SlideShare uma empresa Scribd logo
Seminário de Lamego
e Seminário Interdiocesano de São José
INSTITUIÇÃO NO MINISTÉRIO LAICAL DE LEITOR NO SEMINÁRIO DE LAMEGO
EUCARISTIA CONCELEBRADA PELA COMUNIDADE DO SEMINÁRIO DE LAMEGO, DO SEMINÁRIO INTERDIOCESANO DE SÃO JOSÉ
(DIOCESES DE BRAGANÇA-MIRANDA, GUARDA, LAMEGO E VISEU), AMIGOS E FAMILIARES.
CELEBRANTE PRINCIPAL: D. ANTÓNIO JOSÉ DA ROCHA COUTO
15 DE MARÇO DE 2019
Sexta-feira da semana I do tempo da Quaresma*
* «Pode celebrar-se a Missa “Pelos ministros da Igreja”, com as leituras próprias do rito da instituição dos leitores, e paramentos brancos ou de cor festiva». «Ocorrendo algum dos dias
indicados nos nn. 1-9 [9 – Inclui Férias da Quaresma] da tabela dos dias litúrgicos, celebra-se a Missa do dia». (in: Preliminares da Instituição dos Leitores, n. 2)
1
| ENTRADA
Este cântico é composto por súplica e confiança: O salmista demonstra que o seu coração “não descansa enquanto não repousar
em Deus” (St. Agostinho) contemplando a sua face. Igualmente, testemunha a sua total confiança na bondade e misericórdia
de Deus, a quem reconhece como seu salvador.
2
| ACTO PENITENCIAL
Recordando as nossas fragilidades no exame de consciência, evocamos agora a obra de redenção realizada em Cristo. Unidos,
peçamos perdão ao Senhor suplicando-lhe com as palavras gregas Kyrie Eleison - “Senhor, tende piedade”.
3
| LEITURA I - Ez 18, 21-28
Leitura da Profecia de Ezequiel
Assim fala o Senhor Deus: «Se o pecador se arrepender de todas as faltas que cometeu, se observar
todos os meus mandamentos e praticar o direito e a justiça, certamente viverá e não morrerá. Não
lhe serão lembrados os pecados que cometeu e viverá por causa da justiça que praticou. Será
porventura a morte do pecador que Me agrada? – diz o Senhor Deus – Não é antes que se converta
do seu mau proceder e viva? Mas se o justo se desviar da justiça e praticar o mal, imitando as
abominações dos pecadores, porventura viverá? Não mais será recordada a justiça que praticou; por
causa da prevaricação em que caiu e do pecado que cometeu, ele morrerá. E vós dizeis: ‘O modo de
proceder do Senhor não é justo’. Escutai, casa de Israel: Será o meu modo de proceder que não é
justo? Não será antes o vosso modo de proceder que é injusto? Quando o justo se afastar da justiça,
praticar o mal e vier a morrer, morrerá por causa do mal cometido. Quando o pecador se afastar do
mal que tiver realizado, praticar o direito e a justiça, salvará a sua vida. Se abrir os olhos e renunciar
às faltas que tiver cometido, certamente viverá e não morrerá».
Palavra do Senhor.
“Será porventura a morte do pecador que Me agrada? – diz o Senhor
Deus – Não é antes que se converta do seu mau proceder e viva?”
| SALMO RESPONSORIAL - Salmo 129 (130),1-2.3-4ab.4c-6.7-8 (R. 3)
Do profundo abismo
chamo por Vós, Senhor,
Senhor, escutai a minha
voz.
Estejam os vossos ouvidos
atentos
à voz da minha súplica.
Se tiverdes em conta as
nossas faltas,
Senhor, quem poderá
salvar-se?
Mas em Vós está o perdão,
para serdes temido com
reverência.
Eu confio no Senhor,
a minha alma confia na sua
palavra.
A minha alma espera pelo
Senhor,
mais do que as sentinelas
pela aurora.
Mais do que as
sentinelas pela aurora,
Israel espera pelo
Senhor,
porque no Senhor está a
misericórdia
e com Ele abundante
redenção.
4
| ACLAMAÇÃO - Ez 18, 31
Deixai todos os vossos pecados, diz o Senhor; | criai um coração novo e um espírito novo.
| EVANGELHO - Mt 5, 20-26
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Se a vossa justiça não superar a dos escribas e
fariseus, não entrareis no reino dos Céus. Ouvistes que foi dito aos antigos: ‘Não matarás; quem
matar será submetido a julgamento’. Eu, porém, digo-vos: Todo aquele que se irar contra o seu
irmão será submetido a julgamento. Quem chamar imbecil a seu irmão será submetido ao Sinédrio,
e quem lhe chamar louco será submetido à geena de fogo. Portanto, se fores apresentar a tua oferta
sobre o altar e ali te recordares que o teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa lá a tua oferta
diante do altar, vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão e vem depois apresentar a tua oferta.
Reconcilia-te com o teu adversário, enquanto vais com ele a caminho, não seja caso que te entregue
