SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
TEMA 1- Introdução / Módulo inicial
A atividade económica e a ciênciaeconómica
1.1-Realidadesocial e ciênciassociais
Ao viveremsociedade,oHomemrelaciona-se comoutrosindivíduos,coma Naturezae com instituições.
Essas relaçõessãoobservadaspelas CiênciasSociais,comoaEconomia,a Geografia,a Históriaoua
Sociologia,que se dedicamàprocurade respostasparaos seusproblemas. Fenómenoscomoodesemprego,
o consumo,a produçãoresultamdainteraçãodos indivíduosnasuavivênciaemcomunidade. Estes
fenómenostêmgrande impactonavidadaspessoas,poispodemafetarasua qualidade de vida.
As ciênciassociaisestudamestesfenómenos,procurandocompreendercomovivemosindivíduosem
sociedade.Elasanalisamarealidade social(conjuntode fenómenossociaisque podemserobservadosnuma
sociedade emcadamomento).A realidadeemque asociedade modernase encontraé extremamente
complexa,fazendocomque sejaessencialumaanálise aprofundadade váriosângulosdiferentes.
1.2-Fenómenossociaise fenómenoseconómicos
Os fenómenossociaissãoaquelesque resultamdavidaemsociedadee que,dadaa sua complexidade,têm
de ser analisadosnoseucontextoglobal.Osfenómenossociaissãocomplexose pluridimensionais.
Ex: o desportoprofissional pode serconsideradoumfenómenosocialtotal,porque envolve aspopulaçõesa
váriosníveis.É umafonte de entretenimentoparaa populaçãoe permite empregode muitosdesportistas,
auxiliares,treinadorese dirigentes.Porvezes,sãofeitosinvestimentoseminfraestruturasque ajudama
desenvolverasregiõesenvolventese beneficiamdeterminadossetoresdesportivos,dapublicidade feitas
pelasempresasemtrocade patrocínios,de doaçõese,entre outras,das mais-valiasque obtêmpelo
intercâmbiode desportistas.Odesportode altacompetiçãopode até promoverumaregiãoouumpaís,
dando-lhe algumaprojeçãointernacional.
Os fenómenos sociaisabordadosnumaperspetivaeconómicachamam-se “fenómenoseconómicos”.Estes
interessamparticularmente àciênciaeconómica,masconstituemapenasumadasvertentesdo“fenómeno
social total”.Os principaisfenómenoseconómicossão aProdução, a Distribuição,a Repartição dos
Rendimentos,oConsumo e a Poupança.
1.3- A economiacomociência- objetode estudo
A economiaprocuradar respostascomoa criação e distribuiçãodariqueza,asatisfaçãodasnecessidades
coletivas,o desenvolvimentointegrado dospaísesouasrelaçõesde troca. Tentatambémsolucionar
questões como:Oque produzir?Em que quantidades?De que modo? Onde?E para quem?
O problemaeconómico –a escasseze escolha:é sabercomo aplicarrecursosescassosa umnúmero
ilimitadode necessidades. Jáque nãose podemsatisfazertodasasnecessidades,é precisohierarquiza-lase
fazerescolhas,decidirque necessidadessatisfazeremprimeirolugare quaisdeverãoserabandonadas. As
opçõestomadasdevem permitirutilizarosrecursosde formamais eficiente e de modoasatisfazeromaior
númeropossível de necessidades.Quandose hierarquizamasnecessidadese se optapelasatisfaçãode
uma,as que sãosacrificadasrepresentamumaperda,umcusto. É chamado custo de oportunidade,que se
caracterizapelamelhoralternativadeixadade ladonomomentoemque se fezoutraescolha.
É importante referirosdoisgrandes princípioseconómicosque estãonabase do processo deescolha:O
princípioda racionalidade e o princípiodo equilíbrio.
- Princípioda racionalidade:presume-se que cadaindividuoescolhesempre oque considerasera melhor
opção disponível,ouseja,aquelaque permite amáximasatisfaçãocomomínimoesforço.
- Princípiodo equilíbrio:todasasdecisõesinteragementre si.Asescolhas,aose condicionaremumasàs
outras para poderemcombinar-sedamelhorformapossível,acabamporlevarao equilíbrio dossistemas.
1.4-A atividadeeconómicae os agentes económico
A atividade económicaé oconjuntode operaçõesque visamaprodução de bense serviçossuscetíveisde
satisfazerasnecessidadeshumanas.Osbenspercorremumlongocaminhodesdeoseufabricoaté ao
momentoemque sãoconsumidos,passampela produção,que é a atividade onde sãogeradosatravésde
processosde transformação.
Passampeladistribuição,que englobaduasatividades: otransporte e o comércio.Os benstêmde ser
transportadosdesde oprodutoraté ao utilizador,podendoseroconsumidorfinal ououtroagente que os
possausar como intermédiosnoprocessode fabricode outrosbens.Ocomércio,permite que osbenssejam
colocadosà disposiçãodos consumidoresde formapráticae conveniente.
Repartiçãodosrendimentosé acomercializaçãodosbensque geramrendimentosque sãodistribuídospor
todosos agentesparticipantesnaatividade económica,que revelaocontributode cadaum no processo
produtivo. Cadainterveniente obtémosrendimentosde acordocoma sua participaçãona atividade
económica:
- Os trabalhadoressãoremuneradosatravésde salários;
- Os empresáriosrecebem lucro;
- Os proprietáriosde imoveiscobram
rendas;
- Os detentoresde capital auferemjuros;
Por fimé feitaa utilizaçãodosrendimentos,que sãoosrendimentosgeradosnasatividadesde produçãoe
distribuiçãode bens.Osrendimentosdistribuídospelosagentesque participaramnaatividade económica
podemterdoisdestinos:oconsumoou a poupança.
O consumo consiste nautilizaçãoimediatade umrendimentonaaquisiçãode bense serviçosde modoa
permitirasatisfaçãodas necessidadesatuais. Apoupançaé a utilizaçãodorendimentodiferidanotempo,
istoé,quandoos detentoresdocapital renunciam àpossibilidade de outilizarnomomentopresentepara
poderemconsumirnofuturo.
-A atividade económica:
Agenteseconómicos:são todasas entidadesindividuaisoucoletivasque se agregamnumacategoria,por
desempenharemamesmafunçãonaatividade económica.Osagenteseconómicossubdividem-se nas
seguintescategorias:
-Famílias:dá especial atençãoàcategoriadoconsumo e à força do trabalhoou à capacidade de
empreendimentonecessáriasàproduçãode bense serviços.A maioriadorendimentoque asfamílias
recebemé utilizadanoconsumo,fazendoentãocomque estasejaaprincipal função.
-Empresas:incluem-se todasasunidadesprodutivasde umpaísque contribuemparaa criação de bense
serviços.
-Estado (administração publica):englobaaadministraçãocentral,asautarquiaslocaise a segurançasocial
temcomo funçãoprincipal promoverasatisfaçãodasnecessidadescoletivas.Oestadodedica-se àprodução
de bense serviçosque osparticularesnormalmente nãoestãodispostosaoferecer.
-Restodo Mundo: reflete aaberturadas economiasnacionaisàcomunidadeinternacional,apresentandoas
relaçõeseconómicasque se operam entre umpaise o restodo Mundo.Tambémpode serdenominado
como Exterior.
Conceitosa reter:
- Atividade económica:conjuntode operaçõesque visamaprodução de bense serviçoscapazesde
satisfazerasnecessidadeshumanas.Englobaasatividadesde Produção,Distribuição,Repartiçãoe a
Utilizaçãode Rendimentos,naqual sãoincluídosoConsumoe a Poupança.
-Agenteseconómicos:entidadesindividuaisoucoletivasque se agregamnumacategoria,por
desemprenharemamesmafunçãonaatividade económica. Considerando-seagenteseconómicosas
Famílias,asEmpresas,a AdministraçãoPublicae o RestodoMundo.
-Ciênciassociais:ciênciasque se dedicamaoestudodosfenómenosrelacionadoscomavidados indivíduos
emsociedade (economias,direito,sociologia,historia,geografia,etc)
-Custode oportunidade:representaosacrifícioda melhoralternativadeixadaporsatisfazer,resultante de
uma escolhaemque é dada prioridade aoutra necessidade.
-Fenómenoseconómicos:fenómenossociaisabordadosnumaperspetivaeconómica.
- Fenómenosocial total: característica apresentadapelosfenómenossociais,decorrente
- Fenómenossociais:Acontecimentosresultantesdavidaemsociedade
- Princípioda racionalidade:Nas suasdecisões,cadaindividuoprocuraescolheroque considerasera
melhoropção
- Problemaeconómico(escassez): Problemaque resultadaescassezdosrecursosnecessáriosparasatisfazer
as ilimitadasnecessidadeshumanas.Este problemaexige que,depoisde asnecessidadesestarem
hierarquizadas,se façamescolhas,poisnemtodaspoderãosersatisfeitas.
- Realidade social:Conjuntode fenómenossociaisque podemserobservadosnumasociedade emcada
momento.
Tema 2- Aspetos fundamentais da atividade económica
Necessidade e consumo
2.1- Necessidades- Noçãoe classificação
Necessidade:sentimentoque ocorre sempre que somosprivadosde umbemouserviçode que precisamos.
-Multiplicidade:Asnecessidadesexistememgrande númeroe sãoinfinitas,reaparecemalgumtempoapós
seremsatisfeitas,comoé ocaso da fome e da sede.Poroutrolado,o constante progresso tecnológico
facilitaodesenvolvimentode novosprodutos,bemcomooaperfeiçoamentodosanteriores,dandoorigem
ao aparecimentode novasnecessidades.
-Saciabilidade:A intensidade comque se sentemasnecessidadesvai diminuindoàmedidaque estasse vão
satisfazendo,acabandoeventualmentepordesaparecer.
-Hierarquização:As necessidadespodemserordenadasde acordocom a intensidadecomque sãosentidas,
devendoumassatisfazer-seprimeiroque asoutras.
-Sustentabilidade:estacaracterísticaprende-secomapossibilidade de existirmaisdoque umbemcapaz de
satisfazeramesmanecessidade,substituindoumpelooutro.
Classificaçãodasnecessidades:Asnecessidadespodemserclassificadasquantoàsua importância,aoseu
custo ouà sua abrangência.
2.2- Consumo- Noçãoeclassificação
O ato de consumirfaz parte do nossodia-a-dia,poisestamosaconsumirsempre que comemosumbolo,
utilizamosaguaouligamosumcandeeiro.Oconsumoé um importante indicadoreconómico,poisrevelao
nível de desenvolvimentode umpaís.
Atravésdoconsumosatisfazemosnecessidadesque vãodandolugarà medidaque sãoeliminadas.O
consumodefine-se entãocomoautilizaçãode bensouserviçoscomo objetivode satisfazernecessidades.
O consumotambémpode serclassificadode acordocomvárioscritérios:quantoá sua abrangência,àsua
função,à naturezado agente e à naturezada necessidade.
2.3- Padrõesde consumo- diferençase fatores explicativos.
Os atos de consumoapresentamalguns padrões,de acordocomo tipode consumidoresque ospraticam.O
estatutosocial dosindivíduosouasua categoriaprofissionalpodemdarorigemaconsumospadronizados.O
consumoé condicionadopormuitosfatores.Háfatoresde caracter económico- osfatores económicos,e
existemosfatoresde naturezasocial e cultural- osfatoresextraeconómicos.
-FATORES ECONÓMICOS.
Os principaisfatoresde naturezaeconómicaque influenciamoconsumosubdividem-se em3categorias:O
rendimentodosconsumidores,onível de preçosdosbense serviçose a inovaçãotecnológica
 Rendimentosdosconsumidores:
Um dos principaisfatoresque influenciamoconsumo é o rendimentodosconsumidores,umamudançano
