  2011.     A  trajetória  de  ajustamento  apresentada  no  Programa  de  Estabilidade  e  Crescimento   (PEC)  de  Março  2009  cumpria  esse  objectivo.  No  entanto,  por  pressão  europeia,  o   Conselho  Europeu  compromete-­‐se  em  garantir  que  Portugal  nunca  precisaria  de  ser   resgatado,  apesar  das  pressões  do  mercado  desde  que  dissidisse,  o  que  aconteceu   em  Maio  de  2010,  acelerar  o  processo  de  consolidação  e  rever  as  metas  para  o  défice                                                                                                                           12  “O  Orçamento  de  Estado  deve  ser  equilibrado.  As  dívidas  públicas  devem  ser  reduzidas,  a  arrogância  das   autoridades  deve  ser  moderada  e  controlada.  Os  pagamentos  a  governos  estrangeiros  devem  ser  reduzidos,  se   a  nação  não  quiser  ir  à  falência.  As  pessoas  devem  novamente  aprender  a  trabalhar,  em  vez  de  viver  à  custa  do   Estado.“  (Marcus  Tulius  Cícero,  Roma,  55  a.c.).       10    
  • 11. e  para  a  dívida.  Assim,  foram  tomadas  medidas  que  visavam  principalmente  reforçar   a  contenção  da  despesa  pública  mas,  dada  a  necessidade  de  frontloading  do   ajustamento,  foram  também  adoptadas  medidas  do  lado  da  receita,  para  além  da   antecipação  de  outras  que  estavam  previstas  no  PEC.     Mas  as  pressões  dos  mercados  financeiros  e  a  crença  ingénua  de  que  entregando   Portugal  se  evitaria  o  contágio  da  crise  às  dividas  soberana  da  Itália  e  Espanha,  levou   o  Conselho  Europeu  a  retirar  o  apoio  prometido  ao  primeiro  ministro  José  Sócrates  e   a  obriga-­‐lo  a  ir  para  eleições  antecipadas,  com  o  calendário  eleitoral  marcado  pela   carta  de  intenções  endereçado  à  Troika  (Maio  2011),  como  contrapartida  do  resgate   financeiro  do  País  e  o  apoio  da  Facilidade  Europeia  de  Estabilização  Financeira.     Os  socialistas  perderiam  as  eleições  e  o  novo  governo  ficaria  marcado  pela  figura  de   um  ministro  das  Finanças  vindo  da  burocracia  de  Bruxelas,  com  poderes  reforçados  e   imposto  pelo  banco  Central  ao  novo  primeiro  ministro.       Recorde-­‐se,  por  outro  lado,  que  após  a  recessão  de  2009,  assistiu-­‐se,  no  primeiro   semestre  de  2010,  a  uma  recuperação  da  economia  mundial  acompanhada  de  um   aumento  significativo  do  comércio  internacional.     Mas  logo  no  final  de  2010  se  verificou  que  a  economia  portuguesa  iria  mergulhar   numa  das  mais  graves  recessões  da  sua  história  devido  à  receita  fiscal  acordada  com   a  Troika  e  sobretudo  pela  estratégia  ingénua  da  nova  maioria  (de  surpreenderem  os   mercados  com  resultados  ainda  mais  radicais  que  os  acordados  com  a  Troika),  que   esqueceu  que  a  avaliação  dos  ratings  é  política  e  considera  necessariamente  a   evolução  global  dos  parceiros  europeus  dos  quais  Portugal  depende,  o  que  levou  o   Banco  de  Portugal  a  prever  uma  queda  do  PIB  da  ordem  dos  3,1%  para  2012  e  a   estagnação  para  2012.       O  fracasso  da  recuperação   De  facto,  os  ainda  baixos  níveis  de  confiança  dos  consumidores  e  o  crescimento   moderado  dos  níveis  de  rendimento  e  de  riqueza  fazem  com  que  o  consumo,  nestas   economias,  tenha  recuperado  muito  pouco  por  impacto  das  medidas  iniciais  de  tipo   keynesiano,  o  mesmo  acontecendo  com  o  investimento  publico  feito  então  com  o   programa  de  estimulo  de  2009  incapaz  de  gerar  níveis  significativos  de  emprego13.     Finalmente  um  novo  constrangimento  óbvio:  a  ameaça  de  uma  desaceleração  do   crescimento  económico  e  mesmo  deflação  em  2012  (mas  também  a  possibilidade  de   Portugal  poder  abandonar  o  euro  e  os  ativos  dos  nacionais  serem  compulsivamente   convertidos  na  nova  moeda)  tem  levado  os  exportadores  portugueses  a  procurar   outros  destinos  para  as  vendas,  mas  também  para  deslocalizarem  a  manufatura  e   sobretudo,  as  sedes  sociais  das  holdings  (exportando  os  lucros  naturalmente)  .                                                                                                                                   13  Neste  particular,  ha  que  referir  que  o  investimento  publico  só  é  eficaz,  ainda  que  temporariamente,  quando   os  investimentos  financiados  a  credito  justificam  os  capitais  investidos  e  pedidos  emprestados.  Os   investimentos  feitos  em  escolas  e  estradas  não  tiveram  repercussão  econômica  superior  ao  capital  investido  e   por  isso  são  insustentáveis  sobretudo  quando  o  custo  do  credito  aumenta  ou  se  interrompe  o  financiamento   externo  à  economia.     11  
