SlideShare uma empresa Scribd logo
Ovos
1ª aula
Ovos na Confeitaria e Gastronomia
Origem
1400aC. os chineses e egípcios já utilizavam.
Roma e Grécia.
Red Jungle Fowl Gallus – nativa do Himalaia.
As aves foram levadas da Ásia para a Europa e depois para a
América por Cristovão Colombo em 1493.
Séc XIV- aumenta o consumo de ovos de outras aves.
Idade Média – os ovos consumidos eram pocheados.
Inglaterra – era Vitoriana inserem ovos no Café da manhã.
Os ovos estão associados a fertilidade e a Criação do
Universo.
Conceito de Ovo
Biologia:
Em alguns animais, como aves, répteis e peixes, é estrutura
expelida do corpo da mãe, que consiste no óvulo fecundado
juntamente com as reservas alimentares e os envoltórios
protetores.
( Dicionário Houaiss).
Divisão do Ovo
1. Membrana da casca
4. e 13.Chalasa
6. Clara
8. Gema
14. Câmara de ar
15. Casca
Estrutura do Ovo - Casca
– Carbonato de Cálcio (CaCO3 ).
– Resistência da casca: ração e idade da galinha.
– Porosidade: permite que a umidade saia e o ar
entre garantindo a sobrevivência do filhote.
– Coberta com uma camada protetora para evitar a
entrada de bactéria.
Câmara de Ar
• Parte interior da casca é revestida por uma
membrana bem fina e na parte inferior do ovo elas se
separam para produzir um espaço que contém ar.
• Conforme o ovo envelhece a umidade e CO2 passam
através dos poros e são repostos por ar fresco/novo.
A medida que a célula de ar cresce, o ovo torna-se
mais leve e poderá flutuar.
Clara ou Albúmen
• Composta basicamente de água (90%) e o restante
de proteínas, minerais, vitaminas.
• Compõe 67% do peso total do ovo: 2/3 do Ovo ou
32 g de peso.
• É límpida, transparente, consistente, densa e alta
com uma pequena porção mais fluída.
• As chalazas são cordões que mantém a gema no
lugar e quanto mais forte / visível mais fresco é o ovo.
Não afetam a qualidade do ovo. São inconvenientes
para a qualidade e textura da produção.
• A clara é mais espessa próxima à gema e mais fluída
na periferia da gema. Ao envelhecer esta distinção
diminui.
Proteínas essenciais na Cozinha:
A ovoalbumina encontra-se distribuída em quantidades iguais nas
três viscosidades do albúmen:
• Ovomucina é a proteína que indica a qualidade do ovo e
forma uma estrutura organizada que estabiliza a clara, uma
forma de proteção da gema.
• Ovoalbumina quando aquecida torna-se branca e coagula a
80oC.
• Ovo transferrina quando exposta ao calor coagula a 60oC.
Temperaturas de coagulação:
• Inicio do processo a 63oC e se torna sólida. A 65oC torna-se
macia e aos 80oC todas as proteínas que estão presentes na
clara estão coaguladas e firmes.
Ovo muito fresco
Ovo com 12 dias Ovo com 21 dias
A consistência da clara
varia com a idade do ovo
• Delimitada por uma membrana.
• Translúcida, consistente e centralizada no meio da clara e fixada
por chalasas.
• Corresponde a 1/3 do ovo ou 18g de peso
• É composta por Gordura, proteína (tem menos da metade da
proteína do ovo), vitamina A, D ,E e minerais.
• Cor depende da dieta das galinhas.
• Pontos de sangue não indicam que o ovo foi fertilizado e podem
ser removidos antes do cozimento.
• Gemas velhas são achatadas, flácidas podendo ter manchas
escuras. A membrana rompe com facilidade.
• Gema dupla - é resultado de 2 células-ovo amadurecendo ao
mesmo tempo e envolvida numa mesma casca. São
provenientes de galinhas novas em que o ciclo reprodutor ainda
não está bem definido.
• Solidifica a 75º C a 80º C.
• Formada por 50% de água
• Tem 1/3 lipídios ( lecitinas – molécula tensoativa e
colesterol)
Gema
• Odor: pouco adocicado
• Assim que a galinha põe o ovo, o ar entra e começa o processo de
deterioração.
• Clara: translúcida
• Gema: lisa e inteira
• Casca inteira em perfeita condições x casca trincada (contaminação).
