SlideShare uma empresa Scribd logo
CONCEITO DE MODERNISMO
Em inícios do século XX, em Portugal, a produção literária e plástica era ainda profundamente
marcada pelo classicismo racionalista e naturalista, em manifestações apáticas e decadentes,
que evidenciavam forte resistência à inovação. Ao monótono e decadente rotativismo político
correspondia uma não menos monótona e decadente produção intelectual. Os interesses
materiais dos burgueses sobrepunham-se aos interesses culturais, condicionando a liberdade
de expressão. A partir de certo momento, grupos de intelectuais portugueses organizaram-se
em círculos de contestação da velha ordem e iniciam-se no recurso a estratégias provocatórias
e na resposta, por vezes desabrida, às formas políticas e culturais conservadoras e
reaccionárias à modernidade. - É o modernismo, enquanto movimento estético e literário de
ruptura com o marasmo intelectual, que irrompe em Portugal em uníssono com a arte e a
literatura mais avançadas da Europa, sem prejuízo, todavia, da originalidade nacional. O
modernismo é um movimento cultural do início do século XX baseando-se na ideia de que o
tradicionalismo vigentes nas artes se tinha tornado obsoleto. No contexto na revolução
industrial dos finais do século XIX urgia impregnar as artes deste sentimento de progresso. Era
necessário aceitar o novo como bom e belo. O modernismo é um movimento estético em que
as diversas artes interagem (literatura, pintura...) o modernismo implica uma nova visão da arte
e da relação entre arte e autor. O modernismo implica uma concepção do Homem para lá dos
seus limites, uma exploração mais ampla das possibilidades e capacidades da alma humana.
De uma forma algo simplista pode dizer-se que este movimento se inicia em Portugal nas
vésperas da Primeira Guerra Mundial estendendo-se até à Segunda Grande Guerra.
Breve definição de Modernismo
O Modernismo encara a literatura como “linguagem que se constitui a partir de um vazio” e não
como expressão directa das vivências do Eu do autor, tal como acontecia no Romantismo. É
também uma característica sua a ligação às artes plásticas atribuída na literatura ao aspecto
gráfico. Estas características podem e devem ligar-se às diferentes reacções dos artistas face
à crise de consciência da época e sintetizando-se da seguinte maneira:
- agressão, polémica, sarcasmo
- celebração das energias individuais (Whitman)
- entrega à vertigem das sensações, celebração da força da máquina
- tendência para a dispersão
- consciência da multiplicidade do Eu
Exercício 1 – define classicismo encontrando exemplos do mesmo na literatura do contexto
português.
Nomes do Modernismo em Portugal e Órgãos de difusão do movimento
Fernando Pessoa, Mário de Sá Carneiro, José de Almada Negreiros e Santa Rita Pintor (artista
plástico). Em Lisboa, no ano de 1913, estes quatro criadores juntam-se e em 1914 lançam a
revista futurista “Orpheu” (primeiro modernismo). O ano de 1916 traz o suicídio de Mário de Sá
Carneiro. Depois de extinta a Orpheu, outras publicações individuais continuam a divulgar o
modernismo português, entre estas “Centauro”, 1916; “Portugal Futurista”, 1917; “Athena”,
1924-1925 e “Presença”, 1927-1940, esta última sendo o órgão do segundo modernismo
português.
Objectivos da “Orpheu” – A Geração de Orpheu
1
A “Orpheu” tinha como objectivo divulgar o movimento modernista e os seus autores, pretendia
também criar ruído, isto é, escandalizar a burguesia, transtornar e se possível modificar a
mentalidade do povo português. Mas não foi possível...
