SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
FACULDADE ANGLO-AMERICANO – FAA




               DOUGLAS DOS SANTOS PINTO
                     SAMIR ZEINEDIN
                     VIVIANE VIEIRA




MOBILIZAÇÃO NEURAL COMO TRATAMENTO DA DOR EM PACIENTES
           COM LOMBALGIA E LOMBOCIATALGIA




                    FOZ DO IGUAÇU-PR
                          2010

                                                         0
DOUGLAS DOS SANTOS PINTO
                    SAMIR ZEINEDIN
                    VIVIANE VIEIRA




MOBILIZAÇÃO NEURAL COMO TRATAMENTO DA DOR EM PACIENTES
           COM LOMBALGIA E LOMBOCIATALGIA


                            Pesquisa apresentada a Faculdade Anglo-
                            Americano como requisito parcial para a
                            conclusão do curso de Fisioterapia.
                            Orientador: Rodrigo Juliano Grignet.




                   FOZ DO IGUAÇU-PR
                         2010


                                                                 1
Mobilização Neural como tratamento da dor em pacientes com lombalgia
                                      e lombociatalgia
 Neural Mobilization as treatment of pain in patients with low back pain and sciatic pain



                                    Rodrigo Juliano Grignet
Fisioterapeuta, Especialista em Ortopedia. Professor docente do curso de Fisioterapia da Faculdade
       Anglo-Americano (FAA). Foz do Iguaçu – PR, Brasil. e-mail: ro2grignet@ig.com.br

                                   Douglas dos Santos Pinto
 Graduando em Fisioterapia pela Faculdade Anglo-Americano de Foz do Iguaçu. Foz do Iguaçu –
                      PR, Brasil. e-mail: douglaspqdt_27@hotmail.com

                                         Samir Zeinedin
 Graduando em Fisioterapia pela Faculdade Anglo-Americano de Foz do Iguaçu. Foz do Iguaçu –
                       PR, Brasil. e-mail: samirzeinedin@hotmail.com

                                         Viviane Vieira
 Graduanda em Fisioterapia pela Faculdade Anglo-Americano de Foz do Iguaçu. Foz do Iguaçu –
                        PR, Brasil. e-mail: viviane.vvv@hotmail.com




RESUMO

Introdução: Cerca de 80% da população mundial adulta irá sentir algum tipo de dor lombar, e em
grande parte dessas pessoas a dor estará relacionada à compressão do nervo isquiático. Diversas
técnicas de tratamento são propostas pela literatura com intuito de abolir ou controlar os sintomas
álgicos do paciente, estando entre estas a Mobilização Neural. Objetivos: Verificar o efeito da
Mobilização Neural como tratamento da dor em pacientes com lombalgia e lombociatalgia, avaliar
o comportamento desta ao término do tratamento e verificar alterações da capacidade funcional e
na mobilidade da coluna lombar. Metodologia: Foram realizados 15 atendimentos com técnicas de
Mobilização Neural em pacientes que apresentavam lombalgia e lombociatalgia. Como
instrumentos de avaliação foram utilizados a Escala Analógica Visual da Dor, Questionário
Modificado da Dor McGill, Questionário da Incapacidade de Roland-Morris e o Teste de Schober.
Resultados: Foram avaliados e tratados seis pacientes com lombalgia e lombociatalgia, sendo
constatada significância estatística na redução da dor, melhora da capacidade funcional e aumento
na mobilidade lombar, além de ganho na amplitude no movimento de flexão do quadril.
Considerações finais: A aplicação conjunta de técnicas deslizantes e tensionantes de Mobilização
Neural mostrou-se eficaz no tratamento de pacientes com lombalgia e lombociatalgia. Sugere-se a
realização de novos estudos, para o acompanhamento da dor após término do tratamento com
Mobilização Neural.

Palavra-chave: Isquiático. Mobilização Neural. Lombalgia. Lombociatalgia.


ABSTRACT

Introduction: About 80% of the adult population will feel some kind of back pain, and most of
these people the pain is related to compression of the sciatic nerve. Several treatment techniques

                                                                                                 2
are proposed in the literature with intent to abolish or control the symptom of pain of the patient,
being among these the Mobilization Neural. Objectives: Verify the effect of Neural Mobilization as
treatment of pain in patients with low back pain and sciatic pain, to evaluate the behavior of this to
the end of treatment and verify changes in functional capacity and mobility of the lumbar spine.
Methodology: There were realized 15 treatment with Neural Mobilization techniques in patients
with low back pain and sciatic pain. How evaluation tools were used to Visual Analogue Scale for
pain, the McGill Pain Questionnaire Modified, Questionnaire of Incapacity of Roland-Morris and
Schober Test. Results: There were evaluated and treated six patients with low back pain and
sciatic pain, and revealed a statistically significant reduction in pain, improved functional capacity
and increase in lumbar mobility, and gain in the amplitude of motion in hip flexion. Conclusion:
The combined application of techniques sliding and tensioning of Neural Mobilization was effective
in treating of patients with low back pain and sciatic pain. Suggest achievement the new studies, to
the accompaniment of pain after completion of treatment with Neural Mobilization.

Keywords: Sciatic. Neural Mobilization. Low back pain. Sciatic pain.



INTRODUÇÃO


        A dor lombar (DL) constitui uma causa freqüente de morbidade e incapacidade,
tornando-se a fonte mais dispendiosa de lesão relacionada ao trabalho em países
industrializados (1), sendo o sintoma mais comum encontrado na prática ortopédica (2). No
Brasil existem estimativas de que mais de 10 milhões de pessoas sofram com a
incapacidade relacionada à dor lombar (3). Entre as causas das dores lombares estão as
atividades em trabalho pesado, postura sentada por tempo prolongado, levantar grandes
quantidades de peso, sedentarismo, acidentes de trabalho, dirigir veículos, horas excessivas
de trabalho, gravidez, ferimentos, tabagismo, entre outros (4).
        Na maioria dos casos a dor nas costas é inespecífica e o diagnóstico impreciso,
visto que diversos tecidos como discos, ligamentos, estruturas articulares, músculos e
estruturas nervosas podem ser responsáveis pela dor (5).
        A lombociatalgia surge quando a dor, de origem na região lombar, se irradia para as
nádegas e porção posterior da perna até abaixo do joelho, ao longo da raiz nervosa
lesionada, podendo afetar um ou ambos os membros inferiores (6, 7). A dor é dita como
uma sensação de queimação, pontada, lacinante, ocasionalmente formigamento e parestesia
em dermátomo do membro inferior (7). Esta condição ocorre devido à compressão das
raizes do nervo isquiático e a causa mais comum é a hérnia de disco. Outras causas como
doenças degenerativas da coluna, infecções, luxação traumática do quadril posterior,
anomalias congênitas (8), síndrome do piriforme e estenose do canal vertebral lombar são
citadas na literatura (9).

                                                                                                    3
Autores como Douglas (10) e Dutton (1) descrevem que cerca de 80% da
população mundial adulta irá sentir algum tipo de dor lombar, e em grande parte dessas
pessoas a dor estará relacionada à compressão do nervo isquiático. Para North et al (11) a
ciatalgia é comum em pacientes com idade superior a trinta anos, com incidência de cerca
de 40% da população geral.
       Diversas técnicas de tratamento são propostas pela literatura com intuito de abolir
ou controlar os sintomas álgicos do paciente, estando entre estas a Mobilização Neural
(MN), técnica que teve um grande desenvolvimento, principalmente nos últimos 35 anos,
desde que autores como Grieve, Maitland, Elvey e Butler publicaram seus estudos relativos
ao conhecimento da função mecânica do sistema nervoso (12). Posteriormente Shacklock
criou o termo neurodinâmica, revelando a importância em integrar a mecânica do Sistema
Nervoso (SN) com a fisiologia, explicando como elas se relacionam entre si e são
integradas à função músculo-esquelética (12).
       Este recurso da terapia manual é utilizado tanto para diagnóstico como para
tratamento de patologias que diminuam a mobilidade dos nervos (13). O diagnóstico é feito
através de testes neurodinâmicos, os quais avaliam o envolvimento das raízes nervosas
espinhais e nervos periféricos nas dores extremas, através do tensionamento das mesmas
por meio de movimentos seqüenciais e progressivos, desafiando a capacidade física do
sistema nervoso, usando várias articulações dos membros e ou tronco para alterar o
comprimento e dimensões do trajeto neural, provocando irritação do tecido, reproduzindo
os sintomas no paciente (1, 14). Já, o tratamento se faz pela aplicação de movimentos
oscilatórios lentos e contínuos ou brevemente mantidos ao tecido neural, melhorando a
troca de fluidos, a circulação sanguínea, restabelecendo o fluxo axoplasmático normal,
liberando adesões, diminuindo a inflamação e a dor (15).
       Junior e Teixeira (16) encontraram resultados significativos em estudos com a
utilização da mobilização neural como diagnóstico da lombalgia e tratamento de diversas
patologias do sistema nervoso. Em estudo realizado por George (17) de seis pacientes com
dor lombar baixa, avaliados pela escala analógica da dor, cinco obtiveram redução da
intensidade da dor. Machado e Bigolin (5) em um estudo comparativo entre mobilização
neural e alongamento muscular em pacientes com lombalgia crônica, revelaram melhoras
na execução das atividades funcionais, na flexibilidade da cadeia muscular posterior e na
redução do quadro álgico, porém, somente o programa de mobilização neural obteve
melhora estatisticamente significativa.

                                                                                        4
Este estudo teve como objetivo verificar o efeito da Mobilização Neural como
tratamento da dor em pacientes com lombalgia e lombociatalgia, avaliar o comportamento
desta ao término do tratamento e verificar alterações da capacidade funcional e na
mobilidade da coluna lombar.


MATERIAIS E MÉTODOS


       Trata-se de um estudo prospectivo, composto por 11 pacientes, 2 do sexo masculino
e 9 do sexo feminino, com idade entre 30 e 55 anos, que aguardavam tratamento na
Clínica Escola de Fisioterapia da Faculdade Anglo-Americano e/ou encaminhados pelo
SUS (Sistema Único de Saúde). Três pesquisadores, com formação no curso de
Mobilização Neural, eram responsáveis pela avaliação, tratamento e reavaliação dos
pacientes, os quais foram divididos entre os pesquisadores, conforme se apresentaram para
a avaliação inicial.
        Foram definidos como critérios de inclusão: diagnóstico clínico de lombalgia e
lombociatalgia, resultado positivo para alterações neurodinâmicas, através da aplicação do
Slump Test e/ou Teste de Elevação da perna Estendida (TEPE) e não estar recebendo
outros tipos de tratamento. Os critérios de exclusão foram: doenças reumatológicas, fratura
não consolidada em membro inferior, pós-cirúrgico da coluna vertebral, pós-cirúrgico
recente de membros inferiores, artroplastia de quadril, presença de espondilolistese e
espondilólise, gestantes, labirintite e contra-indicações para aplicação da técnica.
       Todos os voluntários receberam informações para a participação no estudo e
assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. O estudo foi aprovado pelo
Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Assis Gurgacz da cidade de Cascavel-PR,
protocolado pelo número 065/2010.
       Na avaliação todos os pacientes apresentaram pelo menos um exame
imaginológico, a fim de verificar possíveis alterações osteomioarticulares, como exames de
Raios-X, em incidências pósterior-anterior e perfil, Ressonância Nuclear Magnética ou
Tomografia Computadorizada da coluna vertebral, com laudo. Em seguida foram
submetidos a um exame físico composto pela verificação da sensibilidade superficial
através do uso de monofilamentos Semmes-Weinstein nos dermátomos correspondentes as
raízes do nervo isquiático (18), e sensibilidade proprioceptiva, com uso de diapasão de
256Hz sobre as proeminências ósseas dos membros inferiores (19), palpação, reflexos

                                                                                         5
patelar, aquileu e isquiotibiais, força muscular dos membros inferiores e teste do neurônio
motor superior: Babinsk, Oppenheim e Clônus (20).
       Para quantificar a dor, a Escala Analógica Visual (EAV) foi empregada (21), sendo
esta aplicada pré e pós cada atendimento, além de instrumentos utilizados para avaliação e
reavaliação, pré e pós tratamento, como o Questionário Modificado da Dor McGill (1) para
obter uma descrição exata da qualidade da dor, Questionário da Incapacidade de Roland-
Morris, para avaliar a incapacidade física decorrente da dor lombar (1).
       A dinâmica das estruturas neurais do Sistema Nervoso Central (SNC) e Sistema
Nervoso Periférico (SNP) foram avaliados através do Slump Test. O TEPE foi utilizado
para testar o movimento e a sensibilidade mecânica das estruturas neurais lombossacrais e
suas extensões distais (tronco e plexo lombo-sacral na pelve, ciática e nervos tibiais e suas
extensões distais na perna e pé). Manobras de dorsiflexão do tornozelo, inversão, rotação
interna do membro inferior sintomático e flexão cervical passiva foram utilizadas para
diferenciação estrutural a fim de sensibilizar o TEPE (12). Para mensurar a mobilidade da
região lombar foi realizado o Teste de Schober (22) pré e pós tratamento.
       Antes de iniciar a avaliação e os atendimentos os pesquisadores aplicaram os testes
em si mesmos durante cinco dias, a fim de aumentar a familiaridade com as técnicas,
padronizando sua aplicação.
       Para tratamento, os pacientes foram submetidos a 15 atendimentos de 30 minutos,
realizados duas vezes por semana. Foram aplicadas técnicas de mobilização deslizante de
raiz lombossacral em supino, deslizamento Slump e mobilização tensionante distal do
isquiático (Figura 1).
       - Mobilização deslizante de raiz lombo-sacral em supino: Paciente em decúbito
dorsal sobre a maca, membros inferiores (MMII) cruzados, flexão de quadril e joelho a 90º,
membros superiores ao longo do corpo. Terapeuta posicionado contralateral ao membro a
ser tratado, segura ambas as pernas do paciente e realiza passivamente oscilações em
inclinação lateral da lombar usando os membros inferiores como alavanca (20).
       - Deslizamento Slump: Paciente sentado com os membros superiores cruzados atrás
das costas, leve flexão lombar e torácica, joelho do membro afetado em leve extensão. O
paciente realiza ativamente e de forma simultânea uma flexão cervical e plantiflexão do
tornozelo, alterando o movimento para uma extensão cervical acompanhada de dorsiflexão
do tornozelo. Repete os movimentos sem interrupção por tempo determinado (20).
       - Mobilização tensionante distal do isquiático: Paciente em decúbito dorsal, com o

                                                                                            6
corpo alinhado. Terapeuta realiza uma elevação do membro em extensão até sentir a reação
de proteção muscular ou o paciente referir início de dor. Em seguida, posiciona-se
lateralmente ao membro afetado, estabiliza o joelho em extensão com os antebraços e
traciona o membro elevando-o até próximo a amplitude em que o sintoma se manifesta. Ao
retornar à posição inicial a tração é liberada (20).




