SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
Baixar para ler offline
FACULDADES ANGLO- AMERICANO – FAA

                 CURSO DE FISIOTERAPIA




     A INFLUÊNCIA DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS NA
INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL E NA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS
                   INSTITUCIONALIZADOS




           CLAUDIA MÁRCIA SATYRO BERNARDINO

                 MARIA REGIANE VELOSO

           RENATA FRANCIELLY DOMANN BUCOSKI




                     FOZ DO IGUAÇU

                          2010
FACULDADES ANGLO- AMERICANO – FAA

                 CURSO DE FISIOTERAPIA




           CLAUDIA MÁRCIA SATYRO BERNARDINO

                 MARIA REGIANE VELOSO

           RENATA FRANCIELLY DOMANN BUCOSKI




     A INFLUÊNCIA DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS NA
INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL E NA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS
                   INSTITUCIONALIZADOS




                     FOZ DO IGUAÇU

                          2010
CLAUDIA MÁRCIA SATYRO BERNARDINO

                 MARIA REGIANE VELOSO

           RENATA FRANCIELLY DOMANN BUCOSKI




     A INFLUÊNCIA DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS NA
INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL E NA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS
                   INSTITUCIONALIZADOS




                                 Trabalho de conclusão de curso
                                 apresentado     ao    Curso       de
                                 Fisioterapia da Faculdade Anglo-
                                 Americano como requisito parcial
                                 para obtenção do título de
                                 Fisioterapeuta sob a orientação da
                                 Prof. Maria Odette Nassif do Val.




                     FOZ DO IGUAÇU

                          2010
Durante este trabalho...

As dificuldades não foram poucas....

Os desafios foram muitos...

Os obstáculos, muitas vezes, pareciam intransponíveis.

Muitas vezes nos sentimos sós, e, assim, o estivemos...

O desânimo quis contagiar, porém, a garra e a tenacidade foram
mais fortes, sobrepondo esse sentimento, fazendo-nos seguir a
caminhada, apesar da sinuosidade do caminho.

Agora, ao olhamos para trás, a sensação do dever cumprido se
faz presente e podemos constatar que as noites de sono
perdidas, as viagens e visitas realizadas; o cansaço dos
encontros, os longos tempos de leitura, digitação, discussão: a
ansiedade em querer fazer e a angústia de muitas vezes não
conseguir, por problemas estruturais; não foram em vão.

Aqui estamos, como sobreviventes de uma longa batalha,
porém, muito mais forte e hábeis, com coragem suficiente para
mudar a nossa postura.




                     “ A coisa mais feliz a se fazer é ser útil aos
              demai, tentando ultrapassar o maior obstáculos
              que é o medo, ocupando-se da distração mais
              bela que é o trabalho, seguido pelo caminho mais
              rápido que é o correto, para no final ter a maior
              satisfação de dever cumprido”.

                     ( Madre Tereza de Calcutá)
AGRADECIMENTOS

Agradecemos a Deus que sempre está no controle de tudo, nos proporcionou a
coragem e determinação para iniciar e continuar esta jornada.

A Professora Maria Odette Nassif do Val pela orientação e por toda dedicação,
confiança,carinho e amizade.

Aos voluntários do Lar dos Velhinhos e a todos que de forma direta ou indiretamente
colaboraram para a realização da pesquisa. Sem eles seria inviável este trabalho,
Obrigado pelo tempo despendido e confiança.

Às nossas famílias a quem devemos nossa educação e caráter, pela perseverança
com que sempre acreditaram e nos incentivaram neste período tão importante de
nossa formação.

E aos amigos que estiveram sempre presentes.

Ao meu querido esposo Ronaldo Coelho Bernardino e aos meus filhos Guilherme,
Diego, Tiago Bernardino. Pelo apoio, incentivo e compreensão. Sem vocês este
trabalho teria sido apenas um sonho.

A amiga Maria Regiane pelo apoio e compreensão e, sobretudo pela amizade.

A amiga Renata Bucoski pela convivência, pelo carinho. Muito obrigado pela ajuda
neste trabalho.

                                         Claudia Márcia Satyro Bernardino

Aos meus pais Maria das Graças Veloso, Francisco de Assis Veloso, aos meus
irmãos Viviane Veloso, Renaldo Veloso e ao meu namorado Jhon Lenon Wais, pelo
carinho, paciência e compreensão estando ao meu lado, me apoiando e me ajudando,
a enfrentar os obstáculos.

E as minhas colegas de TCC pela paciência e carinho dedicado.

                                                       Maria Regiane Veloso

Agradeço a minha mãe Clarice D. Bucoski por estar ao meu lado em todos os
momentos com sua doçura, compreensão e carinho, o meu pai Hamilton L. Bucoski,
por ser exemplo de vida: honesto, forte, e acima de tudo batalhador e que sempre
lutou para que eu tivesse o melhor. A meu irmão Robson W. Bucoski e ao meu
namorado Horacio Rocha pela paciência carinho e compreensão.

E as minhas colegas Maria e Claudia pela paciência, carinho e compreensão em todos
os momentos e que juntas conseguimos enfrentar todos os obstáculos.

                                               Renata Francielly Domann Bucoski
LISTA DE TABELAS



Tabela 01: Mini Exame do Estado Mental.........................................................18

Tabela 02: Medida de Independência Funcional (MIF).....................................18

Tabela 03: Questão 1 e 2 do questionário WHOQOL- Bref./Pré.......................19

Tabela 04: Questão 1 e 2 do questionário WHOQOL- Bref./Pós......................19

Tabela 05: Questionário WHOQOL-Bref...........................................................20
LISTA DE ABREVIAÇÕES




OMS – Organização Mundial da Saúde

MIF – Medida de Independência Funcional

ADVs – Atividades de Vida Diária

SME - Sistema Musculoesquelético

CNS – Conselho Nacional da Saúde

CEP – Comitê de Ética em Pesquisa

cm – Centímetros

QV – Qualidade de Vida
Resumo

Introdução: O Brasil possui cerca de 60 milhões de pessoas com 60 anos, número
que deverá dobrar até 2025. A Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que
esse contingente irá atingir 2 bilhões em 2050. Objetivo: Investigar os efeitos dos
exercícios terapêuticos através da Medida de Independência Funcional e do
questionário WHOQOL-Bref e suas influências na qualidade de vida de indivíduos
institucionalizados. Métodos: Foram selecionados 7 idosos de ambos o sexos, com
média de idade de 69,42±6,14 anos, sendo submetidos ao circuito de exercícios. Os
idosos foram avaliados antes e depois do programa de exercícios, que teve duração
de 20 atendimentos, sendo três vezes por semana num total de 120 minutos cada
atendimento, as escalas utilizadas foram: Mini mental, que avalia o cognitivo,
questionário WHOQOL-Bref, que avalia a qualidade de vida e a Medida de
independência Funcional (MIF), que avalia a funcionalidade. Para a realização do
circuito utilizamos língua de sogra, tábua de propriocepção, bola de Bobath (65 cm),
tornozeleira de 1 kg, dado de AVDs, bastões e poltronas. Resultado: Escala de
Medida de Independência Funcional indica que houve diferença significativa, P =
(0.0156) entre o pré e pós-tratamento, classificados como independência
completa/modificada. No questionário WHOQOL-Bref o maior escore dentre os
domínios foi alcançado pelo escore social com média 91,07 ± 9,44. Seguido pelo,
domínios psicológico, meio ambiente e o fisíco. Conclusão: Através dos exercícios
terapêuticos verificou-se a melhora da qualidade de vida dos idosos institucionalizados
mediante os resultados obtidos pelos instrumentos de avaliação.

Palavras - chave: Idoso, Atividade física, Qualidade de vida.
Abstract


Introduction: Brazil has about 60 million people aged 60 years, a figure expected to
double by 2025. The World Health Organization (WHO) indicate that this number will
reach 2 billion by 2050. Objective: To investigate the effects of therapeutic exercise
through the Functional Independence Measure and WHOQOL-Bref questionnaire and
their influence on quality of life for institutionalized individuals. Methods: We selected 7
patients of both sexes, with a mean age of 69.42 ± 6.14 years, being submitted to the
circuit of exercises. The elderly were assessed before and after the exercise program,
which lasted 20 sessions, three times a week and a total of 120 minutes each visit, the
scales used were: Mini metal, which assesses the cognitive, WHOQOL-Bref, which
evaluates the quality of life and functional independence measure (FIM), which
evaluates the functionality. To use the circuit realization of mother tongue (cracker),
board of proprioception, Bobath ball (65 cm), 1 kg anklet as DLA, sticks and chairs.
Results: Range of Functional Independence Measure indicates a significant difference,
P = (0.0156) between pre-and post-treatment, classified as complete independence /
modified WHOQOL-Bref in the highest score among the domains was achieved with a
mean social score 91.07 ± 9.44. Followed by, psychological, and physical environment.
Conclusion: Through therapeutic exercise was found to improve the quality of life of
institutionalized elderly upon the results of the assessment tools.

Keywords: Elderly, Physical activity, Quality of live.
Sumário



1 INTRODUÇÃO .............................................................................................. 12

2 MATERIAIS E MÉTODOS ....... ......................................................................14

3 RESULTADOS...............................................................................................18

4 DISCUSSÃO...................................................................................................22

5 CONCLUSÃO.................................................................................................25

REFERÊNCIAS.................................................................................................26

APÊNDICE........................................................................................................32

ANEXOS.........................................................................................................................34
12


   1. INTRODUÇÃO




       O Brasil possui cerca de 60 milhões de pessoas com 60 anos ou mais,
número que deverá dobrar até 2025. As estimativas da Organização Mundial
da Saúde (OMS) indicam que esse contingente irá atingir 2 bilhões em 2050.
Sendo o grupo etário que mais cresce no Brasil (1).
       O envelhecimento é um processo dinâmico e progressivo, onde há
alterações morfológicas, funcionais e bioquímicas (2,3). Ocorrendo uma
redução na capacidade de adaptação homeostática nas situações de
sobrecarga funcional, alterando progressivamente o organismo e tornando-o
mais susceptível a agressões intrínsecas e extrínsecas as quais culminam,
inevitavelmente, no declínio da capacidade e da independência (3).

       Sendo definido como um processo de ordem natural (4), que varia de
indivíduo para indivíduo (5), embora os idosos estejam vivendo mais e melhor,
o processo de envelhecimento traz consigo alterações e redução da
capacidade dos diversos sistemas do organismo humano sendo eles:
neurológico, respiratório, cardiovascular, visual, auditivo, digestivo, tegumentar,
proprioceptivo, geniturinário e principalmente musculoesquelético (SME)
(6,7,8).

           O envelhecimento da população é reflexo, principalmente, dos avanços
da medicina moderna, que permitem melhores condições de saúde à
população com idade mais avançada, fato que repete em vários países (9).
Além de viver mais, os idosos brasileiros também obtiveram melhoria da renda
nos últimos dez anos (10).
       Uma das formas de combater ou minimizar os declínios ocasionados
pelo envelhecimento é a prática de atividades físicas. Através desta prática
esta prevenindo e controlando as doenças crônico-degenerativas mantendo os
idosos com uma boa aptidão funcional e reduzindo o número de limitações
adquiridas (3, 2, 9).

       Os exercícios físicos melhoram a saúde global, sendo seu incentivo uma
importante medida de prevenção, se tratando de idosos, proporcionando uma
13


maior segurança na realização das atividades de vida diária (AVDs) (3, 2, 11
12).

       A falta de mobilidade favorece a perda de massa muscular ou a
sarcopenia nos membros inferiores, aumentando a probabilidade de quedas,
hospitalizações e conseqüentemente, perda importante da qualidade de vida.
Sendo uma característica de idosos institucionalizados e daqueles que
permanecem sozinhos no âmbito familiar, devido à falta de cuidadores (13).

       As queixas mais comuns entre os idosos são os desequilíbrios, as
tonturas e vertigens (14), estas alterações provocam uma dificuldade no ato de
levantar devido à diminuição da força muscular, da flexibilidade e do equilíbrio
(15), prejudicando a qualidade da marcha levando a instabilidades que
predispõe as quedas, estas podem trazer graves limitações funcionais, levando
os idosos aos diferentes tipos de dependência e perda de autonomia que
dificultará a sua qualidade de vida (16,11).

       Todas estas alterações em conjunto, fazem com que os idosos sintam-
se inseguros para realizar suas AVDs, que envolve atividades de auto-cuidado
(alimentar-se, banhar-se, utilização do banheiro), de continência (urinária e
fecal) e de auto-mobilização (transferência de cama para posição supina ou
uma cadeira, deambulação com ou sem dispositivos de ajuda, ou utilização de
cadeiras de rodas), pelo medo de ocorrer quedas (17,1).

       A queda tem como definição uma falta de capacidade para corrigir o
deslocamento do corpo, durante seu movimento no espaço. Devido ao medo, o
idoso deixa de se exercitar fazendo com que suas articulações fiquem
enrijecidas e seus músculos atrofiados pelo desuso, levando-o a mais limitação
(18, 11, 17). Dessa forma, o objetivo do presente estudo foi investigar os
efeitos dos exercícios terapêuticos através da Medida de Independência
Funcional e do questionário WHOQOL – Bref e suas influências na qualidade
de vida de indivíduos institucionalizados.
14


   2. MATERIAIS E MÉTODOS




          Foi realizado um estudo experimental no Lar dos Velhinhos Antônio
Ayres de Aguirra, na cidade de Foz do Iguaçu, PR, no período de setembro a
outubro de 2010, totalizando vinte atendimentos, divididos em três vezes
semanais com duração de 120 minutos cada atendimento. Foram selecionados
14 idosos para participar da pesquisa, onde 7 pacientes foram incluídos e os
demais não quiseram participar, a idade média foi 69,42 (± 6,14) anos, sendo 1
mulher e 6 homens os voluntários.

          Os critérios de inclusão utilizados foram: faixa etária entre 60 a 100 anos
de ambos os sexos, sedentários, bom cognitivo, com limitações e dificuldades
para realização das atividades de vida diária. Os critérios de exclusão do
estudo foram: idosos atletas, portadores de cardiopatias e marca-passo, com
amputações nos          membros inferiores ou       superiores,   e   os que     não
apresentavam limitações e dificuldades nas realizações de atividades de vida
diária.

          O projeto de pesquisa foi submetido e aprovado pelo Comitê de Ética e
Pesquisa da Faculdade Assis Gurgacz, sobre o parecer 182 número do
protocolo 063/2010 (Anexo 1) A autorização dos participantes foi realizado por
meio do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido,(Anexo 2) de acordo com
a resolução CNS 196/96, em que os voluntários tiveram o direito a participar ou
não do estudo, podendo interromper a pesquisa a qualquer momento.

          Para o desenvolvimento da pesquisa foram utilizados os seguintes
instrumentos: língua de sogra, tábua de propriocepção, bola de Bobath, (65
cm), tornozeleira de 1 kg, dado de AVDs, bastões e poltronas. Os voluntários
foram entrevistados e responderam a ficha de avaliação elaborada pelas
pesquisadoras (Apêndice 1) ,o Mini Exame do Estado Mental( Anexo 3),
questionário WHOQOL-Bref (Anexo 4) e a Escala de Medida de Independência
Funcional (MIF) (Anexo 5). Na ficha de avaliação, foram verificados os dados
pessoais, hábitos de vidas, monitorização dos sinais vitais e patologias.

          O Mini Exame do Estado Mental (Mini Mental): foi utilizado para avaliar a
15


cognição, o questionário é composto por diversas questões agrupadas em sete
categorias, cada uma delas planejada com o objetivo de avaliar funções
cognitivas específicas. A pontuação abaixo de 24 pode indicar a necessidade
de outras avaliações. O escore máximo é de 30 pontos (19,20).

