SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
4. Comércio e moeda
Distribuição- atividade que estabelece umaponte de ligaçãoentre aproduçãoe o consumo,abrangendoo
conjuntode operaçõesque fazemdeslocarosprodutosdesde afase inicial dasuaproduçãoaté às mãosdo
consumidor.Englodao transporte e o comércio,duasatividadescomplementaresque aumentamautilidade
dos bens,namedidaemque osdisponibilizamde formapráticaaos seuscompradores.
Comércio- atividade intermediáriade trocaque ajudaos produtoresa escoaremosseusprodutos
permitindoque osconsumidorestenhamacessoaosbensque desejam. ( atividade económicade trocaque
facilitaadisponibilizaçãodosbensaosconsumidores )
Os intermediáriosdoscircuitosde distribuiçãopodemser grossistas (ouarmazenistas) ou retalhistas.
Grossistas- sãoos comerciantesque compramgrandesquantidadesde bens,que sãoarmazenadospara
posteriormente serem revendidosemquantidadesmenores. (compramaoprodutorgrandesquantidadesde
modoa ficarmaisbarato e vendemporquantidades maispequenas)
Retalhistas- são os comerciantesque adquiremaosgrossistasprodutosque se destinamaservendidosaos
consumidoresemquantidadesfraccionáveis. (compramdosgrandesousejadosgrossistasparavenderem
quantidadesmuitopequenasaosconsumidores)
São 3 oscanais habituaisde distribuição:
 Circuitoultracurto- estabelede umaligaçãodiretaentre oprodutore o consumidorfinal,
eliminando-se destemodoqualquerintermediárionoprocessode distribuição.
( Produtor Consumidor)
 Circuitocurto- o produtorassume opapel de grossista(ouarmazenista),vendendoosseusprodutos
ao retalhistaque oscomercializaaoconsumidorfinal.
( Produtor Retalhista Consumidor)
 Circuitolongo- é o cirtuitoclássiconoqual o produtorvende ossuesbensaogrossista(ou
armazenista) que,seguidamente,osrevende aoretalhistaque é quemfinalmente comercializaos
bensao consumidorfinal.
( Produtor Grossista Retalhista Consumidor)
Existênciade mais intermediários
Vantagens:alargara divulgaçãodoproduto,aumentodasvendas.
Desvantagens:geraoscustosde intermediaçãoque levamaoaumentodospreçosdosbens.
Franchising- empresacomum formatojá testadoconcede aoutro o direitode utilizarasua marca e vender
os seus produtosouserviçosnumdeterminadomodelode gestão,emtrocade uma certa remuneração
(royalties).
Vendaindireta- comercializaçãode produtossemaexistênciade umencontrofísicoentre compradore
vendedor.Abrange avendaàdistância(ex.vendasporcatálogo,televendas,etc),a vendaautomática(em
equipamentosdispensadoresde produtosmediante umpagamento;ex.máquinade bebidas,chocolates,
selos) e o comércioeletrónico (disponibilizaosbense serviçosencomendadosviaInternet).
Troca direta- produtoseramtrocados diretamente poroutrosque fizessemfalta.
( Produto Produto)
Inconvenientesdestatroca:necessárioencontrar outroindivíduoque tivesseinteressescompatíveis
(alguémque tivesseemexcessoosbensde que a outraparte necessitavae tambémque desejasseteros
bensque esse indivíduopodiadaremtroca); dificuldadeematribuirumvaloraosbensque iamser trocados
(as valorizaçõeseramfeitasemunidadesdiferentese nemsempre chegavamaumacordo);certosbensnão
seremdivisíveisaumentavaadificuldade dastrocas.
Troda indireta- incluiumnovointermediário,amoeda.A troca passa a serefetuadaemduasfases:troca-se
um produtopor moedae depoisamoedapor um novoproduto.
1ª Fase ( Produto Moeda) 2ª Fase ( Moeda  Produtonovo )
Moeda- bemintermediárionastrocas,aceite portodosos indivíduos,sendoutilizadaparamedirovalorde
outrosbense serviços.
Evolução etiposdemoeda:
 Moeda-mercadoria- bemde aceitaçãogeneralizadaque servianafase inicial damoedacomo
intermediárionastrocas.Qualquerbemconsideradoútil porumacomunidade poderiaservircomo
moedade troca. (a moedade troca eraum bemvalorizadopelageneralidade dosseusmembros)
 Moeda metálica- metal de aceitaçãogeneralizadausadocomointermediáriodastrocas.
Atualmente,amoedametálicaé usadacomo moedadivisionáriaoude trocos,emborao seuvalor
facial não correspondaaovalorreal. (ex.ouroe prata,tinhamo fator da divisibilidade,podiamser
fraccionadosemsubmúltiplos,e daconservação,nãose esgotavacomo tempo).Atualmente,
utiliza-seamoedametálicacomo ->
 Moeda divisionáriaoude trocos- constituídapor pequenaspeçasmetálicasutilizadas,emgeral,
para pagamentosde baixovalor,sendoovalorfacial inferioraovalordometal que o constitui.
Englobaa moedarepresentativa,afiduciáriae opapel-moeda.
 Moeda de papel- a partir da Idade Média,substituiu-seosmetaispreciososporumdocumento
escrito.A primeirafase damoedade papel é a moedarepresentativae,de seguida,passaaser a
moedafudiciária.
 Moeda representativa- notasemcirculaçãoque correspondemaovalorexatodepositadoemmetal
preciosonoscofresdosbancos. ( corresponde aum certificadorepresentativo,umadeterminada
quantiaemouro ou prata previamente depositada)
 Moeda fiduciária- notasconvertíveisemitidasnummontantesuperioraovalorefetivamente
depositado. ( confiançanobancoao depositarnomesmo,nãolevantamovalordepositadoem
metal )
 Papel-moeda- notasinconvertíveisde cursoforçadoimpostopeloEstado.
 Moeda escritural- é usada atravésde movimentosde escrita, constituídapelosdepósitosbancários,
os valoresdepositadospodemsermovimentadosatravésde cheques,transferências,ordensde
pagamentooucartões de multibanco(moedaeletrónica).Atualmente,utiliza-sebastante o
computadorpara movimentardepósitosbancários,poisé possível efetuartransferênciasouordens
de pagamentoatravésda Internet(moedainformática).
Desmaterializaçãoda moeda- a formamais utilizadahoje emdiaé amoedaescritural ( os cartões bancários,
os chequese asinstruçõesinformáticasaosbancos substituiram odinheiro“vivo”),osproprietáriosdeixam
cada vezmais de possuirumbemcoróreopara passara terapenasdocumentoscomprovativosdasua
posse.
Funçõesdemoeda
 Meiode pagamentogeral e definitivo- amoedaé um bemde aceitaçãogeneralizadaque é utilizado
como intermediáriogeral dastrocas,sendoconsideradodefinitivoqualquerpagamentoefetuado
emmoeda.
 Medidade valor- o valor dosbense serviçosé expressoatravésdamoeda,que funcionacomouma
unidade de conta.
 Instrumentode reservade valor- pode-se guardarmoedaporumdeterminadoperíodode tempo,
conservando-seassimumvalor.Ovalorreservadonomomento presente podeserusadopara
adquirirbense/ouserviçosnofuturo.
A nova moeda portuguesa- o euro
O escudodeixoude seramoedaportuguesanodia 1 de Janeirode 1999, e passouentãoo euroem
circulação.Durante o períodode transição,que terminounodia31 de Dezembrode 2001, o euroe o escudo
coexistiramemparalelo,funcionandooeurocomomoedaescritural e oescudocomo moeda de papel
(notas) e moedadivisionária(de trocos).Asnotase moedasemeurossóentraramem circulaçãono iníciode
2002.
A partirdo dia 1 de Janeirode 1999, a condução da políticamonetárianaZona Euro passoua ser da
responsabilidade doBancoCentral Europeu(anovainstituiçãosupranacional).Nessadata11 países
passaramas responsabilidadesdaspolítivasmonetáriasparaoBCE. Para integrarema ZonaEuro, os
Estados-membrostiveramde cumpriroscritériosde convergênciaprevistosnoTratadode Maastricht, que
estabeleciamascondiçõespréviasparaospaísespoderemintegraraUniãoEconómica e Monetária(UEM).
A Áreado Euro, inicialmente,eraformadapelaAlemanha,Áustria,Bélgica,Espanha,Finlândia,França,
Irlanda,Itália,Luxemburdo,PaísesBaixose Portugal.Em2001 aderiua Grécia; em2007 a Eslovénia;em
2008 o Chipre e Malta; em 2009 a Eslováquia;em2011 a Estónia.A Áreado Euro passoua ser assimformada
por 17 países.
Vantagens do euro:
 Facilitouastrocas entre ospaíses com a mesma moeda(eliminando-se assimosencargoscoma
transação de divisas-moedaestrangeira- e asdiferençascambiais);
 Possibilitouumamaiorestabilidade de preços(que permitiuumareduçãode taxasde juro,que
beneficiaasfamíliase as empresas;
 Proporcionarmaiortransparênciaaomercado(facilitantoacomparaçãode dadosentre osdiversos
paísesaderentes).
Desvantagensdo euro:
 Perdade autonomiaemmatériade políticamonetária(umadasmais apontadasdesvantagens,os
governosdeixamde poderusara desvalorizaçãodamoerdacomoestratégiaque permitiaaumentar
a competitividade dasexportações);
 Maior transparênciade mercado(pode gerarchoquesassimétricosentreasregiões);
 Restriçõesemmatériaorçamental (critériosde convergênciaorçamental que dificultamacondução
de políticaseconómicasdentrode cada Estado-membro);
 Tiveramde sersuportadosos encargosrelacionadoscom:aimplementaçãoe adaptaçãoda nova
moeda,a aquisiçãode equipamentos,substituiçãode programasinformáticose aformação,entre
outros.
Preço- quantidade de moedaque é necessáriodespenderparase obterumdeterminadobem ouserviço;
representaovalordo bemouserviçoexpressonumadeterminadaunidade monetária;depende de um
conjuntode fatores:custosde produção,as margensde lucro,custos relacionadoscomadistribuição, o
númerode compradorese de produtores,atecnologia,etc.
Custos de produção- reflete todososencargossuportadoscoma produçãodos respetivosbense serviços;
englobamos custosdiretos e indiretossuportadospelaunidadesprodutivas.
 Custosdiretos- todososencargosrelacionadoscomaprodução (ex.gastoscomas matériasprimas