  Deslizante de raíz lombo-sacral.    Deslizamento Slump      Tensionante distal do isquiático
FIGURA 1
Fonte: Os autores.

       Foi realizada análise estatística descritiva para calcular a média e o desvio padrão
dos resultados, teste de “Wilcoxon” pareado não paramétrico para análise dos
questionários e Escala Analógica Visual da dor pré e pós tratamento, e o teste “T Student”
para análise do Teste de Schober e alteração na amplitude de movimento durante a
realização do TEPE. O nível de significância foi estabelecido em 5%, fazendo uso do
software SPSS 19.0.


RESULTADOS


       Dos 11 pacientes selecionados, apenas 6 concluíram os 15 atendimentos, sendo que
os demais interromperam o tratamento antes do término, não sendo possível realizar a
reavaliação, ficando a amostra composta apenas por pacientes do sexo feminino, com a
idade média de 42,67 ± 7,74 anos.
       O índice de dor, analisado pela Escala Analógica Visual, apresentou média pré 4,60
± 1,94 e pós de 0,07 ± 0,16, constatando redução estatisticamente significativa da dor em
todos os pacientes (p ≤ 0,0277). Esta redução é representada no gráfico 1.




                                                                                                 7
EAV
                                  8




                    Intensidade
                                  6

                                  4
                                                                                                      DOR PRÉ
                                  2
                                                                                                      DOR PÓS
                                  0
                                              1       2       3           4       5       6
                                                              Pacientes
               GRÁFICO 1 – Escala Analógica Visual.


        Ainda analisando a dor, pelo Questionário Modificado da Dor McGill foram
encontrados redução nos valores dos índices de dor pré e pós tratamento com médias
variando de 26,00 ± 10,18 para 3,67 ± 7,61, significância estatística de (p ≤ 0,0277), e nos
descritores variando de 11,00 ± 3,63 para 1,83 ± 1,60, com significância estatística de (p ≤
0,0277).
       Quanto à capacidade funcional, utilizando o Questionário da Incapacidade de
Roland-Morris, também foi constatada melhora em todos os pacientes, com média pré 9,50
± 3,83 e média pós 1,83 ± 2,04, conforme observado no gráfico 2,                                                 apresentando
significância estatística (p ≤ 0,0272).



                                                  ÍNDICE DE INCAPACIDADE

                                              INCAPACID. PRÉ                  INCAPACID. PÓS
                                                                                          16
                                                               11
                  Escore




                                                                                                       10
                                                  7                           8
                                  5                                                   4           4          3
                                          0               0           0

                                      1               2           3               4           5          6
                                                                    Pacientes
               GRÁFICO 2 - Questionário da Incapacidade de Roland-Morris.

       No que se refere à mobilidade lombar, foi utilizado o Teste Schober e verificou-se
alteração entre a media pré 19,83 ± 0,75 e pós tratamento 21,50 ± 1,10, com diferença
estatisticamente significante (p ≤ 0,0029). Este resultado pode ser observado no gráfico 3.




                                                                                                                           8
MOBILIDADE LOMBAR
                                 25




                  Medida em cm
                                 20
                                 15
                                 10
                                                                           MOBILIDADE PRÉ
                                  5
                                  0                                        MOBILIDADE PÓS
                                      1      2    3      4   5   6
                                                 Pacientes

               GRÁFICO 3 – Teste de Schober.


       Com o estudo, também foi verificado aumento na amplitude durante o movimento
de flexão do quadril com a perna estendida com valores variando de 55,00 ± 16,73 para
89,67 ± 17,04, constando como resultado positivo para aumento de flexibilidade dos
músculos posteriores do membro comprometido, com significância estatística (p ≤ 0,0036).
       O resumo dos resultados pode ser observado na tabela 1.


TABELA 1­ Médias pré e pós, desvio padrão e significância estatística.
  Instrumentos de                             PRÉ                        PÓS                Valor do p
     avaliação                            (média ± DP)               (média ± DP)
EAV                                        4,60 ± 1,94                0,07 ± 0,16            0,0277
McGILL - índice                           26,00 ± 10,18               3,67 ± 7,61            0,0277
McGILL - descritores                      11,00 ± 3,63                1,83 ± 1,60            0,0277
ROLAND­MORRIS                              9,50 ± 3,83                1,83 ± 2,04            0,0272
SCHOBER                                   19,83 ± 0,75               21,50 ± 1,10            0,0029
TEPE                                      55,00 ± 16,73              89,67 ± 17,04           0,0036



DISCUSSÃO


       A lombalgia e a lombociatalgia ainda é um problema de saúde pública e um
problema do consultório dos clínicos e ortopedistas (23). Como já mencionado, a hérnia de
disco é a causa mais comum, comprimindo estruturas nervosas adjacentes, precipitando
fraqueza motora, redução de reflexos e perda sensorial (3, 8, 24, 25) devido à alteração da
função fisiológica do nervo (12). Um exemplo destas alterações foi achado no estudo de
Cornefjord et al (26), onde realizaram um experimento em porcos, submetendo as raízes
                                                                                                         9
nervosas a compressão e ao contato direto do núcleo pulposo do disco intervertebral, sendo
constatado que, a mera presença do conteúdo do núcleo pulposo nas raízes nervosas já era
o suficiente para causar alterações morfológicas e funcionais, bem como uma redução do
fluxo sanguíneo intraneural em comparação com o controle contralateral das mesmas raíz
nervosas.
        Shaclock (12) relata que o corpo é um recipiente do sistema nervoso, e o sistema
músculo esquelético apresenta-se como uma interface mecânica para o sistema nervoso,
assim uma lesão nervosa, gera alterações em suas propriedades mecânicas (tensão,
deslizamento e compressão) e fisiológicas (alteração do fluxo sanguíneo intraneural,
condução nervosa, e resposta inflamatória), que, por sua vez, sustentam ou agravam a
lesão. Tais lesões podem derivar para disfunções nas estruturas que recebem sua inervação.
Como consequência, estruturas músculo-esqueléticas podem estar comprometidas em uma
disfunção de origem neural (14).
       A média de idade apresentada pelos participantes da pesquisa foi superior a 40
anos, o que condiz com o estudo de North et al (11) que relata a prevalência de ciatalgia
entre pessoas com idade superior a trinta anos.
       O predomínio de participantes do sexo feminino nesta pesquisa vem confirmar os
dados encontrados por Boeing (7) e Silva et al (3). Uma vez que as mulheres combinam a
realização de tarefas domésticas com o trabalho fora de casa, ficam expostas a cargas
ergonômicas, posições viciosas e repetitivas (3, 5, 7), além do que, possuem características
anátomo-funcionais diferentes das do homem, o que as tornam mais propensas aos
sintomas dolorosos (27).
       No presente estudo, optou-se por utilizar de forma conjunta as técnicas de MN
deslizantes e tensionantes. A associação destas duas formas de aplicação teve bons
resultados na redução da intensidade da dor, de acordo com a EAV e o Questionário
Modificado da Dor McGill. A aplicação de forma conjunta ou individual dessas técnicas
foi relatada com sucesso em estudos com autores descrevendo pacientes com sinais de
mecanosensibilidade de tecido neural aumentada, combinado com sintomas lombares e em
membro inferior (14), como pode ser observado nos estudos de Cleland et al (28).
Resultados positivos quanto à redução da dor também foram alcançados por Junior e
Teixeira (15) e George (16).
       Qualquer processo inflamatório que afeta uma raiz nervosa pode levar ao
desenvolvimento de tecido fibroso, causando aderências que resultam em disfunção, déficit

                                                                                         10
de mobilidade do nervo, gerando dor durante o movimento (29, 30). Pacientes com
lombalgia e lombociatalgia frequentemente apresentam dificuldades em pegar objetos no
chão, subir e descer escadas, dificuldade de deambulação o que pode limitar sua
funcionalidade, restringindo principalmente as atividades ocupacionais e de lazer,
comprometendo sua capacidade funcional (31, 1). Neste estudo os pacientes apresentaram
resultados significativos quanto à melhora na capacidade funcional comprovando os
achados de Machado e Bigolin (5) onde os pacientes também obtiveram melhora após o
tratamento com MN.
       Em se tratando da mobilidade da coluna lombar, foi possível observar um aumento
significante, contradizendo os dados encontrados por Boeing (7). Isto pode ser devido ao
tempo de tratamento superior e as diferentes formas de aplicação da técnica empregada
para tratamento.
       A comparação da amplitude do movimento de flexão do quadril durante a
realização do TEPE pré e pós tratamento não fazia parte dos objetivos iniciais da pesquisa,
sendo utilizado apenas para verificar alterações neurodinâmicas tendo como parâmetro
valores goniométricos estabelecidos na literatura. Entretanto, como o ganho de amplitude
foi significativo optou-se por incluir estes resultados no estudo. De acordo com Shaclock,
o ganho de amplitude está relacionado à melhora na capacidade do nervo em suportar a
tensão, melhorando a excursão em seu trajeto longitudinal (14).
       No presente estudo, foi estipulado um protocolo de 15 atendimentos, considerado
um tempo de tratamento intermediário em relação ao encontrado na literatura. A amostra
inicial era composta por 11 indivíduos, destes, houve 5 desistências, os quais não entraram
para análise dos resultados finais. Apesar da quantidade de atendimentos inferior, os
pacientes desistentes apresentaram redução de aproximadamente 60% no quadro álgico,
com uma média de 3,6 atendimentos, de acordo com os registros na EAV diária. Este fator,
entre outros, provavelmente contribuiu para o abandono do tratamento.
       As técnicas de mobilização do tecido neural são movimentos ativos e passivos que
objetivam restabelecer a habilidade do sistema nervoso em tolerar as forças compressivas
normais, de atrito, fricção e forças de tensão associados com as atividades diárias (14). É
hipotetizado que estes movimentos terapêuticos possam ter um impacto positivo sobre os
sintomas, melhorando a circulação intraneural, o fluxo axoplasmatico, a viscoelasticidade
do tecido conjuntivo neural e redução da sensibilidade, o que restabelece a neurodinâmica
do sistema nervoso e sua integração com o sistema musculo-esquelético (12, 14, 15).

                                                                                        11
CONSIDERAÇÕES FINAIS


       De acordo com os resultados encontrados neste estudo, constatou-se que o emprego
da MN, fazendo uso de técnicas deslizantes e tensionantes, foi eficaz para a redução da
dor, melhora da capacidade funcional, obtenção de ganho na amplitude de movimento do
quadril e aumento na mobilidade da coluna lombar.
       Sugere-se a realização de novos estudos, nos quais sejam realizado o
acompanhamento periódico dos participantes, a fim de verificar o comportamento da dor
após término do tratamento com MN.