seunível de rendimentotraduz-se numavariaçãodoconsumo.Acontece, aosagregados familiarespassarem
a consumirmaisapós o seurendimentoteraumentado, e vice-versa. Noentanto,onível de rendimentode
uma famílianãoafetade igual modoosseusdiversos tiposde consumo.Umaalteraçãono rendimento
reflete-se de formadiferente,conforme se tratadoconsumode bensessenciaisousupérfluos.
Ex: Um agregadofamiliarcujonível de rendimentodiminuiuprocuraráreduzirprimeiroosgastoscombens
supérfluos,poissãodispensáveisàsuasobrevivência.Estafamíliatentarámanteronível de consumo
relativamente aosbensessenciais,parareduzircustos,passaráa adquirirprodutosde primeiranecessidade
com qualidade inferiore maisbaratos.
Assimé fundamental recorreràanálise daestruturade consumode cada família,istoé,a forma comocada
famíliadistribui osseusrendimentospelasdiversasclassesde despesas.A estruturade consumode uma
famíliareflete oseunível de vida
NOTA:ESTRUTURA DE CONSUMO
Representaaformacomo o rendimentodasfamíliasé distribuídopelas váriasclassesde despesas.
A formacomo cada famíliautilizaoseurendimentonuncaé igual.ErnstEngel dedicou-se aoestudodos
padrõesde consumodas famíliasemrelaçãoao seurendimento.Umadas conclusõesfoi que,àmedidaque
o rendimentoaumenta,diminui apercentagemdorendimentototal gastocombensde primeira
necessidade.Istoé,quantomaioré o rendimento,menoré aproporção destinadaàsdespesascombens
elementarese,vice-versa.
NOTA:LEI DE ENGEL
Quantomaior é o nível de rendimentode umafamília,menoré aproporção dosseusgastos embens
elementares.
Importasalientarque,numasituaçãode acréscimode rendimento,apesarde diminuírem asdespesascom
bensessenciaisemtermosrelativos(percentuais),é provável que ovalorabsoluto destasdespesas
aumente.Esse agregadofamiliardeverágastarmaisemprodutosde naturezabásica,pois,passaráa adquirir
bensde qualidade superior- é oefeito-qualidade.Nesse caso,oque diminui é apercentagemde consumode
bensessenciaisemfunçãodoorçamentofamiliar,ouseja,doconjuntototal de despesas.
Neste contexto,convémentãoanalisaroconceitode coeficienteorçamental,que traduza importância
relativa(percentual),de umarubricade despesaquandocomparadacom o valortotal das despesas.Assim:
Coeficiente orçamental=valorda classe de despesa/Valortotal dasdespesasx 100
 Níveisde rendimento:
O nível geral dospreçosé outro fatorcondicionante doconsumo,pois,quandoospreçosaumentame o
nível de rendimentonãoacompanhaessesaumentos,asfamíliasperdempoderde comprae veem-se
obrigadasa reduziroseu consumo.Emdeterminadoscasos,quandoapenasocorremvariaçõesnospreços
de algunsprodutos,osconsumidorestentamsubstituiroconsumodosseusbenshabituaisporoutros,os
chamadosbenssucedâneosousubstituíveis,que cumpremamesmafunçãomassão maisbaratos.
 Inovação tecnológica:
A inovaçãotecnológicaé outrofatorde que depende oconsumo,poiscriae desenvolvepermanentemente
bense serviçosque geramnovasnecessidadesnosconsumidores,levando-osaconsumiremmais.Poroutro
lado,este progressofazreduziroconsumode algunsbens,daquelesque rapidamente se tornamobsoletos
ao seremsubstituídospelosnovos.
-FATORES EXTRAECONÓMICOS
Os fatoresextraeconómicosque influenciamoconsumosãode naturezasociocultural,sendoos principais:a
moda,a tradição,a publicidade,osmodosde vidae a estruturaetáriados agregadosfamiliares.
 Moda.
 Tradição.
 Publicidade
 Modos de vida
 Estrutura etáriadosagregadosfamiliares
2.4- Evoluçãodaestrutura do consumo
A estruturade consumomostracomo é distribuídoorendimentode umagregadofamiliarpelasdiferentes
categoriasde despesasde consumo.
A análise daevoluçãodaestruturade consumodosagregados familiaresde umpaíspermite umamelhor
compreensãodonível de desenvolvimentoemque este se encontra.Nasúltimasdécadas,aestruturade
consumoemPortugal modificou-se muito,jáque ascondiçõesde vidadosportuguesestêmvindoa
melhorar,emboraaindaexistammuitasdisparidades.
2.5- A sociedadede consumo
O conceitode sociedade de consumosurge apósarevoluçãoindustrial comodesenvolvimentodastécnicas
de produção,que deramorigemà produção emmassa,istoé, produçãoemgrandesquantidades.O
aumentodacapacidade produtiva criouum problemaaosempresários:comofazerescoaras grandes
quantidadesde produtos que agoraerapossível fabricar?A soluçãoera criar novasnecessidadesnos
consumidores,contribuindoparaissode formadecisivaapublicidade,omarketing,astécnicasde venda,as
facilidadesde pagamentoe outrasatividade semelhantes.
A sociedade de consumocaracteriza-sepelaabundânciade bense serviçospermanentemente colocadosà
disposiçãode todososconsumidores.Oconsumopassaa ocuparum lugar central na vidadosindivíduos.Na
sociedade contemporânea,aposse de bensé sobrevalorizada,sendoaspessoasavaliadasmuitasvezesem
funçãodos bensmateriaisque possuem.É a era dos produtosdescartáveis,do“usae deitafora”que leva
aos consumidoresasubstituírembensemcondiçõesde utilizaçãoporoutrosmaisrecentes.
O aumentoda quantidade de bensproduzidosrepresentaumavantagemparaos consumidores,poisa
necessidadede escoamentodosprodutoslevaaumaredução dosseuspreços.Mas, por outrolado,a
massificaçãodoconsumoe a facilidadede acessoaosbensinduzemaoconsumismo-situaçõesemque as
pessoasagemporimpulso,consumindo,de formairrefletida,bensde que nãonecessitam.
O critérioe as facilidadesde pagamentocontribuemmuitoparaa existênciade consumosindiscriminados
poisos bensficamà disposiçãodaspessoasantesde serefetuadaatotalidade doseupagamento.
O consumismotambémtemcomoconsequênciasadegradaçãoambiental,poisaproduçãomassivade bens
exige que se mantenhamematividade muitasindústrias emtodooplaneta,originandoapoluição.Poroutro
lado,o usoexcessivodosrecursosnaturaisnãopermite asuareposiçãonatural,oque tambémprovoca
danosno ambiente.
2.6- Consumerismoeresponsabilidadesocial dosconsumidores.
Um movimentode carizcompostoporindivíduosprocurapromoverpráticasde consumoequilibradas,de
formaa evitaroscomportamentosdesviantescaracterísticosdoconsumismo.Determinam-sepor
consumerismooconjuntode açõeslevadasacabo por esse movimentoe que têmcomoobjetivoadefesa
dos interessesdosconsumidores.
O consumerismoprivilegiaainformaçãoe a educação dosconsumidores,levando-osaagirde forma
consciente e racional.Asaçõesde sensibilizaçãoempreendidaspelosconsumistaspermitemo
reconhecimentodaresponsabilidadesocial dosconsumidores,que exige umautilizaçãocriteriosados
recursosnaturais,consubstanciadanumconsumoéticoe responsável,de modoapromovero
desenvolvimentosustentável doplaneta.
O consumidorenquanto agente socialdeve assumirumconjuntode deveres:
 Ter uma consciênciacritica,informando-se sobre oque estaa comprar e analisandoarelaçãopreço-
qualidade dosbense serviços.
 Sercapaz de agir e reclamarquandoé necessário,evitandoaindiferençaperante situaçõesabusivas
 Ter uma preocupaçãosocial,nomeadamentecomosmaisdesfavorecidos
 Ter consciênciaambiental,compreendendooimpactodassuas práticasde consumono ambiente e
a necessidade de proteçãodosrecursosnaturais
 O deverde solidariedade,entendendoainterligaçãodasaçõesindividuaise que osatos de cada um
podemprejudicartodos.
2.7- A defesados consumidoresem Portugal e na uniãoeuropeia
Segundoalei de defesadoconsumidor,é consumidorodestinatáriode bens,aprestação de serviçosouda
transmissãode direitosdestinadosausonão profissional,porpessoaque exerçaatítuloprofissionaluma
atividade económicaque vise aobtençãode benefícios.
Conceitosa reter:
-Coeficiente orçamental:pesode cadarubricade despesa noorçamentofamiliar,geralmente expressoem
percentagem.Calcula-se multiplicandopor100 o quociente entre ovalorda rubricae o valortotal das
despesas.
-Consumismo:conjuntode açõeslevadasacabo por movimentosde carizsocial que têmcomoobjetivoa
defesadosinteressesdosconsumidores
-Consumismo:comportamentose atitudescaracterísticosdasociedade de consumo,que levamos
indivíduosaconsumiremde modoirracional e imprevisto
-Consumo:Atividadesque consistenautilizaçãode bensouserviçosde modoasatisfazernecessidades.
-Efeito-demonstrativo:Efeitoprovocadopelaaquisiçãode benscombase empadrõesde consumode
outrosgrupos sociaisque se admirae com os quaisse identifica
-Efeito-rendimento:Efeitoprovocadopeloaumentodopreçode umbem, dandoorigema uma diminuição
da sua quantidade de consumo.
-Efeito-substituição:Efeitoque ocorre quandoaumentaopreçode um bem, levandoàsua substituiçãopor
outrosmaisbaratos.
-Estrutura do consumo:Forma como é distribuídoorendimentodasfamíliaspelasdiversasclassesde
despesas.A estruturade consumode cada famíliareflete oseunível de vida.
-Fatoresde que depende oconsumo:
 Fatoreseconómicos: Principaisfatoresde naturezaeconómicaque exerceminfluenciam sobre o
consumo,comoo rendimentodosconsumidores,onível de preçosdosbense serviçose a inovação
tecnológica.
 Fatoresextraeconómicos:fatoresde naturezasociocultural que influenciamoconsumo,comoa
publicidade,atradição,osmodosde vida,a modae a estruturaetáriados agregadosfamiliares.
-Lei de Engel- A proporçãodo rendimentodestinadoàsdespesascombenselementaresdiminui/aumentaà
medidaque orendimentoaumenta/diminui.
-Necessidade- Sensaçãode insatisfaçãoque ocorre naausênciade umbemou serviçode que se carece.As
características dasnecessidadessãoamultiplicidade,asaciabilidade,ahierarquizaçãoe a substituibilidade
-Sociedade de consumo:Caracteriza-se pelaproduçãoe consumode umelevadoe diversificadonúmerode
bense serviços
3- A produção de bens e serviços
3.1- Bens: noçãoe classificação
É através doconsumode bensque satisfazemosasnossasnecessidades,ouseja,osbenssãotodosos meios
suscetíveisde satisfazernecessidades.Masnemtodosos bensaparecemna naturezanasquantidades
suficientes- amaiorparte existe emquantidade muitoreduzidas.Porisso,osbenssubdividem-se,emfunção
do seucusto,embenslivrese benseconómicos.
Os benssãoaquelesque existememabundancianãoexigindoqualquerdispêndiode dinheirooutrabalho
na sua obtenção,comoo ar que respiramos.Os benseconómicossãoosque existememquantidades
inferioresàsnecessidadesparasatisfazertodasasnecessidades.
- Classificaçãode benseconómicos:
3.2- A produçãoe o processo produtivo
Os benseconómicosnãoaparecemnaNaturezana suaforma final,istoé,aindanãoestãoprontospara
seremutilizados,sendonecessáriotransforma-losde modoapoderemsatisfazerasnossasnecessidades.A
