SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Baixar para ler offline
TECNOLOGIA DE ALIMENTOS
Prof. Alvaro Galdos
Tecnologias aplicadas aos
diferentes tipos de Alimentos
• Tecnologia do processamento de carnes.
• Óleos e gorduras na industria de alimentos.
• Tecnologia do processamento de laticínios.
• Tecnologia do processamento de vegetais.
• Tecnologia do processamento de frutas.
• Tecnologia do processamento de cereais.
TECNOLOGIA DE VEGETAIS
TECNOLOGIA DE ALIMENTOS
INTRODUÇÃO
• Industrialização.
• Aumento da população urbana.
• Diversificação da dieta no ano.
• Tecnologia de processamento.
• Disponibilidade do produto.
• Valor nutritivo e palatabilidade.
VEGETAIS
• Hortaliça é a planta herbácea da qual uma ou
mais partes são utilizadas como alimento na
sua forma natural.
• O produto será designado: verdura, quando
utilizadas as partes verdes; legumes, quando
utilizado o fruto ou a semente, especialmente
das leguminosas e, raízes, tubérculos e
rizomas, quando são utilizadas as partes
subterrâneas.
MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO DE VEGETAIS
Vegetais
Calor
Frio
Controle de umidade
Uso de anti-séptico
Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
• Melhor método de conservação.
• Destruição térmica de O.
• Prevenção de recontaminação.
• As principais operações para se atingir esses
objetivos são: colheita, transporte,
descarregamento, limpeza e seleção,
classificação, preparo, branqueamento e
resfriamento, prova de esterilização.
1. COLHEITA: atingir o máximo de qualidade
tanto: organoléptica como nutricional vai
depender de:
– Variedade.
– Época de plantio.
– Temperatura.
– Tipo de solo.
– Práticas culturais.
Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
Quando atingem o máximo de
qualidade, são altamente
perecíveis e devem ser colhidos,
manuseados e processados no
menor tempo possível, a fim de
evitar perdas serias na textura,
teor de açucares, cor, etc.
2. TRANSPORTES: procurar o acondicionamento
apropriado em caixas ou cestos apropriados
e limpos, utilizar veículos providos de
sistemas de refrigeração.
Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
3. DESCARREGAMENTO:
realizado um cuidado
para evitar danos
mecânicos à matéria-
prima: cortes,
amassaduras,
quebras, etc.
Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
4. SELEÇÃO E LIMPEZA: A seleção é a retirada de
impurezas grosseiras e matéria-prima defeituosa ou
com doenças, insetos e outros. Pode ser feita em
esteiras dotadas de sistemas de ventilação ou de
agitação, seguida de seleção manual. A limpeza é a
eliminação de sujeiras, insetos que não foram
removidos na operação anterior.
Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
5. CLASSIFICAÇÃO: a classificação da MP por tamanho
é imprescindível: (a) conferir a uniformidade do
produto, (b) garantir uma demarcação rigorosa do
binômio TEMPO/TEMPERATURA nas operações de
branqueamento e de esterilização e (c) permitir uma
regulagem uniforme dos equipamentos de preparo
de MP.
Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
6. PREPARO: é sempre de acordo com a MP e o
PF.
-Retirada da película (cenouras, batatas)
-Descascamento (ervilhas e feijões).
-Debulhamento (milho)
-Cortes (cenouras, vagens)
Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
7.- BRANQUEAMENTO E RESFRIAMENTO: o primeiro
método serve para eliminar ar e gases dos tecidos,
inativar enzimas, fixar cor, aroma e sabor, remover
substancias gelatinosas ou amargas, promover
desinfecção superficial, amaciar o produto.
Inativação de enzimas peroxidase e catalase.
Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
Carbonato de
sódio ou
oxido de
cálcio,
protegem a
clorofila e
mantém a cor
8.- ACONDICIONAMENTO: após o resfriamento o
vegetal é colocado em embalagens de lata ou
vidro, que foram limpados por meio de água
quente, vapor ou jatos de ar.
Para o acondicionamento é feito por maquinas e o
alimento a seguir é coberto com um líquido que
pode ser:
Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
-Água pura.
-Água contendo ingredientes
(sabor, aroma, textura, cor) tais
como sacarose, ácidos, sal,
especiarias, espessantes, etc.
9.- EXAUSTÃO E FECHAMENTO HERMÉTICO:
Exaustão: retirada de ar por meio de
aquecimento até 80-85°C ou por meio de
vácuo mecânico
Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
10.- ESTERILIZAÇÃO E RESFRIAMENTO: legumes
e hortaliças (pH acima de 4,5). A esterilização
deve ser realizada a temperaturas acima de
100°C.
Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
