SlideShare uma empresa Scribd logo

exercicios thevenin e norton

Exercicios sobre teorema de norton e thevenin

1 de 10
Baixar para ler offline
Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt
Resolução de circuitos usando Teorema de Thévenin – Exercícios
Resolvidos
1º) Para o circuito abaixo, calcular a tensão sobre R3.
a) O Teorema de Thévenin estabelece que qualquer circuito linear visto de um elemento (ponto) pode
ser representado por uma fonte de tensão Vth igual à tensão do ponto a analisar em circuito aberto) em
série com uma resistência Rth (igual à resistência equivalente do circuito vista deste ponto, com todas
as fontes de tensão substituídas por um curto-circuito). O ponto a ser analisado, neste caso, é o
resistor R3. Para calcularmos então a tensão Vth redesenhamos o circuito sem o resistor R3.
Analisando o circuito ao lado, temos:
Vab = Vth + V2 (1)
Para calcular Vab, analisamos a malha formada por V1, R1, R2, V3, R5 e R4, já que entre a e b não
circula corrente.
V1 – R1*I – R2*I – V3 – R5*I – R4*I = 0
Substituindo valores:
2 – I – I – 2 – I – I = 0 ==>
-4I = 0 ==>
I = 0 A
Mas Vab = V1 – R1*I – R4*I
Como I = 0 A, Vab = V1 = 2V
Voltando à equação (1):
Vab = Vth + V2 ==> Vth = Vab – V2 ==> Vth = 2 – 4 ==> Vth = -2 V
18/09/14 1/10
Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt
Vamos agora calcular o Resistor de Thévenin. Para isso, redesenhamos o circuito sem o resistor R3 e
substituímos as fontes de tensão por um curto circuito:
O resistor de Thévenin é dado por:
Rth = (1 + 1) // (1 + 1) = 2 // 2 = 1 Ω
Passo a passo:
Podemos agora montar nosso circuito equivalente de Thévenin e calcular VR3:
Req = 1 + 4 = 5 Ω
I = Vth / Req = -2 / 5 = -0,4 A
VR3 = R3*I = 4*-0,4 = - 1,6 V (o sinal negativo indica que a
polaridade real de VR3 é com o positivo do lado de baixo do
resistor).
Portanto VR3 = 1,6 V – positivo em baixo.
(Comparando o resultado com o exercício 1 da lista de Kirchhoff, vemos que o resultado está correto).
18/09/14 2/10
Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt
2º) Determinar, por Thévenin, qual a tensão sobre R2 no circuito abaixo.
a) Determinar a tensão de Thévenin, retirando o
componente que queremos analisar, ou seja, R2, e
determinar a tensão no ponto.
b) Examinando o circuito ao lado, podemos escrever:
Vab = Vth + V2 + VR3
Mas Vab = 90V (= V1), e VR3 = 0 V, pois não circula
corrente por R3 (circuito aberto).
Portanto:
90 = Vth + 30 ==> Vth = 60 V
c) Para calcular Rth, substituímos as baterias por
curto-circuitos e calculamos a resistência equivalente,
conforme o circuito ao lado. Podemos deduzir que:
Rth = R3 + (R1//0) = R3 + 0 = R3
Portanto Rth = 15 Ω
Montando o equivalente de Thévenin, temos:
I = Vth / Req = 60 / (15 + 25) = 60 / 40 = 1,5 A
VR2 = R2 * I = 25 * 1,5 = 37,5 V
VR2 = 37,5 V, positivo para cima.
18/09/14 3/10
Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt
Exercícios propostos – Teorema de Thévenin
1º) Para o circuito abaixo, calcule o circuito equivalente de Thévenin responsável pela alimentação de
RL.
Calcule VRL para RL = 2Ω.
Resposta: Vth = 40V, Rth = 8Ω, VRL = 8 V.
2º) Para o circuito abaixo, calcular a tensão e a potência dissipada pelo resistor de 20 Ω, usando o
teorema de Thévenin. Apresentar os resultados com 3 casas decimais.
Resposta: V = 9,259 V e P = 4,286 W.
18/09/14 4/10
Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt
Redes Δ e Y
Δ em Y:
Produto dos adjacentes pela soma
Y em Δ:
Soma do produto dois a dois pelo oposto
1º) Para o circuito abaixo, calcular:
a) a rede equivalente Y para R1 = 60 Ω, R2 = 120 Ω e R3 = 180 Ω.
b) a rede equivalente Δ para Ra = 60 Ω, Rb = 120 Ω e Rc = 180 Ω.
a) Do formulário:
Ra = R1*R3 /( R1 + R2 + R3) = 60*180/(60 + 120 + 180) = 10800/360 = 30 Ω
Rb = R1*R2 /( R1 + R2 + R3) = 60*120/(60 + 120 + 180) = 7200/360 = 20 Ω
Rc = R2*R3 /( R1 + R2 + R3) = 120*180/(60 + 120 + 180) = 21600/360 = 60 Ω
b) Do formulário:
R1 = (Ra*Rb + Rb*Rc + Ra*Rc)/Rc = (60*120 + 120*180 + 60*180)/180 = 39600/180 = 220 Ω
R2 = (Ra*Rb + Rb*Rc + Ra*Rc)/Ra = (60*120 + 120*180 + 60*180)/60 = 39600/60 = 660 Ω
R1 = (Ra*Rb + Rb*Rc + Ra*Rc)/Rb = (60*120 + 120*180 + 60*180)/120 = 39600/120 = 330 Ω
18/09/14 5/10
Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt
Exercícios propostos – Redes Δ e Y
1º) Calcular a corrente fornecida pela bateria no circuito abaixo. (Dica: converter a rede Δ formada por
R3, R4 e R5 em rede Y)
Resposta: I = 10A.
18/09/14 6/10
Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt
Resolução de circuitos usando Teorema da Superposição –
Exercício Resolvido
1º) Calcular a tensão sobre o resistor R3 pelo teorema da Superposição.
O teorema da superposição define que num
circuito com duas ou mais fontes, a corrente