ou remuneraçãodostrabalhadores).
 Custosindiretos- todososencargosque aunidade produtivatemde suportarmas que não estão
diretamente relacionadoscomaprodução (ex.despesasde água,eletricidade,telecomunicações,
publicidade,seguros,rendas).
Númerode compradores- quandoum bem,porexemplo,temgrande procuraemépocasespecíficasé
normal que ocorra um aumentodoseupreço.
Númerode produtores- o preçode umbem, por exemplo,vai diminuindoàmedidaque aumentaa
quantidade oferecidapelosprodutores.
Tecnologia- quantomaistecnologiase incorporanosprocessosprodutivos,maioré aeficiênciadaprodução
(osavanços tecnológicos permitemproduzirmaisquantidadescomcustosmédiosinferiores),originando
uma reduçãode preço,semperda de margemde lucro.
Inflação- subidainesperada,contínuae generalizadadopreçodosbense serviços.Uma dassuas
consequênciasé adepreciaçãodovalorda moeda.
 Depreciação do valor da moeda- umadeterminadaquantidade de moedajánãopermite adquiriro
mesmonúmerode bensque permitiaanteriormente;estáassociadoàperdade poderde compra.
 Poderde compra- quantidade de bense serviçosque umrendimentopermite adquirir.
Quandose analisaa evoluçãodoprodutogeradopor um país ao longodo tempo,devemosterem
consideraçãooefeitodainflação.Épossível calcularovalor desse produtode duasformasdiferentes:a
preçoscorrentes oua preçosconstantes.
o Preçoscorrentes- aprodução é registadaaospreços que vigoramnomercadonum determinado
momento.Nesse caso,ospreçosrefletemainflaçãoocorrida.
o Preçosconstantes- prentende analisaraevoluçãoreal doproduto,retirao efeitodainflação
(deflacionar).
(Faltaas fórmulasdoÍndice de preçosde um bem, taxade inflação,Tim, Tih,Tim12)
Índice de Preçosno Consumidor(IPC)- médiaponderadadospreçosde umcabaz de bensconsiderados
representativosdoconsumomédiode umafamília.OIPCé um instrumeto demedição da inflação em
Portugal.
Índice Harmonizado de Preços (IHPC)- Índice que comparaa inflaçãoentre osdiferentespaísesdaUnião
Europeia.
Taxa de Inflação- taxade crescimentodoÍndice de PreçosnoConsumidor entre duasdatas.
Taxa de Inflação Mensal- taxa que comparao valor da inflaçãoentre doismesesconsecutivos.
Taxa de Infalação Homóloga- taxa que compara o valorda inflaçãode ummêscom o mesmomêsdo ano
anterior.
Taxa de Inflação Média dosúltimos 12 meses- médiasimplesdasúltimasdozestaxascomparadacoma
médiadasdoze taxashomólogas.
- Mais conceitos:
Desinfalação- diminuiçãodataxade inflação. ( desacelaraçãodoritmode crescimentodospreços)
Deflação- quebrainesperada,contínuae generalizadadopreçodosbense serviços. (associadaauma
restriçãoda procura, da produçãoe do emprego)
Estagflação- situaçãoemque uma inflaçãoelevadaé associadaàestagnaçãoda atividade económica.
(abrandamentodocrescimentoeconómico,istoé,omenorcrescimentodoinvestimento,doconsumo,da
exportaçãoe produção,não originandoummenorcrescimentodospreçosdosbens)
Cunhagemda moeda- inscriçãogravadanuma moedametálicacommarcas representativasde um
determinadovalorfacial ounominal.
Desmaterializaçãoda moeda- perdado conteúdomaterial damoedageradapelacrescente utilizaçãoda
moedaescritural.
5. Preços e mercados
Mercado- local,emsentidofísicoouabstrato,onde a procura (solicitaçãodosprodutores) e aoferta
(intençõesdoprodutor) de umbem sãoconfrontadas,dandoorigemàformação do preço de mercadodesse
bem( compatibilizamaofertae a procurade um bem, a umdeterminadopreço ).
Mecanismodo mercado- formaonde se conjugamnummercado osinteressesde produtorese
compradoresde um determinadobeme que dáorigemà formaçãodo preço de mercadodesse bem.
Procura- Quantidade de bensque oscompradoresestãointeressadosemadquiriraum determinadopreço.
Representa-se porD.
o Procura agregada- somatóriode todasas procuras individuais.
o Procura individual- quantidade procuradaporcada consumidor.
Por norma,à medidaque vai diminuindoopreçode um bem, aumentam asquantidadesprocuradase vice-
versa(quandoo preçoaumenta,asquantidadesprocuradasdiminuem- aeste comportamentose designaa
lei daprocura, podendoserrepresentadograficamente atravésde umacurvadescendente).
Lei da Procura- a quantidade procuradade um bemvai diminuindoconforme aumentaopreçodesse bem. (
+ preço - quant.procurada) ( - preço + quant.procurada)
Outrosfatoresque influenciamaprocura:
 Nível de rendimentosdosconsumidores- quandoo rendimentoaumentae tudoorestose mantém
constante,oconsumode benstambémaumenta(acurva da procura desloca-separaa direita) e diminui
quandoo rendimentotambémreduz.Existeexceções,comoacontece noschamadosbensinferiores-
bensde menorcusto,maisconsumidosquandoorendimentoé menor(apresentamumcomportamento
contrário,quandoo rendimentoaumenta,diminuioseuconsumo).
 Preferênciadosconsumidores- associadasadeterminadascircunstânciascomoastradições,moda,
efeitosde publicidade e religião (podemvariar).
 Dimensãodo mercado- depende daalteraçãodonúmerode consumidoresde umadeterminadaregião,
a procura de bensdeverávariarnomesmosentido.
 Preço de outros bens- quandoaumentao preçode umbemsucedâneo,aprocura desse bemdiminui e
transfere-se paraoutrobemcujopreçonão seje tãoelevado.Nocasodosbenscomplementares,por
norma,o aumenteodopreçode umbemlevaà diminuiçãodaprocura de ambos,uma vezque
funcionamemconjunto.
Oferta- quantidade de bensque osprodutoresestãodispostosavenderporumcertopreço.Representa-se
por S.
o Ofertaagregada- somatóriode todasas ofertasindividuais.
o Ofertaindividual- quantidadeoferecidaporcada produtor.
Por norma,à medidaque vai aumentandoopreçode umbem, aumentamas quantidadesoferecidase vice-
versa(quandoo preçoaumenta,asquantidadesoferecidasaumentam- aeste comportamentose designaa
lei daoferta,podendoserrepresentadograficamente atravésde umacurvaascendente).
Lei da oferta- a quantidade oferecidade umbemvai aumentandoàmedidaque aumentaopreço desse
bem. ( + preço  + quant. oferecida) ( - preço  - quant. oferecida)
Outrosfatoresque influenciamaoferta:
 Custos de produção- quandoaumentao preçodas matériasprimasouo custo da mão de obra, o total
de encargoscom o fabricotambémaumenta.Osprodutores:ouaumentamospreçosde vendados
bens,ousão obrigadosa reduzira suamargemde lucro.Ou seja,quandoospreçosde custo aumentam,
o interesse de vendadosprodutoresgeralmentediminui (menosoferta).Graficamente,acurva da
ofertadesloca-se paraparaa esquerda.
 Evolução tecnológica- contribui paraa eficiênciadosprocessosde fabrico,produz-semaiscomum
menoscustounitário. Ouseja,quandomaistecnologia,maisoferta.
 Preço dos outros bens- muitasvezesosprodutoresdeixamde produzirumbemparapassar a produzir
outro que temuma margemde lucrosuperior.Nocaso dosbenscomplementares,quandoaumentao
preçode umbem,aumentaa sua ofertae normalmente,tambémaumentaaofertadosbens
complementares.Quantoaosbenssucedâneos,quandoopreçoaumenta,aofertado outrodiminui.
 Expectativas dos produtores- depende dasprevisões.Se asprevisõesapontaremparaumasubida(ou
descida) dospreços,osprodutoresvãoaumentar(oudiminuir) aproduçãode bens,de movoa
venderemumamaior(oumenor) quantidade.Maisexpectativa,maisoferta.
 Condiçõesclimatéricas- emparticulara ofertade benscuja produçãodepende doclima(ex.produtos
agrícolas).Um bom ano agrícola pode gerarum aumentoda oferta.
A estruturade cada mercadovaira de acordo com o númerode participantesque nele intervême como
modocomo estesse relacionam.Podemosclassificaremdoistipos:mercadode concorrênciaperfeitae
mercadode concorrênciaimperfeita.
 Mercado de Concorrência Perfeita- ospreçosresultamdainteraçãoentre a ofertae a procura (a
empresanãotempoderpara fixaros preços).Estruturade mercadoem que se observam
simultaneamenteosseguintespressupostos: atomicidade,homogeneidade dosprodutos,livre entrada
no mercado, transparênciae mobilidade dosfatoresprodutivos.Trata-se de umasituaçãoemque
elevadonúmerode vendedorese compradoresnãopermite umainfluênciasignificativasobre ospreços
dos bens.
 Atomicidade do mercado- existênciade umelevadonúmerode compradorese vendedoresde
reduzidadimensão,que nãoconseguem,individualmente,influenciarsignificativamenteomercado,
emparticularo seupreço.
 Homogeneidade doproduto- as caraterísticasdosprodutostransacionadossãode tal forma
semelhantesque paraoconsumidoré indiferente consumirunsououtros.
 Livre entradano mercado- inexistênciade obstáculosà entradaouà saída do mercado,podendo
todosos seusparticipantesentrarousairlivremente e semqualquerbarreira.
 Transparência perfeita- todosos intervenientesdispõemde umlivre acessoàsinformações
respeitantesaomercado,nomeadamente sobre os preçospraticadose a qualidade dosbens.
 Mobilidade dosfatores- os fatoresde produçãodevempoderserdeslocadosde umaunidade
produtivaparaoutra, de modoa poderestaremcada momentonaunidade que proporcionaruma
maiorrentabilidade.
Ponto de equilíbrio- pontodográficoda lei daofertae da procura que repesentaopreçoe a quantidade de
equilíbrio.
Preço de equilíbrio-preçopeloqual se igualamasquantidadesoferecidase procuradasde umbem.