  • 12.       Como  em  2012  a  crise  pode  tornar-­‐se  global  ou  pelo  menos  levar  ao  abrandamento   dos  níveis  de  crescimento  das  economias  emergentes,  a  prazo  podem  estar  mesmo   comprometidas  as  exportações  portuguesas  já  fragilizadas  pela  paralisia  do  sistema   bancário  nacional  e  sobretudo  pelas  restrições  ao  crédito  às  empresas  privadas.   A  referida  incerteza  e  heterogeneidade  têm  vindo  igualmente  a  caracterizar  a   situação  nos  mercados  financeiros  internacionais,  com  destaque  para  o  mercado  de   dívida  soberana  na  Europa,  cuja  instabilidade  veio  levantar  novamente  dúvidas  no   que  respeita  à  vulnerabilidade  e  liquidez  do  sistema  bancário.  De  facto,  a  situação  no   mercado  de  dívida  soberana,  estar  a  colocar  em  risco  o  próprio  euro,  continua  a  ter   implicações  no  aumento  do  custo  de  financiamento  não  apenas  desses  mesmos   Estados,  mas  também  das  instituições  financeiras  e,  consequentemente,  das  famílias   e  empresas,  no  curto  prazo.  E  a  longo  prazo,  face  à  instabilidade  fiscal  gerada,  leva  à   desconfiança  dos  investidores  internacionais,  interrompendo  o  investimento   estrangeiro  e  acelerando  a  fuga  de  capitais,  mesmo  capitais  não  especulativos.  O   receio  de  que  Portugal  possa  sair  do  Euro14,  tem  levado  empresas  nacionais  a   mudarem  a  sua  sede  para  a  Holanda,  por  exemplo,  não  apenas  atraídos  pela   competitividade  fiscal  do  sistema  holandês  mas  sobretudo,  pela  estabilidade  (os   ativos  em  Portugal  de  estrangeiros  não  serão  convertidos  na  nova  moeda  em  caso  de   saída  do  Euro  enquanto  que  os  ativos  dos  cidadãos  nacionais  seriam  forçadamente   convertidos  na  nova  divisa).  A  instabilidade  introduzida  nos  mercados  pelo  eventual   default  de  Estados  está  a  ser  agrava  pelos  efeitos  da  consolidação  orçamental                                                                                                                           14  Portuguese  ten-­‐year  government  bonds  currently  trade  down  65  cents  to  the  euro  —  which  would  burn   holders  horribly  if  these  numbers  were  crystallised  in  a  real  haircut.  But  Portugal,  as  Greece,  will  end  up   having  to  go  much  further  too  and  write  down  its  debt  by  two-­‐thirds  in  order  to  achieve  a  sustainable  debt   path.  This  extra  third  won’t  simply  burn  invest.     12  
  • 13. acordada  no  âmbito  do  resgado  financeira  do  Facilidade  Europeia  de  Estabilização   Financeira,  criando  um  novel  de  instabilidade  provavelmente  irrecuperável  na   próxima  década,  a  não  ser  por  acordo  políticos  de  assistência  e  parcerias  estratégicas.   Neste  particular  a  entrada  de  capitais  chineses  nas  privatizações  portuguesas15,  bem   como  a  garantia  de  financiamento  direto  através  de  participações  no  sistema   bancário,  quer  de  Angola  e  do  Brasil  (espaço  natural  de  Lusofonia)  ou  da  China.   Em  particular,  Portugal,  Espanha  e  Irlanda  foram,  no  seguimento  da  crise  grega,   particularmente  atingidos  pelo  aumento  dos  prémios  de  risco  soberano.  O  acordo   estabelecido,  em  Maio  de  2010,  entre  os  vários  Estados-­‐membros  da  União  Europeia,   no  sentido  de  acelerar  os  processos  de  consolidação  orçamental,  com  destaque  para   Portugal  e  Espanha,  a  de  criação  da  Facilidade  Europeia  de  Estabilização  Financeira,  e   com  as  medidas  mais  recentemente  adoptadas  pelo  Banco  Central  Europeu  com  o   objectivo  de  aumentar  a  liquidez  nos  mercados,  bem  como  a  divulgação  dos   resultados  dos  testes  de  resistência  ao  sector  bancário  da  área  do  euro,  tiveram  um   impacto  quase  nulo  no  risco  soberano,  até  porque,  depois  de  um  ligeiro   abrandamento  os  prémios  de  risco  voltaram  novamente  a  subir,  especialmente  após   a  divulgação  das  fragilidades  que  atualmente  caracterizam  o  sistema  bancário  na   Irlanda.  