SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
Universidade Estadual de Goiás
Câmpus São Luís de Montes Belos
Discentes: Priscila Hilária de Souza
Sara Souza Nunes Silvestre
Disciplina: Literatura Brasileira III
Docente: Renata Simião
Letras – 4º ano
Sobre o autor
José Lins do Rego
"Não gosto de trabalhar, não fumo, durmo com muitos
sonos e já escrevi 11 romances. Se chove, tenho
saudades do sol; se faz calor, tenho saudades da
chuva. Temo os poderes de Deus, e fui devoto de
Nossa Senhora da Conceição. Enfim, literato da
cabeça aos pés, amigo dos meus amigos e capaz de
tudo se me pisarem nos calos. Perco então a cabeça e
fico ridículo. Afinal de contas, sou um homem como os
outros e Deus permita que assim continue." Esta é a
auto-descrição de José Lins do Rego, considerado um
dos maiores ficcionistas da língua portuguesa.
Nasceu em 1901, na Paraíba. Em 1919 ingressou na faculdade
de direito do Recife. No ano seguinte, passou a escrever uma
coluna literária para o jornal "Diário do Estado da Paraíba". Em
1924 formou-se e, no ano seguinte, casou-se com Filomena
Masa Lins do Rego, com quem teve três filhas. Em 1925, Lins
do Rego assumiu o posto de promotor público na cidade de
Manhuaçu, em Minas Gerais, mas no ano seguinte mudou-se
para Maceió, onde começou a trabalhar como fiscal de bancos,
cargo que ocupou até 1930.
Dois anos depois, José Lins do Rego publicou seu primeiro
livro, "Menino de Engenho". Custeado com seus próprios
recursos, o livro recebeu críticas favoráveis e tornou-se um
grande sucesso. No ano seguinte, publicou um segundo
romance, "Doidinho". A partir daí, o editor José Olympio lhe
propôs uma edição de dez mil exemplares para o terceiro
romance. José Lins do Rego tornou-se um escritor de prestígio,
estimado pelo público.
Passou a publicar um romance por ano: em
1934, "Banguê"; em 1935, "O Moleque
Ricardo"; em 1936, "Usina"; em 1937, "Pureza";
em 1938, "Pedra Bonita"; e em 1939, "Riacho
Doce".
A obra de José Lins do Rego, bastante
conhecida, foi adaptada para o teatro, o cinema
e televisão. Em 1956 Lins do Rego publicou
"Meus Verdes Anos", um livro de memórias. No
ano seguinte morreu de um problema hepático,
aos 56 anos, no Rio de Janeiro.
Tempo
Doidinho, romance autobiográfico de José Lins do Rego, foi publicado
em 1933, e é o segundo livro do “Ciclo da Cana-de-Açúcar”. É narrado
no tempo linear.
A técnica de narração usada nesta obra por José Lins para denunciar os
problemas sociais da época segue, de certa forma, o caminho inverso
de Menino de engenho. Em Doidinho, o próprio narrador encontra-se
inserido dentro de um sistema injusto e opressor, sentindo na pele as
suas consequências. Já na primeira obra, ele é apenas um denunciador
das injustiças sociais vividas pelos pobres do engenho. O colégio como
um todo, o diretor, os alunos e funcionários são a representação de uma
sociedade injusta e repressiva contra a qual o protagonista se opõe. O
título do livro é apelido que Carlos Melo adquirira e narra suas
experiências da personagem quando internado em um colégio severo.
Carlos é enviado para um internato e lá encontra um universo regido
pela palmatória e pela injustiça, num romance que lembra O ateneu, de
Raul Pompéia.
Personagens
 Carlos de Melo, o Doidinho, que é a personagem principal;
O avô de Doidinho, Coronel Zé Paulino;
Maciel, diretor e professor do colégio;
Maria Luísa, a amada de Doidinho;
As alunas Lisette, Maria de Lourdes, Guiomar e Elza;
Os novatos Clóvis e Elias;
O aluno Pedro Muniz, que roubou a namorada de
Doidinho;
O melhor amigo de Doidinho José João, o "Coruja“.
Enredo
Publicado em 1933;
“Ciclo da cana de açúcar”;
De Santa Rosa para o I.N.S.C. –
Instituto Nossa Senhora do Carmo;
