SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
08/06/15
1
Objetivo (Ao final do módulo o aluno deverá….)
! SABER MANIPULAR E
CONFECCIONAR UMA RESTAURAÇÃO
baseado na indicações clínicas,
vantagens e limitações de
restaurações de amálgama.
Objetivo (Ao final do módulo o aluno deverá….)
!  REALIZAR tomada de decisões sobre
tipo de amálgama a ser indicado
! TER UMA OPINIAO FORMADA SOBRE
o contexto atual do amálgama no
cenário dos materiais restauradores
diretos.
Roteiro/Overview
! Considerações Iniciais
! Histórico e Evolução
! Composição básica
! Reação de Cristalização
! Classificação das ligas
! Apresentação comercial
! Variáveis no desempenho do material
Materiais Restauradores Diretos
- Amálgama
- Compósito Restaurador
- Cimento de Ionômero de Vidro
- Cimentos temporários
- Ouro coesivo
Materiais Restauradores Indiretos
-Restaurações Metálicas-fundidas
-Restaurações Metalo-cerâmicas
-Restaurações Ceramo-cerâmicas
- Cerômeros
08/06/15
2
1. Paredes circundantes
convergentes para oclusal
(retenção mecânica)
4. A cavidade deverá ter no máximo 1/3 da
distância intercuspídea
2. Não deve haver esmalte
sem suporte de dentina.
3. A espessura mínima de amálgama não deverá
ser inferior a 2 mm
1234
Longevidade x Estética
Preparo retentivo (amálgama) x Preservação (Adesão)?
Contaminação mercúrio x Sensibilidade a monômeros
2015 - Por quê ainda
usar amálgama?
659
CHINA
Pasta de prata
Obtida por alquimistas
1826
FRANÇA - Traveau
Usado pela primeira
vez como material
restaurador
1800 19001833
Irmãos Crawcour
Introduzido
Nos EUA
1895
G.V. BLACK
Formulação de amálgama
que proporcionava
desempenho clínico satisfatório
Moedas de prata desgastadas eram
misturadas com mercúrio
Altas taxas de expansão e corrosão
Material basicamente constituído de
liga de Sn e Ag + Hg (5:8)
1844
•  1833
–  Irmãos Crawcour Introduziram amálgama nos
EUA
•  Moedas de prata eram trituradas e misturadas com
mercúrio
–  Grande expansão de presa
–  e corrosão
08/06/15
3
•  1895
–  G.V. Black desenvolveu a fórmula
precursora dos materiais modernos
•  65% Prata, 29% estanho, 6% cobre,
–  Superou um dos princiais problemas; A
expansão de presa
I Guerra Mundial
Normatização
Anos 30
Amalgamador mecânico
1959
Wilmes Eames
Proporção mercúrio-liga 1:1
(proporção até então
Recomendada era 8:5)
1900 Atualidade1962
" Questões ambientais e de
saúde pública relacionadas ao
mercúrio
" Grande número de trabalhos
evidenciando a longevidade
clínica de rest. amálgama
Demaree & Taylor
Introdução de
partículas esféricas
1963
Innes & Youdelis
Sistema de liga com fase
dispersa e alto conteúdo
de cobre
Melhora substancial no desempenho
clínico da liga, em relação as ligas com
baixo conteúdo de cobre
Anos 90
Amálgama com Adesivo
Ligas com Gálio
Amálgama
Liga de mercúrio com outro metal
Liga do amálgama dentário
Mercúrio
TRITURAÇÃO
“Procedimento técnico
(mecânico ou manual)
de mistura da liga com
o mercúrio”.
TRITURAÇÃO
“Procedimento técnico
(mecânico ou manual)
de mistura da liga com
o mercúrio”.
08/06/15
4
AMALGAMAÇÃO
“É o processo de mistura do mercúrio
líquido com uma liga metálica”.
Manual
Trituração
Necessita
proporcionamento
Mecânica
Trituradores
Dosagem mecânica Cápsulas
pré-dosadas
Material para proporcionamento e
trituração manual
Gral
Pistilo
Balança de Grandall
Erros de proporcionamento
Dificuldade de manipulação
Dificuldade de padronização da mistura
Liberação de vapores e resíduos de Hg
QUESTÕES DE SEGURANÇA DO TRABALHO
Consistência da Mistura
Amálgama com
deficiência de Hg
Amálgama em
proporções corretas
VANTAGENS
!  Elimina ou reduz a exposição ao Hg
!  Padronização do tempo
!  Proporcionamento mais seguro do
Hg e da liga
08/06/15
5
!  Padronização da mistura
!  Utilizável com outros
materiais encapsulados
VANTAGENS
Temporizador
Dosador
Recipiente de
abastecimento
Compartimento de mistura
temporizador
Compartimento da cápsula
garra
cápsula
Cápsulas
Uma ou mais porções
Liga
Hg
O amálgama não deve ser tocado com as mãos
!  Contaminação da mistura (umidade das mãos)
!  Toxicidade do Hg
!  Usar luvas
Ponta porta-amálgama
Instruções da SDI
08/06/15
6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Selecionando corretamente resinas compostas
Selecionando corretamente resinas compostasSelecionando corretamente resinas compostas
Selecionando corretamente resinas compostas
Thiara Cerqueira
 