                                                                                    12
REFERÊNCIAS


1. Dutton M. Fisioterapia Ortopédica: Exame, Avaliação e Intervenção. São Paulo: Artmed;
2006.

2. Adams JC, Hamblem DL Manual de Ortopedia. São Paulo: Artes Médicas; 1994.

3. Silva MC, Fassa ACG, Valle NCJ. Dor lombar crônica em uma população adulta do sul
do Brasil: prevalência e fatores associados. Cad. Saúde Pública [periódico online]. 2004
[acesso      25      set.      2010];      20(2):     377-385.      Disponível       em:
http://www.scielosp.org/pdf/csp/v20n2/05.pdf

4. Mendes R. Patologia do trabalho. São Paulo: Atheneu; 2005.

5. Machado FG, Bigolin SE. Estudo comparativo de casos entre a mobilização neural e um
programa de alongamento muscular em lombálgicos crônicos. Fisioter. Mov. [periódico
online]. 2010 [acesso 13 out. 2010]; 23(4): 545-554.                  Disponível em:
http://www2.pucpr.br/reol/index.php/RFM?dd99=atual

6. Freire M. Lombalgia e Lombociatalgia. In: Natour J, organizador. Coluna vertebral. São
Paulo: Etcetera; 2004. p.77-86.

7. Boeing M. Análise da eficácia de técnicas de mobilização neural para pacientes com
lombociatalgia [trabalho de conclusão de curso]. Cascavel: Universidade Estadual do
Oeste do Paraná. 2004.

8. Bertoline, GRF, Silva, TS, Trindade DL, Ciena, AP, Carvalho AR. Hinsche A, et al.
Neural mobilization and static starching in an experimental sciatica model – an
experimental study. Rev Bras Fisioter. [periódico online]. 2009 [acesso 29 jul. 2010];
13(6): 493-498. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbfis/v13n6/aop060_09.pdf

9. Rossi P, Cardinalli P, Serrao M, Parisi L, Bianco F, De Bac S. Magnetic resonance
imaging findings in piriformis syndrome: a case report. Arch Phys Med Rehabil. [periodico
online]. 2001 [acesso 05 out. 2010]; 82(4): 519-521. Disponível em: http://www.archives-
pmr.org/article/S0003-9993(01)10944-5/abstract

10. Douglas S. Sciatc pain and piriformis syndrome. The Nurse Practitioner, Cleveland, Ohio.
1997 [acesso 11 abr. 2010]; 22 (5): 166 – 168. Disponível em:
http://www.kalindra.com/Piriformis/piri_np.pdf

11. North RB, Kidd DH, Zahurak M, Piantadosi S. Specificity of diagnostic nerve blocks: a
prospective, randomized study of sciatica due to lumbosacral spine disease. Pain. 1996
[acesso       13     set.     2010];       65(1):     77-85.        Disponível       em:
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8826493

12. Shacklock M. Neurodinâmica Clínica. Uma nova abordagem de tratamento da dor e da
disfunção músculo esquelética. São Paulo: Elsivier; 2007.


                                                                                         13
13. Butler DS. Mobilização do sistema nervoso. São Paulo: Manole; 2003.

14. Nee RJ, Butler D. Management of peripheral neuropathic pain: Integrating
neurobiology, neurodynamics, and clinical evidence. Physical Therapy in Sport 7.
[periódico online]. 2006 [acesso 17 jul. 2010]; 36–49. Disponível em:
http://myweb.cebridge.net/cdadams

15. Marinzeck S. Mobilização neural: aspectos gerais. [acesso 16 abr. 2010]; Disponível
em:
http://www.terapiamanual.com.br/site/noticias/arquivos/200912101725220.artigo_7.pdf

16. Junior HFO, Teixeira AH. Mobilização do Sistema Nervoso: avaliação e tratamento.
Fisioterapia em Movimento. [periódico online]. 2007 [acesso 30 mar. 2010]; 20(3): 41-53.
Disponível-em:
http://www2.pucpr.br/reol/index.php/RFM?dd99=view&dd98=&dd1=1594&idioma=2

17. George SZ. Characteristics of patients with lower stremity symptoms treated witch
Slump stretching: a case series. Journal of Orthopedics Sports Physical Therapy. [periódico
online]. 2002 [acesso 10 mai. 2010]; 32(8): 391-398. Disponível em:
http://www.jospt.org/search/advanced_result.asp?q=&qauthor=&qYear=2002&qVol=32&
qPage=391-&Image2.x=23&Image2.y=12

18. Lundy-Ekman L. Neurociência: fundamentos para reabilitação. Rio de Janeiro:
Elsevier; 2008.

19. Speciali JG. Semiotécnica Neurológica. Simpósio de Semiologia especializada,
capítulo II. Medicina, Ribeirão Preto, 29: 19-31, jan/mar; 1996. Disponível em:
http://www.fmrp.usp.br/revista/1996/vol29n1/semiotecnica_neurologica.pdf

20. Marinzeck S. Apostila de Mobilização Neural. Advenced Manual Therapy Institute.

21. O`Sullivan SB, Schmitz TJ. Fisioterapia: avaliação e tratamento. São Paulo: Manole;
2010.

22 Marques AP. Manual de goniometria. São Paulo: Manole; 2003.

23. Filho RJG, Korukian M, Santos FPE, Viola DCM, Puertas EB. Ensaio clínico
randomizado, duplo-cego, comparativo entre a associação de cafeína, carisoprodol,
diclofenaco sódico e paracetamol e a ciclobenzaprina, para avaliação da eficácia e
segurança no tratamento de pacientes com lombalgia e lombociatalgia agudas. Acta Ortop
Bras. [periódico online]. 2006 [acesso 02 nov. 2010]; 14(1): 11-16. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/aob/v14n1/en_a02v14n1.pdf

24. Maxey L, Magnusson J, Reabilitação pós-cirúrgica para o paciente ortopédico. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan; 2003.

25. Pravato EC, Silva JF, Berbel AM. Relação da síndrome do piriforme e da dor isquiática
na avaliação fisioterapêutica, Fisioter. Mov. [periódico online]. 2008 [acesso 08 abr. 2010];


                                                                                          14
21(1):-105-114.-Disponível-em:
http://www2.pucpr.br/reol/index.php/RFM?dd1=1893&dd99=view

26. Cornefjord M, Olmarker K, Rydevik B, Nordborg C. Mechanical and biochemical
injury of spinal nerve roots: a morphological and neurophysiological study. Eur Spine J.
[periódico online]. 1996 [acesso 28 nov. 2010]; 5(3): 187-192. Disponível em:
http://www.springerlink.com/content/ux16615831116674/

27. Matos MG, Hennington ÉA, Hoefel AL, Dias-da-Costa JS. Dor lombar em usuários de
um plano de saúde: prevalência e fatores associados Cad. Saúde Pública. [periódico
online]. 2008 [acesso 17 set. 2010]; 24(9): 2115-2122. Disponível em:
www.scielo.br/pdf/csp/v24n9/17.pdf

28. Cleland J, Hunt G, Palmer S. Effectiveness of neural mobilization in the treatment of a
subject with lower extremity peripheral neurogenic pain: A single-case design. Journal of
Manual and Manipulative Therapy. [periódico online]. 2004 [acesso 21 nov.-2010];-12(3):-
143–152.-Disponível-em:
http://www.ingentaconnect.com/content/maney/jmt/2004/00000012/00000003/art00004

29. Elvey RL. Treatment of arm pain associated with abnormal brachial plexus tension.
Aust J Physiother. [periódico online]. 1986 [acesso 14 nov. 2010]; 32(4): 225-230.
Disponível-em:
http://ajp.physiotherapy.asn.au/AJP/vol_32/4/AustJPhysiotherv32i4Elvey.pdf

30. Kobayashi S, Shizu N, Suzuki Y, Asai T, Yoshizawa H. Changes in nerve root motion
an intrarradicular blood flow durin an intraoperative straiht-leg-raising test. Spine.
[periódico online]. 2003 [acesso 09 nov. 2010]; 28(13): 1427-34. Disponivel em:
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12838102

31. Ocarino JM, Gonçalves GGP, Vaz DV, Cabral AAV, Porto JV, Silva MT. Correlação
entre um questionário de desempenho funcional e teste de capacidade física em pacientes
com lombalgia. Rev Bras Fisioter. [periódico online]. 2009 [acesso 18 out. 2010]; 13(4):
343-349. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbfis/v13n4/aop044_09.pdf




                                                                                        15
ANEXOS




         16
ANEXO A – Parecer de Aprovação – CEP




                                       17
ANEXO B - Termo De Consentimento Livre e Esclarecido



            TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO


        Você está sendo convidado (a) a participar, como voluntário (a), da pesquisa –
Mobilização Neural como tratamento da dor em pacientes com lombalgia e
lombociatalgia, onde não serão divulgadas imagens, vídeos ou gravações suas. No caso de
você concordar em participar, favor assinar ao final do documento.
        Sua participação não é obrigatória, e, a qualquer momento, você poderá desistir de
participar e retirar seu consentimento. Sua recusa não trará nenhum prejuízo em sua
relação com o pesquisador ou com a instituição.
        Você receberá uma cópia deste termo onde consta o telefone e endereço do
pesquisador principal, podendo tirar dúvidas do projeto e de sua participação.

TÍTULO DA PESQUISA: Mobilização Neural como tratamento da dor em pacientes
com lombalgia e lombociatalgia.
PESQUISADOR RESPONSÁVEL: Rodrigo Juliano Grignet.
ENDEREÇO: Rua Lages, 219. JD Lancaster.
TELEFONE: 045-35247674
PESQUISADORES PARTICIPANTES: Douglas dos Santos Pinto, Samir Zeinedin,
Viviane Vieira.

OBJETIVOS: Verificar a aplicabilidade da Mobilização Neural como tratamento da dor
em pacientes com lombalgia e lombociatalgia, avaliar o comportamento da dor após
aplicação da técnica, verificar alteração na capacidade de realizar atividades de vida diária,
quantificar o ganho de mobilidade lombar.

JUSTIFICATIVA: O estudo justifica-se pelo grande índice de desordens que acometem o
SNP, destacando a lombalgia e a lombociatalgia, patologias que apresentam elevado
número de incapacidade e morbidade na população gerando impactos sociais e
econômicos, tornando-se um problema para a saúde pública.
PROCEDIMENTOS DO ESTUDO: se concordar em participar da pesquisa, você terá
que: comparecer a Clínica Escola de Fisioterapia 2 vezes por semana, em dias e horário a
combinar para atendimento através de técnicas de Mobilização Neural. No início da
pesquisa você responderá a alguns questionários que tem como objetivo avaliar sua
capacidade funcional e a intensidade e qualidade da dor que sente. Ao término da pesquisa
você responderá novamente aos mesmos questionários, que terão seus dados confrontados
para o levantamento dos resultados finais da pesquisa.

RISCOS E DESCONFORTOS: Você poderá não ter uma redução significativa da dor.

BENEFÍCIOS: Redução da dor, aumento da flexibilidade e da amplitude de movimento, e
melhora na qualidade de vida.

CUSTO/REEMBOLSO PARA O PARTICIPANTE: O participante terá gastos apenas
com o deslocamento até o local de atendimento, a avaliação e tratamento serão realizados

                                                                                           18
de forma gratuita. O participante não receberá nenhuma remuneração pela participação no
estudo.

EXPOSIÇÃO PESSOAL: Não haverá exposição de imagens fotográficas ou filmagens
dos participantes do estudo.

Assinatura do Pesquisador Responsável: _____________________________________


Eu,_______________________________________, declaro que li as informações
contidas nesse documento, fui devidamente informado (a) pelo pesquisador (a) –
____________________________– dos procedimentos que serão utilizados, riscos e
desconfortos, benefícios, custo/reembolso dos participantes, exposição pessoal,
concordando ainda em participar da pesquisa.
        Foi-me garantido que posso retirar o consentimento a qualquer momento, sem
qualquer penalidade ou interrupção de meu acompanhamento/assistência/tratamento.
Declaro ainda que recebi uma cópia desse Termo de Consentimento.
        Poderei consultar o pesquisador responsável (acima identificado) ou o CEP/FAG,
com endereço na Faculdade Assis Gurgacz, Av. das Torres, 500, Cep 85807-030, Fone:
(45) 3321-3871, no e-mail: comitedeetica@fag.edu.br sempre que entender necessário
obter informações ou esclarecimentos sobre o projeto de pesquisa e minha participação no
mesmo.
        Os resultados obtidos durante este estudo serão mantidos em sigilo, mas concordo
que sejam divulgados em publicações científicas, desde que meus dados pessoais não
sejam mencionados.


LOCAL E DATA: Foz do Iguaçu,_____, 2010.