“O colégio de Itabaiana criara fama pelo
seu rigorismo.”
Castigos (palmatórias)
“Foi pior. A língua não me ajudava.
Quando vi foi ele com a palmatória na
mão.”
Carlinhos  Carlos de Melo
“Agora, Carlos de Melo. Parecia que era
outra pessoa que eu criara de repente.
Ficara um homem.”
Apelido
“Fazia um mês que eu chegara ao colégio.
[...]O meu nervoso, a minha impaciência
mórbida de não parar em um lugar, de fazer
tudo às carreiras, os meus recolhimentos,
os meus choros inexplicáveis, me
batizaram assim pela segunda vez. Só me
chamavam de Doidinho. E a verdade é que
eu não repelia o apelido.” [...] o Coruja, Pão
Duro, o Papa-Figo.”
Aurélio e Carlos de Melo eram “os
esquecidos”
“Uma vez, numa terça-feira, me
encontrei sozinho com Aurélio, no
colégio. Todos haviam saído.”
A carta
“_ Eu queria que você escrevesse uma
carta lá pra casa, Coruja.”
Aprendizado
“O velho Maciel tinha razão. Em pouco
tempo adiantara-me bastante.”
Religiosidade
“ O padre Fileto viera pedir ao diretor
para levar os colégio às práticas.”
Meninas (externas)
“Lisette, Maria de Lourdes, Guiomar,
Elza, Tatá, e uma que me fazia as horas
das aulas correrem depressa. [...]
Chamava-se Maria Luísa.”
A primeira carta de amor
“Maria, terça-feira passei por sua porta,
vi você com sua mãe”.
Religiosidade
“Davam-se as lições de religião no
mesmo jeito com que no engenho
ensinavam aos papagaios.
_ Papagaio real, veio de Portugal, dá-me
um beijo, meu louro!”
“[...] nem parecia um dia de abril [...]. O
colégio levantara-se mais cedo para os
preparativos da primeira comunhão.”
Férias de Semana Santa
“No trem da Paraíba foram-se Vergara,
José Augusto, os filhos do Simplício
Coelho. No de Recife, Heitor. Coruja no
de Campina Grande. Despediu-se de
mim de olhos umedecidos. Só eu sabia
que não voltava mais.”
Fome
“Ficava com raiva da igreja, de Deus, de
todo o mundo, quando a forme me
apertava. Nunca sentira fome. Ali no
colégio, fora experimentar pela primeira
vez a agonia de um estômago vazio num
corpo são.”
Não tinha palmatória, mas tinha o jejum
Limpeza
“Tanto luxo com os móveis e a casa, e
no entanto nos deixava na maior
imundície.”
Paula
“A negra Paula tinha sempre um menino
preferido para os seus agrados.”
Retorno dos outros
“Pareciam outros: oito dias voltavam
gordos e queimados.”
“O pai doido e a tia doida. O meu pai no
asilo e o meu nome Doidinho.”
Rotina volta como era antes do feriado;
Elias do Riachão (ovelha negra);
Pedro Muniz ( o concorrente – Maria
Luísa)
“Nunca ouvi bolos soando melhor aos
meus ouvidos. [...] O amor nos ensinava
a ser ruins.”
A volta de José João (Coruja);
Pão Duro e Clóvis;
Férias no engenho
“Voltei para a casa-grande com a satisfação
de haver entrado na posse dos meus
domínios.”
“Saí das leituras galantes para alegre
camaradagem da natureza.”
Carta de José João (Coruja);
Dia de S. Pedro;
Retornando para o colégio;
Morte de Aurélio (Papa-Figo);
Vovó Galdina morre;
No dia da parada (7 de setembro), todos
saíram para o desfile, nesse momento
Carlos de Melo começou a sentir
saudades de casa e conseguiu fugir.
Espaço
Se passa tanto na cidade Itabaiana e no
engenho Santa Rosa.
Tipo de romance
Romance de tensão crítica: o herói
resiste às pressões da natureza e do
meio social
Referências
 Rego, José Lins do, 1901-1957. Romances reunidos e
ilustrados, 2: Doidinho/José Lins do Rego. 25. ed. – Rio de
Janeiro: J. Olympio, 1983. 1. Romance brasileiro I. Título II.
Título: Doidinho.
 BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. 2ª
Edição. São Paulo: Editora, 1978.
 <http://www.recantodasletras.com.br/resenhasdelivros/13085
08 > acesso em 29/05
 < http://www.passeiweb.com/estudos/livros/doidinho > acesso
em 29/05

