SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Teste 1 Poesia Trovadoresca (Sequência 2)
Cantigas de amigo
Teste de avaliação sumativa
GRUPO I
A
Lê o poema seguinte. Em caso de necessidade, consulta o vocabulário apresentado.
Que trist' oj' é meu amigo,
amiga, no seu coraçom!
ca non pôde falar migo
nen veer-m', e faz gram razom
meu amigo de trist' andar
pois m' el non vir e lh' eu nembrar.
Trist' anda, se Deus mi valha,
ca me non viu, e dereit' é,
e por esto faz sen falha
mui gram razom, per bõa fé,
meu amigo de trist' andar
pois m' el non vir e lh' eu nembrar.
D' andar triste faz guisado,
ca o non vi, nen vio el mi,
nen ar oío meu mandado,
e poren faz gram dereit' i
meu amigo de trist' andar
pois m' el non vir e lh' eu nembrar.
Mais, Deus, como pode durar
que já non morreu con pesar!
D. Dinis, n.os
157 do Cancioneiro da Vaticana e 554 do Cancioneiro Colocci-Brancuti.
Vocabulário
«oj’» (v. 1) – hoje; «é» (v. 1) – está, anda; «ca» (v. 3) – porque; «faz gram razom (…) de» (vv. 4
e 5) – tem toda a razão (…) para; «nembrar» (v. 6) – lembrar; «D’andar triste faz guisado»
(v. 13) – o seu estado é de tristeza; «nem ar oío meu mandado» (v. 15) – nem por certo
recebeu o meu recado; «poren» (v. 16) – por isso; «Mais» (v. 19) – Mas; «pesar» (v. 20) –
sofrimento
1
©Edições ASA  2015  Entre Palavras 10  António Vilas-Boas e Manuel Vieira
Apresenta, de forma clara e bem estruturada, as tuas respostas aos itens que se seguem.
1. Indica, justificando, qual a relação entre o sujeito poético e a sua «amiga».
2. Elabora a caracterização psicológica do «amigo», justificando com elementos textuais
pertinentes.
3. Identifica uma marca de paralelismo presente no texto, justificando.
4. Tem em atenção o refrão. Explicita o desabafo da amiga relativo ao seu «amigo».
B
Nas cantigas de amigo, o sentimento amoroso da amiga encontra frequentemente na
natureza ou noutras amigas um consolo para as suas dúvidas e aflições.
Escreve um texto no qual comproves esta firmação com base na tua experiência de leitura.
O teu texto deve ter entre 120 e 150 palavras.
GRUPO II
Lê o texto seguinte.
O INÍCIO DA LITERATURA PORTUGUESA
OS TEXTOS
As primeiras manifestações históricas da literatura portuguesa (entende-se literatura como
a arte ou ofício de escrever de forma artística) verificáveis provêm de composições poéticas
datadas do século XII. São em verso os mais antigos textos de caráter literário escritos em
português. Acontece na literatura portuguesa o que aliás se verifica em quase todas as
literaturas antigas e modernas: a poesia toma a dianteira e, muito antes da prosa, alcança as
condições de mais completa maturidade literária.
Foi a poesia trovadoresca, na fala galaico-portuguesa que, por mais de um século se fez
ouvir em Portugal, que encontrou na escrita o apropriado meio de registo da arte lírica criada
por trovadores, e que deu inicio à expressão literária da língua portuguesa.
Esta poesia trovadoresca apresenta três modalidades, singularmente caracterizadas: a
“Cantiga de Amigo”, a mais antiga; a “Cantiga de amor”, mais complexa e mais culta; a
“Cantiga de Escárnio e de Maldizer” que, sem amenidades de linguagem, exprime uma outra
faceta da vida medieval, bastante mais vulgar mas também realista.
Ao registo lírico sucedeu-se a prosa medieval. Contrastando com a qualidade e volume da
produção poética, os primeiros documentos literários em prosa exibem, com a sua penúria,
uma forma de expressão ainda hesitante e confusa. Nos conventos, praticamente os únicos
focos de irradiação cultural da época, ensaiaram-se as primeiras tentativas de prosa literária:
obras de edificação moral e religiosa; breves anotações de acontecimentos; piedosas vidas de
santos e inúmeras traduções de obras latinas, normalmente destinadas à instrução ou à
edificação dos crentes. Além destas obras de intuitos religiosos e morais e de rudimentar
feição histórica, há a considerar os Livros de Linhagens ou Nobiliários que, embora tendo como
objetivo o registo genealógico das famílias nobres do reino, incluem, curiosamente, algumas
narrativas de lendas, constituindo pois também formas de literatura.
2
©Edições ASA  2015  Entre Palavras 10  António Vilas-Boas e Manuel Vieira
A partir do século XIII impõe-se então a verdadeira prosa literária, de caráter ficcional e
romanesco, tendo como tema central a vida aventurosa dos cavaleiros. Estas tobras, que se
passaram a chamar “Romances de Cavalaria” nasceram no antigo reino de Provença, mas
depressa se espalharam por toda a Europa, e criaram aquilo que hoje se entende pelos Mitos
da Idade Média, ligados às aventuras de cavaleiros com seres fantásticos (como os Dragões), à
demanda de objectos sagrados (como o Santo Grall) ou à exaltação dos ideais de cavalaria
defendidos por cortes imaginárias (como a Corte do Rei Artur e da sua Távola Redonda). O
mais famoso romance é o Amadis de Gaula —, sobre o qual Portugal e Espanha disputam a
autoria.
OS AUTORES E DIVULGADORES DA LÌRICA MEDIEVAL
Por trovador entende-se todos os homens de arte que escreviam trovas (versos) e
