SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
"A felicidade consiste em preparar o futuro,
             pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste"
                                                 John Ruskin




                                   "O Instituto WCF-Brasil trabalha para promover e
                                defender os direitos das crianças e dos adolescentes”




                            Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto

I SBN 85 - 7694 - 038 - 8



9 788576 940388
Angelina estava sentada
                                                                            na calçada com a
                                                                    Autor   cabeça baixa e
                                               Luís Norberto Pascoal
                                                                            choramingava.
                                                                            Não sabia o que
Coordenação editorial                                                       fazer. Não podia
Maria Fernanda Moscheta
Sílnia N. Martins Prado                                                     contar para ninguém o
                                                                            que sentia. Tinha medo.
Revisão
Marília Mendes

Realização
Fundação
EDUCAR Dpaschoal
www.educardpaschoal.org.br
F: (19) 3728-8129




                    Todos os livros da Fundação Educar são
                    distribuídos gratuitamente a escolas
                    públicas, organizações sociais e bibliotecas.




                    Esta obra foi impressa em impressa em
                    Papel cartão Art Premium Novo 250 g/m2 (capa)
                    e Papel Couché Image Mate 145 g/m2 (miolo),
                    fabricados pela Ripasa S/A Celulose e Papel
                    em harmonia com o meio ambiente, na Gráfica
                    Editora Modelo Ltda., no ano de 2005,
                    com tiragem de 20.000 exemplares,
                    para esta 1ª edição.




                                                           Ilustração,
                                                         diagramação
                                                     e projeto gráfico
                                                  Pandora Design


                                                                                                      3
Sonhava que um dia apareceria alguém,
    talvez uma fada, para levá-la para um lugar
       onde houvesse gente carinhosa, com
     vontade de ajudá-la e que respeitasse as
       crianças, principalmente as meninas.

             Começou a pensar nesse
             lugar lindo e adormeceu.




4                                                 5
O que Angelina
                não sabia é que
                 havia borboletas
               com o dom de ouvir os
    pensamentos das crianças. Para
     sua sorte, elas estavam por
    perto, prestando atenção na
     menina, e perceberam que
    tinha chegado o momento
           de ajudá-la.




                                       Combinaram entre si:

                                              Vamos esperar ela
                                              dormir. Aí a gente
                                              entra no seu sonho e
                                              conta que esse lugar
                                             onde as crianças são
                                           respeitadas existe.

6                                                                    7
E assim fizeram. Entraram no
sonho e disseram-lhe que ela
deveria procurar uma casa que ajudava
meninas. Lá, ela poderia estudar e ter
   muitas amigas.

                Depois de explicar tudo, as
                  borboletinhas voaram para fora
                    do sonho de Angelina e ficaram
                     esperando que ela acordasse.

                              Não demorou muito e Angelina
                               começou a abrir os olhos.
                                  Acordou alegre, já não tinha
                                     vontade de chorar. O que
                                        mais queria era ir logo
                                          procurar aquele lugar
                                           com que havia
                                            sonhado.




8                                                                 9
Resolveu andar pelas ruas, tentando encontrar
 uma casa que se parecesse com a do sonho.       Estava ficando cansada e triste quando,
 Andou muito, muito mesmo, mas não                 de repente, ela viu uma casa muito
 viu nenhuma casa igual a que as                      parecida com a do sonho. Ela
 borboletinhas tinham mostrado.                          parou e ficou olhando.




10                                                                                         11
Demorou a ganhar segurança e ir até lá.
         O medo da Angelina era que fosse
           como outros lugares com gente
                   grande que a maltratava.
            As borboletas que estavam por
                  perto resolveram dar uma
               ajuda. Começaram a voar na
                  frente da menina como se
                 fossem abrindo o caminho.
                  Angelina sorriu e pensou:
                   — Nossa! As borboletas
                           são de verdade e
                        estão me ajudando.




12                                         13
— Quem são elas? — perguntou Angelina.
     Encheu-se, então, de coragem e aproximou-se da casa.
                                                                                    E a moça respondeu:
         Bateu à porta. Uma moça de olhar bondoso abriu
               convidou-a a entrar. O local era como uma      — São meninas como você, que viviam na rua
            pequena escola cheia de meninas alegres, que               e eram obrigadas a fazer coisas de
                                  faziam mil coisas legais.                que não gostavam. Agora, elas
                                                                              estudam, brincam e ajudam
                                                                              umas às outras. Você quer
                                                                                      ficar conosco?




