SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
Escola de Enfermagem Catarina de Siena
Curso: Técnico em Saúde Bucal –TSB
Resinas Compostas, Adesivos Dentinários
e Ácido Fosfórico
Disciplina: Material Odontológico
Carga Horária: 60 Hrs
Adesivos Dentinários
• Os procedimentos adesivos fazem parte do dia a dia da odontologia atual;
• A possibilidade de reforçar a estrutura dental fragilizada permite a
confecção de cavidades menores e mais conservadoras;
• Além da possibilidade de reter adesivamente os materiais às superfícies
dentais, mesmo na ausência de retenções macromecânicas. Ex.: fraturas de
dente;
• Como também, lesões cervicais não cariosas, que se caracterizam pela
forma não retentiva;
Adesivos Dentinários
• Adesão é a força de união entre dois corpos distintos;
• Os sistemas adesivos, atuam como agentes intermediários entre os
substratos dentais e os materiais restauradores;
• Para que se estabeleça adesão entre duas superfícies, é necessário
que elas se contatem intimamente, juntamente com a interposição de
um líquido entre essas superfícies.
Adesivos Dentinários
• Molhabilidade é a capacidade de um líquido molhar um sólido.
FAVORÁVEL DESFAVORÁVEL
SUBSTRATO LIMPO SUBSTRATO CONTAMINADO
ALTA ENERGIA DE SUPERFÍCIE BAIXA ENERGIA DE SUPERFÍCIE
BAIXO ÂNGULO DE CONTATO ALTO ÂNGULO DE CONTATO
ÓTIMO MOLHAMENTO PÉSSIMO MOLHAMENTO
Limpeza do Substrato
• A interação adesiva tem a necessidade de contar com superfícies
perfeitamente limpas;
• A presença de contaminantes dificulta o estabelecimento de adesão,
visto que eles impedem o contato direto do adesivo com o substrato;
• Os contaminantes prejudicam a capacidade de molhamento do
adesivo sobre o substrato.
Energia de Superfície
• Capacidade que uma superfície possui para reagir, ser molhada,
impregnada pelos líquidos;
• Superfícies com alta energia de superfície tem melhor molhabilidade,
e consequentemente, são mais favoráveis ao estabelecimento da
adesão.
Ângulo de Contato
• O molhamento, depende ainda do ângulo de contato entre o sólido e
o líquido, isto é, entre o substrato e o adesivo;
• Quanto menor o ângulo, melhor a capacidade de molhamento e
consequentemente maior o potencial para o uma boa adesão.
Componentes do Sistemas Adesivos
• Agente Condicionante (ácido);
• Primer;
• Agente de união (adesivo).
Condicionamento Ácido
• O ácido utilizado no condicionamento do esmalte e da dentina,
geralmente é o ácido fosfórico, numa concentração que varia em
torno de 37%;
• O ácido pode se apresenta na forma de solução ou gel;
• Contém corantes para facilitar a visualização.
Primer e Adesivo
• Primer: constituído por uma solução de monômeros hidrofílicos
dissolvidos em solventes orgânicos ( álcool, acetona ou água);
• Adesivo: constituído por monômeros hidrófobos.
Classificação do Sistemas Adesivos (Gerações)
• Sistemas adesivos multicomponentes;
• Sistemas adesivos monocomponentes;
• Sistemas adesivos autocondicionantes de dois passos;
• Sistemas adesivos autocondicionates de passo único.
Adesão Clínica Passo a Passo
• Isolamento do campo operatório: os procedimentos adesivos não
podem ser realizados sem um controle adequado da contaminação
do campo operatório por saliva, sangue e umidade;
• Podendo ser o isolamento relativo ou absoluto.
Condicionamento Ácido
• Prepara o esmalte e a dentina para receber o sistema adesivo;
• Esmalte: tempo – 15 a 30 segundos;
• Dentina: tempo – 15 segundos.
Aplicação do Primer
• Graças a natureza úmida e orgânica e à baixa energia de superfície da
dentina, após seu condicionamento ácido, ela não é um bom
substrato para adesão;
• Por essa razão, antes da aplicação do adesivo propriamente dito, é
necessário aplicar um primer na superfície dentinária.
Aplicação do Adesivo
• O adesivo propriamente dito, nada mais é uma resina fluída
polimerizável, cuja função é molhar os substratos, de modo a atuar
como um agente intermediário entre a estrutura dentária e os
materiais restauradores.
Resinas Compostas
• Como o próprio nome indica, as resinas compostas, ou compósitos,
têm sua estrutura formada por vários componentes;
• Há quatro componentes principais, sendo as características principais
e os percentuais de cada um deles variáveis de um material para
outro.
Resinas Compostas
• Os componentes são:
oMatriz orgânica: geralmente um dimetacrilato como o BIS-GMA ou o
UDMA;
oCarga inorgânica: é formada por partículas de vidro, quartzo e/ou