ou tensão para qualquer componente é a
soma algébrica dos efeitos produzidos por
cada fonte atuando independentemente.
Para se utilizar uma fonte de cada vez, todas
as outras fontes são substituídas por um curto-
circuito.
Então vamos redesenhar o circuito acima 3 vezes, o primeiro com V1, substituindo V2 e V3 por um
curto-circuito, o segundo com V2, substituindo V1 e V3 por um curto-circuito e o terceiro com V3,
substituindo V1 e V2 por um curto-circuito. Vamos calcular VR3 nos 3 circuitos e somar. Vamos chamar
os circuitos de A, B e C.
Circuito A:
Para calcularmos VR3, vamos calcular a corrente
circulante pelo circuito. Para tanto, temos que calcular
Req vista pela bateria. Req é igual a R2 em série com
R5, paralelo com R3, série com R1 e R4.
Logo Req = ((R2 + R5) // R3) + R1 + R4
Req = ((1 + 1) // 4) + 1 + 1 = (2 // 4 ) + 2 = 2 + 8/6
Req = 20/6 = 10/3 Ω
Temos então I = V1 / Req = 2/10/3 = 6/10 = 0,6 A
Analisando a malha da esquerda do circuito acima, podemos escrever:
V1 – VR1 – VR3 – VR4 = 0 ==> VR3 = V1 – VR1 – VR4 = 2 – 1*0,6 – 1*0,6 = 2 – 1,2 = 0,8 V
Portanto VR3a = 0,8V (positivo para cima)
Circuito B:
Fazendo o mesmo procedimento acima, vamos
calcular Req vista pela bateria. Para determinar Req,
primeiro determinamos R2 série com R5 e R1 série
com R4. Calculamos o paralelo das duas associações
série e associamos em série com R3.
Req = ((R2 + R5) // (R1 + R4)) + R3
Req = ((1 + 1) // (1 + 1)) + 4 = (2 // 2) + 4 = 1 + 4 = 5 Ω
Temos então I = V2 / Req = 4 / 5 = 0,8 A
18/09/14 7/10
Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt
Examinando o circuito B, vemos que a corrente I sai da bateria e circula totalmente por R3. Portanto
VR3b = R3*I = 4*0,8 = 3,2 V (positivo para baixo).
Circuito C:
Idem acima. Req é igual a R1 série com R4, paralelo
com R3, série com R2 e R5.
Req = (R1 + R4) // R3 + R2 + R5
Req = ((1 + 1) // 4) + 1 + 1 = (2 // 4) + 2 = 2 + 8/6
Req = 20/6 = 10/3 Ω
Temos então I = V3 / Req = 2/10/3 = 6/10 = 0,6 A
Analisando a malha da direita do circuito acima, podemos escrever:
– V3 + VR5 + VR3 + VR2 = 0 ==> VR3 = V3 – VR5 – VR2 = 2 – 1*0,6 – 1*0,6 = 2 – 1,2 = 0,8 V
Portanto VR3c = 0,8V (positivo para cima)
Vamos agora somar algebricamente as tensões VR3a, VR3b e VR3c para obtermos VR3.
VR3a = 0,8 V (positivo para cima) = – 0,8 V (positivo para baixo)
VR3b = 3,2 V (positivo para baixo) = + 3,2 V (positivo para baixo)
VR3c = 0,8 V (positivo para cima) = – 0,8 V (positivo para baixo)
VR3 = 3,2 – 0,8 – 0,8 = 1,6 V (positivo para baixo)
Exercícios propostos – Teorema da Sobreposição
1º) Calcular a tensão sobre R1 por sobreposição para o circuito abaixo.
Resposta: VR1 = 85V, positivo para a direita.
18/09/14 8/10
Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt
Resolução de circuitos usando Teorema de Norton – Exercício
Resolvido
1º) Qual a tensão sobre o resistor de 50 Ω no circuito abaixo?
Para resolvermos este circuito, temos que calcular
Req visto pela fonte de corrente e multiplicar Req
por I1.
Req = R1 // R2 = 500 // 50 = (500*50)/(500+50)
Req = 25000/550 = 45,454 Ω
VR2 = Req * I1 = 45,454 * 198 * 10-3
= 8,999892 V
Mas podemos usar o teorema de Norton para resolver o circuito acima. O teorema de Norton
estabelece que uma fonte de tensão em série com uma resistência é equivalente a uma fonte de
corrente em paralelo com uma resistência se a fonte de corrente fornecer uma corrente igual a tensão
da fonte de tensão dividida pela resistência série e as resistências forem iguais.
De modo reverso, uma fonte de corrente em paralelo com um resistor é equivalente a uma fonte de
tensão em série com um resistor se os resistores forem iguais e a tensão da fonte de tensão for igual a
corrente da fonte de corrente vezes a resistência paralela. Aplicando o teorema ao nosso circuito,
podemos substituir a fonte de corrente de 198 mA e R1 pelo mostrado abaixo:
Conforme exposto Vn = I1 * R1 = 198 * 10-3
* 500 = 99 V
As resistências são iguais.
Vamos agora analisar o circuito depois de aplicado o teorema de Norton. Para calcularmos VR2,
determinamos primeiro Req. Req é igual a associação série de R1 e R2.
Req = R1 + R2 = 500 + 50 = 550 Ω
Vamos agora calcular a corrente que passa pelo circuito:
I = V1 / Req = 99 / 550 = 0,18 A = 180 mA
VR2 é igual a corrente que passa por ele multiplicado pelo valor de R2.
VR2 = 0,18 * 50 = 9 V
Os resultados não são diferentes, apenas pelo segundo método não temos dízimas, o que não
provoca erro de aproximação.
18/09/14 9/10
Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt
Exercício proposto – Teorema de Norton
1º) Para o circuito abaixo, calcular a tensão sobre R3, diretamente e usando o teorema de Norton.
Resposta: VR3 = 10 V
18/09/14 10/10