As  próprias  medidas  acordadas  no  Conselho  Europeu  de  8-­‐9  de  Dezembro  de   2011,  o  Fiscal  Compact,  acabaram  por  ser  instrumentos  ideológicos  para  garantir  a   estabilidade  política  em  Paris  e  Berlim,  mais  do  que  instrumentos  para  resolver  a  crise   do  Euro  (há  uma  autentica  dissonância  entre  a  realidade  financeira  dos  mercados  e  a   reposta  europeia,  aliás  bem  caracterizada  pelo  recuo  óbvio  de  Berlim  no  Conselho   Europeu  de  finais  de  Janeiro,  onde  o  Crescimento  Económico  e  a  transferência  de   poderes  políticos  para  a  UE  por  parte  dos  Estados  membros  voltam  a  ser  as   prioridades  políticas  europeias,  anulando  o  dramatismo  anterior  com  a  consolidação   orçamental).  E,  separar,  como  se  tentou  fazer  no  apoio  à  Grécia,  Irlanda  e  Portugal,   mantendo  em  funcionamento  a  Facilidade  Europeia  de  Estabilização  Financeira  e   reservando  o  novo  Mecanismo  Europeu  de  Estabilidade  Financeira  para  os  resgates   eventuais  a  Espanha  e  Itália,  não  foi  mais  do  que  assumir  antecipadamente  a   necessidade  de  introduzir  mecanismos  de  default  controlado  para  esses  países  caso,   em  2013,  não  consigam  ir  aos  mercados  e  a  Europa  não  tenha  condições  para  novo   resgate,  sem  que  isso  contamine  as  grandes  economias,  cujo  resgates  colocariam  em   causa  o  atual  modelo  de  integração  monetária  da  Eurozona.   A  estabilidade  política  e  social  dos  países  e  o  seu  sucesso  económico  é  hoje   inegavelmente  razão  direta  da  confiança  e  capacidade  de  endividamento  dos  Estados   e  do  seu  sistema  bancário.  Sem  isso  os  países  empobrecem,  é  a  lição  desta  recessão,   o  desemprego  aumenta  e  o  diferencial  entre  ricos  e  pobres  acentua-­‐se.   Embora  se  possa  argumentar  que  a  evolução  do  mercado  de  dívida  soberana,  em   especial  nos  países  do  sul  da  Europa,  se  possa  explicar,  em  parte,  por  movimentos  de   contágio,  deve  igualmente  reconhecer-­‐se  que  ela  traduz,  em  termos  fundamentais,  as   vulnerabilidades  estruturais  apresentadas  por  alguns  países  das  quais  se  salienta  não   apenas  a  sustentabilidade  de  médio/longo  prazo  das  finanças  públicas,  como  também   o  crescimento  potencial,  a  competitividade,  e  os  desequilíbrio  macroeconómicos   externos.                                                                                                                             15  Em  Dezembro  de  2011  o  Governo  Português  decidiu  adjudicar  a  interesses  públicos  chineses  a  alienação  de   21%  do  capital  da  Eletricidade  de  Portugal,  a  primeira  empresa  do  País.     13  
  • 14. Portugal  não  representa,  neste  contexto,  uma  exceção.  Com  efeito,  nas  últimas   décadas,  a  economia  portuguesa  tem  apresentado  um  hiato  entre  poupança  e   investimento,  traduzido  em  sucessivos  défices  da  balança  corrente  e,   consequentemente,  num  acumular  de  dívida  externa.  Em  particular,  do  lado  da   poupança,  o  optimismo  do  Mercado  Único  e  dos  fundo  comunitários    a  partir  da   Adesão  em  1985  (que  apesar  de  tudo  no  caso  português  essas  transferências  do   Orçamento  comunitário  não  chegaram  a  2%  do  PIB  mas  condicionaram,  dentro  das   prioridades  europeias,  todo  o  programa  de  investimento  público  português  nos   últimos  27  anos)  e  a  extensão  aos  cidadãos  não  contributivos  do  regime  de  pensões,   a  partir  de  1991  levou  a  reduzir  os  níveis  de  poupança  das  famílias  e  empresas,  ao   mesmo  tempo  que,  desde  o  início  dos  anos  noventa,  com  a  redução  das  taxas  de  juro,   em  consequência  do  processo  de  convergência  para  a  adesão  à  União  Económica  e   Monetária,  e  com  a  crescente  facilidade  de  acesso  ao  crédito,  o  recurso  ao   financiamento  externo  permitiu  sustentar  uma  situação  de  crescente  redução  da   poupança  interna,  atingindo  um  mínimo  em  2009.   Uma  análise  por  sector  institucional  permite  concluir  que  o  recurso  ao  financiamento   externo  foi  fundamentalmente  efectuado  pelo  sector  das  administrações  públicas,   diretamente,  e  pelas  Outras  Instituições  Financeiras  Monetárias,  estas  principalmente   enquanto  intermediárias  das  necessidades  de  financiamento  interno.  