Slides proinfantil claudia e elaine

1.482.145 visualizações

Publicada em

Slide apresentado por mim e minha colega Elaine no curso de Pós Graduação em Educação Infantil pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul na disciplina: Prática Docente ministrada pela professora e doutora Celi.

Publicada em: Educação
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.482.145
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.479.142
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slides proinfantil claudia e elaine

  1. 2. Objetivos nesta seção: <ul><li>Conhecer as diversas formas de organização, participação e tomada de decisão da comunidade educativa (direção, profissionais, família, comunidade, conselhos, colegiado, comissões, etc.) </li></ul>
  2. 3. GESTÃO DEMOCRÁTICA <ul><li>Conceito : Práticas Pedagógicas desenvolvidas a partir da participação coletiva da população que está envolvida direta ou indiretamente com as questões escolares, garantindo condições para a representação, com legitimidade dos anseios da comunidade educativa. </li></ul>
  3. 4. COLEÇÃO PROINFANTIL UNIDADE 5 Seção 3- Os múltiplos atores: integração e responsabilidade
  4. 5. Gestão democrática na educação infantil e seus sujeitos envolvidos Demais funcionários Professores Orientadores Gestores Comunidade Escolar (pais e alunos) Gestão Democrática
  5. 6. <ul><li>Quando se desenvolvem práticas de gestão participativa na escola, o que se pode esperar é que a criança aprenda a ser livre, sabendo respeitar e se fazendo respeitar: que aprenda a pensar com autonomia, lutar pela promoção da pessoa humana, criar uma consciência crítica e autocrítica, se expressando e desenvolvendo um senso de justiça, e que possua a consciência do valor de sua cultura ( Coleção PROINFANTIL, Mód. III, Unidade 5, MEC, p. 28). </li></ul>
  6. 7. <ul><li>Uma escola democrática pressupõe o aprendizado da ação política, que parte da vontade da criação e da disponibilidade para ajudar e ser ajudado, bem como da capacidade de compreender coletiva e igualitariamente a vida ( Coleção PROINFANTIL, Mód. III, Unidade 5, MEC, p. 29). </li></ul>
  7. 8. Seção 4 – Avaliação das creches, pré-escolas e escolas que possuem turmas de Educação Infantil <ul><li>Objetivo a ser alcançado nesta seção: </li></ul><ul><li>- Conhecer estratégias de avaliação do trabalho das creches, pré-escolas e escolas que possuem turmas de Educação Infantil fundamentadas no princípio da cooperação e da participação. Priscilla Silva Nogueira </li></ul>
  8. 9. Atividades complementares: <ul><li>Relate uma situação que você tenha vivenciado como aluno(a) e que envolva a avaliação. Como você analisa essa situação de acordo com as concepções sobre avaliação que você tem hoje? </li></ul><ul><li>Claudia </li></ul><ul><li>Resp: Eu lembro da época de escola que quando chegava o período de provas eu ficava horas no meu quarto decorando vários textos de geografia e história, pois as respostas das perguntas nas provas tinham que estar escritas iguais as dos textos. As notas eram somatórias. No final do ano se somavam todas as médias bimestrais e dividiam-se por quatro. Esse tipo de avaliação classificatória existe até hoje em nossas escolas públicas. Eu penso, que a avaliação deve servir de subsídios para o trabalho pedagógico do professor e dar continuidade a este trabalho, e não para servir de exclusão escolar. </li></ul>
  9. 10. Elaine <ul><li>A professora Claudia, já disse tudo no slide anterior. Agora eu vou dizer o que eu acho da avaliação: </li></ul><ul><li>Muito se tem discutido sobre o cenário da avaliação da aprendizagem nestes últimos anos. Avaliar é um ato que deve ser feito com responsabilidade, ética e moral. A avaliação fundamentada em pressupostos tradicionais e apenas quantitativos ainda é uma abordagem usual, contudo devemos refletir sobre este cenário tendo em vista as novas demandas sociais. Ainda neste contexto, vale pontuar que avaliar não deve ser somente medir, mas perceber uma concepção filosófica política que este universo nos remete. Deveríamos repensar os métodos avaliativos para que estes tenham seus limites ultrapassados tendo em vista a introdução de novas tecnologias e de uma pós modernidade educacional. </li></ul>
  10. 11. <ul><li> A avaliação da aprendizagem tem caráter fundamentalmente formativo: ela é voltada para a formação do(a) aluno(a) em sua totalidade, para desenvolvimento de suas capacidades – que não são inatas. Ao contrário, são construídas socialmente e no próprio processo de aprendizagem. A avaliação da aprendizagem é, portanto, o acompanhamento do processo de desenvolvimento e transformação dos(as) alunos(as), inserido no próprio processo de transformação social. (...) </li></ul>
  11. 12. <ul><li>A avaliação institucional, nesta perspectiva, tem também um caráter formativo. </li></ul><ul><li>Está voltada para compreender a escola ou o sistema educacional como sujeitos ativos e participantes de um processo de transformação de si próprios e da sociedade. Não buscar dar notas ou conceitos, nem fazer hierarquias de melhores e piores. Seu objetivo é oferecer elementos para que a escola ou o sistema se aperfeiçoem e cumpram suas funções de educar e formar a população. (BELLONI, 2000 apud FERNANDES, 2002. p. 132) </li></ul>