compunham melodias para as cantar. Havia vários tipos de trovadores – segrel, menestrel ou
jogral são outros nomes para os praticantes da arte de “trovar”, a diferença do título estava na
própria condição social do trovador. De modo geral a designação de “trovador” aplicava-se
somente aos autores de origem nobre, pois os autores de origem plebeia, mas que também
tocavam nas cortes, tinham o nome de jogral; são de ambos os versos que sobreviveram até
aos dias de hoje, por meio do registo literário. Já os segréis eram trovadores de baixa condição
que vendiam a sua arte de compor músicas a troco de dinheiro quando alguém de algumas
posses precisava de animar os serões da sua própria casa. Os menestréis, por sua vez,
parecidos com os bardos que contavam histórias de vila em vila, eram trovadores errantes
que, de terra em terra, cantavam a troco de comida, muitas das vezes cantando os versos dos
trovadores das cortes, ajudando assim a popularizar determinada canção entre o povo.
http://www.luso-livros.net/idade-media
(Texto adaptado, consultado em 06.07.2015)
1. Para responder a cada um dos itens de 1.1 a 1.7, seleciona a opção que permite obter uma
afirmação correta.
1.1 Este texto tem como função principal
(A) distinguir entre lírica medieval e prosa medieval em Portugal.
(B) comparar a lírica medieval portuguesa com a de épocas posteriores.
(C) caracterizar os autores dos textos literários medievais portugueses.
(D) informar sobre as características gerais da literatura medieval portuguesa.
1.2 O início da literatura em Portugal caracteriza-se
(A) por não se distinguir dos inícios de outras literaturas.
(B) por se distinguir dos inícios de outras literaturas.
3
©Edições ASA  2015  Entre Palavras 10  António Vilas-Boas e Manuel Vieira
(C) pela precedência da prosa em relação à poesia.
(D) pela ausência de poesia lírica.
1.3 A expressão «sem amenidades de linguagem», linha 12, que significa que a linguagem das
cantigas de escárnio e maldizer podia ser insultuosa e ofensiva, concretiza, por isso,
(A) um eufemismo.
(B) uma hipérbole.
(C) uma antítese.
(D) uma comparação.
1.4 O contraste referido no início do terceiro parágrafo relaciona
(A) duas culturas.
(B) dois espaços.
(C) duas formas de expressão literárias.
(D) dois documentos literários.
1.5 Os diferentes textos em prosa produzidos nos conventos medievais caracterizavam -se, no
que ao seu valor histórico diz respeito
(A) por apresentarem informação histórica de qualidade.
(B) por se referirem somente à história de Portugal e de Espanha.
(C) por apresentarem informação histórica praticamente irrelevante.
(D) por incluírem informações sobre a vida de alguns santos.
1.6 A prosa literária portuguesa caracteriza-se, a partir do século XIII, por apresentar temáticas
de natureza
(A) social e religiosa.
(B) religiosa e fantástica.
(C) fantástica e mítica.
(D) aventurosa e fantástica.
4
©Edições ASA  2015  Entre Palavras 10  António Vilas-Boas e Manuel Vieira
1.7 A distinção entre os diferentes tipos de trovadores estabelecia-se a partir de fatores de
natureza
(A) cultural.
(B) estética.
(C) artística.
(D) social.
2. Responde, de forma correta aos itens apresentados.
Tem em atenção o Texto do Grupo I.
2.1 Indica o processo fonológico de alteração que se verifica na evolução da palavra latina
<amicu> para a palavra portuguesa <amigo, v.1>.
Tem em atenção o Texto do Grupo II.
2.2 Indica a função sintática desempenhada pelo primeiro pronome pessoal átono present no
último parágrafo.
2.3 Classifica a oração subordinada sublinhada em «Os menestréis, por sua vez, parecidos com
os bardos que contavam histórias de vila em vila, eram trovadores errantes».
GRUPO III
Escreve um texto no qual aprecies criticamente um livro recentemente lido ou um filme
visto há pouco.
O teu texto deve ter um mínimo de 200 e um máximo de 300 palavras.
5
©Edições ASA  2015  Entre Palavras 10  António Vilas-Boas e Manuel Vieira
1.7 A distinção entre os diferentes tipos de trovadores estabelecia-se a partir de fatores de
natureza
(A) cultural.
(B) estética.
(C) artística.
(D) social.
2. Responde, de forma correta aos itens apresentados.
Tem em atenção o Texto do Grupo I.
2.1 Indica o processo fonológico de alteração que se verifica na evolução da palavra latina
<amicu> para a palavra portuguesa <amigo, v.1>.
Tem em atenção o Texto do Grupo II.
2.2 Indica a função sintática desempenhada pelo primeiro pronome pessoal átono present no
último parágrafo.
2.3 Classifica a oração subordinada sublinhada em «Os menestréis, por sua vez, parecidos com
os bardos que contavam histórias de vila em vila, eram trovadores errantes».
GRUPO III
Escreve um texto no qual aprecies criticamente um livro recentemente lido ou um filme
visto há pouco.
O teu texto deve ter um mínimo de 200 e um máximo de 300 palavras.
5
©Edições ASA  2015  Entre Palavras 10  António Vilas-Boas e Manuel Vieira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Analise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosaAnalise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosa
cnlx
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
Lurdes
 