Os autores da Orpheu confluem passado e futuro e vemos lado a lado discípulos do
Simbolismo, do Decadentismo e introdutores das novas correntes. O Paulismo e o
Interseccionismo de Pessoa ortónimo, breve são substituídos pelo Sensacionismo de Álvaro de
Campos e pelo Futurismo de Álvaro de Campos1
e Mário de Sá Carneiro. Os poetas do
futurismo cantam a vida moderna, substituem o belo pelo novo, isto é, cantam a vida moderna,
os frémitos da nova civilização mecânica visando não a beleza como até então viste de um
ponto de vista clássico mas a força e o dinamismo. A geração de Orpheu irá liquidar certas
formas de sentir e de pensar vindas do passado e tornadas obsoletas, visa o Homem Moderno.
Como temas dominantes do modernismo podemos salientar a Euforia do Novo, tudo o que em
termos civilizacionais é moderno será cantado de forma eufórica, à maneira de Whitman.
Contudo, esta euforia depressa descambará para o tédio e para a dissolução do sujeito (como
se irá notar na poesia de Campos), para a crise aguda do “eu” que, refractado, se perde.
Exercício 2 – Encontra definições concisas de Simbolismo, Decadentismo, Paulismo e
Interseccionismo enquadrando-as no contexto da geração modernista.
FERNANDO PESSOA – BREVE NOTA BIOGRÁFICA E BIBLIOGRÁFICA
Fernando Alberto Nogueira Pessoa nasce em Lisboa a 13 de Junho de 1888 mas passará
grande parte da sua juventude na África do Sul em virtude do segundo casamento da sua mãe
com o Comandante João Miguel Rosa, Cônsul de Portugal em Durban. Neste país recebe uma
educação britânica (daí o seu conhecimento profundo da língua inglesa, na qual escreve vários
textos em prosa e em poesia). Fernando Pessoa cresce de forma solitária tomando
conhecimento de autores tais como Shakespeare, Allan Poe, entre outros. Em 1905 regressa
sozinho a Lisboa deixando para trás a família. Em 1906 matricula-se no Curso Superior de
Letras na Universidade de Lisboa familiarizando-se com vários autores da língua portuguesa.
Embora Pessoa já escrevesse desde a as juventude, é pelo ano de 1912 que se estreia
enquanto ensaísta e crítico literário na revista “Águia”. Foi uma figura discreta, vivendo quase
apenas para a literatura. Trabalhou enquanto tradutor de uma firma comercial em Lisboa
aproveitando o seu conhecimento da língua inglesa. Toda a actividade de Pessoa passava-se
para dentro: desdobrando-se em multidões de heterónimos sendo que os mais conhecidos
para o grande público são Alberto Caeiro, Álvaro Campos, Ricardo Reis e Bernardo Soares
(uma espécie de Fernando Pessoa “ele mesmo” mas em estado de sonolência, segundo as
palavras do próprio). A 25 de Novembro de 1935 é internado no Hospital de São Luís dos
Franceses devido a uma cólica hepática provocada pelo abuso do álcool. Morre a 30 de
Novembro, aos 47 anos. A sua última frase escrita é em inglês “I know not what tomorrow will
bring”.
Breve resenha da obra do poeta
Pessoa ortónimo:
A mensagem
Cancioneiro
O marinheiro (peça de teatro)
Páginas sobre literatura e estática (*)
A procura da verdade oculta (*)
(*) Ensaios
Alberto Caeiro
O guardador de rebanhos
O pastor amoroso
Poemas inconjuntos
Álvaro de Campos
Poesias de Álvaro de Campos
1
O futurismo de Campos vai beber essencialmente a Walt Whitman e a Marinetti.
2
Ricardo Reis
Odes de Ricardo Reis
3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trovadorismo humanismo e classicismo
Trovadorismo  humanismo e classicismoTrovadorismo  humanismo e classicismo
Trovadorismo humanismo e classicismo
NaraSomerhalder
 