A  evidência   demonstra  igualmente  que  os  fundos  canalizados  por  estas  instituições  destinaram-­‐ se,  essencialmente,  a  cobrir  os  défices  das  empresas  publicas  e  autarquias  municipais   e  à  concessão  de  crédito  ao  sector  privado  não  financeiro  e,  no  caso  das  famílias,  ao   financiamento  para  aquisição  de  habitação,  significando  que  o  acréscimo  do   endividamento  das  famílias  teve,  em  larga  medida,  contrapartida  no  aumento  da  sua   riqueza  em  ativos  reais,  mas  também  a  valorização  do  mobiliário  e  o  crescimento  da   atividade  da  construção  civil,  ambos  fenómenos  que  em  muito  beneficiaram  os   balanços  dos  bancos.   As  famílias  parecem  ter  um  papel  relevante  neste  enquadramento:  desde  o  início  dos   anos  90  que  o  aumento  do  rendimento  disponível  das  famílias  tem  sido   acompanhado  por  um  aumento  ainda  mais  acentuado  do  consumo,  o  que  tem  vindo   a  resultar  em  taxas  de  poupança  cada  vez  mais  reduzidas.  O  ligeiro  aumento  da   poupança,  ocorrido  em  2008,  e  mais  acentuadamente  em  2009  a  2012,  está  muito   possivelmente  relacionado  com  os  efeitos  de  incerteza  associados  à  crise  financeira   internacional  ocorrida  nestes  anos.   De  notar  neste  particular  a  armadilha  europeia:  por  um  lado  os  bancos  europeus   colocam  os  seus  excedentes  na  banca  portuguesa  que  a  passa  aos  consumidores  que   com  este  crédito  adquirem  produtos  importados  da  Europa,  em  particular  de   Espanha  e  Alemanha,  ao  mesmo  tempo  que  as  politicas  publicas  evidenciam  os   interesses  dos  Estados  dominantes  da  União,  por  exemplo  em  matéria  de  política   agrícola  (totalmente  inadequada  aos  solos  e  especificidades  portuguesas,  ou  de   pescas  nacionais).   Porém,  o  problema  de  poupança  e  (sobre)endividamento  não  se  coloca  apenas  no   sector  privado.  De  facto,  a  recessão  económica  vivida  em  2009,  bem  como  as   medidas  anti-­‐crise  adoptadas  nesse  ano,  tiveram  um  efeito  negativo  sobre  o  saldo   das  contas  públicas  em  Portugal  que  importava  corrigir.     Assim,  e  como  acima  referido,  foi  decidido,  em  2010  mas  sobretudo,  pela  pressão  dos   acontecimentos  relativos  à  divida  soberana,  em  Maio  de  2011,  com  o  acordo  com  a     14  
  • 15. Troika,  acelerar  o  processo  de  consolidação  e  rever  as  metas  para  o  défice  e  para  a   dívida  pública  perante  um  contexto  adverso  de  funcionamento  dos  mercados,  com   consequências  no  custo  de  financiamento  e  riscos  acrescidos  para  Portugal,  com   recurso  ao  resgate  da  Troika  (FMI,  BCE  e  CE).   Tornou-­‐se,  ao  vermos  posteriormente  a  grave  recessão  de  2011/2013  (o  PIB  cairá   pelo  menos  5%  no  período  de  24  meses),  evidente  que  não  podemos  ao  mesmo   tempo  reduzir  o  endividamento  no  sector  privado  e  no  sector  púbico,  sob  pena   provocarmos  a  destruição  do  tecido  produtivo  de  um  modo  irremediável,  sem  haver   primeiro  um  excedente  na  balança  comercial16.     De  notar  que,  já  em  2012,  Portugal  deverá  atingir  equilíbrio  externo  pela  primeira  vez   em  virtude  da  travagem  no  consumos  interno  de  bens  importados,  interrupção  do   crédito  externo  e  aumento  das  exportações.  A  rapidez  do  ajustamento  pode  criar  a   exceção  portuguesa,  mesmo  que  o  ajustamento  externo  seja  derivado  já  da   austeridade.  No  caso  houve  redução  da  despesa  e  do  consumo  publico  e  privado  e   isso  obviamente  induziu  uma  substancial  redução  nas  importações.     Em  particular,  e  no  que  toca  à  redução  da  despesa,  foi  decidido  logo  em  2010,  e  entre   outras  medidas,  reduzir  as  despesas  de  capital,  antecipar  a  eliminação  das  medidas   de  estímulo  à  economia  para  combater  os  efeitos  da  crise  económica,  reduzir  as   transferências  para  o  Sector  Empresarial  do  Estado,  reforçando  a  adopção  de   medidas  de  racionalização  e  sustentabilidade  financeira,  e  reforçar  a  redução  da   despesa  na  Administração  Central,  nomeadamente  através  da  redução  de  consumos   intermédios  e,  por  via  da  definição  de  limites  de  despesa  aos  Fundos  e  Serviços   Autónomos,  da  cativação  a  suplementos  remuneratórios  não  obrigatórios  e  do   congelamento  de  admissões  de  pessoal.   