Mais procurados (20)

Analise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosaAnalise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosa
 
Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadoso
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
 
Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...
Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...
Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Ai flores, ai flores
Ai flores, ai floresAi flores, ai flores
Ai flores, ai flores
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Ondas do mar de vigo
Ondas do mar de vigoOndas do mar de vigo
Ondas do mar de vigo
 
O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexão
O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexãoO herói n’os lusíadas - tópicos para reflexão
O herói n’os lusíadas - tópicos para reflexão
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º anoAnálise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
 
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
 
Subordinação
SubordinaçãoSubordinação
Subordinação
 
Teste Luis de Camões
Teste Luis de CamõesTeste Luis de Camões
Teste Luis de Camões
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
 
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docxteste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
teste-3-10f-gv-farsa-de-ines-pereira.docx
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 

Destaque (12)

O trovadorismo
O trovadorismoO trovadorismo
O trovadorismo
 
TectóNica De Placas
TectóNica De PlacasTectóNica De Placas
TectóNica De Placas
 
Santillana p11 ficha-de-avaliaca-formativa-1
Santillana p11 ficha-de-avaliaca-formativa-1Santillana p11 ficha-de-avaliaca-formativa-1
Santillana p11 ficha-de-avaliaca-formativa-1
 
Ficha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativaFicha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativa
 