• No teste do copo o ovo fresco vai até o fundo; após 4 a 5 dias ficará em
posição vertical; ovo velho, bóia.
• Verificar a data de validade
• Ovo velho – risco de quebrar gema e ao ser cozido fica achatado e
flácido.
• Para preparar ovo duro, é melhor utilizar ovos de 1 a 2 semanas porque
o saco de ar cresce ocupando maior volume facilitando descascar.
• Para separar a gema da clara é melhor utilizar ovos de pelo menos 2
dias porque a clara não começou a deteriorar e a gema e a clara não
estão coesas.
• Ovos frescos são melhores para fritar, pochear, fazer omeletes e ovos
mexidos porque aglutinam muito bem.
Frescor
Avaliação
• Habilidade de ficar esponjoso ou denso.
• AERAÇÃO: consiste em prender bolhas de ar na clara batida
criando uma espuma, característica dada pela consistência
gelatinosa da clara. Quanto mais vigoroso o batimento mais ar
será aprisionado esticando as cadeias protéicas aumentando o
volume de 6 a 8 vezes. A textura da espuma é afetada pela
quantidade de ar aprisionado:
• Bolhas grandes – espuma suave e úmida.
• Quanto mais tempo a clara for batida menores serão as bolhas
caracterizando uma espuma rígida e seca.
• Melhor resultado: utilizar a clara em temperatura ambiente. Ovo
frio afeta a capacidade de incorporar ar devido a clara estar mais
gelatinosa. Clara velha (fluída e fraca) perde a capacidade de
manter o ar.
• Gema de ovo compromete o processo de aeração.
• Adição de cremor de tártaro.
• Os ovos batidos incorporam ar em microscópicas partículas e
bolhas que ao serem aquecidas expandem e são aprisionadas.
Função do Ovo: propriedades
Como obter melhor resultado com a clara
• Utilizar a clara em temperatura ambiente.
• Ovo frio afeta a capacidade de incorporar ar devido a
clara estar mais gelatinosa.
• Clara velha (fluída e fraca) perde a capacidade de
manter o ar.
• Gema de ovo compromete o processo de aeração.
• Adição de cremor de tártaro.
• Os ovos batidos incorporam ar em microscópicas
partículas e bolhas que ao serem aquecidas
expandem e são aprisionadas.
Coagulação
• Quando o ovo é aquecido as proteínas se coagulam
transformando-se numa massa líquida para uma
massa sólida.
• Temperaturas de coagulação
63oC 65oC
Clarasólida
80oC70oC 73oC
Claramacia
Coagulaçãocompleta
dagema
Clara+gematextura
firme
Coagulaçãocompleta
clarafirme
Emulsão
• Quando líquidos semelhantes ao óleo são batidos
junto ao ovo, pequenas gotículas são dispersadas
criando um mistura estável.
• É necessário adicionar a correta proporção de líquido
ao ovo, caso contrário poderá não ocorrer a
combinação adequada, havendo separação posterior.
• O líquido necessita ser adicionado e batido com o
ovo lentamente, permitindo que haja a incorporação.
• Molhos clássicos que se baseiam emulsão.
• O calor cozinha a gema de forma suave ajudando o
molho espessar, enquanto a proteína do ovo cozinha.
Funções e Usos
Estrutura: a coagulação das proteínas dos ovos dá
estrutura a itens assados, cozidos, cremes, sopas...
Emulsificante: a gema dos ovos contém emulsificantes
naturais que participarão na obtenção de produtos
homogêneos: massas, cremes...
Aeração: ovos batidos incorporam ar.
Adição de Gordura: a presença de gordura nas gemas
aumenta a proporção de gordura já existentes na
produção.
Umidade: ovos usados inteiros apresentam grande
quantidade de água, ajustando as receitas.
Sabor e Cor: as gemas adicionam sabor e cor aos
produtos.
Valor nutricional
Valor Nutricional do ovo
• Excelente fonte alimentar
• A proteína do ovo é padrão de referência para
medição de todos os outros alimentos.
• Um ovo médio provê de 12 a 14% da quantidade
diária de proteína requerida por um adulto.
• Contém 13 vitaminas D, A, E e várias vitaminas B.
• Fonte útil de minerais P, Fe e traços de Zn, I, Se.