Recomendados

Teoremas exer resolvido
Teoremas exer resolvidoTeoremas exer resolvido
Teoremas exer resolvidoGabriel Sousa
 
teorema-de-thevenin-e-norton (1)
teorema-de-thevenin-e-norton (1)teorema-de-thevenin-e-norton (1)
teorema-de-thevenin-e-norton (1)FIPA
 
Potência em circuitos trifásicos
Potência em circuitos trifásicosPotência em circuitos trifásicos
Potência em circuitos trifásicoszeu1507
 
Teorema de Thevenin alex
Teorema de Thevenin alexTeorema de Thevenin alex
Teorema de Thevenin alexAlex Davoglio
 
Química Inorgânica
Química Inorgânica Química Inorgânica
Química Inorgânica Alex Junior
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório de física resistência e resistividade
Relatório de física   resistência e resistividadeRelatório de física   resistência e resistividade
Relatório de física resistência e resistividadeVictor Said
 
Corrente alternada circuitos
Corrente alternada circuitosCorrente alternada circuitos
Corrente alternada circuitosOi S.A
 
Física 2 relatório Circuito RC
Física 2  relatório Circuito RCFísica 2  relatório Circuito RC
Física 2 relatório Circuito RCSabrina Fermano
 
Resistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Resistência dos materiais - Exercícios ResolvidosResistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Resistência dos materiais - Exercícios ResolvidosMoreira1972
 
Relatório de carga e descarga de capacitores
Relatório de carga e descarga de capacitoresRelatório de carga e descarga de capacitores
Relatório de carga e descarga de capacitoresAnderson Totimura
 
Apostila profissional do senai circuitos eletricos[1]
Apostila profissional   do senai  circuitos eletricos[1]Apostila profissional   do senai  circuitos eletricos[1]
Apostila profissional do senai circuitos eletricos[1]Rodrigo Amorim
 
Leis de Kirchhoff - Malhas
Leis de Kirchhoff - MalhasLeis de Kirchhoff - Malhas
Leis de Kirchhoff - MalhasAdilson Nakamura
 
Aula 6 -_pka
Aula 6 -_pkaAula 6 -_pka
Aula 6 -_pkaday ....
 
Gases perfeitos e termodinâmica
Gases perfeitos e termodinâmicaGases perfeitos e termodinâmica
Gases perfeitos e termodinâmicaDayanne Sousa
 
Aula 2 eletrônica industrial
Aula 2 eletrônica industrialAula 2 eletrônica industrial
Aula 2 eletrônica industrialBruno Nora
 
57701066 matematica-discreta-exercicios-resolvidos
57701066 matematica-discreta-exercicios-resolvidos57701066 matematica-discreta-exercicios-resolvidos
57701066 matematica-discreta-exercicios-resolvidosHAROLDO MIRANDA DA COSTA JR
 
Resistência dos Materiais - Torção
Resistência dos Materiais - TorçãoResistência dos Materiais - Torção
Resistência dos Materiais - TorçãoRodrigo Meireles
 

Mais procurados (20)

Teorema de Norton
Teorema de NortonTeorema de Norton
Teorema de Norton
 
Relatório de física resistência e resistividade
Relatório de física   resistência e resistividadeRelatório de física   resistência e resistividade
Relatório de física resistência e resistividade
 
Corrente alternada circuitos
Corrente alternada circuitosCorrente alternada circuitos
Corrente alternada circuitos
 
Relatório de física 3 lei de ohm
Relatório de física 3  lei de ohmRelatório de física 3  lei de ohm
Relatório de física 3 lei de ohm
 
Física 2 relatório Circuito RC
Física 2  relatório Circuito RCFísica 2  relatório Circuito RC
Física 2 relatório Circuito RC
 
Resistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Resistência dos materiais - Exercícios ResolvidosResistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
Resistência dos materiais - Exercícios Resolvidos
 
1 ciclo rankine (1)
1  ciclo rankine (1)1  ciclo rankine (1)
1 ciclo rankine (1)
 
Relatório de carga e descarga de capacitores
Relatório de carga e descarga de capacitoresRelatório de carga e descarga de capacitores
Relatório de carga e descarga de capacitores
 
Superfície equipotencial
Superfície equipotencialSuperfície equipotencial
Superfície equipotencial
 
Apostila profissional do senai circuitos eletricos[1]
Apostila profissional   do senai  circuitos eletricos[1]Apostila profissional   do senai  circuitos eletricos[1]
Apostila profissional do senai circuitos eletricos[1]
 
Leis de Kirchhoff - Malhas
Leis de Kirchhoff - MalhasLeis de Kirchhoff - Malhas
Leis de Kirchhoff - Malhas
 
Aula 6 -_pka
Aula 6 -_pkaAula 6 -_pka
Aula 6 -_pka
 
Autovalor autovetor
Autovalor autovetorAutovalor autovetor
Autovalor autovetor
 
Gases perfeitos e termodinâmica
Gases perfeitos e termodinâmicaGases perfeitos e termodinâmica
Gases perfeitos e termodinâmica
 
Estequiometria - Apresentação
Estequiometria - ApresentaçãoEstequiometria - Apresentação
Estequiometria - Apresentação
 
Ciclo rankine
Ciclo rankineCiclo rankine
Ciclo rankine
 
Aula 2 eletrônica industrial
Aula 2 eletrônica industrialAula 2 eletrônica industrial
Aula 2 eletrônica industrial
 
Cinemática
CinemáticaCinemática
Cinemática
 
57701066 matematica-discreta-exercicios-resolvidos
57701066 matematica-discreta-exercicios-resolvidos57701066 matematica-discreta-exercicios-resolvidos
57701066 matematica-discreta-exercicios-resolvidos
 
Resistência dos Materiais - Torção
Resistência dos Materiais - TorçãoResistência dos Materiais - Torção
Resistência dos Materiais - Torção
 

Destaque

Lista de exercicios eletricidade capacitores e resistores
Lista de exercicios eletricidade capacitores e resistores Lista de exercicios eletricidade capacitores e resistores
Lista de exercicios eletricidade capacitores e resistores zeu1507
 
Apostila De Eletricidade Aplicada
Apostila De Eletricidade AplicadaApostila De Eletricidade Aplicada
Apostila De Eletricidade AplicadaLuiz Mariano
 
Lista de exercícios potência ca e triângulo de potências
Lista de exercícios potência ca e triângulo de potênciasLista de exercícios potência ca e triângulo de potências
Lista de exercícios potência ca e triângulo de potênciasJoão Marcus Callegari
 