Caracteristicas da Poesia Trovadoresca
Caracteristicas da Poesia TrovadorescaCaracteristicas da Poesia Trovadoresca
Caracteristicas da Poesia Trovadoresca
 
Questionário Poesia Trovadoresca
Questionário Poesia TrovadorescaQuestionário Poesia Trovadoresca
Questionário Poesia Trovadoresca
 
A Revolução de 1383 / 85
A Revolução de 1383 / 85A Revolução de 1383 / 85
A Revolução de 1383 / 85
 
4 fases para fazer um texto expositivo
4 fases para fazer um  texto expositivo4 fases para fazer um  texto expositivo
4 fases para fazer um texto expositivo
 
Cantigas de amor duas análises
Cantigas de amor duas análisesCantigas de amor duas análises
Cantigas de amor duas análises
 
Geologia 10º ano
Geologia 10º anoGeologia 10º ano
Geologia 10º ano
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
 
10º testes leya
10º testes leya10º testes leya
10º testes leya
 

Semelhante a 8 teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora

Resumo literatura portuguesa20143anoEM
Resumo literatura portuguesa20143anoEMResumo literatura portuguesa20143anoEM
Resumo literatura portuguesa20143anoEM
Marly Rodrigues
 
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Pedro Andrade
 
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOSVESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
Isaquel Silva
 

Semelhante a 8 teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora (20)

SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANOSEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
 
Aula 06 barroco no brasil
Aula 06   barroco no brasilAula 06   barroco no brasil
Aula 06 barroco no brasil
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SASResolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
 
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
51.2 ribeiro o medievismo em gonçalves dias
51.2 ribeiro o medievismo em gonçalves dias51.2 ribeiro o medievismo em gonçalves dias
51.2 ribeiro o medievismo em gonçalves dias
 
Apoesiatrovadoresca.pdf
Apoesiatrovadoresca.pdfApoesiatrovadoresca.pdf
Apoesiatrovadoresca.pdf
 
Resumo literatura portuguesa20143anoEM
Resumo literatura portuguesa20143anoEMResumo literatura portuguesa20143anoEM
Resumo literatura portuguesa20143anoEM
 
Unidade ii
Unidade iiUnidade ii
Unidade ii
 
Simulado lit-prise 2.1 ok
Simulado lit-prise 2.1 okSimulado lit-prise 2.1 ok
Simulado lit-prise 2.1 ok
 
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
 
Estilos literarios
Estilos literariosEstilos literarios
Estilos literarios
 
Estilos literarios
Estilos literariosEstilos literarios
Estilos literarios
 
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOSVESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
 
Literatura Tipo A
Literatura Tipo ALiteratura Tipo A
Literatura Tipo A
 
Crítica ao livro «Contra o Esquecimento das Mãos» de João Ricardo Lopes (2002)
Crítica ao livro «Contra o Esquecimento das Mãos» de João Ricardo Lopes (2002)Crítica ao livro «Contra o Esquecimento das Mãos» de João Ricardo Lopes (2002)
Crítica ao livro «Contra o Esquecimento das Mãos» de João Ricardo Lopes (2002)
 
RecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 EmRecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 Em
 
A literatura romântica.
A literatura romântica.A literatura romântica.
A literatura romântica.
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
 
A literatura romântica..ppt
A literatura romântica..pptA literatura romântica..ppt
A literatura romântica..ppt
 
Literatura 2010
Literatura 2010Literatura 2010
Literatura 2010
 

Mais de Carla Ribeiro

Mais de Carla Ribeiro (15)

Written tests
Written testsWritten tests
Written tests
 
0 poesia medieval-noções_gerais
0   poesia medieval-noções_gerais0   poesia medieval-noções_gerais
0 poesia medieval-noções_gerais
 
Contextos teste mensagem_e_lusíadas
Contextos teste mensagem_e_lusíadasContextos teste mensagem_e_lusíadas
Contextos teste mensagem_e_lusíadas
 
Lusíadas_Português_12º_ano
Lusíadas_Português_12º_anoLusíadas_Português_12º_ano
Lusíadas_Português_12º_ano
 
