Professor Artur Lara
 PIB: Tudo produzido por uma região economicamente.
 Renda Per capita: Por pessoa, divide-se o PIB pela população.
 Cre...
CONCEITOS:
 Superpopulação: quando um país não tem condições econômicas
para garantir boas condições de vida para sua pop...
 População jovem: 0 a 19 anos.
 População adulta: de 20 a 59 anos.
 População idosa: acima de 60 anos.
 PEA: POPULAÇÃO...
TEORIAS DEMOGRÁFICASTEORIAS DEMOGRÁFICAS
Teoria de Malthus : Preconizava que a população mundial cresceria
segundo Progre...
CRESCIMENTO
VEGETATIVO

O QUE EXPLICA OSO QUE EXPLICA OS
GRÁFICOSGRÁFICOS
ANTERIORES?ANTERIORES? Desde os anos 1960 que a taxa de crescimento da ...
 O país caminha velozmente rumo a um perfil demográfico cada vez mais
envelhecido.
 População alcança bônus demográfico ...
 O aumento da escolaridade feminina, a elevação do percentual de domicílios
com saneamento básico adequado (esgotamento s...
De 2008 para 2050, Brasil passa da 5ª para a 8ª posição
no ranking dos países mais populosos
Em 2008, o Brasil ocupa a 5ª ...
ESTÁGIOS DE TRANSIÇÃOESTÁGIOS DE TRANSIÇÃO
DEMOGRÁFICADEMOGRÁFICA
 Estágio 1 – Taxa de natalidade e mortalidade são altas...
 Estágio 2 – Taxas de natalidades altas e menores de mortalidade.
Gerando grande crescimento vegetativo.
 Por que ocorre...
 Estágio 3 – Taxas de natalidade caem e mortalidade continuam a cair,
porém, lentamente.
 Por que ocorre? Propagandas, p...
 Estágio 4 – Ambas as taxas são baixas, média de 1 ou 2 filhos por casal.
 Por que ocorre? Baixo analfabetismo, alta exp...
FLUXOS MIGRATÓRIOS
 Migração: Todo movimento de população que ocorre no espaço, realizado pelo
migrante.
 Emigrar: Saída...
 Repulsão: Explicam a saída da população e ocorrem nas áreas de
emigração.
 Atração: Explicam a entrada da população e o...
MOTIVOS DAS
MIGRAÇÕES:
 Naturais: Devido ao clima ou fenômenos da natureza.
 Políticas/Religiosas: guerras, violência, d...
 Migração sazonal/transumância : Movimento temporário e
que o migrante retorna ao local de origem, se relaciona com
a mud...
FLUXOS MIGRATÓRIOS DO
BRASIL
Os principais fluxos migratórios do Brasil internos
são originários do êxodo rural, as pesso...
DIFICULDADESDIFICULDADES
ENCONTRADASENCONTRADAS
POR ELES?POR ELES?
 Falta de preparo, pois na cidade a maior parte da mão...
ALTERNATIVAS: comércio, transportes, construção, ad-ministração... Muitos entram nesses
ramos,em maior crescimento no paí...
MIGRAÇÕES
INTERNAS 
As migrações internas têm igualmente
causas econômicas. As populações
das regiões mais pobres desloca...
Historicamente, o Nordeste é uma área de expulsão; o
Sudeste, em particular as áreas metropolitanas de SP e
do RJ, de atr...
FLUXOS MIGRATÓRIOS
EXTERNOS -leis que restringiram e eliminaram a escravidão no Brasil:
 *Eusébio de Queirós – 1850 – pr...
QUEM SÃO OS NOSSOS
IMIGRANTES?
 *portugueses – em grande número se distribuíram por várias regiões do país,
especialmente...
alemães – entram em pequeno número no Espírito
Santo e São Paulo e em maior número na Região Sul
(Joinvile, Vale do Itaja...
 Judeus ( Israelitas), Poloneses, árabes, holandeses e outras
nacionalidades também ajudaram na miscigenação da população...
