SlideShare uma empresa Scribd logo

Tecnologia de aplicação

A tecnologia de aplicação é o emprego de todas as informações e técnicas necessárias para promover uma aplicação de qualidade. Visto que, com a evolução da agricultura, a área de aplicação vem evoluindo buscando uma melhor eficiência. Sem essa tecnologia, hoje nosso país não liderava as exportações mundiais de soja em milhões de toneladas. A priori, eu objetivo principal é permitir um bom controle, diminuindo os danos, evitando efeitos negativos ao ambiente e garantindo a sustentabilidade do sistema. A tecnologia de aplicação deve evoluir no sentido de promover a maximização da eficácia desta prática, com resultados físicos e biológicos satisfatórios, o máximo rendimento econômico e sem afetar ao homem e o meio-ambiente. Além disso, sempre que se pretende realizar uma aplicação é de extrema importância que se conheça o alvo que será atingido, sendo sua biologia e comportamento, as condições climáticas, qual o tratamento mais adequado para a tomada de decisão e a maneira mais eficiente de aplicação. Portanto, faz-se necessário o conhecimento dos produtos fitossanitários, até os cuidados com a aplicação, passando pelos métodos de pulverização e os maquinários utilizados.

1 de 35
Baixar para ler offline
LUANA ALVES DE LIMA
TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO
2
Alvo;
SUMÁRIO
Condições ambientais;
Produtos utilizados;
Eficiência;
Pontas de pulverização;
Gotas e qualidade da aplicação;
Maquinário;
Uso de EPI’s.
3
Emprego de todas as informações e técnicas para
promover uma aplicação de qualidade.
Tem como objetivo principal:
• Permitir um bom controle;
• Evitar danos ao meio ambiente;
• Máximo rendimento econômico;
• Atingir o alvo.
TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO
Fonte: Brasmax, 2022.
4
APLICAÇÃO:
Deposição dessas
partículas sobre um alvo
desejado.
TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO
PULVERIZAÇÃO:
Transformação de uma
substância líquida em
partículas.
Fonte: elaborado por Luana Alves, 2023.
5
Qual é o alvo biológico que precisa ser controlado?
Qual o tratamento adequado?
Como realizar uma aplicação eficaz?
3 perguntas
6
É o que deseja-se atingir.
ALVO
Fonte: Blog Sensix, 2022. Fonte: Revista Cultivar, 2022. Fonte: Revista Agropecuária, 2023.
7
CONDIÇÕES AMBIENTAIS
Alguns produtos são
fotodegradados,
enquanto outros
necessitam de luz solar.
T > 10°C
T < 30°C
Umidade mínima
deve estar em torno
de 50-55%
Ventos máximos
ao redor de
3,0 a 6,5 km/h
Fonte: elaborado por Luana Alves, 2023.
T > 10°C;
T < 30°C.
Umidade mínima
deve estar em torno
de 50-55%
Ventos máximos
ao redor de
3,0 a 6,5 km/h
Umidade mínima
deve estar em torno
de 50-55%.
Ventos máximos
ao redor de
3,0 a 6,5 km/h
Ventos máximos
entre
3,0 a 6,5 km/h.
8
DERIVA
DEPENDE DE
4 FATORES
TÉCNICAS DE
APLICAÇÃO
COMPOSIÇÃO
DA CALDA
CONDIÇÕES
CLIMÁTICAS
OPERACIONAL
• Consiste no arrastamento das partículas produzidas durante a aplicação, para
longe da área onde essas deveriam se depositar.
Fonte: elaborado por Luana Alves, 2023.
9
2
3
4
5
6
7
1
Granulado
(WG);
Granulado solúvel
(SG);
Pó solúvel
(SP);
Pó molhável
(WP);
Solução solúvel
(SL);
Concentrado emulsionável
(EC);
Suspensão concentrada
(SC).
Fonte: elaborado por Luana Alves, 2023.
10
CARACTERÍSTICAS
Fonte: elaborado por Luana Alves, 2023.
Pré-emergente; Pós-emergente; Lixiviação; Tempo de
absorção
11
CARACTERÍSTICAS
Fonte: elaborado por Luana Alves, 2023.
Volatilização; Efeito
Residual;
Sistêmico; Contato.
