SlideShare uma empresa Scribd logo
Hérnia de disco lombar é aquela que ocorre em
qualquer disco da coluna lombar, ou seja, num
dos cinco discos situados entre as vértebras
que vão de L1 a S1. Essas hérnias são as mais
comuns porque a região lombar é responsável
pela sustentação do nosso corpo, sofre muitos
impactos, e está envolvida em todos os
movimentos do tronco. Na imagem ao lado
vemos uma representação simplificada de um
corte transversal na coluna lombar, na qual
fica exposta uma hérnia do disco; ela
comprime uma raiz nervosa e, dependendo da
região, também pode comprometer a medula
espinhal.
Diagnóstico da Hérnia de Disco Lombar
O sintoma inicial hérnia de disco lombar é quase sempre de dor lombar. A dor
pode ser forte e até incapacitante, gerar espasmo muscular, piorar com o
movimento e localizar-se em região específica, mas pode também ser difusa, leve
e imprecisa. Na maioria das vezes ela melhora com o repouso.
Em geral, a pessoa experimenta algum alívio depois de alguns dias ou semanas.
Posteriormente, pode surgir uma dor quase que constante com irradiação para
uma ou para as duas pernas. Essa dor tem o nome de dor ciática porque ela
aparece quando há algum comprometimento do nervo ciático. Entretanto, a dor
ciática não aparece apenas quando há hérnia lombar; ela pode resultar de outras
patologias da coluna vertebral. Usamos o termo "ciática" para identificar a dor
que irradia para a perna seguindo o trajeto do nervo ciático, seja ela proveniente
ou não de uma hérnia de disco lombar.
Em geral, a dor ciática causada por hérnia de disco lombar é mais forte quando a
pessoa se senta, anda, fica de pé, ou ainda, quando aumenta a pressão intra-
abdominal (ao evacuar, tossir, espirrar). Eventualmente a pessoa também pode
sentir cãimbras na perna. Na maioria das vezes a dor melhora quando a pessoa
fica deitada.
Essas observações, aliadas a outros dados, vão permitir o diagnóstico preciso da
hérnia de disco lombar.
Opções de Tratamento da Hérnia de Disco Lombar
Uma vez chegado a um dignóstico preciso de hérnia de disco lombar, o
tratamento deve começar imediatamente. O médico tem duas alternativas gerais:
Tratamento “conservador”
Tratamento cirúrgico
Tratamento Conservador
O termo "conservador" é usado na medicina para as opções de tratamento que
não estão relacionadas com cirurgia. Os tratamentos podem sofrer pequenas
mudanças, de pessoa para pessoa, e se aplicam tanto aos casos de dor lombar
sem hérnia, como aos casos com hérnia de disco lombar e ciática. O objetivo
inicial é eliminar ou, pelo menos, aliviar a dor. Além disso, procuramos tratar
diretamente a causa da dor, ou seja, a hérnia de disco propriamente dita, para
que não ocorram recaídas no futuro. O tratamento inicial da hérnia de disco
lombar, quase sempre em período curto, consiste em:
-- Repouso na cama por uma a duas semanas em colchão firme – A atividade
física deve ser restrita, como ir ao banheiro e andar dentro de casa seria a
atividade máxima.
-- Analgésicos e Antiinflamatórios – Os analgésicos (narcóticos leves e relaxantes
musculares) devem ser usados apenas nos primeiros dias e não devem
ultrapassar duas semanas. Depois dos analgésicos vem o tratamento com
antiinflamatórios, com preferência para os não esteróides.
-- Educação postural – Introdução de posturas corretas ao sentar-se, inclinar-se,
pegar pesos, dormir com os joelhos semi-fletidos, e assim por diante.
-- Colete lombo-sacral – Ele alivia a dor por que promove a sustentação da coluna
lombar, mas pode causar fraqueza e até atrofia da musculatura que suporta a
coluna. O enfraquecimento desses músculos pode levar à piora da dor, quando a
pessoa deixa de usar o colete, e até ao agravamento do quadro. Por isso só deve
ser usado com supervisão do médico.