FAMÍLIA DOS ANOS 60FAMÍLIA DOS ANOS 60
FAMÍLIA DOS ANOS 90
FAMÍLIA DOS ANOS 2000
País Subdesenvolvido
Elevada natalidade, alta mortalidade
infantil, baixo padrão de vida e baixa
expectativa de vida
País ...
PIRÂMIDE ETÁRIA – BRASIL
ESTRUTURA POR SETOR
DA ECONOMIASetor de atividadeSetor de atividade AtividadeAtividade
Primário – Brasil 21%Primário – Bra...
1 - Quais São os Problemas Demográficos no Brasil ?
2-O que é crescimento Vegetativo ?
3-O que é controle de natalidade?
4...
 CV = TN – TM
 CD = CV + OU – ENTRADA/SAÍDA DE PESSOAS DO PAÍS
EX: Estado do Rio de Janeiro no ano de 1995
CV= 20.800 – ...
 1- (PUC) – Entre os fatores que
impulsionaram a migração européia para o
Brasil entre 1870-1930, podemos excluir:
 a) o...
 (FUVEST) – O movimento pendular da população que se verifica,
diariamente, com bastante intensidade, em quase todas as g...
 (UNIFOR) – A região que forneceu o maior
contingente de colonos migrantespara a
ocupação da fronteira agrícola, no Mato
...
 (FUVEST) – No início do século, o Brasil recebeu
importante contingente de imigrantes japoneses. Hoje o
fluxo se inverte...
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibular
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Demografia aplicada ao vestibular

316 visualizações

Publicada em

Demografia: Conceitos

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Demografia aplicada ao vestibular

  1. 1. Professor Artur Lara
  2. 2.  PIB: Tudo produzido por uma região economicamente.  Renda Per capita: Por pessoa, divide-se o PIB pela população.  Crescimento Vegetativo: Diferença entre a taxa de Natalidade e Mortalidade, normalmente expressa em % - CV = TN – TM.  Pirâmide etária:Gráficos que demonstram a idade da população, a divisão de sexo, expectativa de vida e desenvolvimento do país.  Densidade demográfica: Número de habitantes por km², para fazer sua medição realizamos a divisão do tamanho do território pela população. Também chamada de população relativa.  Crescimento Demográfico:E quanto cresceu a população de uma determinada região, é a soma da natalidade + diferença dos fluxos migratórios - mortalidade.  População Absoluta: Total de habitantes de uma região.
  3. 3. CONCEITOS:  Superpopulação: quando um país não tem condições econômicas para garantir boas condições de vida para sua população.  Superpovoamento: Conceito empregado a um país cujo território tem características físicas que impendem sua ocupação total
  4. 4.  População jovem: 0 a 19 anos.  População adulta: de 20 a 59 anos.  População idosa: acima de 60 anos.  PEA: POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA
  5. 5. TEORIAS DEMOGRÁFICASTEORIAS DEMOGRÁFICAS Teoria de Malthus : Preconizava que a população mundial cresceria segundo Progressão Geométrica e que os meios de subsistência respeitariam Progressão Aritmética. Teorias Neomalthusianas: Como conseqüência da explosão demográfica ocorrida em função da súbita queda na mortalidade, que não fora acompanhada pela natalidade nos países de Terceiro Mundo. Causa Conseqüência Grande natalidade subdesenvolvimento  Teoria Reformistas: o que gera a fome e miséria, portanto seria a desigual distribuição de riqueza.
