SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Naturalismo
- século XIX -
2ª Série
Professora: Eliane Mello
No Naturalismo, os personagens são aprisionados às leis que regem a
natureza.
Nessas narrativas, privilegiam-se o retrato do proletariado e os
fenômenos coletivos.
A greve, de Robert Koehler, 1886
NATURALISMO
PELEZ, Fernand. Sans asile ou Les Expulsés (1883)
• Linguagem naturalista: linguagem simples, preocupação com detalhes,
descrição e narrativa lentas.
• Observação e análise da realidade
• Determinismo: para os naturalistas, o homem é uma máquina guiada pela
ação de leis físicas e químicas, pela hereditariedade e pelo meio físico e social.
• Zoomorfização do homem. → Ser humano descrito sob a ótica do
animalesco e do sensual
• Preferência por temas de patologia social. → Interesse por temas como
miséria, adultério, criminalidade, desequilíbrio psíquico, etc.
• Preferência pelo proletariado, que é trazido ao centro do romance
Características do Naturalismo
Aluísio de Azevedo nasceu dia 14 de abril de 1857, em São
Luís do Maranhão. É a principal expressão da prosa naturalista no
Brasil.
O ponto alto nos seus escritos, principalmente em suas obras
de maturidade, O cortiço (1890) e Casa de pensão (1894), é a maneira
como são retratados ambientes, paisagens, cenas coletivas.
.
Aluísio de Azevedo
O romance O Mulato é considerado o marco inicial do
Naturalismo que trata do preconceito racial e crítica à igreja.
Tem linguagem coloquial simples e direta.
O mulato (1881)
Obra marcante no Naturalismo, O cortiço narra a vida de um
grupo de pessoas que habitam o cortiço pertencente ao
migrante português João Romão. O cortiço é palco dos mais
variados tipos humanos: trabalhadores, prostitutas,
malandros, lavadeiras, homossexuais etc.
O cortiço (1890)
Raul Pompeia nasceu a 12 de abril de 1863, em Angra dos Reis, mas passou
quase toda a sua vida na capital do estado, o Rio de Janeiro.
Estudou direito, militou nos movimentos abolicionistas, colaborou na Gazeta
de Notícias. Inquieto como escritor e como pessoa, Pompeia envolveu-se em
inúmeras polêmicas, chegando a desfiar o poeta Olavo Bilac para um duelo.
Suicidou-se na noite de Natal de 1895.
Raul Pompeia
Narrado em 1ª pessoa, o romance inicia-se com as palavras do
pai de Sérgio, o protagonista: “Vais encontrar o mundo, disse-me meu pai à
porta do Ateneu. Coragem para a luta”. A seguir são relatadas experiências
vividas pelo adolescente Sérgio no internato Ateneu, reconstruídas,
selecionadas e comunicadas do ponto de vista subjetivo de Sérgio adulto.
Misturando alegrias e tristezas, decepções e entusiasmos, Sérgio
reconstrói, por meio da memória, a adolescência vivida e perdida entre as
paredes do famoso internato.
O Ateneu (1888)
Alguns fragmentos de O cortiço:
Eram cinco horas da manhã e o cortiço acordava, abrindo, não os olhos,
mas a sua infinidade de portas e janelas alinhadas.
Um acordar alegre e farto de quem dormiu de uma assentada sete horas
de chumbo. Como que se sentiam ainda na indolência de neblina as derradeiras
notas da ultima guitarra da noite antecedente, dissolvendo se à luz loura e tenra da
aurora, que nem um suspiro de saudade perdido em terra alheia.
A roupa lavada, que ficara de véspera nos coradouros, umedecia o ar e
punha lhe um farto acre de sabão ordinário. As pedras do chão, esbranquiçadas no
lugar da lavagem e em alguns pontos azuladas pelo anil, mostravam uma palidez
grisalha e triste, feita de acumulações de espumas secas.
Daí a pouco, em volta das bicas era um zunzum crescente; uma aglomeração tumultuosa
de machos e fêmeas. Uns, após outros, lavavam a cara, incomodamente, debaixo do fio de água que
escorria da altura de uns cinco palmos. O chão inundava se. As mulheres precisavam já prender as
saias entre as coxas para não as molhar; via se lhes a tostada nudez dos braços e do pescoço, que
elas despiam, suspendendo o cabelo todo para o alto do casco; os homens, esses não se
preocupavam em não molhar o pêlo, ao contrário metiam a cabeça bem debaixo da água e
esfregavam com força as ventas e as barbas, fossando e fungando contra as palmas da mão. As
portas das latrinas não descansavam, era um abrir e fechar de cada instante, um entrar e sair sem
tréguas. Não se demoravam lá dentro e vinham ainda amarrando as calças ou as saias; as crianças
não se davam ao trabalho de lá ir, despachavam se ali mesmo, no capinzal dos fundos, por detrás da
estalagem ou no recanto das hortas.
O rumor crescia, condensando se; o zunzum de todos os dias acentuava se; já se não
destacavam vozes dispersas, mas um só ruído compacto que enchia todo o cortiço. Começavam a
fazer compras na venda; ensarilhavam se discussões e resingas; ouviam se gargalhadas e pragas; já
se não falava, gritava se. Sentia se naquela fermentação sanguínea, naquela gula viçosa de plantas
rasteiras que mergulham os pés vigorosos na lama preta e nutriente da vida, o prazer animal de
existir, a triunfante satisfação de respirar sobre a terra.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02
Adriane Ferreira
 
