SlideShare uma empresa Scribd logo

Eae 64 Estudo das Epístolas

Objetivo: Reforma Íntima, despertar a fé, a caridade e a humildade. Bibliografia: Iniciação Espírita – Pág. 86 a 89 – Ed. Aliança Paulo e Estevão – Emmanuel / Chico Xavier – FEB Paulo de Tarso – Huberto Rohden – Ed. Alvorada As Marcas do Cristo – Parte I – Hermínio C. Miranda – FEB Pérolas do Além – Extratos / Chico Xavier – FEB Ressurreição e Vida – Leão Tolstoi / Yvonne A. Pereira - FEB O Consolador – Emmanuel / Francisco Cândido Xavier - FEB O Destino em suas Mãos – Richard Simonetti

1 de 15
Baixar para ler offline
AULA 64
 Novo testamento. Refere-se as primeiras cartas escritas pelos apóstolos e
direcionadas as primeiras comunidades cristãs.
 Texto lido ou cantado em celebrações (missas) católicas e retirado do Antigo
ou do Novo Testamento.
 Qualquer correspondência, cartas etc. Texto de teor poético escrito no
formato de uma carta.
 Etimologia (origem da palavra epístola): do grego epistolé.és.
 A transformação do “homem velho” no “homem
novo” é imprescindível o estudo dos ensinamentos
apostólicos e dos marcantes e sempre atuais
preceitos contidos nas epístolas.
 Constituem-se elas em verdadeiros tratados de
conduta cristã, baseadas nos testemunhos e
atitudes de Jesus Cristo.
 Mas o que realmente importa é o conteúdo dessas
epístolas, as imorredouras lições que ensinam não
importando qual tenha sido seu autor.
 Instaurando-se em Corinto, funda aí uma Igreja, que começou
a produzir os frutos mais ricos da espiritualidade. Em torno do
Apóstolo formou-se um pequeno colégio de seguidores.
Contudo, dado a sua noção de responsabilidade,
compreendeu que não bastava enviar emissários. De todas as
partes recebia pedidos de providências para as Igrejas que ele
havia fundado.
 "Sentindo-se incapaz de atender a todas as necessidades ao
mesmo tempo, o abnegado discípulo do Evangelho, valendo-
se, um dia, do silêncio da noite, quando a Igreja se encontrava
deserta, rogou a Jesus, com lágrimas nos olhos, não lhe
faltasse com os socorros necessários ao cumprimento integral
da tarefa.
 Terminada a oração, sentiu-se envolvido em branda claridade. Teve a
impressão nítida de que recebia a visita do Senhor. Genuflexo,
experimentando indizível comoção, ouviu uma advertência serena e
carinhosa:
 Não temas — dizia a voz —, prosseguem ensinando a verdade e não te
cales, porque estou contigo.
 ... Não te atormentes com as necessidades do serviço. É natural que não
possas assistir pessoalmente a todos, ao mesmo tempo... Poderás resolver
o problema escrevendo a todos os irmãos em meu nome; os de boa vontade
saberão compreender, porque o valor da tarefa não está na presença
pessoal do missionário, mas no conteúdo espiritual do seu verbo, da sua
exemplificação e da sua vida. Doravante, Estevão permanecerá mais
conchegado a ti, transmitindo-te meus pensamentos, e o trabalho de
evangelização poderá ampliar-se em benefício dos sofrimentos e das
necessidades do mundo...
 As epístolas lograram êxito rápido. Os irmãos as disputavam nos rincões
mais humildes, por seu conteúdo de consolações, e o próprio Simão Pedro,
recebendo as primeiras cópias, em Jerusalém, reuniu a comunidade e, lendo
-as, comovido, declarou que as cartas do convertido de Damasco deviam
ser interpretadas como cartas do Cristo aos discípulos e seguidores,
afirmando, ainda, que elas assinalavam um novo período luminoso na
história do Evangelho.
 Aproveitando as últimas horas de cada dia, os companheiros de Paulo viram que ele
escrevia um documento a que dedicava profunda atenção. Às vezes, era visto a escrever
com lágrimas, como se desejasse fazer da mensagem um depósito de santas inspirações.
Em dois meses entregava o trabalho a Aristarco para copiá-lo, dizendo:
— Esta é a epístola aos hebreus. Fiz questão de grafá-la, valendo-me dos próprios
recursos, pois que a dedico aos meus irmãos de raça e procurei escrevê-la com o coração.
 E Paulo continuou trabalhando incessantemente a benefício de todos. A situação, como
prisioneiro, era a mais confortadora possível. Fizera-se benfeitor desvelado de todos os
guardas que lhe testemunhavam o esforço apostólico. A uns aliviara o coração com as
alegrias da Boa Nova; a outros curara moléstias crônicas e dolorosas. Freqüentemente, o
benefício não se restringia ao interessado, porque os legionários romanos lhe traziam os
parentes, os afeiçoados e os amigos, para se beneficiarem ao contacto daquele homem
dedicado aos interesses de Deus. Logo ao terceiro dia deixou de ser algemado, porque os
soldados dispensavam a formalidade, apenas guardando-lhe a porta como simples amigos.
 ... Assim começou o movimento dessas cartas imortais, cuja essência espiritual provinha
da esfera do Cristo, através da contribuição amorosa de Estevão — companheiro
abnegado e fiel daquele que se havia arvorado, na mocidade, em primeiro perseguidor do
Cristianismo". (Xavier, Paulo e Estevão)