Superada a fase inicial de dor forte da hérnia de disco lombar, passamos para
uma outra etapa: exercícios leves, como os feitos na hidroginástica naturalmente,
o retorno gradual às atividades normais, desde que não requeiram esforço da
região lombar. Uma avaliação do fisioterapeuta, nesta segunda fase,e um
programa de fisioterapia motora pode ser iniciado imediatamente.
Estas são orientações gerais e não podem ser utilizadas como regra absoluta, pois
podem variar de caso para caso segundo os critérios do neurocirurgião., pois por
afetar a inervação os riscos são graves.
Outras Abordagens Não-Cirúrgicas
Infiltração – É um procedimento rápido e seguro na hérnia de disco lombar.
Muito conveniente para os pacientes que se encontram no auge de uma crise de
dor lombar intensa. Sob anestesia local o médico injeta anestésicos e
antiinflamatórios diretamente na região lombar, nos locais onde geralmente a dor
tem sua origem obtendo um resultado mais eficiente do que quando a pessoa
toma medicamentos semelhantes por via oral. O alívio geralmente é imediato.
Rizotomia por radiofrequência– Procedimento semelhante à infiltração citadas
acima. Nas rizotomias o médico cauteriza pequenos nervos que se localizam nas
articulações da coluna através de agulhas inseridas em pontos estratégicos.
Indicamos este procedimento geralmente quando o paciente, com ou sem hérnia
de disco lombar, sofre há muito tempo de dor lombar ou tem crises recorrentes. O
alívio também é imediato. Pacientes que antes não tinham um mínimo de
qualidade de vida devido às limitações ocasionadas pela dor, voltam praticamente
à vida normal. O resultado é excepcional.
Aplicações de calor superficial e massagem leve – Podem proporcionar
conforto para o paciente mas não têm valor terapêutico real para a hérnia de
disco lombar. Trações eram muito utilizadas no passado mas atualmente suas
indicações são restritas. Altas doses de vitaminas têm sido prescritas por alguns,
mas faltam provas científicas do seu valor terapêutico.
Também nessas abordagens, logo após a melhora do episódio inicial de dor, um
programa de reabilitação deve ser iniciado para aumentar a força muscular
lombar e abdominal e melhorar a estabilização e flexibilidade da coluna lombar e
com isso, diminuir a possibilidade da hérnia voltar. Os efeitos naturais do
envelhecimento que resultam em diminuição da massa óssea e diminuição da
força e elasticidade dos músculos e ligamentos, e que contribuem para o
aparecimento de hérnias, não podem ser evitados. Entretanto, eles podem ser
retardados e amenizados. No longo prazo recomenda-se a manutenção do
condicionamento físico. Deve-se evitar o sedentarismo e a obesidade, pois estes
fatores aumentam a chance de recorrência de dor lombar e hérnia de disco
lombar.
Tratamento Cirúrgico
Estima-se que 80% dos pacientes com hérnia de disco lombar vão melhorar sem
tratamento ou com algum tratamento conservador. Portanto, em alguns casos
será necessária a cirurgia. Entretanto, quando ela é indicada, deve ser feita o
mais breve possível. Há quatro indicações geralmente aceitas para uma
intervenção cirúrgica na hérnia de disco lombar:
1. Ausência de melhora satisfatória com o tratamento conservador.
2. Aparecimento de fraqueza importante em algum músculo da perna ou do pé.
3. Crises repetidas de dor lombar ou ciática.
4. “Síndrome da cauda equina” – Requer cirurgia de urgência porque pode causar
seqüelas permanentes.
Opções de Tratamento Cirúrgico da Hérnia de Disco Lombar
O avanço tecnológico em equipamentos médicos tornaram a cirurgia de hérnia de
disco lombar muito segura. O neurocirurgião tem equipamentos e treinamento
adequados para essas intervenções. As opções incluem:
Microcirurgia – Feita com o emprego do microscópio cirúrgico e, por ter muitas