Lei da oferta e da procura- mantendo-se tudoorestoconstante,opreçovaria na mesmarazãoque a
quantidade oferecidae narazão inversadaquantidade procurada.
 Mercado de Concorrência Imperfeita- ospreçosdependemdopoderque aempresativerno
mercado.Situaçãodecorrentedanãoobservânciaemsimultâneodospressupostos daconcorrência
perfeita.Asprincipaisformasde concorrênciaimperfeitasãoo monopólio,aconcorrênciamonopolística
e o oligopólio.
Atomicidade- onúmerode intervenientesdomercadoraramente é elevado,de modoque nãoinfluenciaa
ofertaou a procura e,em particular,oseupreço; Homogeneidade dosprodutos- não é facilmente
observável,hásempre qualquerelementodiferenciador(sãoatribuídascaraterísticasespecíficasaos
produtos);Livre entrada no mercado- nemsempre se verifica, poisasempresasque jáestãonomercadoà
algumtempoconstituemumobstáculoaqualquernovaempresaque sóvai agora entrarno mesmo(devido
à experiênciae mostradoassuas capacidades); Transparênciado mercado- quemdominamaiso mercado
temmaisacessoàs informaçõessobre omesmo; Mobilidade dosfatores- dificuldade empassarde um
processode fabricode um produtopara outro.
 Monopólio- situaçãode mercadoemque um só vendedor,denominadomonopolista,comercializa
os bens,influenciandoonível de preçose a quantidade de bensque vai abasteceromercado.A
entradaneste tipode mercadoé muitodifícil devidoaobstáculosde naturezaeconómica
(investimentos),de naturezalegal (dispositivoslegaisque dificultamaentrada) oude natureza
técnica(questõespráticasincontornáveis).
 Concorrência monopolística- conjuntode empresasque vendemprodutossemelhantesmasque
contêmelementosdiferenciadores,como a marca ou a publicidade. Nãoé ummercadode entrada
difícil,existealgumcontroloporparte dosvendedoressobre opreçodosbens.
 Oligopólio- conjuntoreduzidode empresasde grande dimensãoque comercializaprodutosaum
grande númerode compradores,controlandoamaioriadomercado. A concorrênciaentre
oligopolistasé feitasobretudoàcustade serviçospós-venda,garantiasadcionaise outrosextrasque
possamdiferenciarumpoucoosseusprodutosemrelaçãoaos dosseusopositores.Nestetipode
convergência,oacessode novasempresasaomercadoé muitodifícil,poisasempresasjáexistentes
são rivaisde grande dimensãoe de forte implantação.
(tabelade caraterísticas)
- Mais conceitos:
Aquisição- situaçãoemque uma empresaadquire outra,que deixade existir,parapassara fazerparte
da primeira.
Cartel- acordo empresarial que visaumdeterminadoobjetivocomum, comoporexemplo,eliminara
concorrênciaatravésda fixaçãode preços,quantidadesoferecidas,etc.
Concentração conglomeral- concentraçãode empresasde naturezadiversacujoobjetivo é aobtenção
de vantagensfinanceirasatravésdadiversificaçãode estratégias.
Concentração horizontal- concentraçãode empresasque se encontramaomesmonível emtermosde
etapado processoprodutivo.
Concentração vertical- concentraçãode empresasque se encontramemníveisdiferentesdoprocesso
produtivo.
Fusão- associação de duasou maisempresasde que resulta umanovaempresaque utilizaosfatores
produtivosdosanteriores.
6. Rendimentos e repartição dos rendimentos
Rendimento- fluxogeradonaatividadeprodutivae que é distribuídopelosseusintervenientes,de acordo
com a participaçãode cada um. ( fluxosque se geramnaativ.
prod. atravésda utilizaçãode capital e trabalhoe que posteriormente sãodistribuídospelosvários agentes
intervenientes )
Valor acrescentado- valoradicional que é criadopelasunidadesprodutivasde umpaís e que representaa
riquezageradadurante umdeterminadoperíodo. ( quantomais
transformadoforo bem,maiorserá o valoracrescentadoe vice-versa)
Repartição funcional dos rendimentos
Remuneração do trabalho- salário
Intervenientes: Formasderemuneração:
 Trabalhadoresdependentes  Salários
Salário- formade remuneraçãodotrabalhodependente. ( trabalhodependente- nãoé realizadoporconta
própria,mas simprestadoa outrapessoa/entidade )
Pode serconstituídoporuma remuneração fixa- paga-se umaquantiacerta,estipuladapormeiode um
contrato de trabalho.Tambémpode englobarumaparte variável- nãoé estipuladaumaquantiafixa,apenas
uma determinadapercentagem- que,pornorma,se designade comissão.
 Salário ilíquidooubruto- valortotal,antesde seremdescontadososimpostose ascontribuições
para a SegurançaSocial.
 Salário líquido- salárioque resultadepoisde deduzidosaosaláriobrutoosrespetivosimpostose
contribuiçõessociais.
 Salário nominal- quantidade de moedaque umindivíduorecebeemtrocado seutrabalho.
 Salário real- quantidade de bensque esse indivíduoconsegue adquirircomoseusalárionominal
(refletindo-seoefeitodainflação).
Remuneração do capital
Intervenientes: Formas deremuneração:
 Proprietáriosde bensimóveis  Rendas
 Detentorde capital (dinheiro)  Juros
 Empresário  Lucros
Renda- remuneraçãoque é paga pelautilizaçãotemporáriade bensimóveis(ex.edifícios,terreno).
Juro- remuneraçãopelacedênciatemporáriade umadeterminadaquantiaemdinheiro.
Jurossão o principal motorda atividade bancária,constituindoaformade remuneraçãodas suasoperações.
As operaçõesbancáriaspodemser ativas- empréstimosque osbancosconcedem;ou passivas- captaçãode
poupançasdosclientes.
Lucro- remuneraçãodocapital empregue numaunidade produtiva,durante umdeterminadoperíodode
tempo,como objetivode tornarpossível aproduçãode bensque maistarde se destinama ser
comercializadosporumvalorsuperior aocustoa que foramproduzidos. ( retribuiçãodoinvestimento
inicial +compensação )
Lucro Bruto= Prençode Venda- Preçode Custo
Lucro líquido- valorgeradopelaempresaapósseremdeduzidososencargoscoma reposiçãodocapital fixo.
Lucro Líquido= Lucro Bruto- Amortizações
Repartição dosrendimentos
Repartição funcional dos rendimentos- formade distribuiçãodorendimentoque é feitade acordocom a
funçãoque cada agente desempenhounaatividadeeconómica.
Repartição pessoal dos rendimentos- formade distribuiçãodorendimentoque indicaacomposição dos
rendimentosdosdiversosagregadosfamiliaresde umapopulação.
Rendimentosmistos- rendimentosprovenientesdodesempenhode váriasfunçõesnaatividade económica
(+ que uma fonte de rendimento,recebem:salários,juros,rendas,lucros).
Principaisdisparidadesna repartição do rendimento:
 Fator capital com remuneraçõessuperioresaofatortrabalho
 Algumasfamíliasacumulamváriostiposde rendimentoe outrasnão
 Diferençassalariais
 Disparidadesregionais
 Disparidadesemfunçãodogénero
Os indicadoresusadoscommaisfrequência,paraauxiliaraanálise dasdisparidadesexistentes,são:oleque
salarial,acurva de Lorenze o rendimento percapita.
Leque salarial- representaarelaçãoexistente entreosaláriomáximoe osaláriomínimodesse país
(permintindotirarconclusõessobre adispersãodossalários). ( quandomais
alargadofor o leque salarial,maioresserãoasdesigualdadessalariais;indicaquantasvezesosaláriomáximo
é superioraosaláriomínimo )
Curva de Lorenz- representaçãográficaque se utilizaparaestudaras desigualdadesocorridasnadistribuição
do rendimentopelasfamílias.
Rendimentoper capita- rácio(relação,geralmente empercentagem,entre duasgrandezas)que serve de
indicadordonível médiode rendimentode umapopulação.
(contado rend.percapita)
A redistribuição dosrendimentos
Redistribuiçãodo rendimento - conjuntode operaçõesrealizadascomoobjetivode corrigiras
desigualdadesque ocorremnarepartiçãoprimáriadosrendimentos.
Imposto- prestaçãopecuniáriacobradaaos cidadãos,emdeterminadassituaçõesprevistasnalei.Podemser
diretos ouindiretos.
Imposto direto- incide diretamentesobre orendimento oupatrimónio(ex.IRS,IRC).
Imposto indireto- impostoque recai sobre autilizaçãodorendimentodosindivíduos (ex.IVA,impostosobre
o tabaco).
Rendimentopessoal disponível- rendimentode cadaindivíduo,resultante dosomatóriodosrendimentos
de capital e do trabalhocom as transferênciassociais,depoisde deduzidososimpostose asquotizações
sociais.
- Mais conceitos:
Padrão de Poder de Compra (PPC)- unidade monetáriaque servecomoreferênciaparaanalisara paridade
do nível dospreçosentre váriospaíses.Um valorde PPCpermite adquiriromesmonúmerode bensou
serviçosemtodosospaíses.
Quotizaçõessociais- contribuiçõesque ostrabalhadorese asentidadespatronaisentregamà Segurança
Social.
Rendimentosocial de inserção- prestaçãosocial cedida,provisoriamente,aosindivíduosque nãotêm
qualquerfonte de rendimentoe que se destina,juntamente comaçõesde formação,a criar melhores
condiçõesde empregabilidade.
Repartição do rendimento- formacomoé distribuídoorendimentode umpaís.
Taxa- prestaçãopecuniáriaque é cobrada aos cidadãosque requeremdeterminadosserviços,
nomeadamente serviçospúblicos.A taxadifere doimpostoporque pressupõeaprestaçãode um serviço
como contrapartidadovalor pago.
Transferênciasexternas- transferênciassociaisprovenientesde Estadosde outrospaíses.
Transferênciasinternas- transferênciassociaisprovenientesdoEstadoportuguês.
Transferênciassociais- prestaçõesque oEstado entregaaoscidadãoscomo formade supriras
desigualdadesdecorrentesda repartiçãoprimáriadorendimento(ex.pensões,subsídiosde desemprego,
abonode família,etc).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
Filazambuja
 
Geografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União EuropeiaGeografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União Europeia
Raffaella Ergün
 
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxA europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
Lucilia Fonseca
 
Teste 3 dez 07
Teste 3 dez 07Teste 3 dez 07
Teste 3 dez 07
manjosp
 

Mais procurados (20)

A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
 
O cartoon proposta didática
O cartoon   proposta didáticaO cartoon   proposta didática
O cartoon proposta didática
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
Geografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União EuropeiaGeografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União Europeia
 
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
 
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxA europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
 
MACS - lei de Laplace, Função massa de probabilidade, probabilidades
MACS - lei de Laplace, Função massa de probabilidade, probabilidadesMACS - lei de Laplace, Função massa de probabilidade, probabilidades
MACS - lei de Laplace, Função massa de probabilidade, probabilidades
 
A intervenção do estado na economia portuguesa
A intervenção do estado na economia portuguesaA intervenção do estado na economia portuguesa
A intervenção do estado na economia portuguesa
 
Pac
PacPac
Pac
 
Pac
PacPac
Pac
 
Teste 3 dez 07
Teste 3 dez 07Teste 3 dez 07
Teste 3 dez 07
 
Economia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União EuropeiaEconomia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União Europeia
 
MACS - modelos populacionais
MACS - modelos populacionaisMACS - modelos populacionais
MACS - modelos populacionais
 
Espaço urbano cidades
Espaço urbano cidadesEspaço urbano cidades
Espaço urbano cidades
 
12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização
 
Testes geografia a
Testes geografia aTestes geografia a
Testes geografia a
 
Unidade 8 final
Unidade 8 finalUnidade 8 final
Unidade 8 final
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 

Destaque

Economia A 10º Distribuição e Moeda
Economia A 10º Distribuição e MoedaEconomia A 10º Distribuição e Moeda
Economia A 10º Distribuição e Moeda
Eduardo Costa
 
Economia 10º Ano Mosulo Inicial
Economia 10º Ano  Mosulo InicialEconomia 10º Ano  Mosulo Inicial
Economia 10º Ano Mosulo Inicial
Leonor Alves
 
Teste modulo 4 economia- 12-13
Teste modulo 4   economia- 12-13Teste modulo 4   economia- 12-13
Teste modulo 4 economia- 12-13
Leonor Alves
 
