SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 59
Baixar para ler offline
Universidade Federal de Pelotas
Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária
Uma abordagem sobre
INOVAÇÃO
Pelotas/RS – dezembro de 2017
-Hipocalcemia em ruminantes-
Universidade Federal de Pelotas
Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária
PAINELISTAS
Mariane Castro Mayens
Graduanda em Zootecnia - UFPel
Painelista 2 – Vantagens do cálcio pós-parto
Mozer Manetti de Ávila
Zootecnista/Doutorando em Biotecnologia - UFPel
Moderador – Avanços do NUPEEC
Milene Lopes dos Santos
Graduanda em Zootecnia - UFPel
Painelista 1 – Protocolos de dietas aniônicas
3
O Cálcio
Coagulação sanguínea
Contração muscular
Permeabilidade da membrana
Condução nervosa
Secreção de leite
Estrutura do osso
...
20
40.078
4
O Ca no organismo das vacas
99% nos ossos e dentes e 1%
nos fluidos corporais;
1,5% do peso animal
Ca extracelular:
Cai = 50%
Ca+Prot = 45%
Complexado = 5%
500Kg = 7,5Kg de Cálcio
Wilkens et al., 2012 - 0.3168/jds.2011-4342
Goff, 2014 - 10.1016/j.cvfa.2014.04.003
5
Período de transição
IMS
Energia Absorvida
3ª 2ª 1ª 1ª 2ª 3ª
P
Quantidade de glicose
MRC
Sem falar nos efeitos indiretos
4,0
5,0
6,0
7,0
8,0
9,0
10,0
-7 -6 -5 -4 -3 -2 -1 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14
Vacas com hipocalcemia clínca
Vacas sem hipocalcemia clínica
Cálcio
total,
mg/dL
Dias relativos ao parto
Concentração plasmática de cálcio no parto
Kimura et al., 2006 - S0022-0302(06)72335-9
7
Regulação da Calcemia
Glândula
Tireóide
Glândulas
Paratireóides
CALCITONINA
HORMÔNIO
PARATIDEÓIDE
- +
+ [] de Ca no sangue - [] de Ca no sangue
Em resumo, a regulação hormonal...
Calcitonina
↓Cálcio Total
↓ Cálcio Ionizado
Paratormônio
Vitamina D
↑ Cálcio Total
↑ Cálcio Ionizado
8
Prevalência de hipocalcemia
Prevalência de 25% a 54%
Variando com o número de lactações
9
Prevalência de 3% a 15%
Clínica
9x
Cetose
3x
Retenção de
Placenta
3,7x
Distocia
8x
Mastite
3x
Deslocamento de
Abomaso
1,7x
Metrite
Efeitos da hipocalcemia
10
HIPOCALCEMIA
Corbellini, 1998 – INTA/AR
Correa et al., 1993 - 10.3168/jds.S0022-0302(93)77461-5
Efeitos da hipocalcemia
11
Laura L. Hernandez
University of Wisconsin-Madison
HCSintomática = $240Mi em 2013
Só nos EUA
“Indicou que a prevenção ao invés de
tratamento da hipocalcemia reduziriam o
entorno de $140Mi ao ano na cadeia do leite
americana”.
PRECISAMOS RESOLVER ESTE
PROBLEMA...
MAS COMO?
12
13
INOVAÇÃO
Inovação significa criar algo novo!
 innovatio (Latim)
 se refere a uma ideia, método ou objeto que é criado
e que pouco se parece com padrões anteriores.
Emerson Carvalho, 2008
Manual Oslo, 2005.
Google.com
UK Innovation Report, 2003
14
Dr. Geoff Nicholson
“INOVAÇÃO É TRANSFORMAR
CONHECIMENTO EM DINHEIRO”
15
“Pensar fora da caixa”
16
INOVAÇÃO
17
E NA HIPOCALCEMIA???
10.3168/jds.S0022-0302(84)81657-4
Ca e P na dieta
Alcalinidade alta ou baixa
Vitamina D oral ou
Parenteral
18
BLOCK VENCEU A CORRIDA!
19
DIETAANIÔNICA É VIÁVEL?
20
OUTROS ESTUDOS...
OUTROS ESTUDOS...
PAINEL 1
Dietas com BCAD negativo por um período estendido de tempo não afetam a
performance pós-parto de vacas multíparas
Objetivos
1. Reavaliar os benefícios da diferença catiônica-
aniônica da dieta (BCAD) no pré-parto;
2. Explorar os efeitos de alimentação com BCAD
negativa na homeostase do Ca e ingestão de
matéria seca, assim como no status energético e na
produção de leite pós-parto.
Objetivos
22
Hipóteses
1. Vacas alimentadas com BCAD negativo por 21 dias
pré-parto, resultariam em maior desempenho pós-
parto;
2. BCAD negativo por 21 ou 42 dias pré-parto,
resultariam em desempenho semelhante.
HIPÓTESES
Hipóteses
23
 Produção de leite equivalente a
305 d (11343,0 ± 1754,0 kg)
 Peso corporal em seco (643,5 ±
96,7 kg)
 ECC em seco (3,3 ± 0,3 pontos)
 Paridade (2,0 ± 1,2 lactações)
BCAD positivas e
negativas
60 vacas holandesas
multíparas
OBJETIVOS
Metodologia
24
-42d -22d -21d 0 d