Tehevenin norton sup e max pot
Tehevenin norton sup e max potTehevenin norton sup e max pot
Tehevenin norton sup e max potThabatta Araújo
 
Anlisedecircuitosemcorrentealternada 101213092826-phpapp01
Anlisedecircuitosemcorrentealternada 101213092826-phpapp01Anlisedecircuitosemcorrentealternada 101213092826-phpapp01
Anlisedecircuitosemcorrentealternada 101213092826-phpapp01Ivair Reis de Almeida
 
www.aulaparticularonline.net.br - Física - Exercícios Resolvidos de Eletricidade
www.aulaparticularonline.net.br - Física - Exercícios Resolvidos de Eletricidadewww.aulaparticularonline.net.br - Física - Exercícios Resolvidos de Eletricidade
www.aulaparticularonline.net.br - Física - Exercícios Resolvidos de EletricidadeLucia Silveira
 
Física Quântica
Física QuânticaFísica Quântica
Física QuânticaKim Evy
 
Aula 01 princípios de corrente alternada
Aula 01   princípios de corrente alternadaAula 01   princípios de corrente alternada
Aula 01 princípios de corrente alternadaDelirose Ramos
 
Fisica tópico 1 – corrente elétrica e resistores
Fisica tópico 1 – corrente elétrica e resistoresFisica tópico 1 – corrente elétrica e resistores
Fisica tópico 1 – corrente elétrica e resistorescomentada
 
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente ContínuaCircuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente ContínuaJosé Albuquerque
 
A arte de ver
A arte de verA arte de ver
A arte de verliliane10
 
Fisica tópico 2 – associação de resistores e medidas elétricas
Fisica tópico 2 – associação de resistores e medidas elétricasFisica tópico 2 – associação de resistores e medidas elétricas
Fisica tópico 2 – associação de resistores e medidas elétricascomentada
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosGabriela Bruno
 

Destaque (16)

Lista de exercicios eletricidade capacitores e resistores
Lista de exercicios eletricidade capacitores e resistores Lista de exercicios eletricidade capacitores e resistores
Lista de exercicios eletricidade capacitores e resistores
 
Apostila De Eletricidade Aplicada
Apostila De Eletricidade AplicadaApostila De Eletricidade Aplicada
Apostila De Eletricidade Aplicada
 
Lista de exercícios potência ca e triângulo de potências
Lista de exercícios potência ca e triângulo de potênciasLista de exercícios potência ca e triângulo de potências
Lista de exercícios potência ca e triângulo de potências
 
Eletricidade capítulo 05
Eletricidade capítulo 05Eletricidade capítulo 05
Eletricidade capítulo 05
 
Tehevenin norton sup e max pot
Tehevenin norton sup e max potTehevenin norton sup e max pot
Tehevenin norton sup e max pot
 
Gabarito v2
Gabarito v2Gabarito v2
Gabarito v2
 
Anlisedecircuitosemcorrentealternada 101213092826-phpapp01
Anlisedecircuitosemcorrentealternada 101213092826-phpapp01Anlisedecircuitosemcorrentealternada 101213092826-phpapp01
Anlisedecircuitosemcorrentealternada 101213092826-phpapp01
 
www.aulaparticularonline.net.br - Física - Exercícios Resolvidos de Eletricidade
www.aulaparticularonline.net.br - Física - Exercícios Resolvidos de Eletricidadewww.aulaparticularonline.net.br - Física - Exercícios Resolvidos de Eletricidade
www.aulaparticularonline.net.br - Física - Exercícios Resolvidos de Eletricidade
 
Física Quântica
Física QuânticaFísica Quântica
Física Quântica
 
Aula 01 princípios de corrente alternada
Aula 01   princípios de corrente alternadaAula 01   princípios de corrente alternada
Aula 01 princípios de corrente alternada
 
Capitulo 1 grandezas elétricas
Capitulo 1   grandezas elétricasCapitulo 1   grandezas elétricas
Capitulo 1 grandezas elétricas
 
Fisica tópico 1 – corrente elétrica e resistores
Fisica tópico 1 – corrente elétrica e resistoresFisica tópico 1 – corrente elétrica e resistores
Fisica tópico 1 – corrente elétrica e resistores
 
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente ContínuaCircuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
 
A arte de ver
A arte de verA arte de ver
A arte de ver
 
Fisica tópico 2 – associação de resistores e medidas elétricas
Fisica tópico 2 – associação de resistores e medidas elétricasFisica tópico 2 – associação de resistores e medidas elétricas
Fisica tópico 2 – associação de resistores e medidas elétricas
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios Estratigráficos
 

Semelhante a exercicios thevenin e norton

Teorema de thévenin e norton
Teorema de thévenin e nortonTeorema de thévenin e norton
Teorema de thévenin e nortonClaudio Arkan
 
Unidade Curricular Modelagem e Simulação de Sistemas Elétricos e Magnéticos.pdf
Unidade Curricular Modelagem e Simulação de Sistemas Elétricos e Magnéticos.pdfUnidade Curricular Modelagem e Simulação de Sistemas Elétricos e Magnéticos.pdf
Unidade Curricular Modelagem e Simulação de Sistemas Elétricos e Magnéticos.pdfJeffersonMonteiro46
 
Aposteletrotecnica2
Aposteletrotecnica2Aposteletrotecnica2
Aposteletrotecnica2resolvidos
 
3 Circuitos elétricos - resistores
3 Circuitos elétricos - resistores3 Circuitos elétricos - resistores
3 Circuitos elétricos - resistoresPedro Barros Neto
 
Lab Circuitos EléTricos Jim
Lab Circuitos EléTricos JimLab Circuitos EléTricos Jim
Lab Circuitos EléTricos JimJim Naturesa
 
Analise_Circuitos.pptx
Analise_Circuitos.pptxAnalise_Circuitos.pptx
Analise_Circuitos.pptxMarceloKwecko
 
Professor helanderson sousa
Professor helanderson sousaProfessor helanderson sousa
Professor helanderson sousaDayanne Sousa
 