ao juiz, o juiz ao guarda, e sejas metido na prisão. Em verdade te digo: Não sairás de lá, enquanto
não pagares o último centavo».
Palavra da salvação.
“Se a vossa justiça não superar a dos escribas e fariseus, .
não entrareis no reino dos Céus”.
“Se fores apresentar a tua oferta sobre o altar e ali te recordares que o teu irmão .
tem alguma coisa contra ti, deixa lá a tua oferta diante do altar, vai .
primeiro reconciliar-te com o teu irmão”.
5
| APRESENTAÇÃO DOS DONS
Oferecendo o pão e o vinho (tal como o sacrifício empreendido por Melquisedec – Gn 14, 18-20; Heb 7, 17), a Igreja reconhece
Deus como Rei Imortal. Ele é Senhor do Universo a quem tudo pertence. À matéria do sacrifício associa-se toda a realidade
humana – “oferecei os vossos corpos como sacrifício vivo, santo, agradável a Deus” (Rm 12,1). E, pela voz do Homem, a
criação inteira ergue louvores ao seu criador. Transformados pelo poder do Espirito Santo em Corpo e Sangue de Cristo, eles
tornam-se para aqueles que os comungam fonte de salvação, caminho para o Pai e bênção para toda a humanidade.
Refrão:
6
| SANTO
É sem dúvida um hino da mais nobre importância da Sagrada Liturgia. Com ele a Igreja terrena une-se à Igreja celeste – “com
os Anjos e os Santos, proclamamos a vossa glória cantando numa só voz” – em um só coro as vozes e o coração (St. Agostinho),
no louvor que os Anjos e os Santos cantam sem cessar diante do trono do Cordeiro (Ap. 7, 9-12).
7
| CORDEIRO
Cristo é a hóstia (vítima-cordeiro) santa, sacrifício perfeito por quem o mundo é liberto das amarras do pecado. Cantado
durante a fração do Pão por toda a assembleia, ele recorda-nos o mistério da Paixão de Cristo cujo memorial agora celebramos:
“como cordeiro levado ao matadouro” (Is. 53, 7).
| COMUNHÃO
Na passagem do Evangelho que acabamos de escutar, fomos convidados por Jesus a pedir perdão ao irmão que ofendemos; à
reconciliação; a deixar ódios, iras e vinganças fora da nossa vida e, em vez disso, a abraçar o seu exemplo de amor, perdão e de
disponibilidade para o serviço. Amar é superar a justiça dos escribas e fariseus. Amar é cantar com a vida um cântico novo ao
nosso Deus; é fazer a vontade do Pai.
Pe. Ferreira dos Santos
8
9
| FINAL
“Será porventura a morte do pecador que Me agrada? – diz o Senhor Deus – Não é antes que se converta do seu mau proceder e
viva?”. Estas palavras que escutamos da leitura retirada da Profecia de Ezequiel evidenciam que Deus não abandona o Homem
à morte, antes quer que ele converta o seu coração. “A glória de Deus é o homem vivo” (St. Ireneu de Lião). Por isso enviou o
seu Filho Unigénito, não para condenar o mundo mas para o mundo salvar. Aquele que acreditar em Jesus Cristo e acolher a
sua Boa Nova será salvo.
Roguemos a Deus Pai que derrame a graça da sua bênção sobre este seu
servo, escolhido para o ministério dos Leitores, e que ele, desempenhando
com zelo o ministério que lhe é confiado e anunciando a Cristo, glorifique
o Pai que está nos céus.
10
Algumas Notas sobre o Ministério de Leitor:
a) Papa Paulo VI - Carta Apostólica MINISTERIA QUAEDAM: dada por «Motu Proprio» pela qual é renovada a disciplina da prima
tonsura, das ordens menores e do subdiaconado na Igreja Latina.
«A Igreja instituiu, já em tempos antiquíssimos, alguns ministérios, com o fim de render a Deus o devido culto e de prestar
serviços ao povo de Deus, segundo as suas necessidades». «Alguns destes ofícios, mais intimamente relacionados com a
acção litúrgica, passaram pouco a pouco a ser considerados instituições prévias à recepção das ordens sacras. Deste modo,
o Ostiariado, o Leitorado, o Exorcistado e o Acolitado começaram a chamar-se, na Igreja Latina, ordens menores, em
relação ao Subdiaconado, Diaconado e Presbiterado, que se chamavam ordens maiores». Com o Concílio Vaticano II, surgiu
a consciência «que as ordens menores não foram sempre as mesmas e que muitas das funções a elas ligadas eram, na
realidade, também desempenhadas por leigos, como aliás ainda agora acontece, pareceu oportuno rever esta disciplina e
adaptá-la às necessidades actuais, de modo a que seja eliminado aquilo que em tais ministérios é obsoleto, seja mantido o
que continua a ser útil, se introduza o que aparecer como necessário». «Os ministérios podem ser confiados aos fiéis