atividade humanade criaçãode bense serviçosque conduzàsatisfaçãodas necessidadesdenomina-se de
produção.Trata-se de uma atividade remunerada(excluindo-seasatividadesnãoremuneradascomo
trabalhodomestico) que combinaosváriosfatoresprodutivos,gerandobense serviçoscomerciáveis.
- Os setoresde atividadeeconómica:
Comoforma de organizaras diversasatividadesgeradorasde bense
serviços,divide-se aatividadeeconómicaemtrêssetores:primário,
secundárioe terciário.
No setorprimário: incluem-seasatividadesrelacionadascomarecolha
dos bensque a naturezadisponibiliza,comopesca,a agricultura,a
pecuáriae a silvicultura.
No setorsecundário:estãoenglobadasasindústriastransformadorasde
matérias-primasfornecidaspelosetorprimário,comoasindustriase
calçado outêxteis.
No setorterciário:estãocompreendidososserviçose todasas atividadesnãoabrangidaspelosoutros
setorescomoo comércioa banca as seguradorasostransporte o turismoa comunicação,a defesaajustiçaa
educação,entre outros.
Cada setoré subdivididoemváriosramosde atividade,correspondendocada umdelesauma atividade
económica.
3.3- Fatoresde produção
Os fatoresde produçãosão todosos elementosnecessáriosaofabricode bens.Consideram-setrêstiposde
fatoresprodutivos:osrecursosnaturais,otrabalhoe o capital.Estesfatoressão combinadosentre si de
modoa permitiraobtençãode bens.
O homemrecolhe danaturezaas matérias-primasnecessáriasparaproduzirbenscapazesde satisfazeras
suas necessidades,comauxílio de ferramentase equipamentos.Asmatérias-primas(recursos)vãoser
transformadasemprodutosacabadosatravésda força de trabalhodo homem(trabalho) e de máquinase
utensíliosdiversos(capitais).
3.3.1- Os recursos naturais
São todosos elementosque aNaturezafornece aohomemparaa satisfaçãodassuas necessidades.Podem
serrecursosrenováveisounãorenováveis.
 Recursos renováveis:sãoaquelesque nãose esgotamnumcurto espaçode tempoe que vão sendo
substituídosperiodicamente.Sãoaindapoucoutilizadosporquenecessitamde umgrande
investimento e de umagrande mudançana mentalidade dapopulação.
 Recursos não renováveis:são osque não podemserrepostospelanaturezaemtempoútil,istoé,a
sua reposiçãosóé possível numperíodode tempomuitolongoque nãoacompanhao ritmo das
necessidades humanas.
3.3.2-O Trabalho
É toda a atividade físicaouintelectual desempenhadapeloHomemde formaremuneradae que temcomo
objetivoaproduçãode bense serviçosde modoa satisfazernecessidades.
O trabalhoé simplesquendonãoé necessáriaaexistênciade umaqualificaçãoespecificae é completa
quandoexige umconjuntode qualificaçõesprópriasque podemserobtidasatravésde formaçãode
experienciaprofissional.
O trabalhotambémpode sermanual, sempre que predominaoesforçofísico,ou intelectual, se oque
sobressai é oesforçomental.
Classificaçãodo tipo de tarefa:
 Trabalhode execução:que corresponde àrealizaçãode tarefaspreestabelecidas
 Trabalhode organização:quandorespeitaàcooperação dotrabalhohumanocom as máquinase os
equipamentos
 Trabalhode direção:se estárelacionadocomo planeamentoe controlodaatividade produtiva
 Trabalhode invenção:quandopermite descobrirnovosprodutose processosprodutivosatravésda
investigação
População ativa ou inativa:
 Populaçãoativa:representatodososindivíduosque desempenhamatividadesremuneradasouos
que se encontremà procura de emprego.Énecessárioterummínimode 15 anose um máximode
64 para pertencerà populaçãoativa.
 Populaçãoinativa:é compostaportodas as pessoasque nãodesempenhamatividades
remuneradas,onde se incluem,osindivíduoscomidade inferiora15 ousuperiora 64 anos.Como
deficientes,estudantes,donasde casa,inválidos,reformadosouospensionistas.
Associada a estestemos a:
 Taxa de atividade=populaçãoativa/Populaçãodesempregadax100
 Taxa de desemprego=Populaçãodesempregada/Populaçãoativax100
Tipos de desemprego:
 Desempregode longaduração:representaasituaçãode quemse encontraà procura de empregohá
maisde umano.
 Desempregotemporário:traduzasituaçãopassageiradaspessoasque se encontramentre dois
empregos,quandosaíramde um para ingressaremnoutro.
 Desempregotecnológico:correspondeàdificuldade de acompanhamentodaevoluçãotecnológica
por parte dos trabalhadores.
 Desempregorepetitivo:dizrespeitoàspessoasque estãosistematicamente amudarde emprego.
 Desempregosazonal:poisháalgumasatividadesque apresentamritmosde produçõbastante
variadosao longodoano.
Formação ao longo da vida:
 Época em que o progressotecnológicoé de tal forma aceleradoque exigepermanentemente
atualizaçõesde conhecimentos.Énecessárioapostarnaeducaçãoo inícioda vidacomo tambémna
formaçãocontínua ao longoda vida,caso contrariorapidamente se ficadesatualizado.
Empregabilidade significaque representaoconjuntode competênciasde cadaindividuoque facilitama
obtençãode um emprego.
Terciarização:
 O setorterciáriotemvindoa ganhar cada vezmaiorpesona estruturada atividade económica.Pois
resultada expansãodosserviçosàsatividadespertencentesaossetoresprimáriose secundários.
3.3.3- O capital
O capital representaoconjuntodosbens utilizadosnaatividade produtiva.
3.4- Combinaçãode fatores de produção: A função de produçãoé uma relaçãotécnicaque indicaqual o
montante máximode produçãoque se pode obtercomcada conjuntodeterminadode fatoresprodutivos.
Os fatoresque apresentamumconjuntode característicasque influenciamaformacomo estesse podem
combinar:
 Substituibilidade:ocorre sempre que é possíveltrocarum fatorpor outro emváriossubmúltiplos.
Ex: quandoumtrator passaa executaras tarefasdo Homem, está-se asubstituirofator trabalho
(Homem) pelofatorcapital (trator).
 Divisibilidade:consistenapossibilidadede decomposiçãode umfatoremváriossubmúltiplos,
podendo-seutilizaresse fatoremdosesmaioresoumenores.Ex:Matérias-primasouenergias.
 Complementaridade:aplica-se nassituaçõesemque ousode um fatorimplicaa utilizaçãode outro.
Ex. Para o trator podertrabalharnecessitaque alguémoconduza.
No entanto,ascaracterísticas dofatoresde produção podemalterar-se aolongodotempo,poisoprogresso
tecnológicooferece novosprodutose novosprocessosprodutivos,modificandoasrelaçõesque se
estabelecementre osfatores.
Outra variável é oseuhorizonte temporal,istoé,quantotempoé necessárioparase poderprocederà
alteraçãode um fator.Classifica-seotempode implementaçãode umamudançacomosendo curto prazo,
quandose podemalterarapenasalgunsfatores,e de longo prazo, quandoé possível modificartodosos
fatores.
Produtividade:É o indicadoreconómicoque permitecalcularovalorde produçãogerada por cada unidade
de fator utilizada.
Obtém-se coma seguinte fórmula:
 Produtividadetotal emvalor(conjuntototal de fatoresempreguescomoparacada umdos fatores
emseparado) : Valorda produção/valoresdosfatores produtivos.
 Produtividademédiaemvalor(valorde produçãoobtidaporum fator):Valorda produção/Valor
desse fator
 Produtividademédiaemquantidade(quantidadede produtoobtidoporumfator):Produtividade
médiade um fatoremquantidade=Volume de produção/Quantidadesdesse fator
Um outro conceitoimportante é ode produtividade marginal,que permite mediroacréscimode produção
obtidade cada vezque se adicionaumaunidade de fatorprodutivo.
Produtividade emPortugal- causas e soluções:
o Causas:
 Faltade modernização (maquinariaultrapassada)
 Fraca qualificaçãode mão-de-obra(nãoapenasaformação adquiridapelotrabalhadoranteriorà
colocação nopostode trabalho,mastambéma fraca atualizaçãodosmesmos)
 Excessode burocracia
o Soluções:
 Incorporaçãodo progressotécniconocapital fixo- Maquinaseficientespoupamtrabalhoe
capital circulante.
 Combate a burocracia- emque o governoparece estar,até à data,empenhado
 Valorizaçãodocapital humano- nãonecessariamente personalizada,masque pode passar- entre
muitasoutras- pelamelhorgestãode horários(pausasmenoslongase maisfrequentes,à
semelhançadoque acontece emmuitosoutrospaíses),programasde manutençãodasaúde dos
trabalhadores(atividadesfísicasleves,atitulode exemplo,que algumasempresasjá
implementaram),fatoresque tambémcontribuempraumamaiormotivaçãodostrabalhadores
(trabalhadormotivado=trabalhadormaisprodutivo,àpartida).
A produtividadegeradapelasunidadesprodutivasde umpais,atravésda utilizaçãoracional e eficientedos
recursos,permite-lhescriarvalore dessaformaaumentara riquezanacional.
Lei dosrendimentosdecrescentes:
A lei dosrendimentosdecrescentes,quando
se aumentaregularmente asquantidades
de um fator (capital outrabalho) mantendo
fixoooutro, a partirde um certoponto,a
produçãosuplementarresultante desse
aumentovai diminuindoprogressivamente,
istoé,os acréscimosde produçãoobtidos
começama sercada vezmenores- diminuiçãomarginal daprodução.
A melhorcombinaçãopossível dosfatoresé aque permite amáximaproduçãoatravésde uma eficiente
utilizaçãodosrecursos.
Assim:
Os rendimentoscomeçamadecrescerimediatamente aseguiraopontoque corresponde àcombinação
ótimados fatoresprodutivos-Lei dosrendimentosdecrescentes.
Custos de produção:
Os encargoscom a produçãode bense serviçosdenominam-secustode produção e representamocusto
total que uma unidade produtivatemde desembolsarparao desenvolvimentodasuaatividade.
 Custototal (CT) = custos fixos+custosvariáveis
Os custosfixos(CF) correspondemàsdespesassuportadaspelaempresa,independentementeda
quantidade de bensque produziu.
Os custosvariáveis(CV) sãoosencargosque variamemfunçãodas quantidadesproduzidas,istoé,quando
as despesasaumentamàmedidaque aumentaovolume de produção.
Custounitáriooucusto medio(CM) de cada unidade produzida:customédio=custototal/quantidadede
bens.
Exemplo:
Vejamoscomose comportamos custosconforme se vai aumentandoaquantidade de bensque são
produzidos.Noquadro,oscustosfixosnãose alteramindependentemente dasquantidadesproduzidas.Por
outro lado,sobemgradualmente oscustosvariáveis,fazendo-se repercutiresse aumentonocustototal.
Economias de escala:
Quandouma empresaproduzmaise os custosgastos nessaproduçãodiminuem. Aseconomiasde escala
podemserinternasouexternas,conforme têmorigemdentroe forada empresa.
Deseconomiasde escala:
É quandoa empresaaumentatantoque oscustos unitárioscomeçamaaumentar,tornando-se assim
demasiadocomplexososprocessosde gestão.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Dina Baptista
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoHneves
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Lurdes Augusto
 