João da cruz e sousa poeta catarinense
João da cruz e sousa poeta catarinenseJoão da cruz e sousa poeta catarinense
João da cruz e sousa poeta catarinense
Marilene dos Santos
 

Mais procurados (20)

Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Poesia de 30
Poesia de 30Poesia de 30
Poesia de 30
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações. Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações.
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
Poesia romântica no Brasil
Poesia romântica no BrasilPoesia romântica no Brasil
Poesia romântica no Brasil
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Macunaíma...
Macunaíma...Macunaíma...
Macunaíma...
 
Realismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completoRealismo e naturalismo no brasil completo
Realismo e naturalismo no brasil completo
 
Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02Simbolismo 140117175431-phpapp02
Simbolismo 140117175431-phpapp02
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
O Realismo no Brasil
O Realismo no BrasilO Realismo no Brasil
O Realismo no Brasil
 
Humanismo e Classicismo
Humanismo e ClassicismoHumanismo e Classicismo
Humanismo e Classicismo
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
 
João da cruz e sousa poeta catarinense
João da cruz e sousa poeta catarinenseJoão da cruz e sousa poeta catarinense
João da cruz e sousa poeta catarinense
 

Destaque

PresentacióN Realismo Naturalismo
PresentacióN Realismo   NaturalismoPresentacióN Realismo   Naturalismo
PresentacióN Realismo Naturalismo
profedelenguajrv
 
Movimientos literarios.
Movimientos literarios.Movimientos literarios.
Movimientos literarios.
Andres Toro
 
Movimientos literarios
Movimientos literariosMovimientos literarios
Movimientos literarios
oriannamonroy
 
Corrientes o Movimientos Literarios(Mapas Conceptuales)
Corrientes o Movimientos Literarios(Mapas Conceptuales)Corrientes o Movimientos Literarios(Mapas Conceptuales)
Corrientes o Movimientos Literarios(Mapas Conceptuales)
Jonnathan Tigre
 

Destaque (19)

Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Ppt book report2
Ppt book report2Ppt book report2
Ppt book report2
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Exámenes de literatura en las pau
Exámenes  de literatura en las pau Exámenes  de literatura en las pau
Exámenes de literatura en las pau
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Novela de la Revolución Mexicana.
Novela de la Revolución Mexicana.Novela de la Revolución Mexicana.
Novela de la Revolución Mexicana.
 
Mexican revolution
Mexican revolutionMexican revolution
Mexican revolution
 
Naturalismo completo
Naturalismo completoNaturalismo completo
Naturalismo completo
 
PresentacióN Realismo Naturalismo
PresentacióN Realismo   NaturalismoPresentacióN Realismo   Naturalismo
PresentacióN Realismo Naturalismo
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Naturalism: Explained
Naturalism: ExplainedNaturalism: Explained
Naturalism: Explained
 
Movimientos literarios.
Movimientos literarios.Movimientos literarios.
Movimientos literarios.
 