• Pequena quantidade de cálcio.
• Colesterol: substância gordurosa produzida
naturalmente pelo organismo, é essencial para as
células, suco gástrico e hormônios; é encontrada na
gema.
Formas comercializadas
• Ovos frescos com casca
• Ovo desidratado
• Ovo integral pasteurizado líquido ou congelado
• Gema ou clara líquidas ou congeladas
• Ovo integral pasteurizado desidratado
• Gema e clara pasteurizadas desidratadas
• Gema pasteurizada com sal congelada
• Gema pasteurizada com açúcar congelada.
Ovos Pasteurizados
• Pasteurização é um sistema de tratamento
térmico que visa reduzir a contagem
microbiológica e eliminar os microorganismos
patogênicos obtendo-se um produto de alta
qualidade e aumenta o tempo de conservação.
Ovo desidratado
• A desidratação ocorre em altas Temperaturas de
modo a promover a evaporação instantânea da água
preservando as características principais
Vantagens
• Qualidade microbiológica e nutricional
• Estabilidade
• Padronização
• Tempo de vida longo
• Facilidade no transporte e armazenamento.
• Não requer refrigeração.
Equivalência
• 1 OVO = 50g de ovo integral líquido
• 2g de ovo integral desidratado
• 8g de gema líquida
• 8g de gema desidratada
• 32g de clara líquida
• 4 g de clara desidratada
• 1kg de ovo inteiro pasteurizado = 20 ovos
• 1 kg de gema pasteurizado = 65 gemas
• 1kg de albumina pasteurizado = 30 claras
Tamanho
• Jumbo – acima de 66g
• Extra – 60 a 65g
• Grande – 55 a 60g
• Médio – 50 a 55g
• Pequeno – 45 a 50g
• Industrial – abaixo de 45g
• 1 litro de ovo = +/- 20 unidades
• 1 litro de gemas = +/- 48 unidades
• 1 litro de claras = +/- 32 unidades
• 1 kg de ovos = +/- 16 unidades
• 1 kg de gemas = +/- 55 unidades
• 1 kg de claras = +/- 28 unidades
Quantidades de ovo “in natura”
Estocagem
• De 4 a 7oC.
• Clara = +/- 10 dias coberta
• Gema = +/- 2 dias coberta com água.
Salmonelose
• Salmonelose humana é uma doença por bactérias de gênero
Salmonella sp.da família das enterobactérias e existem em torno
de 2399 tipos de salmonella.
• Transmissão: consumo de água, alimentos (gema, aves, carnes
bovinas, leite e derivados, crustáceos, moluscos, frutas e
vegetais) contaminados pelas fezes humanas ou animais
infectados.
• A transmissão entre humanos se dá por meio das mãos
contaminadas.
• Manifestação dá-se desde quadros leves sem sintomas até
quadros gravíssimos.
• Manifestação: gastroenterocolite com um período de incubação
de 6 a 48 horas.inicia-se náuseas, vômitos, dores musculares,
dores de cabeça, febre ( 38 a 39oC), calafrios, cólicas
abdominais e diarréias.
• Melhor forma de evitar a salmonelose:
• Lavar bem as mãos, evitar contaminação cruzada, não
experimentar alimentos que contenham ovo cru, evitar fazer
maionese com ovo “in natura”.
Preparações
• Ovos cozidos moles: Temperatura menor que 70oC
• Gema firme : temperatura de 70ºC.
• O cozimento do ovo de forma perfeita depende do controle de
temperatura da gema e da clara.
• Ovo cozido Mole: Pequeno ( 3’), Médio (4’), Grande ( 4,5 a 5’).
• Ovo cozido semi-firme: Pequeno ( 4’), Médio (5 a 6’)Grande ( 6 a
7’).
• Ovo Cozido duro : Pequeno ( 7’), Médio (8 a 10’), Grande (10 a
12’).
Escalfar ou pochear
• Cozinhar em um líquido lento e delicadamente numa
temperatura entre 65 a 80oC.
• É um método de cocção demorado, cozinhar
lentamente usando líquido suficiente apenas para
cobrir os alimentos, (simmer), fervura branda.
Pochear
Pochear 1
Ovo Frito
Omelete francesa
Ovos mexidos
Omelete soufflé
Bibliografia
• ROUX, Michel. Eggs.New Jersey.Quadrille Publishing
Ltda.2005.
• BARKER, Alex. Get Cracking. NewYork.Annes
Publishing Ltda. 2001.
• FREITAS, Cyanéa T. de. Receitas práticas com
ovos.São Paulo. Melhoramentos.1997.
• Eggs & Cheese. Time Life Books/ Alexandria,
Virginia,1982.
• www.fotosearch.com.brl