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloRaffaella Ergün
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesGijasilvelitz 2
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisIlda Bicacro
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosIlda Bicacro
 
5 indicadores demográficos
5  indicadores demográficos5  indicadores demográficos
5 indicadores demográficosMayjö .
 
Conceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºseConceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºsemariajosantos
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anojorgina8
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoGijasilvelitz 2
 
A intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economiaA intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economiaHelena Fonseca
 
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacionalDavid Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficos
 
5 indicadores demográficos
5  indicadores demográficos5  indicadores demográficos
5 indicadores demográficos
 
Conceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºseConceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºse
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
 
Pac
PacPac
Pac
 
A intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economiaA intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economia
 
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
9.2. conceitos necessários à contabilidade nacional
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
 

Semelhante a Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)

Conceitos básicos da ciência econômica
Conceitos básicos da ciência econômicaConceitos básicos da ciência econômica
Conceitos básicos da ciência econômicaYasminPotencio
 
Questionc3a1rio gabarito-aula-1-e-2
Questionc3a1rio gabarito-aula-1-e-2Questionc3a1rio gabarito-aula-1-e-2
Questionc3a1rio gabarito-aula-1-e-2underklow
 
A riqueza das Redes - segundo Yochai Benkler
A riqueza das Redes - segundo Yochai BenklerA riqueza das Redes - segundo Yochai Benkler
A riqueza das Redes - segundo Yochai BenklerRenato Shirakashi
 
Introdução à Economia - Aula 1 (Livro-aula 1 a 4).pdf
Introdução à Economia - Aula 1 (Livro-aula 1 a 4).pdfIntrodução à Economia - Aula 1 (Livro-aula 1 a 4).pdf
Introdução à Economia - Aula 1 (Livro-aula 1 a 4).pdfDanielaViana54
 
O que é a economia ?.docx
O que é a economia ?.docxO que é a economia ?.docx
O que é a economia ?.docxcarolinabalona3
 
Apostila introdutória
Apostila introdutória Apostila introdutória
Apostila introdutória colhomagno
 
Aula sobre Economia e Economia Ambiental.pptx
Aula sobre Economia e Economia Ambiental.pptxAula sobre Economia e Economia Ambiental.pptx
Aula sobre Economia e Economia Ambiental.pptxdaniellelovato1
 
Economia e Meio Ambiente: uma avaliação do poder dos mercados na inovação tec...
Economia e Meio Ambiente: uma avaliação do poder dos mercados na inovação tec...Economia e Meio Ambiente: uma avaliação do poder dos mercados na inovação tec...
Economia e Meio Ambiente: uma avaliação do poder dos mercados na inovação tec...Wilson Valle
 
Publicado economia e meio ambiente
Publicado economia e meio ambientePublicado economia e meio ambiente
Publicado economia e meio ambiente64wilsonvalle
 
Teoria 110807114623-phpapp01 (1)
Teoria 110807114623-phpapp01 (1)Teoria 110807114623-phpapp01 (1)
Teoria 110807114623-phpapp01 (1)Marcos Eterno Cunha
 
Teoria Econômica
Teoria EconômicaTeoria Econômica
Teoria EconômicaDayane Dias
 

Semelhante a Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte) (20)

Conceitos básicos da ciência econômica
Conceitos básicos da ciência econômicaConceitos básicos da ciência econômica
Conceitos básicos da ciência econômica
 