FLUXOGRAMA
DE
OPERAÇÕES
COLHEITA
TRANSPORTE
DESCARREGAMENTO
LIMPEZA E SELEÇÃO
CLASSIFICAÇÃO
PREPARO
BRANQUEAMENTO E
RESFRIAMENTO
ACONDICIONAMENTO
EXAUSTÃO E
FECHAMENTO HERMÉTICO
ESTERILIZAÇÃO E
RESFRIAMENTO
MERCADO CONSUMIDOR
FRIO
• A conservação pelo frio é uma das mais utilizadas no dia-a-dia
da população. Os congelados vêm se tornando cada vez mais
frequentes na mesa do brasileiro e a refrigeração doméstica é
a principal arma da população contra a deterioração dos
alimentos e consequente desperdício.
Baixas temperaturas são usadas para
RETARDAR:
• reações químicas
• atividade enzimática
• desenvolvimento microbiológico
• atividade metabólica de tecidos vegetais
• alterações organolépticas
• perdas do valor nutritivo
Conservação dos vegetais pelo uso do frio
1. REFRIGERAÇÃO:
1. Tipo de conservação temporária (temp. de 0°C)
2. Na indústria, somente utilizado para preservar a
MP enquanto aguarda-se o processamento final.
3. Por refrigeração se conservam:
• Tomate a 0°C.
• Couve, repolho e alfáce a 1°C.
• Cebola, cenoura e nabo a 2°C.
• Aspargo a 4°C.
Conservação de legumes e hortaliças pelo FRIO
2. CONGELAÇÃO: o esquema geral é o seguinte:
colheita, transporte, descarregamento, limpeza e
seleção, classificação, preparo, branqueamento e
resfriamento, acondicionamento, congelamento,
armazenamento em camarás frias, mercado
consumidor.
Congelação rápida: temperaturas abaixo de -
40°C, é quase instantâneo e os cristais de
gelo são menores e não alteram a célula. O
armazenamento é feito a -18°C (indefinido)
Conservação de legumes e hortaliças pelo FRIO
Feijão, milho,
brocoli,
espinafre,
aspargo e ervilha
Conservação de legumes e hortaliças pelo FRIO
Tomate e repolho
Não resistem
congelamento
Congelamento
FLUXOGRAMA
DE TRABALHO
COLHEITA
TRANSPORTE
DESCARREGAMENTO
LIMPEZA E SELEÇÃO
CLASSIFICAÇÃO
PREPARO
BRANQUEAMENTO E
RESFRIAMENTO
ACONDICIONAMENTO
CONGELAMENTO
ARMAZENAMENTO
EM CAMERAS FRIAS
MERCADO
CONSUMIDOR
DESIDRATAÇÃO:
• No caso do branqueamento, prefere-se usar o SO2 por
imersão ou fumigação.
• Liofilização.
• Acondicionamento: latas, caixas de papelão encerado
revestidos de papel impermeável, plásticos de diversos tipos .
• Diferentes tipos de secadores - VEGETAL EM PEDAZOS:
cabina, túnel (industrial), pressão de vácuo (doméstico) e para
VEGETAIS EM PASTA: secadores em tambor ou de aspersão.
Conservação de legumes e hortaliças pelo
controle da umidade
SECADORES
Apertização
Aquecimento do produto já elaborado (esterilização
comercial), contidos em latas, vidros, plásticos
autoclaváveis e relativamente isentos de ar.
• Operações:
– Enchimento do recipiente
– Retirada de ar e vácuo
– Fechamento do recipiente
Tipos de Tratamento Térmico
Conservação de legumes e hortaliças por
ANTI-SÉPTICOS
PICLES
EM SALMOURA
FERMENTADOS
NÃO
FERMENTADOS
EM VINAGRE
ÁCIDOS
DOCES
AROMATIZADOS
PICLES EM SALMOURA
PICLES FERMENTADOS
• Concentração salmoura (10°Bé), adições periódicas
de sal de cozinha.
• Desdobramento do açucares do vegetais e formação
de do ácido lático.
• Atualmente se utiliza bactérias láticas mas a
salmoura deve ser menos concentrada (4-5%)
A conservação se dá a ação conjugada do ácido
lático e do sal adicionado
(Bé= Baumé)
PICLES NÃO FERMENTADOS
• Salmoura de concentração mais concentrada
(15-16°Bé), que impede todo e qualquer
desenvolvimento fermentativo.
PICLES EM SALMOURA
PICLES ÁCIDOS
• Pode ser preparado tanto dos picles em
salmoura como de vegetais frescos depois de
branqueados.
PICLES EM VINAGRE
MP
Vidros
boca
larga
Coberto
de vinagre
forte e
quase
fervente
(5 A 6%
DE
ACIDEZ
ACÉTICA
umidade Teor de
acidez
diminui
1 semana
Trocar o
vinagre (3-4%)
e add sal (3-
4%)
PICLES DOCES
• É muito semelhante a picles ácidos, mas a
diferencia é:
PICLES EM VINAGRE
MP
Vidros
boca
larga
Coberto
de vinagre
forte e
quase
fervente (5
A 6% DE
ACIDEZ
ACÉTICA)
e 3% DE
AÇUCAR
umidade Teor de
acidez
diminui
1 semana
Trocar o
vinagre
(3-4%) e
add sal
(3%)
PICLES AROMATIZADOS
• Igual a preparação dos picles ácidos, com a
diferencia no preparo do vinagre final o qual
é aromatizado por meio de uma fervura
rápida (5minutos) com especiarias.
PICLES EM VINAGRE
ACONDICIONAMENTO
A ARRUMAÇÃO DOS VIDROS É LEVADA A
EFEITO COM CUIDADO, VISANDO-SE DAR UM
ASPECTO ATRAENTE PELO EFEITO DAS
FORMAS E CORES
Picles simplesPicles mistos
OBRIGADO
“Não faça de sua vida uma rua onde
muitos passam e poucos ficam. Mas faça
dela paraíso onde muitos querem estar e
poucos podem PERMANECER”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Congelamento
CongelamentoCongelamento
Congelamento
 