Equipamentos elétricos e telecomunicações - 5 Receptores
Equipamentos elétricos e telecomunicações -  5 ReceptoresEquipamentos elétricos e telecomunicações -  5 Receptores
Equipamentos elétricos e telecomunicações - 5 Receptoresprofelder
 
Laboratório 2.pptx
Laboratório 2.pptxLaboratório 2.pptx
Laboratório 2.pptxjacklima19
 
Exercícios de thevénin
Exercícios de thevéninExercícios de thevénin
Exercícios de thevéninGabriel Dutra
 
Redes equivalentes e Teoremas sobre redes
Redes equivalentes e Teoremas sobre redesRedes equivalentes e Teoremas sobre redes
Redes equivalentes e Teoremas sobre redesJOANESMARTINSGALVAO
 
Divisor de tensao
Divisor de tensaoDivisor de tensao
Divisor de tensaomarinarruda
 
IPP UFSC Nocoes basicas de circuitos eletricos.pdf
IPP UFSC Nocoes basicas de circuitos eletricos.pdfIPP UFSC Nocoes basicas de circuitos eletricos.pdf
IPP UFSC Nocoes basicas de circuitos eletricos.pdfMussageVirgilioSaide
 

Semelhante a exercicios thevenin e norton (20)

Teorema de thévenin e norton
Teorema de thévenin e nortonTeorema de thévenin e norton
Teorema de thévenin e norton
 
Unidade Curricular Modelagem e Simulação de Sistemas Elétricos e Magnéticos.pdf
Unidade Curricular Modelagem e Simulação de Sistemas Elétricos e Magnéticos.pdfUnidade Curricular Modelagem e Simulação de Sistemas Elétricos e Magnéticos.pdf
Unidade Curricular Modelagem e Simulação de Sistemas Elétricos e Magnéticos.pdf
 
Aposteletrotecnica2
Aposteletrotecnica2Aposteletrotecnica2
Aposteletrotecnica2
 
13 análise nodal em cc
13 análise nodal em cc13 análise nodal em cc
13 análise nodal em cc
 
3 Circuitos elétricos - resistores
3 Circuitos elétricos - resistores3 Circuitos elétricos - resistores
3 Circuitos elétricos - resistores
 
Corrente alternada
Corrente alternadaCorrente alternada
Corrente alternada
 
Lista 2 medidas
Lista 2   medidasLista 2   medidas
Lista 2 medidas
 
Lab Circuitos EléTricos Jim
Lab Circuitos EléTricos JimLab Circuitos EléTricos Jim
Lab Circuitos EléTricos Jim
 
Analise_Circuitos.pptx
Analise_Circuitos.pptxAnalise_Circuitos.pptx
Analise_Circuitos.pptx
 
Analise nodal
Analise nodal Analise nodal
Analise nodal
 
Professor helanderson sousa
Professor helanderson sousaProfessor helanderson sousa
Professor helanderson sousa
 
Equipamentos elétricos e telecomunicações - 5 Receptores
Equipamentos elétricos e telecomunicações -  5 ReceptoresEquipamentos elétricos e telecomunicações -  5 Receptores
Equipamentos elétricos e telecomunicações - 5 Receptores
 
Lista de exercício 1 circuitos elétricos I
Lista de exercício 1   circuitos elétricos ILista de exercício 1   circuitos elétricos I
Lista de exercício 1 circuitos elétricos I
 
Transformers
TransformersTransformers
Transformers
 
Transformers
TransformersTransformers
Transformers
 
Laboratório 2.pptx
Laboratório 2.pptxLaboratório 2.pptx
Laboratório 2.pptx
 
Exercícios de thevénin
Exercícios de thevéninExercícios de thevénin
Exercícios de thevénin
 
Redes equivalentes e Teoremas sobre redes
Redes equivalentes e Teoremas sobre redesRedes equivalentes e Teoremas sobre redes
Redes equivalentes e Teoremas sobre redes
 
Divisor de tensao
Divisor de tensaoDivisor de tensao
Divisor de tensao
 
IPP UFSC Nocoes basicas de circuitos eletricos.pdf
IPP UFSC Nocoes basicas de circuitos eletricos.pdfIPP UFSC Nocoes basicas de circuitos eletricos.pdf
IPP UFSC Nocoes basicas de circuitos eletricos.pdf
 

Último

Biossegurança é definida como o conjunto de procedimentos, ações, técnicas, m...
Biossegurança é definida como o conjunto de procedimentos, ações, técnicas, m...Biossegurança é definida como o conjunto de procedimentos, ações, técnicas, m...
Biossegurança é definida como o conjunto de procedimentos, ações, técnicas, m...DL assessoria 29
 
Na espiral do conhecimento, temos uma conversão que é a transmissão imediata ...
Na espiral do conhecimento, temos uma conversão que é a transmissão imediata ...Na espiral do conhecimento, temos uma conversão que é a transmissão imediata ...
Na espiral do conhecimento, temos uma conversão que é a transmissão imediata ...homeyab951
 
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...homeyab951
 
Comumente, o cidadão tem dificuldade para compreender o cotidiano da política...
Comumente, o cidadão tem dificuldade para compreender o cotidiano da política...Comumente, o cidadão tem dificuldade para compreender o cotidiano da política...
Comumente, o cidadão tem dificuldade para compreender o cotidiano da política...dowak84168
 
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...assessoria DL S5
 
2) Considere que a fábrica de chocolates nova receberá 3 tipos diferentes de ...
2) Considere que a fábrica de chocolates nova receberá 3 tipos diferentes de ...2) Considere que a fábrica de chocolates nova receberá 3 tipos diferentes de ...
2) Considere que a fábrica de chocolates nova receberá 3 tipos diferentes de ...homeyab951
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 
Paulo, gestor de uma empresa de desenvolvimento de softwares, deseja aumentar...
Paulo, gestor de uma empresa de desenvolvimento de softwares, deseja aumentar...Paulo, gestor de uma empresa de desenvolvimento de softwares, deseja aumentar...
Paulo, gestor de uma empresa de desenvolvimento de softwares, deseja aumentar...homeyab951
 
