SlideShare uma empresa Scribd logo
organismos indesejáveis que,
em elevado número, competem com o ser humano
ameaçando as culturas, destruindo-as para a sua
alimentação ou provocando-lhes doenças.

     Exemplos:
Vinhas do Douro
No caso específico
 das vinhas europeias o
   filoxera provocava
tumores nas raízes, que
     em poucos anos
     enfraqueciam e
   destruíam as cepas
  (troncos de videira),
  atacando também as
 folhas e os rebentos.
Ciclo da filoxera
• Diversos produtos, como por exemplo: petróleo
  cal pez...

• Insecticida (sulfureto de carbono)
• Variedades portuguesas resistentes à filoxera

• Enxertia de variedades regionais sobre porta-
  enxertos de variedades americanas.
Pesticidas
Produtos químicos ou biológicos cujo objectivo consiste em pôr fim
        à existência de pragas numa determinada cultura.
➥Insecticidas – Eliminam   insectos


➥Herbicidas
• Herbicidas totais – Eliminam todo o
    tipo de plantas
•   Herbicidas seletivos – Atuam
    apenas sobre algumas espécies.


➥Fungicidas – Elimina ou inibe a
    ação de fungos


➥Raticidas – Elimina roedores
Tipos de pesticidas   Características e modo de utilização




Inseticida            •   Contacto,
                      •   Ingestão;
                      •   Asfixia;
                      •   Insecticidas sistémicos – são
                          transportados pela seiva da planta e
                          simultaneamente absorvidos com a
                          seiva pelos insectos consumidores

Herbicida             Herbicidas seletivos
                      • Inibem a germinação das sementes;
                      • Bloqueiam a fotossíntese



Fungicida             • Inibem a germinação de esporos;
                      • Destroem os fungos que vivem sobre
                        as plantas, impedindo que se
                        reproduzam.
pesticida
                    s
Capacidade de um
   determinado
                   Largo espectro
 produto químico      de ação
 atuar sobre uma
 maior ou menor
  diversidade de
                   Tóxicos para
     espécies      quase todas
                   as espécies
Contaminação das
                         Longa
                                        águas subterrâneas e
                         persistência
                                        superficiais
  Tempo durante o
     qual, após a
aplicação, o pesticida
    mantém a sua
      toxicidade.
Efeitos indesejáveis da
persistência de um pesticida
  Bioacumulação - é o processo através do qual os seres
  vivos absorvem e retêm substâncias químicas no seu organismo.

 Diretamente – através do ambiente que os envolve
  (bioconcentração)

 Indiretamente - a partir da alimentação (biomagnificação).

  Bioampliação – a concentração de alguns pesticidas
  aumenta quando estes passam sucessivamente para níveis
  tróficos mais elevados, isto é, os organismos dos níveis tróficos
  superiores ingerem maior concentração de pesticida.
Vantagens                         Desvantagens



Aumenta a produtividade      Causam doenças
para uma população
crescente                    Perigo de envenenamento

Diminui o número de mortes   Poluição
causadas por insectos
                             Dispêndio económico elevado

                             Aceleram a resistência
                             genética

                             Efeito cumulativo
✔ Seletivo – atinja apenas a
  praga-alvo.
✔ Inócuo – inofensivo para as
  outras espécies
✔ Facilmente degradável em
  compostos inofensivos -
  evitando a bioampliação e
  bioacumulação
✔ Não cause resistência
  genética
✔ Dê benefícios – a nível de
  custos.
Organismos auxiliares    seres vivos utilizados
na luta contra pragas.
São microorganismos
     produzidos em
   biofábricas ou na
  própria exploração
   agrícola e que são
 aplicados nas culturas
infectadas por pragas,
   funcionando como
organismos auxiliares.
Vantagens                          Desvantagens
                                     Pode levar anos de investigação.
É específica para a praga ou
doença a combater                    Muitas vezes a ação é lenta,
                                     tendo    os pesticidas maior
Pode perpetuar-se a sua acção a      eficiência.
partir do momento em que as
populações de predadores ou          Os    auxiliares    devem     ser
parasitas são estabelecidas.         protegidos dos pesticidas.
Minimiza a resistência genética
                                     Os próprios auxiliares podem
                                     multiplicar-se, atuando noutras
Não     levanta    problemas    de   espécies,     tornando-se  eles
toxicidade para outros organismos.   próprios uma praga.
São      substâncias   químicas
produzidas por seres vivos que
desencadeiam      uma   reacção
fisiológica ou um comportamento
específico noutros animais da
mesma espécie.
Normalmente          utilizam-se
feromonas sexuais colocadas em
armadilhas que capturam os
insectos   ou     para      atrair
predadores
Vantagens                   Desvantagens
São dirigidas somente para    São caras.
indivíduos de uma espécie.