12
ADJUVANTES
Aderente Emulsificantes Espalhantes Molhantes
Fertilizantes
nitrogenados
Óleos
vegetais e
minerais
Dispersantes
Detergentes
Fonte: elaborado por Luana Alves, 2023.
13
PREPARO DA CALDA
ÁGUA
ADIÇÃO
Fonte: Mais Soja, 2021. Adaptado por Luana Alves, 2023.
SOLUBILIZAÇÃO
14
.
• Interações de ingredientes ativos e os ingredientes inertes das diferentes
formulações;
INCOMPATIBILIDADE DE CALDA
FÍSICA
=
Visível
QUÍMICA
=
Não visível
Fonte: elaborado por Luana Alves, 2023.
15
INCOMPATIBILIDADE DA CALDA
Fonte: Whitford et al., 2018.
Fonte: Whitford et al., 2018.
Fonte: Deveau, 2020.
Fonte: Whitford et al., 2018
16
QUALIDADE DA ÁGUA
p
17
BICO
CORPO FILTRO PONTA CAPA
Fonte: Tecnologia, 2010.
18
PRINCIPAIS PONTAS
Fonte: Corteva, 2020.
19
TAMANHO DE GOTA
Muito fina
ou
fina;
Fina
ou
média;
Média
ou
grossa;
Grossa
ou
muito grossa;
Muito grossa
ou
extra grossa.
Fonte: Elisyos, 2019.
20
COBERTURA
Fonte: Jacto, 2017.
21
MAQUINÁRIO
Fonte: Husqvana, 2023.
Fonte: Agromania, 2023.
22
MAQUINÁRIO
Fonte: Brasquímica, 2017. Fonte: João Pierobon, 2022.
23
MAQUINÁRIO
Fonte: Jacto, 2018. Fonte: Luis Alcino, 2018.
24
MAQUINÁRIO
Fonte:
Luana
Alves,
2023.
25
MAQUINÁRIO
Fonte:
Luana
Alves,
2023.
26
CÁLCULOS
27
CÁLCULOS
1) VAZÃO;
2) VELOCIDADE DE APLICAÇÃO;
3) ALCANCE DA BARRA;
4) VOLUME DE APLICAÇÃO;
5) DOSAGEM DO PRODUTO.
Fonte: Herbicat, 2023.
28
CÁLCULOS
1) VAZÃO:
Colete a água dos bicos por 1 minuto com balde;
800 mL + 700 mL + 600 mL + 800 mL + 600 mL = 3.500 mL;
Média: 700 mL, então, a vazão é 0,7 L/min;
Se a barra tem 40 bicos, 0,7 x 40 = 28 L/min de vazão total.
3.500 mL = 700 mL.
5
29
CÁLCULOS
2) VELOCIDADE DE APLICAÇÃO:
Percurso de 50 metros com uma trena;
Afaste 5 metros o pulverizador;
Em seguida, anote o tempo que o pulverizador percorre os 50 metros;
O tempo para percorrer 50 metros foi de 15 segundos;
50
15
= 3,33 m/s.
A velocidade é:
30
CÁLCULOS
3) ALCANCE DA BARRA:
N° de bicos x espaçamento entre os bicos;
40 bicos x 0,5 = 20 metros.
ÁREA TRATADA:
Alcance da barra x comprimento percorrido;
20 x 50 = 1.000 m² ou 0,1 ha.
Se em 60 s eu coletei 28 L, qual a vazão em 15 seg.?
60 s ------------- 28 L
15 s ------------- X
X= 7 L
31
CÁLCULOS
4) VOLUME DE APLICAÇÃO:
Se em 0,1 ha eu tenho 7L, quanto vou ter em 1 ha ?
0,1ha -------------7L
1ha ---------------X
X= 70 L/ha.
32
CÁLCULOS
5) DOSAGEM DO PRODUTO:
Com uma bomba de 800 L quantos ha eu aplico?
Tanque: 800 L;
Dose: 0,3 L.
800
70
= 11,42 ha.
Se em 1 ha eu utilizo 0,3 L do produto, quanto vou utilizar em 11,42 ha?
1 ha -------------- 0,3 L
11,42 ha -------------X
X= 3,43 L/ha.
33
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
BONÉ ÁRABE
JALECO
LUVA
CALÇA
VISEIRA FACIAL
RESPIRADOR
AVENTAL
BOTA
Fonte: Socicana, 2017. Adaptado por Luana Alves, 2023.
34
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
BONÉ ÁRABE
JALECO
LUVA
CALÇA
VISEIRA FACIAL
RESPIRADOR
AVENTAL
BOTA
Fonte: Socicana, 2017. Adaptado por Luana Alves, 2023.
Entre em contato conosco:
geagraufg.wordpress.com
geagracontato@gmail.com
GEAGRA UFG
@geagraufg
UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA!
TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO
luanalima@discente.ufg.br

Recomendados

Preparação de soluções a partir de solutos sólidos.pptx
 Preparação de soluções a partir de solutos sólidos.pptx Preparação de soluções a partir de solutos sólidos.pptx
Preparação de soluções a partir de solutos sólidos.pptxRodrigoAlves104170
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Geagra UFG
 