CON: BCAD positivo por 42d (BCAD 12
mEq / 100g de MS)
21 ND: BCAD positivo do dia -42 ao dia
-22; BCAD negativo do dia -21 ao dia
zero (BCAD +12 e -16 mEq/100g de MS)
42 ND: BCAD negativo durante
os -42 dias (BCAD -16 mEq/ 100g
de MS)
Metodologia
Metodologia
25
• IMS, produção de leite e componentes do leite:
 IMS diária: -42d pré-parto até 56d pós- parto;
 Balanço energético pré e pós-parto;
 Produção do leite: registrada individualmente, por 56d
pós-parto
0
-4 -1
-2
-3
-5
-6 1 2 3 4 5 6 7
Ordenha da manhã e tarde
Gordura, proteína, lactose,
CCS e NUL
Análises
26
• Peso Corporal e ECC:
Análises
27
• Coleta e análises de sangue:
 Veia ou artéria coccígea;
 Soro coletado nos dias -28, -21, -14, -3, -1, 1, 3, 7, 14 e 21
NEFA
BHB
Plasma coletado -72, -24, 12, 24 e 72h em relação ao
parto para Ca total;
Análises
28
• Análise de Urina:
 Estimulação manual da vulva;
 11:00 h;
 Análise concluída dentro de 1h;
 Medidor portátil de pH
Análises
29
• Análises Estatísticas:
 SAS (SAS Institute, 1999)
 Design randomizado
 Diferença: P<0,05
 Tendência: P>0,05 e ≤0,10
Dados de Múltiplas Medidas ao
Longo do Tempo
MIXED
Contrastes ortogonais pré-
planejados (CON vs 21-ND; 21-ND
vs 42-ND)
Dados não analisados ao longo
do tempo
ANOVA
MIXED
Análises
30
pH urinário pré-parto de vacas multíparas alimentadas com os respectivos
tratamentos.
pH
Urinário
Semanas Relativas ao Parto
Resultados e Discussão
31
• Ca sanguíneo
Ca total pós-parto de vacas multíparas alimentadas com as dietas dos
respectivos tratamentos.
Ca
total,
mg/dL
Horas após o parto
P= 0,001
Resultados e Discussão
32
Médias de ingestão de matéria seca (IMS), balanço energético (BE), Peso
Corporal (PC), Escore de Condição Corporal e pH urinário pré-parto de
vacas multíparas.
*C1= CON vs -21ND
*C2= -21ND vs -42ND
Resultados e Discussão
33
Médias de ingestão de matéria seca (IMS), balanço energético (BE),
peso corporal (PC), escore de condição corporal (ECC), perda de peso
corporal e perda de ECC de vacas multíparas .pós-parto.
Resultados e Discussão
34
• Ingestão de MS
Padrão temporal da IMS pré e pós-parto de vacas multíparas
alimentadas conforme o grupo.
IMS,
kg/d
Semanas Relativas ao parto
P<0,01
BioChlor!
Resultados e Discussão
35
• Produção de Leite
Produção de leite pós-parto de vacas multiparas distribuidas confirme os
tratamentos..
Produção
de
Leite,
kg/d
Semanas Relativas ao parto
P=0,04
Resultados e Discussão
36
• Produção de Leite
Aumentou com a suplementação aniônica antes do parto
Adição de BioChlor ou Fermenten
contínua
 Aumento de 15,7% em nitrogênio
microbiano
 Aumento de 37% na digestão da
proteína ruminal
 Aumento de 25% no amoníaco de
fermentação e concentrações de
nitrogênio
DeGroot et al. (2010)
PL
Resultados e Discussão
37
• Componentes do Leite
Componentes do leite no pós-parto.
Tratamento Valor P
CGL= componentes da gordura do leite
NUL= nitrogênio uréico do leite
CCS
Resultados e Discussão
38
E NO GERAL????
Conclusão
 pH urinário 42- ND Acidificou + o pH
 Ca sanguíneo 42-ND + concentração de
Ca total
 ECC 42-ND
 Produção e
Componentes do
Leite
21-ND ou 42-ND
 IMS
21-ND ou 42-ND
Conclusões
39
40
Alternativas...
• Meios nutricionais de prevenção
– Dieta com restrição de Ca
– Sais aniônicos
– Suplementação com Ca
– Zeolitos
– ...
• Tratamento Individual
– Cálcio Intravenoso
– Suplementação oral de Ca
– Várias formas de Ca
– ...
Alternativas...
41
Alternativas...
+ Pré-disposição
• Períodos Pré e Pós-
Parto
• Período de
amamentação
+ Susceptíveis
• Idade avançada
• Alta produção
Consequências
• Diminuição na
produção
• Perdas econômicas
• Deficiência de Ca
• Desequilíbrios
nutricionais
Causas
42
Associação de hipocalcemia subclínica, balanço energético negativo e doenças,
com alteração do peso corporal durante os primeiros 30 dias pós-parto em
vacas leiteiras de sistemas de ordenha automática
PAINEL 2
43
-Caracterizar a variabilidade da concentração de
