Geografia A 10 ano - População

11.287 visualizações

Publicada em

1 comentário
10 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.287
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
149
Comentários
1
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Geografia A 10 ano - População

  1. 1. Breve Resumo da Posição de Portugal na Europa e no Mundo O território português é constituído por uma parte continental e por outra insular (arquipélago dos Açores e da Madeira). Este localiza-se no extremo sudoeste da Europa, ocupando a faixa ocidental da Península Ibérica. O arquipélago dos Açores, localiza-se a oeste de Portugal continental e é constituído por nove ilhas. O arquipélago da Madeira, por sua vez, localiza-se a sudoeste de Portugal continental e é constituído pela ilha da Madeira, de Porto Santo e por alguns ilhéus (Desertos e Selvagens). Portugal também pode ser dividido segundo as NUT (Nomenclatura das Unidades Territoriais):  Nuts I - nacional  Nuts II - regional  Nuts III - sub-regional Portugal aderiu à União Europeia em 1986 (então designado por Comunidade Económica Europeia - CEE), criada em 1957 pelo tratado de Roma e era constituída, inicialmente, por seis países. Integrado na União Europeia, Portugal assinou o acordo de Schengen, o que passou a permitir a livre circulação de bens, pessoas, capitais e serviços dentro dos países signatários desta convenção. Portugal, aderiu posteriormente à moeda única, o euro, em 2002. Portugal assume-se como fronteira atlântica da Europa. Portugal é assim uma plataforma multimodal de cruzamento de rota, marítimas e aéreas, que liga a Europa aos restantes continentes. Esta posição geográfica privilegiada oferece ao nosso país novas perspetivas no contexto das relações internacionais, nomeadamente com os países de língua oficial portuguesa, e do desenvolvimento económico, social e cultural.
  2. 2. População Demografia: ciência que estuda a população Recenseamento ou censo: contagem da populaçãoatravés de inquéritos. Em Portugal são realizados de 10 em 10 anos. Indicadores demográficos:  População absoluta • Taxa de natalidade  Taxa de mortalidade • Crescimento natural  Emigrantes/ção • Imigrantes/ção  Crescimento efetivo • Índice de fecundidade  Índice de envelhecimento Demografia Natalidade (Taxa de Natalidade em Portugal) Mortalidade (Taxa de Mortalidade em Portugal) Crescimento Natural (Taxa de Crescimento Natural em Portugal) Êxodo Rural/Urbano Migrações  Emigração (Emigração em Portugal)  Imigração (Imigração em Portugal)  Saldo Migratório (Taxa de Crescimento Migratório) Crescimento Efetivo Índice de Fecundidade  Taxa de fecundidade  Índice sintético de fecundidade  Índice de renovação de gerações Estrutura etária  Índice de Envelhecimento  Estrutura da População Ativa (Taxa de Actividade)  Setores de Atividade em Portugal Resumo da Evolução da População e Principais Problemas Sociodemográficos
  3. 3. Natalidade: número de nascimentos que ocorre numa determinada região e período de tempo Taxa de natalidade: relação entre o número de nascimentos, a população absoluta e 1000 habitantes Taxa de natalidade em Portugal:  Está a diminuir  Causas: planeamento familiar; métodos contraceptivos; aumento dos encargos com a educação e saúde; emancipação da mulher; casamento tardio; aumento do número de divórcios; diminuição do número de casamentos  Distribuição: a taxa de natalidade e mais elevada no Norte e no Litoral, e é mais baixa no interior.  Causas: no interior a população e mais idosa (logo a taxa de natalidade e mais baixa). No litoral a população e mais jovem (logo a taxa de natalidade e mais elevada); e no litoral que se encontram as principais atividades económicas Mortalidade: número de óbitos que ocorre numa determinada região e período de tempo Taxa de mortalidade - relação entre o numero de óbitos, a população absoluta e 1000 habitantes Taxa de mortalidade em Portugal:  Evolução: a taxa de mortalidade em Portugal e elevada entre 1900 e 1920; a partir de 1930 a mesma começa a diminuir significativamente; a partir da década de 80 há tendência para aumentar.  Causas: ate a década de 20 - 1ª Guerra mundial (1914-1918); gripe pneumónica (peste negra); ma alimentação; falta de medicamentos/cuidados médicos; falta de hábitos de higiene; vestuários deficientes. década 20/30 ate década 80 - melhoria da alimentação/vestuário; acesso a medicamentos/cuidados de saúde; mais hábitos de higiene. A partir da década de 80 - envelhecimento da população  Distribuição: a taxa de mortalidade e mais baixa no litoral principalmente no Norte; e mais alta no interior  Causas: a população e mais jovem no litoral e mais envelhecida no interior  Causas de morte: doenças do aparelho circulatório; cancro; sinistralidade; diabetes  Fatores explicativos dos baixos valores da TM: aumento do nível de vida da população (melhores condições alimentares/ habitacionais); desenvolvimento da medicina; melhores condições de trabalho; melhoria na assistência médica; mais informação/prevenção de muitas doenças.