No  que  se  refere  a  medidas  do  lado  da  receita  foi  decidiu-­‐se,  entre  outras  medidas,   aumentar  todas  as  taxas  de  IVA  em  um  ponto  percentual,  introduzir  uma  tributação   adicional  sobre  o  rendimento  das  pessoas  singulares  e  aplicar  uma  sobretaxa  sobre  o   rendimento  das  pessoas  colectivas.  Por  fim,  foi  antecipado  para  2010  um  conjunto  de   medidas  que  no  âmbito  do  PEC  estavam  previstas  para  2011,  tal  como  a   generalização  da  condição  de  recursos  e  as  alterações  ao  regime  do  subsídio  de   desemprego,  entre  outras17.   Estas  medidas,  contudo  não  foram  suficientes  para  a  consolidação  orçamental  em   2010,  cujo  défice  orçamental  rondou  os  8,2%  do  PIB,  exatamente  porque  o  motor  das   exportações  não  foi  suficiente  e  o  País  passou  a  financiar-­‐se  a  taxas  cada  vez  mais   elevadas.                                                                                                                             16  "The  underlying  principle  flows  from  the  financial  balance  approach:  the  domestic  private  sector  and  the   government  sector  cannot  both  deleverage  at  the  same  time  unless  a  trade  surplus  can  be  achieved  and  sustained.   Yet  the  whole  world  cannot  run  a  trade  surplus.  More  specific  to  the  current  predicament,  we  remain  hard   pressed  to  identify  which  nations  or  regions  of  the  remainder  of  the  world  are  prepared  to  become   consistently  larger  net  importers  of  Europe's  tradable  products.  Countries  currently  running  large  trade   surpluses  view  these  as  hard  won  and  well  deserved  gains.  They  are  unlikely  to  give  up  global  market  shares   without  a  fight,  especially  since  they  are  running  export  led  growth  strategies.  Then  again,  it  is  also  said  that   necessity  is  the  mother  of  all  invention  (and  desperation,  its  father?),  so  perhaps  current  account  deficit   nations  will  find  the  product  innovations  or  the  labour  productivity  gains  that  can  lead  to  growing  the  market   for  their  tradable  products.  In  the  meantime,  for  the  sake  of  the  citizens  in  the  peripheral  Eurozone  nations   now  facing  fiscal  retrenchment,  pray  there  is  life  on  Mars  that  exclusively  consumes  olives,  red  wine,  and   Guinness  beer."  -­‐  Rob  Parenteau,  CFA       17  Parece  evidente  que  aumentar  a  competitividade  da  economia  portuguesa  com  medidas  de  flexibilização   laboral  não  chega.  Reduzir  a  Taxa  Social  (TSU)  pode  ser  um  risco  para  a  sustentabilidade  das  finanças  publicas.     15  
  • 16. Como  essas  medidas  só  entraram  em  vigor  na  segunda  metade  de  2010,  o  seu  pleno   impacto  apenas  aconteceu  em  2011,  já  debaixo  do  impacto  do  resgate  financeiro   negociado  com  a  Troika  (Maio  de  2011),  onde  o  Estado  Português  se  comprometeu   não  apenas  com  novas  medidas  de  consolidação  orçamental  (que  chegam  à  redução   do  salário  da  Função  Pública  e  à  interdição  total  de  endividamento  adicional  do   Sector  Empresarial  do  Estado  e  das  Autarquias)  mas  também  com  um  programa  de   reformas  estruturais  orientado  a  aumentar  a  competitividade  do  país,   nomeadamente  através  da  redução  dos  custos  dos  factores,  que  com  a  maior   liberalização  dos  mercados  e  regulação  da  concorrência,  a  privatização  do  sector   empresarial  publico,  a  redução  dos  apoios  sociais  e  a  desregulamentação  da   legislação  laboral  se  conseguirá  reduzir  o  peso  do  estado  na  economia  e  se  permitirá   a  atração  de  capitais  estrangeiros  e  sobretudo,  a  reindustrialização  do  país,  tendo  em   vista  a  produção  de  bens  transacionáveis.   O  problema  da  competitividade  das  economias  do  sul  era  o  preço  a  pagar  pela   abertura  das  fronteiras  embora  em  Portugal  fosse  um  processo  que  se  acentuava   desde  o  fim  do  Império  Colonial  em  1975:             Em  2011  e  cumprindo  os  compromissos  reassumidos  nos  Conselhos  Europeus  de  8-­‐9   Dezembro  de  2010  e  de  24-­‐25  Março  de  2011  e  os  inscritos  carta  de  intensões  do   Governo  português  negociada  com  a  Troika  em  Maio  de  2011,  o  novo  governo   Liberal-­‐Social  Democrata  (que  toma  posse  em  Julho  de  2011  e  presidido  pelo   primeiro  ministro  Pedro  Passos  Coelho)  reduz  para  4,2%  o  défice  (obviamente  com   recurso  a  medidas  extraordinários).  O  reforço  e  a  forte  aceleração  do  processo  de   consolidação  orçamental  e  2011  e  2012  imprimidos  nos  orçamentos  do  Estado   constituiu,  assim,  uma  estratégia  séria  no  sentido  de  cumprir  as  metas  de   consolidação,  acreditando-­‐se  que    devolveria  rapidamente  a  confiança  aos  mercados     16  