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_LusíadasNarrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
 
Entre palavras teste_fernão_lopes_2
Entre palavras teste_fernão_lopes_2Entre palavras teste_fernão_lopes_2
Entre palavras teste_fernão_lopes_2
 
Entre palavras teste_fernão_lopes
Entre palavras teste_fernão_lopesEntre palavras teste_fernão_lopes
Entre palavras teste_fernão_lopes
 
Entre palavras teste_fernão_lopes_1_e_2_correcção
Entre palavras teste_fernão_lopes_1_e_2_correcçãoEntre palavras teste_fernão_lopes_1_e_2_correcção
Entre palavras teste_fernão_lopes_1_e_2_correcção
 
1 making cyberfriends
1   making cyberfriends1   making cyberfriends
1 making cyberfriends
 
0 reported speech
0   reported speech0   reported speech
0 reported speech
 
0 relative clauses-definition_&amp;_exercises
0   relative clauses-definition_&amp;_exercises0   relative clauses-definition_&amp;_exercises
0 relative clauses-definition_&amp;_exercises
 
0 passive voice-definition
0   passive voice-definition0   passive voice-definition
0 passive voice-definition
 
0 conditionals definition-&amp;_exercises
0   conditionals definition-&amp;_exercises0   conditionals definition-&amp;_exercises
0 conditionals definition-&amp;_exercises
 
1 modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica
1   modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica1   modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica
1 modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica
 
1 the sinking-of_the_prestige
1   the sinking-of_the_prestige1   the sinking-of_the_prestige
1 the sinking-of_the_prestige
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 

Último (20)

