SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Baixar para ler offline
SOCIEDADE DE ORDENS
ABSOLUTISMO RÉGIO
MERCANTILISMO
 Cada indivíduo pertencia a uma
ordem, de acordo com o seu
nascimento e prestígio das funções
sociais desempenhadas.
 Cada ordem diferentes honras e
privilégios, direitos e deveres
(incluindo leis próprias!) – não
existe igualdade entre todos.
 Os elementos de uma ordem
distinguem-se pela educação,
vestuário, forma de tratamento,
profissão/ocupações,
divertimentos… enfim, todo o
comportamento.
 É rigidamente hierarquizada,
dividida em três ordens
(=estados)…
O clero, o 1º Estado
 Funções do clero: culto religioso, ensino, assistência a pobres e
doentes.
 Dentro do clero distinguem-se vários grupos:
O clero, o 1º Estado
Alto clero (cardeais, bispos,
abades) – são oriundos da nobreza;
vivem uma vida confortável, por
vezes luxuosa, desempenham
cargos políticos, administrativos ou
no ensino
Baixo clero (monges, párocos) –
oriundos do povo, vivem de forma
simples e são, muitas vezes, pouco
letrados
Relembra!
O clero também se divide em:
• clero regular (vive em
mosteiros ou conventos.
ex.: monges, freiras,
abades)
• clero secular (vive junto
da população. ex.:
párocos, bispos)
 O clero é uma ordem privilegiada e poderosa. Principais
privilégios:
 Isenção do pagamento de impostos e da prestação de serviço
militar;
 Rege-se por leis próprias (direito canónico);
 É uma ordem riquíssima: possui grandes propriedades, recebe a
dízima e doações dos crentes;
 Tem influência política: o alto clero desempenha importantes
cargos na administração, no ensino e na corte;
 Controla o ensino: as escolas de todos os graus de ensino são
dirigidas pelo clero; muitos clérigos foram professores universitários
e autores reconhecidos;
 Tem muito prestígio e são respeitados por toda a sociedade.
O clero, o 1º Estado
 Funções da nobreza: desempenho de
funções militares e exercício de cargos
administrativos.
 A nobreza é uma ordem privilegiada e
poderosa. Principais privilégios:
 Isenção do pagamento de impostos
(exceto em tempo de guerra);
 Possuía inúmeras terras e cobrava direitos
senhoriais sobre elas;
 Regime jurídico próprio (= leis próprias).
Alta nobreza –vivem uma vida
luxuosa, muitas vezes na corte,
junto do rei, onde desempenham
cargos políticos e administrativos
Baixa nobreza – vivem uma vida
modesta, normalmente no meio
rural, vivendo dos rendimentos das
suas terras
 Dentro da nobreza distinguem-se vários grupos:
A moda da nobreza no século XVIII
 A maior parte da população pertence ao povo.
 É um grupo não privilegiado:
 Sustenta a sociedade com o seu trabalho;
 Paga impostos ao rei e a dízima ao clero;
 Paga as rendas e direitos senhoriais e presta
serviços à nobreza.
O Terceiro Estado (povo)
Uma Família de Camponeses, de Louis
la Main, 1641.
Louis Le Nain, Uma família camponesa, "la
 Fazem parte do Terceiro Estado indivíduos que desempenham
funções muito diversas e por isso têm diferentes condições de vida.
 Observa o seguinte quadro:
O Terceiro Estado
O Terceiro Estado subdivide-se em:
BURGUESIA
Composta por comerciantes, mas também por indivíduos que tinham
formação superior e podiam exercer funções administrativas.
POVO Constituído por camponeses (cerca de 80%), artesãos e serviçais.
Burguesia
 No quotidiano, as três
ordens (e todos os seus
estratos) diferenciam-se:
 Pelo traje
 Pelas formas de saudação e
tratamento
 Pela maneira como
conviviam uns com os
outros
Diversidade de
comportamentos e valores
A mobilidade social
 A mobilidade social era
muito reduzida, isto é,
ascender na hierarquia da
sociedade não era fácil.
 Porém, lentamente, em
algumas situações o
Terceiro Estado consegue
ascender socialmente.
 Como? Os burgueses
letrados que
desempenhavam cargos
importantes eram por vezes
nobilitados (recebiam um
título de nobre).
 As vias da mobilidade da
burguesia eram:
 O estudo;
 O casamento com
membros da nobreza;
 Compra de títulos de
nobreza;
 Os lucros do grande
comércio;
 A dedicação aos cargos
públicos.
Em jeito de síntese…
O ABSOLUTISMO