vantagens, é a primeira escolha na hérnia de disco lombar. Entre as vantagens da
microcirurgia temos: incisões menores e mais precisas, sangramento menor,
menor movimentação das estruturas nervosas adjacentes à hérnia. Em
consequência, a recuperação é mais rápida e a hospitalização mais curta.
Laminectomia Tradicional – São efetuados os mesmos procedimentos da
microcirurgia; a diferença está no uso ou não do microcópio cirúrgico.
Artrodeses – Esta cirurgia implica na solução do problema da hérnia de disco
lombar e, adicionalmente, a fixação da coluna com o uso de alguns materiais.
Essa fixação é conveniente em certos casos, como aqueles em que há
desalinhamento da coluna ou diminuição significativa da firmeza nas vértebras.
Esta intervenção apresentou enorme evolução nos últimos anos graças ao
desenvolvimento de equipamentos sofisticados e uso de parafusos e placas feitos
com materiais nobres, como o titânio. Quando bem empregadas, as artrodeses
são o tratamento ideal para certos pacientes. Nas hérnias de disco lombar comuns
não há necessidade de realizar nenhuma fixação da coluna lombar.
Cirurgia endoscópica ou “minimamente invasiva” – Envolvem técnicas como
o laser e injeções de substâncias no disco que apresenta hérnia de disco lombar.
São procedimentos ainda em desenvolvimento.
Artrose da Coluna - O que é, Causas, Sintomas e Tratamento
A artrose é a forma mais comum de reumatismo e uma das doenças mais
frequentes na espécie humana, é um dos principais fatores determinantes de
incapacidade física no indivíduo idoso. Em graus variados de intensidade, afeta
a maior parte da população depois dos 60 anos. A artrose vertebral é definida
como um estado de progressiva deterioração da articulação vertebral,
caracterizando por erosão da cartilagem articular e neoformação óssea nas
bordas articulares (osteófitos).
É importante ressaltar que a cartilagem corresponde a um tecido
esbranquiçado, liso e de consistência elástica, que cobre a superfície dos
ossos dentro das articulações. Sua função é absorver o peso e permitir maior
mobilidade articular. É exatamente nesta estrutura que ocorre a degeneração
que vai evoluir para a artrose.
Essa disfunção resulta da consequente destruição progressiva dos tecidos que
compõem a articulação,conduzindo à instalação progressiva de dor,
deformação e limitação dos movimentos. O estabelecimento da artrose, inicia-
se com uma deterioração dessa cartilagem, que perde a sua regularidade e
elasticidade, o que diminui a sua eficácia e contribui para a sua destruição
adicional com o uso repetido e a carga traumática. Com o tempo, grande parte
da cartilagem pode desaparecer completamente. Na ausência de parte ou
totalidade da cartilagem, os ossos atritam diretamente entre si, causando
crepitação, certo grau de inflamação, dor e limitação de movimentos.
Com a evolução, a articulação pode sofrer deformação visível ou palpável, cuja
tradução mais comum são os osteófitos, conhecidos popularmente na coluna,
por "bicos de papagaio". Em fase evolutiva bastante avançada, as estruturas
de contenção passiva da articulação, como a cápsula articular e os ligamentos,
colocadas sob tensão excessiva, podem-se inflamar, retrair ou mesmo romper.
No diagnóstico da artrose, são enfatizadas as queixas referidas pelo doente,
com destaque para a localização, duração e características da dor, bem como
também para o nível de amplitude articular. Se o exame clínico não for
suficiente para estabelecer um diagnóstico, certos meios auxiliares de
diagnóstico, como as radiografias e a TAC, podem revelar, alterações
características da doença.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
Alexandre Donha
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
Marci Oliveira
 