30095592 exercicios-trovadorismo-humanismo-classicismo-quinhentismo-e-barroco...
30095592 exercicios-trovadorismo-humanismo-classicismo-quinhentismo-e-barroco...30095592 exercicios-trovadorismo-humanismo-classicismo-quinhentismo-e-barroco...
30095592 exercicios-trovadorismo-humanismo-classicismo-quinhentismo-e-barroco...
Samiures
 
Prosa conto e romance.
Prosa conto e romance.Prosa conto e romance.
Prosa conto e romance.
Mara Magaña
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
A prosa romântica regionalista
A prosa romântica regionalistaA prosa romântica regionalista
A prosa romântica regionalista
hipolitus
 
Trovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismoTrovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismo
Lidiane Rodrigues
 
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOSVESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
Isaquel Silva
 
Literatura ufpe 2013
Literatura ufpe 2013Literatura ufpe 2013
Literatura ufpe 2013
Esquadrão Do Conhecimento
 
"Grande sertão: veredas" e "Primeiras estórias"
"Grande sertão: veredas" e "Primeiras estórias""Grande sertão: veredas" e "Primeiras estórias"
"Grande sertão: veredas" e "Primeiras estórias"
Mariana Klafke
 
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
BriefCase
 
RecuperaçãO Final 1 Em
RecuperaçãO Final 1 EmRecuperaçãO Final 1 Em
RecuperaçãO Final 1 Em
Brenda Tacchelli
 
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
RecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 EmRecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 Em
Brenda Tacchelli
 
Saudade e Amor na Literatura e Património Português
Saudade e Amor na Literatura e Património PortuguêsSaudade e Amor na Literatura e Património Português
Saudade e Amor na Literatura e Património Português
Dina Baptista
 
Prova 1 bim - ENSINO MÉDIO
Prova 1  bim - ENSINO MÉDIOProva 1  bim - ENSINO MÉDIO
Prova 1 bim - ENSINO MÉDIO
Jomari
 
Literatura aula 16 - machado de assis
Literatura   aula 16 - machado de assisLiteratura   aula 16 - machado de assis
Literatura aula 16 - machado de assis
mfmpafatima
 
Questões - Quinhentismo, Barroco e Arcadismo
Questões - Quinhentismo, Barroco e ArcadismoQuestões - Quinhentismo, Barroco e Arcadismo
Questões - Quinhentismo, Barroco e Arcadismo
Gabriella Lima
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Dina Baptista
 
[Trovadorismo E Humanismo
[Trovadorismo E Humanismo[Trovadorismo E Humanismo
[Trovadorismo E Humanismo
José Ricardo Lima
 
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
Maria Glalcy Fequetia Dalcim
 

Mais procurados (20)

Trovadorismo humanismo e classicismo
Trovadorismo  humanismo e classicismoTrovadorismo  humanismo e classicismo
Trovadorismo humanismo e classicismo
 
30095592 exercicios-trovadorismo-humanismo-classicismo-quinhentismo-e-barroco...
30095592 exercicios-trovadorismo-humanismo-classicismo-quinhentismo-e-barroco...30095592 exercicios-trovadorismo-humanismo-classicismo-quinhentismo-e-barroco...
30095592 exercicios-trovadorismo-humanismo-classicismo-quinhentismo-e-barroco...
 
Prosa conto e romance.
Prosa conto e romance.Prosa conto e romance.
Prosa conto e romance.
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
A prosa romântica regionalista
A prosa romântica regionalistaA prosa romântica regionalista
A prosa romântica regionalista
 
Trovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismoTrovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismo
 
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOSVESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
 
Literatura ufpe 2013
Literatura ufpe 2013Literatura ufpe 2013
Literatura ufpe 2013
 
"Grande sertão: veredas" e "Primeiras estórias"
"Grande sertão: veredas" e "Primeiras estórias""Grande sertão: veredas" e "Primeiras estórias"
"Grande sertão: veredas" e "Primeiras estórias"
 
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
 
RecuperaçãO Final 1 Em
RecuperaçãO Final 1 EmRecuperaçãO Final 1 Em
RecuperaçãO Final 1 Em
 