leigos, pelo que já não devem ser tidos como reservados aos candidatos ao sacramento da Ordem». «A instituição de
Leitor e de Acólito, de acordo com a venerável tradição da Igreja, é reservada aos homens». «Os ministérios serão
conferidos pelo Ordinário (que é o Bispo e, nos institutos de perfeição clericais, o Superior Maior), com o rito litúrgico
«Instituição dos Leitores e dos Acólitos», a ser preparado pela Sé Apostólica». «Os candidatos ao Diaconado e ao
Presbiterado devem receber os ministérios de Leitor e de Acólito, a não ser que os tenham já recebido, e devem exercê-los
por um período de tempo conveniente, para melhor se disporem para o futuro serviço da Palavra e do Altar. A dispensa de
receber os ministérios, para os mesmos candidatos, é reservada à Santa Sé». «A colação dos ministérios não confere o
direito à sustentação ou a uma remuneração, por parte da Igreja».
«O Leitor é instituído para a função que lhe é própria, de ler a palavra de Deus nas assembleias litúrgicas. Por isso mesmo, na
Missa e nas demais acções sagradas, será ele a fazer as leituras da Sagrada Escritura (com excepção, porém, do Evangelho); na
falta do salmista, será ele a recitar o salmo entre as leituras; quando não houver diácono ou cantor, será ele a enunciar as
intenções da oração universal; a dirigir o canto e a orientar a participação do povo fiel; a preparar os fiéis para a recepção digna
dos Sacramentos. Poderá, além disso, na medida em que for necessário, ocupar-se da preparação de outros fiéis que, por encargo
temporário, devam ler a Sagrada Escritura nas acções litúrgicas. Para poder desempenhar-se destas funções, cada vez com maior
aptidão e perfeição, procure meditar com assiduidade a Sagrada Escritura».
b) Papa Paulo VI - Carta Apostólica AD PASCENDUM: pela qual se estabelecem algumas normas relativas à ordem sacra do
diaconado.
«Por uma razão particular, pois, convém que os ministérios de Leitor e de Acólito sejam confiados àqueles que desejam
consagrar-se especialmente a Deus e à Igreja, enquanto candidatos à Ordem sacra. A Igreja na verdade, por isso mesmo
que não deixa nunca de tomar o pão da vida, da mesa tanto da Palavra de Deus quanto do Corpo de Cristo, e de o distribuir
aos fiéis, julga ser muito oportuno que os candidatos às Ordens sacras, quer com o estudo quer com o exercício gradual
dos ministérios da Palavra e do Altar, através de um contacto íntimo, meditem nesse duplo aspecto da função sacerdotal
e se familiarizem com ele. Disso resultará a autenticidade do mesmo ministério, que lhe dará também grande eficácia. Os
candidatos, então, aproximar-se-ão das Ordens sacras plenamente conscientes da sua vocação, fervorosos de espírito,
desejosos de servir o Senhor, dispostos a perseverar na oração e generosos no prover às necessidades dos santos».
11
“Louvai o SENHOR, invocai o seu
nome, anunciai as suas obras entre
os povos”!
Is 12, 4
«Quantas lágrimas derramadas ao escutar as melodias dos teus hinos e cânticos, que ressoavam docemente na
tua igreja! Uma violenta comoção: aquelas melodias fluíam em meus ouvidos destilando no meu coração a
verdade, excitando em mim um caloroso sentimento de devoção. E as lágrimas que assim escorriam faziam-me
bem. Não havia muito tempo que a igreja de Milão começara a adotar essa prática consoladora e edificante do
canto, com grande regozijo dos fiéis, que uniam em um só coro as vozes e o coração. […] O povo fiel passava as
noites na igreja, disposto a morrer com seu bispo [St. Ambrósio]».
St. Agostinho, Confissões, Livro 9, Cap. 6 e 7.
2019
- Associação de Estudantes de Teologia –
Seminário de Lamego
Jesus, Maria e Ana
Diocese de Lamego
Lugar da Rina | 5100-196 Lamego
«Com o canto rezais e fazeis rezar, e participais no canto e na oração da liturgia que abraça toda a criação na glorificação
do Criador».
Bento XVI, 10 de Novembro de 2012
Com o exemplo e intercessão dos
Profetas e dos Apóstolos, deixemo-nos
inundar pelo fervor do anúncio das
maravilhas que o Senhor realizou em
favor do seu Povo.
João Pereira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A família católica, 34 edição. março 2016
A família católica, 34 edição. março 2016A família católica, 34 edição. março 2016
A família católica, 34 edição. março 2016
JORNAL A FAMILIA CATÓLICA
 