NOME E ASSINATURA DO SUJEITO OU RESPONSÁVEL (menor de 21 anos):


___________________________                                  ______________________
     (Nome por extenso)                                       (Assinatura)


        Presenciamos a solicitação de consentimento, esclarecimentos sobre a pesquisa e
aceite do sujeito em participar.
Testemunhas (não ligadas à equipe de pesquisadores):




Nome: __________________________________Assinatura:_______________________


Nome: __________________________________Assinatura:_______________________




                                                                                     19
ANEXO C - Questionário Modificado da Dor McGill®
NOME:_________________________________________________________________
DATA DA AVALIAÇÃO:_______________AVALIADOR: ______________________
                       Questionário de Dor McGill – Avaliação do Padrão da Dor
   Algumas palavras abaixo descrevem a sua dor atual. Escolha apenas uma palavra de cada grupo. Não
                    escolha palavras que não se aplicam. Diga a que melhor descreve sua dor atual.
A                                 E                           I                          M                                     Q
1-vibração                        1-beliscão                  1-mal localizada           1-amedrontadora                       1-espalhada
2-tremor                          2-aperto                    2-dolorida                 2-apavorante                          2-irradia
3-pulsante                        3-mordida                   3-machucada                3-aterrorizante                       3-penetra
4-latejante                       4-cólica                    4-doída                                                          4-atravessa
5-como batida                     5-esmagamento               5-pesada
6-como pancada
B                                 F                           J                          N                                     R
1-pontada                         1-fisgada                   1-sensível                 1-castigante                          1-aperta
2-choque                          2-puxão                     2-esticada                 2-atormenta                           2-adormece
3-tiro                            3-em torção                 3-esfolante                3-cruel                               3-repuxa
                                                              4-rachando                 4-maldita                             4-espreme
                                                                                         5-mortal                              5-rasga
C                                 G                           K                          O                                     S
1-agulhada                        1-calor                     1-cansativa                1-miserável                           1-fria
2-perfurante                      2-queimação                 2-exaustiva                2-enlouquecedora                      2-gelada
3-facada                          3-fervente                                                                                   3-congelante
4-punhalada                       4-em brasa
5-em lança
D                                 H                           L                          P                                     T
1-fina                            1-formigamento              1-enjoada                  1-chata                               1-aborrecida
2-cortante                        2-coceira                   2-sufocante                2-que incomoda                        2-nauseante
3-lacerante                       3-ardor                                                3-desgastante                         3-agonizante
                                  4-ferroada                                             4-forte                               4-pavorosa
                                                                                         5-insuportável                        5-torturante
                     Número de Descritores                                                             Índice de Dor
Sensorial ...............................................                 Sensorial ...............................................
Afetiva ...................................................               Afetiva ....................................................
Avaliativa ...............................................                Avaliativa ...............................................
Diversas ................................................                 Diversas ................................................
Total .......................................................             Total .......................................................
As categorias de A a J representam respostas sensitivas à experiência dolorosa (tração, calor, torção, entre
outros); os descritores das categorias de K a O são respostas de caráter afetivo (medo, punição, respostas
neurovegetativas, etc.); a categoria P é avaliativo (avaliação da experiência global) e as de Q a T são
diversas.
Chave para o questionário da dor:
Grupo A: sugere distúrbio vascular.
Grupo B – H: sugerem distúrbio neurogênico.
Grupo I: sugere distúrbio musculoesquelético.
Grupo J – T: sugerem transtorno emocional.
Guia de pontuação - adicione o número total de verificações (x):
Total: 4 – 8 = normal
      8 – 10 = foco excessivo na dor
      10 – 16 = um Psicólogo pode ajudar mais que um Fisioterapeuta
      Maior que 16 = provavelmente não tem condições de responder aos procedimentos
terapêuticos.

Fonte: DUTTON, 2006.

                                                                                                                                              20
ANEXO D - Questionário da Incapacidade de Roland-Morris®


NOME:_______________________________________________________________
DATA DA AVALIAÇÃO:_________________AVALIADOR:___________________



INSTRUÇÕES:
Quando suas costas doem, você pode encontrar dificuldade em fazer algumas coisas que
normalmente faz. Esta lista possui frases que as pessoas usam para se descreverem quando
sentem dores nas costas. Quando você ouvir estas frases poderá notar que algumas se
destacam por descrever você hoje.Ao ouvir a lista pense em você hoje.
Quando uma frase descrever você hoje, responda sim. Se a frase não descrevê-lo responda
não e siga para a próxima frase.

Lembre-se, responda sim apenas à frase que tiver certeza que descreve você HOJE.

                                   PERGUNTAS                                                   Avaliação   Reavaliação
                                                                                              SIM    NÃO   SIM    NÃO
 1   Fico em casa a maior parte do tempo por causa de minhas costas.
 2   Mudo de posição freqüentemente tentando deixar minhas costas confortáveis.
 3   Ando mais devagar que o habitual por causa de minhas costas.
 4   Por causa de minhas costas eu não estou fazendo nenhum dos meus trabalhos que
     geralmente faço em casa.
 5   Por causa de minhas costas, eu uso o corrimão para subir escadas.
 6   Por causa de minhas costas, eu me deito para descansar mais freqüentemente.
 7   Por causa de minhas costas, eu tenho que me apoiar em alguma coisa para me levantar
     de uma cadeira normal.
 8   Por causa de minhas costas, tento conseguir com que outras pessoas façam as coisas por
     mim.
 9   Eu me visto mais lentamente que o habitual por causa de minhas costas.
10   Eu somente fico em pé por períodos curtos de tempo por causa de minhas costas.
11   Por causa de minhas costas evito me abaixar ou me ajoelhar.
12   Encontro dificuldades em me levantar de uma cadeira por causa de minhas costas.
13   As minhas costas doem quase que o tempo todo.
14   Tenho dificuldade em me virar na cama por causa das minhas costas.
15   Meu apetite não é muito bom por causa das dores em minhas costas.
16   Tenho problemas para colocar minhas meias (ou meia calça) por causa das dores em
     minhas costas.
17   Caminho apenas curtas distâncias por causa de minhas dores nas costas.
18   Não durmo tão bem por causa de minhas costas.
19   Por causa de minhas dores nas costas, eu me visto com ajuda de outras pessoas.
20   Fico sentado a maior parte do dia por causa de minhas costas.
21   Evito trabalhos pesados em casa por causa de minhas costas.
22   Por causa das dores em minhas costas, fico mais irritado e mal humorado com as
     pessoas do que o habitual.
23   Por causa de minhas costas, eu subo escadas mais vagarosamente do que o habitual.
24   Fico na cama a maior parte do tempo por causa de minhas costas.


Fonte: DUTTON, 2006.




                                                                                                               21

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivoCinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivoMayara Rodrigues
 
FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdfFISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdfMisslenyHaruna
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisThalita Tassiani
 
Síndrome do túnel do carpo
Síndrome do túnel do carpoSíndrome do túnel do carpo
Síndrome do túnel do carpoadrianomedico
 
Manual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMManual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMAmericanFisio
 
Atualização em Mobilização Precoce
Atualização em Mobilização PrecoceAtualização em Mobilização Precoce
Atualização em Mobilização PrecoceMariana Biason
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaFisioterapeuta
 
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoEpicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoCarlos Andrade
 
Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica Brasil Telecom/OI
 
Técnicas de Cinesioterapia Respiratória
Técnicas de Cinesioterapia RespiratóriaTécnicas de Cinesioterapia Respiratória
Técnicas de Cinesioterapia RespiratóriaThaline Argôlo
 
Fisioterapia Pediátrica
Fisioterapia Pediátrica Fisioterapia Pediátrica
Fisioterapia Pediátrica Gerssica Caldas
 

Mais procurados (20)

Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivoCinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
Cinesioterapia respiratória e espirometria de incentivo
 
Hernia de disco 1
Hernia de disco 1Hernia de disco 1
Hernia de disco 1
 
FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdfFISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
 
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTMMobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
 
Hidroterapia
HidroterapiaHidroterapia
Hidroterapia
 
Tornozelo e pe
Tornozelo e peTornozelo e pe
Tornozelo e pe
 
Síndrome do túnel do carpo
Síndrome do túnel do carpoSíndrome do túnel do carpo
Síndrome do túnel do carpo
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
 
Manual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMManual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTM
 
Atualização em Mobilização Precoce
Atualização em Mobilização PrecoceAtualização em Mobilização Precoce
Atualização em Mobilização Precoce
 
Síndrome do Manguito Rotador
Síndrome do Manguito RotadorSíndrome do Manguito Rotador
Síndrome do Manguito Rotador
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
 
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o AnoEpicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
Epicondilite Lateral,STC e LMR - 3o Ano
 
Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica
 
Técnicas de Cinesioterapia Respiratória
Técnicas de Cinesioterapia RespiratóriaTécnicas de Cinesioterapia Respiratória
Técnicas de Cinesioterapia Respiratória
 
Fisioterapia Pediátrica
Fisioterapia Pediátrica Fisioterapia Pediátrica
Fisioterapia Pediátrica
 
Quadril
QuadrilQuadril
Quadril
 
Joelho
JoelhoJoelho
Joelho
 
Manual de goniometria
Manual de goniometriaManual de goniometria
Manual de goniometria
 

Destaque

Trabalho de acupuntura lombociatalgia
Trabalho de acupuntura  lombociatalgiaTrabalho de acupuntura  lombociatalgia
Trabalho de acupuntura lombociatalgiaFatima Borges Silva
 
Introduçao exercicios terapeuticos_2012_menor
Introduçao exercicios terapeuticos_2012_menorIntroduçao exercicios terapeuticos_2012_menor
Introduçao exercicios terapeuticos_2012_menorKarina Santaella
 
Apostila cinesioterapia basica
Apostila cinesioterapia basicaApostila cinesioterapia basica
Apostila cinesioterapia basicaNatha Fisioterapia
 
Folheto paredão
Folheto paredãoFolheto paredão
Folheto paredãommcoelho
 
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêuticoSíndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêuticoadrianomedico
 
Quiropraxia - História, Método e Aplicação como tratamento - Sandro Pedrol
Quiropraxia - História, Método e Aplicação como tratamento - Sandro Pedrol Quiropraxia - História, Método e Aplicação como tratamento - Sandro Pedrol
Quiropraxia - História, Método e Aplicação como tratamento - Sandro Pedrol Sandro Pedrol
 
Examen funcional de la columna vertebral, KINESIOLOGIA
Examen funcional de la columna vertebral, KINESIOLOGIAExamen funcional de la columna vertebral, KINESIOLOGIA
Examen funcional de la columna vertebral, KINESIOLOGIAMaria Fernanda Martinez Perez
 
Acidente vascular encefálico parte1
Acidente vascular encefálico parte1Acidente vascular encefálico parte1
Acidente vascular encefálico parte1Jumooca
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial FUAD HAZIME
 
Dor lombar e dor irradiada para a perna
Dor lombar e dor irradiada para a pernaDor lombar e dor irradiada para a perna
Dor lombar e dor irradiada para a pernapauloalambert
 
Sueli Marques Dra. Acupuntura estética
Sueli Marques Dra. Acupuntura estéticaSueli Marques Dra. Acupuntura estética
Sueli Marques Dra. Acupuntura estéticaSueli Marques
 
Complexo do ombro 2013 - 2
Complexo do ombro   2013 - 2Complexo do ombro   2013 - 2
Complexo do ombro 2013 - 2paraiba1974
 
Acupuntura estética módulo v blzdeaco
Acupuntura estética módulo v blzdeacoAcupuntura estética módulo v blzdeaco
Acupuntura estética módulo v blzdeacoFisio Júnias
 
5 elementos - Shu Antigos
5 elementos - Shu Antigos5 elementos - Shu Antigos
5 elementos - Shu AntigosFlavia Parente
 

Destaque (20)

Mobilização neural
Mobilização neuralMobilização neural
Mobilização neural
 
Trabalho de acupuntura lombociatalgia
Trabalho de acupuntura  lombociatalgiaTrabalho de acupuntura  lombociatalgia
Trabalho de acupuntura lombociatalgia
 
Introduçao exercicios terapeuticos_2012_menor
Introduçao exercicios terapeuticos_2012_menorIntroduçao exercicios terapeuticos_2012_menor
Introduçao exercicios terapeuticos_2012_menor
 
Apostila cinesioterapia basica
Apostila cinesioterapia basicaApostila cinesioterapia basica
Apostila cinesioterapia basica
 
Folheto paredão
Folheto paredãoFolheto paredão
Folheto paredão
 
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêuticoSíndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
 
Quiropraxia - História, Método e Aplicação como tratamento - Sandro Pedrol
Quiropraxia - História, Método e Aplicação como tratamento - Sandro Pedrol Quiropraxia - História, Método e Aplicação como tratamento - Sandro Pedrol
Quiropraxia - História, Método e Aplicação como tratamento - Sandro Pedrol
 
Examen funcional de la columna vertebral, KINESIOLOGIA
Examen funcional de la columna vertebral, KINESIOLOGIAExamen funcional de la columna vertebral, KINESIOLOGIA
Examen funcional de la columna vertebral, KINESIOLOGIA
 
Estabilizador coluna
Estabilizador colunaEstabilizador coluna
Estabilizador coluna
 
Acidente vascular encefálico parte1
Acidente vascular encefálico parte1Acidente vascular encefálico parte1
Acidente vascular encefálico parte1
 
SéTima
SéTimaSéTima
SéTima
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
 
Dor lombar e dor irradiada para a perna
Dor lombar e dor irradiada para a pernaDor lombar e dor irradiada para a perna
Dor lombar e dor irradiada para a perna
 
Sueli Marques Dra. Acupuntura estética
Sueli Marques Dra. Acupuntura estéticaSueli Marques Dra. Acupuntura estética
Sueli Marques Dra. Acupuntura estética
 