Mais procurados (20)

Resina composta
Resina compostaResina composta
Resina composta
 
Cimento de ionômero de vidro civ
Cimento de ionômero de vidro  civCimento de ionômero de vidro  civ
Cimento de ionômero de vidro civ
 
Selecionando corretamente resinas compostas
Selecionando corretamente resinas compostasSelecionando corretamente resinas compostas
Selecionando corretamente resinas compostas
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
 
Fotopolimerização e fatores de contração
Fotopolimerização e fatores de contraçãoFotopolimerização e fatores de contração
Fotopolimerização e fatores de contração
 
Resinas compostas
Resinas compostasResinas compostas
Resinas compostas
 
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaPreparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
 
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
 
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
 
Ligas metálicas odontológicas
Ligas metálicas odontológicasLigas metálicas odontológicas
Ligas metálicas odontológicas
 
Sistemas Adesivos
Sistemas Adesivos Sistemas Adesivos
Sistemas Adesivos
 
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NFCimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
 
Sistemas Adesivos (1).pdf
Sistemas Adesivos (1).pdfSistemas Adesivos (1).pdf
Sistemas Adesivos (1).pdf
 
Instrumentos para Restaurações em Amálgama
Instrumentos para Restaurações em AmálgamaInstrumentos para Restaurações em Amálgama
Instrumentos para Restaurações em Amálgama
 
Síntese e técnicas de sutura básica
Síntese e técnicas de sutura básica Síntese e técnicas de sutura básica
Síntese e técnicas de sutura básica
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostas
 
Gessos odontológicos- Tipo I
Gessos odontológicos- Tipo IGessos odontológicos- Tipo I
Gessos odontológicos- Tipo I
 
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas CompostasAdesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
 
Oze irm civ
Oze irm civOze irm civ
Oze irm civ
 
Considerações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalConsiderações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese Total
 

Semelhante a Amálgama parte i

Mat tub apostila_1 - cópia
Mat tub apostila_1 - cópiaMat tub apostila_1 - cópia
Mat tub apostila_1 - cópia
Elias Aniceto
 
Ensaio acelerado de avaliação de anodos galvânicos para reparo de estruturas ...
Ensaio acelerado de avaliação de anodos galvânicos para reparo de estruturas ...Ensaio acelerado de avaliação de anodos galvânicos para reparo de estruturas ...
Ensaio acelerado de avaliação de anodos galvânicos para reparo de estruturas ...
Adriana de Araujo
 

Semelhante a Amálgama parte i (20)

Pmt3100 aula 06 2014_2
Pmt3100 aula 06 2014_2Pmt3100 aula 06 2014_2
Pmt3100 aula 06 2014_2
 
Ligas não ferrosas
Ligas não ferrosasLigas não ferrosas
Ligas não ferrosas
 
Treinamento elétron
Treinamento elétronTreinamento elétron
Treinamento elétron
 
Classificação
ClassificaçãoClassificação
Classificação
 
Avaliação da Resistência às Forças de Cisalhamentode Porcelanas Aplicadas Sob...
Avaliação da Resistência às Forças de Cisalhamentode Porcelanas Aplicadas Sob...Avaliação da Resistência às Forças de Cisalhamentode Porcelanas Aplicadas Sob...
Avaliação da Resistência às Forças de Cisalhamentode Porcelanas Aplicadas Sob...
 