  • 17. financeiros,  e  contribuiria  para  a  estabilidade  da  área  do  euro,  e,  assim,  promoveria  a   estabilidade  da  economia  nacional.  (Não  houve  o  bom  senso  de  pensar  que  a  análise   do  risco-­‐país  seria  sempre  política  e  dependeria  do  vigor  com  que  o  BCE  e  o  diretório   franco-­‐alemão  reagiriam  mas  também  do  efeito  dominó  do  eventual  default  grego.   Com  efeito,  o  que  se  observa  em  Portugal  é  que  se  penalizou  internamente  a   economia  e  a  sociedade  sem  qualquer  ganho  a  nível  da  credibilidade  externa  do  País).   É  certo  que  parte  dos  objetivos  para  o  défice  em  2011  foram  conseguidos  com   recurso  a  medidas  extraordinárias  irrepetíveis  e  que  geram  encargos  no  futuro,  como   foi  o  caso  da  incorporação  no  Sistema  de  Segurança  Social  público  dos  fundos  de   pensões  da  banca.  (Infelizmente  a  impreparação  da  equipa  do  Ministério  das   Finanças  português  e  da  Troika  que  a  controla  -­‐  funcionários  e  burocratas  sem   verdadeiro  prestigio  ou  qualidade  -­‐  é  evidente  no  facto  de  nem  sequer  terem  previsto   esses  encargos  nos  orçamentos  subsequentes,  provocando  já  o  confronto  político  de   um  Orçamento  de  Estado  Retificativo  em  2012  absolutamente  escusável).     Mas  para  2012  já  não  haverá  essa  almofada  pelo  que  se  torna  mais  evidente  a   necessidade  de  equilibrar  a  balança  comercial,  sob  pena  da  crise  financeira  se   transformar  numa  crise  política  e  social  grave.  E  é  aqui  que  surpreendentemente   Portugal  é  bem  diferente  da  Grécia  e  pode  até  aproximar-­‐se  da  Islândia.  Portugal  tem   uma  base  industrial  e  a  contração  forte  no  consumo  interno  e  a  quebra  em  12%  do   Investimento  vão  equilibrar  a  balança  comercial,  pela  primeira  vez,  neste  século.  Ou   seja,  Portugal,  mantendo-­‐se  o  comportamento  atual  das  economias  com  as  quais  se   relaciona,  não  precisará  de  recursos  adicionais  para  financiar  as  exportações,  pelo   que  é  possível  fazer  os  ajustamentos  à  custa  da  desvalorização  fiscal18  ou,  num   cenário  de  saída  do  euro  ou  de  guerra  comercial/encerramento  de  fronteiras  e   desglobalização,  será  mesmo  possível  financiar  internamente  o  emprego  com   emissão  eventual  de  uma  segunda  moeda.         Aumentar  a  competitividade  e  a  armadilha  europeia   Mas,  como  disse,  para  além  das  medidas  orçamentais  e  fiscais  impostas  pelas   condições  do  mercado  financeiro  internacional  e  da  falta  de  solidariedade  da  União   Económica  e  Monetária  sem  uma  aposta  no  desenvolvimento  o  país  enfrenta  mais   pressão  recessiva  pois  a  consolidação  orçamental  terá  um  efeito  recessivo  evidente.   Neste  âmbito,  o  Executivo  anunciou,  em  Dezembro  de  2010,  um  pacote  de  50   medidas  orientadas  para  o  apoio  às  PME  ao  combate  à  fraude  e  evasão  fiscal  e  de   incentivo  à  indústria  exportadora  e  à  internacionalização  das  empresas,  assim  como   de  simplificação  dos  procedimentos  administrativos  de  licenciamento  para  a   instalação  de  novas  empresas  e  redução  dos  custos  do  despedimento,  e  para  2012   anunciam-­‐se  reformas  estruturais  na  área  laboral,  da  concorrência  e  sobretudo  um   vasto  programa  de  privatizações  de  modo  a  reduzir  o  peso  do  Estado  na  economia.   Estamos  de  certo  modo  numa  contra  reforma  visando  baixar  os  custos  dos  factores   para  aumentar  a  competitividade  externa  da  economia  portuguesa  e  assim  atrair   investimento  e  criar  novo  emprego.  Uma  estratégia  de  internalização  do  modelo   chinês,  que  mantem  algumas  componentes  do  Estado  Social  de  Garantia19  (mas  que   coloca  em  causa  a  universalidade  dos  sistemas  públicos  com  base  em  critérios                                                                                                                           18  Sem  a  desvalorização  fiscal  –  por  exemplo  com  a  descida  da  Taxa  Social  Única  -­‐  o  ajustamento  será  mais   difícil.   19  Santos,  RT  (2011),  Manual  de  Direito  Publico  Económico:  ULHT,  Lisboa     17  