Naturalism
NaturalismNaturalism
Naturalism
 
Naturalism
 Naturalism Naturalism
Naturalism
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 
Naturalism Slides
Naturalism SlidesNaturalism Slides
Naturalism Slides
 
Movimientos literarios
Movimientos literariosMovimientos literarios
Movimientos literarios
 
Corrientes o Movimientos Literarios(Mapas Conceptuales)
Corrientes o Movimientos Literarios(Mapas Conceptuales)Corrientes o Movimientos Literarios(Mapas Conceptuales)
Corrientes o Movimientos Literarios(Mapas Conceptuales)
 
El naturalismo
El naturalismoEl naturalismo
El naturalismo
 

Semelhante a Literatura - Naturalismo

Realismo naturalismo 2012 novo
Realismo naturalismo 2012 novoRealismo naturalismo 2012 novo
Realismo naturalismo 2012 novo
kacau
 
Texto para apresentação seminário 19 de setembro
Texto para apresentação seminário 19 de setembroTexto para apresentação seminário 19 de setembro
Texto para apresentação seminário 19 de setembro
marinathebaldi
 
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia FagundesConto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
KamisCarvalho
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
Kauan_ts
 
O Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
O Pré - Modernismo - Professora Vivian TrombiniO Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
O Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
VIVIAN TROMBINI
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
GabrielaLimaPereira
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
nagelaviana
 
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Daniel Leitão
 
Livros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileiraLivros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileira
Joao Vitor Ckp
 

Semelhante a Literatura - Naturalismo (20)

Realismo naturalismo 2012 novo
Realismo naturalismo 2012 novoRealismo naturalismo 2012 novo
Realismo naturalismo 2012 novo
 
Atividade 02
Atividade 02Atividade 02
Atividade 02
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Texto para apresentação seminário 19 de setembro
Texto para apresentação seminário 19 de setembroTexto para apresentação seminário 19 de setembro
Texto para apresentação seminário 19 de setembro
 
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia FagundesConto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
Conto contemporâneo - moacyr e Lygia Fagundes
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
O ateneu(segunda versão)
O ateneu(segunda versão)O ateneu(segunda versão)
O ateneu(segunda versão)
 
Chacal e a poesia marginal
Chacal e a poesia marginalChacal e a poesia marginal
Chacal e a poesia marginal
 
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Realismo ok
Realismo okRealismo ok
Realismo ok
 
Primeiras estórias, de Guimarães Rosa - análise
Primeiras estórias, de Guimarães Rosa - análisePrimeiras estórias, de Guimarães Rosa - análise
Primeiras estórias, de Guimarães Rosa - análise
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
O Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
O Pré - Modernismo - Professora Vivian TrombiniO Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
O Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
 
Trabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesaTrabalho de língua portuguesa
Trabalho de língua portuguesa
 
3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil3ª geração do romantismo no brasil
3ª geração do romantismo no brasil
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
 
Livros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileiraLivros da literatura brasileira
Livros da literatura brasileira
 

Mais de NAPNE

Mais de NAPNE (20)

Fisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoFisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - Resumo
 
Sistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoSistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - Resumo
 
Slide renascimento cultural
Slide   renascimento culturalSlide   renascimento cultural
Slide renascimento cultural
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - Introdução
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
 
NAFTA
NAFTANAFTA
NAFTA
 
Imperialismo - EUA
Imperialismo - EUAImperialismo - EUA
Imperialismo - EUA
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
 
Resumo - Física
Resumo - FísicaResumo - Física
Resumo - Física
 
Digestão em humanos
Digestão em humanosDigestão em humanos
Digestão em humanos
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
 
Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príon
 
Atividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaAtividades - Pré-História
Atividades - Pré-História
 
Geografia - Paisagens
Geografia - PaisagensGeografia - Paisagens
Geografia - Paisagens
 
Ciências - Atividade
Ciências - AtividadeCiências - Atividade
Ciências - Atividade
 
Cruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaCruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e Cultura
 
Apostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e RomaApostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e Roma
 
Literatura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaLiteratura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - Prosa
 