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Sinais de pontuação - ENEM
Sinais de pontuação - ENEM Sinais de pontuação - ENEM
Sinais de pontuação - ENEM
 
Oficina de minicontos
Oficina de minicontosOficina de minicontos
Oficina de minicontos
 
Coerencia e coesao_textuais
Coerencia e coesao_textuaisCoerencia e coesao_textuais
Coerencia e coesao_textuais
 
Resenha.
Resenha.Resenha.
Resenha.
 
Minicontos
MinicontosMinicontos
Minicontos
 
Deu a louca em romeu e julieta comédia
Deu a louca em romeu e julieta comédiaDeu a louca em romeu e julieta comédia
Deu a louca em romeu e julieta comédia
 
SLIDES DA AULA - SABER 11.pptx
SLIDES DA AULA - SABER 11.pptxSLIDES DA AULA - SABER 11.pptx
SLIDES DA AULA - SABER 11.pptx
 
Milton Hatoum
Milton HatoumMilton Hatoum
Milton Hatoum
 
Prosa e Poesia
Prosa e PoesiaProsa e Poesia
Prosa e Poesia
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
Figuras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - IroniaFiguras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - Ironia
 
Figuras de pensamento
Figuras de pensamentoFiguras de pensamento
Figuras de pensamento
 
Trabalho de lingua portuguesa (generos literarios)
Trabalho de lingua portuguesa (generos literarios)Trabalho de lingua portuguesa (generos literarios)
Trabalho de lingua portuguesa (generos literarios)
 
Plano de aula crônica
Plano de aula crônicaPlano de aula crônica
Plano de aula crônica
 
Trabalho memes pdf
Trabalho memes pdfTrabalho memes pdf
Trabalho memes pdf
 
Gênero épico
Gênero épicoGênero épico
Gênero épico
 
Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2
Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2
Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2
 
Cronicas
CronicasCronicas
Cronicas
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
Fábulas
FábulasFábulas
Fábulas
 

Semelhante a José Lins do Rego e seu romance Doidinho

Lygia Fagundes Telles
Lygia Fagundes TellesLygia Fagundes Telles
Lygia Fagundes Tellescvp
 
Minha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyMinha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyCláudia Heloísa
 
Especial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorEspecial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorAna Batista
 
Guimaraes.rosa.primeiras.estorias
Guimaraes.rosa.primeiras.estoriasGuimaraes.rosa.primeiras.estorias
Guimaraes.rosa.primeiras.estoriasAriane Mafra
 
Análise literária - Clarice Lispector
Análise literária - Clarice LispectorAnálise literária - Clarice Lispector
Análise literária - Clarice LispectorRegina Gabriela
 
Semana Da Leitura Filipa
Semana Da Leitura FilipaSemana Da Leitura Filipa
Semana Da Leitura Filipaportuguese24
 
Biografia de Fernando Sabino
Biografia de Fernando SabinoBiografia de Fernando Sabino
Biografia de Fernando SabinoFernandabiiiia
 
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos ReisTrabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos ReisMarcus Rodrigues
 
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZSEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZMarcelo Fernandes
 
Erico verissimo 02
Erico verissimo 02Erico verissimo 02
Erico verissimo 02Marli Maciel
 
Livros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileiraLivros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileiraGabriel Martins
 