Tecnologia de carnes
Tecnologia de carnesTecnologia de carnes
Tecnologia de carnes
 
Aula 1 definição, classificação.
Aula 1  definição, classificação.Aula 1  definição, classificação.
Aula 1 definição, classificação.
 
Aula 3 c. centesimal
Aula 3  c. centesimalAula 3  c. centesimal
Aula 3 c. centesimal
 
Aula cereais e derivados
Aula   cereais e derivadosAula   cereais e derivados
Aula cereais e derivados
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
 
Alterações em alimentos
Alterações em alimentosAlterações em alimentos
Alterações em alimentos
 
Cm aula 3 - hortaliças em conservas
Cm   aula 3 - hortaliças em conservasCm   aula 3 - hortaliças em conservas
Cm aula 3 - hortaliças em conservas
 
Tecnologia de óleos e gorduras
Tecnologia de óleos e gordurasTecnologia de óleos e gorduras
Tecnologia de óleos e gorduras
 
Aula de iogurte
Aula de iogurteAula de iogurte
Aula de iogurte
 
Conservação dos alimentos pelo uso de aditivos
Conservação dos alimentos pelo uso de aditivosConservação dos alimentos pelo uso de aditivos
Conservação dos alimentos pelo uso de aditivos
 
Leite e derivados
Leite e derivadosLeite e derivados
Leite e derivados
 
Conservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frioConservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frio
 
Aula 1 introdução tpoa
Aula 1   introdução tpoaAula 1   introdução tpoa
Aula 1 introdução tpoa
 
Aula3
Aula3Aula3
Aula3
 
Cm tecnologia de produção de doce de frutas
Cm   tecnologia de produção de doce de frutasCm   tecnologia de produção de doce de frutas
Cm tecnologia de produção de doce de frutas
 