Último

clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 

Literatura - Naturalismo

  • 1. Naturalismo - século XIX - 2ª Série Professora: Eliane Mello
  • 2. No Naturalismo, os personagens são aprisionados às leis que regem a natureza. Nessas narrativas, privilegiam-se o retrato do proletariado e os fenômenos coletivos. A greve, de Robert Koehler, 1886 NATURALISMO
  • 3. PELEZ, Fernand. Sans asile ou Les Expulsés (1883)
  • 4. • Linguagem naturalista: linguagem simples, preocupação com detalhes, descrição e narrativa lentas. • Observação e análise da realidade • Determinismo: para os naturalistas, o homem é uma máquina guiada pela ação de leis físicas e químicas, pela hereditariedade e pelo meio físico e social. • Zoomorfização do homem. → Ser humano descrito sob a ótica do animalesco e do sensual • Preferência por temas de patologia social. → Interesse por temas como miséria, adultério, criminalidade, desequilíbrio psíquico, etc. • Preferência pelo proletariado, que é trazido ao centro do romance Características do Naturalismo
  • 5. Aluísio de Azevedo nasceu dia 14 de abril de 1857, em São Luís do Maranhão. É a principal expressão da prosa naturalista no Brasil. O ponto alto nos seus escritos, principalmente em suas obras de maturidade, O cortiço (1890) e Casa de pensão (1894), é a maneira como são retratados ambientes, paisagens, cenas coletivas. . Aluísio de Azevedo
  • 6. O romance O Mulato é considerado o marco inicial do Naturalismo que trata do preconceito racial e crítica à igreja. Tem linguagem coloquial simples e direta. O mulato (1881)
  • 7. Obra marcante no Naturalismo, O cortiço narra a vida de um grupo de pessoas que habitam o cortiço pertencente ao migrante português João Romão. O cortiço é palco dos mais variados tipos humanos: trabalhadores, prostitutas, malandros, lavadeiras, homossexuais etc. O cortiço (1890)
  • 8. Raul Pompeia nasceu a 12 de abril de 1863, em Angra dos Reis, mas passou quase toda a sua vida na capital do estado, o Rio de Janeiro. Estudou direito, militou nos movimentos abolicionistas, colaborou na Gazeta de Notícias. Inquieto como escritor e como pessoa, Pompeia envolveu-se em inúmeras polêmicas, chegando a desfiar o poeta Olavo Bilac para um duelo. Suicidou-se na noite de Natal de 1895. Raul Pompeia
  • 9. Narrado em 1ª pessoa, o romance inicia-se com as palavras do pai de Sérgio, o protagonista: “Vais encontrar o mundo, disse-me meu pai à porta do Ateneu. Coragem para a luta”. A seguir são relatadas experiências vividas pelo adolescente Sérgio no internato Ateneu, reconstruídas, selecionadas e comunicadas do ponto de vista subjetivo de Sérgio adulto. Misturando alegrias e tristezas, decepções e entusiasmos, Sérgio reconstrói, por meio da memória, a adolescência vivida e perdida entre as paredes do famoso internato. O Ateneu (1888)
  • 10. Alguns fragmentos de O cortiço: Eram cinco horas da manhã e o cortiço acordava, abrindo, não os olhos, mas a sua infinidade de portas e janelas alinhadas. Um acordar alegre e farto de quem dormiu de uma assentada sete horas de chumbo. Como que se sentiam ainda na indolência de neblina as derradeiras notas da ultima guitarra da noite antecedente, dissolvendo se à luz loura e tenra da aurora, que nem um suspiro de saudade perdido em terra alheia. A roupa lavada, que ficara de véspera nos coradouros, umedecia o ar e punha lhe um farto acre de sabão ordinário. As pedras do chão, esbranquiçadas no lugar da lavagem e em alguns pontos azuladas pelo anil, mostravam uma palidez grisalha e triste, feita de acumulações de espumas secas.
  • 11. Daí a pouco, em volta das bicas era um zunzum crescente; uma aglomeração tumultuosa de machos e fêmeas. Uns, após outros, lavavam a cara, incomodamente, debaixo do fio de água que escorria da altura de uns cinco palmos. O chão inundava se. As mulheres precisavam já prender as saias entre as coxas para não as molhar; via se lhes a tostada nudez dos braços e do pescoço, que elas despiam, suspendendo o cabelo todo para o alto do casco; os homens, esses não se preocupavam em não molhar o pêlo, ao contrário metiam a cabeça bem debaixo da água e esfregavam com força as ventas e as barbas, fossando e fungando contra as palmas da mão. As portas das latrinas não descansavam, era um abrir e fechar de cada instante, um entrar e sair sem tréguas. Não se demoravam lá dentro e vinham ainda amarrando as calças ou as saias; as crianças não se davam ao trabalho de lá ir, despachavam se ali mesmo, no capinzal dos fundos, por detrás da estalagem ou no recanto das hortas. O rumor crescia, condensando se; o zunzum de todos os dias acentuava se; já se não destacavam vozes dispersas, mas um só ruído compacto que enchia todo o cortiço. Começavam a fazer compras na venda; ensarilhavam se discussões e resingas; ouviam se gargalhadas e pragas; já se não falava, gritava se. Sentia se naquela fermentação sanguínea, naquela gula viçosa de plantas rasteiras que mergulham os pés vigorosos na lama preta e nutriente da vida, o prazer animal de existir, a triunfante satisfação de respirar sobre a terra.