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...homeyab951
 
1) Após assistir ao vídeo explicativo da atividade, realize uma pesquisa bibl...
1) Após assistir ao vídeo explicativo da atividade, realize uma pesquisa bibl...1) Após assistir ao vídeo explicativo da atividade, realize uma pesquisa bibl...
1) Após assistir ao vídeo explicativo da atividade, realize uma pesquisa bibl...Prime Assessoria
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docxdaimonkonicz35
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...daimonkonicz35
 
Com relação às formas de operacionalização da Administração Pública, poderá s...
Com relação às formas de operacionalização da Administração Pública, poderá s...Com relação às formas de operacionalização da Administração Pública, poderá s...
Com relação às formas de operacionalização da Administração Pública, poderá s...Prime Assessoria
 
O ciclo de instrução é um conceito crucial na Arquitetura e Organização de Co...
O ciclo de instrução é um conceito crucial na Arquitetura e Organização de Co...O ciclo de instrução é um conceito crucial na Arquitetura e Organização de Co...
O ciclo de instrução é um conceito crucial na Arquitetura e Organização de Co...homeyab951
 
PROJETO DE ENSINO - PLÁGIO NÃO ROLA! SEJA O PROTAGONISTA DA SUA IDEIA - 51202...
PROJETO DE ENSINO - PLÁGIO NÃO ROLA! SEJA O PROTAGONISTA DA SUA IDEIA - 51202...PROJETO DE ENSINO - PLÁGIO NÃO ROLA! SEJA O PROTAGONISTA DA SUA IDEIA - 51202...
PROJETO DE ENSINO - PLÁGIO NÃO ROLA! SEJA O PROTAGONISTA DA SUA IDEIA - 51202...homeyab951
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
(43)98816 5388 ASSESSORIA  ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...(43)98816 5388 ASSESSORIA  ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...daimonkonicz35
 
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...homeyab951
 
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVACSpiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVACsandracesteves71
 
1) Descreva sua empresa que deverá ser do ramo de Comércio. A descrição dever...
1) Descreva sua empresa que deverá ser do ramo de Comércio. A descrição dever...1) Descreva sua empresa que deverá ser do ramo de Comércio. A descrição dever...
1) Descreva sua empresa que deverá ser do ramo de Comércio. A descrição dever...homeyab951
 
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...homeyab951
 

Último (20)

Biossegurança é definida como o conjunto de procedimentos, ações, técnicas, m...
Biossegurança é definida como o conjunto de procedimentos, ações, técnicas, m...Biossegurança é definida como o conjunto de procedimentos, ações, técnicas, m...
Biossegurança é definida como o conjunto de procedimentos, ações, técnicas, m...
 
Na espiral do conhecimento, temos uma conversão que é a transmissão imediata ...
Na espiral do conhecimento, temos uma conversão que é a transmissão imediata ...Na espiral do conhecimento, temos uma conversão que é a transmissão imediata ...
Na espiral do conhecimento, temos uma conversão que é a transmissão imediata ...
 
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...
Você já agiu sem pensar Muitas vezes, somos precipitados, porque o comportame...
 
Comumente, o cidadão tem dificuldade para compreender o cotidiano da política...
Comumente, o cidadão tem dificuldade para compreender o cotidiano da política...Comumente, o cidadão tem dificuldade para compreender o cotidiano da política...
Comumente, o cidadão tem dificuldade para compreender o cotidiano da política...
 
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
Presente nas discussões de quase todas as áreas das atividades humanas, a Bio...
 
2) Considere que a fábrica de chocolates nova receberá 3 tipos diferentes de ...
2) Considere que a fábrica de chocolates nova receberá 3 tipos diferentes de ...2) Considere que a fábrica de chocolates nova receberá 3 tipos diferentes de ...
2) Considere que a fábrica de chocolates nova receberá 3 tipos diferentes de ...
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 
Paulo, gestor de uma empresa de desenvolvimento de softwares, deseja aumentar...
Paulo, gestor de uma empresa de desenvolvimento de softwares, deseja aumentar...Paulo, gestor de uma empresa de desenvolvimento de softwares, deseja aumentar...
Paulo, gestor de uma empresa de desenvolvimento de softwares, deseja aumentar...
 
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...
O horário político obrigatório suscitou inúmeros questionamentos em D. Matild...
 
1) Após assistir ao vídeo explicativo da atividade, realize uma pesquisa bibl...
1) Após assistir ao vídeo explicativo da atividade, realize uma pesquisa bibl...1) Após assistir ao vídeo explicativo da atividade, realize uma pesquisa bibl...
1) Após assistir ao vídeo explicativo da atividade, realize uma pesquisa bibl...
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - ENGENHARIA DO PRODUTO - 51 2024.docx
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA ...
 
Com relação às formas de operacionalização da Administração Pública, poderá s...
Com relação às formas de operacionalização da Administração Pública, poderá s...Com relação às formas de operacionalização da Administração Pública, poderá s...
Com relação às formas de operacionalização da Administração Pública, poderá s...
 
O ciclo de instrução é um conceito crucial na Arquitetura e Organização de Co...
O ciclo de instrução é um conceito crucial na Arquitetura e Organização de Co...O ciclo de instrução é um conceito crucial na Arquitetura e Organização de Co...
O ciclo de instrução é um conceito crucial na Arquitetura e Organização de Co...
 
PROJETO DE ENSINO - PLÁGIO NÃO ROLA! SEJA O PROTAGONISTA DA SUA IDEIA - 51202...
PROJETO DE ENSINO - PLÁGIO NÃO ROLA! SEJA O PROTAGONISTA DA SUA IDEIA - 51202...PROJETO DE ENSINO - PLÁGIO NÃO ROLA! SEJA O PROTAGONISTA DA SUA IDEIA - 51202...
PROJETO DE ENSINO - PLÁGIO NÃO ROLA! SEJA O PROTAGONISTA DA SUA IDEIA - 51202...
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
(43)98816 5388 ASSESSORIA  ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...(43)98816 5388 ASSESSORIA  ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
(43)98816 5388 ASSESSORIA ATIVIDADE 1 - CONCEITOS DA ADMINISTRAÇÃO E ÉTICA E...
 