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 definição, classificação.
Aula 1  definição, classificação.Aula 1  definição, classificação.
Aula 1 definição, classificação.Nágela Magave
 
Aula cereais e derivados
Aula   cereais e derivadosAula   cereais e derivados
Aula cereais e derivadosCamila Moresco
 
Bioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutasBioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutasUERGS
 
Tecnologia de cereais
Tecnologia de cereaisTecnologia de cereais
Tecnologia de cereaisAlvaro Galdos
 
Aula 01 - legislação aplicada aos alimentos
Aula 01 - legislação aplicada aos alimentosAula 01 - legislação aplicada aos alimentos
Aula 01 - legislação aplicada aos alimentosCristiane Santos
 
Abc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinosAbc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinosLenildo Araujo
 
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de solutoAula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de solutoAlvaro Galdos
 
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptxAula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptxThonJovita
 
Processamento de Leite Condensado e Requeijão
Processamento de Leite Condensado e RequeijãoProcessamento de Leite Condensado e Requeijão
Processamento de Leite Condensado e RequeijãoJeniffer Kelly Rodrigues
 
Cm tecnologia de produção de doce de frutas
Cm   tecnologia de produção de doce de frutasCm   tecnologia de produção de doce de frutas
Cm tecnologia de produção de doce de frutasCamila Moresco
 
Aula de Preparação de Cardápios.
Aula de Preparação de  Cardápios.Aula de Preparação de  Cardápios.
Aula de Preparação de Cardápios.Roberta Braga
 
Questões de tecnologia de produção de origem vegetal
Questões de tecnologia de produção de origem vegetalQuestões de tecnologia de produção de origem vegetal
Questões de tecnologia de produção de origem vegetalAndré Fontana Weber
 
Apresentação sobre amidos
Apresentação sobre amidosApresentação sobre amidos
Apresentação sobre amidosvivifx
 

Mais procurados (20)

Aula 1 definição, classificação.
Aula 1  definição, classificação.Aula 1  definição, classificação.
Aula 1 definição, classificação.
 
Aula cereais e derivados
Aula   cereais e derivadosAula   cereais e derivados
Aula cereais e derivados
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
 
Bioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutasBioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutas
 
Tecnologia de cereais
Tecnologia de cereaisTecnologia de cereais
Tecnologia de cereais
 
Aula 01 - legislação aplicada aos alimentos
Aula 01 - legislação aplicada aos alimentosAula 01 - legislação aplicada aos alimentos
Aula 01 - legislação aplicada aos alimentos
 
Abc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinosAbc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinos
 
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de solutoAula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
 
Tecnologia do leite
Tecnologia do leiteTecnologia do leite
Tecnologia do leite
 
Branqueamento
BranqueamentoBranqueamento
Branqueamento
 
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptxAula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
Aula 2 - Cadeia produtiva leite.pptx
 
Processamento de Leite Condensado e Requeijão
Processamento de Leite Condensado e RequeijãoProcessamento de Leite Condensado e Requeijão
Processamento de Leite Condensado e Requeijão
 
Qualidade do leite 25
Qualidade do leite 25Qualidade do leite 25
Qualidade do leite 25
 
Analises físico químicas do leite
Analises físico químicas do leiteAnalises físico químicas do leite
Analises físico químicas do leite
 
AMIDO NA PANIFICAÇÃO
AMIDO NA PANIFICAÇÃOAMIDO NA PANIFICAÇÃO
AMIDO NA PANIFICAÇÃO
 
Cm tecnologia de produção de doce de frutas
Cm   tecnologia de produção de doce de frutasCm   tecnologia de produção de doce de frutas
Cm tecnologia de produção de doce de frutas
 
Aula de Preparação de Cardápios.
Aula de Preparação de  Cardápios.Aula de Preparação de  Cardápios.
Aula de Preparação de Cardápios.
 