sílica, presente em diferentes tamanhos, formas e quantidades.
Resinas Compostas
oAgente de união: em virtude de sua natureza quimicamente distinta,
as partículas de carga não têm adesão direta à matriz orgânica. Por
essa razão, a superfície das partículas é recoberta por um agente de
união, o silano;
oSistema acelerador-iniciador: envolve os componentes responsáveis
pela reação de polimerização.
Resinas Compostas - Polimerização
• Como dito, as resinas compostas apresentam uma matriz orgânica
formadas por moléculas muito pequenas, conhecidas como monômeros;
• Os monômeros são as unidades estruturais básicas da matriz. Ao se unirem
quimicamente em longas cadeias por meio de um processo conhecido
como polimerização, os monômeros formam macromoléculas conhecidas
como polímero;
• Na polimerização ocorre a transformação de uma massa plástica para um
sólido rígido.
Resinas Compostas - Polimerização
• Tipos de polimerização:
oPolimerização química: nos materiais em que a polimerização é
ativada quimicamente;
oPolimerização física: nesses materiais um estímulo físico - em geral
sob a forma de uma luz azul - promove a polimerização;
oPolimerização dual: nos compósitos duais, a reação de polimerização
é ativada tanto de forma química como física.
Polimerização – Unidades de Fotoativação
• Existem diversos tipos de unidades, que emitem luz com diferentes
características e comprimentos de onda:
oLuz ultravioleta;
oLuz halógena;
oLED’s;
oArco de plasma (PAC);
oLaser de Argônio
Classificação da Resinas Compostas de acordo
com o Tamanho da Partícula
• Macroparticulas;
• Micropartículas;
• Híbridas;
• Micro-híbridas;
• Nanoparticuladas;
• Nanohíbridas.
Macropartículas
• Alta resistência mecânica;
• Péssimo polimento;
• Alta rugosidade superficial;
• Alto grau de manchamento;
• Radiopacidade menor que a da dentina
Micropartículas
• Alto grau de polimento e a manutenção do mesmo;
• Baixa resistência mecânica;
• Grande quantidade de matriz orgânica;
• Alto grau de sorpção de pigmentos;
• Grande porções de manchamento, principalmente em margens delgadas.
Híbridas
• Maior resistência mecânica;
• Relativo polimento superficial;
• Dificuldade de oferecer e de manter polimento.
Microhíbridas
• Maior capacidade de manutenção de polimento que as híbridas,
Nanoparticuladas
• Excelente polimento, lisura superficial e manutenção do brilho.
Nanohíbridas
• Resultado da inclusão de nanopartículas em resina microhíbrida;
• Características muito próximas ás resinas microhíbridas.
Propriedades das Resinas Compostas
• Resistência ao desgaste;
• Lisura superficial;
• Contração de polimerização;
• Infiltração marginal;
• Expansão higroscópica;
• Estabilidade de cor;
• Radiopacidade.
Resistência ao Desgaste
• É uma das desvantagens das resinas compostas;
• A presença do biofilme dental, e consequentemente a liberação de
ácidos, promove o amolecimento da matriz resinosa;
• Quanto maior o conteúdo de carga, maior a resistência
Lisura Superficial
• Relacionada com a natureza da partícula;
• Quanto menor o tamanho das partículas melhor é a lisura superficial.
Contração de Polimerização
• O processo de polimerização induz a contração;
• Contração de 1 a 3%;
• Promove um stress na interface dente/restauração;
• Stress muito grande pode romper a interface.
Infiltração Marginal
• Diminuída a partir do aprimoramento dos adesivos dentinários;
• Ocorre pela formação de uma fenda devido a uma falha de “adesão”
entre o material restaurador e a estrutura dental;
• Responsável pela reincidência de cárie, manchamento e fraturas
marginais e hipersensibilidade pós operatória.
Expansão Higroscópica
• As resinas absorvem água e se expandem;
• Os procedimento de polimento e acabamento só devem ser
realizados 24 horas após a confecção da restauração
Estabilidade de Cor
• As resinas sofrem variação de cor num período de 2 a 5 anos;
• O manchamento superficial está relacionado com a penetração de
corantes existente nos alimentos, bebidas, fumo, etc.
Radiopacidade
• Característica necessária para que possa ser feita a diferenciação de:
oCárie cervical;
oInterface dente-restauração.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fotopolimerização e fatores de contração
Fotopolimerização e fatores de contraçãoFotopolimerização e fatores de contração
Fotopolimerização e fatores de contraçãoprofguilhermeterra
 