 Durante o Antigo Regime, a
esmagadora maioria dos Estados
europeus (com exceção da Inglaterra
e da Holanda) conheceram um
regime político denominado
Absolutismo.
 As principais características do
absolutismo eram:
 A ideia de direito divino dos reis;
 O rei concentrava em si todos os
poderes e funções do Estado;
 Todos os grupos sociais estavam
subjugados ao poder do rei.
 Absolutismo – regime político que
vigorou em quase toda a Europa entre
os séculos XVI e XVIII (Antigo
Regime). O poder régio tem origem
divina, o rei centraliza em si todos os
poderes e exerce-os sem limitação ou
controlo de qualquer órgão ou poder.
A doutrina do direito divino dos
reis
Por muito mau que possa ser um príncipe, a revolta
dos seus súbditos é sempre infinitamente criminosa.
Deus, que enviou o rei aos homens, quis que eles o
respeitassem […], apenas a Ele se reconhece o
poder de julgar os seus atos.
Luís XIV, Mémoires pour l’ année 1667
Os monarcas absolutos concentram todos os
poderes nas suas mãos “Todo o poder está na mão do rei, e
não pode haver outra autoridade no
Reino para além da que ele estabelece.
[…] O Estado sou Eu.” (Luís XIV)
Os principais monarcas absolutos
Na Europa Em Portugal
Luís XIV (França)
Isabel I (Inglaterra)
D. Pedro II
D. João V
Luís XIV, rei de França. Quadro de Rigaud, 1701 D. João V, rei de Portugal. Séc. XVIII.
A Corte régia – encenação do poder
Em jeito de síntese…
O MERCANTILISMO
A VISÃO EUROPEIA
Tesouro dos
Estados
FAVORÁVEL
Balança
comercial
mais
exportações
Menos
importações
METRÓPOLE COLÓNIAS
Ouro, prata,
produtos
exóticos e
produtos
agrícolas
Produtos
manufaturados
A economia do Antigo Regime
 A economia do Antigo Regime caracterizou-se pelo predomínio
das atividades agrícola e mercantil.
A agricultura no Antigo
Regime
• Investimentos reduzidos
• Abandono de muitas terras
de cultivo
• Recurso a instrumentos
agrícolas muito artesanais
• Prática do pousio
• Técnicas agrícolas
arcaicas
• Produtividade dependente
das condições climáticas
FRACA PRODUTIVIDADE
O comércio e as manufaturas no Antigo
Regime
A Expansão marítima trouxe um aumento
do tráfico comercial nos finais do século
XVI até ao século XVIII.
Desenvolveu-se o comércio colonial: a
Europa exportava produtos
manufaturados (tecidos, ferramentas,
calçado, etc.) para trocar pelas riquezas
ultramarinas (metais preciosos, produtos
exóticos e produtos agrícolas).
As cidades europeias enriqueceram
graças ao desenvolvimento do comércio
e da indústria manufatureira, bem como
os campos, pois os agricultores
começaram a produzir matérias-primas
para a indústria, como linho e plantas
tintureiras, e a criar gado lanígero
(mercantilização do mundo rural).
A economia do Antigo Regime
O comércio colonial
Uma manufatura de sapatos no Antigo Regime
O mercantilismo
 Os reis absolutistas empenharam-se em desenvolver a riqueza
dos seus países para imporem a grandeza do Estado aos seus
súbditos e aos Estados estrangeiros. Por isso desenvolveu-se o
mercantilismo.
 O mercantilismo foi uma doutrina política e económica
desenvolvida nos séculos XVI a XVIII, na Europa.
A riqueza e o poder de um
Estado assenta na
quantidade de metal
precioso que este acumula
A atividade que melhor
possibilita a acumulação
de dinheiro é o comércio
externo
A balança comercial do
país deve ser favorável
(mais exportações do que
importações)
O Estado deve intervir na
economia (o rei controla as
atividades económicas)
Mercantilismo
(princípios)
O que é a balança comercial?
A balança comercial é a relação entre as importações e exportações
de um país ou região.
As medidas mercantilistas
 As principais medidas económicas
adotadas pelos Estados europeus
nesta época foram:
 Desenvolvimento das
manufaturas, para evitar a
compra de produtos ao
estrangeiro;
 Desenvolvimento do comércio
internacional com a criação de
companhias de comércio;
 Implementação de uma política
protecionista, que protegia a
indústria e o comércio nacionais
através do aumento dos impostos
(taxas alfandegárias) sobre as
importações e diminuindo-os nas
exportações.
Colbert
Em jeito de síntese…