Complexo do ombro 2013 - 2
Complexo do ombro   2013 - 2Complexo do ombro   2013 - 2
Complexo do ombro 2013 - 2
 
Acupuntura estética módulo v blzdeaco
Acupuntura estética módulo v blzdeacoAcupuntura estética módulo v blzdeaco
Acupuntura estética módulo v blzdeaco
 
5 elementos - Shu Antigos
5 elementos - Shu Antigos5 elementos - Shu Antigos
5 elementos - Shu Antigos
 
Acupuntura estética modulo 5
Acupuntura estética modulo 5Acupuntura estética modulo 5
Acupuntura estética modulo 5
 
Acupuntura estética modulo 2
Acupuntura estética modulo 2Acupuntura estética modulo 2
Acupuntura estética modulo 2
 
Acupuntura estética modulo 4
Acupuntura estética modulo 4Acupuntura estética modulo 4
Acupuntura estética modulo 4
 

Semelhante a Mobilização neural como tratamento da dor em pacientes

Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombarProtocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombarDra. Welker Fisioterapeuta
 
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casosPilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casosDra. Welker Fisioterapeuta
 
Teórico prático l 2013
Teórico prático l 2013Teórico prático l 2013
Teórico prático l 2013pauloalambert
 
2 -a_import_yncia_da_mobilizay_yo_neural_na_diminuiyyo_do_quadro_ylgico_na_h...
2  -a_import_yncia_da_mobilizay_yo_neural_na_diminuiyyo_do_quadro_ylgico_na_h...2  -a_import_yncia_da_mobilizay_yo_neural_na_diminuiyyo_do_quadro_ylgico_na_h...
2 -a_import_yncia_da_mobilizay_yo_neural_na_diminuiyyo_do_quadro_ylgico_na_h...Ismael Reis
 
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpo
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpoAtuação da fisioterapia na sindrome do carpo
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpoadrianomedico
 
Avaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarAvaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarJunio Alves
 
Apresentação final saed quiro na lbp
Apresentação final saed quiro na lbpApresentação final saed quiro na lbp
Apresentação final saed quiro na lbpFábio Dias
 
1333460315dor_lombar.pdf
1333460315dor_lombar.pdf1333460315dor_lombar.pdf
1333460315dor_lombar.pdfMisslenyHaruna
 
Sindrome de Guillain-Barré.pptx
Sindrome de Guillain-Barré.pptxSindrome de Guillain-Barré.pptx
Sindrome de Guillain-Barré.pptxEcamposCampos1
 
Acompanhamento Por Sete Anos Das ManifestaçõEs NeurolóGicas De Paciente Com D...
Acompanhamento Por Sete Anos Das ManifestaçõEs NeurolóGicas De Paciente Com D...Acompanhamento Por Sete Anos Das ManifestaçõEs NeurolóGicas De Paciente Com D...
Acompanhamento Por Sete Anos Das ManifestaçõEs NeurolóGicas De Paciente Com D...guesteb0432e6
 
Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombar
Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombarCondutas terapêuticas na hérnia de disco lombar
Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombaradrianomedico
 
Revista Fisiomagazine Edição.02
Revista Fisiomagazine Edição.02Revista Fisiomagazine Edição.02
Revista Fisiomagazine Edição.02Terapia Manual
 
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...Franklyn Alves
 
Ponto de vista cirurgião dentista e a quiropraxia
Ponto de vista   cirurgião dentista e a quiropraxiaPonto de vista   cirurgião dentista e a quiropraxia
Ponto de vista cirurgião dentista e a quiropraxiaFabio Motta
 
Plasticidade e fisioterapia
Plasticidade e fisioterapiaPlasticidade e fisioterapia
Plasticidade e fisioterapiajuuliacarolina
 

Semelhante a Mobilização neural como tratamento da dor em pacientes (20)

Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombarProtocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
 
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casosPilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casos
 
Teórico prático l 2013
Teórico prático l 2013Teórico prático l 2013
Teórico prático l 2013
 
2 -a_import_yncia_da_mobilizay_yo_neural_na_diminuiyyo_do_quadro_ylgico_na_h...
2  -a_import_yncia_da_mobilizay_yo_neural_na_diminuiyyo_do_quadro_ylgico_na_h...2  -a_import_yncia_da_mobilizay_yo_neural_na_diminuiyyo_do_quadro_ylgico_na_h...
2 -a_import_yncia_da_mobilizay_yo_neural_na_diminuiyyo_do_quadro_ylgico_na_h...
 
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpo
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpoAtuação da fisioterapia na sindrome do carpo
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpo
 
Coluna lombar
Coluna lombarColuna lombar
Coluna lombar
 
Avaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarAvaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombar
 
Apresentação final saed quiro na lbp
Apresentação final saed quiro na lbpApresentação final saed quiro na lbp
Apresentação final saed quiro na lbp
 
1333460315dor_lombar.pdf
1333460315dor_lombar.pdf1333460315dor_lombar.pdf
1333460315dor_lombar.pdf
 
Sindrome de Guillain-Barré.pptx
Sindrome de Guillain-Barré.pptxSindrome de Guillain-Barré.pptx
Sindrome de Guillain-Barré.pptx
 
Coluna cervical
Coluna cervicalColuna cervical
Coluna cervical
 
Acompanhamento Por Sete Anos Das ManifestaçõEs NeurolóGicas De Paciente Com D...
Acompanhamento Por Sete Anos Das ManifestaçõEs NeurolóGicas De Paciente Com D...Acompanhamento Por Sete Anos Das ManifestaçõEs NeurolóGicas De Paciente Com D...
Acompanhamento Por Sete Anos Das ManifestaçõEs NeurolóGicas De Paciente Com D...
 
Acupuntura dor lombar
Acupuntura dor lombarAcupuntura dor lombar
Acupuntura dor lombar
 
Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombar
Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombarCondutas terapêuticas na hérnia de disco lombar
Condutas terapêuticas na hérnia de disco lombar
 
Revista Fisiomagazine Edição.02
Revista Fisiomagazine Edição.02Revista Fisiomagazine Edição.02
Revista Fisiomagazine Edição.02
 
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...
1 s2.Artigo efetividade do kinesio taping na dor e uncapacidade na sindrome d...
 
Fisioterapia Osteopatia
Fisioterapia OsteopatiaFisioterapia Osteopatia
Fisioterapia Osteopatia
 
Fisioterapia Osteopatia
Fisioterapia OsteopatiaFisioterapia Osteopatia
Fisioterapia Osteopatia
 
Ponto de vista cirurgião dentista e a quiropraxia
Ponto de vista   cirurgião dentista e a quiropraxiaPonto de vista   cirurgião dentista e a quiropraxia
Ponto de vista cirurgião dentista e a quiropraxia
 
Plasticidade e fisioterapia
Plasticidade e fisioterapiaPlasticidade e fisioterapia
Plasticidade e fisioterapia
 

Mais de Faculdade Anglo-Americano

Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de riscoAvaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de riscoFaculdade Anglo-Americano
 
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...Faculdade Anglo-Americano
 
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...Faculdade Anglo-Americano
 
Comportamento da pressão arterial e do vo2 max
Comportamento da pressão arterial e do vo2 maxComportamento da pressão arterial e do vo2 max
Comportamento da pressão arterial e do vo2 maxFaculdade Anglo-Americano
 
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...Faculdade Anglo-Americano
 
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de riscoAvaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de riscoFaculdade Anglo-Americano
 
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...Faculdade Anglo-Americano
 
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombroProposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombroFaculdade Anglo-Americano
 
Levantamento de requisitos para automacao de controle de museu
Levantamento de requisitos para automacao de controle de museuLevantamento de requisitos para automacao de controle de museu
Levantamento de requisitos para automacao de controle de museuFaculdade Anglo-Americano
 
Desenvolvimento de software de simulacao de aprendizagem
Desenvolvimento de software de simulacao de aprendizagemDesenvolvimento de software de simulacao de aprendizagem
Desenvolvimento de software de simulacao de aprendizagemFaculdade Anglo-Americano
 

Mais de Faculdade Anglo-Americano (20)

Convitepti
ConviteptiConvitepti
Convitepti
 
Julho
JulhoJulho
Julho
 
Junho
JunhoJunho
Junho
 
Maio
MaioMaio
Maio
 
Maio
MaioMaio
Maio
 
Abril
AbrilAbril
Abril
 
Março
MarçoMarço
Março
 
Projeto paciente virtual_by_daniel4
Projeto paciente virtual_by_daniel4Projeto paciente virtual_by_daniel4
Projeto paciente virtual_by_daniel4
 
Proposta de protocolo de tratamento para
Proposta de protocolo de tratamento paraProposta de protocolo de tratamento para
Proposta de protocolo de tratamento para
 
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de riscoAvaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
 
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...
 
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
 
Comportamento da pressão arterial e do vo2 max
Comportamento da pressão arterial e do vo2 maxComportamento da pressão arterial e do vo2 max
Comportamento da pressão arterial e do vo2 max
 
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
 
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de riscoAvaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
 
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...
 
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombroProposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
 
Anais 2010 FAA
Anais 2010 FAAAnais 2010 FAA
Anais 2010 FAA
 
Levantamento de requisitos para automacao de controle de museu
Levantamento de requisitos para automacao de controle de museuLevantamento de requisitos para automacao de controle de museu
Levantamento de requisitos para automacao de controle de museu
 
Desenvolvimento de software de simulacao de aprendizagem
Desenvolvimento de software de simulacao de aprendizagemDesenvolvimento de software de simulacao de aprendizagem
Desenvolvimento de software de simulacao de aprendizagem
 