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...Guilherme Terra
 
Classificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasClassificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasprofguilhermeterra
 
Cimento de ionômero de vidro civ
Cimento de ionômero de vidro  civCimento de ionômero de vidro  civ
Cimento de ionômero de vidro civDr.João Calais.:
 
Restaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostasRestaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostasprofguilhermeterra
 
Moldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcionalMoldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcionalMarlus Pedrosa
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparprofguilhermeterra
 
Materiais de moldagem de oxido de zinco e eugenol
Materiais de moldagem de oxido de zinco e eugenolMateriais de moldagem de oxido de zinco e eugenol
Materiais de moldagem de oxido de zinco e eugenolFabio Castelo
 
Principios gerais do preparo cavitário
Principios gerais do preparo cavitárioPrincipios gerais do preparo cavitário
Principios gerais do preparo cavitárioprofcelsoklein
 
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Guilherme Terra
 
Sistemas Adesivos (1).pdf
Sistemas Adesivos (1).pdfSistemas Adesivos (1).pdf
Sistemas Adesivos (1).pdfJussaraFelipe2
 
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaPreparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaprofguilhermeterra
 
Nomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidadesNomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidadesprofcelsoklein
 

Mais procurados (20)

Fotopolimerização e fatores de contração
Fotopolimerização e fatores de contraçãoFotopolimerização e fatores de contração
Fotopolimerização e fatores de contração
 
Materiais Dentários
Materiais DentáriosMateriais Dentários
Materiais Dentários
 
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
Classificações das resinas compostas, preparo cavitário e restauração em rc p...
 
Classificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostasClassificações das resinas compostas
Classificações das resinas compostas
 
Sistemas adesivos
Sistemas adesivosSistemas adesivos
Sistemas adesivos
 
Gessos odontológicos- Tipo I
Gessos odontológicos- Tipo IGessos odontológicos- Tipo I
Gessos odontológicos- Tipo I
 
Cimento de ionômero de vidro civ
Cimento de ionômero de vidro  civCimento de ionômero de vidro  civ
Cimento de ionômero de vidro civ
 
Sistemas Adesivos.pdf
Sistemas Adesivos.pdfSistemas Adesivos.pdf
Sistemas Adesivos.pdf
 
Restaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostasRestaurações posteriores em resinas compostas
Restaurações posteriores em resinas compostas
 
Moldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcionalMoldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcional
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
 
Materiais de moldagem de oxido de zinco e eugenol
Materiais de moldagem de oxido de zinco e eugenolMateriais de moldagem de oxido de zinco e eugenol
Materiais de moldagem de oxido de zinco e eugenol
 
Oze irm civ
Oze irm civOze irm civ
Oze irm civ
 
Clareamento dental
Clareamento dentalClareamento dental
Clareamento dental
 
Principios gerais do preparo cavitário
Principios gerais do preparo cavitárioPrincipios gerais do preparo cavitário
Principios gerais do preparo cavitário
 
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
Revisão em técnicas restauradoras e adesividade 2012 1
 
Obturacão de canais
Obturacão de canaisObturacão de canais
Obturacão de canais
 
Sistemas Adesivos (1).pdf
Sistemas Adesivos (1).pdfSistemas Adesivos (1).pdf
Sistemas Adesivos (1).pdf
 
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaPreparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
 
Nomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidadesNomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidades
 

Destaque

Apresentação workshop sobre reciclagem e sustentabilidade na transformação de...
Apresentação workshop sobre reciclagem e sustentabilidade na transformação de...Apresentação workshop sobre reciclagem e sustentabilidade na transformação de...
Apresentação workshop sobre reciclagem e sustentabilidade na transformação de...C. A. Poliuretanos Consultoria Ltda
 
Amálgama de Prata Regis
Amálgama de Prata RegisAmálgama de Prata Regis
Amálgama de Prata RegisRegis Valentim
 