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia Laguat
 
Resenha Capitães da Areia Jorge Amado
Resenha Capitães da Areia Jorge Amado Resenha Capitães da Areia Jorge Amado
Resenha Capitães da Areia Jorge Amado Laguat
 

Semelhante a José Lins do Rego e seu romance Doidinho (20)

Lygia Fagundes Telles
Lygia Fagundes TellesLygia Fagundes Telles
Lygia Fagundes Telles
 
Raquel de Queiroz
Raquel de Queiroz Raquel de Queiroz
Raquel de Queiroz
 
Rachel de queiroz
Rachel de queirozRachel de queiroz
Rachel de queiroz
 
Amar, Verbo Intransitivo - 3ª Série A
Amar, Verbo Intransitivo -  3ª Série AAmar, Verbo Intransitivo -  3ª Série A
Amar, Verbo Intransitivo - 3ª Série A
 
Minha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyMinha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena Morley
 
Especial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorEspecial Clarice Lispector
Especial Clarice Lispector
 
Guimaraes.rosa.primeiras.estorias
Guimaraes.rosa.primeiras.estoriasGuimaraes.rosa.primeiras.estorias
Guimaraes.rosa.primeiras.estorias
 
Atividade 02
Atividade 02Atividade 02
Atividade 02
 
Análise literária - Clarice Lispector
Análise literária - Clarice LispectorAnálise literária - Clarice Lispector
Análise literária - Clarice Lispector
 
Semana Da Leitura Filipa
Semana Da Leitura FilipaSemana Da Leitura Filipa
Semana Da Leitura Filipa
 
Clarice lispector
Clarice lispector Clarice lispector
Clarice lispector
 
Aula quarto de despejo
Aula quarto de despejoAula quarto de despejo
Aula quarto de despejo
 
Biografia de Fernando Sabino
Biografia de Fernando SabinoBiografia de Fernando Sabino
Biografia de Fernando Sabino
 
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos ReisTrabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
 
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZSEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
SEMINÁRIO DE LITERATURA - RAQUEL DE QUEIROZ
 
Clarice lispector- A hora da Estrela
Clarice lispector- A hora da EstrelaClarice lispector- A hora da Estrela
Clarice lispector- A hora da Estrela
 
Erico verissimo 02
Erico verissimo 02Erico verissimo 02
Erico verissimo 02
 
Livros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileiraLivros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileira
 
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
Resenha Jorge Amando Capitães da Areia
 
Resenha Capitães da Areia Jorge Amado
Resenha Capitães da Areia Jorge Amado Resenha Capitães da Areia Jorge Amado
Resenha Capitães da Areia Jorge Amado
 

Mais de Priscila Hilária

Atividade de língua portuguesa
Atividade de língua portuguesaAtividade de língua portuguesa
Atividade de língua portuguesaPriscila Hilária
 
Substantivos - Malandramente
Substantivos - MalandramenteSubstantivos - Malandramente
Substantivos - MalandramentePriscila Hilária
 
Prova de inglês do ITA - 2008
Prova de inglês do ITA - 2008Prova de inglês do ITA - 2008
Prova de inglês do ITA - 2008Priscila Hilária
 
Frankenstein, trabalho escrito
Frankenstein, trabalho escritoFrankenstein, trabalho escrito
Frankenstein, trabalho escritoPriscila Hilária
 
Uma noite em cinco atos- enredo
Uma noite em cinco atos- enredoUma noite em cinco atos- enredo
Uma noite em cinco atos- enredoPriscila Hilária
 
O QUE É APRENDER E ENSINAR LITERATURA HOJE?
O QUE É APRENDER E ENSINAR LITERATURA HOJE?O QUE É APRENDER E ENSINAR LITERATURA HOJE?
O QUE É APRENDER E ENSINAR LITERATURA HOJE?Priscila Hilária
 
Da ordem do relato e do argumentar
Da ordem do relato e do argumentarDa ordem do relato e do argumentar
Da ordem do relato e do argumentarPriscila Hilária
 