Questionc3a1rio gabarito-aula-1-e-2
Questionc3a1rio gabarito-aula-1-e-2Questionc3a1rio gabarito-aula-1-e-2
Questionc3a1rio gabarito-aula-1-e-2
 
6700. Matéria completa.pdf
6700. Matéria completa.pdf6700. Matéria completa.pdf
6700. Matéria completa.pdf
 
Economia resumo
Economia resumoEconomia resumo
Economia resumo
 
Economia resumo
Economia resumoEconomia resumo
Economia resumo
 
Economia resumo
Economia resumoEconomia resumo
Economia resumo
 
A riqueza das Redes - segundo Yochai Benkler
A riqueza das Redes - segundo Yochai BenklerA riqueza das Redes - segundo Yochai Benkler
A riqueza das Redes - segundo Yochai Benkler
 
Apostila economia -01
Apostila economia -01Apostila economia -01
Apostila economia -01
 
Actividades económicas
Actividades económicasActividades económicas
Actividades económicas
 
Introdução à Economia - Aula 1 (Livro-aula 1 a 4).pdf
Introdução à Economia - Aula 1 (Livro-aula 1 a 4).pdfIntrodução à Economia - Aula 1 (Livro-aula 1 a 4).pdf
Introdução à Economia - Aula 1 (Livro-aula 1 a 4).pdf
 
O que é a economia ?.docx
O que é a economia ?.docxO que é a economia ?.docx
O que é a economia ?.docx
 
Apostila introdutória
Apostila introdutória Apostila introdutória
Apostila introdutória
 
Apostila economia
Apostila economiaApostila economia
Apostila economia
 
Aula sobre Economia e Economia Ambiental.pptx
Aula sobre Economia e Economia Ambiental.pptxAula sobre Economia e Economia Ambiental.pptx
Aula sobre Economia e Economia Ambiental.pptx
 
Economia politica 3
Economia politica 3Economia politica 3
Economia politica 3
 
Economia e Meio Ambiente: uma avaliação do poder dos mercados na inovação tec...
Economia e Meio Ambiente: uma avaliação do poder dos mercados na inovação tec...Economia e Meio Ambiente: uma avaliação do poder dos mercados na inovação tec...
Economia e Meio Ambiente: uma avaliação do poder dos mercados na inovação tec...
 
Publicado economia e meio ambiente
Publicado economia e meio ambientePublicado economia e meio ambiente
Publicado economia e meio ambiente
 
Teoria 110807114623-phpapp01
Teoria 110807114623-phpapp01Teoria 110807114623-phpapp01
Teoria 110807114623-phpapp01
 
Teoria 110807114623-phpapp01 (1)
Teoria 110807114623-phpapp01 (1)Teoria 110807114623-phpapp01 (1)
Teoria 110807114623-phpapp01 (1)
 
Teoria Econômica
Teoria EconômicaTeoria Econômica
Teoria Econômica
 

Mais de Raffaella Ergün

Como funciona a União Europeia
Como funciona a União EuropeiaComo funciona a União Europeia
Como funciona a União EuropeiaRaffaella Ergün
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasRaffaella Ergün
 
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesaSaldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesaRaffaella Ergün
 
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)Raffaella Ergün
 
Economia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União EuropeiaEconomia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União EuropeiaRaffaella Ergün
 
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Raffaella Ergün
 
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos PeixesResumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos PeixesRaffaella Ergün
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasRaffaella Ergün
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoRaffaella Ergün
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoRaffaella Ergün
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaRaffaella Ergün
 
Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Raffaella Ergün
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeRaffaella Ergün
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoRaffaella Ergün
 
Geografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União EuropeiaGeografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União EuropeiaRaffaella Ergün
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesRaffaella Ergün
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasRaffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosRaffaella Ergün
 

Mais de Raffaella Ergün (20)

Central Business District
Central Business DistrictCentral Business District
Central Business District
 
U.E em 12 lições
U.E em 12 liçõesU.E em 12 lições
U.E em 12 lições
 
Como funciona a União Europeia
Como funciona a União EuropeiaComo funciona a União Europeia
Como funciona a União Europeia
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os Maias
 
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesaSaldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
 
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
 
Economia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União EuropeiaEconomia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União Europeia
 
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
 
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos PeixesResumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do convento
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Geografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União EuropeiaGeografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União Europeia
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 

Último

Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 

Último (20)

Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 

Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)