Jornal A Família Católica, 11 edição, abril 2014
Jornal A Família Católica, 11 edição, abril 2014Jornal A Família Católica, 11 edição, abril 2014
Jornal A Família Católica, 11 edição, abril 2014
Thiago Guerino
 
O tabernáculo e a igreja abraão de almeida
O tabernáculo e a igreja   abraão de almeidaO tabernáculo e a igreja   abraão de almeida
O tabernáculo e a igreja abraão de almeida
Rodolfo Nascimento
 
notas sobre o pentateuco levítico - c. h. mackintosh
notas sobre o pentateuco   levítico - c. h. mackintoshnotas sobre o pentateuco   levítico - c. h. mackintosh
notas sobre o pentateuco levítico - c. h. mackintosh
djalmabose
 
Um grande evangelho para grandes pecadores c.h.spurgeon
Um grande evangelho para grandes pecadores  c.h.spurgeonUm grande evangelho para grandes pecadores  c.h.spurgeon
Um grande evangelho para grandes pecadores c.h.spurgeon
Deonice E Orlando Sazonov
 
Ebook ceia senhor_ryle
Ebook ceia senhor_ryleEbook ceia senhor_ryle
Ebook ceia senhor_ryle
Paulo Costa
 
Nota do Pentateuco Levítico - C. H. Mackintosh
Nota do Pentateuco   Levítico - C. H. MackintoshNota do Pentateuco   Levítico - C. H. Mackintosh
Nota do Pentateuco Levítico - C. H. Mackintosh
Tsushya marco
 
Calvário
CalvárioCalvário
Via Crucis
Via CrucisVia Crucis
Mensagem do papa bento xvi
Mensagem do papa bento xviMensagem do papa bento xvi
Mensagem do papa bento xvi
Leutherio
 
Boletim cbg n°_31_1_ag_2014
Boletim cbg n°_31_1_ag_2014Boletim cbg n°_31_1_ag_2014
Boletim cbg n°_31_1_ag_2014
Silas Roberto Nogueira
 
AS SETE IGREJAS DO APOCALIPSE
AS SETE IGREJAS DO APOCALIPSEAS SETE IGREJAS DO APOCALIPSE
AS SETE IGREJAS DO APOCALIPSE
Lourenil Ferreira
 
Missa paixão
Missa paixãoMissa paixão
Missa paixão
Maria Antonieta Silva
 
[Bonhoeffer, dietrich] vida em comunhão
[Bonhoeffer, dietrich] vida em comunhão[Bonhoeffer, dietrich] vida em comunhão
[Bonhoeffer, dietrich] vida em comunhão
Samuel Oliveira
 

Mais procurados (14)

A família católica, 34 edição. março 2016
A família católica, 34 edição. março 2016A família católica, 34 edição. março 2016
A família católica, 34 edição. março 2016
 
Jornal A Família Católica, 11 edição, abril 2014
Jornal A Família Católica, 11 edição, abril 2014Jornal A Família Católica, 11 edição, abril 2014
Jornal A Família Católica, 11 edição, abril 2014
 
O tabernáculo e a igreja abraão de almeida
O tabernáculo e a igreja   abraão de almeidaO tabernáculo e a igreja   abraão de almeida
O tabernáculo e a igreja abraão de almeida
 
notas sobre o pentateuco levítico - c. h. mackintosh
notas sobre o pentateuco   levítico - c. h. mackintoshnotas sobre o pentateuco   levítico - c. h. mackintosh
notas sobre o pentateuco levítico - c. h. mackintosh
 
Um grande evangelho para grandes pecadores c.h.spurgeon
Um grande evangelho para grandes pecadores  c.h.spurgeonUm grande evangelho para grandes pecadores  c.h.spurgeon
Um grande evangelho para grandes pecadores c.h.spurgeon
 
Ebook ceia senhor_ryle
Ebook ceia senhor_ryleEbook ceia senhor_ryle
Ebook ceia senhor_ryle
 
Nota do Pentateuco Levítico - C. H. Mackintosh
Nota do Pentateuco   Levítico - C. H. MackintoshNota do Pentateuco   Levítico - C. H. Mackintosh
Nota do Pentateuco Levítico - C. H. Mackintosh
 
Calvário
CalvárioCalvário
Calvário
 
Via Crucis
Via CrucisVia Crucis
Via Crucis
 
Mensagem do papa bento xvi
Mensagem do papa bento xviMensagem do papa bento xvi
Mensagem do papa bento xvi
 
Boletim cbg n°_31_1_ag_2014
Boletim cbg n°_31_1_ag_2014Boletim cbg n°_31_1_ag_2014
Boletim cbg n°_31_1_ag_2014
 
AS SETE IGREJAS DO APOCALIPSE
AS SETE IGREJAS DO APOCALIPSEAS SETE IGREJAS DO APOCALIPSE
AS SETE IGREJAS DO APOCALIPSE
 
Missa paixão
Missa paixãoMissa paixão
Missa paixão
 
[Bonhoeffer, dietrich] vida em comunhão
[Bonhoeffer, dietrich] vida em comunhão[Bonhoeffer, dietrich] vida em comunhão
[Bonhoeffer, dietrich] vida em comunhão
 

Semelhante a Missa Guião Instituição no Ministério Laical de Leitor

Adoração bom jesus
Adoração bom jesusAdoração bom jesus
Adoração bom jesus
babins
 
Livreto CEBs - Comunidade: Igreja de todos e para todos
Livreto CEBs  - Comunidade:  Igreja de todos e para todosLivreto CEBs  - Comunidade:  Igreja de todos e para todos
Livreto CEBs - Comunidade: Igreja de todos e para todos
Bernadetecebs .
 
Sunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese MassSunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese Mass
MariadaSilva95
 
Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010
jesmioma
 
Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Novembro 2010
Voz da Paróquia - Novembro 2010Voz da Paróquia - Novembro 2010
Voz da Paróquia - Novembro 2010
jesmioma
 
Voz da Paróquia - Novembro 2010
Voz da Paróquia - Novembro 2010Voz da Paróquia - Novembro 2010
Voz da Paróquia - Novembro 2010
Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Julho 2013
Voz da Paróquia - Julho 2013Voz da Paróquia - Julho 2013
Voz da Paróquia - Julho 2013
jesmioma
 
O sacrificio e o perdão
O sacrificio e o perdãoO sacrificio e o perdão
O sacrificio e o perdão
Efraim Ben Tzion
 