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formação das Monarquias Nacionais Europeias: A Guerra da Reconquista
Formação das Monarquias Nacionais Europeias: A Guerra da ReconquistaFormação das Monarquias Nacionais Europeias: A Guerra da Reconquista
Formação das Monarquias Nacionais Europeias: A Guerra da ReconquistaPaulo Roberto
 
A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais Marcelo Ferreira Boia
 
Aula 1 1º ano - historia
Aula 1   1º ano - historiaAula 1   1º ano - historia
Aula 1 1º ano - historiaAluno Mecanica
 
A formação dos estados nacionais
A formação dos estados nacionaisA formação dos estados nacionais
A formação dos estados nacionaishercules_nascimento
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - A formação dos estados nacionais
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  A formação dos estados nacionaiswww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  A formação dos estados nacionais
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - A formação dos estados nacionaisAulasDeHistoriaApoio
 
História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)Giorgia Marrone
 
Idade Média - Reinos Bárbaros e Feudalismo
Idade Média - Reinos Bárbaros e FeudalismoIdade Média - Reinos Bárbaros e Feudalismo
Idade Média - Reinos Bárbaros e FeudalismoPaulo Alexandre
 
Formação da europa feudal
Formação da europa feudalFormação da europa feudal
Formação da europa feudalJosé Gomes
 
A Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias NacionaisA Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias NacionaisGilmar Rodrigues
 
Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)Wilton Moretto
 
A formação da Europa Feuldal
A formação da Europa FeuldalA formação da Europa Feuldal
A formação da Europa FeuldalShesley Reis
 
A expansão dos francos e o império carolíngio.
A expansão dos francos e o império carolíngio.A expansão dos francos e o império carolíngio.
A expansão dos francos e o império carolíngio.Joemille Leal
 
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismoFormacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismoMarcio Cicchelli
 
Os francos e o feudalismo
Os francos e o feudalismoOs francos e o feudalismo
Os francos e o feudalismomaida marciano
 

Mais procurados (18)

Formação das Monarquias Nacionais Europeias: A Guerra da Reconquista
Formação das Monarquias Nacionais Europeias: A Guerra da ReconquistaFormação das Monarquias Nacionais Europeias: A Guerra da Reconquista
Formação das Monarquias Nacionais Europeias: A Guerra da Reconquista
 
A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais
 
Aula 1 1º ano - historia
Aula 1   1º ano - historiaAula 1   1º ano - historia
Aula 1 1º ano - historia
 
Monarquias Nacionais
Monarquias NacionaisMonarquias Nacionais
Monarquias Nacionais
 
Monarquias
MonarquiasMonarquias
Monarquias
 
A formação dos estados nacionais
A formação dos estados nacionaisA formação dos estados nacionais
A formação dos estados nacionais
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - A formação dos estados nacionais
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  A formação dos estados nacionaiswww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  A formação dos estados nacionais
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - A formação dos estados nacionais
 
História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)
 
Idade Média - Reinos Bárbaros e Feudalismo
Idade Média - Reinos Bárbaros e FeudalismoIdade Média - Reinos Bárbaros e Feudalismo
Idade Média - Reinos Bárbaros e Feudalismo
 
Europa medieval
Europa medievalEuropa medieval
Europa medieval
 
Formação da europa feudal
Formação da europa feudalFormação da europa feudal
Formação da europa feudal
 
A Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias NacionaisA Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias Nacionais
 
Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
A formação da Europa Feuldal
A formação da Europa FeuldalA formação da Europa Feuldal
A formação da Europa Feuldal
 
A expansão dos francos e o império carolíngio.
A expansão dos francos e o império carolíngio.A expansão dos francos e o império carolíngio.
A expansão dos francos e o império carolíngio.
 