Semiologia da Dor
Semiologia da DorSemiologia da Dor
Semiologia da Dor
pauloalambert
 
Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia
Omar Mohamad Abdallah
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
Autómono
 
Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.
Paulo Bueno
 
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Avaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarAvaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombar
Junio Alves
 
Mielomeningocele - Mariana Rialto
Mielomeningocele - Mariana RialtoMielomeningocele - Mariana Rialto
Mielomeningocele - Mariana Rialto
fetalufpr
 
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva MuñozSemiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Raio x pós graduação
Raio   x pós graduaçãoRaio   x pós graduação
Raio x pós graduação
Iapes Ensino
 
Biomecanica do pé e tornozelo
Biomecanica do pé e tornozeloBiomecanica do pé e tornozelo
Biomecanica do pé e tornozelo
washington carlos vieira
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Heberth Macedo
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
lacmuam
 
Exame Físico de Ombro
Exame Físico de Ombro Exame Físico de Ombro
Exame Físico de Ombro
Omar Mohamad Abdallah
 
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. AbdallahHernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Omar Mohamad Abdallah
 
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de ArtigoParalisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo
Fisioterapeuta
 
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - NascidoManual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
blogped1
 
Síndrome de Guillain-Barré
Síndrome de Guillain-BarréSíndrome de Guillain-Barré
Síndrome de Guillain-Barré
Ankol Educação Continuada
 

Mais procurados (20)

Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
 
Semiologia da Dor
Semiologia da DorSemiologia da Dor
Semiologia da Dor
 
Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
 
Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.
 
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
Conduta fisioterapêutica na trombose venosa profunda (TVP)
 
Avaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarAvaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombar
 
Mielomeningocele - Mariana Rialto
Mielomeningocele - Mariana RialtoMielomeningocele - Mariana Rialto
Mielomeningocele - Mariana Rialto
 
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva MuñozSemiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
 
Raio x pós graduação
Raio   x pós graduaçãoRaio   x pós graduação
Raio x pós graduação
 
Biomecanica do pé e tornozelo
Biomecanica do pé e tornozeloBiomecanica do pé e tornozelo
Biomecanica do pé e tornozelo
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
 
Exame Físico de Ombro
Exame Físico de Ombro Exame Físico de Ombro
Exame Físico de Ombro
 
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. AbdallahHernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Hernia de disco Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo
Neurointensivismo
 
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de ArtigoParalisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo
 
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - NascidoManual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido
 
Síndrome de Guillain-Barré
Síndrome de Guillain-BarréSíndrome de Guillain-Barré
Síndrome de Guillain-Barré
 

Destaque

Hérnia de disco e distensão muscular
Hérnia de disco e distensão muscularHérnia de disco e distensão muscular
Hérnia de disco e distensão muscular
Marcos Neves
 
Fisioterapia aplicada a traumato ortopedia e desporto i cap 8 patologias da c...
Fisioterapia aplicada a traumato ortopedia e desporto i cap 8 patologias da c...Fisioterapia aplicada a traumato ortopedia e desporto i cap 8 patologias da c...
Fisioterapia aplicada a traumato ortopedia e desporto i cap 8 patologias da c...
Helen Vieira
 
Hernia de disco 1
Hernia de disco 1Hernia de disco 1
Hernia de disco 1
adrianomedico
 
Aula hérnia de disco lombar
Aula hérnia de disco lombarAula hérnia de disco lombar
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIAFisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Nay Ribeiro
 
Hernia de disco
Hernia de discoHernia de disco
Hernia de disco
Manuela Costa
 

Destaque (6)

Hérnia de disco e distensão muscular
Hérnia de disco e distensão muscularHérnia de disco e distensão muscular
Hérnia de disco e distensão muscular
 
Fisioterapia aplicada a traumato ortopedia e desporto i cap 8 patologias da c...
Fisioterapia aplicada a traumato ortopedia e desporto i cap 8 patologias da c...Fisioterapia aplicada a traumato ortopedia e desporto i cap 8 patologias da c...
Fisioterapia aplicada a traumato ortopedia e desporto i cap 8 patologias da c...
 