A Actividade Económica e os Agentes Económicos
A Actividade Económica e os Agentes EconómicosA Actividade Económica e os Agentes Económicos
A Actividade Económica e os Agentes Económicos
duartealbuquerque
 
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito EconómicoUnidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
duartealbuquerque
 
Gestão e economia
Gestão e economiaGestão e economia
Gestão e economia
cattonia
 
Lei da oferta e da procura
Lei da oferta e da procuraLei da oferta e da procura
Lei da oferta e da procura
Clyvannir
 

Destaque (20)

Material economia 10º ano (ii ciclo ensino secundário)
Material  economia 10º ano (ii ciclo ensino secundário)Material  economia 10º ano (ii ciclo ensino secundário)
Material economia 10º ano (ii ciclo ensino secundário)
 
Economia A 10º Distribuição e Moeda
Economia A 10º Distribuição e MoedaEconomia A 10º Distribuição e Moeda
Economia A 10º Distribuição e Moeda
 
Power point modulo5 economia
Power point modulo5 economiaPower point modulo5 economia
Power point modulo5 economia
 
Economia 10º Ano Mosulo Inicial
Economia 10º Ano  Mosulo InicialEconomia 10º Ano  Mosulo Inicial
Economia 10º Ano Mosulo Inicial
 
Teste modulo 4 economia- 12-13
Teste modulo 4   economia- 12-13Teste modulo 4   economia- 12-13
Teste modulo 4 economia- 12-13
 
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacionalResumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
 
A Actividade Económica e os Agentes Económicos
A Actividade Económica e os Agentes EconómicosA Actividade Económica e os Agentes Económicos
A Actividade Económica e os Agentes Económicos
 
Central Business District
Central Business DistrictCentral Business District
Central Business District
 
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito EconómicoUnidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
 
Economia mercados
Economia mercadosEconomia mercados
Economia mercados
 
Respostas 8 os agentes económicos e o circuito económico
Respostas  8 os agentes económicos e o circuito económicoRespostas  8 os agentes económicos e o circuito económico
Respostas 8 os agentes económicos e o circuito económico
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os Maias
 
U.E em 12 lições
U.E em 12 liçõesU.E em 12 lições
U.E em 12 lições
 
Como funciona a União Europeia
Como funciona a União EuropeiaComo funciona a União Europeia
Como funciona a União Europeia
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
 
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesaSaldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
 
Gestão e economia
Gestão e economiaGestão e economia
Gestão e economia
 
Poupança e investimento
Poupança e investimentoPoupança e investimento
Poupança e investimento
 
Comercio - Noção e Tipos
Comercio - Noção e TiposComercio - Noção e Tipos
Comercio - Noção e Tipos
 
Lei da oferta e da procura
Lei da oferta e da procuraLei da oferta e da procura
Lei da oferta e da procura
 

Mais de Raffaella Ergün

Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
Raffaella Ergün
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
Raffaella Ergün
 

Mais de Raffaella Ergün (14)

Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos PeixesResumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do convento
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 

Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)