Mobilização neural como tratamento da dor em pacientes

  • 1. FACULDADE ANGLO-AMERICANO – FAA DOUGLAS DOS SANTOS PINTO SAMIR ZEINEDIN VIVIANE VIEIRA MOBILIZAÇÃO NEURAL COMO TRATAMENTO DA DOR EM PACIENTES COM LOMBALGIA E LOMBOCIATALGIA FOZ DO IGUAÇU-PR 2010 0
  • 2. DOUGLAS DOS SANTOS PINTO SAMIR ZEINEDIN VIVIANE VIEIRA MOBILIZAÇÃO NEURAL COMO TRATAMENTO DA DOR EM PACIENTES COM LOMBALGIA E LOMBOCIATALGIA Pesquisa apresentada a Faculdade Anglo- Americano como requisito parcial para a conclusão do curso de Fisioterapia. Orientador: Rodrigo Juliano Grignet. FOZ DO IGUAÇU-PR 2010 1
  • 3. Mobilização Neural como tratamento da dor em pacientes com lombalgia e lombociatalgia Neural Mobilization as treatment of pain in patients with low back pain and sciatic pain Rodrigo Juliano Grignet Fisioterapeuta, Especialista em Ortopedia. Professor docente do curso de Fisioterapia da Faculdade Anglo-Americano (FAA). Foz do Iguaçu – PR, Brasil. e-mail: ro2grignet@ig.com.br Douglas dos Santos Pinto Graduando em Fisioterapia pela Faculdade Anglo-Americano de Foz do Iguaçu. Foz do Iguaçu – PR, Brasil. e-mail: douglaspqdt_27@hotmail.com Samir Zeinedin Graduando em Fisioterapia pela Faculdade Anglo-Americano de Foz do Iguaçu. Foz do Iguaçu – PR, Brasil. e-mail: samirzeinedin@hotmail.com Viviane Vieira Graduanda em Fisioterapia pela Faculdade Anglo-Americano de Foz do Iguaçu. Foz do Iguaçu – PR, Brasil. e-mail: viviane.vvv@hotmail.com RESUMO Introdução: Cerca de 80% da população mundial adulta irá sentir algum tipo de dor lombar, e em grande parte dessas pessoas a dor estará relacionada à compressão do nervo isquiático. Diversas técnicas de tratamento são propostas pela literatura com intuito de abolir ou controlar os sintomas álgicos do paciente, estando entre estas a Mobilização Neural. Objetivos: Verificar o efeito da Mobilização Neural como tratamento da dor em pacientes com lombalgia e lombociatalgia, avaliar o comportamento desta ao término do tratamento e verificar alterações da capacidade funcional e na mobilidade da coluna lombar. Metodologia: Foram realizados 15 atendimentos com técnicas de Mobilização Neural em pacientes que apresentavam lombalgia e lombociatalgia. Como instrumentos de avaliação foram utilizados a Escala Analógica Visual da Dor, Questionário Modificado da Dor McGill, Questionário da Incapacidade de Roland-Morris e o Teste de Schober. Resultados: Foram avaliados e tratados seis pacientes com lombalgia e lombociatalgia, sendo constatada significância estatística na redução da dor, melhora da capacidade funcional e aumento na mobilidade lombar, além de ganho na amplitude no movimento de flexão do quadril. Considerações finais: A aplicação conjunta de técnicas deslizantes e tensionantes de Mobilização Neural mostrou-se eficaz no tratamento de pacientes com lombalgia e lombociatalgia. Sugere-se a realização de novos estudos, para o acompanhamento da dor após término do tratamento com Mobilização Neural. Palavra-chave: Isquiático. Mobilização Neural. Lombalgia. Lombociatalgia. ABSTRACT Introduction: About 80% of the adult population will feel some kind of back pain, and most of these people the pain is related to compression of the sciatic nerve. Several treatment techniques 2
  • 4. are proposed in the literature with intent to abolish or control the symptom of pain of the patient, being among these the Mobilization Neural. Objectives: Verify the effect of Neural Mobilization as treatment of pain in patients with low back pain and sciatic pain, to evaluate the behavior of this to the end of treatment and verify changes in functional capacity and mobility of the lumbar spine. Methodology: There were realized 15 treatment with Neural Mobilization techniques in patients with low back pain and sciatic pain. How evaluation tools were used to Visual Analogue Scale for pain, the McGill Pain Questionnaire Modified, Questionnaire of Incapacity of Roland-Morris and Schober Test. Results: There were evaluated and treated six patients with low back pain and sciatic pain, and revealed a statistically significant reduction in pain, improved functional capacity and increase in lumbar mobility, and gain in the amplitude of motion in hip flexion. Conclusion: The combined application of techniques sliding and tensioning of Neural Mobilization was effective in treating of patients with low back pain and sciatic pain. Suggest achievement the new studies, to the accompaniment of pain after completion of treatment with Neural Mobilization. Keywords: Sciatic. Neural Mobilization. Low back pain. Sciatic pain. INTRODUÇÃO A dor lombar (DL) constitui uma causa freqüente de morbidade e incapacidade, tornando-se a fonte mais dispendiosa de lesão relacionada ao trabalho em países industrializados (1), sendo o sintoma mais comum encontrado na prática ortopédica (2). No Brasil existem estimativas de que mais de 10 milhões de pessoas sofram com a incapacidade relacionada à dor lombar (3). Entre as causas das dores lombares estão as atividades em trabalho pesado, postura sentada por tempo prolongado, levantar grandes quantidades de peso, sedentarismo, acidentes de trabalho, dirigir veículos, horas excessivas de trabalho, gravidez, ferimentos, tabagismo, entre outros (4). Na maioria dos casos a dor nas costas é inespecífica e o diagnóstico impreciso, visto que diversos tecidos como discos, ligamentos, estruturas articulares, músculos e estruturas nervosas podem ser responsáveis pela dor (5). A lombociatalgia surge quando a dor, de origem na região lombar, se irradia para as nádegas e porção posterior da perna até abaixo do joelho, ao longo da raiz nervosa lesionada, podendo afetar um ou ambos os membros inferiores (6, 7). A dor é dita como uma sensação de queimação, pontada, lacinante, ocasionalmente formigamento e parestesia em dermátomo do membro inferior (7). Esta condição ocorre devido à compressão das raizes do nervo isquiático e a causa mais comum é a hérnia de disco. Outras causas como doenças degenerativas da coluna, infecções, luxação traumática do quadril posterior, anomalias congênitas (8), síndrome do piriforme e estenose do canal vertebral lombar são citadas na literatura (9). 3
  • 5. Autores como Douglas (10) e Dutton (1) descrevem que cerca de 80% da população mundial adulta irá sentir algum tipo de dor lombar, e em grande parte dessas pessoas a dor estará relacionada à compressão do nervo isquiático. Para North et al (11) a ciatalgia é comum em pacientes com idade superior a trinta anos, com incidência de cerca de 40% da população geral. Diversas técnicas de tratamento são propostas pela literatura com intuito de abolir ou controlar os sintomas álgicos do paciente, estando entre estas a Mobilização Neural (MN), técnica que teve um grande desenvolvimento, principalmente nos últimos 35 anos, desde que autores como Grieve, Maitland, Elvey e Butler publicaram seus estudos relativos ao conhecimento da função mecânica do sistema nervoso (12). Posteriormente Shacklock criou o termo neurodinâmica, revelando a importância em integrar a mecânica do Sistema Nervoso (SN) com a fisiologia, explicando como elas se relacionam entre si e são integradas à função músculo-esquelética (12). Este recurso da terapia manual é utilizado tanto para diagnóstico como para tratamento de patologias que diminuam a mobilidade dos nervos (13). O diagnóstico é feito através de testes neurodinâmicos, os quais avaliam o envolvimento das raízes nervosas espinhais e nervos periféricos nas dores extremas, através do tensionamento das mesmas por meio de movimentos seqüenciais e progressivos, desafiando a capacidade física do sistema nervoso, usando várias articulações dos membros e ou tronco para alterar o comprimento e dimensões do trajeto neural, provocando irritação do tecido, reproduzindo os sintomas no paciente (1, 14). Já, o tratamento se faz pela aplicação de movimentos oscilatórios lentos e contínuos ou brevemente mantidos ao tecido neural, melhorando a troca de fluidos, a circulação sanguínea, restabelecendo o fluxo axoplasmático normal, liberando adesões, diminuindo a inflamação e a dor (15). Junior e Teixeira (16) encontraram resultados significativos em estudos com a utilização da mobilização neural como diagnóstico da lombalgia e tratamento de diversas patologias do sistema nervoso. Em estudo realizado por George (17) de seis pacientes com dor lombar baixa, avaliados pela escala analógica da dor, cinco obtiveram redução da intensidade da dor. Machado e Bigolin (5) em um estudo comparativo entre mobilização neural e alongamento muscular em pacientes com lombalgia crônica, revelaram melhoras na execução das atividades funcionais, na flexibilidade da cadeia muscular posterior e na redução do quadro álgico, porém, somente o programa de mobilização neural obteve melhora estatisticamente significativa. 4
  • 6. Este estudo teve como objetivo verificar o efeito da Mobilização Neural como tratamento da dor em pacientes com lombalgia e lombociatalgia, avaliar o comportamento desta ao término do tratamento e verificar alterações da capacidade funcional e na mobilidade da coluna lombar. MATERIAIS E MÉTODOS Trata-se de um estudo prospectivo, composto por 11 pacientes, 2 do sexo masculino e 9 do sexo feminino, com idade entre 30 e 55 anos, que aguardavam tratamento na Clínica Escola de Fisioterapia da Faculdade Anglo-Americano e/ou encaminhados pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Três pesquisadores, com formação no curso de Mobilização Neural, eram responsáveis pela avaliação, tratamento e reavaliação dos pacientes, os quais foram divididos entre os pesquisadores, conforme se apresentaram para a avaliação inicial. Foram definidos como critérios de inclusão: diagnóstico clínico de lombalgia e lombociatalgia, resultado positivo para alterações neurodinâmicas, através da aplicação do Slump Test e/ou Teste de Elevação da perna Estendida (TEPE) e não estar recebendo outros tipos de tratamento. Os critérios de exclusão foram: doenças reumatológicas, fratura não consolidada em membro inferior, pós-cirúrgico da coluna vertebral, pós-cirúrgico recente de membros inferiores, artroplastia de quadril, presença de espondilolistese e espondilólise, gestantes, labirintite e contra-indicações para aplicação da técnica. Todos os voluntários receberam informações para a participação no estudo e assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Assis Gurgacz da cidade de Cascavel-PR, protocolado pelo número 065/2010. Na avaliação todos os pacientes apresentaram pelo menos um exame imaginológico, a fim de verificar possíveis alterações osteomioarticulares, como exames de Raios-X, em incidências pósterior-anterior e perfil, Ressonância Nuclear Magnética ou Tomografia Computadorizada da coluna vertebral, com laudo. Em seguida foram submetidos a um exame físico composto pela verificação da sensibilidade superficial através do uso de monofilamentos Semmes-Weinstein nos dermátomos correspondentes as raízes do nervo isquiático (18), e sensibilidade proprioceptiva, com uso de diapasão de 256Hz sobre as proeminências ósseas dos membros inferiores (19), palpação, reflexos 5
  • 7. patelar, aquileu e isquiotibiais, força muscular dos membros inferiores e teste do neurônio motor superior: Babinsk, Oppenheim e Clônus (20). Para quantificar a dor, a Escala Analógica Visual (EAV) foi empregada (21), sendo esta aplicada pré e pós cada atendimento, além de instrumentos utilizados para avaliação e reavaliação, pré e pós tratamento, como o Questionário Modificado da Dor McGill (1) para obter uma descrição exata da qualidade da dor, Questionário da Incapacidade de Roland- Morris, para avaliar a incapacidade física decorrente da dor lombar (1). A dinâmica das estruturas neurais do Sistema Nervoso Central (SNC) e Sistema Nervoso Periférico (SNP) foram avaliados através do Slump Test. O TEPE foi utilizado para testar o movimento e a sensibilidade mecânica das estruturas neurais lombossacrais e suas extensões distais (tronco e plexo lombo-sacral na pelve, ciática e nervos tibiais e suas extensões distais na perna e pé). Manobras de dorsiflexão do tornozelo, inversão, rotação interna do membro inferior sintomático e flexão cervical passiva foram utilizadas para diferenciação estrutural a fim de sensibilizar o TEPE (12). Para mensurar a mobilidade da região lombar foi realizado o Teste de Schober (22) pré e pós tratamento. Antes de iniciar a avaliação e os atendimentos os pesquisadores aplicaram os testes em si mesmos durante cinco dias, a fim de aumentar a familiaridade com as técnicas, padronizando sua aplicação. Para tratamento, os pacientes foram submetidos a 15 atendimentos de 30 minutos, realizados duas vezes por semana. Foram aplicadas técnicas de mobilização deslizante de raiz lombossacral em supino, deslizamento Slump e mobilização tensionante distal do isquiático (Figura 1). - Mobilização deslizante de raiz lombo-sacral em supino: Paciente em decúbito dorsal sobre a maca, membros inferiores (MMII) cruzados, flexão de quadril e joelho a 90º, membros superiores ao longo do corpo. Terapeuta posicionado contralateral ao membro a ser tratado, segura ambas as pernas do paciente e realiza passivamente oscilações em inclinação lateral da lombar usando os membros inferiores como alavanca (20). - Deslizamento Slump: Paciente sentado com os membros superiores cruzados atrás das costas, leve flexão lombar e torácica, joelho do membro afetado em leve extensão. O paciente realiza ativamente e de forma simultânea uma flexão cervical e plantiflexão do tornozelo, alterando o movimento para uma extensão cervical acompanhada de dorsiflexão do tornozelo. Repete os movimentos sem interrupção por tempo determinado (20). - Mobilização tensionante distal do isquiático: Paciente em decúbito dorsal, com o 6