Hernia de disco 1
Hernia de disco 1Hernia de disco 1
Hernia de disco 1
 
Aula hérnia de disco lombar
Aula hérnia de disco lombarAula hérnia de disco lombar
Aula hérnia de disco lombar
 
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIAFisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
Fisioterapia em TRAUMATO ORTOPEDIA
 
Hernia de disco
Hernia de discoHernia de disco
Hernia de disco
 

Semelhante a Hérnia de disco lombar

Coluna lombar
Coluna lombarColuna lombar
Coluna lombar
Natha Fisioterapia
 
Distensões Musculares (Prevenção)
Distensões Musculares (Prevenção)Distensões Musculares (Prevenção)
Distensões Musculares (Prevenção)
Gaspar Neto
 
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
mennahen sylver
 
Quais são as opções de tratamento para a dor ciática?
Quais são as opções de tratamento para a dor ciática?Quais são as opções de tratamento para a dor ciática?
Quais são as opções de tratamento para a dor ciática?
Tookmed
 
Guia de posturas
Guia de posturasGuia de posturas
Guia de posturas
Joao Miguel Silva
 
Guia de posturas
Guia de posturasGuia de posturas
Guia de posturas
Joao Miguel Silva
 
Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010
Bruno Franco
 
Lombalgia
LombalgiaLombalgia
Lombalgia
Reumatoguia
 
lombalgia.pptx
lombalgia.pptxlombalgia.pptx
lombalgia.pptx
JosRobertoAraujoRoch1
 
Tratamento artrose
Tratamento artroseTratamento artrose
Tratamento artrose
Gabriela Andrade
 
Benefícios do Pilates na Hérnia de Disco
Benefícios do Pilates na Hérnia de DiscoBenefícios do Pilates na Hérnia de Disco
Benefícios do Pilates na Hérnia de Disco
Gaia Pilates
 
Apresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcareaApresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcarea
Cinthia Salto
 
Apresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcareaApresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcarea
Cinthia Salto
 
Cinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunosCinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunos
Isabela Luana
 
Osteoporose e Tratamento Terapêutico Ocupacional
Osteoporose e  Tratamento Terapêutico OcupacionalOsteoporose e  Tratamento Terapêutico Ocupacional
Osteoporose e Tratamento Terapêutico Ocupacional
Marciane Missio
 
Coluna cervical
Coluna cervicalColuna cervical
Coluna cervical
Natha Fisioterapia
 
Lombalgia
Lombalgia Lombalgia
Lombalgia
SpineMED Brasil
 
SpineMED - Osteofitose
SpineMED -  OsteofitoseSpineMED -  Osteofitose
SpineMED - Osteofitose
SpineMED Brasil
 
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
Thais Benicio
 
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do CotoveloAlteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Welisson Porto
 

Semelhante a Hérnia de disco lombar (20)

Coluna lombar
Coluna lombarColuna lombar
Coluna lombar
 
Distensões Musculares (Prevenção)
Distensões Musculares (Prevenção)Distensões Musculares (Prevenção)
Distensões Musculares (Prevenção)
 
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
67665124-Tendinite-Da-Pata-de-Ganso.pdf
 
Quais são as opções de tratamento para a dor ciática?
Quais são as opções de tratamento para a dor ciática?Quais são as opções de tratamento para a dor ciática?
Quais são as opções de tratamento para a dor ciática?
 
Guia de posturas
Guia de posturasGuia de posturas
Guia de posturas
 
Guia de posturas
Guia de posturasGuia de posturas
Guia de posturas
 
Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010
 
Lombalgia
LombalgiaLombalgia
Lombalgia
 
lombalgia.pptx
lombalgia.pptxlombalgia.pptx
lombalgia.pptx
 
Tratamento artrose
Tratamento artroseTratamento artrose
Tratamento artrose
 
Benefícios do Pilates na Hérnia de Disco
Benefícios do Pilates na Hérnia de DiscoBenefícios do Pilates na Hérnia de Disco
Benefícios do Pilates na Hérnia de Disco
 
Apresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcareaApresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcarea
 
Apresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcareaApresentação tendinopatia calcarea
Apresentação tendinopatia calcarea
 
Cinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunosCinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunos
 