Questões de tecnologia de produção de origem vegetal
Questões de tecnologia de produção de origem vegetalQuestões de tecnologia de produção de origem vegetal
Questões de tecnologia de produção de origem vegetal
 
Apresentação sobre amidos
Apresentação sobre amidosApresentação sobre amidos
Apresentação sobre amidos
 

Semelhante a Aula ovos

Preparos prévios de alimentos - carnes e ovos.pptx
Preparos prévios de alimentos - carnes e ovos.pptxPreparos prévios de alimentos - carnes e ovos.pptx
Preparos prévios de alimentos - carnes e ovos.pptxGabrielaMesquita26
 
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínosAnatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínosMarília Gomes
 
leite e derivados.vacas e homens pdf
leite e derivados.vacas e homens     pdfleite e derivados.vacas e homens     pdf
leite e derivados.vacas e homens pdfsarahvictoriasvtgsv
 
Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptxAula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptxnatanael lopes da trindade
 
aula_7_introducao_postura.pdf
aula_7_introducao_postura.pdfaula_7_introducao_postura.pdf
aula_7_introducao_postura.pdfDeniseGuerreiro4
 
002-avicultura-manejo-poedeiras.pdf
002-avicultura-manejo-poedeiras.pdf002-avicultura-manejo-poedeiras.pdf
002-avicultura-manejo-poedeiras.pdfINTA
 
89899936 apostila-tecnologia-de-leite
89899936 apostila-tecnologia-de-leite89899936 apostila-tecnologia-de-leite
89899936 apostila-tecnologia-de-leiteAline Mendes Luciano
 
Tecnologia dos Queijos 30-05.pptx
Tecnologia dos Queijos 30-05.pptxTecnologia dos Queijos 30-05.pptx
Tecnologia dos Queijos 30-05.pptxhelidaleao
 
Técnica e dietética: carnes, cereais, açúcares, gorduras e bebidas
Técnica e dietética: carnes, cereais, açúcares, gorduras e bebidasTécnica e dietética: carnes, cereais, açúcares, gorduras e bebidas
Técnica e dietética: carnes, cereais, açúcares, gorduras e bebidasKetlenBatista
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxhelidaleao
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxhelidaleao
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxhelidaleao
 
Reprodução e manejo reprodutivo.pptx
Reprodução e manejo reprodutivo.pptxReprodução e manejo reprodutivo.pptx
Reprodução e manejo reprodutivo.pptxArquivosVeterinria
 
Características e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteiraCaracterísticas e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteiraCristovão Filho
 

Semelhante a Aula ovos (20)

Oovo (1)
Oovo (1)Oovo (1)
Oovo (1)
 
Preparos prévios de alimentos - carnes e ovos.pptx
Preparos prévios de alimentos - carnes e ovos.pptxPreparos prévios de alimentos - carnes e ovos.pptx
Preparos prévios de alimentos - carnes e ovos.pptx
 
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínosAnatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
 
EXPERIÊNCIA LABORATORIAL
EXPERIÊNCIA LABORATORIALEXPERIÊNCIA LABORATORIAL
EXPERIÊNCIA LABORATORIAL
 
leite e derivados.vacas e homens pdf
leite e derivados.vacas e homens     pdfleite e derivados.vacas e homens     pdf
leite e derivados.vacas e homens pdf
 
Bioquímica I
Bioquímica IBioquímica I
Bioquímica I
 
Matérias ..
Matérias ..Matérias ..
Matérias ..
 
Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptxAula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
 
aula_7_introducao_postura.pdf
aula_7_introducao_postura.pdfaula_7_introducao_postura.pdf
aula_7_introducao_postura.pdf
 
002-avicultura-manejo-poedeiras.pdf
002-avicultura-manejo-poedeiras.pdf002-avicultura-manejo-poedeiras.pdf
002-avicultura-manejo-poedeiras.pdf
 
89899936 apostila-tecnologia-de-leite
89899936 apostila-tecnologia-de-leite89899936 apostila-tecnologia-de-leite
89899936 apostila-tecnologia-de-leite
 
Manual do Kefir
Manual do KefirManual do Kefir
Manual do Kefir
 
Tecnologia dos Queijos 30-05.pptx
Tecnologia dos Queijos 30-05.pptxTecnologia dos Queijos 30-05.pptx
Tecnologia dos Queijos 30-05.pptx
 
Técnica e dietética: carnes, cereais, açúcares, gorduras e bebidas
Técnica e dietética: carnes, cereais, açúcares, gorduras e bebidasTécnica e dietética: carnes, cereais, açúcares, gorduras e bebidas
Técnica e dietética: carnes, cereais, açúcares, gorduras e bebidas
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
 
Propriedades nutricionais ovo shisa
Propriedades nutricionais ovo   shisaPropriedades nutricionais ovo   shisa
Propriedades nutricionais ovo shisa
 