      O questionário WHOQOL-Bref foi utilizado para avaliar a qualidade de
vida, este questionário é composto de 26 questões extraídas do WHOQOL-
100, sendo duas questões gerais sobre a qualidade de vida (QV) e as demais
distribuídas em quatro domínios: físico, psicológico, relação social e meio
ambiente. Quanto mais alto os escores, melhor é a qualidade de vida. O
domínio físico envolve sentimentos e expectativas quanto ao manejo da dor,
desconforto pelo excesso de atividades físicas e as perturbações como o sono.
O domínio psicológico relaciona-se aos sentimentos positivos como o
aproveitamento da vida, expectativas com o futuro, preocupações com as
condições de saúde e os sentimentos negativos como o mau humor, ansiedade
e depressão. O domínio de relação social visa esclarecer o impacto do
relacionamento social do paciente com a família, o trabalho, no lazer, sua vida
sexual, acesso aos cuidados médicos e amparo da sociedade. O quarto
domínio é definido como o meio ambiente e avalia a sensação de segurança e
conforto quanto ao ambiente em que vive o indivíduo. Fazem parte desse
domínio as condições de moradia, segurança pública, recursos financeiros,
acesso ao meio de transporte, educação, alimentação e lazer adequado.
(21,22).

      A Escala de Medida de Independência Funcional (MIF) foi utilizada com
o objetivo de medir o grau de solicitação dos cuidados de terceiros, que as
pessoas com limitações exigem para realização de tarefas motoras e
cognitivas, verificando o desempenho da pessoa idosa durante a realização de
um conjunto de 18 tarefas, referentes às subescalas de auto-cuidados, controle
esfincteriano, transferências, locomoção, comunicação e cognição social
(23,24,25,26 ).
      Cada item pode ser classificado em uma escala de graus de
dependência de 7 níveis, sendo valor 1 correspondente a dependência total e
o valor 7 correspondente a normalidade na realização de tarefas de forma
independente. O nível de independência funcional segundo a MIF é
16


classificada da seguinte forma: 7 independência completa, 6 independência
modificada, 5 supervisão/estimulo ou preparo, 5 assistência mínima, 3
assistência moderada, 2 assistência máxima, 1 dependência total. (23,
24,25,26).
      Ao final dos vinte atendimentos os pacientes foram reavaliados através
da Escala de Medida de Independência funcional e pelo questionário
WHOQOL-Bref.

      O Programa foi elaborado em 2 circuitos:

      O primeiro circuito constou com atendimentos realizados do primeiro ao
décimo dia. As atividades realizadas foram:

      1-Sentar e levantar duas vezes de uma cadeira de 45 cm de altura. Esta
atividade foi realizada com o objetivo de fortalecer os membros inferiores e dar
mais estabilidade ao movimento.

      2-Realizar marcha a uma distância de oito metros, e a cada dois metros
era solicitado mudanças: andar para frente, para trás , para o lado direito e
esquerdo . Esta atividade foi realizada com o objetivo de melhorar a marcha e
promover mais estabilidade.

      3-Ficar em pé sobre a tábua de propriocepção durante 30 seg. e sentar
na bola de Bobath durante 30 seg. Estas atividades foram realizadas com o
objetivo de melhorar a propriocepção e o equilíbrio.

      4-Soprar língua de sogra e realizar exercícios de elevação dos membros
superiores utilizando um bastão associado a inspirações e expirações
fracionadas em três tempos em cinco repetições. Estas atividades foram
realizadas com o objetivo de melhorar a expansibilidade torácica e a
capacidade vital

      5-Exercícios no dado de AVDs (abotoar botões, fazer laço, abrir e fechar
zíper, velcro) cinco repetições. Esta atividade teve como objetivo melhorar a
coordenação motora fina.
17


       O segundo circuito constou com atendimentos realizados do décimo
primeiro ao vigésimo dia. Foram aumentadas a intensidade e a duração dos
exercícios e as atividades realizadas foram:

       1-Sentar e levantar duas vezes de uma cadeira de 38 cm de altura. Esta
atividade foi realizada com o objetivo de fortalecer os membros inferiores e dar
mais estabilidade ao movimento.

       2-Realizar marcha a uma distância de oito metros com tornozeleira de 1
kg em cada tornozelo, e a cada dois metros era solicitado mudanças: andar
para frente, para trás, para o lado direito e esquerdo. Esta atividade foi
realizada com o objetivo de melhorar a marcha e promover mais estabilidade.

       3-Ficar em pé sobre a tábua de propriocepção durante 1minuto e sentar
na bola de Bobath durante 1minuto. Estas atividades foram realizadas com o
objetivo de melhorar a propriocepção e o equilíbrio.

       4-Soprar língua de sogra e realizar exercícios de elevação dos membros
superiores utilizando um bastão associado a inspirações e expirações
fracionadas em três tempos, sendo dez repetições. Estas atividades foram
realizadas com o objetivo de melhorar a expansibilidade torácica e a
capacidade vital.

       5-Exercícios no dado de AVDs (abotoar botões, fazer laço, abrir e fechar
zíper, velcro) dez repetições. Esta atividade teve como objetivo melhorar a
coordenação motora fina.

       Os dados obtidos na Escala de Medida de Independência Funcional
foram analisados por meio de comparações entre média e desvios-padrões.
Utilizou-se o teste de comparações de Wilcoxon para dados não paramétricos,
para descrever a relação entre as variáveis pré e pós-tratamento, com
significância   de   5%    (p<0,05).   O   programa    estatístico   utilizado   foi
GraphPadInStat versão 3.10. Para o questionário WHOQOL-Bref foram
utilizados equações para computação dos escores dos vários domínios,
conforme preconizado pelo GRUPO WHOQOL.
18


   3. RESULTADOS




       A amostra final foi composta por 7 voluntários (1 mulher e 6 homens),
com média de idade de 69,42 (± 6,14) anos.

       Os dados referentes ao Mini Mental estão apresentados na Tabela1,
representados por seus valores de média e desvio-padrão.

                             Tabela 1 - Mini Mental

Mini Exame do Estado Mental

Incluídos                                  Média ± desvio padrão

   7                                           26,71±2,42

Desistentes                                Média ± desvio padrão

   7                                             25±2,5




       A média obtida pelo Mini Mental no grupo estudado foi de 26,71±2,42,
conforme a classificação do questionário o cognitivo dos idosos está
classificado como normal. Como também foi observado no grupo dos
desistentes que obteve uma média de 25±2,5.

       Na Tabela 2 estão apresentados os dados referentes à média e desvio
padrão da Escala de Medida de Independência Funcional (MIF).

              Tabela 2 - Medida de Independência Funcional (MIF)

MIF

PRÉ                        PÓS                        P

119 ± 3                    121,85 ± 2,26              0.0156

       Os resultados da Escala de Medida de Independência Funcional indicam
que houve diferença significativa, P= (0.0156) entre o pré e pós-tratamento,
19


classificados como independência completa/modificada. Tendo como base os
níveis de independência funcional, sendo eles: 7 independência completa, 6
independência modificada, 5 supervisão/estimulo ou preparo, 4 assistência
mínima, 3 assistência moderada, 2 assistência máxima, 1 dependência total.

        Na Tabela 3 e 4 estão apresentados as duas primeiras questões do
questionário WHOQOL-Bref onde seu escore é realizada de forma isolada das
demais questões.

                 Tabela 3 - Questões 1 e 2 do questionário WHOQOL- Bref

        PRÉ

  1-Como Você avaliaria sua qualidade de vida?
  Muito Ruim
  Ruim
  Nem Ruim/Nem Boa                  85,71%
  Boa                                14,28%
  Muito Boa
  2-Quão satisfeito (a) você está com sua vida?
  Muito insatisfeito
  Insatisfeito
  Nem satisfeito/Nem insatisfeito     57,14%
  Satisfeito                          28,57%
  Muito Satisfeito                   14,28%



                 Tabela 4 - Questões 1 e 2 do questionário WHOQOL- Bref

        PÓS

  1-Como Você avaliaria sua qualidade de vida?
  Muito Ruim
  Ruim
  Nem Ruim/Nem Boa
  Boa                                85,71%
  Muito Boa                          14,28%
20


  2-Quão satisfeito (a) você está com sua vida?
  Muito insatisfeito
  Insatisfeito
  Nem satisfeito/Nem insatisfeito    57,14%
  Satisfeito                          28,57%
  Muito Satisfeito                   14,28%



      Na questão 1 do pós houve mudanças em seus escores mais não
apresentou diferenças significativas. E na questão 2 não houve melhoras em
seus escores.

      Na Tabela 5 estão apresentados os dados referentes ao questionário
WHOQOL-Bref tendo como valores de mínimo, máximo, média e o desvio
padrão.

                       Tabela 5 - Questionário WHOQOL-Bref

                         Mínimo      Máximo        Média          ±Dp
WHOQOL-Bref
PRÉ
Domínio Físico           50           83,33         66,06          ±11,39
Domínio Psicológico 45               90            76,42          ±15,99
Domínio Social           75           87,5          82,14          ±13,36
Domínio
Meio Ambiente            70,83        95,83         81,54          ±9,27
PÓS
Domínio Físico           54,16        95,83         71,99          ±13,33
Domínio Psicológico      60          95             84,28          ±11,70
Domínio Social            75         100            91,07          ±9,44
Domínio
Meio Ambiente            70,83       100            82,73          ±10,32



      O maior escore dentre os domínios foi alcançado pelo escore social com
média 91,07 ± 9,44. Logo após, o domínios psicológico com média 84,28 ±
21


11,70, seguido pelo domínio meio ambiente com média 82,73 ± 10,32, e o
domínio fisíco com média 71,99 ± 13,33.

      No pós tratamento o domínio social e meio ambiente foi o que
apresentou a pontuação máxima, alcançando o escore 100, o domínio
psicológico obteve a menor pontução máxima (95), o domínio físico obteve o
menor pontuação do escore mínimo (54,16).
22


   4. DISCUSSÃO




      O processo de envelhecimento populacional é observado tanto nos
países desenvolvidos quanto naqueles em desenvolvimento, como é o caso do
Brasil. A velocidade em que acontece esse envelhecimento se tornou um tema
da atualidade, sobretudo quando a discussão atinge a questão do despreparo
do sistema de saúde para acolher as demandas dessa parcela crescente da
população. (27) A avaliação das condições físicas, psicológicas, sociais e
culturais de idosos permite ampliar a compreensão de suas necessidades de
saúde, essas informações geradas podem transformar-se em subsídios para a
implantação de programas e planejamento de estratégias de atendimento,
intervenções adequadas à realidade desse grupo populacional. (28)

      A Organização Mundial da Saúde (OMS) define qualidade de vida como
“a percepção do indivíduo de sua posição na vida no contexto da cultura e
sistema de valores nos quais ele vive em relação aos seus objetivos,
expectativas, padrões e preocupações” (21,29,30). São muitos os instrumentos
utilizados para avaliar a qualidade de vida, um que é freqüentemente usado é o
questionário WHOQOL-Bref, que é aplicado em base populacional sem
especificar doenças, sendo apropriado para estudos epidemiológicos (31,29).

      Pode se observar através dos resultados deste estudo que o domínio
social foi o que mais obteve melhoras com a aplicação do circuito de exercício,
como também foi observado no estudo de Chepp et al (30). e Gordia et al.(31).

      Em relação ao domínio psicológico, meio ambiente, físico, também pode
se observar aumento no escore após a aplicação do circuito.

      O estudo de Prado et al.(32) a partir da        utilização de exercícios
resistidos no equilíbrio e mobilidade funcional, observou o maior aumento no
domínio físico seguidos por meio ambiente, psicológico e social. De acordo
com os estudos realizados por Farenzena et al.(33) onde avalia a qualidade de
vida em grupos de idosos praticantes de atividades físicas, os melhores
escores foram obtidos pelo domínio físico seguido do psicológico. Em contra
partida estudo realizado por Cieslak et al.(34) o maior escore foi obtido pelo
23


domínio psicológico seguido do físico.

      O interesse pela análise da QV de indivíduos em idades mais avançadas
justifica-se pelo fato de que a estimativa de vida das pessoas tem aumentado
de forma significativa, e que o envelhecimento possui múltiplas dimensões, as
quais abrangem questões de ordem social, política, cultural e econômica (31).

      A atividade física regular está associada com aumento da expectativa de
vida e redução do risco de doenças cardíacas, derrame, diabetes, hipertensão
e obesidade. Nesta perspectiva vários estudos têm sido realizados com o
intuito de verificar a QV de diferentes populações em diferentes estágios de
suas vidas (31,32, 35).

      Os idosos ao ingressarem nos asilos começam a apresentar limitações
intelectuais e físicas que se tornam evidentes na realização das atividades da
vida diária, a falta de terapia ocupacional, a indisposição física e o
desinteresse, colaboram ainda mais para estas limitações, levando muitas
vezes à invalidez e ao profundo abatimento moral, surgindo assim às doenças
crônico-degenerativas associadas a outras patologias, que podem ser
responsáveis pela perda progressiva de autonomia e conseqüentemente da
imagem e estima corporal (31)

      Desta forma, através da análise da qualidade de vida desses indivíduos
podem estar sendo desenvolvidas estratégias e políticas públicas na tentativa
de interferir no estilo de vida individual, transformando não apenas a qualidade
de vida do avaliado como também atuar na melhoria da independência
funcional de toda a população idosa.

      A incapacidade funcional resulta não apenas de uma deficiência
orgânica, mas da interação entre a disfunção apresentada pelo indivíduo, e a
limitação de suas atividades, a restrição da participação social e aos fatores
ambientais e pessoais que interferem no seu desempenho nas AVD’s, podendo
funcionar como barreiras ou facilitadores do estado funcional. (27)

      Para verificar esta incapacidade, utilizamos a Escala de Medida de
Independência Funcional (MIF). Na avaliação inicial os pacientes apresentaram
uma pontuação elevada nesta escala demonstrando pouca dependência
24


quanto às tarefas cotidianas. Mesmo assim os indivíduos que realizaram o
circuito alcançaram a pontuação máxima, apresentado melhoras significativas.

        Cordeiro et al.(36) por meio da MIF, verificou que 84% dos idosos
institucionalizados         foram    classificados     como       independência
modificada/completa. Semelhantemente ao estudo realizado por Rigolin et al.
(37),   observou      que    44,3%   dos   idosos    hospitalizados   apresentam
independência modificada/completa.

        No estudo realizado por Minosso et al.(28) Mostra que houve
concentração da independência completa, onde 90% dos idosos não
necessitava de ajuda, 3% necessitava de ajuda para realizar 50% de suas
atividades de vida diária e 7% precisava de ajuda em 25% das atividades de
vida diária.

        Cunha et al,(23) em seu estudo não encontrou diferenças significativas
na escala MIF, após a aplicação do método Ai Chi em idosos.

        De acordo com estudo realizado em Brasília-DF, sobre a análise do nível
de atividade física nas casas de repouso e instituições filantrópicas (asilos),
pode-se observar que as casas e asilos que atendem a população idosa não
possuem locais, profissionais e nem, tão pouco, planos orientados de atividade
física. Os autores constataram a necessidade da formulação de um programa
de atividades físicas, para que haja uma modificação na rotina destes
indivíduos, mesmo não existindo um local específico para isto, utilizando as
áreas abertas e salas que estas instituições possuem (31).

        Com base nos resultados pode-se observar que o grupo estudado
apresentou melhor escore em todos os domínios e na MIF, sugere-se que a
prática do exercício físico melhora os resultados dos domínios, seja direta ou
indiretamente. Pois, sabe-se que a prática do exercício físico prepara o
indivíduo para uma vida autônoma, independente e com amor próprio e que
pessoas que praticam exercício físico são menos deprimidas e ansiosas, tem
poucas dores e angústias, são mais enérgicas e felizes.
25


   5. CONCLUSÃO




       Conclui-se que através do protocolo de exercícios terapêuticos foi
obtido uma melhora da qualidade de vida dos idosos institucionalizados
segundo os resultados obtidos pelos instrumentos de avaliação: Medida de
Independência Funcional (MIF) e o WHOQOL - Bref.

       Sugere-se que sejam realizados novos estudos, com maior número de
idosos institucionalizados com o objetivo de comprovar a eficácia dos
exercícios proporcionando a independência funcional.
26


REFERÊNCIA




1. Jacob W Filho. Envelhecimento e geriatria: Envelhecimento em diferentes

contextos: populacional, individual e social. In: Martins MA, Carrilho FJ, Alves

VA, Castilho EA, Ceri GG, Wen CL. Clínica médica. 1º Ed. Barueri, SP: Manole;

2009. p.782-790.


2. Mateus NA, Sacchelli T. Fisioterapia aquática aplicada à geriatria. In:

Sacchelli T, Accacio LM, Radl ALM. Fisioterapia aquática. 1º Ed. Barueri, SP:

Manole; 2007. p.261-268.