  • 1. TEMA 1- Introdução / Módulo inicial A atividade económica e a ciênciaeconómica 1.1-Realidadesocial e ciênciassociais Ao viveremsociedade,oHomemrelaciona-se comoutrosindivíduos,coma Naturezae com instituições. Essas relaçõessãoobservadaspelas CiênciasSociais,comoaEconomia,a Geografia,a Históriaoua Sociologia,que se dedicamàprocurade respostasparaos seusproblemas. Fenómenoscomoodesemprego, o consumo,a produçãoresultamdainteraçãodos indivíduosnasuavivênciaemcomunidade. Estes fenómenostêmgrande impactonavidadaspessoas,poispodemafetarasua qualidade de vida. As ciênciassociaisestudamestesfenómenos,procurandocompreendercomovivemosindivíduosem sociedade.Elasanalisamarealidade social(conjuntode fenómenossociaisque podemserobservadosnuma sociedade emcadamomento).A realidadeemque asociedade modernase encontraé extremamente complexa,fazendocomque sejaessencialumaanálise aprofundadade váriosângulosdiferentes. 1.2-Fenómenossociaise fenómenoseconómicos Os fenómenossociaissãoaquelesque resultamdavidaemsociedadee que,dadaa sua complexidade,têm de ser analisadosnoseucontextoglobal.Osfenómenossociaissãocomplexose pluridimensionais. Ex: o desportoprofissional pode serconsideradoumfenómenosocialtotal,porque envolve aspopulaçõesa váriosníveis.É umafonte de entretenimentoparaa populaçãoe permite empregode muitosdesportistas, auxiliares,treinadorese dirigentes.Porvezes,sãofeitosinvestimentoseminfraestruturasque ajudama desenvolverasregiõesenvolventese beneficiamdeterminadossetoresdesportivos,dapublicidade feitas pelasempresasemtrocade patrocínios,de doaçõese,entre outras,das mais-valiasque obtêmpelo intercâmbiode desportistas.Odesportode altacompetiçãopode até promoverumaregiãoouumpaís, dando-lhe algumaprojeçãointernacional. Os fenómenos sociaisabordadosnumaperspetivaeconómicachamam-se “fenómenoseconómicos”.Estes interessamparticularmente àciênciaeconómica,masconstituemapenasumadasvertentesdo“fenómeno social total”.Os principaisfenómenoseconómicossão aProdução, a Distribuição,a Repartição dos Rendimentos,oConsumo e a Poupança. 1.3- A economiacomociência- objetode estudo A economiaprocuradar respostascomoa criação e distribuiçãodariqueza,asatisfaçãodasnecessidades coletivas,o desenvolvimentointegrado dospaísesouasrelaçõesde troca. Tentatambémsolucionar questões como:Oque produzir?Em que quantidades?De que modo? Onde?E para quem? O problemaeconómico –a escasseze escolha:é sabercomo aplicarrecursosescassosa umnúmero ilimitadode necessidades. Jáque nãose podemsatisfazertodasasnecessidades,é precisohierarquiza-lase fazerescolhas,decidirque necessidadessatisfazeremprimeirolugare quaisdeverãoserabandonadas. As opçõestomadasdevem permitirutilizarosrecursosde formamais eficiente e de modoasatisfazeromaior númeropossível de necessidades.Quandose hierarquizamasnecessidadese se optapelasatisfaçãode
  • 2. uma,as que sãosacrificadasrepresentamumaperda,umcusto. É chamado custo de oportunidade,que se caracterizapelamelhoralternativadeixadade ladonomomentoemque se fezoutraescolha. É importante referirosdoisgrandes princípioseconómicosque estãonabase do processo deescolha:O princípioda racionalidade e o princípiodo equilíbrio. - Princípioda racionalidade:presume-se que cadaindividuoescolhesempre oque considerasera melhor opção disponível,ouseja,aquelaque permite amáximasatisfaçãocomomínimoesforço. - Princípiodo equilíbrio:todasasdecisõesinteragementre si.Asescolhas,aose condicionaremumasàs outras para poderemcombinar-sedamelhorformapossível,acabamporlevarao equilíbrio dossistemas. 1.4-A atividadeeconómicae os agentes económico A atividade económicaé oconjuntode operaçõesque visamaprodução de bense serviçossuscetíveisde satisfazerasnecessidadeshumanas.Osbenspercorremumlongocaminhodesdeoseufabricoaté ao momentoemque sãoconsumidos,passampela produção,que é a atividade onde sãogeradosatravésde processosde transformação. Passampeladistribuição,que englobaduasatividades: otransporte e o comércio.Os benstêmde ser transportadosdesde oprodutoraté ao utilizador,podendoseroconsumidorfinal ououtroagente que os possausar como intermédiosnoprocessode fabricode outrosbens.Ocomércio,permite que osbenssejam colocadosà disposiçãodos consumidoresde formapráticae conveniente. Repartiçãodosrendimentosé acomercializaçãodosbensque geramrendimentosque sãodistribuídospor todosos agentesparticipantesnaatividade económica,que revelaocontributode cadaum no processo produtivo. Cadainterveniente obtémosrendimentosde acordocoma sua participaçãona atividade económica: - Os trabalhadoressãoremuneradosatravésde salários; - Os empresáriosrecebem lucro; - Os proprietáriosde imoveiscobram rendas; - Os detentoresde capital auferemjuros;
  • 3. Por fimé feitaa utilizaçãodosrendimentos,que sãoosrendimentosgeradosnasatividadesde produçãoe distribuiçãode bens.Osrendimentosdistribuídospelosagentesque participaramnaatividade económica podemterdoisdestinos:oconsumoou a poupança. O consumo consiste nautilizaçãoimediatade umrendimentonaaquisiçãode bense serviçosde modoa permitirasatisfaçãodas necessidadesatuais. Apoupançaé a utilizaçãodorendimentodiferidanotempo, istoé,quandoos detentoresdocapital renunciam àpossibilidade de outilizarnomomentopresentepara poderemconsumirnofuturo. -A atividade económica: Agenteseconómicos:são todasas entidadesindividuaisoucoletivasque se agregamnumacategoria,por desempenharemamesmafunçãonaatividade económica.Osagenteseconómicossubdividem-se nas seguintescategorias: -Famílias:dá especial atençãoàcategoriadoconsumo e à força do trabalhoou à capacidade de empreendimentonecessáriasàproduçãode bense serviços.A maioriadorendimentoque asfamílias recebemé utilizadanoconsumo,fazendoentãocomque estasejaaprincipal função. -Empresas:incluem-se todasasunidadesprodutivasde umpaísque contribuemparaa criação de bense serviços. -Estado (administração publica):englobaaadministraçãocentral,asautarquiaslocaise a segurançasocial temcomo funçãoprincipal promoverasatisfaçãodasnecessidadescoletivas.Oestadodedica-se àprodução de bense serviçosque osparticularesnormalmente nãoestãodispostosaoferecer. -Restodo Mundo: reflete aaberturadas economiasnacionaisàcomunidadeinternacional,apresentandoas relaçõeseconómicasque se operam entre umpaise o restodo Mundo.Tambémpode serdenominado como Exterior.
  • 4. Conceitosa reter: - Atividade económica:conjuntode operaçõesque visamaprodução de bense serviçoscapazesde satisfazerasnecessidadeshumanas.Englobaasatividadesde Produção,Distribuição,Repartiçãoe a Utilizaçãode Rendimentos,naqual sãoincluídosoConsumoe a Poupança. -Agenteseconómicos:entidadesindividuaisoucoletivasque se agregamnumacategoria,por desemprenharemamesmafunçãonaatividade económica. Considerando-seagenteseconómicosas Famílias,asEmpresas,a AdministraçãoPublicae o RestodoMundo. -Ciênciassociais:ciênciasque se dedicamaoestudodosfenómenosrelacionadoscomavidados indivíduos emsociedade (economias,direito,sociologia,historia,geografia,etc) -Custode oportunidade:representaosacrifícioda melhoralternativadeixadaporsatisfazer,resultante de uma escolhaemque é dada prioridade aoutra necessidade. -Fenómenoseconómicos:fenómenossociaisabordadosnumaperspetivaeconómica. - Fenómenosocial total: característica apresentadapelosfenómenossociais,decorrente - Fenómenossociais:Acontecimentosresultantesdavidaemsociedade - Princípioda racionalidade:Nas suasdecisões,cadaindividuoprocuraescolheroque considerasera melhoropção - Problemaeconómico(escassez): Problemaque resultadaescassezdosrecursosnecessáriosparasatisfazer as ilimitadasnecessidadeshumanas.Este problemaexige que,depoisde asnecessidadesestarem hierarquizadas,se façamescolhas,poisnemtodaspoderãosersatisfeitas. - Realidade social:Conjuntode fenómenossociaisque podemserobservadosnumasociedade emcada momento.
  • 5. Tema 2- Aspetos fundamentais da atividade económica Necessidade e consumo 2.1- Necessidades- Noçãoe classificação Necessidade:sentimentoque ocorre sempre que somosprivadosde umbemouserviçode que precisamos. -Multiplicidade:Asnecessidadesexistememgrande númeroe sãoinfinitas,reaparecemalgumtempoapós seremsatisfeitas,comoé ocaso da fome e da sede.Poroutrolado,o constante progresso tecnológico facilitaodesenvolvimentode novosprodutos,bemcomooaperfeiçoamentodosanteriores,dandoorigem ao aparecimentode novasnecessidades. -Saciabilidade:A intensidade comque se sentemasnecessidadesvai diminuindoàmedidaque estasse vão satisfazendo,acabandoeventualmentepordesaparecer. -Hierarquização:As necessidadespodemserordenadasde acordocom a intensidadecomque sãosentidas, devendoumassatisfazer-seprimeiroque asoutras. -Sustentabilidade:estacaracterísticaprende-secomapossibilidade de existirmaisdoque umbemcapaz de satisfazeramesmanecessidade,substituindoumpelooutro. Classificaçãodasnecessidades:Asnecessidadespodemserclassificadasquantoàsua importância,aoseu custo ouà sua abrangência.
  • 6. 2.2- Consumo- Noçãoeclassificação O ato de consumirfaz parte do nossodia-a-dia,poisestamosaconsumirsempre que comemosumbolo, utilizamosaguaouligamosumcandeeiro.Oconsumoé um importante indicadoreconómico,poisrevelao nível de desenvolvimentode umpaís. Atravésdoconsumosatisfazemosnecessidadesque vãodandolugarà medidaque sãoeliminadas.O consumodefine-se entãocomoautilizaçãode bensouserviçoscomo objetivode satisfazernecessidades. O consumotambémpode serclassificadode acordocomvárioscritérios:quantoá sua abrangência,àsua função,à naturezado agente e à naturezada necessidade. 2.3- Padrõesde consumo- diferençase fatores explicativos. Os atos de consumoapresentamalguns padrões,de acordocomo tipode consumidoresque ospraticam.O estatutosocial dosindivíduosouasua categoriaprofissionalpodemdarorigemaconsumospadronizados.O consumoé condicionadopormuitosfatores.Háfatoresde caracter económico- osfatores económicos,e existemosfatoresde naturezasocial e cultural- osfatoresextraeconómicos. -FATORES ECONÓMICOS. Os principaisfatoresde naturezaeconómicaque influenciamoconsumosubdividem-se em3categorias:O rendimentodosconsumidores,onível de preçosdosbense serviçose a inovaçãotecnológica