cálcio sérico nos dias 1 à 3 após o parto;
-Avaliar a associação entre hipocalcemia subclínica
(HSC) e mudança de peso corporal durante os
primeiros 30 dias pós parto em vacas da raça
holandês, e a correlação com doenças e balanço
energético negativo (NEB).
Objetivos
44
-3 fazendas comerciais de Nova York;
-Quais critérios utilizados para incluir os
rebanhos no estudo?
+ 100 vacas
leiteiras
Sistema
Free-stall
Ração
mista
parcial
(C+F)
Lely MAS
Ordenha
automátia
Metodologia
45
Todas as vacas e novilhas com parto entre 11 de junho e
8 de agosto de 2012;
Seguidos até 30 dias pós parto;
Alimentação contendo forragem e concentrado (período
seco e lactante);
Formulação de acordo com NRC.
Metodologia
46
PARIDADE
1º
2º
≥ 3º
35 animais
29 animais
41 animais
TOTAL= 105 animais
Utilizados no estudo: 92.
Metodologia
47
Inscrição de cada vaca no estudo de 3 a 10 dias pré parto;
Coleta de sangue pela veia coccígea;
Amostras de sangue centrifugadas por 15 minutos;
Soro armazenado a -20°C.
Cronograma de amostragem, com parto como dia de referência = 0, para os animais
inscritos no estudo. tCa = cálcio total; NEFA = ácido graxo não esterificado; BHB = β-
hidroxibutirato.
Coleta de dados
48
Peso Corporal (BW): Regressão linear simples;
Análise descritiva de frequências e médias;
Modelos Mistos do SAS.
Análise estatística
49
Incidência de doenças nos primeiros 10 DIM, estratificada pelo grupo de lactação (1 = primeiro
paridade, 2 = segundo paridade, ≥3 = terceiro e animais de maior paridade).
Número
de
casos
Grupo de Lactação
18% Cetose
10% Metrite
5% Deslocamento
de abomaso
1% Febre do leite
Resultados e Discussão
50
Concentrações séricas de cálcio para todos os animais inscritos no
estudo. As amostras foram coletadas nas horas +24, +48 e +72.
Dias em lactação Dias em lactação Dias em lactação
Concentração
de
Ca
(mg/dL)
17% 55% 73%
3
1 2
51
Resultados e Discussão
Alteração do peso corporal nos primeiros 30 DIM, estratificada por
paridade e dentro da paridade pelo estado HCS.
Peso
Corporal
(Kg)
Dias pós parto
3+ (normocalcemica)
3+ (hipocalcemica)
2 (normocalcemica)
2 (hipocalcemica)
Novilhas (hipocalcemica)
3
1
2
Novilhas (normocalcemica)
Dentro da
paridade
<0,001
Entre
paridade
<0,001
52
Resultados e Discussão
Mudança no peso corporal diário com base na interação entre
hipocalcemia subclínica e doenças, em vacas primíparas.
Mudança
média
diária
no
peso
corporal
(Kg)
Normocalcemica
Sem doença
Normocalcemica
Com doença
Hipocalcemica
Com doença
Hipocalcemica
Sem doença
2
53
Resultados e Discussão
Mudança no peso corporal diário com base na interação entre hipocalcemia
subclínica e doenças e com BEN, em vacas secundíparas.
Mudança
diária
média
no
peso
corporal
(Kg)
2
Normocalcemia Hipocalcemia
Sem
doença
Com
doença
Sem
doença
Com
doença
-4,7 -5,1 -4,3 -3,3
Normocalcemia Hipocalcemia
Sem
BEN
Com
BEN
SEM
BEN
Com
BEN
-4,5 -5,2 -3,3 -4,2
6
54
Resultados e Discussão
Mudança no peso corporal diário com base na interação entre hipocalcemia
subclínica e doenças, e BEN, em vacas de três ou mais lactações.
e
Mudança
diária
média
no
peso
corporal
(Kg)
4 8
Normocalcemia Hipocalcemia
Sem
doença
Com
doença
Sem
doença
Com
doença
-3,3 -2,7 -3,7 -4,0
Normocalcemia Hipocalcemia
Sem
BEN
Com
BEN
SEM
BEN
Com
BEN
-2,7 -3,3 -3,7 -4,0
55
Resultados e Discussão
Quando comparamos animais de diferentes
lactações, o grupo com maior incidência de
HSC e doenças foi o de três lactações ou
mais, pois diferente dos outros não tem
tanta mobilização de Ca e tem maior
produção de leite.
E NO GERAL????
Animais com Hipocalcemia são mais suscetíveis a doenças e
também a perda de peso corporal no pós parto quando
comparadas com vacas normocalcemicas
Considerações Finais
56
E NO NUPEEC?
57
TRABALHO EM EQUIPE!!
59
DÚVIDAS?
NÚCLEO DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO EM PECUÁRIA
http://www2.ufpel.edu.br/nupeec/
nupeec@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosLeonora Mello
 