3. Antes DL, Contreira AR, Katzer JI, Corazza ST. Propriocepção de joelho e

idosas praticantes de exercícios físicos. Revista e Pesquisa, 2009; 16(4): 306-

310.


4. França DM, Senna-Fernandes V, Aguiar C, Amaral G, Oliveira R, Cortez C,

Bernardo- Filho M, Guimarães MA. Acupuntura na reabilitação da terceira

idade. Fisioterapia Brasil. 2006; 7(6): 433-439.


5. Vieira EB. Manual de gerontologia: um guia teórico-prático para profissionais,

cuidadores e familiares. 2º Ed. Rio de Janeiro, RJ: Revinter; 2004.


6. Pickles B, Ann C, Cott CA, Simpson JM, Vandervoort AA. Fisioterapia na

terceira idade. 2º Ed. São Paulo, SP: Santos; 2000.


7. Freitas Junior GC. Acura pela água: hidrocinesioterapia teoria e prática.

1ºEd. Rio de Janeiro, RJ: Rio; 2005.
27


8. Herédia VBM, Casara MB, Cortelletti IA, Ramalho MH, Sassi A, Borges MN.

A realidade de idosos institucionalizados. [acesso em 18 abr. 2010]. Disponível

em www.unati.uerj.br/tse/scielo.


9. Moragas RM. Gerontologia social: envelhecimento e qualidade de vida. 2º

Ed. São Paulo, SP: Paulinas; 2004.


10. Debert GG. IBGE: População de idosos deve chegar a 32 milhões até 2025

no     Brasil.    [acesso     em     21       abr.    2010].       Disponível     em

www.sindifarmajp.com.br/notícias.


11. Spirduso WW. Dimensões físicas do envelhecimento. 1º Ed. Barueri, SP:

Manole; 2005.


12. Pedrinelli A, Garcez-Leme LG, Nobre RS. O efeito da atividade física no

aparelho locomotor do idoso. Rev. Bras. Ortopedia. 2009 mar/abril.; 44(2): 96-

101.


13. Ferrantin AC, Borges CF, Morelli JG, Rebelatto JR. Qualidade da execução

de AVD’s em idosos institucionalizados e não-institucionalizados que

permaneciam sem sair de suas residências por mais de seis meses.

Fisioterapia Brasil. 2005; 6(5): 372-375.


14. Simoceli L, Bittar RMS, Bottino MA, Bento RF. Perfil do idoso portador de

desequilíbrio    corporal:   resultados     preliminares.   Rev.     Brasileira   de

Otorrinolaringologia [artigo on line]. 2003 [acesso em 22 mar. 2010]; 69(6): 772-

777. Disponível em www.scielo.br.
28


15. Cilento MBR, Nóbrega LAC, Campos Araujo AQ. Avaliação da eficácia de

protocolos de treinamento da atividade sentado para-de-pé em mulheres

idosas. Fisioterapia Brasil. 2005; 6(6): 412-418.


16. Mitsuichi ML, Jamussi SG, Martins EF. Intervenções fisioterapêuticas e

pedológicas nos pés de idosos podem proporcionar marcha mais segura.

Fisioterapia Brasil. jan,/fev.2005: 6(5).


17. Simpson JM. Instabilidade postural e tendência a quedas. In: Pickles B,

Ann C, Cott CA, Simpson JM, Vandervoort AA. Fisioterapia na terceira idade.

2º Ed. São Paulo, SP: Santos; 2000. p. 197-212.


18. Cunha MF, Lazzareschi L, Gantus MC, Suman MR, Silva A, Parizi AM,

Iqueuti MM. A influência da fisioterapia na prevenção na queda de idosos na

comunidade: estudo comparativo. [acesso em 18 abr. 2010]. Disponível em

http://cecemca.rc.unesp.br/ojs/indexphp/motriz/article/viewFile/2470/2429 .        Rev.

motriz Rio Claro; jul.set.2009:pg.527-536:15(3)


19. Pavan K, Letkaske F, Sakamoto T, Carvalho MM, Magangani BE, Nishino

LK.   Reabilitação    vestibular    em      pacientes   neurológicos.   Medicina    de

reabilitação. 2010; 29(2): 31-6.


20. Lorenço RA, Veras RP. Mini-exame do estado mental: características

psicométricas e idosos laboratoriais. Rev. Saúde Pública. 2006; 40(4): 712-9.


21. Carvalho JT, Rodrigues NM, Silva LV, Oliveira DA. Qualidade de vida das

mães de crianças e adolescentes com paralisia cerebral. Fisioterapia em

Movimento. 2010 jul/set; 23(3): 389-397.
29


22. Martins, MM. Qualidade de vida e capacidade para o trabalho dos

profissionais   em   enfermagem    no   trabalho   em    turnos.   [Dissertação].

Florianópolis: universidade federal de santa Catarina; 2002. 85 p. Mestrado em

engenharia de produção. [acesso em 20 de Nov 2010 ] disponível em :

http://www.nucidh.ufsc.br/tese/dissertação_marilu.pdf.


23. Cunha MC, Alonso AC, Silva TM, Raphael AC, Mota CF. Ai chi: efeitos do

relaxamento aquático no desempenho funcional e qualidade de vida em idosos.

Fisioterapia em movimento. 2010 jul/set.; 23(3): 409-417.


24. Benvegnu AB, Gomes LA, Souza CT, Cuadro TB, Pavão LW, Ávila SN.

Avaliação da medida de independência funcional de indivíduos com seqüelas

de acidente vascular encefálico (AVE). Ciência e saúde. 2008 jul/dez.; 1(2): 71-

77.


25. Ministério da saúde. Cadernos de atenção básica: envelhecimento e saúde

da pessoa idosa. Brasília; 2007


26. Riberto M, Miyazaki MH, Juca SSH, Sakamoto H, Potiguara P, Pinto N,

Battistella LR.Validação da versão brasileira da medida de independência

funcional. [acesso em 15 abr. 2010]. Disponível em www.actafisiatrica.org.br.


27. Cunha FC, Cintra MT, Cunha LC, Couto EA, Giacomin KC. Fatores que

predispõem ao declínio funcional em idosos hospitalizados. Rev. Bras. Geriatria

e Gerontologia. 2009; 12(3): 475-487.


28. Minosso JS, Amendola F, Alvarenga MR, Oliveira MA. Validação no Brasil,

do índice de Barthel em idosos atendidos em ambulatórios. Acta Paulista de

Enfermagem. 2010 mar/abril; 23(2): 281-23.
30


29. Silva AL, Valim LM, Nogueira KV, Veneziano LS. Avaliação da qualidade de

vida em idosos com base no questionário Whoqol-100. XIII Encontro Latino

Americano de Iniciação Científica (XIII INIC) e IX Encontro Latino Americano de

Pós-Graduação-Universidade do vale do Paraíba (IX EPG); Santa Fé do Sul,

SP. Fundação Municipal de Educação e Cultura de Santa Fé do Sul (FUNEC-

FISA); 2009: 5p. [disponível em:

http//www.unicepg.univap.br/cd/INIC_2009/anais/arquivos/RE_0794_0649_01.p

df.


30. Chepp CC. Estudo transversal da qualidade de vida através da escala

Whoqol-bref da população octogenária e nonagenária de Siderópolis. Criciúma:

Universidade do extremo sul catarinense; 2006. 152p. Trabalho de conclusão

de curso de medicina.[ acesso em 20 Nov. 2010 : ] disponível em:

http//www.200.18.15.7/medicina/tcc/2006_2/2006_2_t54.pdf.


31. Gordia AP, Quadros TM, Souza EA, Moraes TB, Junior PK, Campos W.

Comparação da qualidade de vida de mulheres idosas praticantes e não

praticantes de exercício físico. Rev.Digital Bueno Aires. [artigo online]. 2007

mar.      [acesso      em    21   Nov.   2010:];   ano11,   n106.   Disponível   em:

http://www.efdeports.com/efd106/mulheres-idosas-praticantes-de-exercicio-

fisico.htm.


32. Prado RA, Teixeira AL, Langa CJ, Egydio PR, Izzo P. A influência dos

exercícios resistidos no equilíbrio, mobilidade funcional e na qualidade de vida

em idosas. O mundo da saúde, SP. [artigo online]. 2010 [acesso em 21 Nov.

2010:];       34(2):        183-191.     Disponível   em:     http://www.saocamilo-

sp.br/pdf/mundo_saude/75/183a191.pdf.
31


33. Farenzena WP, Argeman IL, Moriguchi E, Portuguez MV. Qualidade de vida

em grupo de idosos de Veranópolis. Rev. Kairós. [ artigo online]. 2007dez.

[acesso    em    22    Nov.    2010:];    10(2):   225-243.        Disponível   em:

http://revista.pucsp.br/index.php/carlos/article/view/2600/1654.


34. Cieslak F, Elsangedy HM, Krinski K, Vitorino DC, Junior GB, Leite N.

Estudo da qualidade de vida de mulheres idosas participantes do programa da

universidade aberta á terceira idade na cidade de Ponta Grossa-PR. Rev.

Digital Bueno Aires. [artigo online]. 2007 out. [acesso em 22 Nov. 2010]; ano

12,n º 113. Disponível em:

http://www.efdeports.com/efd113/estudo_da_qualidade_de_vida_de_mulheres_

idosas.htm.


35. Vecchia RD, Ruiz T, Bacchi SC, Corrente JE. Qualidade de vida na terceira

idade: um conceito subjetivo. Rev. Bras. Epidemiologia. 2005 set.; 8(3): 246-

252.


36. Cordeiro RC, Dias RC, Dias JM, Perracini M, Ramos LR. Concordância

entre observadores de um protocolo de avaliação fisioterapêutica e idosas

institucionalizadas. Rev. de Fisioterapia da universidade de São Paulo. 2002; 9:

69-77.


37. Rigolin VOS. Avaliação clínico-funcional de idosos hospitalizados.

[Dissertação]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 2001.
32




APÊNDICE
33


                                    APÊNDICE 1

                              FICHA DE AVALIAÇÃO

DADOS PESSOAIS:
Nome:__________________________________________________________
Data de nascimento:______________Idade:____________Sexo:___________
Faz Fisioterapia: ( ) sim ( ) não    Quantos dias na semana:_____Horário:____
HÁBITOS DE VIDAS:

Tabagismo: ( ) sim ( ) não ( ) ex-fumante ( ) passivo

_______________________________________________________________

Etilismo: ( ) sim ( ) não ( ) ex-etilista

_______________________________________________________________

Atividade Física: ( ) sim ( ) não

_____________________________________________________________

ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA:

Independente:____________________________________________________
_______________________________________________________________

Dependente: ____________________________________________________

_______________________________________________________________

Qual a sua maior dificuldade?_______________________________________

MONITORIZAÇÃO:

FC:_________        FR:________        PA:_______

PATOLOGIAS:

Diabetes: ( ) sim ( ) não

Hipertensão: ( ) sim ( ) não

Cardíacos: ( ) sim ( ) não __________________________________________

Respiratórios: ( ) sim ( ) não _______________________________________

Neurológicos: ( ) sim ( ) não ________________________________________
Acadêmica________________________________ Data da avaliação_______
34




ANEXOS
35


ANEXO 1
36


                                       ANEXO 2

          TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

      Você está sendo convidados (a) a participar, como voluntário (a), da
pesquisa INFLUÊNCIA DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE
IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS, no caso de você concordar em participar,
favor assinar ao final do documento.

      Sua participação não é obrigatória, e, a qualquer momento, você poderá
desistir de participar e retirar seu consentimento. Sua recusa não trará nenhum
prejuízo em sua relação com a pesquisadora ou com sua instituição.

      Você receberá uma cópia deste termo onde consta o telefone e
endereço da pesquisadora principal, podendo tirar dúvidas do projeto e de sua
participação.

TÍTULO DA PESQUISA: Influência da fisioterapia na qualidade de vida de
idosos institucionalizados.

PESQUISADOR (A) RESPONSÁVEL: Maria Odette Nassif do Val

ENDEREÇO: Avenida Paraná

TELEFONE: 04530283232

PESQUISADORES PARTICIPANTES: Claudia Márcia Satyro Bernardino,
Maria Regiane Veloso, Renata Francielly Domann Bucoski.

OBJETIVOS: Melhorar a qualidade de vida dos idosos, através de um circuito
de exercícios fisioterapêuticos

JUSTIFICATIVA: A realização desta pesquisa visa buscar uma forma de
tratamento fisioterapêutico acessível com a finalidade de melhorar a qualidade
de vida do idoso institucionalizado.

PROCEDIMENTOS DO ESTUDO: Você participará de um grupo composto por
20 participantes de ambos os sexos, com faixa etária entre 60 e 100 anos.
Você passará por uma avaliação individual com um dos avaliadores,
respondendo a ficha de avaliação, o questionário de qualidade de vida e a
37


escala de medida de independência funcional. Os atendimentos serão
realizados no lar do velinhos, no período matutino, três vezes semanais, com
duração de 2 horas cada. O procedimento realizado será um circuito de
exercícios    simples     supervisionado   e    orientado   pelas   pesquisadoras
participantes do projeto.

RISCOS: Desequilíbrios, torções no tornozelo, quedas, aumento da pressão
arterial.

DESCONFORTOS: Dispnéia, fadiga muscular, frustrações por não conseguir
realizar os exercícios, tonturas.

Em caso de apresentar algum risco ou desconforto imediatamente será
suspendido o atendimento e será realizado encaminhamento ao setor médico
da Unidade de Saúde do Morumbi I (conforme convênio Institucional),
localizado na Avenida Mário Filho s/n.

BENEFÍCIOS: Oferecer tratamento fisioterapêutico acessível às instituições
auxiliando a melhora da qualidade de vida durante o processo de
envelhecimento        e   promover   uma       maior   independência   ao   idoso
institucionalizado.

CUSTO/REEMBOLSO PARA O PARTICIPANTE: Não haverá nenhum gasto
com sua participação. Não será feito nenhuma cobrança com o que será
realizado. Você não receberá nenhum pagamento pela sua participação.

CONFIDENCIALIDADE DA PESQUISA: Será garantido o sigilo da sua
identidade.

Assinatura do pesquisador responsável:

________________________________

Eu,_______________________________________________________,

Declaro que li as informações contidas nesse documento, fui devidamente
informado (a) pela pesquisadora MARIA ODETTE NASSIF DO VAL E/OU
CLAUDIA MARCIA SATYRO BERNARDINO, MARIA REGIANE VELOSO,
RENATA FRANCIELLY DOMANN BUCOSKI dos procedimentos que serão
38


utilizados, riscos e desconfortos, benefícios, custo/reembolso dos participantes,
confidencialidade da pesquisa, concordando ainda em participar da pesquisa.

Foi-me garantido que posso retirar o consentimento a qualquer momento, sem
qualquer         penalidade         ou        interrupção         de        meu
acompanhamento/assistência/tratamento. Declaro ainda que recebi uma cópia
desse Termo de Consentimento.

Poderei consultar o pesquisador responsável (acima identificado) ou o
CEP/FAG, com endereço na Faculdade Assis Gurgacz, AV. das Torres, 500,
Cep 858807-030, Fone (45) 33213871, no e-mail: comitedeetica@fag.edu.br
sempre que entender necessário obter informações ou esclarecimento sobre o
projeto de pesquisa e minha participação no mesmo.

Os resultados obtidos durante este estudo serão mantidos em sigilo, mas
concordo que sejam divulgados em publicação científicas, desde que meus
dados pessoais não sejam mencionados.

Foz do Iguaçu,____/_____/______

NOME E ASSINATURA DO SUJEITO OU RESPONSÁVEL

___________________________                     ____________________

( Nome por extenso)                               ( Assinatura)

Presenciamos a solicitação de consentimento, esclarecimentos sobre a
pesquisa e aceite do sujeito em participar.