Osteoporose e Tratamento Terapêutico Ocupacional
Osteoporose e  Tratamento Terapêutico OcupacionalOsteoporose e  Tratamento Terapêutico Ocupacional
Osteoporose e Tratamento Terapêutico Ocupacional
 
Coluna cervical
Coluna cervicalColuna cervical
Coluna cervical
 
Lombalgia
Lombalgia Lombalgia
Lombalgia
 
SpineMED - Osteofitose
SpineMED -  OsteofitoseSpineMED -  Osteofitose
SpineMED - Osteofitose
 
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
 
Alteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do CotoveloAlteração Biomecânica do Cotovelo
Alteração Biomecânica do Cotovelo
 

Hérnia de disco lombar

  • 1. Hérnia de disco lombar é aquela que ocorre em qualquer disco da coluna lombar, ou seja, num dos cinco discos situados entre as vértebras que vão de L1 a S1. Essas hérnias são as mais comuns porque a região lombar é responsável pela sustentação do nosso corpo, sofre muitos impactos, e está envolvida em todos os movimentos do tronco. Na imagem ao lado vemos uma representação simplificada de um corte transversal na coluna lombar, na qual fica exposta uma hérnia do disco; ela comprime uma raiz nervosa e, dependendo da região, também pode comprometer a medula espinhal. Diagnóstico da Hérnia de Disco Lombar O sintoma inicial hérnia de disco lombar é quase sempre de dor lombar. A dor pode ser forte e até incapacitante, gerar espasmo muscular, piorar com o movimento e localizar-se em região específica, mas pode também ser difusa, leve e imprecisa. Na maioria das vezes ela melhora com o repouso. Em geral, a pessoa experimenta algum alívio depois de alguns dias ou semanas. Posteriormente, pode surgir uma dor quase que constante com irradiação para uma ou para as duas pernas. Essa dor tem o nome de dor ciática porque ela aparece quando há algum comprometimento do nervo ciático. Entretanto, a dor ciática não aparece apenas quando há hérnia lombar; ela pode resultar de outras patologias da coluna vertebral. Usamos o termo "ciática" para identificar a dor que irradia para a perna seguindo o trajeto do nervo ciático, seja ela proveniente ou não de uma hérnia de disco lombar. Em geral, a dor ciática causada por hérnia de disco lombar é mais forte quando a pessoa se senta, anda, fica de pé, ou ainda, quando aumenta a pressão intra- abdominal (ao evacuar, tossir, espirrar). Eventualmente a pessoa também pode sentir cãimbras na perna. Na maioria das vezes a dor melhora quando a pessoa fica deitada. Essas observações, aliadas a outros dados, vão permitir o diagnóstico preciso da
  • 2. hérnia de disco lombar. Opções de Tratamento da Hérnia de Disco Lombar Uma vez chegado a um dignóstico preciso de hérnia de disco lombar, o tratamento deve começar imediatamente. O médico tem duas alternativas gerais: Tratamento “conservador” Tratamento cirúrgico Tratamento Conservador O termo "conservador" é usado na medicina para as opções de tratamento que não estão relacionadas com cirurgia. Os tratamentos podem sofrer pequenas mudanças, de pessoa para pessoa, e se aplicam tanto aos casos de dor lombar sem hérnia, como aos casos com hérnia de disco lombar e ciática. O objetivo inicial é eliminar ou, pelo menos, aliviar a dor. Além disso, procuramos tratar diretamente a causa da dor, ou seja, a hérnia de disco propriamente dita, para que não ocorram recaídas no futuro. O tratamento inicial da hérnia de disco lombar, quase sempre em período curto, consiste em: -- Repouso na cama por uma a duas semanas em colchão firme – A atividade física deve ser restrita, como ir ao banheiro e andar dentro de casa seria a atividade máxima. -- Analgésicos e Antiinflamatórios – Os analgésicos (narcóticos leves e relaxantes musculares) devem ser usados apenas nos primeiros dias e não devem ultrapassar duas semanas. Depois dos analgésicos vem o tratamento com antiinflamatórios, com preferência para os não esteróides. -- Educação postural – Introdução de posturas corretas ao