  • 7.  Rendimentosdosconsumidores: Um dos principaisfatoresque influenciamoconsumo é o rendimentodosconsumidores,umamudançano seunível de rendimentotraduz-se numavariaçãodoconsumo.Acontece, aosagregados familiarespassarem a consumirmaisapós o seurendimentoteraumentado, e vice-versa. Noentanto,onível de rendimentode uma famílianãoafetade igual modoosseusdiversos tiposde consumo.Umaalteraçãono rendimento reflete-se de formadiferente,conforme se tratadoconsumode bensessenciaisousupérfluos. Ex: Um agregadofamiliarcujonível de rendimentodiminuiuprocuraráreduzirprimeiroosgastoscombens supérfluos,poissãodispensáveisàsuasobrevivência.Estafamíliatentarámanteronível de consumo relativamente aosbensessenciais,parareduzircustos,passaráa adquirirprodutosde primeiranecessidade com qualidade inferiore maisbaratos. Assimé fundamental recorreràanálise daestruturade consumode cada família,istoé,a forma comocada famíliadistribui osseusrendimentospelasdiversasclassesde despesas.A estruturade consumode uma famíliareflete oseunível de vida NOTA:ESTRUTURA DE CONSUMO Representaaformacomo o rendimentodasfamíliasé distribuídopelas váriasclassesde despesas. A formacomo cada famíliautilizaoseurendimentonuncaé igual.ErnstEngel dedicou-se aoestudodos padrõesde consumodas famíliasemrelaçãoao seurendimento.Umadas conclusõesfoi que,àmedidaque o rendimentoaumenta,diminui apercentagemdorendimentototal gastocombensde primeira necessidade.Istoé,quantomaioré o rendimento,menoré aproporção destinadaàsdespesascombens elementarese,vice-versa. NOTA:LEI DE ENGEL Quantomaior é o nível de rendimentode umafamília,menoré aproporção dosseusgastos embens elementares. Importasalientarque,numasituaçãode acréscimode rendimento,apesarde diminuírem asdespesascom bensessenciaisemtermosrelativos(percentuais),é provável que ovalorabsoluto destasdespesas aumente.Esse agregadofamiliardeverágastarmaisemprodutosde naturezabásica,pois,passaráa adquirir bensde qualidade superior- é oefeito-qualidade.Nesse caso,oque diminui é apercentagemde consumode bensessenciaisemfunçãodoorçamentofamiliar,ouseja,doconjuntototal de despesas. Neste contexto,convémentãoanalisaroconceitode coeficienteorçamental,que traduza importância relativa(percentual),de umarubricade despesaquandocomparadacom o valortotal das despesas.Assim: Coeficiente orçamental=valorda classe de despesa/Valortotal dasdespesasx 100  Níveisde rendimento: O nível geral dospreçosé outro fatorcondicionante doconsumo,pois,quandoospreçosaumentame o nível de rendimentonãoacompanhaessesaumentos,asfamíliasperdempoderde comprae veem-se obrigadasa reduziroseu consumo.Emdeterminadoscasos,quandoapenasocorremvariaçõesnospreços
  • 8. de algunsprodutos,osconsumidorestentamsubstituiroconsumodosseusbenshabituaisporoutros,os chamadosbenssucedâneosousubstituíveis,que cumpremamesmafunçãomassão maisbaratos.  Inovação tecnológica: A inovaçãotecnológicaé outrofatorde que depende oconsumo,poiscriae desenvolvepermanentemente bense serviçosque geramnovasnecessidadesnosconsumidores,levando-osaconsumiremmais.Poroutro lado,este progressofazreduziroconsumode algunsbens,daquelesque rapidamente se tornamobsoletos ao seremsubstituídospelosnovos. -FATORES EXTRAECONÓMICOS Os fatoresextraeconómicosque influenciamoconsumosãode naturezasociocultural,sendoos principais:a moda,a tradição,a publicidade,osmodosde vidae a estruturaetáriados agregadosfamiliares.  Moda.  Tradição.  Publicidade  Modos de vida  Estrutura etáriadosagregadosfamiliares 2.4- Evoluçãodaestrutura do consumo A estruturade consumomostracomo é distribuídoorendimentode umagregadofamiliarpelasdiferentes categoriasde despesasde consumo. A análise daevoluçãodaestruturade consumodosagregados familiaresde umpaíspermite umamelhor compreensãodonível de desenvolvimentoemque este se encontra.Nasúltimasdécadas,aestruturade consumoemPortugal modificou-se muito,jáque ascondiçõesde vidadosportuguesestêmvindoa melhorar,emboraaindaexistammuitasdisparidades. 2.5- A sociedadede consumo O conceitode sociedade de consumosurge apósarevoluçãoindustrial comodesenvolvimentodastécnicas de produção,que deramorigemà produção emmassa,istoé, produçãoemgrandesquantidades.O aumentodacapacidade produtiva criouum problemaaosempresários:comofazerescoaras grandes quantidadesde produtos que agoraerapossível fabricar?A soluçãoera criar novasnecessidadesnos consumidores,contribuindoparaissode formadecisivaapublicidade,omarketing,astécnicasde venda,as facilidadesde pagamentoe outrasatividade semelhantes. A sociedade de consumocaracteriza-sepelaabundânciade bense serviçospermanentemente colocadosà disposiçãode todososconsumidores.Oconsumopassaa ocuparum lugar central na vidadosindivíduos.Na sociedade contemporânea,aposse de bensé sobrevalorizada,sendoaspessoasavaliadasmuitasvezesem
  • 9. funçãodos bensmateriaisque possuem.É a era dos produtosdescartáveis,do“usae deitafora”que leva aos consumidoresasubstituírembensemcondiçõesde utilizaçãoporoutrosmaisrecentes. O aumentoda quantidade de bensproduzidosrepresentaumavantagemparaos consumidores,poisa necessidadede escoamentodosprodutoslevaaumaredução dosseuspreços.Mas, por outrolado,a massificaçãodoconsumoe a facilidadede acessoaosbensinduzemaoconsumismo-situaçõesemque as pessoasagemporimpulso,consumindo,de formairrefletida,bensde que nãonecessitam. O critérioe as facilidadesde pagamentocontribuemmuitoparaa existênciade consumosindiscriminados poisos bensficamà disposiçãodaspessoasantesde serefetuadaatotalidade doseupagamento. O consumismotambémtemcomoconsequênciasadegradaçãoambiental,poisaproduçãomassivade bens exige que se mantenhamematividade muitasindústrias emtodooplaneta,originandoapoluição.Poroutro lado,o usoexcessivodosrecursosnaturaisnãopermite asuareposiçãonatural,oque tambémprovoca danosno ambiente. 2.6- Consumerismoeresponsabilidadesocial dosconsumidores. Um movimentode carizcompostoporindivíduosprocurapromoverpráticasde consumoequilibradas,de formaa evitaroscomportamentosdesviantescaracterísticosdoconsumismo.Determinam-sepor consumerismooconjuntode açõeslevadasacabo por esse movimentoe que têmcomoobjetivoadefesa dos interessesdosconsumidores. O consumerismoprivilegiaainformaçãoe a educação dosconsumidores,levando-osaagirde forma consciente e racional.Asaçõesde sensibilizaçãoempreendidaspelosconsumistaspermitemo reconhecimentodaresponsabilidadesocial dosconsumidores,que exige umautilizaçãocriteriosados recursosnaturais,consubstanciadanumconsumoéticoe responsável,de modoapromovero desenvolvimentosustentável doplaneta. O consumidorenquanto agente socialdeve assumirumconjuntode deveres:  Ter uma consciênciacritica,informando-se sobre oque estaa comprar e analisandoarelaçãopreço- qualidade dosbense serviços.  Sercapaz de agir e reclamarquandoé necessário,evitandoaindiferençaperante situaçõesabusivas  Ter uma preocupaçãosocial,nomeadamentecomosmaisdesfavorecidos  Ter consciênciaambiental,compreendendooimpactodassuas práticasde consumono ambiente e a necessidade de proteçãodosrecursosnaturais  O deverde solidariedade,entendendoainterligaçãodasaçõesindividuaise que osatos de cada um podemprejudicartodos. 2.7- A defesados consumidoresem Portugal e na uniãoeuropeia Segundoalei de defesadoconsumidor,é consumidorodestinatáriode bens,aprestação de serviçosouda transmissãode direitosdestinadosausonão profissional,porpessoaque exerçaatítuloprofissionaluma atividade económicaque vise aobtençãode benefícios.
  • 10. Conceitosa reter: -Coeficiente orçamental:pesode cadarubricade despesa noorçamentofamiliar,geralmente expressoem percentagem.Calcula-se multiplicandopor100 o quociente entre ovalorda rubricae o valortotal das despesas. -Consumismo:conjuntode açõeslevadasacabo por movimentosde carizsocial que têmcomoobjetivoa defesadosinteressesdosconsumidores -Consumismo:comportamentose atitudescaracterísticosdasociedade de consumo,que levamos indivíduosaconsumiremde modoirracional e imprevisto -Consumo:Atividadesque consistenautilizaçãode bensouserviçosde modoasatisfazernecessidades. -Efeito-demonstrativo:Efeitoprovocadopelaaquisiçãode benscombase empadrõesde consumode outrosgrupos sociaisque se admirae com os quaisse identifica -Efeito-rendimento:Efeitoprovocadopeloaumentodopreçode umbem, dandoorigema uma diminuição da sua quantidade de consumo. -Efeito-substituição:Efeitoque ocorre quandoaumentaopreçode um bem, levandoàsua substituiçãopor outrosmaisbaratos. -Estrutura do consumo:Forma como é distribuídoorendimentodasfamíliaspelasdiversasclassesde despesas.A estruturade consumode cada famíliareflete oseunível de vida. -Fatoresde que depende oconsumo:  Fatoreseconómicos: Principaisfatoresde naturezaeconómicaque exerceminfluenciam sobre o consumo,comoo rendimentodosconsumidores,onível de preçosdosbense serviçose a inovação tecnológica.  Fatoresextraeconómicos:fatoresde naturezasociocultural que influenciamoconsumo,comoa publicidade,atradição,osmodosde vida,a modae a estruturaetáriados agregadosfamiliares. -Lei de Engel- A proporçãodo rendimentodestinadoàsdespesascombenselementaresdiminui/aumentaà medidaque orendimentoaumenta/diminui. -Necessidade- Sensaçãode insatisfaçãoque ocorre naausênciade umbemou serviçode que se carece.As características dasnecessidadessãoamultiplicidade,asaciabilidade,ahierarquizaçãoe a substituibilidade -Sociedade de consumo:Caracteriza-se pelaproduçãoe consumode umelevadoe diversificadonúmerode bense serviços
  • 11. 3- A produção de bens e serviços 3.1- Bens: noçãoe classificação É através doconsumode bensque satisfazemosasnossasnecessidades,ouseja,osbenssãotodosos meios suscetíveisde satisfazernecessidades.Masnemtodosos bensaparecemna naturezanasquantidades suficientes- amaiorparte existe emquantidade muitoreduzidas.Porisso,osbenssubdividem-se,emfunção do seucusto,embenslivrese benseconómicos. Os benssãoaquelesque existememabundancianãoexigindoqualquerdispêndiode dinheirooutrabalho na sua obtenção,comoo ar que respiramos.Os benseconómicossãoosque existememquantidades inferioresàsnecessidadesparasatisfazertodasasnecessidades. - Classificaçãode benseconómicos: 3.2- A produçãoe o processo produtivo Os benseconómicosnãoaparecemnaNaturezana suaforma final,istoé,aindanãoestãoprontospara seremutilizados,sendonecessáriotransforma-losde modoapoderemsatisfazerasnossasnecessidades.A atividade humanade criaçãode bense serviçosque conduzàsatisfaçãodas necessidadesdenomina-se de produção.Trata-se de uma atividade remunerada(excluindo-seasatividadesnãoremuneradascomo trabalhodomestico) que combinaosváriosfatoresprodutivos,gerandobense serviçoscomerciáveis.