  • 1. 4. Comércio e moeda Distribuição- atividade que estabelece umaponte de ligaçãoentre aproduçãoe o consumo,abrangendoo conjuntode operaçõesque fazemdeslocarosprodutosdesde afase inicial dasuaproduçãoaté às mãosdo consumidor.Englodao transporte e o comércio,duasatividadescomplementaresque aumentamautilidade dos bens,namedidaemque osdisponibilizamde formapráticaaos seuscompradores. Comércio- atividade intermediáriade trocaque ajudaos produtoresa escoaremosseusprodutos permitindoque osconsumidorestenhamacessoaosbensque desejam. ( atividade económicade trocaque facilitaadisponibilizaçãodosbensaosconsumidores ) Os intermediáriosdoscircuitosde distribuiçãopodemser grossistas (ouarmazenistas) ou retalhistas. Grossistas- sãoos comerciantesque compramgrandesquantidadesde bens,que sãoarmazenadospara posteriormente serem revendidosemquantidadesmenores. (compramaoprodutorgrandesquantidadesde modoa ficarmaisbarato e vendemporquantidades maispequenas) Retalhistas- são os comerciantesque adquiremaosgrossistasprodutosque se destinamaservendidosaos consumidoresemquantidadesfraccionáveis. (compramdosgrandesousejadosgrossistasparavenderem quantidadesmuitopequenasaosconsumidores) São 3 oscanais habituaisde distribuição:  Circuitoultracurto- estabelede umaligaçãodiretaentre oprodutore o consumidorfinal, eliminando-se destemodoqualquerintermediárionoprocessode distribuição. ( Produtor Consumidor)  Circuitocurto- o produtorassume opapel de grossista(ouarmazenista),vendendoosseusprodutos ao retalhistaque oscomercializaaoconsumidorfinal. ( Produtor Retalhista Consumidor)  Circuitolongo- é o cirtuitoclássiconoqual o produtorvende ossuesbensaogrossista(ou armazenista) que,seguidamente,osrevende aoretalhistaque é quemfinalmente comercializaos bensao consumidorfinal. ( Produtor Grossista Retalhista Consumidor) Existênciade mais intermediários Vantagens:alargara divulgaçãodoproduto,aumentodasvendas. Desvantagens:geraoscustosde intermediaçãoque levamaoaumentodospreçosdosbens. Franchising- empresacomum formatojá testadoconcede aoutro o direitode utilizarasua marca e vender os seus produtosouserviçosnumdeterminadomodelode gestão,emtrocade uma certa remuneração (royalties). Vendaindireta- comercializaçãode produtossemaexistênciade umencontrofísicoentre compradore vendedor.Abrange avendaàdistância(ex.vendasporcatálogo,televendas,etc),a vendaautomática(em
  • 2. equipamentosdispensadoresde produtosmediante umpagamento;ex.máquinade bebidas,chocolates, selos) e o comércioeletrónico (disponibilizaosbense serviçosencomendadosviaInternet). Troca direta- produtoseramtrocados diretamente poroutrosque fizessemfalta. ( Produto Produto) Inconvenientesdestatroca:necessárioencontrar outroindivíduoque tivesseinteressescompatíveis (alguémque tivesseemexcessoosbensde que a outraparte necessitavae tambémque desejasseteros bensque esse indivíduopodiadaremtroca); dificuldadeematribuirumvaloraosbensque iamser trocados (as valorizaçõeseramfeitasemunidadesdiferentese nemsempre chegavamaumacordo);certosbensnão seremdivisíveisaumentavaadificuldade dastrocas. Troda indireta- incluiumnovointermediário,amoeda.A troca passa a serefetuadaemduasfases:troca-se um produtopor moedae depoisamoedapor um novoproduto. 1ª Fase ( Produto Moeda) 2ª Fase ( Moeda  Produtonovo ) Moeda- bemintermediárionastrocas,aceite portodosos indivíduos,sendoutilizadaparamedirovalorde outrosbense serviços. Evolução etiposdemoeda:  Moeda-mercadoria- bemde aceitaçãogeneralizadaque servianafase inicial damoedacomo intermediárionastrocas.Qualquerbemconsideradoútil porumacomunidade poderiaservircomo moedade troca. (a moedade troca eraum bemvalorizadopelageneralidade dosseusmembros)  Moeda metálica- metal de aceitaçãogeneralizadausadocomointermediáriodastrocas. Atualmente,amoedametálicaé usadacomo moedadivisionáriaoude trocos,emborao seuvalor facial não correspondaaovalorreal. (ex.ouroe prata,tinhamo fator da divisibilidade,podiamser fraccionadosemsubmúltiplos,e daconservação,nãose esgotavacomo tempo).Atualmente, utiliza-seamoedametálicacomo ->  Moeda divisionáriaoude trocos- constituídapor pequenaspeçasmetálicasutilizadas,emgeral, para pagamentosde baixovalor,sendoovalorfacial inferioraovalordometal que o constitui. Englobaa moedarepresentativa,afiduciáriae opapel-moeda.  Moeda de papel- a partir da Idade Média,substituiu-seosmetaispreciososporumdocumento escrito.A primeirafase damoedade papel é a moedarepresentativae,de seguida,passaaser a moedafudiciária.  Moeda representativa- notasemcirculaçãoque correspondemaovalorexatodepositadoemmetal preciosonoscofresdosbancos. ( corresponde aum certificadorepresentativo,umadeterminada quantiaemouro ou prata previamente depositada)  Moeda fiduciária- notasconvertíveisemitidasnummontantesuperioraovalorefetivamente depositado. ( confiançanobancoao depositarnomesmo,nãolevantamovalordepositadoem metal )  Papel-moeda- notasinconvertíveisde cursoforçadoimpostopeloEstado.  Moeda escritural- é usada atravésde movimentosde escrita, constituídapelosdepósitosbancários, os valoresdepositadospodemsermovimentadosatravésde cheques,transferências,ordensde pagamentooucartões de multibanco(moedaeletrónica).Atualmente,utiliza-sebastante o
  • 3. computadorpara movimentardepósitosbancários,poisé possível efetuartransferênciasouordens de pagamentoatravésda Internet(moedainformática). Desmaterializaçãoda moeda- a formamais utilizadahoje emdiaé amoedaescritural ( os cartões bancários, os chequese asinstruçõesinformáticasaosbancos substituiram odinheiro“vivo”),osproprietáriosdeixam cada vezmais de possuirumbemcoróreopara passara terapenasdocumentoscomprovativosdasua posse. Funçõesdemoeda  Meiode pagamentogeral e definitivo- amoedaé um bemde aceitaçãogeneralizadaque é utilizado como intermediáriogeral dastrocas,sendoconsideradodefinitivoqualquerpagamentoefetuado emmoeda.  Medidade valor- o valor dosbense serviçosé expressoatravésdamoeda,que funcionacomouma unidade de conta.  Instrumentode reservade valor- pode-se guardarmoedaporumdeterminadoperíodode tempo, conservando-seassimumvalor.Ovalorreservadonomomento presente podeserusadopara adquirirbense/ouserviçosnofuturo. A nova moeda portuguesa- o euro O escudodeixoude seramoedaportuguesanodia 1 de Janeirode 1999, e passouentãoo euroem circulação.Durante o períodode transição,que terminounodia31 de Dezembrode 2001, o euroe o escudo coexistiramemparalelo,funcionandooeurocomomoedaescritural e oescudocomo moeda de papel (notas) e moedadivisionária(de trocos).Asnotase moedasemeurossóentraramem circulaçãono iníciode 2002. A partirdo dia 1 de Janeirode 1999, a condução da políticamonetárianaZona Euro passoua ser da responsabilidade doBancoCentral Europeu(anovainstituiçãosupranacional).Nessadata11 países passaramas responsabilidadesdaspolítivasmonetáriasparaoBCE. Para integrarema ZonaEuro, os Estados-membrostiveramde cumpriroscritériosde convergênciaprevistosnoTratadode Maastricht, que estabeleciamascondiçõespréviasparaospaísespoderemintegraraUniãoEconómica e Monetária(UEM). A Áreado Euro, inicialmente,eraformadapelaAlemanha,Áustria,Bélgica,Espanha,Finlândia,França, Irlanda,Itália,Luxemburdo,PaísesBaixose Portugal.Em2001 aderiua Grécia; em2007 a Eslovénia;em 2008 o Chipre e Malta; em 2009 a Eslováquia;em2011 a Estónia.A Áreado Euro passoua ser assimformada por 17 países. Vantagens do euro:  Facilitouastrocas entre ospaíses com a mesma moeda(eliminando-se assimosencargoscoma transação de divisas-moedaestrangeira- e asdiferençascambiais);  Possibilitouumamaiorestabilidade de preços(que permitiuumareduçãode taxasde juro,que beneficiaasfamíliase as empresas;  Proporcionarmaiortransparênciaaomercado(facilitantoacomparaçãode dadosentre osdiversos paísesaderentes).
  • 4. Desvantagensdo euro:  Perdade autonomiaemmatériade políticamonetária(umadasmais apontadasdesvantagens,os governosdeixamde poderusara desvalorizaçãodamoerdacomoestratégiaque permitiaaumentar a competitividade dasexportações);  Maior transparênciade mercado(pode gerarchoquesassimétricosentreasregiões);  Restriçõesemmatériaorçamental (critériosde convergênciaorçamental que dificultamacondução de políticaseconómicasdentrode cada Estado-membro);  Tiveramde sersuportadosos encargosrelacionadoscom:aimplementaçãoe adaptaçãoda nova moeda,a aquisiçãode equipamentos,substituiçãode programasinformáticose aformação,entre outros. Preço- quantidade de moedaque é necessáriodespenderparase obterumdeterminadobem ouserviço; representaovalordo bemouserviçoexpressonumadeterminadaunidade monetária;depende de um conjuntode fatores:custosde produção,as margensde lucro,custos relacionadoscomadistribuição, o númerode compradorese de produtores,atecnologia,etc. Custos de produção- reflete todososencargossuportadoscoma produçãodos respetivosbense serviços; englobamos custosdiretos e indiretossuportadospelaunidadesprodutivas.  Custosdiretos- todososencargosrelacionadoscomaprodução (ex.gastoscomas matériasprimas ou remuneraçãodostrabalhadores).  Custosindiretos- todososencargosque aunidade produtivatemde suportarmas que não estão diretamente relacionadoscomaprodução (ex.despesasde água,eletricidade,telecomunicações, publicidade,seguros,rendas). Númerode compradores- quandoum bem,porexemplo,temgrande procuraemépocasespecíficasé normal que ocorra um aumentodoseupreço. Númerode produtores- o preçode umbem, por exemplo,vai diminuindoàmedidaque aumentaa quantidade oferecidapelosprodutores. Tecnologia- quantomaistecnologiase incorporanosprocessosprodutivos,maioré aeficiênciadaprodução (osavanços tecnológicos permitemproduzirmaisquantidadescomcustosmédiosinferiores),originando uma reduçãode preço,semperda de margemde lucro. Inflação- subidainesperada,contínuae generalizadadopreçodosbense serviços.Uma dassuas consequênciasé adepreciaçãodovalorda moeda.  Depreciação do valor da moeda- umadeterminadaquantidade de moedajánãopermite adquiriro mesmonúmerode bensque permitiaanteriormente;estáassociadoàperdade poderde compra.  Poderde compra- quantidade de bense serviçosque umrendimentopermite adquirir.