Testemunhas (não ligadas à equipe de pesquisadoras):

Nome:

___________________________________Assinatura:_____________

Nome:

___________________________________Assinatura:_____________
39


                                      ANEXO 3

                           Mini Exame do Estado Mental

                       Orientação temporal                             Pontos Escorre

Que dia é hoje?                                                        1

Em que mês estamos?                                                    1

Em que ano estamos?                                                    1

Em que dia da semana estamos?                                          1

Qual a hora aproximada? Considere a variação de ± 1 hora               1

                       Orientação espacial

Em que local estamos? Consultório, dormitório, sala- apontando         1
para o chão

Que local é este aqui? Apontando ao redor num sentido mais             1
amplo: hospital, própria casa, casa de repouso

Em que bairro estamos ou qual o nome de uma rua próxima?               1

Em que cidade nós estamos?                                             1

Em que estado nós estamos?                                             1

                        Memória imediata

Eu vou dizer três palavras e você vai repeti-las a seguir: carro,      3
vaso, tijolo, 01 ponto para cada palavra certa, embora posso repetir
3 x para o aprendizado se houver erros

                             Cálculos

Subtração de setes seriadamente 100-7, 93-7, 86-7, 79-7, 72-7          5

01 ponto para cada resultado correto. Se houver erro, corrija-o e
prossiga. Considere correto se a pessoa espontaneamente se
autocorrigir (OBS**)

                      Evocação de palavras

Quais as palavras que você acabou de repetir? 01 ponto para cada       3
uma

                            Nomeação

Que objeto é este? Peça para nomear os objetos mostrados(              2
relógio, caneta). 01 ponto para cada
40


                            Repetição

Preste atenção: vou lhe dizer uma frase e quero que você repita: “   1
nem aqui, nem ali, nem lá”. Considere somente se a repetição for
perfeita (01)

                            Comando

Pegue este papel com sua mão direita ( 01 ponto), dobre-o ao         3
meio (01 ponto) e coloque-o no chão (01 pontos)

                             Leitura

Mostre a frase escrita: “ feche os olhos” e peça para o individuo    1
fazer o que esta mandando. Não auxilie se pedir ajuda ou se só ler
a frase sem realizar o comando

                              Frase

Peça para escrever uma frase. Se não compreender o significado,      1
ajude com: alguma frase que tenha começo, meio e fim, alguma
coisa que aconteceu hoje, alguma coisa que não queira dizer. Não
considere erros gramaticais ou ortográficos

                       Cópia do desenho

Mostre o modelo e peça para fazer uma copia o melhor possível,       1
considere apenas se houver 2 pentágonos interseccionados (10
ângulos) formando uma figura de 4 lados ou com 2 ângulos (01
ponto)

TOTAL                                                                30

** Soletrar a palavra MUNDO de trás pra frente( 01 ponto para cada letra na posição
correta)
41


                                           ANEXO 4

                            QUESTIONÁRIO WHOQOL- BREF

 POR FAVOR, LEIA CADA QUESTÃO, VEJA O QUE VC ACHA E CIRCULE
        NO NUMERO, QUE PARECE A MELHOR RESPOSTA

1-Como você avaliaria sua qualidade de vida?

Muito ruim           Ruim              Nem ruim nem boa            Boa           Muito boa

   ( )1              ( )2                   ( )3                   ()4            ( )5

2-Quão satisfeito (a) você está com a sua saúde?

Muito insatisfeito          Insatisfeito       Nem satisfeito nem insatisfeito

          ( )1                 ( )2                         ( )3

Satisfeito                  Muito Satisfeito

  ( )4                          ( )5

As questões seguintes são sobre o quanto você tem sentido algumas coisas
nas ultimas semanas.

3- Em que medida você acha que sua dor (física) impede você de fazer o que
você precisa?

Nada             Muito pouco           Mais ou menos        Bastante     Extremamente

( )1               ( )2                    ( )3                ( )4              ( )5

4- O quanto você precisa de algum tratamento médico para levar a sua vida
diária?

Nada             Muito pouco           Mais ou menos        Bastante     Extremamente

( )1               ( )2                    ( )3                ( )4              ( )5

5- O quanto você aproveita a vida?

Nada             Muito pouco           Mais ou menos        Bastante     Extremamente

( )1               ( )2                    ( )3                ( )4              ( )5




6- Em que medida você acha que a sua vida tem sentido?

Nada             Muito pouco           Mais ou menos        Bastante     Extremamente
42


( )1           ( )2                ( )3                 ( )4          ( )5

7- O quanto você consegue se concentrar?

Nada        Muito pouco       Mais ou menos         Bastante    Extremamente

( )1           ( )2                ( )3                 ( )4          ( )5

8- Quão seguro(a) você se sente em sua vida diária?

Nada        Muito pouco       Mais ou menos         Bastante    Extremamente

( )1           ( )2                ( )3                 ( )4          ( )5

9- Quão saudável é o seu ambiente físico (clima, barulho, poluição, atrativos)?

Nada        Muito pouco       Mais ou menos         Bastante    Extremamente

( )1           ( )2                ( )3                 ( )4          ( )5

As questões a seguintes perguntam sobre quão completamente você tem
sentido ou é capaz de fazer coisas nesta ultimas semanas.

10- Você tem energia o suficiente para seu dia-a-dia?

Nada          Muito pouco         Médio             Muito      completamente

 ( )1                 ( )2          ( )3             ( )4            ( )5

11- Você é capaz de aceitar sua aparência física?

Nada          Muito pouco         Médio             Muito      completamente

 ( )1                 ( )2          ( )3             ( )4            ( )5

12– Você tem dinheiro suficiente para satisfazer suas necessidades?

Nada          Muito pouco         Médio             Muito      completamente

 ( )1                 ( )2          ( )3             ( )4            ( )5




13- Quão disponíveis para você estão as informações que precisa no seu dia-
a- dia?

Nada          Muito pouco         Médio             Muito      completamente

 ( )1                 ( )2          ( )3             ( )4            ( )5

14- Em que medida você tem oportunidades de atividade de lazer?
43


Nada           Muito pouco             Médio         Muito        completamente

 ( )1                 ( )2              ( )3          ( )4               ( )5

As questões seguintes perguntam sobre quão bem ou satisfeito você sentiu a
respeito de vários aspectos de sua vida nas últimas duas semanas.

15-Quão bem você é capaz de se locomover ?

Muito ruim           Ruim           Nem ruim e nem bom        Bom        Muito bom

  ( )1               ( )2                ( )3                  ( )4        ( )5

16-Quão satisfeito (a) você esta com seu sono?

Muito insatisfeito      Insatisfeito     Nem satisfeito nem satisfeito    satisfeito

   ( )1                      ( )2                   ( )3                        ( )4

Muito satisfeito

   ( )5

17- Quão satisfeito ( a) você esta com sua capacidade de desempenhar as
atividades do seu dia-a-dia?

Muito insatisfeito      Insatisfeito     Nem satisfeito nem satisfeito    satisfeito

   ( )1                      ( )2                   ( )3                        ( )4

Muito satisfeito

   ( )5

18- Quão satisfeito (a) você esta com sua capacidade para o trabalho?

Muito insatisfeito      Insatisfeito     Nem satisfeito nem satisfeito    satisfeito

   ( )1                      ( )2                    ( )3                         ( )4

Muito satisfeito

   ( )5

19- Quão satisfeito(a) você esta consigo mesmo?

Muito insatisfeito      Insatisfeito     Nem satisfeito nem satisfeito    satisfeito

   ( )1                       ( )2                    ( )3                        ( )4

Muito satisfeito

   ( )5
44


20- Quão satisfeito (a) você está com suas relações pessoais( amigos,
parentes, conhecidos, colegas)?

Muito insatisfeito    Insatisfeito   Nem satisfeito nem satisfeito   satisfeito

   ( )1                    ( )2                  ( )3                     ( )4

Muito satisfeito

   ( )5

21- Quão Satisfeito (a) você está com sua vida sexual?

Muito insatisfeito    Insatisfeito   Nem satisfeito nem satisfeito   satisfeito

   ( )1                   ( )2                  ( )3                     ( )4

Muito satisfeito

   ( )5

22- Quão satisfeito (a) você está com o apoio que você recebe de seus
amigos?

Muito insatisfeito    Insatisfeito   Nem satisfeito nem satisfeito   satisfeito

   ( )1                   ( )2                  ( )3                     ( )4

Muito satisfeito

   ( )5

23- Quão satisfeito (a) você esta com as condições do local onde mora?

Muito insatisfeito    Insatisfeito   Nem satisfeito nem satisfeito   satisfeito

   ( )1                 ( )2                  ( )3                      ( )4

Muito satisfeito

   ( )5

24- Quão satisfeito (a) você esta com o acesso aos serviços da saúde?

Muito insatisfeito    Insatisfeito   Nem satisfeito nem satisfeito   satisfeito

   ( )1                 ( )2                    ( )3                     ( )4

Muito satisfeito

   ( )5

25- Quão satisfeito (a) você está com o meio de transporte?
45


Muito insatisfeito    Insatisfeito     Nem satisfeito nem satisfeito   satisfeito

   ( )1                 ( )2                      ( )3                     ( )4

Muito satisfeito

   ( )5

As questões seguintes referem-se a com que freqüência você sentiu ou
experimentou certas coisas nas ultimas duas semanas.

26- Com que freqüência você tem sentimentos negativos tais como mau
humor, desespero, ansiedade, depressão?

Nunca      Algumas vezes       Freqüentemente     Muito freqüentemente
Sempre

  ( )1         ( )2                  ( )3                  ( )4
( )5

Alguém lhe ajudou a preencher este questionário?

Quanto tempo você levou para preencher este questionário?

Você tem algum comentário sobre o questionário?
46


                                   ANEXO 5

         ESCALA DE MEDIDA DA INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL (MIF)

          7 Independência completa (em segurança, em Sem
          tempo normal)

          6 Independência modificada (ajuda técnica)   Ajuda

          Dependência modificada

          5 Supervisão

Níveis    4 Ajuda Mínima (indivíduo >= 75%)

          3 Ajuda Moderada (indivíduo >= 50%)          Ajuda

          2 Ajuda Máxima (indivíduo >= 25%)

          1 Ajuda Total (indivíduo >= 0%)


Acompanhamento
                                                               Avaliações

Data                                                            /   /

Auto-Cuidados

A. Alimentação

B. Higiene pessoal

C. Banho (lavar o corpo)

D. Vestir metade superior

E. Vestir metade inferior

F. Utilização do vaso sanitário

Controle de Esfíncteres

G. Controle da Urina

H. Controle das Fezes

Mobilidade

Transferências
47


I. Leito, cadeira, cadeira de rodas

J. Vaso sanitário

K. Banheira, chuveiro

Locomoção

L. Marcha / cadeira de rodas          M

                                      C

M. Escadas

Comunicação

N. Compreensão                        A
                                      V


O. Expressão                          V
                                      N
Cognição Social

P. Interação Social

Q. Resolução de problemas

R. Memória

Total

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

511475 cristina-cairo-linguagem-do-corpo-2 beleza-e-saude-pdfrev
511475 cristina-cairo-linguagem-do-corpo-2 beleza-e-saude-pdfrev511475 cristina-cairo-linguagem-do-corpo-2 beleza-e-saude-pdfrev
511475 cristina-cairo-linguagem-do-corpo-2 beleza-e-saude-pdfrev
saioborba
 
Síndrome de sotos claudia quadros fagali
Síndrome de sotos claudia quadros fagaliSíndrome de sotos claudia quadros fagali
Síndrome de sotos claudia quadros fagali
Caminhos do Autismo
 
Tese karin%20 eleonora%20savio%20de%20oliveira
Tese karin%20 eleonora%20savio%20de%20oliveiraTese karin%20 eleonora%20savio%20de%20oliveira
Tese karin%20 eleonora%20savio%20de%20oliveira
Antonio Jorge M. Malvar
 

Mais procurados (10)

Corrente interferencial
Corrente interferencialCorrente interferencial
Corrente interferencial
 
Tese de doutorado versaofinal2
Tese de doutorado versaofinal2Tese de doutorado versaofinal2
Tese de doutorado versaofinal2
 
Resgate da Alegria de Viver na Melhor Idade | Por Kátia D'Almeida Campos
Resgate da Alegria de Viver na Melhor Idade | Por Kátia D'Almeida CamposResgate da Alegria de Viver na Melhor Idade | Por Kátia D'Almeida Campos
Resgate da Alegria de Viver na Melhor Idade | Por Kátia D'Almeida Campos
 
Sob o olhar repousa o infinito e o movimento do universo | Marcos Santarossa
Sob o olhar repousa o infinito e o movimento do universo | Marcos SantarossaSob o olhar repousa o infinito e o movimento do universo | Marcos Santarossa
Sob o olhar repousa o infinito e o movimento do universo | Marcos Santarossa
 
Biodanza | Luciana Tavares
Biodanza | Luciana TavaresBiodanza | Luciana Tavares
Biodanza | Luciana Tavares
 
511475 cristina-cairo-linguagem-do-corpo-2 beleza-e-saude-pdfrev
511475 cristina-cairo-linguagem-do-corpo-2 beleza-e-saude-pdfrev511475 cristina-cairo-linguagem-do-corpo-2 beleza-e-saude-pdfrev
511475 cristina-cairo-linguagem-do-corpo-2 beleza-e-saude-pdfrev
 
Biodanza: Instrumento de Transformação Social | Por Anna Rosaura Trancoso e L...
Biodanza: Instrumento de Transformação Social | Por Anna Rosaura Trancoso e L...Biodanza: Instrumento de Transformação Social | Por Anna Rosaura Trancoso e L...
Biodanza: Instrumento de Transformação Social | Por Anna Rosaura Trancoso e L...
 
Síndrome de sotos claudia quadros fagali
Síndrome de sotos claudia quadros fagaliSíndrome de sotos claudia quadros fagali
Síndrome de sotos claudia quadros fagali
 
Tese karin%20 eleonora%20savio%20de%20oliveira
Tese karin%20 eleonora%20savio%20de%20oliveiraTese karin%20 eleonora%20savio%20de%20oliveira
Tese karin%20 eleonora%20savio%20de%20oliveira
 
ulfc096309_tm_Ana_Catarina_Guerreiro
ulfc096309_tm_Ana_Catarina_Guerreiroulfc096309_tm_Ana_Catarina_Guerreiro
ulfc096309_tm_Ana_Catarina_Guerreiro
 

Destaque (10)

Proposta de protocolo de tratamento para
Proposta de protocolo de tratamento paraProposta de protocolo de tratamento para
Proposta de protocolo de tratamento para
 
Ficha de Anamnese
Ficha de AnamneseFicha de Anamnese
Ficha de Anamnese
 
232 habilidades visuais pareamento de cores, formas e letras do alfabeto
232 habilidades visuais pareamento de cores, formas e letras do alfabeto232 habilidades visuais pareamento de cores, formas e letras do alfabeto
232 habilidades visuais pareamento de cores, formas e letras do alfabeto
 
Formulario ingresso scfv
Formulario ingresso scfvFormulario ingresso scfv
Formulario ingresso scfv
 
COMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOSCOMO FAZER RELATÓRIOS
COMO FAZER RELATÓRIOS
 
Modelo de encaminhamento
Modelo de encaminhamentoModelo de encaminhamento
Modelo de encaminhamento
 
Pinturas Tânia Mara
Pinturas Tânia MaraPinturas Tânia Mara
Pinturas Tânia Mara
 
Modelos relatorios
Modelos relatoriosModelos relatorios
Modelos relatorios
 
Modelo relatório individual
Modelo relatório individualModelo relatório individual
Modelo relatório individual
 
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regularRelatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
 

Semelhante a A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qualidade de vida de idosos institucionalizados

Doutorado reiki-qualidade-de-vida-e-estresse
Doutorado reiki-qualidade-de-vida-e-estresseDoutorado reiki-qualidade-de-vida-e-estresse
Doutorado reiki-qualidade-de-vida-e-estresse
Robert Wagner
 
Cap 14 efeito agudo da liberacao das fascias ref 12 13
Cap 14 efeito agudo da liberacao das fascias ref 12 13Cap 14 efeito agudo da liberacao das fascias ref 12 13
Cap 14 efeito agudo da liberacao das fascias ref 12 13
Jp16lp
 
NO LIMITE DA VAIDADE FEMININA: O culto ao corpo e suas representações
NO LIMITE DA VAIDADE FEMININA: O culto ao corpo e suas representaçõesNO LIMITE DA VAIDADE FEMININA: O culto ao corpo e suas representações
NO LIMITE DA VAIDADE FEMININA: O culto ao corpo e suas representações
Dani Goedert
 
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdf
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdfObesidade e o uso de anorexígenos.pdf
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdf
Giovanni Oliveira
 