14                                                                                                          15
Angelina ficou pensativa. Seria aquilo também
         um sonho? Mas decidiu-se, dizendo:          Logo Angelina conheceu uma garota da
      — Se vocês me aceitarem, quero ficar, sim,     sua idade, que também tinha morado
                   e prometo ajudar.                 na rua. Perguntou-lhe:
                                                      — Como você veio parar aqui?




16                                                                                          17
Angelina não acreditava que a
                                             história das borboletas tinha
                                            sido igual à dela. As mesmas
                                            borboletinhas tinham levado a
                                              outra menina até aquela casa.



                  A menina respondeu:
                 — Sabe, Angelina, eu não
     agüentava mais a minha vida na rua e
  na estrada. Sempre sonhava que uma
fada viria me salvar. Até que um
dia sonhei com umas
borboletinhas coloridas,
que me contaram
sobre este
lugar.




18                                                                            19
O tempo passou e Angelina aprendeu bastante. Todos
     gostavam muito dela. Sempre que cuidava do jardim,
     dezenas de borboletinhas vinham esvoaçar em torno
     das flores. Ela sorria e agradecia àquelas lindas
     criaturinhas coloridas.

     Na época em que morava na rua, Angelina achava que o
     mundo era feito só de coisas más e de gente sem
     coração. Depois de ir para aquela casa, ela começou a
     perceber que havia um outro lado: os anjos e as fadas
     também existiam.




20                                                           21
Ela aprendeu que o mundo também   A partir daí, e durante toda a sua vida, Angelina
        tinha gente que olhava pelas   nunca deixou de fazer parte daquela casa de amparo
           crianças com carinho e      às meninas, e sempre contava a todo mundo que um
         atenção, com sorrisos de      sonho tinha virado realidade, graças ao amor
           amor e esperança.           que existia no coração das pessoas.




22                                                                                          23
Angelina cresceu e tornou-se uma moça muito especial.
       Ela nunca se esqueceu daquilo que aprendeu com as
     borboletas. Ajudava outras meninas a acreditar nos seus
     sonhos e a construir um mundo muito melhor para todos.




24

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Livrinho 4ªF
Livrinho 4ªFLivrinho 4ªF
Livrinho 4ªF
EMEBJuca2
 
Capítulo 1: Lulital - a magia começa
Capítulo 1: Lulital - a magia começaCapítulo 1: Lulital - a magia começa
Capítulo 1: Lulital - a magia começa
pribeletato
 
A Galinha Que Sabia Ler
A Galinha Que Sabia LerA Galinha Que Sabia Ler
A Galinha Que Sabia Ler
Graça Sousa
 
Apresentação das leituras autónomas dos alunos do 2º ciclo
Apresentação das leituras autónomas dos alunos do 2º cicloApresentação das leituras autónomas dos alunos do 2º ciclo
Apresentação das leituras autónomas dos alunos do 2º ciclo
Biblioteca Soares Dos Reis
 
Sala de heróis episódio 106
Sala de heróis episódio 106Sala de heróis episódio 106
Sala de heróis episódio 106
thais78543
 
HistóRias Que A 5ª A Conta VersãO Anterior Power Point
HistóRias Que A 5ª A Conta   VersãO Anterior Power PointHistóRias Que A 5ª A Conta   VersãO Anterior Power Point
HistóRias Que A 5ª A Conta VersãO Anterior Power Point
enir.ester
 
Lygia bojunga nunes a bolsa amarela
Lygia bojunga nunes   a bolsa amarelaLygia bojunga nunes   a bolsa amarela
Lygia bojunga nunes a bolsa amarela
Estado do RS
 

Mais procurados (17)

A historia que_mora_nas_coisas_web
A historia que_mora_nas_coisas_webA historia que_mora_nas_coisas_web
A historia que_mora_nas_coisas_web
 
O menino que sabia desenhar
O menino que sabia desenharO menino que sabia desenhar
O menino que sabia desenhar
 
Dora e o jardím
Dora e o jardímDora e o jardím
Dora e o jardím
 
Livrinho 4ªF
Livrinho 4ªFLivrinho 4ªF
Livrinho 4ªF
 
Histórias selecionadas do Ateliê
Histórias selecionadas do Ateliê Histórias selecionadas do Ateliê
Histórias selecionadas do Ateliê
 
Avós
AvósAvós
Avós
 
Sequência didática margarida friorenta
Sequência didática margarida friorentaSequência didática margarida friorenta
Sequência didática margarida friorenta
 
A traça escritora
A traça escritoraA traça escritora
A traça escritora
 
Capítulo 1: Lulital - a magia começa
Capítulo 1: Lulital - a magia começaCapítulo 1: Lulital - a magia começa
Capítulo 1: Lulital - a magia começa
 