Recomendados

EAE - AULA 64 - O ESTUDO DAS EPÍSTOLAS
EAE - AULA 64 - O ESTUDO DAS EPÍSTOLASEAE - AULA 64 - O ESTUDO DAS EPÍSTOLAS
EAE - AULA 64 - O ESTUDO DAS EPÍSTOLASLuiz Henrique Faleiros
 
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...PatiSousa1
 
AULA 065 EAE DM - A PREDESTINAÇÃO SEGUNDO A DOUTRINA DE PAULO - 20170316
AULA 065 EAE DM - A PREDESTINAÇÃO SEGUNDO A DOUTRINA DE PAULO - 20170316AULA 065 EAE DM - A PREDESTINAÇÃO SEGUNDO A DOUTRINA DE PAULO - 20170316
AULA 065 EAE DM - A PREDESTINAÇÃO SEGUNDO A DOUTRINA DE PAULO - 20170316Daniel de Melo
 
A066 EAE DM - JUSTIFICAÇÃO DOS PECADOS - 2018092
A066 EAE DM - JUSTIFICAÇÃO DOS PECADOS - 2018092A066 EAE DM - JUSTIFICAÇÃO DOS PECADOS - 2018092
A066 EAE DM - JUSTIFICAÇÃO DOS PECADOS - 2018092Daniel de Melo
 
AULA 015 EAE DM - OS REIS MAGOS - EXÍLIO NO ESTRANGEIRO 20170621
AULA 015 EAE DM - OS REIS MAGOS - EXÍLIO NO ESTRANGEIRO 20170621AULA 015 EAE DM - OS REIS MAGOS - EXÍLIO NO ESTRANGEIRO 20170621
AULA 015 EAE DM - OS REIS MAGOS - EXÍLIO NO ESTRANGEIRO 20170621Daniel de Melo
 
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606Daniel de Melo
 
Aula 39_Últimos Dias em Jerusalém_Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 39_Últimos Dias em Jerusalém_Escola de Aprendizes do EvangelhoAula 39_Últimos Dias em Jerusalém_Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 39_Últimos Dias em Jerusalém_Escola de Aprendizes do Evangelholiliancostadias
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e JudasEae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e JudasPatiSousa1
 
Esboço do livro A Gênese - curso básico espiritismo - Escola Aprendizes do Ev...
Esboço do livro A Gênese - curso básico espiritismo - Escola Aprendizes do Ev...Esboço do livro A Gênese - curso básico espiritismo - Escola Aprendizes do Ev...
Esboço do livro A Gênese - curso básico espiritismo - Escola Aprendizes do Ev...Denise Tofoli
 
Instituição dos diaconos slides 1 ao 12
Instituição dos diaconos slides 1 ao 12Instituição dos diaconos slides 1 ao 12
Instituição dos diaconos slides 1 ao 124turmasintoniafraterna
 
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104Daniel de Melo
 
Eae 35 As Parábolas III - Vida Rural
Eae 35 As Parábolas III - Vida RuralEae 35 As Parábolas III - Vida Rural
Eae 35 As Parábolas III - Vida RuralPatiSousa1
 
Aula 09_O Decálogo_Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 09_O Decálogo_Escola de Aprendizes do EvangelhoAula 09_O Decálogo_Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 09_O Decálogo_Escola de Aprendizes do Evangelholiliancostadias
 
BEM AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO POR AMOR A JUSTIÇA
BEM AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO POR AMOR A JUSTIÇABEM AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO POR AMOR A JUSTIÇA
BEM AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO POR AMOR A JUSTIÇASergio Menezes
 
8. Espiritismo - Capítulo I - Eu não vim destruir a lei - O Evangelho Segundo...
8. Espiritismo - Capítulo I - Eu não vim destruir a lei - O Evangelho Segundo...8. Espiritismo - Capítulo I - Eu não vim destruir a lei - O Evangelho Segundo...
8. Espiritismo - Capítulo I - Eu não vim destruir a lei - O Evangelho Segundo...Alessandra Uzêda
 
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...Daniel de Melo
 
Diálogo de Jesus e Nicodemos
Diálogo de Jesus e NicodemosDiálogo de Jesus e Nicodemos
Diálogo de Jesus e NicodemosCandice Gunther
 
Bem aventurados os pacíficos - FEESP - Curso de Aprendizes do Evangelho - 1º ano
Bem aventurados os pacíficos - FEESP - Curso de Aprendizes do Evangelho - 1º anoBem aventurados os pacíficos - FEESP - Curso de Aprendizes do Evangelho - 1º ano
Bem aventurados os pacíficos - FEESP - Curso de Aprendizes do Evangelho - 1º anoRoseli Lemes
 
O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6Graça Maciel
 
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV. Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV. PatiSousa1
 

Mais procurados (20)

Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e JudasEae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
Eae 70 Doutrinas de Pedro, João e Judas
 
Esboço do livro A Gênese - curso básico espiritismo - Escola Aprendizes do Ev...
Esboço do livro A Gênese - curso básico espiritismo - Escola Aprendizes do Ev...Esboço do livro A Gênese - curso básico espiritismo - Escola Aprendizes do Ev...
Esboço do livro A Gênese - curso básico espiritismo - Escola Aprendizes do Ev...
 
