1 Form De Portugal

1.685 visualizações

Publicada em

Aspectos da formação do reino português e a sua relação com o pioneirsmo lusitano nas Grandes Navegações.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.685
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
100
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1 Form De Portugal

  1. 1. A Formação do Estado Nacional Português Prof.: Coutinho
  2. 2. <ul><li>As origens de Portugal são muito remotas </li></ul><ul><li>A Lusitânia era parte mais ocidental da província romana da Hispânia </li></ul>Formação do Reino Português
  3. 3. <ul><li>Em 709, durante a Expansão Árabe , muçulmanos vindos do Norte da África penetraram no sul da Península Ibérica </li></ul><ul><li>A resistência do Reino Visigótico das Astúrias (718) permitiu o surgimento de reinos cristãos menores, ao Norte: Leão , Castela , Navarra e Aragão </li></ul>EXPANSÃO ÁRABE
  4. 4. Formação do Reino Português No século XI, uniram-se à luta do reino de Leão, os domínios de Castela e Galiza (centro e norte de Portugal), sob o reinado de Afonso VI Muitos nobres marginalizados pelas transformações do feudalismo participaram das lutas contra os mouros – a Reconquista - em troca de benefícios. Henrique de Borgonha recebeu de Afonso VI o Condado Portucalense (1096) e a mão da filha do rei Afonso VI, D. Teresa, por seu apoio na luta contra os “infiéis”
  5. 5. Afonso Henriques de Borgonha rompeu as relações de vassalagem com Leão e Castela, vencendo os partidários de sua mãe, filha de Afonso VI, em 1128. Em 1137, foi asinada a Paz de Tui com os castellanos. A. Henriques declarou a independência do Condado Portucalense em 1139 . Afonso Henriques D. Teresa
  6. 6. A dinastia de Borgonha (1139-1385) foi responsável por um formidável desenvolvimento das atividades comerciais em Portugal. A decadência das rotas comerciais terrestres, forçada pelas guerras e pela Peste, favoreceu a posição de Portugal, a meio caminho entre o Mar Mediterrâneo e o Mar do Norte. Contudo, a concentração das atividades marítimo-mercantis passou a atrair os camponeses para as cidades litorâneas o que, ao mesmo tempo que expandia as atividades ligadas ao oceano, esvaziava as lavouras com a escassez de mão-de-obra, diminuía a produção rural e impedia o desenvolvimento das atividades manufatureiras.
  7. 7. A Revolução de avis – 1383-1385 <ul><li>Séculos após a independência portuguesa, com a morte de D. Fernando, o Formoso , último representante da dinastia de Borgonha, a soberania de Portugal estava em jogo, devido a aproximação de suas herdeiras com a nobreza castelhana. </li></ul><ul><li>A aliança do irmão bastardo do rei morto, D. João, Mestre da Ordem de Avis , com a burguesia, marinheiros e pescadores - a arraia-miúda , garantiu a Portugal a vitória sobre os espanhóis, na Batalha de Aljubarrota . </li></ul><ul><li>O processo praticamente extinguiu o frágil feudalismo lusitano, ampliando a soberania real e fortalecendo a classe emrcantil </li></ul>
  8. 8. A Revolução de Avis (1383/85), possibilitou que Portugal tivesse uma posição pioneira na expansão marítima, em virtude: a) do domínio lusitano sobre as rotas que ligavam o mar Mediterrâneo aos centros comerciais do Mar do Norte. b) da influência que a burguesia mercantil passou a ter junto ao poder central. c) da política seguida por D. Fernando, o Formoso, apoiando as expedições marítimas. d) da liberalização do processo político, como forma de superar a crise feudal. e) da perda de controle, pelo Estado centralizado, do capitalismo comercial.
  9. 9. 1. Clube Alentejano (Lisboa) 2. Fonte Mourisca (Sintra) 3. Catedral de Sevilla 1. 3. 2. Os traços da cultura árabe-islâmica podem ser notados até hoje nos países ibéricos
  10. 10. Ao analisarmos o processo de expansão mercantil de Portugal concluímos que: a) a falta de unidade política e territorial em Portugal determinava a fragilidade econômica interna. b) a expansão do império acarretava crescentes despesas para o Estado, queda da produtividade agrícola, diminuição da mão-de-obra, falta de investimentos industriais, afetando a economia nacional. c) a luta para expulsar os muçulmanos do reino português, que durou até o final do século XV, empobreceu a economia nacional que ficou carente de capitais. d) a liberdade comercial praticada pelo Estado português no século XV levou ao escoamento dos lucros para a Espanha, impedindo seu reinvestimento em Portugal. e) o empreendimento marítimo português revelou-se tímido, permanecendo Veneza como o principal centro redistribuidor dos produtos asiáticos, durante todo o século XVI.

×