  6. 6. CRESCIMENTO VEGETATIVO 
  7. 7. O QUE EXPLICA OSO QUE EXPLICA OS GRÁFICOSGRÁFICOS ANTERIORES?ANTERIORES? Desde os anos 1960 que a taxa de crescimento da população brasileira vem experimentando paulatinos declínios.  Vale ressaltar que se o ritmo de crescimento populacional se mantivesse no mesmo nível observado na década de 1950 (aproximadamente 3% ao ano), a população brasileira chegaria, em 2008, a 295 milhões de pessoas e não nos 189,6 milhões, divulgados pelo IBGE.  Com a introdução e a paulatina difusão dos métodos anticonceptivos orais no Brasil.  Com isso, no decênio 1960 - 1970 já se observa uma discreta diminuição das taxas de crescimento populacional (2,89%).  Em 2050, o Brasil terá 7 milhões de mulheres a mais do que os homens.  As taxas de crescimento correspondentes às crianças de 0 a 14 anos já mostram que este segmento vem diminuindo em valor absoluto desde o período 1990 – 2000.
  8. 8.  O país caminha velozmente rumo a um perfil demográfico cada vez mais envelhecido.  População alcança bônus demográfico favorável ao crescimento econômico.  Os resultados apresentados permitem constatar que, nesse momento, o Brasil passa pela chamada janela demográfica, onde o número de pessoas com idades potencialmente ativas está em pleno processo de ascensão.  Vida média do brasileiro chegará ao patamar de 81 anos em 2050.  Os avanços da medicina e as melhorias nas condições gerais de vida da população repercutem no sentido de elevar a média de vida do brasileiro .
  9. 9.  O aumento da escolaridade feminina, a elevação do percentual de domicílios com saneamento básico adequado (esgotamento sanitário, água potável e coleta de lixo) e o acesso aos serviços de saúde contribuíram para a queda da taxa de mortalidade infantil em todo o país.   Contudo, ainda há um longo percurso pela frente, uma vez que a mortalidade infantil no Brasil, estimada em 23,30 óbitos de menores de 1 ano para cada mil nascidos vivos, em 2008, é alta quando comparada com os indicadores correspondentes aos países vizinhos do cone sul para o período 2005 – 2010.  O Brasil por algum tempo experimentou declínios nas taxas de mortalidade em todas as idades, mas, a partir de meados dos anos 1980, as mortes associadas às causas externas (acidentes de qualquer natureza e violência) passaram a desempenhar um papel de destaque, e infelizmente de forma desfavorável, sobre a estrutura por idade das taxas de mortalidade, particularmente dos adultos jovens do sexo masculino. A esperança de vida no Brasil continuou elevando-se, mas poderia, na atualidade, ser superior em 2 ou 3 anos à estimada, se não fosse o efeito das mortes prematuras de jovens por violência.
  10. 10. De 2008 para 2050, Brasil passa da 5ª para a 8ª posição no ranking dos países mais populosos Em 2008, o Brasil ocupa a 5ª posição entre os países mais populosos, mas de acordo com as projeções da ONU, o país passará para a oitava posição em 2050. Veja na tabela abaixo o ranking dos 25 países mais populosos (World Population Prospects: The 2006 Revision).
  11. 11. ESTÁGIOS DE TRANSIÇÃOESTÁGIOS DE TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICADEMOGRÁFICA  Estágio 1 – Taxa de natalidade e mortalidade são altas, resulta em um crescimento mínimo de população.  Por que ocorre? Ausência de planejamento familiar e políticas antinatalista.
  12. 12.  Estágio 2 – Taxas de natalidades altas e menores de mortalidade. Gerando grande crescimento vegetativo.  Por que ocorre? Aumento na qualidade e quantidade de alimentos, avanço na area da saúde e saneamento básico.
  13. 13.  Estágio 3 – Taxas de natalidade caem e mortalidade continuam a cair, porém, lentamente.  Por que ocorre? Propagandas, planejamento familiar, abortos e conscientização da população.
  14. 14.  Estágio 4 – Ambas as taxas são baixas, média de 1 ou 2 filhos por casal.  Por que ocorre? Baixo analfabetismo, alta expectativa de vida, avanço na saúde e conhecimento de uma forma geral da população.
  15. 15. FLUXOS MIGRATÓRIOS  Migração: Todo movimento de população que ocorre no espaço, realizado pelo migrante.  Emigrar: Saída de uma região.  Imigrar: Entrada em uma região.