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...
a) Busca da Instrução ( FETCH ). b) Decodificação da Instrução ( DECODE ). c)...
 
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVACSpiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
Spiroflex - Industria de Tubos Lda - AVAC
 
1) Descreva sua empresa que deverá ser do ramo de Comércio. A descrição dever...
1) Descreva sua empresa que deverá ser do ramo de Comércio. A descrição dever...1) Descreva sua empresa que deverá ser do ramo de Comércio. A descrição dever...
1) Descreva sua empresa que deverá ser do ramo de Comércio. A descrição dever...
 
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...
O presidencialismo é mais comum no Brasil – seja no governo ou nas instituiçõ...
 

exercicios thevenin e norton

  • 1. Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt Resolução de circuitos usando Teorema de Thévenin – Exercícios Resolvidos 1º) Para o circuito abaixo, calcular a tensão sobre R3. a) O Teorema de Thévenin estabelece que qualquer circuito linear visto de um elemento (ponto) pode ser representado por uma fonte de tensão Vth igual à tensão do ponto a analisar em circuito aberto) em série com uma resistência Rth (igual à resistência equivalente do circuito vista deste ponto, com todas as fontes de tensão substituídas por um curto-circuito). O ponto a ser analisado, neste caso, é o resistor R3. Para calcularmos então a tensão Vth redesenhamos o circuito sem o resistor R3. Analisando o circuito ao lado, temos: Vab = Vth + V2 (1) Para calcular Vab, analisamos a malha formada por V1, R1, R2, V3, R5 e R4, já que entre a e b não circula corrente. V1 – R1*I – R2*I – V3 – R5*I – R4*I = 0 Substituindo valores: 2 – I – I – 2 – I – I = 0 ==> -4I = 0 ==> I = 0 A Mas Vab = V1 – R1*I – R4*I Como I = 0 A, Vab = V1 = 2V Voltando à equação (1): Vab = Vth + V2 ==> Vth = Vab – V2 ==> Vth = 2 – 4 ==> Vth = -2 V 18/09/14 1/10
  • 2. Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt Vamos agora calcular o Resistor de Thévenin. Para isso, redesenhamos o circuito sem o resistor R3 e substituímos as fontes de tensão por um curto circuito: O resistor de Thévenin é dado por: Rth = (1 + 1) // (1 + 1) = 2 // 2 = 1 Ω Passo a passo: Podemos agora montar nosso circuito equivalente de Thévenin e calcular VR3: Req = 1 + 4 = 5 Ω I = Vth / Req = -2 / 5 = -0,4 A VR3 = R3*I = 4*-0,4 = - 1,6 V (o sinal negativo indica que a polaridade real de VR3 é com o positivo do lado de baixo do resistor). Portanto VR3 = 1,6 V – positivo em baixo. (Comparando o resultado com o exercício 1 da lista de Kirchhoff, vemos que o resultado está correto). 18/09/14 2/10
  • 3. Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt 2º) Determinar, por Thévenin, qual a tensão sobre R2 no circuito abaixo. a) Determinar a tensão de Thévenin, retirando o componente que queremos analisar, ou seja, R2, e determinar a tensão no ponto. b) Examinando o circuito ao lado, podemos escrever: Vab = Vth + V2 + VR3 Mas Vab = 90V (= V1), e VR3 = 0 V, pois não circula corrente por R3 (circuito aberto). Portanto: 90 = Vth + 30 ==> Vth = 60 V c) Para calcular Rth, substituímos as baterias por curto-circuitos e calculamos a resistência equivalente, conforme o circuito ao lado. Podemos deduzir que: Rth = R3 + (R1//0) = R3 + 0 = R3 Portanto Rth = 15 Ω Montando o equivalente de Thévenin, temos: I = Vth / Req = 60 / (15 + 25) = 60 / 40 = 1,5 A VR2 = R2 * I = 25 * 1,5 = 37,5 V VR2 = 37,5 V, positivo para cima. 18/09/14 3/10
  • 4. Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt Exercícios propostos – Teorema de Thévenin 1º) Para o circuito abaixo, calcule o circuito equivalente de Thévenin responsável pela alimentação de RL. Calcule VRL para RL = 2Ω. Resposta: Vth = 40V, Rth = 8Ω, VRL = 8 V. 2º) Para o circuito abaixo, calcular a tensão e a potência dissipada pelo resistor de 20 Ω, usando o teorema de Thévenin. Apresentar os resultados com 3 casas decimais. Resposta: V = 9,259 V e P = 4,286 W. 18/09/14 4/10
  • 5. Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt Redes Δ e Y Δ em Y: Produto dos adjacentes pela soma Y em Δ: Soma do produto dois a dois pelo oposto 1º) Para o circuito abaixo, calcular: a) a rede equivalente Y para R1 = 60 Ω, R2 = 120 Ω e R3 = 180 Ω. b) a rede equivalente Δ para Ra = 60 Ω, Rb = 120 Ω e Rc = 180 Ω. a) Do formulário: Ra = R1*R3 /( R1 + R2 + R3) = 60*180/(60 + 120 + 180) = 10800/360 = 30 Ω Rb = R1*R2 /( R1 + R2 + R3) = 60*120/(60 + 120 + 180) = 7200/360 = 20 Ω Rc = R2*R3 /( R1 + R2 + R3) = 120*180/(60 + 120 + 180) = 21600/360 = 60 Ω b) Do formulário: R1 = (Ra*Rb + Rb*Rc + Ra*Rc)/Rc = (60*120 + 120*180 + 60*180)/180 = 39600/180 = 220 Ω R2 = (Ra*Rb + Rb*Rc + Ra*Rc)/Ra = (60*120 + 120*180 + 60*180)/60 = 39600/60 = 660 Ω R1 = (Ra*Rb + Rb*Rc + Ra*Rc)/Rb = (60*120 + 120*180 + 60*180)/120 = 39600/120 = 330 Ω 18/09/14 5/10
  • 6. Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt Exercícios propostos – Redes Δ e Y 1º) Calcular a corrente fornecida pela bateria no circuito abaixo. (Dica: converter a rede Δ formada por R3, R4 e R5 em rede Y) Resposta: I = 10A. 18/09/14 6/10