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdf
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdfObesidade e o uso de anorexígenos.pdf
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdf
TCC_FARMACIA_FEF
 
Aline Tarraga e Jéssica Sogumo
Aline Tarraga e Jéssica SogumoAline Tarraga e Jéssica Sogumo
Aline Tarraga e Jéssica Sogumo
Aline Tarraga
 
Dança na vida do idoso
Dança na vida do idosoDança na vida do idoso
Dança na vida do idoso
Jose Silva
 
Politicas publicas de_saude_e_redes_de_atencao_a_saude_e_nutricao
Politicas publicas de_saude_e_redes_de_atencao_a_saude_e_nutricaoPoliticas publicas de_saude_e_redes_de_atencao_a_saude_e_nutricao
Politicas publicas de_saude_e_redes_de_atencao_a_saude_e_nutricao
Yanna Jéssica
 
Cristina cairolinguagemdocorpo2belezaesade
Cristina cairolinguagemdocorpo2belezaesadeCristina cairolinguagemdocorpo2belezaesade
Cristina cairolinguagemdocorpo2belezaesade
Glaciane Betiollo
 
Diego emanuel gobbo
Diego emanuel gobboDiego emanuel gobbo
Diego emanuel gobbo
catjust
 
A resiliência no gerenciamento de enfermagem em oncologia resiliência
A resiliência no gerenciamento de enfermagem em oncologia resiliênciaA resiliência no gerenciamento de enfermagem em oncologia resiliência
A resiliência no gerenciamento de enfermagem em oncologia resiliência
Sebastião Carlos Ferreira
 
Fatores que influenciam no envelhecimento cutâneo mulheres na faixa etária de...
Fatores que influenciam no envelhecimento cutâneo mulheres na faixa etária de...Fatores que influenciam no envelhecimento cutâneo mulheres na faixa etária de...
Fatores que influenciam no envelhecimento cutâneo mulheres na faixa etária de...
TCC_FARMACIA_FEF
 
Fatores que influenciam no envelhecimento cutâneo mulheres na faixa etária de...
Fatores que influenciam no envelhecimento cutâneo mulheres na faixa etária de...Fatores que influenciam no envelhecimento cutâneo mulheres na faixa etária de...
Fatores que influenciam no envelhecimento cutâneo mulheres na faixa etária de...
Giovanni Oliveira
 

Semelhante a A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qualidade de vida de idosos institucionalizados (20)

Trabalho final.docx
Trabalho final.docxTrabalho final.docx
Trabalho final.docx
 
Doutorado reiki-qualidade-de-vida-e-estresse
Doutorado reiki-qualidade-de-vida-e-estresseDoutorado reiki-qualidade-de-vida-e-estresse
Doutorado reiki-qualidade-de-vida-e-estresse
 
Cap 14 efeito agudo da liberacao das fascias ref 12 13
Cap 14 efeito agudo da liberacao das fascias ref 12 13Cap 14 efeito agudo da liberacao das fascias ref 12 13
Cap 14 efeito agudo da liberacao das fascias ref 12 13
 
Formação de Um Grupo de Biodanza: Dificuldades e Facilidades | Por Daisy Brox...
Formação de Um Grupo de Biodanza: Dificuldades e Facilidades | Por Daisy Brox...Formação de Um Grupo de Biodanza: Dificuldades e Facilidades | Por Daisy Brox...
Formação de Um Grupo de Biodanza: Dificuldades e Facilidades | Por Daisy Brox...
 
NO LIMITE DA VAIDADE FEMININA: O culto ao corpo e suas representações
NO LIMITE DA VAIDADE FEMININA: O culto ao corpo e suas representaçõesNO LIMITE DA VAIDADE FEMININA: O culto ao corpo e suas representações
NO LIMITE DA VAIDADE FEMININA: O culto ao corpo e suas representações
 
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdf
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdfObesidade e o uso de anorexígenos.pdf
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdf
 
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdf
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdfObesidade e o uso de anorexígenos.pdf
Obesidade e o uso de anorexígenos.pdf
 
Tcc luclecia impressão_final
Tcc luclecia impressão_finalTcc luclecia impressão_final
Tcc luclecia impressão_final
 
Aline Tarraga e Jéssica Sogumo
Aline Tarraga e Jéssica SogumoAline Tarraga e Jéssica Sogumo
Aline Tarraga e Jéssica Sogumo
 
Diss vsp
Diss vspDiss vsp
Diss vsp
 
Dança na vida do idoso
Dança na vida do idosoDança na vida do idoso
Dança na vida do idoso
 
Avaliaçao bateria.pdf
Avaliaçao bateria.pdfAvaliaçao bateria.pdf
Avaliaçao bateria.pdf
 
Politicas publicas de_saude_e_redes_de_atencao_a_saude_e_nutricao
Politicas publicas de_saude_e_redes_de_atencao_a_saude_e_nutricaoPoliticas publicas de_saude_e_redes_de_atencao_a_saude_e_nutricao
Politicas publicas de_saude_e_redes_de_atencao_a_saude_e_nutricao
 
Obesidade em pauta
Obesidade em pautaObesidade em pauta
Obesidade em pauta
 
Obesidade em pauta
Obesidade em pautaObesidade em pauta
Obesidade em pauta
 
Cristina cairolinguagemdocorpo2belezaesade
Cristina cairolinguagemdocorpo2belezaesadeCristina cairolinguagemdocorpo2belezaesade
Cristina cairolinguagemdocorpo2belezaesade
 
Diego emanuel gobbo
Diego emanuel gobboDiego emanuel gobbo
Diego emanuel gobbo
 
A resiliência no gerenciamento de enfermagem em oncologia resiliência
A resiliência no gerenciamento de enfermagem em oncologia resiliênciaA resiliência no gerenciamento de enfermagem em oncologia resiliência
A resiliência no gerenciamento de enfermagem em oncologia resiliência
 
Fatores que influenciam no envelhecimento cutâneo mulheres na faixa etária de...
Fatores que influenciam no envelhecimento cutâneo mulheres na faixa etária de...Fatores que influenciam no envelhecimento cutâneo mulheres na faixa etária de...
Fatores que influenciam no envelhecimento cutâneo mulheres na faixa etária de...
 
Fatores que influenciam no envelhecimento cutâneo mulheres na faixa etária de...
Fatores que influenciam no envelhecimento cutâneo mulheres na faixa etária de...Fatores que influenciam no envelhecimento cutâneo mulheres na faixa etária de...
Fatores que influenciam no envelhecimento cutâneo mulheres na faixa etária de...
 

Mais de Faculdade Anglo-Americano

Mobilização neural como tratamento da dor em pacientes
Mobilização neural como tratamento da dor em pacientesMobilização neural como tratamento da dor em pacientes
Mobilização neural como tratamento da dor em pacientes
Faculdade Anglo-Americano
 
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de riscoAvaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Faculdade Anglo-Americano
 
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...
Faculdade Anglo-Americano
 
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Faculdade Anglo-Americano
 
Comportamento da pressão arterial e do vo2 max
Comportamento da pressão arterial e do vo2 maxComportamento da pressão arterial e do vo2 max
Comportamento da pressão arterial e do vo2 max
Faculdade Anglo-Americano
 
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Faculdade Anglo-Americano
 
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de riscoAvaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Faculdade Anglo-Americano
 
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombroProposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Faculdade Anglo-Americano
 
Levantamento de requisitos para automacao de controle de museu
Levantamento de requisitos para automacao de controle de museuLevantamento de requisitos para automacao de controle de museu
Levantamento de requisitos para automacao de controle de museu
Faculdade Anglo-Americano
 
Desenvolvimento de software de simulacao de aprendizagem
Desenvolvimento de software de simulacao de aprendizagemDesenvolvimento de software de simulacao de aprendizagem
Desenvolvimento de software de simulacao de aprendizagem
Faculdade Anglo-Americano
 

Mais de Faculdade Anglo-Americano (20)

Convitepti
ConviteptiConvitepti
Convitepti
 
Julho
JulhoJulho
Julho
 
Junho
JunhoJunho
Junho
 
Maio
MaioMaio
Maio
 
Maio
MaioMaio
Maio
 
Abril
AbrilAbril
Abril
 
Março
MarçoMarço
Março
 
Projeto paciente virtual_by_daniel4
Projeto paciente virtual_by_daniel4Projeto paciente virtual_by_daniel4
Projeto paciente virtual_by_daniel4
 
Mobilização neural como tratamento da dor em pacientes
Mobilização neural como tratamento da dor em pacientesMobilização neural como tratamento da dor em pacientes
Mobilização neural como tratamento da dor em pacientes
 
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de riscoAvaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
 
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...
A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qu...
 
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
 
Comportamento da pressão arterial e do vo2 max
Comportamento da pressão arterial e do vo2 maxComportamento da pressão arterial e do vo2 max
Comportamento da pressão arterial e do vo2 max
 
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
Avaliação da qualidade de vida e do índice de capacidade locomotora dos amput...
 
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de riscoAvaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
Avaliação da capacidade funcional em idosos com fatores de risco
 
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombroProposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
Proposta de protocolo de tratamento para tendinopatias do ombro
 
Anais 2010 FAA
Anais 2010 FAAAnais 2010 FAA
Anais 2010 FAA
 
Levantamento de requisitos para automacao de controle de museu
Levantamento de requisitos para automacao de controle de museuLevantamento de requisitos para automacao de controle de museu
Levantamento de requisitos para automacao de controle de museu
 
Desenvolvimento de software de simulacao de aprendizagem
Desenvolvimento de software de simulacao de aprendizagemDesenvolvimento de software de simulacao de aprendizagem
Desenvolvimento de software de simulacao de aprendizagem
 
Ferramenta web para processamento de sinais
Ferramenta web para processamento de sinaisFerramenta web para processamento de sinais
Ferramenta web para processamento de sinais
 

A influência de um protocolo de exercícios na independência funcional e na qualidade de vida de idosos institucionalizados