  • 18. económicos  e  taxas  dissuasoras  -­‐  em  vez  de  moderadoras  -­‐  de  utilização  de  serviços   públicos).   Acresce  que  outro  aspecto  característico  da  economia  portuguesa,  como  destaca   Victor  Bento20,  que  tem  que  ver  com  os  estímulos  que  nas  últimas  duas  décadas  tem   sido  dato  ao  sector  de  bens  não  transaccionáveis  da  economia,  que  atraiu  os   melhores  gestores  do  país  e  deixou  o  país  desprotegido  na  área  da  recuperação  das   exportações.   E  a  solução  aqui,  tem  sido  apontada  em  Portugal,  poderia  passar  pela  flexibilização   laboral  e  redução  dos  preços  dos  factores,  nomeadamente  dos  custos  salariais,  mas   eventualmente  da  electricidade,  das  telecomunicações,  das  portagens  ou  da  água,   substancialmente  acima  da  média  europeia,  devido  ao  custo  do  endividamento  e   sobretudo  porque  são  falhas  de  mercado,  mantidas  por  preços  administrativos,   trânsito  de  ministros  entre  governo  e  empresas  (24%  dos  ministros  portugueses  dos   últimos  30  anos  tiveram  origem  em  4  grupos  bancários  nacionais)  e  resistência   administrativa  à  entrada  de  concorrência.     Porém,  é  fácil  criar  emprego  se  baixarmos  os  custos  dos  factores,  nomeadamente   com  preços  máximos  administrativos  na  energia,  na  água,  ou  se  baixarmos  o  custo   salarial  (por  via  da  redução  dos  salários  líquidos  ou  das  contribuições)  e  que  dessa   maneira  obviamente  aumentamos  a  competitividade  externa  da  economia.  Já  o   Presidente  do  Conselho  Oliveira  Salazar  (1933-­‐1968)  o  fez,  transformando  Portugal   num  dos  países  mais  pobres  da  Europa.  Basicamente  tem  os  mesmo  efeitos  de  uma   desvalorização,  embora  os  custos  sejam  percepcionados  pelo  eleitor  de  um  modo   mais  imediato.   Porém,  há  outro  aspeto  relevante:  o  emprego  criado  à  custa  da  redução  artificial  do   preço  dos  factores  não  tem  qualidade  nem  sustentabilidade  futura,  pois  é  um   emprego  conseguido  à  custa  da  pobreza  ou  do  empobrecimento  dos  trabalhadores.   Basicamente  está-­‐se  a  transferir  para  os  países  destinatários  parte  dos  salários  dos   países  endividados,  permitindo  aos  importadores  internalizarem  essas  eficiências.     Desde  Schumpeter21  que  sabemos  que,  bem  pelo  contrário,  só  apostando  na   inovação,    em  tecnologia  e  na  confiança  dos  agentes  públicos22  ,  apostando  na   estabilidade  política  e  sobretudo,  na  trégua  no  combate  à  evasão  fiscal  (que  justificou   na  ultima  década  os  piores  abusos  do  poder  por  parte  da  Administração  Tributária,   que  por  exemplo  só  num  ano  chegou  a  levantar  mais  de  milhão  de  processos,  num   universo  de  500  mil  empresas  ativas,  acusando  criminalmente  muitos  dos   empresários  e  asfixiando  as  empresas,  por  via  do  congelamento  e  confisco  das  contas   bancárias  dos  devedores  e  da  penhora  das  receitas  passadas  e  futuras  da  empresas)  e   na  disciplina  fiscal  do  Estado  é  que  é  possível  acreditar  no  regresso  do   empreendorismo  e  da  iniciativa  a  uma  economia  deprimida  e  sem  confiança  no   futuro  como  a  portuguesa.     A  anemia  económica  que  Portugal  foi  votado  -­‐  desde  a  introdução  do  euro  em  2001,   com  crescimentos  económicos  abaixo  de  1%,  apesar  da  forte  quebra  dos  juros,   crescimentos  esses  sempre  inferiores  em  pelo  menos  1,5%  à  media  comunitária   (provocando  necessariamente  a  queda  do  PIB  per  capita  relativamente  à  média  da   UE)  –  e  a  pressão  fiscal  até  2009  levaram  à  eliminação  de  milhares  de  empresas  e                                                                                                                           20  Bento,  V,  (2010).  O  Nó  Cego  da  Economia:  Bnomics,  Lisboa   21    Schumpeter,  Joseph  (2008)  Capitalism,  Socialism  and  Democracy,  3ª  ed,  Harperperennial,  Moderne  thought,   NY.     22  Santos,  RT  (2009),  Economia  Política  da  Corrupção:  Bnomics,  Lisboa     18  