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismoFormacao dos-estados-nacionais-absolutismo
Formacao dos-estados-nacionais-absolutismo
 
Os francos e o feudalismo
Os francos e o feudalismoOs francos e o feudalismo
Os francos e o feudalismo
 

Destaque

A europa dos parlamentos holanda
A europa dos parlamentos  holandaA europa dos parlamentos  holanda
A europa dos parlamentos holandaCarla Teixeira
 
O império holandês e inglês
O império holandês e inglêsO império holandês e inglês
O império holandês e inglêsDiogoChico8c
 
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVIIAscensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVIIRainha Maga
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuVítor Santos
 

Destaque (6)

A europa dos parlamentos holanda
A europa dos parlamentos  holandaA europa dos parlamentos  holanda
A europa dos parlamentos holanda
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
O império holandês e inglês
O império holandês e inglêsO império holandês e inglês
O império holandês e inglês
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVIIAscensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
 

Semelhante a Sociedade estamental e mercantilismo no Antigo Regime

4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).pptAnabela Costa
 
O antigo regime: regra e exceção
O antigo regime: regra e exceçãoO antigo regime: regra e exceção
O antigo regime: regra e exceçãoZé Mário
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentosVítor Santos
 
1 O Antigo Regime
1   O Antigo Regime1   O Antigo Regime
1 O Antigo RegimeHist8
 
00 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_400 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_4Vítor Santos
 
ABSOLUTISMO_REGIO.ppt
ABSOLUTISMO_REGIO.pptABSOLUTISMO_REGIO.ppt
ABSOLUTISMO_REGIO.pptssuser05d3dd
 
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.pptPedroHorta17
 
04 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_404 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_4Vítor Santos
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)Andreia Pacheco
 
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891Joana Alves
 
Slide historia-antigo regime frances
Slide historia-antigo regime francesSlide historia-antigo regime frances
Slide historia-antigo regime francesCeliamariag3
 
Hist A11 Europa Politica Social Xvi Ie Xviii Denise S Almeida[1]
Hist A11 Europa Politica Social Xvi Ie Xviii Denise S Almeida[1]Hist A11 Europa Politica Social Xvi Ie Xviii Denise S Almeida[1]
Hist A11 Europa Politica Social Xvi Ie Xviii Denise S Almeida[1]josepedrosilva
 
A Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos.ppt
A Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos.pptA Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos.ppt
A Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos.pptssuser05d3dd
 
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdfHCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdfsabinachourico
 

Semelhante a Sociedade estamental e mercantilismo no Antigo Regime (20)

4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
 
O antigo regime: regra e exceção
O antigo regime: regra e exceçãoO antigo regime: regra e exceção
O antigo regime: regra e exceção
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
1 O Antigo Regime
1   O Antigo Regime1   O Antigo Regime
1 O Antigo Regime
 
00 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_400 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_4
 
ABSOLUTISMO_REGIO.ppt
ABSOLUTISMO_REGIO.pptABSOLUTISMO_REGIO.ppt
ABSOLUTISMO_REGIO.ppt
 
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt
 
Antigo do regime 1
Antigo do regime 1Antigo do regime 1
Antigo do regime 1
 
04 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_404 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_4
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
 
Slide historia
Slide historiaSlide historia
Slide historia
 
Slide historia
Slide historiaSlide historia
Slide historia
 
Slide historia-antigo regime frances
Slide historia-antigo regime francesSlide historia-antigo regime frances
Slide historia-antigo regime frances
 
modulo-4.pdf
modulo-4.pdfmodulo-4.pdf
modulo-4.pdf
 
Hist A11 Europa Politica Social Xvi Ie Xviii Denise S Almeida[1]
Hist A11 Europa Politica Social Xvi Ie Xviii Denise S Almeida[1]Hist A11 Europa Politica Social Xvi Ie Xviii Denise S Almeida[1]
Hist A11 Europa Politica Social Xvi Ie Xviii Denise S Almeida[1]
 
A Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos.ppt
A Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos.pptA Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos.ppt
A Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos.ppt
 
O Antigo Regime.
O Antigo Regime.O Antigo Regime.
O Antigo Regime.
 