Microbiologia dos alimentos aula 1
Microbiologia dos alimentos aula 1Microbiologia dos alimentos aula 1
Microbiologia dos alimentos aula 1
 
A.b aula 4 amostragem
A.b aula 4 amostragemA.b aula 4 amostragem
A.b aula 4 amostragem
 
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
 
H processamento mínimo
H  processamento mínimoH  processamento mínimo
H processamento mínimo
 

Semelhante a Tecnologia de vegetais

09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptxBrunaSayuriSuzuki
 
Cm tecnologia de produção frutas desidratadas
Cm   tecnologia de produção frutas desidratadasCm   tecnologia de produção frutas desidratadas
Cm tecnologia de produção frutas desidratadasCamila Moresco
 
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos netMicrobiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos netAna Paula Alves
 
Pasteurização de frutas e hortaliças
Pasteurização de frutas e hortaliçasPasteurização de frutas e hortaliças
Pasteurização de frutas e hortaliçasGeraldo Henrique
 
Manipulação de alimentos [modo de compatibilidade]
Manipulação de alimentos [modo de compatibilidade]Manipulação de alimentos [modo de compatibilidade]
Manipulação de alimentos [modo de compatibilidade]Patrícia Ventura
 
Nutricia Cares about training_ Segurança Alimentar
Nutricia Cares about training_ Segurança AlimentarNutricia Cares about training_ Segurança Alimentar
Nutricia Cares about training_ Segurança AlimentarNutricia Portugal
 
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS PRÁTICAS DE MANIPULADORES
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS  PRÁTICAS DE  MANIPULADORESTreinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS  PRÁTICAS DE  MANIPULADORES
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS PRÁTICAS DE MANIPULADOREScagsiqueira
 
Capacitação preparadores 2º semestre 2011
Capacitação preparadores 2º semestre 2011Capacitação preparadores 2º semestre 2011
Capacitação preparadores 2º semestre 2011sitedcoeste
 
Boas Práticas Treinamento de Merendeiras
Boas Práticas Treinamento de MerendeirasBoas Práticas Treinamento de Merendeiras
Boas Práticas Treinamento de MerendeirasGabrielaDias344264
 
Introdução sobre boas práticas, higiene, microbiologia, rotulagem etc.pptx
Introdução sobre boas práticas, higiene, microbiologia, rotulagem etc.pptxIntrodução sobre boas práticas, higiene, microbiologia, rotulagem etc.pptx
Introdução sobre boas práticas, higiene, microbiologia, rotulagem etc.pptxMikaelleNunes2
 
Manual de orientação para consumidores
Manual de orientação para consumidoresManual de orientação para consumidores
Manual de orientação para consumidoresCélia Linares
 
Boas Práticas no Serviço de Alimentação.pptx
Boas Práticas no Serviço de Alimentação.pptxBoas Práticas no Serviço de Alimentação.pptx
Boas Práticas no Serviço de Alimentação.pptxsuplementacaonutrica
 
Curso Quiosqueiros
Curso QuiosqueirosCurso Quiosqueiros
Curso QuiosqueirosOrla Rio
 
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicenteEms baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicenteEmbrapa Milho e Sorgo
 

Semelhante a Tecnologia de vegetais (20)

Atividade slideshaare
Atividade slideshaareAtividade slideshaare
Atividade slideshaare
 
09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx
 
Cm tecnologia de produção frutas desidratadas
Cm   tecnologia de produção frutas desidratadasCm   tecnologia de produção frutas desidratadas
Cm tecnologia de produção frutas desidratadas
 
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos netMicrobiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
 
1511
15111511
1511
 
Pasteurização de frutas e hortaliças
Pasteurização de frutas e hortaliçasPasteurização de frutas e hortaliças
Pasteurização de frutas e hortaliças
 
Geral2
Geral2Geral2
Geral2
 
MMP - Minimamente processados
MMP - Minimamente processadosMMP - Minimamente processados
MMP - Minimamente processados
 
Manipulação de alimentos [modo de compatibilidade]
Manipulação de alimentos [modo de compatibilidade]Manipulação de alimentos [modo de compatibilidade]
Manipulação de alimentos [modo de compatibilidade]
 