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 

8 teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora

  • 1. Teste 1 Poesia Trovadoresca (Sequência 2) Cantigas de amigo Teste de avaliação sumativa GRUPO I A Lê o poema seguinte. Em caso de necessidade, consulta o vocabulário apresentado. Que trist' oj' é meu amigo, amiga, no seu coraçom! ca non pôde falar migo nen veer-m', e faz gram razom meu amigo de trist' andar pois m' el non vir e lh' eu nembrar. Trist' anda, se Deus mi valha, ca me non viu, e dereit' é, e por esto faz sen falha mui gram razom, per bõa fé, meu amigo de trist' andar pois m' el non vir e lh' eu nembrar. D' andar triste faz guisado, ca o non vi, nen vio el mi, nen ar oío meu mandado, e poren faz gram dereit' i meu amigo de trist' andar pois m' el non vir e lh' eu nembrar. Mais, Deus, como pode durar que já non morreu con pesar! D. Dinis, n.os 157 do Cancioneiro da Vaticana e 554 do Cancioneiro Colocci-Brancuti. Vocabulário «oj’» (v. 1) – hoje; «é» (v. 1) – está, anda; «ca» (v. 3) – porque; «faz gram razom (…) de» (vv. 4 e 5) – tem toda a razão (…) para; «nembrar» (v. 6) – lembrar; «D’andar triste faz guisado» (v. 13) – o seu estado é de tristeza; «nem ar oío meu mandado» (v. 15) – nem por certo recebeu o meu recado; «poren» (v. 16) – por isso; «Mais» (v. 19) – Mas; «pesar» (v. 20) – sofrimento 1 ©Edições ASA  2015  Entre Palavras 10  António Vilas-Boas e Manuel Vieira
  • 2. Apresenta, de forma clara e bem estruturada, as tuas respostas aos itens que se seguem. 1. Indica, justificando, qual a relação entre o sujeito poético e a sua «amiga». 2. Elabora a caracterização psicológica do «amigo», justificando com elementos textuais pertinentes. 3. Identifica uma marca de paralelismo presente no texto, justificando. 4. Tem em atenção o refrão. Explicita o desabafo da amiga relativo ao seu «amigo». B Nas cantigas de amigo, o sentimento amoroso da amiga encontra frequentemente na natureza ou noutras amigas um consolo para as suas dúvidas e aflições. Escreve um texto no qual comproves esta firmação com base na tua experiência de leitura. O teu texto deve ter entre 120 e 150 palavras. GRUPO II Lê o texto seguinte. O INÍCIO DA LITERATURA PORTUGUESA OS TEXTOS As primeiras manifestações históricas da literatura portuguesa (entende-se literatura como a arte ou ofício de escrever de forma artística) verificáveis provêm de composições poéticas datadas do século XII. São em verso os mais antigos textos de caráter literário escritos em português. Acontece na literatura portuguesa o que aliás se verifica em quase todas as literaturas antigas e modernas: a poesia toma a dianteira e, muito antes da prosa, alcança as condições de mais completa maturidade literária. Foi a poesia trovadoresca, na fala galaico-portuguesa que, por mais de um século se fez ouvir em Portugal, que encontrou na escrita o apropriado meio de registo da arte lírica criada por trovadores, e que deu inicio à expressão literária da língua portuguesa. Esta poesia trovadoresca apresenta três modalidades, singularmente caracterizadas: a “Cantiga de Amigo”, a mais antiga; a “Cantiga de amor”, mais complexa e mais culta; a “Cantiga de Escárnio e de Maldizer” que, sem amenidades de linguagem, exprime uma outra faceta da vida medieval, bastante mais vulgar mas também realista. Ao registo lírico sucedeu-se a prosa medieval. Contrastando com a qualidade e volume da produção poética, os primeiros documentos literários em prosa exibem, com a sua penúria, uma forma de expressão ainda hesitante e confusa. Nos conventos, praticamente os únicos focos de irradiação cultural da época, ensaiaram-se as primeiras tentativas de prosa literária: obras de edificação moral e religiosa; breves anotações de acontecimentos; piedosas vidas de santos e inúmeras traduções de obras latinas, normalmente destinadas à instrução ou à edificação dos crentes. Além destas obras de intuitos religiosos e morais e de rudimentar feição histórica, há a considerar os Livros de Linhagens ou Nobiliários que, embora tendo como objetivo o registo genealógico das famílias nobres do reino, incluem, curiosamente, algumas narrativas de lendas, constituindo pois também formas de literatura. 2 ©Edições ASA  2015  Entre Palavras 10  António Vilas-Boas e Manuel Vieira