  • 8. corpo alinhado. Terapeuta realiza uma elevação do membro em extensão até sentir a reação de proteção muscular ou o paciente referir início de dor. Em seguida, posiciona-se lateralmente ao membro afetado, estabiliza o joelho em extensão com os antebraços e traciona o membro elevando-o até próximo a amplitude em que o sintoma se manifesta. Ao retornar à posição inicial a tração é liberada (20). Deslizante de raíz lombo-sacral. Deslizamento Slump Tensionante distal do isquiático FIGURA 1 Fonte: Os autores. Foi realizada análise estatística descritiva para calcular a média e o desvio padrão dos resultados, teste de “Wilcoxon” pareado não paramétrico para análise dos questionários e Escala Analógica Visual da dor pré e pós tratamento, e o teste “T Student” para análise do Teste de Schober e alteração na amplitude de movimento durante a realização do TEPE. O nível de significância foi estabelecido em 5%, fazendo uso do software SPSS 19.0. RESULTADOS Dos 11 pacientes selecionados, apenas 6 concluíram os 15 atendimentos, sendo que os demais interromperam o tratamento antes do término, não sendo possível realizar a reavaliação, ficando a amostra composta apenas por pacientes do sexo feminino, com a idade média de 42,67 ± 7,74 anos. O índice de dor, analisado pela Escala Analógica Visual, apresentou média pré 4,60 ± 1,94 e pós de 0,07 ± 0,16, constatando redução estatisticamente significativa da dor em todos os pacientes (p ≤ 0,0277). Esta redução é representada no gráfico 1. 7
  • 9. EAV 8 Intensidade 6 4 DOR PRÉ 2 DOR PÓS 0 1 2 3 4 5 6 Pacientes GRÁFICO 1 – Escala Analógica Visual. Ainda analisando a dor, pelo Questionário Modificado da Dor McGill foram encontrados redução nos valores dos índices de dor pré e pós tratamento com médias variando de 26,00 ± 10,18 para 3,67 ± 7,61, significância estatística de (p ≤ 0,0277), e nos descritores variando de 11,00 ± 3,63 para 1,83 ± 1,60, com significância estatística de (p ≤ 0,0277). Quanto à capacidade funcional, utilizando o Questionário da Incapacidade de Roland-Morris, também foi constatada melhora em todos os pacientes, com média pré 9,50 ± 3,83 e média pós 1,83 ± 2,04, conforme observado no gráfico 2, apresentando significância estatística (p ≤ 0,0272). ÍNDICE DE INCAPACIDADE INCAPACID. PRÉ INCAPACID. PÓS 16 11 Escore 10 7 8 5 4 4 3 0 0 0 1 2 3 4 5 6 Pacientes GRÁFICO 2 - Questionário da Incapacidade de Roland-Morris. No que se refere à mobilidade lombar, foi utilizado o Teste Schober e verificou-se alteração entre a media pré 19,83 ± 0,75 e pós tratamento 21,50 ± 1,10, com diferença estatisticamente significante (p ≤ 0,0029). Este resultado pode ser observado no gráfico 3. 8
  • 10. MOBILIDADE LOMBAR 25 Medida em cm 20 15 10 MOBILIDADE PRÉ 5 0 MOBILIDADE PÓS 1 2 3 4 5 6 Pacientes GRÁFICO 3 – Teste de Schober. Com o estudo, também foi verificado aumento na amplitude durante o movimento de flexão do quadril com a perna estendida com valores variando de 55,00 ± 16,73 para 89,67 ± 17,04, constando como resultado positivo para aumento de flexibilidade dos músculos posteriores do membro comprometido, com significância estatística (p ≤ 0,0036). O resumo dos resultados pode ser observado na tabela 1. TABELA 1­ Médias pré e pós, desvio padrão e significância estatística. Instrumentos de PRÉ PÓS Valor do p avaliação (média ± DP) (média ± DP) EAV 4,60 ± 1,94 0,07 ± 0,16 0,0277 McGILL - índice 26,00 ± 10,18 3,67 ± 7,61 0,0277 McGILL - descritores 11,00 ± 3,63 1,83 ± 1,60 0,0277 ROLAND­MORRIS 9,50 ± 3,83 1,83 ± 2,04 0,0272 SCHOBER 19,83 ± 0,75 21,50 ± 1,10 0,0029 TEPE 55,00 ± 16,73 89,67 ± 17,04 0,0036 DISCUSSÃO A lombalgia e a lombociatalgia ainda é um problema de saúde pública e um problema do consultório dos clínicos e ortopedistas (23). Como já mencionado, a hérnia de disco é a causa mais comum, comprimindo estruturas nervosas adjacentes, precipitando fraqueza motora, redução de reflexos e perda sensorial (3, 8, 24, 25) devido à alteração da função fisiológica do nervo (12). Um exemplo destas alterações foi achado no estudo de Cornefjord et al (26), onde realizaram um experimento em porcos, submetendo as raízes 9
  • 11. nervosas a compressão e ao contato direto do núcleo pulposo do disco intervertebral, sendo constatado que, a mera presença do conteúdo do núcleo pulposo nas raízes nervosas já era o suficiente para causar alterações morfológicas e funcionais, bem como uma redução do fluxo sanguíneo intraneural em comparação com o controle contralateral das mesmas raíz nervosas. Shaclock (12) relata que o corpo é um recipiente do sistema nervoso, e o sistema músculo esquelético apresenta-se como uma interface mecânica para o sistema nervoso, assim uma lesão nervosa, gera alterações em suas propriedades mecânicas (tensão, deslizamento e compressão) e fisiológicas (alteração do fluxo sanguíneo intraneural, condução nervosa, e resposta inflamatória), que, por sua vez, sustentam ou agravam a lesão. Tais lesões podem derivar para disfunções nas estruturas que recebem sua inervação. Como consequência, estruturas músculo-esqueléticas podem estar comprometidas em uma disfunção de origem neural (14). A média de idade apresentada pelos participantes da pesquisa foi superior a 40 anos, o que condiz com o estudo de North et al (11) que relata a prevalência de ciatalgia entre pessoas com idade superior a trinta anos. O predomínio de participantes do sexo feminino nesta pesquisa vem confirmar os dados encontrados por Boeing (7) e Silva et al (3). Uma vez que as mulheres combinam a realização de tarefas domésticas com o trabalho fora de casa, ficam expostas a cargas ergonômicas, posições viciosas e repetitivas (3, 5, 7), além do que, possuem características anátomo-funcionais diferentes das do homem, o que as tornam mais propensas aos sintomas dolorosos (27). No presente estudo, optou-se por utilizar de forma conjunta as técnicas de MN deslizantes e tensionantes. A associação destas duas formas de aplicação teve bons resultados na redução da intensidade da dor, de acordo com a EAV e o Questionário Modificado da Dor McGill. A aplicação de forma conjunta ou individual dessas técnicas foi relatada com sucesso em estudos com autores descrevendo pacientes com sinais de mecanosensibilidade de tecido neural aumentada, combinado com sintomas lombares e em membro inferior (14), como pode ser observado nos estudos de Cleland et al (28). Resultados positivos quanto à redução da dor também foram alcançados por Junior e Teixeira (15) e George (16). Qualquer processo inflamatório que afeta uma raiz nervosa pode levar ao desenvolvimento de tecido fibroso, causando aderências que resultam em disfunção, déficit 10
  • 12. de mobilidade do nervo, gerando dor durante o movimento (29, 30). Pacientes com lombalgia e lombociatalgia frequentemente apresentam dificuldades em pegar objetos no chão, subir e descer escadas, dificuldade de deambulação o que pode limitar sua funcionalidade, restringindo principalmente as atividades ocupacionais e de lazer, comprometendo sua capacidade funcional (31, 1). Neste estudo os pacientes apresentaram resultados significativos quanto à melhora na capacidade funcional comprovando os achados de Machado e Bigolin (5) onde os pacientes também obtiveram melhora após o tratamento com MN. Em se tratando da mobilidade da coluna lombar, foi possível observar um aumento significante, contradizendo os dados encontrados por Boeing (7). Isto pode ser devido ao tempo de tratamento superior e as diferentes formas de aplicação da técnica empregada para tratamento. A comparação da amplitude do movimento de flexão do quadril durante a realização do TEPE pré e pós tratamento não fazia parte dos objetivos iniciais da pesquisa, sendo utilizado apenas para verificar alterações neurodinâmicas tendo como parâmetro valores goniométricos estabelecidos na literatura. Entretanto, como o ganho de amplitude foi significativo optou-se por incluir estes resultados no estudo. De acordo com Shaclock, o ganho de amplitude está relacionado à melhora na capacidade do nervo em suportar a tensão, melhorando a excursão em seu trajeto longitudinal (14). No presente estudo, foi estipulado um protocolo de 15 atendimentos, considerado um tempo de tratamento intermediário em relação ao encontrado na literatura. A amostra inicial era composta por 11 indivíduos, destes, houve 5 desistências, os quais não entraram para análise dos resultados finais. Apesar da quantidade de atendimentos inferior, os pacientes desistentes apresentaram redução de aproximadamente 60% no quadro álgico, com uma média de 3,6 atendimentos, de acordo com os registros na EAV diária. Este fator, entre outros, provavelmente contribuiu para o abandono do tratamento. As técnicas de mobilização do tecido neural são movimentos ativos e passivos que objetivam restabelecer a habilidade do sistema nervoso em tolerar as forças compressivas normais, de atrito, fricção e forças de tensão associados com as atividades diárias (14). É hipotetizado que estes movimentos terapêuticos possam ter um impacto positivo sobre os sintomas, melhorando a circulação intraneural, o fluxo axoplasmatico, a viscoelasticidade do tecido conjuntivo neural e redução da sensibilidade, o que restabelece a neurodinâmica do sistema nervoso e sua integração com o sistema musculo-esquelético (12, 14, 15). 11
  • 13. CONSIDERAÇÕES FINAIS De acordo com os resultados encontrados neste estudo, constatou-se que o emprego da MN, fazendo uso de técnicas deslizantes e tensionantes, foi eficaz para a redução da dor, melhora da capacidade funcional, obtenção de ganho na amplitude de movimento do quadril e aumento na mobilidade da coluna lombar. Sugere-se a realização de novos estudos, nos quais sejam realizado o acompanhamento periódico dos participantes, a fim de verificar o comportamento da dor após término do tratamento com MN. 12
  • 14. REFERÊNCIAS 1. Dutton M. Fisioterapia Ortopédica: Exame, Avaliação e Intervenção. São Paulo: Artmed; 2006. 2. Adams JC, Hamblem DL Manual de Ortopedia. São Paulo: Artes Médicas; 1994. 3. Silva MC, Fassa ACG, Valle NCJ. Dor lombar crônica em uma população adulta do sul do Brasil: prevalência e fatores associados. Cad. Saúde Pública [periódico online]. 2004 [acesso 25 set. 2010]; 20(2): 377-385. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csp/v20n2/05.pdf 4. Mendes R. Patologia do trabalho. São Paulo: Atheneu; 2005. 5. Machado FG, Bigolin SE. Estudo comparativo de casos entre a mobilização neural e um programa de alongamento muscular em lombálgicos crônicos. Fisioter. Mov. [periódico online]. 2010 [acesso 13 out. 2010]; 23(4): 545-554. Disponível em: http://www2.pucpr.br/reol/index.php/RFM?dd99=atual 6. Freire M. Lombalgia e Lombociatalgia. In: Natour J, organizador. Coluna vertebral. São Paulo: Etcetera; 2004. p.77-86. 7. Boeing M. Análise da eficácia de técnicas de mobilização neural para pacientes com lombociatalgia [trabalho de conclusão de curso]. Cascavel: Universidade Estadual do Oeste do Paraná. 2004. 8. Bertoline, GRF, Silva, TS, Trindade DL, Ciena, AP, Carvalho AR. Hinsche A, et al. Neural mobilization and static starching in an experimental sciatica model – an experimental study. Rev Bras Fisioter. [periódico online]. 2009 [acesso 29 jul. 2010]; 13(6): 493-498. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbfis/v13n6/aop060_09.pdf 9. Rossi P, Cardinalli P, Serrao M, Parisi L, Bianco F, De Bac S. Magnetic resonance imaging findings in piriformis syndrome: a case report. Arch Phys Med Rehabil. [periodico online]. 2001 [acesso 05 out. 2010]; 82(4): 519-521. Disponível em: http://www.archives- pmr.org/article/S0003-9993(01)10944-5/abstract 10. Douglas S. Sciatc pain and piriformis syndrome. The Nurse Practitioner, Cleveland, Ohio. 1997 [acesso 11 abr. 2010]; 22 (5): 166 – 168. Disponível em: http://www.kalindra.com/Piriformis/piri_np.pdf 11. North RB, Kidd DH, Zahurak M, Piantadosi S. Specificity of diagnostic nerve blocks: a prospective, randomized study of sciatica due to lumbosacral spine disease. Pain. 1996 [acesso 13 set. 2010]; 65(1): 77-85. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8826493 12. Shacklock M. Neurodinâmica Clínica. Uma nova abordagem de tratamento da dor e da disfunção músculo esquelética. São Paulo: Elsivier; 2007. 13