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...Rural Pecuária
 
Deformidades angulares dos membros de equinos
Deformidades angulares dos membros de equinosDeformidades angulares dos membros de equinos
Deformidades angulares dos membros de equinosPedro Augusto
 
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia Canina
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia CaninaCaso Clínico Veterinário: Epilepsia Canina
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia CaninaNatália Borges
 
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]gecoufba
 
Cardio 3
Cardio 3Cardio 3
Cardio 3UFPEL
 
Principais endocrinopatias em pequenos animais
Principais endocrinopatias em pequenos animaisPrincipais endocrinopatias em pequenos animais
Principais endocrinopatias em pequenos animaisReginaReiniger
 
Aula Digestivo 5 2010 1
Aula Digestivo 5 2010 1Aula Digestivo 5 2010 1
Aula Digestivo 5 2010 1UFPEL
 
Afecções Respiratórias Cirúrgicas de Grandes Animais
Afecções Respiratórias Cirúrgicas de Grandes AnimaisAfecções Respiratórias Cirúrgicas de Grandes Animais
Afecções Respiratórias Cirúrgicas de Grandes AnimaisMariana Benitez Fini
 
FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020
FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020
FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020Carolina Trochmann
 
Cronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de EquinosCronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de EquinosKiller Max
 
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesElaine
 
Diabete Mellitus em cães
Diabete Mellitus em cãesDiabete Mellitus em cães
Diabete Mellitus em cãesVerônica Souza
 
Aula 2 neonatologia pediatria e geriatria
Aula 2 neonatologia pediatria e geriatriaAula 2 neonatologia pediatria e geriatria
Aula 2 neonatologia pediatria e geriatriaReginaReiniger
 
Casqueamento de Equinos
Casqueamento de EquinosCasqueamento de Equinos
Casqueamento de EquinosKiller Max
 

Mais procurados (20)

Leptospirose em cães
Leptospirose em cãesLeptospirose em cães
Leptospirose em cães
 
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
 
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
Diarréia em bezerros leiteiros lactantes: a doença e o manejo em diferentes u...
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Deformidades angulares dos membros de equinos
Deformidades angulares dos membros de equinosDeformidades angulares dos membros de equinos
Deformidades angulares dos membros de equinos
 
FIV e FeLV
FIV e FeLVFIV e FeLV
FIV e FeLV
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia Canina
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia CaninaCaso Clínico Veterinário: Epilepsia Canina
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia Canina
 
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
 
Cardio 3
Cardio 3Cardio 3
Cardio 3
 
Principais endocrinopatias em pequenos animais
Principais endocrinopatias em pequenos animaisPrincipais endocrinopatias em pequenos animais
Principais endocrinopatias em pequenos animais
 
Aula Digestivo 5 2010 1
Aula Digestivo 5 2010 1Aula Digestivo 5 2010 1
Aula Digestivo 5 2010 1
 
Afecções Respiratórias Cirúrgicas de Grandes Animais
Afecções Respiratórias Cirúrgicas de Grandes AnimaisAfecções Respiratórias Cirúrgicas de Grandes Animais
Afecções Respiratórias Cirúrgicas de Grandes Animais
 
FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020
FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020
FeLV - atualizações baseadas no consenso AAFP 2020
 
Cronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de EquinosCronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de Equinos
 
Clostridioses
ClostridiosesClostridioses
Clostridioses
 
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e MensuraçõesAula 1   Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
Aula 1 Ezoognósia Equina - Nomenclatura do Exterior e Mensurações
 
Diabete Mellitus em cães
Diabete Mellitus em cãesDiabete Mellitus em cães
Diabete Mellitus em cães
 
Aula 2 neonatologia pediatria e geriatria
Aula 2 neonatologia pediatria e geriatriaAula 2 neonatologia pediatria e geriatria
Aula 2 neonatologia pediatria e geriatria
 
Casqueamento de Equinos
Casqueamento de EquinosCasqueamento de Equinos
Casqueamento de Equinos
 

Semelhante a Inovação na prevenção da hipocalcemia em ruminantes

Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptxManejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptxhelidaleao
 
Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária
Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em PecuáriaNúcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária
Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuárialolxtecnologiadainfo
 
Abordagem do rn prematuro
Abordagem do rn prematuroAbordagem do rn prematuro
Abordagem do rn prematuroAntonio Souto
 