  16. 16.  Repulsão: Explicam a saída da população e ocorrem nas áreas de emigração.  Atração: Explicam a entrada da população e ocorrem nas áreas de imigração
  17. 17. MOTIVOS DAS MIGRAÇÕES:  Naturais: Devido ao clima ou fenômenos da natureza.  Políticas/Religiosas: guerras, violência, discriminação e etc...  Econômicas: Crescimento ou decadência de uma região.  Êxodo rural: Ida do campo para a cidade.
  18. 18.  Migração sazonal/transumância : Movimento temporário e que o migrante retorna ao local de origem, se relaciona com a mudança do tempo.  Migração Pendular: Comuns nas grandes regiões metropolitanas. Saída diária de uma cidade para outra somente para trabalho com retorno no fim do dia.  Migração inter-regional: De uma região do Brasil para outra .  Migração intra-regional: Dentro do mesmo estado.
  19. 19. FLUXOS MIGRATÓRIOS DO BRASIL Os principais fluxos migratórios do Brasil internos são originários do êxodo rural, as pessoas saem do campo ( área rural) em direção as cidades ( área urbana), na expectativa de que essas cidades possam melhor atender às suas necessidades de sobrevivência.
  20. 20. DIFICULDADESDIFICULDADES ENCONTRADASENCONTRADAS POR ELES?POR ELES?  Falta de preparo, pois na cidade a maior parte da mão de obra é mecanizada, necessita de conhecimentos tecnológicos.  Com a mecanização nos setores da agricultura muitas famílias perderam espaço
  21. 21. ALTERNATIVAS: comércio, transportes, construção, ad-ministração... Muitos entram nesses ramos,em maior crescimento no país.  Aumenta o desemprego, o subemprego, a marginalidade.Pois nem todos tem espaço.
  22. 22. MIGRAÇÕES INTERNAS  As migrações internas têm igualmente causas econômicas. As populações das regiões mais pobres deslocam-se para as que apresentam maior desenvolvimento e oportunidade de trabalho. Assim, fala-se em áreas de atração e áreas de expulsão. 
  23. 23. Historicamente, o Nordeste é uma área de expulsão; o Sudeste, em particular as áreas metropolitanas de SP e do RJ, de atração. Essa migração regional também ocorre do campo para a cidade. Nas décadas de 1960 e 1970, houve mudanças na direção dos fluxos migratórios para as regiões norte e Centro-Oeste, incentivados pela política oficial de colonização. Para essas regiões, dirigiram-se não apenas os nordestinos, mas também os sulistas
  24. 24. FLUXOS MIGRATÓRIOS EXTERNOS -leis que restringiram e eliminaram a escravidão no Brasil:  *Eusébio de Queirós – 1850 – proibição ao tráfico de escravos.  *Ventre Livre – 1871 – liberdade aos filhos de escravos nascidos a partir da data de sua promulgação.  *Sexagenários – 1885 – liberta os escravos com mais de 60 anos  *Áurea – 1888 – libertação dos escravos  -crescimento da cafeicultura, necessitando de mais mão-de-obra.  -crises econômicas e políticas na Europa, estimulando a saída de sua população
  25. 25. QUEM SÃO OS NOSSOS IMIGRANTES?  *portugueses – em grande número se distribuíram por várias regiões do país, especialmente no Sul e Sudeste, em atividades urbanas (comércio e indústria).  italianos – destacaram-se na Região Sul (Vale do Tubarão, no sul de SC, e Serras Gaúchas – Caxias do Sul, Garibaldi, Farroupilha, Flores da Cunha, Bento Gonçalves) e em SP na produção do café
  26. 26. alemães – entram em pequeno número no Espírito Santo e São Paulo e em maior número na Região Sul (Joinvile, Vale do Itajaí, Serras Gaúchas e proximidades de Porto Alegre). japoneses – sua primeira entrada no Brasil ocorre em 1908 e se concentram principalmente no período entre 1920 e 1934. Em SP existe um bairro de Japoneses, chamado Liberdade