Instituição dos diaconos slides 1 ao 12
Instituição dos diaconos slides 1 ao 12Instituição dos diaconos slides 1 ao 12
Instituição dos diaconos slides 1 ao 12
 
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
 
A Pregacao de Jesus
A Pregacao de JesusA Pregacao de Jesus
A Pregacao de Jesus
 
Eae 35 As Parábolas III - Vida Rural
Eae 35 As Parábolas III - Vida RuralEae 35 As Parábolas III - Vida Rural
Eae 35 As Parábolas III - Vida Rural
 
Cristo Consolador
Cristo ConsoladorCristo Consolador
Cristo Consolador
 
Aula 09_O Decálogo_Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 09_O Decálogo_Escola de Aprendizes do EvangelhoAula 09_O Decálogo_Escola de Aprendizes do Evangelho
Aula 09_O Decálogo_Escola de Aprendizes do Evangelho
 
Jesus Palestra
Jesus   PalestraJesus   Palestra
Jesus Palestra
 
BEM AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO POR AMOR A JUSTIÇA
BEM AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO POR AMOR A JUSTIÇABEM AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO POR AMOR A JUSTIÇA
BEM AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO POR AMOR A JUSTIÇA
 
8. Espiritismo - Capítulo I - Eu não vim destruir a lei - O Evangelho Segundo...
8. Espiritismo - Capítulo I - Eu não vim destruir a lei - O Evangelho Segundo...8. Espiritismo - Capítulo I - Eu não vim destruir a lei - O Evangelho Segundo...
8. Espiritismo - Capítulo I - Eu não vim destruir a lei - O Evangelho Segundo...
 
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
AULA 011 EAE DM - SEPARAÇÃO DOS REINOS, SUA DESTRUIÇÃO, CATIVEIRO E A RECONST...
 
Homossexualidade, na ótica espirita
Homossexualidade, na ótica espiritaHomossexualidade, na ótica espirita
Homossexualidade, na ótica espirita
 
AULA 30.pptx
AULA 30.pptxAULA 30.pptx
AULA 30.pptx
 
Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado
 
Diálogo de Jesus e Nicodemos
Diálogo de Jesus e NicodemosDiálogo de Jesus e Nicodemos
Diálogo de Jesus e Nicodemos
 
Bem aventurados os pacíficos - FEESP - Curso de Aprendizes do Evangelho - 1º ano
Bem aventurados os pacíficos - FEESP - Curso de Aprendizes do Evangelho - 1º anoBem aventurados os pacíficos - FEESP - Curso de Aprendizes do Evangelho - 1º ano
Bem aventurados os pacíficos - FEESP - Curso de Aprendizes do Evangelho - 1º ano
 
Anjos e demonios
Anjos e demoniosAnjos e demonios
Anjos e demonios
 
O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6O consolador prometido - n. 6
O consolador prometido - n. 6
 
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV. Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
Eae 53 Interpretação do sermão do monte IV.
 

Semelhante a Eae 64 Estudo das Epístolas

Jesus Copy - Carta aos pecadores
Jesus Copy - Carta aos pecadoresJesus Copy - Carta aos pecadores
Jesus Copy - Carta aos pecadoresTalita Volponi
 
A velha, velha história (charles h. spurgeon)
A velha, velha história (charles h. spurgeon)A velha, velha história (charles h. spurgeon)
A velha, velha história (charles h. spurgeon)Deusdete Soares
 
07 uma geração erotizada
07   uma geração erotizada07   uma geração erotizada
07 uma geração erotizadaDiego Fortunatto
 
“Tratai aos empregados com equidade”
“Tratai aos empregados com equidade”“Tratai aos empregados com equidade”
“Tratai aos empregados com equidade”JUERP
 
D 14 Caridade e o Centro Espírita
D 14   Caridade e o Centro EspíritaD 14   Caridade e o Centro Espírita
D 14 Caridade e o Centro EspíritaJPS Junior
 
DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL III
 DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL III DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL III
DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL IIICristiane Patricio
 
Missa Guião Instituição no Ministério Laical de Leitor
Missa Guião Instituição no Ministério Laical de LeitorMissa Guião Instituição no Ministério Laical de Leitor
Missa Guião Instituição no Ministério Laical de LeitorJoão Pereira
 
Legislador e Juiz_942014_GGR
Legislador e Juiz_942014_GGRLegislador e Juiz_942014_GGR
Legislador e Juiz_942014_GGRGerson G. Ramos
 
001c - Quiem somos
001c - Quiem somos001c - Quiem somos
001c - Quiem somosOrdineGesu
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Julho ...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Julho ...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Julho ...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Julho ...ParoquiaDeSaoPedro
 
DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL I
DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL IDUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL I
DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL ICristiane Patricio
 
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZ
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZA MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZ
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZCristiane Patricio
 
FEB-ERV.Vt-Turma-2-Livro-I-Tema-4.2.pdf
FEB-ERV.Vt-Turma-2-Livro-I-Tema-4.2.pdfFEB-ERV.Vt-Turma-2-Livro-I-Tema-4.2.pdf
FEB-ERV.Vt-Turma-2-Livro-I-Tema-4.2.pdfGutemberg Câmara
 
“Tive fome e me destes de comer” – O Ministério do Serviço Social
“Tive fome e me destes de comer” – O Ministério do Serviço Social“Tive fome e me destes de comer” – O Ministério do Serviço Social
“Tive fome e me destes de comer” – O Ministério do Serviço SocialJUERP
 

Semelhante a Eae 64 Estudo das Epístolas (20)

Jesus Copy - Carta aos pecadores
Jesus Copy - Carta aos pecadoresJesus Copy - Carta aos pecadores
Jesus Copy - Carta aos pecadores
 
Edição n. 55 do CH Noticias - Janeiro/2020
Edição n. 55 do CH Noticias - Janeiro/2020Edição n. 55 do CH Noticias - Janeiro/2020
Edição n. 55 do CH Noticias - Janeiro/2020
 
Vox 167 finalizado
Vox 167 finalizadoVox 167 finalizado
Vox 167 finalizado
 
Jornal da Trindade
Jornal da Trindade Jornal da Trindade
Jornal da Trindade
 
Jornal da Trindade
Jornal da TrindadeJornal da Trindade
Jornal da Trindade
 
A velha, velha história (charles h. spurgeon)
A velha, velha história (charles h. spurgeon)A velha, velha história (charles h. spurgeon)
A velha, velha história (charles h. spurgeon)
 
07 uma geração erotizada
07   uma geração erotizada07   uma geração erotizada
07 uma geração erotizada
 
“Tratai aos empregados com equidade”
“Tratai aos empregados com equidade”“Tratai aos empregados com equidade”
“Tratai aos empregados com equidade”
 
D 14 Caridade e o Centro Espírita
D 14   Caridade e o Centro EspíritaD 14   Caridade e o Centro Espírita
D 14 Caridade e o Centro Espírita
 
Fraternidade E Ecumenismo
Fraternidade E EcumenismoFraternidade E Ecumenismo
Fraternidade E Ecumenismo
 
DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL III
 DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL III DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL III
DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL III
 
A DISTÂNCIA
A DISTÂNCIAA DISTÂNCIA
A DISTÂNCIA
 
Missa Guião Instituição no Ministério Laical de Leitor
Missa Guião Instituição no Ministério Laical de LeitorMissa Guião Instituição no Ministério Laical de Leitor
Missa Guião Instituição no Ministério Laical de Leitor
 
Legislador e Juiz_942014_GGR
Legislador e Juiz_942014_GGRLegislador e Juiz_942014_GGR
Legislador e Juiz_942014_GGR
 
001c - Quiem somos
001c - Quiem somos001c - Quiem somos
001c - Quiem somos
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Julho ...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Julho ...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Julho ...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Julho ...
 
DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL I
DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL IDUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL I
DUREZA DA LEI NOS DEIXA SEM GRAÇA - VÓL I
 
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZ
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZA MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZ
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZ
 
FEB-ERV.Vt-Turma-2-Livro-I-Tema-4.2.pdf
FEB-ERV.Vt-Turma-2-Livro-I-Tema-4.2.pdfFEB-ERV.Vt-Turma-2-Livro-I-Tema-4.2.pdf
FEB-ERV.Vt-Turma-2-Livro-I-Tema-4.2.pdf
 
“Tive fome e me destes de comer” – O Ministério do Serviço Social
“Tive fome e me destes de comer” – O Ministério do Serviço Social“Tive fome e me destes de comer” – O Ministério do Serviço Social
“Tive fome e me destes de comer” – O Ministério do Serviço Social
 

Mais de PatiSousa1

Aula 15 Reis Magos.ppt
Aula 15 Reis Magos.pptAula 15 Reis Magos.ppt
Aula 15 Reis Magos.pptPatiSousa1
 
EAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoEAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoPatiSousa1
 
Basico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptxBasico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptxPatiSousa1
 
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)PatiSousa1
 
EAE 16 - Infância e Juventude do Messias
EAE 16 -  Infância e Juventude do MessiasEAE 16 -  Infância e Juventude do Messias
EAE 16 - Infância e Juventude do MessiasPatiSousa1
 
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da ÉpocaEae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da ÉpocaPatiSousa1
 
Eae 19 Os Essênios
Eae 19  Os EssêniosEae 19  Os Essênios
Eae 19 Os EssêniosPatiSousa1
 
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )PatiSousa1
 
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.PatiSousa1
 
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoEae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoPatiSousa1
 
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUALEae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUALPatiSousa1
 