  • 1. FACULDADES ANGLO- AMERICANO – FAA CURSO DE FISIOTERAPIA A INFLUÊNCIA DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS NA INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL E NA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS CLAUDIA MÁRCIA SATYRO BERNARDINO MARIA REGIANE VELOSO RENATA FRANCIELLY DOMANN BUCOSKI FOZ DO IGUAÇU 2010
  • 2. FACULDADES ANGLO- AMERICANO – FAA CURSO DE FISIOTERAPIA CLAUDIA MÁRCIA SATYRO BERNARDINO MARIA REGIANE VELOSO RENATA FRANCIELLY DOMANN BUCOSKI A INFLUÊNCIA DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS NA INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL E NA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS FOZ DO IGUAÇU 2010
  • 3. CLAUDIA MÁRCIA SATYRO BERNARDINO MARIA REGIANE VELOSO RENATA FRANCIELLY DOMANN BUCOSKI A INFLUÊNCIA DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS NA INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL E NA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Curso de Fisioterapia da Faculdade Anglo- Americano como requisito parcial para obtenção do título de Fisioterapeuta sob a orientação da Prof. Maria Odette Nassif do Val. FOZ DO IGUAÇU 2010
  • 4.
  • 5. Durante este trabalho... As dificuldades não foram poucas.... Os desafios foram muitos... Os obstáculos, muitas vezes, pareciam intransponíveis. Muitas vezes nos sentimos sós, e, assim, o estivemos... O desânimo quis contagiar, porém, a garra e a tenacidade foram mais fortes, sobrepondo esse sentimento, fazendo-nos seguir a caminhada, apesar da sinuosidade do caminho. Agora, ao olhamos para trás, a sensação do dever cumprido se faz presente e podemos constatar que as noites de sono perdidas, as viagens e visitas realizadas; o cansaço dos encontros, os longos tempos de leitura, digitação, discussão: a ansiedade em querer fazer e a angústia de muitas vezes não conseguir, por problemas estruturais; não foram em vão. Aqui estamos, como sobreviventes de uma longa batalha, porém, muito mais forte e hábeis, com coragem suficiente para mudar a nossa postura. “ A coisa mais feliz a se fazer é ser útil aos demai, tentando ultrapassar o maior obstáculos que é o medo, ocupando-se da distração mais bela que é o trabalho, seguido pelo caminho mais rápido que é o correto, para no final ter a maior satisfação de dever cumprido”. ( Madre Tereza de Calcutá)
  • 6. AGRADECIMENTOS Agradecemos a Deus que sempre está no controle de tudo, nos proporcionou a coragem e determinação para iniciar e continuar esta jornada. A Professora Maria Odette Nassif do Val pela orientação e por toda dedicação, confiança,carinho e amizade. Aos voluntários do Lar dos Velhinhos e a todos que de forma direta ou indiretamente colaboraram para a realização da pesquisa. Sem eles seria inviável este trabalho, Obrigado pelo tempo despendido e confiança. Às nossas famílias a quem devemos nossa educação e caráter, pela perseverança com que sempre acreditaram e nos incentivaram neste período tão importante de nossa formação. E aos amigos que estiveram sempre presentes. Ao meu querido esposo Ronaldo Coelho Bernardino e aos meus filhos Guilherme, Diego, Tiago Bernardino. Pelo apoio, incentivo e compreensão. Sem vocês este trabalho teria sido apenas um sonho. A amiga Maria Regiane pelo apoio e compreensão e, sobretudo pela amizade. A amiga Renata Bucoski pela convivência, pelo carinho. Muito obrigado pela ajuda neste trabalho. Claudia Márcia Satyro Bernardino Aos meus pais Maria das Graças Veloso, Francisco de Assis Veloso, aos meus irmãos Viviane Veloso, Renaldo Veloso e ao meu namorado Jhon Lenon Wais, pelo carinho, paciência e compreensão estando ao meu lado, me apoiando e me ajudando, a enfrentar os obstáculos. E as minhas colegas de TCC pela paciência e carinho dedicado. Maria Regiane Veloso Agradeço a minha mãe Clarice D. Bucoski por estar ao meu lado em todos os momentos com sua doçura, compreensão e carinho, o meu pai Hamilton L. Bucoski, por ser exemplo de vida: honesto, forte, e acima de tudo batalhador e que sempre lutou para que eu tivesse o melhor. A meu irmão Robson W. Bucoski e ao meu namorado Horacio Rocha pela paciência carinho e compreensão. E as minhas colegas Maria e Claudia pela paciência, carinho e compreensão em todos os momentos e que juntas conseguimos enfrentar todos os obstáculos. Renata Francielly Domann Bucoski
  • 7. LISTA DE TABELAS Tabela 01: Mini Exame do Estado Mental.........................................................18 Tabela 02: Medida de Independência Funcional (MIF).....................................18 Tabela 03: Questão 1 e 2 do questionário WHOQOL- Bref./Pré.......................19 Tabela 04: Questão 1 e 2 do questionário WHOQOL- Bref./Pós......................19 Tabela 05: Questionário WHOQOL-Bref...........................................................20
  • 8. LISTA DE ABREVIAÇÕES OMS – Organização Mundial da Saúde MIF – Medida de Independência Funcional ADVs – Atividades de Vida Diária SME - Sistema Musculoesquelético CNS – Conselho Nacional da Saúde CEP – Comitê de Ética em Pesquisa cm – Centímetros QV – Qualidade de Vida
  • 9. Resumo Introdução: O Brasil possui cerca de 60 milhões de pessoas com 60 anos, número que deverá dobrar até 2025. A Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que esse contingente irá atingir 2 bilhões em 2050. Objetivo: Investigar os efeitos dos exercícios terapêuticos através da Medida de Independência Funcional e do questionário WHOQOL-Bref e suas influências na qualidade de vida de indivíduos institucionalizados. Métodos: Foram selecionados 7 idosos de ambos o sexos, com média de idade de 69,42±6,14 anos, sendo submetidos ao circuito de exercícios. Os idosos foram avaliados antes e depois do programa de exercícios, que teve duração de 20 atendimentos, sendo três vezes por semana num total de 120 minutos cada atendimento, as escalas utilizadas foram: Mini mental, que avalia o cognitivo, questionário WHOQOL-Bref, que avalia a qualidade de vida e a Medida de independência Funcional (MIF), que avalia a funcionalidade. Para a realização do circuito utilizamos língua de sogra, tábua de propriocepção, bola de Bobath (65 cm), tornozeleira de 1 kg, dado de AVDs, bastões e poltronas. Resultado: Escala de Medida de Independência Funcional indica que houve diferença significativa, P = (0.0156) entre o pré e pós-tratamento, classificados como independência completa/modificada. No questionário WHOQOL-Bref o maior escore dentre os domínios foi alcançado pelo escore social com média 91,07 ± 9,44. Seguido pelo, domínios psicológico, meio ambiente e o fisíco. Conclusão: Através dos exercícios terapêuticos verificou-se a melhora da qualidade de vida dos idosos institucionalizados mediante os resultados obtidos pelos instrumentos de avaliação. Palavras - chave: Idoso, Atividade física, Qualidade de vida.
  • 10. Abstract Introduction: Brazil has about 60 million people aged 60 years, a figure expected to double by 2025. The World Health Organization (WHO) indicate that this number will reach 2 billion by 2050. Objective: To investigate the effects of therapeutic exercise through the Functional Independence Measure and WHOQOL-Bref questionnaire and their influence on quality of life for institutionalized individuals. Methods: We selected 7 patients of both sexes, with a mean age of 69.42 ± 6.14 years, being submitted to the circuit of exercises. The elderly were assessed before and after the exercise program, which lasted 20 sessions, three times a week and a total of 120 minutes each visit, the scales used were: Mini metal, which assesses the cognitive, WHOQOL-Bref, which evaluates the quality of life and functional independence measure (FIM), which evaluates the functionality. To use the circuit realization of mother tongue (cracker), board of proprioception, Bobath ball (65 cm), 1 kg anklet as DLA, sticks and chairs. Results: Range of Functional Independence Measure indicates a significant difference, P = (0.0156) between pre-and post-treatment, classified as complete independence / modified WHOQOL-Bref in the highest score among the domains was achieved with a mean social score 91.07 ± 9.44. Followed by, psychological, and physical environment. Conclusion: Through therapeutic exercise was found to improve the quality of life of institutionalized elderly upon the results of the assessment tools. Keywords: Elderly, Physical activity, Quality of live.
  • 11. Sumário 1 INTRODUÇÃO .............................................................................................. 12 2 MATERIAIS E MÉTODOS ....... ......................................................................14 3 RESULTADOS...............................................................................................18 4 DISCUSSÃO...................................................................................................22 5 CONCLUSÃO.................................................................................................25 REFERÊNCIAS.................................................................................................26 APÊNDICE........................................................................................................32 ANEXOS.........................................................................................................................34
  • 12. 12 1. INTRODUÇÃO O Brasil possui cerca de 60 milhões de pessoas com 60 anos ou mais, número que deverá dobrar até 2025. As estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que esse contingente irá atingir 2 bilhões em 2050. Sendo o grupo etário que mais cresce no Brasil (1). O envelhecimento é um processo dinâmico e progressivo, onde há alterações morfológicas, funcionais e bioquímicas (2,3). Ocorrendo uma redução na capacidade de adaptação homeostática nas situações de sobrecarga funcional, alterando progressivamente o organismo e tornando-o mais susceptível a agressões intrínsecas e extrínsecas as quais culminam, inevitavelmente, no declínio da capacidade e da independência (3). Sendo definido como um processo de ordem natural (4), que varia de indivíduo para indivíduo (5), embora os idosos estejam vivendo mais e melhor, o processo de envelhecimento traz consigo alterações e redução da capacidade dos diversos sistemas do organismo humano sendo eles: neurológico, respiratório, cardiovascular, visual, auditivo, digestivo, tegumentar, proprioceptivo, geniturinário e principalmente musculoesquelético (SME) (6,7,8). O envelhecimento da população é reflexo, principalmente, dos avanços da medicina moderna, que permitem melhores condições de saúde à população com idade mais avançada, fato que repete em vários países (9). Além de viver mais, os idosos brasileiros também obtiveram melhoria da renda nos últimos dez anos (10). Uma das formas de combater ou minimizar os declínios ocasionados pelo envelhecimento é a prática de atividades físicas. Através desta prática esta prevenindo e controlando as doenças crônico-degenerativas mantendo os idosos com uma boa aptidão funcional e reduzindo o número de limitações adquiridas (3, 2, 9). Os exercícios físicos melhoram a saúde global, sendo seu incentivo uma importante medida de prevenção, se tratando de idosos, proporcionando uma
  • 13. 13 maior segurança na realização das atividades de vida diária (AVDs) (3, 2, 11 12). A falta de mobilidade favorece a perda de massa muscular ou a sarcopenia nos membros inferiores, aumentando a probabilidade de quedas, hospitalizações e conseqüentemente, perda importante da qualidade de vida. Sendo uma característica de idosos institucionalizados e daqueles que permanecem sozinhos no âmbito familiar, devido à falta de cuidadores (13). As queixas mais comuns entre os idosos são os desequilíbrios, as tonturas e vertigens (14), estas alterações provocam uma dificuldade no ato de levantar devido à diminuição da força muscular, da flexibilidade e do equilíbrio (15), prejudicando a qualidade da marcha levando a instabilidades que predispõe as quedas, estas podem trazer graves limitações funcionais, levando os idosos aos diferentes tipos de dependência e perda de autonomia que dificultará a sua qualidade de vida (16,11). Todas estas alterações em conjunto, fazem com que os idosos sintam- se inseguros para realizar suas AVDs, que envolve atividades de auto-cuidado (alimentar-se, banhar-se, utilização do banheiro), de continência (urinária e fecal) e de auto-mobilização (transferência de cama para posição supina ou uma cadeira, deambulação com ou sem dispositivos de ajuda, ou utilização de cadeiras de rodas), pelo medo de ocorrer quedas (17,1). A queda tem como definição uma falta de capacidade para corrigir o deslocamento do corpo, durante seu movimento no espaço. Devido ao medo, o idoso deixa de se exercitar fazendo com que suas articulações fiquem enrijecidas e seus músculos atrofiados pelo desuso, levando-o a mais limitação (18, 11, 17). Dessa forma, o objetivo do presente estudo foi investigar os efeitos dos exercícios terapêuticos através da Medida de Independência Funcional e do questionário WHOQOL – Bref e suas influências na qualidade de vida de indivíduos institucionalizados.
  • 14. 14 2. MATERIAIS E MÉTODOS Foi realizado um estudo experimental no Lar dos Velhinhos Antônio Ayres de Aguirra, na cidade de Foz do Iguaçu, PR, no período de setembro a outubro de 2010, totalizando vinte atendimentos, divididos em três vezes semanais com duração de 120 minutos cada atendimento. Foram selecionados 14 idosos para participar da pesquisa, onde 7 pacientes foram incluídos e os demais não quiseram participar, a idade média foi 69,42 (± 6,14) anos, sendo 1 mulher e 6 homens os voluntários. Os critérios de inclusão utilizados foram: faixa etária entre 60 a 100 anos de ambos os sexos, sedentários, bom cognitivo, com limitações e dificuldades para realização das atividades de vida diária. Os critérios de exclusão do estudo foram: idosos atletas, portadores de cardiopatias e marca-passo, com amputações nos membros inferiores ou superiores, e os que não apresentavam limitações e dificuldades nas realizações de atividades de vida diária. O projeto de pesquisa foi submetido e aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Faculdade Assis Gurgacz, sobre o parecer 182 número do protocolo 063/2010 (Anexo 1) A autorização dos participantes foi realizado por meio do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido,(Anexo 2) de acordo com a resolução CNS 196/96, em que os voluntários tiveram o direito a participar ou não do estudo, podendo interromper a pesquisa a qualquer momento. Para o desenvolvimento da pesquisa foram utilizados os seguintes instrumentos: língua de sogra, tábua de propriocepção, bola de Bobath, (65 cm), tornozeleira de 1 kg, dado de AVDs, bastões e poltronas. Os voluntários foram entrevistados e responderam a ficha de avaliação elaborada pelas pesquisadoras (Apêndice 1) ,o Mini Exame do Estado Mental( Anexo 3), questionário WHOQOL-Bref (Anexo 4) e a Escala de Medida de Independência Funcional (MIF) (Anexo 5). Na ficha de avaliação, foram verificados os dados pessoais, hábitos de vidas, monitorização dos sinais vitais e patologias. O Mini Exame do Estado Mental (Mini Mental): foi utilizado para avaliar a
  • 15. 15 cognição, o questionário é composto por diversas questões agrupadas em sete categorias, cada uma delas planejada com o objetivo de avaliar funções cognitivas específicas. A pontuação abaixo de 24 pode indicar a necessidade de outras avaliações. O escore máximo é de 30 pontos (19,20). O questionário WHOQOL-Bref foi utilizado para avaliar a qualidade de vida, este questionário é composto de 26 questões extraídas do WHOQOL- 100, sendo duas questões gerais sobre a qualidade de vida (QV) e as demais distribuídas em quatro domínios: físico, psicológico, relação social e meio ambiente. Quanto mais alto os escores, melhor é a qualidade de vida. O domínio físico envolve sentimentos e expectativas quanto ao manejo da dor, desconforto pelo excesso de atividades físicas e as perturbações como o sono. O domínio psicológico relaciona-se aos sentimentos positivos como o aproveitamento da vida, expectativas com o futuro, preocupações com as condições de saúde e os sentimentos negativos como o mau humor, ansiedade e depressão. O domínio de relação social visa esclarecer o impacto do relacionamento social do paciente com a família, o trabalho, no lazer, sua vida sexual, acesso aos cuidados médicos e amparo da sociedade. O quarto domínio é definido como o meio ambiente e avalia a sensação de segurança e conforto quanto ao ambiente em que vive o indivíduo. Fazem parte desse domínio as condições de moradia, segurança pública, recursos financeiros, acesso ao meio de transporte, educação, alimentação e lazer adequado. (21,22). A Escala de Medida de Independência Funcional (MIF) foi utilizada com o objetivo de medir o grau de solicitação dos cuidados de terceiros, que as pessoas com limitações exigem para realização de tarefas motoras e cognitivas, verificando o desempenho da pessoa idosa durante a realização de um conjunto de 18 tarefas, referentes às subescalas de auto-cuidados, controle esfincteriano, transferências, locomoção, comunicação e cognição social (23,24,25,26 ). Cada item pode ser classificado em uma escala de graus de dependência de 7 níveis, sendo valor 1 correspondente a dependência total e o valor 7 correspondente a normalidade na realização de tarefas de forma independente. O nível de independência funcional segundo a MIF é