Nutricia Cares about training_ Segurança Alimentar
Nutricia Cares about training_ Segurança AlimentarNutricia Cares about training_ Segurança Alimentar
Nutricia Cares about training_ Segurança Alimentar
 
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS PRÁTICAS DE MANIPULADORES
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS  PRÁTICAS DE  MANIPULADORESTreinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS  PRÁTICAS DE  MANIPULADORES
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS PRÁTICAS DE MANIPULADORES
 
Capacitação preparadores 2º semestre 2011
Capacitação preparadores 2º semestre 2011Capacitação preparadores 2º semestre 2011
Capacitação preparadores 2º semestre 2011
 
Boas Práticas Treinamento de Merendeiras
Boas Práticas Treinamento de MerendeirasBoas Práticas Treinamento de Merendeiras
Boas Práticas Treinamento de Merendeiras
 
Introdução sobre boas práticas, higiene, microbiologia, rotulagem etc.pptx
Introdução sobre boas práticas, higiene, microbiologia, rotulagem etc.pptxIntrodução sobre boas práticas, higiene, microbiologia, rotulagem etc.pptx
Introdução sobre boas práticas, higiene, microbiologia, rotulagem etc.pptx
 
Jackson.teyr
Jackson.teyrJackson.teyr
Jackson.teyr
 
Manual de orientação para consumidores
Manual de orientação para consumidoresManual de orientação para consumidores
Manual de orientação para consumidores
 
Boas Práticas no Serviço de Alimentação.pptx
Boas Práticas no Serviço de Alimentação.pptxBoas Práticas no Serviço de Alimentação.pptx
Boas Práticas no Serviço de Alimentação.pptx
 
Curso Quiosqueiros
Curso QuiosqueirosCurso Quiosqueiros
Curso Quiosqueiros
 
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicenteEms baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
 
Apostila de conservas da embrapa
Apostila de conservas da embrapaApostila de conservas da embrapa
Apostila de conservas da embrapa
 

Último

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 

Último (20)