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1Guilherme Terra
 
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas CompostasAdesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostasprofguilhermeterra
 
Instrumentos para Restaurações em Amálgama
Instrumentos para Restaurações em AmálgamaInstrumentos para Restaurações em Amálgama
Instrumentos para Restaurações em Amálgamaprofguilhermeterra
 
Aula manutenção do equipamento odontológico
Aula manutenção do equipamento odontológicoAula manutenção do equipamento odontológico
Aula manutenção do equipamento odontológicoWálina Alves
 
Equipamentos em odontologia
Equipamentos em odontologiaEquipamentos em odontologia
Equipamentos em odontologiaRômulo Augusto
 
Instrumentais odontologicos
Instrumentais odontologicosInstrumentais odontologicos
Instrumentais odontologicosRômulo Augusto
 

Destaque (12)

Amálgama parte i
Amálgama  parte iAmálgama  parte i
Amálgama parte i
 
Apresentação workshop sobre reciclagem e sustentabilidade na transformação de...
Apresentação workshop sobre reciclagem e sustentabilidade na transformação de...Apresentação workshop sobre reciclagem e sustentabilidade na transformação de...
Apresentação workshop sobre reciclagem e sustentabilidade na transformação de...
 
Amálgama de Prata Regis
Amálgama de Prata RegisAmálgama de Prata Regis
Amálgama de Prata Regis
 
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1
Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1
 
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas CompostasAdesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
 
Instrumentos para Restaurações em Amálgama
Instrumentos para Restaurações em AmálgamaInstrumentos para Restaurações em Amálgama
Instrumentos para Restaurações em Amálgama
 
Farmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
Farmacologia dos anestésicos locais em OdontologiaFarmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
Farmacologia dos anestésicos locais em Odontologia
 
Aula manutenção do equipamento odontológico
Aula manutenção do equipamento odontológicoAula manutenção do equipamento odontológico
Aula manutenção do equipamento odontológico
 
Amálgama Dental
Amálgama DentalAmálgama Dental
Amálgama Dental
 
Restaurações em Amálgama
Restaurações em AmálgamaRestaurações em Amálgama
Restaurações em Amálgama
 
Equipamentos em odontologia
Equipamentos em odontologiaEquipamentos em odontologia
Equipamentos em odontologia
 
Instrumentais odontologicos
Instrumentais odontologicosInstrumentais odontologicos
Instrumentais odontologicos
 

Semelhante a Resinas compostas

Resina-composta-para-restauração-dental modificado.pptx
Resina-composta-para-restauração-dental modificado.pptxResina-composta-para-restauração-dental modificado.pptx
Resina-composta-para-restauração-dental modificado.pptxEdwinCardoso3
 
Cimento de ionômero de vidro.pptx
Cimento de ionômero de vidro.pptxCimento de ionômero de vidro.pptx
Cimento de ionômero de vidro.pptxFilipeAmorim34
 
SEMINARIO DENTISTICA.pptx
SEMINARIO DENTISTICA.pptxSEMINARIO DENTISTICA.pptx
SEMINARIO DENTISTICA.pptxJúlio Braga
 
Cimento de ionômero de vidro 2012 1
Cimento de ionômero de vidro 2012 1Cimento de ionômero de vidro 2012 1
Cimento de ionômero de vidro 2012 1Guilherme Terra
 
Estagio atual das resinas indiretas
Estagio atual das resinas indiretasEstagio atual das resinas indiretas
Estagio atual das resinas indiretasNadia Morais Tonussi
 
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdfFluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdfCarlosEduardoRambald1
 
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdf
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdfLecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdf
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdfCarolina Direito
 
Apresentação solda bioquímica
Apresentação solda bioquímicaApresentação solda bioquímica
Apresentação solda bioquímicaHULLES
 
Dicas fotoativação - TIPS of Photoactivation
Dicas fotoativação - TIPS of PhotoactivationDicas fotoativação - TIPS of Photoactivation
Dicas fotoativação - TIPS of PhotoactivationEduardo Souza-Junior
 
Quimica coloidal na industria de tintas e vernizes
Quimica coloidal na industria de tintas e vernizesQuimica coloidal na industria de tintas e vernizes
Quimica coloidal na industria de tintas e vernizesAdaLberto Janeiro
 