Eae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das EpístolasEae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das EpístolasPatiSousa1
 
Eae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontadeEae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontadePatiSousa1
 
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça PatiSousa1
 
Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar PatiSousa1
 
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigosEae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigosPatiSousa1
 
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.PatiSousa1
 
Eae 28 Pregações e curas
Eae 28 Pregações e curasEae 28 Pregações e curas
Eae 28 Pregações e curasPatiSousa1
 

Mais de PatiSousa1 (20)

Aula 15 Reis Magos.ppt
Aula 15 Reis Magos.pptAula 15 Reis Magos.ppt
Aula 15 Reis Magos.ppt
 
EAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoEAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do Cristão
 
Basico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptxBasico aula 6.pptx
Basico aula 6.pptx
 
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)Aula 105 EAE Regras para a educação.  Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
Aula 105 EAE Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres (III)
 
Aula 104
Aula 104Aula 104
Aula 104
 
EAE 16 - Infância e Juventude do Messias
EAE 16 -  Infância e Juventude do MessiasEAE 16 -  Infância e Juventude do Messias
EAE 16 - Infância e Juventude do Messias
 
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da ÉpocaEae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
Eae 18 As Seitas Nacionais - Costumes da Época
 
Eae 19 Os Essênios
Eae 19  Os EssêniosEae 19  Os Essênios
Eae 19 Os Essênios
 
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
 
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.Eae 22  À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
Eae 22 À volta a Jerusalém e as escolas rabínicas.
 
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profanoEae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
Eae 108 O Cristão no meio religioso e no meio profano
 
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUALEae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
Eae 91 NORMAS DA VIDA ESPIRITUAL
 
Eae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das EpístolasEae 67 Continuação das Epístolas
Eae 67 Continuação das Epístolas
 
Eae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontadeEae 75 O pensamento e a vontade
Eae 75 O pensamento e a vontade
 
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
Eae 87 A Lei do Trabalho / A Lei da Justiça
 
Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar Eae 107 O Cristão no lar
Eae 107 O Cristão no lar
 
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigosEae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
 
CB Aula 17
CB Aula 17CB Aula 17
CB Aula 17
 
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.Eae 38 Atos finais na Galiléia.
Eae 38 Atos finais na Galiléia.
 
Eae 28 Pregações e curas
Eae 28 Pregações e curasEae 28 Pregações e curas
Eae 28 Pregações e curas
 

Último

Revista adulto usada no projeto 10 dias de oração
Revista adulto usada no projeto 10 dias de oraçãoRevista adulto usada no projeto 10 dias de oração
Revista adulto usada no projeto 10 dias de oraçãoLindiomar Rios
 
Vibração Pelo Planeta Terra
Vibração Pelo Planeta Terra Vibração Pelo Planeta Terra
Vibração Pelo Planeta Terra Nilson Almeida
 
Oração A Deus Pai Todo Poderoso
Oração A Deus Pai Todo PoderosoOração A Deus Pai Todo Poderoso
Oração A Deus Pai Todo PoderosoNilson Almeida
 
Orações Selecionadas De Cura E Libertação
Orações Selecionadas De Cura E LibertaçãoOrações Selecionadas De Cura E Libertação
Orações Selecionadas De Cura E LibertaçãoNilson Almeida
 
Novena De Preparação Para A Festa De Santo Expedito
Novena De Preparação Para A Festa De Santo ExpeditoNovena De Preparação Para A Festa De Santo Expedito
Novena De Preparação Para A Festa De Santo ExpeditoNilson Almeida
 
Ho'oponopono Oração Original
Ho'oponopono Oração OriginalHo'oponopono Oração Original
Ho'oponopono Oração OriginalNilson Almeida
 
Orações De Nossa Senhora
Orações De Nossa SenhoraOrações De Nossa Senhora
Orações De Nossa SenhoraNilson Almeida
 
Oração De São Jorge
Oração De São JorgeOração De São Jorge
Oração De São JorgeNilson Almeida
 
Discipulado na Assembleia de Deus: como fazer funcionar?
Discipulado na Assembleia de Deus: como fazer funcionar?Discipulado na Assembleia de Deus: como fazer funcionar?
Discipulado na Assembleia de Deus: como fazer funcionar?Joary Jossué Carlesso
 
Oração Da Prosperidade E Da Riqueza
Oração Da Prosperidade E Da RiquezaOração Da Prosperidade E Da Riqueza
Oração Da Prosperidade E Da RiquezaNilson Almeida
 
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptxLição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptxCelso Napoleon
 
Orações Da Noite Junto A Um Recém-Nascido
Orações Da Noite Junto A Um Recém-NascidoOrações Da Noite Junto A Um Recém-Nascido
Orações Da Noite Junto A Um Recém-NascidoNilson Almeida
 
Orações A São Camilo De Léllis
Orações A São Camilo De LéllisOrações A São Camilo De Léllis
Orações A São Camilo De LéllisNilson Almeida
 