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 

Tecnologia de vegetais

  • 2. Tecnologias aplicadas aos diferentes tipos de Alimentos • Tecnologia do processamento de carnes. • Óleos e gorduras na industria de alimentos. • Tecnologia do processamento de laticínios. • Tecnologia do processamento de vegetais. • Tecnologia do processamento de frutas. • Tecnologia do processamento de cereais.
  • 4. INTRODUÇÃO • Industrialização. • Aumento da população urbana. • Diversificação da dieta no ano. • Tecnologia de processamento. • Disponibilidade do produto. • Valor nutritivo e palatabilidade.
  • 5. VEGETAIS • Hortaliça é a planta herbácea da qual uma ou mais partes são utilizadas como alimento na sua forma natural. • O produto será designado: verdura, quando utilizadas as partes verdes; legumes, quando utilizado o fruto ou a semente, especialmente das leguminosas e, raízes, tubérculos e rizomas, quando são utilizadas as partes subterrâneas.
  • 6. MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO DE VEGETAIS Vegetais Calor Frio Controle de umidade Uso de anti-séptico
  • 7. Conservação de legumes e hortaliças pelo calor • Melhor método de conservação. • Destruição térmica de O. • Prevenção de recontaminação. • As principais operações para se atingir esses objetivos são: colheita, transporte, descarregamento, limpeza e seleção, classificação, preparo, branqueamento e resfriamento, prova de esterilização.
  • 8. 1. COLHEITA: atingir o máximo de qualidade tanto: organoléptica como nutricional vai depender de: – Variedade. – Época de plantio. – Temperatura. – Tipo de solo. – Práticas culturais. Conservação de legumes e hortaliças pelo calor Quando atingem o máximo de qualidade, são altamente perecíveis e devem ser colhidos, manuseados e processados no menor tempo possível, a fim de evitar perdas serias na textura, teor de açucares, cor, etc.
  • 9. 2. TRANSPORTES: procurar o acondicionamento apropriado em caixas ou cestos apropriados e limpos, utilizar veículos providos de sistemas de refrigeração. Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
  • 10. 3. DESCARREGAMENTO: realizado um cuidado para evitar danos mecânicos à matéria- prima: cortes, amassaduras, quebras, etc. Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
  • 11. 4. SELEÇÃO E LIMPEZA: A seleção é a retirada de impurezas grosseiras e matéria-prima defeituosa ou com doenças, insetos e outros. Pode ser feita em esteiras dotadas de sistemas de ventilação ou de agitação, seguida de seleção manual. A limpeza é a eliminação de sujeiras, insetos que não foram removidos na operação anterior. Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
  • 12. 5. CLASSIFICAÇÃO: a classificação da MP por tamanho é imprescindível: (a) conferir a uniformidade do produto, (b) garantir uma demarcação rigorosa do binômio TEMPO/TEMPERATURA nas operações de branqueamento e de esterilização e (c) permitir uma regulagem uniforme dos equipamentos de preparo de MP. Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
  • 13. 6. PREPARO: é sempre de acordo com a MP e o PF. -Retirada da película (cenouras, batatas) -Descascamento (ervilhas e feijões). -Debulhamento (milho) -Cortes (cenouras, vagens) Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
  • 14. 7.- BRANQUEAMENTO E RESFRIAMENTO: o primeiro método serve para eliminar ar e gases dos tecidos, inativar enzimas, fixar cor, aroma e sabor, remover substancias gelatinosas ou amargas, promover desinfecção superficial, amaciar o produto. Inativação de enzimas peroxidase e catalase. Conservação de legumes e hortaliças pelo calor Carbonato de sódio ou oxido de cálcio, protegem a clorofila e mantém a cor
  • 15. 8.- ACONDICIONAMENTO: após o resfriamento o vegetal é colocado em embalagens de lata ou vidro, que foram limpados por meio de água quente, vapor ou jatos de ar. Para o acondicionamento é feito por maquinas e o alimento a seguir é coberto com um líquido que pode ser: Conservação de legumes e hortaliças pelo calor -Água pura. -Água contendo ingredientes (sabor, aroma, textura, cor) tais como sacarose, ácidos, sal, especiarias, espessantes, etc.
  • 16. 9.- EXAUSTÃO E FECHAMENTO HERMÉTICO: Exaustão: retirada de ar por meio de aquecimento até 80-85°C ou por meio de vácuo mecânico Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
  • 17. 10.- ESTERILIZAÇÃO E RESFRIAMENTO: legumes e hortaliças (pH acima de 4,5). A esterilização deve ser realizada a temperaturas acima de 100°C. Conservação de legumes e hortaliças pelo calor