A Galinha Que Sabia Ler
A Galinha Que Sabia LerA Galinha Que Sabia Ler
A Galinha Que Sabia Ler
 
A margarida friorenta
A margarida friorentaA margarida friorenta
A margarida friorenta
 
Apresentação das leituras autónomas dos alunos do 2º ciclo
Apresentação das leituras autónomas dos alunos do 2º cicloApresentação das leituras autónomas dos alunos do 2º ciclo
Apresentação das leituras autónomas dos alunos do 2º ciclo
 
Sala de heróis episódio 106
Sala de heróis episódio 106Sala de heróis episódio 106
Sala de heróis episódio 106
 
HistóRias Que A 5ª A Conta VersãO Anterior Power Point
HistóRias Que A 5ª A Conta   VersãO Anterior Power PointHistóRias Que A 5ª A Conta   VersãO Anterior Power Point
HistóRias Que A 5ª A Conta VersãO Anterior Power Point
 
Ficheiros de-escrita-criativa-varias-30
Ficheiros de-escrita-criativa-varias-30Ficheiros de-escrita-criativa-varias-30
Ficheiros de-escrita-criativa-varias-30
 
3 perguntas do rei
3 perguntas do rei3 perguntas do rei
3 perguntas do rei
 
Lygia bojunga nunes a bolsa amarela
Lygia bojunga nunes   a bolsa amarelaLygia bojunga nunes   a bolsa amarela
Lygia bojunga nunes a bolsa amarela
 

Destaque

Professora, existem Santos Negros? Histórias de Identidade Religiosa Negra. C...
Professora, existem Santos Negros? Histórias de Identidade Religiosa Negra. C...Professora, existem Santos Negros? Histórias de Identidade Religiosa Negra. C...
Professora, existem Santos Negros? Histórias de Identidade Religiosa Negra. C...
Geraa Ufms
 
Cabelo Bom, Cabelo Ruim. Coleção Percepções da Diferença na Escola
Cabelo Bom, Cabelo Ruim. Coleção Percepções da Diferença na EscolaCabelo Bom, Cabelo Ruim. Coleção Percepções da Diferença na Escola
Cabelo Bom, Cabelo Ruim. Coleção Percepções da Diferença na Escola
Geraa Ufms
 
Coleção Vila da Criança
Coleção Vila da CriançaColeção Vila da Criança
Coleção Vila da Criança
reginashudo
 
Eles tem a cara preta
Eles tem a cara preta Eles tem a cara preta
Eles tem a cara preta
culturaafro
 
Moreninho, Neguinho, Pretinho. Coleção Percepções da Diferença na Escola
Moreninho, Neguinho, Pretinho. Coleção Percepções da Diferença na EscolaMoreninho, Neguinho, Pretinho. Coleção Percepções da Diferença na Escola
Moreninho, Neguinho, Pretinho. Coleção Percepções da Diferença na Escola
Geraa Ufms
 
história e cultura afro brasileira e africana
história e cultura afro brasileira e africanahistória e cultura afro brasileira e africana
história e cultura afro brasileira e africana
culturaafro
 
Brinquedos e brincadeiras na educação infantil
Brinquedos e brincadeiras na educação infantilBrinquedos e brincadeiras na educação infantil
Brinquedos e brincadeiras na educação infantil
SimoneHelenDrumond
 

Destaque (15)

Cabelo bom cabelo ruim
Cabelo bom cabelo ruimCabelo bom cabelo ruim
Cabelo bom cabelo ruim
 
Professora, existem Santos Negros? Histórias de Identidade Religiosa Negra. C...
Professora, existem Santos Negros? Histórias de Identidade Religiosa Negra. C...Professora, existem Santos Negros? Histórias de Identidade Religiosa Negra. C...
Professora, existem Santos Negros? Histórias de Identidade Religiosa Negra. C...
 
Coleção degrau 2º período - livro do professor
Coleção degrau   2º período - livro do professorColeção degrau   2º período - livro do professor
Coleção degrau 2º período - livro do professor
 
Coleção degrau 1º período - livro do professor
Coleção degrau   1º período - livro do professorColeção degrau   1º período - livro do professor
Coleção degrau 1º período - livro do professor
 
Slides proinfantil claudia e elaine
Slides proinfantil claudia e elaineSlides proinfantil claudia e elaine
Slides proinfantil claudia e elaine
 
Cabelo Bom, Cabelo Ruim. Coleção Percepções da Diferença na Escola
Cabelo Bom, Cabelo Ruim. Coleção Percepções da Diferença na EscolaCabelo Bom, Cabelo Ruim. Coleção Percepções da Diferença na Escola
Cabelo Bom, Cabelo Ruim. Coleção Percepções da Diferença na Escola
 