WALT WHITMAN: Biografia, características literárias e poemas
WALT WHITMAN: Biografia, características literárias e poemasWALT WHITMAN: Biografia, características literárias e poemas
WALT WHITMAN: Biografia, características literárias e poemasPriscila Hilária
 
3ª fase modernista + o conto Famigerado de João Guimarães Rosa
3ª fase modernista + o conto Famigerado de João Guimarães Rosa3ª fase modernista + o conto Famigerado de João Guimarães Rosa
3ª fase modernista + o conto Famigerado de João Guimarães RosaPriscila Hilária
 

Mais de Priscila Hilária (20)

Atividade de língua portuguesa
Atividade de língua portuguesaAtividade de língua portuguesa
Atividade de língua portuguesa
 
Língua Inglesa-9º ano
Língua Inglesa-9º anoLíngua Inglesa-9º ano
Língua Inglesa-9º ano
 
Língua Inglesa-8º ano
Língua Inglesa-8º anoLíngua Inglesa-8º ano
Língua Inglesa-8º ano
 
7º ano - Língua Inglesa
7º ano - Língua Inglesa7º ano - Língua Inglesa
7º ano - Língua Inglesa
 
6º ano-Língua Portuguesa
6º ano-Língua Portuguesa6º ano-Língua Portuguesa
6º ano-Língua Portuguesa
 
6º ano inglês
6º ano   inglês6º ano   inglês
6º ano inglês
 
Substantivos - Malandramente
Substantivos - MalandramenteSubstantivos - Malandramente
Substantivos - Malandramente
 
Narrador em Mrs. Dalloway
Narrador em Mrs. DallowayNarrador em Mrs. Dalloway
Narrador em Mrs. Dalloway
 
Prova de inglês do ITA - 2008
Prova de inglês do ITA - 2008Prova de inglês do ITA - 2008
Prova de inglês do ITA - 2008
 
Frankenstein, trabalho escrito
Frankenstein, trabalho escritoFrankenstein, trabalho escrito
Frankenstein, trabalho escrito
 
Uma noite em cinco atos- enredo
Uma noite em cinco atos- enredoUma noite em cinco atos- enredo
Uma noite em cinco atos- enredo
 
O QUE É APRENDER E ENSINAR LITERATURA HOJE?
O QUE É APRENDER E ENSINAR LITERATURA HOJE?O QUE É APRENDER E ENSINAR LITERATURA HOJE?
O QUE É APRENDER E ENSINAR LITERATURA HOJE?
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Da ordem do relato e do argumentar
Da ordem do relato e do argumentarDa ordem do relato e do argumentar
Da ordem do relato e do argumentar
 
Coerência
CoerênciaCoerência
Coerência
 
Texto argumentativo
Texto argumentativoTexto argumentativo
Texto argumentativo
 
WALT WHITMAN: Biografia, características literárias e poemas
WALT WHITMAN: Biografia, características literárias e poemasWALT WHITMAN: Biografia, características literárias e poemas
WALT WHITMAN: Biografia, características literárias e poemas
 
Realismo e Naturalismo
Realismo e NaturalismoRealismo e Naturalismo
Realismo e Naturalismo
 
3ª fase modernista + o conto Famigerado de João Guimarães Rosa
3ª fase modernista + o conto Famigerado de João Guimarães Rosa3ª fase modernista + o conto Famigerado de João Guimarães Rosa
3ª fase modernista + o conto Famigerado de João Guimarães Rosa
 
Carta de leitor
Carta de leitorCarta de leitor
Carta de leitor
 

Último

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 

Último (20)