A Couraça De São Patrício
A Couraça De São PatrícioA Couraça De São Patrício
A Couraça De São PatrícioNilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - livro II de Salmos - 42-72 - slides powerpoint.ppt
Bíblia Sagrada - livro II de Salmos - 42-72 - slides powerpoint.pptBíblia Sagrada - livro II de Salmos - 42-72 - slides powerpoint.ppt
Bíblia Sagrada - livro II de Salmos - 42-72 - slides powerpoint.pptIgrejadoVerbo
 
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...Denise Aguiar
 

Último (20)

Revista adulto usada no projeto 10 dias de oração
Revista adulto usada no projeto 10 dias de oraçãoRevista adulto usada no projeto 10 dias de oração
Revista adulto usada no projeto 10 dias de oração
 
Vibração Pelo Planeta Terra
Vibração Pelo Planeta Terra Vibração Pelo Planeta Terra
Vibração Pelo Planeta Terra
 
Oração A Deus Pai Todo Poderoso
Oração A Deus Pai Todo PoderosoOração A Deus Pai Todo Poderoso
Oração A Deus Pai Todo Poderoso
 
Orações Selecionadas De Cura E Libertação
Orações Selecionadas De Cura E LibertaçãoOrações Selecionadas De Cura E Libertação
Orações Selecionadas De Cura E Libertação
 
Novena De Preparação Para A Festa De Santo Expedito
Novena De Preparação Para A Festa De Santo ExpeditoNovena De Preparação Para A Festa De Santo Expedito
Novena De Preparação Para A Festa De Santo Expedito
 
Ho'oponopono Oração Original
Ho'oponopono Oração OriginalHo'oponopono Oração Original
Ho'oponopono Oração Original
 
Orações De Nossa Senhora
Orações De Nossa SenhoraOrações De Nossa Senhora
Orações De Nossa Senhora
 
Novena De Santa Marta
Novena De Santa MartaNovena De Santa Marta
Novena De Santa Marta
 
Oração De São Jorge
Oração De São JorgeOração De São Jorge
Oração De São Jorge
 
Discipulado na Assembleia de Deus: como fazer funcionar?
Discipulado na Assembleia de Deus: como fazer funcionar?Discipulado na Assembleia de Deus: como fazer funcionar?
Discipulado na Assembleia de Deus: como fazer funcionar?
 
Oração Da Prosperidade E Da Riqueza
Oração Da Prosperidade E Da RiquezaOração Da Prosperidade E Da Riqueza
Oração Da Prosperidade E Da Riqueza
 
Oração Do Segredo
Oração Do SegredoOração Do Segredo
Oração Do Segredo
 
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptxLição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
Lição 8 - A Disciplina na Igreja - .pptx
 
Orações Da Noite Junto A Um Recém-Nascido
Orações Da Noite Junto A Um Recém-NascidoOrações Da Noite Junto A Um Recém-Nascido
Orações Da Noite Junto A Um Recém-Nascido
 
Orações A São Camilo De Léllis
Orações A São Camilo De LéllisOrações A São Camilo De Léllis
Orações A São Camilo De Léllis
 
A Couraça De São Patrício
A Couraça De São PatrícioA Couraça De São Patrício
A Couraça De São Patrício
 
Bíblia Sagrada - livro II de Salmos - 42-72 - slides powerpoint.ppt
Bíblia Sagrada - livro II de Salmos - 42-72 - slides powerpoint.pptBíblia Sagrada - livro II de Salmos - 42-72 - slides powerpoint.ppt
Bíblia Sagrada - livro II de Salmos - 42-72 - slides powerpoint.ppt
 