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdfHCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
 

Último

QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 

Último (20)

QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 

Sociedade estamental e mercantilismo no Antigo Regime

  • 1. SOCIEDADE DE ORDENS ABSOLUTISMO RÉGIO MERCANTILISMO
  • 2.  Cada indivíduo pertencia a uma ordem, de acordo com o seu nascimento e prestígio das funções sociais desempenhadas.  Cada ordem diferentes honras e privilégios, direitos e deveres (incluindo leis próprias!) – não existe igualdade entre todos.  Os elementos de uma ordem distinguem-se pela educação, vestuário, forma de tratamento, profissão/ocupações, divertimentos… enfim, todo o comportamento.  É rigidamente hierarquizada, dividida em três ordens (=estados)…
  • 3. O clero, o 1º Estado
  • 4.  Funções do clero: culto religioso, ensino, assistência a pobres e doentes.  Dentro do clero distinguem-se vários grupos: O clero, o 1º Estado Alto clero (cardeais, bispos, abades) – são oriundos da nobreza; vivem uma vida confortável, por vezes luxuosa, desempenham cargos políticos, administrativos ou no ensino Baixo clero (monges, párocos) – oriundos do povo, vivem de forma simples e são, muitas vezes, pouco letrados Relembra! O clero também se divide em: • clero regular (vive em mosteiros ou conventos. ex.: monges, freiras, abades) • clero secular (vive junto da população. ex.: párocos, bispos)
  • 5.  O clero é uma ordem privilegiada e poderosa. Principais privilégios:  Isenção do pagamento de impostos e da prestação de serviço militar;  Rege-se por leis próprias (direito canónico);  É uma ordem riquíssima: possui grandes propriedades, recebe a dízima e doações dos crentes;  Tem influência política: o alto clero desempenha importantes cargos na administração, no ensino e na corte;  Controla o ensino: as escolas de todos os graus de ensino são dirigidas pelo clero; muitos clérigos foram professores universitários e autores reconhecidos;  Tem muito prestígio e são respeitados por toda a sociedade. O clero, o 1º Estado
  • 6.  Funções da nobreza: desempenho de funções militares e exercício de cargos administrativos.  A nobreza é uma ordem privilegiada e poderosa. Principais privilégios:  Isenção do pagamento de impostos (exceto em tempo de guerra);  Possuía inúmeras terras e cobrava direitos senhoriais sobre elas;  Regime jurídico próprio (= leis próprias).
  • 7. Alta nobreza –vivem uma vida luxuosa, muitas vezes na corte, junto do rei, onde desempenham cargos políticos e administrativos Baixa nobreza – vivem uma vida modesta, normalmente no meio rural, vivendo dos rendimentos das suas terras  Dentro da nobreza distinguem-se vários grupos:
  • 8. A moda da nobreza no século XVIII
  • 9.  A maior parte da população pertence ao povo.  É um grupo não privilegiado:  Sustenta a sociedade com o seu trabalho;  Paga impostos ao rei e a dízima ao clero;  Paga as rendas e direitos senhoriais e presta serviços à nobreza. O Terceiro Estado (povo)
  • 10. Uma Família de Camponeses, de Louis la Main, 1641. Louis Le Nain, Uma família camponesa, "la
  • 11.  Fazem parte do Terceiro Estado indivíduos que desempenham funções muito diversas e por isso têm diferentes condições de vida.  Observa o seguinte quadro: O Terceiro Estado O Terceiro Estado subdivide-se em: BURGUESIA Composta por comerciantes, mas também por indivíduos que tinham formação superior e podiam exercer funções administrativas. POVO Constituído por camponeses (cerca de 80%), artesãos e serviçais.
  • 13.  No quotidiano, as três ordens (e todos os seus estratos) diferenciam-se:  Pelo traje  Pelas formas de saudação e tratamento  Pela maneira como conviviam uns com os outros Diversidade de comportamentos e valores
  • 14. A mobilidade social  A mobilidade social era muito reduzida, isto é, ascender na hierarquia da sociedade não era fácil.  Porém, lentamente, em algumas situações o Terceiro Estado consegue ascender socialmente.  Como? Os burgueses letrados que desempenhavam cargos importantes eram por vezes nobilitados (recebiam um título de nobre).  As vias da mobilidade da burguesia eram:  O estudo;  O casamento com membros da nobreza;  Compra de títulos de nobreza;  Os lucros do grande comércio;  A dedicação aos cargos públicos.