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
RecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 EmRecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 Em
 
Saudade e Amor na Literatura e Património Português
Saudade e Amor na Literatura e Património PortuguêsSaudade e Amor na Literatura e Património Português
Saudade e Amor na Literatura e Património Português
 
Prova 1 bim - ENSINO MÉDIO
Prova 1  bim - ENSINO MÉDIOProva 1  bim - ENSINO MÉDIO
Prova 1 bim - ENSINO MÉDIO
 
Literatura aula 16 - machado de assis
Literatura   aula 16 - machado de assisLiteratura   aula 16 - machado de assis
Literatura aula 16 - machado de assis
 
Questões - Quinhentismo, Barroco e Arcadismo
Questões - Quinhentismo, Barroco e ArcadismoQuestões - Quinhentismo, Barroco e Arcadismo
Questões - Quinhentismo, Barroco e Arcadismo
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
[Trovadorismo E Humanismo
[Trovadorismo E Humanismo[Trovadorismo E Humanismo
[Trovadorismo E Humanismo
 
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
 

Destaque

La phrase interrogative
La phrase interrogativeLa phrase interrogative
La phrase interrogative
moustapha kamal
 
Aula 3 descrição do espaço e das personagens do livro a menina do mar
Aula 3 descrição do espaço e das personagens do livro a menina do marAula 3 descrição do espaço e das personagens do livro a menina do mar
Aula 3 descrição do espaço e das personagens do livro a menina do mar
Sheyla Tasso
 
Les verbes et les modes
Les verbes et les modesLes verbes et les modes
Les verbes et les modes
moustapha kamal
 
Le passé composé
Le passé composé  Le passé composé
Le passé composé
moustapha kamal
 
Les pays et les nationalités
Les pays et les nationalitésLes pays et les nationalités
Les pays et les nationalités
Sheyla Tasso
 
Verificação de leitura "Histórias da terra e do mar"
Verificação de leitura  "Histórias da terra e do mar"Verificação de leitura  "Histórias da terra e do mar"
Verificação de leitura "Histórias da terra e do mar"
Sheyla Tasso
 
6 como fazer esquemas
6  como fazer esquemas6  como fazer esquemas
6 como fazer esquemas
cristianalopes
 

Destaque (8)

La phrase interrogative
La phrase interrogativeLa phrase interrogative
La phrase interrogative
 
Aula 3 descrição do espaço e das personagens do livro a menina do mar
Aula 3 descrição do espaço e das personagens do livro a menina do marAula 3 descrição do espaço e das personagens do livro a menina do mar
Aula 3 descrição do espaço e das personagens do livro a menina do mar
 
Les verbes et les modes
Les verbes et les modesLes verbes et les modes
Les verbes et les modes
 
Le passé composé
Le passé composé  Le passé composé
Le passé composé
 
Les pays et les nationalités
Les pays et les nationalitésLes pays et les nationalités
Les pays et les nationalités
 
Condit passé:
Condit passé:Condit passé:
Condit passé:
 
Verificação de leitura "Histórias da terra e do mar"
Verificação de leitura  "Histórias da terra e do mar"Verificação de leitura  "Histórias da terra e do mar"
Verificação de leitura "Histórias da terra e do mar"
 
6 como fazer esquemas
6  como fazer esquemas6  como fazer esquemas
6 como fazer esquemas
 

Semelhante a 1 modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica

Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
quintaldasletras
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
alinesantana1422
 
O Modernismo
O ModernismoO Modernismo
O Modernismo
complementoindirecto
 
Correntes de literatura que marcaram a 1ª metade do século XX
Correntes de literatura que marcaram a 1ª metade do século XXCorrentes de literatura que marcaram a 1ª metade do século XX
Correntes de literatura que marcaram a 1ª metade do século XX
saraquel98
 
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando PessoaModernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
whybells
 