  • 16. 16 classificada da seguinte forma: 7 independência completa, 6 independência modificada, 5 supervisão/estimulo ou preparo, 5 assistência mínima, 3 assistência moderada, 2 assistência máxima, 1 dependência total. (23, 24,25,26). Ao final dos vinte atendimentos os pacientes foram reavaliados através da Escala de Medida de Independência funcional e pelo questionário WHOQOL-Bref. O Programa foi elaborado em 2 circuitos: O primeiro circuito constou com atendimentos realizados do primeiro ao décimo dia. As atividades realizadas foram: 1-Sentar e levantar duas vezes de uma cadeira de 45 cm de altura. Esta atividade foi realizada com o objetivo de fortalecer os membros inferiores e dar mais estabilidade ao movimento. 2-Realizar marcha a uma distância de oito metros, e a cada dois metros era solicitado mudanças: andar para frente, para trás , para o lado direito e esquerdo . Esta atividade foi realizada com o objetivo de melhorar a marcha e promover mais estabilidade. 3-Ficar em pé sobre a tábua de propriocepção durante 30 seg. e sentar na bola de Bobath durante 30 seg. Estas atividades foram realizadas com o objetivo de melhorar a propriocepção e o equilíbrio. 4-Soprar língua de sogra e realizar exercícios de elevação dos membros superiores utilizando um bastão associado a inspirações e expirações fracionadas em três tempos em cinco repetições. Estas atividades foram realizadas com o objetivo de melhorar a expansibilidade torácica e a capacidade vital 5-Exercícios no dado de AVDs (abotoar botões, fazer laço, abrir e fechar zíper, velcro) cinco repetições. Esta atividade teve como objetivo melhorar a coordenação motora fina.
  • 17. 17 O segundo circuito constou com atendimentos realizados do décimo primeiro ao vigésimo dia. Foram aumentadas a intensidade e a duração dos exercícios e as atividades realizadas foram: 1-Sentar e levantar duas vezes de uma cadeira de 38 cm de altura. Esta atividade foi realizada com o objetivo de fortalecer os membros inferiores e dar mais estabilidade ao movimento. 2-Realizar marcha a uma distância de oito metros com tornozeleira de 1 kg em cada tornozelo, e a cada dois metros era solicitado mudanças: andar para frente, para trás, para o lado direito e esquerdo. Esta atividade foi realizada com o objetivo de melhorar a marcha e promover mais estabilidade. 3-Ficar em pé sobre a tábua de propriocepção durante 1minuto e sentar na bola de Bobath durante 1minuto. Estas atividades foram realizadas com o objetivo de melhorar a propriocepção e o equilíbrio. 4-Soprar língua de sogra e realizar exercícios de elevação dos membros superiores utilizando um bastão associado a inspirações e expirações fracionadas em três tempos, sendo dez repetições. Estas atividades foram realizadas com o objetivo de melhorar a expansibilidade torácica e a capacidade vital. 5-Exercícios no dado de AVDs (abotoar botões, fazer laço, abrir e fechar zíper, velcro) dez repetições. Esta atividade teve como objetivo melhorar a coordenação motora fina. Os dados obtidos na Escala de Medida de Independência Funcional foram analisados por meio de comparações entre média e desvios-padrões. Utilizou-se o teste de comparações de Wilcoxon para dados não paramétricos, para descrever a relação entre as variáveis pré e pós-tratamento, com significância de 5% (p<0,05). O programa estatístico utilizado foi GraphPadInStat versão 3.10. Para o questionário WHOQOL-Bref foram utilizados equações para computação dos escores dos vários domínios, conforme preconizado pelo GRUPO WHOQOL.
  • 18. 18 3. RESULTADOS A amostra final foi composta por 7 voluntários (1 mulher e 6 homens), com média de idade de 69,42 (± 6,14) anos. Os dados referentes ao Mini Mental estão apresentados na Tabela1, representados por seus valores de média e desvio-padrão. Tabela 1 - Mini Mental Mini Exame do Estado Mental Incluídos Média ± desvio padrão 7 26,71±2,42 Desistentes Média ± desvio padrão 7 25±2,5 A média obtida pelo Mini Mental no grupo estudado foi de 26,71±2,42, conforme a classificação do questionário o cognitivo dos idosos está classificado como normal. Como também foi observado no grupo dos desistentes que obteve uma média de 25±2,5. Na Tabela 2 estão apresentados os dados referentes à média e desvio padrão da Escala de Medida de Independência Funcional (MIF). Tabela 2 - Medida de Independência Funcional (MIF) MIF PRÉ PÓS P 119 ± 3 121,85 ± 2,26 0.0156 Os resultados da Escala de Medida de Independência Funcional indicam que houve diferença significativa, P= (0.0156) entre o pré e pós-tratamento,
  • 19. 19 classificados como independência completa/modificada. Tendo como base os níveis de independência funcional, sendo eles: 7 independência completa, 6 independência modificada, 5 supervisão/estimulo ou preparo, 4 assistência mínima, 3 assistência moderada, 2 assistência máxima, 1 dependência total. Na Tabela 3 e 4 estão apresentados as duas primeiras questões do questionário WHOQOL-Bref onde seu escore é realizada de forma isolada das demais questões. Tabela 3 - Questões 1 e 2 do questionário WHOQOL- Bref PRÉ 1-Como Você avaliaria sua qualidade de vida? Muito Ruim Ruim Nem Ruim/Nem Boa 85,71% Boa 14,28% Muito Boa 2-Quão satisfeito (a) você está com sua vida? Muito insatisfeito Insatisfeito Nem satisfeito/Nem insatisfeito 57,14% Satisfeito 28,57% Muito Satisfeito 14,28% Tabela 4 - Questões 1 e 2 do questionário WHOQOL- Bref PÓS 1-Como Você avaliaria sua qualidade de vida? Muito Ruim Ruim Nem Ruim/Nem Boa Boa 85,71% Muito Boa 14,28%
  • 20. 20 2-Quão satisfeito (a) você está com sua vida? Muito insatisfeito Insatisfeito Nem satisfeito/Nem insatisfeito 57,14% Satisfeito 28,57% Muito Satisfeito 14,28% Na questão 1 do pós houve mudanças em seus escores mais não apresentou diferenças significativas. E na questão 2 não houve melhoras em seus escores. Na Tabela 5 estão apresentados os dados referentes ao questionário WHOQOL-Bref tendo como valores de mínimo, máximo, média e o desvio padrão. Tabela 5 - Questionário WHOQOL-Bref Mínimo Máximo Média ±Dp WHOQOL-Bref PRÉ Domínio Físico 50 83,33 66,06 ±11,39 Domínio Psicológico 45 90 76,42 ±15,99 Domínio Social 75 87,5 82,14 ±13,36 Domínio Meio Ambiente 70,83 95,83 81,54 ±9,27 PÓS Domínio Físico 54,16 95,83 71,99 ±13,33 Domínio Psicológico 60 95 84,28 ±11,70 Domínio Social 75 100 91,07 ±9,44 Domínio Meio Ambiente 70,83 100 82,73 ±10,32 O maior escore dentre os domínios foi alcançado pelo escore social com média 91,07 ± 9,44. Logo após, o domínios psicológico com média 84,28 ±
  • 21. 21 11,70, seguido pelo domínio meio ambiente com média 82,73 ± 10,32, e o domínio fisíco com média 71,99 ± 13,33. No pós tratamento o domínio social e meio ambiente foi o que apresentou a pontuação máxima, alcançando o escore 100, o domínio psicológico obteve a menor pontução máxima (95), o domínio físico obteve o menor pontuação do escore mínimo (54,16).
  • 22. 22 4. DISCUSSÃO O processo de envelhecimento populacional é observado tanto nos países desenvolvidos quanto naqueles em desenvolvimento, como é o caso do Brasil. A velocidade em que acontece esse envelhecimento se tornou um tema da atualidade, sobretudo quando a discussão atinge a questão do despreparo do sistema de saúde para acolher as demandas dessa parcela crescente da população. (27) A avaliação das condições físicas, psicológicas, sociais e culturais de idosos permite ampliar a compreensão de suas necessidades de saúde, essas informações geradas podem transformar-se em subsídios para a implantação de programas e planejamento de estratégias de atendimento, intervenções adequadas à realidade desse grupo populacional. (28) A Organização Mundial da Saúde (OMS) define qualidade de vida como “a percepção do indivíduo de sua posição na vida no contexto da cultura e sistema de valores nos quais ele vive em relação aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações” (21,29,30). São muitos os instrumentos utilizados para avaliar a qualidade de vida, um que é freqüentemente usado é o questionário WHOQOL-Bref, que é aplicado em base populacional sem especificar doenças, sendo apropriado para estudos epidemiológicos (31,29). Pode se observar através dos resultados deste estudo que o domínio social foi o que mais obteve melhoras com a aplicação do circuito de exercício, como também foi observado no estudo de Chepp et al (30). e Gordia et al.(31). Em relação ao domínio psicológico, meio ambiente, físico, também pode se observar aumento no escore após a aplicação do circuito. O estudo de Prado et al.(32) a partir da utilização de exercícios resistidos no equilíbrio e mobilidade funcional, observou o maior aumento no domínio físico seguidos por meio ambiente, psicológico e social. De acordo com os estudos realizados por Farenzena et al.(33) onde avalia a qualidade de vida em grupos de idosos praticantes de atividades físicas, os melhores escores foram obtidos pelo domínio físico seguido do psicológico. Em contra partida estudo realizado por Cieslak et al.(34) o maior escore foi obtido pelo
  • 23. 23 domínio psicológico seguido do físico. O interesse pela análise da QV de indivíduos em idades mais avançadas justifica-se pelo fato de que a estimativa de vida das pessoas tem aumentado de forma significativa, e que o envelhecimento possui múltiplas dimensões, as quais abrangem questões de ordem social, política, cultural e econômica (31). A atividade física regular está associada com aumento da expectativa de vida e redução do risco de doenças cardíacas, derrame, diabetes, hipertensão e obesidade. Nesta perspectiva vários estudos têm sido realizados com o intuito de verificar a QV de diferentes populações em diferentes estágios de suas vidas (31,32, 35). Os idosos ao ingressarem nos asilos começam a apresentar limitações intelectuais e físicas que se tornam evidentes na realização das atividades da vida diária, a falta de terapia ocupacional, a indisposição física e o desinteresse, colaboram ainda mais para estas limitações, levando muitas vezes à invalidez e ao profundo abatimento moral, surgindo assim às doenças crônico-degenerativas associadas a outras patologias, que podem ser responsáveis pela perda progressiva de autonomia e conseqüentemente da imagem e estima corporal (31) Desta forma, através da análise da qualidade de vida desses indivíduos podem estar sendo desenvolvidas estratégias e políticas públicas na tentativa de interferir no estilo de vida individual, transformando não apenas a qualidade de vida do avaliado como também atuar na melhoria da independência funcional de toda a população idosa. A incapacidade funcional resulta não apenas de uma deficiência orgânica, mas da interação entre a disfunção apresentada pelo indivíduo, e a limitação de suas atividades, a restrição da participação social e aos fatores ambientais e pessoais que interferem no seu desempenho nas AVD’s, podendo funcionar como barreiras ou facilitadores do estado funcional. (27) Para verificar esta incapacidade, utilizamos a Escala de Medida de Independência Funcional (MIF). Na avaliação inicial os pacientes apresentaram uma pontuação elevada nesta escala demonstrando pouca dependência
  • 24. 24 quanto às tarefas cotidianas. Mesmo assim os indivíduos que realizaram o circuito alcançaram a pontuação máxima, apresentado melhoras significativas. Cordeiro et al.(36) por meio da MIF, verificou que 84% dos idosos institucionalizados foram classificados como independência modificada/completa. Semelhantemente ao estudo realizado por Rigolin et al. (37), observou que 44,3% dos idosos hospitalizados apresentam independência modificada/completa. No estudo realizado por Minosso et al.(28) Mostra que houve concentração da independência completa, onde 90% dos idosos não necessitava de ajuda, 3% necessitava de ajuda para realizar 50% de suas atividades de vida diária e 7% precisava de ajuda em 25% das atividades de vida diária. Cunha et al,(23) em seu estudo não encontrou diferenças significativas na escala MIF, após a aplicação do método Ai Chi em idosos. De acordo com estudo realizado em Brasília-DF, sobre a análise do nível de atividade física nas casas de repouso e instituições filantrópicas (asilos), pode-se observar que as casas e asilos que atendem a população idosa não possuem locais, profissionais e nem, tão pouco, planos orientados de atividade física. Os autores constataram a necessidade da formulação de um programa de atividades físicas, para que haja uma modificação na rotina destes indivíduos, mesmo não existindo um local específico para isto, utilizando as áreas abertas e salas que estas instituições possuem (31). Com base nos resultados pode-se observar que o grupo estudado apresentou melhor escore em todos os domínios e na MIF, sugere-se que a prática do exercício físico melhora os resultados dos domínios, seja direta ou indiretamente. Pois, sabe-se que a prática do exercício físico prepara o indivíduo para uma vida autônoma, independente e com amor próprio e que pessoas que praticam exercício físico são menos deprimidas e ansiosas, tem poucas dores e angústias, são mais enérgicas e felizes.
  • 25. 25 5. CONCLUSÃO Conclui-se que através do protocolo de exercícios terapêuticos foi obtido uma melhora da qualidade de vida dos idosos institucionalizados segundo os resultados obtidos pelos instrumentos de avaliação: Medida de Independência Funcional (MIF) e o WHOQOL - Bref. Sugere-se que sejam realizados novos estudos, com maior número de idosos institucionalizados com o objetivo de comprovar a eficácia dos exercícios proporcionando a independência funcional.
  • 26. 26 REFERÊNCIA 1. Jacob W Filho. Envelhecimento e geriatria: Envelhecimento em diferentes contextos: populacional, individual e social. In: Martins MA, Carrilho FJ, Alves VA, Castilho EA, Ceri GG, Wen CL. Clínica médica. 1º Ed. Barueri, SP: Manole; 2009. p.782-790. 2. Mateus NA, Sacchelli T. Fisioterapia aquática aplicada à geriatria. In: Sacchelli T, Accacio LM, Radl ALM. Fisioterapia aquática. 1º Ed. Barueri, SP: Manole; 2007. p.261-268. 3. Antes DL, Contreira AR, Katzer JI, Corazza ST. Propriocepção de joelho e idosas praticantes de exercícios físicos. Revista e Pesquisa, 2009; 16(4): 306- 310. 4. França DM, Senna-Fernandes V, Aguiar C, Amaral G, Oliveira R, Cortez C, Bernardo- Filho M, Guimarães MA. Acupuntura na reabilitação da terceira idade. Fisioterapia Brasil. 2006; 7(6): 433-439. 5. Vieira EB. Manual de gerontologia: um guia teórico-prático para profissionais, cuidadores e familiares. 2º Ed. Rio de Janeiro, RJ: Revinter; 2004. 6. Pickles B, Ann C, Cott CA, Simpson JM, Vandervoort AA. Fisioterapia na terceira idade. 2º Ed. São Paulo, SP: Santos; 2000. 7. Freitas Junior GC. Acura pela água: hidrocinesioterapia teoria e prática. 1ºEd. Rio de Janeiro, RJ: Rio; 2005.
  • 27. 27 8. Herédia VBM, Casara MB, Cortelletti IA, Ramalho MH, Sassi A, Borges MN. A realidade de idosos institucionalizados. [acesso em 18 abr. 2010]. Disponível em www.unati.uerj.br/tse/scielo. 9. Moragas RM. Gerontologia social: envelhecimento e qualidade de vida. 2º Ed. São Paulo, SP: Paulinas; 2004. 10. Debert GG. IBGE: População de idosos deve chegar a 32 milhões até 2025 no Brasil. [acesso em 21 abr. 2010]. Disponível em www.sindifarmajp.com.br/notícias. 11. Spirduso WW. Dimensões físicas do envelhecimento. 1º Ed. Barueri, SP: Manole; 2005. 12. Pedrinelli A, Garcez-Leme LG, Nobre RS. O efeito da atividade física no aparelho locomotor do idoso. Rev. Bras. Ortopedia. 2009 mar/abril.; 44(2): 96- 101. 13. Ferrantin AC, Borges CF, Morelli JG, Rebelatto JR. Qualidade da execução de AVD’s em idosos institucionalizados e não-institucionalizados que permaneciam sem sair de suas residências por mais de seis meses. Fisioterapia Brasil. 2005; 6(5): 372-375. 14. Simoceli L, Bittar RMS, Bottino MA, Bento RF. Perfil do idoso portador de desequilíbrio corporal: resultados preliminares. Rev. Brasileira de Otorrinolaringologia [artigo on line]. 2003 [acesso em 22 mar. 2010]; 69(6): 772- 777. Disponível em www.scielo.br.
  • 28. 28 15. Cilento MBR, Nóbrega LAC, Campos Araujo AQ. Avaliação da eficácia de protocolos de treinamento da atividade sentado para-de-pé em mulheres idosas. Fisioterapia Brasil. 2005; 6(6): 412-418. 16. Mitsuichi ML, Jamussi SG, Martins EF. Intervenções fisioterapêuticas e pedológicas nos pés de idosos podem proporcionar marcha mais segura. Fisioterapia Brasil. jan,/fev.2005: 6(5). 17. Simpson JM. Instabilidade postural e tendência a quedas. In: Pickles B, Ann C, Cott CA, Simpson JM, Vandervoort AA. Fisioterapia na terceira idade. 2º Ed. São Paulo, SP: Santos; 2000. p. 197-212. 18. Cunha MF, Lazzareschi L, Gantus MC, Suman MR, Silva A, Parizi AM, Iqueuti MM. A influência da fisioterapia na prevenção na queda de idosos na comunidade: estudo comparativo. [acesso em 18 abr. 2010]. Disponível em http://cecemca.rc.unesp.br/ojs/indexphp/motriz/article/viewFile/2470/2429 . Rev. motriz Rio Claro; jul.set.2009:pg.527-536:15(3) 19. Pavan K, Letkaske F, Sakamoto T, Carvalho MM, Magangani BE, Nishino LK. Reabilitação vestibular em pacientes neurológicos. Medicina de reabilitação. 2010; 29(2): 31-6. 20. Lorenço RA, Veras RP. Mini-exame do estado mental: características psicométricas e idosos laboratoriais. Rev. Saúde Pública. 2006; 40(4): 712-9. 21. Carvalho JT, Rodrigues NM, Silva LV, Oliveira DA. Qualidade de vida das mães de crianças e adolescentes com paralisia cerebral. Fisioterapia em Movimento. 2010 jul/set; 23(3): 389-397.
  • 29. 29 22. Martins, MM. Qualidade de vida e capacidade para o trabalho dos profissionais em enfermagem no trabalho em turnos. [Dissertação]. Florianópolis: universidade federal de santa Catarina; 2002. 85 p. Mestrado em engenharia de produção. [acesso em 20 de Nov 2010 ] disponível em : http://www.nucidh.ufsc.br/tese/dissertação_marilu.pdf. 23. Cunha MC, Alonso AC, Silva TM, Raphael AC, Mota CF. Ai chi: efeitos do relaxamento aquático no desempenho funcional e qualidade de vida em idosos. Fisioterapia em movimento. 2010 jul/set.; 23(3): 409-417. 24. Benvegnu AB, Gomes LA, Souza CT, Cuadro TB, Pavão LW, Ávila SN. Avaliação da medida de independência funcional de indivíduos com seqüelas de acidente vascular encefálico (AVE). Ciência e saúde. 2008 jul/dez.; 1(2): 71- 77. 25. Ministério da saúde. Cadernos de atenção básica: envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília; 2007 26. Riberto M, Miyazaki MH, Juca SSH, Sakamoto H, Potiguara P, Pinto N, Battistella LR.Validação da versão brasileira da medida de independência funcional. [acesso em 15 abr. 2010]. Disponível em www.actafisiatrica.org.br. 27. Cunha FC, Cintra MT, Cunha LC, Couto EA, Giacomin KC. Fatores que predispõem ao declínio funcional em idosos hospitalizados. Rev. Bras. Geriatria e Gerontologia. 2009; 12(3): 475-487. 28. Minosso JS, Amendola F, Alvarenga MR, Oliveira MA. Validação no Brasil, do índice de Barthel em idosos atendidos em ambulatórios. Acta Paulista de Enfermagem. 2010 mar/abril; 23(2): 281-23.