Oração Pelos Filhos
Oração Pelos FilhosOração Pelos Filhos
Oração Pelos Filhos
 
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
 
Prece De Caritas
Prece De CaritasPrece De Caritas
Prece De Caritas
 

Eae 64 Estudo das Epístolas

  • 2.  Novo testamento. Refere-se as primeiras cartas escritas pelos apóstolos e direcionadas as primeiras comunidades cristãs.  Texto lido ou cantado em celebrações (missas) católicas e retirado do Antigo ou do Novo Testamento.  Qualquer correspondência, cartas etc. Texto de teor poético escrito no formato de uma carta.  Etimologia (origem da palavra epístola): do grego epistolé.és.
  • 3.  A transformação do “homem velho” no “homem novo” é imprescindível o estudo dos ensinamentos apostólicos e dos marcantes e sempre atuais preceitos contidos nas epístolas.  Constituem-se elas em verdadeiros tratados de conduta cristã, baseadas nos testemunhos e atitudes de Jesus Cristo.  Mas o que realmente importa é o conteúdo dessas epístolas, as imorredouras lições que ensinam não importando qual tenha sido seu autor.
  • 4.  Instaurando-se em Corinto, funda aí uma Igreja, que começou a produzir os frutos mais ricos da espiritualidade. Em torno do Apóstolo formou-se um pequeno colégio de seguidores. Contudo, dado a sua noção de responsabilidade, compreendeu que não bastava enviar emissários. De todas as partes recebia pedidos de providências para as Igrejas que ele havia fundado.  "Sentindo-se incapaz de atender a todas as necessidades ao mesmo tempo, o abnegado discípulo do Evangelho, valendo- se, um dia, do silêncio da noite, quando a Igreja se encontrava deserta, rogou a Jesus, com lágrimas nos olhos, não lhe faltasse com os socorros necessários ao cumprimento integral da tarefa.
  • 5.  Terminada a oração, sentiu-se envolvido em branda claridade. Teve a impressão nítida de que recebia a visita do Senhor. Genuflexo, experimentando indizível comoção, ouviu uma advertência serena e carinhosa:  Não temas — dizia a voz —, prosseguem ensinando a verdade e não te cales, porque estou contigo.  ... Não te atormentes com as necessidades do serviço. É natural que não possas assistir pessoalmente a todos, ao mesmo tempo... Poderás resolver o problema escrevendo a todos os irmãos em meu nome; os de boa vontade saberão compreender, porque o valor da tarefa não está na presença pessoal do missionário, mas no conteúdo espiritual do seu verbo, da sua exemplificação e da sua vida. Doravante, Estevão permanecerá mais conchegado a ti, transmitindo-te meus pensamentos, e o trabalho de evangelização poderá ampliar-se em benefício dos sofrimentos e das necessidades do mundo...  As epístolas lograram êxito rápido. Os irmãos as disputavam nos rincões mais humildes, por seu conteúdo de consolações, e o próprio Simão Pedro, recebendo as primeiras cópias, em Jerusalém, reuniu a comunidade e, lendo -as, comovido, declarou que as cartas do convertido de Damasco deviam ser interpretadas como cartas do Cristo aos discípulos e seguidores, afirmando, ainda, que elas assinalavam um novo período luminoso na história do Evangelho.
  • 6.  Aproveitando as últimas horas de cada dia, os companheiros de Paulo viram que ele escrevia um documento a que dedicava profunda atenção. Às vezes, era visto a escrever com lágrimas, como se desejasse fazer da mensagem um depósito de santas inspirações. Em dois meses entregava o trabalho a Aristarco para copiá-lo, dizendo: — Esta é a epístola aos hebreus. Fiz questão de grafá-la, valendo-me dos próprios recursos, pois que a dedico aos meus irmãos de raça e procurei escrevê-la com o coração.  E Paulo continuou trabalhando incessantemente a benefício de todos. A situação, como prisioneiro, era a mais confortadora possível. Fizera-se benfeitor desvelado de todos os guardas que lhe testemunhavam o esforço apostólico. A uns aliviara o coração com as alegrias da Boa Nova; a outros curara moléstias crônicas e dolorosas. Freqüentemente, o benefício não se restringia ao interessado, porque os legionários romanos lhe traziam os parentes, os afeiçoados e os amigos, para se beneficiarem ao contacto daquele homem dedicado aos interesses de Deus. Logo ao terceiro dia deixou de ser algemado, porque os soldados dispensavam a formalidade, apenas guardando-lhe a porta como simples amigos.  ... Assim começou o movimento dessas cartas imortais, cuja essência espiritual provinha da esfera do Cristo, através da contribuição amorosa de Estevão — companheiro abnegado e fiel daquele que se havia arvorado, na mocidade, em primeiro perseguidor do Cristianismo". (Xavier, Paulo e Estevão)
  • 7.  21 no total, 14 de Paulo, 2 de Pedro, 3 de João, 1 de Tiago, 1 de Judas.  Folheando essas 14 epístolas, verificamos que Paulo está preocupado na divulgação da sã doutrina do Cristo. Assim: - combate a idolatria, a circuncisão, o pecado, a luxúria etc.; - exalta a justiça pela fé, a humildade, a caridade, a fidelidade a Deus, a submissão à autoridade, a tolerância para com os fracos da fé etc.; - dá orientações de como a mulher deve portar-se na Igreja; - responde às perguntas sobre o casamento; - fala de seus sofrimentos na luta pela implantação da "Boa-Nova“; - diz que a Lei é impotente para salvar, mas conduz a Cristo e à fé; - descreve acerca da diversidade dos dons espirituais; http://www.ceismael.com.br/artigo/epistolas.htm