São eficazes em pequenas      O processo de investigação
quantidades.                  para identificar, isolar e
                              produzir    um     produto
A possibilidade de causarem   específico para cada praga
resistência    genética   é
mínima.                       ou predador é demorado.

Não são perigosas     para
outras espécies.
A esterilização de machos que
constituem pragas, é mais uma das
estratégias  utilizadas  na   luta
biológica.




Está em fase de aplicação a luta
autocida, em que são utilizados os
próprios    insectos     para   se
controlarem a si próprios.
o Não tem como objectivo
  erradicar as pragas, mas
  apenas a sua redução e
  manutenção economicamente
  aceitável;
o Exige estudo sobre o ciclo de
  vida das plantas e das
  respectivas pragas, bem como
  os seus habitats;
o A aplicação deste programa é
  complexa e demorada
Herbicidas
                     seletivos
Insecticidas




               Organismos
                auxiliares
Vantagens                               Desvantagens




 Reduz o uso dos pesticidas e os       ✖ Requer conhecimento rigoroso de
  seus custos                             cada situação de praga
 Aumenta o lucro das colheitas         ✖ É um processo lento relativamente
 Reduz o desenvolvimento de              ao uso de pesticidas convencionais
  resistência                           ✖ O método desenvolvido para uma
 Reduz a utilização de fertilizantes     colheita numa determinada área
  bem como de água                        pode não ser aplicável em áreas
 Previne a poluição                      diferentes
                                        ✖ Custos iniciais podem ser elevados
Tem como objectivo melhorar a produção agrícola, obtendo plantas
         resistentes a certos consumidores e parasitas
 Cruzamentos seletivos – obtém-se variedades
  com características que interessam.
 Engenharia genética – transfere-se para a planta
  o gene que lhe permite resistir a um agressor
  particular.
Vantagens                                    Desvantagens




 Protecção das culturas                     ✖ Aparecimento de insectos
• Tolerância aos herbicidas                    resistentes a pesticidas
• Resistência a pragas                       ✖ Possível impacto sobre os insectos
• Resistência as alterações climáticas
                                               úteis
  extremas
 Melhoramento da nutrição animal e          ✖ Riscos alimentares
  humana                                     • Toxicidade, alergias, transferência
• Melhoramento da qualidade dos                de genes resistentes a antibióticos
  alimentos (modificação do teor em certos     para organismos que vivem no tubo
  nutrientes, melhoramente da                  digestivo
  conservação dos produtos)                  ✖ Riscos de redução de
 Redução de custos no controlo de             biodiversidade
  pragas
 Redução da quantidade de pesticidas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Microrganismos
MicrorganismosMicrorganismos
Microrganismos
Raphaell Garcia
 
Alimentos geneticamente modificados ou Alimentos transgénicos
Alimentos geneticamente modificados ou Alimentos transgénicosAlimentos geneticamente modificados ou Alimentos transgénicos
Alimentos geneticamente modificados ou Alimentos transgénicos
suzana patricia
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
José Luís Alves
 
Doenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungosDoenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungos
Rafael Serafim
 
Métodos Contraceptivos Hormonais ou Químicos
Métodos Contraceptivos Hormonais ou QuímicosMétodos Contraceptivos Hormonais ou Químicos
Métodos Contraceptivos Hormonais ou Químicos
Inês Lucas
 
Organismos geneticamente modificados - Biologia
Organismos geneticamente modificados - BiologiaOrganismos geneticamente modificados - Biologia
Organismos geneticamente modificados - Biologia
Leila Santana
 
Microrganismos
MicrorganismosMicrorganismos
Microrganismos
Carla Gomes
 
Problemática atual do uso dos Pesticidas
Problemática atual do uso dos PesticidasProblemática atual do uso dos Pesticidas
Problemática atual do uso dos Pesticidas
Paula Lopes da Silva
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
emanuel
 
MéTodos Contraceptivos
MéTodos  ContraceptivosMéTodos  Contraceptivos
MéTodos Contraceptivos
tiafer96
 