  • 30. 30 29. Silva AL, Valim LM, Nogueira KV, Veneziano LS. Avaliação da qualidade de vida em idosos com base no questionário Whoqol-100. XIII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica (XIII INIC) e IX Encontro Latino Americano de Pós-Graduação-Universidade do vale do Paraíba (IX EPG); Santa Fé do Sul, SP. Fundação Municipal de Educação e Cultura de Santa Fé do Sul (FUNEC- FISA); 2009: 5p. [disponível em: http//www.unicepg.univap.br/cd/INIC_2009/anais/arquivos/RE_0794_0649_01.p df. 30. Chepp CC. Estudo transversal da qualidade de vida através da escala Whoqol-bref da população octogenária e nonagenária de Siderópolis. Criciúma: Universidade do extremo sul catarinense; 2006. 152p. Trabalho de conclusão de curso de medicina.[ acesso em 20 Nov. 2010 : ] disponível em: http//www.200.18.15.7/medicina/tcc/2006_2/2006_2_t54.pdf. 31. Gordia AP, Quadros TM, Souza EA, Moraes TB, Junior PK, Campos W. Comparação da qualidade de vida de mulheres idosas praticantes e não praticantes de exercício físico. Rev.Digital Bueno Aires. [artigo online]. 2007 mar. [acesso em 21 Nov. 2010:]; ano11, n106. Disponível em: http://www.efdeports.com/efd106/mulheres-idosas-praticantes-de-exercicio- fisico.htm. 32. Prado RA, Teixeira AL, Langa CJ, Egydio PR, Izzo P. A influência dos exercícios resistidos no equilíbrio, mobilidade funcional e na qualidade de vida em idosas. O mundo da saúde, SP. [artigo online]. 2010 [acesso em 21 Nov. 2010:]; 34(2): 183-191. Disponível em: http://www.saocamilo- sp.br/pdf/mundo_saude/75/183a191.pdf.
  • 31. 31 33. Farenzena WP, Argeman IL, Moriguchi E, Portuguez MV. Qualidade de vida em grupo de idosos de Veranópolis. Rev. Kairós. [ artigo online]. 2007dez. [acesso em 22 Nov. 2010:]; 10(2): 225-243. Disponível em: http://revista.pucsp.br/index.php/carlos/article/view/2600/1654. 34. Cieslak F, Elsangedy HM, Krinski K, Vitorino DC, Junior GB, Leite N. Estudo da qualidade de vida de mulheres idosas participantes do programa da universidade aberta á terceira idade na cidade de Ponta Grossa-PR. Rev. Digital Bueno Aires. [artigo online]. 2007 out. [acesso em 22 Nov. 2010]; ano 12,n º 113. Disponível em: http://www.efdeports.com/efd113/estudo_da_qualidade_de_vida_de_mulheres_ idosas.htm. 35. Vecchia RD, Ruiz T, Bacchi SC, Corrente JE. Qualidade de vida na terceira idade: um conceito subjetivo. Rev. Bras. Epidemiologia. 2005 set.; 8(3): 246- 252. 36. Cordeiro RC, Dias RC, Dias JM, Perracini M, Ramos LR. Concordância entre observadores de um protocolo de avaliação fisioterapêutica e idosas institucionalizadas. Rev. de Fisioterapia da universidade de São Paulo. 2002; 9: 69-77. 37. Rigolin VOS. Avaliação clínico-funcional de idosos hospitalizados. [Dissertação]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 2001.
  • 33. 33 APÊNDICE 1 FICHA DE AVALIAÇÃO DADOS PESSOAIS: Nome:__________________________________________________________ Data de nascimento:______________Idade:____________Sexo:___________ Faz Fisioterapia: ( ) sim ( ) não Quantos dias na semana:_____Horário:____ HÁBITOS DE VIDAS: Tabagismo: ( ) sim ( ) não ( ) ex-fumante ( ) passivo _______________________________________________________________ Etilismo: ( ) sim ( ) não ( ) ex-etilista _______________________________________________________________ Atividade Física: ( ) sim ( ) não _____________________________________________________________ ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA: Independente:____________________________________________________ _______________________________________________________________ Dependente: ____________________________________________________ _______________________________________________________________ Qual a sua maior dificuldade?_______________________________________ MONITORIZAÇÃO: FC:_________ FR:________ PA:_______ PATOLOGIAS: Diabetes: ( ) sim ( ) não Hipertensão: ( ) sim ( ) não Cardíacos: ( ) sim ( ) não __________________________________________ Respiratórios: ( ) sim ( ) não _______________________________________ Neurológicos: ( ) sim ( ) não ________________________________________ Acadêmica________________________________ Data da avaliação_______
  • 36. 36 ANEXO 2 TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO Você está sendo convidados (a) a participar, como voluntário (a), da pesquisa INFLUÊNCIA DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS, no caso de você concordar em participar, favor assinar ao final do documento. Sua participação não é obrigatória, e, a qualquer momento, você poderá desistir de participar e retirar seu consentimento. Sua recusa não trará nenhum prejuízo em sua relação com a pesquisadora ou com sua instituição. Você receberá uma cópia deste termo onde consta o telefone e endereço da pesquisadora principal, podendo tirar dúvidas do projeto e de sua participação. TÍTULO DA PESQUISA: Influência da fisioterapia na qualidade de vida de idosos institucionalizados. PESQUISADOR (A) RESPONSÁVEL: Maria Odette Nassif do Val ENDEREÇO: Avenida Paraná TELEFONE: 04530283232 PESQUISADORES PARTICIPANTES: Claudia Márcia Satyro Bernardino, Maria Regiane Veloso, Renata Francielly Domann Bucoski. OBJETIVOS: Melhorar a qualidade de vida dos idosos, através de um circuito de exercícios fisioterapêuticos JUSTIFICATIVA: A realização desta pesquisa visa buscar uma forma de tratamento fisioterapêutico acessível com a finalidade de melhorar a qualidade de vida do idoso institucionalizado. PROCEDIMENTOS DO ESTUDO: Você participará de um grupo composto por 20 participantes de ambos os sexos, com faixa etária entre 60 e 100 anos. Você passará por uma avaliação individual com um dos avaliadores, respondendo a ficha de avaliação, o questionário de qualidade de vida e a
  • 37. 37 escala de medida de independência funcional. Os atendimentos serão realizados no lar do velinhos, no período matutino, três vezes semanais, com duração de 2 horas cada. O procedimento realizado será um circuito de exercícios simples supervisionado e orientado pelas pesquisadoras participantes do projeto. RISCOS: Desequilíbrios, torções no tornozelo, quedas, aumento da pressão arterial. DESCONFORTOS: Dispnéia, fadiga muscular, frustrações por não conseguir realizar os exercícios, tonturas. Em caso de apresentar algum risco ou desconforto imediatamente será suspendido o atendimento e será realizado encaminhamento ao setor médico da Unidade de Saúde do Morumbi I (conforme convênio Institucional), localizado na Avenida Mário Filho s/n. BENEFÍCIOS: Oferecer tratamento fisioterapêutico acessível às instituições auxiliando a melhora da qualidade de vida durante o processo de envelhecimento e promover uma maior independência ao idoso institucionalizado. CUSTO/REEMBOLSO PARA O PARTICIPANTE: Não haverá nenhum gasto com sua participação. Não será feito nenhuma cobrança com o que será realizado. Você não receberá nenhum pagamento pela sua participação. CONFIDENCIALIDADE DA PESQUISA: Será garantido o sigilo da sua identidade. Assinatura do pesquisador responsável: ________________________________ Eu,_______________________________________________________, Declaro que li as informações contidas nesse documento, fui devidamente informado (a) pela pesquisadora MARIA ODETTE NASSIF DO VAL E/OU CLAUDIA MARCIA SATYRO BERNARDINO, MARIA REGIANE VELOSO, RENATA FRANCIELLY DOMANN BUCOSKI dos procedimentos que serão
  • 38. 38 utilizados, riscos e desconfortos, benefícios, custo/reembolso dos participantes, confidencialidade da pesquisa, concordando ainda em participar da pesquisa. Foi-me garantido que posso retirar o consentimento a qualquer momento, sem qualquer penalidade ou interrupção de meu acompanhamento/assistência/tratamento. Declaro ainda que recebi uma cópia desse Termo de Consentimento. Poderei consultar o pesquisador responsável (acima identificado) ou o CEP/FAG, com endereço na Faculdade Assis Gurgacz, AV. das Torres, 500, Cep 858807-030, Fone (45) 33213871, no e-mail: comitedeetica@fag.edu.br sempre que entender necessário obter informações ou esclarecimento sobre o projeto de pesquisa e minha participação no mesmo. Os resultados obtidos durante este estudo serão mantidos em sigilo, mas concordo que sejam divulgados em publicação científicas, desde que meus dados pessoais não sejam mencionados. Foz do Iguaçu,____/_____/______ NOME E ASSINATURA DO SUJEITO OU RESPONSÁVEL ___________________________ ____________________ ( Nome por extenso) ( Assinatura) Presenciamos a solicitação de consentimento, esclarecimentos sobre a pesquisa e aceite do sujeito em participar. Testemunhas (não ligadas à equipe de pesquisadoras): Nome: ___________________________________Assinatura:_____________ Nome: ___________________________________Assinatura:_____________
  • 39. 39 ANEXO 3 Mini Exame do Estado Mental Orientação temporal Pontos Escorre Que dia é hoje? 1 Em que mês estamos? 1 Em que ano estamos? 1 Em que dia da semana estamos? 1 Qual a hora aproximada? Considere a variação de ± 1 hora 1 Orientação espacial Em que local estamos? Consultório, dormitório, sala- apontando 1 para o chão Que local é este aqui? Apontando ao redor num sentido mais 1 amplo: hospital, própria casa, casa de repouso Em que bairro estamos ou qual o nome de uma rua próxima? 1 Em que cidade nós estamos? 1 Em que estado nós estamos? 1 Memória imediata Eu vou dizer três palavras e você vai repeti-las a seguir: carro, 3 vaso, tijolo, 01 ponto para cada palavra certa, embora posso repetir 3 x para o aprendizado se houver erros Cálculos Subtração de setes seriadamente 100-7, 93-7, 86-7, 79-7, 72-7 5 01 ponto para cada resultado correto. Se houver erro, corrija-o e prossiga. Considere correto se a pessoa espontaneamente se autocorrigir (OBS**) Evocação de palavras Quais as palavras que você acabou de repetir? 01 ponto para cada 3 uma Nomeação Que objeto é este? Peça para nomear os objetos mostrados( 2 relógio, caneta). 01 ponto para cada
  • 40. 40 Repetição Preste atenção: vou lhe dizer uma frase e quero que você repita: “ 1 nem aqui, nem ali, nem lá”. Considere somente se a repetição for perfeita (01) Comando Pegue este papel com sua mão direita ( 01 ponto), dobre-o ao 3 meio (01 ponto) e coloque-o no chão (01 pontos) Leitura Mostre a frase escrita: “ feche os olhos” e peça para o individuo 1 fazer o que esta mandando. Não auxilie se pedir ajuda ou se só ler a frase sem realizar o comando Frase Peça para escrever uma frase. Se não compreender o significado, 1 ajude com: alguma frase que tenha começo, meio e fim, alguma coisa que aconteceu hoje, alguma coisa que não queira dizer. Não considere erros gramaticais ou ortográficos Cópia do desenho Mostre o modelo e peça para fazer uma copia o melhor possível, 1 considere apenas se houver 2 pentágonos interseccionados (10 ângulos) formando uma figura de 4 lados ou com 2 ângulos (01 ponto) TOTAL 30 ** Soletrar a palavra MUNDO de trás pra frente( 01 ponto para cada letra na posição correta)
  • 41. 41 ANEXO 4 QUESTIONÁRIO WHOQOL- BREF POR FAVOR, LEIA CADA QUESTÃO, VEJA O QUE VC ACHA E CIRCULE NO NUMERO, QUE PARECE A MELHOR RESPOSTA 1-Como você avaliaria sua qualidade de vida? Muito ruim Ruim Nem ruim nem boa Boa Muito boa ( )1 ( )2 ( )3 ()4 ( )5 2-Quão satisfeito (a) você está com a sua saúde? Muito insatisfeito Insatisfeito Nem satisfeito nem insatisfeito ( )1 ( )2 ( )3 Satisfeito Muito Satisfeito ( )4 ( )5 As questões seguintes são sobre o quanto você tem sentido algumas coisas nas ultimas semanas. 3- Em que medida você acha que sua dor (física) impede você de fazer o que você precisa? Nada Muito pouco Mais ou menos Bastante Extremamente ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 ( )5 4- O quanto você precisa de algum tratamento médico para levar a sua vida diária? Nada Muito pouco Mais ou menos Bastante Extremamente ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 ( )5 5- O quanto você aproveita a vida? Nada Muito pouco Mais ou menos Bastante Extremamente ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 ( )5 6- Em que medida você acha que a sua vida tem sentido? Nada Muito pouco Mais ou menos Bastante Extremamente
  • 42. 42 ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 ( )5 7- O quanto você consegue se concentrar? Nada Muito pouco Mais ou menos Bastante Extremamente ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 ( )5 8- Quão seguro(a) você se sente em sua vida diária? Nada Muito pouco Mais ou menos Bastante Extremamente ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 ( )5 9- Quão saudável é o seu ambiente físico (clima, barulho, poluição, atrativos)? Nada Muito pouco Mais ou menos Bastante Extremamente ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 ( )5 As questões a seguintes perguntam sobre quão completamente você tem sentido ou é capaz de fazer coisas nesta ultimas semanas. 10- Você tem energia o suficiente para seu dia-a-dia? Nada Muito pouco Médio Muito completamente ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 ( )5 11- Você é capaz de aceitar sua aparência física? Nada Muito pouco Médio Muito completamente ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 ( )5 12– Você tem dinheiro suficiente para satisfazer suas necessidades? Nada Muito pouco Médio Muito completamente ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 ( )5 13- Quão disponíveis para você estão as informações que precisa no seu dia- a- dia? Nada Muito pouco Médio Muito completamente ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 ( )5 14- Em que medida você tem oportunidades de atividade de lazer?
  • 43. 43 Nada Muito pouco Médio Muito completamente ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 ( )5 As questões seguintes perguntam sobre quão bem ou satisfeito você sentiu a respeito de vários aspectos de sua vida nas últimas duas semanas. 15-Quão bem você é capaz de se locomover ? Muito ruim Ruim Nem ruim e nem bom Bom Muito bom ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 ( )5 16-Quão satisfeito (a) você esta com seu sono? Muito insatisfeito Insatisfeito Nem satisfeito nem satisfeito satisfeito ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 Muito satisfeito ( )5 17- Quão satisfeito ( a) você esta com sua capacidade de desempenhar as atividades do seu dia-a-dia? Muito insatisfeito Insatisfeito Nem satisfeito nem satisfeito satisfeito ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 Muito satisfeito ( )5 18- Quão satisfeito (a) você esta com sua capacidade para o trabalho? Muito insatisfeito Insatisfeito Nem satisfeito nem satisfeito satisfeito ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 Muito satisfeito ( )5 19- Quão satisfeito(a) você esta consigo mesmo? Muito insatisfeito Insatisfeito Nem satisfeito nem satisfeito satisfeito ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 Muito satisfeito ( )5
  • 44. 44 20- Quão satisfeito (a) você está com suas relações pessoais( amigos, parentes, conhecidos, colegas)? Muito insatisfeito Insatisfeito Nem satisfeito nem satisfeito satisfeito ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 Muito satisfeito ( )5 21- Quão Satisfeito (a) você está com sua vida sexual? Muito insatisfeito Insatisfeito Nem satisfeito nem satisfeito satisfeito ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 Muito satisfeito ( )5 22- Quão satisfeito (a) você está com o apoio que você recebe de seus amigos? Muito insatisfeito Insatisfeito Nem satisfeito nem satisfeito satisfeito ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 Muito satisfeito ( )5 23- Quão satisfeito (a) você esta com as condições do local onde mora? Muito insatisfeito Insatisfeito Nem satisfeito nem satisfeito satisfeito ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 Muito satisfeito ( )5 24- Quão satisfeito (a) você esta com o acesso aos serviços da saúde? Muito insatisfeito Insatisfeito Nem satisfeito nem satisfeito satisfeito ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 Muito satisfeito ( )5 25- Quão satisfeito (a) você está com o meio de transporte?
  • 45. 45 Muito insatisfeito Insatisfeito Nem satisfeito nem satisfeito satisfeito ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 Muito satisfeito ( )5 As questões seguintes referem-se a com que freqüência você sentiu ou experimentou certas coisas nas ultimas duas semanas. 26- Com que freqüência você tem sentimentos negativos tais como mau humor, desespero, ansiedade, depressão? Nunca Algumas vezes Freqüentemente Muito freqüentemente Sempre ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 ( )5 Alguém lhe ajudou a preencher este questionário? Quanto tempo você levou para preencher este questionário? Você tem algum comentário sobre o questionário?
  • 46. 46 ANEXO 5 ESCALA DE MEDIDA DA INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL (MIF) 7 Independência completa (em segurança, em Sem tempo normal) 6 Independência modificada (ajuda técnica) Ajuda Dependência modificada 5 Supervisão Níveis 4 Ajuda Mínima (indivíduo >= 75%) 3 Ajuda Moderada (indivíduo >= 50%) Ajuda 2 Ajuda Máxima (indivíduo >= 25%) 1 Ajuda Total (indivíduo >= 0%) Acompanhamento Avaliações Data / / Auto-Cuidados A. Alimentação B. Higiene pessoal C. Banho (lavar o corpo) D. Vestir metade superior E. Vestir metade inferior F. Utilização do vaso sanitário Controle de Esfíncteres G. Controle da Urina H. Controle das Fezes Mobilidade Transferências
  • 47. 47 I. Leito, cadeira, cadeira de rodas J. Vaso sanitário K. Banheira, chuveiro Locomoção L. Marcha / cadeira de rodas M C M. Escadas Comunicação N. Compreensão A V O. Expressão V N Cognição Social P. Interação Social Q. Resolução de problemas R. Memória Total