  • 3. A partir do século XIII impõe-se então a verdadeira prosa literária, de caráter ficcional e romanesco, tendo como tema central a vida aventurosa dos cavaleiros. Estas tobras, que se passaram a chamar “Romances de Cavalaria” nasceram no antigo reino de Provença, mas depressa se espalharam por toda a Europa, e criaram aquilo que hoje se entende pelos Mitos da Idade Média, ligados às aventuras de cavaleiros com seres fantásticos (como os Dragões), à demanda de objectos sagrados (como o Santo Grall) ou à exaltação dos ideais de cavalaria defendidos por cortes imaginárias (como a Corte do Rei Artur e da sua Távola Redonda). O mais famoso romance é o Amadis de Gaula —, sobre o qual Portugal e Espanha disputam a autoria. OS AUTORES E DIVULGADORES DA LÌRICA MEDIEVAL Por trovador entende-se todos os homens de arte que escreviam trovas (versos) e compunham melodias para as cantar. Havia vários tipos de trovadores – segrel, menestrel ou jogral são outros nomes para os praticantes da arte de “trovar”, a diferença do título estava na própria condição social do trovador. De modo geral a designação de “trovador” aplicava-se somente aos autores de origem nobre, pois os autores de origem plebeia, mas que também tocavam nas cortes, tinham o nome de jogral; são de ambos os versos que sobreviveram até aos dias de hoje, por meio do registo literário. Já os segréis eram trovadores de baixa condição que vendiam a sua arte de compor músicas a troco de dinheiro quando alguém de algumas posses precisava de animar os serões da sua própria casa. Os menestréis, por sua vez, parecidos com os bardos que contavam histórias de vila em vila, eram trovadores errantes que, de terra em terra, cantavam a troco de comida, muitas das vezes cantando os versos dos trovadores das cortes, ajudando assim a popularizar determinada canção entre o povo. http://www.luso-livros.net/idade-media (Texto adaptado, consultado em 06.07.2015) 1. Para responder a cada um dos itens de 1.1 a 1.7, seleciona a opção que permite obter uma afirmação correta. 1.1 Este texto tem como função principal (A) distinguir entre lírica medieval e prosa medieval em Portugal. (B) comparar a lírica medieval portuguesa com a de épocas posteriores. (C) caracterizar os autores dos textos literários medievais portugueses. (D) informar sobre as características gerais da literatura medieval portuguesa. 1.2 O início da literatura em Portugal caracteriza-se (A) por não se distinguir dos inícios de outras literaturas. (B) por se distinguir dos inícios de outras literaturas. 3 ©Edições ASA  2015  Entre Palavras 10  António Vilas-Boas e Manuel Vieira
  • 4. (C) pela precedência da prosa em relação à poesia. (D) pela ausência de poesia lírica. 1.3 A expressão «sem amenidades de linguagem», linha 12, que significa que a linguagem das cantigas de escárnio e maldizer podia ser insultuosa e ofensiva, concretiza, por isso, (A) um eufemismo. (B) uma hipérbole. (C) uma antítese. (D) uma comparação. 1.4 O contraste referido no início do terceiro parágrafo relaciona (A) duas culturas. (B) dois espaços. (C) duas formas de expressão literárias. (D) dois documentos literários. 1.5 Os diferentes textos em prosa produzidos nos conventos medievais caracterizavam -se, no que ao seu valor histórico diz respeito (A) por apresentarem informação histórica de qualidade. (B) por se referirem somente à história de Portugal e de Espanha. (C) por apresentarem informação histórica praticamente irrelevante. (D) por incluírem informações sobre a vida de alguns santos. 1.6 A prosa literária portuguesa caracteriza-se, a partir do século XIII, por apresentar temáticas de natureza (A) social e religiosa. (B) religiosa e fantástica. (C) fantástica e mítica. (D) aventurosa e fantástica. 4 ©Edições ASA  2015  Entre Palavras 10  António Vilas-Boas e Manuel Vieira
  • 5. 1.7 A distinção entre os diferentes tipos de trovadores estabelecia-se a partir de fatores de natureza (A) cultural. (B) estética. (C) artística. (D) social. 2. Responde, de forma correta aos itens apresentados. Tem em atenção o Texto do Grupo I. 2.1 Indica o processo fonológico de alteração que se verifica na evolução da palavra latina <amicu> para a palavra portuguesa <amigo, v.1>. Tem em atenção o Texto do Grupo II. 2.2 Indica a função sintática desempenhada pelo primeiro pronome pessoal átono present no último parágrafo. 2.3 Classifica a oração subordinada sublinhada em «Os menestréis, por sua vez, parecidos com os bardos que contavam histórias de vila em vila, eram trovadores errantes». GRUPO III Escreve um texto no qual aprecies criticamente um livro recentemente lido ou um filme visto há pouco. O teu texto deve ter um mínimo de 200 e um máximo de 300 palavras. 5 ©Edições ASA  2015  Entre Palavras 10  António Vilas-Boas e Manuel Vieira
  • 6. 1.7 A distinção entre os diferentes tipos de trovadores estabelecia-se a partir de fatores de natureza (A) cultural. (B) estética. (C) artística. (D) social. 2. Responde, de forma correta aos itens apresentados. Tem em atenção o Texto do Grupo I. 2.1 Indica o processo fonológico de alteração que se verifica na evolução da palavra latina <amicu> para a palavra portuguesa <amigo, v.1>. Tem em atenção o Texto do Grupo II. 2.2 Indica a função sintática desempenhada pelo primeiro pronome pessoal átono present no último parágrafo. 2.3 Classifica a oração subordinada sublinhada em «Os menestréis, por sua vez, parecidos com os bardos que contavam histórias de vila em vila, eram trovadores errantes». GRUPO III Escreve um texto no qual aprecies criticamente um livro recentemente lido ou um filme visto há pouco. O teu texto deve ter um mínimo de 200 e um máximo de 300 palavras. 5 ©Edições ASA  2015  Entre Palavras 10  António Vilas-Boas e Manuel Vieira