  • 5. Quandose analisaa evoluçãodoprodutogeradopor um país ao longodo tempo,devemosterem consideraçãooefeitodainflação.Épossível calcularovalor desse produtode duasformasdiferentes:a preçoscorrentes oua preçosconstantes. o Preçoscorrentes- aprodução é registadaaospreços que vigoramnomercadonum determinado momento.Nesse caso,ospreçosrefletemainflaçãoocorrida. o Preçosconstantes- prentende analisaraevoluçãoreal doproduto,retirao efeitodainflação (deflacionar). (Faltaas fórmulasdoÍndice de preçosde um bem, taxade inflação,Tim, Tih,Tim12) Índice de Preçosno Consumidor(IPC)- médiaponderadadospreçosde umcabaz de bensconsiderados representativosdoconsumomédiode umafamília.OIPCé um instrumeto demedição da inflação em Portugal. Índice Harmonizado de Preços (IHPC)- Índice que comparaa inflaçãoentre osdiferentespaísesdaUnião Europeia. Taxa de Inflação- taxade crescimentodoÍndice de PreçosnoConsumidor entre duasdatas. Taxa de Inflação Mensal- taxa que comparao valor da inflaçãoentre doismesesconsecutivos. Taxa de Infalação Homóloga- taxa que compara o valorda inflaçãode ummêscom o mesmomêsdo ano anterior. Taxa de Inflação Média dosúltimos 12 meses- médiasimplesdasúltimasdozestaxascomparadacoma médiadasdoze taxashomólogas. - Mais conceitos: Desinfalação- diminuiçãodataxade inflação. ( desacelaraçãodoritmode crescimentodospreços) Deflação- quebrainesperada,contínuae generalizadadopreçodosbense serviços. (associadaauma restriçãoda procura, da produçãoe do emprego) Estagflação- situaçãoemque uma inflaçãoelevadaé associadaàestagnaçãoda atividade económica. (abrandamentodocrescimentoeconómico,istoé,omenorcrescimentodoinvestimento,doconsumo,da exportaçãoe produção,não originandoummenorcrescimentodospreçosdosbens) Cunhagemda moeda- inscriçãogravadanuma moedametálicacommarcas representativasde um determinadovalorfacial ounominal. Desmaterializaçãoda moeda- perdado conteúdomaterial damoedageradapelacrescente utilizaçãoda moedaescritural.
  • 6. 5. Preços e mercados Mercado- local,emsentidofísicoouabstrato,onde a procura (solicitaçãodosprodutores) e aoferta (intençõesdoprodutor) de umbem sãoconfrontadas,dandoorigemàformação do preço de mercadodesse bem( compatibilizamaofertae a procurade um bem, a umdeterminadopreço ). Mecanismodo mercado- formaonde se conjugamnummercado osinteressesde produtorese compradoresde um determinadobeme que dáorigemà formaçãodo preço de mercadodesse bem. Procura- Quantidade de bensque oscompradoresestãointeressadosemadquiriraum determinadopreço. Representa-se porD. o Procura agregada- somatóriode todasas procuras individuais. o Procura individual- quantidade procuradaporcada consumidor. Por norma,à medidaque vai diminuindoopreçode um bem, aumentam asquantidadesprocuradase vice- versa(quandoo preçoaumenta,asquantidadesprocuradasdiminuem- aeste comportamentose designaa lei daprocura, podendoserrepresentadograficamente atravésde umacurvadescendente). Lei da Procura- a quantidade procuradade um bemvai diminuindoconforme aumentaopreçodesse bem. ( + preço - quant.procurada) ( - preço + quant.procurada) Outrosfatoresque influenciamaprocura:  Nível de rendimentosdosconsumidores- quandoo rendimentoaumentae tudoorestose mantém constante,oconsumode benstambémaumenta(acurva da procura desloca-separaa direita) e diminui quandoo rendimentotambémreduz.Existeexceções,comoacontece noschamadosbensinferiores- bensde menorcusto,maisconsumidosquandoorendimentoé menor(apresentamumcomportamento contrário,quandoo rendimentoaumenta,diminuioseuconsumo).  Preferênciadosconsumidores- associadasadeterminadascircunstânciascomoastradições,moda, efeitosde publicidade e religião (podemvariar).  Dimensãodo mercado- depende daalteraçãodonúmerode consumidoresde umadeterminadaregião, a procura de bensdeverávariarnomesmosentido.  Preço de outros bens- quandoaumentao preçode umbemsucedâneo,aprocura desse bemdiminui e transfere-se paraoutrobemcujopreçonão seje tãoelevado.Nocasodosbenscomplementares,por norma,o aumenteodopreçode umbemlevaà diminuiçãodaprocura de ambos,uma vezque funcionamemconjunto.
  • 7. Oferta- quantidade de bensque osprodutoresestãodispostosavenderporumcertopreço.Representa-se por S. o Ofertaagregada- somatóriode todasas ofertasindividuais. o Ofertaindividual- quantidadeoferecidaporcada produtor. Por norma,à medidaque vai aumentandoopreçode umbem, aumentamas quantidadesoferecidase vice- versa(quandoo preçoaumenta,asquantidadesoferecidasaumentam- aeste comportamentose designaa lei daoferta,podendoserrepresentadograficamente atravésde umacurvaascendente). Lei da oferta- a quantidade oferecidade umbemvai aumentandoàmedidaque aumentaopreço desse bem. ( + preço  + quant. oferecida) ( - preço  - quant. oferecida) Outrosfatoresque influenciamaoferta:  Custos de produção- quandoaumentao preçodas matériasprimasouo custo da mão de obra, o total de encargoscom o fabricotambémaumenta.Osprodutores:ouaumentamospreçosde vendados bens,ousão obrigadosa reduzira suamargemde lucro.Ou seja,quandoospreçosde custo aumentam, o interesse de vendadosprodutoresgeralmentediminui (menosoferta).Graficamente,acurva da ofertadesloca-se paraparaa esquerda.  Evolução tecnológica- contribui paraa eficiênciadosprocessosde fabrico,produz-semaiscomum menoscustounitário. Ouseja,quandomaistecnologia,maisoferta.  Preço dos outros bens- muitasvezesosprodutoresdeixamde produzirumbemparapassar a produzir outro que temuma margemde lucrosuperior.Nocaso dosbenscomplementares,quandoaumentao preçode umbem,aumentaa sua ofertae normalmente,tambémaumentaaofertadosbens complementares.Quantoaosbenssucedâneos,quandoopreçoaumenta,aofertado outrodiminui.  Expectativas dos produtores- depende dasprevisões.Se asprevisõesapontaremparaumasubida(ou descida) dospreços,osprodutoresvãoaumentar(oudiminuir) aproduçãode bens,de movoa venderemumamaior(oumenor) quantidade.Maisexpectativa,maisoferta.  Condiçõesclimatéricas- emparticulara ofertade benscuja produçãodepende doclima(ex.produtos agrícolas).Um bom ano agrícola pode gerarum aumentoda oferta. A estruturade cada mercadovaira de acordo com o númerode participantesque nele intervême como modocomo estesse relacionam.Podemosclassificaremdoistipos:mercadode concorrênciaperfeitae mercadode concorrênciaimperfeita.  Mercado de Concorrência Perfeita- ospreçosresultamdainteraçãoentre a ofertae a procura (a empresanãotempoderpara fixaros preços).Estruturade mercadoem que se observam simultaneamenteosseguintespressupostos: atomicidade,homogeneidade dosprodutos,livre entrada no mercado, transparênciae mobilidade dosfatoresprodutivos.Trata-se de umasituaçãoemque elevadonúmerode vendedorese compradoresnãopermite umainfluênciasignificativasobre ospreços dos bens.