A literatura portuguesa no século xx
A literatura portuguesa no século xxA literatura portuguesa no século xx
A literatura portuguesa no século xx
Pjaquinha
 
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
A Geração De Orpheu
A Geração De OrpheuA Geração De Orpheu
A Geração De Orpheu
complementoindirecto
 
12 - Modernismo-2-8.docx
12 - Modernismo-2-8.docx12 - Modernismo-2-8.docx
12 - Modernismo-2-8.docx
RosenildaAparecidaLa
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Blog Estudo
 
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
01   modernismo - 1a fase - 3o ano01   modernismo - 1a fase - 3o ano
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
jasonrplima
 
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
MariaPiedadeSILVA
 
Modernismo e Fernando Pessoa
Modernismo e Fernando PessoaModernismo e Fernando Pessoa
Modernismo e Fernando Pessoa
Carla Luís
 
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
MrPitobaldo
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
Beatriz Cruz
 
Contextualização histórica e literária (poesia do ortónimo).ppt
Contextualização histórica e literária (poesia do ortónimo).pptContextualização histórica e literária (poesia do ortónimo).ppt
Contextualização histórica e literária (poesia do ortónimo).ppt
ssuser87ae72
 
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaModernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Andréia Peixoto
 
As vanguardas europeias
As vanguardas europeiasAs vanguardas europeias
As vanguardas europeias
Marcia Oliveira
 
12k modernismoeosseus-ismos-120103163250-phpapp01
12k modernismoeosseus-ismos-120103163250-phpapp0112k modernismoeosseus-ismos-120103163250-phpapp01
12k modernismoeosseus-ismos-120103163250-phpapp01
William Silva
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
Victor Said
 

Semelhante a 1 modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica (20)

Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
 
O Modernismo
O ModernismoO Modernismo
O Modernismo
 
Correntes de literatura que marcaram a 1ª metade do século XX
Correntes de literatura que marcaram a 1ª metade do século XXCorrentes de literatura que marcaram a 1ª metade do século XX
Correntes de literatura que marcaram a 1ª metade do século XX
 
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando PessoaModernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
 
A literatura portuguesa no século xx
A literatura portuguesa no século xxA literatura portuguesa no século xx
A literatura portuguesa no século xx
 
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
O modernismo em portugal
 
A Geração De Orpheu
A Geração De OrpheuA Geração De Orpheu
A Geração De Orpheu
 
12 - Modernismo-2-8.docx
12 - Modernismo-2-8.docx12 - Modernismo-2-8.docx
12 - Modernismo-2-8.docx
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
01   modernismo - 1a fase - 3o ano01   modernismo - 1a fase - 3o ano
01 modernismo - 1a fase - 3o ano
 
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
Apresentação sobre modernismo e pós modernismo
 
Modernismo e Fernando Pessoa
Modernismo e Fernando PessoaModernismo e Fernando Pessoa
Modernismo e Fernando Pessoa
 
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
1.ª Fase do Modernismo Brasileira - Contexto histórico, autores e obras.
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Contextualização histórica e literária (poesia do ortónimo).ppt
Contextualização histórica e literária (poesia do ortónimo).pptContextualização histórica e literária (poesia do ortónimo).ppt
Contextualização histórica e literária (poesia do ortónimo).ppt
 
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaModernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoa
 
As vanguardas europeias
As vanguardas europeiasAs vanguardas europeias
As vanguardas europeias
 
12k modernismoeosseus-ismos-120103163250-phpapp01
12k modernismoeosseus-ismos-120103163250-phpapp0112k modernismoeosseus-ismos-120103163250-phpapp01
12k modernismoeosseus-ismos-120103163250-phpapp01
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 

Mais de Carla Ribeiro

Written tests
Written testsWritten tests
Written tests
Carla Ribeiro
 
0 poesia medieval-noções_gerais
0   poesia medieval-noções_gerais0   poesia medieval-noções_gerais
0 poesia medieval-noções_gerais
Carla Ribeiro
 