  • 7. Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt Resolução de circuitos usando Teorema da Superposição – Exercício Resolvido 1º) Calcular a tensão sobre o resistor R3 pelo teorema da Superposição. O teorema da superposição define que num circuito com duas ou mais fontes, a corrente ou tensão para qualquer componente é a soma algébrica dos efeitos produzidos por cada fonte atuando independentemente. Para se utilizar uma fonte de cada vez, todas as outras fontes são substituídas por um curto- circuito. Então vamos redesenhar o circuito acima 3 vezes, o primeiro com V1, substituindo V2 e V3 por um curto-circuito, o segundo com V2, substituindo V1 e V3 por um curto-circuito e o terceiro com V3, substituindo V1 e V2 por um curto-circuito. Vamos calcular VR3 nos 3 circuitos e somar. Vamos chamar os circuitos de A, B e C. Circuito A: Para calcularmos VR3, vamos calcular a corrente circulante pelo circuito. Para tanto, temos que calcular Req vista pela bateria. Req é igual a R2 em série com R5, paralelo com R3, série com R1 e R4. Logo Req = ((R2 + R5) // R3) + R1 + R4 Req = ((1 + 1) // 4) + 1 + 1 = (2 // 4 ) + 2 = 2 + 8/6 Req = 20/6 = 10/3 Ω Temos então I = V1 / Req = 2/10/3 = 6/10 = 0,6 A Analisando a malha da esquerda do circuito acima, podemos escrever: V1 – VR1 – VR3 – VR4 = 0 ==> VR3 = V1 – VR1 – VR4 = 2 – 1*0,6 – 1*0,6 = 2 – 1,2 = 0,8 V Portanto VR3a = 0,8V (positivo para cima) Circuito B: Fazendo o mesmo procedimento acima, vamos calcular Req vista pela bateria. Para determinar Req, primeiro determinamos R2 série com R5 e R1 série com R4. Calculamos o paralelo das duas associações série e associamos em série com R3. Req = ((R2 + R5) // (R1 + R4)) + R3 Req = ((1 + 1) // (1 + 1)) + 4 = (2 // 2) + 4 = 1 + 4 = 5 Ω Temos então I = V2 / Req = 4 / 5 = 0,8 A 18/09/14 7/10
  • 8. Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt Examinando o circuito B, vemos que a corrente I sai da bateria e circula totalmente por R3. Portanto VR3b = R3*I = 4*0,8 = 3,2 V (positivo para baixo). Circuito C: Idem acima. Req é igual a R1 série com R4, paralelo com R3, série com R2 e R5. Req = (R1 + R4) // R3 + R2 + R5 Req = ((1 + 1) // 4) + 1 + 1 = (2 // 4) + 2 = 2 + 8/6 Req = 20/6 = 10/3 Ω Temos então I = V3 / Req = 2/10/3 = 6/10 = 0,6 A Analisando a malha da direita do circuito acima, podemos escrever: – V3 + VR5 + VR3 + VR2 = 0 ==> VR3 = V3 – VR5 – VR2 = 2 – 1*0,6 – 1*0,6 = 2 – 1,2 = 0,8 V Portanto VR3c = 0,8V (positivo para cima) Vamos agora somar algebricamente as tensões VR3a, VR3b e VR3c para obtermos VR3. VR3a = 0,8 V (positivo para cima) = – 0,8 V (positivo para baixo) VR3b = 3,2 V (positivo para baixo) = + 3,2 V (positivo para baixo) VR3c = 0,8 V (positivo para cima) = – 0,8 V (positivo para baixo) VR3 = 3,2 – 0,8 – 0,8 = 1,6 V (positivo para baixo) Exercícios propostos – Teorema da Sobreposição 1º) Calcular a tensão sobre R1 por sobreposição para o circuito abaixo. Resposta: VR1 = 85V, positivo para a direita. 18/09/14 8/10
  • 9. Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt Resolução de circuitos usando Teorema de Norton – Exercício Resolvido 1º) Qual a tensão sobre o resistor de 50 Ω no circuito abaixo? Para resolvermos este circuito, temos que calcular Req visto pela fonte de corrente e multiplicar Req por I1. Req = R1 // R2 = 500 // 50 = (500*50)/(500+50) Req = 25000/550 = 45,454 Ω VR2 = Req * I1 = 45,454 * 198 * 10-3 = 8,999892 V Mas podemos usar o teorema de Norton para resolver o circuito acima. O teorema de Norton estabelece que uma fonte de tensão em série com uma resistência é equivalente a uma fonte de corrente em paralelo com uma resistência se a fonte de corrente fornecer uma corrente igual a tensão da fonte de tensão dividida pela resistência série e as resistências forem iguais. De modo reverso, uma fonte de corrente em paralelo com um resistor é equivalente a uma fonte de tensão em série com um resistor se os resistores forem iguais e a tensão da fonte de tensão for igual a corrente da fonte de corrente vezes a resistência paralela. Aplicando o teorema ao nosso circuito, podemos substituir a fonte de corrente de 198 mA e R1 pelo mostrado abaixo: Conforme exposto Vn = I1 * R1 = 198 * 10-3 * 500 = 99 V As resistências são iguais. Vamos agora analisar o circuito depois de aplicado o teorema de Norton. Para calcularmos VR2, determinamos primeiro Req. Req é igual a associação série de R1 e R2. Req = R1 + R2 = 500 + 50 = 550 Ω Vamos agora calcular a corrente que passa pelo circuito: I = V1 / Req = 99 / 550 = 0,18 A = 180 mA VR2 é igual a corrente que passa por ele multiplicado pelo valor de R2. VR2 = 0,18 * 50 = 9 V Os resultados não são diferentes, apenas pelo segundo método não temos dízimas, o que não provoca erro de aproximação. 18/09/14 9/10
  • 10. Eletricidade Aplicada Exercícios - Thevenin - Resolvidos e propostos.odt Exercício proposto – Teorema de Norton 1º) Para o circuito abaixo, calcular a tensão sobre R3, diretamente e usando o teorema de Norton. Resposta: VR3 = 10 V 18/09/14 10/10