Hebreus 6
Hebreus 6Hebreus 6
Aula 5 - Levítico
Aula 5 - LevíticoAula 5 - Levítico
Aula 5 - Levítico
ibrdoamor
 
Eae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das EpístolasEae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das Epístolas
PatiSousa1
 
Voz da Paróquia - Março 2013
Voz da Paróquia - Março 2013Voz da Paróquia - Março 2013
Voz da Paróquia - Março 2013
jesmioma
 
Voz da Paróquia - Fevereiro 2014
Voz da Paróquia - Fevereiro 2014Voz da Paróquia - Fevereiro 2014
Voz da Paróquia - Fevereiro 2014
jesmioma
 
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
Erberson Pinheiro
 
Confissão e arrependimento: as condições do reavivamento_Lição_original com t...
Confissão e arrependimento: as condições do reavivamento_Lição_original com t...Confissão e arrependimento: as condições do reavivamento_Lição_original com t...
Confissão e arrependimento: as condições do reavivamento_Lição_original com t...
Gerson G. Ramos
 
Católicos
CatólicosCatólicos
Constituição conciliar vaticano ii
Constituição conciliar vaticano iiConstituição conciliar vaticano ii
Constituição conciliar vaticano ii
Antonio Soares
 
Artigo V
Artigo VArtigo V
Artigo V
Autônomo
 
Jesus o verdadeiro fundador da Igreja Apostólica
Jesus o verdadeiro fundador da Igreja ApostólicaJesus o verdadeiro fundador da Igreja Apostólica
Jesus o verdadeiro fundador da Igreja Apostólica
Autônomo
 

Semelhante a Missa Guião Instituição no Ministério Laical de Leitor (20)

Adoração bom jesus
Adoração bom jesusAdoração bom jesus
Adoração bom jesus
 
Livreto CEBs - Comunidade: Igreja de todos e para todos
Livreto CEBs  - Comunidade:  Igreja de todos e para todosLivreto CEBs  - Comunidade:  Igreja de todos e para todos
Livreto CEBs - Comunidade: Igreja de todos e para todos
 
Sunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese MassSunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese Mass
 
Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010
 
Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010Voz da Paróquia - Outubro 2010
Voz da Paróquia - Outubro 2010
 
Voz da Paróquia - Novembro 2010
Voz da Paróquia - Novembro 2010Voz da Paróquia - Novembro 2010
Voz da Paróquia - Novembro 2010
 
Voz da Paróquia - Novembro 2010
Voz da Paróquia - Novembro 2010Voz da Paróquia - Novembro 2010
Voz da Paróquia - Novembro 2010
 
Voz da Paróquia - Julho 2013
Voz da Paróquia - Julho 2013Voz da Paróquia - Julho 2013
Voz da Paróquia - Julho 2013
 
O sacrificio e o perdão
O sacrificio e o perdãoO sacrificio e o perdão
O sacrificio e o perdão
 
Hebreus 6
Hebreus 6Hebreus 6
Hebreus 6
 
Aula 5 - Levítico
Aula 5 - LevíticoAula 5 - Levítico
Aula 5 - Levítico
 
Eae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das EpístolasEae 64 Estudo das Epístolas
Eae 64 Estudo das Epístolas
 
Voz da Paróquia - Março 2013
Voz da Paróquia - Março 2013Voz da Paróquia - Março 2013
Voz da Paróquia - Março 2013
 
Voz da Paróquia - Fevereiro 2014
Voz da Paróquia - Fevereiro 2014Voz da Paróquia - Fevereiro 2014
Voz da Paróquia - Fevereiro 2014
 
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
 
Confissão e arrependimento: as condições do reavivamento_Lição_original com t...
Confissão e arrependimento: as condições do reavivamento_Lição_original com t...Confissão e arrependimento: as condições do reavivamento_Lição_original com t...
Confissão e arrependimento: as condições do reavivamento_Lição_original com t...
 
Católicos
CatólicosCatólicos
Católicos
 
Constituição conciliar vaticano ii
Constituição conciliar vaticano iiConstituição conciliar vaticano ii
Constituição conciliar vaticano ii
 
Artigo V
Artigo VArtigo V
Artigo V
 
Jesus o verdadeiro fundador da Igreja Apostólica
Jesus o verdadeiro fundador da Igreja ApostólicaJesus o verdadeiro fundador da Igreja Apostólica
Jesus o verdadeiro fundador da Igreja Apostólica
 

Mais de João Pereira

XXXI Comum Ano A
XXXI Comum Ano AXXXI Comum Ano A
XXXI Comum Ano A
João Pereira
 
III Dom da Páscoa
III Dom da PáscoaIII Dom da Páscoa
III Dom da Páscoa
João Pereira
 
Missa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do SenhorMissa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do Senhor
João Pereira
 
Adoração da Santa Cruz
Adoração da Santa CruzAdoração da Santa Cruz
Adoração da Santa Cruz
João Pereira
 
Missa Vigília Pascal
Missa Vigília PascalMissa Vigília Pascal
Missa Vigília Pascal
João Pereira
 
Missa de Páscoa
Missa de PáscoaMissa de Páscoa
Missa de Páscoa
João Pereira
 
Cânticos do Natal
Cânticos do NatalCânticos do Natal
Cânticos do Natal
João Pereira
 