Reprodução e manejo reprodutivo.pptx
Reprodução e manejo reprodutivo.pptxReprodução e manejo reprodutivo.pptx
Reprodução e manejo reprodutivo.pptx
 
Características e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteiraCaracterísticas e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteira
 

Aula ovos

  • 2. Ovos na Confeitaria e Gastronomia Origem 1400aC. os chineses e egípcios já utilizavam. Roma e Grécia. Red Jungle Fowl Gallus – nativa do Himalaia. As aves foram levadas da Ásia para a Europa e depois para a América por Cristovão Colombo em 1493. Séc XIV- aumenta o consumo de ovos de outras aves. Idade Média – os ovos consumidos eram pocheados. Inglaterra – era Vitoriana inserem ovos no Café da manhã. Os ovos estão associados a fertilidade e a Criação do Universo.
  • 3. Conceito de Ovo Biologia: Em alguns animais, como aves, répteis e peixes, é estrutura expelida do corpo da mãe, que consiste no óvulo fecundado juntamente com as reservas alimentares e os envoltórios protetores. ( Dicionário Houaiss).
  • 4. Divisão do Ovo 1. Membrana da casca 4. e 13.Chalasa 6. Clara 8. Gema 14. Câmara de ar 15. Casca
  • 5. Estrutura do Ovo - Casca – Carbonato de Cálcio (CaCO3 ). – Resistência da casca: ração e idade da galinha. – Porosidade: permite que a umidade saia e o ar entre garantindo a sobrevivência do filhote. – Coberta com uma camada protetora para evitar a entrada de bactéria.
  • 6. Câmara de Ar • Parte interior da casca é revestida por uma membrana bem fina e na parte inferior do ovo elas se separam para produzir um espaço que contém ar. • Conforme o ovo envelhece a umidade e CO2 passam através dos poros e são repostos por ar fresco/novo. A medida que a célula de ar cresce, o ovo torna-se mais leve e poderá flutuar.
  • 7. Clara ou Albúmen • Composta basicamente de água (90%) e o restante de proteínas, minerais, vitaminas. • Compõe 67% do peso total do ovo: 2/3 do Ovo ou 32 g de peso. • É límpida, transparente, consistente, densa e alta com uma pequena porção mais fluída. • As chalazas são cordões que mantém a gema no lugar e quanto mais forte / visível mais fresco é o ovo. Não afetam a qualidade do ovo. São inconvenientes para a qualidade e textura da produção. • A clara é mais espessa próxima à gema e mais fluída na periferia da gema. Ao envelhecer esta distinção diminui.
  • 8. Proteínas essenciais na Cozinha: A ovoalbumina encontra-se distribuída em quantidades iguais nas três viscosidades do albúmen: • Ovomucina é a proteína que indica a qualidade do ovo e forma uma estrutura organizada que estabiliza a clara, uma forma de proteção da gema. • Ovoalbumina quando aquecida torna-se branca e coagula a 80oC. • Ovo transferrina quando exposta ao calor coagula a 60oC. Temperaturas de coagulação: • Inicio do processo a 63oC e se torna sólida. A 65oC torna-se macia e aos 80oC todas as proteínas que estão presentes na clara estão coaguladas e firmes.
  • 9. Ovo muito fresco Ovo com 12 dias Ovo com 21 dias A consistência da clara varia com a idade do ovo
  • 10. • Delimitada por uma membrana. • Translúcida, consistente e centralizada no meio da clara e fixada por chalasas. • Corresponde a 1/3 do ovo ou 18g de peso • É composta por Gordura, proteína (tem menos da metade da proteína do ovo), vitamina A, D ,E e minerais. • Cor depende da dieta das galinhas. • Pontos de sangue não indicam que o ovo foi fertilizado e podem ser removidos antes do cozimento. • Gemas velhas são achatadas, flácidas podendo ter manchas escuras. A membrana rompe com facilidade. • Gema dupla - é resultado de 2 células-ovo amadurecendo ao mesmo tempo e envolvida numa mesma casca. São provenientes de galinhas novas em que o ciclo reprodutor ainda não está bem definido. • Solidifica a 75º C a 80º C. • Formada por 50% de água • Tem 1/3 lipídios ( lecitinas – molécula tensoativa e colesterol) Gema