  12. 13. <ul><li>Atividade 6 </li></ul><ul><li>Na instituição onde você trabalha existe a prática de uma avaliação institucional? </li></ul><ul><li>Em caso afirmativo, como ela acontece? Em caso negativo, por que você acha que ela ainda não acontece? </li></ul>
  13. 14. <ul><li>Resp. De acordo com a direção do Centro Municipal de Educação Infantil Lar da Criança situado no município de Sidrolândia, MS, existe sim avaliação institucional, além do cronograma anual de reuniões de pais e funcionários juntamente com parceiros da educação como: Conselho tutelar, Equipe Multidisciplinar, Dentista, Nutricionista, APM, onde se discute problemas, oferece esclarecimentos e aceita sugestões para melhorar a qualidade de atendimento da Instituição, seguimos rigorosamente os Indicadores de Qualidade na Educação Infantil, caracterizado como instrumento de autoavaliação da qualidade das Instituições Infantis, possibilitando a reflexão e a definição de um caminho </li></ul>
  14. 15. <ul><li>próprio para aperfeiçoar o trabalho pedagógico e social da Instituição, considerando aspectos: direitos humanos da Constituição Federal e o Estatuto da Criança e do Adolescente; reconhecimento e valorização das diferenças de gênero, ético-racial, religiosa e cultural; valores sociais; legislação educacional brasileira ( regulamentos, finalidades e formas de organização do sistema educacional e conhecimentos científicos sobre o desenvolvimento infantil, são estes os pontos de partidas importantes na definição de critérios de qualidade, acompanhados pela Coordenadora Geral da Educação, Secretária de Educação juntamente com o MEC. </li></ul>
  15. 16. <ul><li>Quando procedemos à avaliação institucional, nosso objetivo é que a instituição possa oferecer às crianças e às famílias uma educação de qualidade. </li></ul><ul><li>É importante lembrar que nosso olhar deve estar voltado para as crianças de 0 a 6 anos, as quais, como temos discutido ao longo de diversas unidades já estudadas, possuem especificidades que as colocam no lugar de pequenos cidadãos, que têm direito aos cuidados com sua integridade física e psíquica e direito a expressar seus desejos e sentimentos por meio de brincadeiras, expressões variadas como artes plásticas, música, dramatizações, jogos etc. </li></ul>
  16. 17. <ul><li>Quanto à avaliação institucional, este Módulo da Coleção Proinfantil, que é um processo cuja responsabilidade não é exclusiva do(a) professor(a), mas no qual ele(a) pode colaborar à medida que: </li></ul><ul><li>- Participa de reuniões com a equipe pedagógica, pais e demais funcionários, dando sua colaboração. </li></ul><ul><li>- Registra o desenvolvimento de suas crianças e partilha esses registros com os demais membros da equipe. </li></ul><ul><li>- Mantém um relacionamento próximo com os pais das crianças com as quais trabalha, ouvindo, respeitando e, quando pertinentes, acatando sugestões dos familiares. </li></ul>
  17. 18. Sugestões para a prática pedagógica <ul><li>Registrar o desenvolvimento e o interesse das crianças, no grupo e individualmente (lembre-se de que, ao escrever sobre o cotidiano com as crianças,o(a) professor(a) estará realizando uma auto-avaliação de seu trabalho). Além disso, é importante o registro das atividades vivenciadas com/pelas crianças, formando um arquivo das produções individuais e coletivas. Os portfólios, como o que você vem construindo como avaliação de sua participação no PROINFANTIL, são um instrumento importante para realizar esses registros. </li></ul>
  18. 19. <ul><li>Construção de um livro da vida da turma, técnica apresentada por Freinet como alternativa para registrar coletivamente os acontecimentos e atividades vividas pelo grupo de crianças. Ao rever o que foi feito e registrado, crianças e educadores têm a possibilidade de refletir sobre o trabalho que realizam e consultar atividades já realizadas, como um arquivo de idéias, podendo fazer uma avaliação concreta do percurso daquele grupo em determinado espaço de tempo. </li></ul>
  19. 20. <ul><li>Conversar na “rodinha”, onde as crianças e o(a) professor(a) podem avaliar como foi o seu dia, levantando aspectos positivos e negativos. Junto com as crianças, o(a) professor(a) poderá refletir sobre as necessidades específicas de uma ou outra criança e a necessidade de criar novas estratégias práticas. </li></ul>
  20. 21. <ul><li>Enfim, promover reuniões de pais para apresentar o trabalho que está sendo realizado, pontuando as avaliações realizadas ao longo do período e acolhendo sugestões e críticas com relação ao trabalho, além das percepções que os responsáveis trazem com relação ao modo como as crianças vêm respondendo ao trabalho desenvolvido. </li></ul>
  21. 22. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA: <ul><li>Livro de estudo: Módulo III / Karina Rizek Lopes, Roseana Pereira Mendes, Vitória Líbia Barreto de Faria, organizadoras. – Brasília: MEC. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação a Distância, 2006. 70p. (Coleção PROINFANTIL; Unidade 5) </li></ul>

×