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntosORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
João Pereira
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
João Pereira
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
João Pereira
 
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do SenhorCânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
João Pereira
 
Antífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana SantaAntífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana Santa
João Pereira
 
Cânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresmaCânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresma
João Pereira
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
João Pereira
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
João Pereira
 
Cânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma ACânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma A
João Pereira
 
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano ACânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
João Pereira
 
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano ACânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
João Pereira
 
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano ACanticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
João Pereira
 
Cânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzasCânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzas
João Pereira
 

Mais de João Pereira (20)

XXXI Comum Ano A
XXXI Comum Ano AXXXI Comum Ano A
XXXI Comum Ano A
 
III Dom da Páscoa
III Dom da PáscoaIII Dom da Páscoa
III Dom da Páscoa
 
Missa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do SenhorMissa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do Senhor
 
Adoração da Santa Cruz
Adoração da Santa CruzAdoração da Santa Cruz
Adoração da Santa Cruz
 
Missa Vigília Pascal
Missa Vigília PascalMissa Vigília Pascal
Missa Vigília Pascal
 
Missa de Páscoa
Missa de PáscoaMissa de Páscoa
Missa de Páscoa
 
Cânticos do Natal
Cânticos do NatalCânticos do Natal
Cânticos do Natal
 
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntosORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
 
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do SenhorCânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
 
Antífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana SantaAntífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana Santa
 
Cânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresmaCânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresma
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
 
Cânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma ACânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma A
 
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano ACânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
 
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano ACânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
 
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano ACanticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
 
Cânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzasCânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzas
 

