TRANSTORNO COMPULSIVO-OBSESSIVO (TOC)

508 visualizações

Publicada em

Transtorno Compulsivo-Obsessivo (TOC)
Como identificar; encaminhamentos; sugestões de atuações pedagógicas.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
508
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

TRANSTORNO COMPULSIVO-OBSESSIVO (TOC)

  1. 1. FACULDADE PADRE JOÃO BAGOZZI PÓS-GRADUAÇÃO BAGOZZI NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA VIDA E DA SOCIEDADE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO lato sensu – ESPECIALIZAÇÃO EM ALFABETIZAÇÃO TRANSTORNO COMPULSIVO-OBSESSIVO (TOC) Ana Paula Demetrio
  2. 2. 1. TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO O transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) é uma doença psiquiátrica que está classificada dentro dos transtornos de ansiedade e afeta aproximadamente 4% da população mundial, ou seja, uma em cada 25 pessoas apresenta esse transtorno. (SILVA, 2004, p. 16). O transtorno atinge homens e mulheres de diferentes países, culturas e níveis socioeconômicos. No entanto, os homens apresentam os sintomas mais precocemente na infância. É mais frequente ver meninos, na faixa etária entre 4 e 10 anos, com sinais de transtorno do que meninas. O TOC caracteriza-se pela presença de obsessões e/ou compulsões. Obsessões são eventos mentais intrusivos, por exemplo, pensamentos, imagens e impulsos que são evidenciados pelo indivíduo, ou seja, há o reconhecimento dos pensamentos e impulsos, mas não há controle dos aparecimentos deles pelo portador. As Compulsões (conhecida popularmente como manias) são comportamentos repetitivos e, às vezes, irracionais executados física ou mentalmente em respostas às obsessões, são formas de diminuir o desconforto que estas causam. O TOC é multifatorial, ou seja, pode ser determinado por fatores genéticos e ambientais. O estresse, alterações hormonais e determinados casos infecciosos podem aumentar as chances de a pessoa apresentar o transtorno. Em crianças e adolescentes é muito semelhante ao de adultos em suas manifestações, entretanto, o TOC com início na infância tem sintomas mais graves e persistentes, apresenta mais comorbidades como Síndrome de Tourette, TDAH e transtornos afetivos.  Na avaliação psiquiátrica da criança devem-se separar as manifestações do TOC de comportamentos repetitivos ou ritualizados próprios das diferentes fases evolutivas da criança. Tais comportamentos geralmente têm um caráter lúdico e são prazerosos. As compulsões do TOC são mais estereotipadas e repetitivas; são geralmente precedidas por obsessões e são executadas com a finalidade de reduzir medos ou desconfortos. Os rituais ocupam um tempo significativo do dia,
  3. 3. pelo menos uma hora por dia, além de ser acompanhado por um sofrimento subjetivo grande que interfira na vida pessoal. Existe uma grande variedade de apresentação do TOC, mas as principais e mais comuns obsessões envolvem medo de contaminação, dúvidas persistentes, blasfêmias religiosas, desejos agressivos, obsessões simétricas e somáticas. Os portadores nem sempre têm mais de um deles, alguns costumam ter apenas de determinado tipo, que sempre estará relacionado a seus maiores medos e dúvidas. Os rituais, compulsões e manias quase sempre vão se enquadrar nos mesmos tipos de obsessões . Assim, há rituais e compulsões de limpeza e lavagem quando o indivíduo tem, por exemplo, uma obsessão que envolva medo de contaminação. Segundo SILVA (2004, p. 53): Calcula-se que o paciente com TOC possa levar em média sete anos, a partir do início dos sintomas, para receber tratamento específico. Em alguns casos extremos esse tempo pode chegar a vinte, trinta anos, e não raro o tratamento pode jamais ocorrer. Os indícios indiretos podem ser decisivos no diagnóstico do transtorno, é importante observar se o indivíduo passa uma longa permanência em banhos, está com as mãos avermelhadas e pele descamativa, cabelos sempre molhados, gasto exagerado com produtos de higiene pessoal e de limpeza, atrasos constantes, repetição de algumas perguntas aparentemente sem sentidos, lentidão na execução de tarefas cotidianas, alteração no rendimento escolar, profissional, social e afetivo, conferência constante de gás, portas, janelas, luzes, interesse exagerado por determinadas doenças. Te e 2. COMO IDENTIFICAR O quadro tem início ainda na infância, geralmente, o portador do transtorno passa muitos anos com o sintoma, às vezes muito grave, sem procurar ajuda médica. Isso se deve pelo medo da crítica, ao revelar algo que pode ser considerado absurdo, e pelo receio de que o medo possa se tornar realidade caso seja revelado. Crianças descrevem suas obsessões como “maus pensamentos” e por vezes elas têm muita dificuldade de relatar o que as incomoda. Em alguns casos, as crianças apresentam sintomas de TOC num ambiente, mas não em outro. Por exemplo, os sintomas aparecem em casa, mas não na escola ou vice-