  • 12. - Os setoresde atividadeeconómica: Comoforma de organizaras diversasatividadesgeradorasde bense serviços,divide-se aatividadeeconómicaemtrêssetores:primário, secundárioe terciário. No setorprimário: incluem-seasatividadesrelacionadascomarecolha dos bensque a naturezadisponibiliza,comopesca,a agricultura,a pecuáriae a silvicultura. No setorsecundário:estãoenglobadasasindústriastransformadorasde matérias-primasfornecidaspelosetorprimário,comoasindustriase calçado outêxteis. No setorterciário:estãocompreendidososserviçose todasas atividadesnãoabrangidaspelosoutros setorescomoo comércioa banca as seguradorasostransporte o turismoa comunicação,a defesaajustiçaa educação,entre outros. Cada setoré subdivididoemváriosramosde atividade,correspondendocada umdelesauma atividade económica. 3.3- Fatoresde produção Os fatoresde produçãosão todosos elementosnecessáriosaofabricode bens.Consideram-setrêstiposde fatoresprodutivos:osrecursosnaturais,otrabalhoe o capital.Estesfatoressão combinadosentre si de modoa permitiraobtençãode bens. O homemrecolhe danaturezaas matérias-primasnecessáriasparaproduzirbenscapazesde satisfazeras suas necessidades,comauxílio de ferramentase equipamentos.Asmatérias-primas(recursos)vãoser transformadasemprodutosacabadosatravésda força de trabalhodo homem(trabalho) e de máquinase utensíliosdiversos(capitais). 3.3.1- Os recursos naturais São todosos elementosque aNaturezafornece aohomemparaa satisfaçãodassuas necessidades.Podem serrecursosrenováveisounãorenováveis.
  • 13.  Recursos renováveis:sãoaquelesque nãose esgotamnumcurto espaçode tempoe que vão sendo substituídosperiodicamente.Sãoaindapoucoutilizadosporquenecessitamde umgrande investimento e de umagrande mudançana mentalidade dapopulação.  Recursos não renováveis:são osque não podemserrepostospelanaturezaemtempoútil,istoé,a sua reposiçãosóé possível numperíodode tempomuitolongoque nãoacompanhao ritmo das necessidades humanas. 3.3.2-O Trabalho É toda a atividade físicaouintelectual desempenhadapeloHomemde formaremuneradae que temcomo objetivoaproduçãode bense serviçosde modoa satisfazernecessidades. O trabalhoé simplesquendonãoé necessáriaaexistênciade umaqualificaçãoespecificae é completa quandoexige umconjuntode qualificaçõesprópriasque podemserobtidasatravésde formaçãode experienciaprofissional. O trabalhotambémpode sermanual, sempre que predominaoesforçofísico,ou intelectual, se oque sobressai é oesforçomental. Classificaçãodo tipo de tarefa:  Trabalhode execução:que corresponde àrealizaçãode tarefaspreestabelecidas  Trabalhode organização:quandorespeitaàcooperação dotrabalhohumanocom as máquinase os equipamentos  Trabalhode direção:se estárelacionadocomo planeamentoe controlodaatividade produtiva  Trabalhode invenção:quandopermite descobrirnovosprodutose processosprodutivosatravésda investigação População ativa ou inativa:  Populaçãoativa:representatodososindivíduosque desempenhamatividadesremuneradasouos que se encontremà procura de emprego.Énecessárioterummínimode 15 anose um máximode 64 para pertencerà populaçãoativa.  Populaçãoinativa:é compostaportodas as pessoasque nãodesempenhamatividades remuneradas,onde se incluem,osindivíduoscomidade inferiora15 ousuperiora 64 anos.Como deficientes,estudantes,donasde casa,inválidos,reformadosouospensionistas. Associada a estestemos a:  Taxa de atividade=populaçãoativa/Populaçãodesempregadax100  Taxa de desemprego=Populaçãodesempregada/Populaçãoativax100 Tipos de desemprego:  Desempregode longaduração:representaasituaçãode quemse encontraà procura de empregohá maisde umano.
  • 14.  Desempregotemporário:traduzasituaçãopassageiradaspessoasque se encontramentre dois empregos,quandosaíramde um para ingressaremnoutro.  Desempregotecnológico:correspondeàdificuldade de acompanhamentodaevoluçãotecnológica por parte dos trabalhadores.  Desempregorepetitivo:dizrespeitoàspessoasque estãosistematicamente amudarde emprego.  Desempregosazonal:poisháalgumasatividadesque apresentamritmosde produçõbastante variadosao longodoano. Formação ao longo da vida:  Época em que o progressotecnológicoé de tal forma aceleradoque exigepermanentemente atualizaçõesde conhecimentos.Énecessárioapostarnaeducaçãoo inícioda vidacomo tambémna formaçãocontínua ao longoda vida,caso contrariorapidamente se ficadesatualizado. Empregabilidade significaque representaoconjuntode competênciasde cadaindividuoque facilitama obtençãode um emprego. Terciarização:  O setorterciáriotemvindoa ganhar cada vezmaiorpesona estruturada atividade económica.Pois resultada expansãodosserviçosàsatividadespertencentesaossetoresprimáriose secundários. 3.3.3- O capital O capital representaoconjuntodosbens utilizadosnaatividade produtiva. 3.4- Combinaçãode fatores de produção: A função de produçãoé uma relaçãotécnicaque indicaqual o montante máximode produçãoque se pode obtercomcada conjuntodeterminadode fatoresprodutivos.
  • 15. Os fatoresque apresentamumconjuntode característicasque influenciamaformacomo estesse podem combinar:  Substituibilidade:ocorre sempre que é possíveltrocarum fatorpor outro emváriossubmúltiplos. Ex: quandoumtrator passaa executaras tarefasdo Homem, está-se asubstituirofator trabalho (Homem) pelofatorcapital (trator).  Divisibilidade:consistenapossibilidadede decomposiçãode umfatoremváriossubmúltiplos, podendo-seutilizaresse fatoremdosesmaioresoumenores.Ex:Matérias-primasouenergias.  Complementaridade:aplica-se nassituaçõesemque ousode um fatorimplicaa utilizaçãode outro. Ex. Para o trator podertrabalharnecessitaque alguémoconduza. No entanto,ascaracterísticas dofatoresde produção podemalterar-se aolongodotempo,poisoprogresso tecnológicooferece novosprodutose novosprocessosprodutivos,modificandoasrelaçõesque se estabelecementre osfatores. Outra variável é oseuhorizonte temporal,istoé,quantotempoé necessárioparase poderprocederà alteraçãode um fator.Classifica-seotempode implementaçãode umamudançacomosendo curto prazo, quandose podemalterarapenasalgunsfatores,e de longo prazo, quandoé possível modificartodosos fatores. Produtividade:É o indicadoreconómicoque permitecalcularovalorde produçãogerada por cada unidade de fator utilizada. Obtém-se coma seguinte fórmula:  Produtividadetotal emvalor(conjuntototal de fatoresempreguescomoparacada umdos fatores emseparado) : Valorda produção/valoresdosfatores produtivos.  Produtividademédiaemvalor(valorde produçãoobtidaporum fator):Valorda produção/Valor desse fator  Produtividademédiaemquantidade(quantidadede produtoobtidoporumfator):Produtividade médiade um fatoremquantidade=Volume de produção/Quantidadesdesse fator Um outro conceitoimportante é ode produtividade marginal,que permite mediroacréscimode produção obtidade cada vezque se adicionaumaunidade de fatorprodutivo. Produtividade emPortugal- causas e soluções: o Causas:  Faltade modernização (maquinariaultrapassada)  Fraca qualificaçãode mão-de-obra(nãoapenasaformação adquiridapelotrabalhadoranteriorà colocação nopostode trabalho,mastambéma fraca atualizaçãodosmesmos)  Excessode burocracia o Soluções:  Incorporaçãodo progressotécniconocapital fixo- Maquinaseficientespoupamtrabalhoe capital circulante.
  • 16.  Combate a burocracia- emque o governoparece estar,até à data,empenhado  Valorizaçãodocapital humano- nãonecessariamente personalizada,masque pode passar- entre muitasoutras- pelamelhorgestãode horários(pausasmenoslongase maisfrequentes,à semelhançadoque acontece emmuitosoutrospaíses),programasde manutençãodasaúde dos trabalhadores(atividadesfísicasleves,atitulode exemplo,que algumasempresasjá implementaram),fatoresque tambémcontribuempraumamaiormotivaçãodostrabalhadores (trabalhadormotivado=trabalhadormaisprodutivo,àpartida). A produtividadegeradapelasunidadesprodutivasde umpais,atravésda utilizaçãoracional e eficientedos recursos,permite-lhescriarvalore dessaformaaumentara riquezanacional. Lei dosrendimentosdecrescentes: A lei dosrendimentosdecrescentes,quando se aumentaregularmente asquantidades de um fator (capital outrabalho) mantendo fixoooutro, a partirde um certoponto,a produçãosuplementarresultante desse aumentovai diminuindoprogressivamente, istoé,os acréscimosde produçãoobtidos começama sercada vezmenores- diminuiçãomarginal daprodução. A melhorcombinaçãopossível dosfatoresé aque permite amáximaproduçãoatravésde uma eficiente utilizaçãodosrecursos. Assim: Os rendimentoscomeçamadecrescerimediatamente aseguiraopontoque corresponde àcombinação ótimados fatoresprodutivos-Lei dosrendimentosdecrescentes.
  • 17. Custos de produção: Os encargoscom a produçãode bense serviçosdenominam-secustode produção e representamocusto total que uma unidade produtivatemde desembolsarparao desenvolvimentodasuaatividade.  Custototal (CT) = custos fixos+custosvariáveis Os custosfixos(CF) correspondemàsdespesassuportadaspelaempresa,independentementeda quantidade de bensque produziu. Os custosvariáveis(CV) sãoosencargosque variamemfunçãodas quantidadesproduzidas,istoé,quando as despesasaumentamàmedidaque aumentaovolume de produção. Custounitáriooucusto medio(CM) de cada unidade produzida:customédio=custototal/quantidadede bens. Exemplo: Vejamoscomose comportamos custosconforme se vai aumentandoaquantidade de bensque são produzidos.Noquadro,oscustosfixosnãose alteramindependentemente dasquantidadesproduzidas.Por outro lado,sobemgradualmente oscustosvariáveis,fazendo-se repercutiresse aumentonocustototal. Economias de escala: Quandouma empresaproduzmaise os custosgastos nessaproduçãodiminuem. Aseconomiasde escala podemserinternasouexternas,conforme têmorigemdentroe forada empresa. Deseconomiasde escala: É quandoa empresaaumentatantoque oscustos unitárioscomeçamaaumentar,tornando-se assim demasiadocomplexososprocessosde gestão.