Último

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 

Missa Guião Instituição no Ministério Laical de Leitor

  • 1. Seminário de Lamego e Seminário Interdiocesano de São José INSTITUIÇÃO NO MINISTÉRIO LAICAL DE LEITOR NO SEMINÁRIO DE LAMEGO EUCARISTIA CONCELEBRADA PELA COMUNIDADE DO SEMINÁRIO DE LAMEGO, DO SEMINÁRIO INTERDIOCESANO DE SÃO JOSÉ (DIOCESES DE BRAGANÇA-MIRANDA, GUARDA, LAMEGO E VISEU), AMIGOS E FAMILIARES. CELEBRANTE PRINCIPAL: D. ANTÓNIO JOSÉ DA ROCHA COUTO 15 DE MARÇO DE 2019 Sexta-feira da semana I do tempo da Quaresma* * «Pode celebrar-se a Missa “Pelos ministros da Igreja”, com as leituras próprias do rito da instituição dos leitores, e paramentos brancos ou de cor festiva». «Ocorrendo algum dos dias indicados nos nn. 1-9 [9 – Inclui Férias da Quaresma] da tabela dos dias litúrgicos, celebra-se a Missa do dia». (in: Preliminares da Instituição dos Leitores, n. 2)
  • 2. 1 | ENTRADA Este cântico é composto por súplica e confiança: O salmista demonstra que o seu coração “não descansa enquanto não repousar em Deus” (St. Agostinho) contemplando a sua face. Igualmente, testemunha a sua total confiança na bondade e misericórdia de Deus, a quem reconhece como seu salvador.
  • 3. 2 | ACTO PENITENCIAL Recordando as nossas fragilidades no exame de consciência, evocamos agora a obra de redenção realizada em Cristo. Unidos, peçamos perdão ao Senhor suplicando-lhe com as palavras gregas Kyrie Eleison - “Senhor, tende piedade”.
  • 4. 3 | LEITURA I - Ez 18, 21-28 Leitura da Profecia de Ezequiel Assim fala o Senhor Deus: «Se o pecador se arrepender de todas as faltas que cometeu, se observar todos os meus mandamentos e praticar o direito e a justiça, certamente viverá e não morrerá. Não lhe serão lembrados os pecados que cometeu e viverá por causa da justiça que praticou. Será porventura a morte do pecador que Me agrada? – diz o Senhor Deus – Não é antes que se converta do seu mau proceder e viva? Mas se o justo se desviar da justiça e praticar o mal, imitando as abominações dos pecadores, porventura viverá? Não mais será recordada a justiça que praticou; por causa da prevaricação em que caiu e do pecado que cometeu, ele morrerá. E vós dizeis: ‘O modo de proceder do Senhor não é justo’. Escutai, casa de Israel: Será o meu modo de proceder que não é justo? Não será antes o vosso modo de proceder que é injusto? Quando o justo se afastar da justiça, praticar o mal e vier a morrer, morrerá por causa do mal cometido. Quando o pecador se afastar do mal que tiver realizado, praticar o direito e a justiça, salvará a sua vida. Se abrir os olhos e renunciar às faltas que tiver cometido, certamente viverá e não morrerá». Palavra do Senhor. “Será porventura a morte do pecador que Me agrada? – diz o Senhor Deus – Não é antes que se converta do seu mau proceder e viva?” | SALMO RESPONSORIAL - Salmo 129 (130),1-2.3-4ab.4c-6.7-8 (R. 3) Do profundo abismo chamo por Vós, Senhor, Senhor, escutai a minha voz. Estejam os vossos ouvidos atentos à voz da minha súplica. Se tiverdes em conta as nossas faltas, Senhor, quem poderá salvar-se? Mas em Vós está o perdão, para serdes temido com reverência. Eu confio no Senhor, a minha alma confia na sua palavra. A minha alma espera pelo Senhor, mais do que as sentinelas pela aurora. Mais do que as sentinelas pela aurora, Israel espera pelo Senhor, porque no Senhor está a misericórdia e com Ele abundante redenção.
  • 5. 4 | ACLAMAÇÃO - Ez 18, 31 Deixai todos os vossos pecados, diz o Senhor; | criai um coração novo e um espírito novo. | EVANGELHO - Mt 5, 20-26 Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Se a vossa justiça não superar a dos escribas e fariseus, não entrareis no reino dos Céus. Ouvistes que foi dito aos antigos: ‘Não matarás; quem matar será submetido a julgamento’. Eu, porém, digo-vos: Todo aquele que se irar contra o seu irmão será submetido a julgamento. Quem chamar imbecil a seu irmão será submetido ao Sinédrio, e quem lhe chamar louco será submetido à geena de fogo. Portanto, se fores apresentar a tua oferta sobre o altar e ali te recordares que o teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa lá a tua oferta diante do altar, vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão e vem depois apresentar a tua oferta. Reconcilia-te com o teu adversário, enquanto vais com ele a caminho, não seja caso que te entregue ao juiz, o juiz ao guarda, e sejas metido na prisão. Em verdade te digo: Não sairás de lá, enquanto não pagares o último centavo». Palavra da salvação. “Se a vossa justiça não superar a dos escribas e fariseus, . não entrareis no reino dos Céus”. “Se fores apresentar a tua oferta sobre o altar e ali te recordares que o teu irmão . tem alguma coisa contra ti, deixa lá a tua oferta diante do altar, vai . primeiro reconciliar-te com o teu irmão”.
  • 6. 5 | APRESENTAÇÃO DOS DONS Oferecendo o pão e o vinho (tal como o sacrifício empreendido por Melquisedec – Gn 14, 18-20; Heb 7, 17), a Igreja reconhece Deus como Rei Imortal. Ele é Senhor do Universo a quem tudo pertence. À matéria do sacrifício associa-se toda a realidade humana – “oferecei os vossos corpos como sacrifício vivo, santo, agradável a Deus” (Rm 12,1). E, pela voz do Homem, a criação inteira ergue louvores ao seu criador. Transformados pelo poder do Espirito Santo em Corpo e Sangue de Cristo, eles tornam-se para aqueles que os comungam fonte de salvação, caminho para o Pai e bênção para toda a humanidade. Refrão:
  • 7. 6 | SANTO É sem dúvida um hino da mais nobre importância da Sagrada Liturgia. Com ele a Igreja terrena une-se à Igreja celeste – “com os Anjos e os Santos, proclamamos a vossa glória cantando numa só voz” – em um só coro as vozes e o coração (St. Agostinho), no louvor que os Anjos e os Santos cantam sem cessar diante do trono do Cordeiro (Ap. 7, 9-12).
  • 8. 7 | CORDEIRO Cristo é a hóstia (vítima-cordeiro) santa, sacrifício perfeito por quem o mundo é liberto das amarras do pecado. Cantado durante a fração do Pão por toda a assembleia, ele recorda-nos o mistério da Paixão de Cristo cujo memorial agora celebramos: “como cordeiro levado ao matadouro” (Is. 53, 7). | COMUNHÃO Na passagem do Evangelho que acabamos de escutar, fomos convidados por Jesus a pedir perdão ao irmão que ofendemos; à reconciliação; a deixar ódios, iras e vinganças fora da nossa vida e, em vez disso, a abraçar o seu exemplo de amor, perdão e de disponibilidade para o serviço. Amar é superar a justiça dos escribas e fariseus. Amar é cantar com a vida um cântico novo ao nosso Deus; é fazer a vontade do Pai. Pe. Ferreira dos Santos