  • 11. • Odor: pouco adocicado • Assim que a galinha põe o ovo, o ar entra e começa o processo de deterioração. • Clara: translúcida • Gema: lisa e inteira • Casca inteira em perfeita condições x casca trincada (contaminação). • No teste do copo o ovo fresco vai até o fundo; após 4 a 5 dias ficará em posição vertical; ovo velho, bóia. • Verificar a data de validade • Ovo velho – risco de quebrar gema e ao ser cozido fica achatado e flácido. • Para preparar ovo duro, é melhor utilizar ovos de 1 a 2 semanas porque o saco de ar cresce ocupando maior volume facilitando descascar. • Para separar a gema da clara é melhor utilizar ovos de pelo menos 2 dias porque a clara não começou a deteriorar e a gema e a clara não estão coesas. • Ovos frescos são melhores para fritar, pochear, fazer omeletes e ovos mexidos porque aglutinam muito bem. Frescor
  • 13. • Habilidade de ficar esponjoso ou denso. • AERAÇÃO: consiste em prender bolhas de ar na clara batida criando uma espuma, característica dada pela consistência gelatinosa da clara. Quanto mais vigoroso o batimento mais ar será aprisionado esticando as cadeias protéicas aumentando o volume de 6 a 8 vezes. A textura da espuma é afetada pela quantidade de ar aprisionado: • Bolhas grandes – espuma suave e úmida. • Quanto mais tempo a clara for batida menores serão as bolhas caracterizando uma espuma rígida e seca. • Melhor resultado: utilizar a clara em temperatura ambiente. Ovo frio afeta a capacidade de incorporar ar devido a clara estar mais gelatinosa. Clara velha (fluída e fraca) perde a capacidade de manter o ar. • Gema de ovo compromete o processo de aeração. • Adição de cremor de tártaro. • Os ovos batidos incorporam ar em microscópicas partículas e bolhas que ao serem aquecidas expandem e são aprisionadas. Função do Ovo: propriedades
  • 14. Como obter melhor resultado com a clara • Utilizar a clara em temperatura ambiente. • Ovo frio afeta a capacidade de incorporar ar devido a clara estar mais gelatinosa. • Clara velha (fluída e fraca) perde a capacidade de manter o ar. • Gema de ovo compromete o processo de aeração. • Adição de cremor de tártaro. • Os ovos batidos incorporam ar em microscópicas partículas e bolhas que ao serem aquecidas expandem e são aprisionadas.
  • 15. Coagulação • Quando o ovo é aquecido as proteínas se coagulam transformando-se numa massa líquida para uma massa sólida. • Temperaturas de coagulação 63oC 65oC Clarasólida 80oC70oC 73oC Claramacia Coagulaçãocompleta dagema Clara+gematextura firme Coagulaçãocompleta clarafirme
  • 16. Emulsão • Quando líquidos semelhantes ao óleo são batidos junto ao ovo, pequenas gotículas são dispersadas criando um mistura estável. • É necessário adicionar a correta proporção de líquido ao ovo, caso contrário poderá não ocorrer a combinação adequada, havendo separação posterior. • O líquido necessita ser adicionado e batido com o ovo lentamente, permitindo que haja a incorporação. • Molhos clássicos que se baseiam emulsão. • O calor cozinha a gema de forma suave ajudando o molho espessar, enquanto a proteína do ovo cozinha.
  • 17. Funções e Usos Estrutura: a coagulação das proteínas dos ovos dá estrutura a itens assados, cozidos, cremes, sopas... Emulsificante: a gema dos ovos contém emulsificantes naturais que participarão na obtenção de produtos homogêneos: massas, cremes... Aeração: ovos batidos incorporam ar. Adição de Gordura: a presença de gordura nas gemas aumenta a proporção de gordura já existentes na produção. Umidade: ovos usados inteiros apresentam grande quantidade de água, ajustando as receitas. Sabor e Cor: as gemas adicionam sabor e cor aos produtos. Valor nutricional