  4. 4. Taxa de mortalidade infantil em Portugal:  Distribuição: a taxa de mortalidade infantil e mais elevada no Norte e menor no litoral e no sul  Causas: falta de assistência médica; falta de informação; mentalidade fechada para recorrer a assistência medica; falta de vacinação  Esta variável é frequentemente utilizada como indicador de desenvolvimento, já que os valores tendem a diminuir com a melhoria das condições de vida, com a intensificação e diversificação dos cuidados materno-infantis e até com o aumento da instrução  Os valores da TMI em Portugal são idênticos aos da média dos países mais desenvolvidos da UE Crescimento natural (CN) ou saldo fisiológico: diferença entre a natalidade e a mortalidade Taxa de crescimento natural (TCN): diferença entre a taxa de natalidade e a taxa de mortalidade Taxa de Crescimento Natural em Portugal:  Evolução: de 1950 ate 1960 - a taxa de crescimento natural e elevada e sobe ligeiramente, o país e predominantemente rural e a taxa de natalidade e elevada; de 1960 até 1991 - a taxa de crescimento diminui drasticamente pois existe um decréscimo da taxa de natalidade devido ao desenvolvimento do país, ao planeamento familiar, aos métodos contraceptivos e a emancipação da mulher; a partir de 1991 - a taxa de crescimento natural estabiliza (devido à imigração) e tanto a taxa de natalidade como a taxa de mortalidade baixam; a partir de 00 - nesta altura, o fluxo imigratório aumentou no nosso país, sendo responsável pelo saldo natural positivo em Portugal (tal como um saldo migratório positivo).  Distribuição: a taxa de crescimento natural é positiva no litoral pois a TN é maior o que se deve ao facto da população ser mais jovem e ao maior desenvolvimento dessa área; a taxa de crescimento natural é negativa no interior pois a TM é superior à TN o que se deve ao facto de a população ser mais envelhecida e ao menor desenvolvimento dessa área. A situação observada no gráfico resulta do progressivo decréscimo da taxa de natalidade, já que os valores da taxa de mortalidade se têm mantido mais ou menos constantes ao longo do período considerado.
  5. 5. Êxodo rural Causas: procura de emprego, estudos (universidades, etc.) Consequências: aumento da população na área de chegada, diminuição da população na área de partida Êxodo urbano Causas: questões de saúde, stress, procura de uma melhor qualidade de vida Consequências: aumento da população nas áreas de chegada, diminuição da população na área de partida Migrações: existem 3 tipos de migrações  Diária: pendular  Sazonal: trabalho;lazer; saúde  Definitiva: êxodo rural/urbano; emigração; imigração Emigração: saída de população de um país para outro estrangeiro por período superior a 1 ano. Períodos de maior emigração em Portugal: Datas- Destino Até década de 60 - Brasil/EUA Década de 60/70 - França, Alemanha, Luxemburgo e Suíça (numa época de reconstrução e desenvolvimento pós 2ª Guerra Mundial, com carência de mão de obra) Após década de 70 - recessão económica desses países que obrigou a impor restrições à imigração Após década de 80 - redução da emigração na sequência do 25 de Abril Imigração: entrada de estrangeiros num país onde passam a residir e a trabalhar Imigração em Portugal: a imigração passa a ter significado após o 25 de Abril, com a abertura do país ao exterior. Aumenta a partir da década de 90 devido as alterações políticas dos países de leste (queda do muro de Berlim) e devido a oferta de melhores condições de vida em Portugal (estabilidade social e política e ao desenvolvimento económico resultado da adesão à CEE). A partir de 2000 o número de imigrantes em Portugal foi substancialmente superior ao número de emigrantes. A receção de imigrantes é importante pois, geralmente, contribui para o aumento da taxa de natalidade (tratando-se de indivíduos jovens) e ajudando a equilibrar a taxa de crescimento natural e a diminuir o índice de envelhecimento. Contribui também para a sustentabilidade do sistema de Segurança Social.