A Minha VacinaçãO
A Minha VacinaçãOA Minha VacinaçãO
A Minha VacinaçãO
guestd825828
 
Agrotoxicos slide
Agrotoxicos slideAgrotoxicos slide
Agrotoxicos slide
lunacarolyne
 
Aula fungos 2018
Aula fungos 2018Aula fungos 2018
Aula fungos 2018
Andre Luiz Nascimento
 
Boas práticas agrícolas
Boas práticas agrícolasBoas práticas agrícolas
Boas práticas agrícolas
VanlisaPinheiro
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
Adrianne Mendonça
 
Organismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificadosOrganismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificados
Guillermo Enrique Guedes Scheel
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
Maria Adelaide
 
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesAscaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Fernanda Gomes
 
Prof demetrio soja transgenica
Prof demetrio   soja transgenicaProf demetrio   soja transgenica
Prof demetrio soja transgenica
Deto - Geografia
 
Bacterias
BacteriasBacterias

Mais procurados (20)

Microrganismos
MicrorganismosMicrorganismos
Microrganismos
 
Alimentos geneticamente modificados ou Alimentos transgénicos
Alimentos geneticamente modificados ou Alimentos transgénicosAlimentos geneticamente modificados ou Alimentos transgénicos
Alimentos geneticamente modificados ou Alimentos transgénicos
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
 
Doenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungosDoenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungos
 
Métodos Contraceptivos Hormonais ou Químicos
Métodos Contraceptivos Hormonais ou QuímicosMétodos Contraceptivos Hormonais ou Químicos
Métodos Contraceptivos Hormonais ou Químicos
 
Organismos geneticamente modificados - Biologia
Organismos geneticamente modificados - BiologiaOrganismos geneticamente modificados - Biologia
Organismos geneticamente modificados - Biologia
 
Microrganismos
MicrorganismosMicrorganismos
Microrganismos
 
Problemática atual do uso dos Pesticidas
Problemática atual do uso dos PesticidasProblemática atual do uso dos Pesticidas
Problemática atual do uso dos Pesticidas
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
MéTodos Contraceptivos
MéTodos  ContraceptivosMéTodos  Contraceptivos
MéTodos Contraceptivos
 
A Minha VacinaçãO
A Minha VacinaçãOA Minha VacinaçãO
A Minha VacinaçãO
 
Agrotoxicos slide
Agrotoxicos slideAgrotoxicos slide
Agrotoxicos slide
 
Aula fungos 2018
Aula fungos 2018Aula fungos 2018
Aula fungos 2018
 
Boas práticas agrícolas
Boas práticas agrícolasBoas práticas agrícolas
Boas práticas agrícolas
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
 
Organismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificadosOrganismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificados
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
 
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris LumbricoidesAscaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
Ascaridíase - Lombriga - Ascaris Lumbricoides
 
Prof demetrio soja transgenica
Prof demetrio   soja transgenicaProf demetrio   soja transgenica
Prof demetrio soja transgenica
 
Bacterias
BacteriasBacterias
Bacterias
 

Semelhante a Controlo de pragas bio 12

Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
rita51096
 
Controlo de Pragas
Controlo de PragasControlo de Pragas
Controlo de Pragas
Luís Rita
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
rita51096
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
rita51096
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
catarinagalaio
 
Bio12-Controlo de pragas
Bio12-Controlo de pragasBio12-Controlo de pragas
Bio12-Controlo de pragas
Rita Rainho
 
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Maria Paredes
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Nuno Correia
 
Problemática do uso de biocidas e métodos alternativos
Problemática do uso de biocidas e métodos alternativosProblemática do uso de biocidas e métodos alternativos
Problemática do uso de biocidas e métodos alternativos
Maria Paredes
 
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Powerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasPowerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Nuno Correia
 
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Powerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasPowerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Nuno Correia
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Nuno Correia
 
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificaçõesControle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Leonardo Minaré Braúna
 
1235043384 produto fitormaceutico
1235043384 produto fitormaceutico1235043384 produto fitormaceutico
1235043384 produto fitormaceutico
Pelo Siro
 
Ino impacto das pragas exoticas no ambiente
Ino impacto das pragas exoticas no ambienteIno impacto das pragas exoticas no ambiente
Ino impacto das pragas exoticas no ambiente
edsondecristo3
 