  4. 4. versa. Isso dificulta o reconhecimento de potenciais casos de TOC. O medo da punição ou ridicularização são motivos que levam algumas crianças e adolescentes a suprimir ou esconder seus sintomas dos pais ou da escola. Alguns sintomas que podem ser indícios de TOC: qualquer ritual diário de higiene, repetitivo e exagerado como, por exemplo, lavar as mãos, escovar dentes tomar banho; repetição de ações; checagens compulsivas; contagens de azulejos, pisos em ladrilhos; simetria exagerada na arrumação de objetos. Normalmente, essas “manias” obsessivas consomem muito tempo, gerando angústia e ansiedade tanto para a criança quanto para seus familiares. Para a confirmação do diagnóstico de TOC é importante avaliar, além da presença de obsessões e/ou compulsões, o quanto os sintomas causam acentuado sofrimento, consomem tempo - por exemplo, o DSM-IV-TR exige que as obsessões ou os rituais estejam presentes em pelo menos uma hora por dia - ou interferem de forma significativa nas rotinas diárias, no desempenho escolar e nos relacionamentos sociais ou interpessoais (APA, 2002). O diagnóstico precoce do transtorno gera condições mais adequadas de aprendizado, com melhor aproveitamento do aluno e melhor inserção na comunidade escolar. 3. ENCAMINHAMENTOS O tratamento do TOC inclui o uso de medicamentos - que agem como inibidores seletivos de recaptação da serotonina (ISRS) – antidepressivos, e a Terapia Cognitiva-Comportamental (TCC). Nos casos leves a moderados, a terapia comportamental pode, por muitas vezes, eliminar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do portador. Em alguns casos é necessária a utilização da combinação, casos em que a efetividade do tratamento é maior. É importante notar que o paciente com TOC em geral apresenta um quadro de depressão devido à incapacidade produzida pelos rituais, neste caso o médico tratará o paciente com o mesmo medicamento. Cinco medicamentos tiveram sua eficácia cientificamente comprovada em estudos duplo-cego. São eles: Fluvoxamina, fluoxetina, sertralina, paroxetina e clomipramina. Todos esses medicamentos têm efeitos potentes em um neurotransmissor cerebral chamado serotonina. Esses medicamentos aumentam a
  5. 5. quantidade de serotonina no espaço intersináptico (espaço entre um neurônio e outro) ao impedir que ela retorne para o neurônio que a liberou. Esse processo de retorno, chamado de recaptação, se estiver inibido em função da ação de um desses medicamentos fará com que mais serotonina fique entre um neurônio e seu vizinho. Assim a transmissão do impulso elétrico neuronal flui melhor, facilitando o funcionamento dos sistemas cerebrais, inclusive o sistema de pensar e agir. (obsessões e compulsões) (SILVA, p.147). Esses medicamentos devem ser prescritos pelo médico psiquiatra. No caso da terapia cognitiva, o foco é nos processos de pensamento, em como eles influenciam a visão de mundo e a interpretação dos acontecimentos, refletindo-se nas emoções e comportamentos. A psicoterapia cognitivo- comportamental busca a mudança de padrões disfuncionais de pensamento para promover a melhora, que se refletirá nas emoções e nos comportamentos. As técnicas comportamentais para o TOC envolvem justamente quebrar o círculo vicioso que o paciente acredita ser seu porto de segurança. Os pensamentos obsessivos (cognições) do paciente geram intensa ansiedade e medo (emoções), ao quais ele responderá com rituais (comportamentos compulsivos) que acredita firmemente capazes de impedir as consequências temidas. Como a origem dos comportamentos está nos pensamentos obsessivos, os rituais trarão apenas um alívio temporário da ansiedade. Dentro de um intervalo curto, os pensamentos obsessivos voltarão juntamente com a ansiedade e a necessidade de praticar os rituais. O desafio na TCC consiste em suportar esse período de ansiedade sem a realização dos rituais. A Psicoeducação realizada no início da TCC com a criança e com os pais é essencial para melhorar o insight da criança sobre a doença, elucidar dúvidas, reduzir a culpa dos pais, motivar a criança para o tratamento, diminuir a acomodação familiar aos sintomas e consolidar o vínculo com o terapeuta. A compreensão dos familiares é fundamental para o sucesso do tratamento. 4. SUGESTÕES DE ATUAÇÃO PEDAGÓGICA Um estudante portador de TOC que não está recebendo tratamento pode apresentar dificuldades no ambiente escolar, nas realizações de tarefas em classe ou em