  6. 6. Saldo Migratório (SM): diferença entre o número de imigrantes e o número de emigrantes.  A evolução da população, isto é, o seu crescimento efetivo, não se explica unicamente pelo crescimento natural, mas também pelo SM.  Tradicionalmente, Portugal pode ser considerado um país de emigração, dado estrutural da nossa economia e do modelo de desenvolvimento. Taxa de Crescimento Migratório (TCM): relação entre o saldo migratório, a população absoluta e 1000 habitantes Crescimento efetivo (CE): soma do crescimento natural e do saldo migratório Taxa de Crescimento Efetivo (TCE): relação entre o crescimento efetivo, a população absoluta e 1000 habitantes Índice de fecundidade: número médio de filhos por mulher em idade fértil (15-49 anos)  Quando este não atinge o valor de 2,1% significa que não há renovação de geração  Fatores: emancipação feminina; mais participação na vida ativa; mais instrução; carreira profissional; casamento mais tardio; nascimento do primeiro filho mais tarde; planeamento familiar; despesas com os filhos  Este índice é utilizado para analisar o processo evolutivo de uma população, já que a taxa de natalidade é considerada uma variável insuficiente para tal (pois reporta o número de nascimentos registados independentemente do sexo e idade, isto é, da possibilidade de ter filhos). Taxa de fecundidade: número total de nascimentos por cada 1000 mulheres em idade fértil
  7. 7. Índice sintético de fecundidade: número de crianças que, em média, cada mulher tem durante a sua vida fértil (15-49 anos).  O índice sintético de fecundidade tem evoluído de forma semelhante à taxa de natalidade.  Causas: crescente participação da mulher no mercado de trabalho; preocupações com a carreira profissional (que faz prolongar o período de formação e conduz ao casamento tardio); precariedade crescente do emprego; métodos contracetivos mais eficazes; exigência de grandes investimentos na educação e bem-estar dos filhos; entre outros. Índice de renovação de gerações: fecundidade necessária para que as gerações mais velhas possam ser substituídas por outras mais jovens. Para que isto aconteça o índice tem de ser 2,1. Atualmente, este índice é inferior a 2,1 em Portugal. Estrutura etária: repartição da população por grupos de idades Pirâmide etária: gráfico que representa a população repartida por idade e sexo. A população está repartida por três grupos:  Jovens- 0 aos 14 anos  Adultos- 15 aos 64 anos  Idosos- idade igual ou superior a 65 anos Esta fornece indicações importantes para planear o futuro de forma equilibrada, como o número de ativos, de jovens, de idosos e a proporção de homens e mulheres. O estudo da estrutura etária é geralmente feito através da análise de pirâmides etárias. Estas permitem retirar conclusões sobre a natalidade, a esperança média de vida ou fenómenos que marcaram a evolução demográfica (através das classes ocas). Estrutura Etária portuguesa: atualmente, Portugal apresenta uma estrutura etária desfavorável, que revela um envelhecimento significativo da população, quer pelo alargamento do topo (que sugere um aumento da esperança média de vida), quer pelo estreitamento da base (que traduz uma diminuição dos valores da natalidade). A mesma apresenta também acentuadas diferenças regionais, onde se pode concluir que a população do interior é mais envelhecida do que a do litoral, quer pela maior proporção de idosos, quer pelo menor valor percentual de nascimentos. Medidas: de maneira a rejuvenescer a população é vital a implementação de medidas (políticas sociais) que conduzam ao aumento da natalidade, especialmente em regiões do interior. Estas medidas podem ser de carácter económico (aumento dos abonos de família, facilidades no crédito à habitação, incentivos fiscais) ou de carácter social (aumento da duração do período de licença pós-parto, aumento do número de creches, etc)