I.2 meios de protecao das culturas
I.2 meios de protecao das culturasI.2 meios de protecao das culturas
I.2 meios de protecao das culturas
Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda
 
Controle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismosControle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismos
Faculdade Guaraí - FAG
 
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdfI.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
Judite Silva
 
I.2 Meios de Proteção das culturass.pptx
I.2 Meios de Proteção das culturass.pptxI.2 Meios de Proteção das culturass.pptx
I.2 Meios de Proteção das culturass.pptx
Judite Silva
 
Proteção das plantas
Proteção das plantasProteção das plantas
Proteção das plantas
gracindabento
 

Semelhante a Controlo de pragas bio 12 (20)

Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Controlo de Pragas
Controlo de PragasControlo de Pragas
Controlo de Pragas
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Bio12-Controlo de pragas
Bio12-Controlo de pragasBio12-Controlo de pragas
Bio12-Controlo de pragas
 
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
Trabalho escrito problemática do uso de biocidas e de métodos alternativos no...
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
 
Problemática do uso de biocidas e métodos alternativos
Problemática do uso de biocidas e métodos alternativosProblemática do uso de biocidas e métodos alternativos
Problemática do uso de biocidas e métodos alternativos
 
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Powerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasPowerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
 
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Powerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasPowerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
 
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificaçõesControle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
 
1235043384 produto fitormaceutico
1235043384 produto fitormaceutico1235043384 produto fitormaceutico
1235043384 produto fitormaceutico
 
Ino impacto das pragas exoticas no ambiente
Ino impacto das pragas exoticas no ambienteIno impacto das pragas exoticas no ambiente
Ino impacto das pragas exoticas no ambiente
 
I.2 meios de protecao das culturas
I.2 meios de protecao das culturasI.2 meios de protecao das culturas
I.2 meios de protecao das culturas
 
Controle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismosControle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismos
 
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdfI.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
 
I.2 Meios de Proteção das culturass.pptx
I.2 Meios de Proteção das culturass.pptxI.2 Meios de Proteção das culturass.pptx
I.2 Meios de Proteção das culturass.pptx
 
Proteção das plantas
Proteção das plantasProteção das plantas
Proteção das plantas
 

Último

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 

Último (20)