  • 18. FLUXOGRAMA DE OPERAÇÕES COLHEITA TRANSPORTE DESCARREGAMENTO LIMPEZA E SELEÇÃO CLASSIFICAÇÃO PREPARO BRANQUEAMENTO E RESFRIAMENTO ACONDICIONAMENTO EXAUSTÃO E FECHAMENTO HERMÉTICO ESTERILIZAÇÃO E RESFRIAMENTO MERCADO CONSUMIDOR
  • 19. FRIO • A conservação pelo frio é uma das mais utilizadas no dia-a-dia da população. Os congelados vêm se tornando cada vez mais frequentes na mesa do brasileiro e a refrigeração doméstica é a principal arma da população contra a deterioração dos alimentos e consequente desperdício.
  • 20. Baixas temperaturas são usadas para RETARDAR: • reações químicas • atividade enzimática • desenvolvimento microbiológico • atividade metabólica de tecidos vegetais • alterações organolépticas • perdas do valor nutritivo Conservação dos vegetais pelo uso do frio
  • 21. 1. REFRIGERAÇÃO: 1. Tipo de conservação temporária (temp. de 0°C) 2. Na indústria, somente utilizado para preservar a MP enquanto aguarda-se o processamento final. 3. Por refrigeração se conservam: • Tomate a 0°C. • Couve, repolho e alfáce a 1°C. • Cebola, cenoura e nabo a 2°C. • Aspargo a 4°C. Conservação de legumes e hortaliças pelo FRIO
  • 22. 2. CONGELAÇÃO: o esquema geral é o seguinte: colheita, transporte, descarregamento, limpeza e seleção, classificação, preparo, branqueamento e resfriamento, acondicionamento, congelamento, armazenamento em camarás frias, mercado consumidor. Congelação rápida: temperaturas abaixo de - 40°C, é quase instantâneo e os cristais de gelo são menores e não alteram a célula. O armazenamento é feito a -18°C (indefinido) Conservação de legumes e hortaliças pelo FRIO
  • 23. Feijão, milho, brocoli, espinafre, aspargo e ervilha Conservação de legumes e hortaliças pelo FRIO Tomate e repolho Não resistem congelamento Congelamento
  • 24.
  • 25. FLUXOGRAMA DE TRABALHO COLHEITA TRANSPORTE DESCARREGAMENTO LIMPEZA E SELEÇÃO CLASSIFICAÇÃO PREPARO BRANQUEAMENTO E RESFRIAMENTO ACONDICIONAMENTO CONGELAMENTO ARMAZENAMENTO EM CAMERAS FRIAS MERCADO CONSUMIDOR
  • 26. DESIDRATAÇÃO: • No caso do branqueamento, prefere-se usar o SO2 por imersão ou fumigação. • Liofilização. • Acondicionamento: latas, caixas de papelão encerado revestidos de papel impermeável, plásticos de diversos tipos . • Diferentes tipos de secadores - VEGETAL EM PEDAZOS: cabina, túnel (industrial), pressão de vácuo (doméstico) e para VEGETAIS EM PASTA: secadores em tambor ou de aspersão. Conservação de legumes e hortaliças pelo controle da umidade
  • 28. Apertização Aquecimento do produto já elaborado (esterilização comercial), contidos em latas, vidros, plásticos autoclaváveis e relativamente isentos de ar. • Operações: – Enchimento do recipiente – Retirada de ar e vácuo – Fechamento do recipiente Tipos de Tratamento Térmico
  • 29. Conservação de legumes e hortaliças por ANTI-SÉPTICOS PICLES EM SALMOURA FERMENTADOS NÃO FERMENTADOS EM VINAGRE ÁCIDOS DOCES AROMATIZADOS
  • 30. PICLES EM SALMOURA PICLES FERMENTADOS • Concentração salmoura (10°Bé), adições periódicas de sal de cozinha. • Desdobramento do açucares do vegetais e formação de do ácido lático. • Atualmente se utiliza bactérias láticas mas a salmoura deve ser menos concentrada (4-5%) A conservação se dá a ação conjugada do ácido lático e do sal adicionado (Bé= Baumé)
  • 31. PICLES NÃO FERMENTADOS • Salmoura de concentração mais concentrada (15-16°Bé), que impede todo e qualquer desenvolvimento fermentativo. PICLES EM SALMOURA
  • 32. PICLES ÁCIDOS • Pode ser preparado tanto dos picles em salmoura como de vegetais frescos depois de branqueados. PICLES EM VINAGRE MP Vidros boca larga Coberto de vinagre forte e quase fervente (5 A 6% DE ACIDEZ ACÉTICA umidade Teor de acidez diminui 1 semana Trocar o vinagre (3-4%) e add sal (3- 4%)
  • 33. PICLES DOCES • É muito semelhante a picles ácidos, mas a diferencia é: PICLES EM VINAGRE MP Vidros boca larga Coberto de vinagre forte e quase fervente (5 A 6% DE ACIDEZ ACÉTICA) e 3% DE AÇUCAR umidade Teor de acidez diminui 1 semana Trocar o vinagre (3-4%) e add sal (3%)
  • 34. PICLES AROMATIZADOS • Igual a preparação dos picles ácidos, com a diferencia no preparo do vinagre final o qual é aromatizado por meio de uma fervura rápida (5minutos) com especiarias. PICLES EM VINAGRE
  • 35. ACONDICIONAMENTO A ARRUMAÇÃO DOS VIDROS É LEVADA A EFEITO COM CUIDADO, VISANDO-SE DAR UM ASPECTO ATRAENTE PELO EFEITO DAS FORMAS E CORES Picles simplesPicles mistos
  • 36. OBRIGADO “Não faça de sua vida uma rua onde muitos passam e poucos ficam. Mas faça dela paraíso onde muitos querem estar e poucos podem PERMANECER”