  8. 8. A pirâmide de 1960 representa uma população predominantemente jovem, pois a base é mais larga que o topo (o que reflete altos valores de natalidade e uma esperança média de vida baixa). As classes ocas traduzem perturbações na evolução demográfica (diminuição da natalidade decorrente da 1ª Guerra Mundial). A pirâmide de 2001, revela um envelhecimento muito significativo da população, quer pelo alargamento do topo, quer pelo estreitamento da base (que traduz a progressiva diminuição da natalidade, nas últimas décadas). Índice de Envelhecimento (IE): relação entre a população idosa e a população jovem. Em Portugal o IE é maior no interior (Alentejo) e menor no litoral. O total de idosos reflete-se, também, no índice de dependência de idosos (IDI), que relaciona a população idosa com a população em idade ativa, exprimindo-se em percentagem. O valor deste índice tem vindo a aumentar, existindo cada vez mais idosos dependentes da população ativa. Esta situação coloca problemas ao nível da Segurança Social e do pagamento de reformas. Existem também o índice de dependência de jovens, que tem vindo a decrescer em Portugal (o que se pode concluir pela análise dos valores em declínio da natalidade), e o índice de dependência total que relaciona os grupos etários dependentes com o grupo etário dos adultos. Estrutura da População Ativa População Ativa: conjunto de indivíduos com idade mínima de 15 anos que constituem mão-de-obra disponível para a produção de bens e serviços (podendo encontrar-se desempregada). Inativo: indivíduo, qualquer que seja a sua idade, que, no período de referência, não pode ser considerado ativo, isto e, não esta empregado nem desempregado, nem a cumprir serviço militar obrigatório (jovens, idosos, inválidos, donas de casa).
  9. 9. Estrutura Ativa: distribuição da população ativa pelos diferentes setores de atividade económica. Taxa de Atividade (TA): relação entre o total de ativos e a população absoluta. Esta é condicionada por vários fatores, entre os quais a idade da reforma, a escolaridade obrigatória, a participação da mulher na vida ativa e os movimentos migratórios. TA em Portugal: os valores desta variável têm registado um aumento progressivo e significativo que se fica a dever à entrada de um número crescente de mulheres na vida ativa. TA por setor de atividade em Portugal:  Setor Primário: tem vindo a diminuir motivada pelo abandono do meio rural, o trabalho mal pago e o baixo nível de vida (no entanto são ainda elevados, comparativamente com a UE, indicando atraso técnico e tecnológico);  Setor Secundário: cresceu de forma significativa nas décadas de 50, 60 e 70 (desenvolvimento da indústria), mas atualmente regista-se uma diminuição da população empregue neste setor, como resultado da modernização tecnológica deste setor e da incapacidade de resposta por parte da mão de obra.  Setor Terciário: o setor que mais cresceu, traduzindo uma terciarização da economia portuguesa. Está relacionado com a melhoria das condições de vida da população. Esta evolução permite concluir que o nosso país caminha no sentido dos países mais desenvolvidos. No entanto a distribuição da população ativa por setores de atividade revela algumas disparidades a nível regional (setor primário relevante no Centro, setor secundário relevante no Norte, e setor terciário relevante no litoral sul). Desemprego: situação de um individuo que faz parte da população ativa e que, tendo perdido o seu emprego, procura um novo. Subemprego: trabalho desempenhado por pessoas em condiçõesprecárias, mal renumeradas e sem regalias sociais Emprego Temporário: desempenhado por um certo períodode tempo Trabalho Infantil: trabalho de crianças em idade escolar Setores de Atividade:  Primário (agricultura, silvicultura, pesca)  Secundário (industria, construção civil)  Terciário (comercio, serviços, turismo, lazer, hospitais)