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 

José Lins do Rego e seu romance Doidinho

  • 1. Universidade Estadual de Goiás Câmpus São Luís de Montes Belos Discentes: Priscila Hilária de Souza Sara Souza Nunes Silvestre Disciplina: Literatura Brasileira III Docente: Renata Simião Letras – 4º ano
  • 2.
  • 3. Sobre o autor José Lins do Rego
  • 4. "Não gosto de trabalhar, não fumo, durmo com muitos sonos e já escrevi 11 romances. Se chove, tenho saudades do sol; se faz calor, tenho saudades da chuva. Temo os poderes de Deus, e fui devoto de Nossa Senhora da Conceição. Enfim, literato da cabeça aos pés, amigo dos meus amigos e capaz de tudo se me pisarem nos calos. Perco então a cabeça e fico ridículo. Afinal de contas, sou um homem como os outros e Deus permita que assim continue." Esta é a auto-descrição de José Lins do Rego, considerado um dos maiores ficcionistas da língua portuguesa.
  • 5. Nasceu em 1901, na Paraíba. Em 1919 ingressou na faculdade de direito do Recife. No ano seguinte, passou a escrever uma coluna literária para o jornal "Diário do Estado da Paraíba". Em 1924 formou-se e, no ano seguinte, casou-se com Filomena Masa Lins do Rego, com quem teve três filhas. Em 1925, Lins do Rego assumiu o posto de promotor público na cidade de Manhuaçu, em Minas Gerais, mas no ano seguinte mudou-se para Maceió, onde começou a trabalhar como fiscal de bancos, cargo que ocupou até 1930. Dois anos depois, José Lins do Rego publicou seu primeiro livro, "Menino de Engenho". Custeado com seus próprios recursos, o livro recebeu críticas favoráveis e tornou-se um grande sucesso. No ano seguinte, publicou um segundo romance, "Doidinho". A partir daí, o editor José Olympio lhe propôs uma edição de dez mil exemplares para o terceiro romance. José Lins do Rego tornou-se um escritor de prestígio, estimado pelo público.
  • 6. Passou a publicar um romance por ano: em 1934, "Banguê"; em 1935, "O Moleque Ricardo"; em 1936, "Usina"; em 1937, "Pureza"; em 1938, "Pedra Bonita"; e em 1939, "Riacho Doce". A obra de José Lins do Rego, bastante conhecida, foi adaptada para o teatro, o cinema e televisão. Em 1956 Lins do Rego publicou "Meus Verdes Anos", um livro de memórias. No ano seguinte morreu de um problema hepático, aos 56 anos, no Rio de Janeiro.
  • 7. Tempo Doidinho, romance autobiográfico de José Lins do Rego, foi publicado em 1933, e é o segundo livro do “Ciclo da Cana-de-Açúcar”. É narrado no tempo linear. A técnica de narração usada nesta obra por José Lins para denunciar os problemas sociais da época segue, de certa forma, o caminho inverso de Menino de engenho. Em Doidinho, o próprio narrador encontra-se inserido dentro de um sistema injusto e opressor, sentindo na pele as suas consequências. Já na primeira obra, ele é apenas um denunciador das injustiças sociais vividas pelos pobres do engenho. O colégio como um todo, o diretor, os alunos e funcionários são a representação de uma sociedade injusta e repressiva contra a qual o protagonista se opõe. O título do livro é apelido que Carlos Melo adquirira e narra suas experiências da personagem quando internado em um colégio severo. Carlos é enviado para um internato e lá encontra um universo regido pela palmatória e pela injustiça, num romance que lembra O ateneu, de Raul Pompéia.
  • 8. Personagens  Carlos de Melo, o Doidinho, que é a personagem principal; O avô de Doidinho, Coronel Zé Paulino; Maciel, diretor e professor do colégio; Maria Luísa, a amada de Doidinho; As alunas Lisette, Maria de Lourdes, Guiomar e Elza; Os novatos Clóvis e Elias; O aluno Pedro Muniz, que roubou a namorada de Doidinho; O melhor amigo de Doidinho José João, o "Coruja“.
  • 9. Enredo Publicado em 1933; “Ciclo da cana de açúcar”; De Santa Rosa para o I.N.S.C. – Instituto Nossa Senhora do Carmo; “O colégio de Itabaiana criara fama pelo seu rigorismo.”