  • 19. postos  de  trabalho  no  sector  privado,  bem  como  à  desmotivação  da  capacidade   empreendedora  dos  pequenos  e  médios  empresários  (responsáveis  por  mais  de  70%   do  emprego  na  economia  portuguesa)    que  em  face  das  complexidade  das  falências  e   das  responsabilidades  pessoais  pressupostas  na  leis  de  combate  à  fraude  e  evasão   fiscais  são  perseguidos  nas  liquidações  e  falências  pelos  processo  judiciais  muitas   vezes  abusivos  da  Autoridade  Tributária  e  da  Segurança  Social,  e  não  podem  ser   recuperados  para  novas  iniciativas  rapidamente,  gerando  níveis  de  ineficiência  no   principal  capital  do  país,  que  são  os  seus  empreendedores,  o  que  é  novo  num  país   como  Portugal,  onde  o  pequenos  e  médios  empresários  sempre  sobreviveram  apesar   da  dimensão  do  Estado,  mas  onde  as  grandes  empresas  vivem  apenas  das  rendas  e   concessões  públicas.   Depois  deste  ajustamento  feito  nos  últimos  anos  no  sector  privado,  chegou  agora  a   vez  dos  ajustamentos  na  área  do  sector  público,  que  emprega  cerca  de  20%  da   população  ativa  e  cujos  salários  são,  em  média,  superiores  em  15%  aos  do  sector   privado.  (Uma  das  medidas  aprovadas  pela  Troika  foi  a  redução  em  2012  dos  salários   dos  funcionários  públicos  em  14%)   A  estrutura  e  rigidez  de  despesa  pública  nas  grandes  rubricas  não  podem  ser   ignoradas  em  face  da  dimensão  e  da  urgência  da  consolidação.  Por  isso,  o  Executivo   de  centro-­‐direita  acabou  por  aumentar  os  impostos  em  vez  de  reduzir   verdadeiramente  as  despesas  publicas,  numa  altura  em  que  o  peso  do  sector  publico   ultrapassa  largamente    metade  da  economia  portuguesa.     Virão  ainda  em  2012,  as  medidas  na  área  dos  recursos  humanos,  das  prestações   sociais,  da  saúde,  das  transferências  para  outros  subsectores  da  Administração,  bem   como  do  investimento,  para  lá  das  medidas  que  visam  a  eficiência  do  funcionamento   da  Administração  Pública  e  do  Sector  Empresarial  do  Estado,  no  sentido  da  sua   reorganização  e  centralização  de  recursos.   Mas,  naturalmente  o  alcance  da  meta  orçamental  de  4,6%  do  PIB  em  2012  para  o   défice,  sem  recurso  a  receitas  extraordinárias,  vai  continuar  a  depender  também  de   medidas  que  promovam  o  aumento  de  receita,  preferencialmente  pela  via  da   redução  da  despesa  fiscal,  seguida  do  aumento  da  receita  fiscal,  bem  como   contributiva  e  não  fiscal.  E  neste  particular,  o  modelo  da  Troika  para    a  consolidação   acaba  por  ser  contraditório,  pois  as  medidas  geram  recessão  e  diminuição  das  receita   necessariamente,  só  é  compensada  por  novos  aumentos  de  Impostos  e  contribuições,   pois  o  contributo  das  exportações  ainda  não  resolve  o  défice  externo,  provocado   essencialmente  pelo  défice  energético  e  alimentar.  E  não  parece  ser  o  abandono  da   estratégia  de  apoio  às  energias  alternativas,  imposto  pelo  Troika  ao  arrepio  da   estratégia  seguida  curiosamente  pela  Alemanha  ou  pela  Dinamarca  uma  boa  solução.   Certamente  o  que  se  fez  em  2009  (governos  socialista  de  José  Sócrates)  de  aumento   dos  impostos  diretos  e  indiretos  aos  trabalhadores  e  do  défice  para  financiar  obras   faraónicas  e  sem  retorno,  apenas  para  dar  contratos  aos  empresários  próximos  do   Governo  e  sobretudo,  para  garantir  um  sistema  de  rendas  dos  incumbentes  da   energia,  telecomunicações  e  banca.       Não  encontramos  ainda  o  limite  a  capacidade  de  crescimento  da  carga  fiscal  em   Portugal,  apesar  dela  estar  hoje  acima  dos  40%  do  Rendimento  Nacional23.  Mas  está  à                                                                                                                           23  A  curva  de  Laffer  ainda  não  foi  provada  em  Portugal.  Contudo  pode  ser  uma  questão  de  intensidade  da   austeridade.  Admite-­‐se  que  em  2012  a  implementação  das  medidas  negociadas  com  a  Troika  possa  levar  a   economia  a  níveis  recessivos  maiores  que  o  estimado  e  nesse  caso  estaremos  perante  uma  impossibilidade  de     19