Primeira semana de um leitão recém-nascido
Primeira semana de um leitão recém-nascidoPrimeira semana de um leitão recém-nascido
Primeira semana de um leitão recém-nascidoArie Halpern
 
Você ainda acredita que bST é tudo igual?
Você ainda acredita que bST é tudo igual?Você ainda acredita que bST é tudo igual?
Você ainda acredita que bST é tudo igual?MilkPoint
 
Apresentação terceira 2016
Apresentação terceira 2016 Apresentação terceira 2016
Apresentação terceira 2016 Jose Ferrão
 
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de QualidadeM1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidadefelipesoaresdesouza2
 
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase críticaPeríodo de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase críticaAgriPoint
 
Leite Humano Processado Em Bancos De Leite Para O RecéM Nascido De Baixo Peso...
Leite Humano Processado Em Bancos De Leite Para O RecéM Nascido De Baixo Peso...Leite Humano Processado Em Bancos De Leite Para O RecéM Nascido De Baixo Peso...
Leite Humano Processado Em Bancos De Leite Para O RecéM Nascido De Baixo Peso...Biblioteca Virtual
 
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptxManejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptxGabrielMirandaMacamb
 
Efeito Do Processamento Do Leite Humano
Efeito Do Processamento Do Leite HumanoEfeito Do Processamento Do Leite Humano
Efeito Do Processamento Do Leite HumanoBiblioteca Virtual
 
8. boletim técnico omni gen-af - mar2015
8. boletim técnico   omni gen-af - mar20158. boletim técnico   omni gen-af - mar2015
8. boletim técnico omni gen-af - mar2015AgriPoint
 
Manejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraManejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraMarília Gomes
 
Suspensão da Nutrição Enterica para Procedimentos
Suspensão da Nutrição Enterica para ProcedimentosSuspensão da Nutrição Enterica para Procedimentos
Suspensão da Nutrição Enterica para ProcedimentosAbilio Cardoso Teixeira
 
Estudo somatotropina boostin
Estudo somatotropina boostinEstudo somatotropina boostin
Estudo somatotropina boostinAgriPoint
 
Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bS...
Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bS...Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bS...
Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bS...AgriPoint
 
Somatotropina Recombinnte Bovina: Produção, Saúde e Fertilidade
Somatotropina Recombinnte Bovina: Produção, Saúde e FertilidadeSomatotropina Recombinnte Bovina: Produção, Saúde e Fertilidade
Somatotropina Recombinnte Bovina: Produção, Saúde e Fertilidadebuzzcp
 

Semelhante a Inovação na prevenção da hipocalcemia em ruminantes (20)

Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptxManejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
 
Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária
Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em PecuáriaNúcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária
Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária
 
Abordagem do rn prematuro
Abordagem do rn prematuroAbordagem do rn prematuro
Abordagem do rn prematuro
 
21
2121
21
 
Primeira semana de um leitão recém-nascido
Primeira semana de um leitão recém-nascidoPrimeira semana de um leitão recém-nascido
Primeira semana de um leitão recém-nascido
 
Você ainda acredita que bST é tudo igual?
Você ainda acredita que bST é tudo igual?Você ainda acredita que bST é tudo igual?
Você ainda acredita que bST é tudo igual?
 
Apresentação terceira 2016
Apresentação terceira 2016 Apresentação terceira 2016
Apresentação terceira 2016
 
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de QualidadeM1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
M1-Milkone. Saúde Animal. Leite de Qualidade
 
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase críticaPeríodo de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
 
Leite Humano Processado Em Bancos De Leite Para O RecéM Nascido De Baixo Peso...
Leite Humano Processado Em Bancos De Leite Para O RecéM Nascido De Baixo Peso...Leite Humano Processado Em Bancos De Leite Para O RecéM Nascido De Baixo Peso...
Leite Humano Processado Em Bancos De Leite Para O RecéM Nascido De Baixo Peso...
 
Relatório Leite
Relatório LeiteRelatório Leite
Relatório Leite
 
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptxManejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
 
Efeito Do Processamento Do Leite Humano
Efeito Do Processamento Do Leite HumanoEfeito Do Processamento Do Leite Humano
Efeito Do Processamento Do Leite Humano
 
Aula3 nut mul_crianca_2010.1
Aula3 nut mul_crianca_2010.1Aula3 nut mul_crianca_2010.1
Aula3 nut mul_crianca_2010.1
 
8. boletim técnico omni gen-af - mar2015
8. boletim técnico   omni gen-af - mar20158. boletim técnico   omni gen-af - mar2015
8. boletim técnico omni gen-af - mar2015
 
Manejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraManejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteira
 
Suspensão da Nutrição Enterica para Procedimentos
Suspensão da Nutrição Enterica para ProcedimentosSuspensão da Nutrição Enterica para Procedimentos
Suspensão da Nutrição Enterica para Procedimentos
 
Estudo somatotropina boostin
Estudo somatotropina boostinEstudo somatotropina boostin
Estudo somatotropina boostin
 
Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bS...
Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bS...Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bS...
Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bS...
 