  • 10. Castigos (palmatórias) “Foi pior. A língua não me ajudava. Quando vi foi ele com a palmatória na mão.” Carlinhos  Carlos de Melo “Agora, Carlos de Melo. Parecia que era outra pessoa que eu criara de repente. Ficara um homem.”
  • 11. Apelido “Fazia um mês que eu chegara ao colégio. [...]O meu nervoso, a minha impaciência mórbida de não parar em um lugar, de fazer tudo às carreiras, os meus recolhimentos, os meus choros inexplicáveis, me batizaram assim pela segunda vez. Só me chamavam de Doidinho. E a verdade é que eu não repelia o apelido.” [...] o Coruja, Pão Duro, o Papa-Figo.”
  • 12. Aurélio e Carlos de Melo eram “os esquecidos” “Uma vez, numa terça-feira, me encontrei sozinho com Aurélio, no colégio. Todos haviam saído.” A carta “_ Eu queria que você escrevesse uma carta lá pra casa, Coruja.”
  • 13. Aprendizado “O velho Maciel tinha razão. Em pouco tempo adiantara-me bastante.” Religiosidade “ O padre Fileto viera pedir ao diretor para levar os colégio às práticas.”
  • 14. Meninas (externas) “Lisette, Maria de Lourdes, Guiomar, Elza, Tatá, e uma que me fazia as horas das aulas correrem depressa. [...] Chamava-se Maria Luísa.” A primeira carta de amor “Maria, terça-feira passei por sua porta, vi você com sua mãe”.
  • 15. Religiosidade “Davam-se as lições de religião no mesmo jeito com que no engenho ensinavam aos papagaios. _ Papagaio real, veio de Portugal, dá-me um beijo, meu louro!” “[...] nem parecia um dia de abril [...]. O colégio levantara-se mais cedo para os preparativos da primeira comunhão.”
  • 16. Férias de Semana Santa “No trem da Paraíba foram-se Vergara, José Augusto, os filhos do Simplício Coelho. No de Recife, Heitor. Coruja no de Campina Grande. Despediu-se de mim de olhos umedecidos. Só eu sabia que não voltava mais.”
  • 17. Fome “Ficava com raiva da igreja, de Deus, de todo o mundo, quando a forme me apertava. Nunca sentira fome. Ali no colégio, fora experimentar pela primeira vez a agonia de um estômago vazio num corpo são.” Não tinha palmatória, mas tinha o jejum
  • 18. Limpeza “Tanto luxo com os móveis e a casa, e no entanto nos deixava na maior imundície.” Paula “A negra Paula tinha sempre um menino preferido para os seus agrados.”
  • 19. Retorno dos outros “Pareciam outros: oito dias voltavam gordos e queimados.” “O pai doido e a tia doida. O meu pai no asilo e o meu nome Doidinho.” Rotina volta como era antes do feriado; Elias do Riachão (ovelha negra);
  • 20. Pedro Muniz ( o concorrente – Maria Luísa) “Nunca ouvi bolos soando melhor aos meus ouvidos. [...] O amor nos ensinava a ser ruins.” A volta de José João (Coruja); Pão Duro e Clóvis;
  • 21. Férias no engenho “Voltei para a casa-grande com a satisfação de haver entrado na posse dos meus domínios.” “Saí das leituras galantes para alegre camaradagem da natureza.” Carta de José João (Coruja); Dia de S. Pedro; Retornando para o colégio;
  • 22. Morte de Aurélio (Papa-Figo); Vovó Galdina morre; No dia da parada (7 de setembro), todos saíram para o desfile, nesse momento Carlos de Melo começou a sentir saudades de casa e conseguiu fugir.
  • 23. Espaço Se passa tanto na cidade Itabaiana e no engenho Santa Rosa.
  • 24. Tipo de romance Romance de tensão crítica: o herói resiste às pressões da natureza e do meio social
  • 25. Referências  Rego, José Lins do, 1901-1957. Romances reunidos e ilustrados, 2: Doidinho/José Lins do Rego. 25. ed. – Rio de Janeiro: J. Olympio, 1983. 1. Romance brasileiro I. Título II. Título: Doidinho.  BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. 2ª Edição. São Paulo: Editora, 1978.  <http://www.recantodasletras.com.br/resenhasdelivros/13085 08 > acesso em 29/05  < http://www.passeiweb.com/estudos/livros/doidinho > acesso em 29/05