  • 9. 8
  • 10. 9 | FINAL “Será porventura a morte do pecador que Me agrada? – diz o Senhor Deus – Não é antes que se converta do seu mau proceder e viva?”. Estas palavras que escutamos da leitura retirada da Profecia de Ezequiel evidenciam que Deus não abandona o Homem à morte, antes quer que ele converta o seu coração. “A glória de Deus é o homem vivo” (St. Ireneu de Lião). Por isso enviou o seu Filho Unigénito, não para condenar o mundo mas para o mundo salvar. Aquele que acreditar em Jesus Cristo e acolher a sua Boa Nova será salvo. Roguemos a Deus Pai que derrame a graça da sua bênção sobre este seu servo, escolhido para o ministério dos Leitores, e que ele, desempenhando com zelo o ministério que lhe é confiado e anunciando a Cristo, glorifique o Pai que está nos céus.
  • 11. 10 Algumas Notas sobre o Ministério de Leitor: a) Papa Paulo VI - Carta Apostólica MINISTERIA QUAEDAM: dada por «Motu Proprio» pela qual é renovada a disciplina da prima tonsura, das ordens menores e do subdiaconado na Igreja Latina. «A Igreja instituiu, já em tempos antiquíssimos, alguns ministérios, com o fim de render a Deus o devido culto e de prestar serviços ao povo de Deus, segundo as suas necessidades». «Alguns destes ofícios, mais intimamente relacionados com a acção litúrgica, passaram pouco a pouco a ser considerados instituições prévias à recepção das ordens sacras. Deste modo, o Ostiariado, o Leitorado, o Exorcistado e o Acolitado começaram a chamar-se, na Igreja Latina, ordens menores, em relação ao Subdiaconado, Diaconado e Presbiterado, que se chamavam ordens maiores». Com o Concílio Vaticano II, surgiu a consciência «que as ordens menores não foram sempre as mesmas e que muitas das funções a elas ligadas eram, na realidade, também desempenhadas por leigos, como aliás ainda agora acontece, pareceu oportuno rever esta disciplina e adaptá-la às necessidades actuais, de modo a que seja eliminado aquilo que em tais ministérios é obsoleto, seja mantido o que continua a ser útil, se introduza o que aparecer como necessário». «Os ministérios podem ser confiados aos fiéis leigos, pelo que já não devem ser tidos como reservados aos candidatos ao sacramento da Ordem». «A instituição de Leitor e de Acólito, de acordo com a venerável tradição da Igreja, é reservada aos homens». «Os ministérios serão conferidos pelo Ordinário (que é o Bispo e, nos institutos de perfeição clericais, o Superior Maior), com o rito litúrgico «Instituição dos Leitores e dos Acólitos», a ser preparado pela Sé Apostólica». «Os candidatos ao Diaconado e ao Presbiterado devem receber os ministérios de Leitor e de Acólito, a não ser que os tenham já recebido, e devem exercê-los por um período de tempo conveniente, para melhor se disporem para o futuro serviço da Palavra e do Altar. A dispensa de receber os ministérios, para os mesmos candidatos, é reservada à Santa Sé». «A colação dos ministérios não confere o direito à sustentação ou a uma remuneração, por parte da Igreja». «O Leitor é instituído para a função que lhe é própria, de ler a palavra de Deus nas assembleias litúrgicas. Por isso mesmo, na Missa e nas demais acções sagradas, será ele a fazer as leituras da Sagrada Escritura (com excepção, porém, do Evangelho); na falta do salmista, será ele a recitar o salmo entre as leituras; quando não houver diácono ou cantor, será ele a enunciar as intenções da oração universal; a dirigir o canto e a orientar a participação do povo fiel; a preparar os fiéis para a recepção digna dos Sacramentos. Poderá, além disso, na medida em que for necessário, ocupar-se da preparação de outros fiéis que, por encargo temporário, devam ler a Sagrada Escritura nas acções litúrgicas. Para poder desempenhar-se destas funções, cada vez com maior aptidão e perfeição, procure meditar com assiduidade a Sagrada Escritura». b) Papa Paulo VI - Carta Apostólica AD PASCENDUM: pela qual se estabelecem algumas normas relativas à ordem sacra do diaconado. «Por uma razão particular, pois, convém que os ministérios de Leitor e de Acólito sejam confiados àqueles que desejam consagrar-se especialmente a Deus e à Igreja, enquanto candidatos à Ordem sacra. A Igreja na verdade, por isso mesmo que não deixa nunca de tomar o pão da vida, da mesa tanto da Palavra de Deus quanto do Corpo de Cristo, e de o distribuir aos fiéis, julga ser muito oportuno que os candidatos às Ordens sacras, quer com o estudo quer com o exercício gradual dos ministérios da Palavra e do Altar, através de um contacto íntimo, meditem nesse duplo aspecto da função sacerdotal e se familiarizem com ele. Disso resultará a autenticidade do mesmo ministério, que lhe dará também grande eficácia. Os candidatos, então, aproximar-se-ão das Ordens sacras plenamente conscientes da sua vocação, fervorosos de espírito, desejosos de servir o Senhor, dispostos a perseverar na oração e generosos no prover às necessidades dos santos».
  • 12. 11 “Louvai o SENHOR, invocai o seu nome, anunciai as suas obras entre os povos”! Is 12, 4 «Quantas lágrimas derramadas ao escutar as melodias dos teus hinos e cânticos, que ressoavam docemente na tua igreja! Uma violenta comoção: aquelas melodias fluíam em meus ouvidos destilando no meu coração a verdade, excitando em mim um caloroso sentimento de devoção. E as lágrimas que assim escorriam faziam-me bem. Não havia muito tempo que a igreja de Milão começara a adotar essa prática consoladora e edificante do canto, com grande regozijo dos fiéis, que uniam em um só coro as vozes e o coração. […] O povo fiel passava as noites na igreja, disposto a morrer com seu bispo [St. Ambrósio]». St. Agostinho, Confissões, Livro 9, Cap. 6 e 7. 2019 - Associação de Estudantes de Teologia – Seminário de Lamego Jesus, Maria e Ana Diocese de Lamego Lugar da Rina | 5100-196 Lamego «Com o canto rezais e fazeis rezar, e participais no canto e na oração da liturgia que abraça toda a criação na glorificação do Criador». Bento XVI, 10 de Novembro de 2012 Com o exemplo e intercessão dos Profetas e dos Apóstolos, deixemo-nos inundar pelo fervor do anúncio das maravilhas que o Senhor realizou em favor do seu Povo. João Pereira