Coleção Vila da Criança
Coleção Vila da CriançaColeção Vila da Criança
Coleção Vila da Criança
 
Eles tem a cara preta
Eles tem a cara preta Eles tem a cara preta
Eles tem a cara preta
 
Moreninho, Neguinho, Pretinho. Coleção Percepções da Diferença na Escola
Moreninho, Neguinho, Pretinho. Coleção Percepções da Diferença na EscolaMoreninho, Neguinho, Pretinho. Coleção Percepções da Diferença na Escola
Moreninho, Neguinho, Pretinho. Coleção Percepções da Diferença na Escola
 
Proposta do maternal l e ll educação infantil
Proposta do maternal l e ll   educação infantilProposta do maternal l e ll   educação infantil
Proposta do maternal l e ll educação infantil
 
história e cultura afro brasileira e africana
história e cultura afro brasileira e africanahistória e cultura afro brasileira e africana
história e cultura afro brasileira e africana
 
Brinquedos e brincadeiras na educação infantil
Brinquedos e brincadeiras na educação infantilBrinquedos e brincadeiras na educação infantil
Brinquedos e brincadeiras na educação infantil
 
Historia das vogais
Historia das vogaisHistoria das vogais
Historia das vogais
 
O lúdico jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...
O lúdico  jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...O lúdico  jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...
O lúdico jogos brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprend...
 
Apostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de Alfabetização
Apostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de AlfabetizaçãoApostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de Alfabetização
Apostila da Educação Infantil Nível I e II e Ciclo de Alfabetização
 

Semelhante a Coleção Valores para mudar o mundo: Livro Fadas ou Borboletas (20)

Fadas e Borboletas
Fadas e BorboletasFadas e Borboletas
Fadas e Borboletas
 
Fadas ou borboletas
Fadas ou borboletasFadas ou borboletas
Fadas ou borboletas
 
Imagina3
Imagina3Imagina3
Imagina3
 
O magico encontro
O magico encontroO magico encontro
O magico encontro
 
Licao de voo + atividades
Licao de voo + atividadesLicao de voo + atividades
Licao de voo + atividades
 
As aventuras dos ursitos 4
As aventuras dos ursitos 4As aventuras dos ursitos 4
As aventuras dos ursitos 4
 
Passaporte da leitura / 2º Período (2011/12)
Passaporte da leitura / 2º Período (2011/12)Passaporte da leitura / 2º Período (2011/12)
Passaporte da leitura / 2º Período (2011/12)
 
Livro activo
Livro activoLivro activo
Livro activo
 
Livro Activo
Livro ActivoLivro Activo
Livro Activo
 
Livro Activo
Livro ActivoLivro Activo
Livro Activo
 
Livro Activo
Livro ActivoLivro Activo
Livro Activo
 
Livro Activo
Livro ActivoLivro Activo
Livro Activo
 
Livro activo
Livro activoLivro activo
Livro activo
 
História de um livro activo...
História de um livro activo...História de um livro activo...
História de um livro activo...
 
Livro Activo
Livro ActivoLivro Activo
Livro Activo
 
Livro activo
Livro activoLivro activo
Livro activo
 
Era uma vez um LIVRO
Era uma vez um LIVROEra uma vez um LIVRO
Era uma vez um LIVRO
 
Livro Activo
Livro ActivoLivro Activo
Livro Activo
 
Livro activo
Livro activoLivro activo
Livro activo
 
Livro activo
Livro activoLivro activo
Livro activo
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 