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Carla Ribeiro
 
Contextos teste mensagem_e_lusíadas
Contextos teste mensagem_e_lusíadasContextos teste mensagem_e_lusíadas
Contextos teste mensagem_e_lusíadas
Carla Ribeiro
 
Lusíadas_Português_12º_ano
Lusíadas_Português_12º_anoLusíadas_Português_12º_ano
Lusíadas_Português_12º_ano
Carla Ribeiro
 
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_LusíadasNarrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Carla Ribeiro
 
Entre palavras teste_fernão_lopes_2
Entre palavras teste_fernão_lopes_2Entre palavras teste_fernão_lopes_2
Entre palavras teste_fernão_lopes_2
Carla Ribeiro
 
Entre palavras teste_fernão_lopes
Entre palavras teste_fernão_lopesEntre palavras teste_fernão_lopes
Entre palavras teste_fernão_lopes
Carla Ribeiro
 
Entre palavras teste_fernão_lopes_1_e_2_correcção
Entre palavras teste_fernão_lopes_1_e_2_correcçãoEntre palavras teste_fernão_lopes_1_e_2_correcção
Entre palavras teste_fernão_lopes_1_e_2_correcção
Carla Ribeiro
 
1 making cyberfriends
1   making cyberfriends1   making cyberfriends
1 making cyberfriends
Carla Ribeiro
 
0 reported speech
0   reported speech0   reported speech
0 reported speech
Carla Ribeiro
 
0 relative clauses-definition_&_exercises
0   relative clauses-definition_&_exercises0   relative clauses-definition_&_exercises
0 relative clauses-definition_&_exercises
Carla Ribeiro
 
0 passive voice-definition
0   passive voice-definition0   passive voice-definition
0 passive voice-definition
Carla Ribeiro
 
0 conditionals definition-&_exercises
0   conditionals definition-&_exercises0   conditionals definition-&_exercises
0 conditionals definition-&_exercises
Carla Ribeiro
 
1 the sinking-of_the_prestige
1   the sinking-of_the_prestige1   the sinking-of_the_prestige
1 the sinking-of_the_prestige
Carla Ribeiro
 

Mais de Carla Ribeiro (15)

Written tests
Written testsWritten tests
Written tests
 
0 poesia medieval-noções_gerais
0   poesia medieval-noções_gerais0   poesia medieval-noções_gerais
0 poesia medieval-noções_gerais
 
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
 
Contextos teste mensagem_e_lusíadas
Contextos teste mensagem_e_lusíadasContextos teste mensagem_e_lusíadas
Contextos teste mensagem_e_lusíadas
 
Lusíadas_Português_12º_ano
Lusíadas_Português_12º_anoLusíadas_Português_12º_ano
Lusíadas_Português_12º_ano
 
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_LusíadasNarrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
 
Entre palavras teste_fernão_lopes_2
Entre palavras teste_fernão_lopes_2Entre palavras teste_fernão_lopes_2
Entre palavras teste_fernão_lopes_2
 
Entre palavras teste_fernão_lopes
Entre palavras teste_fernão_lopesEntre palavras teste_fernão_lopes
Entre palavras teste_fernão_lopes
 
Entre palavras teste_fernão_lopes_1_e_2_correcção
Entre palavras teste_fernão_lopes_1_e_2_correcçãoEntre palavras teste_fernão_lopes_1_e_2_correcção
Entre palavras teste_fernão_lopes_1_e_2_correcção
 
1 making cyberfriends
1   making cyberfriends1   making cyberfriends
1 making cyberfriends
 
0 reported speech
0   reported speech0   reported speech
0 reported speech
 
0 relative clauses-definition_&_exercises
0   relative clauses-definition_&_exercises0   relative clauses-definition_&_exercises
0 relative clauses-definition_&_exercises
 