sentar-se, inclinar-se, pegar pesos, dormir com os joelhos semi-fletidos, e assim por diante. -- Colete lombo-sacral – Ele alivia a dor por que promove a sustentação da coluna lombar, mas pode causar fraqueza e até atrofia da musculatura que suporta a coluna. O enfraquecimento desses músculos pode levar à piora da dor, quando a pessoa deixa de usar o colete, e até ao agravamento do quadro. Por isso só deve ser usado com supervisão do médico. Superada a fase inicial de dor forte da hérnia de disco lombar, passamos para uma outra etapa: exercícios leves, como os feitos na hidroginástica naturalmente, o retorno gradual às atividades normais, desde que não requeiram esforço da região lombar. Uma avaliação do fisioterapeuta, nesta segunda fase,e um programa de fisioterapia motora pode ser iniciado imediatamente. Estas são orientações gerais e não podem ser utilizadas como regra absoluta, pois podem variar de caso para caso segundo os critérios do neurocirurgião., pois por afetar a inervação os riscos são graves. Outras Abordagens Não-Cirúrgicas Infiltração – É um procedimento rápido e seguro na hérnia de disco lombar. Muito conveniente para os pacientes que se encontram no auge de uma crise de dor lombar intensa. Sob anestesia local o médico injeta anestésicos e antiinflamatórios diretamente na região lombar, nos locais onde geralmente a dor tem sua origem obtendo um resultado mais eficiente do que quando a pessoa toma medicamentos semelhantes por via oral. O alívio geralmente é imediato.
  • 3. Rizotomia por radiofrequência– Procedimento semelhante à infiltração citadas acima. Nas rizotomias o médico cauteriza pequenos nervos que se localizam nas articulações da coluna através de agulhas inseridas em pontos estratégicos. Indicamos este procedimento geralmente quando o paciente, com ou sem hérnia de disco lombar, sofre há muito tempo de dor lombar ou tem crises recorrentes. O alívio também é imediato. Pacientes que antes não tinham um mínimo de qualidade de vida devido às limitações ocasionadas pela dor, voltam praticamente à vida normal. O resultado é excepcional. Aplicações de calor superficial e massagem leve – Podem proporcionar conforto para o paciente mas não têm valor terapêutico real para a hérnia de disco lombar. Trações eram muito utilizadas no passado mas atualmente suas indicações são restritas. Altas doses de vitaminas têm sido prescritas por alguns, mas faltam provas científicas do seu valor terapêutico. Também nessas abordagens, logo após a melhora do episódio inicial de dor, um programa de reabilitação deve ser iniciado para aumentar a força muscular lombar e abdominal e melhorar a estabilização e flexibilidade da coluna lombar e com isso, diminuir a possibilidade da hérnia voltar. Os efeitos naturais do envelhecimento que resultam em diminuição da massa óssea e diminuição da força e elasticidade dos músculos e ligamentos, e que contribuem para o aparecimento de hérnias, não podem ser evitados. Entretanto, eles podem ser retardados e amenizados. No longo prazo recomenda-se a manutenção do condicionamento físico. Deve-se evitar o sedentarismo e a obesidade, pois estes fatores aumentam a chance de recorrência de dor lombar e hérnia de disco lombar. Tratamento Cirúrgico Estima-se que 80% dos pacientes com hérnia de disco lombar vão melhorar sem tratamento ou com algum tratamento conservador. Portanto, em alguns casos será necessária a cirurgia. Entretanto, quando ela é indicada, deve ser feita o mais breve possível. Há quatro indicações geralmente aceitas para uma intervenção cirúrgica na hérnia de disco lombar: 1. Ausência de melhora satisfatória com o tratamento conservador. 2. Aparecimento de fraqueza importante em algum músculo da perna ou do pé. 3. Crises repetidas de dor lombar ou ciática. 