Mais conteúdo relacionado

Mais de Geagra UFG

Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxGeagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfGeagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxGeagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxGeagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaGeagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxGeagra UFG
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaGeagra UFG
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxGeagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA Geagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxGeagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxGeagra UFG
 
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoGeagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasMecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasGeagra UFG
 
Manejo de Cigarrinha-do-milho
Manejo de Cigarrinha-do-milhoManejo de Cigarrinha-do-milho
Manejo de Cigarrinha-do-milhoGeagra UFG
 
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milhoManejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milhoGeagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidasMecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidasGeagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptxGeagra UFG
 
Preparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do MilhoPreparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do MilhoGeagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
 
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
 
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milho
 
Mecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasMecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidas
 
Manejo de Cigarrinha-do-milho
Manejo de Cigarrinha-do-milhoManejo de Cigarrinha-do-milho
Manejo de Cigarrinha-do-milho
 
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milhoManejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
 
Mecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidasMecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidas
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
 
Preparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do MilhoPreparo do Solo e Plantio do Milho
Preparo do Solo e Plantio do Milho
 

Último

Reciclagem na Prática_ Como Pequenas Mudanças Podem Fazer uma Grande Diferenç...
Reciclagem na Prática_ Como Pequenas Mudanças Podem Fazer uma Grande Diferenç...Reciclagem na Prática_ Como Pequenas Mudanças Podem Fazer uma Grande Diferenç...
Reciclagem na Prática_ Como Pequenas Mudanças Podem Fazer uma Grande Diferenç...elielsontz089
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...DL assessoria 29
 
Orientação nutricional pode ajudar portadoras da síndrome de Turner A partir ...
Orientação nutricional pode ajudar portadoras da síndrome de Turner A partir ...Orientação nutricional pode ajudar portadoras da síndrome de Turner A partir ...
Orientação nutricional pode ajudar portadoras da síndrome de Turner A partir ...DL assessoria 29
 
Teoria Burocrática e sua Aplicação nas Empresas Modernas
Teoria Burocrática e sua Aplicação nas Empresas ModernasTeoria Burocrática e sua Aplicação nas Empresas Modernas
Teoria Burocrática e sua Aplicação nas Empresas ModernasPrimeAssessoriaAcadm3
 
Cenários de desmatamento para o Brasil Plataforma REDD BRASIL
Cenários de desmatamento para o Brasil Plataforma REDD BRASILCenários de desmatamento para o Brasil Plataforma REDD BRASIL
Cenários de desmatamento para o Brasil Plataforma REDD BRASILCIFOR-ICRAF
 
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdfDimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdfAmiltonMaia
 
E-commerce ou comércio eletrônico, é um processo de compra e venda de produto...
E-commerce ou comércio eletrônico, é um processo de compra e venda de produto...E-commerce ou comércio eletrônico, é um processo de compra e venda de produto...
E-commerce ou comércio eletrônico, é um processo de compra e venda de produto...DL assessoria 29
 

Último (7)

Reciclagem na Prática_ Como Pequenas Mudanças Podem Fazer uma Grande Diferenç...
Reciclagem na Prática_ Como Pequenas Mudanças Podem Fazer uma Grande Diferenç...Reciclagem na Prática_ Como Pequenas Mudanças Podem Fazer uma Grande Diferenç...
Reciclagem na Prática_ Como Pequenas Mudanças Podem Fazer uma Grande Diferenç...
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
 
Orientação nutricional pode ajudar portadoras da síndrome de Turner A partir ...
Orientação nutricional pode ajudar portadoras da síndrome de Turner A partir ...Orientação nutricional pode ajudar portadoras da síndrome de Turner A partir ...
Orientação nutricional pode ajudar portadoras da síndrome de Turner A partir ...
 
Teoria Burocrática e sua Aplicação nas Empresas Modernas
Teoria Burocrática e sua Aplicação nas Empresas ModernasTeoria Burocrática e sua Aplicação nas Empresas Modernas
Teoria Burocrática e sua Aplicação nas Empresas Modernas
 
Cenários de desmatamento para o Brasil Plataforma REDD BRASIL
Cenários de desmatamento para o Brasil Plataforma REDD BRASILCenários de desmatamento para o Brasil Plataforma REDD BRASIL
Cenários de desmatamento para o Brasil Plataforma REDD BRASIL
 
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdfDimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
 
E-commerce ou comércio eletrônico, é um processo de compra e venda de produto...
E-commerce ou comércio eletrônico, é um processo de compra e venda de produto...E-commerce ou comércio eletrônico, é um processo de compra e venda de produto...
E-commerce ou comércio eletrônico, é um processo de compra e venda de produto...
 

Tecnologia de aplicação