Somatotropina Recombinnte Bovina: Produção, Saúde e Fertilidade
Somatotropina Recombinnte Bovina: Produção, Saúde e FertilidadeSomatotropina Recombinnte Bovina: Produção, Saúde e Fertilidade
Somatotropina Recombinnte Bovina: Produção, Saúde e Fertilidade
 

Inovação na prevenção da hipocalcemia em ruminantes

  • 1. Universidade Federal de Pelotas Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária Uma abordagem sobre INOVAÇÃO Pelotas/RS – dezembro de 2017 -Hipocalcemia em ruminantes-
  • 2. Universidade Federal de Pelotas Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária PAINELISTAS Mariane Castro Mayens Graduanda em Zootecnia - UFPel Painelista 2 – Vantagens do cálcio pós-parto Mozer Manetti de Ávila Zootecnista/Doutorando em Biotecnologia - UFPel Moderador – Avanços do NUPEEC Milene Lopes dos Santos Graduanda em Zootecnia - UFPel Painelista 1 – Protocolos de dietas aniônicas
  • 3. 3 O Cálcio Coagulação sanguínea Contração muscular Permeabilidade da membrana Condução nervosa Secreção de leite Estrutura do osso ... 20 40.078
  • 4. 4 O Ca no organismo das vacas 99% nos ossos e dentes e 1% nos fluidos corporais; 1,5% do peso animal Ca extracelular: Cai = 50% Ca+Prot = 45% Complexado = 5% 500Kg = 7,5Kg de Cálcio Wilkens et al., 2012 - 0.3168/jds.2011-4342 Goff, 2014 - 10.1016/j.cvfa.2014.04.003
  • 5. 5 Período de transição IMS Energia Absorvida 3ª 2ª 1ª 1ª 2ª 3ª P Quantidade de glicose MRC Sem falar nos efeitos indiretos
  • 6. 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0 -7 -6 -5 -4 -3 -2 -1 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 Vacas com hipocalcemia clínca Vacas sem hipocalcemia clínica Cálcio total, mg/dL Dias relativos ao parto Concentração plasmática de cálcio no parto Kimura et al., 2006 - S0022-0302(06)72335-9
  • 8. Em resumo, a regulação hormonal... Calcitonina ↓Cálcio Total ↓ Cálcio Ionizado Paratormônio Vitamina D ↑ Cálcio Total ↑ Cálcio Ionizado 8
  • 9. Prevalência de hipocalcemia Prevalência de 25% a 54% Variando com o número de lactações 9 Prevalência de 3% a 15% Clínica
  • 10. 9x Cetose 3x Retenção de Placenta 3,7x Distocia 8x Mastite 3x Deslocamento de Abomaso 1,7x Metrite Efeitos da hipocalcemia 10 HIPOCALCEMIA Corbellini, 1998 – INTA/AR Correa et al., 1993 - 10.3168/jds.S0022-0302(93)77461-5
  • 11. Efeitos da hipocalcemia 11 Laura L. Hernandez University of Wisconsin-Madison HCSintomática = $240Mi em 2013 Só nos EUA “Indicou que a prevenção ao invés de tratamento da hipocalcemia reduziriam o entorno de $140Mi ao ano na cadeia do leite americana”.
  • 13. 13 INOVAÇÃO Inovação significa criar algo novo!  innovatio (Latim)  se refere a uma ideia, método ou objeto que é criado e que pouco se parece com padrões anteriores. Emerson Carvalho, 2008 Manual Oslo, 2005. Google.com UK Innovation Report, 2003
  • 14. 14 Dr. Geoff Nicholson “INOVAÇÃO É TRANSFORMAR CONHECIMENTO EM DINHEIRO”
  • 17. 17 E NA HIPOCALCEMIA??? 10.3168/jds.S0022-0302(84)81657-4 Ca e P na dieta Alcalinidade alta ou baixa Vitamina D oral ou Parenteral
  • 18. 18 BLOCK VENCEU A CORRIDA!
  • 21. OUTROS ESTUDOS... PAINEL 1 Dietas com BCAD negativo por um período estendido de tempo não afetam a performance pós-parto de vacas multíparas
  • 22. Objetivos 1. Reavaliar os benefícios da diferença catiônica- aniônica da dieta (BCAD) no pré-parto; 2. Explorar os efeitos de alimentação com BCAD negativa na homeostase do Ca e ingestão de matéria seca, assim como no status energético e na produção de leite pós-parto. Objetivos 22
  • 23. Hipóteses 1. Vacas alimentadas com BCAD negativo por 21 dias pré-parto, resultariam em maior desempenho pós- parto; 2. BCAD negativo por 21 ou 42 dias pré-parto, resultariam em desempenho semelhante. HIPÓTESES Hipóteses 23
  • 24.  Produção de leite equivalente a 305 d (11343,0 ± 1754,0 kg)  Peso corporal em seco (643,5 ± 96,7 kg)  ECC em seco (3,3 ± 0,3 pontos)  Paridade (2,0 ± 1,2 lactações) BCAD positivas e negativas 60 vacas holandesas multíparas OBJETIVOS Metodologia 24