  • 8.  Esta é a aliança que farei com eles depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei as minhas leis em seus corações; E as escreverei em seus entendimentos; acrescenta: E jamais me lembrarei de seus pecados e de suas iniqüidades. Ora, onde há remissão destes, não há mais oblação pelo pecado. Tendo, pois, irmãos, ousadia para entrar no santuário, pelo sangue de Jesus. Pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou, pelo véu, isto é, pela sua carne, E tendo um grande sacerdote sobre a casa de Deus, Hebreus 10: 16-21  Permaneça o amor fraternal. Não vos esqueçais da hospitalidade, porque por ela alguns, não o sabendo, hospedaram anjos. Lembrai-vos dos presos, como se estivésseis presos com eles, e dos maltratados, como sendo-o vós mesmos também no corpo. Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém, aos que se dão à prostituição, e aos adúlteros, Deus os julgará. Hebreus 13:1-4
  • 9.  Levar o esclarecimentos e conforto espiritual, traçando a conduta que cada um deve imprimir à sua vida.  É uma assimilação da Boa Nova, consubstanciada nos ensinamentos de Jesus.  Se ater nos homens que estavam servindo mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente.  Informar aos que esqueciam a Lei Maior, porque a cada um será dado segundo suas obras, na medida exata.  Aqueles que dominavam o povo homens vaidosos , Paulo adverte E tu, ò homem, que julgas os que fazem tais coisas, cuidas que fazendo-as, escaparás ao juízo de Deus?  Lembra-nos que: os que ouvem a Lei não são justos perante Deus, mas os que praticam a Lei hão de ser justificados (Lei do Amor)
  • 10.  Nos falar da dificuldade que nos afligiam e brigamos até hoje para entendermos, que é a proximidade do espírito às coisa do Plano Material. Ou seja para evoluir devemos distanciar-se das necessidades materiais.  Recomendava a não conformação com o mundo, mas o esforço pela renovação de nosso entendimento a perfeita vontade de Deus.  Nós diz para que sabermos o que nos convém saber, mas com temperança; mas que possamos fazer bem o que saibamos fazer, aquele que ensina deverá fazer com dedicação.  Pediu que nos procurássemos coisas honestas perante a todos os homens, para que aprendamos a ver também o lado bom de nosso semelhante. Fácil é notar em nosso próximo os defeitos que mais sobressaem em nós mesmos.  Portanto se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque fazendo isto, amontoarás amor ao seu coração... “Não te deixes vender do mal, mas vence o mal com bem.”
  • 11.  Alerta-nos para evitarmos vinganças ou pensamentos de justiça, esclarece-nos que a Leis Divinas se ocupam desse julgamento.  O Amor não faz mal ao próximo, mas o apego a matéria, vaidade, orgulho, maledicência, cobiça, faz. E devemos ter lugar à penetração do amor em nosso íntimo. Na Bíblia:  Isto é, para que juntamente convosco eu seja consolado pela fé mútua, assim vossa como minha. Não quero, porém, irmãos, que ignoreis que muitas vezes propus ir ter convosco (mas até agora tenho sido impedido) para também ter entre vós algum fruto, como também entre os demais gentios. Romanos 1:12,13  No dia em que Deus há de julgar os segredos dos homens, por Jesus Cristo, segundo o meu evangelho. Romanos 2:16    Dou graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor. Assim que eu mesmo com o entendimento sirvo à lei de Deus, mas com a carne à lei do pecado. Romanos 7:25
  • 12.  Libertar-se dos vícios e paixões, não se utilizando da malícia e da maldade, mas sim aplicando a sinceridade e a verdade, com atitudes cristalinas em falsa modéstia e hipocrisia.  Jamais a vaidade, o orgulho, o julgamento precipitado poderão encontrar guarida entre essas comunidades, se seguirem os ensinamento de Paulo, embora todas as coisas me sejam lícitas, nem todas me convêm.  Fala sobre o sexo, os que não tem condições de acalmar os desejos do sexo de que procurem praticá-lo dentro de uma normalidade aceitável pela sociedade e pela dignidade.  Ao homem é dada a oportunidade para procriar como imperiosa necessidade de possibilitar aos espíritos a manifestação no plano material. Este ato reveste-se de capital importância e não deve ser praticado com indignidade.  Fala-nos também sobre a diversidade de dons, mas o espírito é o mesmo... E há diversidade e ministério, mas o Senhor é o mesmo. Deus é o criador, igual, portanto para todos, e a todo criou com as mesmas possibilidades, de sorte que os dons ou qualidades são conquistados pelo trabalho.  Não vos maravilheis com o que eu faço; vós sereis capazes de fazer o que eu faço e muito mais. Esse é o escopo (oportunidade) das Escolas de Aprendizes do Evangelho: mostrar-nos o caminho.
  • 13.  Deixa-nos exemplos magníficos da mediunidade e da existência da vida após a morte do corpo, “Segui a caridade, e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar.  O que profetiza fala aos homens para edificação, exortação e consolação.  Dá-nos o conselho: Irmãos, não sejas meninos no entendimento, mas sede meninos da malícia, e adultos do entendimento.  Assim como todos morrem em Adão(homem evolutivo inicial), assim também todos serão vivificados em Cristo(homem evolutivo mais elevado).  É nos dado observar que o homem celeste, isto é, o espírito, utiliza-se do homem terrestre, isto é, o corpo, para sua evolução, renascendo quantas vezes forem necessárias à sua evolução. Nessa caminhada, o espírito evolui e a matéria também, já que o espírito evoluído necessita de um plano de manifestação condizente com seu grau evolutivo.
  • 14. Na Bíblia:  Porque a respeito de vós, irmãos meus, me foi comunicado pelos da família de Cloé que há contendas entre vós. Quero dizer com isto, que cada um de vós diz: Eu sou de Paulo, e eu de Apolo, e eu de Cefas, e eu de Cristo. Está Cristo dividido? foi Paulo crucificado por vós? ou fostes vós batizados em nome de Paulo? 1 Coríntios 1:11-13    Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino. Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido. Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor. 1 Coríntios 11:11-13