  • 8.  Atomicidade do mercado- existênciade umelevadonúmerode compradorese vendedoresde reduzidadimensão,que nãoconseguem,individualmente,influenciarsignificativamenteomercado, emparticularo seupreço.  Homogeneidade doproduto- as caraterísticasdosprodutostransacionadossãode tal forma semelhantesque paraoconsumidoré indiferente consumirunsououtros.  Livre entradano mercado- inexistênciade obstáculosà entradaouà saída do mercado,podendo todosos seusparticipantesentrarousairlivremente e semqualquerbarreira.  Transparência perfeita- todosos intervenientesdispõemde umlivre acessoàsinformações respeitantesaomercado,nomeadamente sobre os preçospraticadose a qualidade dosbens.  Mobilidade dosfatores- os fatoresde produçãodevempoderserdeslocadosde umaunidade produtivaparaoutra, de modoa poderestaremcada momentonaunidade que proporcionaruma maiorrentabilidade. Ponto de equilíbrio- pontodográficoda lei daofertae da procura que repesentaopreçoe a quantidade de equilíbrio. Preço de equilíbrio-preçopeloqual se igualamasquantidadesoferecidase procuradasde umbem. Lei da oferta e da procura- mantendo-se tudoorestoconstante,opreçovaria na mesmarazãoque a quantidade oferecidae narazão inversadaquantidade procurada.  Mercado de Concorrência Imperfeita- ospreçosdependemdopoderque aempresativerno mercado.Situaçãodecorrentedanãoobservânciaemsimultâneodospressupostos daconcorrência perfeita.Asprincipaisformasde concorrênciaimperfeitasãoo monopólio,aconcorrênciamonopolística e o oligopólio. Atomicidade- onúmerode intervenientesdomercadoraramente é elevado,de modoque nãoinfluenciaa ofertaou a procura e,em particular,oseupreço; Homogeneidade dosprodutos- não é facilmente observável,hásempre qualquerelementodiferenciador(sãoatribuídascaraterísticasespecíficasaos produtos);Livre entrada no mercado- nemsempre se verifica, poisasempresasque jáestãonomercadoà algumtempoconstituemumobstáculoaqualquernovaempresaque sóvai agora entrarno mesmo(devido à experiênciae mostradoassuas capacidades); Transparênciado mercado- quemdominamaiso mercado temmaisacessoàs informaçõessobre omesmo; Mobilidade dosfatores- dificuldade empassarde um processode fabricode um produtopara outro.  Monopólio- situaçãode mercadoemque um só vendedor,denominadomonopolista,comercializa os bens,influenciandoonível de preçose a quantidade de bensque vai abasteceromercado.A entradaneste tipode mercadoé muitodifícil devidoaobstáculosde naturezaeconómica (investimentos),de naturezalegal (dispositivoslegaisque dificultamaentrada) oude natureza técnica(questõespráticasincontornáveis).  Concorrência monopolística- conjuntode empresasque vendemprodutossemelhantesmasque contêmelementosdiferenciadores,como a marca ou a publicidade. Nãoé ummercadode entrada difícil,existealgumcontroloporparte dosvendedoressobre opreçodosbens.
  • 9.  Oligopólio- conjuntoreduzidode empresasde grande dimensãoque comercializaprodutosaum grande númerode compradores,controlandoamaioriadomercado. A concorrênciaentre oligopolistasé feitasobretudoàcustade serviçospós-venda,garantiasadcionaise outrosextrasque possamdiferenciarumpoucoosseusprodutosemrelaçãoaos dosseusopositores.Nestetipode convergência,oacessode novasempresasaomercadoé muitodifícil,poisasempresasjáexistentes são rivaisde grande dimensãoe de forte implantação. (tabelade caraterísticas) - Mais conceitos: Aquisição- situaçãoemque uma empresaadquire outra,que deixade existir,parapassara fazerparte da primeira. Cartel- acordo empresarial que visaumdeterminadoobjetivocomum, comoporexemplo,eliminara concorrênciaatravésda fixaçãode preços,quantidadesoferecidas,etc. Concentração conglomeral- concentraçãode empresasde naturezadiversacujoobjetivo é aobtenção de vantagensfinanceirasatravésdadiversificaçãode estratégias. Concentração horizontal- concentraçãode empresasque se encontramaomesmonível emtermosde etapado processoprodutivo. Concentração vertical- concentraçãode empresasque se encontramemníveisdiferentesdoprocesso produtivo. Fusão- associação de duasou maisempresasde que resulta umanovaempresaque utilizaosfatores produtivosdosanteriores.
  • 10. 6. Rendimentos e repartição dos rendimentos Rendimento- fluxogeradonaatividadeprodutivae que é distribuídopelosseusintervenientes,de acordo com a participaçãode cada um. ( fluxosque se geramnaativ. prod. atravésda utilizaçãode capital e trabalhoe que posteriormente sãodistribuídospelosvários agentes intervenientes ) Valor acrescentado- valoradicional que é criadopelasunidadesprodutivasde umpaís e que representaa riquezageradadurante umdeterminadoperíodo. ( quantomais transformadoforo bem,maiorserá o valoracrescentadoe vice-versa) Repartição funcional dos rendimentos Remuneração do trabalho- salário Intervenientes: Formasderemuneração:  Trabalhadoresdependentes  Salários Salário- formade remuneraçãodotrabalhodependente. ( trabalhodependente- nãoé realizadoporconta própria,mas simprestadoa outrapessoa/entidade ) Pode serconstituídoporuma remuneração fixa- paga-se umaquantiacerta,estipuladapormeiode um contrato de trabalho.Tambémpode englobarumaparte variável- nãoé estipuladaumaquantiafixa,apenas uma determinadapercentagem- que,pornorma,se designade comissão.
  • 11.  Salário ilíquidooubruto- valortotal,antesde seremdescontadososimpostose ascontribuições para a SegurançaSocial.  Salário líquido- salárioque resultadepoisde deduzidosaosaláriobrutoosrespetivosimpostose contribuiçõessociais.  Salário nominal- quantidade de moedaque umindivíduorecebeemtrocado seutrabalho.  Salário real- quantidade de bensque esse indivíduoconsegue adquirircomoseusalárionominal (refletindo-seoefeitodainflação). Remuneração do capital Intervenientes: Formas deremuneração:  Proprietáriosde bensimóveis  Rendas  Detentorde capital (dinheiro)  Juros  Empresário  Lucros Renda- remuneraçãoque é paga pelautilizaçãotemporáriade bensimóveis(ex.edifícios,terreno). Juro- remuneraçãopelacedênciatemporáriade umadeterminadaquantiaemdinheiro. Jurossão o principal motorda atividade bancária,constituindoaformade remuneraçãodas suasoperações. As operaçõesbancáriaspodemser ativas- empréstimosque osbancosconcedem;ou passivas- captaçãode poupançasdosclientes. Lucro- remuneraçãodocapital empregue numaunidade produtiva,durante umdeterminadoperíodode tempo,como objetivode tornarpossível aproduçãode bensque maistarde se destinama ser comercializadosporumvalorsuperior aocustoa que foramproduzidos. ( retribuiçãodoinvestimento inicial +compensação ) Lucro Bruto= Prençode Venda- Preçode Custo Lucro líquido- valorgeradopelaempresaapósseremdeduzidososencargoscoma reposiçãodocapital fixo. Lucro Líquido= Lucro Bruto- Amortizações Repartição dosrendimentos Repartição funcional dos rendimentos- formade distribuiçãodorendimentoque é feitade acordocom a funçãoque cada agente desempenhounaatividadeeconómica. Repartição pessoal dos rendimentos- formade distribuiçãodorendimentoque indicaacomposição dos rendimentosdosdiversosagregadosfamiliaresde umapopulação. Rendimentosmistos- rendimentosprovenientesdodesempenhode váriasfunçõesnaatividade económica (+ que uma fonte de rendimento,recebem:salários,juros,rendas,lucros).
  • 12. Principaisdisparidadesna repartição do rendimento:  Fator capital com remuneraçõessuperioresaofatortrabalho  Algumasfamíliasacumulamváriostiposde rendimentoe outrasnão  Diferençassalariais  Disparidadesregionais  Disparidadesemfunçãodogénero Os indicadoresusadoscommaisfrequência,paraauxiliaraanálise dasdisparidadesexistentes,são:oleque salarial,acurva de Lorenze o rendimento percapita. Leque salarial- representaarelaçãoexistente entreosaláriomáximoe osaláriomínimodesse país (permintindotirarconclusõessobre adispersãodossalários). ( quandomais alargadofor o leque salarial,maioresserãoasdesigualdadessalariais;indicaquantasvezesosaláriomáximo é superioraosaláriomínimo ) Curva de Lorenz- representaçãográficaque se utilizaparaestudaras desigualdadesocorridasnadistribuição do rendimentopelasfamílias. Rendimentoper capita- rácio(relação,geralmente empercentagem,entre duasgrandezas)que serve de indicadordonível médiode rendimentode umapopulação. (contado rend.percapita) A redistribuição dosrendimentos Redistribuiçãodo rendimento - conjuntode operaçõesrealizadascomoobjetivode corrigiras desigualdadesque ocorremnarepartiçãoprimáriadosrendimentos. Imposto- prestaçãopecuniáriacobradaaos cidadãos,emdeterminadassituaçõesprevistasnalei.Podemser diretos ouindiretos. Imposto direto- incide diretamentesobre orendimento oupatrimónio(ex.IRS,IRC). Imposto indireto- impostoque recai sobre autilizaçãodorendimentodosindivíduos (ex.IVA,impostosobre o tabaco). Rendimentopessoal disponível- rendimentode cadaindivíduo,resultante dosomatóriodosrendimentos de capital e do trabalhocom as transferênciassociais,depoisde deduzidososimpostose asquotizações sociais.
  • 13. - Mais conceitos: Padrão de Poder de Compra (PPC)- unidade monetáriaque servecomoreferênciaparaanalisara paridade do nível dospreçosentre váriospaíses.Um valorde PPCpermite adquiriromesmonúmerode bensou serviçosemtodosospaíses. Quotizaçõessociais- contribuiçõesque ostrabalhadorese asentidadespatronaisentregamà Segurança Social. Rendimentosocial de inserção- prestaçãosocial cedida,provisoriamente,aosindivíduosque nãotêm qualquerfonte de rendimentoe que se destina,juntamente comaçõesde formação,a criar melhores condiçõesde empregabilidade. Repartição do rendimento- formacomoé distribuídoorendimentode umpaís. Taxa- prestaçãopecuniáriaque é cobrada aos cidadãosque requeremdeterminadosserviços, nomeadamente serviçospúblicos.A taxadifere doimpostoporque pressupõeaprestaçãode um serviço como contrapartidadovalor pago. Transferênciasexternas- transferênciassociaisprovenientesde Estadosde outrospaíses. Transferênciasinternas- transferênciassociaisprovenientesdoEstadoportuguês. Transferênciassociais- prestaçõesque oEstado entregaaoscidadãoscomo formade supriras desigualdadesdecorrentesda repartiçãoprimáriadorendimento(ex.pensões,subsídiosde desemprego, abonode família,etc).