0 passive voice-definition
0   passive voice-definition0   passive voice-definition
0 passive voice-definition
 
0 conditionals definition-&_exercises
0   conditionals definition-&_exercises0   conditionals definition-&_exercises
0 conditionals definition-&_exercises
 
1 the sinking-of_the_prestige
1   the sinking-of_the_prestige1   the sinking-of_the_prestige
1 the sinking-of_the_prestige
 

Último

ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
eltinhorg
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
ALEXANDRODECASTRODOS
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Shakil Y. Rahim
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 

Último (20)

ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 

1 modernismo e-a_geração_do_orpheu_breve_nota_biográfica

  • 1. CONCEITO DE MODERNISMO Em inícios do século XX, em Portugal, a produção literária e plástica era ainda profundamente marcada pelo classicismo racionalista e naturalista, em manifestações apáticas e decadentes, que evidenciavam forte resistência à inovação. Ao monótono e decadente rotativismo político correspondia uma não menos monótona e decadente produção intelectual. Os interesses materiais dos burgueses sobrepunham-se aos interesses culturais, condicionando a liberdade de expressão. A partir de certo momento, grupos de intelectuais portugueses organizaram-se em círculos de contestação da velha ordem e iniciam-se no recurso a estratégias provocatórias e na resposta, por vezes desabrida, às formas políticas e culturais conservadoras e reaccionárias à modernidade. - É o modernismo, enquanto movimento estético e literário de ruptura com o marasmo intelectual, que irrompe em Portugal em uníssono com a arte e a literatura mais avançadas da Europa, sem prejuízo, todavia, da originalidade nacional. O modernismo é um movimento cultural do início do século XX baseando-se na ideia de que o tradicionalismo vigentes nas artes se tinha tornado obsoleto. No contexto na revolução industrial dos finais do século XIX urgia impregnar as artes deste sentimento de progresso. Era necessário aceitar o novo como bom e belo. O modernismo é um movimento estético em que as diversas artes interagem (literatura, pintura...) o modernismo implica uma nova visão da arte e da relação entre arte e autor. O modernismo implica uma concepção do Homem para lá dos seus limites, uma exploração mais ampla das possibilidades e capacidades da alma humana. De uma forma algo simplista pode dizer-se que este movimento se inicia em Portugal nas vésperas da Primeira Guerra Mundial estendendo-se até à Segunda Grande Guerra. Breve definição de Modernismo O Modernismo encara a literatura como “linguagem que se constitui a partir de um vazio” e não como expressão directa das vivências do Eu do autor, tal como acontecia no Romantismo. É também uma característica sua a ligação às artes plásticas atribuída na literatura ao aspecto gráfico. Estas características podem e devem ligar-se às diferentes reacções dos artistas face à crise de consciência da época e sintetizando-se da seguinte maneira: - agressão, polémica, sarcasmo - celebração das energias individuais (Whitman) - entrega à vertigem das sensações, celebração da força da máquina - tendência para a dispersão - consciência da multiplicidade do Eu Exercício 1 – define classicismo encontrando exemplos do mesmo na literatura do contexto português. Nomes do Modernismo em Portugal e Órgãos de difusão do movimento Fernando Pessoa, Mário de Sá Carneiro, José de Almada Negreiros e Santa Rita Pintor (artista plástico). Em Lisboa, no ano de 1913, estes quatro criadores juntam-se e em 1914 lançam a revista futurista “Orpheu” (primeiro modernismo). O ano de 1916 traz o suicídio de Mário de Sá Carneiro. Depois de extinta a Orpheu, outras publicações individuais continuam a divulgar o modernismo português, entre estas “Centauro”, 1916; “Portugal Futurista”, 1917; “Athena”, 1924-1925 e “Presença”, 1927-1940, esta última sendo o órgão do segundo modernismo português. Objectivos da “Orpheu” – A Geração de Orpheu 1