Base treinamentos gutierre-third november
Base treinamentos gutierre-third novemberBase treinamentos gutierre-third november
Base treinamentos gutierre-third novemberCarlos Soares
 
Aula dia 14 de agosto Materiais Dentarios
Aula dia 14 de agosto Materiais DentariosAula dia 14 de agosto Materiais Dentarios
Aula dia 14 de agosto Materiais Dentariosrafaelalourenco
 
Selecionando corretamente resinas compostas
Selecionando corretamente resinas compostasSelecionando corretamente resinas compostas
Selecionando corretamente resinas compostasThiara Cerqueira
 
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
1 aula - Moldagem, Molde e ModeloValdemir Junior
 
2.... IMPRESSOES - Prótese
2.... IMPRESSOES - Prótese2.... IMPRESSOES - Prótese
2.... IMPRESSOES - PróteseMuniza Alfredo
 

Semelhante a Resinas compostas (20)

Resina-composta-para-restauração-dental modificado.pptx
Resina-composta-para-restauração-dental modificado.pptxResina-composta-para-restauração-dental modificado.pptx
Resina-composta-para-restauração-dental modificado.pptx
 
Resina composta anteriores
Resina composta   anterioresResina composta   anteriores
Resina composta anteriores
 
Bulk filll
Bulk filllBulk filll
Bulk filll
 
Cimento de ionômero de vidro.pptx
Cimento de ionômero de vidro.pptxCimento de ionômero de vidro.pptx
Cimento de ionômero de vidro.pptx
 
SEMINARIO DENTISTICA.pptx
SEMINARIO DENTISTICA.pptxSEMINARIO DENTISTICA.pptx
SEMINARIO DENTISTICA.pptx
 
Tintas
TintasTintas
Tintas
 
Cimento de ionômero de vidro 2012 1
Cimento de ionômero de vidro 2012 1Cimento de ionômero de vidro 2012 1
Cimento de ionômero de vidro 2012 1
 
Estagio atual das resinas indiretas
Estagio atual das resinas indiretasEstagio atual das resinas indiretas
Estagio atual das resinas indiretas
 
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdfFluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
 
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdf
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdfLecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdf
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdf
 
Apresentação solda bioquímica
Apresentação solda bioquímicaApresentação solda bioquímica
Apresentação solda bioquímica
 
Dicas fotoativação - TIPS of Photoactivation
Dicas fotoativação - TIPS of PhotoactivationDicas fotoativação - TIPS of Photoactivation
Dicas fotoativação - TIPS of Photoactivation
 
Quimica coloidal na industria de tintas e vernizes
Quimica coloidal na industria de tintas e vernizesQuimica coloidal na industria de tintas e vernizes
Quimica coloidal na industria de tintas e vernizes
 
Base treinamentos gutierre-third november
Base treinamentos gutierre-third novemberBase treinamentos gutierre-third november
Base treinamentos gutierre-third november
 
Aula dia 14 de agosto Materiais Dentarios
Aula dia 14 de agosto Materiais DentariosAula dia 14 de agosto Materiais Dentarios
Aula dia 14 de agosto Materiais Dentarios
 
sistemas adesivos garcia
sistemas adesivos garciasistemas adesivos garcia
sistemas adesivos garcia
 
Selecionando corretamente resinas compostas
Selecionando corretamente resinas compostasSelecionando corretamente resinas compostas
Selecionando corretamente resinas compostas
 
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
 
SlideShare - Cimentação.pdf
SlideShare - Cimentação.pdfSlideShare - Cimentação.pdf
SlideShare - Cimentação.pdf
 
2.... IMPRESSOES - Prótese
2.... IMPRESSOES - Prótese2.... IMPRESSOES - Prótese
2.... IMPRESSOES - Prótese
 

Último

A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfanalucia839701
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoPamelaMariaMoreiraFo
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdfMICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdfkathleenrichardanton
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptfernandoalvescosta3
 
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdfLEANDROSPANHOL1
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999vanessa270433
 

Último (14)

A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdfMICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
 