  27. 27.  Judeus ( Israelitas), Poloneses, árabes, holandeses e outras nacionalidades também ajudaram na miscigenação da população brasileira
  28. 28. FAMÍLIA DOS ANOS 60FAMÍLIA DOS ANOS 60
  29. 29. FAMÍLIA DOS ANOS 90
  30. 30. FAMÍLIA DOS ANOS 2000
  31. 31. País Subdesenvolvido Elevada natalidade, alta mortalidade infantil, baixo padrão de vida e baixa expectativa de vida País Desenvolvido Baixa natalidade, baixa mortalidade infantil, elevado padrão de vida e alta expectativa de vida
  32. 32. PIRÂMIDE ETÁRIA – BRASIL
  33. 33. ESTRUTURA POR SETOR DA ECONOMIASetor de atividadeSetor de atividade AtividadeAtividade Primário – Brasil 21%Primário – Brasil 21% Atividade relacionadas com o campo, como aAtividade relacionadas com o campo, como a agropecuária e o extrativismo simples.agropecuária e o extrativismo simples. Secundário – Brasil 21%Secundário – Brasil 21% Atividades relacionadas diretamente com aAtividades relacionadas diretamente com a produção industrial e a construção civil,produção industrial e a construção civil, atividade urbanas.atividade urbanas. Terciário – Brasil 58%Terciário – Brasil 58% Atividades ligadas à prestação de serviçosAtividades ligadas à prestação de serviços (educação, saúde, lazer, bancos,(educação, saúde, lazer, bancos, comércio.....) também atividades urbanas.comércio.....) também atividades urbanas.
  34. 34. 1 - Quais São os Problemas Demográficos no Brasil ? 2-O que é crescimento Vegetativo ? 3-O que é controle de natalidade? 4- Explique de forma sintética a teoria de Malthus 5-Explique a diferença entre superpopulação e Superpovoamento. Exercícios
  35. 35.  CV = TN – TM  CD = CV + OU – ENTRADA/SAÍDA DE PESSOAS DO PAÍS EX: Estado do Rio de Janeiro no ano de 1995 CV= 20.800 – 8.000 = 12.800 ENTRADA DE PESSOAS: 4.500 SAÍDA DE PESSOAS: 2.000 Diferença: 2.500 CD= 12.800 + 2.500= 15.300
  36. 36.  1- (PUC) – Entre os fatores que impulsionaram a migração européia para o Brasil entre 1870-1930, podemos excluir:  a) o desenvolvimento da cafeicultura.  b) as iniciativas dos fazendeiros de auxiliar os colonos.  c) a abolição da escravatura e a conseqüente liberação da mão-de-obra.  d) A unificação política da Itália.  e) A Primeira Guerra Mundial.
  37. 37.  (FUVEST) – O movimento pendular da população que se verifica, diariamente, com bastante intensidade, em quase todas as grandes cidades brasileiras está associado a:  a) movimentos rítmicos sazonais, resultantes da homogeneidade do espaço urbano;  b) uma modalidade de transumância para aproveitar trabalhadores temporários nas áreas centrais;  c) expansão horizontal urbana e periferização da mão-de-obra;  d) um intenso nomadismo gerado pela especulação imobiliária com verticalização da mancha urbana;  e) movimentos rítmicos sazonais ligados às atividades do setor terciário.
  38. 38.  (UNIFOR) – A região que forneceu o maior contingente de colonos migrantespara a ocupação da fronteira agrícola, no Mato Grosso, Rondônia e Acre, durante os anos 70 e 80, foi a:  a) Norte  b) Nordeste  c) Centro-Oeste  d) Sul  e) Sudeste
  39. 39.  (FUVEST) – No início do século, o Brasil recebeu importante contingente de imigrantes japoneses. Hoje o fluxo se inverteu, e são os brasileiros que emigram para o Japão.  Explique essa inversão a partir das principais mudanças socioeconômicas que ocorreram nos dois países durante o século XX.

×