  10. 10. Setores de Atividade em Portugal: Década de 50- predominância do setor primário, Portugal era um país rural e pouco desenvolvido Década de 60 - predominância dos setores secundário e terciário, estamos perante um maior desenvolvimento e terciarização da economia portuguesa  Norte - predominância do setor secundário  Centro - predominância do setor primário  Grande Lisboa, Alentejo, Algarve - predominância do setor terciário Nível de Instrução e Qualificação Profissional O desenvolvimento económico de um país, a sua capacidade competitiva e inserção no mercado internacional depende do grau de instrução e qualificação da sua população. Apesar da evolução positiva desta em Portugal, os níveis ainda se encontram baixos, condicionando o crescimento e desenvolvimento do país. Estes baixos níveis de instrução e qualificação profissional traduzem-se em baixos níveis de produtividade, o que diminui a competitividade do país. Este indicador apresenta disparidades regionais. Taxa de Analfabetismo (TA)-relação entre a população com idade igual ou superior a 15 anos que não sabe ler nem escrever e a população absoluta que não sabe ler nem escrever TA = População Analfabeta ≥ 15 ÷ População Absoluta Analfabeta × 100 Nível de instrução - número de anos de escolaridade que um indivíduo concluiu Grau de qualificação - competências que o trabalhador deve utilizar no desempenho das suas funções
  11. 11. Resumo da evolução da população em Portugal: Década de 50 - Crescimento positivo da população absoluta, no entanto pouco significativo, como consequência de um crescimento natural elevado e positivo, previsível num país acentuadamente rural, com uma taxa de natalidade elevada e com um número reduzido de mulheres inseridas no mercado de trabalho e sob forte influência da Igreja Católica Década de 60- Decréscimo da população absoluta portuguesa, como resultado do mais intenso fluxo emigratório alguma vez registado e do início da redução da redução da taxa de crescimento natural, na sequência da introdução de meios contracetivos modernos e eficazes, do planeamento familiar e da emancipação da mulher, que se traduziram no decréscimo da taxa de natalidade. Década de 70 - Rutura na tendência do declínio demográfico, observando-se o maior aumento da população absoluta neste século. Esta situação deve- se ao regresso de milhares de portugueses das ex- colónias, na sequência do 25 de Abril, e ao regresso de milhares de cidadãos portugueses emigrantes na Europa, afetados pela crise que condicionou a economia de muitos dos países recetores ou atraídos pela melhoria das condições socioeconómicas introduzidas pelo 25 de Abril. Década de 80 - Crescimento demográfico praticamente nulo, como consequência da diminuição da taxa de crescimento natural, resultado dos baixos valores da taxa de natalidade. Década de 90 - A taxa de crescimento natural estabiliza e tanto a taxa de natalidade como a taxa de mortalidade baixam. Registou-se um crescimento ligeiro da população absoluta como resultado de um novo fenómeno observado em Portugal: a imigração. Década de 00 - A dinâmica de crescimento da população registou uma evolução positiva, embora inferior ao verificado na última década. Esta dinâmica decorre de um saldo natural e de um saldo migratório que foram positivos. Principais problemas sociodemográficos:  envelhecimento demográfico  declínio da fecundidade  baixo nível de instrução e qualificação profissional  instabilidade laboral
  12. 12. Distribuição da População Portuguesa  Apresenta forte assimetrias regionais  Os maiores valores de densidade populacional registam-se no litoral, destacando-se Lisboa e Porto  Os menores valores registam-se no interior e no sul, com destaque para o Alentejo  A irregular distribuição da população deve-se à concentração de serviços e indústria, crescimento urbano e uma rede viária densa e moderna no litoral  A emigração e o êxodo rural conduziram ao forte despovoamento do interior e à intensificação da concentração populacional nas área urbanas do litoral  Esta concentração populacional acentuou a bipolarização (Lisboa e Porto)  Esta elevada concentração traduz-se em problemas como a sobrelotação de equipamentos sociais e das infraestruturas, o aumento da poluição e a diminuição da qualidade de vida  O despovoamento do interior, aliado ao envelhecimento da população, leva à diminuição da população ativa, conduzindo a uma perda de dinamismo económico e social dessas regiões

×