  • 15. Em jeito de síntese…
  • 17.
  • 18.  Durante o Antigo Regime, a esmagadora maioria dos Estados europeus (com exceção da Inglaterra e da Holanda) conheceram um regime político denominado Absolutismo.  As principais características do absolutismo eram:  A ideia de direito divino dos reis;  O rei concentrava em si todos os poderes e funções do Estado;  Todos os grupos sociais estavam subjugados ao poder do rei.  Absolutismo – regime político que vigorou em quase toda a Europa entre os séculos XVI e XVIII (Antigo Regime). O poder régio tem origem divina, o rei centraliza em si todos os poderes e exerce-os sem limitação ou controlo de qualquer órgão ou poder.
  • 19. A doutrina do direito divino dos reis Por muito mau que possa ser um príncipe, a revolta dos seus súbditos é sempre infinitamente criminosa. Deus, que enviou o rei aos homens, quis que eles o respeitassem […], apenas a Ele se reconhece o poder de julgar os seus atos. Luís XIV, Mémoires pour l’ année 1667
  • 20. Os monarcas absolutos concentram todos os poderes nas suas mãos “Todo o poder está na mão do rei, e não pode haver outra autoridade no Reino para além da que ele estabelece. […] O Estado sou Eu.” (Luís XIV)
  • 21. Os principais monarcas absolutos Na Europa Em Portugal Luís XIV (França) Isabel I (Inglaterra) D. Pedro II D. João V Luís XIV, rei de França. Quadro de Rigaud, 1701 D. João V, rei de Portugal. Séc. XVIII.
  • 22. A Corte régia – encenação do poder
  • 23. Em jeito de síntese…
  • 24. O MERCANTILISMO A VISÃO EUROPEIA Tesouro dos Estados FAVORÁVEL Balança comercial mais exportações Menos importações METRÓPOLE COLÓNIAS Ouro, prata, produtos exóticos e produtos agrícolas Produtos manufaturados
  • 25. A economia do Antigo Regime  A economia do Antigo Regime caracterizou-se pelo predomínio das atividades agrícola e mercantil. A agricultura no Antigo Regime • Investimentos reduzidos • Abandono de muitas terras de cultivo • Recurso a instrumentos agrícolas muito artesanais • Prática do pousio • Técnicas agrícolas arcaicas • Produtividade dependente das condições climáticas FRACA PRODUTIVIDADE
  • 26. O comércio e as manufaturas no Antigo Regime A Expansão marítima trouxe um aumento do tráfico comercial nos finais do século XVI até ao século XVIII. Desenvolveu-se o comércio colonial: a Europa exportava produtos manufaturados (tecidos, ferramentas, calçado, etc.) para trocar pelas riquezas ultramarinas (metais preciosos, produtos exóticos e produtos agrícolas). As cidades europeias enriqueceram graças ao desenvolvimento do comércio e da indústria manufatureira, bem como os campos, pois os agricultores começaram a produzir matérias-primas para a indústria, como linho e plantas tintureiras, e a criar gado lanígero (mercantilização do mundo rural). A economia do Antigo Regime O comércio colonial Uma manufatura de sapatos no Antigo Regime
  • 27. O mercantilismo  Os reis absolutistas empenharam-se em desenvolver a riqueza dos seus países para imporem a grandeza do Estado aos seus súbditos e aos Estados estrangeiros. Por isso desenvolveu-se o mercantilismo.  O mercantilismo foi uma doutrina política e económica desenvolvida nos séculos XVI a XVIII, na Europa. A riqueza e o poder de um Estado assenta na quantidade de metal precioso que este acumula A atividade que melhor possibilita a acumulação de dinheiro é o comércio externo A balança comercial do país deve ser favorável (mais exportações do que importações) O Estado deve intervir na economia (o rei controla as atividades económicas) Mercantilismo (princípios)
  • 28. O que é a balança comercial? A balança comercial é a relação entre as importações e exportações de um país ou região.
  • 29. As medidas mercantilistas  As principais medidas económicas adotadas pelos Estados europeus nesta época foram:  Desenvolvimento das manufaturas, para evitar a compra de produtos ao estrangeiro;  Desenvolvimento do comércio internacional com a criação de companhias de comércio;  Implementação de uma política protecionista, que protegia a indústria e o comércio nacionais através do aumento dos impostos (taxas alfandegárias) sobre as importações e diminuindo-os nas exportações.
  • 31. Em jeito de síntese…