Acoinoxidavel nocoesbasicas
Acoinoxidavel nocoesbasicasAcoinoxidavel nocoesbasicas
Acoinoxidavel nocoesbasicas
 
Aula 4 e 5- Metais.pdf
Aula 4 e 5- Metais.pdfAula 4 e 5- Metais.pdf
Aula 4 e 5- Metais.pdf
 
Materiais Cerâmicos LABATS.pdf
Materiais Cerâmicos LABATS.pdfMateriais Cerâmicos LABATS.pdf
Materiais Cerâmicos LABATS.pdf
 
Corrosão seminário 01
Corrosão seminário 01Corrosão seminário 01
Corrosão seminário 01
 
Aço astm a36
Aço astm a36Aço astm a36
Aço astm a36
 
Aluminio e suas ligas
Aluminio e suas ligasAluminio e suas ligas
Aluminio e suas ligas
 
Fund Eletroq Ambiental Mod 6_Aula 1_de_6 AJM.pptx
Fund Eletroq Ambiental Mod 6_Aula 1_de_6 AJM.pptxFund Eletroq Ambiental Mod 6_Aula 1_de_6 AJM.pptx
Fund Eletroq Ambiental Mod 6_Aula 1_de_6 AJM.pptx
 
Aula 1 Introdução.pdf
Aula 1 Introdução.pdfAula 1 Introdução.pdf
Aula 1 Introdução.pdf
 
10 pite
10 pite10 pite
10 pite
 
CURSO_DE_TUBULACOES_INDUSTRIAIS.pdf
CURSO_DE_TUBULACOES_INDUSTRIAIS.pdfCURSO_DE_TUBULACOES_INDUSTRIAIS.pdf
CURSO_DE_TUBULACOES_INDUSTRIAIS.pdf
 
Mat tub apostila_1 - cópia
Mat tub apostila_1 - cópiaMat tub apostila_1 - cópia
Mat tub apostila_1 - cópia
 
Ensaio acelerado de avaliação de anodos galvânicos para reparo de estruturas ...
Ensaio acelerado de avaliação de anodos galvânicos para reparo de estruturas ...Ensaio acelerado de avaliação de anodos galvânicos para reparo de estruturas ...
Ensaio acelerado de avaliação de anodos galvânicos para reparo de estruturas ...
 
Comportamento mec%e2nico dos materiais cer%e2micos
Comportamento mec%e2nico dos materiais cer%e2micosComportamento mec%e2nico dos materiais cer%e2micos
Comportamento mec%e2nico dos materiais cer%e2micos
 
"Somos Físicos" Pilhas Alcalinas
"Somos Físicos" Pilhas Alcalinas "Somos Físicos" Pilhas Alcalinas
"Somos Físicos" Pilhas Alcalinas
 
Introducao e conteudo_ceramicos_v02
Introducao e conteudo_ceramicos_v02Introducao e conteudo_ceramicos_v02
Introducao e conteudo_ceramicos_v02
 

Mais de Dr.João Calais.:

Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucaisRoteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Dr.João Calais.:
 

Mais de Dr.João Calais.: (20)

Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucaisRoteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
 
Sistema arterial da cabeça e do pescoço
Sistema arterial da cabeça e do pescoçoSistema arterial da cabeça e do pescoço
Sistema arterial da cabeça e do pescoço
 
Mutação
MutaçãoMutação
Mutação
 
Filmes radiográficos udei
Filmes radiográficos  udeiFilmes radiográficos  udei
Filmes radiográficos udei
 
Livro dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Livro   dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)Livro   dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Livro dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
 
Ortodontia1
Ortodontia1Ortodontia1
Ortodontia1
 
Motricidade
MotricidadeMotricidade
Motricidade
 
Músculos do pescoço e da cabeça
Músculos do pescoço e da cabeçaMúsculos do pescoço e da cabeça
Músculos do pescoço e da cabeça
 
Microbiota humana
Microbiota humanaMicrobiota humana
Microbiota humana
 
Microbiota bucal 2014
Microbiota bucal 2014Microbiota bucal 2014
Microbiota bucal 2014
 
Miologia cabeça e pescoço
Miologia cabeça e pescoçoMiologia cabeça e pescoço
Miologia cabeça e pescoço
 
Flúor
FlúorFlúor
Flúor
 
Junqueira & carneiro biologia celular e molecular
Junqueira & carneiro   biologia celular e molecularJunqueira & carneiro   biologia celular e molecular
Junqueira & carneiro biologia celular e molecular
 
Infecções pulpares e periapicais 2014
Infecções pulpares e periapicais  2014Infecções pulpares e periapicais  2014
Infecções pulpares e periapicais 2014
 
Farmacologia!0
Farmacologia!0Farmacologia!0
Farmacologia!0
 
Farmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completoFarmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completo
 
Diagnóstico em endodontia le
Diagnóstico em endodontia leDiagnóstico em endodontia le
Diagnóstico em endodontia le
 
Resinas compostas posteriores
Resinas compostas   posterioresResinas compostas   posteriores
Resinas compostas posteriores
 
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
 
Amálgama parte ii
Amálgama  parte iiAmálgama  parte ii
Amálgama parte ii
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 

Último (20)

Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 

Amálgama parte i

  • 1. 08/06/15 1 Objetivo (Ao final do módulo o aluno deverá….) ! SABER MANIPULAR E CONFECCIONAR UMA RESTAURAÇÃO baseado na indicações clínicas, vantagens e limitações de restaurações de amálgama. Objetivo (Ao final do módulo o aluno deverá….) !  REALIZAR tomada de decisões sobre tipo de amálgama a ser indicado ! TER UMA OPINIAO FORMADA SOBRE o contexto atual do amálgama no cenário dos materiais restauradores diretos. Roteiro/Overview ! Considerações Iniciais ! Histórico e Evolução ! Composição básica ! Reação de Cristalização ! Classificação das ligas ! Apresentação comercial ! Variáveis no desempenho do material Materiais Restauradores Diretos - Amálgama - Compósito Restaurador - Cimento de Ionômero de Vidro - Cimentos temporários - Ouro coesivo Materiais Restauradores Indiretos -Restaurações Metálicas-fundidas -Restaurações Metalo-cerâmicas -Restaurações Ceramo-cerâmicas - Cerômeros
  • 2. 08/06/15 2 1. Paredes circundantes convergentes para oclusal (retenção mecânica) 4. A cavidade deverá ter no máximo 1/3 da distância intercuspídea 2. Não deve haver esmalte sem suporte de dentina. 3. A espessura mínima de amálgama não deverá ser inferior a 2 mm 1234 Longevidade x Estética Preparo retentivo (amálgama) x Preservação (Adesão)? Contaminação mercúrio x Sensibilidade a monômeros 2015 - Por quê ainda usar amálgama? 659 CHINA Pasta de prata Obtida por alquimistas 1826 FRANÇA - Traveau Usado pela primeira vez como material restaurador 1800 19001833 Irmãos Crawcour Introduzido Nos EUA 1895 G.V. BLACK Formulação de amálgama que proporcionava desempenho clínico satisfatório Moedas de prata desgastadas eram misturadas com mercúrio Altas taxas de expansão e corrosão Material basicamente constituído de liga de Sn e Ag + Hg (5:8) 1844 •  1833 –  Irmãos Crawcour Introduziram amálgama nos EUA •  Moedas de prata eram trituradas e misturadas com mercúrio –  Grande expansão de presa –  e corrosão
  • 3. 08/06/15 3 •  1895 –  G.V. Black desenvolveu a fórmula precursora dos materiais modernos •  65% Prata, 29% estanho, 6% cobre, –  Superou um dos princiais problemas; A expansão de presa I Guerra Mundial Normatização Anos 30 Amalgamador mecânico 1959 Wilmes Eames Proporção mercúrio-liga 1:1 (proporção até então Recomendada era 8:5) 1900 Atualidade1962 " Questões ambientais e de saúde pública relacionadas ao mercúrio " Grande número de trabalhos evidenciando a longevidade clínica de rest. amálgama Demaree & Taylor Introdução de partículas esféricas 1963 Innes & Youdelis Sistema de liga com fase dispersa e alto conteúdo de cobre Melhora substancial no desempenho clínico da liga, em relação as ligas com baixo conteúdo de cobre Anos 90 Amálgama com Adesivo Ligas com Gálio Amálgama Liga de mercúrio com outro metal Liga do amálgama dentário Mercúrio TRITURAÇÃO “Procedimento técnico (mecânico ou manual) de mistura da liga com o mercúrio”. TRITURAÇÃO “Procedimento técnico (mecânico ou manual) de mistura da liga com o mercúrio”.
  • 4. 08/06/15 4 AMALGAMAÇÃO “É o processo de mistura do mercúrio líquido com uma liga metálica”. Manual Trituração Necessita proporcionamento Mecânica Trituradores Dosagem mecânica Cápsulas pré-dosadas Material para proporcionamento e trituração manual Gral Pistilo Balança de Grandall Erros de proporcionamento Dificuldade de manipulação Dificuldade de padronização da mistura Liberação de vapores e resíduos de Hg QUESTÕES DE SEGURANÇA DO TRABALHO Consistência da Mistura Amálgama com deficiência de Hg Amálgama em proporções corretas VANTAGENS !  Elimina ou reduz a exposição ao Hg !  Padronização do tempo !  Proporcionamento mais seguro do Hg e da liga
  • 5. 08/06/15 5 !  Padronização da mistura !  Utilizável com outros materiais encapsulados VANTAGENS Temporizador Dosador Recipiente de abastecimento Compartimento de mistura temporizador Compartimento da cápsula garra cápsula Cápsulas Uma ou mais porções Liga Hg O amálgama não deve ser tocado com as mãos !  Contaminação da mistura (umidade das mãos) !  Toxicidade do Hg !  Usar luvas Ponta porta-amálgama Instruções da SDI