  6. 6. casa. A extrema ansiedade provocada pelo TOC pode realmente sobrepujar o aluno. Infelizmente, o alívio dessa ansiedade é normalmente um comportamento compulsivo que pode ser extremamente perturbador para a aprendizagem do aluno e, possivelmente, para a sala de aula. Um aluno que tem TOC terá mais dificuldade de aprender, pois a mente pode ser centrada sobre a sua obsessão em vez da realização da tarefa em questão. O TOC pode impactar negativamente o desempenho do aluno por causa de conflitos que podem estar ocorrendo. Por um lado, querem ser como os demais estudantes - capazes de prestar atenção na aula, participar em debates ou apresentações e estudar ou fazer tarefas escolares; por outro lado, sentem-se compelidos a responder às obsessões causadas pelo TOC, o qual ocupa uma quantidade enorme de sua energia e foco. Pois, o cérebro fica recebendo mensagens que o instiga para realizar as compulsões. Os pensamentos de medo e dúvidas intrusivas em sua mente atrapalham a concentração na sala de aula. Alguns podem ter dificuldade em ficar sentados, achar as explicações lentas e, devido à ansiedade, podem apresentar um comportamento agitado e reativo. O TOC ainda pode comprometer as funções motoras e psicológicas de crianças e adolescentes. Segundo o psiquiatra Fernando Asbahr, coordenador do Ambulatório de Ansiedade na Infância e Adolescência do Hospital de Clínicas de São Paulo, muitas vezes, o aluno pode apresentar mais de um transtorno simultaneamente: “Não é incomum que um paciente com TOC apresente também a Síndrome de Tourette ou tenha crises de pânico.” Um ponto importante é não rotular o aluno de acordo com o distúrbio que ele apresenta. Duas crianças que sofrem do mesmo problema podem ser bem diferentes uma da outra. O diagnóstico ajudará o professor a entender melhor aluno, mas é preciso avaliar o comportamento da criança no dia a dia. Algumas atuações que os docentes podem realizar com alunos portadores de TOC, segundo a ASTOC são:  Medir o progresso de acordo com o nível de funcionamento da pessoa.  Manter comunicação clara e simples.  Estabelecer limites, mas ser sensível às mudanças de humor da pessoa.  Um aluno com TOC, por exemplo, pode trabalhar bem em dupla.
  7. 7.  Se os tiques ou obsessões impedem que o aluno escreva rápido, pode-se fazer provas orais, ou escrita sem limite de tempo, ou com microcomputador, conforme o mais adequado à situação e sempre com bom senso.  Se os tiques vocálicos atrapalham durante as provas, deve-se permitir, caso assim solicite, que o aluno faça sua avaliação em uma sala separada.  Fornecer roteiro ou tópicos da aula para os alunos com TOC, pois ele pode apresentar dificuldade de atenção devido aos pensamentos intrusivos.  Maior tolerância de tempo para realização das tarefas.  O aluno pode incluir mais detalhes nos trabalho do que o necessário ou pedir que repita explicações para se certificar de que está fazendo a coisa certa. 4. REFERÊNCIAS American Psychiatric Association (APA). DSM IV-TR: manual diagnóstico e estatístico dos transtornos mentais. 4. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2002. Associação Brasileira de Síndrome de Tourette, Tiques e Transtorno Obsessivo Compulsivo (ASTOC) Disponível em: <http://www.astoc.org.br/source/php/015.php > Acesso em: 03/11/2013. Associação Santista de Síndrome de Tourett e TOC (SITOC) Disponível em: < www.sitoc.org.br> Acesso em 11/11/2013. HUEBNER, D. O que fazer quando você tem muitas manias: um guia para as crianças superarem o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Porto Alegre: Artmed, 2009. O’Regan, F. Sobrevivendo e vencendo com necessidades educacionais especiais. Porto Alegre: Artmed, 2007. Revista Educação. 85 ed. São Paulo: Maio, 2004. SILVA, Ana Beatriz Barbosa. Mentes & Manias: entendendo melhor o mundo das pessoas sistemáticas, obsessivas e compulsivas. 2. ed. São Paulo: Gente, 2004.

×