  • 2. A “Orpheu” tinha como objectivo divulgar o movimento modernista e os seus autores, pretendia também criar ruído, isto é, escandalizar a burguesia, transtornar e se possível modificar a mentalidade do povo português. Mas não foi possível... Os autores da Orpheu confluem passado e futuro e vemos lado a lado discípulos do Simbolismo, do Decadentismo e introdutores das novas correntes. O Paulismo e o Interseccionismo de Pessoa ortónimo, breve são substituídos pelo Sensacionismo de Álvaro de Campos e pelo Futurismo de Álvaro de Campos1 e Mário de Sá Carneiro. Os poetas do futurismo cantam a vida moderna, substituem o belo pelo novo, isto é, cantam a vida moderna, os frémitos da nova civilização mecânica visando não a beleza como até então viste de um ponto de vista clássico mas a força e o dinamismo. A geração de Orpheu irá liquidar certas formas de sentir e de pensar vindas do passado e tornadas obsoletas, visa o Homem Moderno. Como temas dominantes do modernismo podemos salientar a Euforia do Novo, tudo o que em termos civilizacionais é moderno será cantado de forma eufórica, à maneira de Whitman. Contudo, esta euforia depressa descambará para o tédio e para a dissolução do sujeito (como se irá notar na poesia de Campos), para a crise aguda do “eu” que, refractado, se perde. Exercício 2 – Encontra definições concisas de Simbolismo, Decadentismo, Paulismo e Interseccionismo enquadrando-as no contexto da geração modernista. FERNANDO PESSOA – BREVE NOTA BIOGRÁFICA E BIBLIOGRÁFICA Fernando Alberto Nogueira Pessoa nasce em Lisboa a 13 de Junho de 1888 mas passará grande parte da sua juventude na África do Sul em virtude do segundo casamento da sua mãe com o Comandante João Miguel Rosa, Cônsul de Portugal em Durban. Neste país recebe uma educação britânica (daí o seu conhecimento profundo da língua inglesa, na qual escreve vários textos em prosa e em poesia). Fernando Pessoa cresce de forma solitária tomando conhecimento de autores tais como Shakespeare, Allan Poe, entre outros. Em 1905 regressa sozinho a Lisboa deixando para trás a família. Em 1906 matricula-se no Curso Superior de Letras na Universidade de Lisboa familiarizando-se com vários autores da língua portuguesa. Embora Pessoa já escrevesse desde a as juventude, é pelo ano de 1912 que se estreia enquanto ensaísta e crítico literário na revista “Águia”. Foi uma figura discreta, vivendo quase apenas para a literatura. Trabalhou enquanto tradutor de uma firma comercial em Lisboa aproveitando o seu conhecimento da língua inglesa. Toda a actividade de Pessoa passava-se para dentro: desdobrando-se em multidões de heterónimos sendo que os mais conhecidos para o grande público são Alberto Caeiro, Álvaro Campos, Ricardo Reis e Bernardo Soares (uma espécie de Fernando Pessoa “ele mesmo” mas em estado de sonolência, segundo as palavras do próprio). A 25 de Novembro de 1935 é internado no Hospital de São Luís dos Franceses devido a uma cólica hepática provocada pelo abuso do álcool. Morre a 30 de Novembro, aos 47 anos. A sua última frase escrita é em inglês “I know not what tomorrow will bring”. Breve resenha da obra do poeta Pessoa ortónimo: A mensagem Cancioneiro O marinheiro (peça de teatro) Páginas sobre literatura e estática (*) A procura da verdade oculta (*) (*) Ensaios Alberto Caeiro O guardador de rebanhos O pastor amoroso Poemas inconjuntos Álvaro de Campos Poesias de Álvaro de Campos 1 O futurismo de Campos vai beber essencialmente a Walt Whitman e a Marinetti. 2
  • 3. Ricardo Reis Odes de Ricardo Reis 3