  • 25. -42d -22d -21d 0 d CON: BCAD positivo por 42d (BCAD 12 mEq / 100g de MS) 21 ND: BCAD positivo do dia -42 ao dia -22; BCAD negativo do dia -21 ao dia zero (BCAD +12 e -16 mEq/100g de MS) 42 ND: BCAD negativo durante os -42 dias (BCAD -16 mEq/ 100g de MS) Metodologia Metodologia 25
  • 26. • IMS, produção de leite e componentes do leite:  IMS diária: -42d pré-parto até 56d pós- parto;  Balanço energético pré e pós-parto;  Produção do leite: registrada individualmente, por 56d pós-parto 0 -4 -1 -2 -3 -5 -6 1 2 3 4 5 6 7 Ordenha da manhã e tarde Gordura, proteína, lactose, CCS e NUL Análises 26
  • 27. • Peso Corporal e ECC: Análises 27
  • 28. • Coleta e análises de sangue:  Veia ou artéria coccígea;  Soro coletado nos dias -28, -21, -14, -3, -1, 1, 3, 7, 14 e 21 NEFA BHB Plasma coletado -72, -24, 12, 24 e 72h em relação ao parto para Ca total; Análises 28
  • 29. • Análise de Urina:  Estimulação manual da vulva;  11:00 h;  Análise concluída dentro de 1h;  Medidor portátil de pH Análises 29
  • 30. • Análises Estatísticas:  SAS (SAS Institute, 1999)  Design randomizado  Diferença: P<0,05  Tendência: P>0,05 e ≤0,10 Dados de Múltiplas Medidas ao Longo do Tempo MIXED Contrastes ortogonais pré- planejados (CON vs 21-ND; 21-ND vs 42-ND) Dados não analisados ao longo do tempo ANOVA MIXED Análises 30
  • 31. pH urinário pré-parto de vacas multíparas alimentadas com os respectivos tratamentos. pH Urinário Semanas Relativas ao Parto Resultados e Discussão 31
  • 32. • Ca sanguíneo Ca total pós-parto de vacas multíparas alimentadas com as dietas dos respectivos tratamentos. Ca total, mg/dL Horas após o parto P= 0,001 Resultados e Discussão 32
  • 33. Médias de ingestão de matéria seca (IMS), balanço energético (BE), Peso Corporal (PC), Escore de Condição Corporal e pH urinário pré-parto de vacas multíparas. *C1= CON vs -21ND *C2= -21ND vs -42ND Resultados e Discussão 33
  • 34. Médias de ingestão de matéria seca (IMS), balanço energético (BE), peso corporal (PC), escore de condição corporal (ECC), perda de peso corporal e perda de ECC de vacas multíparas .pós-parto. Resultados e Discussão 34
  • 35. • Ingestão de MS Padrão temporal da IMS pré e pós-parto de vacas multíparas alimentadas conforme o grupo. IMS, kg/d Semanas Relativas ao parto P<0,01 BioChlor! Resultados e Discussão 35
  • 36. • Produção de Leite Produção de leite pós-parto de vacas multiparas distribuidas confirme os tratamentos.. Produção de Leite, kg/d Semanas Relativas ao parto P=0,04 Resultados e Discussão 36
  • 37. • Produção de Leite Aumentou com a suplementação aniônica antes do parto Adição de BioChlor ou Fermenten contínua  Aumento de 15,7% em nitrogênio microbiano  Aumento de 37% na digestão da proteína ruminal  Aumento de 25% no amoníaco de fermentação e concentrações de nitrogênio DeGroot et al. (2010) PL Resultados e Discussão 37
  • 38. • Componentes do Leite Componentes do leite no pós-parto. Tratamento Valor P CGL= componentes da gordura do leite NUL= nitrogênio uréico do leite CCS Resultados e Discussão 38
  • 39. E NO GERAL???? Conclusão  pH urinário 42- ND Acidificou + o pH  Ca sanguíneo 42-ND + concentração de Ca total  ECC 42-ND  Produção e Componentes do Leite 21-ND ou 42-ND  IMS 21-ND ou 42-ND Conclusões 39
  • 41. • Meios nutricionais de prevenção – Dieta com restrição de Ca – Sais aniônicos – Suplementação com Ca – Zeolitos – ... • Tratamento Individual – Cálcio Intravenoso – Suplementação oral de Ca – Várias formas de Ca – ... Alternativas... 41
  • 42. Alternativas... + Pré-disposição • Períodos Pré e Pós- Parto • Período de amamentação + Susceptíveis • Idade avançada • Alta produção Consequências • Diminuição na produção • Perdas econômicas • Deficiência de Ca • Desequilíbrios nutricionais Causas 42
  • 43. Associação de hipocalcemia subclínica, balanço energético negativo e doenças, com alteração do peso corporal durante os primeiros 30 dias pós-parto em vacas leiteiras de sistemas de ordenha automática PAINEL 2 43