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 

Resinas compostas

  • 1. Escola de Enfermagem Catarina de Siena Curso: Técnico em Saúde Bucal –TSB Resinas Compostas, Adesivos Dentinários e Ácido Fosfórico Disciplina: Material Odontológico Carga Horária: 60 Hrs
  • 2. Adesivos Dentinários • Os procedimentos adesivos fazem parte do dia a dia da odontologia atual; • A possibilidade de reforçar a estrutura dental fragilizada permite a confecção de cavidades menores e mais conservadoras; • Além da possibilidade de reter adesivamente os materiais às superfícies dentais, mesmo na ausência de retenções macromecânicas. Ex.: fraturas de dente; • Como também, lesões cervicais não cariosas, que se caracterizam pela forma não retentiva;
  • 3. Adesivos Dentinários • Adesão é a força de união entre dois corpos distintos; • Os sistemas adesivos, atuam como agentes intermediários entre os substratos dentais e os materiais restauradores; • Para que se estabeleça adesão entre duas superfícies, é necessário que elas se contatem intimamente, juntamente com a interposição de um líquido entre essas superfícies.
  • 4. Adesivos Dentinários • Molhabilidade é a capacidade de um líquido molhar um sólido. FAVORÁVEL DESFAVORÁVEL SUBSTRATO LIMPO SUBSTRATO CONTAMINADO ALTA ENERGIA DE SUPERFÍCIE BAIXA ENERGIA DE SUPERFÍCIE BAIXO ÂNGULO DE CONTATO ALTO ÂNGULO DE CONTATO ÓTIMO MOLHAMENTO PÉSSIMO MOLHAMENTO
  • 5. Limpeza do Substrato • A interação adesiva tem a necessidade de contar com superfícies perfeitamente limpas; • A presença de contaminantes dificulta o estabelecimento de adesão, visto que eles impedem o contato direto do adesivo com o substrato; • Os contaminantes prejudicam a capacidade de molhamento do adesivo sobre o substrato.
  • 6. Energia de Superfície • Capacidade que uma superfície possui para reagir, ser molhada, impregnada pelos líquidos; • Superfícies com alta energia de superfície tem melhor molhabilidade, e consequentemente, são mais favoráveis ao estabelecimento da adesão.
  • 7. Ângulo de Contato • O molhamento, depende ainda do ângulo de contato entre o sólido e o líquido, isto é, entre o substrato e o adesivo; • Quanto menor o ângulo, melhor a capacidade de molhamento e consequentemente maior o potencial para o uma boa adesão.
  • 8. Componentes do Sistemas Adesivos • Agente Condicionante (ácido); • Primer; • Agente de união (adesivo).
  • 9. Condicionamento Ácido • O ácido utilizado no condicionamento do esmalte e da dentina, geralmente é o ácido fosfórico, numa concentração que varia em torno de 37%; • O ácido pode se apresenta na forma de solução ou gel; • Contém corantes para facilitar a visualização.
  • 10. Primer e Adesivo • Primer: constituído por uma solução de monômeros hidrofílicos dissolvidos em solventes orgânicos ( álcool, acetona ou água); • Adesivo: constituído por monômeros hidrófobos.
  • 11. Classificação do Sistemas Adesivos (Gerações) • Sistemas adesivos multicomponentes; • Sistemas adesivos monocomponentes; • Sistemas adesivos autocondicionantes de dois passos; • Sistemas adesivos autocondicionates de passo único.
  • 12. Adesão Clínica Passo a Passo • Isolamento do campo operatório: os procedimentos adesivos não podem ser realizados sem um controle adequado da contaminação do campo operatório por saliva, sangue e umidade; • Podendo ser o isolamento relativo ou absoluto.
  • 13. Condicionamento Ácido • Prepara o esmalte e a dentina para receber o sistema adesivo; • Esmalte: tempo – 15 a 30 segundos; • Dentina: tempo – 15 segundos.
  • 14.
  • 15. Aplicação do Primer • Graças a natureza úmida e orgânica e à baixa energia de superfície da dentina, após seu condicionamento ácido, ela não é um bom substrato para adesão; • Por essa razão, antes da aplicação do adesivo propriamente dito, é necessário aplicar um primer na superfície dentinária.
  • 16. Aplicação do Adesivo • O adesivo propriamente dito, nada mais é uma resina fluída polimerizável, cuja função é molhar os substratos, de modo a atuar como um agente intermediário entre a estrutura dentária e os materiais restauradores.
  • 17. Resinas Compostas • Como o próprio nome indica, as resinas compostas, ou compósitos, têm sua estrutura formada por vários componentes; • Há quatro componentes principais, sendo as características principais e os percentuais de cada um deles variáveis de um material para outro.