Coleção Valores para mudar o mundo: Livro Fadas ou Borboletas

  • 1. "A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste" John Ruskin "O Instituto WCF-Brasil trabalha para promover e defender os direitos das crianças e dos adolescentes” Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto I SBN 85 - 7694 - 038 - 8 9 788576 940388
  • 2.
  • 3. Angelina estava sentada na calçada com a Autor cabeça baixa e Luís Norberto Pascoal choramingava. Não sabia o que Coordenação editorial fazer. Não podia Maria Fernanda Moscheta Sílnia N. Martins Prado contar para ninguém o que sentia. Tinha medo. Revisão Marília Mendes Realização Fundação EDUCAR Dpaschoal www.educardpaschoal.org.br F: (19) 3728-8129 Todos os livros da Fundação Educar são distribuídos gratuitamente a escolas públicas, organizações sociais e bibliotecas. Esta obra foi impressa em impressa em Papel cartão Art Premium Novo 250 g/m2 (capa) e Papel Couché Image Mate 145 g/m2 (miolo), fabricados pela Ripasa S/A Celulose e Papel em harmonia com o meio ambiente, na Gráfica Editora Modelo Ltda., no ano de 2005, com tiragem de 20.000 exemplares, para esta 1ª edição. Ilustração, diagramação e projeto gráfico Pandora Design 3
  • 4. Sonhava que um dia apareceria alguém, talvez uma fada, para levá-la para um lugar onde houvesse gente carinhosa, com vontade de ajudá-la e que respeitasse as crianças, principalmente as meninas. Começou a pensar nesse lugar lindo e adormeceu. 4 5
  • 5. O que Angelina não sabia é que havia borboletas com o dom de ouvir os pensamentos das crianças. Para sua sorte, elas estavam por perto, prestando atenção na menina, e perceberam que tinha chegado o momento de ajudá-la. Combinaram entre si: Vamos esperar ela dormir. Aí a gente entra no seu sonho e conta que esse lugar onde as crianças são respeitadas existe. 6 7
  • 6. E assim fizeram. Entraram no sonho e disseram-lhe que ela deveria procurar uma casa que ajudava meninas. Lá, ela poderia estudar e ter muitas amigas. Depois de explicar tudo, as borboletinhas voaram para fora do sonho de Angelina e ficaram esperando que ela acordasse. Não demorou muito e Angelina começou a abrir os olhos. Acordou alegre, já não tinha vontade de chorar. O que mais queria era ir logo procurar aquele lugar com que havia sonhado. 8 9
  • 7. Resolveu andar pelas ruas, tentando encontrar uma casa que se parecesse com a do sonho. Estava ficando cansada e triste quando, Andou muito, muito mesmo, mas não de repente, ela viu uma casa muito viu nenhuma casa igual a que as parecida com a do sonho. Ela borboletinhas tinham mostrado. parou e ficou olhando. 10 11
  • 8. Demorou a ganhar segurança e ir até lá. O medo da Angelina era que fosse como outros lugares com gente grande que a maltratava. As borboletas que estavam por perto resolveram dar uma ajuda. Começaram a voar na frente da menina como se fossem abrindo o caminho. Angelina sorriu e pensou: — Nossa! As borboletas são de verdade e estão me ajudando. 12 13
  • 9. — Quem são elas? — perguntou Angelina. Encheu-se, então, de coragem e aproximou-se da casa. E a moça respondeu: Bateu à porta. Uma moça de olhar bondoso abriu convidou-a a entrar. O local era como uma — São meninas como você, que viviam na rua pequena escola cheia de meninas alegres, que e eram obrigadas a fazer coisas de faziam mil coisas legais. que não gostavam. Agora, elas estudam, brincam e ajudam umas às outras. Você quer ficar conosco? 14 15
  • 10. Angelina ficou pensativa. Seria aquilo também um sonho? Mas decidiu-se, dizendo: Logo Angelina conheceu uma garota da — Se vocês me aceitarem, quero ficar, sim, sua idade, que também tinha morado e prometo ajudar. na rua. Perguntou-lhe: — Como você veio parar aqui? 16 17
  • 11. Angelina não acreditava que a história das borboletas tinha sido igual à dela. As mesmas borboletinhas tinham levado a outra menina até aquela casa. A menina respondeu: — Sabe, Angelina, eu não agüentava mais a minha vida na rua e na estrada. Sempre sonhava que uma fada viria me salvar. Até que um dia sonhei com umas borboletinhas coloridas, que me contaram sobre este lugar. 18 19
  • 12. O tempo passou e Angelina aprendeu bastante. Todos gostavam muito dela. Sempre que cuidava do jardim, dezenas de borboletinhas vinham esvoaçar em torno das flores. Ela sorria e agradecia àquelas lindas criaturinhas coloridas. Na época em que morava na rua, Angelina achava que o mundo era feito só de coisas más e de gente sem coração. Depois de ir para aquela casa, ela começou a perceber que havia um outro lado: os anjos e as fadas também existiam. 20 21
  • 13. Ela aprendeu que o mundo também A partir daí, e durante toda a sua vida, Angelina tinha gente que olhava pelas nunca deixou de fazer parte daquela casa de amparo crianças com carinho e às meninas, e sempre contava a todo mundo que um atenção, com sorrisos de sonho tinha virado realidade, graças ao amor amor e esperança. que existia no coração das pessoas. 22 23
  • 14. Angelina cresceu e tornou-se uma moça muito especial. Ela nunca se esqueceu daquilo que aprendeu com as borboletas. Ajudava outras meninas a acreditar nos seus sonhos e a construir um mundo muito melhor para todos. 24