  • 44. -Caracterizar a variabilidade da concentração de cálcio sérico nos dias 1 à 3 após o parto; -Avaliar a associação entre hipocalcemia subclínica (HSC) e mudança de peso corporal durante os primeiros 30 dias pós parto em vacas da raça holandês, e a correlação com doenças e balanço energético negativo (NEB). Objetivos 44
  • 45. -3 fazendas comerciais de Nova York; -Quais critérios utilizados para incluir os rebanhos no estudo? + 100 vacas leiteiras Sistema Free-stall Ração mista parcial (C+F) Lely MAS Ordenha automátia Metodologia 45
  • 46. Todas as vacas e novilhas com parto entre 11 de junho e 8 de agosto de 2012; Seguidos até 30 dias pós parto; Alimentação contendo forragem e concentrado (período seco e lactante); Formulação de acordo com NRC. Metodologia 46
  • 47. PARIDADE 1º 2º ≥ 3º 35 animais 29 animais 41 animais TOTAL= 105 animais Utilizados no estudo: 92. Metodologia 47
  • 48. Inscrição de cada vaca no estudo de 3 a 10 dias pré parto; Coleta de sangue pela veia coccígea; Amostras de sangue centrifugadas por 15 minutos; Soro armazenado a -20°C. Cronograma de amostragem, com parto como dia de referência = 0, para os animais inscritos no estudo. tCa = cálcio total; NEFA = ácido graxo não esterificado; BHB = β- hidroxibutirato. Coleta de dados 48
  • 49. Peso Corporal (BW): Regressão linear simples; Análise descritiva de frequências e médias; Modelos Mistos do SAS. Análise estatística 49
  • 50. Incidência de doenças nos primeiros 10 DIM, estratificada pelo grupo de lactação (1 = primeiro paridade, 2 = segundo paridade, ≥3 = terceiro e animais de maior paridade). Número de casos Grupo de Lactação 18% Cetose 10% Metrite 5% Deslocamento de abomaso 1% Febre do leite Resultados e Discussão 50
  • 51. Concentrações séricas de cálcio para todos os animais inscritos no estudo. As amostras foram coletadas nas horas +24, +48 e +72. Dias em lactação Dias em lactação Dias em lactação Concentração de Ca (mg/dL) 17% 55% 73% 3 1 2 51 Resultados e Discussão
  • 52. Alteração do peso corporal nos primeiros 30 DIM, estratificada por paridade e dentro da paridade pelo estado HCS. Peso Corporal (Kg) Dias pós parto 3+ (normocalcemica) 3+ (hipocalcemica) 2 (normocalcemica) 2 (hipocalcemica) Novilhas (hipocalcemica) 3 1 2 Novilhas (normocalcemica) Dentro da paridade <0,001 Entre paridade <0,001 52 Resultados e Discussão
  • 53. Mudança no peso corporal diário com base na interação entre hipocalcemia subclínica e doenças, em vacas primíparas. Mudança média diária no peso corporal (Kg) Normocalcemica Sem doença Normocalcemica Com doença Hipocalcemica Com doença Hipocalcemica Sem doença 2 53 Resultados e Discussão
  • 54. Mudança no peso corporal diário com base na interação entre hipocalcemia subclínica e doenças e com BEN, em vacas secundíparas. Mudança diária média no peso corporal (Kg) 2 Normocalcemia Hipocalcemia Sem doença Com doença Sem doença Com doença -4,7 -5,1 -4,3 -3,3 Normocalcemia Hipocalcemia Sem BEN Com BEN SEM BEN Com BEN -4,5 -5,2 -3,3 -4,2 6 54 Resultados e Discussão
  • 55. Mudança no peso corporal diário com base na interação entre hipocalcemia subclínica e doenças, e BEN, em vacas de três ou mais lactações. e Mudança diária média no peso corporal (Kg) 4 8 Normocalcemia Hipocalcemia Sem doença Com doença Sem doença Com doença -3,3 -2,7 -3,7 -4,0 Normocalcemia Hipocalcemia Sem BEN Com BEN SEM BEN Com BEN -2,7 -3,3 -3,7 -4,0 55 Resultados e Discussão
  • 56. Quando comparamos animais de diferentes lactações, o grupo com maior incidência de HSC e doenças foi o de três lactações ou mais, pois diferente dos outros não tem tanta mobilização de Ca e tem maior produção de leite. E NO GERAL???? Animais com Hipocalcemia são mais suscetíveis a doenças e também a perda de peso corporal no pós parto quando comparadas com vacas normocalcemicas Considerações Finais 56
  • 59. 59 DÚVIDAS? NÚCLEO DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO EM PECUÁRIA http://www2.ufpel.edu.br/nupeec/ nupeec@gmail.com