  • 18. Resinas Compostas • Os componentes são: oMatriz orgânica: geralmente um dimetacrilato como o BIS-GMA ou o UDMA; oCarga inorgânica: é formada por partículas de vidro, quartzo e/ou sílica, presente em diferentes tamanhos, formas e quantidades.
  • 19. Resinas Compostas oAgente de união: em virtude de sua natureza quimicamente distinta, as partículas de carga não têm adesão direta à matriz orgânica. Por essa razão, a superfície das partículas é recoberta por um agente de união, o silano; oSistema acelerador-iniciador: envolve os componentes responsáveis pela reação de polimerização.
  • 20. Resinas Compostas - Polimerização • Como dito, as resinas compostas apresentam uma matriz orgânica formadas por moléculas muito pequenas, conhecidas como monômeros; • Os monômeros são as unidades estruturais básicas da matriz. Ao se unirem quimicamente em longas cadeias por meio de um processo conhecido como polimerização, os monômeros formam macromoléculas conhecidas como polímero; • Na polimerização ocorre a transformação de uma massa plástica para um sólido rígido.
  • 21. Resinas Compostas - Polimerização • Tipos de polimerização: oPolimerização química: nos materiais em que a polimerização é ativada quimicamente; oPolimerização física: nesses materiais um estímulo físico - em geral sob a forma de uma luz azul - promove a polimerização; oPolimerização dual: nos compósitos duais, a reação de polimerização é ativada tanto de forma química como física.
  • 22. Polimerização – Unidades de Fotoativação • Existem diversos tipos de unidades, que emitem luz com diferentes características e comprimentos de onda: oLuz ultravioleta; oLuz halógena; oLED’s; oArco de plasma (PAC); oLaser de Argônio
  • 23. Classificação da Resinas Compostas de acordo com o Tamanho da Partícula • Macroparticulas; • Micropartículas; • Híbridas; • Micro-híbridas; • Nanoparticuladas; • Nanohíbridas.
  • 24. Macropartículas • Alta resistência mecânica; • Péssimo polimento; • Alta rugosidade superficial; • Alto grau de manchamento; • Radiopacidade menor que a da dentina
  • 25. Micropartículas • Alto grau de polimento e a manutenção do mesmo; • Baixa resistência mecânica; • Grande quantidade de matriz orgânica; • Alto grau de sorpção de pigmentos; • Grande porções de manchamento, principalmente em margens delgadas.
  • 26. Híbridas • Maior resistência mecânica; • Relativo polimento superficial; • Dificuldade de oferecer e de manter polimento.
  • 27. Microhíbridas • Maior capacidade de manutenção de polimento que as híbridas,
  • 28. Nanoparticuladas • Excelente polimento, lisura superficial e manutenção do brilho.
  • 29. Nanohíbridas • Resultado da inclusão de nanopartículas em resina microhíbrida; • Características muito próximas ás resinas microhíbridas.
  • 30. Propriedades das Resinas Compostas • Resistência ao desgaste; • Lisura superficial; • Contração de polimerização; • Infiltração marginal; • Expansão higroscópica; • Estabilidade de cor; • Radiopacidade.
  • 31. Resistência ao Desgaste • É uma das desvantagens das resinas compostas; • A presença do biofilme dental, e consequentemente a liberação de ácidos, promove o amolecimento da matriz resinosa; • Quanto maior o conteúdo de carga, maior a resistência
  • 32. Lisura Superficial • Relacionada com a natureza da partícula; • Quanto menor o tamanho das partículas melhor é a lisura superficial.
  • 33. Contração de Polimerização • O processo de polimerização induz a contração; • Contração de 1 a 3%; • Promove um stress na interface dente/restauração; • Stress muito grande pode romper a interface.
  • 34. Infiltração Marginal • Diminuída a partir do aprimoramento dos adesivos dentinários; • Ocorre pela formação de uma fenda devido a uma falha de “adesão” entre o material restaurador e a estrutura dental; • Responsável pela reincidência de cárie, manchamento e fraturas marginais e hipersensibilidade pós operatória.
  • 35. Expansão Higroscópica • As resinas absorvem água e se expandem; • Os procedimento de polimento e acabamento só devem ser realizados 24 horas após a confecção da restauração
  • 36. Estabilidade de Cor • As resinas sofrem variação de cor num período de 2 a 5 anos; • O manchamento superficial está relacionado com a penetração de corantes existente nos alimentos, bebidas, fumo, etc.
  • 37. Radiopacidade • Característica necessária para que possa ser feita a diferenciação de: oCárie cervical; oInterface dente-restauração.