  • 15. 13. Butler DS. Mobilização do sistema nervoso. São Paulo: Manole; 2003. 14. Nee RJ, Butler D. Management of peripheral neuropathic pain: Integrating neurobiology, neurodynamics, and clinical evidence. Physical Therapy in Sport 7. [periódico online]. 2006 [acesso 17 jul. 2010]; 36–49. Disponível em: http://myweb.cebridge.net/cdadams 15. Marinzeck S. Mobilização neural: aspectos gerais. [acesso 16 abr. 2010]; Disponível em: http://www.terapiamanual.com.br/site/noticias/arquivos/200912101725220.artigo_7.pdf 16. Junior HFO, Teixeira AH. Mobilização do Sistema Nervoso: avaliação e tratamento. Fisioterapia em Movimento. [periódico online]. 2007 [acesso 30 mar. 2010]; 20(3): 41-53. Disponível-em: http://www2.pucpr.br/reol/index.php/RFM?dd99=view&dd98=&dd1=1594&idioma=2 17. George SZ. Characteristics of patients with lower stremity symptoms treated witch Slump stretching: a case series. Journal of Orthopedics Sports Physical Therapy. [periódico online]. 2002 [acesso 10 mai. 2010]; 32(8): 391-398. Disponível em: http://www.jospt.org/search/advanced_result.asp?q=&qauthor=&qYear=2002&qVol=32& qPage=391-&Image2.x=23&Image2.y=12 18. Lundy-Ekman L. Neurociência: fundamentos para reabilitação. Rio de Janeiro: Elsevier; 2008. 19. Speciali JG. Semiotécnica Neurológica. Simpósio de Semiologia especializada, capítulo II. Medicina, Ribeirão Preto, 29: 19-31, jan/mar; 1996. Disponível em: http://www.fmrp.usp.br/revista/1996/vol29n1/semiotecnica_neurologica.pdf 20. Marinzeck S. Apostila de Mobilização Neural. Advenced Manual Therapy Institute. 21. O`Sullivan SB, Schmitz TJ. Fisioterapia: avaliação e tratamento. São Paulo: Manole; 2010. 22 Marques AP. Manual de goniometria. São Paulo: Manole; 2003. 23. Filho RJG, Korukian M, Santos FPE, Viola DCM, Puertas EB. Ensaio clínico randomizado, duplo-cego, comparativo entre a associação de cafeína, carisoprodol, diclofenaco sódico e paracetamol e a ciclobenzaprina, para avaliação da eficácia e segurança no tratamento de pacientes com lombalgia e lombociatalgia agudas. Acta Ortop Bras. [periódico online]. 2006 [acesso 02 nov. 2010]; 14(1): 11-16. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/aob/v14n1/en_a02v14n1.pdf 24. Maxey L, Magnusson J, Reabilitação pós-cirúrgica para o paciente ortopédico. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2003. 25. Pravato EC, Silva JF, Berbel AM. Relação da síndrome do piriforme e da dor isquiática na avaliação fisioterapêutica, Fisioter. Mov. [periódico online]. 2008 [acesso 08 abr. 2010]; 14
  • 16. 21(1):-105-114.-Disponível-em: http://www2.pucpr.br/reol/index.php/RFM?dd1=1893&dd99=view 26. Cornefjord M, Olmarker K, Rydevik B, Nordborg C. Mechanical and biochemical injury of spinal nerve roots: a morphological and neurophysiological study. Eur Spine J. [periódico online]. 1996 [acesso 28 nov. 2010]; 5(3): 187-192. Disponível em: http://www.springerlink.com/content/ux16615831116674/ 27. Matos MG, Hennington ÉA, Hoefel AL, Dias-da-Costa JS. Dor lombar em usuários de um plano de saúde: prevalência e fatores associados Cad. Saúde Pública. [periódico online]. 2008 [acesso 17 set. 2010]; 24(9): 2115-2122. Disponível em: www.scielo.br/pdf/csp/v24n9/17.pdf 28. Cleland J, Hunt G, Palmer S. Effectiveness of neural mobilization in the treatment of a subject with lower extremity peripheral neurogenic pain: A single-case design. Journal of Manual and Manipulative Therapy. [periódico online]. 2004 [acesso 21 nov.-2010];-12(3):- 143–152.-Disponível-em: http://www.ingentaconnect.com/content/maney/jmt/2004/00000012/00000003/art00004 29. Elvey RL. Treatment of arm pain associated with abnormal brachial plexus tension. Aust J Physiother. [periódico online]. 1986 [acesso 14 nov. 2010]; 32(4): 225-230. Disponível-em: http://ajp.physiotherapy.asn.au/AJP/vol_32/4/AustJPhysiotherv32i4Elvey.pdf 30. Kobayashi S, Shizu N, Suzuki Y, Asai T, Yoshizawa H. Changes in nerve root motion an intrarradicular blood flow durin an intraoperative straiht-leg-raising test. Spine. [periódico online]. 2003 [acesso 09 nov. 2010]; 28(13): 1427-34. Disponivel em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12838102 31. Ocarino JM, Gonçalves GGP, Vaz DV, Cabral AAV, Porto JV, Silva MT. Correlação entre um questionário de desempenho funcional e teste de capacidade física em pacientes com lombalgia. Rev Bras Fisioter. [periódico online]. 2009 [acesso 18 out. 2010]; 13(4): 343-349. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbfis/v13n4/aop044_09.pdf 15
  • 17. ANEXOS 16
  • 18. ANEXO A – Parecer de Aprovação – CEP 17
  • 19. ANEXO B - Termo De Consentimento Livre e Esclarecido TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO Você está sendo convidado (a) a participar, como voluntário (a), da pesquisa – Mobilização Neural como tratamento da dor em pacientes com lombalgia e lombociatalgia, onde não serão divulgadas imagens, vídeos ou gravações suas. No caso de você concordar em participar, favor assinar ao final do documento. Sua participação não é obrigatória, e, a qualquer momento, você poderá desistir de participar e retirar seu consentimento. Sua recusa não trará nenhum prejuízo em sua relação com o pesquisador ou com a instituição. Você receberá uma cópia deste termo onde consta o telefone e endereço do pesquisador principal, podendo tirar dúvidas do projeto e de sua participação. TÍTULO DA PESQUISA: Mobilização Neural como tratamento da dor em pacientes com lombalgia e lombociatalgia. PESQUISADOR RESPONSÁVEL: Rodrigo Juliano Grignet. ENDEREÇO: Rua Lages, 219. JD Lancaster. TELEFONE: 045-35247674 PESQUISADORES PARTICIPANTES: Douglas dos Santos Pinto, Samir Zeinedin, Viviane Vieira. OBJETIVOS: Verificar a aplicabilidade da Mobilização Neural como tratamento da dor em pacientes com lombalgia e lombociatalgia, avaliar o comportamento da dor após aplicação da técnica, verificar alteração na capacidade de realizar atividades de vida diária, quantificar o ganho de mobilidade lombar. JUSTIFICATIVA: O estudo justifica-se pelo grande índice de desordens que acometem o SNP, destacando a lombalgia e a lombociatalgia, patologias que apresentam elevado número de incapacidade e morbidade na população gerando impactos sociais e econômicos, tornando-se um problema para a saúde pública. PROCEDIMENTOS DO ESTUDO: se concordar em participar da pesquisa, você terá que: comparecer a Clínica Escola de Fisioterapia 2 vezes por semana, em dias e horário a combinar para atendimento através de técnicas de Mobilização Neural. No início da pesquisa você responderá a alguns questionários que tem como objetivo avaliar sua capacidade funcional e a intensidade e qualidade da dor que sente. Ao término da pesquisa você responderá novamente aos mesmos questionários, que terão seus dados confrontados para o levantamento dos resultados finais da pesquisa. RISCOS E DESCONFORTOS: Você poderá não ter uma redução significativa da dor. BENEFÍCIOS: Redução da dor, aumento da flexibilidade e da amplitude de movimento, e melhora na qualidade de vida. CUSTO/REEMBOLSO PARA O PARTICIPANTE: O participante terá gastos apenas com o deslocamento até o local de atendimento, a avaliação e tratamento serão realizados 18
  • 20. de forma gratuita. O participante não receberá nenhuma remuneração pela participação no estudo. EXPOSIÇÃO PESSOAL: Não haverá exposição de imagens fotográficas ou filmagens dos participantes do estudo. Assinatura do Pesquisador Responsável: _____________________________________ Eu,_______________________________________, declaro que li as informações contidas nesse documento, fui devidamente informado (a) pelo pesquisador (a) – ____________________________– dos procedimentos que serão utilizados, riscos e desconfortos, benefícios, custo/reembolso dos participantes, exposição pessoal, concordando ainda em participar da pesquisa. Foi-me garantido que posso retirar o consentimento a qualquer momento, sem qualquer penalidade ou interrupção de meu acompanhamento/assistência/tratamento. Declaro ainda que recebi uma cópia desse Termo de Consentimento. Poderei consultar o pesquisador responsável (acima identificado) ou o CEP/FAG, com endereço na Faculdade Assis Gurgacz, Av. das Torres, 500, Cep 85807-030, Fone: (45) 3321-3871, no e-mail: comitedeetica@fag.edu.br sempre que entender necessário obter informações ou esclarecimentos sobre o projeto de pesquisa e minha participação no mesmo. Os resultados obtidos durante este estudo serão mantidos em sigilo, mas concordo que sejam divulgados em publicações científicas, desde que meus dados pessoais não sejam mencionados. LOCAL E DATA: Foz do Iguaçu,_____, 2010. NOME E ASSINATURA DO SUJEITO OU RESPONSÁVEL (menor de 21 anos): ___________________________ ______________________ (Nome por extenso) (Assinatura) Presenciamos a solicitação de consentimento, esclarecimentos sobre a pesquisa e aceite do sujeito em participar. Testemunhas (não ligadas à equipe de pesquisadores): Nome: __________________________________Assinatura:_______________________ Nome: __________________________________Assinatura:_______________________ 19
  • 21. ANEXO C - Questionário Modificado da Dor McGill® NOME:_________________________________________________________________ DATA DA AVALIAÇÃO:_______________AVALIADOR: ______________________ Questionário de Dor McGill – Avaliação do Padrão da Dor Algumas palavras abaixo descrevem a sua dor atual. Escolha apenas uma palavra de cada grupo. Não escolha palavras que não se aplicam. Diga a que melhor descreve sua dor atual. A E I M Q 1-vibração 1-beliscão 1-mal localizada 1-amedrontadora 1-espalhada 2-tremor 2-aperto 2-dolorida 2-apavorante 2-irradia 3-pulsante 3-mordida 3-machucada 3-aterrorizante 3-penetra 4-latejante 4-cólica 4-doída 4-atravessa 5-como batida 5-esmagamento 5-pesada 6-como pancada B F J N R 1-pontada 1-fisgada 1-sensível 1-castigante 1-aperta 2-choque 2-puxão 2-esticada 2-atormenta 2-adormece 3-tiro 3-em torção 3-esfolante 3-cruel 3-repuxa 4-rachando 4-maldita 4-espreme 5-mortal 5-rasga C G K O S 1-agulhada 1-calor 1-cansativa 1-miserável 1-fria 2-perfurante 2-queimação 2-exaustiva 2-enlouquecedora 2-gelada 3-facada 3-fervente 3-congelante 4-punhalada 4-em brasa 5-em lança D H L P T 1-fina 1-formigamento 1-enjoada 1-chata 1-aborrecida 2-cortante 2-coceira 2-sufocante 2-que incomoda 2-nauseante 3-lacerante 3-ardor 3-desgastante 3-agonizante 4-ferroada 4-forte 4-pavorosa 5-insuportável 5-torturante Número de Descritores Índice de Dor Sensorial ............................................... Sensorial ............................................... Afetiva ................................................... Afetiva .................................................... Avaliativa ............................................... Avaliativa ............................................... Diversas ................................................ Diversas ................................................ Total ....................................................... Total ....................................................... As categorias de A a J representam respostas sensitivas à experiência dolorosa (tração, calor, torção, entre outros); os descritores das categorias de K a O são respostas de caráter afetivo (medo, punição, respostas neurovegetativas, etc.); a categoria P é avaliativo (avaliação da experiência global) e as de Q a T são diversas. Chave para o questionário da dor: Grupo A: sugere distúrbio vascular. Grupo B – H: sugerem distúrbio neurogênico. Grupo I: sugere distúrbio musculoesquelético. Grupo J – T: sugerem transtorno emocional. Guia de pontuação - adicione o número total de verificações (x): Total: 4 – 8 = normal 8 – 10 = foco excessivo na dor 10 – 16 = um Psicólogo pode ajudar mais que um Fisioterapeuta Maior que 16 = provavelmente não tem condições de responder aos procedimentos terapêuticos. Fonte: DUTTON, 2006. 20
  • 22. ANEXO D - Questionário da Incapacidade de Roland-Morris® NOME:_______________________________________________________________ DATA DA AVALIAÇÃO:_________________AVALIADOR:___________________ INSTRUÇÕES: Quando suas costas doem, você pode encontrar dificuldade em fazer algumas coisas que normalmente faz. Esta lista possui frases que as pessoas usam para se descreverem quando sentem dores nas costas. Quando você ouvir estas frases poderá notar que algumas se destacam por descrever você hoje.Ao ouvir a lista pense em você hoje. Quando uma frase descrever você hoje, responda sim. Se a frase não descrevê-lo responda não e siga para a próxima frase. Lembre-se, responda sim apenas à frase que tiver certeza que descreve você HOJE. PERGUNTAS Avaliação Reavaliação SIM NÃO SIM NÃO 1 Fico em casa a maior parte do tempo por causa de minhas costas. 2 Mudo de posição freqüentemente tentando deixar minhas costas confortáveis. 3 Ando mais devagar que o habitual por causa de minhas costas. 4 Por causa de minhas costas eu não estou fazendo nenhum dos meus trabalhos que geralmente faço em casa. 5 Por causa de minhas costas, eu uso o corrimão para subir escadas. 6 Por causa de minhas costas, eu me deito para descansar mais freqüentemente. 7 Por causa de minhas costas, eu tenho que me apoiar em alguma coisa para me levantar de uma cadeira normal. 8 Por causa de minhas costas, tento conseguir com que outras pessoas façam as coisas por mim. 9 Eu me visto mais lentamente que o habitual por causa de minhas costas. 10 Eu somente fico em pé por períodos curtos de tempo por causa de minhas costas. 11 Por causa de minhas costas evito me abaixar ou me ajoelhar. 12 Encontro dificuldades em me levantar de uma cadeira por causa de minhas costas. 13 As minhas costas doem quase que o tempo todo. 14 Tenho dificuldade em me virar na cama por causa das minhas costas. 15 Meu apetite não é muito bom por causa das dores em minhas costas. 16 Tenho problemas para colocar minhas meias (ou meia calça) por causa das dores em minhas costas. 17 Caminho apenas curtas distâncias por causa de minhas dores nas costas. 18 Não durmo tão bem por causa de minhas costas. 19 Por causa de minhas dores nas costas, eu me visto com ajuda de outras pessoas. 20 Fico sentado a maior parte do dia por causa de minhas costas. 21 Evito trabalhos pesados em casa por causa de minhas costas. 22 Por causa das dores em minhas costas, fico mais irritado e mal humorado com as pessoas do que o habitual. 23 Por causa de minhas costas, eu subo escadas mais vagarosamente do que o habitual. 24 Fico na cama a maior parte do tempo por causa de minhas costas. Fonte: DUTTON, 2006. 21