  • 18. Valor Nutricional do ovo • Excelente fonte alimentar • A proteína do ovo é padrão de referência para medição de todos os outros alimentos. • Um ovo médio provê de 12 a 14% da quantidade diária de proteína requerida por um adulto. • Contém 13 vitaminas D, A, E e várias vitaminas B. • Fonte útil de minerais P, Fe e traços de Zn, I, Se. • Pequena quantidade de cálcio. • Colesterol: substância gordurosa produzida naturalmente pelo organismo, é essencial para as células, suco gástrico e hormônios; é encontrada na gema.
  • 19. Formas comercializadas • Ovos frescos com casca • Ovo desidratado • Ovo integral pasteurizado líquido ou congelado • Gema ou clara líquidas ou congeladas • Ovo integral pasteurizado desidratado • Gema e clara pasteurizadas desidratadas • Gema pasteurizada com sal congelada • Gema pasteurizada com açúcar congelada.
  • 20. Ovos Pasteurizados • Pasteurização é um sistema de tratamento térmico que visa reduzir a contagem microbiológica e eliminar os microorganismos patogênicos obtendo-se um produto de alta qualidade e aumenta o tempo de conservação.
  • 21. Ovo desidratado • A desidratação ocorre em altas Temperaturas de modo a promover a evaporação instantânea da água preservando as características principais
  • 22. Vantagens • Qualidade microbiológica e nutricional • Estabilidade • Padronização • Tempo de vida longo • Facilidade no transporte e armazenamento. • Não requer refrigeração.
  • 23. Equivalência • 1 OVO = 50g de ovo integral líquido • 2g de ovo integral desidratado • 8g de gema líquida • 8g de gema desidratada • 32g de clara líquida • 4 g de clara desidratada • 1kg de ovo inteiro pasteurizado = 20 ovos • 1 kg de gema pasteurizado = 65 gemas • 1kg de albumina pasteurizado = 30 claras
  • 24. Tamanho • Jumbo – acima de 66g • Extra – 60 a 65g • Grande – 55 a 60g • Médio – 50 a 55g • Pequeno – 45 a 50g • Industrial – abaixo de 45g
  • 25. • 1 litro de ovo = +/- 20 unidades • 1 litro de gemas = +/- 48 unidades • 1 litro de claras = +/- 32 unidades • 1 kg de ovos = +/- 16 unidades • 1 kg de gemas = +/- 55 unidades • 1 kg de claras = +/- 28 unidades Quantidades de ovo “in natura”
  • 26. Estocagem • De 4 a 7oC. • Clara = +/- 10 dias coberta • Gema = +/- 2 dias coberta com água.
  • 27. Salmonelose • Salmonelose humana é uma doença por bactérias de gênero Salmonella sp.da família das enterobactérias e existem em torno de 2399 tipos de salmonella. • Transmissão: consumo de água, alimentos (gema, aves, carnes bovinas, leite e derivados, crustáceos, moluscos, frutas e vegetais) contaminados pelas fezes humanas ou animais infectados. • A transmissão entre humanos se dá por meio das mãos contaminadas. • Manifestação dá-se desde quadros leves sem sintomas até quadros gravíssimos. • Manifestação: gastroenterocolite com um período de incubação de 6 a 48 horas.inicia-se náuseas, vômitos, dores musculares, dores de cabeça, febre ( 38 a 39oC), calafrios, cólicas abdominais e diarréias. • Melhor forma de evitar a salmonelose: • Lavar bem as mãos, evitar contaminação cruzada, não experimentar alimentos que contenham ovo cru, evitar fazer maionese com ovo “in natura”.
  • 28. Preparações • Ovos cozidos moles: Temperatura menor que 70oC • Gema firme : temperatura de 70ºC. • O cozimento do ovo de forma perfeita depende do controle de temperatura da gema e da clara. • Ovo cozido Mole: Pequeno ( 3’), Médio (4’), Grande ( 4,5 a 5’). • Ovo cozido semi-firme: Pequeno ( 4’), Médio (5 a 6’)Grande ( 6 a 7’). • Ovo Cozido duro : Pequeno ( 7’), Médio (8 a 10’), Grande (10 a 12’).
  • 29. Escalfar ou pochear • Cozinhar em um líquido lento e delicadamente numa temperatura entre 65 a 80oC. • É um método de cocção demorado, cozinhar lentamente usando líquido suficiente apenas para cobrir os alimentos, (simmer), fervura branda.
  • 36. Bibliografia • ROUX, Michel. Eggs.New Jersey.Quadrille Publishing Ltda.2005. • BARKER, Alex. Get Cracking. NewYork.Annes Publishing Ltda. 2001. • FREITAS, Cyanéa T. de. Receitas práticas com ovos.São Paulo. Melhoramentos.1997. • Eggs & Cheese. Time Life Books/ Alexandria, Virginia,1982. • www.fotosearch.com.brl