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 

Controlo de pragas bio 12

  • 1.
  • 2. organismos indesejáveis que, em elevado número, competem com o ser humano ameaçando as culturas, destruindo-as para a sua alimentação ou provocando-lhes doenças. Exemplos:
  • 4. No caso específico das vinhas europeias o filoxera provocava tumores nas raízes, que em poucos anos enfraqueciam e destruíam as cepas (troncos de videira), atacando também as folhas e os rebentos.
  • 6. • Diversos produtos, como por exemplo: petróleo cal pez... • Insecticida (sulfureto de carbono) • Variedades portuguesas resistentes à filoxera • Enxertia de variedades regionais sobre porta- enxertos de variedades americanas.
  • 7.
  • 8. Pesticidas Produtos químicos ou biológicos cujo objectivo consiste em pôr fim à existência de pragas numa determinada cultura.
  • 9. ➥Insecticidas – Eliminam insectos ➥Herbicidas • Herbicidas totais – Eliminam todo o tipo de plantas • Herbicidas seletivos – Atuam apenas sobre algumas espécies. ➥Fungicidas – Elimina ou inibe a ação de fungos ➥Raticidas – Elimina roedores
  • 10. Tipos de pesticidas Características e modo de utilização Inseticida • Contacto, • Ingestão; • Asfixia; • Insecticidas sistémicos – são transportados pela seiva da planta e simultaneamente absorvidos com a seiva pelos insectos consumidores Herbicida Herbicidas seletivos • Inibem a germinação das sementes; • Bloqueiam a fotossíntese Fungicida • Inibem a germinação de esporos; • Destroem os fungos que vivem sobre as plantas, impedindo que se reproduzam.
  • 11. pesticida s Capacidade de um determinado Largo espectro produto químico de ação atuar sobre uma maior ou menor diversidade de Tóxicos para espécies quase todas as espécies
  • 12. Contaminação das Longa águas subterrâneas e persistência superficiais Tempo durante o qual, após a aplicação, o pesticida mantém a sua toxicidade.
  • 13. Efeitos indesejáveis da persistência de um pesticida Bioacumulação - é o processo através do qual os seres vivos absorvem e retêm substâncias químicas no seu organismo.  Diretamente – através do ambiente que os envolve (bioconcentração)  Indiretamente - a partir da alimentação (biomagnificação). Bioampliação – a concentração de alguns pesticidas aumenta quando estes passam sucessivamente para níveis tróficos mais elevados, isto é, os organismos dos níveis tróficos superiores ingerem maior concentração de pesticida.
  • 14.
  • 15.
  • 16. Vantagens Desvantagens Aumenta a produtividade Causam doenças para uma população crescente Perigo de envenenamento Diminui o número de mortes Poluição causadas por insectos Dispêndio económico elevado Aceleram a resistência genética Efeito cumulativo
  • 17. ✔ Seletivo – atinja apenas a praga-alvo. ✔ Inócuo – inofensivo para as outras espécies ✔ Facilmente degradável em compostos inofensivos - evitando a bioampliação e bioacumulação ✔ Não cause resistência genética ✔ Dê benefícios – a nível de custos.
  • 18. Organismos auxiliares seres vivos utilizados na luta contra pragas.
  • 19. São microorganismos produzidos em biofábricas ou na própria exploração agrícola e que são aplicados nas culturas infectadas por pragas, funcionando como organismos auxiliares.
  • 20. Vantagens Desvantagens Pode levar anos de investigação. É específica para a praga ou doença a combater Muitas vezes a ação é lenta, tendo os pesticidas maior Pode perpetuar-se a sua acção a eficiência. partir do momento em que as populações de predadores ou Os auxiliares devem ser parasitas são estabelecidas. protegidos dos pesticidas. Minimiza a resistência genética Os próprios auxiliares podem multiplicar-se, atuando noutras Não levanta problemas de espécies, tornando-se eles toxicidade para outros organismos. próprios uma praga.
  • 21. São substâncias químicas produzidas por seres vivos que desencadeiam uma reacção fisiológica ou um comportamento específico noutros animais da mesma espécie. Normalmente utilizam-se feromonas sexuais colocadas em armadilhas que capturam os insectos ou para atrair predadores
  • 22.
  • 23. Vantagens Desvantagens São dirigidas somente para São caras. indivíduos de uma espécie. São eficazes em pequenas O processo de investigação quantidades. para identificar, isolar e produzir um produto A possibilidade de causarem específico para cada praga resistência genética é mínima. ou predador é demorado. Não são perigosas para outras espécies.
  • 24. A esterilização de machos que constituem pragas, é mais uma das estratégias utilizadas na luta biológica. Está em fase de aplicação a luta autocida, em que são utilizados os próprios insectos para se controlarem a si próprios.
  • 25. o Não tem como objectivo erradicar as pragas, mas apenas a sua redução e manutenção economicamente aceitável; o Exige estudo sobre o ciclo de vida das plantas e das respectivas pragas, bem como os seus habitats; o A aplicação deste programa é complexa e demorada
  • 26. Herbicidas seletivos Insecticidas Organismos auxiliares
  • 27. Vantagens Desvantagens  Reduz o uso dos pesticidas e os ✖ Requer conhecimento rigoroso de seus custos cada situação de praga  Aumenta o lucro das colheitas ✖ É um processo lento relativamente  Reduz o desenvolvimento de ao uso de pesticidas convencionais resistência ✖ O método desenvolvido para uma  Reduz a utilização de fertilizantes colheita numa determinada área bem como de água pode não ser aplicável em áreas  Previne a poluição diferentes ✖ Custos iniciais podem ser elevados
  • 28. Tem como objectivo melhorar a produção agrícola, obtendo plantas resistentes a certos consumidores e parasitas
  • 29.  Cruzamentos seletivos – obtém-se variedades com características que interessam.  Engenharia genética – transfere-se para a planta o gene que lhe permite resistir a um agressor particular.
  • 30. Vantagens Desvantagens  Protecção das culturas ✖ Aparecimento de insectos • Tolerância aos herbicidas resistentes a pesticidas • Resistência a pragas ✖ Possível impacto sobre os insectos • Resistência as alterações climáticas úteis extremas  Melhoramento da nutrição animal e ✖ Riscos alimentares humana • Toxicidade, alergias, transferência • Melhoramento da qualidade dos de genes resistentes a antibióticos alimentos (modificação do teor em certos para organismos que vivem no tubo nutrientes, melhoramente da digestivo conservação dos produtos) ✖ Riscos de redução de  Redução de custos no controlo de biodiversidade pragas  Redução da quantidade de pesticidas