4. “Síndrome da cauda equina” – Requer cirurgia de urgência porque pode causar seqüelas permanentes. Opções de Tratamento Cirúrgico da Hérnia de Disco Lombar O avanço tecnológico em equipamentos médicos tornaram a cirurgia de hérnia de disco lombar muito segura. O neurocirurgião tem equipamentos e treinamento adequados para essas intervenções. As opções incluem: Microcirurgia – Feita com o emprego do microscópio cirúrgico e, por ter muitas vantagens, é a primeira escolha na hérnia de disco lombar. Entre as vantagens da microcirurgia temos: incisões menores e mais precisas, sangramento menor, menor movimentação das estruturas nervosas adjacentes à hérnia. Em consequência, a recuperação é mais rápida e a hospitalização mais curta.
  • 4. Laminectomia Tradicional – São efetuados os mesmos procedimentos da microcirurgia; a diferença está no uso ou não do microcópio cirúrgico. Artrodeses – Esta cirurgia implica na solução do problema da hérnia de disco lombar e, adicionalmente, a fixação da coluna com o uso de alguns materiais. Essa fixação é conveniente em certos casos, como aqueles em que há desalinhamento da coluna ou diminuição significativa da firmeza nas vértebras. Esta intervenção apresentou enorme evolução nos últimos anos graças ao desenvolvimento de equipamentos sofisticados e uso de parafusos e placas feitos com materiais nobres, como o titânio. Quando bem empregadas, as artrodeses são o tratamento ideal para certos pacientes. Nas hérnias de disco lombar comuns não há necessidade de realizar nenhuma fixação da coluna lombar. Cirurgia endoscópica ou “minimamente invasiva” – Envolvem técnicas como o laser e injeções de substâncias no disco que apresenta hérnia de disco lombar. São procedimentos ainda em desenvolvimento. Artrose da Coluna - O que é, Causas, Sintomas e Tratamento A artrose é a forma mais comum de reumatismo e uma das doenças mais frequentes na espécie humana, é um dos principais fatores determinantes de incapacidade física no indivíduo idoso. Em graus variados de intensidade, afeta a maior parte da população depois dos 60 anos. A artrose vertebral é definida como um estado de progressiva deterioração da articulação vertebral, caracterizando por erosão da cartilagem articular e neoformação óssea nas bordas articulares (osteófitos). É importante ressaltar que a cartilagem corresponde a um tecido esbranquiçado, liso e de consistência elástica, que cobre a superfície dos ossos dentro das articulações. Sua função é absorver o peso e permitir maior mobilidade articular. É exatamente nesta estrutura que ocorre a degeneração que vai evoluir para a artrose. Essa disfunção resulta da consequente destruição progressiva dos tecidos que compõem a articulação,conduzindo à instalação progressiva de dor, deformação e limitação dos movimentos. O estabelecimento da artrose, inicia- se com uma deterioração dessa cartilagem, que perde a sua regularidade e elasticidade, o que diminui a sua eficácia e contribui para a sua destruição adicional com o uso repetido e a carga traumática. Com o tempo, grande parte da cartilagem pode desaparecer completamente. Na ausência de parte ou totalidade da cartilagem, os ossos atritam diretamente entre si, causando crepitação, certo grau de inflamação, dor e limitação de movimentos. Com a evolução, a articulação pode sofrer deformação visível ou palpável, cuja tradução mais comum são os osteófitos, conhecidos popularmente na coluna, por "bicos de papagaio". Em fase evolutiva bastante avançada, as estruturas de contenção passiva da articulação, como a cápsula articular e os ligamentos, colocadas sob tensão excessiva, podem-se inflamar, retrair ou mesmo romper. No diagnóstico da artrose, são enfatizadas as queixas referidas pelo doente, com destaque para a localização, duração e características da dor, bem como também para o nível de amplitude articular. Se o exame clínico não for
  • 5. suficiente para estabelecer um diagnóstico, certos meios auxiliares de diagnóstico, como as radiografias e a TAC, podem revelar, alterações características da doença.